SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO – AULA 11 Vimos na aula anterior que as abordagens comportamentais, e muito particularmente a mais antiga conhecida por  “Teoria das Relações Humanas”,  surgem nos anos 30 como contraponto às abordagens clássicas. Vimos que a  Escola Comportamental  ganhou identidade própria ao aprimorar alguns conceitos da  Teoria das Relações Humanas . Aprendemos que todas estas as abordagens ressaltam o conceito de que o  homem, o indivíduo na organização, tem de ser o ponto de partida e chegada de qualquer análise do funcionamento das organizações . Ponto de partida porque é  através do estudo do comportamento humano que poderemos compreender o comportamento organizacional  e ponto de chegada porque  as organizações devem ser estruturadas para atenderem os que nela trabalham .
1. ESCOLA COMPORTAMENTAL – REVISÃO DE CONCEITOS A mudança de foco do sistema tecnico-produtivo para o sistema social abre novas perspectivas relativamente ao funcionamento das organizações  Os operários apresentavam nível cultural e expectativas muito diferentes do operário do início do século.  A maior complexidade da tecnologia exigia cada vez mais a aplicação intelectual do trabalhador, sendo o seu esforço físico substituído pelas próprias máquinas. Embora a organização ainda seja vista como um sistema fechado, o homem já não é um mero elemento do sistema interno da organização, mas um indivíduo – um ser humano com objetivos e inserção social própria.
Foi dado o primeiro passo para introduzir na organização a incerteza provocada pelo ambiente exterior. O comportamento humano vai ser visto como o verdadeiro objeto do estudo das organizações. A  motivação  e o relacionamento interpessoal passam a ser considerados como a verdadeira chave da eficiência do sistema produtivo.  A eficiência do sistema produtivo passa sobretudo pela vontade das pessoas  – motivação.  O objetivo passa a ser otimizar o sistema social e não o técnico-produtivo. Gerir a organização é gerir um sistema social, baseado no conhecimento profundo dos mecanismos da motivação humana e do funcionamento de sistemas sociais complexos. O gestor não é o chefe hierárquico ou o especialista técnico mas o condutor de homens capaz de motivar os indivíduos que integram a organização
a)  busca cooperação entre empresários, empregados e clientes - pessoas irão cooperar naturalmente, desde que o esforço possua sua justificativa nas vantagens e satisfações que geram b)  administração deve criar um ambiente organizacional tal que os seus membros possam alcançar melhor os seus objetivos individuais, dirigindo seus esforços grupais para os objetivos da organização c)  percepção, por parte da direção, da escala motivacional, em que cada indivíduo atua de forma particular e única d)  estilo participativo de liderança em oposição ao autoritarismo 2. PRINCÍPIOS GERAIS
3. FREDERICK HERZBERG – TEORIA DOS DOIS FATORES ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
3.2 FATORES MOTIVACIONAIS OU INTRÍNSECOS ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Fonte: Adaptado de Maximiano, 2002 Fatores Motivacionais de Herzberg Uma alavancagem dentro da estrutura organizacional, em termos de cargo ou responsabilidade. Possibilidade de crescimento Possibilidade de aumento de status, perfil cognitivo ou mesmo de posição social. Desenvolvimento pessoal Proveniente da realização próprio trabalho ou do trabalho de outros Responsabilidade Tarefas consideradas agradáveis e que provocam satisfação. O trabalho em sí O recebimento de um reconhecimento público, ou não, por um trabalho bem-feito ou um resultado conseguido. Reconhecimento pela realização O término com sucesso de um trabalho ou tarefa; os resultados do próprio trabalho. Realização Determinantes Fatores Motivadores
Fonte: Adaptado de Maximiano, 2002 Fatores Higiênicos de Herzberg Aspectos do trabalho que influenciam a vida pessoal. Vida pessoal O Valor da contrapartida da prestação de serviço. Remuneração Forma pela qual a nossa posição esta sendo vista pelos demais. Status Transações pessoais e de trabalho com os pares, ou subordinados e os superiores. Relações interpessoais Ambientes físicos e psicológicos que envolvem as pessoas e os grupos de trabalho. Condições ambientais Normas e procedimentos que encerram os valores e crenças da companhia. Políticas empresariais A disposição ou boa vontade de ensinar ou delegar responsabilidades aos subordinados Supervisão Determinantes Fatores higiênicos
Auto-realização Estima Sociais Segurança Fisiológicas Fatores motivacionais ou intrínsecos Fatores higiênicos ou extrínsecos Podemos ver que os conceitos da  Pirâmide das Necessidades de Maslow   são reforçados através da  Teoria dos dois fatores de Hezberg . Fonte: Adaptado de Chiavenato, 2006
" Pebun " negativo : ocorre quando o trabalhador recebe um "pontapé no traseiro" (física ou psicologicamente) para executar a tarefa. Nos tempos antigos, isto poderia ser ilustrado pelas agressões físicas feitas aos escravos, para que eles cumprissem suas obrigações. Nos tempos modernos, o "pebun" negativo acontece toda vez que o trabalhador recebe broncas, punições ou ameaças para que execute a tarefa.  " Pebun "  positivo : ocorre quando um trabalhador é "seduzido" por alguma forma de incentivo para realizar a tarefa. Na verdade, ele não quer realizar a tarefa, apenas irá executá-la para receber alguma recompensa. Herzberg apontou várias armas de "sedução" utilizadas nas empresas. Entre elas, destacam-se: redução do expediente de trabalho, salários em espiral, benefícios previdenciários, apoio assistencial, participação nos lucros.  Herzberg buscou evidenciar a diferença existente entre motivação e movimento. Ele chamou todos os fatores que servem apenas de estímulo externo à realização das tarefas de " pebuns ", afirmando que estes fatores geram apenas movimento. A motivação aconteceria apenas quando houvesse a vontade própria do indivíduo de realizar as tarefas. O movimento poderia ser gerado por dois tipos de " pebun ": Fonte: Adaptado de Queiroz, 1996
3.3 ENRIQUECIMENTO DE TAREFAS ( JOB ENRICHMENT ) ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],O enriquecimento das tarefas seria alcançado através de um aumento da responsabilidade, do desafio e da amplitude do trabalho. Em outras palavras, o seria obtido através da delegação de autoridade e responsabilidade ao trabalhador.
Fonte:  Adaptado de Castro, 2004 Ampliação Vertical do Trabalho ENRIQUECIMENTO DA TAREFA Tarefas Originais do Trabalho Ampliação horizontal do Trabalho Mais tarefas que dão crescente autonomia, responsabilidade ou tomada de decisão. Mais tarefas do mesmo tipo Enriquecimento da Tarefa
4. DOUGLAS MCGREGOR – TEORIAS  X  e  Y Douglas McGregor ressaltou a importância da compreensão dos relacionamentos entre a motivação e o comportamento.  A visão tradicional (teoria X), sugere que os gerentes devem coagir, controlar e ameaçar os funcionários para poder motivá-los.  A filosofia alternativa da natureza humana era a da teoria Y, que acredita que as pessoas são capazes de ser responsáveis. Elas não precisam ser coagidas ou controladas pelo gerente para ter um bom desempenho.. A teoria de McGregor é, na verdade, um conjunto de dois extremos opostos de suposições. Para McGregor, se aceitarmos a teoria "X", e nos comportarmos de acordo com ela, as pessoas se mostrarão preguiçosas e desmotivadas. Já se aceitarmos a teoria "Y", as pessoas com quem interagirmos se mostrarão motivadas. Elaborou dois estilos administrativos, opostos e antagônicos: ,[object Object],[object Object]
4.1 TEORIA X e Y de MACGREGOR Adaptado de Maximiano, 2002 Os trabalhadores buscam satisfazer suas necessidades de estima e realização e, portanto, estão dispostos a autodirigirem-se e a autocontrolarem-se no alcance de objetivos com os quais estão comprometidos.  Para conseguir que os trabalhadores se engajem no trabalho é preciso utilizar um sistema de controle e punição.  Os trabalhadores são capazes de imaginação e criatividade na resolução de problemas.  Os trabalhadores não tomam iniciativa.  Os trabalhadores apreciam o desafio. Os trabalhadores não apreciam mudanças.  Os trabalhadores aprendem não só a aceitar responsabilidades, mas também a procurá-las.  Os trabalhadores evitam as responsabilidades.  O esforço físico e mental no trabalho é tão natural quanto as atividades de lazer.  As pessoas encaram o trabalho como "um mal necessário".  TEORIA Y TEORIA X
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Na próxima aula iremos ver como a soma destas teorias influenciam o comportamento humano dentro das organizações e, consequentemente direcionam para a consecução dos objetivos. A Escola Comportamental ou Behaviorista é a soma de todas as idéias ligadas à motivação para a obtenção de resultados. Até lá!
CASTRO,  Marcos Tadeu Moraes de.   Apostila Administração de Recursos  Humanos – II  –  ASMEC, 2004 CHIAVENATO,  Idalberto –  Princípios da Administração . 1ª Ed.  São Paulo: Ed. Campus, 2006 MAXIMIANO , Antonio C.  Teoria Geral da Administração: da escola científica à competitividade em Economia Globalizada . 3ª edição - São Paulo. Atlas. 2002 QUEIROZ,  Simone Hering de.  Motivação dos Quadros Operacionais para a Qualidade sob o Enfoque da Liderança Situacional . Tese. UFSC, 1996. [ on line, http://www.eps.ufsc.br/disserta96/queiroz/index/index  disponibilizado em   12 de janeiro de 1997, capturado em 16 de janeiro de 2009] REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A influência da motivação na produtividade no trabalho
A influência da motivação na produtividade no trabalhoA influência da motivação na produtividade no trabalho
A influência da motivação na produtividade no trabalhoLuciane Zuanazzi
 
Enfoque Comportamental
Enfoque ComportamentalEnfoque Comportamental
Enfoque Comportamentalguestbeeeda
 
Satisfação no trabalho
Satisfação no trabalhoSatisfação no trabalho
Satisfação no trabalhoLucio Rubens
 
Conflitos liderança e motivação
Conflitos liderança e motivaçãoConflitos liderança e motivação
Conflitos liderança e motivaçãoLiliane Ennes
 
Seminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaSeminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaramalho01
 
Teoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administraçãoTeoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administraçãoangelaadan
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamentaladmetz01
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slideSabrina Suellen
 
Teorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzbergTeorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzbergalesilvajesus
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãocarlossono
 
Silid modelo de liderança
Silid modelo de liderançaSilid modelo de liderança
Silid modelo de liderançaprofmariaduarte
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivaçãoPUC Minas
 
Teorias motivacionais trabalho
Teorias motivacionais trabalho Teorias motivacionais trabalho
Teorias motivacionais trabalho Dea Acig
 
5a aula comportamento organizacional mba rh 2014-1
5a aula comportamento organizacional   mba rh 2014-15a aula comportamento organizacional   mba rh 2014-1
5a aula comportamento organizacional mba rh 2014-1Ana Gabriela Ribeiro Dezan
 
A teoria dos dois fatores de herzberg
A teoria dos dois fatores de herzbergA teoria dos dois fatores de herzberg
A teoria dos dois fatores de herzbergAdilson P Motta Motta
 
Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamentalguest06f340
 
05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações HumanasDebora Miceli
 

Mais procurados (20)

A influência da motivação na produtividade no trabalho
A influência da motivação na produtividade no trabalhoA influência da motivação na produtividade no trabalho
A influência da motivação na produtividade no trabalho
 
Enfoque Comportamental
Enfoque ComportamentalEnfoque Comportamental
Enfoque Comportamental
 
Satisfação no trabalho
Satisfação no trabalhoSatisfação no trabalho
Satisfação no trabalho
 
Conflitos liderança e motivação
Conflitos liderança e motivaçãoConflitos liderança e motivação
Conflitos liderança e motivação
 
Teorias contemporaneas de motivação
Teorias contemporaneas de motivaçãoTeorias contemporaneas de motivação
Teorias contemporaneas de motivação
 
Seminário apresentação tga
Seminário apresentação tgaSeminário apresentação tga
Seminário apresentação tga
 
Teoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administraçãoTeoria comportamental da administração
Teoria comportamental da administração
 
Teoria Comportamental
Teoria ComportamentalTeoria Comportamental
Teoria Comportamental
 
Teoria comportamental slide
Teoria comportamental  slideTeoria comportamental  slide
Teoria comportamental slide
 
Aula 5 abordagem comportamental
Aula 5   abordagem comportamentalAula 5   abordagem comportamental
Aula 5 abordagem comportamental
 
Teorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzbergTeorias de maslow e herzberg
Teorias de maslow e herzberg
 
Teoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministraçãoTeoria comportamentaldaadministração
Teoria comportamentaldaadministração
 
Silid modelo de liderança
Silid modelo de liderançaSilid modelo de liderança
Silid modelo de liderança
 
Teorias da motivação
Teorias da motivaçãoTeorias da motivação
Teorias da motivação
 
Prova tga iii bimestre
Prova tga iii bimestreProva tga iii bimestre
Prova tga iii bimestre
 
Teorias motivacionais trabalho
Teorias motivacionais trabalho Teorias motivacionais trabalho
Teorias motivacionais trabalho
 
5a aula comportamento organizacional mba rh 2014-1
5a aula comportamento organizacional   mba rh 2014-15a aula comportamento organizacional   mba rh 2014-1
5a aula comportamento organizacional mba rh 2014-1
 
A teoria dos dois fatores de herzberg
A teoria dos dois fatores de herzbergA teoria dos dois fatores de herzberg
A teoria dos dois fatores de herzberg
 
Modelo Comportamental
Modelo ComportamentalModelo Comportamental
Modelo Comportamental
 
05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas05. Teoria das Relações Humanas
05. Teoria das Relações Humanas
 

Destaque

Administração e escolas de pensamento
Administração e escolas de pensamentoAdministração e escolas de pensamento
Administração e escolas de pensamentovanilsonsertao01
 
ÉTICA NO TRABALHO ( FILOSOFIA)
ÉTICA NO TRABALHO ( FILOSOFIA)ÉTICA NO TRABALHO ( FILOSOFIA)
ÉTICA NO TRABALHO ( FILOSOFIA)Josilene Braga
 
Liderança e motivação
Liderança e motivaçãoLiderança e motivação
Liderança e motivaçãoDavid Marques
 
História da enfermagem do trabalho
História da enfermagem do trabalhoHistória da enfermagem do trabalho
História da enfermagem do trabalhoMarcos da Silva
 
Habilidades do administrador
Habilidades do administradorHabilidades do administrador
Habilidades do administradorBruno Saraiva
 
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)Juliano Carvalho
 
Habilidades do administrador slides
Habilidades do administrador   slidesHabilidades do administrador   slides
Habilidades do administrador slidesVanessa
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalRui Loureiro
 
Trabalho em equipe e ética no trabalho
Trabalho em equipe e ética no trabalhoTrabalho em equipe e ética no trabalho
Trabalho em equipe e ética no trabalhoLeonardo Melo Santos
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoNyedson Barbosa
 

Destaque (20)

Aula12
Aula12Aula12
Aula12
 
Administração e escolas de pensamento
Administração e escolas de pensamentoAdministração e escolas de pensamento
Administração e escolas de pensamento
 
Frederick herzberg
Frederick herzbergFrederick herzberg
Frederick herzberg
 
Teoria xey de Douglas McGregor
Teoria xey  de Douglas McGregorTeoria xey  de Douglas McGregor
Teoria xey de Douglas McGregor
 
Trabalho Colaborativo
Trabalho ColaborativoTrabalho Colaborativo
Trabalho Colaborativo
 
Engenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos ConceitosEngenharia De MéTodos Conceitos
Engenharia De MéTodos Conceitos
 
Teoria x e y
Teoria x e yTeoria x e y
Teoria x e y
 
Dougla McGregor
Dougla McGregorDougla McGregor
Dougla McGregor
 
ÉTICA NO TRABALHO ( FILOSOFIA)
ÉTICA NO TRABALHO ( FILOSOFIA)ÉTICA NO TRABALHO ( FILOSOFIA)
ÉTICA NO TRABALHO ( FILOSOFIA)
 
Liderança e motivação
Liderança e motivaçãoLiderança e motivação
Liderança e motivação
 
éTica no ambiente de trabalho 1
éTica no ambiente de trabalho 1éTica no ambiente de trabalho 1
éTica no ambiente de trabalho 1
 
Escolas De Administracao Aula 2
Escolas De Administracao   Aula 2Escolas De Administracao   Aula 2
Escolas De Administracao Aula 2
 
História da enfermagem do trabalho
História da enfermagem do trabalhoHistória da enfermagem do trabalho
História da enfermagem do trabalho
 
Habilidades do administrador
Habilidades do administradorHabilidades do administrador
Habilidades do administrador
 
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
Habilidade e competências do administrador (Juliano Carvalho)
 
Habilidades do administrador slides
Habilidades do administrador   slidesHabilidades do administrador   slides
Habilidades do administrador slides
 
Comportamento Organizacional
Comportamento OrganizacionalComportamento Organizacional
Comportamento Organizacional
 
Trabalho em equipe e ética no trabalho
Trabalho em equipe e ética no trabalhoTrabalho em equipe e ética no trabalho
Trabalho em equipe e ética no trabalho
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de Trabalho
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 

Semelhante a Aula11

AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.pptAULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.pptRosineiaSantos8
 
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma SinteseTGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma SintesePedro Luis Moraes
 
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administraçãoAula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administraçãoAdriely Negrine Azevedo
 
Apresentação motivação
Apresentação motivaçãoApresentação motivação
Apresentação motivaçãoCleber Bezerra
 
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasMotivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasPsicologia_2015
 
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO. Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO. Nildo Guimaraes
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Ericaguest3ebb133
 
Teoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanasTeoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanasguestf9582a
 
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdfAula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdfvitoraugustomb
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoHélia
 
Resumo introdução a TGA
Resumo introdução a TGAResumo introdução a TGA
Resumo introdução a TGAMario Costa
 
Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733Antonio Diniz
 
Teoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensa
Teoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensaTeoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensa
Teoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensaFulgêncio Artur
 
Artigo Científico/ Motivação/ Taynara Corrêa/ Administração
Artigo Científico/ Motivação/ Taynara Corrêa/ AdministraçãoArtigo Científico/ Motivação/ Taynara Corrêa/ Administração
Artigo Científico/ Motivação/ Taynara Corrêa/ AdministraçãoTaynara Correa
 

Semelhante a Aula11 (20)

AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.pptAULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
AULA 08 - TURMAS FUND ADM 27 09 2019.ppt
 
Motivação
MotivaçãoMotivação
Motivação
 
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma SinteseTGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
TGA - Aula de Teoria Comportamental uma Sintese
 
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administraçãoAula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
Aula 05 e 06 - Organização do trabalho e administração
 
Apresentação motivação
Apresentação motivaçãoApresentação motivação
Apresentação motivação
 
MOTIVATION
MOTIVATION MOTIVATION
MOTIVATION
 
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneasMotivação teorias clássicas e contemporâneas
Motivação teorias clássicas e contemporâneas
 
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO. Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
Motivação - SOCIOLOGIA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO.
 
AULA 08.pdf
AULA 08.pdfAULA 08.pdf
AULA 08.pdf
 
Teorias da Gestão
Teorias da GestãoTeorias da Gestão
Teorias da Gestão
 
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point EricaTeoriade Relaes Humanas Power Point Erica
Teoriade Relaes Humanas Power Point Erica
 
Teoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanasTeoriade relaeshumanas
Teoriade relaeshumanas
 
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdfAula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
Aula 03 - Teorias Humanísticas Gestão de Pessoas.pdf
 
Gesto1.pdf
Gesto1.pdfGesto1.pdf
Gesto1.pdf
 
Abordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administraçãoAbordagem humanística da administração
Abordagem humanística da administração
 
Resumo introdução a TGA
Resumo introdução a TGAResumo introdução a TGA
Resumo introdução a TGA
 
Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733Modelo comportamental2733
Modelo comportamental2733
 
Teoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensa
Teoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensaTeoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensa
Teoria de aposentacao de Herzberg - Desenho de sistemas de recompensa
 
166 motivando e retendo talentos nas organizacoes seget-resende
166 motivando e retendo talentos nas organizacoes seget-resende166 motivando e retendo talentos nas organizacoes seget-resende
166 motivando e retendo talentos nas organizacoes seget-resende
 
Artigo Científico/ Motivação/ Taynara Corrêa/ Administração
Artigo Científico/ Motivação/ Taynara Corrêa/ AdministraçãoArtigo Científico/ Motivação/ Taynara Corrêa/ Administração
Artigo Científico/ Motivação/ Taynara Corrêa/ Administração
 

Mais de Universidade Federal de Alfenas (17)

Mandassaia. ÚLTIMA.-1.pdf
Mandassaia. ÚLTIMA.-1.pdfMandassaia. ÚLTIMA.-1.pdf
Mandassaia. ÚLTIMA.-1.pdf
 
Aula19 20
Aula19 20Aula19 20
Aula19 20
 
Aula17
Aula17Aula17
Aula17
 
Aula16
Aula16Aula16
Aula16
 
Aula15
Aula15Aula15
Aula15
 
Aula14
Aula14Aula14
Aula14
 
Aula13
Aula13Aula13
Aula13
 
Aula10
Aula10Aula10
Aula10
 
Aula8
Aula8Aula8
Aula8
 
Aula7
Aula7Aula7
Aula7
 
Aula6
Aula6Aula6
Aula6
 
Aula5
Aula5Aula5
Aula5
 
Aula4
Aula4Aula4
Aula4
 
Aula3
Aula3Aula3
Aula3
 
Aula2
Aula2Aula2
Aula2
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
Aula18
Aula18Aula18
Aula18
 

Aula11

  • 1. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO – AULA 11 Vimos na aula anterior que as abordagens comportamentais, e muito particularmente a mais antiga conhecida por “Teoria das Relações Humanas”, surgem nos anos 30 como contraponto às abordagens clássicas. Vimos que a Escola Comportamental ganhou identidade própria ao aprimorar alguns conceitos da Teoria das Relações Humanas . Aprendemos que todas estas as abordagens ressaltam o conceito de que o homem, o indivíduo na organização, tem de ser o ponto de partida e chegada de qualquer análise do funcionamento das organizações . Ponto de partida porque é através do estudo do comportamento humano que poderemos compreender o comportamento organizacional e ponto de chegada porque as organizações devem ser estruturadas para atenderem os que nela trabalham .
  • 2. 1. ESCOLA COMPORTAMENTAL – REVISÃO DE CONCEITOS A mudança de foco do sistema tecnico-produtivo para o sistema social abre novas perspectivas relativamente ao funcionamento das organizações Os operários apresentavam nível cultural e expectativas muito diferentes do operário do início do século. A maior complexidade da tecnologia exigia cada vez mais a aplicação intelectual do trabalhador, sendo o seu esforço físico substituído pelas próprias máquinas. Embora a organização ainda seja vista como um sistema fechado, o homem já não é um mero elemento do sistema interno da organização, mas um indivíduo – um ser humano com objetivos e inserção social própria.
  • 3. Foi dado o primeiro passo para introduzir na organização a incerteza provocada pelo ambiente exterior. O comportamento humano vai ser visto como o verdadeiro objeto do estudo das organizações. A motivação e o relacionamento interpessoal passam a ser considerados como a verdadeira chave da eficiência do sistema produtivo. A eficiência do sistema produtivo passa sobretudo pela vontade das pessoas – motivação. O objetivo passa a ser otimizar o sistema social e não o técnico-produtivo. Gerir a organização é gerir um sistema social, baseado no conhecimento profundo dos mecanismos da motivação humana e do funcionamento de sistemas sociais complexos. O gestor não é o chefe hierárquico ou o especialista técnico mas o condutor de homens capaz de motivar os indivíduos que integram a organização
  • 4. a) busca cooperação entre empresários, empregados e clientes - pessoas irão cooperar naturalmente, desde que o esforço possua sua justificativa nas vantagens e satisfações que geram b) administração deve criar um ambiente organizacional tal que os seus membros possam alcançar melhor os seus objetivos individuais, dirigindo seus esforços grupais para os objetivos da organização c) percepção, por parte da direção, da escala motivacional, em que cada indivíduo atua de forma particular e única d) estilo participativo de liderança em oposição ao autoritarismo 2. PRINCÍPIOS GERAIS
  • 5.
  • 6.
  • 7. Fonte: Adaptado de Maximiano, 2002 Fatores Motivacionais de Herzberg Uma alavancagem dentro da estrutura organizacional, em termos de cargo ou responsabilidade. Possibilidade de crescimento Possibilidade de aumento de status, perfil cognitivo ou mesmo de posição social. Desenvolvimento pessoal Proveniente da realização próprio trabalho ou do trabalho de outros Responsabilidade Tarefas consideradas agradáveis e que provocam satisfação. O trabalho em sí O recebimento de um reconhecimento público, ou não, por um trabalho bem-feito ou um resultado conseguido. Reconhecimento pela realização O término com sucesso de um trabalho ou tarefa; os resultados do próprio trabalho. Realização Determinantes Fatores Motivadores
  • 8. Fonte: Adaptado de Maximiano, 2002 Fatores Higiênicos de Herzberg Aspectos do trabalho que influenciam a vida pessoal. Vida pessoal O Valor da contrapartida da prestação de serviço. Remuneração Forma pela qual a nossa posição esta sendo vista pelos demais. Status Transações pessoais e de trabalho com os pares, ou subordinados e os superiores. Relações interpessoais Ambientes físicos e psicológicos que envolvem as pessoas e os grupos de trabalho. Condições ambientais Normas e procedimentos que encerram os valores e crenças da companhia. Políticas empresariais A disposição ou boa vontade de ensinar ou delegar responsabilidades aos subordinados Supervisão Determinantes Fatores higiênicos
  • 9. Auto-realização Estima Sociais Segurança Fisiológicas Fatores motivacionais ou intrínsecos Fatores higiênicos ou extrínsecos Podemos ver que os conceitos da Pirâmide das Necessidades de Maslow são reforçados através da Teoria dos dois fatores de Hezberg . Fonte: Adaptado de Chiavenato, 2006
  • 10. " Pebun " negativo : ocorre quando o trabalhador recebe um "pontapé no traseiro" (física ou psicologicamente) para executar a tarefa. Nos tempos antigos, isto poderia ser ilustrado pelas agressões físicas feitas aos escravos, para que eles cumprissem suas obrigações. Nos tempos modernos, o "pebun" negativo acontece toda vez que o trabalhador recebe broncas, punições ou ameaças para que execute a tarefa. " Pebun " positivo : ocorre quando um trabalhador é "seduzido" por alguma forma de incentivo para realizar a tarefa. Na verdade, ele não quer realizar a tarefa, apenas irá executá-la para receber alguma recompensa. Herzberg apontou várias armas de "sedução" utilizadas nas empresas. Entre elas, destacam-se: redução do expediente de trabalho, salários em espiral, benefícios previdenciários, apoio assistencial, participação nos lucros. Herzberg buscou evidenciar a diferença existente entre motivação e movimento. Ele chamou todos os fatores que servem apenas de estímulo externo à realização das tarefas de " pebuns ", afirmando que estes fatores geram apenas movimento. A motivação aconteceria apenas quando houvesse a vontade própria do indivíduo de realizar as tarefas. O movimento poderia ser gerado por dois tipos de " pebun ": Fonte: Adaptado de Queiroz, 1996
  • 11.
  • 12. Fonte: Adaptado de Castro, 2004 Ampliação Vertical do Trabalho ENRIQUECIMENTO DA TAREFA Tarefas Originais do Trabalho Ampliação horizontal do Trabalho Mais tarefas que dão crescente autonomia, responsabilidade ou tomada de decisão. Mais tarefas do mesmo tipo Enriquecimento da Tarefa
  • 13.
  • 14. 4.1 TEORIA X e Y de MACGREGOR Adaptado de Maximiano, 2002 Os trabalhadores buscam satisfazer suas necessidades de estima e realização e, portanto, estão dispostos a autodirigirem-se e a autocontrolarem-se no alcance de objetivos com os quais estão comprometidos. Para conseguir que os trabalhadores se engajem no trabalho é preciso utilizar um sistema de controle e punição. Os trabalhadores são capazes de imaginação e criatividade na resolução de problemas. Os trabalhadores não tomam iniciativa. Os trabalhadores apreciam o desafio. Os trabalhadores não apreciam mudanças. Os trabalhadores aprendem não só a aceitar responsabilidades, mas também a procurá-las. Os trabalhadores evitam as responsabilidades. O esforço físico e mental no trabalho é tão natural quanto as atividades de lazer. As pessoas encaram o trabalho como "um mal necessário". TEORIA Y TEORIA X
  • 15.
  • 16. Na próxima aula iremos ver como a soma destas teorias influenciam o comportamento humano dentro das organizações e, consequentemente direcionam para a consecução dos objetivos. A Escola Comportamental ou Behaviorista é a soma de todas as idéias ligadas à motivação para a obtenção de resultados. Até lá!
  • 17. CASTRO, Marcos Tadeu Moraes de. Apostila Administração de Recursos Humanos – II – ASMEC, 2004 CHIAVENATO, Idalberto – Princípios da Administração . 1ª Ed. São Paulo: Ed. Campus, 2006 MAXIMIANO , Antonio C. Teoria Geral da Administração: da escola científica à competitividade em Economia Globalizada . 3ª edição - São Paulo. Atlas. 2002 QUEIROZ, Simone Hering de. Motivação dos Quadros Operacionais para a Qualidade sob o Enfoque da Liderança Situacional . Tese. UFSC, 1996. [ on line, http://www.eps.ufsc.br/disserta96/queiroz/index/index disponibilizado em 12 de janeiro de 1997, capturado em 16 de janeiro de 2009] REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS