SlideShare uma empresa Scribd logo
SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES DE PESQUEIRA –
SECEP
INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PESQUEIRA – ISEP
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL E
CLÍNICA
RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUCIONAL
RAVENA DE MELO BEZERRA
SAMUEL SOUZA DE MELO BEZERRA
PARAZINHO/RN
2016
RAVENA DE MELO BEZERRA
SAMUEL SOUZA DE MELO BEZERRA
Relatório de Estagio Supervisionado apresentado ao
Programa de Pós-Graduação Lato Sensu do Curso
de Especialização em Psicopedagogia Institucional e
Clínica do Instituto Superior de Educação de
Pesqueira, como requisito parcial de avaliação.
Orientador: Oldair Dias
PARAZINHO/RN
2016
SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO.................................................................................................... 4
1.1 Histórico da Psicopedagogia Institucional............................................................. 4
1.2 Justificativa............................................................................................................ 4
1.3 Apresentação do sujeito........................................................................................ 5
2. QUEIXA................................................................................................................. 5
2.1 Hipóteses............................................................................................................. 5
3. DESENVOLVIMENTO......................................................................................... 5
3.1 Caracterização da escola..................................................................................... 5
3.2 Cronograma........................................................................................................... 7
3.3 Observação da aula-tipo....................................................................................... 7
3.4 Relato das entrevistas........................................................................................... 8
3.5 Análise das entrevistas......................................................................................... 9
3.6 Intervenção............................................................................................................ 10
3.7 Etapas da intervenção........................................................................................... 11
4. SÍNTESE DIAGNÓSTICA ..................................................................................... 11
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................................................. 12
REFERÊNCIAS...................................................................................................... 13
ANEXOS
5
1. INTRODUÇÃO
O presente trabalho tem por objetivo apresentar os resultados obtidos
através do estágio supervisionado institucional, e está estruturado nas seguintes
etapas: o primeiro capítulo tem a introdução apresentando o trabalho, a história do
surgimento da psicopedagogia no Brasil, a justificativa da realização do estágio e
apresentação e informações pessoais do sujeito a ser estudado. O segundo capítulo
apresentamos a queixa, e as hipóteses da problemática. No Terceiro capitulo temos
o desenvolvimento do trabalho, composto pelas observações, relatos, analise,
organização das etapas do trabalho e as possíveis soluções para a problemática
apresentada.
1.1 Histórico da psicopedagogia institucional no Brasil
A psicopedagogia chegou ao Brasil na década de 70. Influenciados pela
pratica Argentina, o movimento Psicopedagogico no Brasil remeteu-se pela
proximidade do país e o fácil entendimento da língua espanhola. Na mesma década
iniciaram cursos de especialista em Psicopedagogia com duração de dois anos na
cidade de Porto Alegre/RS, mas desde a década de 60 já havia trabalhos realizados
por autores brasileiros, sendo a maior preocupação da época os estudos voltados
para as deficiências que geravam problemas de aprendizagem, que era muito
associada à disfunção neurológica conhecida como DCM, ou Disfunção Cerebral
Mínima (BOSSA, 2000, p. 48-49). Um dos seus principais precursores no nosso país
foi Jorge Visca que foi um dos maiores contribuintes da difusão da Psicopedagogica
no Brasil. Visca também implantou CPEs (Centro de Psicopedagogia Escolar) em
varias cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, entre outras (Cf.
BARBOSA, 2002, p. 14).
Temos no País a Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp) instituída
em 1980, sendo a principal responsável por organização dos eventos, e cadastro de
profissionais da psicopedagogia, com cursos e encontros científicos.
1.2 Justificativa
A realização do relatório de estágio institucional é de suma importância para
obtenção de conhecimento pratico relacionado à psicopedagogia, tendo uma visão
ampla da área do conhecimento ao qual vamos trabalhar, bem como exigência do
curso de pós-graduação em Psicopedagogia.
6
1.3 Apresentação do sujeito
O aluno W.P.L. tem 26 anos, é filho de F.C.L. e G.P.L. e está cursando o 3º
ano do Ensino Médio na turma B. Ele vive em união estável, não tem filho e trabalha
o dia todo como vigilante em uma empresa da região. O mesmo é repetente desde o
Ensino Fundamental II, a maior parte das reprovações foi por faltas e notas baixas.
2. QUEIXA
A direção nos indicou a turma do 3º ano turma “B” que tem professores
rotativos, mas trabalhamos voltado á professora D.D., da disciplina de história, que
segunda a mesma, os alunos já estão desmotivados pelo fato dos professores
faltarem bastante. A professora nos deu a queixa da seguinte maneira: “O aluno
W.P.L. se encontra bastante desmotivado”.
2.1 Hipóteses
• Dificuldade em se concentrar na aula
• Desestimulado por ser um aluno repetente
• Está cansado nas aulas por ter trabalhado o dia todo
• Não acha as aulas atrativas
3. DESENVOLVIMENTO
3.1 Caracterização da escola
O estágio supervisionado foi realizado em uma Escola Estadual do Município
de Pedra Grande no Estado do Rio Grande do Norte, localizada na Avenida
Severino Ferreira, nº 561, Bairro centro, CEP: 59588-000, inscrita sob o número
CNPJ: 01.818.410/0001-07. Sob a Direção de E. V. B, e Vice Direção de E. J.
Esta funciona em regime de externato de Ensino Médio, com horário de
funcionamento: Turno Noturno das 17h00 às 21h00. Seu público é composto por
pessoas de baixa renda, atendendo a mais ou menos 181 alunos, de varias
comunidades como: Enxu Queimado, Lajedo, Quixabeirinha, Alto da Aroeira, Acauã,
Fazenda Floresta, Praia do Marco, Barreiros e Assentamento Boca do Campo, com
cerca de trinta alunos por turma, na faixa etária de 14 a 30 anos de idade. A equipe
escolar é composta por um diretor, uma vice-diretora, três secretários, seis
professores, uma bibliotecária, três cozinheiras, três ASG e cinco vigias.
7
A mesma não tem o Projeto Político Pedagógico (PPP), e os recursos que
escola recebe são o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) do Estado no valor
de R$ 4.366,00 pago uma vez por ano, sendo 60% para compra de material limpeza
e 40% para equipamentos permanentes, o PNAE no valor de R$1.104,00 pago em
dez parcelas para a merenda escolar, o PAGUE no valor de R$8.440,00 pago em
quatro parcelas de R$2.110,00 para manutenção da escola. A escola não possui
coordenador pedagógico.
A escola é de fácil acesso, possuindo pavimentação e iluminação em todas as
ruas em seu entorno, não possui saneamento básico. A estrutura física é regular. A
escola consiste em 14 repartições, sendo elas: seis salas de aula que são amplas,
têm carteiras de madeira, quadro branco e ar condicionado em uma sala (que às
vezes funcionam), as demais salas utilizam ventiladores de teto. Cinco banheiros
(três femininos e dois masculino), uma diretoria, uma secretaria, uma sala dos
professores, uma biblioteca, uma sala de vídeo (que não funciona e entulhada), um
almoxarifado, uma sala de arquivos, uma cozinha, uma dispensa e um refeitório.
Tem um pátio, uma área arborizada e uma sala de informática usada por alunos e
professores para pesquisa de trabalhos. Tem espaço (um campo de futebol de
areia) para a prática de esportes coletivos ou individuais, mas está isolado e
inutilizado.
Estes dados foram fornecidos pelo diretor E. V. B, e a Vice-Diretora de E. J.
no dia 19 de abril de 2016.
8
3.2 Cronograma
Nº
Encontros
Data dos
Encontros
Descrição dos Encontros
1º 07/04/2016 Entrega da carta do Estágio Supervisionado Institucional.
2º 11/04/2016 Registro da queixa;
Elaboração das questões das entrevistas.
3º 12/04/2016 Entrevista com o Diretor;
Entrevista com a Professora;
Entrevista com o Aluno.
4º 18/04/2016 Encontro do grupo para organização e elaboração da Introdução,
justificativa e História da Psicopedagogia no Brasil.
5º 19/04/2016 Caracterização da Escola;
Observação da aula-tipo.
6º 02/05/2016 Entrevista com a mãe do aluno.
7º 03/05/2016 Entrevista com o Professor de Química.
8º 08/05/2016 Encontro do grupo para planejamento da intervenção.
9º 09/05/2016 Realização da Intervenção na sala de aula com a turma.
10º 10/05/2016 Encontro do grupo para elaboração da Síntese diagnóstica e
considerações finais.
3.3 Observação da aula-tipo
No dia 19/04/2016 foi observado à aula lecionada pela professora D.D. a
mesma nos recebeu na série do 3º ano turma B e iniciou a aula com 10 alunos, mas,
com o passar do tempo os demais foram chegando. A turma tem um total de 25
alunos. A aula era constantemente interrompida pelos alunos que iam entrando
atrasados.
A professora mostrou bom conhecimento no conteúdo e no domínio de
classe, porém foram poucos os alunos que se envolviam com a aula. Foi observado
que a turma tem alunos mais avançados na faixa idade para a série, e que várias
vezes se mostraram tímidos e alguns até faziam brincadeiras na hora de responder
9
questões feitas pela professora sobre os assuntos repassados na aula. O aluno a
ser analisado chegou atrasado, fazendo bastante barulho. Algumas vezes o mesmo
conversou durante a aula com outros alunos. Percebeu-se que o aluno estava
claramente desinteressado em estudar e em prestar atenção na aula.
3.4 Relato das entrevistas
No mesmo dia (19/04/16) o diretor E.V.B. foi entrevistado no intervalo entre a
primeira e segunda aula da noite, o mesmo estava ensinando no primeiro horário.
Este disponibilizou seu tempo e não hesitou em nenhum momento para responder
ao questionário.
A entrevista com o aluno W.P.L. foi na hora do intervalo, após o a observação
da aula da Professora D.D. Inicialmente o aluno não quis responder ao questionário,
mas depois aceitou e responder todas as perguntas.
A professora regente foi atendida, logos após na sala dos professores, onde
facilitou o entendimento da queixa através de suas respostas. Foi uma conversar
aberta, na verdade, buscamos problematizar a questão, que era também pelo fato
de falta de professores, a escola passava por dificuldade, a falta de climatização nas
salas de aulas, e a estrutura do prédio que está bastante desgastada.
Foi realizada a entrevista com F.C.L., mãe do aluno W.P.L. no dia 02/05/16,
esta nos recebeu em sua casa com seu marido, foi bastante educada e atenciosa,
respondeu a todas as perguntas feitas e se mostrou interessada em saber que
estávamos acompanhando seu filho na escola.
No dia 03/04/16 fizemos uma entrevista com o professor L.C.X., professor de
Química. Com a proposta de sabermos o que o diferenciava dos demais professores
que fazia com que o aluno analisado no estagio se interessasse por suas alunas.
Fomos recebidos pelo mesmo após as aulas. Tivemos uma conversa informal e o
mesmo respondeu a todas as nossas perguntas.
3.5 Análise das entrevistas
O diretor E.V.B. nos recebeu com bom humor, logo após sua a aula, na sala
da diretoria. Conversamos um pouco e depois nos respondeu ao questionário. Este
se demonstrou bastante decepcionado na sua área, comentou que os funcionários
10
da escola não o ajudam na realização de varias atividades necessárias na escola,
bem como ele exerce varias funções na escola que acaba o sobrecarregando.
Salientou que já foi diretor na escola por doze anos, não seguidos, e que depois do
mandato atual não ira mais se candidatar a gestão da escola por se sentir muito
cansado. Relatou que está preocupado com a escola e que possivelmente nos
próximos dois ou três anos a escola possa fechar pela falta de recursos que é
limitada para atender todas as demandas e também pela falta de professores.
Informou que este ano a escola só esta em funcionamento graças a Prefeitura que
está ajudando com o pagamento de contratos de professores, sem essa ajuda seria
até possível que a escola estivesse fechada este ano.
O aluno W.P.L. foi entrevistado na hora do intervalo, este estava sorrindo e
conversando com colegas. Ao abordá-lo, ele ficou um pouco tímido e recioso em
responder ao questionário, mas depois conversou conosco espontaneamente. O
aluno teve duvidas sobre o que responder, e deixou totalmente claro de que não
gosta de estudar, não tem vontade de vir às aulas e que somente estuda para estar
com amigos durante a sua estada na escola e terminar seus estudos. O mesmo
disse que vai para aula muito cansado logo após chegar do trabalho e tem preguiça
de estudar desde muito novo, Ele também deixou claro que os professores em sua
opinião são ótimos e que dão boas aulas, mas ele não tem interesse nas mesmas,
salve a matéria de química que ele gosta e nas palavras do aluno o professor é
“legal”.
A professora D.D. é Especialista na disciplina de História e demonstra grande
conhecimento sobre a matéria lecionada. A mesma tem uma experiência na
profissão em ensino publico a cerca de três anos, por meio de contratos temporários
com a Prefeitura e o Estado. Esta se mostrou bastante interessada em nos ajudar no
estagio, respondeu todas as perguntas de boa vontade. A conversa foi bastante
esclarecedora, nos tirando duvidas e informando as melhores maneiras de
abordagem na sala de aula. Ao responder ao questionário a professora demonstrou
grande desejo em melhorar suas aulas e ajudar aos alunos, mas a mesma diz que
não se sente motivada agora quanto era no inicio da sua carreira como professora,
pela dificuldade encontrada em realizar atividades na escola com a falta de material,
pelo ambiente desfavorável e incomodo pela climatização ruim e a grande falta de
interesse por parte dos alunos.
11
A mãe do aluno F.C.L., tem 52 anos e cursou até a 3ª serie do Ensino
Fundamental I ao qual teve que interromper para trabalhar ainda jovem, é dona de
casa e comerciante de roupas, vive em união estável e tem sete filhos. Ela se
mostrou bastante preocupada com a educação do filho, e diz que este é o último
filho que ainda está terminando o Ensino Médio. Ela relatou que ele nunca gostou de
estudar e repetiu varias vezes, mas ela sempre o incentivou e o apoiou, se não, este
já havia parado de continuar os estudos. Ela também resaltou que apesar do aluno
ter certo desinteresse em estudar, ele gosta muito de matérias ligadas a cálculos
matemáticos e que sempre teve maior facilidade nesta área, assim como o pai dele.
Relatou que deu toda condição para educação dos filhos, o que ela não teve quando
era jovem, ainda disse que agora não acompanha como antes o estudo do filho, já
que este já é adulto e formou uma família. A mãe falou que espera que um dia seu
filho possa fazer uma faculdade e ter uma profissão.
Fizemos a entrevista no corredor da escola com o professor de química
L.C.X., logo após as aulas. Ele nos atendeu bem, e se mostrou interessado no
estagio que estávamos fazendo. O mesmo relatou que as suas aulas são bastante
teóricas e tradicional, sendo rígido, e que ele sente muito a falta de um laboratório e
material para trabalhar em suas aulas, este falou que o aluno deve “aprender para
fazer e fazer para aprender”, assim suas aulas não seriam tão cansativas. Relatou
também que os alunos sentem muita dificuldade em aprender a matéria ensinada, já
o que os alunos não têm uma base do ensino fundamental, principalmente nas
quatro operações matemáticas. O professor comentou sobre o aluno ao qual
estamos acompanhando no estagio, e informou que o aluno se comporta de maneira
quieta e com bastante atenção na aula, procurando entender o conteúdo, fazendo
sempre perguntas sendo bastante participativo. Suas dificuldades apresentaram
sendo as mesmas dos demais alunos – a falta de base no Ensino Fundamental nas
quatro operações.
3.6 Intervenção
O grupo decidiu por realizar uma palestra motivacional com o tema “Estudar
para Vencer”, realizado pela palestrante e Assistente Social Larissa Pessoa de
Oliveira. A proposta da palestra é motivar e incentivar os alunos do ensino médio a
continuar seus estudos, bem como saber das dificuldades que irão encontrar ao
decorrer de suas vidas.
12
3.7 Etapas da intervenção
A intervenção com a sala de aula foi realizado nas seguintes etapas -
primeiramente iniciamos o encontro com uma dinâmica com desafio chamado “Não
Desistir” para amenizar a timidez dos alunos e desafia-los a pensar como sair da
situação sem desistir da mesma; Depois reproduzimos um vídeo curta-metragem
reflexivo chamado “Vida Maria”, de aproximadamente 8 minutos, que mostra a
importância e a influência que a família tem sobre a vida de uma pessoa, com o
exemplo onde crianças pobres do sertão são obrigadas a deixar seus estudos e
muitas vezes sua infância para ajudar seus pais nos trabalhos do dia a dia; Após o
vídeo, iniciamos a palestra motivacional “Estudar para Vencer” com a palestrante
Larissa Pessoa de Oliveira, que apresentou a importância, os benefícios e as
oportunidades, motivando-os a ter uma educação continuada; Por ultimo fizemos um
breve debate sobre a palestra apresentada, uma roda de conversa com os alunos
questionando-os sobre o que eles esperam do futuro, seus temores, sonhos e
dúvidas.
4. SÍNTESE DIAGNÓSTICA
Conforme o resultado contido no Informe Psicopedagógico, se faz necessário
pensar uma forma de sanar as dificuldades apontadas pela Avaliação Institucional.
Para tanto, se propõe desenvolver um projeto com recursos no sentido de
motivação para os educandos proporcionando a eles uma aula sobre o a
importância de se estudar motivado, visando contribuir com o bom andamento da
instituição, e, assim, favorecer o educando a se motivarem para um estudo com
mais prazer e aprendizado, buscando sempre o apoio da família que é o objetivo
principal da escola.
13
5. CONSIDERAÇÕES FINAIS
A avaliação Psicopedagógica Institucional contribuiu em colocar na prática os
conhecimentos adquiridos durante curso, também oportunizou o contato com o
ambiente escolar. Foi de grande importância às experiências adquiridas, o grupo se
envolveu mais e trabalhou em conjunto com a escola e a família do aluno analisado,
procurando solucionar a queixa apresentada pela professora do mesmo.
Encontramos dificuldades para a realização tanto do relatório quanto da
intervenção, como por exemplo, as faltas de aulas constantes e também de
professores, além de encontramos certa resistência e desinteresse por parte do
aluno em participar.
Concluímos que a falta de motivação e estímulos para o aluno tanto por parte
familiar e da escola, afeta o rendimento escolar do aluno, já que este não vê atrativo
nem importância para estudar. Como psicopedagogos, devemos contribuir para que
haja uma boa comunicação entre escola e família, favorecer a confiança e
estabelecer um elo construtivo entre estes. É através do convívio escolar, que o
aluno vai aumentando gradativamente o desejo de ir à escola e motivando-se cada
vez mais, aumentando, assim, a frequência escolar de todos os envolvidos, como
professores e alunos, que é o principal objetivo da instituição escolar.
14
REFERÊNCIAS
BARBOSA, Laura Monte Serrat. A História da Psicopedagogia contou também
com Visca. in Psicopedagogia e Aprendizagem. Coletânea de reflexões. Curitiba,
2002.
BOSSA, Nadia A. A psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática.
Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.
CAZELLA, Sarah; MOLINA, Rinaldo. A intervenção psicopedagógica institucional
na formação reflexiva de educadores sociais. Rev. psicopedag., São Paulo , v.
27, n. 82, p. 78-91, 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?
script=sci_arttext&pid=S0103-84862010000100009&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em:
27 abr. 2016.
ROCHA, Nina. Trajetória da Psicopedagogia no Brasil. Disponível em:
<http://www.partes.com.br/educacao/trajetoria_da_psicopedagogia.asp> Acesso em:
24 abr. 2016.
SAMPAIO, Simaia. Breve histórico da Psicopedagogia. Disponível em
<http://www.psicopedagogiabrasil.com.br/#!em-branco/cmlo> Acesso em:
23 abr. 2016.
Trajetória histórica da psicopedagogia no Brasil. Disponível em:
<http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/45599/trajetoria-historica-da-
psicopedagogia-no-brasil#ixzz46duKsVMY > acesso em 23 abr. 2016.
VISCA, Jorge. Clínica Psicopedagógica. Epistemologia Convergente. Porto Alegre:
Artes Médicas, 1987.
15
ANEXOS
ENTREVISTA COM O DIRETOR DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO
NOME:___________________________________________
1 – QUAL A SUA GRADUAÇÃO?
2 – COMO ERA VOCÊ COMO ESTUDANTE?
3 – QUAIS AS PRIORIDADES DA ESCOLA?
4 – QUAIS AS METAS DA EQUIPE ESCOLAR?
5 – QUAIS AS ATIVIDADES QUE VOCÊ DESENVOLVE COMO DIRETOR?
6 – QUAL SERIA A ESCOLA IDEAL PARA VOCE?
7 – QUAIS OS TIPOS DE RECURSOS RECEBIDOS PELA ESCOLA?
16
ENTREVISTA COM O CORPO DOCENTE DA INSTITIUÇÃO DE ENSINO
NOME:________________________________________________
1 – QUAL A SUA GRADUÇÃO?
2 – VOCE SE SENTE REALIZADO?
3 – EM QUANTAS ESCOLAS VOCÊ TRABALHA?
4 – VOCE CONSEDERA SUAS AULAS PARTICIPATIVAS?
5 - QUE TIPO DE AULA VOCE UTILIZA COM FREQUENCIA?
6 - VOCÊ É AMIGO DOS SEUS ALUNOS?
7 – O QUE VOCE ACHA QUE PODERIA MELHORAR NA ESCOLA?
8 – QUAL A MAIOR DIFICULDADE ENCONTRADA NA SALA DE AULA?
9 – VOCE GOSTA DE SE RENOVAR NO ENSINO OU PREFERE UMA
METODOLOGIA MAIS TRADICIONAL?
17
ENTREVISTA COM O ALUNO
NOME:___________________________________________
1 – VOCÊ GOSTA DE ESCOLA?
2 – O QUE VOCÊ MAIS GOSTA E MENOS GOSTA NA ESCOLA?
3 – VOCE GOSTA DE ESTUDAR?
4 – QUAL A SUA MATERIA PREFERIDA?
5 – O QUE VOCE ACHA DOS SEUS PROFESSORES?
6 – QUANDO VOCE NÃO ENTENDE A EXPLICAÇÃO DO PROFESSOR, O QUE
VOCE FAZ?
7 – COMO VOCE AVALIA SUA ESCOLA?
18
ENTREVISTA COM O RESPONSAVEL DO ALUNO
NOME:____________________________________________
1 – EM QUAL SERIE O SEU FILHO ESTUDA?
2 – QUAL SEU GRAU DE INSTRUÇÃO?
3 – O QUE VOCE FAZ ATUALMENTE?
4 - QUAL A IMPORTANCIA DA ESCOLA?
5 – PORQUE VOCE NÃO TERMINOU OS ESTUDOS?
6 – O QUE VOCE ESPERA DO FUTURO DO SEU FILHO?
7 – VOCE ACOMPANHA O ESTUDO DO SEU FILHO?
8 – VOCE INCENTIVA SEUS FILHOS A ESTUDAR?
9 – O QUR VOCE ACHA QUE INTERFERIU NOS ESTUDOS DO SEU FILHO?
10 – QUAL A MATERIA/DISCIPLINA QUE SEU FILHO MAIS GOSTA E TEM
FACILIDADE?
19
PERGUNTAS NA RODA DE CONVERSA COM ALUNOS
1 – O QUE VOCÊS ENTENDAM DO VIDEO “VIDA MARIA”?
2 – O QUE VOCÊS ACHARAM DA PALESTRA?
3 – O QUE VOCÊS ESPERAM PARA O FUTURO APÓS TERMINAR O ENSINO
MÉDIO?
4 – QUAIS OS SEUS SONHOS?
5 – VOCÊS PENSAM EM CONTINUAR OS ESTUDOS?
6 – VOCÊS PRETENDEM SEGUIR ALGUMA PROFISSAO?
7 – PARA VOCÊS, QUAL A MAIOR DIFICULDADE EM ESTUDAR?
8 – O QUE MOTIVA VOCÊS NO MOMENTO A ESTUDAR?
20

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
pipatcleopoldina
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
Edilania Batalha Batalha
 
Relatorio conselho tutelar denilson e jacson
Relatorio conselho tutelar denilson e jacsonRelatorio conselho tutelar denilson e jacson
Relatorio conselho tutelar denilson e jacson
Raquel Becker
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
ceciliaconserva
 
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
SimoneHelenDrumond
 
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
Ana Paula
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
UFMA e UEMA
 
Estudo de caso
Estudo de caso Estudo de caso
Estudo de caso
cefaprodematupa
 
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
SimoneHelenDrumond
 
21 Sugestões de Palavras para escrever em Relatórios Pedagógicos
21 Sugestões de Palavras para escrever em Relatórios Pedagógicos 21 Sugestões de Palavras para escrever em Relatórios Pedagógicos
21 Sugestões de Palavras para escrever em Relatórios Pedagógicos
Cristiano Pereira
 
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
SimoneHelenDrumond
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
SimoneHelenDrumond
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Kelry Carvalho
 
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumondModelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
SimoneHelenDrumond
 
Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down
Victor Said
 
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Erkv
 
Provas piagetianas
Provas piagetianasProvas piagetianas
Provas piagetianas
Gilberta Nogueira
 
Planejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodoPlanejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodo
SimoneHelenDrumond
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
SimoneHelenDrumond
 
Relatórios Educação Infantil
Relatórios Educação InfantilRelatórios Educação Infantil
Relatórios Educação Infantil
Melissa Oliveira
 

Mais procurados (20)

Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
Modelo de Plano de Desenvolvimento Individual para alunos com deficiência.
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
 
Relatorio conselho tutelar denilson e jacson
Relatorio conselho tutelar denilson e jacsonRelatorio conselho tutelar denilson e jacson
Relatorio conselho tutelar denilson e jacson
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
 
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista80 planejamento de  atividades para desenvolver a linguagem do autista
80 planejamento de atividades para desenvolver a linguagem do autista
 
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
62436610 apostila-avaliacao-psicopedagogica-com-anexos-atualizada
 
relatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágiorelatório da educação especial-estágio
relatório da educação especial-estágio
 
Estudo de caso
Estudo de caso Estudo de caso
Estudo de caso
 
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
81 planejamento brincando a aprendendo com a matemática autismo e educação
 
21 Sugestões de Palavras para escrever em Relatórios Pedagógicos
21 Sugestões de Palavras para escrever em Relatórios Pedagógicos 21 Sugestões de Palavras para escrever em Relatórios Pedagógicos
21 Sugestões de Palavras para escrever em Relatórios Pedagógicos
 
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
Modelo de parecer de uma criança com necessidades especiais.
 
Modelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivoModelo de parecer descritivo
Modelo de parecer descritivo
 
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1Modelo  de plano de desenvolvimento individual 1
Modelo de plano de desenvolvimento individual 1
 
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumondModelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
Modelos de relatórios dscritivos simone helen drumond
 
Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down Relatório sindrome de down
Relatório sindrome de down
 
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
 
Provas piagetianas
Provas piagetianasProvas piagetianas
Provas piagetianas
 
Planejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodoPlanejamento 1º periodo
Planejamento 1º periodo
 
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém  que precisa de limitesParecer de um bom aluno porém  que precisa de limites
Parecer de um bom aluno porém que precisa de limites
 
Relatórios Educação Infantil
Relatórios Educação InfantilRelatórios Educação Infantil
Relatórios Educação Infantil
 

Destaque

Relatório da entrevista sobre gestão
Relatório da entrevista sobre gestãoRelatório da entrevista sobre gestão
Relatório da entrevista sobre gestão
Karina Barbosa
 
Informe Psicopedagógico
Informe PsicopedagógicoInforme Psicopedagógico
Informe Psicopedagógico
Instituto Consciência GO
 
Slides psicopedagogico
Slides psicopedagogicoSlides psicopedagogico
Slides psicopedagogico
mocabarros
 
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e ClínicaFundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Instituto Consciência GO
 
Supervisão escolar
Supervisão escolarSupervisão escolar
Supervisão escolar
IFGe
 
Necessid
NecessidNecessid
Inteligência emocional como prática pedagógica
Inteligência emocional como prática pedagógicaInteligência emocional como prática pedagógica
Inteligência emocional como prática pedagógica
Rosi Cariri
 
O trabalho psicopedagógico à luz da psicomotricidade
O trabalho psicopedagógico à luz da psicomotricidadeO trabalho psicopedagógico à luz da psicomotricidade
O trabalho psicopedagógico à luz da psicomotricidade
Caminhos do Autismo
 
Conteúdo para a caixa eoca
Conteúdo  para a caixa eocaConteúdo  para a caixa eoca
Conteúdo para a caixa eoca
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Abordagem gestáltica & psicopedagogia um olhar compreensivo para a totalidade...
Abordagem gestáltica & psicopedagogia um olhar compreensivo para a totalidade...Abordagem gestáltica & psicopedagogia um olhar compreensivo para a totalidade...
Abordagem gestáltica & psicopedagogia um olhar compreensivo para a totalidade...
Marcus Deminco
 
A aprendizagem e suas dificuldades figura-fundo
A aprendizagem e suas dificuldades  figura-fundoA aprendizagem e suas dificuldades  figura-fundo
A aprendizagem e suas dificuldades figura-fundo
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Avaliação pedagógica
Avaliação pedagógicaAvaliação pedagógica
Avaliação pedagógica
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Curriculum
CurriculumCurriculum
Curriculum
marcos augusto
 
1ª sessão de psicopedagogia já alfabetizados avaliação psicolinguística de c...
1ª sessão de psicopedagogia  já alfabetizados avaliação psicolinguística de c...1ª sessão de psicopedagogia  já alfabetizados avaliação psicolinguística de c...
1ª sessão de psicopedagogia já alfabetizados avaliação psicolinguística de c...
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escola
Rosi Cariri
 
Audibilização nome
Audibilização nomeAudibilização nome
Audibilização nome
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Educação especial e inclusiva
Educação especial e inclusivaEducação especial e inclusiva
Educação especial e inclusiva
IFGe
 
Anamnese completa -psicopedagoga
Anamnese completa   -psicopedagogaAnamnese completa   -psicopedagoga
Anamnese completa -psicopedagoga
Maria Bernadete Lizareli Wippich
 
Edicao 83
Edicao 83Edicao 83
Edicao 83
marcos augusto
 
Ludopedagogia
LudopedagogiaLudopedagogia
Ludopedagogia
IFGe
 

Destaque (20)

Relatório da entrevista sobre gestão
Relatório da entrevista sobre gestãoRelatório da entrevista sobre gestão
Relatório da entrevista sobre gestão
 
Informe Psicopedagógico
Informe PsicopedagógicoInforme Psicopedagógico
Informe Psicopedagógico
 
Slides psicopedagogico
Slides psicopedagogicoSlides psicopedagogico
Slides psicopedagogico
 
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e ClínicaFundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
Fundamentos da Psicopedagogia Institucional e Clínica
 
Supervisão escolar
Supervisão escolarSupervisão escolar
Supervisão escolar
 
Necessid
NecessidNecessid
Necessid
 
Inteligência emocional como prática pedagógica
Inteligência emocional como prática pedagógicaInteligência emocional como prática pedagógica
Inteligência emocional como prática pedagógica
 
O trabalho psicopedagógico à luz da psicomotricidade
O trabalho psicopedagógico à luz da psicomotricidadeO trabalho psicopedagógico à luz da psicomotricidade
O trabalho psicopedagógico à luz da psicomotricidade
 
Conteúdo para a caixa eoca
Conteúdo  para a caixa eocaConteúdo  para a caixa eoca
Conteúdo para a caixa eoca
 
Abordagem gestáltica & psicopedagogia um olhar compreensivo para a totalidade...
Abordagem gestáltica & psicopedagogia um olhar compreensivo para a totalidade...Abordagem gestáltica & psicopedagogia um olhar compreensivo para a totalidade...
Abordagem gestáltica & psicopedagogia um olhar compreensivo para a totalidade...
 
A aprendizagem e suas dificuldades figura-fundo
A aprendizagem e suas dificuldades  figura-fundoA aprendizagem e suas dificuldades  figura-fundo
A aprendizagem e suas dificuldades figura-fundo
 
Avaliação pedagógica
Avaliação pedagógicaAvaliação pedagógica
Avaliação pedagógica
 
Curriculum
CurriculumCurriculum
Curriculum
 
1ª sessão de psicopedagogia já alfabetizados avaliação psicolinguística de c...
1ª sessão de psicopedagogia  já alfabetizados avaliação psicolinguística de c...1ª sessão de psicopedagogia  já alfabetizados avaliação psicolinguística de c...
1ª sessão de psicopedagogia já alfabetizados avaliação psicolinguística de c...
 
Distúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escolaDistúrbios de aprendizagem na escola
Distúrbios de aprendizagem na escola
 
Audibilização nome
Audibilização nomeAudibilização nome
Audibilização nome
 
Educação especial e inclusiva
Educação especial e inclusivaEducação especial e inclusiva
Educação especial e inclusiva
 
Anamnese completa -psicopedagoga
Anamnese completa   -psicopedagogaAnamnese completa   -psicopedagoga
Anamnese completa -psicopedagoga
 
Edicao 83
Edicao 83Edicao 83
Edicao 83
 
Ludopedagogia
LudopedagogiaLudopedagogia
Ludopedagogia
 

Semelhante a Relatorio estagio psicopedagogia institucional

Modelo de Apresentação do Seminário
Modelo de Apresentação do SeminárioModelo de Apresentação do Seminário
Modelo de Apresentação do Seminário
Marcelle Pires
 
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseaneRelatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
Franck Lima
 
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseaneRelatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
Franck Lima
 
Relatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observaçãoRelatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observação
Lena_md
 
23064236 portugues-iniciais
23064236 portugues-iniciais23064236 portugues-iniciais
23064236 portugues-iniciais
Eduardo Lopes
 
Ativ port1 descritores l. portuguesa
Ativ port1  descritores l. portuguesaAtiv port1  descritores l. portuguesa
Ativ port1 descritores l. portuguesa
Edileusa Camargo
 
Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2
Superestagio
 
Projecto curricular de escola 2013 2014
Projecto curricular de escola 2013 2014Projecto curricular de escola 2013 2014
Projecto curricular de escola 2013 2014
passarada
 
Slide curso de formação 3
Slide curso de formação   3Slide curso de formação   3
Slide curso de formação 3
Carlos Junior
 
Relatório final miro
Relatório final miroRelatório final miro
Relatório final miro
Neuzy Quadros
 
Apresentação - Boas Práticas EJA 2021 - Seminário Regional.pptx
Apresentação - Boas Práticas EJA 2021 - Seminário Regional.pptxApresentação - Boas Práticas EJA 2021 - Seminário Regional.pptx
Apresentação - Boas Práticas EJA 2021 - Seminário Regional.pptx
JosReinaldoPereira3
 
Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014
Francisco Oliveira
 
Relatório de estágio i
Relatório de estágio iRelatório de estágio i
Relatório de estágio i
Marcio Cunha
 
Discussões sobre o currículo prescrito e real - 2011
Discussões sobre o currículo prescrito e real - 2011Discussões sobre o currículo prescrito e real - 2011
Discussões sobre o currículo prescrito e real - 2011
Fernanda Rezende Pedroza
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistas
pibidbio
 
Roteiro de caracterizaçao escolar
Roteiro de caracterizaçao escolarRoteiro de caracterizaçao escolar
Roteiro de caracterizaçao escolar
Amanda Oliveira
 
Relatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
Relatório de praticas em psicologia I Universidade PedagogicaRelatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
Relatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
Oscar Alfredo Jaquissone
 
Unidade Didática
Unidade DidáticaUnidade Didática
Unidade Didática
Marcelo Gomes
 
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESSProjeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Grupo Educação, Mídias e Comunidade Surda
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
Giselle Coutinho
 

Semelhante a Relatorio estagio psicopedagogia institucional (20)

Modelo de Apresentação do Seminário
Modelo de Apresentação do SeminárioModelo de Apresentação do Seminário
Modelo de Apresentação do Seminário
 
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseaneRelatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
 
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseaneRelatório de estagio supervisionado ii joseane
Relatório de estagio supervisionado ii joseane
 
Relatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observaçãoRelatorio de estagio observação
Relatorio de estagio observação
 
23064236 portugues-iniciais
23064236 portugues-iniciais23064236 portugues-iniciais
23064236 portugues-iniciais
 
Ativ port1 descritores l. portuguesa
Ativ port1  descritores l. portuguesaAtiv port1  descritores l. portuguesa
Ativ port1 descritores l. portuguesa
 
Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2Caracterização da escola 2
Caracterização da escola 2
 
Projecto curricular de escola 2013 2014
Projecto curricular de escola 2013 2014Projecto curricular de escola 2013 2014
Projecto curricular de escola 2013 2014
 
Slide curso de formação 3
Slide curso de formação   3Slide curso de formação   3
Slide curso de formação 3
 
Relatório final miro
Relatório final miroRelatório final miro
Relatório final miro
 
Apresentação - Boas Práticas EJA 2021 - Seminário Regional.pptx
Apresentação - Boas Práticas EJA 2021 - Seminário Regional.pptxApresentação - Boas Práticas EJA 2021 - Seminário Regional.pptx
Apresentação - Boas Práticas EJA 2021 - Seminário Regional.pptx
 
Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014Plano de gestão 2014
Plano de gestão 2014
 
Relatório de estágio i
Relatório de estágio iRelatório de estágio i
Relatório de estágio i
 
Discussões sobre o currículo prescrito e real - 2011
Discussões sobre o currículo prescrito e real - 2011Discussões sobre o currículo prescrito e real - 2011
Discussões sobre o currículo prescrito e real - 2011
 
Apresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistasApresentação pibid entrevistas
Apresentação pibid entrevistas
 
Roteiro de caracterizaçao escolar
Roteiro de caracterizaçao escolarRoteiro de caracterizaçao escolar
Roteiro de caracterizaçao escolar
 
Relatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
Relatório de praticas em psicologia I Universidade PedagogicaRelatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
Relatório de praticas em psicologia I Universidade Pedagogica
 
Unidade Didática
Unidade DidáticaUnidade Didática
Unidade Didática
 
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESSProjeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
Projeto Escolas-piloto de Educação Bilíngue - REACESS
 
Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio Relatorio de estágio do ensino médio
Relatorio de estágio do ensino médio
 

Mais de Ravena B

Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
Ravena B
 
Monografia - Os Professores como Mediador das Tecnologias na Educação
Monografia - Os Professores como Mediador das Tecnologias na EducaçãoMonografia - Os Professores como Mediador das Tecnologias na Educação
Monografia - Os Professores como Mediador das Tecnologias na Educação
Ravena B
 
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisasLições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Ravena B
 
Aula de Inglês - Many and Much
Aula de Inglês - Many and MuchAula de Inglês - Many and Much
Aula de Inglês - Many and Much
Ravena B
 
Alfabeto em inglês
Alfabeto em inglêsAlfabeto em inglês
Alfabeto em inglês
Ravena B
 
Numeros em inglês
Numeros em inglêsNumeros em inglês
Numeros em inglês
Ravena B
 
Cores em inglês
Cores em inglêsCores em inglês
Cores em inglês
Ravena B
 
Teste
TesteTeste
Teste
Ravena B
 

Mais de Ravena B (8)

Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
Licoes biblicas adultos 3 trimestre de 2016
 
Monografia - Os Professores como Mediador das Tecnologias na Educação
Monografia - Os Professores como Mediador das Tecnologias na EducaçãoMonografia - Os Professores como Mediador das Tecnologias na Educação
Monografia - Os Professores como Mediador das Tecnologias na Educação
 
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisasLições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
Lições bíblicas 1 trimestre 2016 Adultos - O final de todas as coisas
 
Aula de Inglês - Many and Much
Aula de Inglês - Many and MuchAula de Inglês - Many and Much
Aula de Inglês - Many and Much
 
Alfabeto em inglês
Alfabeto em inglêsAlfabeto em inglês
Alfabeto em inglês
 
Numeros em inglês
Numeros em inglêsNumeros em inglês
Numeros em inglês
 
Cores em inglês
Cores em inglêsCores em inglês
Cores em inglês
 
Teste
TesteTeste
Teste
 

Último

3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Centro Jacques Delors
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Maurício Bratz
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Shakil Y. Rahim
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
FredPaixaoeSilva
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
MarcoAurlioResende
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
marcos oliveira
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
JakiraCosta
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 

Último (20)

3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento EuropeuEurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
Eurodeputados Portugueses 2024-2029 | Parlamento Europeu
 
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdfPrimeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
Primeira fase do modernismo Mapa Mental.pdf
 
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e RiscadoresCap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
Cap. 1_Desenho_Elementos, Suportes e Riscadores
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
Discursos Éticos e Políticos Acerca do Meio Ambiente e Desenvolvimento Susten...
 
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptxBem -aventurados pobres de espirito.pptx
Bem -aventurados pobres de espirito.pptx
 
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptxagosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
agosto - A cidadania - direitos e deveres em países hispanohablantes.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdfSequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
Sequência Didática de Matemática MatemáticaMatemática.pdf
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptxSlides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
Slides Lição 13, CPAD, A Cidade Celestial, 2Tr24.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...formação - 2º ano São José da Tapera ...
formação - 2º ano São José da Tapera ...
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 

Relatorio estagio psicopedagogia institucional

  • 1. SOCIEDADE DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTES DE PESQUEIRA – SECEP INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PESQUEIRA – ISEP PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL E CLÍNICA RELATÓRIO DE ESTÁGIO INSTITUCIONAL RAVENA DE MELO BEZERRA SAMUEL SOUZA DE MELO BEZERRA
  • 2. PARAZINHO/RN 2016 RAVENA DE MELO BEZERRA SAMUEL SOUZA DE MELO BEZERRA Relatório de Estagio Supervisionado apresentado ao Programa de Pós-Graduação Lato Sensu do Curso de Especialização em Psicopedagogia Institucional e Clínica do Instituto Superior de Educação de Pesqueira, como requisito parcial de avaliação.
  • 4. 2016 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO.................................................................................................... 4 1.1 Histórico da Psicopedagogia Institucional............................................................. 4 1.2 Justificativa............................................................................................................ 4 1.3 Apresentação do sujeito........................................................................................ 5 2. QUEIXA................................................................................................................. 5 2.1 Hipóteses............................................................................................................. 5 3. DESENVOLVIMENTO......................................................................................... 5 3.1 Caracterização da escola..................................................................................... 5 3.2 Cronograma........................................................................................................... 7 3.3 Observação da aula-tipo....................................................................................... 7 3.4 Relato das entrevistas........................................................................................... 8 3.5 Análise das entrevistas......................................................................................... 9 3.6 Intervenção............................................................................................................ 10 3.7 Etapas da intervenção........................................................................................... 11 4. SÍNTESE DIAGNÓSTICA ..................................................................................... 11 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS .................................................................................. 12 REFERÊNCIAS...................................................................................................... 13 ANEXOS
  • 5. 5 1. INTRODUÇÃO O presente trabalho tem por objetivo apresentar os resultados obtidos através do estágio supervisionado institucional, e está estruturado nas seguintes etapas: o primeiro capítulo tem a introdução apresentando o trabalho, a história do surgimento da psicopedagogia no Brasil, a justificativa da realização do estágio e apresentação e informações pessoais do sujeito a ser estudado. O segundo capítulo apresentamos a queixa, e as hipóteses da problemática. No Terceiro capitulo temos o desenvolvimento do trabalho, composto pelas observações, relatos, analise, organização das etapas do trabalho e as possíveis soluções para a problemática apresentada. 1.1 Histórico da psicopedagogia institucional no Brasil A psicopedagogia chegou ao Brasil na década de 70. Influenciados pela pratica Argentina, o movimento Psicopedagogico no Brasil remeteu-se pela proximidade do país e o fácil entendimento da língua espanhola. Na mesma década iniciaram cursos de especialista em Psicopedagogia com duração de dois anos na cidade de Porto Alegre/RS, mas desde a década de 60 já havia trabalhos realizados por autores brasileiros, sendo a maior preocupação da época os estudos voltados para as deficiências que geravam problemas de aprendizagem, que era muito associada à disfunção neurológica conhecida como DCM, ou Disfunção Cerebral Mínima (BOSSA, 2000, p. 48-49). Um dos seus principais precursores no nosso país foi Jorge Visca que foi um dos maiores contribuintes da difusão da Psicopedagogica no Brasil. Visca também implantou CPEs (Centro de Psicopedagogia Escolar) em varias cidades como Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, entre outras (Cf. BARBOSA, 2002, p. 14). Temos no País a Associação Brasileira de Psicopedagogia (ABPp) instituída em 1980, sendo a principal responsável por organização dos eventos, e cadastro de profissionais da psicopedagogia, com cursos e encontros científicos. 1.2 Justificativa A realização do relatório de estágio institucional é de suma importância para obtenção de conhecimento pratico relacionado à psicopedagogia, tendo uma visão ampla da área do conhecimento ao qual vamos trabalhar, bem como exigência do curso de pós-graduação em Psicopedagogia.
  • 6. 6 1.3 Apresentação do sujeito O aluno W.P.L. tem 26 anos, é filho de F.C.L. e G.P.L. e está cursando o 3º ano do Ensino Médio na turma B. Ele vive em união estável, não tem filho e trabalha o dia todo como vigilante em uma empresa da região. O mesmo é repetente desde o Ensino Fundamental II, a maior parte das reprovações foi por faltas e notas baixas. 2. QUEIXA A direção nos indicou a turma do 3º ano turma “B” que tem professores rotativos, mas trabalhamos voltado á professora D.D., da disciplina de história, que segunda a mesma, os alunos já estão desmotivados pelo fato dos professores faltarem bastante. A professora nos deu a queixa da seguinte maneira: “O aluno W.P.L. se encontra bastante desmotivado”. 2.1 Hipóteses • Dificuldade em se concentrar na aula • Desestimulado por ser um aluno repetente • Está cansado nas aulas por ter trabalhado o dia todo • Não acha as aulas atrativas 3. DESENVOLVIMENTO 3.1 Caracterização da escola O estágio supervisionado foi realizado em uma Escola Estadual do Município de Pedra Grande no Estado do Rio Grande do Norte, localizada na Avenida Severino Ferreira, nº 561, Bairro centro, CEP: 59588-000, inscrita sob o número CNPJ: 01.818.410/0001-07. Sob a Direção de E. V. B, e Vice Direção de E. J. Esta funciona em regime de externato de Ensino Médio, com horário de funcionamento: Turno Noturno das 17h00 às 21h00. Seu público é composto por pessoas de baixa renda, atendendo a mais ou menos 181 alunos, de varias comunidades como: Enxu Queimado, Lajedo, Quixabeirinha, Alto da Aroeira, Acauã, Fazenda Floresta, Praia do Marco, Barreiros e Assentamento Boca do Campo, com cerca de trinta alunos por turma, na faixa etária de 14 a 30 anos de idade. A equipe escolar é composta por um diretor, uma vice-diretora, três secretários, seis professores, uma bibliotecária, três cozinheiras, três ASG e cinco vigias.
  • 7. 7 A mesma não tem o Projeto Político Pedagógico (PPP), e os recursos que escola recebe são o Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) do Estado no valor de R$ 4.366,00 pago uma vez por ano, sendo 60% para compra de material limpeza e 40% para equipamentos permanentes, o PNAE no valor de R$1.104,00 pago em dez parcelas para a merenda escolar, o PAGUE no valor de R$8.440,00 pago em quatro parcelas de R$2.110,00 para manutenção da escola. A escola não possui coordenador pedagógico. A escola é de fácil acesso, possuindo pavimentação e iluminação em todas as ruas em seu entorno, não possui saneamento básico. A estrutura física é regular. A escola consiste em 14 repartições, sendo elas: seis salas de aula que são amplas, têm carteiras de madeira, quadro branco e ar condicionado em uma sala (que às vezes funcionam), as demais salas utilizam ventiladores de teto. Cinco banheiros (três femininos e dois masculino), uma diretoria, uma secretaria, uma sala dos professores, uma biblioteca, uma sala de vídeo (que não funciona e entulhada), um almoxarifado, uma sala de arquivos, uma cozinha, uma dispensa e um refeitório. Tem um pátio, uma área arborizada e uma sala de informática usada por alunos e professores para pesquisa de trabalhos. Tem espaço (um campo de futebol de areia) para a prática de esportes coletivos ou individuais, mas está isolado e inutilizado. Estes dados foram fornecidos pelo diretor E. V. B, e a Vice-Diretora de E. J. no dia 19 de abril de 2016.
  • 8. 8 3.2 Cronograma Nº Encontros Data dos Encontros Descrição dos Encontros 1º 07/04/2016 Entrega da carta do Estágio Supervisionado Institucional. 2º 11/04/2016 Registro da queixa; Elaboração das questões das entrevistas. 3º 12/04/2016 Entrevista com o Diretor; Entrevista com a Professora; Entrevista com o Aluno. 4º 18/04/2016 Encontro do grupo para organização e elaboração da Introdução, justificativa e História da Psicopedagogia no Brasil. 5º 19/04/2016 Caracterização da Escola; Observação da aula-tipo. 6º 02/05/2016 Entrevista com a mãe do aluno. 7º 03/05/2016 Entrevista com o Professor de Química. 8º 08/05/2016 Encontro do grupo para planejamento da intervenção. 9º 09/05/2016 Realização da Intervenção na sala de aula com a turma. 10º 10/05/2016 Encontro do grupo para elaboração da Síntese diagnóstica e considerações finais. 3.3 Observação da aula-tipo No dia 19/04/2016 foi observado à aula lecionada pela professora D.D. a mesma nos recebeu na série do 3º ano turma B e iniciou a aula com 10 alunos, mas, com o passar do tempo os demais foram chegando. A turma tem um total de 25 alunos. A aula era constantemente interrompida pelos alunos que iam entrando atrasados. A professora mostrou bom conhecimento no conteúdo e no domínio de classe, porém foram poucos os alunos que se envolviam com a aula. Foi observado que a turma tem alunos mais avançados na faixa idade para a série, e que várias vezes se mostraram tímidos e alguns até faziam brincadeiras na hora de responder
  • 9. 9 questões feitas pela professora sobre os assuntos repassados na aula. O aluno a ser analisado chegou atrasado, fazendo bastante barulho. Algumas vezes o mesmo conversou durante a aula com outros alunos. Percebeu-se que o aluno estava claramente desinteressado em estudar e em prestar atenção na aula. 3.4 Relato das entrevistas No mesmo dia (19/04/16) o diretor E.V.B. foi entrevistado no intervalo entre a primeira e segunda aula da noite, o mesmo estava ensinando no primeiro horário. Este disponibilizou seu tempo e não hesitou em nenhum momento para responder ao questionário. A entrevista com o aluno W.P.L. foi na hora do intervalo, após o a observação da aula da Professora D.D. Inicialmente o aluno não quis responder ao questionário, mas depois aceitou e responder todas as perguntas. A professora regente foi atendida, logos após na sala dos professores, onde facilitou o entendimento da queixa através de suas respostas. Foi uma conversar aberta, na verdade, buscamos problematizar a questão, que era também pelo fato de falta de professores, a escola passava por dificuldade, a falta de climatização nas salas de aulas, e a estrutura do prédio que está bastante desgastada. Foi realizada a entrevista com F.C.L., mãe do aluno W.P.L. no dia 02/05/16, esta nos recebeu em sua casa com seu marido, foi bastante educada e atenciosa, respondeu a todas as perguntas feitas e se mostrou interessada em saber que estávamos acompanhando seu filho na escola. No dia 03/04/16 fizemos uma entrevista com o professor L.C.X., professor de Química. Com a proposta de sabermos o que o diferenciava dos demais professores que fazia com que o aluno analisado no estagio se interessasse por suas alunas. Fomos recebidos pelo mesmo após as aulas. Tivemos uma conversa informal e o mesmo respondeu a todas as nossas perguntas. 3.5 Análise das entrevistas O diretor E.V.B. nos recebeu com bom humor, logo após sua a aula, na sala da diretoria. Conversamos um pouco e depois nos respondeu ao questionário. Este se demonstrou bastante decepcionado na sua área, comentou que os funcionários
  • 10. 10 da escola não o ajudam na realização de varias atividades necessárias na escola, bem como ele exerce varias funções na escola que acaba o sobrecarregando. Salientou que já foi diretor na escola por doze anos, não seguidos, e que depois do mandato atual não ira mais se candidatar a gestão da escola por se sentir muito cansado. Relatou que está preocupado com a escola e que possivelmente nos próximos dois ou três anos a escola possa fechar pela falta de recursos que é limitada para atender todas as demandas e também pela falta de professores. Informou que este ano a escola só esta em funcionamento graças a Prefeitura que está ajudando com o pagamento de contratos de professores, sem essa ajuda seria até possível que a escola estivesse fechada este ano. O aluno W.P.L. foi entrevistado na hora do intervalo, este estava sorrindo e conversando com colegas. Ao abordá-lo, ele ficou um pouco tímido e recioso em responder ao questionário, mas depois conversou conosco espontaneamente. O aluno teve duvidas sobre o que responder, e deixou totalmente claro de que não gosta de estudar, não tem vontade de vir às aulas e que somente estuda para estar com amigos durante a sua estada na escola e terminar seus estudos. O mesmo disse que vai para aula muito cansado logo após chegar do trabalho e tem preguiça de estudar desde muito novo, Ele também deixou claro que os professores em sua opinião são ótimos e que dão boas aulas, mas ele não tem interesse nas mesmas, salve a matéria de química que ele gosta e nas palavras do aluno o professor é “legal”. A professora D.D. é Especialista na disciplina de História e demonstra grande conhecimento sobre a matéria lecionada. A mesma tem uma experiência na profissão em ensino publico a cerca de três anos, por meio de contratos temporários com a Prefeitura e o Estado. Esta se mostrou bastante interessada em nos ajudar no estagio, respondeu todas as perguntas de boa vontade. A conversa foi bastante esclarecedora, nos tirando duvidas e informando as melhores maneiras de abordagem na sala de aula. Ao responder ao questionário a professora demonstrou grande desejo em melhorar suas aulas e ajudar aos alunos, mas a mesma diz que não se sente motivada agora quanto era no inicio da sua carreira como professora, pela dificuldade encontrada em realizar atividades na escola com a falta de material, pelo ambiente desfavorável e incomodo pela climatização ruim e a grande falta de interesse por parte dos alunos.
  • 11. 11 A mãe do aluno F.C.L., tem 52 anos e cursou até a 3ª serie do Ensino Fundamental I ao qual teve que interromper para trabalhar ainda jovem, é dona de casa e comerciante de roupas, vive em união estável e tem sete filhos. Ela se mostrou bastante preocupada com a educação do filho, e diz que este é o último filho que ainda está terminando o Ensino Médio. Ela relatou que ele nunca gostou de estudar e repetiu varias vezes, mas ela sempre o incentivou e o apoiou, se não, este já havia parado de continuar os estudos. Ela também resaltou que apesar do aluno ter certo desinteresse em estudar, ele gosta muito de matérias ligadas a cálculos matemáticos e que sempre teve maior facilidade nesta área, assim como o pai dele. Relatou que deu toda condição para educação dos filhos, o que ela não teve quando era jovem, ainda disse que agora não acompanha como antes o estudo do filho, já que este já é adulto e formou uma família. A mãe falou que espera que um dia seu filho possa fazer uma faculdade e ter uma profissão. Fizemos a entrevista no corredor da escola com o professor de química L.C.X., logo após as aulas. Ele nos atendeu bem, e se mostrou interessado no estagio que estávamos fazendo. O mesmo relatou que as suas aulas são bastante teóricas e tradicional, sendo rígido, e que ele sente muito a falta de um laboratório e material para trabalhar em suas aulas, este falou que o aluno deve “aprender para fazer e fazer para aprender”, assim suas aulas não seriam tão cansativas. Relatou também que os alunos sentem muita dificuldade em aprender a matéria ensinada, já o que os alunos não têm uma base do ensino fundamental, principalmente nas quatro operações matemáticas. O professor comentou sobre o aluno ao qual estamos acompanhando no estagio, e informou que o aluno se comporta de maneira quieta e com bastante atenção na aula, procurando entender o conteúdo, fazendo sempre perguntas sendo bastante participativo. Suas dificuldades apresentaram sendo as mesmas dos demais alunos – a falta de base no Ensino Fundamental nas quatro operações. 3.6 Intervenção O grupo decidiu por realizar uma palestra motivacional com o tema “Estudar para Vencer”, realizado pela palestrante e Assistente Social Larissa Pessoa de Oliveira. A proposta da palestra é motivar e incentivar os alunos do ensino médio a continuar seus estudos, bem como saber das dificuldades que irão encontrar ao decorrer de suas vidas.
  • 12. 12 3.7 Etapas da intervenção A intervenção com a sala de aula foi realizado nas seguintes etapas - primeiramente iniciamos o encontro com uma dinâmica com desafio chamado “Não Desistir” para amenizar a timidez dos alunos e desafia-los a pensar como sair da situação sem desistir da mesma; Depois reproduzimos um vídeo curta-metragem reflexivo chamado “Vida Maria”, de aproximadamente 8 minutos, que mostra a importância e a influência que a família tem sobre a vida de uma pessoa, com o exemplo onde crianças pobres do sertão são obrigadas a deixar seus estudos e muitas vezes sua infância para ajudar seus pais nos trabalhos do dia a dia; Após o vídeo, iniciamos a palestra motivacional “Estudar para Vencer” com a palestrante Larissa Pessoa de Oliveira, que apresentou a importância, os benefícios e as oportunidades, motivando-os a ter uma educação continuada; Por ultimo fizemos um breve debate sobre a palestra apresentada, uma roda de conversa com os alunos questionando-os sobre o que eles esperam do futuro, seus temores, sonhos e dúvidas. 4. SÍNTESE DIAGNÓSTICA Conforme o resultado contido no Informe Psicopedagógico, se faz necessário pensar uma forma de sanar as dificuldades apontadas pela Avaliação Institucional. Para tanto, se propõe desenvolver um projeto com recursos no sentido de motivação para os educandos proporcionando a eles uma aula sobre o a importância de se estudar motivado, visando contribuir com o bom andamento da instituição, e, assim, favorecer o educando a se motivarem para um estudo com mais prazer e aprendizado, buscando sempre o apoio da família que é o objetivo principal da escola.
  • 13. 13 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS A avaliação Psicopedagógica Institucional contribuiu em colocar na prática os conhecimentos adquiridos durante curso, também oportunizou o contato com o ambiente escolar. Foi de grande importância às experiências adquiridas, o grupo se envolveu mais e trabalhou em conjunto com a escola e a família do aluno analisado, procurando solucionar a queixa apresentada pela professora do mesmo. Encontramos dificuldades para a realização tanto do relatório quanto da intervenção, como por exemplo, as faltas de aulas constantes e também de professores, além de encontramos certa resistência e desinteresse por parte do aluno em participar. Concluímos que a falta de motivação e estímulos para o aluno tanto por parte familiar e da escola, afeta o rendimento escolar do aluno, já que este não vê atrativo nem importância para estudar. Como psicopedagogos, devemos contribuir para que haja uma boa comunicação entre escola e família, favorecer a confiança e estabelecer um elo construtivo entre estes. É através do convívio escolar, que o aluno vai aumentando gradativamente o desejo de ir à escola e motivando-se cada vez mais, aumentando, assim, a frequência escolar de todos os envolvidos, como professores e alunos, que é o principal objetivo da instituição escolar.
  • 14. 14 REFERÊNCIAS BARBOSA, Laura Monte Serrat. A História da Psicopedagogia contou também com Visca. in Psicopedagogia e Aprendizagem. Coletânea de reflexões. Curitiba, 2002. BOSSA, Nadia A. A psicopedagogia no Brasil: contribuições a partir da prática. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000. CAZELLA, Sarah; MOLINA, Rinaldo. A intervenção psicopedagógica institucional na formação reflexiva de educadores sociais. Rev. psicopedag., São Paulo , v. 27, n. 82, p. 78-91, 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0103-84862010000100009&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 27 abr. 2016. ROCHA, Nina. Trajetória da Psicopedagogia no Brasil. Disponível em: <http://www.partes.com.br/educacao/trajetoria_da_psicopedagogia.asp> Acesso em: 24 abr. 2016. SAMPAIO, Simaia. Breve histórico da Psicopedagogia. Disponível em <http://www.psicopedagogiabrasil.com.br/#!em-branco/cmlo> Acesso em: 23 abr. 2016. Trajetória histórica da psicopedagogia no Brasil. Disponível em: <http://www.portaleducacao.com.br/pedagogia/artigos/45599/trajetoria-historica-da- psicopedagogia-no-brasil#ixzz46duKsVMY > acesso em 23 abr. 2016. VISCA, Jorge. Clínica Psicopedagógica. Epistemologia Convergente. Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.
  • 15. 15 ANEXOS ENTREVISTA COM O DIRETOR DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO NOME:___________________________________________ 1 – QUAL A SUA GRADUAÇÃO? 2 – COMO ERA VOCÊ COMO ESTUDANTE? 3 – QUAIS AS PRIORIDADES DA ESCOLA? 4 – QUAIS AS METAS DA EQUIPE ESCOLAR? 5 – QUAIS AS ATIVIDADES QUE VOCÊ DESENVOLVE COMO DIRETOR? 6 – QUAL SERIA A ESCOLA IDEAL PARA VOCE? 7 – QUAIS OS TIPOS DE RECURSOS RECEBIDOS PELA ESCOLA?
  • 16. 16 ENTREVISTA COM O CORPO DOCENTE DA INSTITIUÇÃO DE ENSINO NOME:________________________________________________ 1 – QUAL A SUA GRADUÇÃO? 2 – VOCE SE SENTE REALIZADO? 3 – EM QUANTAS ESCOLAS VOCÊ TRABALHA? 4 – VOCE CONSEDERA SUAS AULAS PARTICIPATIVAS? 5 - QUE TIPO DE AULA VOCE UTILIZA COM FREQUENCIA? 6 - VOCÊ É AMIGO DOS SEUS ALUNOS? 7 – O QUE VOCE ACHA QUE PODERIA MELHORAR NA ESCOLA? 8 – QUAL A MAIOR DIFICULDADE ENCONTRADA NA SALA DE AULA? 9 – VOCE GOSTA DE SE RENOVAR NO ENSINO OU PREFERE UMA METODOLOGIA MAIS TRADICIONAL?
  • 17. 17 ENTREVISTA COM O ALUNO NOME:___________________________________________ 1 – VOCÊ GOSTA DE ESCOLA? 2 – O QUE VOCÊ MAIS GOSTA E MENOS GOSTA NA ESCOLA? 3 – VOCE GOSTA DE ESTUDAR? 4 – QUAL A SUA MATERIA PREFERIDA? 5 – O QUE VOCE ACHA DOS SEUS PROFESSORES? 6 – QUANDO VOCE NÃO ENTENDE A EXPLICAÇÃO DO PROFESSOR, O QUE VOCE FAZ? 7 – COMO VOCE AVALIA SUA ESCOLA?
  • 18. 18 ENTREVISTA COM O RESPONSAVEL DO ALUNO NOME:____________________________________________ 1 – EM QUAL SERIE O SEU FILHO ESTUDA? 2 – QUAL SEU GRAU DE INSTRUÇÃO? 3 – O QUE VOCE FAZ ATUALMENTE? 4 - QUAL A IMPORTANCIA DA ESCOLA? 5 – PORQUE VOCE NÃO TERMINOU OS ESTUDOS? 6 – O QUE VOCE ESPERA DO FUTURO DO SEU FILHO? 7 – VOCE ACOMPANHA O ESTUDO DO SEU FILHO? 8 – VOCE INCENTIVA SEUS FILHOS A ESTUDAR? 9 – O QUR VOCE ACHA QUE INTERFERIU NOS ESTUDOS DO SEU FILHO? 10 – QUAL A MATERIA/DISCIPLINA QUE SEU FILHO MAIS GOSTA E TEM FACILIDADE?
  • 19. 19 PERGUNTAS NA RODA DE CONVERSA COM ALUNOS 1 – O QUE VOCÊS ENTENDAM DO VIDEO “VIDA MARIA”? 2 – O QUE VOCÊS ACHARAM DA PALESTRA? 3 – O QUE VOCÊS ESPERAM PARA O FUTURO APÓS TERMINAR O ENSINO MÉDIO? 4 – QUAIS OS SEUS SONHOS? 5 – VOCÊS PENSAM EM CONTINUAR OS ESTUDOS? 6 – VOCÊS PRETENDEM SEGUIR ALGUMA PROFISSAO? 7 – PARA VOCÊS, QUAL A MAIOR DIFICULDADE EM ESTUDAR? 8 – O QUE MOTIVA VOCÊS NO MOMENTO A ESTUDAR?
  • 20. 20