SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Embriologia
É o estudo do desenvolvimento do ovo,
desde a fecundação até a forma adulta.
O desenvolvimento embrionário inicia – se
com a fecundação e formação do zigoto,
aumento do número de células através da
mitose e a diferenciação celular para a
formação dos tecidos e órgãos.
O início
de tudo!
Etapas embrionárias
• Segmentação
• Gastrulação
• Neurulação
• Organogênese
Segmentação ou clivagem
As divisões mitóticas que acontecem a partir da
célula-ovo ou zigoto dão origem as várias células
menores, chamadas, blastômeros.
Ocorre aumento de número de células, mas
praticamente não há aumento do volume total do
embrião em relação ao volume do ovo. Isso
acontece porque as divisões celulares são muito
rápidas.
O vitelo
• Plasma nutritivo com função de nutrir o
embrião em desenvolvimento
• A quantidade de vitelo é variável nos
diferentes óvulos; varia também a
localização de vitelo em relação ao
citoplasma e ao núcleo. Esses dois
caracteres permitem classificar os óvulos em
diversos tipos, como podemos observar a
seguir:
TIPOS DE OVOS
- Oligolécitos / Alécitos - São ovos que apresentam pouco
vitelo distribuído de forma uniforme por todo o citoplasma.
São encontrados nos equinodermos, protocordados e
mamíferos.
- Telolécitos Incompletos / Heterolécitos – São ovos que
apresentam uma quantidade média de vitelo distribuída de
forma desigual pelo citoplasma. Encontrado nos anfíbios.
- Telolécitos completos / Megalécitos – São ovos que
apresentam uma grande quantidade de vitelo concentrada
no polo vegetativo. Encontrado nos peixes, répteis e aves.
-- Centrolécitos - vitelo no centro da célula. Encontrado nos
artrópodes.
No reino animal, a diferença na quantidade e
na distribuição do vitelo no ovo determina
diferença na segmentação, pois a quantidade
de vitelo influi na velocidade de divisão da
célula. Quanto maior a quantidade de vitelo,
menor a velocidade de divisão.
Segmentação ou clivagem
Tipos de clivagens
Holoblástica igual: formam-se, com a terceira
clivagem, oito blastômeros iguais. Ocorre
nos ovos alécitos e isolécitos ou oligolécitos.
Holoblástica desigual: formam-se, com a
terceira clivagem, blastômeros de tamanhos
#s: quatro menores e quatro maiores, ocorre
em ovos heterolécitos.
Segmentação holoblástica igual e desigual
Tipos de clivagens
Meroblástica discoidal: as divisões ocorrem
apenas na região da cicatrícula, formando um
disco de células, ocorre nos telolécitos.
Meroblástica superficial: ocorre no ovos
centrolécitos. As células ficam na superfície
do ovo.
Segmentação meroblástica
discoidal e superficial
FASES DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO
1- Inicia com as mitoses do ovo e cada uma das
células resultantes é chamada de blastômero
2 - Forma-se um aglomerado maciço de células
denominado de MÓRULA.
3- Ocorre uma migração dos blastômeros para
a periferia, nesta ocasião forma-se uma
cavidade a mórula então passa se chamar
BLÁSTULA.
Gastrulação
• Novo estágio no desenvolvimento embrionário
• Caracteriza-se pela formação de uma cavidade
interna ligada ao meio externo por uma
abertura.
• Surgimento dos folhetos embrionários.
• Surgimento do arquêntero (intestino primitivo).
• Surgimento do blastóporo.
Gastrulação
Neurulação
Ocorre a formação do Tubo Neural
e da Notocorda. A Notocorda nos
vertebrados é substituída pela
coluna vertebral.
NEURULAÇÃO
Organogênese
• Processo pelo o qual os folhetos
embrionários darão origem aos
tecidos e órgãos constituintes de cada
animal.
Organogênese
ECTODERME - Epiderme e seus anexos,
encéfalo e medula espinhal.
MESODERME - Notocorda (posteriormente é
substituída por vértebras), esqueleto axial
(coluna), aparelho urogenital, sistema
circulatório e esqueleto apendicular (membros).
ENDODERME - Aparelho respiratório, tubo
digestivo e glândulas anexas.
Anexos embrionários
Adaptação ao Meio Terrestre
• Entendemos por anexos embrionários as
estruturas que se forma juntamente com o
embrião, destinadas à realização de
importantes papéis para ele, mas que se
tornam inúteis após o seu nascimento,
sendo então, desprezadas. Como também
não pertencem à mãe, os anexos, no caso
dos mamíferos, são expulsos do útero logo
após o parto.
Saco vitelino ou vesícula vitelínica
• Função principal armazenar substâncias
nutritivas (vitelo).
• No início da embriogênese o saco vitelino é
encarregado pela produção das hemácias.
• Nos mamíferos é pouco desenvolvido e
atrofiado, já em peixes, répteis e aves é bem
desenvolvido.
Ovo de ave
Âmnio ou bolsa amniótica
• Membrana que reveste totalmente o embrião.
• Apresenta-se repleto de um líquido claro conhecido
como líquido amniótico.
• Funções proteção: contra choques mecânicos,
desidratação, infecções de agentes externos como
vírus e bactérias, estabilização da temperatura
interna.
• Principal responsável pela independência à água na
reprodução dos répteis.
• Bem desenvolvida em répteis, aves e mamíferos,
ausente em peixes e anfíbios.
Cório
• Da mesma origem do âmnio, o cório é
uma membrana de proteção que se
localiza mais externamente e em contato
com a casca, fazendo absorção de cálcio
da casca para o esqueleto.
 É um anexo que deriva da porção
posterior do intestino do embrião. A
função nos répteis e nas aves é:
transferir para o embrião as proteínas
presentes na clara, transferir parte dos
sais de cálcio, presentes na casca, para
o embrião, que utilizará esses sais na
formação de seu esqueleto, participar
das trocas gasosas e armazenar excreta
nitrogenada. A excreta nitrogenada
eliminada por embriões desses animais
é o ácido úrico, insolúvel em água e
atóxico, podendo ser armazenado no
interior do ovo sem contaminar o
embrião.
Alantóide
Placenta
• É o mais importante dos anexos
embrionários nos mamíferos. E representa
o principal passo evolutivo dos mamíferos
no que se refere na reprodução.
• É um órgão transitório, de múltiplas
funções para o embrião.
Funções da placenta
• Realizar trocas respiratórias entre o
organismo materno e o organismo fetal.
• Realizar as trocas nutritivas e metabólicas
entre mãe e filho.
• Produzir hormônios.
• Transmitir ao feto alguns anticorpos.
• Mascarar o embrião em relação a
anticorpos de defesa da mãe.
Cordão umbilical
• Origina-se a partir do pedúnculo
embrionário. Procede como estrutura de
comunicação entre o embrião e a placenta.
Longo, mais ou menos cilíndrico, encerra
três grossos vasos: uma veia (que conduz
sangue arterial) e duas artérias (que conduz
sangue venoso).
ANEXO Peixes Anfíbios Répteis Aves Mamíferos
S.Vitelínico X X X X X
Âmnion X X X
Córion X X X
Alantóide X X X
Placenta X
C. Umbilical X
Anexo nos vertebrados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)
Bio
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
Bio
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
César Milani
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
UERGS
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
Rosalia Azambuja
 

Mais procurados (20)

Reprodução assexuada e sexuada
Reprodução assexuada  e sexuadaReprodução assexuada  e sexuada
Reprodução assexuada e sexuada
 
Reino Monera
Reino MoneraReino Monera
Reino Monera
 
Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)Aula de Histologia Animal (Power Point)
Aula de Histologia Animal (Power Point)
 
Membrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETOMembrana plasmática slides COMPLETO
Membrana plasmática slides COMPLETO
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
IV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espéciesIV. 1 Formação de novas espécies
IV. 1 Formação de novas espécies
 
Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)Divisão Celular (Power Point)
Divisão Celular (Power Point)
 
Aulão a origem da vida
Aulão a origem da vidaAulão a origem da vida
Aulão a origem da vida
 
2ª lei de mendel
2ª lei de mendel2ª lei de mendel
2ª lei de mendel
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
V.3 Gimnospermas
V.3 GimnospermasV.3 Gimnospermas
V.3 Gimnospermas
 
Mitose e Meiose
Mitose e MeioseMitose e Meiose
Mitose e Meiose
 
Núcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celularNúcleo e divisão celular
Núcleo e divisão celular
 
Variabilidade
VariabilidadeVariabilidade
Variabilidade
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Embriologia slides
Embriologia  slidesEmbriologia  slides
Embriologia slides
 
Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!Desenvolvimento Embrionário!
Desenvolvimento Embrionário!
 
II. 1 As células
II. 1 As célulasII. 1 As células
II. 1 As células
 
Protozoarios
ProtozoariosProtozoarios
Protozoarios
 

Destaque (15)

Irmãos gêmeos
Irmãos gêmeosIrmãos gêmeos
Irmãos gêmeos
 
Anexos embrionários
Anexos embrionáriosAnexos embrionários
Anexos embrionários
 
Gemeos
GemeosGemeos
Gemeos
 
Anexos embrionários
Anexos embrionáriosAnexos embrionários
Anexos embrionários
 
Irmãos gêmeos
Irmãos gêmeosIrmãos gêmeos
Irmãos gêmeos
 
Biologia Fernando 14 1 GêMeos
Biologia Fernando 14 1 GêMeosBiologia Fernando 14 1 GêMeos
Biologia Fernando 14 1 GêMeos
 
Gemelaridade
GemelaridadeGemelaridade
Gemelaridade
 
Anexos embrionarios
Anexos embrionariosAnexos embrionarios
Anexos embrionarios
 
Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)Anexos Embrionários (Power Point)
Anexos Embrionários (Power Point)
 
Embriologia - Ovogênese
Embriologia - OvogêneseEmbriologia - Ovogênese
Embriologia - Ovogênese
 
Folhetos embrionários
Folhetos embrionáriosFolhetos embrionários
Folhetos embrionários
 
Gêmeos siameses
Gêmeos siamesesGêmeos siameses
Gêmeos siameses
 
Formação de gémeos
Formação de gémeosFormação de gémeos
Formação de gémeos
 
Escrevendo um documentario
Escrevendo um documentarioEscrevendo um documentario
Escrevendo um documentario
 
Anexos embrionarios
Anexos embrionariosAnexos embrionarios
Anexos embrionarios
 

Semelhante a Embriologia (20)

Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
 
Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia4485
Embriologia4485Embriologia4485
Embriologia4485
 
biologiamarciaaraujo.blogspot.com
biologiamarciaaraujo.blogspot.combiologiamarciaaraujo.blogspot.com
biologiamarciaaraujo.blogspot.com
 
Tipos de ovos e clivagem. pptx
Tipos de ovos e clivagem. pptxTipos de ovos e clivagem. pptx
Tipos de ovos e clivagem. pptx
 
Apresentação de biologia
Apresentação de biologiaApresentação de biologia
Apresentação de biologia
 
Apresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e biApresentação biologia, ju e bi
Apresentação biologia, ju e bi
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptx
 
Embriologia geral
Embriologia geralEmbriologia geral
Embriologia geral
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Desenen. embri
Desenen. embriDesenen. embri
Desenen. embri
 

Mais de Colégios particulares

Mais de Colégios particulares (20)

Sistema imunologico
Sistema imunologicoSistema imunologico
Sistema imunologico
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
 
Classificacao e nomenclatura
Classificacao e nomenclaturaClassificacao e nomenclatura
Classificacao e nomenclatura
 
Virus
VirusVirus
Virus
 
Monera
MoneraMonera
Monera
 
Fisiologia vegetal movimentos e hormonios
Fisiologia vegetal movimentos e hormoniosFisiologia vegetal movimentos e hormonios
Fisiologia vegetal movimentos e hormonios
 
Fisiologia comparada
Fisiologia comparadaFisiologia comparada
Fisiologia comparada
 
Evolucao
EvolucaoEvolucao
Evolucao
 
Sistema cardiovascular
Sistema cardiovascularSistema cardiovascular
Sistema cardiovascular
 
Organologia vegetal
Organologia vegetalOrganologia vegetal
Organologia vegetal
 
Gametogenese
GametogeneseGametogenese
Gametogenese
 
Metodos contraceptivos
Metodos contraceptivosMetodos contraceptivos
Metodos contraceptivos
 
Histologia vegetal
Histologia vegetalHistologia vegetal
Histologia vegetal
 
Sistema urinario
Sistema urinarioSistema urinario
Sistema urinario
 
Sistema nervoso
Sistema nervosoSistema nervoso
Sistema nervoso
 
Reproducao plantas
Reproducao   plantasReproducao   plantas
Reproducao plantas
 
Sistema respiratorio
Sistema respiratorioSistema respiratorio
Sistema respiratorio
 
Sistema digestorio
Sistema digestorioSistema digestorio
Sistema digestorio
 
Esqueleto
EsqueletoEsqueleto
Esqueleto
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 

Embriologia

  • 2. É o estudo do desenvolvimento do ovo, desde a fecundação até a forma adulta. O desenvolvimento embrionário inicia – se com a fecundação e formação do zigoto, aumento do número de células através da mitose e a diferenciação celular para a formação dos tecidos e órgãos. O início de tudo!
  • 3. Etapas embrionárias • Segmentação • Gastrulação • Neurulação • Organogênese
  • 4. Segmentação ou clivagem As divisões mitóticas que acontecem a partir da célula-ovo ou zigoto dão origem as várias células menores, chamadas, blastômeros. Ocorre aumento de número de células, mas praticamente não há aumento do volume total do embrião em relação ao volume do ovo. Isso acontece porque as divisões celulares são muito rápidas.
  • 5. O vitelo • Plasma nutritivo com função de nutrir o embrião em desenvolvimento • A quantidade de vitelo é variável nos diferentes óvulos; varia também a localização de vitelo em relação ao citoplasma e ao núcleo. Esses dois caracteres permitem classificar os óvulos em diversos tipos, como podemos observar a seguir:
  • 6. TIPOS DE OVOS - Oligolécitos / Alécitos - São ovos que apresentam pouco vitelo distribuído de forma uniforme por todo o citoplasma. São encontrados nos equinodermos, protocordados e mamíferos. - Telolécitos Incompletos / Heterolécitos – São ovos que apresentam uma quantidade média de vitelo distribuída de forma desigual pelo citoplasma. Encontrado nos anfíbios. - Telolécitos completos / Megalécitos – São ovos que apresentam uma grande quantidade de vitelo concentrada no polo vegetativo. Encontrado nos peixes, répteis e aves. -- Centrolécitos - vitelo no centro da célula. Encontrado nos artrópodes.
  • 7.
  • 8. No reino animal, a diferença na quantidade e na distribuição do vitelo no ovo determina diferença na segmentação, pois a quantidade de vitelo influi na velocidade de divisão da célula. Quanto maior a quantidade de vitelo, menor a velocidade de divisão. Segmentação ou clivagem
  • 9. Tipos de clivagens Holoblástica igual: formam-se, com a terceira clivagem, oito blastômeros iguais. Ocorre nos ovos alécitos e isolécitos ou oligolécitos. Holoblástica desigual: formam-se, com a terceira clivagem, blastômeros de tamanhos #s: quatro menores e quatro maiores, ocorre em ovos heterolécitos.
  • 11. Tipos de clivagens Meroblástica discoidal: as divisões ocorrem apenas na região da cicatrícula, formando um disco de células, ocorre nos telolécitos. Meroblástica superficial: ocorre no ovos centrolécitos. As células ficam na superfície do ovo.
  • 13. FASES DO DESENVOLVIMENTO EMBRIONARIO 1- Inicia com as mitoses do ovo e cada uma das células resultantes é chamada de blastômero 2 - Forma-se um aglomerado maciço de células denominado de MÓRULA.
  • 14. 3- Ocorre uma migração dos blastômeros para a periferia, nesta ocasião forma-se uma cavidade a mórula então passa se chamar BLÁSTULA.
  • 15. Gastrulação • Novo estágio no desenvolvimento embrionário • Caracteriza-se pela formação de uma cavidade interna ligada ao meio externo por uma abertura. • Surgimento dos folhetos embrionários. • Surgimento do arquêntero (intestino primitivo). • Surgimento do blastóporo.
  • 17. Neurulação Ocorre a formação do Tubo Neural e da Notocorda. A Notocorda nos vertebrados é substituída pela coluna vertebral.
  • 19. Organogênese • Processo pelo o qual os folhetos embrionários darão origem aos tecidos e órgãos constituintes de cada animal.
  • 20. Organogênese ECTODERME - Epiderme e seus anexos, encéfalo e medula espinhal. MESODERME - Notocorda (posteriormente é substituída por vértebras), esqueleto axial (coluna), aparelho urogenital, sistema circulatório e esqueleto apendicular (membros). ENDODERME - Aparelho respiratório, tubo digestivo e glândulas anexas.
  • 22. • Entendemos por anexos embrionários as estruturas que se forma juntamente com o embrião, destinadas à realização de importantes papéis para ele, mas que se tornam inúteis após o seu nascimento, sendo então, desprezadas. Como também não pertencem à mãe, os anexos, no caso dos mamíferos, são expulsos do útero logo após o parto.
  • 23. Saco vitelino ou vesícula vitelínica • Função principal armazenar substâncias nutritivas (vitelo). • No início da embriogênese o saco vitelino é encarregado pela produção das hemácias. • Nos mamíferos é pouco desenvolvido e atrofiado, já em peixes, répteis e aves é bem desenvolvido.
  • 25. Âmnio ou bolsa amniótica • Membrana que reveste totalmente o embrião. • Apresenta-se repleto de um líquido claro conhecido como líquido amniótico. • Funções proteção: contra choques mecânicos, desidratação, infecções de agentes externos como vírus e bactérias, estabilização da temperatura interna. • Principal responsável pela independência à água na reprodução dos répteis. • Bem desenvolvida em répteis, aves e mamíferos, ausente em peixes e anfíbios.
  • 26.
  • 27. Cório • Da mesma origem do âmnio, o cório é uma membrana de proteção que se localiza mais externamente e em contato com a casca, fazendo absorção de cálcio da casca para o esqueleto.
  • 28.
  • 29.  É um anexo que deriva da porção posterior do intestino do embrião. A função nos répteis e nas aves é: transferir para o embrião as proteínas presentes na clara, transferir parte dos sais de cálcio, presentes na casca, para o embrião, que utilizará esses sais na formação de seu esqueleto, participar das trocas gasosas e armazenar excreta nitrogenada. A excreta nitrogenada eliminada por embriões desses animais é o ácido úrico, insolúvel em água e atóxico, podendo ser armazenado no interior do ovo sem contaminar o embrião. Alantóide
  • 30. Placenta • É o mais importante dos anexos embrionários nos mamíferos. E representa o principal passo evolutivo dos mamíferos no que se refere na reprodução. • É um órgão transitório, de múltiplas funções para o embrião.
  • 31. Funções da placenta • Realizar trocas respiratórias entre o organismo materno e o organismo fetal. • Realizar as trocas nutritivas e metabólicas entre mãe e filho. • Produzir hormônios. • Transmitir ao feto alguns anticorpos. • Mascarar o embrião em relação a anticorpos de defesa da mãe.
  • 32. Cordão umbilical • Origina-se a partir do pedúnculo embrionário. Procede como estrutura de comunicação entre o embrião e a placenta. Longo, mais ou menos cilíndrico, encerra três grossos vasos: uma veia (que conduz sangue arterial) e duas artérias (que conduz sangue venoso).
  • 33. ANEXO Peixes Anfíbios Répteis Aves Mamíferos S.Vitelínico X X X X X Âmnion X X X Córion X X X Alantóide X X X Placenta X C. Umbilical X Anexo nos vertebrados