12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade

1.234 visualizações

Publicada em

Riscos da mediunidade

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.234
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
63
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade

  1. 1. RISCOS DA MEDIUNIDADE, PERDA E SUSPENSÃO DA FACULDADE C O E M – 12ª AULA TEÓRICA
  2. 2. Mediunidade e trabalho • • • A faculdade mediúnica, como já disse­mos, não é privilégio de quem a possui e, ainda mais, é uma faculdade inerente ao ser humano. Todos a possuem, em diversos graus. Tanto isso é verdade que todos, mesmo aqueles que não têm pendor para o Espiritismo, a têm e exercitam no mais das vezes sem o saber. As percepções extrasensoriais, os sonhos premonitórios, as intuições, as visões são comuns na vida de muitos e em alguma época de nossa vida. Mas costuma­ se chamar de médium à pessoa que permite, através de si, manifestações evidentes, ostensivas, consciente ou inconscientemente, sejam elas de natureza física ou intelectual. Lembremo­nos de que não devem os médiuns se considerar melhores que outras pessoas; nem tão pouco a mediunidade deve ser motivo de vaidade e orgulho, pois tem ela o sentido de tarefa, de serviço, de missão a ser cumprida com alegria e desinteresse. "Mas há médiuns que só empregam sua faculdade de má vontade." São médiuns imperfeitos. Não sabem o valor da função que lhes foi concedida. "Se é uma missão, por que não se apresenta como privilégio dos homens de bem, sendo dada a pessoas que não merecem nenhuma consideração e que podem abusar dela?" "Precisamente porque tais pessoas necessitam dela para se aperfeiçoar e para que tenham a possibilidade de receber bons ensinamentos. Se não aproveitarem, sofrerão as conseqüências. Jesus não falava de preferência aos pecadores, dizendo que é preciso dar aos que não têm?“ A.K. ­ L.M. ­ 2ª parte, Cap. XVII, itens 220 e seguintes
  3. 3. • Como vemos, ela pode ser considerada como verdadeiro instrumento de redenção da criatura humana. Ao usá­la dignamente e com correção, tem o médium oportunidade de exercitar as virtudes cristãs, como a humildade, o perdão, o amor e a caridade. • Sendo uma faculdade como as outras, pode sofrer interrupções, ser suspensa temporariamente ou não mais funcionar.
  4. 4. Suspensão da mediunidade Causas. • A que causas devemos atribuir esta perda ou suspensão da faculdade mediúnica?
  5. 5. Advertência. • Ocorre quando os Espíritos que sempre se comunicam por um médium deixam de o fazer. Isto tem um significado muito importante. • Quer dizer que eles desejam provar ao médium e a todos, que eles, os Espíritos, são indispensáveis para que haja a comunicação e que, sem o seu concurso simpático, nada se obterá. • No mais das vezes, tal atitude se prende à forma pela qual o médium vem se conduzindo, deixando a desejar sob o ponto de vista moral e doutrinário. • "Esse dom de Deus não é concedido ao médium para o seu prazer e, menos ainda, para servir às suas ambições, mas para servir ao seu progresso e para dar a conhecer a verdade aos homens. • Se o Espírito vê que o médium não corresponde mais aos seus propósitos, nem aproveita as instruções e os conselhos que lhe dá, afasta-se e vai procurar um instru-mento mais digno." (Idem, ibidem). Geralmente esta suspensão ocorre por algum tempo e, cessada a causa que a produziu, a faculdade volta a funcionar.
  6. 6. Advertência • • • • • Poder-se-ia perguntar se, quando os bons Espíritos se afastam por acharem que um médium não está agindo corretamente, isto não é falta de caridade? Não. Na verdade, eles começam sempre por advertir os médiuns através de ensinos que nem sempre são aplicados a si mesmo, pelo instrumento, nem entendidos como a ele dirigidos e, sim, são endereçados pelo médium vaidoso a pessoas de seu círculo de relações. São várias as tentativas que os Espíritos fazem no sentido de evitar que o médium caia, mas, desde que o mesmo se torne rebelde às advertências quanto a disciplina, estudo, comedimento, preparo doutrinário e vida cristã, eles se afastam e deixam-no entregue às conseqüências de seus atos, sem contudo deixarem de se interessar por sua sorte. Velam à distância, e ainda aqui continuam a amparar o decaído, esperando a primeira oportunidade de reabilitação para o incentivarem a aproveitá-la. Fazem o papel do pai que, diante do filho teimoso, que continua agindo no erro, apesar dos conselhos e explicações, deixa que ele sofra as conseqüências, para aprender.
  7. 7. Benevolência • Quando o médium deixa de distinguir os Espíritos com os quais deva desempenhar trabalhos especiais; quando as suas forças estão esgotadas e seu poder de defesa fica reduzido, podendo ser presa fácil nas mãos dos obsessores, sua faculdade é suspensa, temporariamente, até que volte ao seu estado normal e possa exercitar a mediunidade com eficiência. • "Os Espíritos Mentores propriamente, não abandonam o médium que tem sua faculdade suspensa. Mas ocorre com ele o que acontece com alguém que momentaneamente perca o sentido da visão ou da audição." Deixa de perceber o que ocorre em derredor, mas nem por isso seus familiares o abandonam.
  8. 8. Teste ou avaliação • • • • Outras vezes, apesar de o médium se conduzir com acerto, ter merecimento moral e não necessitar de um descanso, vê suas possibilidades mediúnicas diminuírem. Com que fim ocorre isto? "Serve para experimentar-lhe a paciência e avaliar sua perseverança. É por isto que os Espíritos geralmente não marcam o fim da suspensão, pois querem ver se o médium desanima. Muitas vezes também é para lhe deixar tempo de meditar sobre as instruções que lhe deram. É por essa meditação que reconhecemos os espíritas verdadeiramente sérios. Não podemos considerar assim os que, na verdade, são simples amadores de comunicações" (Idem, idem). Vê-se, por esta resposta, que a finalidade da comunicação é a de instruir as criaturas humanas a respeito de como se devem comportar na vida, a fim de evitar os seus percalços e deles saber tirar o bom resultado quando são ine-vitáveis. Meditar significa ler com atenção, procurando atender ao verdadeiro significado do que se lê, avaliar com insistência o que se aprendeu e buscar aplicar o aprendizado até que ele se faça espontaneamente em nossa vida.
  9. 9. Perda da mediunidade • No caso de perda definitiva da faculdade mediúnica, isto jamais se deve ao fato de o médium ter encerrado a sua missão, como se costuma dizer. • Toda missão encerrada com sucesso é prenúncio de nova tarefa, que logo se lhe segue, e assim sucessivamente; logo, o que ocorre é que a suspensão tem outros motivos, quase sempre de natureza abusiva da mediunidade ou de doença irrecuperável do médium.
  10. 10. RESULTADOS DO PASSE C O E M – 12ª AULA PRÁTICA
  11. 11. • • • • • • Partindo da definição do passe, que é transfusão de forças ou energias psicoespirituais de uma para outra criatura, fica fácil entendermos quais os resultados. Temos um receptor, um doador, e é preciso considerar o elemento intermediário, que é o fluido. Os encarnados e desencarnados vivem mergulhados em um meio comum, uma atmosfera fluídica derivada do Fluido Universal, que preenche o espaço, quer na sua forma primitiva, elementar, ou modificada pela ação da mente: Divina (criação); dos Espíritos Superiores (ambiente espiritual que lhes é próprio); dos espíritos humanos (formando a atmosfera espiritual em que vivemos). Tanto os encarnados como os desencarnados são possuidores de um organismo de natureza semi-material, fluídica, de constituição eletromagnética, cujo funcionamento se faz na dependência da mente do Espírito que se utiliza, porém, dos fluidos. Assim como no corpo físico o sangue circula por todo o organismo, levando-lhe a alimentação e veiculando as escórias, no perispírito o que circula são os fluidos comandados pela mente. Alguém que se perturbe, que se desequilibre passa a ter um "déficit" de fluidos saudáveis (porque saúde é equilíbrio das forças naturais que nos constituem), e passa a absorver e armazenar fluidos que sua própria mente, vibrando em padrões inferiores, se encarrega de tornar pesados, desagradáveis, doentios. Os fluidos de ordem inferior vão aos poucos se infiltrando do perispírito para as próprias células do corpo físico, podendo levar um órgão, um sistema ou aparelho para um mau funcionamento (doença). Quebrada a resistência natural, fica o organismo entregue ao assalto das várias causas conhecidas e também daquelas que ainda nos escapam ao entendimento, responsáveis pelas doenças.
  12. 12. Os resultados do passe podem ser: • • • • • • • • BENÉFICOS: a) Dependem do passista, que deve estar em condições de transmitir o passe: 1º - Estado de saúde equilibrado (o fluido vital depende do estado de saúde do passista). 2º - Estado de espírito equilibrado (o fluido espiritual depende do equilíbrio do espírito). b) Dependem de quem recebe o passe, que deve estar: 1º - Receptivo, isto é, favorável ao recebimento de ajuda, vibrando mentalmente para melhor absorver o recurso espiritual; 2º - Disposto a melhorar-se espiritualmente. A ajuda do passe é passageira e tais recursos se fixam e novos se acrescentam quando o indivíduo passa a ter uma vida cristã.
  13. 13. Os resultados do passe podem ser: • NULOS: • Dependem do paciente • 1º - Embora a ajuda seja boa, por parte do passista, o paciente se coloca em posição impermeável (descrença, aversão, leviandade); • 2º - O médium se encontra preparado para a doação requerida, mas o paciente consegue neutralizar os fluídos por ele emitidos. • Devemos lembrar que, quando o doente tem merecimento, mesmo que esteja recebendo um passe por pessoa despreparada, os efeitos são positivos, graças à interferência dos seus protetores e à própria Lei de Justiça, que sempre protege os que andam no caminho do bem.
  14. 14. • BIBLIOGRAFIA: • • • • Allan Kardec O Livro dos Médiuns - 2ª parte - Cap. XVII - itens 220 e seguintes. Emmanuel Pão Nosso, Cap. 44 Contato: mediunidade.coem@bol.com.br

×