SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Federal da Bahia
Instituto de Ciências da Saúde
ICSC48 – Bioterismo e Modelos Animais
Criação e Manejo de Coelhos
1
ORIGEM
• Península Ibérica e norte da África
• Domesticação e criação de coelhos silvestres
• Importantes fonte de proteína nos EUA e Europa
• Seleção de animais dóceis e de fácil manejo para laboratórios
Importância na
experimentação biológica
• Pasteur, 1884
• Proteção de cães contra o vírus da raiva
• Inoculação de suspensões da medula espinhal de coelhos infectados
experimentalmente
• Hipersensibilidade - irritantes cutâneos primários, rubefacientes,
fotossensibilizadores, irritantes dos olhos e outros alérgicos
• Espécie de eleição para testes de capacidade pirógena de
preparados farmacológicos e biológicos (LPS)
• Grandes veias marginais na orelha - acesso fácil ao sistema
circulatório
Posição
taxonômica
Variedades laboratoriais
• Pertence à ordem Lagomorpha – características da dentição
• NOVA ZELÂNDIA – 4 - 6 kg, de reconhecida docilidade, fácil reprodução
e manejo, e com uniformidade de reações nas provas experimentais
• GIGANTES DE FLANDES –mais de 6 kg, preferido para a obtenção de
soro imunológico
• CALIFÓRNIA –3 - 5 kg, zonas pigmentadas em negro sobre o fundo
branco; rusticidade;
• HOLANDÊS –menos de 2,5 kg, bastante utilizado como animal de
experimentação em virtude de seu pequeno porte
Características importantes
• Dóceis
• Mordem ou arranham em razão da contenção incorreta
• Susceptíveis ao estresse
• Disputa de território por machos
• Pseudogestação.
• Mais sensíveis ao calor que ao frio
• Temperatura recomendável varia de 17 ºC a 21 ºC
• Dentes têm crescimento contínuo
• 5 cm por ano
Nutrição
• Herbívoro - grãos, verduras e pastos
• Ceco grande – sujeito a fermentações
• Coprofagia noturna – coleta de fezes diretamente
do ânus
• Coprofagia + fermentação fecal = vitaminas do
grupo B
• Facilitam a digestão adicional de fibras - segunda
passagem no trato digestivo
• Rações comerciais peletizadas
• raça Nova Zelândia - 100 g a 200 g / dia
• Atenção a fêmeas com lactentes
Ração especializada
Requisitos
nutricionais
• Ração administrada uma vez
por dia
• Evitar engorda excessiva dos
animais
• Alteração da capacidade
reprodutiva
• Água: ad libitum
• 2 meses de idade: 120
ml/kg/dia
• 1 ano de idade: 64 ml/kg/dia
• Higienização e esterilização
dos bebedouros (1.000 ml)
diariamente.
Orientações nutricionais
• Ração administrada uma vez por dia
• Evitar engorda excessiva dos animais
• Alteração da capacidade reprodutiva
• Água: ad libitum
• 2 meses de idade: 120 ml/kg/dia
• 1 ano de idade: 64 ml/kg/dia
• Higienização e esterilização dos bebedouros (1.000
ml) diariamente.
Manejo dos reprodutores
• Animais selecionados pelos valores genéticos e estéticos
• Alojamento em gaiolas individuais
• 45 x 60 x 40 cm (a partir dos 2 meses de idade)
• Puberdade - 150 – 180 dias (3,0 – 3,5 Kg)
• Relação macho:fêmea – 1: 10-12
• Menor consaguinidade - 3 a 4 machos/ 10 a 12 fêmeas
• Para acasalamento, os machos e as fêmeas deverão ter, no
mínimo, 6 meses de idade
• 3 primeiros meses – até 2 coberturas por semana
• Descarte de reprodutores – 3 - 4 anos de idade
• Declínio de sua capacidade reprodutiva.
Reprodução e acasalamento
• A coelha deve ser levada à gaiola do macho!
• Caso contrário, o macho, fora do seu território, passará a
examinar o novo local, deixando de fazer a cobertura
• Acasalamento deverá ocorrer após alguns minutos
• Acompanhamento da cobertura pelo técnico
• Após o acasalamento – fêmea volta para sua gaiola
Ciclo estral
• Ciclo estral irregular
• Fecundação pode ocorrer durante 12 dos 16 dias de
duração de seu ciclo estral
• Ovulação ocorre 10 horas após a cópula
• Acasalamento feito 30-40 dias após o parto
• Recomendado 3 acasalamentos para garantir fecundação
Período de gestação e diagnóstico
• Gestação - 30 a 32 dias
• Diagnóstico de gestação – palpação
abdominal, 14 dias
• PSEUDOGESTAÇÃO
• Presença do macho
• Estímulo à ovulação
• Formação do corpo lúteo
• Persistência 18-21 dias – secreção de
progesterona
• Aumento das mamas
• Retirada de pêlos do abdômen para
fazer o ninho
Parto e manejo dos
láparos
• Fornecimento de feno ou palha
para formação dos ninhos
• Dimensões mínimas de 90 x 60 x
40 cm
• Parto noturno – 6-8 nasc.
• Peso ao nascer - 60 g a 80 g
• Ausência de pêlos, com olhos e
orelhas fechados e com dentes
incisivos
• Abertura dos olhos – 10 dias
• Alimentação sólida - 15 dias
Procedimento no desmame
• Desmame - 800-1.500 g
• 1ª semana - retirar a mãe da
gaiola e manter a ninhada
• 2ª semana – separação de
machos e fêmeas
• SEXAGEM
• Distância ano-genital maior
em machos
Controle da consagüinidade na colônia
• Animais consangüíneos – Inbred
• Difícil obtenção de homozigose total
• Elevado número de genes letais na constituição genética
• Animais não-consangüíneos – Outbred
• Sistema de acasalamento rotacional (Método Poiley)
Produção mensal: colônia com 120
fêmeas e 36 machos
• Período médio de gestação = 30 dias
• Número médio de filhotes/parto = 6,67
• Taxa de mortalidade de lactente = 10%
• Número de filhote/desmamados/partos = 6,0
• Desmame = 42 dias de idade
• Acasalamento = 30 dias após o parto e/ou no final do segundo ciclo
ovariano
• Intervalo entre partos = 30 dias de gestação + 30 dias após o parto + 30 dias
de gestação
• Intervalo = 90 dias
• 365 dias (ano): 90 dias (intervalo) = 4 partos/ano
• 4 partos x 6 láparos = 24 láparos desmamados/ano/fêmea
• 24 láparos (ano) x 120 fêmeas = 2.880 láparos desmamados/ano, ou seja,
240 láparos desmamados/mês.
Identificação dos animais e registro da
colônia
• Aplicação de corantes
• Tatuagens
• Fichas de identificação
e livros de registros
• Softwares
• CONTENÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Marília Gomes
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
Michel Oliveira
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
Ricardo Portela
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Killer Max
 
Manejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosManejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de Equinos
Killer Max
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Killer Max
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
Killer Max
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
vacinação em aves
vacinação em avesvacinação em aves
vacinação em aves
thomaz cesar barbosa da costa
 
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.pptAula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
MirianFernandes15
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
Evaldo Potma
 
Manejo de leitões 1
Manejo de leitões 1Manejo de leitões 1
Manejo de leitões 1
Marília Gomes
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
Marília Gomes
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
Carlos Robério Maia Bandeira
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
UFSC
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Universidade de São Paulo
 
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamentoManejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Ingrid Carvalho
 
Inspeção Sanitaria
Inspeção SanitariaInspeção Sanitaria
Inspeção Sanitaria
Jarbas Franco
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
André Ferreira
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Marília Gomes
 

Mais procurados (20)

Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sistemas de criação e instalações para caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
Manejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosManejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de Equinos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
vacinação em aves
vacinação em avesvacinação em aves
vacinação em aves
 
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.pptAula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Manejo de leitões 1
Manejo de leitões 1Manejo de leitões 1
Manejo de leitões 1
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Aula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósiaAula 1 ezoognósia
Aula 1 ezoognósia
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamentoManejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
 
Inspeção Sanitaria
Inspeção SanitariaInspeção Sanitaria
Inspeção Sanitaria
 
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de CorteNoções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
Noções de Melhoramento Animal de Bovinos de Corte
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
 

Semelhante a ICSC48 - Criação e manejo de coelhos

Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
helidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
helidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
helidaleao
 
Dados biológicos e comportamentais de Cobaias em biotérios
Dados biológicos e comportamentais de Cobaias em biotériosDados biológicos e comportamentais de Cobaias em biotérios
Dados biológicos e comportamentais de Cobaias em biotérios
Karla Tamires Costa
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Cristian Carla de Campos
 
Biotecnologia no melhoramento animal
Biotecnologia no melhoramento animalBiotecnologia no melhoramento animal
Biotecnologia no melhoramento animal
marcus92
 
Aula manejo de animais.pptx
Aula manejo de animais.pptxAula manejo de animais.pptx
Aula manejo de animais.pptx
AlexandreNogueira82
 
Comportamento Parental de gatos domésticos
Comportamento Parental de gatos domésticosComportamento Parental de gatos domésticos
Comportamento Parental de gatos domésticos
Naylla Marcula
 
Reprodução e manejo reprodutivo.pptx
Reprodução e manejo reprodutivo.pptxReprodução e manejo reprodutivo.pptx
Reprodução e manejo reprodutivo.pptx
ArquivosVeterinria
 
Aspectos sanitários e nutricionais na criação de furões [salvo automaticamente]
Aspectos sanitários e nutricionais na criação de furões [salvo automaticamente]Aspectos sanitários e nutricionais na criação de furões [salvo automaticamente]
Aspectos sanitários e nutricionais na criação de furões [salvo automaticamente]
karencamargo31
 
Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
Amanda Souza
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Coelhos – pet ou animais de produção
Coelhos – pet ou animais de produçãoCoelhos – pet ou animais de produção
Coelhos – pet ou animais de produção
Evelyn Golin
 
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptxAula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
ThonJovita
 
alimentação 1 ano, pre escolar,escolar e adolescente.pptx
alimentação 1 ano, pre escolar,escolar e adolescente.pptxalimentação 1 ano, pre escolar,escolar e adolescente.pptx
alimentação 1 ano, pre escolar,escolar e adolescente.pptx
HelosaFerreira9
 
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cãesICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
Ricardo Portela
 
Características e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCaracterísticas e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteira
Cristovão Filho
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
Marília Gomes
 
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras LeiteirasCartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
RaquelMariaCury
 
Cartilha esalq bezerras leiteiras
Cartilha esalq    bezerras leiteirasCartilha esalq    bezerras leiteiras
Cartilha esalq bezerras leiteiras
Marcelo Cezar Soares
 

Semelhante a ICSC48 - Criação e manejo de coelhos (20)

Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Dados biológicos e comportamentais de Cobaias em biotérios
Dados biológicos e comportamentais de Cobaias em biotériosDados biológicos e comportamentais de Cobaias em biotérios
Dados biológicos e comportamentais de Cobaias em biotérios
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
 
Biotecnologia no melhoramento animal
Biotecnologia no melhoramento animalBiotecnologia no melhoramento animal
Biotecnologia no melhoramento animal
 
Aula manejo de animais.pptx
Aula manejo de animais.pptxAula manejo de animais.pptx
Aula manejo de animais.pptx
 
Comportamento Parental de gatos domésticos
Comportamento Parental de gatos domésticosComportamento Parental de gatos domésticos
Comportamento Parental de gatos domésticos
 
Reprodução e manejo reprodutivo.pptx
Reprodução e manejo reprodutivo.pptxReprodução e manejo reprodutivo.pptx
Reprodução e manejo reprodutivo.pptx
 
Aspectos sanitários e nutricionais na criação de furões [salvo automaticamente]
Aspectos sanitários e nutricionais na criação de furões [salvo automaticamente]Aspectos sanitários e nutricionais na criação de furões [salvo automaticamente]
Aspectos sanitários e nutricionais na criação de furões [salvo automaticamente]
 
Bubalinocultura
BubalinoculturaBubalinocultura
Bubalinocultura
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Coelhos – pet ou animais de produção
Coelhos – pet ou animais de produçãoCoelhos – pet ou animais de produção
Coelhos – pet ou animais de produção
 
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptxAula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
 
alimentação 1 ano, pre escolar,escolar e adolescente.pptx
alimentação 1 ano, pre escolar,escolar e adolescente.pptxalimentação 1 ano, pre escolar,escolar e adolescente.pptx
alimentação 1 ano, pre escolar,escolar e adolescente.pptx
 
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cãesICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
ICSC48 - Criação e manejo de primatas não humanos e cães
 
Características e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCaracterísticas e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteira
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
 
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras LeiteirasCartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
Cartilha de Criação de Bezerras Leiteiras
 
Cartilha esalq bezerras leiteiras
Cartilha esalq    bezerras leiteirasCartilha esalq    bezerras leiteiras
Cartilha esalq bezerras leiteiras
 

Mais de Ricardo Portela

ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
Ricardo Portela
 
3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier
Ricardo Portela
 
Twenty one suggestions
Twenty one suggestionsTwenty one suggestions
Twenty one suggestions
Ricardo Portela
 
ICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen DiscoveryICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen Discovery
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonaisICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoprecipitaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoaglutinaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunofluorescenciaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxoICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISAICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunocromatografiaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
Ricardo Portela
 
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hivICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
Ricardo Portela
 
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforeseICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitárioICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genéticoICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Histórico do bioterismo
ICSC48 - Histórico do bioterismoICSC48 - Histórico do bioterismo
ICSC48 - Histórico do bioterismo
Ricardo Portela
 
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animalICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
Ricardo Portela
 
ICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologiaICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologia
Ricardo Portela
 

Mais de Ricardo Portela (20)

ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
 
3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier3 ways to make the research writing process easier
3 ways to make the research writing process easier
 
Twenty one suggestions
Twenty one suggestionsTwenty one suggestions
Twenty one suggestions
 
ICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen DiscoveryICSA32 - Antigen Discovery
ICSA32 - Antigen Discovery
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonaisICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
ICSA17 Imunologia (Prática) - Anticorpos monoclonais
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoprecipitaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoprecipitação
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunoaglutinaçãoICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunoaglutinação
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunofluorescenciaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunofluorescencia
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxoICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
ICSA17 Imunologia (Prática) - Citometria de fluxo
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISAICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
ICSA17 Imunologia (Prática) - ELISA
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitosICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
ICSA17 Imunologia (Prática) - Identificação de leucócitos
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - ImunocromatografiaICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
ICSA17 Imunologia (Prática) - Imunocromatografia
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
 
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hivICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
ICSA17 - Imunologia - Manual kit tr dpp sifilis hiv
 
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforeseICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
ICSA17 Imunologia - Manual eletroforese
 
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitárioICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status sanitário
 
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genéticoICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
ICSC48 - Classificação dos animais de laboratório quanto ao status genético
 
ICSC48 - Histórico do bioterismo
ICSC48 - Histórico do bioterismoICSC48 - Histórico do bioterismo
ICSC48 - Histórico do bioterismo
 
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animalICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
ICSC48 - Aspectos éticos na experimentação animal
 
ICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologiaICSA32 - História da vacinologia
ICSA32 - História da vacinologia
 

Último

Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 

ICSC48 - Criação e manejo de coelhos

  • 1. Universidade Federal da Bahia Instituto de Ciências da Saúde ICSC48 – Bioterismo e Modelos Animais Criação e Manejo de Coelhos 1
  • 2. ORIGEM • Península Ibérica e norte da África • Domesticação e criação de coelhos silvestres • Importantes fonte de proteína nos EUA e Europa • Seleção de animais dóceis e de fácil manejo para laboratórios
  • 3. Importância na experimentação biológica • Pasteur, 1884 • Proteção de cães contra o vírus da raiva • Inoculação de suspensões da medula espinhal de coelhos infectados experimentalmente • Hipersensibilidade - irritantes cutâneos primários, rubefacientes, fotossensibilizadores, irritantes dos olhos e outros alérgicos • Espécie de eleição para testes de capacidade pirógena de preparados farmacológicos e biológicos (LPS) • Grandes veias marginais na orelha - acesso fácil ao sistema circulatório
  • 5. Variedades laboratoriais • Pertence à ordem Lagomorpha – características da dentição • NOVA ZELÂNDIA – 4 - 6 kg, de reconhecida docilidade, fácil reprodução e manejo, e com uniformidade de reações nas provas experimentais • GIGANTES DE FLANDES –mais de 6 kg, preferido para a obtenção de soro imunológico • CALIFÓRNIA –3 - 5 kg, zonas pigmentadas em negro sobre o fundo branco; rusticidade; • HOLANDÊS –menos de 2,5 kg, bastante utilizado como animal de experimentação em virtude de seu pequeno porte
  • 6. Características importantes • Dóceis • Mordem ou arranham em razão da contenção incorreta • Susceptíveis ao estresse • Disputa de território por machos • Pseudogestação. • Mais sensíveis ao calor que ao frio • Temperatura recomendável varia de 17 ºC a 21 ºC • Dentes têm crescimento contínuo • 5 cm por ano
  • 7. Nutrição • Herbívoro - grãos, verduras e pastos • Ceco grande – sujeito a fermentações • Coprofagia noturna – coleta de fezes diretamente do ânus • Coprofagia + fermentação fecal = vitaminas do grupo B • Facilitam a digestão adicional de fibras - segunda passagem no trato digestivo • Rações comerciais peletizadas • raça Nova Zelândia - 100 g a 200 g / dia • Atenção a fêmeas com lactentes
  • 9. Requisitos nutricionais • Ração administrada uma vez por dia • Evitar engorda excessiva dos animais • Alteração da capacidade reprodutiva • Água: ad libitum • 2 meses de idade: 120 ml/kg/dia • 1 ano de idade: 64 ml/kg/dia • Higienização e esterilização dos bebedouros (1.000 ml) diariamente.
  • 10. Orientações nutricionais • Ração administrada uma vez por dia • Evitar engorda excessiva dos animais • Alteração da capacidade reprodutiva • Água: ad libitum • 2 meses de idade: 120 ml/kg/dia • 1 ano de idade: 64 ml/kg/dia • Higienização e esterilização dos bebedouros (1.000 ml) diariamente.
  • 11. Manejo dos reprodutores • Animais selecionados pelos valores genéticos e estéticos • Alojamento em gaiolas individuais • 45 x 60 x 40 cm (a partir dos 2 meses de idade) • Puberdade - 150 – 180 dias (3,0 – 3,5 Kg) • Relação macho:fêmea – 1: 10-12 • Menor consaguinidade - 3 a 4 machos/ 10 a 12 fêmeas • Para acasalamento, os machos e as fêmeas deverão ter, no mínimo, 6 meses de idade • 3 primeiros meses – até 2 coberturas por semana • Descarte de reprodutores – 3 - 4 anos de idade • Declínio de sua capacidade reprodutiva.
  • 12. Reprodução e acasalamento • A coelha deve ser levada à gaiola do macho! • Caso contrário, o macho, fora do seu território, passará a examinar o novo local, deixando de fazer a cobertura • Acasalamento deverá ocorrer após alguns minutos • Acompanhamento da cobertura pelo técnico • Após o acasalamento – fêmea volta para sua gaiola
  • 13. Ciclo estral • Ciclo estral irregular • Fecundação pode ocorrer durante 12 dos 16 dias de duração de seu ciclo estral • Ovulação ocorre 10 horas após a cópula • Acasalamento feito 30-40 dias após o parto • Recomendado 3 acasalamentos para garantir fecundação
  • 14. Período de gestação e diagnóstico • Gestação - 30 a 32 dias • Diagnóstico de gestação – palpação abdominal, 14 dias • PSEUDOGESTAÇÃO • Presença do macho • Estímulo à ovulação • Formação do corpo lúteo • Persistência 18-21 dias – secreção de progesterona • Aumento das mamas • Retirada de pêlos do abdômen para fazer o ninho
  • 15. Parto e manejo dos láparos • Fornecimento de feno ou palha para formação dos ninhos • Dimensões mínimas de 90 x 60 x 40 cm • Parto noturno – 6-8 nasc. • Peso ao nascer - 60 g a 80 g • Ausência de pêlos, com olhos e orelhas fechados e com dentes incisivos • Abertura dos olhos – 10 dias • Alimentação sólida - 15 dias
  • 16. Procedimento no desmame • Desmame - 800-1.500 g • 1ª semana - retirar a mãe da gaiola e manter a ninhada • 2ª semana – separação de machos e fêmeas • SEXAGEM • Distância ano-genital maior em machos
  • 17. Controle da consagüinidade na colônia • Animais consangüíneos – Inbred • Difícil obtenção de homozigose total • Elevado número de genes letais na constituição genética • Animais não-consangüíneos – Outbred • Sistema de acasalamento rotacional (Método Poiley)
  • 18. Produção mensal: colônia com 120 fêmeas e 36 machos • Período médio de gestação = 30 dias • Número médio de filhotes/parto = 6,67 • Taxa de mortalidade de lactente = 10% • Número de filhote/desmamados/partos = 6,0 • Desmame = 42 dias de idade • Acasalamento = 30 dias após o parto e/ou no final do segundo ciclo ovariano • Intervalo entre partos = 30 dias de gestação + 30 dias após o parto + 30 dias de gestação • Intervalo = 90 dias • 365 dias (ano): 90 dias (intervalo) = 4 partos/ano • 4 partos x 6 láparos = 24 láparos desmamados/ano/fêmea • 24 láparos (ano) x 120 fêmeas = 2.880 láparos desmamados/ano, ou seja, 240 láparos desmamados/mês.
  • 19. Identificação dos animais e registro da colônia • Aplicação de corantes • Tatuagens • Fichas de identificação e livros de registros • Softwares • CONTENÇÃO