SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 39
Lia Rachel Chaves do Amaral Pelloso
Área de Atuação em Dor SBA/AMB
Doutorado pela USP/SP
 “ Dor é uma experiência sensitiva e
emocional desagradável decorrente ou
descrita em termos de lesões teciduais
reais ou potenciais ”
IASP, 1986
 Doença Infecto-ContagiosaCrônica - M.
leprae
 PrincipaisAlterações Patológicas  Nervo
Periférico e Pele
 Na evolução natural da doença, durante e pós
tratamento ocorre episódios reacionais
 ReaçãoTipo I (Reação Reversa)
Associada ao aumento abrupto da
resposta imune mediada por células contra
antígenos M. leprae
 ReaçãoTipo II (Eritema Nodoso Hansênico)
Caracterizada por reação inflamatória
sistêmica (febre e acometimento do estado
geral)
 Hiperestesia:
Processo irritativo inflamatório das fibras
nervosas sensitivas
 “Formigamento”,“Picadas ”,
“Latejamento”
Terminações nervosas periféricas
 Dores Intensas:
Comprometimento tronco nervoso
 Nervos envolvidos:
Ulnar, fibular, tibial posterior , auricular,
radial, mediano e ramos do facial
 IASP: “ iniciada ou causada por uma lesão
primária ou disfunção no sistema nervoso”
 Dor causada por uma lesão no sistema
nervoso central ou periférico ou ambos
manifestando-se com sinais e sintomas
sensitivos(Dworkin,2003)
 Causas:
hanseníase, infecções, trauma, cirurgia,
neuropatia dolorosa diabética, neuralgia pós
herpética, entre outras.
 Mais estudadas NPH / Neuropatia Diabética
 Até o momento nenhuma droga foi
desenvolvida exclusivamente para
tratamento da dor neuropática
 Outros fármacos utilizados para indicações
não dolorosas tem sido utilizados
 AntidepressivosTricíclicos (Amitriptilina,
Nortriptilina) e Anticonvulsivantes
(Gabapentina e Carbamazepina, Pregabalina)
dor espiritual
dor social
dor mental
dor física
 Tolerabilidade : possibilidade de interações
medicamentosa ( politerapia )
 Paciente : perfil de efeitos adversos que
podem ser desencadeados ( idoso )
 Avanços farmacológicos no tto das dores
 Melhor conhecimento dos fármacos
 Introdução de novas drogas
 Interromper sempre que possível
mecanismos etiológicos
 Entendimento de mecanismos múltiplos
contribui para associação de fármacos
 Dores de etiologias idênticas podem ter
manifestações clínicas diferentes
 Dores com etiologias diferentes podem ter
manifestações clínicas idênticas
 Primeira - linha
● Antidepressivos (tricíclicos e inibidores duais da
recaptação da NA / 5HT)
● Inibidores dos canais de cálcio α2-δ
● Lidocaina tópica
 Usado no tratamento da reação hansênica
 Ação antiinflamatória importante
 Uso crônico – efeitos indesejáveis (Catarata,
diabetes, osteoporose entre outros)
 Derivado do ácido glutâmico
 Semelhante em estrutura à outros hipnóticos
 Apresenta propriedade antiinflamatória,
imunomodulatória e antiangiogênica
 É teratogênica
 Efeito adverso: sonolência
 Fator limitante: neuropatia periférica
 Inibem a recaptação pré sináptica de
serotonina e noradrenalina, o bloqueio do
receptor pós sináptico e a interação com
canais iônicos
 Primeira categoria de medicação com
eficácia no tratamento da dor neuropática
 Efeitos adversos:boca seca, constipação,
hipotensão postural, sedação, ganho de peso
 Primeira opção
 Efeitos colaterais: ganho de peso, sonolência,
boca seca, diminuição da memória,
hipotensão postural, diminuição da libido
 Contra indicado em indivíduos com com
antecedentes de crise convulsiva, pode
aumentar as crises
 Supervisão em pacientes com glaucoma
 Inibidor seletivo da recaptação da 5-HT
(serotonina) e da NE ( noradrenalina ).
 Eficácia : neuropatia diabética periférica,
fibromialgia , dor lombar crônica e
osteoartrite de joelho
 A semelhança entre os mecanismos
fisiopatológicos e bioquímicos das epilepsias
e das dores neuropáticas, serve de base para
indicação nas DN
 Absorção linear
 Baixa ligação protéica
 Boa distribuição para SNC
 Ausência de metabólitos ativos
 Modula neurotransmissores: aumenta níveis
de ácido gama-aminobutírico e diminue
níveis de glutamato no sistema nervoso
central
 Ausência de interações medicamentosas
 Efeitos adversos: sonolência,
tontura,alteração cognitiva em idosos
 Bloqueia os canais de sódio freqüência
dependentes
 Interage com outros fármacos
 Efeitos adversos: tontura,ataxia,
náuseas,vômitos,sedação
 É a descompressão do nervo fibrosado e com
perda da função nervosa
 Os nervos melhoram quando a compressão é
a causa
 Cirurgia: breve intervenção sobre uma
neuropatia progressiva
 Metadona
 Oxicodona
 Codeína
 Tramadol
 Hidromorfona
 Morfina
 Fentanil transdérmico
 Indicações e critérios para o uso de opióides,
avaliação e acompanhamento no seu uso
regular e o controle de efeitos colaterais são
imprescindíveis
EFEITO DOS ANTICONVULSIVANTES
GABAPENTINA E CARBAMAZEPINA
ASSOCIADOS OU NÃO AO ANTIDEPRESSIVO
AMITRIPTILINA NO CONTROLE DA DOR
NEUROPÁTICA EM PACIENTES COM
HANSENÍASE
Avaliar a eficácia dos
anticonvulsivantes, gabapentina e
carbamazepina isolados e associados
ao antidepressivo amitriptilina no
controle da dor neuropática em
pacientes com hanseníase.
Avaliar a eficácia dos
anticonvulsivantes, gabapentina e
carbamazepina isolados e associados
ao antidepressivo amitriptilina na
redução da dose e no tempo de uso
de prednisona.
Avaliar a eficácia dos anticonvulsivantes,
gabapentina e carbamazepina isolados e
associados ao antidepressivo amitriptilina
na alteração da sensibilidade do paciente
hansênico.
Houve significante diminuição dos
escores de dor com o tempo, porém não
houve diferença significativa entre os
grupos e nem ocorreu interação entre os
fármacos.
Houve significante diminuição do
consumo de prednisona com o tempo
medido em dias. Não houve diferença
significativa entre os grupos e nem
ocorreu interação
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos okSeminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Robeísa Danya
 
Farmacologia 12 antiparkinsonianos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 12   antiparkinsonianos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 12   antiparkinsonianos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 12 antiparkinsonianos - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 
Trabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticosTrabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticos
Aécio Ferraz
 
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e AnticonvulsionantesAnalgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Safia Naser
 
Antiparkinsonianos
AntiparkinsonianosAntiparkinsonianos
Antiparkinsonianos
Safia Naser
 

Mais procurados (20)

Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos okSeminário ansiolíticos e hipnóticos ok
Seminário ansiolíticos e hipnóticos ok
 
Farmacologia 12 antiparkinsonianos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 12   antiparkinsonianos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 12   antiparkinsonianos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 12 antiparkinsonianos - med resumos (dez-2011)
 
Ansiolíticos E Odontologia
Ansiolíticos E OdontologiaAnsiolíticos E Odontologia
Ansiolíticos E Odontologia
 
Ansiolitico, hipnotico e sedativos
Ansiolitico, hipnotico e sedativosAnsiolitico, hipnotico e sedativos
Ansiolitico, hipnotico e sedativos
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos AnsiolíticosAula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Ansiolíticos
 
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsiaFármacos eficazes no tratamento da epilepsia
Fármacos eficazes no tratamento da epilepsia
 
Trabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticosTrabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticos
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
 
Analgésicos
AnalgésicosAnalgésicos
Analgésicos
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e AnticonvulsionantesAnalgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Antiparkinsonianos
AntiparkinsonianosAntiparkinsonianos
Antiparkinsonianos
 
Farmacologia!0
Farmacologia!0Farmacologia!0
Farmacologia!0
 
Neurofarmacologia do sistema dopaminérgico
Neurofarmacologia do sistema dopaminérgicoNeurofarmacologia do sistema dopaminérgico
Neurofarmacologia do sistema dopaminérgico
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
 
Diazepam
DiazepamDiazepam
Diazepam
 
Analgésicos
AnalgésicosAnalgésicos
Analgésicos
 

Destaque

Radiación de las ondas electromagnéticas
Radiación de las ondas electromagnéticasRadiación de las ondas electromagnéticas
Radiación de las ondas electromagnéticas
Rafael Caizaluisa
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
Lia Lia
 
Unidade de referência em hanseníase
Unidade de referência em hanseníaseUnidade de referência em hanseníase
Unidade de referência em hanseníase
Solange Broggine
 
Simpósio Hanseníase - Situação atual da hanseniase no Brasil e mundo - derma...
Simpósio Hanseníase -  Situação atual da hanseniase no Brasil e mundo - derma...Simpósio Hanseníase -  Situação atual da hanseniase no Brasil e mundo - derma...
Simpósio Hanseníase - Situação atual da hanseniase no Brasil e mundo - derma...
lascounic
 
Simpósio Hanseníase - Saúde funcional em Hanseníase - palestrante Ingrid
Simpósio Hanseníase - Saúde funcional em Hanseníase - palestrante IngridSimpósio Hanseníase - Saúde funcional em Hanseníase - palestrante Ingrid
Simpósio Hanseníase - Saúde funcional em Hanseníase - palestrante Ingrid
lascounic
 
Simpósio Hanseníase - O estigma e o preconceito - psicóloga Eliane
Simpósio Hanseníase - O estigma e o preconceito - psicóloga ElianeSimpósio Hanseníase - O estigma e o preconceito - psicóloga Eliane
Simpósio Hanseníase - O estigma e o preconceito - psicóloga Eliane
lascounic
 
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista CarlaSimpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
lascounic
 
Morfología microbiana
Morfología microbianaMorfología microbiana
Morfología microbiana
Angiie Herrera
 
Aula de hanseníase
Aula de hanseníaseAula de hanseníase
Aula de hanseníase
Ismael Costa
 

Destaque (20)

Radiación de las ondas electromagnéticas
Radiación de las ondas electromagnéticasRadiación de las ondas electromagnéticas
Radiación de las ondas electromagnéticas
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
 
Unidade de referência em hanseníase
Unidade de referência em hanseníaseUnidade de referência em hanseníase
Unidade de referência em hanseníase
 
Simpósio Hanseníase - Situação atual da hanseniase no Brasil e mundo - derma...
Simpósio Hanseníase -  Situação atual da hanseniase no Brasil e mundo - derma...Simpósio Hanseníase -  Situação atual da hanseniase no Brasil e mundo - derma...
Simpósio Hanseníase - Situação atual da hanseniase no Brasil e mundo - derma...
 
Simpósio Hanseníase - Saúde funcional em Hanseníase - palestrante Ingrid
Simpósio Hanseníase - Saúde funcional em Hanseníase - palestrante IngridSimpósio Hanseníase - Saúde funcional em Hanseníase - palestrante Ingrid
Simpósio Hanseníase - Saúde funcional em Hanseníase - palestrante Ingrid
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Hanseníase (fco santana)
Hanseníase (fco santana)Hanseníase (fco santana)
Hanseníase (fco santana)
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Simpósio Hanseníase - O estigma e o preconceito - psicóloga Eliane
Simpósio Hanseníase - O estigma e o preconceito - psicóloga ElianeSimpósio Hanseníase - O estigma e o preconceito - psicóloga Eliane
Simpósio Hanseníase - O estigma e o preconceito - psicóloga Eliane
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Hanseniase mycobacteruim leprae
Hanseniase   mycobacteruim lepraeHanseniase   mycobacteruim leprae
Hanseniase mycobacteruim leprae
 
Hanseníase laderm
Hanseníase ladermHanseníase laderm
Hanseníase laderm
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Hanseniase
HanseniaseHanseniase
Hanseniase
 
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista CarlaSimpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
Simpósio Hanseníase - Hanseníase - dermatologista Carla
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Hanseníase
HanseníaseHanseníase
Hanseníase
 
Morfología microbiana
Morfología microbianaMorfología microbiana
Morfología microbiana
 
Aula de hanseníase
Aula de hanseníaseAula de hanseníase
Aula de hanseníase
 

Semelhante a Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia

Dor neuropática - Tratamento com Analgésicos Adjuvantes
Dor neuropática - Tratamento com Analgésicos AdjuvantesDor neuropática - Tratamento com Analgésicos Adjuvantes
Dor neuropática - Tratamento com Analgésicos Adjuvantes
Rafael Botelho
 
Drogas que atuam
Drogas que atuamDrogas que atuam
Drogas que atuam
thamirys
 
Stc ng3 dr3[1](1
Stc ng3 dr3[1](1Stc ng3 dr3[1](1
Stc ng3 dr3[1](1
Maria
 

Semelhante a Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia (20)

SNAP.pptx
SNAP.pptxSNAP.pptx
SNAP.pptx
 
SNAP.pptx
SNAP.pptxSNAP.pptx
SNAP.pptx
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
 
Farmacos detalhes
Farmacos detalhesFarmacos detalhes
Farmacos detalhes
 
Aula 7 Biomedicina
Aula 7 BiomedicinaAula 7 Biomedicina
Aula 7 Biomedicina
 
psicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptxpsicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptx
 
Dor neuropatica.2012
Dor neuropatica.2012Dor neuropatica.2012
Dor neuropatica.2012
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Dor neuropática - Tratamento com Analgésicos Adjuvantes
Dor neuropática - Tratamento com Analgésicos AdjuvantesDor neuropática - Tratamento com Analgésicos Adjuvantes
Dor neuropática - Tratamento com Analgésicos Adjuvantes
 
Aula 03.pptx
Aula 03.pptxAula 03.pptx
Aula 03.pptx
 
Dor neuropatica
Dor neuropaticaDor neuropatica
Dor neuropatica
 
Cadernos dorneuropatica
Cadernos dorneuropaticaCadernos dorneuropatica
Cadernos dorneuropatica
 
Fi aula-5-farmacologia-sna-completo
Fi aula-5-farmacologia-sna-completoFi aula-5-farmacologia-sna-completo
Fi aula-5-farmacologia-sna-completo
 
Drogas que atuam
Drogas que atuamDrogas que atuam
Drogas que atuam
 
Aines
AinesAines
Aines
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Aula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptxAula sedacao.pptx
Aula sedacao.pptx
 
Abordagem Farmacológica da dor crônica e abstinência opióide
Abordagem Farmacológica da dor crônica e abstinência opióideAbordagem Farmacológica da dor crônica e abstinência opióide
Abordagem Farmacológica da dor crônica e abstinência opióide
 
Aula 8 dor e inflamacao
Aula 8   dor e inflamacaoAula 8   dor e inflamacao
Aula 8 dor e inflamacao
 
Stc ng3 dr3[1](1
Stc ng3 dr3[1](1Stc ng3 dr3[1](1
Stc ng3 dr3[1](1
 

Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia

  • 1. Lia Rachel Chaves do Amaral Pelloso Área de Atuação em Dor SBA/AMB Doutorado pela USP/SP
  • 2.  “ Dor é uma experiência sensitiva e emocional desagradável decorrente ou descrita em termos de lesões teciduais reais ou potenciais ” IASP, 1986
  • 3.  Doença Infecto-ContagiosaCrônica - M. leprae  PrincipaisAlterações Patológicas  Nervo Periférico e Pele  Na evolução natural da doença, durante e pós tratamento ocorre episódios reacionais
  • 4.  ReaçãoTipo I (Reação Reversa) Associada ao aumento abrupto da resposta imune mediada por células contra antígenos M. leprae  ReaçãoTipo II (Eritema Nodoso Hansênico) Caracterizada por reação inflamatória sistêmica (febre e acometimento do estado geral)
  • 5.  Hiperestesia: Processo irritativo inflamatório das fibras nervosas sensitivas  “Formigamento”,“Picadas ”, “Latejamento” Terminações nervosas periféricas
  • 6.  Dores Intensas: Comprometimento tronco nervoso  Nervos envolvidos: Ulnar, fibular, tibial posterior , auricular, radial, mediano e ramos do facial
  • 7.  IASP: “ iniciada ou causada por uma lesão primária ou disfunção no sistema nervoso”  Dor causada por uma lesão no sistema nervoso central ou periférico ou ambos manifestando-se com sinais e sintomas sensitivos(Dworkin,2003)
  • 8.  Causas: hanseníase, infecções, trauma, cirurgia, neuropatia dolorosa diabética, neuralgia pós herpética, entre outras.
  • 9.  Mais estudadas NPH / Neuropatia Diabética  Até o momento nenhuma droga foi desenvolvida exclusivamente para tratamento da dor neuropática
  • 10.  Outros fármacos utilizados para indicações não dolorosas tem sido utilizados  AntidepressivosTricíclicos (Amitriptilina, Nortriptilina) e Anticonvulsivantes (Gabapentina e Carbamazepina, Pregabalina)
  • 11. dor espiritual dor social dor mental dor física
  • 12.
  • 13.  Tolerabilidade : possibilidade de interações medicamentosa ( politerapia )  Paciente : perfil de efeitos adversos que podem ser desencadeados ( idoso )
  • 14.  Avanços farmacológicos no tto das dores  Melhor conhecimento dos fármacos  Introdução de novas drogas
  • 15.  Interromper sempre que possível mecanismos etiológicos  Entendimento de mecanismos múltiplos contribui para associação de fármacos
  • 16.  Dores de etiologias idênticas podem ter manifestações clínicas diferentes  Dores com etiologias diferentes podem ter manifestações clínicas idênticas
  • 17.  Primeira - linha ● Antidepressivos (tricíclicos e inibidores duais da recaptação da NA / 5HT) ● Inibidores dos canais de cálcio α2-δ ● Lidocaina tópica
  • 18.  Usado no tratamento da reação hansênica  Ação antiinflamatória importante  Uso crônico – efeitos indesejáveis (Catarata, diabetes, osteoporose entre outros)
  • 19.  Derivado do ácido glutâmico  Semelhante em estrutura à outros hipnóticos  Apresenta propriedade antiinflamatória, imunomodulatória e antiangiogênica
  • 20.  É teratogênica  Efeito adverso: sonolência  Fator limitante: neuropatia periférica
  • 21.  Inibem a recaptação pré sináptica de serotonina e noradrenalina, o bloqueio do receptor pós sináptico e a interação com canais iônicos  Primeira categoria de medicação com eficácia no tratamento da dor neuropática  Efeitos adversos:boca seca, constipação, hipotensão postural, sedação, ganho de peso
  • 22.  Primeira opção  Efeitos colaterais: ganho de peso, sonolência, boca seca, diminuição da memória, hipotensão postural, diminuição da libido  Contra indicado em indivíduos com com antecedentes de crise convulsiva, pode aumentar as crises  Supervisão em pacientes com glaucoma
  • 23.  Inibidor seletivo da recaptação da 5-HT (serotonina) e da NE ( noradrenalina ).  Eficácia : neuropatia diabética periférica, fibromialgia , dor lombar crônica e osteoartrite de joelho
  • 24.  A semelhança entre os mecanismos fisiopatológicos e bioquímicos das epilepsias e das dores neuropáticas, serve de base para indicação nas DN  Absorção linear  Baixa ligação protéica  Boa distribuição para SNC  Ausência de metabólitos ativos
  • 25.  Modula neurotransmissores: aumenta níveis de ácido gama-aminobutírico e diminue níveis de glutamato no sistema nervoso central  Ausência de interações medicamentosas  Efeitos adversos: sonolência, tontura,alteração cognitiva em idosos
  • 26.  Bloqueia os canais de sódio freqüência dependentes  Interage com outros fármacos  Efeitos adversos: tontura,ataxia, náuseas,vômitos,sedação
  • 27.  É a descompressão do nervo fibrosado e com perda da função nervosa  Os nervos melhoram quando a compressão é a causa  Cirurgia: breve intervenção sobre uma neuropatia progressiva
  • 28.
  • 29.
  • 30.  Metadona  Oxicodona  Codeína  Tramadol
  • 31.  Hidromorfona  Morfina  Fentanil transdérmico
  • 32.  Indicações e critérios para o uso de opióides, avaliação e acompanhamento no seu uso regular e o controle de efeitos colaterais são imprescindíveis
  • 33. EFEITO DOS ANTICONVULSIVANTES GABAPENTINA E CARBAMAZEPINA ASSOCIADOS OU NÃO AO ANTIDEPRESSIVO AMITRIPTILINA NO CONTROLE DA DOR NEUROPÁTICA EM PACIENTES COM HANSENÍASE
  • 34. Avaliar a eficácia dos anticonvulsivantes, gabapentina e carbamazepina isolados e associados ao antidepressivo amitriptilina no controle da dor neuropática em pacientes com hanseníase.
  • 35. Avaliar a eficácia dos anticonvulsivantes, gabapentina e carbamazepina isolados e associados ao antidepressivo amitriptilina na redução da dose e no tempo de uso de prednisona.
  • 36. Avaliar a eficácia dos anticonvulsivantes, gabapentina e carbamazepina isolados e associados ao antidepressivo amitriptilina na alteração da sensibilidade do paciente hansênico.
  • 37. Houve significante diminuição dos escores de dor com o tempo, porém não houve diferença significativa entre os grupos e nem ocorreu interação entre os fármacos.
  • 38. Houve significante diminuição do consumo de prednisona com o tempo medido em dias. Não houve diferença significativa entre os grupos e nem ocorreu interação