SlideShare uma empresa Scribd logo
VACINAS:
TIPOS, CARACTERÍSTICAS, DEFINIÇÕES
E APLICAÇÕES
RICARDO WAGNER DIAS PORTELA, DVM PhD
LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA E BIOLOGIA MOLECULAR
INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE
UFBA
1- INTRODUÇÃO
QUAIS AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DOS
ANTÍGENOS CANDIDATOS A VACINA?
QUAIS PROPRIEDADES INERENTES A UMA
BOA VACINA?
O QUE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO NA HORA
DE VACINAR UM ANIMAL/PACIENTE?
VACINAS
Todo e qualquer imunógeno empregado para ativar
uma resposta imune específica a determinado
agente infeccioso e/ou toxina produzida por estes,
com o objetivo de mimetizar uma resposta imune
primária, e conseqüente desenvolvimento de
memória imunológica protetora e de longo termo.
VACINAS
Imunização Ativa – Indução de Resposta
Imunológica, com produção de células de memória e
imunidade de longo termo
Imunização Passiva – Inoculação de efetores de
resposta imunológica, sem a indução da formação
de memória, nem imunidade de longo termo
VACINAS
Meio mais eficaz para prevenir doenças infecciosas.
Dinâmica da infecção e resposta imune:
VACINAS
Características da Vacina
Antígeno Imunodominante – Molécula presente em uma solução
de antígenos que apresenta uma maior capacidade de induzir
produção de anticorpos e/ou levar a ativação de linfócitos
VACINAS
Características ideais em uma vacina:
-Estabilidade em solução
-Definição química
-Pureza
-Suscitar a produção de anticorpos e/ou ativação de linfócitos
-Suscitar o desenvolvimento de memória imunológica
-Fácil obtenção, com o menor custo possível
-Não conter contaminantes decorrentes do processo de produção e
purificação
VACINAS
como escolher um antígeno para vacina?
VACINAS
As boas características de uma vacina
VACINAS
Adjuvantes – Substâncias administradas juntamente com os
antígenos vacinais, que têm como função aumentar o potencial
imunogênico da vacina
VACINAS
ADJUVANTES
Ações dos Adjuvantes:
Aumentam a retenção do antígeno no local de inoculação
Aumentam a estabilidade do antígeno, evitando
degradação do antígeno no tecido.
Induzem quimiotaxia para o local de inoculação,
aumentando o contato do antígeno com o agente
infeccioso.
Fazem ativação seletiva de células do sistema imune.
VACINAS
ADJUVANTES
VACINAS
ADJUVANTES
Adjuvantes experimentais com perspectiva de uso:
Citocinas
CPG - OligoDesoxiNucleotideos
Lipossomos
Immunostimulating complexes (ISCOMs)
Polímeros com antígenos imunoestimulatorios
VACINAS
CARACTERÍSTICAS IDEAIS
- Frequência de Revacinações (Boosters)
Variável de acordo com o tipo de vacina e agente
Aumento de Memória Imunológica
Aumento de Anticorpos Circulantes (proteção imediata)
(doenças endêmicas)
Aumento de linfócitos de memória
ESPAÇO CURTO ENTRE VACINAÇÕES:
PREDISPOSIÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO
DE TOLERÂNCIA!
VACINAS
CARACTERÍSTICAS IDEAIS
- Vias de Inoculação:
Melhores vias: Subcutânea e Intramuscular
+ contato com células do Sistema Imune
Via Intradérmica: ótima ativação, mas difícil inoculação
não recomendada para alguns tipos
Vias Oral e Intravenosa: Ao invés de induzir ativação,
induzem tolerância
VACINAS
Características do Animal a ser Vacinado
Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia
-Idade
-Gestação
-Status Alimentar
-Status imunológico
-Terapias concomitantes
-Doenças concomitantes
VACINAS
Características do Animal a ser Vacinado
Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia
-Idade – Capacidade de proliferação celular – toda a resposta
imunológica é baseada na proliferação de linfócitos – menor
capacidade proliferativa celular no animal idoso
O ANIMAL IDOSO DEVE SER SUBMETIDO A UM EXAME
CLÍNICO CRITERIOSO ANTES DE SER VACINADO
VACINAS
Características do Animal a ser Vacinado
Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia
-Gestação – a gestante é uma imunodeprimida em potencial,
produzindo diversos hormônios, como as prostaglandinas uterinas
que inibem a ativação dos linfócitos – aumento do risco de agentes
atenuados de passarem ao feto, e também causarem patologias.
-É RECOMENDÁVEL QUE O PROPRIETÁRIO VACINE SUAS
REPRODUTORAS PELO MENOS 15 DIAS ANTES DE
REALIZAR O CRUZAMENTO DOS ANIMAIS
RECOMENDÁVEL TAMBÉM PARA MACHOS – EVITAR
SPREAD DE DOENÇAS
VACINAS
Características do Animal a ser Vacinado
Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia
-Status Alimentar – diversos sais minerais atuam como cofatores
importantes na proliferação celular, além do que são necessários
carboidratos, lipídeos e proteínas para comporem novas células e
intermediários produzidos pelos linfócitos
NUTRIÇÃO BALANCEADA E DE BOA QUALIDADE É
FUNDAMENTAL PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO
SISTEMA IMUNOLÓGICO
VACINAS
Características do Animal a ser Vacinado
Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia
-Status imunológico – diversas doenças genéticas em cães e gatos
levam à deficiência na função de linfócitos e macrófagos, dessa
forma induzindo um estado de imunodepressão
UM LEUCOGRAMA APRESENTANDO VALORES NORMAIS
NA CONTAGEM DE LEUCÓCITOS É RECOMENDÁVEL
ANTES DE VACINAR UM ANIMAL COM HISTÓRICO
CLÍNICO DE DOENÇAS OPORTUNISTAS
VACINAS
Características do Animal a ser Vacinado
Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia
-Terapias concomitantes – Corticoesteróides, quimioterápicos,
alguns antibióticos e anti-helmínticos são agentes altamente
imunodepressores, principalmente em tratamentos de longa
duração.
ESCOLHA DE SOFIA:
O QUE É REPRESENTA MAIOR RISCO, A DOENÇA SENDO
TRATADA, OU A PATOLOGIA A SER EVITADA COM A
VACINAÇÃO?
ESPERAR PELO MENOS UM MÊS APÓS TERAPIA PARA
VACINAR
VACINAS
Características do Animal a ser Vacinado
Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia
-Doenças concomitantes – Altas infestações com ectoparasitas,
helmintos e fungos desviam a Resposta Imune para um perfil
diferente daquele exigido para a Resposta a Vacinas. Condições
alérgicas e auto-imunes também impedem uma eficácia total da
vacina.
DE NOVO, UM EXAME CLÍNICO MINUCIOSO É
IMPORTANTE ANTES DE QUALQUER VACINAÇÃO
Principais tipos de Vacinas
Vacina de microorganismo inativado ou morto
Vacina de microorganismo vivo atenuado
Vacina de microorganismo vivo modificado
Vacina de subunidades: Proteínas Nativas
Vacinas de Subunidades: Proteínas Recombinantes
Vacinas de subunidades: Peptídeos Sintéticos
Vacinas de DNA
Vacinas de Vetores Modificados
VACINAS DE MICROORGANISMOS
INATIVADOS
• Tipo de vacina que apresenta alto nível de segurança
• Microorganismos podem ser inativados por radiação, por
altas temperaturas, por gradientes de pH...
• Apesar de ser uma vacina segura, e eficaz em grande parte
das vezes, é uma vacina que induz uma resposta imune
limitada, devido ao organismo que o compõe não ter
capacidade de multiplicação, ficando exposto dessa forma
a uma parcela pequena de células do Sistema Imune.
VACINAS DE MICROORGANISMOS
INATIVADOS
• Problemas de segurança se o mo não for devidamente
inativado
• Induzem boa resposta imune humoral, baixa resposta
imune celular
• Baixo custo
• Vacina “fraca”, ou “fria”
VACINAS DE MICROORGANISMOS
INATIVADOS
Vantagens
• Não existe risco de
reversão da
patogenicidade
• Sem risco de
transmissão
Desvantagens
• Múltiplos reforços
• Composição pouco
conhecida
• O patógeno deve ser
cultivado in vitro
• Principalmente resposta
Humoral
• Adjuvantes
VACINAS MICROORGANISMOS
MORTOS OU INATIVADOS
 Raiva – Campanhas Públicas de Vacinação – Vírus Inativado
 Leptospira – Detalhes sorovares
 Bordetella pertussis
 Giardia lamblia
VACINAS DE MICROORGANISMOS
ATENUADOS
• Processo de atenuação do microorganismo
VACINAS DE MICROORGANISMOS
ATENUADOS
• Vacina com maior eficácia, devido ao fato do
microorganismo ainda possuir capacidade de multiplicação
(Vacina com x mo – Resposta imune a xn mos)
• Induz boa resposta imune celular e humoral
• Problemas de segurança em indivíduos imunodeprimidos,
mal nutridos, idosos, com administração de corticóides...
VACINAS DE MICROORGANISMOS
ATENUADOS
• Problemas de segurança se não acontecer a devida
atenuação
• Baixo custo
• Rigor na manutenção da vacina
ATENÇÃO REDOBRADA COM A VALIDADE
VACINAS MICROORGANISMOS ATENUADOS
• Cinomose, Parvovirose
• Calicivirose, Rinotraqueíte
• Babesiose e Anaplasmose bovinas – não disponíveis no
Brasil
VACINAS DE MICROORGANISMOS
MODIFICADOS
• Vacina produzidas com microorganismos modificados
geneticamente, os quais sofrem deleção ou inativação
dos genes que codificam para fatores de virulência
• Boa resposta celular e humoral
• Vantagens e problemas inerentes a organismos
atenuados
VACINAS DE MICROORGANISMOS
MODIFICADOS
VACINAS DE MICROORGANISMOS
MODIFICADOS
• Cepas modificadas de Brucella para bovinos –
servindo não somente para deleção de fatores de
virulência, como também para a distinção entre
animais vacinados e infectados
• Promessa para Leishmania??
VACINAS DE SUBUNIDADES
• O desenvolvimento de uma vacina de subunidade começa
com a identificação do antígeno imunodominante de um
microorganismo – aquele que induz uma maior produção
de anticorpos e/ou maior ativação de Linf. T
• Direcionamento da resposta imunológica para o antígeno
de interesse vacinal
• Antígeno protetor X Antígeno de mimecrismo molecular
• Dois tipos: nativa e recombinante
VACINAS SUBUNIDADES
VACINAS DE SUBUNIDADES
PROTEÍNA NATIVA
• Purificada diretamente do microorganismo
• Meios de purificação: cromatografia, extração com
solventes orgânicos
• Alto custo devido a manutenção do microorganismo em
cultura em laboratório
• Problemas com a purificação – efeitos colaterais tais como
toxicidade, hipersensibilidades
• Bom indutor de resposta humoral, médio indutor de
resposta celular
VACINAS DE SUBUNIDADES
PROTEÍNA RECOMBINANTE
• Identificação do gene que codifica para a proteína imunodominante
• Amplificação do gene
• Inserção do gene em uma bactéria ou fungo
• Indução da produção da proteína pelo fungo ou bactéria
• Purificação da proteína
• Associação com adjuvante
VACINAS DE SUBUNIDADES
PROTEÍNA RECOMBINANTE
• Baixo custo em produção em larga escala
• Definição química
• Problemas de purificação
• Boa indução de resposta humoral, e celular
• Rigor com a estabilidade da vacina
VACINAS DE SUBUNIDADES
PROTEÍNA RECOMBINANTE
• Vacinas contra Leishmaniose canina – baseada em
moléculas identificadas no parasita que levam ao
desenvolvimento de resposta imunológica
• Promessa como nova geração para vacinas para febre
aftosa
• Pergunta: Vacinas de subunidade induzem boa resposta
humoral, mas pouca celular... Seria aplicável no caso de
Leishmania?
VACINAS DE SUBUNIDADES
PROTEÍNA RECOMBINANTE
Vantagens
• Composição conhecida
• Produção em larga
escala
• Sem risco de
patogenicidade
Desvantagens
• Resposta humoral
• Múltiplas doses
• Adjuvantes
VACINAS DE SUBUNIDADES
PEPTÍDEOS SINTÉTICOS
• Identificação no antígeno imunodominante de epitopos
B, epitopos para ancoragem em MHC Tipo I (CD8),
Tipo II (CD4) – Direcionamento da resposta para
celular ou humoral
• Montagem de peptídeos em laboratório – Síntese a
partir de solução de aminoácidos
• Baixo custo quando produzido em larga escala
VACINAS DE SUBUNIDADES
PEPTÍDEOS SINTÉTICOS
• Purificação e definição química
• Restrição à MHC – resultados variáveis em
diferentes populações
• Baixa estabilidade
VACINAS DE SUBUNIDADES
PEPTÍDEOS SINTÉTICOS
• Teníase e Oncocercose – não disponíveis no Brasil
ainda
• Promessa para ectoparasitos – vacina contra o
carrapato Rhipicephalus boophilus microplus em
fase de implantação de planta industrial
• Possibilidade de aplicação em Rhipicephalus
sanguineus ??
VACINAS DE SUBUNIDADES
PEPTÍDEOS SINTÉTICOS
VACINAS DE DNA
• Identificação do gene que codifica para a proteína imunodominante
• Amplificação do gene por PCR
• Ligação desse gene a um plasmídeo
• Inoculação desse gene por gene gun
• Expressão da proteína nas células
• Apresentação por MHC Tipo I para Linfócitos T CD8
VACINAS DE DNA
VACINAS DE DNA
VACINAS DE DNA
• Conseguem induzir uma potente resposta imune celular
• Ideal para agentes intracelulares
• Estáveis em solução
• Baixo custo de produção
• Ainda experimentais
VACINAS DE VETORES MODIFICADOS
• Identificação do gene que codifica a proteína
imunodominante
• Amplificação do gene
• Inserção em um plasmídeo
• Recombinação em um vírus
• Crescimento do vírus
• Inoculação do vírus
VACINAS DE VETORES MODIFICADOS
VACINAS DE VETORES MODIFICADOS
• Induz excelente resposta celular, sendo uma
alternativa altamente promissora para parasitas
intracelulares
• Existem dúvidas quanto a possibilidade de
reversão de patogenicidade do vírus
• Ainda experimentais, mas com resultados prévios
promissores para Trypanossoma, Leishmania e
Plasmodium
VACINAS PARA TOXINAS
 Utilizada para a imunização contra agentes que
produzem exotoxinas importantes na patogenia da
infecção
 Induzem boa resposta humoral – bloqueiam a ação
das toxinas
 Baixa memória – revacinações constantes
 Baseadas em toxóides – toxinas inativadas
 Humanos: difteria, tétano
 Animais: clostridioses
IMUNIZAÇÃO PASSIVA
NATURAL
• Anticorpos transplacentarios(IgG)
• Anticorpos no colostro(IgA)
ARTIFICIAL
• Transferência de anticorpos
IMUNIZAÇÃO PASSIVA
Vantagens
•Proteção imediata
Desvantagens
•Curto período de proteção
•Doença do soro
•Risco de AIDS e hepatite
•Graft versus Host disease (GVH) ( células)
IMUNIZAÇÃO PASSIVA
VACINAS PARA IMUNOTERAPIA
VACINAS ESTÁGIO-ESPECÍFICAS
PRINCIPAIS MOTIVOS PARA
FALHAS VACINAIS
 Validade da Vacina – Qualidade da Vacina
 Má conservação
 Qualidades Inerentes ao Animal
 Via de Inoculação errada
 Frequência de revacinação longa ou curta demais

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
Isadora Ribeiro
 
Manual de Zoonoses
Manual de ZoonosesManual de Zoonoses
Manual de Zoonoses
Sérgio Amaral
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
Lucas Almeida Sá
 
Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]
Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]
Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]
Profª. Zilka Nanes Lima - UEPB - Microbiologia e Imunologia
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 
Curso de vacinas
Curso de vacinasCurso de vacinas
Curso de vacinas
Michelle Machado
 
ICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologiaICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologia
Ricardo Portela
 
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
Eduardo Gomes da Silva
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
LABIMUNO UFBA
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
Leonardo Souza
 
Imunologia
ImunologiaImunologia
Imunologia
CristinaBrandao
 
Trabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologiaTrabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologia
Patrícia Oliver
 
Doenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte IDoenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte I
bioemanuel
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
LABIMUNO UFBA
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Kelly Praxedes
 
Bases Imunológicas - Vacinas
Bases Imunológicas - VacinasBases Imunológicas - Vacinas
Bases Imunológicas - Vacinas
LABIMUNO UFBA
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
LABIMUNO UFBA
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
Malu Correia
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
Thiago barreiros
 

Mais procurados (20)

Vacinação 2017
Vacinação 2017Vacinação 2017
Vacinação 2017
 
Manual de Zoonoses
Manual de ZoonosesManual de Zoonoses
Manual de Zoonoses
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
 
Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]
Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]
Parte_2_ImunologiaBásica_Antígenos_Anticorpos_Complemento_ [Profª.Zilka]
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Curso de vacinas
Curso de vacinasCurso de vacinas
Curso de vacinas
 
ICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologiaICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologia
 
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
SaúDe Coletiva ImunizaçãO Parte 2
 
Auto imunidade
Auto imunidadeAuto imunidade
Auto imunidade
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Imunologia
ImunologiaImunologia
Imunologia
 
Trabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologiaTrabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologia
 
Doenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte IDoenças parasitárias - Parte I
Doenças parasitárias - Parte I
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01Saladevacina 130912210756-phpapp01
Saladevacina 130912210756-phpapp01
 
Bases Imunológicas - Vacinas
Bases Imunológicas - VacinasBases Imunológicas - Vacinas
Bases Imunológicas - Vacinas
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
 
Aula sistema imunologico
Aula sistema imunologicoAula sistema imunologico
Aula sistema imunologico
 

Destaque

ICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inataICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inata
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI CelularICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquiridaICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
Ricardo Portela
 
Seleção Timica
Seleção TimicaSeleção Timica
Seleção Timica
LABIMUNO UFBA
 
ICSA17 - TCR, receptores de linfócitos T e maturação de linfócitos
ICSA17 - TCR, receptores de linfócitos T e maturação de linfócitosICSA17 - TCR, receptores de linfócitos T e maturação de linfócitos
ICSA17 - TCR, receptores de linfócitos T e maturação de linfócitos
Ricardo Portela
 
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de AntígenosICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos T
ICSA17 - Ativação de linfócitos TICSA17 - Ativação de linfócitos T
ICSA17 - Ativação de linfócitos T
Ricardo Portela
 

Destaque (9)

ICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inataICSA17 - Imunidade inata
ICSA17 - Imunidade inata
 
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI CelularICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
ICSA17 - Mecanismos efetores da RI Celular
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecções
 
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquiridaICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
ICSA17 - Citocinas da imunidade inata e adquirida
 
Seleção Timica
Seleção TimicaSeleção Timica
Seleção Timica
 
ICSA17 - TCR, receptores de linfócitos T e maturação de linfócitos
ICSA17 - TCR, receptores de linfócitos T e maturação de linfócitosICSA17 - TCR, receptores de linfócitos T e maturação de linfócitos
ICSA17 - TCR, receptores de linfócitos T e maturação de linfócitos
 
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de AntígenosICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos T
ICSA17 - Ativação de linfócitos TICSA17 - Ativação de linfócitos T
ICSA17 - Ativação de linfócitos T
 

Semelhante a ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas

Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
rwportela
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
Amduarte
 
Vacinas 2012
Vacinas 2012Vacinas 2012
Vacinas 2012
nanda_enfe
 
vacina-e-imunoterapia (1).pptx
vacina-e-imunoterapia (1).pptxvacina-e-imunoterapia (1).pptx
vacina-e-imunoterapia (1).pptx
nagelasouza1
 
Imunização.pptx
Imunização.pptxImunização.pptx
Imunização.pptx
Juliana Cavalcante
 
introdução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicosintrodução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicos
biancafreitas97
 
Revisão
Revisão Revisão
Revisão
MariMoura15
 
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptxAula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
ProfGuilhermeLopes
 
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
JulianeAmorim11
 
Imunização em saúde do trabalhador
Imunização em saúde do trabalhadorImunização em saúde do trabalhador
Imunização em saúde do trabalhador
Ismael Costa
 
Tecnologia para Licenciamento
Tecnologia para LicenciamentoTecnologia para Licenciamento
Tecnologia para Licenciamento
Portfolio de Patentes Inova Unicamp
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo Estado
Ismael Costa
 
vacinação em aves
vacinação em avesvacinação em aves
vacinação em aves
thomaz cesar barbosa da costa
 
ICSA32 - Fases de desenvolvimento de vacinas
ICSA32 - Fases de desenvolvimento de vacinasICSA32 - Fases de desenvolvimento de vacinas
ICSA32 - Fases de desenvolvimento de vacinas
Ricardo Portela
 
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshare
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshareVacinas e programa alargado de vacinação slideshare
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshare
Falguni Homesh
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
Ricardo Portela
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
guest5d7719
 
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptxIMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
valoarnteGritte
 
Sp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupeSp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupe
Ismael Costa
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
guest5d7719
 

Semelhante a ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas (20)

Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Vacinas 2012
Vacinas 2012Vacinas 2012
Vacinas 2012
 
vacina-e-imunoterapia (1).pptx
vacina-e-imunoterapia (1).pptxvacina-e-imunoterapia (1).pptx
vacina-e-imunoterapia (1).pptx
 
Imunização.pptx
Imunização.pptxImunização.pptx
Imunização.pptx
 
introdução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicosintrodução a imunologia - conceitos básicos
introdução a imunologia - conceitos básicos
 
Revisão
Revisão Revisão
Revisão
 
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptxAula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
Aula 7 - imunologias das infecções parasitarias.pptx
 
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
 
Imunização em saúde do trabalhador
Imunização em saúde do trabalhadorImunização em saúde do trabalhador
Imunização em saúde do trabalhador
 
Tecnologia para Licenciamento
Tecnologia para LicenciamentoTecnologia para Licenciamento
Tecnologia para Licenciamento
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo Estado
 
vacinação em aves
vacinação em avesvacinação em aves
vacinação em aves
 
ICSA32 - Fases de desenvolvimento de vacinas
ICSA32 - Fases de desenvolvimento de vacinasICSA32 - Fases de desenvolvimento de vacinas
ICSA32 - Fases de desenvolvimento de vacinas
 
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshare
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshareVacinas e programa alargado de vacinação slideshare
Vacinas e programa alargado de vacinação slideshare
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptxIMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
 
Sp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupeSp2 imunização - hupe
Sp2 imunização - hupe
 
Biologia2
Biologia2Biologia2
Biologia2
 

Mais de Ricardo Portela

ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
Ricardo Portela
 
3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier
Ricardo Portela
 
Twenty one suggestions
Twenty one suggestionsTwenty one suggestions
Twenty one suggestions
Ricardo Portela
 
ICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen DiscoveryICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen Discovery
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonaisICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoprecipitaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoaglutinaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunofluorescenciaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxoICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISAICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunocromatografiaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hivICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforeseICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cãesICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratosICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotériosICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotérios
Ricardo Portela
 

Mais de Ricardo Portela (20)

ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
 
3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier
 
Twenty one suggestions
Twenty one suggestionsTwenty one suggestions
Twenty one suggestions
 
ICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen DiscoveryICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen Discovery
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonaisICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoprecipitaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoaglutinaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunofluorescenciaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxoICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISAICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunocromatografiaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
 
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hivICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
 
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforeseICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
 
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cãesICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
 
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratosICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
ICSC48 - Criação e manejo de camundongos e ratos
 
ICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotériosICSC48 - Classificação dos biotérios
ICSC48 - Classificação dos biotérios
 

Último

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
vitorreissouzasilva
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 

Último (20)

UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdfAula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
Aula04A-Potencia em CA eletricidade USP.pdf
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 

ICSA17 - Fundamentos e Tipos de Vacinas

  • 1. VACINAS: TIPOS, CARACTERÍSTICAS, DEFINIÇÕES E APLICAÇÕES RICARDO WAGNER DIAS PORTELA, DVM PhD LABORATÓRIO DE IMUNOLOGIA E BIOLOGIA MOLECULAR INSTITUTO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UFBA
  • 2. 1- INTRODUÇÃO QUAIS AS CARACTERÍSTICAS BÁSICAS DOS ANTÍGENOS CANDIDATOS A VACINA? QUAIS PROPRIEDADES INERENTES A UMA BOA VACINA? O QUE LEVAR EM CONSIDERAÇÃO NA HORA DE VACINAR UM ANIMAL/PACIENTE?
  • 3. VACINAS Todo e qualquer imunógeno empregado para ativar uma resposta imune específica a determinado agente infeccioso e/ou toxina produzida por estes, com o objetivo de mimetizar uma resposta imune primária, e conseqüente desenvolvimento de memória imunológica protetora e de longo termo.
  • 4. VACINAS Imunização Ativa – Indução de Resposta Imunológica, com produção de células de memória e imunidade de longo termo Imunização Passiva – Inoculação de efetores de resposta imunológica, sem a indução da formação de memória, nem imunidade de longo termo
  • 5. VACINAS Meio mais eficaz para prevenir doenças infecciosas.
  • 6. Dinâmica da infecção e resposta imune:
  • 7. VACINAS Características da Vacina Antígeno Imunodominante – Molécula presente em uma solução de antígenos que apresenta uma maior capacidade de induzir produção de anticorpos e/ou levar a ativação de linfócitos
  • 8. VACINAS Características ideais em uma vacina: -Estabilidade em solução -Definição química -Pureza -Suscitar a produção de anticorpos e/ou ativação de linfócitos -Suscitar o desenvolvimento de memória imunológica -Fácil obtenção, com o menor custo possível -Não conter contaminantes decorrentes do processo de produção e purificação
  • 9. VACINAS como escolher um antígeno para vacina?
  • 11. VACINAS Adjuvantes – Substâncias administradas juntamente com os antígenos vacinais, que têm como função aumentar o potencial imunogênico da vacina
  • 12. VACINAS ADJUVANTES Ações dos Adjuvantes: Aumentam a retenção do antígeno no local de inoculação Aumentam a estabilidade do antígeno, evitando degradação do antígeno no tecido. Induzem quimiotaxia para o local de inoculação, aumentando o contato do antígeno com o agente infeccioso. Fazem ativação seletiva de células do sistema imune.
  • 14. VACINAS ADJUVANTES Adjuvantes experimentais com perspectiva de uso: Citocinas CPG - OligoDesoxiNucleotideos Lipossomos Immunostimulating complexes (ISCOMs) Polímeros com antígenos imunoestimulatorios
  • 15. VACINAS CARACTERÍSTICAS IDEAIS - Frequência de Revacinações (Boosters) Variável de acordo com o tipo de vacina e agente Aumento de Memória Imunológica Aumento de Anticorpos Circulantes (proteção imediata) (doenças endêmicas) Aumento de linfócitos de memória ESPAÇO CURTO ENTRE VACINAÇÕES: PREDISPOSIÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE TOLERÂNCIA!
  • 16. VACINAS CARACTERÍSTICAS IDEAIS - Vias de Inoculação: Melhores vias: Subcutânea e Intramuscular + contato com células do Sistema Imune Via Intradérmica: ótima ativação, mas difícil inoculação não recomendada para alguns tipos Vias Oral e Intravenosa: Ao invés de induzir ativação, induzem tolerância
  • 17. VACINAS Características do Animal a ser Vacinado Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia -Idade -Gestação -Status Alimentar -Status imunológico -Terapias concomitantes -Doenças concomitantes
  • 18. VACINAS Características do Animal a ser Vacinado Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia -Idade – Capacidade de proliferação celular – toda a resposta imunológica é baseada na proliferação de linfócitos – menor capacidade proliferativa celular no animal idoso O ANIMAL IDOSO DEVE SER SUBMETIDO A UM EXAME CLÍNICO CRITERIOSO ANTES DE SER VACINADO
  • 19. VACINAS Características do Animal a ser Vacinado Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia -Gestação – a gestante é uma imunodeprimida em potencial, produzindo diversos hormônios, como as prostaglandinas uterinas que inibem a ativação dos linfócitos – aumento do risco de agentes atenuados de passarem ao feto, e também causarem patologias. -É RECOMENDÁVEL QUE O PROPRIETÁRIO VACINE SUAS REPRODUTORAS PELO MENOS 15 DIAS ANTES DE REALIZAR O CRUZAMENTO DOS ANIMAIS RECOMENDÁVEL TAMBÉM PARA MACHOS – EVITAR SPREAD DE DOENÇAS
  • 20. VACINAS Características do Animal a ser Vacinado Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia -Status Alimentar – diversos sais minerais atuam como cofatores importantes na proliferação celular, além do que são necessários carboidratos, lipídeos e proteínas para comporem novas células e intermediários produzidos pelos linfócitos NUTRIÇÃO BALANCEADA E DE BOA QUALIDADE É FUNDAMENTAL PARA O BOM FUNCIONAMENTO DO SISTEMA IMUNOLÓGICO
  • 21. VACINAS Características do Animal a ser Vacinado Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia -Status imunológico – diversas doenças genéticas em cães e gatos levam à deficiência na função de linfócitos e macrófagos, dessa forma induzindo um estado de imunodepressão UM LEUCOGRAMA APRESENTANDO VALORES NORMAIS NA CONTAGEM DE LEUCÓCITOS É RECOMENDÁVEL ANTES DE VACINAR UM ANIMAL COM HISTÓRICO CLÍNICO DE DOENÇAS OPORTUNISTAS
  • 22. VACINAS Características do Animal a ser Vacinado Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia -Terapias concomitantes – Corticoesteróides, quimioterápicos, alguns antibióticos e anti-helmínticos são agentes altamente imunodepressores, principalmente em tratamentos de longa duração. ESCOLHA DE SOFIA: O QUE É REPRESENTA MAIOR RISCO, A DOENÇA SENDO TRATADA, OU A PATOLOGIA A SER EVITADA COM A VACINAÇÃO? ESPERAR PELO MENOS UM MÊS APÓS TERAPIA PARA VACINAR
  • 23. VACINAS Características do Animal a ser Vacinado Características do indivíduo vacinado que influenciam na eficácia -Doenças concomitantes – Altas infestações com ectoparasitas, helmintos e fungos desviam a Resposta Imune para um perfil diferente daquele exigido para a Resposta a Vacinas. Condições alérgicas e auto-imunes também impedem uma eficácia total da vacina. DE NOVO, UM EXAME CLÍNICO MINUCIOSO É IMPORTANTE ANTES DE QUALQUER VACINAÇÃO
  • 24. Principais tipos de Vacinas Vacina de microorganismo inativado ou morto Vacina de microorganismo vivo atenuado Vacina de microorganismo vivo modificado Vacina de subunidades: Proteínas Nativas Vacinas de Subunidades: Proteínas Recombinantes Vacinas de subunidades: Peptídeos Sintéticos Vacinas de DNA Vacinas de Vetores Modificados
  • 25. VACINAS DE MICROORGANISMOS INATIVADOS • Tipo de vacina que apresenta alto nível de segurança • Microorganismos podem ser inativados por radiação, por altas temperaturas, por gradientes de pH... • Apesar de ser uma vacina segura, e eficaz em grande parte das vezes, é uma vacina que induz uma resposta imune limitada, devido ao organismo que o compõe não ter capacidade de multiplicação, ficando exposto dessa forma a uma parcela pequena de células do Sistema Imune.
  • 26. VACINAS DE MICROORGANISMOS INATIVADOS • Problemas de segurança se o mo não for devidamente inativado • Induzem boa resposta imune humoral, baixa resposta imune celular • Baixo custo • Vacina “fraca”, ou “fria”
  • 27. VACINAS DE MICROORGANISMOS INATIVADOS Vantagens • Não existe risco de reversão da patogenicidade • Sem risco de transmissão Desvantagens • Múltiplos reforços • Composição pouco conhecida • O patógeno deve ser cultivado in vitro • Principalmente resposta Humoral • Adjuvantes
  • 28. VACINAS MICROORGANISMOS MORTOS OU INATIVADOS  Raiva – Campanhas Públicas de Vacinação – Vírus Inativado  Leptospira – Detalhes sorovares  Bordetella pertussis  Giardia lamblia
  • 29. VACINAS DE MICROORGANISMOS ATENUADOS • Processo de atenuação do microorganismo
  • 30. VACINAS DE MICROORGANISMOS ATENUADOS • Vacina com maior eficácia, devido ao fato do microorganismo ainda possuir capacidade de multiplicação (Vacina com x mo – Resposta imune a xn mos) • Induz boa resposta imune celular e humoral • Problemas de segurança em indivíduos imunodeprimidos, mal nutridos, idosos, com administração de corticóides...
  • 31. VACINAS DE MICROORGANISMOS ATENUADOS • Problemas de segurança se não acontecer a devida atenuação • Baixo custo • Rigor na manutenção da vacina ATENÇÃO REDOBRADA COM A VALIDADE
  • 32. VACINAS MICROORGANISMOS ATENUADOS • Cinomose, Parvovirose • Calicivirose, Rinotraqueíte • Babesiose e Anaplasmose bovinas – não disponíveis no Brasil
  • 33. VACINAS DE MICROORGANISMOS MODIFICADOS • Vacina produzidas com microorganismos modificados geneticamente, os quais sofrem deleção ou inativação dos genes que codificam para fatores de virulência • Boa resposta celular e humoral • Vantagens e problemas inerentes a organismos atenuados
  • 35. VACINAS DE MICROORGANISMOS MODIFICADOS • Cepas modificadas de Brucella para bovinos – servindo não somente para deleção de fatores de virulência, como também para a distinção entre animais vacinados e infectados • Promessa para Leishmania??
  • 36. VACINAS DE SUBUNIDADES • O desenvolvimento de uma vacina de subunidade começa com a identificação do antígeno imunodominante de um microorganismo – aquele que induz uma maior produção de anticorpos e/ou maior ativação de Linf. T • Direcionamento da resposta imunológica para o antígeno de interesse vacinal • Antígeno protetor X Antígeno de mimecrismo molecular • Dois tipos: nativa e recombinante
  • 38. VACINAS DE SUBUNIDADES PROTEÍNA NATIVA • Purificada diretamente do microorganismo • Meios de purificação: cromatografia, extração com solventes orgânicos • Alto custo devido a manutenção do microorganismo em cultura em laboratório • Problemas com a purificação – efeitos colaterais tais como toxicidade, hipersensibilidades • Bom indutor de resposta humoral, médio indutor de resposta celular
  • 39. VACINAS DE SUBUNIDADES PROTEÍNA RECOMBINANTE • Identificação do gene que codifica para a proteína imunodominante • Amplificação do gene • Inserção do gene em uma bactéria ou fungo • Indução da produção da proteína pelo fungo ou bactéria • Purificação da proteína • Associação com adjuvante
  • 40. VACINAS DE SUBUNIDADES PROTEÍNA RECOMBINANTE • Baixo custo em produção em larga escala • Definição química • Problemas de purificação • Boa indução de resposta humoral, e celular • Rigor com a estabilidade da vacina
  • 41. VACINAS DE SUBUNIDADES PROTEÍNA RECOMBINANTE • Vacinas contra Leishmaniose canina – baseada em moléculas identificadas no parasita que levam ao desenvolvimento de resposta imunológica • Promessa como nova geração para vacinas para febre aftosa • Pergunta: Vacinas de subunidade induzem boa resposta humoral, mas pouca celular... Seria aplicável no caso de Leishmania?
  • 42. VACINAS DE SUBUNIDADES PROTEÍNA RECOMBINANTE Vantagens • Composição conhecida • Produção em larga escala • Sem risco de patogenicidade Desvantagens • Resposta humoral • Múltiplas doses • Adjuvantes
  • 43. VACINAS DE SUBUNIDADES PEPTÍDEOS SINTÉTICOS • Identificação no antígeno imunodominante de epitopos B, epitopos para ancoragem em MHC Tipo I (CD8), Tipo II (CD4) – Direcionamento da resposta para celular ou humoral • Montagem de peptídeos em laboratório – Síntese a partir de solução de aminoácidos • Baixo custo quando produzido em larga escala
  • 44. VACINAS DE SUBUNIDADES PEPTÍDEOS SINTÉTICOS • Purificação e definição química • Restrição à MHC – resultados variáveis em diferentes populações • Baixa estabilidade
  • 45. VACINAS DE SUBUNIDADES PEPTÍDEOS SINTÉTICOS • Teníase e Oncocercose – não disponíveis no Brasil ainda • Promessa para ectoparasitos – vacina contra o carrapato Rhipicephalus boophilus microplus em fase de implantação de planta industrial • Possibilidade de aplicação em Rhipicephalus sanguineus ??
  • 47. VACINAS DE DNA • Identificação do gene que codifica para a proteína imunodominante • Amplificação do gene por PCR • Ligação desse gene a um plasmídeo • Inoculação desse gene por gene gun • Expressão da proteína nas células • Apresentação por MHC Tipo I para Linfócitos T CD8
  • 50. VACINAS DE DNA • Conseguem induzir uma potente resposta imune celular • Ideal para agentes intracelulares • Estáveis em solução • Baixo custo de produção • Ainda experimentais
  • 51. VACINAS DE VETORES MODIFICADOS • Identificação do gene que codifica a proteína imunodominante • Amplificação do gene • Inserção em um plasmídeo • Recombinação em um vírus • Crescimento do vírus • Inoculação do vírus
  • 52.
  • 53. VACINAS DE VETORES MODIFICADOS
  • 54. VACINAS DE VETORES MODIFICADOS • Induz excelente resposta celular, sendo uma alternativa altamente promissora para parasitas intracelulares • Existem dúvidas quanto a possibilidade de reversão de patogenicidade do vírus • Ainda experimentais, mas com resultados prévios promissores para Trypanossoma, Leishmania e Plasmodium
  • 55. VACINAS PARA TOXINAS  Utilizada para a imunização contra agentes que produzem exotoxinas importantes na patogenia da infecção  Induzem boa resposta humoral – bloqueiam a ação das toxinas  Baixa memória – revacinações constantes  Baseadas em toxóides – toxinas inativadas  Humanos: difteria, tétano  Animais: clostridioses
  • 56. IMUNIZAÇÃO PASSIVA NATURAL • Anticorpos transplacentarios(IgG) • Anticorpos no colostro(IgA) ARTIFICIAL • Transferência de anticorpos
  • 57. IMUNIZAÇÃO PASSIVA Vantagens •Proteção imediata Desvantagens •Curto período de proteção •Doença do soro •Risco de AIDS e hepatite •Graft versus Host disease (GVH) ( células)
  • 61. PRINCIPAIS MOTIVOS PARA FALHAS VACINAIS  Validade da Vacina – Qualidade da Vacina  Má conservação  Qualidades Inerentes ao Animal  Via de Inoculação errada  Frequência de revacinação longa ou curta demais