SlideShare uma empresa Scribd logo
FARMACOLOGIA
Receptoresde fármacose farmacodinâmica
Receptor:componente de umacélulaouorganismoque interagecomumfármaco e iniciaa
cadeiade eventosque levaaosefeitosobservadosdessefármaco.
 Os receptoresdeterminamemgrande parte as relaçõesquantitativasentre dose ou
concentraçãodo fármaco e seusefeitosfarmacológicos
 Os receptoressãoresponsáveispelaseletividade daaçãodo fármaco
 Os receptoresmedeiamasaçõesdosagonistascomodos antagonistasfarmacológicos.
- Naturezamacromoleculardosreceptoresde fármaco
A maiorparte dos receptoressãoproteínas. Osmaisbem caracterizadossãoPROTEINAS
REGULADORAS que medeiamasaçõesdossinaisquímicosendógenostaiscomo
neurotransmissores,autacoidese hormônios.
4 tiposde proteínasreguladoras:enzimas,moléculastransportadorase canaisiônicos
Enzimas
- Atravésdainibição.(inibidoresenzimáticos)
- “Engana” a enzima,sintetizaummedicamentomuitosemelhante aosubstratoda
enzima,comose fosse umcompetidor.(falsos substratos)
- Pro-farmacos:medicamentosque nãoestãoativosainda,sãobiotransformadores,só
temseuefeitoporexemplodepoisde passarpelofígado. Ai ativaa moléculae então
elavai poderter seuefeito.Ummedicamentomuitoconhecidoé oinalapril.
1. Inibidoresenzimáticos
 AINES:antiinflamatóriosnãoesteroidais(esteroidais=coiticoides).Todoseles
dividemomesmomecanismode ação,moléculasmuitodistintasumasdas
outras,todas elastemummesmoalvoque é umaenzima.Inibe aenzima
ciclooxigenase.Processo:enzimanamembranacelularchamadafosfolipase
A2. Ela ta normalmente em“standby”,estaali quietinha,qualquerinjuriaque
ocorra na membranacelular,umapancada,um corte,um arranhão,um
excessode frio,essaenzimade ativa.Umavez ativada,elaclivaumfosfolipidio
da membranachamadoacido aracdonico.Caiunocitosol,nele temuma
enzimachamadaciclooxigenase,elavai usaro acidoaracdonicocomo
substratoe vai criar trêsimportantessubstanciasque sãoasprostaciclinas,o
tromboxanoA2(proagregante pontente) e oprincipal,asprostaglandinas.As
prostaglandinastemvariasaçõesinflamatórias,e quandoelaentraem
contato com osreceptoresde dorchamados de nociceptoreseladiminuio
limiardessesreceptoresde dor,ouseja, umestimuloque anteriormente não
causava dor passaa causar, issoé chamadode hiperalgesia.Prostaglandina
quandochegaao hipotálamodesregulaohipotálamoque é extremamente
precisoemmantera temperaturaa 36,5º, quandoessaprostaglandinachega
ele começaa lera temperaturacorporal comose elativesse maisbaixaque o
normal entãocomeça a aconteceras maneirasque oorganismotemde
aumentara temperatura,aumentaometabolismo,acontraçãomusculare vai
ter a febre.Eelasna microcirculaçãofazemvasodilataçãodasarteríolase
aumentara permeabilidadevascularacontece oedema.Entãoqual é o alvodo
anti inflamatórionessahistoria?Inibeaciclooxigenase.
Conseqüênciainteressante:paciente que temcardiopatiaisquêmica,placade
ateroma,ele temque usarsubstanciasque evitamacoagulaçãoe é
obrigatórioque ele use medicamentodesse tipo.TromboxanoA2é umpro
agregante plaquetarioe aprostaciclinaé umanti agregante plaquetario,então
ate ai esta empatado.Oprincipal tipocelularque produzotromboxanoé a
plaqueta,aprostaciclinaé a célulaendotelial.A inibiçãoque osAINESfazem
na ciclooxigenase é umainibiçãoirreversível,é umaligaçãoquímicaque não
se desfaz,a enzimanãofuncionamais.Plaquetasnãofazemsínteseprotéica,
entãouma vezque a plaquetateve suaenzimainibida,elavai poderrepo-la
ou sejavai ter umaausênciado tromboxanoporque asplaquetasnãoestão
maisproduzindoe a célulaendotelial,elavai formarumanovaenzimaem
algumashoraselavai estaproduzindoaprostaciclinaque é umantiagregante
enquantoasplaquetasnãovão estarproduzindoproagregrante. Oresultado
dissoé que o paciente ficaumlongoperíodocom deficiênciade coagulação,
que é importante numpaciente,cardiopataisquêmicoporquese aplaca dele
se rompe ele pode causaruma agregação plaquetariamasse ele estatomando
um aine,ele temumachance pequenadissoacontecer,entãoovasoficalivre
permitindoomínimode passagemsanguínea.
Existe diferençanosefeitos,porexemplo,a dipironaé excelenteparador,
excelente parafebre masnãoresolve muitobemoedema.Odiclofenaco
excelente parador,para o edemamasnão resolve febre.Cadaumtemuma
pequenaparticularidade.Nãoexistesoumaciclooxigenase,amaisimportante
é ciclooxigenase2,porque a 1 é fisiológicapoisaprostaglandinaé importante
para a proteçãodoestomago,para a circulaçãorenal,variasaçloesfisiologias
imprescindíveis.Quandovocê usaummedicamentoque inibe tantoa1
quantoa 2, você ta tratando o seu problemamasestatrazendoumareação
adversajuntoque é gastrite e umefeitorenal.Entãocomeçarama surgirno
mercadoinibidoresespecíficosdaciclooxigenase 2.Nimesulidaage
principalmente naciclooxigenase 2.
Exemplos:acidoacetil salicílico(AAS),dipirona,paracetamol,nimesulida,
diclofenaco,floruxin
 Carbamatose organofosforados
Carbamatoé um medicamentoque aumentaaliberaçãode acetilcolinaem
todosos locaisque é liberada.É usadona medicinahumanaé usadano
tratamentoda miasteniagrave,reverterbloqueioneuromuscular.Ousomais
comumé o “chumbinho”,é usadopara matar rato. Os organofosforadosnão
são usadosemmedicinahumana,sãoumtipode agrotóxico.
Comofuncionam:emumórgão alvoou uma fibramuscularvai ter receptores
para acetilcolina,existe próximoaessesreceptoresumasenzimasque tem
funçãode interromperasaçõesde acetilcolina,aquantidade nafenda
sináptica,é tipoumfreioelapegaa moléculade acetilcolina,quebraem
acetatoe colina.A colinaelaé recaptadapara ser usadanovamente oacetato
temoutra via,o resultadodissoé que você controlaa quantidade acetilcolina.
O nome é acetilcolinesterase.Elessãoanticolesteraticos,ouseja,vai terum
aumentoabsurdode acetilcolinae elavai ativartodos os receptores,entãoo
efeitoaumenta.A diferençaentre osdoisé que a inibiçãodocarbamatoé
reversível oorganofosforadonãose desfaz.
Receptormicotinicoe muscarinico.
 IMAOs (inibidoresdamonoaminooxidase)
FunçãoMAO: receptoresparanoradrenalina,receptoresalfadrenergicos,
quandoa noradrenalinase ligaaesse receptorovaso sanguíneocontrai.
Existe umamoléculade transporte ativonamembranadesse neurônioque
temfunçãomais oumenoso que a acetilcolinestasefaziaque é frearasações
do neurotransmissor.Sóque aqui é um poucodiferente,elacaptaa
noradrenalinadafendae jogade novopara dentrodoneurônio.Se oneurônio
tivervaziode noradrenalina,essanoradrenalinaque é recaptadaelaé
reestocadase o neurôniotiverrepletode noradrenalina,elatemque ser
degradada.Elaé degradadapelaMAO que é uma enzimamitocondrial,elaé
um controle dasfunçõesdanora e da dopamina.Oque faz o inibidordaMAO?
Inibe aMAO e ai você vai ter um excessode noradrenalinanoneurônioe ela
vai ter que ser liberado,entãovocê vai terumexcessode neurotransmissor.O
alvoé a dopamina.Porexemplo,emalgunscasosde depressãoocorrempor
deficiênciade dopamina,quandofazainibiçãodaMao, você temum aumento
da concentraçãode dopamina, ai opaciente depoisde algumtempomelhora
o quadro.Reação adversa:comoelafaz issotambémcoma noradrenalina,vai
ter tambémnoradrenalinaemexcesso,entãovai terumaumentoda PA.
 Captopril
Inibidordaenzimaconversorae tambemumanti hipertensivo.Comoque
funciona?Renina->angiotensinogenio ->angiotensinaI ->atravésda ECA ->
angiotensinaII.A ação da angiotensinaIIé vasoconstriçãodovasosanguineo,
se você inibe aECA,não temangiotensinaII,entãoovasonão contrai e a
pressãoarterial cai
2. Falsossubstratos
L. name= L nitroargininametil Ester.Usadaem pesquisasparaevitara
vasodilatação.Éum falsosubstratopara NOsintaxe,essaenzimapegaaL.
argininae transformaemoxidonítrico,entãovocê tema vasodilatação.A
enzimaaoinvésde ir na L argininaelavai na nitroargininametilEster,elavai
produzirummetabolitosemfunção,entoanãovai teroxidonítrico.
Metildopa=tambemé umantihipertensivo,muitoutilizadoemmulheres
grávidasporque temmenospossibilidadede causarefeitosnofeto.Como
funciona:a noradrenalinaelasnãonascemprontas,sãofabricadosnointerior
do neurônioatravésde umacascata enzimática.A L tirosinaé captada pelo
neurônio,ai umaenzimavai agirnelaque a transformaem L dopa,uma
segundaenzimaatransformaemdopamina,umaterceiraenzima,em
noradrenalina.A noradrenalinaligaaosreceptores,ovasocontrai.A
metildopaé umanálogo,falsosubstratodaL dopa,entãoa enzimanumero2
ao invésde atuar na L dopa,elaatua na metildopa,transformandoem
metildopamina,e aoutraenzimatransformaemmetilnoradrenalina,resultado
final,ovasodilataautomaticamente.
3. Pró-drogas
São substanciasque precisamsermetabolizadasnofígadoparaserem
ativadas.Moléculaquandovocê ingere não temação.Exemplos:enalapril e
paration(organofosforado).
Moléculastransportadoras
Funçãodessasmoleculasé otransporte de um ladopro outroda membrana,essa
substanciase ligae é internalizada.
1. Inibidoresde transporte: temdoismedicamentosque sãoosglicosídeos
digitálicos,omeprazol
 Inibidoresdigitálicos
São substanciaschamadasde cardiotonicas,elasaumentamaforçade
contração cardíaca. Fazemparte do arsenal que pode tratar a insuficiência
cardíaca. Digoxinae digitoxina.Háabomba de sódioe potássio,onde háum
meiointrae o meioextra, osódiosai e o potássioentra.Osglicosídeossão
inibidoresdessabombade sódioe potássio.osódiointracelularaumenta.O
sódioaumentadodentrodacélulaaaumenta.Existe umco transporte
associadoa este,é uma sódioe cálcio,que é ativado,colocao sódiopra fora e
capta cálciodo extracelulare colocapra dentroda celular.Ea contração
depende diretamente docálcio,ele contrai entãocommaiseficiência.
 Omeprazol
É um inibidordabombade hidrogênio,de prótons.Funcionanacélulaparietal
que temessabomba que colocahidrogêniopradentrodacélulapra se ligarao
íon cloretopra formar o acidoclorídrico,se eu nãotenhoo hidrogênio,jáque
o omeprazol inibe essabomba,eunãoconsigoformaro acidoclorídrico,então
a célulaparietal ficasemacidoclorídricoentãose reduza acidezdoestomago
 Cocaína
Era usadopara anestesialocal.Temreaçõesadversasque sãoexcessode nora
e dopaminanafendasináptica.Osnc vai ficarem alerta,na periferiahá
taquicardia,aumentodapressãoarterial
Canaisiônicos
Bloqueadoresde casal oumediadores:
- Anestesicoslocais:lidocaína,mepivacarna,iopivacaina
-Bloqueadoresde canaisde cálcio:amilopidona,nifepidina,diltrazem.Reaçãoadversa:
edemade membroinferiorprincipalmente emidosos.
Receptorespropriamente ditos:acopladosacanaisiônicos
AcopladosapronteinaG tempor função
Acopladosatirosina-quinase receberumligante
Controlama transcriçãogenica
1. Receptoresacopladosacanaisiônicos
Receptornicotínicodaacetilcolina,presenteprincipalmente nomúsculo
esquelético,aacetil se ligae você tema despolarizaçãocelular
ReceptorGABA (acidogama aminobutílico):neurotransmissorinibitório,o
excitatorioé oglutamato.Algunsmedicamentossãocapazesde tenderolado
para a a inibição.Nessecaso,ele se ligaaumentaosíonscloretoque vão
deprimircertasaéreasdosistemanervosocentral.Oálcool tambemse ligaa
esse recptor,porissoele tambemé um depressordoSNC.Exemplosde
medicamentossãoosbenzadiazepinicose osbarbitúricos.Os
benzadiazepinicossãoosansiolíticosque sãodiazepan,clonazepan.A maioria
das pessoasusamapara dormiro sono.Pode causar depressão.Os
barbitúricossãoo fenobarbital que é ogardenal,oefeitoé umsonoprofundo
que é capaz de você fazerum pequenoprocedimentocirúrgicosemsentirdor,
deprime muitoarespiração.
2. ReceptoresacopladosaproteínaG
O agonistase ligaao receptore ativaa proteínaG que esta na proteína
transmembrana,essaproteínaG se separado complexo,se deslocae encosta
numaoutra proteína doladointernoe ativa essaproteínae issoocorre os
eventosintracelularesque geraosoutroseventosintracelulares.
3. Receptoresligadosatirosinaquinase
Receptoresdainsulina,citocinas,algunsfatoresde crescimento
4. Controlama transcriçãogênica
5. O hormôniotematravessara membranacelular,se ligaraum receptor
citosoico,esse complexovai entãopronúcleoentãoháumatranscrição de um
RNA mensageiroe háformação de uma novaproteínaque vai dar o efeito
desejado.
Agonistase antagonistas
Medicamentoagonistaé umque vai se ligara determinadoalvoe induziroefeito.Antagonista
iriainibiroefeitodoagonistae fazum efeitocontrario.Sãováriostiposde antagonismos
diferentes.
Agonistas
1. Pleno:é capaz de induziroefeitoMaximo.Exemplo:umasubstanciaque se eucolasse
no meioonde este,porexemplo,umvasoelacausariaa contração máximadesse vaso.
Eu vejoesse efeitoMaximonoplatôdacurva. Issoquer dizerque nãoadianta
aumentara dose que não vai passar daquele efeitoali.
2. Parciais:substanciasque se ligamaoreceptortalvezcoma mesmaforça, mesma
afinidade e nãosãocapazesde induziroefeitoMaximo.Hámuitosmedicamentos
usadosna insuficiênciacardíaca.
Antagonistas
Podemserde 5 tipos
1. Competitivoreversível: competiçãodoagonista como antagonistapelomesmo
receptor,porissocompetitivo.Quemtaemmaiorquantidade,ocupa.Lei daação das
massas.Fazemuma ligaçãofraca com o receptore se você ofertaro agonista
novamente,cocorre umdeslocamentodoantagonista.A grande maioriados
medicamentosadisposiçãosãoreversíveis.
2. Competitivoirreversível:é umaligaçãocovalente comoreceptoreupossoaumentaro
quantoquisera quantidade doagonistaque nãovai deslocar.Normalmente sãode
uso hospitalarque você temumacompanhamentomaior.
Afinidadeé aatração químicaque
ocorre entre a moléculado
medicamentocomoreceptor.Os
trêstêm a mesmaatração química
peloreceptor,se ligamdamesma
maneiraao receptor,masnão
significaque oefeitovai serigual.O
parcial tema mesmaafinidade comoreceptorque oagonistatotal poremo efeitoé parcial,e
o antagonistatema mesmaafinidade comoreceptorporemnãotem efeito.Um
medicamentoantagonistanãopossui atividade intrínseca,ouseja,aose ligarao receptornão
vão ocorreraqueleseventosintracelulares,ele impedeque oagonistafaçao seuefeitoisso
implicanumefeitocontrario. Comoaafinidade entre agonistase antagonistasé amesma,o
que deslocaoagonistado receptorpara o antagonistaligaré por meioda lei de açãodas
massas,porque o antagonistavai estaremmaiorquantidade.
3. Não competitivo:nãoestãodisputandoomesmolugar.Ositiode ligaçãodoagonista,
o sitiodoantagonistatema mesmaforma para encaixar,elesestãodisputandoesse
receptor.Onão competitivovai ligaremoutropontodoreceptorque mesmose o
agonistaligar,esse receptornãovai serfuncionarporque de algumamaneiraessa
droga alteroua conformaçãooualteroudeterminadopontodoreceptor,eleparade
funcionar,poremnãoestãodisputandoomesmositio.
4. Funcional:nãoenvolve disputapelomesmoreceptor,anoenvolvenecessariamente
um agonistaouum antagonista.É umantagonistade efeitos.Porexemplo,euuso
noradrenalinaemumvasosanguineovai terumavasoconstrição,euadministro
Ligante Afinidade Eficácia
Agonista ++++ ++++
Agonista
parcial
++++ ++
Antagonista ++++ -
histaminanessavasosanguineo,ovasovai dilatar.Então eupossoantagonizara
vasoconstriçãodahistaminacoma vasodilataçãodahistamina.Antagonistade efeito.
Outro exemplo,choque anafiláticofazvasodilatação,broncoconstrição,o
medicamentoque se usa é adrenalinaque faza vasoconstriçãoe broncodilatação.A
acetilcolinadiminuiafreqüênciacardíaca e a atropinaseriaumantagonista,pois
aumenta.
5. Químico:não envolve receptores.Sãosubstanciasque se anulamemdeterminada
solução.Porexemplo,metalpesadononossoorganismonãoé excretado,elevai se
acumulando.Existemalgumassubstanciaschamadasquelantesde metaispesados,
você administraessasubstancia,elacheganometal pesadoe formaum complexo
entãovocê consegue excretarocomplexo,você eliminouquimicamente osmetais
pesados,umexemplomaiscomumsãoos anti ácidos,como o bicarbonato,você anula
a acidezdo acidoclorídrico,você combinaocorre umtamponamentoe você reduza
acidez.
Relaçãodose-resposta
1. Potência:linhahorizotal indicaadose e a vertical oefeito.Temduascurvasa primeira
e maisproximadavertical e a segundamaislonge davertical.A primeiracurvaindica
que essadroga é maispotente porque precisade umadose menorpradar o mesmo
efeito,e asegundacurva indicaque esse medicamentoprecisasde umadose maior
pra dar o mesmoefeito,oque pode inviabilizarsuaadministração,poremasduas
servemse voce querolharso efeito.Oproblemadadrogamuitopontente é que se
voce errar um poucoa dose voce pode intoxicaropaciente.
2. Inclinação:ai entratempo.A maisinclinadaquerdizerque você faza dose e
rapidamente você temoefeitorápido,amenosinclinadaquerdizerque demorou
maistempopara o efeitoMaximo. Amaisvertical é a mais inclinada.
3. Eficáciamáxima:é o platôda curva. Poremnemtodomedicamentovocê pode induzir
a eficáciamáximadele,porexemploamorfina.A reação adversada morfinaimpede
sua eficáciamáxima,porexemploaindaestasentindodormasnãopode dar mais se
não da depressão respiratóriae ele morre.
4. Variabilidade biológica:extremamenteimportante.Éo paciente que você dao
medicamentoparabaixara pressãodele e elasobe.Cadaindividuoé umindividuo,
existe umpadrãode respostaquase todosrespondemmasvai tersempre umaparcela
que aquele medicamentonãovai funcionar,porcausade algumaalteraçãobiológica,
as vezesnaquele diaeleestacomo metabolismoalterado.Asvezesnomesmo
individuohávariabilidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Karen Zanferrari
 
Via Colinérgica
Via ColinérgicaVia Colinérgica
Via Colinérgica
Amanda Thomé
 
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
Safia Naser
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
Carlos D A Bersot
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Victor Nóbrega
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
bruninhogaldino
 
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra LiaSimpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
lascounic
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Nathalya Brazil
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula 5 Cf1
Aula 5 Cf1Aula 5 Cf1
Aula 5 Cf1
Caio Maximino
 
Aula 6 Biomedicina
Aula 6 BiomedicinaAula 6 Biomedicina
Aula 6 Biomedicina
Caio Maximino
 
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e AnticonvulsionantesAnalgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Safia Naser
 
Antipsicóticos
AntipsicóticosAntipsicóticos
Antipsicóticos
Safia Naser
 
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Aula 7   farmacologia adrenérgicaAula 7   farmacologia adrenérgica
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Med. Veterinária 2011
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula 8 Biomedicina
Aula 8 BiomedicinaAula 8 Biomedicina
Aula 8 Biomedicina
Caio Maximino
 

Mais procurados (19)

Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
Sistema nervoso parassimpático - Fármacos que atuam.
 
Via Colinérgica
Via ColinérgicaVia Colinérgica
Via Colinérgica
 
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)Farmacologia 13   anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 13 anticonvulsivantes - med resumos (dez-2011)
 
Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides Analgesicos Opioides
Analgesicos Opioides
 
Farmacologia dos opiaceos
  Farmacologia dos opiaceos   Farmacologia dos opiaceos
Farmacologia dos opiaceos
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Farmaco adrenergica
Farmaco adrenergicaFarmaco adrenergica
Farmaco adrenergica
 
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra LiaSimpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
Simpósio Hanseníase - Tratamento da dor na hanseníase - dra Lia
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
 
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e SimpatolíticosAula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
Aula - SNA - Farmacologia Adrenérgica - Simpatomiméticos e Simpatolíticos
 
Aula 5 Cf1
Aula 5 Cf1Aula 5 Cf1
Aula 5 Cf1
 
Aula 6 Biomedicina
Aula 6 BiomedicinaAula 6 Biomedicina
Aula 6 Biomedicina
 
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e AnticonvulsionantesAnalgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
 
Antipsicóticos
AntipsicóticosAntipsicóticos
Antipsicóticos
 
Aula 7 farmacologia adrenérgica
Aula 7   farmacologia adrenérgicaAula 7   farmacologia adrenérgica
Aula 7 farmacologia adrenérgica
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Aula 8 Biomedicina
Aula 8 BiomedicinaAula 8 Biomedicina
Aula 8 Biomedicina
 

Destaque

Diagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia leDiagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia le
Dr.João Calais.:
 
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Dr.João Calais.:
 
Resumo todo-patologia-1
Resumo todo-patologia-1Resumo todo-patologia-1
Resumo todo-patologia-1
Patricia Dall Olmo
 
Resumo de Patologia
Resumo de PatologiaResumo de Patologia
Resumo de Patologia
Dener Alves
 
Motricidade
MotricidadeMotricidade
Motricidade
Dr.João Calais.:
 
medresumo hematologia
medresumo hematologia   medresumo hematologia
medresumo hematologia
Medicina Fsm
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
Dr.João Calais.:
 
Semiologia completa medresumos slideshare
Semiologia completa medresumos slideshareSemiologia completa medresumos slideshare
Semiologia completa medresumos slideshare
Juan Zambon
 
Parasitologia ii completo
Parasitologia ii   completoParasitologia ii   completo
Parasitologia ii completo
Jucie Vasconcelos
 
Farmacologia resumos
Farmacologia resumosFarmacologia resumos
Farmacologia resumos
Gleicee Silva
 
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
Jucie Vasconcelos
 
Anestesiologia Completa
Anestesiologia CompletaAnestesiologia Completa
Anestesiologia Completa
Jucie Vasconcelos
 

Destaque (12)

Diagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia leDiagnóstico em endodontia le
Diagnóstico em endodontia le
 
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucaisRoteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
Roteiro identificação e montagem de radiografias intrabucais
 
Resumo todo-patologia-1
Resumo todo-patologia-1Resumo todo-patologia-1
Resumo todo-patologia-1
 
Resumo de Patologia
Resumo de PatologiaResumo de Patologia
Resumo de Patologia
 
Motricidade
MotricidadeMotricidade
Motricidade
 
medresumo hematologia
medresumo hematologia   medresumo hematologia
medresumo hematologia
 
Farmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completoFarmacologia resumo completo
Farmacologia resumo completo
 
Semiologia completa medresumos slideshare
Semiologia completa medresumos slideshareSemiologia completa medresumos slideshare
Semiologia completa medresumos slideshare
 
Parasitologia ii completo
Parasitologia ii   completoParasitologia ii   completo
Parasitologia ii completo
 
Farmacologia resumos
Farmacologia resumosFarmacologia resumos
Farmacologia resumos
 
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011Farmacologia 01   introdução a farmacologia - med resumos 2011
Farmacologia 01 introdução a farmacologia - med resumos 2011
 
Anestesiologia Completa
Anestesiologia CompletaAnestesiologia Completa
Anestesiologia Completa
 

Semelhante a Farmacologia!0

Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
Lindiane Eloisa
 
Farmacologia molecular
Farmacologia molecular Farmacologia molecular
Farmacologia molecular
Rose Viviane Bezerra
 
Adenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angelAdenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angel
Valentina Cará
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdf
ProfYasminBlanco
 
Farmacos detalhes
Farmacos detalhesFarmacos detalhes
Farmacos detalhes
Brenda Soares
 
psicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptxpsicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptx
RafaelLoureno59
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Isabel Teixeira
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Isabel Teixeira
 
Uso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em utiUso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em uti
gisa_legal
 
Neurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínicoNeurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínico
Gisele Doula
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Victor Nóbrega
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
Bruna Larissa Almeida
 
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdfintoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
hugovictordemenezes
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
Efigênia Barros
 
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACKTERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
JANDETE2012
 
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2   noções básicas de psicofarmacologia iiAula 2   noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Educação Ucpel
 
Medicaenfermagem02
Medicaenfermagem02Medicaenfermagem02
Medicaenfermagem02
Viviane Campos
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
PAULOVINICIUSDOSSANT1
 
Aula - SNA.ppt
Aula - SNA.pptAula - SNA.ppt
Aula - SNA.ppt
DanielleBraga22
 
Resuminho de farmaco 2
Resuminho de farmaco 2Resuminho de farmaco 2
Resuminho de farmaco 2
Tamara Garcia
 

Semelhante a Farmacologia!0 (20)

Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Farmacologia molecular
Farmacologia molecular Farmacologia molecular
Farmacologia molecular
 
Adenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angelAdenosine as a guardian angel
Adenosine as a guardian angel
 
Farmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdfFarmacologia_adrenergica.pdf
Farmacologia_adrenergica.pdf
 
Farmacos detalhes
Farmacos detalhesFarmacos detalhes
Farmacos detalhes
 
psicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptxpsicofarmacologia.pptx
psicofarmacologia.pptx
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Uso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em utiUso de drogas vasoativas em uti
Uso de drogas vasoativas em uti
 
Neurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínicoNeurologia – caso clínico
Neurologia – caso clínico
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdfintoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
intoxicaoexgena-150303122337-conversion-gate01.pdf
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
 
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACKTERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
TERAPIA MEDICAMENTOSA-COCAINA E CRACK
 
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2   noções básicas de psicofarmacologia iiAula 2   noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
 
Medicaenfermagem02
Medicaenfermagem02Medicaenfermagem02
Medicaenfermagem02
 
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdfAnticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
Anticonvulsivante / Hipnoanalgésicos.pdf
 
Aula - SNA.ppt
Aula - SNA.pptAula - SNA.ppt
Aula - SNA.ppt
 
Resuminho de farmaco 2
Resuminho de farmaco 2Resuminho de farmaco 2
Resuminho de farmaco 2
 

Mais de Dr.João Calais.:

Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoçoSistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Dr.João Calais.:
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
Dr.João Calais.:
 
Mutação
MutaçãoMutação
Filmes radiográficos udei
Filmes radiográficos  udeiFilmes radiográficos  udei
Filmes radiográficos udei
Dr.João Calais.:
 
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Dr.João Calais.:
 
Ortodontia1
Ortodontia1Ortodontia1
Ortodontia1
Dr.João Calais.:
 
Músculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeçaMúsculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeça
Dr.João Calais.:
 
Microbiota humana
Microbiota humanaMicrobiota humana
Microbiota humana
Dr.João Calais.:
 
Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014
Dr.João Calais.:
 
Miologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoçoMiologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoço
Dr.João Calais.:
 
Flúor
FlúorFlúor
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro   biologia celular e molecularJunqueira & carneiro   biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Dr.João Calais.:
 
Infecções pulpares e periapicais 2014
Infecções pulpares e periapicais  2014Infecções pulpares e periapicais  2014
Infecções pulpares e periapicais 2014
Dr.João Calais.:
 
Resinas compostas posteriores
Resinas compostas   posterioresResinas compostas   posteriores
Resinas compostas posteriores
Dr.João Calais.:
 
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Dr.João Calais.:
 
Amálgama parte ii
Amálgama  parte iiAmálgama  parte ii
Amálgama parte ii
Dr.João Calais.:
 
Embriologia bucal
Embriologia bucalEmbriologia bucal
Embriologia bucal
Dr.João Calais.:
 
Dentística3
Dentística3Dentística3
Dentística3
Dr.João Calais.:
 
Dentistica 2
Dentistica 2Dentistica 2
Dentistica 2
Dr.João Calais.:
 
Gengivite e periodontite
Gengivite e periodontiteGengivite e periodontite
Gengivite e periodontite
Dr.João Calais.:
 

Mais de Dr.João Calais.: (20)

Sistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoçoSistema arterial da cabeça e do pescoço
Sistema arterial da cabeça e do pescoço
 
Sistemas adesivos
Sistemas adesivosSistemas adesivos
Sistemas adesivos
 
Mutação
MutaçãoMutação
Mutação
 
Filmes radiográficos udei
Filmes radiográficos  udeiFilmes radiográficos  udei
Filmes radiográficos udei
 
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)Livro   dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
Livro dentistica - saude e estetica 2 ed (completo)
 
Ortodontia1
Ortodontia1Ortodontia1
Ortodontia1
 
Músculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeçaMúsculos do pescoço e da cabeça
Músculos do pescoço e da cabeça
 
Microbiota humana
Microbiota humanaMicrobiota humana
Microbiota humana
 
Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014Microbiota bucal 2014
Microbiota bucal 2014
 
Miologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoçoMiologia cabeça e pescoço
Miologia cabeça e pescoço
 
Flúor
FlúorFlúor
Flúor
 
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro   biologia celular e molecularJunqueira & carneiro   biologia celular e molecular
Junqueira & carneiro biologia celular e molecular
 
Infecções pulpares e periapicais 2014
Infecções pulpares e periapicais  2014Infecções pulpares e periapicais  2014
Infecções pulpares e periapicais 2014
 
Resinas compostas posteriores
Resinas compostas   posterioresResinas compostas   posteriores
Resinas compostas posteriores
 
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
Analise ex-vivo-de-cortes-apicais-de-dentes-humanos-em-3 d-empregando-microto...
 
Amálgama parte ii
Amálgama  parte iiAmálgama  parte ii
Amálgama parte ii
 
Embriologia bucal
Embriologia bucalEmbriologia bucal
Embriologia bucal
 
Dentística3
Dentística3Dentística3
Dentística3
 
Dentistica 2
Dentistica 2Dentistica 2
Dentistica 2
 
Gengivite e periodontite
Gengivite e periodontiteGengivite e periodontite
Gengivite e periodontite
 

Último

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 

Último (20)

Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 

Farmacologia!0

  • 1. FARMACOLOGIA Receptoresde fármacose farmacodinâmica Receptor:componente de umacélulaouorganismoque interagecomumfármaco e iniciaa cadeiade eventosque levaaosefeitosobservadosdessefármaco.  Os receptoresdeterminamemgrande parte as relaçõesquantitativasentre dose ou concentraçãodo fármaco e seusefeitosfarmacológicos  Os receptoressãoresponsáveispelaseletividade daaçãodo fármaco  Os receptoresmedeiamasaçõesdosagonistascomodos antagonistasfarmacológicos. - Naturezamacromoleculardosreceptoresde fármaco A maiorparte dos receptoressãoproteínas. Osmaisbem caracterizadossãoPROTEINAS REGULADORAS que medeiamasaçõesdossinaisquímicosendógenostaiscomo neurotransmissores,autacoidese hormônios. 4 tiposde proteínasreguladoras:enzimas,moléculastransportadorase canaisiônicos Enzimas - Atravésdainibição.(inibidoresenzimáticos) - “Engana” a enzima,sintetizaummedicamentomuitosemelhante aosubstratoda enzima,comose fosse umcompetidor.(falsos substratos) - Pro-farmacos:medicamentosque nãoestãoativosainda,sãobiotransformadores,só temseuefeitoporexemplodepoisde passarpelofígado. Ai ativaa moléculae então elavai poderter seuefeito.Ummedicamentomuitoconhecidoé oinalapril. 1. Inibidoresenzimáticos  AINES:antiinflamatóriosnãoesteroidais(esteroidais=coiticoides).Todoseles dividemomesmomecanismode ação,moléculasmuitodistintasumasdas outras,todas elastemummesmoalvoque é umaenzima.Inibe aenzima ciclooxigenase.Processo:enzimanamembranacelularchamadafosfolipase A2. Ela ta normalmente em“standby”,estaali quietinha,qualquerinjuriaque ocorra na membranacelular,umapancada,um corte,um arranhão,um excessode frio,essaenzimade ativa.Umavez ativada,elaclivaumfosfolipidio da membranachamadoacido aracdonico.Caiunocitosol,nele temuma enzimachamadaciclooxigenase,elavai usaro acidoaracdonicocomo substratoe vai criar trêsimportantessubstanciasque sãoasprostaciclinas,o tromboxanoA2(proagregante pontente) e oprincipal,asprostaglandinas.As prostaglandinastemvariasaçõesinflamatórias,e quandoelaentraem contato com osreceptoresde dorchamados de nociceptoreseladiminuio limiardessesreceptoresde dor,ouseja, umestimuloque anteriormente não causava dor passaa causar, issoé chamadode hiperalgesia.Prostaglandina quandochegaao hipotálamodesregulaohipotálamoque é extremamente precisoemmantera temperaturaa 36,5º, quandoessaprostaglandinachega ele começaa lera temperaturacorporal comose elativesse maisbaixaque o normal entãocomeça a aconteceras maneirasque oorganismotemde aumentara temperatura,aumentaometabolismo,acontraçãomusculare vai
  • 2. ter a febre.Eelasna microcirculaçãofazemvasodilataçãodasarteríolase aumentara permeabilidadevascularacontece oedema.Entãoqual é o alvodo anti inflamatórionessahistoria?Inibeaciclooxigenase. Conseqüênciainteressante:paciente que temcardiopatiaisquêmica,placade ateroma,ele temque usarsubstanciasque evitamacoagulaçãoe é obrigatórioque ele use medicamentodesse tipo.TromboxanoA2é umpro agregante plaquetarioe aprostaciclinaé umanti agregante plaquetario,então ate ai esta empatado.Oprincipal tipocelularque produzotromboxanoé a plaqueta,aprostaciclinaé a célulaendotelial.A inibiçãoque osAINESfazem na ciclooxigenase é umainibiçãoirreversível,é umaligaçãoquímicaque não se desfaz,a enzimanãofuncionamais.Plaquetasnãofazemsínteseprotéica, entãouma vezque a plaquetateve suaenzimainibida,elavai poderrepo-la ou sejavai ter umaausênciado tromboxanoporque asplaquetasnãoestão maisproduzindoe a célulaendotelial,elavai formarumanovaenzimaem algumashoraselavai estaproduzindoaprostaciclinaque é umantiagregante enquantoasplaquetasnãovão estarproduzindoproagregrante. Oresultado dissoé que o paciente ficaumlongoperíodocom deficiênciade coagulação, que é importante numpaciente,cardiopataisquêmicoporquese aplaca dele se rompe ele pode causaruma agregação plaquetariamasse ele estatomando um aine,ele temumachance pequenadissoacontecer,entãoovasoficalivre permitindoomínimode passagemsanguínea. Existe diferençanosefeitos,porexemplo,a dipironaé excelenteparador, excelente parafebre masnãoresolve muitobemoedema.Odiclofenaco excelente parador,para o edemamasnão resolve febre.Cadaumtemuma pequenaparticularidade.Nãoexistesoumaciclooxigenase,amaisimportante é ciclooxigenase2,porque a 1 é fisiológicapoisaprostaglandinaé importante para a proteçãodoestomago,para a circulaçãorenal,variasaçloesfisiologias imprescindíveis.Quandovocê usaummedicamentoque inibe tantoa1 quantoa 2, você ta tratando o seu problemamasestatrazendoumareação adversajuntoque é gastrite e umefeitorenal.Entãocomeçarama surgirno mercadoinibidoresespecíficosdaciclooxigenase 2.Nimesulidaage principalmente naciclooxigenase 2. Exemplos:acidoacetil salicílico(AAS),dipirona,paracetamol,nimesulida, diclofenaco,floruxin  Carbamatose organofosforados Carbamatoé um medicamentoque aumentaaliberaçãode acetilcolinaem todosos locaisque é liberada.É usadona medicinahumanaé usadano tratamentoda miasteniagrave,reverterbloqueioneuromuscular.Ousomais comumé o “chumbinho”,é usadopara matar rato. Os organofosforadosnão são usadosemmedicinahumana,sãoumtipode agrotóxico. Comofuncionam:emumórgão alvoou uma fibramuscularvai ter receptores para acetilcolina,existe próximoaessesreceptoresumasenzimasque tem funçãode interromperasaçõesde acetilcolina,aquantidade nafenda sináptica,é tipoumfreioelapegaa moléculade acetilcolina,quebraem
  • 3. acetatoe colina.A colinaelaé recaptadapara ser usadanovamente oacetato temoutra via,o resultadodissoé que você controlaa quantidade acetilcolina. O nome é acetilcolinesterase.Elessãoanticolesteraticos,ouseja,vai terum aumentoabsurdode acetilcolinae elavai ativartodos os receptores,entãoo efeitoaumenta.A diferençaentre osdoisé que a inibiçãodocarbamatoé reversível oorganofosforadonãose desfaz. Receptormicotinicoe muscarinico.  IMAOs (inibidoresdamonoaminooxidase) FunçãoMAO: receptoresparanoradrenalina,receptoresalfadrenergicos, quandoa noradrenalinase ligaaesse receptorovaso sanguíneocontrai. Existe umamoléculade transporte ativonamembranadesse neurônioque temfunçãomais oumenoso que a acetilcolinestasefaziaque é frearasações do neurotransmissor.Sóque aqui é um poucodiferente,elacaptaa noradrenalinadafendae jogade novopara dentrodoneurônio.Se oneurônio tivervaziode noradrenalina,essanoradrenalinaque é recaptadaelaé reestocadase o neurôniotiverrepletode noradrenalina,elatemque ser degradada.Elaé degradadapelaMAO que é uma enzimamitocondrial,elaé um controle dasfunçõesdanora e da dopamina.Oque faz o inibidordaMAO? Inibe aMAO e ai você vai ter um excessode noradrenalinanoneurônioe ela vai ter que ser liberado,entãovocê vai terumexcessode neurotransmissor.O alvoé a dopamina.Porexemplo,emalgunscasosde depressãoocorrempor deficiênciade dopamina,quandofazainibiçãodaMao, você temum aumento da concentraçãode dopamina, ai opaciente depoisde algumtempomelhora o quadro.Reação adversa:comoelafaz issotambémcoma noradrenalina,vai ter tambémnoradrenalinaemexcesso,entãovai terumaumentoda PA.  Captopril Inibidordaenzimaconversorae tambemumanti hipertensivo.Comoque funciona?Renina->angiotensinogenio ->angiotensinaI ->atravésda ECA -> angiotensinaII.A ação da angiotensinaIIé vasoconstriçãodovasosanguineo, se você inibe aECA,não temangiotensinaII,entãoovasonão contrai e a pressãoarterial cai 2. Falsossubstratos L. name= L nitroargininametil Ester.Usadaem pesquisasparaevitara vasodilatação.Éum falsosubstratopara NOsintaxe,essaenzimapegaaL. argininae transformaemoxidonítrico,entãovocê tema vasodilatação.A enzimaaoinvésde ir na L argininaelavai na nitroargininametilEster,elavai produzirummetabolitosemfunção,entoanãovai teroxidonítrico. Metildopa=tambemé umantihipertensivo,muitoutilizadoemmulheres grávidasporque temmenospossibilidadede causarefeitosnofeto.Como funciona:a noradrenalinaelasnãonascemprontas,sãofabricadosnointerior do neurônioatravésde umacascata enzimática.A L tirosinaé captada pelo neurônio,ai umaenzimavai agirnelaque a transformaem L dopa,uma
  • 4. segundaenzimaatransformaemdopamina,umaterceiraenzima,em noradrenalina.A noradrenalinaligaaosreceptores,ovasocontrai.A metildopaé umanálogo,falsosubstratodaL dopa,entãoa enzimanumero2 ao invésde atuar na L dopa,elaatua na metildopa,transformandoem metildopamina,e aoutraenzimatransformaemmetilnoradrenalina,resultado final,ovasodilataautomaticamente. 3. Pró-drogas São substanciasque precisamsermetabolizadasnofígadoparaserem ativadas.Moléculaquandovocê ingere não temação.Exemplos:enalapril e paration(organofosforado). Moléculastransportadoras Funçãodessasmoleculasé otransporte de um ladopro outroda membrana,essa substanciase ligae é internalizada. 1. Inibidoresde transporte: temdoismedicamentosque sãoosglicosídeos digitálicos,omeprazol  Inibidoresdigitálicos São substanciaschamadasde cardiotonicas,elasaumentamaforçade contração cardíaca. Fazemparte do arsenal que pode tratar a insuficiência cardíaca. Digoxinae digitoxina.Háabomba de sódioe potássio,onde háum meiointrae o meioextra, osódiosai e o potássioentra.Osglicosídeossão inibidoresdessabombade sódioe potássio.osódiointracelularaumenta.O sódioaumentadodentrodacélulaaaumenta.Existe umco transporte associadoa este,é uma sódioe cálcio,que é ativado,colocao sódiopra fora e capta cálciodo extracelulare colocapra dentroda celular.Ea contração depende diretamente docálcio,ele contrai entãocommaiseficiência.  Omeprazol É um inibidordabombade hidrogênio,de prótons.Funcionanacélulaparietal que temessabomba que colocahidrogêniopradentrodacélulapra se ligarao íon cloretopra formar o acidoclorídrico,se eu nãotenhoo hidrogênio,jáque o omeprazol inibe essabomba,eunãoconsigoformaro acidoclorídrico,então a célulaparietal ficasemacidoclorídricoentãose reduza acidezdoestomago  Cocaína Era usadopara anestesialocal.Temreaçõesadversasque sãoexcessode nora e dopaminanafendasináptica.Osnc vai ficarem alerta,na periferiahá taquicardia,aumentodapressãoarterial Canaisiônicos Bloqueadoresde casal oumediadores: - Anestesicoslocais:lidocaína,mepivacarna,iopivacaina
  • 5. -Bloqueadoresde canaisde cálcio:amilopidona,nifepidina,diltrazem.Reaçãoadversa: edemade membroinferiorprincipalmente emidosos. Receptorespropriamente ditos:acopladosacanaisiônicos AcopladosapronteinaG tempor função Acopladosatirosina-quinase receberumligante Controlama transcriçãogenica 1. Receptoresacopladosacanaisiônicos Receptornicotínicodaacetilcolina,presenteprincipalmente nomúsculo esquelético,aacetil se ligae você tema despolarizaçãocelular ReceptorGABA (acidogama aminobutílico):neurotransmissorinibitório,o excitatorioé oglutamato.Algunsmedicamentossãocapazesde tenderolado para a a inibição.Nessecaso,ele se ligaaumentaosíonscloretoque vão deprimircertasaéreasdosistemanervosocentral.Oálcool tambemse ligaa esse recptor,porissoele tambemé um depressordoSNC.Exemplosde medicamentossãoosbenzadiazepinicose osbarbitúricos.Os benzadiazepinicossãoosansiolíticosque sãodiazepan,clonazepan.A maioria das pessoasusamapara dormiro sono.Pode causar depressão.Os barbitúricossãoo fenobarbital que é ogardenal,oefeitoé umsonoprofundo que é capaz de você fazerum pequenoprocedimentocirúrgicosemsentirdor, deprime muitoarespiração. 2. ReceptoresacopladosaproteínaG O agonistase ligaao receptore ativaa proteínaG que esta na proteína transmembrana,essaproteínaG se separado complexo,se deslocae encosta numaoutra proteína doladointernoe ativa essaproteínae issoocorre os eventosintracelularesque geraosoutroseventosintracelulares. 3. Receptoresligadosatirosinaquinase Receptoresdainsulina,citocinas,algunsfatoresde crescimento 4. Controlama transcriçãogênica 5. O hormôniotematravessara membranacelular,se ligaraum receptor citosoico,esse complexovai entãopronúcleoentãoháumatranscrição de um RNA mensageiroe háformação de uma novaproteínaque vai dar o efeito desejado. Agonistase antagonistas Medicamentoagonistaé umque vai se ligara determinadoalvoe induziroefeito.Antagonista iriainibiroefeitodoagonistae fazum efeitocontrario.Sãováriostiposde antagonismos diferentes.
  • 6. Agonistas 1. Pleno:é capaz de induziroefeitoMaximo.Exemplo:umasubstanciaque se eucolasse no meioonde este,porexemplo,umvasoelacausariaa contração máximadesse vaso. Eu vejoesse efeitoMaximonoplatôdacurva. Issoquer dizerque nãoadianta aumentara dose que não vai passar daquele efeitoali. 2. Parciais:substanciasque se ligamaoreceptortalvezcoma mesmaforça, mesma afinidade e nãosãocapazesde induziroefeitoMaximo.Hámuitosmedicamentos usadosna insuficiênciacardíaca. Antagonistas Podemserde 5 tipos 1. Competitivoreversível: competiçãodoagonista como antagonistapelomesmo receptor,porissocompetitivo.Quemtaemmaiorquantidade,ocupa.Lei daação das massas.Fazemuma ligaçãofraca com o receptore se você ofertaro agonista novamente,cocorre umdeslocamentodoantagonista.A grande maioriados medicamentosadisposiçãosãoreversíveis. 2. Competitivoirreversível:é umaligaçãocovalente comoreceptoreupossoaumentaro quantoquisera quantidade doagonistaque nãovai deslocar.Normalmente sãode uso hospitalarque você temumacompanhamentomaior. Afinidadeé aatração químicaque ocorre entre a moléculado medicamentocomoreceptor.Os trêstêm a mesmaatração química peloreceptor,se ligamdamesma maneiraao receptor,masnão significaque oefeitovai serigual.O parcial tema mesmaafinidade comoreceptorque oagonistatotal poremo efeitoé parcial,e o antagonistatema mesmaafinidade comoreceptorporemnãotem efeito.Um medicamentoantagonistanãopossui atividade intrínseca,ouseja,aose ligarao receptornão vão ocorreraqueleseventosintracelulares,ele impedeque oagonistafaçao seuefeitoisso implicanumefeitocontrario. Comoaafinidade entre agonistase antagonistasé amesma,o que deslocaoagonistado receptorpara o antagonistaligaré por meioda lei de açãodas massas,porque o antagonistavai estaremmaiorquantidade. 3. Não competitivo:nãoestãodisputandoomesmolugar.Ositiode ligaçãodoagonista, o sitiodoantagonistatema mesmaforma para encaixar,elesestãodisputandoesse receptor.Onão competitivovai ligaremoutropontodoreceptorque mesmose o agonistaligar,esse receptornãovai serfuncionarporque de algumamaneiraessa droga alteroua conformaçãooualteroudeterminadopontodoreceptor,eleparade funcionar,poremnãoestãodisputandoomesmositio. 4. Funcional:nãoenvolve disputapelomesmoreceptor,anoenvolvenecessariamente um agonistaouum antagonista.É umantagonistade efeitos.Porexemplo,euuso noradrenalinaemumvasosanguineovai terumavasoconstrição,euadministro Ligante Afinidade Eficácia Agonista ++++ ++++ Agonista parcial ++++ ++ Antagonista ++++ -
  • 7. histaminanessavasosanguineo,ovasovai dilatar.Então eupossoantagonizara vasoconstriçãodahistaminacoma vasodilataçãodahistamina.Antagonistade efeito. Outro exemplo,choque anafiláticofazvasodilatação,broncoconstrição,o medicamentoque se usa é adrenalinaque faza vasoconstriçãoe broncodilatação.A acetilcolinadiminuiafreqüênciacardíaca e a atropinaseriaumantagonista,pois aumenta. 5. Químico:não envolve receptores.Sãosubstanciasque se anulamemdeterminada solução.Porexemplo,metalpesadononossoorganismonãoé excretado,elevai se acumulando.Existemalgumassubstanciaschamadasquelantesde metaispesados, você administraessasubstancia,elacheganometal pesadoe formaum complexo entãovocê consegue excretarocomplexo,você eliminouquimicamente osmetais pesados,umexemplomaiscomumsãoos anti ácidos,como o bicarbonato,você anula a acidezdo acidoclorídrico,você combinaocorre umtamponamentoe você reduza acidez. Relaçãodose-resposta 1. Potência:linhahorizotal indicaadose e a vertical oefeito.Temduascurvasa primeira e maisproximadavertical e a segundamaislonge davertical.A primeiracurvaindica que essadroga é maispotente porque precisade umadose menorpradar o mesmo efeito,e asegundacurva indicaque esse medicamentoprecisasde umadose maior pra dar o mesmoefeito,oque pode inviabilizarsuaadministração,poremasduas servemse voce querolharso efeito.Oproblemadadrogamuitopontente é que se voce errar um poucoa dose voce pode intoxicaropaciente. 2. Inclinação:ai entratempo.A maisinclinadaquerdizerque você faza dose e rapidamente você temoefeitorápido,amenosinclinadaquerdizerque demorou maistempopara o efeitoMaximo. Amaisvertical é a mais inclinada. 3. Eficáciamáxima:é o platôda curva. Poremnemtodomedicamentovocê pode induzir a eficáciamáximadele,porexemploamorfina.A reação adversada morfinaimpede sua eficáciamáxima,porexemploaindaestasentindodormasnãopode dar mais se não da depressão respiratóriae ele morre. 4. Variabilidade biológica:extremamenteimportante.Éo paciente que você dao medicamentoparabaixara pressãodele e elasobe.Cadaindividuoé umindividuo, existe umpadrãode respostaquase todosrespondemmasvai tersempre umaparcela que aquele medicamentonãovai funcionar,porcausade algumaalteraçãobiológica, as vezesnaquele diaeleestacomo metabolismoalterado.Asvezesnomesmo individuohávariabilidade.