SlideShare uma empresa Scribd logo
CRISE CONVULSIVA E
QUEDAS
2 ANO TÉCNICO EM
ENFERMAGEM
CRISE CONVULSIVA
Uma convulsão ocorre quando há uma
atividade elétrica anormal do cérebro. Essa
atividade anormal pode passar despercebida
ou, em casos mais graves, pode produzir uma
alteração ou perda de consciência
acompanhada de espasmos musculares
involuntários - que é definido como crise
convulsiva ou convulsão. As convulsões
geralmente vêm de repente e variam em
duração e gravidade. A convulsão pode ser
um evento único ou acontecer repetidas
vezes. Crises recorrentes caracterizam o
diagnóstico de epilepsia.
CAUSAS
Estruturas do SNC
Isquemia, infecções do SNC ou
sistêmicas, tumores, eclampsia, doenças
cerebrovasculares, epilepsia, doenças
degenerativas cerebrais.
Causas externas
Intoxicação exógena por
cocaína,anfetaminas,antidepressivos,salici
latos,pesticidas,hidrocarbonetos,metais,c
anfora, abstinência de
medicamentos/drogas,picada de
escorpião, antibióticos.
Metabólicas
Hipo e
hipernastremia,hipocalcemia,hipomagnesi
a,hipo e hiperglicemia,febre,hipóxia,
insuficiência hepática,uremia,insuficiência
adrenal,eclampsia,hipertireodismo,abstin
CLASSIFICAÇÃO
Crises generalizada
 Crises de ausência (pequeno mal)
 Tônicos- clônicas (grande mal)
Convulsões focais ou parciais
TRATAMENTO EM DOMICÍLIO
O primeiro passo e determinar se a crise é realmente convulsiva ou se
trata-se de um evento paroxístico como síncope, amnesia global
transitória, vertigem posicional paroxística ou crises psicogênicas –
muito frequentes e desencadeadas por estresse, com duração de 15 a
30 minutos ou mais, sempre na frente de outras pessoas, com choro,
comportamento bizarro e fechamento forcado dos olhos.
Uma vez confirmada a crise epiléptica, na vigência da crise tônico-
clônica, deve-se proceder conforme indicado abaixo:
• Monitorar sinais vitais.
• Oferecer oxigênio por cateter ou máscara nasal.
• Protege-lo contra quedas.
• Medir glicemia capilar.
• Medir oximetria se possível
INDICAÇÕES DE
HOSPITALIZAÇÃO/ENCAMINHAMENTO
PARA URGÊNCIA
Se as medidas acima não puderem ser realizadas por qualquer
motivo, ou se realizadas e ineficazes, acionar o plantão do Samu
imediatamente.
• Se as crises estiverem repetidas, convém avaliação com
propedêutica especifica para ajuste de doses dos antiepilépticos.
• Se houver sinais de traumatismo cranioencefálico (TCE) ou
infecção de sistema nervoso central ou sinal neurológico
localizatório.
• Se permanecerem alterações ao exame neurológico, torpor,
cianose e hipoventilação, ou estado de mal epiléptico (cinco minutos
de crise ou duas crises seguidas sem recuperação do estado mental
entre crises).
QUEDAS
Em linhas gerais, queda e um evento que resulta
em uma mudança de posição abrupta ficando
sobre o chão ou em nível inferior. Pode ser
também consequência de um golpe violento,
perda da consciência, ataques súbitos de paralisia
e ataques epilépticos (TODD; SKELTON, 2004).
Para os estudos sobre quedas em idosos, essas
situações que fariam qualquer outra pessoa vir ao
solo são excluídas, pois os fatores de risco e as
circunstancias na população geriátrica diferem de
outras faixas etárias.
MEDIDAS DE INTERVENÇÃO
DOMICILIAR
Adaptação do ambiente
Orientação sobre a hábitos e comportamentos de risco
Para idosos uma das intervenções mais importante é a revisão da
prescrição medicamentosa e a retirada de itens que favoreça quedas.
ABORDAGEM IMEDIATA PÓS
QUEDAS
Limpeza e imobilização do segmento lesionado até estabilização dos
sintomas.
Avaliar a suspeita de fratura e presença de sintomas neurológicos.
Bolsa de gelo local.
Analgésicos/anti-inflamatório VO.
INDICAÇÃO DE
HOSPITALIZAÇÃO/ENCAMINHAMENTO A
URGÊNCIA
Queda seguida de incapacidade de mobilização espontânea.
Fratura exposta evidente ou suspeita.
Dor ou sangramento incontrolável.
Suspeita de TCE concomitante , com presença de sintomas
neurológicos (letargia, desmaio ,vômitos em jato, confusão mental ) .
Suspeita de lesão interna.
SINAIS DE ALERTA NO DOMICÍLIO
Alteração do estado mental
Perda transitória ou imediata da consciência.
Cefaleia progressiva e refratária.
História concomitante de uso de drogas ou álcool.
Convulsões ou vômitos.
Sangramento pelo ouvido ou nariz.
Hematoma tipo olhos de guaxinim
Fratura concomitante de face ou outra parte do corpo.
Idade abaixo de 2 anos
BIBLIOGRAFIA
Caderno de atenção domiciliar volume 2
Google imagens
http://www.minhavida.com.br/saude/temas/convulsao

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Epilepsia e crise convulsiva
Epilepsia e crise convulsivaEpilepsia e crise convulsiva
Epilepsia e crise convulsiva
Lucy França
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
Inaiara Bragante
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
Rosemeire Moreira Souza
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
resenfe2013
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
resenfe2013
 
RCP
RCPRCP
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
Aroldo Gavioli
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
eduardo leao
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
Anestesiador
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
jessica sanielly
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
Will Nunes
 
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
14ª aula   intoxicações exogenas Silvio14ª aula   intoxicações exogenas Silvio
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
Prof Silvio Rosa
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
Efigênia Barros
 
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópiaParada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
Obomdavida Obomdavida
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
Ricardo Augusto
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
Danilo Nunes Anunciação
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
Renatbar
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Aline Bandeira
 

Mais procurados (20)

Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Epilepsia e crise convulsiva
Epilepsia e crise convulsivaEpilepsia e crise convulsiva
Epilepsia e crise convulsiva
 
Aula residência ave avc
Aula residência ave avcAula residência ave avc
Aula residência ave avc
 
Urgência e Emergência
Urgência e EmergênciaUrgência e Emergência
Urgência e Emergência
 
Carro de Emergência
Carro de EmergênciaCarro de Emergência
Carro de Emergência
 
Crise hipertensiva
Crise hipertensivaCrise hipertensiva
Crise hipertensiva
 
RCP
RCPRCP
RCP
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Balanco hidrico
Balanco hidricoBalanco hidrico
Balanco hidrico
 
Aula PCR
Aula PCRAula PCR
Aula PCR
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
14ª aula   intoxicações exogenas Silvio14ª aula   intoxicações exogenas Silvio
14ª aula intoxicações exogenas Silvio
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
 
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópiaParada cardio-respiratoria -11 cópia
Parada cardio-respiratoria -11 cópia
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Aula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergênciaAula 1 - Urgência e emergência
Aula 1 - Urgência e emergência
 
Sistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagemSistematização da assistência de enfermagem
Sistematização da assistência de enfermagem
 
Aula biossegurança
Aula biossegurançaAula biossegurança
Aula biossegurança
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 

Semelhante a Crise convulsiva e quedas

crise convulsiva.pptx
crise convulsiva.pptxcrise convulsiva.pptx
crise convulsiva.pptx
ElaineCamargos
 
antiepilepticos e anti hipertensivos.pdf
antiepilepticos e anti hipertensivos.pdfantiepilepticos e anti hipertensivos.pdf
antiepilepticos e anti hipertensivos.pdf
MARIANEZIMMERLESANTA
 
Epilepsia gabi ab
Epilepsia  gabi abEpilepsia  gabi ab
Epilepsia gabi ab
neuroliga-nortemineira
 
Epilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quintaEpilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quinta
jessicabehrens
 
Epilepsia apresentacao docente paiota.pptx
Epilepsia apresentacao docente paiota.pptxEpilepsia apresentacao docente paiota.pptx
Epilepsia apresentacao docente paiota.pptx
IvanTech4
 
Epilepsia Final
Epilepsia FinalEpilepsia Final
Epilepsia Final
guest700f6c8
 
Epilepsia final
Epilepsia finalEpilepsia final
Epilepsia final
Sílvia Pimenta
 
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptxcepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
Marcio Domingues
 
Epilepsia 2
Epilepsia 2Epilepsia 2
Epilepsia 2
Sofia Pinheiro
 
Convulsão
ConvulsãoConvulsão
Convulsão
Sharon Sampaio
 
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptxAula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
JordevBarbosa
 
Esclerose Multipla
Esclerose MultiplaEsclerose Multipla
Esclerose Multipla
PauloTrocoli2
 
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (NeuroanatPsicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
BeatrizVieira226546
 
Convulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufopConvulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufop
Leonardo Savassi
 
Convulsoes na infancia ufop
Convulsoes na infancia ufopConvulsoes na infancia ufop
Convulsoes na infancia ufop
Leonardo Savassi
 
ECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptxECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptx
LisaSilva37
 
Alterações do funcionamento do sistema nervoso
Alterações do funcionamento do sistema nervosoAlterações do funcionamento do sistema nervoso
Alterações do funcionamento do sistema nervoso
Pedro Alves
 
SLIDE EPLEPSIA.pptx
SLIDE EPLEPSIA.pptxSLIDE EPLEPSIA.pptx
SLIDE EPLEPSIA.pptx
BLACKNET4
 
Epilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - NeuropsicologiaEpilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - Neuropsicologia
Deisiane Cazaroto
 

Semelhante a Crise convulsiva e quedas (20)

crise convulsiva.pptx
crise convulsiva.pptxcrise convulsiva.pptx
crise convulsiva.pptx
 
antiepilepticos e anti hipertensivos.pdf
antiepilepticos e anti hipertensivos.pdfantiepilepticos e anti hipertensivos.pdf
antiepilepticos e anti hipertensivos.pdf
 
Epilepsia gabi ab
Epilepsia  gabi abEpilepsia  gabi ab
Epilepsia gabi ab
 
Epilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quintaEpilepsia med 4 ..quinta
Epilepsia med 4 ..quinta
 
Epilepsia apresentacao docente paiota.pptx
Epilepsia apresentacao docente paiota.pptxEpilepsia apresentacao docente paiota.pptx
Epilepsia apresentacao docente paiota.pptx
 
Epilepsia Final
Epilepsia FinalEpilepsia Final
Epilepsia Final
 
Epilepsia final
Epilepsia finalEpilepsia final
Epilepsia final
 
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
 
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptxcepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
cepeti-apresentacao-luis-felipe-11-09-1fabbfa2.pptx
 
Epilepsia 2
Epilepsia 2Epilepsia 2
Epilepsia 2
 
Convulsão
ConvulsãoConvulsão
Convulsão
 
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptxAula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
Aula 3 - Patologias aprese Neurológicas.pptx
 
Esclerose Multipla
Esclerose MultiplaEsclerose Multipla
Esclerose Multipla
 
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (NeuroanatPsicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
Psicologia Lesões do snc.pptx (Neuroanat
 
Convulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufopConvulsões na infância ufop
Convulsões na infância ufop
 
Convulsoes na infancia ufop
Convulsoes na infancia ufopConvulsoes na infancia ufop
Convulsoes na infancia ufop
 
ECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptxECLEROSE 2.pptx
ECLEROSE 2.pptx
 
Alterações do funcionamento do sistema nervoso
Alterações do funcionamento do sistema nervosoAlterações do funcionamento do sistema nervoso
Alterações do funcionamento do sistema nervoso
 
SLIDE EPLEPSIA.pptx
SLIDE EPLEPSIA.pptxSLIDE EPLEPSIA.pptx
SLIDE EPLEPSIA.pptx
 
Epilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - NeuropsicologiaEpilepsia - Neuropsicologia
Epilepsia - Neuropsicologia
 

Mais de Natalia Mikaele Vasconcellos

Seminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio Texeira
Seminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio TexeiraSeminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio Texeira
Seminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio Texeira
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Seminário de ppre escarro
Seminário de ppre escarroSeminário de ppre escarro
Seminário de ppre escarro
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
equinodermos
equinodermosequinodermos
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Sistema endócrino.pptx
Sistema endócrino.pptxSistema endócrino.pptx
Sistema endócrino.pptx
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Musicoterapia trabalho de mt
Musicoterapia trabalho de mtMusicoterapia trabalho de mt
Musicoterapia trabalho de mt
Natalia Mikaele Vasconcellos
 
Trabalho gonorreia
Trabalho gonorreiaTrabalho gonorreia
Trabalho gonorreia
Natalia Mikaele Vasconcellos
 

Mais de Natalia Mikaele Vasconcellos (7)

Seminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio Texeira
Seminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio TexeiraSeminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio Texeira
Seminário de sociologia sobre Paulo Freire e Anísio Texeira
 
Seminário de ppre escarro
Seminário de ppre escarroSeminário de ppre escarro
Seminário de ppre escarro
 
equinodermos
equinodermosequinodermos
equinodermos
 
Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários Poríferos e cnidários
Poríferos e cnidários
 
Sistema endócrino.pptx
Sistema endócrino.pptxSistema endócrino.pptx
Sistema endócrino.pptx
 
Musicoterapia trabalho de mt
Musicoterapia trabalho de mtMusicoterapia trabalho de mt
Musicoterapia trabalho de mt
 
Trabalho gonorreia
Trabalho gonorreiaTrabalho gonorreia
Trabalho gonorreia
 

Último

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FredFringeFringeDola
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 

Último (20)

(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
FICHA DE APOIO DE ESCOLA SECUNDÁRIA 2024
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 

Crise convulsiva e quedas

  • 1. CRISE CONVULSIVA E QUEDAS 2 ANO TÉCNICO EM ENFERMAGEM
  • 2. CRISE CONVULSIVA Uma convulsão ocorre quando há uma atividade elétrica anormal do cérebro. Essa atividade anormal pode passar despercebida ou, em casos mais graves, pode produzir uma alteração ou perda de consciência acompanhada de espasmos musculares involuntários - que é definido como crise convulsiva ou convulsão. As convulsões geralmente vêm de repente e variam em duração e gravidade. A convulsão pode ser um evento único ou acontecer repetidas vezes. Crises recorrentes caracterizam o diagnóstico de epilepsia.
  • 3. CAUSAS Estruturas do SNC Isquemia, infecções do SNC ou sistêmicas, tumores, eclampsia, doenças cerebrovasculares, epilepsia, doenças degenerativas cerebrais. Causas externas Intoxicação exógena por cocaína,anfetaminas,antidepressivos,salici latos,pesticidas,hidrocarbonetos,metais,c anfora, abstinência de medicamentos/drogas,picada de escorpião, antibióticos. Metabólicas Hipo e hipernastremia,hipocalcemia,hipomagnesi a,hipo e hiperglicemia,febre,hipóxia, insuficiência hepática,uremia,insuficiência adrenal,eclampsia,hipertireodismo,abstin
  • 4. CLASSIFICAÇÃO Crises generalizada  Crises de ausência (pequeno mal)  Tônicos- clônicas (grande mal) Convulsões focais ou parciais
  • 5. TRATAMENTO EM DOMICÍLIO O primeiro passo e determinar se a crise é realmente convulsiva ou se trata-se de um evento paroxístico como síncope, amnesia global transitória, vertigem posicional paroxística ou crises psicogênicas – muito frequentes e desencadeadas por estresse, com duração de 15 a 30 minutos ou mais, sempre na frente de outras pessoas, com choro, comportamento bizarro e fechamento forcado dos olhos.
  • 6. Uma vez confirmada a crise epiléptica, na vigência da crise tônico- clônica, deve-se proceder conforme indicado abaixo: • Monitorar sinais vitais. • Oferecer oxigênio por cateter ou máscara nasal. • Protege-lo contra quedas. • Medir glicemia capilar. • Medir oximetria se possível
  • 7. INDICAÇÕES DE HOSPITALIZAÇÃO/ENCAMINHAMENTO PARA URGÊNCIA Se as medidas acima não puderem ser realizadas por qualquer motivo, ou se realizadas e ineficazes, acionar o plantão do Samu imediatamente. • Se as crises estiverem repetidas, convém avaliação com propedêutica especifica para ajuste de doses dos antiepilépticos. • Se houver sinais de traumatismo cranioencefálico (TCE) ou infecção de sistema nervoso central ou sinal neurológico localizatório. • Se permanecerem alterações ao exame neurológico, torpor, cianose e hipoventilação, ou estado de mal epiléptico (cinco minutos de crise ou duas crises seguidas sem recuperação do estado mental entre crises).
  • 8.
  • 9. QUEDAS Em linhas gerais, queda e um evento que resulta em uma mudança de posição abrupta ficando sobre o chão ou em nível inferior. Pode ser também consequência de um golpe violento, perda da consciência, ataques súbitos de paralisia e ataques epilépticos (TODD; SKELTON, 2004). Para os estudos sobre quedas em idosos, essas situações que fariam qualquer outra pessoa vir ao solo são excluídas, pois os fatores de risco e as circunstancias na população geriátrica diferem de outras faixas etárias.
  • 10. MEDIDAS DE INTERVENÇÃO DOMICILIAR Adaptação do ambiente Orientação sobre a hábitos e comportamentos de risco Para idosos uma das intervenções mais importante é a revisão da prescrição medicamentosa e a retirada de itens que favoreça quedas.
  • 11. ABORDAGEM IMEDIATA PÓS QUEDAS Limpeza e imobilização do segmento lesionado até estabilização dos sintomas. Avaliar a suspeita de fratura e presença de sintomas neurológicos. Bolsa de gelo local. Analgésicos/anti-inflamatório VO.
  • 12. INDICAÇÃO DE HOSPITALIZAÇÃO/ENCAMINHAMENTO A URGÊNCIA Queda seguida de incapacidade de mobilização espontânea. Fratura exposta evidente ou suspeita. Dor ou sangramento incontrolável. Suspeita de TCE concomitante , com presença de sintomas neurológicos (letargia, desmaio ,vômitos em jato, confusão mental ) . Suspeita de lesão interna.
  • 13. SINAIS DE ALERTA NO DOMICÍLIO Alteração do estado mental Perda transitória ou imediata da consciência. Cefaleia progressiva e refratária. História concomitante de uso de drogas ou álcool. Convulsões ou vômitos. Sangramento pelo ouvido ou nariz. Hematoma tipo olhos de guaxinim Fratura concomitante de face ou outra parte do corpo. Idade abaixo de 2 anos
  • 14. BIBLIOGRAFIA Caderno de atenção domiciliar volume 2 Google imagens http://www.minhavida.com.br/saude/temas/convulsao