SlideShare uma empresa Scribd logo
INTERTEXTUALID
ADE
Professora: Alessandra Martins Ribeiro
Disciplina: Língua Portuguesa
Canção do exílio
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.
Nosso céu tem mais estrelas,
Nossas várzeas têm mais flores,
Nossos bosques têm mais vida,
Nossa vida mais amores.
Em cismar, sozinho, à noite,
Mais prazer eu encontro lá;
Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá.
Intertextualidade
É a relação entre dois textos
caracterizados por um citar
o outro.
Cereja,William Roberto. Português Linguagens: Volume 1, 2010
INTERTEXTUALIDADE
Podemos perceber a intertextualidade de duas maneiras:
• Explícita: facilmente notada e parte do corpo do texto (geralmente
apoiando-se justamente no conhecimento do senso comum por parte do
leitor/espectador).
Exemplo: Série cinematográfica Shrek
Gato de Botas

Presença de diversas
referências dos contos de
fadas (ou contos infantis)

citações, como o
filme Matrix, lendas
medievais, etc.

Rapunzel, Branca de Neve,
Cinderela e muitos outros...
INTERTEXTUALIDADE
•

Implícito: Dependendo muito do olhar do leitor/espectador para ser
encontrado e, muitas vezes, colocado de forma inconsciente pelo autor.
Exemplo: A história da saga Crepúsculo
Referências
clássicas do
gênero, como
Drácula.

Referências
como A Bela
e a Fera
História do “amor
proibido”, que remete
a Romeu e Julieta
Tipos de intertextualidade
Pode-se destacar sete tipos de
intertextualidade:
• Epígrafe
• Citação
• Paráfrase 
• Paródia 
• Pastiche 
• Tradução 
• Referência 
• Alusão
Epígrafe
Na literatura, epígrafe é uma citação
ou frase curta, que, colocado no início
de uma obra, serve como tema ou
assunto para resumir ou introduzir a
obra.

Constitui

uma

escrita

introdutória a outra, um texto breve,
em forma de inscrição solene, que abre
um livro ou uma composição poética.
Exemplo de Epígrafe
"Mas da árvore do conhecimento do
bem e do mal, tu não poderás comer
dela: no dia em que tu comeres tu
poderás certamente morrer. ”
Epígrafe retirada do livro Crepúsculo
Citação
As citações na produção textual são
feitas

para

apoiar

uma

hipótese,

sustentar uma ideia ou ilustrar um
raciocínio. Sua função é oferecer ao
leitor o respaldo necessário para que
ele possa comprovar a veracidade das
informações fornecidas e possibilitar
o seu aprofundamento.
Exemplo de Citação
O

valor

da

informação

está

relacionado com o poder de ajuda
aos

tomadores

de

decisões

a

atingirem os objetivos da empresa
(FRUTAO, 1998).
Paráfrase
Representa uma reescritura do texto
original com novas palavras sem que o
sentido do mesmo seja modificado.
Assim, a paráfrase é uma reprodução da
ideia do autor com as palavras do
discente (aluno), utilizando-se de
sinônimos, inversões de períodos, etc.
O autor da paráfrase deve demonstrar
que entendeu claramente a ideia do
texto.
Exemplo de Paráfrase
Texto Original
Minha terra tem palmeiras
Onde canta o sabiá,
As aves que aqui gorjeiam
Não gorjeiam como lá.
(Gonçalves Dias, “Canção do exílio”).
Paráfrase
Meus olhos brasileiros se fecham
saudosos
Minha boca procura a ‘Canção do Exílio’.
Como era mesmo a ‘Canção do Exílio’?
Eu tão esquecido de minha terra…
Ai terra que tem palmeiras
Onde canta o sabiá!
(Carlos Drummond de Andrade, “Europa,
França e Bahia”).
Paródia
A Paródia é uma imitação, na maioria
das
vezes cômica,
de
uma
composição literária, (também existem
paródias de filmes e músicas), utilizando
a ironia e o deboche. Ela geralmente é
parecida com a obra de origem, e quase
sempre tem sentidos diferentes. Na
literatura a paródia é um processo de
intertextualização, com a finalidade de
desconstruir ou reconstruir um texto.
Exemplo de Paródia
"*Minha terra tem palmeiras,
Onde canta o Sabiá;
As aves, que aqui gorjeiam,
Não gorjeiam como lá.“
(Canção do exílio - Gonçalves Dias)
A paródia de Oswald de Andrade:
 
"Minha terra tem palmares onde gorjeia o mar
Os passarinhos daqui
Não cantam como os de lá"
Pastiche 
Pratica intertextual a partir de um
processo de simulação do estilo de um
artista,
de
uma
escola
literária
(Classicismo, Barroco, Parnasianismo),
ou de um gênero textual (notícia,
receitas, propagandas, dicionários).
O pastiche pode ser plágio, por isso tem
sentido
pejorativo,
ou
é
uma
recorrência a um gênero.
Exemplo de Pastiche

O amor – poesia futurista

A Dona Branca Clara

Tome-se duas dúzias de beijocas
Acrescente-se uma dose de pimenta do Desejo
Adicione-se três gramas de polvilho do Ciúme
Deite-se quatro colheres de açúcar de Melancolia
Coloque-se dois ovos
Agiste-se com o braço da Fatalidade
E dê de duas horas em duas horas marcadas
No relógio de um ponteiro só!

Oswald de Andrade
Tradução 
É uma atividade que abrange
a interpretação do significado de
um
texto em uma língua — o texto fonte — e
a produção de um novo texto em outra
língua mas que exprima o texto original
da forma mais exata possível na língua
destino; O texto resultante também se
chama tradução.
Exemplo de tradução
Referência bibliográfica/ citação
bibliográfica
É um conjunto de elementos de
uma obra escrita (como título, autor,
editora, local de publicação e outras)
que permite a sua identificação,
normalmente apresentadas no final de
uma obra, dá-se o nome de
"referências bibliográficas" ou apenas
"referências".
(não
confundir
com citação)
Exemplo de Referência
bibliográfica
Cereja, William Roberto. Português
linguagens: volume1/William Roberto
Cereja, Thereza Cochar Magalhães. –
7. ed. Reform. – São Paulo: Saraiva,
2010
Alusão
Vem
alusão;

do

verbo

ALUDIR,

mencionar;

fazer

referir-se.

Quando você faz uma alusão, você
está mencionando algo.
Exemplo de Alusão
• O titulo da reportagem: “Infinito,
mas enquanto durou” se referindo ao
verso de Vinicius de Moraes “que seja
infinito enquanto dure” que, por sua
vez, faz alusão ao pensamento de
Sofocleto: “o amor é eterno enquanto
dura”.
• Esse rapaz é um Don Juan.
• Que sujeito maquiavélico.
A intertextualidade pode ocorrer em
diversas áreas do conhecimento.
Seguem-se algumas delas:
PINTURA

LITERATURA

PUBLICIDADE
NA PINTURA: O Nascimento de Vênus

O nascimento de
Vênus Sandro
Botticelli, 1483
A pintura mostra a Vênus surgindo nua de uma concha sobre
as espumas do mar. A obra ainda apresenta Zéfiro, o vento do
Oeste, assoprando na direção da deusa, acompanhado
pela  ninfa Clóris.  À direita de Vênus, há uma Hora (deusas
das estações) que lhe entrega um manto com flores bordadas.
Na época, O Nascimento de Vênus e A Alegoria da Primavera,
ambos de Botticelli, foram produzidos por encomenda de
Lorenzo di Pierfrancesco, um político e banqueiro italiano
que queria enfeitar sua residência, a Villa Medicea di Castello.
Esta obra de Botticelli foi influenciada pelo neoplatonismo
cristão, pois o pintor havia participado dos círculos de
Lourenço de Médici, que tinham por objetivo conciliar as
ideias clássicas às cristãs.
Acredita-se que a nudez da deusa não representa a paixão
carnal, mas sim a paixão espiritual. Na obra, Vênus é
apresentada de forma esguia e com traços harmoniosos. Além
disso, Botticelli utiliza cores claras e puras, exaltando a pureza
da alma e a beleza clássica.
Em sua totalidade, a obra apresenta serenidade e
luminosidade, o que pode ser compreendido de duas formas.
NA PROPAGANDA: LOGOMARCA PAN - 2007
Intertextualidade nos filmes
Observe algumas cenas do filme Shrek, relacione as
semelhanças com outros filmes que vier em sua mente e
escreva suas observações.
Intertextualidade na charge
Observe as charges abaixo e produza um texto
para as cenas.
Veja agora, como é o texto original.
Intertextualidade em tiras
Crie um texto para a tirinha
abaixo
Intertextualidade na música e
literatura
Texto 1:
Monte Castelo
Renato Russo

Ainda que eu falasse a língua dos homens.
E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.
É só o amor, é só o amor.
Que conhece o que é verdade.
O amor é bom, não quer o mal.
Não sente inveja ou se envaidece.
O amor é o fogo que arde sem se ver.
É ferida que dói e não se sente.
É um contentamento descontente.
É dor que desatina sem doer.
Ainda que eu falasse a língua dos homens.
E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria.

Texto 2:
Amor é fogo que arde sem se ver
Luis Vaz de Camões
Identifique, na canção de Renato
Russo,
versos  que correspondem ao soneto
de
Camões.
Cereja,William Roberto. Português Linguagens: Volume 1, 2010
Antítese é uma figura de linguagem
que consiste na exposição de ideias
opostas.  Destaque no texto – Monte
Castelo
antíteses.

-  versos

que

constituem
1- Releia o poema de Camões e responda:
a.Quantas estrofes compõem o poema? Quantos
versos há em cada estrofe?
2- Qual é a palavra com que se inicia  e termina o
poema?
3- De acordo com o poema, pode-se dizer que as
pessoas apaixonadas se doam sem  esperar
retribuição. Destaque de vermelho o verso que
comprova essa ideia.
4.Observe os versos abaixo:
a.“Sem amor eu nada seria”
b. “É um contentamento
descontente”
c. “É cuidar que se ganha em se
perder”
Assinale um dos versos acima qie
apresenta a ideia mais abrangente
sobre o amor?
Classicismo e seu significado
A concepção estética que teve a base no Humanismo e no
Renascimento convencionou-se chamar Classicismo, isto porque os
clássicos eram os antigos  filósofos greco-latinos que por sua influência
e saber poderiam ser considerados importantes ao ponto de serem
estudado em  “classes”.
A idade média, para os renascentistas era vista como o período das
trevas, pois o renascentismo juntamente com o movimento clássico
era um período e um tempo de respostas para tudo, ou seja, o homem
era capaz de responder todos os mistérios e dúvidas ao qual Deus não
“conseguiria” responder.
A escola é muito marcada pelo
antropocentrismo (o homem como o centro do mundo e como a
criatura mais perfeita criada por Deus), essa transição se deu com a
evolução da ciência onde ela tentava explicar de uma maneira lógica
tudo que a religião não explicada o que levava as pessoas a
questionarem a sua fé, assim a religião passou a dividir o espaço com a
ciência.
O período clássico traz uma nova visão de mundo, onde a
sociedade passa a acreditar no que é racional, as pessoas começam a
agir pela razão e não mais pela emoção. Os textos clássicos se
apresentavam como poesias líricas e épicas, e a prosa que contava
histórias de novela sentimental, de cavalaria, crônicas e literatura de
viagem (diário). Esteticamente as obras literárias buscavam a beleza
que se encontrava na cultura grega sendo que eram muito utilizados
Luís Vaz de Camões
Um dos maiores escritores da escola classicista
Portuguesa é Camões escritor de “Os lusíadas”, que
retratava muito bem os sentimentos humanos. A base  do
amor para os poetas clássicos fundamentava-se,  em três
pensamentos diferentes: o racionalismo, a idealização e o
espiritualismo.
 
Camões escreveu poesias líricas e épicas, além de
várias peças teatrais. A obra Os lusíadas, foi publicada em
1572 , mostra muito bem como era a visão do mundo e
dos homens na época, algo próprio do classicismo.
Serviu como matéria informativa, ou melhor, como uma
reportagem de um dos fatos mais importantes da história
portuguesa. O poema tem como tema principal a
narração da viagem de Vasco da Gama as Índias,o
enfoque maior é no povo português, em como conseguiu
conquistar novas terras, por isso o enfoque é no povo e
não em alguém específico.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Literatura_classicista
Intertextualidade na
publicidade
Hortifruti usou a criatividade em uma
campanha publicitária e todas as
propagandas basearam-se em textos já
existentes. Identifique os textos originais
presentes na campanha. Sabendo que os
textos fazem parte de propagandas, qual
a intenção do autor ao utilizar
intertextos? Você acha que essa foi uma
boa ferramenta para as propagandas? 
Produza um texto publicitário para a imagem
abaixo, se possível faça a intertextualidade
com uma música.
Produza um texto publicitário para a imagem
abaixo, fazendo a intertextualidade com um
conhecido conto de fadas.
Veja o texto original
QUESTÕES – ENEM
1) Cândido Portinari (1903-1962), um dos mais importantes artistas
brasileiros do século XX, tratou de diferentes aspectos da nossa
realidade em seus quadros.
1.

3.

2.
4.
Sobre a temática dos retirantes, Portinari também escreveu o seguinte
poema:
(….)
Os retirantes vêm vindo com trouxas e embrulhos
Vêm das terras secas e escuras; pedregulhos
Doloridos como fagulhas de carvão aceso
Corpos disformes, uns panos sujos,
Rasgados e sem cor, dependurados
Homens de enorme ventre bojudo
Mulheres com trouxas caídas para o lado
Pançudas, carregando ao colo um garoto
Choramingando, remelento
(….)
(PORTINARI, Cândido. Poemas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1964.)
Das quatro obras reproduzidas, assinale aquelas que abordam a
problemática que é tema do poema.
(A) 1 e 2

(B) 1 e 3

(C) 2 e 3

(D) 3 e 4

(E) 2 e 4
2) Os transgênicos vêm ocupando parte da imprensa
com opiniões ora favoráveis ora desfavoráveis. Um
organismo, ao receber material genético de outra
espécie, ou modificado da mesma espécie, passa a
apresentar novas características. Assim, por exemplo, já
temos bactérias fabricando hormônios humanos,
algodão colorido e cabras que produzem fatores de
coagulação sangüínea humana. O belga René Magritte
(1896 – 1967), um dos pintores surrealistas mais
importantes, deixou obras enigmáticas.
Caso você fosse escolher uma ilustração para um
artigo sobre os transgênicos, qual das obras de
Magritte, abaixo, estaria mais de acordo com esse tema
tão polêmico?
(A)

(D)

(B)

(E)
(C)
3) Cândido Portinari (1903-1962), em seu livro Retalhos de
Minha Vida de Infância, descreve os pés dos trabalhadores.
Pés disformes. Pés que podem contar uma história.
Confundiam-se com as pedras e os espinhos. Pés
semelhantes aos mapas: com montes e vales, vincos como
rios. (...) Pés sofridos com muitos e muitos quilômetros de
marcha. Pés que só os santos têm. Sobre a terra, difícil era
distingui-los. Agarrados ao solo, eram como alicerces, muitas
vezes suportavam apenas um corpo franzino e doente.
(PORTINARI, Cândido. Retrospectiva. Catálogo MASP)

As fantasias sobre o Novo Mundo, a diversidade da natureza
e do homem americano e a crítica social foram temas que
inspiraram muitos artistas ao longo de nossa História. Dentre
estas imagens, a que melhor caracteriza a crítica social
contida no texto de Portinari é:
(A)
(D)

(B)

(C)

 

(E)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Jose Manuel Alho
 
Conto
ContoConto
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
Fábio Guimarães
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
Sadrak Silva
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Andriane Cursino
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
vanysouza
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Andriane Cursino
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
Valeria Nunes
 
Produção Textual - Manifesto
Produção Textual  - ManifestoProdução Textual  - Manifesto
Produção Textual - Manifesto
Elaine Teixeira
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
7 de Setembro
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
pnaicdertsis
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
AFMO35
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
Marô de Paula
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
ClaudiaAdrianaSouzaS
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
ionasilva
 

Mais procurados (20)

Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Conto
ContoConto
Conto
 
Estrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opiniãoEstrutura do-artigo-de-opinião
Estrutura do-artigo-de-opinião
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Interjeição
InterjeiçãoInterjeição
Interjeição
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Produção Textual - Manifesto
Produção Textual  - ManifestoProdução Textual  - Manifesto
Produção Textual - Manifesto
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Generos e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais pptGeneros e tipos textuais ppt
Generos e tipos textuais ppt
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Linha do tempo - Literatura
Linha do tempo - LiteraturaLinha do tempo - Literatura
Linha do tempo - Literatura
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 

Destaque

Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
guest4f8ac9b
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
lisiane23
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Marilia Teddy
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Walace Cestari
 
Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade
Olivier Fausti Olivier
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
SCMARQUES
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Marcia Facelli
 
Intertextualidade nas propagandas projeto
Intertextualidade nas propagandas  projetoIntertextualidade nas propagandas  projeto
Intertextualidade nas propagandas projeto
Uilma Melo
 
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_kochIntertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
marimidlej
 
Metalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidadeMetalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidade
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Edilson A. Souza
 
Trabalho sobre Intertextualidade
Trabalho sobre Intertextualidade Trabalho sobre Intertextualidade
Trabalho sobre Intertextualidade
Gabicapel
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Marilia Teddy
 
43733 1322396086230
43733 132239608623043733 1322396086230
43733 1322396086230
Maria Luiza Wilker
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Universidade de Sorocaba
 
A intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aulaA intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aula
Miquéias Vitorino
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
Miquéias Vitorino
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
Francione Brito
 

Destaque (20)

Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade Exercícios revisão intertextualidade
Exercícios revisão intertextualidade
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
 
Intertextualidade: paródia e paráfrase
Intertextualidade:   paródia e paráfraseIntertextualidade:   paródia e paráfrase
Intertextualidade: paródia e paráfrase
 
Intertextualidade nas propagandas projeto
Intertextualidade nas propagandas  projetoIntertextualidade nas propagandas  projeto
Intertextualidade nas propagandas projeto
 
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_kochIntertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
 
Metalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidadeMetalinguagem e intertextualidade
Metalinguagem e intertextualidade
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdiceIntertextualidade e a importância da leitura valdice
Intertextualidade e a importância da leitura valdice
 
Trabalho sobre Intertextualidade
Trabalho sobre Intertextualidade Trabalho sobre Intertextualidade
Trabalho sobre Intertextualidade
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
43733 1322396086230
43733 132239608623043733 1322396086230
43733 1322396086230
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
A intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aulaA intertextualidade: micro-aula
A intertextualidade: micro-aula
 
Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
 

Semelhante a Intertextualidade

Material do cursinho
Material do cursinhoMaterial do cursinho
Material do cursinho
Marconildo Viegas
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
Cris Damian
 
A ficção nas mídias
A ficção nas mídiasA ficção nas mídias
A ficção nas mídias
Paula R. Verani
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Hélio Consolaro
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
Priscila Lima
 
Intertextualidade 2020
Intertextualidade 2020Intertextualidade 2020
Intertextualidade 2020
Marcia Facelli
 
Intertextualidade na Canção e Poesia
Intertextualidade na Canção e PoesiaIntertextualidade na Canção e Poesia
Intertextualidade na Canção e Poesia
Adilson P Motta Motta
 
01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre
literatura_prefederal
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
Jomari
 
Seminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem FiguradaSeminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem Figurada
Joana Darc Remigio Coelho
 
Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _
Daniel Venâncio
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
Daniele Silva
 
Recursos expressivos1 (1)
Recursos expressivos1 (1)Recursos expressivos1 (1)
Recursos expressivos1 (1)
Vanda Marques
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
Mário Júnior Silva
 
Em intertextualidade
Em intertextualidadeEm intertextualidade
Em intertextualidade
Eduardo Aparecido Ambrozeto
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
otsciepalexandrecarvalho
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
otsciepalexandrecarvalho
 
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdfdf-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
lindamairy1
 
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdfdf-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
lindamairy1
 
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptxteoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
MarluceBrum1
 

Semelhante a Intertextualidade (20)

Material do cursinho
Material do cursinhoMaterial do cursinho
Material do cursinho
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
 
A ficção nas mídias
A ficção nas mídiasA ficção nas mídias
A ficção nas mídias
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
INTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADEINTERTEXTUALIDADE
INTERTEXTUALIDADE
 
Intertextualidade 2020
Intertextualidade 2020Intertextualidade 2020
Intertextualidade 2020
 
Intertextualidade na Canção e Poesia
Intertextualidade na Canção e PoesiaIntertextualidade na Canção e Poesia
Intertextualidade na Canção e Poesia
 
01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre01. intertextualidade pre
01. intertextualidade pre
 
Intertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e ParáfraseIntertextualidade e Paráfrase
Intertextualidade e Paráfrase
 
Seminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem FiguradaSeminário Linguagem Figurada
Seminário Linguagem Figurada
 
Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _Intertextualidade eproinfo _
Intertextualidade eproinfo _
 
Figuras de Linguagem
Figuras de LinguagemFiguras de Linguagem
Figuras de Linguagem
 
Recursos expressivos1 (1)
Recursos expressivos1 (1)Recursos expressivos1 (1)
Recursos expressivos1 (1)
 
Teoria da literatura
Teoria da literaturaTeoria da literatura
Teoria da literatura
 
Em intertextualidade
Em intertextualidadeEm intertextualidade
Em intertextualidade
 
Lingua Portuguesa
Lingua PortuguesaLingua Portuguesa
Lingua Portuguesa
 
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesaBanco de questões e soluções de língua portuguesa
Banco de questões e soluções de língua portuguesa
 
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdfdf-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
 
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdfdf-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
df-portugues-lorna-5f47b498e3297.pdf
 
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptxteoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
teoriadaliteratura-100703164724-phpapp01.pptx
 

Mais de Fabio Junior Sarti

Genero textual charge
Genero textual chargeGenero textual charge
Genero textual charge
Fabio Junior Sarti
 
Dias e noites
Dias e noitesDias e noites
Dias e noites
Fabio Junior Sarti
 
éTica
éTicaéTica
Pre gremio(1)
Pre gremio(1)Pre gremio(1)
Pre gremio(1)
Fabio Junior Sarti
 
Publicidade e Propaganda
Publicidade e PropagandaPublicidade e Propaganda
Publicidade e Propaganda
Fabio Junior Sarti
 
Alcool
AlcoolAlcool
Socialismo e capitalismo
Socialismo e capitalismoSocialismo e capitalismo
Socialismo e capitalismo
Fabio Junior Sarti
 
Pontilhismo
PontilhismoPontilhismo
Pontilhismo
Fabio Junior Sarti
 
Regionalizacao
RegionalizacaoRegionalizacao
Regionalizacao
Fabio Junior Sarti
 

Mais de Fabio Junior Sarti (9)

Genero textual charge
Genero textual chargeGenero textual charge
Genero textual charge
 
Dias e noites
Dias e noitesDias e noites
Dias e noites
 
éTica
éTicaéTica
éTica
 
Pre gremio(1)
Pre gremio(1)Pre gremio(1)
Pre gremio(1)
 
Publicidade e Propaganda
Publicidade e PropagandaPublicidade e Propaganda
Publicidade e Propaganda
 
Alcool
AlcoolAlcool
Alcool
 
Socialismo e capitalismo
Socialismo e capitalismoSocialismo e capitalismo
Socialismo e capitalismo
 
Pontilhismo
PontilhismoPontilhismo
Pontilhismo
 
Regionalizacao
RegionalizacaoRegionalizacao
Regionalizacao
 

Intertextualidade

  • 1. INTERTEXTUALID ADE Professora: Alessandra Martins Ribeiro Disciplina: Língua Portuguesa
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5. Canção do exílio Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá. Nosso céu tem mais estrelas, Nossas várzeas têm mais flores, Nossos bosques têm mais vida, Nossa vida mais amores. Em cismar, sozinho, à noite, Mais prazer eu encontro lá; Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá.
  • 6.
  • 7. Intertextualidade É a relação entre dois textos caracterizados por um citar o outro. Cereja,William Roberto. Português Linguagens: Volume 1, 2010
  • 8. INTERTEXTUALIDADE Podemos perceber a intertextualidade de duas maneiras: • Explícita: facilmente notada e parte do corpo do texto (geralmente apoiando-se justamente no conhecimento do senso comum por parte do leitor/espectador). Exemplo: Série cinematográfica Shrek Gato de Botas Presença de diversas referências dos contos de fadas (ou contos infantis) citações, como o filme Matrix, lendas medievais, etc. Rapunzel, Branca de Neve, Cinderela e muitos outros...
  • 9. INTERTEXTUALIDADE • Implícito: Dependendo muito do olhar do leitor/espectador para ser encontrado e, muitas vezes, colocado de forma inconsciente pelo autor. Exemplo: A história da saga Crepúsculo Referências clássicas do gênero, como Drácula. Referências como A Bela e a Fera História do “amor proibido”, que remete a Romeu e Julieta
  • 10. Tipos de intertextualidade Pode-se destacar sete tipos de intertextualidade: • Epígrafe • Citação • Paráfrase  • Paródia  • Pastiche  • Tradução  • Referência  • Alusão
  • 11. Epígrafe Na literatura, epígrafe é uma citação ou frase curta, que, colocado no início de uma obra, serve como tema ou assunto para resumir ou introduzir a obra. Constitui uma escrita introdutória a outra, um texto breve, em forma de inscrição solene, que abre um livro ou uma composição poética.
  • 12. Exemplo de Epígrafe "Mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, tu não poderás comer dela: no dia em que tu comeres tu poderás certamente morrer. ” Epígrafe retirada do livro Crepúsculo
  • 13. Citação As citações na produção textual são feitas para apoiar uma hipótese, sustentar uma ideia ou ilustrar um raciocínio. Sua função é oferecer ao leitor o respaldo necessário para que ele possa comprovar a veracidade das informações fornecidas e possibilitar o seu aprofundamento.
  • 14. Exemplo de Citação O valor da informação está relacionado com o poder de ajuda aos tomadores de decisões a atingirem os objetivos da empresa (FRUTAO, 1998).
  • 15. Paráfrase Representa uma reescritura do texto original com novas palavras sem que o sentido do mesmo seja modificado. Assim, a paráfrase é uma reprodução da ideia do autor com as palavras do discente (aluno), utilizando-se de sinônimos, inversões de períodos, etc. O autor da paráfrase deve demonstrar que entendeu claramente a ideia do texto.
  • 16. Exemplo de Paráfrase Texto Original Minha terra tem palmeiras Onde canta o sabiá, As aves que aqui gorjeiam Não gorjeiam como lá. (Gonçalves Dias, “Canção do exílio”). Paráfrase Meus olhos brasileiros se fecham saudosos Minha boca procura a ‘Canção do Exílio’. Como era mesmo a ‘Canção do Exílio’? Eu tão esquecido de minha terra… Ai terra que tem palmeiras Onde canta o sabiá! (Carlos Drummond de Andrade, “Europa, França e Bahia”).
  • 17. Paródia A Paródia é uma imitação, na maioria das vezes cômica, de uma composição literária, (também existem paródias de filmes e músicas), utilizando a ironia e o deboche. Ela geralmente é parecida com a obra de origem, e quase sempre tem sentidos diferentes. Na literatura a paródia é um processo de intertextualização, com a finalidade de desconstruir ou reconstruir um texto.
  • 18. Exemplo de Paródia "*Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá.“ (Canção do exílio - Gonçalves Dias) A paródia de Oswald de Andrade:   "Minha terra tem palmares onde gorjeia o mar Os passarinhos daqui Não cantam como os de lá"
  • 19. Pastiche  Pratica intertextual a partir de um processo de simulação do estilo de um artista, de uma escola literária (Classicismo, Barroco, Parnasianismo), ou de um gênero textual (notícia, receitas, propagandas, dicionários). O pastiche pode ser plágio, por isso tem sentido pejorativo, ou é uma recorrência a um gênero.
  • 20. Exemplo de Pastiche O amor – poesia futurista A Dona Branca Clara Tome-se duas dúzias de beijocas Acrescente-se uma dose de pimenta do Desejo Adicione-se três gramas de polvilho do Ciúme Deite-se quatro colheres de açúcar de Melancolia Coloque-se dois ovos Agiste-se com o braço da Fatalidade E dê de duas horas em duas horas marcadas No relógio de um ponteiro só! Oswald de Andrade
  • 21. Tradução  É uma atividade que abrange a interpretação do significado de um texto em uma língua — o texto fonte — e a produção de um novo texto em outra língua mas que exprima o texto original da forma mais exata possível na língua destino; O texto resultante também se chama tradução.
  • 23. Referência bibliográfica/ citação bibliográfica É um conjunto de elementos de uma obra escrita (como título, autor, editora, local de publicação e outras) que permite a sua identificação, normalmente apresentadas no final de uma obra, dá-se o nome de "referências bibliográficas" ou apenas "referências". (não confundir com citação)
  • 24. Exemplo de Referência bibliográfica Cereja, William Roberto. Português linguagens: volume1/William Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães. – 7. ed. Reform. – São Paulo: Saraiva, 2010
  • 26. Exemplo de Alusão • O titulo da reportagem: “Infinito, mas enquanto durou” se referindo ao verso de Vinicius de Moraes “que seja infinito enquanto dure” que, por sua vez, faz alusão ao pensamento de Sofocleto: “o amor é eterno enquanto dura”. • Esse rapaz é um Don Juan. • Que sujeito maquiavélico.
  • 27. A intertextualidade pode ocorrer em diversas áreas do conhecimento. Seguem-se algumas delas: PINTURA LITERATURA PUBLICIDADE
  • 28. NA PINTURA: O Nascimento de Vênus O nascimento de Vênus Sandro Botticelli, 1483
  • 29. A pintura mostra a Vênus surgindo nua de uma concha sobre as espumas do mar. A obra ainda apresenta Zéfiro, o vento do Oeste, assoprando na direção da deusa, acompanhado pela  ninfa Clóris.  À direita de Vênus, há uma Hora (deusas das estações) que lhe entrega um manto com flores bordadas. Na época, O Nascimento de Vênus e A Alegoria da Primavera, ambos de Botticelli, foram produzidos por encomenda de Lorenzo di Pierfrancesco, um político e banqueiro italiano que queria enfeitar sua residência, a Villa Medicea di Castello. Esta obra de Botticelli foi influenciada pelo neoplatonismo cristão, pois o pintor havia participado dos círculos de Lourenço de Médici, que tinham por objetivo conciliar as ideias clássicas às cristãs. Acredita-se que a nudez da deusa não representa a paixão carnal, mas sim a paixão espiritual. Na obra, Vênus é apresentada de forma esguia e com traços harmoniosos. Além disso, Botticelli utiliza cores claras e puras, exaltando a pureza da alma e a beleza clássica. Em sua totalidade, a obra apresenta serenidade e luminosidade, o que pode ser compreendido de duas formas.
  • 32. Observe algumas cenas do filme Shrek, relacione as semelhanças com outros filmes que vier em sua mente e escreva suas observações.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 39. Observe as charges abaixo e produza um texto para as cenas.
  • 40.
  • 41. Veja agora, como é o texto original.
  • 42.
  • 44. Crie um texto para a tirinha abaixo
  • 45.
  • 47. Texto 1: Monte Castelo Renato Russo Ainda que eu falasse a língua dos homens. E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. É só o amor, é só o amor. Que conhece o que é verdade. O amor é bom, não quer o mal. Não sente inveja ou se envaidece. O amor é o fogo que arde sem se ver. É ferida que dói e não se sente. É um contentamento descontente. É dor que desatina sem doer. Ainda que eu falasse a língua dos homens. E falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria. Texto 2: Amor é fogo que arde sem se ver Luis Vaz de Camões
  • 48. Identifique, na canção de Renato Russo, versos  que correspondem ao soneto de Camões. Cereja,William Roberto. Português Linguagens: Volume 1, 2010
  • 49. Antítese é uma figura de linguagem que consiste na exposição de ideias opostas.  Destaque no texto – Monte Castelo antíteses. -  versos que constituem
  • 50. 1- Releia o poema de Camões e responda: a.Quantas estrofes compõem o poema? Quantos versos há em cada estrofe? 2- Qual é a palavra com que se inicia  e termina o poema? 3- De acordo com o poema, pode-se dizer que as pessoas apaixonadas se doam sem  esperar retribuição. Destaque de vermelho o verso que comprova essa ideia.
  • 51. 4.Observe os versos abaixo: a.“Sem amor eu nada seria” b. “É um contentamento descontente” c. “É cuidar que se ganha em se perder” Assinale um dos versos acima qie apresenta a ideia mais abrangente sobre o amor?
  • 52. Classicismo e seu significado A concepção estética que teve a base no Humanismo e no Renascimento convencionou-se chamar Classicismo, isto porque os clássicos eram os antigos  filósofos greco-latinos que por sua influência e saber poderiam ser considerados importantes ao ponto de serem estudado em  “classes”. A idade média, para os renascentistas era vista como o período das trevas, pois o renascentismo juntamente com o movimento clássico era um período e um tempo de respostas para tudo, ou seja, o homem era capaz de responder todos os mistérios e dúvidas ao qual Deus não “conseguiria” responder. A escola é muito marcada pelo antropocentrismo (o homem como o centro do mundo e como a criatura mais perfeita criada por Deus), essa transição se deu com a evolução da ciência onde ela tentava explicar de uma maneira lógica tudo que a religião não explicada o que levava as pessoas a questionarem a sua fé, assim a religião passou a dividir o espaço com a ciência. O período clássico traz uma nova visão de mundo, onde a sociedade passa a acreditar no que é racional, as pessoas começam a agir pela razão e não mais pela emoção. Os textos clássicos se apresentavam como poesias líricas e épicas, e a prosa que contava histórias de novela sentimental, de cavalaria, crônicas e literatura de viagem (diário). Esteticamente as obras literárias buscavam a beleza que se encontrava na cultura grega sendo que eram muito utilizados
  • 53. Luís Vaz de Camões Um dos maiores escritores da escola classicista Portuguesa é Camões escritor de “Os lusíadas”, que retratava muito bem os sentimentos humanos. A base  do amor para os poetas clássicos fundamentava-se,  em três pensamentos diferentes: o racionalismo, a idealização e o espiritualismo.   Camões escreveu poesias líricas e épicas, além de várias peças teatrais. A obra Os lusíadas, foi publicada em 1572 , mostra muito bem como era a visão do mundo e dos homens na época, algo próprio do classicismo. Serviu como matéria informativa, ou melhor, como uma reportagem de um dos fatos mais importantes da história portuguesa. O poema tem como tema principal a narração da viagem de Vasco da Gama as Índias,o enfoque maior é no povo português, em como conseguiu conquistar novas terras, por isso o enfoque é no povo e não em alguém específico. http://pt.wikipedia.org/wiki/Literatura_classicista
  • 55.
  • 56.
  • 57. Hortifruti usou a criatividade em uma campanha publicitária e todas as propagandas basearam-se em textos já existentes. Identifique os textos originais presentes na campanha. Sabendo que os textos fazem parte de propagandas, qual a intenção do autor ao utilizar intertextos? Você acha que essa foi uma boa ferramenta para as propagandas? 
  • 58. Produza um texto publicitário para a imagem abaixo, se possível faça a intertextualidade com uma música.
  • 59.
  • 60. Produza um texto publicitário para a imagem abaixo, fazendo a intertextualidade com um conhecido conto de fadas.
  • 61. Veja o texto original
  • 63. 1) Cândido Portinari (1903-1962), um dos mais importantes artistas brasileiros do século XX, tratou de diferentes aspectos da nossa realidade em seus quadros. 1. 3. 2. 4.
  • 64. Sobre a temática dos retirantes, Portinari também escreveu o seguinte poema: (….) Os retirantes vêm vindo com trouxas e embrulhos Vêm das terras secas e escuras; pedregulhos Doloridos como fagulhas de carvão aceso Corpos disformes, uns panos sujos, Rasgados e sem cor, dependurados Homens de enorme ventre bojudo Mulheres com trouxas caídas para o lado Pançudas, carregando ao colo um garoto Choramingando, remelento (….) (PORTINARI, Cândido. Poemas. Rio de Janeiro: José Olympio, 1964.) Das quatro obras reproduzidas, assinale aquelas que abordam a problemática que é tema do poema. (A) 1 e 2 (B) 1 e 3 (C) 2 e 3 (D) 3 e 4 (E) 2 e 4
  • 65. 2) Os transgênicos vêm ocupando parte da imprensa com opiniões ora favoráveis ora desfavoráveis. Um organismo, ao receber material genético de outra espécie, ou modificado da mesma espécie, passa a apresentar novas características. Assim, por exemplo, já temos bactérias fabricando hormônios humanos, algodão colorido e cabras que produzem fatores de coagulação sangüínea humana. O belga René Magritte (1896 – 1967), um dos pintores surrealistas mais importantes, deixou obras enigmáticas. Caso você fosse escolher uma ilustração para um artigo sobre os transgênicos, qual das obras de Magritte, abaixo, estaria mais de acordo com esse tema tão polêmico?
  • 67. 3) Cândido Portinari (1903-1962), em seu livro Retalhos de Minha Vida de Infância, descreve os pés dos trabalhadores. Pés disformes. Pés que podem contar uma história. Confundiam-se com as pedras e os espinhos. Pés semelhantes aos mapas: com montes e vales, vincos como rios. (...) Pés sofridos com muitos e muitos quilômetros de marcha. Pés que só os santos têm. Sobre a terra, difícil era distingui-los. Agarrados ao solo, eram como alicerces, muitas vezes suportavam apenas um corpo franzino e doente. (PORTINARI, Cândido. Retrospectiva. Catálogo MASP) As fantasias sobre o Novo Mundo, a diversidade da natureza e do homem americano e a crítica social foram temas que inspiraram muitos artistas ao longo de nossa História. Dentre estas imagens, a que melhor caracteriza a crítica social contida no texto de Portinari é: