SlideShare uma empresa Scribd logo
DAVID HUME
• INVESTIGAÇÃO SOBRE A ORIGEM, POSSIBILIDADE E LIMITES DO CONHECIMENTO


                                  : IMPRESSÕES E IDEIAS
• CONTEÚDOS DO PENSAMENTO




• RELAÇÕES DE IDEIAS
• CONHECIMENTOS DE FACTO




O CETICISMO DE HUME
David Hume (1711-1756)
Herdeiro da revolução científica
e filosófica de Descartes, Kepler
e Newton, afirmou-se como um
cético moderado.
Hume procurou mostrar que as
nossas crenças acerca do mundo
não são racionalmente
justificadas.
CONTEÚDO DO PENSAMENTO: IMPRESSÕES E IDEIAS

“ Todas as percepções da mente humana se reduzem a dois tipos diferentes
que denominarei impressões e ideias. A diferença entre ambas consiste no grau
de força e da vivacidade com que incidem na mente e abrem caminho no nosso
pensamento e na nossa consciência…” David Hume


                TODO O CONHECIMENTO COMEÇA COM A EXPERIÊNCIA.
                OS CONTEÚDOS DA NOSSA MENTE SÃO AS PERCEÇÕES.
                HÁ DUAS ESPÉCIES DE PERCEÇÕES:

                - AS IMPRESSÕES – DADOS DA EXPERIÊNCIA, SENSAÇÕES
                EXTERNAS E SENTIMENTOS

                - IDEIAS – REPRESENTAÇÕES OU IMAGENS ENFRAQUECIDAS
                DAS IMPRESSÕES NO PENSAMENTO
Conteúdo
                                      do
                               Pensamento


                                                              Ideias
         Impressões
                                                    Cópias das impressões:
         Intensas e vivas
                                                    Menos vivas e intensas



Sensações                                       Simples
 Externas             Sentimentos                                       Complexas
                                               (memória:
                        Internos                                        (imaginação:
 (visuais,                                 Ideia de cavalo,
                        (emoções,                                      ideia de cavalo
auditivas…)                                ideia de asas…)
                        desejos…)                                          alado…)
TIPOS DE CONHECIMENTO

“Todos os objetos da razão ou investigação humanas podem naturalmente dividir-se
em duas classes, a saber, relações de ideias e conhecimentos de facto… “David Hume

              RELAÇÃO ENTRE IDEIAS SÃO CONHECIMENTOS A PRIORI –
              CONSISTEM EM ANALISAR OS TERMOS DE UMA
              PROPOSIÇÃO, ESTABELECER RELAÇÕES ENTRE AS IDEIAS QUE
              ELA CONTÉM



              CONHECIMENTO DE QUESTÕES DE FACTO – CONFRONTO DE
              PROPOSIÇÕES COM A EXPERIÊNCIA
RELAÇÕES DE IDEIAS E CONHECIMENTOS DE FACTO




     RELAÇÕES DE IDEIAS           CONHECIMENTOS DE FACTO

São conhecimentos a priori.      São conhecimentos a posteriori
A verdade das proposições e a    A verdade das proposições que
validade dos argumentos não      se referem a factos depende do
dependem da experiência          exame empírico

As relações de ideias são        A verdade das proposições de
verdades necessárias             facto é contingente
É logicamente impossível a sua
negação
As proposições que exprimem e    As proposições que se referem
combinam relações de ideias      a factos visam descobrir coisas
não nos dão conhecimento         sobre o mundo e dar
sobre o que se passa no mundo    conhecimento sobre o que nele
                                 existe ou acontece.
Tipos de
                                conhecimento



     Sobre relações de ideias
                                                 Sobre relações de facto
     Nenhum triângulo tem
                                                O calor dilata os metais
        quatro ângulos



 Verdades           Conhecimentos          Verdades            Conhecimentos
                       apriori                                   a posteriori
necessárias                              contingentes
                    (conhecidos pelo                             (Conhecidos
(não podem            pensamento)         (podem ser                 pela
 ser falsas)                                   falsas)           experiência)
OS CONHECIMENTOS DE FACTO E A RELAÇÃO DE CAUSALIDADE

“Em que consiste a nossa ideia de necessidade quando dizemos que dois
 objetos estão necessariamente ligados entre si…” David Hume



           OS CONHECIMENTOS DE FACTO BASEIAM-SE NO RACIOCÍNIO
           INDUTIVO E NA RELAÇÃO CAUSA - EFEITO


           POR RELAÇÃO CAUSAL ENTENDEMOS UMA CONEXÃO OU
           LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE CONHECiMENTOS
OS CONHECIMENTOS DE FACTO E A RELAÇÃO DE CAUSALIDADE


“Em que consiste a nossa ideia de necessidade quando dizemos que dois
 objetos estão necessariamente ligados entre si…” David Hume

           Não há nenhuma impressão sensível da qual
           derive a ideia de causa

            CONTUDO OBSERVAMOS:


            1. A SUCESSÃO TEMPORAL
            2. A CONJUNÇÃO CONSTANTE ENTRE DOIS FENÓMENOS E
            CHAMAMOS CAUSA AO QUE PRECEDE E EFEITO AO QUE
            SUCEDE
OS CONHECIMENTOS DE FACTO E A RELAÇÃO DE CAUSALIDADE


“Em que consiste a nossa ideia de necessidade quando dizemos que dois
 objetos estão necessariamente ligados entre si…” David Hume

            CONTUDO OBSERVAMOS:


            3. AO OBSERVAR QUE ALGUM EVENTO A TEM ATÉ AGORA
            SIDO SEMPRE SEGUIDO DO EVENTO B, ACREDITAMOS QUE,
            DA PRÓXIMA VEZ QUE OCORRER A, SUCEDERÁ B.
            ACREDITAMOS QUE O FUTURO SERÁ IGUAL AO PASSADO.
            4. DA OBSERVAÇÃO DESTA CONSTANTE CONJUGAÇÃO,
            FORMAMOS A IDEIA DE CAUSA.
            5. A IDEIA DE CAUSA NÃO DERIVA DA OBSERVAÇÃO DE UM
            FENÓMENO MAS DO DESENVOLVIMENTO DE UM COSTUME
            (O HÁBITO DE ESPERAR QUE B ACONTEÇA MAL VEMOS A
            ACONTECER).
O PROBLEMA DA EXISTÊNCIA DO MUNDO EXTERIOR




   - É a aparente constância das coisas que nos leva a acreditar
   que têm existência independentemente das nossas
   percepções.
   - Mas o facto de não se justificar racionalmente a existência
   do mundo, não significa que ele não exista.
   - Não há forma de saber se as impressões ou ideias da nossa
   mente correspondem a alguma realidade fora de nós.
O CETICISMO DE HUME

 OS LIMITES DO CONHECIMENTO



  Não podemos conhecer algo de que não tenhamos impressão sensível


 O CONHECIMENTO CIENTÍFICO NÃO É OBJETIVAMENTE JUSTIFICÁVEL


 Os conhecimentos de questões de facto consiste em descobrir as causas
 de certos efeitos mas a ideia de causa não deriva de uma impressão
 sensível, apenas da conjunção e sucessão temporal dos acontecimentos
O CETICISMO DE HUME

 A IDEIA DE CAUSA É RACIONAL E EMPERICAMENTE INJUSTIFICÁVEL



  A ideia de causa é uma crença subjetiva que resulta de um hábito
  (quando acontece A, daí resulta necessariamente B)


 A IDEIA DE CAUSA É SUBJETIVAMENTE NECESSÁRIA (CETICISMO MITIGADO)

 Acreditar que não há causa sem efeito é necessário para a vida que exige
  previsibilidade e segurança



 TODO O CONHECIMENTO SE LIMITA AO CAMPO DA EXPERIÊNCIA MAS NENHUMA
 VERDADE OBJETIVA SE PODE ALCANÇA ACERCA DOS FACTOS
1. Quais são para Hume os conteúdos da
mente e como se distinguem?




2. Como se explicam as ideias que não resultam
da observação como por exemplo cavalo alado?
1. Quais são para Hume os conteúdos da mente e
 como se distinguem?


Os conteúdos da mente são as impressões e as ideias.
As impressões correspondem aos dados da experiência ,
referem-se às nossas sensações externas e aos nossos
sentimentos.
As ideias são as representações ou imagens debilitadas,
enfraquecidas, das impressões.

A diferença entre as impressões e as ideias é de grau e não
de natureza; as ideias são cópias das impressões sensíveis.
Para Hume não há ideias inatas
2. Como se explicam as ideias que não resultam
da observação como por exemplo cavalo alado?


Embora não sejam observáveis formam-se a partir da
experiência, a ideia de cavalo deriva de uma impressão e a
ideia de asas também deriva da experiência. A ideia de
cavalo alado deriva de uma combinação de elementos
empíricos.
3. O que são relações entre ideias?




 4. O que são conhecimentos de facto?




5. O que distingue essencialmente relações de ideias e
questões de facto?
3. O que são relações entre ideias?




São proposições cuja verdade pode ser conhecida por
simples análise do significado das ideias que a compõem.

Ex: O quadrado tem quatro lados. A verdade desta
proposição determina-se pelo significado de “quadrado” e
“lados”

A verdade das proposições que consistem em relações de
ideias é independente da experiência, a priori.
4. O que são conhecimentos de facto?




São proposições cuja verdade só pode ser conhecida
mediante a experiência, observando os factos para verem
se aquelas são verdadeiras ou falsas.

Estas proposições são verdadeiras ou falsas a posteriori.
5. O que distingue essencialmente relações de
 ideias e questões de facto?



Para além da verdade das proposições que expressam relações
de ideias se determinar a priori enquanto a verdade das proposições
que expressam questões de facto se determinar a posteriori…

   a verdade das proposições que expressam relações de ideias é
   necessária enquanto que a verdade das proposições de facto é
   contingente e pode ser negada sem contradição.
6. O que significa a ideia de causalidade ou
 conexão necessária entre dois fenómenos?




 7. Segundo Hume por que não podemos
 comprovar empiricamente a relação causal entre
 fenómenos?



8. Como é que inferimos uma relação causal entre
fenómenos?
6. O que significa a ideia de causalidade ou
conexão necessária entre dois fenómenos?



Significa que entre dois fenómenos (A e B) há uma relação
tal que, acontecendo A não pode deixar de acontecer B.
7. Segundo Hume por que não podemos
comprovar empiricamente a relação causal entre
fenómenos?


Não podemos comprovar empiricamente a ideia de uma
conexão necessária porque as ideias derivam da
experiência e esta só nos dá a ideia de sucessão e de
conjunção temporal e espacial, mas não a ideia de que B
depende de A para acontecer. Não temos qualquer
impressão da ideia de causa.
8. Como é que inferimos uma relação
 causal entre fenómenos?


Não temos experiência da ideia de causa mas apenas da
conjunção constante entre fenómenos. A ideia de causa
surge do hábito de vermos constantemente associados dois
fenómenos. A ideia de causa tem uma raiz empírica
(psicológica) porque deriva de um hábito mental.
9. O conhecimento é possível?




10. Podemos conhecer a realidade
independentemente da experiência?
9. O conhecimento é possível?



É possível o conhecimento relativo a relação de ideias –
lógica e matemática.
Os conhecimentos de factos, baseados na ideia de causa
não têm justificação racional e empírica.
A ideia de causa resulta do hábito de pensar que não há
efeito sem causa
10. Podemos conhecer a realidade independentemente
da experiência?


Não podemos conhecer a realidade independentemente da
Experiência. Todo o conhecimento do que existe e acontece
no mundo deriva da experiência, embora esta não possa
garantir a objetividade dos conhecimentos
11ºB – 2011-2012




Adaptação manual
Filosofia 11º - Plátano Editora



                                     HB

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
AMLDRP
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
Luis De Sousa Rodrigues
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
Isabel Moura
 
A falácia da derrapagem
A falácia da derrapagemA falácia da derrapagem
A falácia da derrapagem
Luis De Sousa Rodrigues
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
Luis De Sousa Rodrigues
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
pyteroliva
 
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David HumeTeorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
guest9578d1
 
Modelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimentoModelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimento
Vitor Peixoto
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
Luis De Sousa Rodrigues
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
Luis De Sousa Rodrigues
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
Luis De Sousa Rodrigues
 
A incomensurabilidade dos paradigmas
A incomensurabilidade dos paradigmasA incomensurabilidade dos paradigmas
A incomensurabilidade dos paradigmas
Luis De Sousa Rodrigues
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
j_sdias
 
Hume causalidade
Hume causalidadeHume causalidade
Hume causalidade
celio correa
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
Isabel Moura
 

Mais procurados (20)

Objectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científicaObjectividade científica e racionalidade científica
Objectividade científica e racionalidade científica
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Hume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimentoHume_tipos_conhecimento
Hume_tipos_conhecimento
 
A falácia da derrapagem
A falácia da derrapagemA falácia da derrapagem
A falácia da derrapagem
 
Tipos de conhecimento
Tipos de conhecimentoTipos de conhecimento
Tipos de conhecimento
 
As críticas a kuhn
As críticas a kuhnAs críticas a kuhn
As críticas a kuhn
 
Popper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcaçãoPopper – o problema da demarcação
Popper – o problema da demarcação
 
Comparação descartes hume
Comparação descartes   humeComparação descartes   hume
Comparação descartes hume
 
David hume texto
David hume   textoDavid hume   texto
David hume texto
 
Popper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismoPopper contra o indutivismo
Popper contra o indutivismo
 
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David HumeTeorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
Teorias explicativas do conhecimento: O empirsmo de David Hume
 
Modelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimentoModelos explicativos do conhecimento
Modelos explicativos do conhecimento
 
O problema da indução
O problema da induçãoO problema da indução
O problema da indução
 
Impressões e ideias
Impressões e ideiasImpressões e ideias
Impressões e ideias
 
O hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessáriaO hábito e a ideia de conexão necessária
O hábito e a ideia de conexão necessária
 
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo   a uniformidade da naturezaO conhecimento do mundo   a uniformidade da natureza
O conhecimento do mundo a uniformidade da natureza
 
A incomensurabilidade dos paradigmas
A incomensurabilidade dos paradigmasA incomensurabilidade dos paradigmas
A incomensurabilidade dos paradigmas
 
11º b final
11º b   final11º b   final
11º b final
 
Hume causalidade
Hume causalidadeHume causalidade
Hume causalidade
 
Quadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartesQuadro_hume vs descartes
Quadro_hume vs descartes
 

Destaque

Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
IedaSantana
 
11:40 Uma Hora
11:40 Uma Hora 11:40 Uma Hora
11:40 Uma Hora
7039009
 
Paes
PaesPaes
Paes
Autonoma
 
Boletim Janeiro 2011
Boletim Janeiro 2011Boletim Janeiro 2011
Boletim Janeiro 2011
cspego
 
Origen del universo
Origen del universoOrigen del universo
Origen del universo
Kary Cordova
 
Característica syayayayç
Característica syayayayçCaracterística syayayayç
Característica syayayayç
Ivan Q
 
Bindu Baburajan
Bindu BaburajanBindu Baburajan
Bindu Baburajan
Bindu Baburajan
 
Power Point Miguel Conceição
Power Point Miguel ConceiçãoPower Point Miguel Conceição
Power Point Miguel Conceição
turmaservicodemesa
 
virus
virusvirus
virus
Ras
 
Sindromes digestivos
Sindromes digestivosSindromes digestivos
Sindromes digestivos
solnaciente2013
 
Cuestionariso de investigacion
Cuestionariso de investigacionCuestionariso de investigacion
Cuestionariso de investigacion
Ivan Q
 
Temas de investigacion
Temas de investigacionTemas de investigacion
Temas de investigacion
Ivan Q
 
Veranear en la costa alejandro v2
Veranear en la costa alejandro v2Veranear en la costa alejandro v2
Veranear en la costa alejandro v2
alexccf18
 
Luis Lugo interpreta Sonatas en Si menor y Dante de Liszt .Teatro 1ro de Mayo...
Luis Lugo interpreta Sonatas en Si menor y Dante de Liszt .Teatro 1ro de Mayo...Luis Lugo interpreta Sonatas en Si menor y Dante de Liszt .Teatro 1ro de Mayo...
Luis Lugo interpreta Sonatas en Si menor y Dante de Liszt .Teatro 1ro de Mayo...
Luis Lugo El Piano de Cuba I
 
Discurso pré sal
Discurso pré salDiscurso pré sal
Discurso pré sal
Marconi Ferreira Perillo Jr.
 
Luis Lugo teatro Colon la Coruña Ecos de cuba promo
Luis Lugo teatro Colon la Coruña Ecos de cuba promo Luis Lugo teatro Colon la Coruña Ecos de cuba promo
Luis Lugo teatro Colon la Coruña Ecos de cuba promo
Luis Lugo El Piano de Cuba I
 
Presentacion taller web20_educacion
Presentacion taller web20_educacionPresentacion taller web20_educacion
Presentacion taller web20_educacion
angelitapa06
 

Destaque (17)

Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
11:40 Uma Hora
11:40 Uma Hora 11:40 Uma Hora
11:40 Uma Hora
 
Paes
PaesPaes
Paes
 
Boletim Janeiro 2011
Boletim Janeiro 2011Boletim Janeiro 2011
Boletim Janeiro 2011
 
Origen del universo
Origen del universoOrigen del universo
Origen del universo
 
Característica syayayayç
Característica syayayayçCaracterística syayayayç
Característica syayayayç
 
Bindu Baburajan
Bindu BaburajanBindu Baburajan
Bindu Baburajan
 
Power Point Miguel Conceição
Power Point Miguel ConceiçãoPower Point Miguel Conceição
Power Point Miguel Conceição
 
virus
virusvirus
virus
 
Sindromes digestivos
Sindromes digestivosSindromes digestivos
Sindromes digestivos
 
Cuestionariso de investigacion
Cuestionariso de investigacionCuestionariso de investigacion
Cuestionariso de investigacion
 
Temas de investigacion
Temas de investigacionTemas de investigacion
Temas de investigacion
 
Veranear en la costa alejandro v2
Veranear en la costa alejandro v2Veranear en la costa alejandro v2
Veranear en la costa alejandro v2
 
Luis Lugo interpreta Sonatas en Si menor y Dante de Liszt .Teatro 1ro de Mayo...
Luis Lugo interpreta Sonatas en Si menor y Dante de Liszt .Teatro 1ro de Mayo...Luis Lugo interpreta Sonatas en Si menor y Dante de Liszt .Teatro 1ro de Mayo...
Luis Lugo interpreta Sonatas en Si menor y Dante de Liszt .Teatro 1ro de Mayo...
 
Discurso pré sal
Discurso pré salDiscurso pré sal
Discurso pré sal
 
Luis Lugo teatro Colon la Coruña Ecos de cuba promo
Luis Lugo teatro Colon la Coruña Ecos de cuba promo Luis Lugo teatro Colon la Coruña Ecos de cuba promo
Luis Lugo teatro Colon la Coruña Ecos de cuba promo
 
Presentacion taller web20_educacion
Presentacion taller web20_educacionPresentacion taller web20_educacion
Presentacion taller web20_educacion
 

Semelhante a Ppt david hume a

Ppt david hume 1
Ppt david hume 1Ppt david hume 1
Ppt david hume 1
AnaKlein1
 
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUMEPpt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
AnaKlein1
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Isabel Moura
 
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Sofia Yuna
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
mluisavalente
 
David Hume Percepções. Introdução ao pensamento de HUme (1).pdf
David Hume Percepções. Introdução ao pensamento de HUme (1).pdfDavid Hume Percepções. Introdução ao pensamento de HUme (1).pdf
David Hume Percepções. Introdução ao pensamento de HUme (1).pdf
filipepereira406050
 
Hume.pptx
Hume.pptxHume.pptx
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
barbarapinto1997
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
Helena Serrão
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
Sandra Wirthmann
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
Adeilsa Ferreira
 
Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
EfaSucesso
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Helena Serrão
 
Teoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosóficaTeoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosófica
juliomatheusaquino1
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
TamraSilva
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
Milena Marelli
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTT
Joaquim Melro
 
O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
guest9578d1
 
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoEstrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Jorge Barbosa
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
Ana Felizardo
 

Semelhante a Ppt david hume a (20)

Ppt david hume 1
Ppt david hume 1Ppt david hume 1
Ppt david hume 1
 
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUMEPpt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
Ppt O EMPIRISMO DE DAVID HUME
 
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_DeusHume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
Hume_problemas_existência_eu_mundo_Deus
 
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
Filosofia Origem e objetos do conhecimento segundo hume
 
David Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VIDavid Hume - Trab Grupo VI
David Hume - Trab Grupo VI
 
David Hume Percepções. Introdução ao pensamento de HUme (1).pdf
David Hume Percepções. Introdução ao pensamento de HUme (1).pdfDavid Hume Percepções. Introdução ao pensamento de HUme (1).pdf
David Hume Percepções. Introdução ao pensamento de HUme (1).pdf
 
Hume.pptx
Hume.pptxHume.pptx
Hume.pptx
 
Filosofia 11ºano
Filosofia 11ºanoFilosofia 11ºano
Filosofia 11ºano
 
Descartes críticas
Descartes críticasDescartes críticas
Descartes críticas
 
1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo1 ano razao empirismo
1 ano razao empirismo
 
Consciência e verdade
Consciência e verdadeConsciência e verdade
Consciência e verdade
 
Aula Conhecimento 18.02.09
Aula   Conhecimento 18.02.09Aula   Conhecimento 18.02.09
Aula Conhecimento 18.02.09
 
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
Comodescartesultrapassaocepticismo 120217104847-phpapp02
 
Teoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosóficaTeoria do conhecimento da aula filosófica
Teoria do conhecimento da aula filosófica
 
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdfresumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
resumo_do_11º_ano_para_prepaprar_o_exame.pdf
 
Documento
DocumentoDocumento
Documento
 
O empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTTO empirismo de David Hume PTT
O empirismo de David Hume PTT
 
O emprismo de David Hume
O emprismo de David HumeO emprismo de David Hume
O emprismo de David Hume
 
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - ResumoEstrutura do Acto de Conhecer - Resumo
Estrutura do Acto de Conhecer - Resumo
 
Filosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; sínteseFilosofia do conhecimento; síntese
Filosofia do conhecimento; síntese
 

Ppt david hume a

  • 1. DAVID HUME • INVESTIGAÇÃO SOBRE A ORIGEM, POSSIBILIDADE E LIMITES DO CONHECIMENTO : IMPRESSÕES E IDEIAS • CONTEÚDOS DO PENSAMENTO • RELAÇÕES DE IDEIAS • CONHECIMENTOS DE FACTO O CETICISMO DE HUME
  • 2. David Hume (1711-1756) Herdeiro da revolução científica e filosófica de Descartes, Kepler e Newton, afirmou-se como um cético moderado. Hume procurou mostrar que as nossas crenças acerca do mundo não são racionalmente justificadas.
  • 3. CONTEÚDO DO PENSAMENTO: IMPRESSÕES E IDEIAS “ Todas as percepções da mente humana se reduzem a dois tipos diferentes que denominarei impressões e ideias. A diferença entre ambas consiste no grau de força e da vivacidade com que incidem na mente e abrem caminho no nosso pensamento e na nossa consciência…” David Hume TODO O CONHECIMENTO COMEÇA COM A EXPERIÊNCIA. OS CONTEÚDOS DA NOSSA MENTE SÃO AS PERCEÇÕES. HÁ DUAS ESPÉCIES DE PERCEÇÕES: - AS IMPRESSÕES – DADOS DA EXPERIÊNCIA, SENSAÇÕES EXTERNAS E SENTIMENTOS - IDEIAS – REPRESENTAÇÕES OU IMAGENS ENFRAQUECIDAS DAS IMPRESSÕES NO PENSAMENTO
  • 4. Conteúdo do Pensamento Ideias Impressões Cópias das impressões: Intensas e vivas Menos vivas e intensas Sensações Simples Externas Sentimentos Complexas (memória: Internos (imaginação: (visuais, Ideia de cavalo, (emoções, ideia de cavalo auditivas…) ideia de asas…) desejos…) alado…)
  • 5. TIPOS DE CONHECIMENTO “Todos os objetos da razão ou investigação humanas podem naturalmente dividir-se em duas classes, a saber, relações de ideias e conhecimentos de facto… “David Hume RELAÇÃO ENTRE IDEIAS SÃO CONHECIMENTOS A PRIORI – CONSISTEM EM ANALISAR OS TERMOS DE UMA PROPOSIÇÃO, ESTABELECER RELAÇÕES ENTRE AS IDEIAS QUE ELA CONTÉM CONHECIMENTO DE QUESTÕES DE FACTO – CONFRONTO DE PROPOSIÇÕES COM A EXPERIÊNCIA
  • 6. RELAÇÕES DE IDEIAS E CONHECIMENTOS DE FACTO RELAÇÕES DE IDEIAS CONHECIMENTOS DE FACTO São conhecimentos a priori. São conhecimentos a posteriori A verdade das proposições e a A verdade das proposições que validade dos argumentos não se referem a factos depende do dependem da experiência exame empírico As relações de ideias são A verdade das proposições de verdades necessárias facto é contingente É logicamente impossível a sua negação As proposições que exprimem e As proposições que se referem combinam relações de ideias a factos visam descobrir coisas não nos dão conhecimento sobre o mundo e dar sobre o que se passa no mundo conhecimento sobre o que nele existe ou acontece.
  • 7. Tipos de conhecimento Sobre relações de ideias Sobre relações de facto Nenhum triângulo tem O calor dilata os metais quatro ângulos Verdades Conhecimentos Verdades Conhecimentos apriori a posteriori necessárias contingentes (conhecidos pelo (Conhecidos (não podem pensamento) (podem ser pela ser falsas) falsas) experiência)
  • 8. OS CONHECIMENTOS DE FACTO E A RELAÇÃO DE CAUSALIDADE “Em que consiste a nossa ideia de necessidade quando dizemos que dois objetos estão necessariamente ligados entre si…” David Hume OS CONHECIMENTOS DE FACTO BASEIAM-SE NO RACIOCÍNIO INDUTIVO E NA RELAÇÃO CAUSA - EFEITO POR RELAÇÃO CAUSAL ENTENDEMOS UMA CONEXÃO OU LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE CONHECiMENTOS
  • 9. OS CONHECIMENTOS DE FACTO E A RELAÇÃO DE CAUSALIDADE “Em que consiste a nossa ideia de necessidade quando dizemos que dois objetos estão necessariamente ligados entre si…” David Hume Não há nenhuma impressão sensível da qual derive a ideia de causa CONTUDO OBSERVAMOS: 1. A SUCESSÃO TEMPORAL 2. A CONJUNÇÃO CONSTANTE ENTRE DOIS FENÓMENOS E CHAMAMOS CAUSA AO QUE PRECEDE E EFEITO AO QUE SUCEDE
  • 10. OS CONHECIMENTOS DE FACTO E A RELAÇÃO DE CAUSALIDADE “Em que consiste a nossa ideia de necessidade quando dizemos que dois objetos estão necessariamente ligados entre si…” David Hume CONTUDO OBSERVAMOS: 3. AO OBSERVAR QUE ALGUM EVENTO A TEM ATÉ AGORA SIDO SEMPRE SEGUIDO DO EVENTO B, ACREDITAMOS QUE, DA PRÓXIMA VEZ QUE OCORRER A, SUCEDERÁ B. ACREDITAMOS QUE O FUTURO SERÁ IGUAL AO PASSADO. 4. DA OBSERVAÇÃO DESTA CONSTANTE CONJUGAÇÃO, FORMAMOS A IDEIA DE CAUSA. 5. A IDEIA DE CAUSA NÃO DERIVA DA OBSERVAÇÃO DE UM FENÓMENO MAS DO DESENVOLVIMENTO DE UM COSTUME (O HÁBITO DE ESPERAR QUE B ACONTEÇA MAL VEMOS A ACONTECER).
  • 11. O PROBLEMA DA EXISTÊNCIA DO MUNDO EXTERIOR - É a aparente constância das coisas que nos leva a acreditar que têm existência independentemente das nossas percepções. - Mas o facto de não se justificar racionalmente a existência do mundo, não significa que ele não exista. - Não há forma de saber se as impressões ou ideias da nossa mente correspondem a alguma realidade fora de nós.
  • 12. O CETICISMO DE HUME OS LIMITES DO CONHECIMENTO  Não podemos conhecer algo de que não tenhamos impressão sensível O CONHECIMENTO CIENTÍFICO NÃO É OBJETIVAMENTE JUSTIFICÁVEL  Os conhecimentos de questões de facto consiste em descobrir as causas  de certos efeitos mas a ideia de causa não deriva de uma impressão  sensível, apenas da conjunção e sucessão temporal dos acontecimentos
  • 13. O CETICISMO DE HUME A IDEIA DE CAUSA É RACIONAL E EMPERICAMENTE INJUSTIFICÁVEL  A ideia de causa é uma crença subjetiva que resulta de um hábito  (quando acontece A, daí resulta necessariamente B) A IDEIA DE CAUSA É SUBJETIVAMENTE NECESSÁRIA (CETICISMO MITIGADO)  Acreditar que não há causa sem efeito é necessário para a vida que exige previsibilidade e segurança TODO O CONHECIMENTO SE LIMITA AO CAMPO DA EXPERIÊNCIA MAS NENHUMA VERDADE OBJETIVA SE PODE ALCANÇA ACERCA DOS FACTOS
  • 14. 1. Quais são para Hume os conteúdos da mente e como se distinguem? 2. Como se explicam as ideias que não resultam da observação como por exemplo cavalo alado?
  • 15. 1. Quais são para Hume os conteúdos da mente e como se distinguem? Os conteúdos da mente são as impressões e as ideias. As impressões correspondem aos dados da experiência , referem-se às nossas sensações externas e aos nossos sentimentos. As ideias são as representações ou imagens debilitadas, enfraquecidas, das impressões. A diferença entre as impressões e as ideias é de grau e não de natureza; as ideias são cópias das impressões sensíveis. Para Hume não há ideias inatas
  • 16. 2. Como se explicam as ideias que não resultam da observação como por exemplo cavalo alado? Embora não sejam observáveis formam-se a partir da experiência, a ideia de cavalo deriva de uma impressão e a ideia de asas também deriva da experiência. A ideia de cavalo alado deriva de uma combinação de elementos empíricos.
  • 17. 3. O que são relações entre ideias? 4. O que são conhecimentos de facto? 5. O que distingue essencialmente relações de ideias e questões de facto?
  • 18. 3. O que são relações entre ideias? São proposições cuja verdade pode ser conhecida por simples análise do significado das ideias que a compõem. Ex: O quadrado tem quatro lados. A verdade desta proposição determina-se pelo significado de “quadrado” e “lados” A verdade das proposições que consistem em relações de ideias é independente da experiência, a priori.
  • 19. 4. O que são conhecimentos de facto? São proposições cuja verdade só pode ser conhecida mediante a experiência, observando os factos para verem se aquelas são verdadeiras ou falsas. Estas proposições são verdadeiras ou falsas a posteriori.
  • 20. 5. O que distingue essencialmente relações de ideias e questões de facto? Para além da verdade das proposições que expressam relações de ideias se determinar a priori enquanto a verdade das proposições que expressam questões de facto se determinar a posteriori… a verdade das proposições que expressam relações de ideias é necessária enquanto que a verdade das proposições de facto é contingente e pode ser negada sem contradição.
  • 21. 6. O que significa a ideia de causalidade ou conexão necessária entre dois fenómenos? 7. Segundo Hume por que não podemos comprovar empiricamente a relação causal entre fenómenos? 8. Como é que inferimos uma relação causal entre fenómenos?
  • 22. 6. O que significa a ideia de causalidade ou conexão necessária entre dois fenómenos? Significa que entre dois fenómenos (A e B) há uma relação tal que, acontecendo A não pode deixar de acontecer B.
  • 23. 7. Segundo Hume por que não podemos comprovar empiricamente a relação causal entre fenómenos? Não podemos comprovar empiricamente a ideia de uma conexão necessária porque as ideias derivam da experiência e esta só nos dá a ideia de sucessão e de conjunção temporal e espacial, mas não a ideia de que B depende de A para acontecer. Não temos qualquer impressão da ideia de causa.
  • 24. 8. Como é que inferimos uma relação causal entre fenómenos? Não temos experiência da ideia de causa mas apenas da conjunção constante entre fenómenos. A ideia de causa surge do hábito de vermos constantemente associados dois fenómenos. A ideia de causa tem uma raiz empírica (psicológica) porque deriva de um hábito mental.
  • 25. 9. O conhecimento é possível? 10. Podemos conhecer a realidade independentemente da experiência?
  • 26. 9. O conhecimento é possível? É possível o conhecimento relativo a relação de ideias – lógica e matemática. Os conhecimentos de factos, baseados na ideia de causa não têm justificação racional e empírica. A ideia de causa resulta do hábito de pensar que não há efeito sem causa
  • 27. 10. Podemos conhecer a realidade independentemente da experiência? Não podemos conhecer a realidade independentemente da Experiência. Todo o conhecimento do que existe e acontece no mundo deriva da experiência, embora esta não possa garantir a objetividade dos conhecimentos
  • 28. 11ºB – 2011-2012 Adaptação manual Filosofia 11º - Plátano Editora HB