SlideShare uma empresa Scribd logo
O contexto europeu dos séculos
XVII e XVIII
O Antigo Regime europeu: regra e exceção
Parte I
Luís XIV, França
Fonte:
http://cognoscomm.com/mm/Louis_X
IV.jpg
Jean-Baptiste Colbert
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikip
edia/commons/7/70/Jean-
Baptiste_Colbert.jpg
Sociedade de Ordens
Fonte: http://1.bp.blogspot.com/-Jt9bCx3-
Cx8/Ty7oeAoeTkI/AAAAAAAAEoM/WvrGSznBPFA/s1600/f1.jpg
1
1. Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível
político e social
• 1. Definir Antigo Regime.
• 2. Reconhecer o absolutismo régio como o ponto de chegada de um
processo de centralização do poder régio iniciado na Idade Média.
• 3. Identificar os pressupostos fundamentais do absolutismo régio,
nomeadamente a teoria da origem divina do poder e as suas
implicações.
• 4. Reconhecer a corte régia e os cerimoniais públicos como
instrumentos do poder absoluto.
• 5. Caracterizar a sociedade de ordens de Antigo Regime,
salientando as permanências e as mudanças relativamente à Idade
Média.
• 6. Destacar a relevância alcançada por segmentos da burguesia
mercantil e financeira nas estruturas sociais da época.
2
2. Conhecer os elementos fundamentais de
caracterização da economia do Antigo Regime europeu
• 1. Reconhecer o peso da economia rural no Antigo Regime,
sublinhando o atraso da agricultura devido à permanência do
Regime Senhorial.
• 2. Salientar a importância do comércio internacional na economia
de Antigo Regime.
• 3. Explicar os objetivos e medidas da política mercantilista.
• 4. Relacionar o mercantilismo com a grande competição económica
e política entre os estados europeus no século XVII.
• 5. Explicar a adoção de políticas económicas não protecionistas, por
parte da Inglaterra, num contexto de predomínio de teorias
mercantilistas.
3
3. Conhecer e compreender os elementos fundamentais
da arte e da cultura no Antigo Regime
• 1. Caracterizar a arte barroca nas suas principais expressões.
• 2. Reconhecer a importância do método experimental e da dúvida
metódica cartesiana para o progresso científico ocorrido.
• 3. Reconhecer a consolidação, nestes séculos, do desenvolvimento
da ciência e da técnica, referindo os principais avanços científicos e
os seus autores.
4
Antigo Regime
(Definição p.95 do manual)
Antigo
Regime
(séculos XVI
a XVIII)
Política
Absolutismo
Sociedade
de ordens
Economia
assente na agricultura
e no comércio
internacional
Mercantilismo
5
Absolutismo (esquema 2 p.94)
• A crescente centralização do poder real desde os finais
da Idade Média deu origem na maior parte dos países
europeus ao absolutismo régio. ( documento 1, p.94)
• Poder absoluto dos reis (fazia as leis, governava, aplicava
a justiça, dirigia a política económica, comandava o
exército nacional).
• Soberania de direito divino ( o poder do rei provinha
diretamente de Deus).
• Autoridade do Estado identificava-se com a autoridade
do rei (“L´État c´est moi”).
• Ausência de controlo por parte das Cortes, que não
reúnem.
• Subjugação do clero e da nobreza.
• Utilização da arte e dos artistas para dar do poder uma
imagem grandiosa, inigualável e impressionante
(retratos, estátuas, palácios, praças, jardins, coches, etc.).
• Exemplos: Luís XIV, (França), D. João V (Portugal)
D. João V, o magnânimo
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/12/John_V_
of_Portugal_Pompeo_Batoni.jpg
Biblioteca joanina, Universidade de Coimbra
Fonte:
http://figaro.fis.uc.pt/joanina/fotos/slide_1/pictures/
picture-2.jpg
6
Sociedade de Ordens(documento 3 p.96)
Rei
Clero
(alto clero,
baixo clero)
• Eram uma pequena parte da população.
• Possuíam grande parte das terras, dos rendimentos.
• Estavam isentos de quase todos os impostos.
• Desempenhavam os cargos político-administrativos
mais importantes.
Nobreza
Nobreza de espada, (nobreza
de corte, nobreza de
província) Nobreza de toga
•Assegurava as atividades
produtivas
•Era a maior parte da
população
•Burguesia
•Homens de letras
•Comerciantes, donos de
oficinas, pequenos e médios
proprietários rurais
•Têm dificuldade em afirmar-se.
•Povo
•Camponeses, artesãos,
pescadores
•Escravos, mendigos,
vagabundos
Terceiro Estado
Burguesia e Povo
Ordens
privilegiadas
Ordem não
privilegiada
7
A economia no Antigo Regime
AGRICULTURA:
• Atividade principal, ocupava a maioria da população.
• Situação de estagnação, devido ao arcaísmo das técnicas e
dos instrumentos e à manutenção das culturas tradicionais na
maior parte da Europa.
• O clero e a nobreza eram os maiores proprietários, mas
viviam frequentemente fora das suas propriedades, não
investindo nelas. Os camponeses que arrendavam a terra aos
grandes senhores, eram sobrecarregados de impostos, não
tendo capital para investir.
• Baixa produtividade.
• Sujeita a crises cerealíferas que originam fomes – as fomes,
sozinhas ou conjugadas com epidemias e guerras, dizimam
regularmente a população, impedindo um crescimento
demográfico regular e irreversível.
As colheitas de Pieter Bruegel , O Velho
Fonte: http://www.metmuseum.org/toah/images/h2/h2_19.164.jpg
8
A economia no Antigo Regime
COMÉRCIO:
• Dinamismo da atividade comercial e
desenvolvimento urbano.
• Antuérpia, Amesterdão e Londres,
eram centros recetores e
distribuidores de produtos para a
Europa.
• O comércio internacional era o mais
rentável, especialmente o
ultramarino (comércio colonial,
comércio triangular e tráfico
negreiro).
Afirmação económica e social da
Burguesia
"Bonaventura Peeters (I) – Vista do Porto de Antuérpia a partir de Vlaams Hoofd“
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/8e/Bonaventura_Peeters_%2
8I%29_View_of_the_Pier_of_Antwerp_from_the_Vlaams_Hoofd.jpg
Fonte: http://www.historiabrasileira.com/files/2010/03/comercio-triangular.jpg (adaptado)
9
Mercantilismo(esquema 2 p.100)
Doutrina económica, dos séculos XVII e XVIII que defendia que a riqueza
de um pais reside na quantidade de metais preciosos acumulados.
Objetivos:
- Entesouramento de
metais preciosos;
- Fortalecimento do
poder real
Exemplos
(esquema 3, p.100)
O caso francês –
colbertismo
Forte intervenção do
Estado na economia
O exemplo inglês
O Estado intervém
de forma reduzida
na economia
Estratégias:
- Intervenção do Estado na
Economia/Protecionismo
-Leis que limitavam as
importações
- Incentivo manufatureiro
- Aplicação de taxas
alfandegárias
- Proibição do uso de certos
produtos de luxo
importados
- Criação de Companhias de
comércio
- Balança comercial
favorável
Jean-Baptiste Colbert
Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/70/Jean-
Baptiste_Colbert.jpg
Balança comercial favorável
Fonte:
http://photos1.blogger.com/blogger/2134/
4221/1600/Foto%203.0.jpg
exportações
importações
10
A arte Barroca
Entre o final do século XVI e na 1ª metade do século XVIII
desenvolveu-se na Europa uma nova corrente artística – o
BARROCO.
O BARROCO representou uma nova mentalidade, marcada pelo
espetacular, pela exuberância, pelo dramatismo, por ambientes e
vestuário faustosos.
Este estilo surgiu em Roma e insere-se no contexto da
Contrarreforma, que procurava glorificar a Igreja e exaltar a
devoção dos fiéis. O Barroco espelha também o absolutismo,
mostrando a grandeza dos monarcas e das suas cortes.
Este estilo pretendia despertar e estimular emoções.
Arte do espetáculo, o barroco refletiu-se ainda no teatro, na literatura,
na música e na ópera.
Bernini (1598-1680), escultor e arquiteto italiano
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/2/24/Gi
an_lorenzo_bernini_selfportrait.jpg/250px-
Gian_lorenzo_bernini_selfportrait.jpg
Rubens (1577-1640), pintor flamengo
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/a/a7/Sir
_Peter_Paul_Rubens_-_Portrait_of_the_Artist_-
_Google_Art_Project.jpg/245px-Sir_Peter_Paul_Rubens_-
_Portrait_of_the_Artist_-_Google_Art_Project.jpg
Johann S. Bach [1685-1750] , compositor
Fonte: http://www.hagaselamusica.com/img/compositores/img-
9.jpg 11
12
Arquitetura Barroca
Bernini - San Andrea al Quirinale - Roma - Itália (1658)
Fonte: http://www.ontarioarchitecture.com/barrome5003.jpg
Bernini - San Andrea al Quirinale - Roma - Itália (1658)
Fonte: http://www.ontarioarchitecture.com/barrome500.jpg
13
Arquitetura Barroca
Borromini - San Carlo alle Quattro Fontane (1667)
Fonte: http://www.ontarioarchitecture.com/barrome5002.jpg
Borromini - San Carlo alle Quattro Fontane (1667)
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/65/Interior_of_San_Carlo_al
le_Quattro_Fontane.JPG
14
Arquitetura Barroca
Bernini - Fachada do Palazzo Barberini (1629-1631) , Roma
Fonte: http://fc05.deviantart.net/fs71/i/2013/008/2/0/palazzo_barberini_by_fohnshaper-d5qtzte.jpg
Borromini – Escadaria Palazzo Barberini, Roma
Fonte: https://dolzefarniente.files.wordpress.com/2012/06/escalera.jpg
Arquitetura Barroca (p. 113)
Interior da Abadia de Melk, Áustria
Fonte:http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/5/5f/Stift_Melk_church_dsc
01494.jpg/640px-Stift_Melk_church_dsc01494.jpg
Características:
Grandiosidade e __________ da
decoração.
Sensação de ____________, através das
fachadas onduladas, das plantas ovais ou
em elipses e das __________ e
contracurvas.
Decoração através da escultura, da
pintura e da _________dourada. Em
Portugal os azulejos azuis e brancos
também decoraram muitos edifícios
barrocos.
Manutenção de alguns elementos
_______________, como as colunas, os
___________ e os arcos de __________
______________ .
Principais arquitetos _______________ e
_____________. Em Portugal, destacou-se
________________ ________________ .
15
Arquitetura Barroca em Portugal (destacável da arquitetura na arte barroca no manual)
Em Portugal, utilizou-se muito a talha e o azulejo na decoração.
Igreja de Santo Ildefonso, Praça da Batalha, Porto
Fonte:
http://www.patrimoniocultural.pt/static/data/cache/5a/38/5a383818b2
39c5ec5ae07e9ae0bd590b.jpg
Solar de Mateus, Vila Real
Fonte: http://www.avozdeportugal.com/wallpaper/portugal/palace-
of-mateus.jpg
Interior da Igreja de Santa Clara
revestido a talha dourada, Porto.
Fonte:
http://guiadacidade.pt/static/co/upload_img/2000
/1073/thumb_800_1415642325.jpg
16
17
Pintura Barroca
Baco adolescente, Caravaggio (1571- 1610)
Fonte: http://virusdaarte.net/wp-content/uploads/2013/04/baco.jpg
Las Meninas, Velásquez (1599 – 1660)
Fonte:https://www.museodelprado.es/typo3temp/pics/0a9e688261.jpg
18
Pintura Barroca
Ronda Ncturna, Rembrandt (1606 - 1669)
Fonte:http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/2/28/The_Nightwatch_by_Rem
brandt.jpg/1024px-The_Nightwatch_by_Rembrandt.jpg
O Jardim do amor, Rubens (1577-1640)
Fonte: https://www.museodelprado.es/typo3temp/pics/edec8630f0.jpg
19
Pintura Barroca
 Riqueza de cor
 Contrastes _____ /sombra
 Movimento e dramatismo
das figuras e das cenas.
 Principais pintores:
__________,
_____________ e
Velásquez. Em Portugal,
destaca-se por exemplo
Josefa de Óbidos.
Descida da Cruz, Rubens
Fonte: http://uploads6.wikiart.org/images/peter-paul-rubens/descent-from-the-cross-1614.jpg!Blog.jpg
20
Escultura Barroca
O baldaquino da Basílica de São Pedro, Bernini
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/e/e3/Interiorvatic
ano8baldaquino.jpg/300px-Interiorvaticano8baldaquino.jpg
O Rapto de Proserpina, Bernini
Fonte: http://sp8.fotolog.com/photo/56/54/4/art3_preciso/1202998650_f.jpg
21
Escultura Barroca
Coche D. João V
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/d/dc/Museu_Nacional_dos_Coches_
(4)_-_Mar_2010.jpg/800px-Museu_Nacional_dos_Coches_(4)_-_Mar_2010.jpg
David, Bernini
Fonte:http://3.bp.blogspot.com/-
hjk2m5L6l1A/TaBvKNWDS1I/AAAAAAAAADI/01ZgEqMI4qs/s1600/Slide1.JPG
22
Escultura Barroca
 Intenso dramatismo,
 Exuberância das
formas,
sobressaindo as
linhas __________.
 Movimento.
 Expressões teatrais.
 Bernini foi o mais
esplendoroso
escultor barroco.
Beata Ludovica Alberoni, Bernini
Fonte: http://ncartmuseum.org/untitled/wp-content/uploads/2015/01/2.7.jpg
Revolução científica nos séculos XVII e XVIII
• Desenvolvimento do método matemático e do método experimental.
• O conhecimento devia ser comprovado pela experiência e pela razão.
• Nascimento da ciência moderna.
• Avanço em ciências como a matemática, a física, a química, a astronomia
e a medicina.
René Descartes (1596-1650) - álgebra
e geometria analítica, filósofo que
defendeu a dúvida metódica.
Fonte:
https://pbs.twimg.com/profile_images/17
64933982/image.jpg
Isaac Newton (1642-1727) –
lei da gravitação universal dos
corpos e estudos sobre ótica.
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipe
dia/commons/3/39/GodfreyKneller-
IsaacNewton-1689.jpg
Blaise Pascal (1623-1662) e Evangelista Torricelli (1608-
1647) – pressão atmosférica.
Fontes:
http://www.polyvore.com/cgi/imgthing?.out=jpg&size=l&tid=35404936
http://www.brasilescola.com/upload/e/Evangelista%20Torricelli.jpg
Exemplos de cientistas
Galieu Galilei (1564-1642) – leis do
movimento e demonstração do
heliocentrismo.
Fonte:
https://www.algosobre.com.br/images/stor
ies/assuntos/biografias/Galileu_Galilei.jpg
William Harvey (1578-1657) – grande
circulação do sangue e vasos capilares.
Fonte: http://www.rugusavay.com/wp-
content/uploads/2013/02/William-Harvey-
Quotes-3.jpg
Antoine Lavoisier (1743-1794) – bases
da química.
Fonte:
http://www.fisicaquimicaweb.com/images/la
voisier1.jpg
Fonte:
http://c85c7a.medialib.glogster.com/media/d9/d93f
ec0cc9eb5220a903ba92d46f5ada3b2199a3a7b53ce
572fd6bf18111df1e/williamharvey.jpg
Reprodução de ilustração da memória de Lavoisier e Meusnier
sobre a decomposição da água.
Fonte:
http://www.triplov.com/hist_fil_ciencia/carlos_alberto_filgueiras/evolucao_da_
quimica/pics/fig39.jpg
Desenvolvimento tecnológico
O para-raios foi inventado por Benjamim Franklin
Fonte: http://4.bp.blogspot.com/-
S_VvXCunjkA/TZivbmT7YQI/AAAAAAAAKxQ/pCYKvfKh58k/s32
0/benjamin-Franklin.jpg
Relógio de pêndulo, atribuído a Christiaan Huygens
Fonte: http://www.espiraldotempo.com/wp-
content/uploads/2013/02/ET17_4_Historia_ChristianHuygens.pdf
Nota: consulta também o documento 6, na página 114 do teu manual
Primeiros modelos de luneta astronómica
utilizados por Galileu.
Fonte:
http://www.sciam.com.br/reportagens/img/galileu3.jpg
Barómetro para medir a pressão atmosférica
de Torricelli.
Fonte: http://www.astroyciencia.com/wp-
content/uploads/2012/04/torricelli-barometro.jpg
Divulgação dos novos conhecimentos
 Academias (associações de cientistas, escritores ou artistas interessados no progresso cultural).
 Jornais
 Livros
Fonte:
http://www.triplov.com/hist_fil_cienci
a/carlos_alberto_filgueiras/evolucao_
da_quimica/pics/fig34.jpg
A Academia de Ciências francesa foi criada em 1666.
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/55/Acad%C3%A9mie_des_Sciences_1698.jpg
Jornal de 1668
Fonte:
http://images.rarenewspapers.com/ebayimgs/11.57.2008/i
mage080.jpg
Alargamento do conhecimento do mundo
Progressos na cartografia, geografia e construção naval deram origem a
uma nova vaga expansionista, agora protagonizada por holandeses,
franceses e ingleses.
Abel Janszoon Tasman (1603 -1659),
holandês, explorou Nova Zelândia e a
Austrália (onde se situa a Tasmânia)
Vitus Jonassen Bering (1680 - 1741),
dinamarquês ao serviço do império
russo. Explorou o Ártico
James Cook (1728 -1779) primeiro a
mapear Terra Nova, fez três viagens no
Oceano Pacífico, estabelecendo o
primeiro contacto europeu com a costa
leste da Austrália e o Arquipélago do
Havai
Louis Antoine Bougainville (1729 -1811) e Jean François
Galaup, conde de la Pérouse (1741 - 1788), franceses
fizeram explorações no Oceano Pacífico.
Fonte:
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thum
b/5/50/Tasmanroutes.PNG/250px-Tasmanroutes.PNG
Fonte:
http://year8earlyaustraliandiscovery.wikispaces.com/fil
e/view/cook_james_routes.jpg/41634887/445x375/coo
k_james_routes.jpg
Fonte: http://media.web.britannica.com/eb-
media/71/163971-004-5298B4C7.gif

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalcattonia
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoAntonino Miguel
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anojorgina8
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVCarlos Vieira
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder políticocattonia
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoCarla Teixeira
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasSusana Simões
 
Revolução agricola e revolução industrial
Revolução agricola e revolução industrialRevolução agricola e revolução industrial
Revolução agricola e revolução industrialmaria40
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalVítor Santos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviiiVítor Santos
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americanacattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesacattonia
 
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesArte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesTânia Domingos
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalVítor Santos
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalVítor Santos
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialVítor Santos
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimeCarlos Pinheiro
 

Mais procurados (20)

O império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacionalO império português e a concorrência internacional
O império português e a concorrência internacional
 
Resumos de História 11º ano
Resumos de História 11º anoResumos de História 11º ano
Resumos de História 11º ano
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
A Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIVA Crise do Séc. XIV
A Crise do Séc. XIV
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Revolução agricola e revolução industrial
Revolução agricola e revolução industrialRevolução agricola e revolução industrial
Revolução agricola e revolução industrial
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacional
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
11 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 311 ha m4 u3 3
11 ha m4 u3 3
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesArte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
A identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidentalA identidade civilizacional da europa ocidental
A identidade civilizacional da europa ocidental
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 

Semelhante a Antigo regime

HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_28.pptx
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_28.pptxHISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_28.pptx
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_28.pptxMax William Silva
 
O antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoO antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoZé Mário
 
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.pptABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.pptssuser05d3dd
 
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.pptPedroHorta17
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Susana Simões
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo RegimeHist8
 
Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesamarciamcq
 
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptxIluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptxProfGaby2
 
Absolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e MercantilismoAbsolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e MercantilismoThiago Bro
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuVítor Santos
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfsabinachourico
 
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Joana Alves
 
Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesamarciamcq
 
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_iiModerna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_iiJulia Selistre
 
Politica e economia no estado moderno
Politica e economia no estado modernoPolitica e economia no estado moderno
Politica e economia no estado modernoAdriana Gomes Messias
 
Aula 04 a cidade medieval [revisado em 20160921]
Aula 04 a cidade medieval [revisado em 20160921]Aula 04 a cidade medieval [revisado em 20160921]
Aula 04 a cidade medieval [revisado em 20160921]glauci coelho
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoMaria Luiza
 

Semelhante a Antigo regime (20)

HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_28.pptx
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_28.pptxHISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_28.pptx
HISTÓRIA_EM_2ªSérie_slides_Aula_28.pptx
 
O antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceçãoO antigo regime: regra e exceção
O antigo regime: regra e exceção
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.pptABSOLUTISMO_REGIO.ppt
ABSOLUTISMO_REGIO.ppt
 
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
1-o-antigo-regime-1212180551132126-9.ppt
 
Antigo do regime 1
Antigo do regime 1Antigo do regime 1
Antigo do regime 1
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
1 O Antigo Regime
1   O Antigo Regime1   O Antigo Regime
1 O Antigo Regime
 
Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesa
 
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptxIluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
Iluminismo-Revolução Industrial-Revolução Francesa-Napoleao.pptx
 
Absolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e MercantilismoAbsolutismo e Mercantilismo
Absolutismo e Mercantilismo
 
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeuUnidade 3 o_antigo_regime_europeu
Unidade 3 o_antigo_regime_europeu
 
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdfHCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
HCA- Módulo 6- A Cultura do Palco.pdf
 
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
Examenacionaldehistriaa10e11ano 150614014555-lva1-app6891
 
Aula - Revolução Francesa
Aula - Revolução FrancesaAula - Revolução Francesa
Aula - Revolução Francesa
 
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_iiModerna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
Moderna ii, contemporânea i,brasil_império_i,américa_ii
 
Politica e economia no estado moderno
Politica e economia no estado modernoPolitica e economia no estado moderno
Politica e economia no estado moderno
 
Aula 04 a cidade medieval [revisado em 20160921]
Aula 04 a cidade medieval [revisado em 20160921]Aula 04 a cidade medieval [revisado em 20160921]
Aula 04 a cidade medieval [revisado em 20160921]
 
Evolucao das Artes Visuais
Evolucao das Artes VisuaisEvolucao das Artes Visuais
Evolucao das Artes Visuais
 
Absolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismoAbsolutismo e mercantilismo
Absolutismo e mercantilismo
 

Mais de Teresa Maia

Relatório visita de estudo alunos
Relatório visita de estudo alunosRelatório visita de estudo alunos
Relatório visita de estudo alunosTeresa Maia
 
Guiao pesquisa biografia
Guiao pesquisa biografiaGuiao pesquisa biografia
Guiao pesquisa biografiaTeresa Maia
 
Guiaodotrabalho3periodo
Guiaodotrabalho3periodoGuiaodotrabalho3periodo
Guiaodotrabalho3periodoTeresa Maia
 
Communicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaia
Communicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaiaCommunicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaia
Communicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaiaTeresa Maia
 
Trabalho sobre a formacao portugal
Trabalho sobre a formacao portugalTrabalho sobre a formacao portugal
Trabalho sobre a formacao portugalTeresa Maia
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iTeresa Maia
 
As sociedades recolectoras
As sociedades recolectorasAs sociedades recolectoras
As sociedades recolectorasTeresa Maia
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaTeresa Maia
 
Holocausto: espaços, vítimas e heróis
Holocausto: espaços, vítimas e heróisHolocausto: espaços, vítimas e heróis
Holocausto: espaços, vítimas e heróisTeresa Maia
 
As consequências da 2ª Guerra Mundial
As consequências da 2ª Guerra MundialAs consequências da 2ª Guerra Mundial
As consequências da 2ª Guerra MundialTeresa Maia
 
Estado novo portugal
Estado novo portugalEstado novo portugal
Estado novo portugalTeresa Maia
 
Estaline a respostadospaisessacrise
Estaline a respostadospaisessacriseEstaline a respostadospaisessacrise
Estaline a respostadospaisessacriseTeresa Maia
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTeresa Maia
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviéticaTeresa Maia
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialTeresa Maia
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra MundialTeresa Maia
 
A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx Teresa Maia
 

Mais de Teresa Maia (20)

Relatório visita de estudo alunos
Relatório visita de estudo alunosRelatório visita de estudo alunos
Relatório visita de estudo alunos
 
Guiao pesquisa biografia
Guiao pesquisa biografiaGuiao pesquisa biografia
Guiao pesquisa biografia
 
Guiaodotrabalho3periodo
Guiaodotrabalho3periodoGuiaodotrabalho3periodo
Guiaodotrabalho3periodo
 
Communicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaia
Communicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaiaCommunicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaia
Communicatingand sharingwithparents actionplan_teresamaia
 
Trabalho sobre a formacao portugal
Trabalho sobre a formacao portugalTrabalho sobre a formacao portugal
Trabalho sobre a formacao portugal
 
O mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império iO mundo romano no apogeu do império i
O mundo romano no apogeu do império i
 
As sociedades recolectoras
As sociedades recolectorasAs sociedades recolectoras
As sociedades recolectoras
 
Entrevista
EntrevistaEntrevista
Entrevista
 
Portugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democraciaPortugal do autoritarismo à democracia
Portugal do autoritarismo à democracia
 
Holocausto: espaços, vítimas e heróis
Holocausto: espaços, vítimas e heróisHolocausto: espaços, vítimas e heróis
Holocausto: espaços, vítimas e heróis
 
A guerra fria
A guerra friaA guerra fria
A guerra fria
 
As consequências da 2ª Guerra Mundial
As consequências da 2ª Guerra MundialAs consequências da 2ª Guerra Mundial
As consequências da 2ª Guerra Mundial
 
Estado novo portugal
Estado novo portugalEstado novo portugal
Estado novo portugal
 
Estaline a respostadospaisessacrise
Estaline a respostadospaisessacriseEstaline a respostadospaisessacrise
Estaline a respostadospaisessacrise
 
A crise de 1929
A crise de 1929A crise de 1929
A crise de 1929
 
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XXTransformações socioculturais dos inícios do século XX
Transformações socioculturais dos inícios do século XX
 
Revolução soviética
Revolução soviéticaRevolução soviética
Revolução soviética
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
I Guerra Mundial
I Guerra MundialI Guerra Mundial
I Guerra Mundial
 
A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx A Europa e o mundo no limiar do século xx
A Europa e o mundo no limiar do século xx
 

Último

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdfedjailmax
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 

Último (20)

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
5ca0e9_ea0307e5baa1478490e87a15cb4ee530.pdf
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 

Antigo regime

  • 1. O contexto europeu dos séculos XVII e XVIII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Parte I Luís XIV, França Fonte: http://cognoscomm.com/mm/Louis_X IV.jpg Jean-Baptiste Colbert Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikip edia/commons/7/70/Jean- Baptiste_Colbert.jpg Sociedade de Ordens Fonte: http://1.bp.blogspot.com/-Jt9bCx3- Cx8/Ty7oeAoeTkI/AAAAAAAAEoM/WvrGSznBPFA/s1600/f1.jpg 1
  • 2. 1. Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social • 1. Definir Antigo Regime. • 2. Reconhecer o absolutismo régio como o ponto de chegada de um processo de centralização do poder régio iniciado na Idade Média. • 3. Identificar os pressupostos fundamentais do absolutismo régio, nomeadamente a teoria da origem divina do poder e as suas implicações. • 4. Reconhecer a corte régia e os cerimoniais públicos como instrumentos do poder absoluto. • 5. Caracterizar a sociedade de ordens de Antigo Regime, salientando as permanências e as mudanças relativamente à Idade Média. • 6. Destacar a relevância alcançada por segmentos da burguesia mercantil e financeira nas estruturas sociais da época. 2
  • 3. 2. Conhecer os elementos fundamentais de caracterização da economia do Antigo Regime europeu • 1. Reconhecer o peso da economia rural no Antigo Regime, sublinhando o atraso da agricultura devido à permanência do Regime Senhorial. • 2. Salientar a importância do comércio internacional na economia de Antigo Regime. • 3. Explicar os objetivos e medidas da política mercantilista. • 4. Relacionar o mercantilismo com a grande competição económica e política entre os estados europeus no século XVII. • 5. Explicar a adoção de políticas económicas não protecionistas, por parte da Inglaterra, num contexto de predomínio de teorias mercantilistas. 3
  • 4. 3. Conhecer e compreender os elementos fundamentais da arte e da cultura no Antigo Regime • 1. Caracterizar a arte barroca nas suas principais expressões. • 2. Reconhecer a importância do método experimental e da dúvida metódica cartesiana para o progresso científico ocorrido. • 3. Reconhecer a consolidação, nestes séculos, do desenvolvimento da ciência e da técnica, referindo os principais avanços científicos e os seus autores. 4
  • 5. Antigo Regime (Definição p.95 do manual) Antigo Regime (séculos XVI a XVIII) Política Absolutismo Sociedade de ordens Economia assente na agricultura e no comércio internacional Mercantilismo 5
  • 6. Absolutismo (esquema 2 p.94) • A crescente centralização do poder real desde os finais da Idade Média deu origem na maior parte dos países europeus ao absolutismo régio. ( documento 1, p.94) • Poder absoluto dos reis (fazia as leis, governava, aplicava a justiça, dirigia a política económica, comandava o exército nacional). • Soberania de direito divino ( o poder do rei provinha diretamente de Deus). • Autoridade do Estado identificava-se com a autoridade do rei (“L´État c´est moi”). • Ausência de controlo por parte das Cortes, que não reúnem. • Subjugação do clero e da nobreza. • Utilização da arte e dos artistas para dar do poder uma imagem grandiosa, inigualável e impressionante (retratos, estátuas, palácios, praças, jardins, coches, etc.). • Exemplos: Luís XIV, (França), D. João V (Portugal) D. João V, o magnânimo Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/1/12/John_V_ of_Portugal_Pompeo_Batoni.jpg Biblioteca joanina, Universidade de Coimbra Fonte: http://figaro.fis.uc.pt/joanina/fotos/slide_1/pictures/ picture-2.jpg 6
  • 7. Sociedade de Ordens(documento 3 p.96) Rei Clero (alto clero, baixo clero) • Eram uma pequena parte da população. • Possuíam grande parte das terras, dos rendimentos. • Estavam isentos de quase todos os impostos. • Desempenhavam os cargos político-administrativos mais importantes. Nobreza Nobreza de espada, (nobreza de corte, nobreza de província) Nobreza de toga •Assegurava as atividades produtivas •Era a maior parte da população •Burguesia •Homens de letras •Comerciantes, donos de oficinas, pequenos e médios proprietários rurais •Têm dificuldade em afirmar-se. •Povo •Camponeses, artesãos, pescadores •Escravos, mendigos, vagabundos Terceiro Estado Burguesia e Povo Ordens privilegiadas Ordem não privilegiada 7
  • 8. A economia no Antigo Regime AGRICULTURA: • Atividade principal, ocupava a maioria da população. • Situação de estagnação, devido ao arcaísmo das técnicas e dos instrumentos e à manutenção das culturas tradicionais na maior parte da Europa. • O clero e a nobreza eram os maiores proprietários, mas viviam frequentemente fora das suas propriedades, não investindo nelas. Os camponeses que arrendavam a terra aos grandes senhores, eram sobrecarregados de impostos, não tendo capital para investir. • Baixa produtividade. • Sujeita a crises cerealíferas que originam fomes – as fomes, sozinhas ou conjugadas com epidemias e guerras, dizimam regularmente a população, impedindo um crescimento demográfico regular e irreversível. As colheitas de Pieter Bruegel , O Velho Fonte: http://www.metmuseum.org/toah/images/h2/h2_19.164.jpg 8
  • 9. A economia no Antigo Regime COMÉRCIO: • Dinamismo da atividade comercial e desenvolvimento urbano. • Antuérpia, Amesterdão e Londres, eram centros recetores e distribuidores de produtos para a Europa. • O comércio internacional era o mais rentável, especialmente o ultramarino (comércio colonial, comércio triangular e tráfico negreiro). Afirmação económica e social da Burguesia "Bonaventura Peeters (I) – Vista do Porto de Antuérpia a partir de Vlaams Hoofd“ Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/8/8e/Bonaventura_Peeters_%2 8I%29_View_of_the_Pier_of_Antwerp_from_the_Vlaams_Hoofd.jpg Fonte: http://www.historiabrasileira.com/files/2010/03/comercio-triangular.jpg (adaptado) 9
  • 10. Mercantilismo(esquema 2 p.100) Doutrina económica, dos séculos XVII e XVIII que defendia que a riqueza de um pais reside na quantidade de metais preciosos acumulados. Objetivos: - Entesouramento de metais preciosos; - Fortalecimento do poder real Exemplos (esquema 3, p.100) O caso francês – colbertismo Forte intervenção do Estado na economia O exemplo inglês O Estado intervém de forma reduzida na economia Estratégias: - Intervenção do Estado na Economia/Protecionismo -Leis que limitavam as importações - Incentivo manufatureiro - Aplicação de taxas alfandegárias - Proibição do uso de certos produtos de luxo importados - Criação de Companhias de comércio - Balança comercial favorável Jean-Baptiste Colbert Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/70/Jean- Baptiste_Colbert.jpg Balança comercial favorável Fonte: http://photos1.blogger.com/blogger/2134/ 4221/1600/Foto%203.0.jpg exportações importações 10
  • 11. A arte Barroca Entre o final do século XVI e na 1ª metade do século XVIII desenvolveu-se na Europa uma nova corrente artística – o BARROCO. O BARROCO representou uma nova mentalidade, marcada pelo espetacular, pela exuberância, pelo dramatismo, por ambientes e vestuário faustosos. Este estilo surgiu em Roma e insere-se no contexto da Contrarreforma, que procurava glorificar a Igreja e exaltar a devoção dos fiéis. O Barroco espelha também o absolutismo, mostrando a grandeza dos monarcas e das suas cortes. Este estilo pretendia despertar e estimular emoções. Arte do espetáculo, o barroco refletiu-se ainda no teatro, na literatura, na música e na ópera. Bernini (1598-1680), escultor e arquiteto italiano Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/2/24/Gi an_lorenzo_bernini_selfportrait.jpg/250px- Gian_lorenzo_bernini_selfportrait.jpg Rubens (1577-1640), pintor flamengo Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/a/a7/Sir _Peter_Paul_Rubens_-_Portrait_of_the_Artist_- _Google_Art_Project.jpg/245px-Sir_Peter_Paul_Rubens_- _Portrait_of_the_Artist_-_Google_Art_Project.jpg Johann S. Bach [1685-1750] , compositor Fonte: http://www.hagaselamusica.com/img/compositores/img- 9.jpg 11
  • 12. 12 Arquitetura Barroca Bernini - San Andrea al Quirinale - Roma - Itália (1658) Fonte: http://www.ontarioarchitecture.com/barrome5003.jpg Bernini - San Andrea al Quirinale - Roma - Itália (1658) Fonte: http://www.ontarioarchitecture.com/barrome500.jpg
  • 13. 13 Arquitetura Barroca Borromini - San Carlo alle Quattro Fontane (1667) Fonte: http://www.ontarioarchitecture.com/barrome5002.jpg Borromini - San Carlo alle Quattro Fontane (1667) Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/6/65/Interior_of_San_Carlo_al le_Quattro_Fontane.JPG
  • 14. 14 Arquitetura Barroca Bernini - Fachada do Palazzo Barberini (1629-1631) , Roma Fonte: http://fc05.deviantart.net/fs71/i/2013/008/2/0/palazzo_barberini_by_fohnshaper-d5qtzte.jpg Borromini – Escadaria Palazzo Barberini, Roma Fonte: https://dolzefarniente.files.wordpress.com/2012/06/escalera.jpg
  • 15. Arquitetura Barroca (p. 113) Interior da Abadia de Melk, Áustria Fonte:http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/5/5f/Stift_Melk_church_dsc 01494.jpg/640px-Stift_Melk_church_dsc01494.jpg Características: Grandiosidade e __________ da decoração. Sensação de ____________, através das fachadas onduladas, das plantas ovais ou em elipses e das __________ e contracurvas. Decoração através da escultura, da pintura e da _________dourada. Em Portugal os azulejos azuis e brancos também decoraram muitos edifícios barrocos. Manutenção de alguns elementos _______________, como as colunas, os ___________ e os arcos de __________ ______________ . Principais arquitetos _______________ e _____________. Em Portugal, destacou-se ________________ ________________ . 15
  • 16. Arquitetura Barroca em Portugal (destacável da arquitetura na arte barroca no manual) Em Portugal, utilizou-se muito a talha e o azulejo na decoração. Igreja de Santo Ildefonso, Praça da Batalha, Porto Fonte: http://www.patrimoniocultural.pt/static/data/cache/5a/38/5a383818b2 39c5ec5ae07e9ae0bd590b.jpg Solar de Mateus, Vila Real Fonte: http://www.avozdeportugal.com/wallpaper/portugal/palace- of-mateus.jpg Interior da Igreja de Santa Clara revestido a talha dourada, Porto. Fonte: http://guiadacidade.pt/static/co/upload_img/2000 /1073/thumb_800_1415642325.jpg 16
  • 17. 17 Pintura Barroca Baco adolescente, Caravaggio (1571- 1610) Fonte: http://virusdaarte.net/wp-content/uploads/2013/04/baco.jpg Las Meninas, Velásquez (1599 – 1660) Fonte:https://www.museodelprado.es/typo3temp/pics/0a9e688261.jpg
  • 18. 18 Pintura Barroca Ronda Ncturna, Rembrandt (1606 - 1669) Fonte:http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/2/28/The_Nightwatch_by_Rem brandt.jpg/1024px-The_Nightwatch_by_Rembrandt.jpg O Jardim do amor, Rubens (1577-1640) Fonte: https://www.museodelprado.es/typo3temp/pics/edec8630f0.jpg
  • 19. 19 Pintura Barroca  Riqueza de cor  Contrastes _____ /sombra  Movimento e dramatismo das figuras e das cenas.  Principais pintores: __________, _____________ e Velásquez. Em Portugal, destaca-se por exemplo Josefa de Óbidos. Descida da Cruz, Rubens Fonte: http://uploads6.wikiart.org/images/peter-paul-rubens/descent-from-the-cross-1614.jpg!Blog.jpg
  • 20. 20 Escultura Barroca O baldaquino da Basílica de São Pedro, Bernini Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/e/e3/Interiorvatic ano8baldaquino.jpg/300px-Interiorvaticano8baldaquino.jpg O Rapto de Proserpina, Bernini Fonte: http://sp8.fotolog.com/photo/56/54/4/art3_preciso/1202998650_f.jpg
  • 21. 21 Escultura Barroca Coche D. João V Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/d/dc/Museu_Nacional_dos_Coches_ (4)_-_Mar_2010.jpg/800px-Museu_Nacional_dos_Coches_(4)_-_Mar_2010.jpg David, Bernini Fonte:http://3.bp.blogspot.com/- hjk2m5L6l1A/TaBvKNWDS1I/AAAAAAAAADI/01ZgEqMI4qs/s1600/Slide1.JPG
  • 22. 22 Escultura Barroca  Intenso dramatismo,  Exuberância das formas, sobressaindo as linhas __________.  Movimento.  Expressões teatrais.  Bernini foi o mais esplendoroso escultor barroco. Beata Ludovica Alberoni, Bernini Fonte: http://ncartmuseum.org/untitled/wp-content/uploads/2015/01/2.7.jpg
  • 23. Revolução científica nos séculos XVII e XVIII • Desenvolvimento do método matemático e do método experimental. • O conhecimento devia ser comprovado pela experiência e pela razão. • Nascimento da ciência moderna. • Avanço em ciências como a matemática, a física, a química, a astronomia e a medicina. René Descartes (1596-1650) - álgebra e geometria analítica, filósofo que defendeu a dúvida metódica. Fonte: https://pbs.twimg.com/profile_images/17 64933982/image.jpg Isaac Newton (1642-1727) – lei da gravitação universal dos corpos e estudos sobre ótica. Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipe dia/commons/3/39/GodfreyKneller- IsaacNewton-1689.jpg Blaise Pascal (1623-1662) e Evangelista Torricelli (1608- 1647) – pressão atmosférica. Fontes: http://www.polyvore.com/cgi/imgthing?.out=jpg&size=l&tid=35404936 http://www.brasilescola.com/upload/e/Evangelista%20Torricelli.jpg
  • 24. Exemplos de cientistas Galieu Galilei (1564-1642) – leis do movimento e demonstração do heliocentrismo. Fonte: https://www.algosobre.com.br/images/stor ies/assuntos/biografias/Galileu_Galilei.jpg William Harvey (1578-1657) – grande circulação do sangue e vasos capilares. Fonte: http://www.rugusavay.com/wp- content/uploads/2013/02/William-Harvey- Quotes-3.jpg Antoine Lavoisier (1743-1794) – bases da química. Fonte: http://www.fisicaquimicaweb.com/images/la voisier1.jpg Fonte: http://c85c7a.medialib.glogster.com/media/d9/d93f ec0cc9eb5220a903ba92d46f5ada3b2199a3a7b53ce 572fd6bf18111df1e/williamharvey.jpg Reprodução de ilustração da memória de Lavoisier e Meusnier sobre a decomposição da água. Fonte: http://www.triplov.com/hist_fil_ciencia/carlos_alberto_filgueiras/evolucao_da_ quimica/pics/fig39.jpg
  • 25. Desenvolvimento tecnológico O para-raios foi inventado por Benjamim Franklin Fonte: http://4.bp.blogspot.com/- S_VvXCunjkA/TZivbmT7YQI/AAAAAAAAKxQ/pCYKvfKh58k/s32 0/benjamin-Franklin.jpg Relógio de pêndulo, atribuído a Christiaan Huygens Fonte: http://www.espiraldotempo.com/wp- content/uploads/2013/02/ET17_4_Historia_ChristianHuygens.pdf Nota: consulta também o documento 6, na página 114 do teu manual Primeiros modelos de luneta astronómica utilizados por Galileu. Fonte: http://www.sciam.com.br/reportagens/img/galileu3.jpg Barómetro para medir a pressão atmosférica de Torricelli. Fonte: http://www.astroyciencia.com/wp- content/uploads/2012/04/torricelli-barometro.jpg
  • 26. Divulgação dos novos conhecimentos  Academias (associações de cientistas, escritores ou artistas interessados no progresso cultural).  Jornais  Livros Fonte: http://www.triplov.com/hist_fil_cienci a/carlos_alberto_filgueiras/evolucao_ da_quimica/pics/fig34.jpg A Academia de Ciências francesa foi criada em 1666. Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/55/Acad%C3%A9mie_des_Sciences_1698.jpg Jornal de 1668 Fonte: http://images.rarenewspapers.com/ebayimgs/11.57.2008/i mage080.jpg
  • 27. Alargamento do conhecimento do mundo Progressos na cartografia, geografia e construção naval deram origem a uma nova vaga expansionista, agora protagonizada por holandeses, franceses e ingleses. Abel Janszoon Tasman (1603 -1659), holandês, explorou Nova Zelândia e a Austrália (onde se situa a Tasmânia) Vitus Jonassen Bering (1680 - 1741), dinamarquês ao serviço do império russo. Explorou o Ártico James Cook (1728 -1779) primeiro a mapear Terra Nova, fez três viagens no Oceano Pacífico, estabelecendo o primeiro contacto europeu com a costa leste da Austrália e o Arquipélago do Havai Louis Antoine Bougainville (1729 -1811) e Jean François Galaup, conde de la Pérouse (1741 - 1788), franceses fizeram explorações no Oceano Pacífico. Fonte: http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thum b/5/50/Tasmanroutes.PNG/250px-Tasmanroutes.PNG Fonte: http://year8earlyaustraliandiscovery.wikispaces.com/fil e/view/cook_james_routes.jpg/41634887/445x375/coo k_james_routes.jpg Fonte: http://media.web.britannica.com/eb- media/71/163971-004-5298B4C7.gif