SlideShare uma empresa Scribd logo
Interpretação do eletrocardiograma
Prof.: Aguinaldo Alves Deão
Interpretação do eletrocardiograma
Sumário
1. Revisão anatomofisiológica do
coração.
2. Sistema de condução elétrica
do coração.
3. A formação das ondas e dos
complexos.
4. O Papel do ECG.
5. Complexo eletrocardiográfico.
6. Derivações do ECG.
7. O eixo elétrico.
8. o ECG normal.
Bloco
1
O ECG
Básico
Interpretação do eletrocardiograma
1. Revisão anatomofisiológica do coração.
Interpretação do eletrocardiograma
2. Sistema de condução elétrico do coração
Interpretação do eletrocardiograma
3. A formação das ondas e dos complexos.
P despolarização dos
átrios.
QRS despolarização dos
ventrículos.
T repolarização ventricular.
Interpretação do eletrocardiograma
3. A formação das ondas e dos complexos.
Interpretação do eletrocardiograma
3. A formação das ondas e dos complexos.
Interpretação do eletrocardiograma
4. O papel do ECG
Consiste em linhas verticais e horizontais cada uma
afastada em 1 milímetro.
Horizontais: tempo da medida (0,4 seg).
Verticais: amplitude da onda (0,1mV).
Interpretação do eletrocardiograma
4. O papel do ECG
Interpretação do eletrocardiograma
5. Complexo eletrocardiográfico, onda P
Representa a despolarização atrial.
Localização: precede o complexo QRS.
Amplitude: altura de 2 a 3mm.
Duração: 0,06 a 0,12s.
Deflexão: positiva em I, II, aVF, V2 a V6; geralmente
positiva em III e aVL; negativa em aVR; bifásica em
V1.
Interpretação do eletrocardiograma
5. Complexo eletrocardiográfico, intervalo PR
Mostra o impulso atrial desde os átrios até o nó AV.
Localização: do início da onda P até o início do
complexo QRS.
Duração: 0,12 a 0,20s.
Interpretação do eletrocardiograma
5. Complexo eletrocardiográfico, QRS
Representa a despolarização e a condução do impulso
nos ventrículos.
Localização: após o intervalo PR.
Amplitude: 5 a 30mm de altura.
Duração: 0,06 a 0,10s ou metade do intervalo PR.
Deflexão: positiva em I, II, III, aVL, aVF, V4 a V6;
negativa em aVR, V1 e V2; bifásica em V3.
Interpretação do eletrocardiograma
5. Complexo eletrocardiográfico, ST
Representa o final da condução ventricular e o início
da repolarização.
Ponto J: marca o final do QRS e o início do ST.
Localização: da onda S até o início da onda T.
Deflexão: geralmente isoelétrica.
Pode variar de -0,5 a +1mm em algumas precordiais.
Interpretação do eletrocardiograma
5. Complexo eletrocardiográfico, onda T
Representa o período refratário da repolarização
ventricular.
Localização: após o segmento ST.
Amplitude: 0,5mm nas derivações I, II e III e até
10mm nas derivações precordiais.
Deflexão: geralmente positiva em I, II, aVL, aVF e V2
a V6; invertida em aVR; variável em III e V1.
Interpretação do eletrocardiograma
5. Complexo eletrocardiográfico, QT
Mede o tempo necessário para a despolarização e a
repolarização ventriculares.
Localização: do início do complexo QRS até o final da
onda T.
Duração: de 0,36 a 0,44s.
Interpretação do eletrocardiograma
5. Complexo eletrocardiográfico, onda U
Representa a repolarização do sistema His-Purkinje.
Pode não aparecer no ECG.
Localização: após a onda T.
Deflexão: positiva.
Interpretação do eletrocardiograma
5. Complexo eletrocardiográfico
6. Derivações do ECG
12 derivações fornecem 12 visões diferentes
da atividade elétrica do coração.
Cada derivação transmite informações sobre
uma área diferente do coração.
As 12 derivações incluem 6 dos membros e 6
precordiais.
Interpretação do eletrocardiograma
6. Derivações do ECG, dos membros
Registram a atividade elétrica do plano frontal
do coração.
Incluem as três derivações bipolares (I, II, III).
E as três derivações unipolares aumentadas
dos membros (aVr, aVL, aVF).
Interpretação do eletrocardiograma
6. Derivações do ECG, precordiais
Fornecem informações sobre a atividade
elétrica no plano horizontal do coração.
Derivações precordiais padrão: V1, V2, V3,
V4, V5, V6).
São derivações unipolares.
Interpretação do eletrocardiograma
6. Derivações do ECG, bipolares dos membros
Derivação I: conecta o BD
(pólo negativo) com o BE
(pólo positivo).
Derivação II: conecta o
BD (pólo negativo) com a
PE (pólo positivo).
Derivação III: conecta o
BE (pólo negativo) com a
PE (pólo positivo).
Interpretação do eletrocardiograma
6. Derivações do ECG, bipolares dos membros
Interpretação do eletrocardiograma
6. Derivações do ECG, unipolares dos membros
aVR: conecta o BD (pólo positivo) com o
coração (pólo negativo).
aVL: conecta o BE (pólo positivo) com o
coração (pólo negativo).
aVF: conecta a PE (pólo positivo) com o
coração (pólo negativo).
Interpretação do eletrocardiograma
Interpretação do eletrocardiograma
6. Derivações do ECG, colocação dos eletrodos
precordiais
Interpretação do eletrocardiograma
7. Eixos elétricos
Referem-se à força e à direção da onda de
despolarização através do coração.
São chamados de vetor QRS médio.
Seguem a direção do sistema de condução.
Interpretação do eletrocardiograma
7. Eixos elétricos, desvios
Ocorre quando a atividade elétrica no coração afasta-
se das áreas de lesão ou necrose.
Normal: entre 0 e 90°.
Desvio do eixo para a direita: entre 90 e 180°.
Desvio do eixo para a esquerda: entre 0 e -90°.
Desvio extremo do eixo: entre -180 e -90°.
7. Eixos elétricos, determinação
-
-
-
-
+
+
+
+
II
60°
III
120°
I
0°
AVL
-
30°
AVR
210°
AVF
Interpretação do eletrocardiograma
DerivaçõesDerivações
A
B
C
D
A - B +
A + B –
C + D –
C - D +
A - B +
A + B –
C + D –
C - D +
Interpretação do eletrocardiograma
7. Eixos elétricos, desvios para a esquerda
Envelhecimento.
Estenose aórtica.
IAM de parede inferior.
Bloqueio de ramo esquerdo.
Hipertrofia de ventrículo esquerdo.
Alterações mecânicas (ascite, gestação, tumores).
Interpretação do eletrocardiograma
7. Eixos elétricos, desvios para a direita
Enfisema pulmonar.
IAM de parede lateral.
Hipertensão pulmonar.
Estenose pulmonar.
Bloqueio de ramo direito.
Hipertrofia ventricular direita.
Interpretação do eletrocardiograma
8. O ECG, método de avaliação
Determine o ritmo.
Determine a freqüência.
Avalie a onda P.
Meça o Intervalo PR.
Determine a duração do QRS.
Examine as ondas T.
Meça o Intervalo QT.
Verifique a presença de batimentos ectópicos ou
outras anormalidades.
Determine o eixo.
Determinar o Ritmo
Avalie a distancia entre os intervalos R- R a fim
de verificar ritmo ventricular.
Avalie a distancia entre os intervalos P-P afim de
avaliar ritmo atrial.
Ritmos –Regulares e
Irregulares-
Ritmo- Regular
Ritmo Irregular
Avaliar Freqüência
O método de 10 vezes: observe que o papel do ECG está
marcado com intervalos de 3 segundos ou 15 Quadrados
grandes, para determinar a freqüência atrial Obtenha um
traçado de 6 segundos, conte o numero de ondas P,e
multiplique por 10,pois dez traçados de 6 segundos
representam um minuto
Avaliar a Freqüência.
O método do 1500
Se o ritmo cardíaco for regular, conte o quadrados
pequenos entre ponto idênticos em duas ondas P
consecutivas e depois divida por 1500, pois 1500
quadrados Pequenos correspondem a 1 minuto.
Ecg 86 slides
Avaliar a Freqüência.
O método de 300
Divida 300 pelo quantidade de quadrados grandes entre os
intervalos RR
Interpretação do eletrocardiograma
Meça o Intervalo PR....
Interpretação do eletrocardiograma
Sumário
1. Arritmias do nódulo sinusal
2. Arritmias atriais
3. Arritmias ventriculares
4. Bloqueios atrioventriculares
5. Desequilíbrios eletrolíticos
Bloco
2
Arritmias
Cardíacas
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
1. Ritmo sinusal (RS)
É o ritmo fisiológico do coração
Se origina no AD alto
Presença de ondas P +
Pode variar entre –30 e +90 graus
Duração inferior a 110 ms
Amplitude máxima de 3 mm
2. Taquicardia sinusal (TS)
FC > de 100 bpm
3. Bradicardia sinusal (BS)
FC < de 50 bpm
Ecg 86 slides
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
B. Outras arritmias de origem
supraventricular
1. Fibrilação atrial (FA)
Ritmo secundário à atividade elétrica atrial
desorganizada
Linha de base que pode se apresentar
isoelétrica, com irregularidades finas,
grosseiras, ou por um misto dessas
alterações.
FC irregulares e, com isso, a ciclos RR não
constantes
Ondas “F”, com freqüência entre 450 e 700
ciclos por minuto.
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
B. Outras arritmias de origem
supraventricular
2. Flutter atrial comum (FluAC)
Ondas “F”, com aspecto de dentes de serrote
Freqüência entre 240 e 340 bpm ???????
Negativas nas derivações inferiores e
Geralmente, positivas em V1
ondas “F” nas derivações DI e aVL de baixa
voltagem.
A presença de resposta ventricular elevada
(condução 1:1 ou 2:1) pode dificultar a
visualização eletrocardiográfica das ondas “F”
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
Ecg 86 slides
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
C. Arritmias ventriculares
1. Extra-sístole ventricular (EV)
Apresenta-se como batimento originado no ventrículo,
precocemente
com pausa pós-extra-sistólica, quando recicla o
intervalo RR
Caso não ocorra modificação no intervalo RR, é
chamada de extra-sístole interpolada.
Se possuidora da mesma forma eletrocardiográfica,
deve ser denominada de monomórfica
e, se tiver formas diversas, de polimórfica
De acordo com sua freqüência, pode ser classificada
em isolada, pareada, em salva, bigeminada,
trigeminada, quadrigeminada, etc
Deve ser abreviada com a sigla EV e, no plural, EEVV.
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
C. Arritmias ventriculares
2. Taquicardia ventricular sustentada
monomórfica (TVSM)
Ritmo ventricular tem morfologia uniforme,
freqüência superior a 100 bpm
Duração maior de 30s.
3. Taquicardia ventricular sustentada
polimórfica (TVSP)
Ritmo ventricular com QRS de morfologia
variável
Freqüência superior a 100 bpm
Duração superior a 30s.
Ecg 86 slides
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
C. Arritmias ventriculares
4. Taquicardia ventricular não sustentada
(TVNS)
Ritmo ventricular repetitivo, com 3 ou mais
batimentos consecutivos, autolimitado
Com duração inferior a 30s
FC superior a 100 bpm
5. Taquicardia ventricular tipo torsades
de pointes (TdP)
Taquicardia com QRS largo, polimórfica,
autolimitada
Com QRS “girando” em torno da linha de base
Precedida por ciclos: longo-curto (extra-
sístole-batimento sinusal - extra-
sístole) ????????e QT longo
Ecg 86 slides
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
C. Arritmias ventriculares
6. Fibrilação ventricular (FV)
Caracteriza-se por ondas bizarras, caóticas,
de amplitude e freqüência variáveis.
Pode ser precedido de TV ou torsades de
pointes, que degeneraram em FV
Clinicamente, corresponde à PCR
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Interpretação do eletrocardiograma
Arritmias cardíacas
Bloqueios atrioventriculares
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
D. Condução atrioventricular
1. Bloqueio AV de primeiro grau (BAVI)
O intervalo PR é superior a 0,20 s
FC inferior a 90 bpm
2. Bloqueio AV de segundo grau tipo
Mobitz I
(com fenômeno de Wenckebach) (BAVII-
MI)
O alentecimento da condução AV é gradativo
Existe aumento progressivo do intervalo PR
sendo tais acréscimos gradativamente menores
até que a condução AV fique bloqueada
e um batimento atrial não consiga ser conduzido
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
D. Condução atrioventricular
3. Bloqueio AV de segundo grau tipo
Mobitz II (BAVII-MII)
existe uma claudicação súbita da condução
AV
Nota-se condução AV 1:1 com intervalo PR
fixo
e, repentinamente, uma onda P bloqueada
Seguida por nova condução AV 1:1 com PR
semelhante aos anteriores
A freqüência da claudicação pode ser variável,
por exemplo, 5:4, 4:3, 3:2
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
D. Condução atrioventricular
4. Bloqueio AV 2:1 (BAV2:1)
Para cada dois batimentos de origem atrial,
um é conduzido e despolariza o ventrículo
e outro é bloqueado e não consegue
despolarizar o ventrículo
Ecg 86 slides
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
D. Condução atrioventricular
6. Bloqueio AV do terceiro grau ou BAV total
(BAVT)
Neste caso, os estímulos de origem atrial não
conseguem chegar aos ventrículos e despolarizá-los
Fazendo com que um foco abaixo da região de
bloqueio assuma o ritmo ventricular
Não existe correlação entre a atividade elétrica atrial e
ventricular
No ECG ondas P não relacionadas ao QRS
A freqüência do ritmo atrial é maior que a do ritmo de
escape ventricular
Ecg 86 slides
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
D. Condução atrioventricular
8. Condução intraventricular com padrão
de préexcitação (WPW)
Espaço PR curto com presença de onda delta
que demonstra padrão de despolarização
ventricular precoce e anômala por via
acessória.
I- Critérios Eletrocardiográficos para
Caracterização das Arritmias
Interpretação do eletrocardiograma
Arritmias cardíacas
Desequilíbrios eletrolíticos
III – Critérios Eletrocardiográficos para
a caracterização de Situações Especiais
1. Distúrbios eletrolíticos
2.1 Hipopotassemia
Aumento da amplitude da onda U
depressão do SST e da onda T
aumento do intervalo QTU
2.2 Hiperpotassemia
Onda T apiculada e de base estreita
redução do intervalo QTc
distúrbio de condução intraventricular (QRS
alargado)
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Interpretação do eletrocardiograma
Sumário
1. Isquemia subepicárdica
2. Isquemia subendocárdica
3. Lesão subepicárdica
4. Lesão subendocárdica
5. Necrose
6. Infartos especiais
Bloco
3
Isquemias
Cardíacas
II – Critérios Elétrocardiográficos para a Caracterização de
Isquemia, Lesão e Área Elétricamente Inativa
A. Isquemia
1. Isquemia subepicárdica
Alterações da repolarização ventricular
Onda T negativa, pontiaguda e simétrica na
parede correspondente
2. Isquemia subendocárdica
Alterações da repolarização ventricular
onda T positiva, pontiaguda e simétrica na
parede correspondente
II – Critérios Elétrocardiográficos para a Caracterização de
Isquemia, Lesão e Área Elétricamente Inativa
B. Lesão
1. Lesão subepicárdica
Supradesnivelamento do ponto J e do
segmento ST
com convexidade superior deste segmento
nas derivações que exploram a lesão
2. Lesão subendocárdica
Infradesnivelamento do ponto J e do segmento
ST
com concavidade superior deste segmento
nas derivações que exploram a lesão
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
II – Critérios Elétrocardiográficos para a Caracterização de
Isquemia, Lesão e Área Elétricamente Inativa
C. Necrose
ondas QS ou Qr, sugestivas, respectivamente,
de necrose transmural ou subepicárdica,
acompanhadas de ondas T negativas, nas
derivações que exploram a necrose
Se diz “zona eletricamente inativa da área...”
Iam inf
Interpretação do eletrocardiograma
Exercícios
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
Ecg 86 slides
IV – Referências Bibliográficas
1. Diretriz de interpretação de
eletrocardiograma de repouso
Arq Bras Cardiol volume 80, (suplemento II),
2003.
2. SAVP Manual para provedores
American Heart Association, 2003.
3. Enfermagem médico-cirúrgica
Brunner e Suddart, 8ª ed, 1998.
4. Blackbook de Clínica Médica
Pedrosa, E. R. P; Oliveira, R. G. 1ª ed, 2007.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
Tamyres Magalhães
 
Doença Arterial Coronariana
Doença Arterial CoronarianaDoença Arterial Coronariana
Doença Arterial Coronariana
resenfe2013
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
dapab
 
Cardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitasCardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitas
dapab
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
Viviane da Silva
 
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICOINFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
Douglas Tedesco
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
Carlos Frederico Pinto
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
Inaiara Bragante
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
Mateus Camargo
 
Interpretação de ECG
Interpretação de ECGInterpretação de ECG
Interpretação de ECG
HIURYGOMES
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Aroldo Gavioli
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
pauloalambert
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
resenfe2013
 
5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)
Zeca Ribeiro
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
Marcos Antonio
 
Choque
Choque   Choque
Choque
ivanaferraz
 
RCP
RCPRCP
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascular
resenfe2013
 
Bloqueio de condução
Bloqueio de conduçãoBloqueio de condução
Bloqueio de condução
resenfe2013
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
dapab
 

Mais procurados (20)

Sinais Vitais
Sinais VitaisSinais Vitais
Sinais Vitais
 
Doença Arterial Coronariana
Doença Arterial CoronarianaDoença Arterial Coronariana
Doença Arterial Coronariana
 
Arritimias cardíacas
Arritimias cardíacasArritimias cardíacas
Arritimias cardíacas
 
Cardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitasCardiopatias congenitas
Cardiopatias congenitas
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICOINFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
INFARTO AGUDO DO MIOCARDIO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
15118905 monitorizacao-invasiva-e-nao-invasiva
 
Interpretação de ECG
Interpretação de ECGInterpretação de ECG
Interpretação de ECG
 
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia IntensivaCritérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
Critérios de admissão em Unidade de Terapia Intensiva
 
Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017Insuficiência cardíaca 2017
Insuficiência cardíaca 2017
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)5a aula eletrocardiograma_(1)
5a aula eletrocardiograma_(1)
 
Sinais vitais
Sinais vitaisSinais vitais
Sinais vitais
 
Choque
Choque   Choque
Choque
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Avaliação Cardiovascular
Avaliação CardiovascularAvaliação Cardiovascular
Avaliação Cardiovascular
 
Bloqueio de condução
Bloqueio de conduçãoBloqueio de condução
Bloqueio de condução
 
Choque
ChoqueChoque
Choque
 

Destaque

Eletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicinaEletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicina
Patricia Costa
 
Aula Eletrocardiograma Gabriel Dotta[2009]
Aula Eletrocardiograma Gabriel Dotta[2009]Aula Eletrocardiograma Gabriel Dotta[2009]
Aula Eletrocardiograma Gabriel Dotta[2009]
Gabriel Dotta
 
ECG NORMAL
ECG NORMALECG NORMAL
ECG NORMAL
laccunifenasbh
 
Eletrocardiograma completo
Eletrocardiograma completoEletrocardiograma completo
Eletrocardiograma completo
Diogo Tinum da Silva
 
ECG
ECGECG
aula de Ecg no hospital geral eletrocardiograma
aula de Ecg no hospital geral eletrocardiogramaaula de Ecg no hospital geral eletrocardiograma
aula de Ecg no hospital geral eletrocardiograma
Willian Pegoraro Kus
 
Ecg normalidade e variação de normalidade
Ecg normalidade e variação de normalidadeEcg normalidade e variação de normalidade
Ecg normalidade e variação de normalidade
catarinarua
 
Ecg 2.0
Ecg 2.0Ecg 2.0
Interpretação de ECG
Interpretação de ECGInterpretação de ECG
Interpretação de ECG
HIURYGOMES
 
Como fazer um eletrocardiograma
Como fazer um eletrocardiogramaComo fazer um eletrocardiograma
Como fazer um eletrocardiograma
claudia teles
 
BLOQUEIOS ATRIOVENTRICULARES
BLOQUEIOS ATRIOVENTRICULARESBLOQUEIOS ATRIOVENTRICULARES
BLOQUEIOS ATRIOVENTRICULARES
laccunifenasbh
 
Ritmo
RitmoRitmo
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
Mickael Gomes
 
Sobrecargas ventriculares ao ECG - Dra Tatiana Caus
Sobrecargas ventriculares ao ECG - Dra Tatiana CausSobrecargas ventriculares ao ECG - Dra Tatiana Caus
Sobrecargas ventriculares ao ECG - Dra Tatiana Caus
Tatiana Santos Caus
 
Ecg 4.0
Ecg 4.0Ecg 4.0
CARDIOPATIA ISQUÊMICA
CARDIOPATIA ISQUÊMICACARDIOPATIA ISQUÊMICA
CARDIOPATIA ISQUÊMICA
laccunifenasbh
 
Fisiologia cardíaca
Fisiologia cardíacaFisiologia cardíaca
Fisiologia cardíaca
Ana Flávia
 
electrocardiograma
electrocardiogramaelectrocardiograma
electrocardiograma
sergio pedraza
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
Sylvania Paiva
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
resenfe2013
 

Destaque (20)

Eletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicinaEletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicina
 
Aula Eletrocardiograma Gabriel Dotta[2009]
Aula Eletrocardiograma Gabriel Dotta[2009]Aula Eletrocardiograma Gabriel Dotta[2009]
Aula Eletrocardiograma Gabriel Dotta[2009]
 
ECG NORMAL
ECG NORMALECG NORMAL
ECG NORMAL
 
Eletrocardiograma completo
Eletrocardiograma completoEletrocardiograma completo
Eletrocardiograma completo
 
ECG
ECGECG
ECG
 
aula de Ecg no hospital geral eletrocardiograma
aula de Ecg no hospital geral eletrocardiogramaaula de Ecg no hospital geral eletrocardiograma
aula de Ecg no hospital geral eletrocardiograma
 
Ecg normalidade e variação de normalidade
Ecg normalidade e variação de normalidadeEcg normalidade e variação de normalidade
Ecg normalidade e variação de normalidade
 
Ecg 2.0
Ecg 2.0Ecg 2.0
Ecg 2.0
 
Interpretação de ECG
Interpretação de ECGInterpretação de ECG
Interpretação de ECG
 
Como fazer um eletrocardiograma
Como fazer um eletrocardiogramaComo fazer um eletrocardiograma
Como fazer um eletrocardiograma
 
BLOQUEIOS ATRIOVENTRICULARES
BLOQUEIOS ATRIOVENTRICULARESBLOQUEIOS ATRIOVENTRICULARES
BLOQUEIOS ATRIOVENTRICULARES
 
Ritmo
RitmoRitmo
Ritmo
 
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
5.isquemia, lesão isquêmica e necrose isquêmica
 
Sobrecargas ventriculares ao ECG - Dra Tatiana Caus
Sobrecargas ventriculares ao ECG - Dra Tatiana CausSobrecargas ventriculares ao ECG - Dra Tatiana Caus
Sobrecargas ventriculares ao ECG - Dra Tatiana Caus
 
Ecg 4.0
Ecg 4.0Ecg 4.0
Ecg 4.0
 
CARDIOPATIA ISQUÊMICA
CARDIOPATIA ISQUÊMICACARDIOPATIA ISQUÊMICA
CARDIOPATIA ISQUÊMICA
 
Fisiologia cardíaca
Fisiologia cardíacaFisiologia cardíaca
Fisiologia cardíaca
 
electrocardiograma
electrocardiogramaelectrocardiograma
electrocardiograma
 
Atendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizadoAtendimento inicial ao politraumatizado
Atendimento inicial ao politraumatizado
 
Monitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leitoMonitorização a beira do leito
Monitorização a beira do leito
 

Semelhante a Ecg 86 slides

Curso ecg Alessandro
Curso ecg AlessandroCurso ecg Alessandro
Curso ecg Alessandro
Medtreianmento Alessandro Gtr
 
Eletrocardiogram
EletrocardiogramEletrocardiogram
Eletrocardiogram
Hung Shih Chen
 
Eletrocardiograma CURSO
Eletrocardiograma CURSOEletrocardiograma CURSO
Eletrocardiograma CURSO
penhalver
 
ecg.pptx
ecg.pptxecg.pptx
Ecg
EcgEcg
Aula 4- NOCÕES DE ELETROCARDIOGRAMA.pdf
Aula 4- NOCÕES DE ELETROCARDIOGRAMA.pdfAula 4- NOCÕES DE ELETROCARDIOGRAMA.pdf
Aula 4- NOCÕES DE ELETROCARDIOGRAMA.pdf
jacquelinepsarraes
 
1.ECG
1.ECG1.ECG
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
030887
 
2.ecg normal
2.ecg normal2.ecg normal
2.ecg normal
Mickael Gomes
 
Interpretação de ecg
Interpretação de ecgInterpretação de ecg
Interpretação de ecg
HIURYGOMES
 
Distúrbios cardiológicos
Distúrbios cardiológicosDistúrbios cardiológicos
Distúrbios cardiológicos
gisa_legal
 
Aula Eletrofisiologia Cardiaca + ECG.pptx
Aula Eletrofisiologia Cardiaca + ECG.pptxAula Eletrofisiologia Cardiaca + ECG.pptx
Aula Eletrofisiologia Cardiaca + ECG.pptx
douglasgondim61
 
1.chave para o entendimento dos ecg's
1.chave para o entendimento dos ecg's1.chave para o entendimento dos ecg's
1.chave para o entendimento dos ecg's
Mickael Gomes
 
Realizacao e interpretacao_do_ecg_no_pre_hospitalar
Realizacao e interpretacao_do_ecg_no_pre_hospitalarRealizacao e interpretacao_do_ecg_no_pre_hospitalar
Realizacao e interpretacao_do_ecg_no_pre_hospitalar
Iaperi Fonseca
 
Aph arritmias
Aph arritmiasAph arritmias
Aph arritmias
Evânio Rosado
 
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Pedro Miguel
 
Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
pauloalambert
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
Paulo Alambert
 

Semelhante a Ecg 86 slides (20)

Curso ecg Alessandro
Curso ecg AlessandroCurso ecg Alessandro
Curso ecg Alessandro
 
Eletrocardiogram
EletrocardiogramEletrocardiogram
Eletrocardiogram
 
Eletrocardiograma CURSO
Eletrocardiograma CURSOEletrocardiograma CURSO
Eletrocardiograma CURSO
 
ecg.pptx
ecg.pptxecg.pptx
ecg.pptx
 
Ecg
EcgEcg
Ecg
 
Aula 4- NOCÕES DE ELETROCARDIOGRAMA.pdf
Aula 4- NOCÕES DE ELETROCARDIOGRAMA.pdfAula 4- NOCÕES DE ELETROCARDIOGRAMA.pdf
Aula 4- NOCÕES DE ELETROCARDIOGRAMA.pdf
 
1.ECG
1.ECG1.ECG
1.ECG
 
Arritmias
ArritmiasArritmias
Arritmias
 
2.ecg normal
2.ecg normal2.ecg normal
2.ecg normal
 
Interpretação de ecg
Interpretação de ecgInterpretação de ecg
Interpretação de ecg
 
Distúrbios cardiológicos
Distúrbios cardiológicosDistúrbios cardiológicos
Distúrbios cardiológicos
 
Aula Eletrofisiologia Cardiaca + ECG.pptx
Aula Eletrofisiologia Cardiaca + ECG.pptxAula Eletrofisiologia Cardiaca + ECG.pptx
Aula Eletrofisiologia Cardiaca + ECG.pptx
 
1.chave para o entendimento dos ecg's
1.chave para o entendimento dos ecg's1.chave para o entendimento dos ecg's
1.chave para o entendimento dos ecg's
 
Realizacao e interpretacao_do_ecg_no_pre_hospitalar
Realizacao e interpretacao_do_ecg_no_pre_hospitalarRealizacao e interpretacao_do_ecg_no_pre_hospitalar
Realizacao e interpretacao_do_ecg_no_pre_hospitalar
 
Aph arritmias
Aph arritmiasAph arritmias
Aph arritmias
 
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema CardiovascularFisiologia - Sistema Cardiovascular
Fisiologia - Sistema Cardiovascular
 
Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019Semiologia das arritmias 2019
Semiologia das arritmias 2019
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 
Semiologia das arritmias
Semiologia das arritmiasSemiologia das arritmias
Semiologia das arritmias
 

Ecg 86 slides

  • 2. Interpretação do eletrocardiograma Sumário 1. Revisão anatomofisiológica do coração. 2. Sistema de condução elétrica do coração. 3. A formação das ondas e dos complexos. 4. O Papel do ECG. 5. Complexo eletrocardiográfico. 6. Derivações do ECG. 7. O eixo elétrico. 8. o ECG normal. Bloco 1 O ECG Básico
  • 3. Interpretação do eletrocardiograma 1. Revisão anatomofisiológica do coração.
  • 4. Interpretação do eletrocardiograma 2. Sistema de condução elétrico do coração
  • 5. Interpretação do eletrocardiograma 3. A formação das ondas e dos complexos. P despolarização dos átrios. QRS despolarização dos ventrículos. T repolarização ventricular.
  • 6. Interpretação do eletrocardiograma 3. A formação das ondas e dos complexos.
  • 7. Interpretação do eletrocardiograma 3. A formação das ondas e dos complexos.
  • 8. Interpretação do eletrocardiograma 4. O papel do ECG Consiste em linhas verticais e horizontais cada uma afastada em 1 milímetro. Horizontais: tempo da medida (0,4 seg). Verticais: amplitude da onda (0,1mV).
  • 10. Interpretação do eletrocardiograma 5. Complexo eletrocardiográfico, onda P Representa a despolarização atrial. Localização: precede o complexo QRS. Amplitude: altura de 2 a 3mm. Duração: 0,06 a 0,12s. Deflexão: positiva em I, II, aVF, V2 a V6; geralmente positiva em III e aVL; negativa em aVR; bifásica em V1.
  • 11. Interpretação do eletrocardiograma 5. Complexo eletrocardiográfico, intervalo PR Mostra o impulso atrial desde os átrios até o nó AV. Localização: do início da onda P até o início do complexo QRS. Duração: 0,12 a 0,20s.
  • 12. Interpretação do eletrocardiograma 5. Complexo eletrocardiográfico, QRS Representa a despolarização e a condução do impulso nos ventrículos. Localização: após o intervalo PR. Amplitude: 5 a 30mm de altura. Duração: 0,06 a 0,10s ou metade do intervalo PR. Deflexão: positiva em I, II, III, aVL, aVF, V4 a V6; negativa em aVR, V1 e V2; bifásica em V3.
  • 13. Interpretação do eletrocardiograma 5. Complexo eletrocardiográfico, ST Representa o final da condução ventricular e o início da repolarização. Ponto J: marca o final do QRS e o início do ST. Localização: da onda S até o início da onda T. Deflexão: geralmente isoelétrica. Pode variar de -0,5 a +1mm em algumas precordiais.
  • 14. Interpretação do eletrocardiograma 5. Complexo eletrocardiográfico, onda T Representa o período refratário da repolarização ventricular. Localização: após o segmento ST. Amplitude: 0,5mm nas derivações I, II e III e até 10mm nas derivações precordiais. Deflexão: geralmente positiva em I, II, aVL, aVF e V2 a V6; invertida em aVR; variável em III e V1.
  • 15. Interpretação do eletrocardiograma 5. Complexo eletrocardiográfico, QT Mede o tempo necessário para a despolarização e a repolarização ventriculares. Localização: do início do complexo QRS até o final da onda T. Duração: de 0,36 a 0,44s.
  • 16. Interpretação do eletrocardiograma 5. Complexo eletrocardiográfico, onda U Representa a repolarização do sistema His-Purkinje. Pode não aparecer no ECG. Localização: após a onda T. Deflexão: positiva.
  • 17. Interpretação do eletrocardiograma 5. Complexo eletrocardiográfico
  • 18. 6. Derivações do ECG 12 derivações fornecem 12 visões diferentes da atividade elétrica do coração. Cada derivação transmite informações sobre uma área diferente do coração. As 12 derivações incluem 6 dos membros e 6 precordiais. Interpretação do eletrocardiograma
  • 19. 6. Derivações do ECG, dos membros Registram a atividade elétrica do plano frontal do coração. Incluem as três derivações bipolares (I, II, III). E as três derivações unipolares aumentadas dos membros (aVr, aVL, aVF). Interpretação do eletrocardiograma
  • 20. 6. Derivações do ECG, precordiais Fornecem informações sobre a atividade elétrica no plano horizontal do coração. Derivações precordiais padrão: V1, V2, V3, V4, V5, V6). São derivações unipolares. Interpretação do eletrocardiograma
  • 21. 6. Derivações do ECG, bipolares dos membros Derivação I: conecta o BD (pólo negativo) com o BE (pólo positivo). Derivação II: conecta o BD (pólo negativo) com a PE (pólo positivo). Derivação III: conecta o BE (pólo negativo) com a PE (pólo positivo). Interpretação do eletrocardiograma
  • 22. 6. Derivações do ECG, bipolares dos membros Interpretação do eletrocardiograma
  • 23. 6. Derivações do ECG, unipolares dos membros aVR: conecta o BD (pólo positivo) com o coração (pólo negativo). aVL: conecta o BE (pólo positivo) com o coração (pólo negativo). aVF: conecta a PE (pólo positivo) com o coração (pólo negativo). Interpretação do eletrocardiograma
  • 24. Interpretação do eletrocardiograma 6. Derivações do ECG, colocação dos eletrodos precordiais
  • 25. Interpretação do eletrocardiograma 7. Eixos elétricos Referem-se à força e à direção da onda de despolarização através do coração. São chamados de vetor QRS médio. Seguem a direção do sistema de condução.
  • 26. Interpretação do eletrocardiograma 7. Eixos elétricos, desvios Ocorre quando a atividade elétrica no coração afasta- se das áreas de lesão ou necrose. Normal: entre 0 e 90°. Desvio do eixo para a direita: entre 90 e 180°. Desvio do eixo para a esquerda: entre 0 e -90°. Desvio extremo do eixo: entre -180 e -90°.
  • 27. 7. Eixos elétricos, determinação - - - - + + + + II 60° III 120° I 0° AVL - 30° AVR 210° AVF Interpretação do eletrocardiograma
  • 28. DerivaçõesDerivações A B C D A - B + A + B – C + D – C - D + A - B + A + B – C + D – C - D +
  • 29. Interpretação do eletrocardiograma 7. Eixos elétricos, desvios para a esquerda Envelhecimento. Estenose aórtica. IAM de parede inferior. Bloqueio de ramo esquerdo. Hipertrofia de ventrículo esquerdo. Alterações mecânicas (ascite, gestação, tumores).
  • 30. Interpretação do eletrocardiograma 7. Eixos elétricos, desvios para a direita Enfisema pulmonar. IAM de parede lateral. Hipertensão pulmonar. Estenose pulmonar. Bloqueio de ramo direito. Hipertrofia ventricular direita.
  • 31. Interpretação do eletrocardiograma 8. O ECG, método de avaliação Determine o ritmo. Determine a freqüência. Avalie a onda P. Meça o Intervalo PR. Determine a duração do QRS. Examine as ondas T. Meça o Intervalo QT. Verifique a presença de batimentos ectópicos ou outras anormalidades. Determine o eixo.
  • 32. Determinar o Ritmo Avalie a distancia entre os intervalos R- R a fim de verificar ritmo ventricular. Avalie a distancia entre os intervalos P-P afim de avaliar ritmo atrial.
  • 36. Avaliar Freqüência O método de 10 vezes: observe que o papel do ECG está marcado com intervalos de 3 segundos ou 15 Quadrados grandes, para determinar a freqüência atrial Obtenha um traçado de 6 segundos, conte o numero de ondas P,e multiplique por 10,pois dez traçados de 6 segundos representam um minuto
  • 37. Avaliar a Freqüência. O método do 1500 Se o ritmo cardíaco for regular, conte o quadrados pequenos entre ponto idênticos em duas ondas P consecutivas e depois divida por 1500, pois 1500 quadrados Pequenos correspondem a 1 minuto.
  • 39. Avaliar a Freqüência. O método de 300 Divida 300 pelo quantidade de quadrados grandes entre os intervalos RR
  • 42. Interpretação do eletrocardiograma Sumário 1. Arritmias do nódulo sinusal 2. Arritmias atriais 3. Arritmias ventriculares 4. Bloqueios atrioventriculares 5. Desequilíbrios eletrolíticos Bloco 2 Arritmias Cardíacas
  • 43. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias 1. Ritmo sinusal (RS) É o ritmo fisiológico do coração Se origina no AD alto Presença de ondas P + Pode variar entre –30 e +90 graus Duração inferior a 110 ms Amplitude máxima de 3 mm 2. Taquicardia sinusal (TS) FC > de 100 bpm 3. Bradicardia sinusal (BS) FC < de 50 bpm
  • 45. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias B. Outras arritmias de origem supraventricular 1. Fibrilação atrial (FA) Ritmo secundário à atividade elétrica atrial desorganizada Linha de base que pode se apresentar isoelétrica, com irregularidades finas, grosseiras, ou por um misto dessas alterações. FC irregulares e, com isso, a ciclos RR não constantes Ondas “F”, com freqüência entre 450 e 700 ciclos por minuto.
  • 46. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias
  • 47. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias B. Outras arritmias de origem supraventricular 2. Flutter atrial comum (FluAC) Ondas “F”, com aspecto de dentes de serrote Freqüência entre 240 e 340 bpm ??????? Negativas nas derivações inferiores e Geralmente, positivas em V1 ondas “F” nas derivações DI e aVL de baixa voltagem. A presença de resposta ventricular elevada (condução 1:1 ou 2:1) pode dificultar a visualização eletrocardiográfica das ondas “F”
  • 48. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias
  • 50. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias C. Arritmias ventriculares 1. Extra-sístole ventricular (EV) Apresenta-se como batimento originado no ventrículo, precocemente com pausa pós-extra-sistólica, quando recicla o intervalo RR Caso não ocorra modificação no intervalo RR, é chamada de extra-sístole interpolada. Se possuidora da mesma forma eletrocardiográfica, deve ser denominada de monomórfica e, se tiver formas diversas, de polimórfica De acordo com sua freqüência, pode ser classificada em isolada, pareada, em salva, bigeminada, trigeminada, quadrigeminada, etc Deve ser abreviada com a sigla EV e, no plural, EEVV.
  • 53. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias C. Arritmias ventriculares 2. Taquicardia ventricular sustentada monomórfica (TVSM) Ritmo ventricular tem morfologia uniforme, freqüência superior a 100 bpm Duração maior de 30s. 3. Taquicardia ventricular sustentada polimórfica (TVSP) Ritmo ventricular com QRS de morfologia variável Freqüência superior a 100 bpm Duração superior a 30s.
  • 55. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias C. Arritmias ventriculares 4. Taquicardia ventricular não sustentada (TVNS) Ritmo ventricular repetitivo, com 3 ou mais batimentos consecutivos, autolimitado Com duração inferior a 30s FC superior a 100 bpm 5. Taquicardia ventricular tipo torsades de pointes (TdP) Taquicardia com QRS largo, polimórfica, autolimitada Com QRS “girando” em torno da linha de base Precedida por ciclos: longo-curto (extra- sístole-batimento sinusal - extra- sístole) ????????e QT longo
  • 57. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias C. Arritmias ventriculares 6. Fibrilação ventricular (FV) Caracteriza-se por ondas bizarras, caóticas, de amplitude e freqüência variáveis. Pode ser precedido de TV ou torsades de pointes, que degeneraram em FV Clinicamente, corresponde à PCR
  • 60. Interpretação do eletrocardiograma Arritmias cardíacas Bloqueios atrioventriculares
  • 61. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias D. Condução atrioventricular 1. Bloqueio AV de primeiro grau (BAVI) O intervalo PR é superior a 0,20 s FC inferior a 90 bpm 2. Bloqueio AV de segundo grau tipo Mobitz I (com fenômeno de Wenckebach) (BAVII- MI) O alentecimento da condução AV é gradativo Existe aumento progressivo do intervalo PR sendo tais acréscimos gradativamente menores até que a condução AV fique bloqueada e um batimento atrial não consiga ser conduzido
  • 62. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias
  • 63. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias D. Condução atrioventricular 3. Bloqueio AV de segundo grau tipo Mobitz II (BAVII-MII) existe uma claudicação súbita da condução AV Nota-se condução AV 1:1 com intervalo PR fixo e, repentinamente, uma onda P bloqueada Seguida por nova condução AV 1:1 com PR semelhante aos anteriores A freqüência da claudicação pode ser variável, por exemplo, 5:4, 4:3, 3:2
  • 64. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias D. Condução atrioventricular 4. Bloqueio AV 2:1 (BAV2:1) Para cada dois batimentos de origem atrial, um é conduzido e despolariza o ventrículo e outro é bloqueado e não consegue despolarizar o ventrículo
  • 66. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias D. Condução atrioventricular 6. Bloqueio AV do terceiro grau ou BAV total (BAVT) Neste caso, os estímulos de origem atrial não conseguem chegar aos ventrículos e despolarizá-los Fazendo com que um foco abaixo da região de bloqueio assuma o ritmo ventricular Não existe correlação entre a atividade elétrica atrial e ventricular No ECG ondas P não relacionadas ao QRS A freqüência do ritmo atrial é maior que a do ritmo de escape ventricular
  • 68. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias D. Condução atrioventricular 8. Condução intraventricular com padrão de préexcitação (WPW) Espaço PR curto com presença de onda delta que demonstra padrão de despolarização ventricular precoce e anômala por via acessória.
  • 69. I- Critérios Eletrocardiográficos para Caracterização das Arritmias
  • 70. Interpretação do eletrocardiograma Arritmias cardíacas Desequilíbrios eletrolíticos
  • 71. III – Critérios Eletrocardiográficos para a caracterização de Situações Especiais 1. Distúrbios eletrolíticos 2.1 Hipopotassemia Aumento da amplitude da onda U depressão do SST e da onda T aumento do intervalo QTU 2.2 Hiperpotassemia Onda T apiculada e de base estreita redução do intervalo QTc distúrbio de condução intraventricular (QRS alargado)
  • 74. Interpretação do eletrocardiograma Sumário 1. Isquemia subepicárdica 2. Isquemia subendocárdica 3. Lesão subepicárdica 4. Lesão subendocárdica 5. Necrose 6. Infartos especiais Bloco 3 Isquemias Cardíacas
  • 75. II – Critérios Elétrocardiográficos para a Caracterização de Isquemia, Lesão e Área Elétricamente Inativa A. Isquemia 1. Isquemia subepicárdica Alterações da repolarização ventricular Onda T negativa, pontiaguda e simétrica na parede correspondente 2. Isquemia subendocárdica Alterações da repolarização ventricular onda T positiva, pontiaguda e simétrica na parede correspondente
  • 76. II – Critérios Elétrocardiográficos para a Caracterização de Isquemia, Lesão e Área Elétricamente Inativa B. Lesão 1. Lesão subepicárdica Supradesnivelamento do ponto J e do segmento ST com convexidade superior deste segmento nas derivações que exploram a lesão 2. Lesão subendocárdica Infradesnivelamento do ponto J e do segmento ST com concavidade superior deste segmento nas derivações que exploram a lesão
  • 79. II – Critérios Elétrocardiográficos para a Caracterização de Isquemia, Lesão e Área Elétricamente Inativa C. Necrose ondas QS ou Qr, sugestivas, respectivamente, de necrose transmural ou subepicárdica, acompanhadas de ondas T negativas, nas derivações que exploram a necrose Se diz “zona eletricamente inativa da área...”
  • 94. IV – Referências Bibliográficas 1. Diretriz de interpretação de eletrocardiograma de repouso Arq Bras Cardiol volume 80, (suplemento II), 2003. 2. SAVP Manual para provedores American Heart Association, 2003. 3. Enfermagem médico-cirúrgica Brunner e Suddart, 8ª ed, 1998. 4. Blackbook de Clínica Médica Pedrosa, E. R. P; Oliveira, R. G. 1ª ed, 2007.