SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
POEMA DE SETE FACESPOEMA DE SETE FACES
Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.
O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.
O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode,
Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.
Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.
Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.
TEORIZANDOTEORIZANDO
A palavra gauche, de origem francesa, significa “lado
esquerdo”. Aplicada ao ser humano, significa aquele que
se sente às avessas, torto, estranho, que não consegue
estabelecer uma comunicação com a realidade. Embora
seja uma novidade no contexto da poesia moderna
brasileira, o gauchismo, como postura de negação crítica
do mundo, já existia desde Baudelaire, poeta pós-
romântico francês.
Ao gauche não já saídas: nem o amor, nem a morte, nem
mesmo o isolamento. Desesperado, ele busca comunicar-
se com o mundo por meio do canto, mesmo que seja um
canto torto e gauche.
Embora o gauche afirme que “a poesia é incomunicável”,
é ela que estabelece a mediação entre o eu e o mundo, e
talvez a saída, a única esperança, para ele, seja cantar o
próprio canto ou cantar o silêncio, isto é, cantar o canto
que não existe.
EXERCÍCIOSEXERCÍCIOS
DEDE
SALASALA
POEMA DE SETE FACESPOEMA DE SETE FACES
Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.
1. Releia a 2ª estrofe.
Nela, o mundo exterior é
descrito pela ótica do eu
lírico. ANALISE:
a)O eu lírico participa
diretamente do mundo
que descreve? Por quê?
b)O que parece interessar
mais às pessoas que
fazem parte do mundo
exterior?
POEMA DE SETE FACESPOEMA DE SETE FACES
Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.
As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.
2. O gauchismo do eu
lírico é anunciado por um
“anjo torto”. Os anjos são
comuns nas histórias
religiosas, como na do
anjo Gabriel que aparece
a José e ordena que ele
fuja de Jerusalém com o
menino Jesus. Diante
disso, redija um parágrafo
dissertativo
COMPARANDO os anjos
das histórias religiosas
com o anjo do poema.
O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.
3. A 3ª estrofe surpreende com uma imagem insólita, incomum —
“O bonde passa cheio de pernas” —, e estabelece ainda uma
oposição entre de ideias quanto à forma como o eu lírico vê as
pernas. Levando em conta que coração se relaciona com emoção e
olhos com razão, dê uma interpretação coerente a essa contradição
vivida pelo eu lírico.
O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.
4. Apesar de publicado em 1930, o poema apresenta características
que o associam à produção dos primeiros modernistas, com a
construção fragmentada, os flashes e a falta de pontuação no 2º verso
da 3ª estrofe. Que correntes de vanguarda se associam a essas
características?
O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode,
5. Na 4ª estrofe, é descrito o “homem atrás dos óculos do bigode”.
Interprete:
a)Que diferença há em dizer que o homem “usa óculos e bigode” e
está “atrás dos óculos e do bigode”?
b)É possível afirmar que ele é gauche? Por quê?
Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.
6. A 5ª estrofe lembra uma passagem bíblica: quando Cristo, em um
momento de fraqueza, dirige-se ao Pai e se queixa de seu abandono e
desamparo. Compare as duas situações, em que o Cristo e o gauche
se dirigem a Deus e responda:
a)Que semelhança há, nessas situações, entre o Cristo e o gauche
quanto ao seu relacionamento com o mundo?
b)Considerando o verso “se sabias que eu não era Deus”, por que se
pode afirmar que a queixa do gauche é ainda mais dramática que a
do próprio Cristo?
Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.
a) O fato de mundo estar contido no nome Raimundo permitiria que o eu
lírico estivesse devidamente enquadrado no mundo exterior? Que verso
justifica sua resposta?
b) Nos versos “Mundo mundo vasto mundo / Mais vasto é meu coração”,
pode-se supor um sentimento de superioridade por parte do eu lírico?
Justifique.
A 6ª estrofe apresenta um
jogo de palavras. O gauche
supõe a possibilidade de
chamar-se Raimundo (um
nome que contém a palavra
mundo); no entanto,
afirma, tal fato levaria
apenas a uma rima, não a
uma solução. Interprete:
Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.
Na última estrofe, é introduzido um interlocutor, até então ausente,
identificado pelo pronome te: “Eu não devia te dizer”
a)Levante hipóteses: quem poderia ser este interlocutor.
b) De acordo com a estrofe, o conhaque e a atmosfera noturna
deixaram o eu lírico comovido. É como se todo o poema fosse fruto
da bebedeira, não fosse uma coisa séria. Em sua opinião, o eu lírico
estaria falando sério ou blefando? Por quê?
9. O poema está organizado em sete estrofes. Observe a relação
existente entre elas.
a)Por que o poema se intitula “Poema de sete faces”?
b) Apesar de não estar explícito, existe um fio condutor que liga, no
plano do conteúdo, todas as estrofes do poema. Qual é o fio?
10. A introdução do nome Carlos na 1ª estrofe parece situar o poema
e o gauchismo no plano autobiográfico. Contudo, o assunto abordado
— o “estar-no-mundo”, o eu perante is valores sociais, a
comunicação, o outro, etc. — é particular ou universal? Por quê?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Cevada
CevadaCevada
Cevada
 
Mip do milho
Mip do milhoMip do milho
Mip do milho
 
Propagação de rosas
Propagação de rosasPropagação de rosas
Propagação de rosas
 
História
HistóriaHistória
História
 
Unidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementesUnidade 05 dormência de sementes
Unidade 05 dormência de sementes
 
Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa Técnicas de Propagação Vegetativa
Técnicas de Propagação Vegetativa
 
Guia do milho_cib
Guia do milho_cibGuia do milho_cib
Guia do milho_cib
 
ABC Alimentação das criações na seca
ABC Alimentação das criações na secaABC Alimentação das criações na seca
ABC Alimentação das criações na seca
 
Efeito materno e herança extracromossômica
Efeito materno e herança extracromossômicaEfeito materno e herança extracromossômica
Efeito materno e herança extracromossômica
 
Colheita Manual de Cana-de-Açúcar
Colheita Manual de Cana-de-AçúcarColheita Manual de Cana-de-Açúcar
Colheita Manual de Cana-de-Açúcar
 
Trabalho bebedouros tipo nipple
Trabalho bebedouros tipo   nippleTrabalho bebedouros tipo   nipple
Trabalho bebedouros tipo nipple
 
Reprodução Assexuada
Reprodução AssexuadaReprodução Assexuada
Reprodução Assexuada
 
Palestra gotejamento subterrâneo em café Andre Fernandes Fenicafé 2015
Palestra gotejamento subterrâneo  em café   Andre  Fernandes Fenicafé 2015Palestra gotejamento subterrâneo  em café   Andre  Fernandes Fenicafé 2015
Palestra gotejamento subterrâneo em café Andre Fernandes Fenicafé 2015
 
Erva cidreira
Erva cidreiraErva cidreira
Erva cidreira
 
Emater Goiás
Emater GoiásEmater Goiás
Emater Goiás
 
Biorreguladores vegetais
Biorreguladores vegetaisBiorreguladores vegetais
Biorreguladores vegetais
 
Sistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do ArrozSistemas de Plantio do Arroz
Sistemas de Plantio do Arroz
 
Biografia de antónio torrado
Biografia de antónio torradoBiografia de antónio torrado
Biografia de antónio torrado
 
Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)Alface (Lactuca sativa)
Alface (Lactuca sativa)
 
Apostila de eng 338 parte 1 (1)
Apostila de eng 338 parte 1 (1)Apostila de eng 338 parte 1 (1)
Apostila de eng 338 parte 1 (1)
 

Destaque (17)

Poema de sete faces
Poema de sete facesPoema de sete faces
Poema de sete faces
 
Simbolismo autores
Simbolismo   autoresSimbolismo   autores
Simbolismo autores
 
Textualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidosTextualidade e a construção dos sentidos
Textualidade e a construção dos sentidos
 
Naturalismo no Brasil
Naturalismo  no BrasilNaturalismo  no Brasil
Naturalismo no Brasil
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
 
Barroco 2.0
Barroco 2.0Barroco 2.0
Barroco 2.0
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
 
Camões 2.0
Camões 2.0Camões 2.0
Camões 2.0
 
Literatura simbolismo
Literatura simbolismoLiteratura simbolismo
Literatura simbolismo
 
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_FeraO_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
O_Romantismo_A_Bela_e_a_Fera
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Romance é Show
Romance é ShowRomance é Show
Romance é Show
 
A Bela E A Fera
A Bela E A FeraA Bela E A Fera
A Bela E A Fera
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
 
Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0Gêneros Literários 2.0
Gêneros Literários 2.0
 
Camões
CamõesCamões
Camões
 

Semelhante a Exercícios cda

Semelhante a Exercícios cda (20)

Prova 3º ano
Prova 3º anoProva 3º ano
Prova 3º ano
 
7 faces
7 faces7 faces
7 faces
 
Carlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andradeCarlos Drummond de andrade
Carlos Drummond de andrade
 
Alvaro de campos
Alvaro de camposAlvaro de campos
Alvaro de campos
 
Poemadassetefaces
PoemadassetefacesPoemadassetefaces
Poemadassetefaces
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo   poesia - 2.a fase - OseModernismo   poesia - 2.a fase - Ose
Modernismo poesia - 2.a fase - Ose
 
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio  Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
Prova - Simulado Alvaro Gaudêncio
 
manoel-de-barros-meu-quintal-e-maior-que-o-mundo-pdf.pdf
manoel-de-barros-meu-quintal-e-maior-que-o-mundo-pdf.pdfmanoel-de-barros-meu-quintal-e-maior-que-o-mundo-pdf.pdf
manoel-de-barros-meu-quintal-e-maior-que-o-mundo-pdf.pdf
 
Projetovestibular
ProjetovestibularProjetovestibular
Projetovestibular
 
R3
R3R3
R3
 
Obras PAS 1 serie.pdf
Obras PAS 1 serie.pdfObras PAS 1 serie.pdf
Obras PAS 1 serie.pdf
 
Avaliação multimídia da 2001
Avaliação multimídia da 2001Avaliação multimídia da 2001
Avaliação multimídia da 2001
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
 
Augusto dos Anjos
Augusto dos AnjosAugusto dos Anjos
Augusto dos Anjos
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Gabarito 1o. bim português i
Gabarito 1o. bim   português iGabarito 1o. bim   português i
Gabarito 1o. bim português i
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Funções de linguagem
Funções de linguagemFunções de linguagem
Funções de linguagem
 

Mais de José Ricardo Lima (20)

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
 
Sonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMPSonetos (Camões) UNICAMP
Sonetos (Camões) UNICAMP
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
 
Claro enigma
Claro enigma Claro enigma
Claro enigma
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 
Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0
 
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
 
Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0Quinhentismo no Brasil 2.0
Quinhentismo no Brasil 2.0
 
Humanismo português
Humanismo portuguêsHumanismo português
Humanismo português
 
Semana 2.0
Semana 2.0Semana 2.0
Semana 2.0
 
Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0
 
Monteiro Lobato
Monteiro LobatoMonteiro Lobato
Monteiro Lobato
 

Exercícios cda

  • 1. POEMA DE SETE FACESPOEMA DE SETE FACES Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida. As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, não houvesse tantos desejos.
  • 2. O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. Porém meus olhos não perguntam nada. O homem atrás do bigode é sério, simples e forte. Quase não conversa. Tem poucos, raros amigos o homem atrás dos óculos e do bigode,
  • 3. Meu Deus, por que me abandonaste se sabias que eu não era Deus se sabias que eu era fraco. Mundo mundo vasto mundo, se eu me chamasse Raimundo seria uma rima, não seria uma solução. Mundo mundo vasto mundo, mais vasto é meu coração.
  • 4. Eu não devia te dizer mas essa lua mas esse conhaque botam a gente comovido como o diabo.
  • 6. A palavra gauche, de origem francesa, significa “lado esquerdo”. Aplicada ao ser humano, significa aquele que se sente às avessas, torto, estranho, que não consegue estabelecer uma comunicação com a realidade. Embora seja uma novidade no contexto da poesia moderna brasileira, o gauchismo, como postura de negação crítica do mundo, já existia desde Baudelaire, poeta pós- romântico francês.
  • 7. Ao gauche não já saídas: nem o amor, nem a morte, nem mesmo o isolamento. Desesperado, ele busca comunicar- se com o mundo por meio do canto, mesmo que seja um canto torto e gauche. Embora o gauche afirme que “a poesia é incomunicável”, é ela que estabelece a mediação entre o eu e o mundo, e talvez a saída, a única esperança, para ele, seja cantar o próprio canto ou cantar o silêncio, isto é, cantar o canto que não existe.
  • 9. POEMA DE SETE FACESPOEMA DE SETE FACES Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida. As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, não houvesse tantos desejos. 1. Releia a 2ª estrofe. Nela, o mundo exterior é descrito pela ótica do eu lírico. ANALISE: a)O eu lírico participa diretamente do mundo que descreve? Por quê? b)O que parece interessar mais às pessoas que fazem parte do mundo exterior?
  • 10. POEMA DE SETE FACESPOEMA DE SETE FACES Quando nasci, um anjo torto desses que vivem na sombra disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida. As casas espiam os homens que correm atrás de mulheres. A tarde talvez fosse azul, não houvesse tantos desejos. 2. O gauchismo do eu lírico é anunciado por um “anjo torto”. Os anjos são comuns nas histórias religiosas, como na do anjo Gabriel que aparece a José e ordena que ele fuja de Jerusalém com o menino Jesus. Diante disso, redija um parágrafo dissertativo COMPARANDO os anjos das histórias religiosas com o anjo do poema.
  • 11. O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. Porém meus olhos não perguntam nada. 3. A 3ª estrofe surpreende com uma imagem insólita, incomum — “O bonde passa cheio de pernas” —, e estabelece ainda uma oposição entre de ideias quanto à forma como o eu lírico vê as pernas. Levando em conta que coração se relaciona com emoção e olhos com razão, dê uma interpretação coerente a essa contradição vivida pelo eu lírico.
  • 12. O bonde passa cheio de pernas: pernas brancas pretas amarelas. Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração. Porém meus olhos não perguntam nada. 4. Apesar de publicado em 1930, o poema apresenta características que o associam à produção dos primeiros modernistas, com a construção fragmentada, os flashes e a falta de pontuação no 2º verso da 3ª estrofe. Que correntes de vanguarda se associam a essas características?
  • 13. O homem atrás do bigode é sério, simples e forte. Quase não conversa. Tem poucos, raros amigos o homem atrás dos óculos e do bigode, 5. Na 4ª estrofe, é descrito o “homem atrás dos óculos do bigode”. Interprete: a)Que diferença há em dizer que o homem “usa óculos e bigode” e está “atrás dos óculos e do bigode”? b)É possível afirmar que ele é gauche? Por quê?
  • 14. Meu Deus, por que me abandonaste se sabias que eu não era Deus se sabias que eu era fraco. 6. A 5ª estrofe lembra uma passagem bíblica: quando Cristo, em um momento de fraqueza, dirige-se ao Pai e se queixa de seu abandono e desamparo. Compare as duas situações, em que o Cristo e o gauche se dirigem a Deus e responda: a)Que semelhança há, nessas situações, entre o Cristo e o gauche quanto ao seu relacionamento com o mundo? b)Considerando o verso “se sabias que eu não era Deus”, por que se pode afirmar que a queixa do gauche é ainda mais dramática que a do próprio Cristo?
  • 15. Mundo mundo vasto mundo, se eu me chamasse Raimundo seria uma rima, não seria uma solução. Mundo mundo vasto mundo, mais vasto é meu coração. a) O fato de mundo estar contido no nome Raimundo permitiria que o eu lírico estivesse devidamente enquadrado no mundo exterior? Que verso justifica sua resposta? b) Nos versos “Mundo mundo vasto mundo / Mais vasto é meu coração”, pode-se supor um sentimento de superioridade por parte do eu lírico? Justifique. A 6ª estrofe apresenta um jogo de palavras. O gauche supõe a possibilidade de chamar-se Raimundo (um nome que contém a palavra mundo); no entanto, afirma, tal fato levaria apenas a uma rima, não a uma solução. Interprete:
  • 16. Eu não devia te dizer mas essa lua mas esse conhaque botam a gente comovido como o diabo. Na última estrofe, é introduzido um interlocutor, até então ausente, identificado pelo pronome te: “Eu não devia te dizer” a)Levante hipóteses: quem poderia ser este interlocutor. b) De acordo com a estrofe, o conhaque e a atmosfera noturna deixaram o eu lírico comovido. É como se todo o poema fosse fruto da bebedeira, não fosse uma coisa séria. Em sua opinião, o eu lírico estaria falando sério ou blefando? Por quê?
  • 17. 9. O poema está organizado em sete estrofes. Observe a relação existente entre elas. a)Por que o poema se intitula “Poema de sete faces”? b) Apesar de não estar explícito, existe um fio condutor que liga, no plano do conteúdo, todas as estrofes do poema. Qual é o fio? 10. A introdução do nome Carlos na 1ª estrofe parece situar o poema e o gauchismo no plano autobiográfico. Contudo, o assunto abordado — o “estar-no-mundo”, o eu perante is valores sociais, a comunicação, o outro, etc. — é particular ou universal? Por quê?