SlideShare uma empresa Scribd logo
O ANTIGO REGIME
• Expressão usada, a partir dos finais do século XVIII, para nomear o regime que existia
antes das Revoluções Liberais.
• Atribuída ao regime político/económico/social que caracterizou os Estados Europeus
entre os séculos XV a XVII e os finais do século XVIII.
• Politicamente, caracteriza-se pela monarquia absoluta.
• Economicamente, é a época do Capitalismo comercial, com um sistema baseado numa
agricultura arcaica.
• Socialmente, é o período da sociedade estratificada em três Ordens ou Estados.
O ANTIGO REGIME
Desde a Idade Média que os reis pretendiam uma diminuição do poder dos nobres,
tentando concentrar nas suas mãos o maior número de funções e atividades por forma a
fortalecer o seu próprio poder e a enfraquecer o poder dos seus adversários. Defende-se a
origem divina da autoridade do rei (vem de Deus). O rei absoluto:
O ABSOLUTISMO
O ABSOLUTISMO
.
Enaltecimento
do rei através
da arte e da
propaganda
Dirigismo
económico:
mercantilismo
Sacralização
do rei – o
seu poder
provém de
Deus
Recurso ao
Direito
romano
Apoio da
burguesia
Submissão
da nobreza
e do clero
Rei-Sol
O Estado sou eu
O ABSOLUTISMO
Instrumentos
do poder absoluto:
- Corte;
- Luxo;
- Ostentação;
- Exército;
- Espetáculo.
Objetivos:
• Demonstrar a sua riqueza e
poder;
• Controlar a nobreza para
evitar a oposição dos
grandes senhores à sua
política absoluta.
A SOCIEDADE
ATIVIDADES ECONÓMICAS
Agricultura
Maioria das terras concentrada nas
mãos de uma minoria da população.
Permanência da relação de
dependência entre os donos das terras
e os camponeses.
Ausência de inovação: instrumentos e
técnicas pouco evoluídos.
Mantinham-se as culturas tradicionais:
cereais e vinha.
Agricultura com características
semelhantes às da Idade Média.
ATIVIDADES ECONÓMICAS
Obtenção de grandes lucros.
Comércio internacional,
nomeadamente, colonial: especiarias,
açúcar, chá, tabaco.
Produtos europeus: cereais, vinho, sal,
tecidos, vidro.
Principais portos europeus:
Amesterdão, Londres, Antuérpia.
Dinamismo da atividade comercial.
Comércio
O MERCANTILISMO
“A riqueza de um país é proporcional ao montante de metais preciosos entesourados
que este possui”.
Defende:
- O intervencionismo e dirigismo do estado;
- O protecionismo da economia;
- A obtenção de uma balança comercial favorável.
Países Mercantilistas
• Proibição à entrada de produtos manufaturados.
• Procura-se obter uma balança comercial favorável.
• lançamento de impostos aduaneiros muito elevados, sobre a importação de produtos
manufaturados,
• instituição de prémios ao comerciante com mais exportações,
• ajuda ao desenvolvimento industrial (subsídios, privilégios e desenvolvimento das
manufaturas, para que se melhore a produção nacional e assim se aumente o número
de produtos a exportar).
Como:
A ARTE BARROCA
ARTE BARROCA
Nascida em Roma, nos finais do séc. XVI, rapidamente se espalhou pelo resto do
mundo.
A partir do Concílio de Trento, a Igreja apercebeu-se de que era necessário
cativar os fiéis. Assim, nasceu a necessidade de decorar as igrejas com imagens
dramáticas e muito expressivas que despertassem a piedade e a admiração dos
crentes. Este estilo alargou-se para lá da escultura ou da arquitetura, passando a ser
usado também na música (nasce a Ópera de Bach ou as obras musicais do português
Carlos Seixas).
ARQUITETURA BARROCA
• A arquitetura barroca combinou de forma nova elementos clássicos e
renascentistas, tais como colunas, arcos e capitéis.
• Elementos curvos, impetuosos, tomavam o lugar de elementos retangulares e
harmónicos.
• A escultura e a pintura passaram a desempenhar
um papel importante nos projetos das construções,
contribuindo para criar a ilusão de amplidão e espaço
(trompe l’oeil).
ARQUITETURA BARROCA
• Conceção do edifício como um todo (são típicas a Igreja e o Palácio);
• Interiores em plantas ovais e em elipses;
• Muito decorados, com linhas, formas onduladas e curvas;
• Exteriores: nichos com conchas e grinaldas e com formas onduladas;
• Uso de baixos relevos, talha dourada e azulejos na
decoração do edifício.
Principais artistas:
Borromini
Bernini
Nicolau Nasoni
Ludovice (Mafra)
André Soares
ARQUITETURA BARROCA
Igreja de S. Carlo das Quatro Fontes,
de Borromini, 1638-41
As colunas são usadas como elementos
decorativos e não para suportar o edifício
Fachadas onduladas
que sugerem
movimento e contraste
Predomínio da
linha curva
Fachadas
com
esculturas e
medalhões
Casa de Mateus (perto de Vila Real), de Nicolau Nasoni, primeira metade do século XVIII.
Contraste claro/escuro
Predomínio da linha
curva (frontões
curvos, pináculos)
Fachadas onduladas sugerem
movimento e contraste
Escadaria convergente e
divergente
jardins de Versailles
Jardins muito decorativos e arranjados
onde predomina a linha curva Os arbustos assumem
várias formas geométricas
PINTURA BARROCA
Contraste claro/escuro
Predomínio das linhas diagonais, que
sugerem movimento
Dramatismo da cena que se espelha
nos rostos e nos gestos expressivos
Corpos robustos e roliços
O Rapto de Perséfone, de Rubens, um dos grandes pintores flamengos do Barroco.
PINTURA BARROCA
• Uso de cores quentes,
• Jogos de luz e sombra,
• Movimento e sentimentos fortes.
• Novas técnicas como o desenho de figuras
desproporcionais e intencionalmente assimétricas.
Principais artistas:
Bernini
Rubens
Velasquez
El Greco
Vieira Lusitano
A tridimensionalidade, através da ilusão de ótica (trompe l’oeil), foi desenvolvida pelos
pintores italianos e muito utilizada na pintura dos tetos.
ESCULTURA BARROCA
• Grande atividade e movimento;
• Recurso a novos materiais como por ex. mármores, estuque e
gesso;
• Uso de cores quentes nas coloração das obras;
• Permanece como tema principal a figura humana.
Principais artistas:
Bernini
Machado de Castro
Apolo e Dafne, do famoso escultor e arquiteto Bernini, 1625.
Movimento sugerido
pela fuga da ninfa
Dafne e a sua
transformação em
loureiro quando é
tocada por Apolo
Expressão e
gestos teatrais
espelham as
emoções das
figuras e o
dramatismo da
cena
Vestes esvoaçantes sugerem
movimento e dinamismo
Expressão teatral das figuras
Exuberância dos panejamentos
sugere movimento e contraste
claro/escuro
Expressão de emoções fortes
prazer
Êxtase de Santa Teresa de Ávila, de Bernini, 1647-52.
azulejo e talha dourada no barroco português
Púlpito da igreja da Nossa Senhora do
Terço (Barcelos). Contraste da talha
dourada com a azulejaria.
Músicos, Cena Campestre, pormenor de
painel de azulejos, século XVIII, mosteiro de
São Vicente de Fora, Lisboa.
Biblioteca Joanina
MÚSICA BARROCA
• Tendência para a imponência e para o decorativo;
• Surge o estilo concertante: diálogo entre o vocal e o instrumental.
• Já no séc. XVIII estabelece-se um estilo clássico;
• Típica desta corrente é a Ópera.
Principais artistas:
Bach
Handel
Monteverdi
Carlos Seixas
Haendel Bach
O ABSOLUTISMO EM PORTUGAL
D. JOÃO V – REI ABSOLUTO
Centraliza
os poderes
políticos
Fundamenta
o poder no
direito
divino
Não
convoca
Cortes
Submete as
ordens
privilegiadas
Edifica obras
grandiosas –
imagem de
grandeza
O reinado de D. João V beneficiou da descoberta de ouro e diamantes no Brasil.
O rei financiou grandes obras, projetando uma imagem de esplendor.
CONSTRUÇÃO DE GRANDES OBRAS
• A construção do convento-
palácio de Mafra foi iniciada
em 1715.
• O rei pagava assim a
promessa pelo nascimento
de um filho herdeiro do
trono.
CONSTRUÇÃO DE GRANDES OBRAS
• A Biblioteca Joanina
da Universidade de
Coimbra é uma das
mais fabulosas da
época.
• Foi construída entre
1717 e 1728.
• Ao fundo, o retrato
do rei.
CONSTRUÇÃO DE GRANDES OBRAS
O Aqueduto das Águas Livres, iniciado em 1731, abastecia Lisboa, levando água de
Belas.
SOCIEDADE PORTUGUESA
Clero
4%
Nobreza
10%
Povo
86%
A sociedade era hierarquizada, estratificada e tripartida e com grandes
desigualdades sociais.
Ordens
privilegiadas
Ordem não
privilegiada
ECONOMIA PORTUGUESA
Economia rural de
subsistência mas
com culturas de
vocação
comercial
O comércio,
sobretudo o
colonial, era a
atividade mais
lucrativa
Indústria
artesanal
pouco
produtiva
Dependência do
estrangeiro,
sobretudo de
Inglaterra
Comércio externo
controlado por
transportadores
estrangeiros
O COMÉRCIO TRIANGULAR
O PERÍODO MERCANTILISTA
Defensores:
• Manuel Severim de Faria, simpatizante das práticas mercantilistas inglesas;
• Duarte Ribeiro de Macedo (Discurso sobre a Introdução das Artes em Portugal),
defende a criação da manufactura de tecidos, espelhos e artigos de luxo com vista a
evitar exportações.
• A ideia proposta por estes dois homens foi posta em prática por D. Luís de Menezes,
3º Conde de Ericeira, no reinado de D. Pedro:
• Contrata artífices ingleses para virem ensinar em Portugal,
• Procura desenvolver as indústrias de lã na Covilhã e Portalegre. Melhora também o
fabrico de colchas de Castelo Branco e da seda em Vila Real.
• Cria ainda medidas protecionistas, aumentando as tarifas aduaneiras aos produtos
estrangeiros.
• Lança pragmáticas (leis que proibiam a compra no estrangeiro de produtos de
luxo).
O PERÍODO MERCANTILISTA
• Os grandes proprietários do vinho do Porto, entre estes, o Marquês do Alegrete e o
Duque do Cadaval, tinham enorme poder económico e político. Deste modo,
conseguiram que o Conselho da Fazenda se opusesse à política manufatureira.
• Também a descoberta do ouro do Brasil acende a cobiça dos ingleses, pois viam uma
nova fonte de receitas em metal sonante.
• A outra grande razão foi a assinatura do Tratado de Methuen.
O FALHANÇO MERCANTILISTA
O FALHANÇO MERCANTILISTA
Portugal ficou dependente das importações inglesas.
O ouro e o comércio externo.Exportação de vinhos para Inglaterra.
• Celebrado em 1703 entre D. Pedro II e a Inglaterra, estabelecia a obrigatoriedade da
Inglaterra comprar o vinho do Porto, pagando este apenas 2/3 dos direitos pagos pela
França. Portugal não poria obstáculos à entrada dos lanifícios ingleses.
Este tratado vai ser bastante prejudicial para Portugal:
• Destruição das manufaturas que começam a nascer,
• Impedimento do desenvolvimento industrial,
• Alargamento do plantio da vinha a zonas destinadas aos cereais,
• Aumento das importações aos ingleses,
• Saída de grandes quantidades de ouro brasileiro para pagar as importações.
(Falência das primeiras tentativas mercantilistas portuguesas)
O TRATADO DE METHUEN

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
Joana Pinto
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no Ensino
RaQuel Oliveira
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
Ilda Bicacro
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
Becre Celorico de Basto
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
Vítor Santos
 
O reinado de D.João V
O reinado de D.João VO reinado de D.João V
O reinado de D.João V
anabelasilvasobral
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
cattonia
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
cattonia
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Ilda Bicacro
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
JoanaRitaSilva
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
 
Reformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no EnsinoReformas Pombalinas no Ensino
Reformas Pombalinas no Ensino
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
O reinado de D.João V
O reinado de D.João VO reinado de D.João V
O reinado de D.João V
 
2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político2.1 estratificação social e poder político
2.1 estratificação social e poder político
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
 
Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 

Destaque

O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Ana Batista
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
Historia2000
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Historia2000
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
Teresa Maia
 
O Poder Absoluto
O Poder AbsolutoO Poder Absoluto
O Poder Absoluto
crie_historia8
 
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia socialMódulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Escoladocs
 
Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
Isabel Ribeiro
 

Destaque (7)

O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
Antigo regime
Antigo regimeAntigo regime
Antigo regime
 
O Poder Absoluto
O Poder AbsolutoO Poder Absoluto
O Poder Absoluto
 
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia socialMódulo 4   o absolutismo régio como garante de hierarquia social
Módulo 4 o absolutismo régio como garante de hierarquia social
 
Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
 

Semelhante a O Antigo Regime

A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfA-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
ssuser3b314d
 
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
osemprefixe
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesArte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Tânia Domingos
 
F2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeF2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regime
Vítor Santos
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
restauracao
 
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Carlos Teodoro
 
15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocas
sofiasimao
 
O barroco 1
O barroco 1O barroco 1
O barroco 1
Carla Teixeira
 
Arte barrocaoo1
Arte barrocaoo1Arte barrocaoo1
Arte barrocaoo1
Jota Ribeiro
 
1181
11811181
1181
Pelo Siro
 
11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a
Felipe18b
 
Resposta aos Objectivos de História
Resposta aos Objectivos de HistóriaResposta aos Objectivos de História
Resposta aos Objectivos de História
Filipe Machado
 
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordensAbsolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
home
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
filomena morais
 
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palcoHistória da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
João Couto
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
Eugenia silva
 
Barroco
Barroco   Barroco
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdfartenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
LILIANADESOUZAADRIO
 
O ouro e o barroco
O ouro e o barrocoO ouro e o barroco

Semelhante a O Antigo Regime (20)

A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdfA-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
A-Cultura-Do-Palco-Modulo-6.pdf
 
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCOABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
ABSOLUTISMO-MERCANTILISMO-BARROCO
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de VersalhesArte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
Arte Barroca, Luís XIV, Palácio de Versalhes
 
F2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeF2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regime
 
Sociedade De Ordens
Sociedade De OrdensSociedade De Ordens
Sociedade De Ordens
 
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
Hca-11º Ano[m6 a cultura do palco]p1
 
15 a arte e a mentalidade barrocas
15   a arte e a mentalidade barrocas15   a arte e a mentalidade barrocas
15 a arte e a mentalidade barrocas
 
O barroco 1
O barroco 1O barroco 1
O barroco 1
 
Arte barrocaoo1
Arte barrocaoo1Arte barrocaoo1
Arte barrocaoo1
 
1181
11811181
1181
 
11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a11 pp barroco_8a
11 pp barroco_8a
 
Resposta aos Objectivos de História
Resposta aos Objectivos de HistóriaResposta aos Objectivos de História
Resposta aos Objectivos de História
 
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordensAbsolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
Absolutismo e mercantilismo numa sociedade de ordens
 
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régioO romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
O romanico e o gótico/o fortalecimento do poder régio
 
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palcoHistória da Cultura e das Artes - A cultura do palco
História da Cultura e das Artes - A cultura do palco
 
Arte barroca
Arte barrocaArte barroca
Arte barroca
 
Barroco
Barroco   Barroco
Barroco
 
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdfartenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
artenaidademdia-130526202359-phpapp02.pdf
 
O ouro e o barroco
O ouro e o barrocoO ouro e o barroco
O ouro e o barroco
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

O Antigo Regime

  • 2. • Expressão usada, a partir dos finais do século XVIII, para nomear o regime que existia antes das Revoluções Liberais. • Atribuída ao regime político/económico/social que caracterizou os Estados Europeus entre os séculos XV a XVII e os finais do século XVIII. • Politicamente, caracteriza-se pela monarquia absoluta. • Economicamente, é a época do Capitalismo comercial, com um sistema baseado numa agricultura arcaica. • Socialmente, é o período da sociedade estratificada em três Ordens ou Estados. O ANTIGO REGIME
  • 3. Desde a Idade Média que os reis pretendiam uma diminuição do poder dos nobres, tentando concentrar nas suas mãos o maior número de funções e atividades por forma a fortalecer o seu próprio poder e a enfraquecer o poder dos seus adversários. Defende-se a origem divina da autoridade do rei (vem de Deus). O rei absoluto: O ABSOLUTISMO
  • 4. O ABSOLUTISMO . Enaltecimento do rei através da arte e da propaganda Dirigismo económico: mercantilismo Sacralização do rei – o seu poder provém de Deus Recurso ao Direito romano Apoio da burguesia Submissão da nobreza e do clero Rei-Sol O Estado sou eu
  • 5. O ABSOLUTISMO Instrumentos do poder absoluto: - Corte; - Luxo; - Ostentação; - Exército; - Espetáculo. Objetivos: • Demonstrar a sua riqueza e poder; • Controlar a nobreza para evitar a oposição dos grandes senhores à sua política absoluta.
  • 7.
  • 8. ATIVIDADES ECONÓMICAS Agricultura Maioria das terras concentrada nas mãos de uma minoria da população. Permanência da relação de dependência entre os donos das terras e os camponeses. Ausência de inovação: instrumentos e técnicas pouco evoluídos. Mantinham-se as culturas tradicionais: cereais e vinha. Agricultura com características semelhantes às da Idade Média.
  • 9. ATIVIDADES ECONÓMICAS Obtenção de grandes lucros. Comércio internacional, nomeadamente, colonial: especiarias, açúcar, chá, tabaco. Produtos europeus: cereais, vinho, sal, tecidos, vidro. Principais portos europeus: Amesterdão, Londres, Antuérpia. Dinamismo da atividade comercial. Comércio
  • 10. O MERCANTILISMO “A riqueza de um país é proporcional ao montante de metais preciosos entesourados que este possui”. Defende: - O intervencionismo e dirigismo do estado; - O protecionismo da economia; - A obtenção de uma balança comercial favorável.
  • 11.
  • 12. Países Mercantilistas • Proibição à entrada de produtos manufaturados. • Procura-se obter uma balança comercial favorável. • lançamento de impostos aduaneiros muito elevados, sobre a importação de produtos manufaturados, • instituição de prémios ao comerciante com mais exportações, • ajuda ao desenvolvimento industrial (subsídios, privilégios e desenvolvimento das manufaturas, para que se melhore a produção nacional e assim se aumente o número de produtos a exportar). Como:
  • 14. ARTE BARROCA Nascida em Roma, nos finais do séc. XVI, rapidamente se espalhou pelo resto do mundo. A partir do Concílio de Trento, a Igreja apercebeu-se de que era necessário cativar os fiéis. Assim, nasceu a necessidade de decorar as igrejas com imagens dramáticas e muito expressivas que despertassem a piedade e a admiração dos crentes. Este estilo alargou-se para lá da escultura ou da arquitetura, passando a ser usado também na música (nasce a Ópera de Bach ou as obras musicais do português Carlos Seixas).
  • 15. ARQUITETURA BARROCA • A arquitetura barroca combinou de forma nova elementos clássicos e renascentistas, tais como colunas, arcos e capitéis. • Elementos curvos, impetuosos, tomavam o lugar de elementos retangulares e harmónicos. • A escultura e a pintura passaram a desempenhar um papel importante nos projetos das construções, contribuindo para criar a ilusão de amplidão e espaço (trompe l’oeil).
  • 16. ARQUITETURA BARROCA • Conceção do edifício como um todo (são típicas a Igreja e o Palácio); • Interiores em plantas ovais e em elipses; • Muito decorados, com linhas, formas onduladas e curvas; • Exteriores: nichos com conchas e grinaldas e com formas onduladas; • Uso de baixos relevos, talha dourada e azulejos na decoração do edifício. Principais artistas: Borromini Bernini Nicolau Nasoni Ludovice (Mafra) André Soares
  • 17. ARQUITETURA BARROCA Igreja de S. Carlo das Quatro Fontes, de Borromini, 1638-41 As colunas são usadas como elementos decorativos e não para suportar o edifício Fachadas onduladas que sugerem movimento e contraste Predomínio da linha curva Fachadas com esculturas e medalhões
  • 18. Casa de Mateus (perto de Vila Real), de Nicolau Nasoni, primeira metade do século XVIII. Contraste claro/escuro Predomínio da linha curva (frontões curvos, pináculos) Fachadas onduladas sugerem movimento e contraste Escadaria convergente e divergente
  • 19. jardins de Versailles Jardins muito decorativos e arranjados onde predomina a linha curva Os arbustos assumem várias formas geométricas
  • 20. PINTURA BARROCA Contraste claro/escuro Predomínio das linhas diagonais, que sugerem movimento Dramatismo da cena que se espelha nos rostos e nos gestos expressivos Corpos robustos e roliços O Rapto de Perséfone, de Rubens, um dos grandes pintores flamengos do Barroco.
  • 21. PINTURA BARROCA • Uso de cores quentes, • Jogos de luz e sombra, • Movimento e sentimentos fortes. • Novas técnicas como o desenho de figuras desproporcionais e intencionalmente assimétricas. Principais artistas: Bernini Rubens Velasquez El Greco Vieira Lusitano
  • 22. A tridimensionalidade, através da ilusão de ótica (trompe l’oeil), foi desenvolvida pelos pintores italianos e muito utilizada na pintura dos tetos.
  • 23. ESCULTURA BARROCA • Grande atividade e movimento; • Recurso a novos materiais como por ex. mármores, estuque e gesso; • Uso de cores quentes nas coloração das obras; • Permanece como tema principal a figura humana. Principais artistas: Bernini Machado de Castro
  • 24. Apolo e Dafne, do famoso escultor e arquiteto Bernini, 1625. Movimento sugerido pela fuga da ninfa Dafne e a sua transformação em loureiro quando é tocada por Apolo Expressão e gestos teatrais espelham as emoções das figuras e o dramatismo da cena Vestes esvoaçantes sugerem movimento e dinamismo
  • 25. Expressão teatral das figuras Exuberância dos panejamentos sugere movimento e contraste claro/escuro Expressão de emoções fortes prazer Êxtase de Santa Teresa de Ávila, de Bernini, 1647-52.
  • 26. azulejo e talha dourada no barroco português Púlpito da igreja da Nossa Senhora do Terço (Barcelos). Contraste da talha dourada com a azulejaria. Músicos, Cena Campestre, pormenor de painel de azulejos, século XVIII, mosteiro de São Vicente de Fora, Lisboa.
  • 28. MÚSICA BARROCA • Tendência para a imponência e para o decorativo; • Surge o estilo concertante: diálogo entre o vocal e o instrumental. • Já no séc. XVIII estabelece-se um estilo clássico; • Típica desta corrente é a Ópera. Principais artistas: Bach Handel Monteverdi Carlos Seixas Haendel Bach
  • 29. O ABSOLUTISMO EM PORTUGAL
  • 30. D. JOÃO V – REI ABSOLUTO Centraliza os poderes políticos Fundamenta o poder no direito divino Não convoca Cortes Submete as ordens privilegiadas Edifica obras grandiosas – imagem de grandeza
  • 31. O reinado de D. João V beneficiou da descoberta de ouro e diamantes no Brasil. O rei financiou grandes obras, projetando uma imagem de esplendor.
  • 32. CONSTRUÇÃO DE GRANDES OBRAS • A construção do convento- palácio de Mafra foi iniciada em 1715. • O rei pagava assim a promessa pelo nascimento de um filho herdeiro do trono.
  • 33. CONSTRUÇÃO DE GRANDES OBRAS • A Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra é uma das mais fabulosas da época. • Foi construída entre 1717 e 1728. • Ao fundo, o retrato do rei.
  • 34. CONSTRUÇÃO DE GRANDES OBRAS O Aqueduto das Águas Livres, iniciado em 1731, abastecia Lisboa, levando água de Belas.
  • 35. SOCIEDADE PORTUGUESA Clero 4% Nobreza 10% Povo 86% A sociedade era hierarquizada, estratificada e tripartida e com grandes desigualdades sociais. Ordens privilegiadas Ordem não privilegiada
  • 36. ECONOMIA PORTUGUESA Economia rural de subsistência mas com culturas de vocação comercial O comércio, sobretudo o colonial, era a atividade mais lucrativa Indústria artesanal pouco produtiva Dependência do estrangeiro, sobretudo de Inglaterra Comércio externo controlado por transportadores estrangeiros
  • 38. O PERÍODO MERCANTILISTA Defensores: • Manuel Severim de Faria, simpatizante das práticas mercantilistas inglesas; • Duarte Ribeiro de Macedo (Discurso sobre a Introdução das Artes em Portugal), defende a criação da manufactura de tecidos, espelhos e artigos de luxo com vista a evitar exportações.
  • 39. • A ideia proposta por estes dois homens foi posta em prática por D. Luís de Menezes, 3º Conde de Ericeira, no reinado de D. Pedro: • Contrata artífices ingleses para virem ensinar em Portugal, • Procura desenvolver as indústrias de lã na Covilhã e Portalegre. Melhora também o fabrico de colchas de Castelo Branco e da seda em Vila Real. • Cria ainda medidas protecionistas, aumentando as tarifas aduaneiras aos produtos estrangeiros. • Lança pragmáticas (leis que proibiam a compra no estrangeiro de produtos de luxo). O PERÍODO MERCANTILISTA
  • 40. • Os grandes proprietários do vinho do Porto, entre estes, o Marquês do Alegrete e o Duque do Cadaval, tinham enorme poder económico e político. Deste modo, conseguiram que o Conselho da Fazenda se opusesse à política manufatureira. • Também a descoberta do ouro do Brasil acende a cobiça dos ingleses, pois viam uma nova fonte de receitas em metal sonante. • A outra grande razão foi a assinatura do Tratado de Methuen. O FALHANÇO MERCANTILISTA
  • 41. O FALHANÇO MERCANTILISTA Portugal ficou dependente das importações inglesas. O ouro e o comércio externo.Exportação de vinhos para Inglaterra.
  • 42. • Celebrado em 1703 entre D. Pedro II e a Inglaterra, estabelecia a obrigatoriedade da Inglaterra comprar o vinho do Porto, pagando este apenas 2/3 dos direitos pagos pela França. Portugal não poria obstáculos à entrada dos lanifícios ingleses. Este tratado vai ser bastante prejudicial para Portugal: • Destruição das manufaturas que começam a nascer, • Impedimento do desenvolvimento industrial, • Alargamento do plantio da vinha a zonas destinadas aos cereais, • Aumento das importações aos ingleses, • Saída de grandes quantidades de ouro brasileiro para pagar as importações. (Falência das primeiras tentativas mercantilistas portuguesas) O TRATADO DE METHUEN