SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
“ A Abertura de uma nova terra era na
Teoria de Administração: o abandono das
posições normativas e prescritivas das
teorias antecessores”
(Chiavenato, 1983)
Surge no final da década de 40 uma redefinição total dos
conceitos administrativos, vindo a significar uma nova direção e um
novo enfoque dentro da Teoria.
Criticou as teorias anteriores e colocou em ordem as
abordagens, ampliando seu conteúdo e diversificando sua natureza.
◦ Ênfase no comportamento humano
◦ Busca da eficácia através da motivação
◦ Privilegia os aspectos intra-organizacionais
◦ Liderança
◦ Aceitação da autoridade e do processo decisório
◦ Visão do homem administrativos
◦ Abraham Maslow
◦ Frederick Herzberg
◦ Douglas McGregor
◦ Herbert Simon
◦ Chester Barnard
◦ Chris Argyris
◦ Rensis Likert
o O comportamento individual das pessoas leva ao estudo da
motivação humana
o O homem é um animal complexo dotado de necessidades
o Processo continuo de substituição da satisfação de necessidades
o O administrador deve conhecer as necessidades humanas para a
compreensão do comportamento
o O Administrador deve saber utilizar a motivação humana como
uma arma para alcançar uma melhor qualidade de vida, dentro das
organizações
o Cada indivíduo possui uma
multiplicidade de motivações /
necessidades, interligadas
entre si (efeito global e
conjunto no organismo).
o Criticada por ter que seguir a
ordem.
o Qualquer comportamento motivado é um canal pelo qual as
necessidades podem ser expressas ou satisfeitas;
o A possibilidade de insatisfação de certas necessidades
torna-se uma ameaça psicológica, ao produzir reações
gerais de emergência no comportamento.
A motivação individual:
Estímulos Comportamento
Necessidades
individuais
o A criação de um ambiente, criado pela organização, que
permita a auto-realização máxima do indivíduo.
Fatores Determinantes na
Hierarquia das Necessidades
Frederick Herzberg formulou a teoria dos dois fatores para
explicar o comportamento das pessoas em situações de trabalho.
Para ele existem dos fatores que contribuem para o comportamento
das pessoas, os fatores higiênicos e fatores motivacionais.
Para proporcionar continuamente motivação no trabalho, ele
propõe o “enriquecimento de tarefas” ou “ enriquecimento do cargo” :
consiste em substituir as tarefas simples e elementares do cargo por
tarefas mais complexas para acompanhar o crescimento individual de
cada empregado, oferecendo-lhe condições de desafios e satisfação
profissional.
O enriquecimento de tarefas depende dos desenvolvimentos
de cada individuo e deve adequar-se as suas características
individuais de mudança
mais elevadas
Para enriquecer o
cargo, deve-se
rearranjar os seus
elementos
Automatizar ou
atribuir as tarefas
mais simples aos
outros
Incluir o trabalho
posterior
Incluir o pré- trabalho
Carga Vertical - Maior Profundidade
Atribuir
responsabilidades
Carga horizontal
maior amplitude
◦A satisfação no cargo depende dos dois fatores motivacionais ou
satisfacientes: o conteúdo ou atividades desafiantes estimulantes
do cargo desempenhado pela pessoa.
◦A insatisfação no cargo depende dos fatores higiênicos ou
insatisfacientes: o ambiente de trabalho, salário, benefícios
recebidos, supervisão, colegas e contexto geral que envolve o
cargo ocupado.
A Teoria
Comportamental
oferece uma variedade
de estilos de
administração a
disposição do
administrador. Cada
teoria administrativa
baseia–se em
convicções obre a
maneira pela qual as
pessoas se comportam
dentro das
organizações
McGregor compara dois estilos opostos e antagônicos de
administrar: de um lado, um estilo baseado na teoria tradicional,
mecanicista e pragmática (a que deu o nome de Teoria X), e, de
outro, um estilo baseado nas concepções modernas a respeito do
comportamento humano (Teoria Y).
É a concepção tradicional de administração e baseia-se em
convicções errôneas e incorretas sobre o comportamento
humano, a saber:
o O homem é indolente e preguiçoso por natureza;
o Falta-lhe ambição, sendo o homem egocêntrico e seus
objetivos pessoais opõem-se, em geral, aos objetivos da
organização;
o Resiste às mudanças;
o A sua dependência torna-o incapaz de autocontrole e
autodisciplina.
A Teoria X reflete um estilo de administração duro, rígido e
autocrático. As pessoas são visualizadas como meros recursos ou
meios de produção. Para a Teoria X, a administração caracteriza-se
pelos seguintes aspectos:
oA administração promove a organização dos recursos da empresa
no interesse exclusivo de seus objetivos econômicos;
oA administração é um processo de dirigir os esforços das pessoas,
incentivá-las, controlar suas ações e modificar o seu comportamento
para atender às necessidades da empresa;
oAs atividades devem ser padronizadas e dirigidas em função dos
objetivos da empresa
oA remuneração é um meio de recompensa ou punição para o bom
trabalhador.
É a moderna concepção de administração de acordo coma
Teoria Comportamental. A Teoria Y baseia-se em concepções e
premissas atuais e sem preconceitos a respeito da natureza
humana, a saber:
o As pessoas não têm desprazer inerente de trabalhar;
o As pessoas não são passivas ou resistentes às necessidades
da empresa;
o O homem médio aprende sob certas condições a aceitar, mas
também a procurar responsabilidade.
oAlto grau de criatividade na solução de problemas é distribuído à
todos.
A Teoria Y desenvolve um estilo de administração aberto,
dinâmico e democrático, através do qual administrar torna-se um
processo de criar oportunidades, liberar potenciais, remover
obstáculos, encorajar o crescimento individual e proporcionar
orientação quanto a objetivos. A administração segundo a Teoria Y
caracteriza-se pelos seguintes aspectos:
oA motivação, potencial de desenvolvimento, capacidade de
assumir responsabilidade, de dirigir o comportamento para os
objetivos da empresa;
oA tarefa essencial da administração é criar condições
organizacionais e métodos de operação através dos quais as
pessoas possam atingir melhor os objetivos pessoais.
Segundo McGregor a Teoria Y é aplicada nas empresas através
de um estilo de direção baseado em medidas inovadoras e
humanistas, a saber:
o Descentralização das decisões e delegação de responsabilidades;
o Ampliação do cargo para maior significado do trabalho;
o Participação nas decisões e administração consultiva;
o Auto-avaliação do desempenho.
TRABALHO
Orientados para o trabalho
o Subdivisão e
fragmentação do trabalho
em partes componentes
o Seleção e treino das
pessoas mais adequadas
o Pressão constante
o Preocupação exclusiva
com o trabalho
Orientados para o empregado
o Ênfase dirigida para os seres
humanos
o Preocupação em
compreender e ajudar os
subordinados
o Supervisão mais geral no
trabalho
o Preocupação mais acentuada
nas metas
Variáveis
Causais
o Estrutura
organizacional
o Controles
o Políticas
o Liderança
Variáveis
Intervenientes
o Atitudes
o Motivações
o Percepções de
todos os membros
Variáveis
Resultantes
o Produtividade
o Lucros
o Custos
Likert propõe uma classificação de sistemas administrativos,
definindo quatro perfis organizacionais.
Em função das variáveis processo decisorial, sistema de
comunicação, relacionamento interpessoal e sistema de recompensas e
punições, distinguem-se os seguintes sistemas administrativos:
o Sistema 1: “Autoritário Coercitivo” (ou Autoritário Explorador)
o Sistema 2: “Autoritário Benevolente” (ou Autoritário Paternalista)
o Sistema 3: “Consultivo”
o Sistema 4: “Participativo” (ou Participação por Grupos)
SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO
Variáveis
principais
1-Autoritário-
coercivo
2-Autoritário-
Benevolente
3 - Consultivo 4- Participativo
Processo
Decisorial
Totalmente
centralizado na
cúpula
Centralizado na cúpula
mas permitindo diminuta
delegação de carácter
rotineiro
Consulta aos níveis
inferiores,
permitindo
participação e
delegação
Totalmente delegado
e descentralizado.
Nível institucional
define políticas e
controla resultados
Sistemas de
Comunicaçã
o
Bastante precário.
Apenas
comunicações
verticais
descendentes
carregando ordens
Relativamente precário,
prevalecendo
comunicações
descendentes sobre os
ascendentes
Procura-se facilitar o
fluxo no sentido
vertical
(descendente e
ascendente) e
horizontal
Sistemas de
comunicação
eficientes são
fundamentais para o
sucesso da empresa
Relações
Interpessoais
Organização informal
é vedada e
considerada
prejudicial. Cargos e
tarefas confinam as
pessoas
São toleradas, com certa
condescendência.
Organização informal
incipiente e considerada
como uma ameaça à
empresa
Certa confiança nas
pessoas. A empresa
procura facilitar o
desenvolvimento de
uma organização
informal sadia
Trabalho realizado
em equipas.
Formação de grupos
torna-se importante.
Confiança mútua,
participação.
Sistemas de
Recompensa
s e punições
Ênfase em punições e
medidas disciplinares.
Obediência estrita
aos regulamentos
internos. Raras
recompensas (de
cunho estritamente
salarial)
Ênfase em punições e
medidas disciplinares
mas com menor
arbitrariedade.
Recompensas salariais
mais frequentes.
Recompensas sociais
são raras
Ênfase nas
recompensas
materiais
(principalmente
salários).
Recompensas
sociais ocasionais.
Raras punições ou
castigos.
Ênfase nas
recompensas
sociais. Punições
são raras e, quando
ocorrem, são
definidas pelos
grupos.
Teoria Y
Teoria X
Sistema 1
Produz resultados desejados a curto
prazo e desvantagens a longo prazo
Sistema 4
Não produz rentabilidade a curto prazo,
mas conduz a uma lenta, firme e elevada
rentabilidade
Participativo
Autoritário
1 2 3 4 Sistemas
A organização é um sistema de decisões no qual o
indivíduo participa enquanto agente racional e consciente;
As teorias anteriores omitiram os aspectos subjetivos e
a decisão centrando-se na ação e nos aspectos objetivos,
originando erros na análise do comportamento dos indivíduos;
Segundo a perspectiva comportamentalista, é preciso
ter em conta os processos de percepção e raciocínio, já que o
indivíduo decide em função da sua percepção da situação.
A decisão envolve seis elementos:
1. O tomador de decisão
2. Objetivos
3. Preferências
4. Estratégia
5. Situação
6. Resultado
1. Percepção da situação
2. Analise e definição do problema
3. Definição dos objetivos
4. Procura de alternativa ou de cursos de ação
5. Escolha (seleção) da alternativa mais adequada ao alcance dos
objetivos
6. Avaliação e comparação das alternativas
7. Implantação das alternativas escolhidas
a. Racionalidade limitada
b. Imperfeição das decisões
c. Relatividade das decisões
d. Hierarquia das decisões
e. Racionalidade administrativa
f. Influencia organizacional
Decisões que a organização
toma pelo individuo:
a. Divisão de tarefas
b. Padrões de desempenho
c. Sistemas de autoridade
d. Canais de comunicação
e. Treinamento e doutrinação
o O comportamentalismo foca o “homem administrativo”,
que não procura a melhor maneira, o ótimo, mas a maneira
satisfatória;
o O máximo do homem administrativo é relativo,
contingencial e envolve elementos subjetivos;
o Segundo Etzioni, as organizações tendem a tornar-se
racionalmente insatisfeitas, buscando o seu permanente
aperfeiçoamento
Tomada de decisão
do ponto de vista
clássico
Problema claramente
definido
Conhecimento de
todas as alternativas
possíveis
Escolha da alternativa
“ótima”
Ação administrativa
Tomada de decisão
do ponto de vista
Comportamental
Problema não
claramente definido
Conhecimento é
limitado às possíveis
Alternativas e suas
consequências
Escolha da alternativa
“satisfatória”
Ação administrativa
Limitação
cognitiva
o Tema amplamente debatido pelos behavoristas; na sua decorrência,
Chester Barnard distinguiu os conceitos de eficiência e eficácia;
o Sofer apontou um conjunto de causas dos conflitos entre
administração e empregados, envolvendo aspectos sociais,
psicológicos, culturais, etc.;
o Chris Argyris afirma a inevitabilidade do conflito entre o indivíduo e a
organização e sublinha a importância da maturidade dos indivíduos;
o Para este autor, há um processo contínuo que leva os indivíduos do
estado da imaturidade para o estado maduro, embora poucos
consigam tornar-se plenamente maduros;
o O controle organizacional favorece o conflito;
o A reação dos indivíduos maduros ao conflito prejudica tanto a
eficiência como a eficácia;
o Para Argyris, a integração entre necessidades individuais e os
requisitos de produção de uma organização favorece a
produtividade;
o Há poucas variações no comportamento dos indivíduos em
contexto organizacional;
o Chris Argyris conclui que o estudo das organizações exige um
modelo híbrido, envolvendo níveis psicológicos e sociológicos
de análise.
o É importante distinguir “conflito” de problema ou dilema;
o Estudo do funcionamento e estrutura das organizações;
o Comportamento dos grupos e indivíduos;
o Organizações (coordenação de esforços e racional divisão do trabalho e
hierarquia) - objetivos;
o Expectativas dos participantes em relação ao comportamento da
organização;
o Interação psicológica – H. levinson – processo de reciprocidade
(sociólogos) ou “contrato psicológico” (psicólogos) – práticas, direitos,
privilégios e obrigações;
o Objetivos bem definidos e clareza de instrumentos – alto grau de
operacionalidade;
o Schein – contrato : decisão formal e “contrato psicológico” (o que
individuo e organização pretendem ganhar com relacionamento);
o Participação como forma de satisfação de necessidades pessoais –
custos – ganhos – manutenção da organização.
o Recompensas pessoais que decorrem da realização dos
objetivos da organização
o Recompensas pessoais que decorrem da importância e
desenvolvimento da organização (acionistas)
o Incentivos econômicos e incentivos psicossociais.
Organização como sistema equilibrado – recebe
contribuições dos participantes e oferece aliciantes
Identificar participantes (todos os indivíduos que recebem
incentivos e trazem contribuições – empregados, investidores,
fornecedores, distribuidores e consumidores) e fatores que afetam
decisões quanto à participação.
inter
Barnard e Simon – equilíbrio reflete êxito da organização
o Organização – sistema de comportamentos sociais
relacionados;
o Participantes e grupos recebem incentivos e fazem contribuições à
organização;
o Participante mantém participação enquanto incentivos forem iguais
ou superiores às contribuições exigidas;
o Contribuições constituem fonte na qual organização se alimenta;
o Organização existe enquanto as contribuições forem suficientes para
proporcionar incentivos que levem à participação.
March e Simon
o Incentivos – pagamentos feitos pela organização aos
participantes (salários, serviços, rendas)
Incentivos em termos de utilidade – dimensão comum
participante efetua à
o
o
o Contribuições – pagamentos que cada
organização (trabalho, honorários, capital)
Utilidade das contribuições
Nem toda a organização que oferece incentivos consegue
retorno equivalente em contribuições. Necessário que
incentivos sejam úteis aos participantes e contribuições úteis à
organização
Relação entre indivíduos e organização
o Satisfatório, para pessoas que percebem que as suas recompensas
excederam as exigências
o Propensão para o abandono, caso esforços pessoais ultrapassem as
satisfações
o Organização espera que contribuição do individuo ultrapasse custo
o Individuo percebe que benefícios de participação excedem custos
pessoais – relacionamento bem sucedido
o Organização percebe benefícios de manter participantes como
superiores aos custos – relacionamento bem sucedido
o Katz e Kahn – condições para que incentivos possam atuar
adequadamente
1. Descritiva e não prescritiva (explica e descreve características do
comportamento organizacional, mas não constrói modelos e princípios de
aplicação prática)
2. Transferência de ênfase dos aspectos estruturais e estáticos da
organização (abordagem estrutural) para os aspectos comportamentais e
dinâmicos
3. Reformulação na Filosofia do Comportamento Administrativo:
o Bennis – novo conceito de homem, poder e valores organizacionais –
orientação humanista
o Shepard - sistema de “colaboração – consenso” ou equalizador do poder
o Mills – meios para desenvolver condições satisfatórias numa organização.
4. Dimensões Bipolares da Teoria Comportamental
o Análise: Teórica / empírica; descritiva / prescritiva; macro / micro;
organização formal / informal; objetiva / subjetiva; cognitiva / afetiva;
5. A análise Organizacional a partir do Comportamento
a.Pugh – “teóricos do individuo”:
o Preocupação centrada no individuo, predisposições, reacções e
personalidade dentro do panorama organizacional (Argyris e
Barnard);
o Organização como meio para proporcionar ao individuo
recompensas e satisfação (Maslow e Herzberg);
o Organização como conjunto de indivíduos comprometidos com o
processo de decisões. Pressões organizacionais e motivações
individuais (March e Simon).
a. Silverman – contribuição da psicologia organizacional:
o Indivíduos como possuidores de necessidades de personalidade (da segurança à
auto-realização) – influência no comportamento;
o Conflito entre necessidade individual e objectivos da organização – mudanças na
estrutura organizacional;
o Melhor forma de organização – optimizar satisfação das necessidades individuais
e organizacionais.
6. Relatividade das teorias da motivação
Silverman – temas problemáticos para esta abordagem:
o Como validar a existência das necessidades de personalidade? Quais são elas?
São universais ou circunstanciais?
o É legitimo usá-las como variáveis independentes? Explicam o comportamento?
Há contradição entre elas e a perspectiva sociológica?
o Se existem, porque devem ser satisfeitas dentro das organizações e não fora
do trabalho?
o Como diferem os psicólogos organizacionais dos autores das relações
humanas?
7. Concepção da Organização como estrutura de tomada de decisões
o Simon – efeitos de processos formais sobre a tomada de decisões, deixando de
lado processos inter pessoais x funcionalidade racional (Blau e Scott)
o http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=teoria%20comportame
ntal%20ppt&source=web&cd=1&ved=0CCQQFjAA&url=http%3A%
2F%2Fwww2.fcsh.unl.pt%2Fdocentes%2Fluisrodrigues%2FTeoria
ComportamentaldaAdministra%25C3%25A7%25C3%25A3o.ppt&ei
=pdloT4a1DKnj0QGVnf2YCQ&usg=AFQjCNGycP5ofoaWkso25km
6N7or8dM97A
o http://www.coladaweb.com/administracao/teoria-comportamental
o http://www.google.com.br/imgres?q=hierarquia+necessidades+mas
low&hl=pt-
BR&gbv=2&biw=1024&bih=571&tbm=isch&tbnid=BtuGDB-F-
25lPM:&imgrefurl=http://www.sobreadministracao.com/a-piramide-
hierarquia-de-necessidades-de-
maslow/&docid=zMDdSNjy8eU5nM&imgurl=http://www.sobreadmin
istracao.com/wp-content/uploads/2011/05/hierarquia-de-
necessidades-de-Maslow.jpg&w=300&h=200&ei=grBsT-
GyEoGbgwe6htioBg&zoom=1
o Teoria Geral da Administração
o http://www.google.com.br/imgres?q=teoria+dos+dois+fatores&um=
1&hl=pt-BR&sa=N&biw=1024&bih=571&tbm=isch&tbnid=CT56-
r_VVNaZxM:&imgrefurl=http://conteudodeadm.blogspot.com/2011/0
9/como-surgiu-teoria-dos-dois-fatores-
de.html&docid=MT9O0zIYcd09KM&imgurl=http://2.bp.blogspot.com
/-
QEMozpugRMA/Tna4qeZLkoI/AAAAAAAAAP4/A3KeZNHmCnY/s6
40/dois%252Bfatores.gif&w=590&h=138&ei=w7BsT-KpDYriggfW-
vXDBg&zoom=1&iact=hc&vpx=240&vpy=240&dur=1094&hovh=10
8&hovw=465&tx=228&ty=68&sig=103719412805298603975&page
=1&tbnh=50&tbnw=215&start=0&ndsp=8&ved=1t:429,r:1,s:0
o http://www.google.com.br/imgres?q=maslow+e+herzberg&start=10
1&um=1&hl=pt-
BR&biw=1024&bih=571&tbm=isch&tbnid=1EDVAK5nOGCWRM:&i
mgrefurl=http://pt.scribd.com/alberto_barros_6/d/45014698-
Apostila-Administraao-
Geral&docid=1QNDo9NiwwOHwM&imgurl=http://reflow.scribd.com/
3mow9idhcsdxro/images/image-34.jpg&w=410&h=283&ei=asBsT-
XyHZG20AHq4vTWBg&zoom=1&iact=hc&vpx=707&vpy=2&dur=14
06&hovh=186&hovw=270&tx=220&ty=104&sig=103719412805298
603975&page=6&tbnh=117&tbnw=169&ndsp=20&ved=1t:429,r:19,
s:101
Nathalya Katheryne de L. B. Silva – 24
Thaís Ferreira da Cruz – 32
Lhigya Maria Almeida B.Santos - 17

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese

Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãocarlossono
 
Teoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administraçãoTeoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administraçãoangelaadan
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoLeon Pires
 
Seminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaSeminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaramalho01
 
Administração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
Administração de Recursos Humanos - Gestão de PessoasAdministração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
Administração de Recursos Humanos - Gestão de PessoasMeme Maria Souza
 
Teoria ou abordagem comportamental na administração
Teoria ou abordagem comportamental na administraçãoTeoria ou abordagem comportamental na administração
Teoria ou abordagem comportamental na administraçãoRafael Butruce
 
Aula 1 Fundamentos E Conceitos
Aula 1 Fundamentos E ConceitosAula 1 Fundamentos E Conceitos
Aula 1 Fundamentos E ConceitosUniversidade
 
Recursos humanos villa
Recursos humanos villaRecursos humanos villa
Recursos humanos villaSaulo Souza
 
GESTAO_DE_PROCESSOS
GESTAO_DE_PROCESSOSGESTAO_DE_PROCESSOS
GESTAO_DE_PROCESSOSandrikazi
 
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)Marcos Souza
 
Abordagem comportamental
Abordagem comportamentalAbordagem comportamental
Abordagem comportamentalFabiano Augusto
 
Práticas de gestão
Práticas de gestãoPráticas de gestão
Práticas de gestãoJamille Rocha
 
Apresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de GruposApresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de Gruposbrunomiguelsoliveira
 

Semelhante a TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese (20)

Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
 
18 motivacao
18 motivacao18 motivacao
18 motivacao
 
Teoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administraçãoTeoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administração
 
Teoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracaoTeoria comportamental administracao
Teoria comportamental administracao
 
Seminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaSeminário apresentação tga
Seminário apresentação tga
 
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇAEXPRESS LIDER - LIDERANÇA
EXPRESS LIDER - LIDERANÇA
 
Personalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudesPersonalidade valores e atitudes
Personalidade valores e atitudes
 
Administração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
Administração de Recursos Humanos - Gestão de PessoasAdministração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
Administração de Recursos Humanos - Gestão de Pessoas
 
Ta i ud vi
Ta i   ud viTa i   ud vi
Ta i ud vi
 
.10.10.intelig.emocional.
.10.10.intelig.emocional..10.10.intelig.emocional.
.10.10.intelig.emocional.
 
Aula11
Aula11Aula11
Aula11
 
Teoria ou abordagem comportamental na administração
Teoria ou abordagem comportamental na administraçãoTeoria ou abordagem comportamental na administração
Teoria ou abordagem comportamental na administração
 
Aula 1 Fundamentos E Conceitos
Aula 1 Fundamentos E ConceitosAula 1 Fundamentos E Conceitos
Aula 1 Fundamentos E Conceitos
 
Teorias da Gestão
Teorias da GestãoTeorias da Gestão
Teorias da Gestão
 
Recursos humanos villa
Recursos humanos villaRecursos humanos villa
Recursos humanos villa
 
GESTAO_DE_PROCESSOS
GESTAO_DE_PROCESSOSGESTAO_DE_PROCESSOS
GESTAO_DE_PROCESSOS
 
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
Aula 1 texto-comportamento organizacional-quadros e trevisan (3)
 
Abordagem comportamental
Abordagem comportamentalAbordagem comportamental
Abordagem comportamental
 
Práticas de gestão
Práticas de gestãoPráticas de gestão
Práticas de gestão
 
Apresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de GruposApresentação Motivação e Liderança de Grupos
Apresentação Motivação e Liderança de Grupos
 

Mais de Pedro Luis Moraes

criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.pptcriaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.pptPedro Luis Moraes
 
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptxPolitica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptxPedro Luis Moraes
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptxAula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptxPedro Luis Moraes
 
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.pptAula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.pptPedro Luis Moraes
 
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).pptAula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).pptPedro Luis Moraes
 
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptxDIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptxPedro Luis Moraes
 
Direito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
Direito do Trabalho e criança e adolescente.pptDireito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
Direito do Trabalho e criança e adolescente.pptPedro Luis Moraes
 
Aula de jornada de trabalho - reforma.ppt
Aula de jornada de trabalho - reforma.pptAula de jornada de trabalho - reforma.ppt
Aula de jornada de trabalho - reforma.pptPedro Luis Moraes
 
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.pptAula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.pptPedro Luis Moraes
 
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdfAula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdfPedro Luis Moraes
 
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.pptateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.pptPedro Luis Moraes
 
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.pptAula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.pptPedro Luis Moraes
 
AULA DE Redação de trabalho científico.pptx
AULA DE Redação de trabalho científico.pptxAULA DE Redação de trabalho científico.pptx
AULA DE Redação de trabalho científico.pptxPedro Luis Moraes
 
Aula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
Aula de Metodologia Trabalho Científico.pptAula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
Aula de Metodologia Trabalho Científico.pptPedro Luis Moraes
 
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptxaula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptxPedro Luis Moraes
 
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptxAula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptxPedro Luis Moraes
 
Teoria da Administração uma Sintese.pptx
Teoria da Administração uma Sintese.pptxTeoria da Administração uma Sintese.pptx
Teoria da Administração uma Sintese.pptxPedro Luis Moraes
 
Aula de TGA - Tema_2_Abordagem classica.pptx
Aula de TGA - Tema_2_Abordagem classica.pptxAula de TGA - Tema_2_Abordagem classica.pptx
Aula de TGA - Tema_2_Abordagem classica.pptxPedro Luis Moraes
 
Teoria da Administração uma Sintese.pptx
Teoria da Administração uma Sintese.pptxTeoria da Administração uma Sintese.pptx
Teoria da Administração uma Sintese.pptxPedro Luis Moraes
 

Mais de Pedro Luis Moraes (20)

criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.pptcriaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
criaoegestodeindicadoresprocesso-1aparte-140214060240-phpapp01.ppt
 
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptxPolitica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
Politica e Programa de Seg_2017 (1).pptx
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptxAula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
Aula 9 - análise crítica de artigos científicos.pptx
 
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.pptAula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
Aula Direito do Trabalho - EMPREGADOR.ppt
 
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).pptAula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
Aula de JUSTA CAUSA DO EMPREGADO (1).ppt
 
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptxDIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
DIREITO AO DESCANSO NAS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
 
Direito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
Direito do Trabalho e criança e adolescente.pptDireito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
Direito do Trabalho e criança e adolescente.ppt
 
Aula de jornada de trabalho - reforma.ppt
Aula de jornada de trabalho - reforma.pptAula de jornada de trabalho - reforma.ppt
Aula de jornada de trabalho - reforma.ppt
 
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.pptAula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
Aula de CESSAÇÃO CONTRATO - 2a parte.ppt
 
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdfAula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
Aula de TGA Teoria Neoclassica e Classica .pdf
 
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.pptateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
ateoriaz-141031172001-conversion-gate02.ppt
 
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.pptAula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
Aula Resumo de Metodologia para Engenharia.ppt
 
AULA DE Redação de trabalho científico.pptx
AULA DE Redação de trabalho científico.pptxAULA DE Redação de trabalho científico.pptx
AULA DE Redação de trabalho científico.pptx
 
Aula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
Aula de Metodologia Trabalho Científico.pptAula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
Aula de Metodologia Trabalho Científico.ppt
 
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptxaula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
aula de TGA Atualizada - Abordagem classica.pptx
 
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptxAula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
Aula de Teoria Behaviorismo - Pedro (1).pptx
 
Teoria da Administração uma Sintese.pptx
Teoria da Administração uma Sintese.pptxTeoria da Administração uma Sintese.pptx
Teoria da Administração uma Sintese.pptx
 
Aula de TGA - Tema_2_Abordagem classica.pptx
Aula de TGA - Tema_2_Abordagem classica.pptxAula de TGA - Tema_2_Abordagem classica.pptx
Aula de TGA - Tema_2_Abordagem classica.pptx
 
Teoria da Administração uma Sintese.pptx
Teoria da Administração uma Sintese.pptxTeoria da Administração uma Sintese.pptx
Teoria da Administração uma Sintese.pptx
 

TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese

  • 1.
  • 2. “ A Abertura de uma nova terra era na Teoria de Administração: o abandono das posições normativas e prescritivas das teorias antecessores” (Chiavenato, 1983)
  • 3. Surge no final da década de 40 uma redefinição total dos conceitos administrativos, vindo a significar uma nova direção e um novo enfoque dentro da Teoria. Criticou as teorias anteriores e colocou em ordem as abordagens, ampliando seu conteúdo e diversificando sua natureza. ◦ Ênfase no comportamento humano ◦ Busca da eficácia através da motivação ◦ Privilegia os aspectos intra-organizacionais ◦ Liderança ◦ Aceitação da autoridade e do processo decisório ◦ Visão do homem administrativos
  • 4. ◦ Abraham Maslow ◦ Frederick Herzberg ◦ Douglas McGregor ◦ Herbert Simon ◦ Chester Barnard ◦ Chris Argyris ◦ Rensis Likert
  • 5. o O comportamento individual das pessoas leva ao estudo da motivação humana o O homem é um animal complexo dotado de necessidades o Processo continuo de substituição da satisfação de necessidades o O administrador deve conhecer as necessidades humanas para a compreensão do comportamento o O Administrador deve saber utilizar a motivação humana como uma arma para alcançar uma melhor qualidade de vida, dentro das organizações
  • 6. o Cada indivíduo possui uma multiplicidade de motivações / necessidades, interligadas entre si (efeito global e conjunto no organismo). o Criticada por ter que seguir a ordem.
  • 7. o Qualquer comportamento motivado é um canal pelo qual as necessidades podem ser expressas ou satisfeitas; o A possibilidade de insatisfação de certas necessidades torna-se uma ameaça psicológica, ao produzir reações gerais de emergência no comportamento. A motivação individual: Estímulos Comportamento Necessidades individuais o A criação de um ambiente, criado pela organização, que permita a auto-realização máxima do indivíduo.
  • 9. Frederick Herzberg formulou a teoria dos dois fatores para explicar o comportamento das pessoas em situações de trabalho. Para ele existem dos fatores que contribuem para o comportamento das pessoas, os fatores higiênicos e fatores motivacionais. Para proporcionar continuamente motivação no trabalho, ele propõe o “enriquecimento de tarefas” ou “ enriquecimento do cargo” : consiste em substituir as tarefas simples e elementares do cargo por tarefas mais complexas para acompanhar o crescimento individual de cada empregado, oferecendo-lhe condições de desafios e satisfação profissional.
  • 10. O enriquecimento de tarefas depende dos desenvolvimentos de cada individuo e deve adequar-se as suas características individuais de mudança mais elevadas Para enriquecer o cargo, deve-se rearranjar os seus elementos Automatizar ou atribuir as tarefas mais simples aos outros Incluir o trabalho posterior Incluir o pré- trabalho Carga Vertical - Maior Profundidade Atribuir responsabilidades Carga horizontal maior amplitude
  • 11. ◦A satisfação no cargo depende dos dois fatores motivacionais ou satisfacientes: o conteúdo ou atividades desafiantes estimulantes do cargo desempenhado pela pessoa. ◦A insatisfação no cargo depende dos fatores higiênicos ou insatisfacientes: o ambiente de trabalho, salário, benefícios recebidos, supervisão, colegas e contexto geral que envolve o cargo ocupado.
  • 12. A Teoria Comportamental oferece uma variedade de estilos de administração a disposição do administrador. Cada teoria administrativa baseia–se em convicções obre a maneira pela qual as pessoas se comportam dentro das organizações
  • 13. McGregor compara dois estilos opostos e antagônicos de administrar: de um lado, um estilo baseado na teoria tradicional, mecanicista e pragmática (a que deu o nome de Teoria X), e, de outro, um estilo baseado nas concepções modernas a respeito do comportamento humano (Teoria Y).
  • 14. É a concepção tradicional de administração e baseia-se em convicções errôneas e incorretas sobre o comportamento humano, a saber: o O homem é indolente e preguiçoso por natureza; o Falta-lhe ambição, sendo o homem egocêntrico e seus objetivos pessoais opõem-se, em geral, aos objetivos da organização; o Resiste às mudanças; o A sua dependência torna-o incapaz de autocontrole e autodisciplina.
  • 15. A Teoria X reflete um estilo de administração duro, rígido e autocrático. As pessoas são visualizadas como meros recursos ou meios de produção. Para a Teoria X, a administração caracteriza-se pelos seguintes aspectos: oA administração promove a organização dos recursos da empresa no interesse exclusivo de seus objetivos econômicos; oA administração é um processo de dirigir os esforços das pessoas, incentivá-las, controlar suas ações e modificar o seu comportamento para atender às necessidades da empresa; oAs atividades devem ser padronizadas e dirigidas em função dos objetivos da empresa oA remuneração é um meio de recompensa ou punição para o bom trabalhador.
  • 16. É a moderna concepção de administração de acordo coma Teoria Comportamental. A Teoria Y baseia-se em concepções e premissas atuais e sem preconceitos a respeito da natureza humana, a saber: o As pessoas não têm desprazer inerente de trabalhar; o As pessoas não são passivas ou resistentes às necessidades da empresa; o O homem médio aprende sob certas condições a aceitar, mas também a procurar responsabilidade. oAlto grau de criatividade na solução de problemas é distribuído à todos.
  • 17. A Teoria Y desenvolve um estilo de administração aberto, dinâmico e democrático, através do qual administrar torna-se um processo de criar oportunidades, liberar potenciais, remover obstáculos, encorajar o crescimento individual e proporcionar orientação quanto a objetivos. A administração segundo a Teoria Y caracteriza-se pelos seguintes aspectos: oA motivação, potencial de desenvolvimento, capacidade de assumir responsabilidade, de dirigir o comportamento para os objetivos da empresa; oA tarefa essencial da administração é criar condições organizacionais e métodos de operação através dos quais as pessoas possam atingir melhor os objetivos pessoais.
  • 18. Segundo McGregor a Teoria Y é aplicada nas empresas através de um estilo de direção baseado em medidas inovadoras e humanistas, a saber: o Descentralização das decisões e delegação de responsabilidades; o Ampliação do cargo para maior significado do trabalho; o Participação nas decisões e administração consultiva; o Auto-avaliação do desempenho. TRABALHO
  • 19. Orientados para o trabalho o Subdivisão e fragmentação do trabalho em partes componentes o Seleção e treino das pessoas mais adequadas o Pressão constante o Preocupação exclusiva com o trabalho Orientados para o empregado o Ênfase dirigida para os seres humanos o Preocupação em compreender e ajudar os subordinados o Supervisão mais geral no trabalho o Preocupação mais acentuada nas metas
  • 20. Variáveis Causais o Estrutura organizacional o Controles o Políticas o Liderança Variáveis Intervenientes o Atitudes o Motivações o Percepções de todos os membros Variáveis Resultantes o Produtividade o Lucros o Custos
  • 21. Likert propõe uma classificação de sistemas administrativos, definindo quatro perfis organizacionais. Em função das variáveis processo decisorial, sistema de comunicação, relacionamento interpessoal e sistema de recompensas e punições, distinguem-se os seguintes sistemas administrativos: o Sistema 1: “Autoritário Coercitivo” (ou Autoritário Explorador) o Sistema 2: “Autoritário Benevolente” (ou Autoritário Paternalista) o Sistema 3: “Consultivo” o Sistema 4: “Participativo” (ou Participação por Grupos)
  • 22. SISTEMAS DE ADMINISTRAÇÃO Variáveis principais 1-Autoritário- coercivo 2-Autoritário- Benevolente 3 - Consultivo 4- Participativo Processo Decisorial Totalmente centralizado na cúpula Centralizado na cúpula mas permitindo diminuta delegação de carácter rotineiro Consulta aos níveis inferiores, permitindo participação e delegação Totalmente delegado e descentralizado. Nível institucional define políticas e controla resultados Sistemas de Comunicaçã o Bastante precário. Apenas comunicações verticais descendentes carregando ordens Relativamente precário, prevalecendo comunicações descendentes sobre os ascendentes Procura-se facilitar o fluxo no sentido vertical (descendente e ascendente) e horizontal Sistemas de comunicação eficientes são fundamentais para o sucesso da empresa Relações Interpessoais Organização informal é vedada e considerada prejudicial. Cargos e tarefas confinam as pessoas São toleradas, com certa condescendência. Organização informal incipiente e considerada como uma ameaça à empresa Certa confiança nas pessoas. A empresa procura facilitar o desenvolvimento de uma organização informal sadia Trabalho realizado em equipas. Formação de grupos torna-se importante. Confiança mútua, participação. Sistemas de Recompensa s e punições Ênfase em punições e medidas disciplinares. Obediência estrita aos regulamentos internos. Raras recompensas (de cunho estritamente salarial) Ênfase em punições e medidas disciplinares mas com menor arbitrariedade. Recompensas salariais mais frequentes. Recompensas sociais são raras Ênfase nas recompensas materiais (principalmente salários). Recompensas sociais ocasionais. Raras punições ou castigos. Ênfase nas recompensas sociais. Punições são raras e, quando ocorrem, são definidas pelos grupos.
  • 23. Teoria Y Teoria X Sistema 1 Produz resultados desejados a curto prazo e desvantagens a longo prazo Sistema 4 Não produz rentabilidade a curto prazo, mas conduz a uma lenta, firme e elevada rentabilidade Participativo Autoritário 1 2 3 4 Sistemas
  • 24. A organização é um sistema de decisões no qual o indivíduo participa enquanto agente racional e consciente; As teorias anteriores omitiram os aspectos subjetivos e a decisão centrando-se na ação e nos aspectos objetivos, originando erros na análise do comportamento dos indivíduos; Segundo a perspectiva comportamentalista, é preciso ter em conta os processos de percepção e raciocínio, já que o indivíduo decide em função da sua percepção da situação.
  • 25. A decisão envolve seis elementos: 1. O tomador de decisão 2. Objetivos 3. Preferências 4. Estratégia 5. Situação 6. Resultado
  • 26. 1. Percepção da situação 2. Analise e definição do problema 3. Definição dos objetivos 4. Procura de alternativa ou de cursos de ação 5. Escolha (seleção) da alternativa mais adequada ao alcance dos objetivos 6. Avaliação e comparação das alternativas 7. Implantação das alternativas escolhidas
  • 27. a. Racionalidade limitada b. Imperfeição das decisões c. Relatividade das decisões d. Hierarquia das decisões e. Racionalidade administrativa f. Influencia organizacional Decisões que a organização toma pelo individuo: a. Divisão de tarefas b. Padrões de desempenho c. Sistemas de autoridade d. Canais de comunicação e. Treinamento e doutrinação
  • 28. o O comportamentalismo foca o “homem administrativo”, que não procura a melhor maneira, o ótimo, mas a maneira satisfatória; o O máximo do homem administrativo é relativo, contingencial e envolve elementos subjetivos; o Segundo Etzioni, as organizações tendem a tornar-se racionalmente insatisfeitas, buscando o seu permanente aperfeiçoamento
  • 29. Tomada de decisão do ponto de vista clássico Problema claramente definido Conhecimento de todas as alternativas possíveis Escolha da alternativa “ótima” Ação administrativa Tomada de decisão do ponto de vista Comportamental Problema não claramente definido Conhecimento é limitado às possíveis Alternativas e suas consequências Escolha da alternativa “satisfatória” Ação administrativa Limitação cognitiva
  • 30. o Tema amplamente debatido pelos behavoristas; na sua decorrência, Chester Barnard distinguiu os conceitos de eficiência e eficácia; o Sofer apontou um conjunto de causas dos conflitos entre administração e empregados, envolvendo aspectos sociais, psicológicos, culturais, etc.; o Chris Argyris afirma a inevitabilidade do conflito entre o indivíduo e a organização e sublinha a importância da maturidade dos indivíduos; o Para este autor, há um processo contínuo que leva os indivíduos do estado da imaturidade para o estado maduro, embora poucos consigam tornar-se plenamente maduros;
  • 31. o O controle organizacional favorece o conflito; o A reação dos indivíduos maduros ao conflito prejudica tanto a eficiência como a eficácia; o Para Argyris, a integração entre necessidades individuais e os requisitos de produção de uma organização favorece a produtividade; o Há poucas variações no comportamento dos indivíduos em contexto organizacional; o Chris Argyris conclui que o estudo das organizações exige um modelo híbrido, envolvendo níveis psicológicos e sociológicos de análise. o É importante distinguir “conflito” de problema ou dilema;
  • 32. o Estudo do funcionamento e estrutura das organizações; o Comportamento dos grupos e indivíduos; o Organizações (coordenação de esforços e racional divisão do trabalho e hierarquia) - objetivos; o Expectativas dos participantes em relação ao comportamento da organização; o Interação psicológica – H. levinson – processo de reciprocidade (sociólogos) ou “contrato psicológico” (psicólogos) – práticas, direitos, privilégios e obrigações; o Objetivos bem definidos e clareza de instrumentos – alto grau de operacionalidade; o Schein – contrato : decisão formal e “contrato psicológico” (o que individuo e organização pretendem ganhar com relacionamento); o Participação como forma de satisfação de necessidades pessoais – custos – ganhos – manutenção da organização.
  • 33. o Recompensas pessoais que decorrem da realização dos objetivos da organização o Recompensas pessoais que decorrem da importância e desenvolvimento da organização (acionistas) o Incentivos econômicos e incentivos psicossociais. Organização como sistema equilibrado – recebe contribuições dos participantes e oferece aliciantes
  • 34. Identificar participantes (todos os indivíduos que recebem incentivos e trazem contribuições – empregados, investidores, fornecedores, distribuidores e consumidores) e fatores que afetam decisões quanto à participação. inter Barnard e Simon – equilíbrio reflete êxito da organização o Organização – sistema de comportamentos sociais relacionados; o Participantes e grupos recebem incentivos e fazem contribuições à organização; o Participante mantém participação enquanto incentivos forem iguais ou superiores às contribuições exigidas; o Contribuições constituem fonte na qual organização se alimenta; o Organização existe enquanto as contribuições forem suficientes para proporcionar incentivos que levem à participação.
  • 35. March e Simon o Incentivos – pagamentos feitos pela organização aos participantes (salários, serviços, rendas) Incentivos em termos de utilidade – dimensão comum participante efetua à o o o Contribuições – pagamentos que cada organização (trabalho, honorários, capital) Utilidade das contribuições Nem toda a organização que oferece incentivos consegue retorno equivalente em contribuições. Necessário que incentivos sejam úteis aos participantes e contribuições úteis à organização
  • 36. Relação entre indivíduos e organização o Satisfatório, para pessoas que percebem que as suas recompensas excederam as exigências o Propensão para o abandono, caso esforços pessoais ultrapassem as satisfações o Organização espera que contribuição do individuo ultrapasse custo o Individuo percebe que benefícios de participação excedem custos pessoais – relacionamento bem sucedido o Organização percebe benefícios de manter participantes como superiores aos custos – relacionamento bem sucedido o Katz e Kahn – condições para que incentivos possam atuar adequadamente
  • 37. 1. Descritiva e não prescritiva (explica e descreve características do comportamento organizacional, mas não constrói modelos e princípios de aplicação prática) 2. Transferência de ênfase dos aspectos estruturais e estáticos da organização (abordagem estrutural) para os aspectos comportamentais e dinâmicos 3. Reformulação na Filosofia do Comportamento Administrativo: o Bennis – novo conceito de homem, poder e valores organizacionais – orientação humanista o Shepard - sistema de “colaboração – consenso” ou equalizador do poder o Mills – meios para desenvolver condições satisfatórias numa organização.
  • 38. 4. Dimensões Bipolares da Teoria Comportamental o Análise: Teórica / empírica; descritiva / prescritiva; macro / micro; organização formal / informal; objetiva / subjetiva; cognitiva / afetiva; 5. A análise Organizacional a partir do Comportamento a.Pugh – “teóricos do individuo”: o Preocupação centrada no individuo, predisposições, reacções e personalidade dentro do panorama organizacional (Argyris e Barnard); o Organização como meio para proporcionar ao individuo recompensas e satisfação (Maslow e Herzberg); o Organização como conjunto de indivíduos comprometidos com o processo de decisões. Pressões organizacionais e motivações individuais (March e Simon).
  • 39. a. Silverman – contribuição da psicologia organizacional: o Indivíduos como possuidores de necessidades de personalidade (da segurança à auto-realização) – influência no comportamento; o Conflito entre necessidade individual e objectivos da organização – mudanças na estrutura organizacional; o Melhor forma de organização – optimizar satisfação das necessidades individuais e organizacionais. 6. Relatividade das teorias da motivação Silverman – temas problemáticos para esta abordagem: o Como validar a existência das necessidades de personalidade? Quais são elas? São universais ou circunstanciais? o É legitimo usá-las como variáveis independentes? Explicam o comportamento? Há contradição entre elas e a perspectiva sociológica? o Se existem, porque devem ser satisfeitas dentro das organizações e não fora do trabalho? o Como diferem os psicólogos organizacionais dos autores das relações humanas? 7. Concepção da Organização como estrutura de tomada de decisões o Simon – efeitos de processos formais sobre a tomada de decisões, deixando de lado processos inter pessoais x funcionalidade racional (Blau e Scott)
  • 40. o http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=teoria%20comportame ntal%20ppt&source=web&cd=1&ved=0CCQQFjAA&url=http%3A% 2F%2Fwww2.fcsh.unl.pt%2Fdocentes%2Fluisrodrigues%2FTeoria ComportamentaldaAdministra%25C3%25A7%25C3%25A3o.ppt&ei =pdloT4a1DKnj0QGVnf2YCQ&usg=AFQjCNGycP5ofoaWkso25km 6N7or8dM97A o http://www.coladaweb.com/administracao/teoria-comportamental o http://www.google.com.br/imgres?q=hierarquia+necessidades+mas low&hl=pt- BR&gbv=2&biw=1024&bih=571&tbm=isch&tbnid=BtuGDB-F- 25lPM:&imgrefurl=http://www.sobreadministracao.com/a-piramide- hierarquia-de-necessidades-de- maslow/&docid=zMDdSNjy8eU5nM&imgurl=http://www.sobreadmin istracao.com/wp-content/uploads/2011/05/hierarquia-de- necessidades-de-Maslow.jpg&w=300&h=200&ei=grBsT- GyEoGbgwe6htioBg&zoom=1 o Teoria Geral da Administração
  • 41. o http://www.google.com.br/imgres?q=teoria+dos+dois+fatores&um= 1&hl=pt-BR&sa=N&biw=1024&bih=571&tbm=isch&tbnid=CT56- r_VVNaZxM:&imgrefurl=http://conteudodeadm.blogspot.com/2011/0 9/como-surgiu-teoria-dos-dois-fatores- de.html&docid=MT9O0zIYcd09KM&imgurl=http://2.bp.blogspot.com /- QEMozpugRMA/Tna4qeZLkoI/AAAAAAAAAP4/A3KeZNHmCnY/s6 40/dois%252Bfatores.gif&w=590&h=138&ei=w7BsT-KpDYriggfW- vXDBg&zoom=1&iact=hc&vpx=240&vpy=240&dur=1094&hovh=10 8&hovw=465&tx=228&ty=68&sig=103719412805298603975&page =1&tbnh=50&tbnw=215&start=0&ndsp=8&ved=1t:429,r:1,s:0 o http://www.google.com.br/imgres?q=maslow+e+herzberg&start=10 1&um=1&hl=pt- BR&biw=1024&bih=571&tbm=isch&tbnid=1EDVAK5nOGCWRM:&i mgrefurl=http://pt.scribd.com/alberto_barros_6/d/45014698- Apostila-Administraao- Geral&docid=1QNDo9NiwwOHwM&imgurl=http://reflow.scribd.com/ 3mow9idhcsdxro/images/image-34.jpg&w=410&h=283&ei=asBsT- XyHZG20AHq4vTWBg&zoom=1&iact=hc&vpx=707&vpy=2&dur=14 06&hovh=186&hovw=270&tx=220&ty=104&sig=103719412805298 603975&page=6&tbnh=117&tbnw=169&ndsp=20&ved=1t:429,r:19, s:101
  • 42. Nathalya Katheryne de L. B. Silva – 24 Thaís Ferreira da Cruz – 32 Lhigya Maria Almeida B.Santos - 17