SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Práticas no
processo de ensino
aprendizagem da
criança com
deficiência
Palestrantes: Elaine Cristina Trindade Faria
Layse Alves Santiago
O que é deficiência?
 Deficiência é

o termo usado para definir a ausência ou a
disfunção de uma estrutura psíquica, fisiológica ou anatômica.
Diz respeito à atividade exercida pela biologia da pessoa.
Este conceito foi definido pela Organização Mundial de
Saúde.

A

pessoa com deficiência geralmente precisa de atendimento
especializado, seja para fins educacionais, terapêuticos, como
fisioterapia ou estimulação motora, seja para que possa
aprender a lidar com a deficiência e a desenvolver as
potencialidades. 
Como tudo começa....


Quando uma criança nasce com uma deficiência começa para ela e sua
família uma longa história de dificuldades. Não é apenas a deficiência que
torna difícil a sua existência, mas a atitude das pessoas e da sociedade
diante de sua condição. 
Durante muito tempo acreditou-se que as pessoas com deficiência mental
não aprendiam os conteúdos acadêmicos ensinados na escola. Por essa
razão, a sua educação era pautada na crença de que só teriam acesso a
aprendizagens relacionadas a atividades da vida diária (auto-cuidado e
segurança), algumas habilidades sociais, de lazer e de trabalho
supervisionado, ou pouco mais. 
Felizmente, a ideia e a vergonha do deficiente foram sendo substituídas
pela esperança e possibilidade de aprendizagem. Portanto, vamos aprender
um pouco mais sobre a importância de desenvolver um trabalho eficaz
com a criança com deficiência a fim de que ela tenha sucesso no processo
ensino-aprendizagem!
Dia a dia escolar...
 Existem

fatores que prejudicam o processo ensinoaprendizagem da criança com deficiência no ambiente
escolar, seja ele interno ou externo, tais como:

Preconceito – Baixa auto-estima – Falta de estímulos – Metodologias

Portanto cabe ao professor uma melhor reflexão sobre sua
imprescindível tarefa no processo de construção do
conhecimento. Sendo assim, o professor tem que se
predispor a criar novas aprendizagens, aceitar este novo
desafio, e, acima de tudo amar sua tarefa de educar e
participar ativamente do processo de aprender a aprender. 
As brincadeiras como recurso
pedagógico
 As

atividades lúdicas possuem
grandes vantagens para o
trabalho com a criança com
deficiência, pois essas
vivenciam muitas situações de
fracasso no seu dia a dia e o
uso da ludicidade pode
contribuir para aliviar as
pressões em relação aos seus
resultados.
 Ao

brincar diversas habilidades estarão sendo estimulada:
Atenção, memorização, coordenação motora, linguagem.
 No brincar a criança se interage com o meio, e muitas vezes,
com o outro. Neste sentido aprende como ser e agir no
mundo. Aprende sobre as coisas, sobre as regras, aprende a
cooperar, a compartilhar experiências, interesses e
necessidades.
 O jogo pode ser transformado numa ferramenta pedagógica,
sendo um meio fundamental para o desenvolvimento
integral, pois envolve a sensorialidade, a percepção, o afeto,
a coordenação motora, o pensamento, a imaginação, etc.
 o jogo é necessário para o desenvolvimento cognitivo
principalmente nos cinco primeiros anos de vida.
Sugestões para trabalhar com
as crianças com deficiência...
Deficiente Intelectual
 Característica:

Limitações significativas no funcionamento
intelectual da pessoa e no seu comportamento adaptativo.
 Equívoco principal: Infância eterna e falta de capacidade
de aprendizagem.
 Dificuldade natural: Dificuldade de abstração e
compreensão.
 Algumas dicas: Priorize instruções curtas e objetivas;
demonstrações de sequencia das atividades; valorize seus
acertos e não enfatize as dificuldades; estimule o
pensamento: de quem é a vez? O que fazer agora?; feedback
estimula a memória; atenção ao planejar!
Dado do tempo

Boneco articulado

Boliche

Muitos alunos com Deficiência Intelectual também possui limitações
motoras, portanto cuidado ao planejar atividades que exijam essas
funções, não no sentido de eliminá-las, mas de criar estratégias que
não prejudiquem sua atuação.
Deficiência motora
 -Característica

- Variedade de condições não sensoriais
que afetam o individuo em termos de mobilidade, de
coordenação motora geral ou da fala.
 Equívoco- Ser confundida com deficiente intelectual.
 Dificuldade natural- Limitação em seus movimentos.
 Algumas dicas- Atividades que ofereçam a oportunidade
de sentir seu próprio corpo e seus movimentos; cuidado
com a postura do aluno; utilizar lápis mais grosso ou adaptálos; evitar o uso de cadernos que são difíceis de fixar na
mesa, preferindo a folha solta fixando-a em uma prancha.
Que tal percebermos se temos
alguma dificuldade motora?
Sol
Casa
Árvore
Pessoa
Deficiência auditiva
 Característica-

Perda parcial ou total das possibilidades

sonoras.
 Equívoco- Mudo? Mudinho? Não! Simplesmente surdo!
 Dificuldade natural- Assimilação do português escrito.
 Algumas dicas- valorize o espaço visual: materiais
coloridos, tamanhos e formas diferentes, facilita a atenção;
instruções simples e com pistas visuais; atividades em duplas
facilita a comunicação e o entendimento.
Vamos testar a nossa capacidade
de comunicação sem usar a fala?
Deficiência visual
 Características-

Perda da visão não podendo ser
corrigida por tratamento clinico/cirúrgico, pode ser
cegueira ou uma baixa visão.
 Equívoco- correr? Subir em arvore? Jogar bola? Isso é
possível?
 Dificuldade natural- Atenção e concentração/
audição aguçada.
 Algumas dicas- Comando verbal do professor; evite
palavras aqui ou ali; ensinar conceitos espaciais;
estimulo a memória, aos sentidos, ao equilíbrio;
percepção tátil; conhecer o aluno.
os
tad
p
ada
s
og o
J

Alfabeto Braille

Livro sensorial
Criança autista







Característica-    Inabilidade para interagir socialmente, padrão de
comportamento restritivo e repetitivo e dificuldade de comunicar-se.
Equívoco- as crianças autistas são mais “birrentas”?
Dificuldade natural- A linguagem comprometida.
Algumas dicas- É fundamental descobrir um meio ou técnica, que
possibilitem estabelecer algum tipo de comunicação com o autista;
Autistas têm dificuldade de lidar com mudanças, por isso é
importante manter o seu mundo organizado e dentro da rotina;
Apesar da tendência atual ser a inclusão de alunos com deficiência
em escolas regulares, as limitações que o distúrbio provoca devem
ser respeitadas. Há casos em que o melhor é procurar uma
instituição que ofereça atendimento mais individualizado;
* Autistas de bom rendimento podem apresentar desempenho em
determinadas áreas do conhecimento com características de
genialidade.
Músicas que estimule o contato físico

Previsibilidade das aulas /
quadro de rotina

Combinações de regras
Alunos talentos – Altas
Habilidades
Característica- Altas habilidades referem-se aos
comportamentos observados e/ou relatados que confirmam a
expressão de ‘traços consistentemente superiores’ em relação
a uma média (por exemplo: idade, produção ou série escolar)
em qualquer campo do saber ou do fazer. 
 Equívoco- São superdotados? Não!
 Dificuldade natural- Rótulos: “aluno problema”, aluno
hiperativo, aluno inquieto,
 Algumas dicas- Cuidado para que as relações estabelecidas
em sala de aula não sejam vistas pelo aluno com altas
habilidades como algo negativo. Não deixar o aluno se sentir
diferente “melhor”. Cuidado com a introversão do aluno. É
necessário troca de experiência “conviver com o outro”.

Xadrez

Tangram

Sudoku

Uma alarmante possibilidade é ser absorvido por grupos ativos
em organizações anti-sociais, situações onde seu potencial é
estimulado e desenvolvido, mas na direção contrária ao
desejável para a sua realização pessoal e contribuição efetiva à
sociedade
Fica a dica!
É compreensível que o desconhecido provoque
medo e incertezas na prática docente com os
alunos com deficiência. No entanto, esse fator
não pode influenciar no trabalho do professor,
que deve buscar estratégias, recursos e orientação
em relação à educação desses alunos. Pois a cada
dia que passa, as salas de aula, estão cada vez mais
heterogêneos, pois cada um apresenta uma
particularidade em especial e ninguém é igual a
ninguém!
Referencias Bibliográficas
BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação
Especial. Diretrizes gerais para o atendimento educacional
dos alunos portadores de altas habilidades/superdotação e
talentos. Brasília: MEC/SEESP, 1995.
 Zapparoli, Kelen. Estratégias lúdicas para o ensino da criança
com deficiência: ed.Wak ,1ª ed.
 http:www.tvbrasil.org.br/fotos/salto/series/175610Desafios.


Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videocraeditgd
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemMaristela Couto
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide AutismoUNIME
 
Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Raimunda Pereira Lopes
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especialAndreia Gomes
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativoscraeditgd
 
Deficiência física
Deficiência físicaDeficiência física
Deficiência físicayurigadelha
 
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...Ana Maria Louzada
 
Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolamarleneevang
 
Formação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalFormação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalRosana Santos
 
Historia da Educação Especial no Brasil
 Historia da Educação Especial no Brasil Historia da Educação Especial no Brasil
Historia da Educação Especial no Brasilizabel Lucia
 

Mais procurados (20)

Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
 
Sídromes trastornos-deficiencias-katiaqueiroz
Sídromes trastornos-deficiencias-katiaqueirozSídromes trastornos-deficiencias-katiaqueiroz
Sídromes trastornos-deficiencias-katiaqueiroz
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Transtornos da aprendizagem ufop
Transtornos da aprendizagem   ufopTranstornos da aprendizagem   ufop
Transtornos da aprendizagem ufop
 
Educação inclusiva
Educação inclusivaEducação inclusiva
Educação inclusiva
 
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
 
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação EspecialOrientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
Orientações sobre avaliação do aluno da Educação Especial
 
Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2Slaide sobre deficiencia intelectual 2
Slaide sobre deficiencia intelectual 2
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
AEE
AEEAEE
AEE
 
Slide educação especial
Slide educação especialSlide educação especial
Slide educação especial
 
Tea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativosTea intervenção em contextos educativos
Tea intervenção em contextos educativos
 
Deficiência física
Deficiência físicaDeficiência física
Deficiência física
 
A INCLUSÃO ESCOLAR
A  INCLUSÃO ESCOLAR A  INCLUSÃO ESCOLAR
A INCLUSÃO ESCOLAR
 
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
DIFICULDADES, TRANSTORNOS OU DIVERSIDADE DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFAB...
 
Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escola
 
Formação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores EducacionalFormação para Cuidadores Educacional
Formação para Cuidadores Educacional
 
Historia da Educação Especial no Brasil
 Historia da Educação Especial no Brasil Historia da Educação Especial no Brasil
Historia da Educação Especial no Brasil
 

Destaque

Transtorno Obsessivo Compulsivo
Transtorno Obsessivo CompulsivoTranstorno Obsessivo Compulsivo
Transtorno Obsessivo CompulsivoBrunagil
 
Deficiência Mental, Autismo
Deficiência Mental, AutismoDeficiência Mental, Autismo
Deficiência Mental, Autismocraeditgd
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOCassia Dias
 
Memorial acadêmico
Memorial acadêmicoMemorial acadêmico
Memorial acadêmicoCNSR
 
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectual
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectualEstrategias pedagogicas com deficiente intelectual
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectualPaula Aparecida Alve Alves
 

Destaque (6)

Transtorno Obsessivo Compulsivo
Transtorno Obsessivo CompulsivoTranstorno Obsessivo Compulsivo
Transtorno Obsessivo Compulsivo
 
Deficiência motora
Deficiência motoraDeficiência motora
Deficiência motora
 
Deficiência Mental, Autismo
Deficiência Mental, AutismoDeficiência Mental, Autismo
Deficiência Mental, Autismo
 
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDOTranstorno Desafiador Opositivo - TDO
Transtorno Desafiador Opositivo - TDO
 
Memorial acadêmico
Memorial acadêmicoMemorial acadêmico
Memorial acadêmico
 
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectual
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectualEstrategias pedagogicas com deficiente intelectual
Estrategias pedagogicas com deficiente intelectual
 

Semelhante a Práticas de Ensino para Deficientes

Livro aprendizagem de a a z deficiencias intelectuais
Livro aprendizagem de a a z  deficiencias intelectuaisLivro aprendizagem de a a z  deficiencias intelectuais
Livro aprendizagem de a a z deficiencias intelectuaisAndréa Luciana
 
Síndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAHSíndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAHceciliaconserva
 
Atraso cognitivo
Atraso cognitivoAtraso cognitivo
Atraso cognitivosedf
 
Anexo 7 cartillha super dotados
Anexo 7 cartillha super dotadosAnexo 7 cartillha super dotados
Anexo 7 cartillha super dotadosJULIAROCHACAMARGO1
 
Educação especial 2 marcia
Educação especial 2  marciaEducação especial 2  marcia
Educação especial 2 marciaeemariomanoel
 
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdadeEntendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdadeLuziete Leite
 
3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexia3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexiajoao_sousa
 
Educa%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusicaEduca%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusicaEliane1964
 
2°apresentação reforço e recurso2016
2°apresentação reforço e recurso20162°apresentação reforço e recurso2016
2°apresentação reforço e recurso2016Dalva Pereira Martins
 
Investigação sobre TDAH.pptx
Investigação sobre TDAH.pptxInvestigação sobre TDAH.pptx
Investigação sobre TDAH.pptxVivianeAzevedo37
 
VER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDERVER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDERedmarap
 
Crianças com dificuldade de aprendizagem
Crianças com dificuldade de aprendizagemCrianças com dificuldade de aprendizagem
Crianças com dificuldade de aprendizagemJanison Correia
 
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Conceição Áquila
 
A inclusão e o tdah
A inclusão e o tdahA inclusão e o tdah
A inclusão e o tdahAlzira Dias
 

Semelhante a Práticas de Ensino para Deficientes (20)

Livro aprendizagem de a a z deficiencias intelectuais
Livro aprendizagem de a a z  deficiencias intelectuaisLivro aprendizagem de a a z  deficiencias intelectuais
Livro aprendizagem de a a z deficiencias intelectuais
 
Síndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAHSíndrome de Down e TDAH
Síndrome de Down e TDAH
 
Atraso cognitivo
Atraso cognitivoAtraso cognitivo
Atraso cognitivo
 
Anexo 7 cartillha super dotados
Anexo 7 cartillha super dotadosAnexo 7 cartillha super dotados
Anexo 7 cartillha super dotados
 
Educação especial 2 marcia
Educação especial 2  marciaEducação especial 2  marcia
Educação especial 2 marcia
 
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdadeEntendendo a diversidade para incluir de verdade
Entendendo a diversidade para incluir de verdade
 
3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexia3 cartillha dislexia
3 cartillha dislexia
 
Anexo 6 cartillha dislexia
Anexo 6 cartillha dislexiaAnexo 6 cartillha dislexia
Anexo 6 cartillha dislexia
 
Educa%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusicaEduca%e7%e3o inclusica
Educa%e7%e3o inclusica
 
2°apresentação reforço e recurso2016
2°apresentação reforço e recurso20162°apresentação reforço e recurso2016
2°apresentação reforço e recurso2016
 
EJa
EJaEJa
EJa
 
Anexo 9 cartillha tdah
Anexo 9 cartillha tdahAnexo 9 cartillha tdah
Anexo 9 cartillha tdah
 
Anexo 5 cartillha discalculia
Anexo 5 cartillha discalculiaAnexo 5 cartillha discalculia
Anexo 5 cartillha discalculia
 
Investigação sobre TDAH.pptx
Investigação sobre TDAH.pptxInvestigação sobre TDAH.pptx
Investigação sobre TDAH.pptx
 
VER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDERVER, NÃO VER E APRENDER
VER, NÃO VER E APRENDER
 
Crianças com dificuldade de aprendizagem
Crianças com dificuldade de aprendizagemCrianças com dificuldade de aprendizagem
Crianças com dificuldade de aprendizagem
 
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
Dificuldade de aprendizagem: deficiência intelectual ou atraso cognitivo.
 
A inclusão e o tdah
A inclusão e o tdahA inclusão e o tdah
A inclusão e o tdah
 
Eci
EciEci
Eci
 
Eci
EciEci
Eci
 

Mais de unidadebetinho

Gênero e diversidade na escola publicar
Gênero e diversidade na escola   publicarGênero e diversidade na escola   publicar
Gênero e diversidade na escola publicarunidadebetinho
 
Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.unidadebetinho
 
Deficiência Visual e Educação
Deficiência Visual e EducaçãoDeficiência Visual e Educação
Deficiência Visual e Educaçãounidadebetinho
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Librasunidadebetinho
 
A importância da afetividade na organização funcional do cérebro para a const...
A importância da afetividade na organização funcional do cérebro para a const...A importância da afetividade na organização funcional do cérebro para a const...
A importância da afetividade na organização funcional do cérebro para a const...unidadebetinho
 
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagemEstudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagemunidadebetinho
 
Dislexia como trabalhar com o aluno
Dislexia como trabalhar com o alunoDislexia como trabalhar com o aluno
Dislexia como trabalhar com o alunounidadebetinho
 
A música no processo de ensino de libras
A música no processo de ensino de librasA música no processo de ensino de libras
A música no processo de ensino de librasunidadebetinho
 

Mais de unidadebetinho (10)

Gênero e diversidade na escola publicar
Gênero e diversidade na escola   publicarGênero e diversidade na escola   publicar
Gênero e diversidade na escola publicar
 
Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.Deficiência Visual e Educação.
Deficiência Visual e Educação.
 
Deficiência Visual e Educação
Deficiência Visual e EducaçãoDeficiência Visual e Educação
Deficiência Visual e Educação
 
Intérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de LibrasIntérpretes Educacionais de Libras
Intérpretes Educacionais de Libras
 
A importância da afetividade na organização funcional do cérebro para a const...
A importância da afetividade na organização funcional do cérebro para a const...A importância da afetividade na organização funcional do cérebro para a const...
A importância da afetividade na organização funcional do cérebro para a const...
 
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagemEstudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
Estudo Contos de fadas e suas contribuições para o processo ensino-aprendizagem
 
Dislexia como trabalhar com o aluno
Dislexia como trabalhar com o alunoDislexia como trabalhar com o aluno
Dislexia como trabalhar com o aluno
 
Estudo discalculia
Estudo discalculiaEstudo discalculia
Estudo discalculia
 
A música no processo de ensino de libras
A música no processo de ensino de librasA música no processo de ensino de libras
A música no processo de ensino de libras
 
Projeto dalvina
Projeto dalvinaProjeto dalvina
Projeto dalvina
 

Práticas de Ensino para Deficientes

  • 1. Práticas no processo de ensino aprendizagem da criança com deficiência Palestrantes: Elaine Cristina Trindade Faria Layse Alves Santiago
  • 2. O que é deficiência?  Deficiência é o termo usado para definir a ausência ou a disfunção de uma estrutura psíquica, fisiológica ou anatômica. Diz respeito à atividade exercida pela biologia da pessoa. Este conceito foi definido pela Organização Mundial de Saúde. A pessoa com deficiência geralmente precisa de atendimento especializado, seja para fins educacionais, terapêuticos, como fisioterapia ou estimulação motora, seja para que possa aprender a lidar com a deficiência e a desenvolver as potencialidades. 
  • 3. Como tudo começa....  Quando uma criança nasce com uma deficiência começa para ela e sua família uma longa história de dificuldades. Não é apenas a deficiência que torna difícil a sua existência, mas a atitude das pessoas e da sociedade diante de sua condição.  Durante muito tempo acreditou-se que as pessoas com deficiência mental não aprendiam os conteúdos acadêmicos ensinados na escola. Por essa razão, a sua educação era pautada na crença de que só teriam acesso a aprendizagens relacionadas a atividades da vida diária (auto-cuidado e segurança), algumas habilidades sociais, de lazer e de trabalho supervisionado, ou pouco mais.  Felizmente, a ideia e a vergonha do deficiente foram sendo substituídas pela esperança e possibilidade de aprendizagem. Portanto, vamos aprender um pouco mais sobre a importância de desenvolver um trabalho eficaz com a criança com deficiência a fim de que ela tenha sucesso no processo ensino-aprendizagem!
  • 4. Dia a dia escolar...  Existem fatores que prejudicam o processo ensinoaprendizagem da criança com deficiência no ambiente escolar, seja ele interno ou externo, tais como: Preconceito – Baixa auto-estima – Falta de estímulos – Metodologias Portanto cabe ao professor uma melhor reflexão sobre sua imprescindível tarefa no processo de construção do conhecimento. Sendo assim, o professor tem que se predispor a criar novas aprendizagens, aceitar este novo desafio, e, acima de tudo amar sua tarefa de educar e participar ativamente do processo de aprender a aprender. 
  • 5. As brincadeiras como recurso pedagógico  As atividades lúdicas possuem grandes vantagens para o trabalho com a criança com deficiência, pois essas vivenciam muitas situações de fracasso no seu dia a dia e o uso da ludicidade pode contribuir para aliviar as pressões em relação aos seus resultados.
  • 6.  Ao brincar diversas habilidades estarão sendo estimulada: Atenção, memorização, coordenação motora, linguagem.  No brincar a criança se interage com o meio, e muitas vezes, com o outro. Neste sentido aprende como ser e agir no mundo. Aprende sobre as coisas, sobre as regras, aprende a cooperar, a compartilhar experiências, interesses e necessidades.  O jogo pode ser transformado numa ferramenta pedagógica, sendo um meio fundamental para o desenvolvimento integral, pois envolve a sensorialidade, a percepção, o afeto, a coordenação motora, o pensamento, a imaginação, etc.  o jogo é necessário para o desenvolvimento cognitivo principalmente nos cinco primeiros anos de vida.
  • 7. Sugestões para trabalhar com as crianças com deficiência...
  • 8. Deficiente Intelectual  Característica: Limitações significativas no funcionamento intelectual da pessoa e no seu comportamento adaptativo.  Equívoco principal: Infância eterna e falta de capacidade de aprendizagem.  Dificuldade natural: Dificuldade de abstração e compreensão.  Algumas dicas: Priorize instruções curtas e objetivas; demonstrações de sequencia das atividades; valorize seus acertos e não enfatize as dificuldades; estimule o pensamento: de quem é a vez? O que fazer agora?; feedback estimula a memória; atenção ao planejar!
  • 9. Dado do tempo Boneco articulado Boliche Muitos alunos com Deficiência Intelectual também possui limitações motoras, portanto cuidado ao planejar atividades que exijam essas funções, não no sentido de eliminá-las, mas de criar estratégias que não prejudiquem sua atuação.
  • 10. Deficiência motora  -Característica - Variedade de condições não sensoriais que afetam o individuo em termos de mobilidade, de coordenação motora geral ou da fala.  Equívoco- Ser confundida com deficiente intelectual.  Dificuldade natural- Limitação em seus movimentos.  Algumas dicas- Atividades que ofereçam a oportunidade de sentir seu próprio corpo e seus movimentos; cuidado com a postura do aluno; utilizar lápis mais grosso ou adaptálos; evitar o uso de cadernos que são difíceis de fixar na mesa, preferindo a folha solta fixando-a em uma prancha.
  • 11. Que tal percebermos se temos alguma dificuldade motora?
  • 12. Sol
  • 13. Casa
  • 16. Deficiência auditiva  Característica- Perda parcial ou total das possibilidades sonoras.  Equívoco- Mudo? Mudinho? Não! Simplesmente surdo!  Dificuldade natural- Assimilação do português escrito.  Algumas dicas- valorize o espaço visual: materiais coloridos, tamanhos e formas diferentes, facilita a atenção; instruções simples e com pistas visuais; atividades em duplas facilita a comunicação e o entendimento.
  • 17. Vamos testar a nossa capacidade de comunicação sem usar a fala?
  • 18. Deficiência visual  Características- Perda da visão não podendo ser corrigida por tratamento clinico/cirúrgico, pode ser cegueira ou uma baixa visão.  Equívoco- correr? Subir em arvore? Jogar bola? Isso é possível?  Dificuldade natural- Atenção e concentração/ audição aguçada.  Algumas dicas- Comando verbal do professor; evite palavras aqui ou ali; ensinar conceitos espaciais; estimulo a memória, aos sentidos, ao equilíbrio; percepção tátil; conhecer o aluno.
  • 20. Criança autista      Característica-    Inabilidade para interagir socialmente, padrão de comportamento restritivo e repetitivo e dificuldade de comunicar-se. Equívoco- as crianças autistas são mais “birrentas”? Dificuldade natural- A linguagem comprometida. Algumas dicas- É fundamental descobrir um meio ou técnica, que possibilitem estabelecer algum tipo de comunicação com o autista; Autistas têm dificuldade de lidar com mudanças, por isso é importante manter o seu mundo organizado e dentro da rotina; Apesar da tendência atual ser a inclusão de alunos com deficiência em escolas regulares, as limitações que o distúrbio provoca devem ser respeitadas. Há casos em que o melhor é procurar uma instituição que ofereça atendimento mais individualizado; * Autistas de bom rendimento podem apresentar desempenho em determinadas áreas do conhecimento com características de genialidade.
  • 21. Músicas que estimule o contato físico Previsibilidade das aulas / quadro de rotina Combinações de regras
  • 22. Alunos talentos – Altas Habilidades Característica- Altas habilidades referem-se aos comportamentos observados e/ou relatados que confirmam a expressão de ‘traços consistentemente superiores’ em relação a uma média (por exemplo: idade, produção ou série escolar) em qualquer campo do saber ou do fazer.   Equívoco- São superdotados? Não!  Dificuldade natural- Rótulos: “aluno problema”, aluno hiperativo, aluno inquieto,  Algumas dicas- Cuidado para que as relações estabelecidas em sala de aula não sejam vistas pelo aluno com altas habilidades como algo negativo. Não deixar o aluno se sentir diferente “melhor”. Cuidado com a introversão do aluno. É necessário troca de experiência “conviver com o outro”. 
  • 23. Xadrez Tangram Sudoku Uma alarmante possibilidade é ser absorvido por grupos ativos em organizações anti-sociais, situações onde seu potencial é estimulado e desenvolvido, mas na direção contrária ao desejável para a sua realização pessoal e contribuição efetiva à sociedade
  • 24. Fica a dica! É compreensível que o desconhecido provoque medo e incertezas na prática docente com os alunos com deficiência. No entanto, esse fator não pode influenciar no trabalho do professor, que deve buscar estratégias, recursos e orientação em relação à educação desses alunos. Pois a cada dia que passa, as salas de aula, estão cada vez mais heterogêneos, pois cada um apresenta uma particularidade em especial e ninguém é igual a ninguém!
  • 25. Referencias Bibliográficas BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Diretrizes gerais para o atendimento educacional dos alunos portadores de altas habilidades/superdotação e talentos. Brasília: MEC/SEESP, 1995.  Zapparoli, Kelen. Estratégias lúdicas para o ensino da criança com deficiência: ed.Wak ,1ª ed.  http:www.tvbrasil.org.br/fotos/salto/series/175610Desafios. 