SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 24
PROF. ESP. FRANCIELLY BORDON
EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA DA
PROMOÇÃO DA SAÚDE
O que é educação
 O termo educação vem do latim e-ducere, que
significa conduzir (ducere) para fora;
 Ou de educare,que significa ação de formar, instruir, guiar;
 Éum processo ou soma de atos educativos encadeados em
função da formação do ser humano, com vistasa um fim;
 Não é só a escola que educa. A sociedade com as mais
variadas formas de manifestações culturais e instituições
(família, trabalho, associações, religiões, etc) exercem
influências sobre a pessoa e a comunidade, tanto numa
perspectiva educativa quanto de opressão e aniquilamento
 A educação envolve a formação da personalidade, a
formação do saber-agir, socializar, instruir, informar,
possibilitar a autonomia
E na saúde, como se tem dado a educação na
prática?
Dando informação, transmitindo conhecimentos sobre
prevenção de doenças
 Palestras
 Folhetos
 Campanhas de saúde
Fiscalizando se a população está seguindo as normas e
as orientações
5
MUDANÇA DE COMPORTAMENTO
Quando fazemos isso, como estamos pensando que nosso cliente/usuário é?
As expectativas
OS MODELOS DE EDUCAÇÃO
7
9
Você aprende. A gente ensina?
 “ Fumar você aprende. Parar de fumar a gente ensina”
 Que educação é essa que transforma em dois o
processo ensino-aprendizagem?
(Meyer et alii,
2006)
 Profissional/professordetém conhecimentos técnicos.Éautoridade;
 Neutralidade e universalidade do saber científico;
 Desvalorização do saber-viver;
 Correr risco =ignorância,fraqueza, falta de cuidado de si;
 Certo e errado; pressuposição da existência de um sujeito humano
livre e autônomo;
 Educação tem como objetivo a mudança de comportamento a
partir de decisões informadas sobre saúde;
 Falta de saúde pode ser solucionada através de informação
técnico-científica adequada, +vontade pessoal e política dos
sujeitos expostos a determinados riscos;
 Delimitação da educação em saúde na epidemiologia
do comportamento;
 Higienização e normatização do comportamento;
 Paciente/aluno passivo;
Para pensar...
 Educação centrada na informação para a mudança de
comportamentos:
 Que conteúdo é comunicado?
 Como e porque a informação é comunicada?
 Desafio: a informação científica nas mensagens são suficientes para aumentar a
competência e/ou a liberdade de decisão? Os indivíduos e os diferentes grupos
sociais reconstroem esses conhecimentos (visão de mundo e experiências
particulares)
 Educação em saúde nas escolas: drogas, álcool, gravidez na adolescência,
práticas sexuais desprotegidas, etc
Pedagogia por condicionamento
 Estímulo e recompensa;
 À educação compete organizar o processo de
aquisição de habilidades, atitudes e conhecimentos
específicos, produzindo pessoas competentes para o
mercado de trabalho;
 Algumas consequências: alta eficiência de aprendizado de
dados e processos, individualismo, competitividade,
robotização da população, ênfase na produtividade,
dependência, etc;
 Paciente/aluno como objeto e não sujeito da ação dos
profissionais de saúde/professores;
16
Educação problematizadora
17
Arco de Charles Mangarez
Educação problematizadora
Pedagogia crítica
 Visa transformações sociais, econômicas e políticas tendo
em vista a superação das desigualdades sociais
 Valorização do sujeito/aluno e do processo de
aprendizagem (aprender a aprender)
 Aluno ativo e curioso como centro da atividade escolar.
 Empoderamento pessoal e comunitário
 Professor é facilitador.
 Aprender é ato de compreensão da realidade concreta
através da aproximação crítica da realidade
 Aluno ativo, crítico, motivado, desenvolve habilidades
intelectuais de observação, análise, avaliação,
compreensão, desenvolvimento de atitudes de cooperação
Educação em saúde
 Campo de práticas e de conhecimento do setor saúde que se
ocupa mais diretamente com a criação de vínculos entre a ação
assistencial e o pensar o fazer cotidiano da população
 Educação sanitária e educação em saúde
 Educação sanitária parte do pressuposto de que alguém tem o conhecimento e outro não
(educação bancária)
 Educação em saúde parte do pressuposto que todos têm algum conhecimento e que a
partir do seu e do meu conhecimento se constrói um novo conhecimento, a partir de uma
perspectiva problematizadora
Formação dosprofissionais de saúde para
a educação
 “Eu sei, vc aprende” - os supostos saberes dos profissionais de
saúde e a desqualificação das formas de viver, agir e
autocuidado dos “pacientes” e de outros sujeitos se origina,
em grande parte, ao longo da formação dos profissionais de
saúde (Cortez e Souza, 2017)
 O que é normal? Patológico?
 Quem são osprofissionaisde saúde?
 A valorização da técnica, dos métodos e das ações na formação dos
profissionais de saúde
Horizontalidade na educação em
saúde
“Somente os sujeitos em interação são capazes de agregar os diversos
saberes, que constroem e colaboram na concepção de saúde e cuidado
ótimo de suas necessidades (FALKENBERG et al., 2014). Por meio dessa
postura interativa, a noção de ser humano expande-se para um projeto de
educação e saúde como atividade compartilhada e negociada, cuja
predominância formal e exclusiva é rompida em nome de relações próximas
e empoderadoras, capazes de responder às mudanças paradigmáticas
necessárias para superar as insuficiências daqueles que insistem em um
modelo de saúde sectarista inadequado às demandas da rede SUS(ANJOS,
2010)”(Cortez e Souza. Menos profissionais, mais sujeitos: formação para a educação popular no Sistema Único de Saúde (SUS).
Rev. Ed. Popular. 16(2):27-37.2017)
Videos
 Práticas educativaspromotoras da saúde
https://www.youtube.com/watch?v=TOEN4LjiiOA
 Educação em Saúde
https://www.youtube.com/watch?v=HaoQA4xC9rw

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a educaçao em saude aula 01.pptx

Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da SaúdeAula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
gerontopedia
 
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da FamíliaA Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
Gutto Vieira
 
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDAOs meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Andreia_Amaro
 
Projeto cuida de mim caetano 2011 3
Projeto cuida de mim caetano 2011 3Projeto cuida de mim caetano 2011 3
Projeto cuida de mim caetano 2011 3
gertrudeslemes
 
1_implementacao_das_pics OK.ppt
1_implementacao_das_pics OK.ppt1_implementacao_das_pics OK.ppt
1_implementacao_das_pics OK.ppt
ssuser295ab0
 

Semelhante a educaçao em saude aula 01.pptx (20)

AD1 Didática -Oque é educação, qual a importância da educação no século XXI e...
AD1 Didática -Oque é educação, qual a importância da educação no século XXI e...AD1 Didática -Oque é educação, qual a importância da educação no século XXI e...
AD1 Didática -Oque é educação, qual a importância da educação no século XXI e...
 
Coromandel saúde g5
Coromandel saúde g5Coromandel saúde g5
Coromandel saúde g5
 
Semana da qualidade de vida
Semana da qualidade de vidaSemana da qualidade de vida
Semana da qualidade de vida
 
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da SaúdeAula 4 Projeto Promoção da Saúde
Aula 4 Projeto Promoção da Saúde
 
O quadrilátero da formação para a saúde ensino, gestão, atenção e controle s...
O quadrilátero da formação para a saúde  ensino, gestão, atenção e controle s...O quadrilátero da formação para a saúde  ensino, gestão, atenção e controle s...
O quadrilátero da formação para a saúde ensino, gestão, atenção e controle s...
 
Educação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações Possíveis
Educação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações PossíveisEducação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações Possíveis
Educação em Saúde e Pesquisa Qualitativa Relações Possíveis
 
AULA 01 4B- EDUCAÇÃO EM SAÚDE para o 1 ano de medicina.pptx
AULA 01 4B- EDUCAÇÃO EM SAÚDE para o 1 ano de medicina.pptxAULA 01 4B- EDUCAÇÃO EM SAÚDE para o 1 ano de medicina.pptx
AULA 01 4B- EDUCAÇÃO EM SAÚDE para o 1 ano de medicina.pptx
 
Saúde salinas
Saúde salinasSaúde salinas
Saúde salinas
 
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da FamíliaA Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
 
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDAOs meios de comunicação social na prevenção da SIDA
Os meios de comunicação social na prevenção da SIDA
 
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOSSEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
 
Educação e saúde: uma relação humana, política e didática
Educação e saúde: uma relação humana, política e didáticaEducação e saúde: uma relação humana, política e didática
Educação e saúde: uma relação humana, política e didática
 
Educação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitosEducação em saúde: conceitos e propósitos
Educação em saúde: conceitos e propósitos
 
Saude coletiva.pdf
Saude coletiva.pdfSaude coletiva.pdf
Saude coletiva.pdf
 
HUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptxHUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptx
 
Projeto cuida de mim caetano 2011 3
Projeto cuida de mim caetano 2011 3Projeto cuida de mim caetano 2011 3
Projeto cuida de mim caetano 2011 3
 
A CIF como instrumento para inovar sistemas de saúde e ensino
A CIF como instrumento para inovar sistemas de saúde e ensinoA CIF como instrumento para inovar sistemas de saúde e ensino
A CIF como instrumento para inovar sistemas de saúde e ensino
 
Informação, Educação e Comunicação
Informação, Educação e ComunicaçãoInformação, Educação e Comunicação
Informação, Educação e Comunicação
 
A CIF na Teoria e Prática no Ensino de Profissionais da Saúde
A CIF na Teoria e Prática no Ensino de Profissionais da SaúdeA CIF na Teoria e Prática no Ensino de Profissionais da Saúde
A CIF na Teoria e Prática no Ensino de Profissionais da Saúde
 
1_implementacao_das_pics OK.ppt
1_implementacao_das_pics OK.ppt1_implementacao_das_pics OK.ppt
1_implementacao_das_pics OK.ppt
 

Mais de ssuser51d27c1

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
ssuser51d27c1
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
ssuser51d27c1
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
ssuser51d27c1
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
ssuser51d27c1
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
ssuser51d27c1
 

Mais de ssuser51d27c1 (20)

Trabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptxTrabalhando em Grupos na AB.pptx
Trabalhando em Grupos na AB.pptx
 
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptxSISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
SISTEMA CIRCULATÓRIO II novo.pptx
 
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptxATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE.pptx
 
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.pptAS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
AS TEORIAS PEDAGÓGICAS.ppt
 
slaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptxslaid educação permanente.pptx
slaid educação permanente.pptx
 
DOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptxDOENÇA CORONARIANA.pptx
DOENÇA CORONARIANA.pptx
 
AULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptxAULA DIA 27.04.2021.pptx
AULA DIA 27.04.2021.pptx
 
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptxVIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
VIGIALNICIA EM SAUDE - HISTORIA.pptx
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
08 abdome.pptx
08 abdome.pptx08 abdome.pptx
08 abdome.pptx
 
DANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptxDANT DCNT.pptx
DANT DCNT.pptx
 
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdfAula_4_-modelos_de_atenção.pdf
Aula_4_-modelos_de_atenção.pdf
 
aula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptxaula 02 politicas publicas.pptx
aula 02 politicas publicas.pptx
 
impactos ambientais.pptx
 impactos ambientais.pptx impactos ambientais.pptx
impactos ambientais.pptx
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
DHAA.pptx
DHAA.pptxDHAA.pptx
DHAA.pptx
 
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptxTERRITORIALIZAÇÃO.pptx
TERRITORIALIZAÇÃO.pptx
 
indicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptxindicadores de saude.pptx
indicadores de saude.pptx
 
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptxBiossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
Biossegurança e resíduos de serviços de saúde (1).pptx
 
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptxCIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
CIDADES SAUDÁVEIS aula 05.pptx
 

Último

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (9)

relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 

educaçao em saude aula 01.pptx

  • 1. PROF. ESP. FRANCIELLY BORDON EDUCAÇÃO NA PERSPECTIVA DA PROMOÇÃO DA SAÚDE
  • 2. O que é educação  O termo educação vem do latim e-ducere, que significa conduzir (ducere) para fora;  Ou de educare,que significa ação de formar, instruir, guiar;  Éum processo ou soma de atos educativos encadeados em função da formação do ser humano, com vistasa um fim;
  • 3.  Não é só a escola que educa. A sociedade com as mais variadas formas de manifestações culturais e instituições (família, trabalho, associações, religiões, etc) exercem influências sobre a pessoa e a comunidade, tanto numa perspectiva educativa quanto de opressão e aniquilamento  A educação envolve a formação da personalidade, a formação do saber-agir, socializar, instruir, informar, possibilitar a autonomia
  • 4. E na saúde, como se tem dado a educação na prática? Dando informação, transmitindo conhecimentos sobre prevenção de doenças  Palestras  Folhetos  Campanhas de saúde Fiscalizando se a população está seguindo as normas e as orientações
  • 5. 5 MUDANÇA DE COMPORTAMENTO Quando fazemos isso, como estamos pensando que nosso cliente/usuário é?
  • 7. OS MODELOS DE EDUCAÇÃO 7
  • 8.
  • 9. 9
  • 10.
  • 11. Você aprende. A gente ensina?  “ Fumar você aprende. Parar de fumar a gente ensina”  Que educação é essa que transforma em dois o processo ensino-aprendizagem? (Meyer et alii, 2006)
  • 12.  Profissional/professordetém conhecimentos técnicos.Éautoridade;  Neutralidade e universalidade do saber científico;  Desvalorização do saber-viver;  Correr risco =ignorância,fraqueza, falta de cuidado de si;  Certo e errado; pressuposição da existência de um sujeito humano livre e autônomo;  Educação tem como objetivo a mudança de comportamento a partir de decisões informadas sobre saúde;
  • 13.  Falta de saúde pode ser solucionada através de informação técnico-científica adequada, +vontade pessoal e política dos sujeitos expostos a determinados riscos;  Delimitação da educação em saúde na epidemiologia do comportamento;  Higienização e normatização do comportamento;  Paciente/aluno passivo;
  • 14. Para pensar...  Educação centrada na informação para a mudança de comportamentos:  Que conteúdo é comunicado?  Como e porque a informação é comunicada?  Desafio: a informação científica nas mensagens são suficientes para aumentar a competência e/ou a liberdade de decisão? Os indivíduos e os diferentes grupos sociais reconstroem esses conhecimentos (visão de mundo e experiências particulares)  Educação em saúde nas escolas: drogas, álcool, gravidez na adolescência, práticas sexuais desprotegidas, etc
  • 15. Pedagogia por condicionamento  Estímulo e recompensa;  À educação compete organizar o processo de aquisição de habilidades, atitudes e conhecimentos específicos, produzindo pessoas competentes para o mercado de trabalho;  Algumas consequências: alta eficiência de aprendizado de dados e processos, individualismo, competitividade, robotização da população, ênfase na produtividade, dependência, etc;  Paciente/aluno como objeto e não sujeito da ação dos profissionais de saúde/professores;
  • 16. 16
  • 18. Arco de Charles Mangarez Educação problematizadora
  • 19. Pedagogia crítica  Visa transformações sociais, econômicas e políticas tendo em vista a superação das desigualdades sociais  Valorização do sujeito/aluno e do processo de aprendizagem (aprender a aprender)  Aluno ativo e curioso como centro da atividade escolar.  Empoderamento pessoal e comunitário
  • 20.  Professor é facilitador.  Aprender é ato de compreensão da realidade concreta através da aproximação crítica da realidade  Aluno ativo, crítico, motivado, desenvolve habilidades intelectuais de observação, análise, avaliação, compreensão, desenvolvimento de atitudes de cooperação
  • 21. Educação em saúde  Campo de práticas e de conhecimento do setor saúde que se ocupa mais diretamente com a criação de vínculos entre a ação assistencial e o pensar o fazer cotidiano da população  Educação sanitária e educação em saúde  Educação sanitária parte do pressuposto de que alguém tem o conhecimento e outro não (educação bancária)  Educação em saúde parte do pressuposto que todos têm algum conhecimento e que a partir do seu e do meu conhecimento se constrói um novo conhecimento, a partir de uma perspectiva problematizadora
  • 22. Formação dosprofissionais de saúde para a educação  “Eu sei, vc aprende” - os supostos saberes dos profissionais de saúde e a desqualificação das formas de viver, agir e autocuidado dos “pacientes” e de outros sujeitos se origina, em grande parte, ao longo da formação dos profissionais de saúde (Cortez e Souza, 2017)  O que é normal? Patológico?  Quem são osprofissionaisde saúde?  A valorização da técnica, dos métodos e das ações na formação dos profissionais de saúde
  • 23. Horizontalidade na educação em saúde “Somente os sujeitos em interação são capazes de agregar os diversos saberes, que constroem e colaboram na concepção de saúde e cuidado ótimo de suas necessidades (FALKENBERG et al., 2014). Por meio dessa postura interativa, a noção de ser humano expande-se para um projeto de educação e saúde como atividade compartilhada e negociada, cuja predominância formal e exclusiva é rompida em nome de relações próximas e empoderadoras, capazes de responder às mudanças paradigmáticas necessárias para superar as insuficiências daqueles que insistem em um modelo de saúde sectarista inadequado às demandas da rede SUS(ANJOS, 2010)”(Cortez e Souza. Menos profissionais, mais sujeitos: formação para a educação popular no Sistema Único de Saúde (SUS). Rev. Ed. Popular. 16(2):27-37.2017)
  • 24. Videos  Práticas educativaspromotoras da saúde https://www.youtube.com/watch?v=TOEN4LjiiOA  Educação em Saúde https://www.youtube.com/watch?v=HaoQA4xC9rw