SlideShare uma empresa Scribd logo
Koch (2004, p. 35) nos diz que
“a coesão é a forma como os elementos
linguísticos presentes na superfície textual se
interligam, se interconectam, por meio de
recursos também linguísticos, de modo a
formar um tecido (tessitura), uma unidade de
nível superior à da frase, que dela difere
qualitativamente.”
 a conexão entre partes do texto pode
acontecer de duas grandes formas:
 • por remissão a referentes do texto ou
ancorados no texto, (coesão referencial);
 • por sequenciação (coesão sequencial).
A coesão referencial é responsável por criar
um sistema de relações entre as palavras e
expressões dentro de um texto, permitindo
que o leitor identifique os termos aos
quais se referem. O termo que indica a
entidade ou situação a que o falante se refere
é chamado de referente.
 Ana Elisabete gritou. Ela fica apavorada
quando fica sozinha, apesar de ser
uma menina calma e inteligente.
Nesse exemplo, o termo referente é Ana
Elisabete.
Todas as vezes que o referente precisa
ser retomado no texto, podemos utilizar
outras palavras para que os leitores possam
retornar e recuperar a ideia.
É bastante frequente o uso de figuras de
construção/sintaxe para a coesão
referencial, como
as anáforas, catáforas, elipses e
as correferências não
anafóricas (contiguidades, reiterações).
A forma referencial com função coesiva pode
remeter a um referente que lhe é anterior
(anáfora), ou a um referente que lhe é
subsequente (catáfora).
Designa-seANÁFORA (não confundir com a
figura de linguagem de mesmo nome) o
termo ou expressão que, em um texto ou
discurso, faz referência direta ou indireta a
um termo anterior. O termo anafórico retoma
um termo anterior, total ou parcialmente, de
modo que, para compreendê-lo dependemos
do termo antecedente.
 João está doente.Vi-o na semana passada.
(pronome “o” retoma o termo “João”.)
 Ana comprou um cão. O animal já conhece
todos os cantos da casa.
(o termo “o animal” faz referência ao termo
antecedente “o cão”)
 O cantor que ganhou o prêmio não
compareceu.
(o pronome “que” se refere ao termo “cantor”.)
 A sala de aula está degradada. As
carteiras estão todas riscadas.
(O termo “as carteiras” é compreendido
mediante a compreensão do termo
anterior “sala de aula”)
 Maria é uma moça tão bonita que assusta. Essa
sua beleza tem um quê de mistério.
(o pronome “essa” faz referência à beleza de
Maria, ideia que se encontra implícita no
enunciado anterior.)
Por sua vez, os pronomes catafóricos são
aqueles que fazem referência a um termo
subsequente, estabelecendo com ele uma
relação não autônoma, portanto,
dependente. Para compreender um termo
catafórico é necessário interpretar o termo ao
qual faz referência.
 A irmã olhou-o e disse: - João, estás com um ar
cansado.
(O pronome “o” faz referência ao termo
subsequente “João”, de modo que só se pode
compreender a quem o pronome se refere
quando se chega ao termo de referência.)
 Os nomes próprios mais utilizados na língua
portuguesa são estes: João, Maria e José.
(Neste caso o pronome “estes” faz referência
aos termos imediatamente seguintes “João,
Maria e José”.)
Dêitico – (exofórica) se refere a algo fora do
texto.
Responsável por localizar algo no tempo ou
no espaço.
Exemplo:
Ali será amarelo. (faz referência a algo
externo, que não está no texto)
“ELE foi aprovado no concurso da Receita
Federal”. (ELE QUEM?);
- “LÁ estava muito frio” (LÁ? QUE LUGAR É
ESSE?);
- “ALI há alguns pés de manga”. (ALI? QUE
LUGAR É ESSE?).
Simplificando:
 Anáfora - retoma por meio de referência um
termo anterior.
 Catáfora - termo usado para fazer referência
a um outro termo posterior.
 Dêitica – localiza alguma coisa no
espaço/tempo;
Arthur Antunes Coimbra (1) é o maior nome da
história do Flamengo. Desde a infância passada no
subúrbio carioca, o jovem Zico (2) já se revelava um
talento incomum para o futebol. Só havia um
problema: o Galinho de Quintino (3) era um tanto
franzino para um esporte que cada vez mais exigia
preparo físico. A saída foi submetê-lo (4) a uma
intensa bateria de exercícios que o (4) tornaram um
jogador completo, corpo e mente integrados. Daí,
para que ele (4) se tornasse o grande ídolo que todos
conhecemos, foi apenas um passo.
Por mais de uma década, o craque (5) colecionou
títulos e alegrias para o seu (4) clube. Sua (4) única
frustração, no entanto, foi nunca ter sido
campeão do mundo pela seleção brasileira.
Mesmo assim, as glórias conquistadas pelo
campeão do mundo de 1981 (6) superaram de
longe as decepções.Zico (7) ainda atuou como
jogador pela Udinese, da Itália, e pelo Kashima
Antlers, do Japão. Como técnico, (8) coordenou a
seleção japonesa, o Fenerbahçe, daTurquia, e,
atualmente, (8) comanda o CSKA de Moscou.
 Voltando-nos apenas às referências feitas a Zico, no
texto, podemos apontar:
 (1) Uso de nome completo;
(2) Apelido;
(3) Epíteto, isto é, um substantivo, adjetivo ou
expressão que qualifica dado nome;
(4) Pronomes;
(5) Hiperônimo (termo que tem o significado mais
genérico);
(6) Dado cultural;
(7) Repetição;
(8) Elipse;
Exemplo 2
CARNAVAL 2014
‘Cãocurso’ elege pets mais bem fantasiados.
Eles eram pequenos, grandes ou enormes.
Alguns corriam animados, outros – mais
tímidos – deitavam no chão.Todos eram cães de
raça e estavam fantasiados para desfilar em
um... shopping.
(Folha de S.Paulo, 2014)
No exemplo 2, os pronomes “eles” (pessoal
do caso reto), “alguns” e “outros” (pronomes
indefinidos) remetem ao referente que
vem depois deles: “cães de
raça”. Trata-se de um procedimento
catafórico cujo efeito de sentido é
despertar a curiosidade do leitor e assim
prender-lhe a atenção, visto que o referente
só é anunciado mais adiante.
Um texto não é um amontoado de frases.
Essas se conectam por meio de mecanismos
que garantem fluxo de informação e
continuidade ao texto. A coesão sequencial é,
assim, a “argamassa” textual, criando os
pontos de junção que garantem justamente
que o texto não seja uma sucessão
descontínua de frases.
A coesão sequencial é responsável por criar
as condições para a progressão textual. De
maneira geral, as flexões de tempo e de
modo dos verbos e as conjunções são os
mecanismos responsáveis pela coesão
sequencial nos textos.
Os mecanismos de coesão sequencial são
utilizados para que as partes e as informações
do texto possam ser articuladas e
relacionadas. Dessa forma, o autor do texto
evita falta de coesão, garantindo boa
articulação entre as ideias, informações e
argumentos no interior do texto e,
principalmente, a coerência textual.
 A sexualidade ainda é um tabu, por isso algumas
pessoas sentem vergonha do próprio corpo.
 A cultura brasileira é o resultado da
miscigenação de imigrantes de diversas origens, no
entanto percebe-se ainda a persistência do
preconceito diante das religiões não-europeias.
 Pode-se não concordar com opiniões contrárias,
desde que se respeite os diversos pontos de vista.
 Adição/inclusão - Além disso; também; vale
lembrar; pois; outrossim; agora; de modo geral;
por iguais razões; inclusive; até; é certo que; é
inegável; em outras palavras; além desse fator...
 Oposição - Embora; não obstante; entretanto;
mas; no entanto; porém; ao contrário;
diferentemente; por outro lado...
 Afirmação/igualdade - Felizmente;
infelizmente; obviamente; na verdade;
realmente; de igual forma; do mesmo modo
que; nesse sentido; semelhantemente...
 Exclusão - Somente; só; sequer; senão; exceto;
excluindo; tão somente; apenas...
 Enumeração - Em primeiro lugar; a princípio...
 Explicação - Como se nota; com efeito; como
vimos; portanto; pois; é óbvio que; isto é; por
exemplo; a saber; de fato; aliás...
 Conclusão - Em suma; por conseguinte;
portanto; em última análise; por fim; finalmente;
por tudo isso; em síntese, posto isso; assim;
consequentemente...
 Continuação - Em seguida; depois; no geral; em
termos gerais; por sua vez; outrossim...
A persistência da violência contra a mulher na
sociedade brasileira é um problema muito presente.
Isso deve ser enfrentado, uma vez que, diariamente,
mulheres são vítimas desta questão. Neste sentido,
dois aspectos fazem-se relevantes: o legado histórico-
cultural e o desrespeito às leis.[...]
Esse cenário, juntamente aos inúmeros casos de
violência contra as mulheres corroboram a ideia de
que elas são vítimas de um histórico-cultural. Nesse
ínterim, a cultura machista prevaleceu ao longo dos
anos a ponto de enraizar-se na sociedade
contemporânea, mesmo que de forma implícita, à
primeira vista. [...]
MODELO DE REDAÇÃO COM COESÃO REFERENCIAL E SEQUENCIAL
Candidata Isadora Peter Furtado (17 anos, Pelotas – RS)
Conforme previsto pela Constituição Brasileira,
todos são iguais perante a lei, independente de cor,
raça ou gênero, sendo a isonomia salarial, aquela que
prevê mesmo salário para mesma função, também
garantidas por lei. No entanto, o que se observa em
diversas partes do país, é a gritante diferença entre os
salários de homens e mulheres, principalmente se estas
forem negras.
[...]
Diante dos argumentos supracitados, é dever do
Estado proteger as mulheres da violência, tanto física
quanto moral, criando campanhas de combate à
violência, além de impor leis mais rígidas e punições
mais severas para aqueles que não as cumprem.
 Do grego hyperonymon (hyper = acima, sobre/ onymon =
nome), são palavras de sentido genérico, ou seja,
palavras cujos significados são mais abrangentes do que
os hipônimos. Fazendo uma comparação com a Biologia,
podemos dizer que os hiperônimos seriam os gêneros,
isto é, palavras que apresentam características comuns.
Observe os exemplos:
 Animais é hiperônimo de cachorro e cavalo.
Legume é hiperônimo de batata e cenoura.
Galáxia é hiperônimo de estrelas e planetas.
Ferramenta é hiperônimo de chave de fenda e alicate.
Doença é hiperônimo de catapora e bronquite.
 Do grego hyponymon (hypo = debaixo, inferior/ onymon
= nome), são palavras de sentido específico, ou seja,
palavras cujos significados são hierarquicamente mais
específicos do que de outras. Fazendo novamente uma
comparação com a Biologia e seus termos, os hipônimos
seriam as espécies, isto é, palavras que estão ligadas por
meio de características próprias. Vejamos alguns
exemplos que certamente irão te ajudar a compreender
um pouco melhor essa questão:
 Maçã e morango são hipônimos de fruta.
Vermelho e verde são hipônimos de cor.
Brócolis e couve-flor são hipônimos de verdura.
Flores e árvores são hipônimos de flora.
Gripe e pneumonia são hipônimos de doença.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
Péricles Penuel
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
Rebeca Kaus
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
Carolina Loçasso Pereira
 
Adjunto Adnominal
Adjunto AdnominalAdjunto Adnominal
Adjunto Adnominal
Aliffer Murillo Laguna
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
bubble13
 
Conectivos
ConectivosConectivos
Conectivos
Andreza Silva
 
Crase
CraseCrase
Acentuação gráfica
Acentuação gráficaAcentuação gráfica
Acentuação gráfica
Mara dalto
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
7 de Setembro
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
Elaine Maia
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Oracoes Coordenadas
Oracoes CoordenadasOracoes Coordenadas
Oracoes Coordenadas
guest7174ad
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
Ivana Mayrink
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Jose Manuel Alho
 

Mais procurados (20)

Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Concordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominalConcordancia verbal e nominal
Concordancia verbal e nominal
 
Os tipos de discurso
Os tipos de discursoOs tipos de discurso
Os tipos de discurso
 
Adjunto Adnominal
Adjunto AdnominalAdjunto Adnominal
Adjunto Adnominal
 
Conotacao e denotacao
Conotacao e denotacaoConotacao e denotacao
Conotacao e denotacao
 
Conectivos
ConectivosConectivos
Conectivos
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Acentuação gráfica
Acentuação gráficaAcentuação gráfica
Acentuação gráfica
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Enem competências para a redação
Enem   competências para a redaçãoEnem   competências para a redação
Enem competências para a redação
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Oracoes Coordenadas
Oracoes CoordenadasOracoes Coordenadas
Oracoes Coordenadas
 
1.3 ortografia
1.3   ortografia1.3   ortografia
1.3 ortografia
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Figuras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - IroniaFiguras de Linguagem - Ironia
Figuras de Linguagem - Ironia
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 

Destaque

O Pré-Modernismo
O Pré-ModernismoO Pré-Modernismo
O Pré-Modernismo
Luciene Gomes
 
Vírgula
Vírgula   Vírgula
Vírgula
Luciene Gomes
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
Luciene Gomes
 
Crase
CraseCrase
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
Luciene Gomes
 
Para o blog
Para o blogPara o blog
Para o blog
Luciene Gomes
 
Pronome blog
Pronome   blogPronome   blog
Pronome blog
Luciene Gomes
 
Colocação pronominal
Colocação pronominal Colocação pronominal
Colocação pronominal
Luciene Gomes
 
1 regras de concordância reduzida
1   regras de concordância reduzida1   regras de concordância reduzida
1 regras de concordância reduzida
Luciene Gomes
 
redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa
Luciene Gomes
 
Redação elementos coesivos
Redação   elementos coesivosRedação   elementos coesivos
Redação elementos coesivos
Luciene Gomes
 
A semana da arte moderna
A semana da arte moderna   A semana da arte moderna
A semana da arte moderna
Luciene Gomes
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
1 concordância nominal blog
1   concordância nominal  blog1   concordância nominal  blog
1 concordância nominal blog
Luciene Gomes
 

Destaque (15)

O Pré-Modernismo
O Pré-ModernismoO Pré-Modernismo
O Pré-Modernismo
 
Vírgula
Vírgula   Vírgula
Vírgula
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Para o blog
Para o blogPara o blog
Para o blog
 
Pronome blog
Pronome   blogPronome   blog
Pronome blog
 
Colocação pronominal
Colocação pronominal Colocação pronominal
Colocação pronominal
 
1 regras de concordância reduzida
1   regras de concordância reduzida1   regras de concordância reduzida
1 regras de concordância reduzida
 
redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa redação - dissertativa argumentativa
redação - dissertativa argumentativa
 
Redação elementos coesivos
Redação   elementos coesivosRedação   elementos coesivos
Redação elementos coesivos
 
A semana da arte moderna
A semana da arte moderna   A semana da arte moderna
A semana da arte moderna
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
1 concordância nominal blog
1   concordância nominal  blog1   concordância nominal  blog
1 concordância nominal blog
 

Semelhante a 1 coesão textual - referencial e sequencial

Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
William Ferraz
 
SEMANTICAMENTE SÃO LUÍS. entre a denotação e a conotação da “Pedra de Respon...
SEMANTICAMENTE SÃO LUÍS. entre  a denotação e a conotação da “Pedra de Respon...SEMANTICAMENTE SÃO LUÍS. entre  a denotação e a conotação da “Pedra de Respon...
SEMANTICAMENTE SÃO LUÍS. entre a denotação e a conotação da “Pedra de Respon...
SilmayraLima1
 
1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio
Agassis Rodrigues
 
1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio
Agassis Rodrigues
 
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01   denotação + conotação + figuras de linguagemAula 01   denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
Miguel Luciano
 
Coesão (nelppe)
Coesão (nelppe)Coesão (nelppe)
Primeiros anos
Primeiros anosPrimeiros anos
Primeiros anos
Diego Prezia
 
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da fraseFichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
bethdamascenos
 
Morfossintaxe sujeito.
Morfossintaxe sujeito.Morfossintaxe sujeito.
Morfossintaxe sujeito.
Aires Jones
 
8aula vestibular Filosofia
8aula   vestibular Filosofia8aula   vestibular Filosofia
8aula vestibular Filosofia
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
Flexão verbal
Flexão verbalFlexão verbal
Flexão verbal
Nilberte
 
Cefet/Coltec Aula 4 Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4   MorfologiaCefet/Coltec Aula 4   Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4 Morfologia
ProfFernandaBraga
 
17-ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE - PARTE I - FATORES SEMANTICOS E FORMAIS - 3 ANO...
17-ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE - PARTE I - FATORES SEMANTICOS E FORMAIS - 3 ANO...17-ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE - PARTE I - FATORES SEMANTICOS E FORMAIS - 3 ANO...
17-ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE - PARTE I - FATORES SEMANTICOS E FORMAIS - 3 ANO...
JoseJoanicioBenevinu1
 
Coesão
CoesãoCoesão
Portugues sujeito e predicado
Portugues  sujeito e predicadoPortugues  sujeito e predicado
Portugues sujeito e predicado
AlanWillianLeonioSil
 
Manual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLEManual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLE
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Estilística.PDF
Estilística.PDFEstilística.PDF
Estilística.PDF
Jeferson S. J.
 
COESÃO TEXTUAL.pdf
COESÃO TEXTUAL.pdfCOESÃO TEXTUAL.pdf
COESÃO TEXTUAL.pdf
DENIZETEREZINHATEIS
 
Polissemia
PolissemiaPolissemia
Polissemia
Josélio Rodrigues
 
Coesao
CoesaoCoesao
Coesao
bloglink0
 

Semelhante a 1 coesão textual - referencial e sequencial (20)

Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
SEMANTICAMENTE SÃO LUÍS. entre a denotação e a conotação da “Pedra de Respon...
SEMANTICAMENTE SÃO LUÍS. entre  a denotação e a conotação da “Pedra de Respon...SEMANTICAMENTE SÃO LUÍS. entre  a denotação e a conotação da “Pedra de Respon...
SEMANTICAMENTE SÃO LUÍS. entre a denotação e a conotação da “Pedra de Respon...
 
1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio
 
1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio1) a linguagem forense aula para inicio
1) a linguagem forense aula para inicio
 
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01   denotação + conotação + figuras de linguagemAula 01   denotação + conotação + figuras de linguagem
Aula 01 denotação + conotação + figuras de linguagem
 
Coesão (nelppe)
Coesão (nelppe)Coesão (nelppe)
Coesão (nelppe)
 
Primeiros anos
Primeiros anosPrimeiros anos
Primeiros anos
 
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da fraseFichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
Fichamento de 1.0 estrutura sintática da frase
 
Morfossintaxe sujeito.
Morfossintaxe sujeito.Morfossintaxe sujeito.
Morfossintaxe sujeito.
 
8aula vestibular Filosofia
8aula   vestibular Filosofia8aula   vestibular Filosofia
8aula vestibular Filosofia
 
Flexão verbal
Flexão verbalFlexão verbal
Flexão verbal
 
Cefet/Coltec Aula 4 Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4   MorfologiaCefet/Coltec Aula 4   Morfologia
Cefet/Coltec Aula 4 Morfologia
 
17-ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE - PARTE I - FATORES SEMANTICOS E FORMAIS - 3 ANO...
17-ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE - PARTE I - FATORES SEMANTICOS E FORMAIS - 3 ANO...17-ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE - PARTE I - FATORES SEMANTICOS E FORMAIS - 3 ANO...
17-ELEMENTOS DE TEXTUALIDADE - PARTE I - FATORES SEMANTICOS E FORMAIS - 3 ANO...
 
Coesão
CoesãoCoesão
Coesão
 
Portugues sujeito e predicado
Portugues  sujeito e predicadoPortugues  sujeito e predicado
Portugues sujeito e predicado
 
Manual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLEManual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLE
 
Estilística.PDF
Estilística.PDFEstilística.PDF
Estilística.PDF
 
COESÃO TEXTUAL.pdf
COESÃO TEXTUAL.pdfCOESÃO TEXTUAL.pdf
COESÃO TEXTUAL.pdf
 
Polissemia
PolissemiaPolissemia
Polissemia
 
Coesao
CoesaoCoesao
Coesao
 

Mais de Luciene Gomes

Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
Luciene Gomes
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
Luciene Gomes
 
Blog segunda fase modernista - prosa
Blog    segunda fase modernista - prosaBlog    segunda fase modernista - prosa
Blog segunda fase modernista - prosa
Luciene Gomes
 
1 regras de concordância
1   regras de concordância1   regras de concordância
1 regras de concordância
Luciene Gomes
 
A semana da arte moderna blog
A semana da arte moderna   blogA semana da arte moderna   blog
A semana da arte moderna blog
Luciene Gomes
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
Luciene Gomes
 
Pronome 2
Pronome 2Pronome 2
Pronome 2
Luciene Gomes
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
Luciene Gomes
 
O simbolismo
O simbolismoO simbolismo
O simbolismo
Luciene Gomes
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Luciene Gomes
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Luciene Gomes
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
Luciene Gomes
 
Romantismo poesia - 3ª geração
Romantismo   poesia - 3ª geraçãoRomantismo   poesia - 3ª geração
Romantismo poesia - 3ª geração
Luciene Gomes
 
Romantismo poesia - 1ª geração
Romantismo   poesia - 1ª geraçãoRomantismo   poesia - 1ª geração
Romantismo poesia - 1ª geração
Luciene Gomes
 
TIPOS DE VERBOS
TIPOS DE VERBOSTIPOS DE VERBOS
TIPOS DE VERBOS
Luciene Gomes
 

Mais de Luciene Gomes (15)

Redação ENEM
Redação ENEMRedação ENEM
Redação ENEM
 
Passos para uma boa redação
Passos para uma boa redaçãoPassos para uma boa redação
Passos para uma boa redação
 
Blog segunda fase modernista - prosa
Blog    segunda fase modernista - prosaBlog    segunda fase modernista - prosa
Blog segunda fase modernista - prosa
 
1 regras de concordância
1   regras de concordância1   regras de concordância
1 regras de concordância
 
A semana da arte moderna blog
A semana da arte moderna   blogA semana da arte moderna   blog
A semana da arte moderna blog
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Pronome 2
Pronome 2Pronome 2
Pronome 2
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
 
O simbolismo
O simbolismoO simbolismo
O simbolismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Romantismo poesia - 3ª geração
Romantismo   poesia - 3ª geraçãoRomantismo   poesia - 3ª geração
Romantismo poesia - 3ª geração
 
Romantismo poesia - 1ª geração
Romantismo   poesia - 1ª geraçãoRomantismo   poesia - 1ª geração
Romantismo poesia - 1ª geração
 
TIPOS DE VERBOS
TIPOS DE VERBOSTIPOS DE VERBOS
TIPOS DE VERBOS
 

Último

planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
erssstcontato
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
Manuais Formação
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 

Último (20)

planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptxTREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
TREINAMENTO DE BRIGADA DE INCENDIO BRIGADA CCB 2023.pptx
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
UFCD_7211_Os sistemas do corpo humano_ imunitário, circulatório, respiratório...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 

1 coesão textual - referencial e sequencial

  • 1.
  • 2. Koch (2004, p. 35) nos diz que “a coesão é a forma como os elementos linguísticos presentes na superfície textual se interligam, se interconectam, por meio de recursos também linguísticos, de modo a formar um tecido (tessitura), uma unidade de nível superior à da frase, que dela difere qualitativamente.”
  • 3.  a conexão entre partes do texto pode acontecer de duas grandes formas:  • por remissão a referentes do texto ou ancorados no texto, (coesão referencial);  • por sequenciação (coesão sequencial).
  • 4. A coesão referencial é responsável por criar um sistema de relações entre as palavras e expressões dentro de um texto, permitindo que o leitor identifique os termos aos quais se referem. O termo que indica a entidade ou situação a que o falante se refere é chamado de referente.
  • 5.  Ana Elisabete gritou. Ela fica apavorada quando fica sozinha, apesar de ser uma menina calma e inteligente. Nesse exemplo, o termo referente é Ana Elisabete.
  • 6. Todas as vezes que o referente precisa ser retomado no texto, podemos utilizar outras palavras para que os leitores possam retornar e recuperar a ideia. É bastante frequente o uso de figuras de construção/sintaxe para a coesão referencial, como as anáforas, catáforas, elipses e as correferências não anafóricas (contiguidades, reiterações).
  • 7. A forma referencial com função coesiva pode remeter a um referente que lhe é anterior (anáfora), ou a um referente que lhe é subsequente (catáfora).
  • 8. Designa-seANÁFORA (não confundir com a figura de linguagem de mesmo nome) o termo ou expressão que, em um texto ou discurso, faz referência direta ou indireta a um termo anterior. O termo anafórico retoma um termo anterior, total ou parcialmente, de modo que, para compreendê-lo dependemos do termo antecedente.
  • 9.  João está doente.Vi-o na semana passada. (pronome “o” retoma o termo “João”.)  Ana comprou um cão. O animal já conhece todos os cantos da casa. (o termo “o animal” faz referência ao termo antecedente “o cão”)  O cantor que ganhou o prêmio não compareceu. (o pronome “que” se refere ao termo “cantor”.)
  • 10.  A sala de aula está degradada. As carteiras estão todas riscadas. (O termo “as carteiras” é compreendido mediante a compreensão do termo anterior “sala de aula”)  Maria é uma moça tão bonita que assusta. Essa sua beleza tem um quê de mistério. (o pronome “essa” faz referência à beleza de Maria, ideia que se encontra implícita no enunciado anterior.)
  • 11. Por sua vez, os pronomes catafóricos são aqueles que fazem referência a um termo subsequente, estabelecendo com ele uma relação não autônoma, portanto, dependente. Para compreender um termo catafórico é necessário interpretar o termo ao qual faz referência.
  • 12.  A irmã olhou-o e disse: - João, estás com um ar cansado. (O pronome “o” faz referência ao termo subsequente “João”, de modo que só se pode compreender a quem o pronome se refere quando se chega ao termo de referência.)  Os nomes próprios mais utilizados na língua portuguesa são estes: João, Maria e José. (Neste caso o pronome “estes” faz referência aos termos imediatamente seguintes “João, Maria e José”.)
  • 13. Dêitico – (exofórica) se refere a algo fora do texto. Responsável por localizar algo no tempo ou no espaço. Exemplo: Ali será amarelo. (faz referência a algo externo, que não está no texto)
  • 14. “ELE foi aprovado no concurso da Receita Federal”. (ELE QUEM?); - “LÁ estava muito frio” (LÁ? QUE LUGAR É ESSE?); - “ALI há alguns pés de manga”. (ALI? QUE LUGAR É ESSE?).
  • 15. Simplificando:  Anáfora - retoma por meio de referência um termo anterior.  Catáfora - termo usado para fazer referência a um outro termo posterior.  Dêitica – localiza alguma coisa no espaço/tempo;
  • 16. Arthur Antunes Coimbra (1) é o maior nome da história do Flamengo. Desde a infância passada no subúrbio carioca, o jovem Zico (2) já se revelava um talento incomum para o futebol. Só havia um problema: o Galinho de Quintino (3) era um tanto franzino para um esporte que cada vez mais exigia preparo físico. A saída foi submetê-lo (4) a uma intensa bateria de exercícios que o (4) tornaram um jogador completo, corpo e mente integrados. Daí, para que ele (4) se tornasse o grande ídolo que todos conhecemos, foi apenas um passo.
  • 17. Por mais de uma década, o craque (5) colecionou títulos e alegrias para o seu (4) clube. Sua (4) única frustração, no entanto, foi nunca ter sido campeão do mundo pela seleção brasileira. Mesmo assim, as glórias conquistadas pelo campeão do mundo de 1981 (6) superaram de longe as decepções.Zico (7) ainda atuou como jogador pela Udinese, da Itália, e pelo Kashima Antlers, do Japão. Como técnico, (8) coordenou a seleção japonesa, o Fenerbahçe, daTurquia, e, atualmente, (8) comanda o CSKA de Moscou.
  • 18.  Voltando-nos apenas às referências feitas a Zico, no texto, podemos apontar:  (1) Uso de nome completo; (2) Apelido; (3) Epíteto, isto é, um substantivo, adjetivo ou expressão que qualifica dado nome; (4) Pronomes; (5) Hiperônimo (termo que tem o significado mais genérico); (6) Dado cultural; (7) Repetição; (8) Elipse;
  • 19. Exemplo 2 CARNAVAL 2014 ‘Cãocurso’ elege pets mais bem fantasiados. Eles eram pequenos, grandes ou enormes. Alguns corriam animados, outros – mais tímidos – deitavam no chão.Todos eram cães de raça e estavam fantasiados para desfilar em um... shopping. (Folha de S.Paulo, 2014)
  • 20. No exemplo 2, os pronomes “eles” (pessoal do caso reto), “alguns” e “outros” (pronomes indefinidos) remetem ao referente que vem depois deles: “cães de raça”. Trata-se de um procedimento catafórico cujo efeito de sentido é despertar a curiosidade do leitor e assim prender-lhe a atenção, visto que o referente só é anunciado mais adiante.
  • 21. Um texto não é um amontoado de frases. Essas se conectam por meio de mecanismos que garantem fluxo de informação e continuidade ao texto. A coesão sequencial é, assim, a “argamassa” textual, criando os pontos de junção que garantem justamente que o texto não seja uma sucessão descontínua de frases.
  • 22. A coesão sequencial é responsável por criar as condições para a progressão textual. De maneira geral, as flexões de tempo e de modo dos verbos e as conjunções são os mecanismos responsáveis pela coesão sequencial nos textos.
  • 23. Os mecanismos de coesão sequencial são utilizados para que as partes e as informações do texto possam ser articuladas e relacionadas. Dessa forma, o autor do texto evita falta de coesão, garantindo boa articulação entre as ideias, informações e argumentos no interior do texto e, principalmente, a coerência textual.
  • 24.  A sexualidade ainda é um tabu, por isso algumas pessoas sentem vergonha do próprio corpo.  A cultura brasileira é o resultado da miscigenação de imigrantes de diversas origens, no entanto percebe-se ainda a persistência do preconceito diante das religiões não-europeias.  Pode-se não concordar com opiniões contrárias, desde que se respeite os diversos pontos de vista.
  • 25.  Adição/inclusão - Além disso; também; vale lembrar; pois; outrossim; agora; de modo geral; por iguais razões; inclusive; até; é certo que; é inegável; em outras palavras; além desse fator...  Oposição - Embora; não obstante; entretanto; mas; no entanto; porém; ao contrário; diferentemente; por outro lado...  Afirmação/igualdade - Felizmente; infelizmente; obviamente; na verdade; realmente; de igual forma; do mesmo modo que; nesse sentido; semelhantemente...
  • 26.  Exclusão - Somente; só; sequer; senão; exceto; excluindo; tão somente; apenas...  Enumeração - Em primeiro lugar; a princípio...  Explicação - Como se nota; com efeito; como vimos; portanto; pois; é óbvio que; isto é; por exemplo; a saber; de fato; aliás...  Conclusão - Em suma; por conseguinte; portanto; em última análise; por fim; finalmente; por tudo isso; em síntese, posto isso; assim; consequentemente...  Continuação - Em seguida; depois; no geral; em termos gerais; por sua vez; outrossim...
  • 27. A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira é um problema muito presente. Isso deve ser enfrentado, uma vez que, diariamente, mulheres são vítimas desta questão. Neste sentido, dois aspectos fazem-se relevantes: o legado histórico- cultural e o desrespeito às leis.[...] Esse cenário, juntamente aos inúmeros casos de violência contra as mulheres corroboram a ideia de que elas são vítimas de um histórico-cultural. Nesse ínterim, a cultura machista prevaleceu ao longo dos anos a ponto de enraizar-se na sociedade contemporânea, mesmo que de forma implícita, à primeira vista. [...] MODELO DE REDAÇÃO COM COESÃO REFERENCIAL E SEQUENCIAL Candidata Isadora Peter Furtado (17 anos, Pelotas – RS)
  • 28. Conforme previsto pela Constituição Brasileira, todos são iguais perante a lei, independente de cor, raça ou gênero, sendo a isonomia salarial, aquela que prevê mesmo salário para mesma função, também garantidas por lei. No entanto, o que se observa em diversas partes do país, é a gritante diferença entre os salários de homens e mulheres, principalmente se estas forem negras. [...] Diante dos argumentos supracitados, é dever do Estado proteger as mulheres da violência, tanto física quanto moral, criando campanhas de combate à violência, além de impor leis mais rígidas e punições mais severas para aqueles que não as cumprem.
  • 29.  Do grego hyperonymon (hyper = acima, sobre/ onymon = nome), são palavras de sentido genérico, ou seja, palavras cujos significados são mais abrangentes do que os hipônimos. Fazendo uma comparação com a Biologia, podemos dizer que os hiperônimos seriam os gêneros, isto é, palavras que apresentam características comuns. Observe os exemplos:  Animais é hiperônimo de cachorro e cavalo. Legume é hiperônimo de batata e cenoura. Galáxia é hiperônimo de estrelas e planetas. Ferramenta é hiperônimo de chave de fenda e alicate. Doença é hiperônimo de catapora e bronquite.
  • 30.  Do grego hyponymon (hypo = debaixo, inferior/ onymon = nome), são palavras de sentido específico, ou seja, palavras cujos significados são hierarquicamente mais específicos do que de outras. Fazendo novamente uma comparação com a Biologia e seus termos, os hipônimos seriam as espécies, isto é, palavras que estão ligadas por meio de características próprias. Vejamos alguns exemplos que certamente irão te ajudar a compreender um pouco melhor essa questão:  Maçã e morango são hipônimos de fruta. Vermelho e verde são hipônimos de cor. Brócolis e couve-flor são hipônimos de verdura. Flores e árvores são hipônimos de flora. Gripe e pneumonia são hipônimos de doença.