SlideShare uma empresa Scribd logo
Sonetos
Luís de Camões
Prof. José Ricardo Lima
www.literaturaeshow.com.br
O AUTOR
SONETOS Luís de Camões
 Luís Vaz de Camões
 (Lisboa[?], 1524 — Lisboa, 10 de
junho de 1579 ou 1580) foi
um poeta nacional de Portugal,
considerado uma das maiores
figuras da literatura lusófona e
um dos grandes poetas da
tradição ocidental.
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
o autor
SLIDES SOBRE O CLASSICISMO
PORTUGUÊS

Recomendado para você

Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece

Este poema é uma prece de Fernando Pessoa a Deus pedindo ajuda para reacender a alma portuguesa e permitir que Portugal conquiste novamente sua glória, seja nos mares ou culturalmente. O poema contrasta a situação atual de tristeza com a esperança de que, assim como uma chama quase apagada pode ser reavivada, Portugal também pode renascer de suas cinzas com a ajuda divina.

precepessoafernando
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro

O documento fornece informações sobre o heterónimo Alberto Caeiro de Fernando Pessoa. Apresenta sua biografia, características poéticas, filosofia anti-metafísica e objetivista e ideias fundamentais como a importância das sensações e a harmonia com a natureza.

Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos

Este documento fornece informações sobre o poeta português Fernando Pessoa e seus heterônimos Alberto Caeiro, Ricardo Reis e Álvaro de Campos. Apresenta detalhes biográficos sobre cada um deles e descreve suas principais características temáticas e estilísticas, incluindo trechos de poemas representativos de cada heterônimo.

fernando pessoaheterónimosortónimo
TEXTOS PARA LEITURA E ANÁLISE
SONETOS Luís de Camões
Amor é um fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.
É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.
É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.
Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
PRIMEIRA PARTE (verso 1 ao 11)
 Tentativa de uma definição “racional” do
amor;
 Metáforas paradoxais;
 Presença de anáfora;
SEGUNDA PARTE (verso 12 a 14)
 Adversidade;
 O amor é paradoxal, pois é contrário a si
mesmo;
 Reflexão inconclusiva, pois termina com
uma pergunta.
INTERTEXTUALIDADE
 Monte Castelo (Legião urbana)
SONETOS Luís de Camões
Ah! minha Dinamene! Assi deixaste
quem não deixara nunca de querer-te?
Ah! Ninfa minha! Já não posso ver-te,
tão asinha esta vida desprezaste!
Como já para sempre te apartaste
de quem tão longe estava de perder-te?
Puderam estas ondas defender-te,
que não visses quem tanto magoaste?
Nem falar-te somente a dura morte
me deixou, que tão cedo o negro manto
em teus olhos deitado consentiste!
Ó mar, ó Céu, ó minha escura sorte!
Que pena sentirei, que valha tanto,
que inda tenho por pouco o viver triste?
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
 Dinamene: ninfa, nereida (Nereu + Dóris);
amada de Camões (Oriente);
 ARCAÍSMOS: Assí (v.1) e Inda (v13)morte
depressa
Para o eu lírico, é como se ela tivesse
“concordado” com a morte
As nereidas estavam relacionadas às águas
e Dinamene morreu afogada
Interjeição: saudade
O céu. Onde está Dinamene, aparece personificado (letra maiúscula)
Luto em função da morte da amada
O eu lírico pressente que seus anos serão curtos
SONETOS Luís de Camões
Alma minha gentil, que te partiste
tão cedo desta vida descontente,
repousa lá no Céu eternamente,
e viva eu cá na terra sempre triste.
Se lá no assento etéreo, onde subiste,
memória desta vida se consente,
não te esqueças daquele amor ardente
que já nos olhos meus tão puro viste.
E se vires que pode merecer-te
algua causa a dor que me ficou
da mágoa, sem remédio, de perder-te,
roga a Deus, que teus anos encurtou,
que tão cedo de cá me leve a ver-te,
quão cedo de meus olhos te levou.
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
cacófato
morte
ANTÍTESES: “Céu” e “Terra” / “repousa” e “viva”
Uma visão cristã de “céu”
ANTÍTESES: amor neoplatônico X amor erótico
Éter: quinta essência (Aristóteles)
arcaísmo
Para o eu lírico, é como se ela tivesse
“concordado” com a morte. Ele fica “sentido”,
magoado.
Novamente, a ideia de uma morte prematura, já
expressa no outro poema
Peça a Deus que eu morra também. Que sua
vida seja tão breve como a da amada.

Recomendado para você

Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde

O poema descreve o amor como um sentimento contraditório através de uma série de metáforas e antíteses. O poeta questiona como o amor, sendo tão contrário a si mesmo, pode causar conformidade nos corações humanos.

lírica camoniana
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra

Este soneto descreve a beleza da natureza, mas explica que sem a presença da amada tudo parece sem graça. A primeira parte descreve a paisagem harmoniosa, mas na segunda parte o poeta diz que sem ver a amada tudo o aborrece e vive na tristeza, mesmo nas alegrias.

lírica camoniana
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"

O poema descreve a terra dos sonhos e a dúvida entre sonho e realidade, expressando como a felicidade não depende do local mas sim de dentro de nós.

fernado pessoapoemapoemas
SONETOS Luís de Camões
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
Questa anima gentil che si diparte,
anzi tempo chiamata a l’altra vita,
se lassuso è quanto esser dê gradita,
terrà del ciel la piú beata parte.
S’ella riman fra ’l terzo lume et Marte,
fia la vista del sole scolorita,
poi ch’a mirar sua bellezza infinita
l’anime degne intorno a lei fien sparte.
Se si posasse sotto al quarto nido,
ciascuna de le tre saria men bella,
et essa sola avria la fama e ’l grido;
nel quinto giro non habitrebbe ella;
ma se vola piú alto, assai mi fido
che con Giove sia vinta ogni altra stella.
Alma minha gentil, que te partiste
tão cedo desta vida descontente,
repousa lá no Céu eternamente,
e viva eu cá na terra sempre triste.
Se lá no assento etéreo, onde subiste,
memória desta vida se consente,
não te esqueças daquele amor ardente
que já nos olhos meus tão puro viste.
E se vires que pode merecer-te
algua causa a dor que me ficou
da mágoa, sem remédio, de perder-te,
roga a Deus, que teus anos encurtou,
que tão cedo de cá me leve a ver-te,
quão cedo de meus olhos te levou.
Essa alma genti l que partiu,
antes do tempo, chamada a outra vida,
terá no céu segura acolhida
terá no céu a mais beata parte.
Se ela ficar entre a terceira luz e Marte
será a vista do sol descolorida
depois virá, toda alma ao céu subida
em torno dela olhar beleza infinita.
Se pousar abaixo do quarto ninho,
nenhuma das três será mais bela,
que está só, espalhada a fama e o grito;
No quinto giro não chegará ela;
mas se voar alto, em muito confio
ser vencido Júpiter e cada outra estrela;
SONETO CAMONIANO CONGÊNERE PETRARQUIANO TRADUÇÃO LIVRE
LITERATURA MIMÉTICA: A CÓPIA DOS CLÁSICOS
SONETOS Luís de Camões
Busque Amor novas artes, novo engenho,
para matar me, e novas esquivanças;
que não pode tirar me as esperanças,
que mal me tirará o que eu não tenho.
Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
andando em bravo mar, perdido o lenho.
Mas, conquanto não pode haver desgosto
onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.
Que dias há que n'alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como, e dói não sei porquê.
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
O soneto estabelece sua função retórica,
mesmo dialética, na exposição argumenta-
tiva. Obedecendo ao modelo clássico, sua
composição permite a ambientação da
divisão temática e a construção de uma
unidade sonora rica, a qual, ao passo
que atua na familiarização de uma
estrofe à outra, atua também no sentido
de promover a ilustração estrutural do
discurso, relacionando poeticamente
proposições e argumentos. A adoção do
soneto ainda é justificada tendo em
vista a familiaridade de sua marcha
sonora ao silogismo, explícito na
primeira e terceira estrofe, notado no
esquema seguinte:
SONETOS Luís de Camões
Busque Amor novas artes, novo engenho,
para matar-me, e novas esquivanças;
que não pode tirar me as esperanças,
que mal me tirará o que eu não tenho.
Olhai de que esperanças me mantenho!
Vede que perigosas seguranças!
Que não temo contrastes nem mudanças,
andando em bravo mar, perdido o lenho.
Mas, conquanto não pode haver desgosto
onde esperança falta, lá me esconde
Amor um mal, que mata e não se vê.
Que dias há que n'alma me tem posto
um não sei quê, que nasce não sei onde,
vem não sei como, e dói não sei porquê.
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
Proposição 1ª estrofe:
- As artes e o engenho do Amor não tirarão a
esperança do eu lírico.
Argumentação 1ª estrofe:
- O Amor não pode tirar a esperança de onde
ela não existe. O eu lírico não tem esperança.
Proposição 3ª estrofe:
- Eu lírico não sofrerá desgosto.
Argumentação 3ª estrofe:
- Onde falta esperança, não há desgosto. O eu
lírico não tem esperança.
Enquanto primeira e terceira estrofes tematizam a questão por
meio de silogismos, o segundo quarteto e terceto o fazem
através de torneios discursivos, utilizando a retórica
composta por imagens, paradoxos, sínquise, que em associação
à sonoridade e repetição de palavras, têm a função de
acentuar a dúvida sobre o inconceituável sentimento de amar.
SONETOS Luís de Camões
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
TEMPUS FUGIT / instabilidade das coisas / a inexorabilidade do tempo
PARADOXO: No mundo, TUDO MUDA. Apenas uma
coisa permanece: a MUDANÇA.
Na 1ª quadra, o sujeito poético refere que as pessoas mudam e
que, por isso, os interesses e os sentimentos também evoluem. A
forma de ser, a personalidade alteram-se assim como a confiança
em si próprio e nos outros.
O advérbio Continuamente reforça esta ideia de que a
mudança ininterrupta do mundo não se controla e que as
mudanças são, normalmente, para pior.
O eu lírico chega a questionar a
felicidade
ANTÍTESES na Natureza, tudo se renova mas no Homem as mudanças
são irreversíveis, sem retorno.
No 2º terceto, 1º verso, retoma-se a ideia desta
mudança contínua e incontornável já expressa pelo
advérbio da 2ª quadra, Continuamente. O sujeito revela
o seu espanto pelo fato de já não se reconhecer no que
vai mudando pois a própria mudança está a mudar...
Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
Muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.
Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem (se algum houve), as saudades.
O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria, e, enfim,
converte em choro o doce canto.
E, afora este mudar-se cada dia,
outra mudança faz de mor espanto,
que não se muda já como soía.

Recomendado para você

Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo

O documento discute a obra do poeta português Fernando Pessoa. Apresenta alguns dos principais temas em sua poesia como o fingimento artístico, a dor de pensar, a nostalgia da infância e a fragmentação do eu. Explora também dicotomias como consciência/inconsciência e realidade/sonho que estão presentes em sua obra. Resume brevemente o conteúdo de alguns de seus poemas mais conhecidos.

Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise

O poema descreve o poeta Alberto Caeiro como alguém que se identifica com a natureza e deseja abolir o pensamento. Ele compara seus pensamentos a um rebanho e seus estados de espírito a momentos da natureza. Caeiro lamenta ter consciência de seus pensamentos e deseja apenas sentir e ver, sem o incômodo de pensar.

Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos

Este poema descreve a filosofia de Alberto Caeiro de viver no presente e aceitar o mundo tal como ele é, sem questioná-lo ou procurar significados ocultos. Caeiro vê seus pensamentos como um rebanho e compara a tristeza de pensar com a dificuldade de andar na chuva. Ele encontra a paz não tendo ambições ou desejos, vivendo apenas para contemplar a natureza.

SONETOS Luís de Camões
Sete anos de pastor Jacob servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
mas não servia ao pai, servia a ela,
e a ela só por prémio pretendia.
Os dias, na esperança de um só dia,
passava, contentando se com vê la;
porém o pai, usando de cautela,
em lugar de Raquel lhe dava Lia.
Vendo o triste pastor que com enganos
lhe fora assi negada a sua pastora,
como se a não tivera merecida;
começa de servir outros sete anos,
dizendo: —Mais servira, se não fora
para tão longo amor tão curta a vida.
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
E Labão tinha duas filhas; o nome da mais velha era Lia, e o nome da menor
Raquel. Lia tinha olhos tenros, mas Raquel era de formoso semblante e formosa
à vista. E Jacó amava a Raquel, e disse: Sete anos te servirei por Raquel, tua
filha menor. Então disse Labão: Melhor é que eu a dê a ti, do que eu a dê a outro
homem; fica comigo. Assim serviu Jacó sete anos por Raquel; e estes lhe
pareceram como poucos dias, pelo muito que a amava. E disse Jacó a Labão:
Dá-me minha mulher, porque meus dias são cumpridos, para que eu me case
com ela. Então reuniu Labão a todos os homens daquele lugar, e fez um
banquete. E aconteceu, à tarde, que tomou Lia, sua filha, e trouxe-a a Jacó que a
possuiu. E Labão deu sua serva Zilpa a Lia, sua filha, por serva. E aconteceu que
pela manhã, viu que era Lia; pelo que disse a Labão: Por que me fizeste isso?
Não te tenho servido por Raquel? Por que então me enganaste? E disse Labão:
Não se faz assim no nosso lugar, que a menor se dê antes da primogênita.
Cumpre a semana desta; então te daremos também a outra, pelo serviço que
ainda outros sete anos comigo servires. E Jacó fez assim, e cumpriu a semana
de Lia; então lhe deu por mulher Raquel sua filha. E Labão deu sua serva Bila
por serva a Raquel, sua filha. E possuiu também a Raquel, e amou também a
Raquel mais do que a Lia e serviu com ele ainda outros sete anos.
Gênesis 29, 16-30
SONETOS Luís de Camões
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
A simbologia bíblica do “sete”
Sete anos de pastor Jacob servia
Labão, pai de Raquel, serrana bela;
mas não servia ao pai, servia a ela,
e a ela só por prémio pretendia.
Os dias, na esperança de um só dia,
passava, contentando se com vê-la;
porém o pai, usando de cautela,
em lugar de Raquel lhe dava Lia.
Vendo o triste pastor que com enganos
lhe fora assi negada a sua pastora,
como se a não tivera merecida;
começa de servir outros sete anos,
dizendo: — Mais servira, se não fora
para tão longo amor tão curta a vida.
amor neoplatônico
A construção de um soneto pastoril de inspiração bíblica,
demonstra uma dupla filiação de Camões dentro da poesia
ocidental: ele valoriza tanto o pilar greco-latino quanto o
hebraico-cristão.
RIMA “IMPERFEITA”
As diferenças entre o soneto e
o texto-matriz
brevidade da vida (tempus fugit)
SONETOS Luís de Camões
Transforma-se o amador na cousa amada,
por virtude do muito imaginar;
não tenho, logo, mais que desejar,
pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minha alma transformada,
que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si sòmente pode descansar,
pois consigo tal alma está liada. [ligada]
Mas esta linda e pura semideia, [semideusa]
que, como um acidente em seu sujeito,
assi co a alma minha se conforma,
está no pensamento como ideia:
[e] o vivo e puro amor de que sou feito,
como a matéria simples busca a forma.
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
“Transforma-se o amador na cousa
amada” pode ser reflexo de uma
opinião de Pseudo-Dionísio, que foi
um filósofo neoplatônico que afirmou
que o amor é uma força unitiva e
consistente. São Tomás de Aquino
esclareceu que isso quer dizer que
existem duas formas de união entre o
amador e o amado: a primeira é a
união real, e a segunda é a união
intelectual e a inclinação que a
pessoa tem em relação à outra, de
maneira que ela passa a participar da
pessoa amada de alguma forma. Como
participa da pessoa amada, o amante
só pode ter nele a parte desejada.
SONETOS Luís de Camões
Transforma-se o amador na cousa amada,
por virtude do muito imaginar;
não tenho, logo, mais que desejar,
pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minha alma transformada,
que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si sòmente pode descansar,
pois consigo tal alma está liada.
Mas esta linda e pura semideia,
que, como um acidente em seu sujeito,
assi co a alma minha se conforma,
está no pensamento como ideia:
[e] o vivo e puro amor de que sou feito,
como a matéria simples busca a forma.
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
Não necessitando do amor dos corpos,
pois já existe uma ligação das almas,
o amante contempla a “semideia” .
“Como um acidente em seu sujeito”
pode ser referente a afirmação de São
Tomás, inspirado por Aristóteles, que
“o sujeito está para o acidente como
a potência para o ato; pois, em
relação ao acidente, o sujeito é, de
certo modo, atual”.

Recomendado para você

As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo

As Cantigas de Amigo são canções portuguesas da Idade Média que expressam os sentimentos de amor de uma donzela por seu amado ausente. Geralmente possuem estrutura simples com refrão e paralelismo, e descrevem ambientes rurais e populares. Abordam temas como saudade, espera, alegria e sofrimento amoroso.

Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor

Este documento descreve as Cantigas de Amor, uma forma lírica trovadoresca portuguesa influenciada pela Provença. Resume suas origens, características, vocabulário, estrutura e regras do amor cortês, no qual o trovador serve sua dama de forma idealizada e passa por provações para conquistar seus favores.

literatura portuguesa
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - OrtónimoAnálise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo

O poema descreve a morte de um jovem soldado em uma planície abandonada. Simboliza a brevidade da vida através de objetos como uma cigarreira dada pela mãe e um lenço dado por uma criada. Conclui com o contraste entre as preces da família em casa e a dura realidade do soldado morto longe de casa.

fernando pessoa analise poema o menino de sua mãe
SONETOS Luís de Camões
Transforma-se o amador na cousa amada,
por virtude do muito imaginar;
não tenho, logo, mais que desejar,
pois em mim tenho a parte desejada.
Se nela está minha alma transformada,
que mais deseja o corpo de alcançar?
Em si sòmente pode descansar,
pois consigo tal alma está liada.
Mas esta linda e pura semideia,
que, como um acidente em seu sujeito,
assi co a alma minha se conforma,
está no pensamento como ideia:
[e] o vivo e puro amor de que sou feito,
como a matéria simples busca a forma.
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
textos
A amada está em seu pensamento como
uma Ideia platônica que busca a forma
Aristotélica no mundo da physis. O
poema é uma batalha entre as duas
escolas, a platônica e a
aristotélica, que reflete o mundo da
filosofia no Renascimento. O mundo
das ideias de Platão misturado com a
matéria e forma de Aristóteles fazem
desse poema uma das obras-primas da
poesia de todos os países em todos os
tempos.
O espelho
Machado de Assis
Prof. José Ricardo Lima
www.literaturaeshow.com.br
SONETOS Luís de Camões
 Luís Vaz de Camões
 (Lisboa[?], 1524 — Lisboa, 10 de
junho de 1579 ou 1580) foi
um poeta nacional de Portugal,
considerado uma das maiores
figuras da literatura lusófona e
um dos grandes poetas da
tradição ocidental.
Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br
o autor

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
713773
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
Paula CAA
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
Samuel Neves
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Ricardo Amaral
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
Helena Coutinho
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
Helena Coutinho
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
Margarida Rodrigues
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Anabela Fernandes
 
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Bruno Meirim
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
Helena Coutinho
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
Helena Coutinho
 
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - OrtónimoAnálise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
João Barreira
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
Camões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obraCamões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obra
Dina Baptista
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
Isabel DA COSTA
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
Helena Coutinho
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
domplex123
 

Mais procurados (20)

Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 
Analise de poemas
Analise de poemasAnalise de poemas
Analise de poemas
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
Fernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa PreceFernando Pessoa Prece
Fernando Pessoa Prece
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
Fernando pessoa ortónimo e heterónimos
 
Amor é fogo que arde
Amor é fogo que ardeAmor é fogo que arde
Amor é fogo que arde
 
A formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serraA formosura desta fresca serra
A formosura desta fresca serra
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Fernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-OrtónimoFernando Pessoa-Ortónimo
Fernando Pessoa-Ortónimo
 
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análiseAlberto caeiro   eu nunca guardei rebanhos- análise
Alberto caeiro eu nunca guardei rebanhos- análise
 
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhosAlberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
Alberto Caeiro - poema I do guardador de rebanhos
 
As cantigas de amigo
As cantigas de amigoAs cantigas de amigo
As cantigas de amigo
 
Cantigas de amor
Cantigas de amorCantigas de amor
Cantigas de amor
 
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - OrtónimoAnálise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
Análise do poema "O menino de sua mãe", de Fernando Pessoa - Ortónimo
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Camões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obraCamões lírico: vida obra
Camões lírico: vida obra
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
1.conto, características
1.conto, características1.conto, características
1.conto, características
 
Esquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versosEsquema rimatico e versos
Esquema rimatico e versos
 

Semelhante a Sonetos (Camões) UNICAMP

Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsfUnic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Welington Fernandes
 
Luis de camões 1
Luis de camões 1Luis de camões 1
Luis de camões 1
Amelia Barros
 
Luisdecames1
Luisdecames1 Luisdecames1
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
Cesarina Sousa
 
Eternizadas setembro__10
Eternizadas  setembro__10Eternizadas  setembro__10
Eternizadas setembro__10
michelechristine
 
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Sarah Michele
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
Luna Di Primo
 
30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide
Hugo Pereira
 
Eternizadas dez__16
Eternizadas  dez__16Eternizadas  dez__16
Eternizadas dez__16
michelechristine
 
Trabalho de portugues 2 viniciu 1ºb
Trabalho de portugues 2  viniciu 1ºbTrabalho de portugues 2  viniciu 1ºb
Trabalho de portugues 2 viniciu 1ºb
teresakashino
 
Poesia amor
Poesia amorPoesia amor
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Federal University of Amazonas
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
Ana Clara San
 
Poesia amor
Poesia amorPoesia amor
Vinicius antologia poetica
Vinicius antologia poeticaVinicius antologia poetica
Vinicius antologia poetica
Mensagens Virtuais
 
Viniciuspraviverumgrandeamor
ViniciuspraviverumgrandeamorViniciuspraviverumgrandeamor
Viniciuspraviverumgrandeamor
Fabio Murilo
 
Vinicius
ViniciusVinicius
Vinicius
Beatriz Diniz
 
Eternizadas julho__25
Eternizadas  julho__25Eternizadas  julho__25
Eternizadas julho__25
michelechristine
 
Estrutura do Poema.pdf
Estrutura do Poema.pdfEstrutura do Poema.pdf
Estrutura do Poema.pdf
TascilaRodriguesBrus
 
Claro enigma
Claro enigmaClaro enigma
Claro enigma
Mauro Marcel
 

Semelhante a Sonetos (Camões) UNICAMP (20)

Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsfUnic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
Unic 01 - camoes sonetos-2018-pr wsf
 
Luis de camões 1
Luis de camões 1Luis de camões 1
Luis de camões 1
 
Luisdecames1
Luisdecames1 Luisdecames1
Luisdecames1
 
Antologia poética
Antologia poéticaAntologia poética
Antologia poética
 
Eternizadas setembro__10
Eternizadas  setembro__10Eternizadas  setembro__10
Eternizadas setembro__10
 
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01Luisdecames1 110622224318-phpapp01
Luisdecames1 110622224318-phpapp01
 
Feras da Poetica
Feras da PoeticaFeras da Poetica
Feras da Poetica
 
30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide30 Poemas De Amor Slide
30 Poemas De Amor Slide
 
Eternizadas dez__16
Eternizadas  dez__16Eternizadas  dez__16
Eternizadas dez__16
 
Trabalho de portugues 2 viniciu 1ºb
Trabalho de portugues 2  viniciu 1ºbTrabalho de portugues 2  viniciu 1ºb
Trabalho de portugues 2 viniciu 1ºb
 
Poesia amor
Poesia amorPoesia amor
Poesia amor
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 
Poesia amor
Poesia amorPoesia amor
Poesia amor
 
Vinicius antologia poetica
Vinicius antologia poeticaVinicius antologia poetica
Vinicius antologia poetica
 
Viniciuspraviverumgrandeamor
ViniciuspraviverumgrandeamorViniciuspraviverumgrandeamor
Viniciuspraviverumgrandeamor
 
Vinicius
ViniciusVinicius
Vinicius
 
Eternizadas julho__25
Eternizadas  julho__25Eternizadas  julho__25
Eternizadas julho__25
 
Estrutura do Poema.pdf
Estrutura do Poema.pdfEstrutura do Poema.pdf
Estrutura do Poema.pdf
 
Claro enigma
Claro enigmaClaro enigma
Claro enigma
 

Mais de José Ricardo Lima

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
José Ricardo Lima
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
José Ricardo Lima
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
José Ricardo Lima
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
José Ricardo Lima
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
José Ricardo Lima
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
José Ricardo Lima
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
José Ricardo Lima
 
Claro enigma
Claro enigma Claro enigma
Claro enigma
José Ricardo Lima
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
José Ricardo Lima
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
José Ricardo Lima
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
José Ricardo Lima
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
José Ricardo Lima
 
Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0
José Ricardo Lima
 
Drummond
DrummondDrummond
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
José Ricardo Lima
 
Exercícios cda
Exercícios cdaExercícios cda
Exercícios cda
José Ricardo Lima
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
José Ricardo Lima
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
José Ricardo Lima
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
José Ricardo Lima
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
José Ricardo Lima
 

Mais de José Ricardo Lima (20)

Machado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.pptMachado de Assis 2.0.ppt
Machado de Assis 2.0.ppt
 
Quincas Borba
Quincas Borba Quincas Borba
Quincas Borba
 
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
Claro enigma (Carlos Drummond de Andrade)
 
O cortiço
O cortiçoO cortiço
O cortiço
 
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
Sobrevivendo no inferno (Unicamp)
 
O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)O bem-amado (Unicamp)
O bem-amado (Unicamp)
 
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) UnicampO espelho (Machado de Assis) Unicamp
O espelho (Machado de Assis) Unicamp
 
Claro enigma
Claro enigma Claro enigma
Claro enigma
 
Maus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobreviventeMaus: a história de um sobrevivente
Maus: a história de um sobrevivente
 
Morte e vida severina
Morte e vida severinaMorte e vida severina
Morte e vida severina
 
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
Artigo sobre "A morte de Ivan Ilitch"
 
Romantismo 2.0
Romantismo 2.0Romantismo 2.0
Romantismo 2.0
 
Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0Relações intertextuais 2.0
Relações intertextuais 2.0
 
Drummond
DrummondDrummond
Drummond
 
Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)Manuel Bandeira (com textos)
Manuel Bandeira (com textos)
 
Exercícios cda
Exercícios cdaExercícios cda
Exercícios cda
 
Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
UFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigoUFU 2013_A volta do marido pródigo
UFU 2013_A volta do marido pródigo
 
Gustav Courbet
Gustav CourbetGustav Courbet
Gustav Courbet
 
Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0Arcadismo 2.0
Arcadismo 2.0
 

Último

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 

Sonetos (Camões) UNICAMP

  • 1. Sonetos Luís de Camões Prof. José Ricardo Lima www.literaturaeshow.com.br
  • 3. SONETOS Luís de Camões  Luís Vaz de Camões  (Lisboa[?], 1524 — Lisboa, 10 de junho de 1579 ou 1580) foi um poeta nacional de Portugal, considerado uma das maiores figuras da literatura lusófona e um dos grandes poetas da tradição ocidental. Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br o autor
  • 4. SLIDES SOBRE O CLASSICISMO PORTUGUÊS
  • 5. TEXTOS PARA LEITURA E ANÁLISE
  • 6. SONETOS Luís de Camões Amor é um fogo que arde sem se ver, é ferida que dói, e não se sente; é um contentamento descontente, é dor que desatina sem doer. É um não querer mais que bem querer; é um andar solitário entre a gente; é nunca contentar se de contente; é um cuidar que ganha em se perder. É querer estar preso por vontade; é servir a quem vence, o vencedor; é ter com quem nos mata, lealdade. Mas como causar pode seu favor nos corações humanos amizade, se tão contrário a si é o mesmo Amor? Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos PRIMEIRA PARTE (verso 1 ao 11)  Tentativa de uma definição “racional” do amor;  Metáforas paradoxais;  Presença de anáfora; SEGUNDA PARTE (verso 12 a 14)  Adversidade;  O amor é paradoxal, pois é contrário a si mesmo;  Reflexão inconclusiva, pois termina com uma pergunta. INTERTEXTUALIDADE  Monte Castelo (Legião urbana)
  • 7. SONETOS Luís de Camões Ah! minha Dinamene! Assi deixaste quem não deixara nunca de querer-te? Ah! Ninfa minha! Já não posso ver-te, tão asinha esta vida desprezaste! Como já para sempre te apartaste de quem tão longe estava de perder-te? Puderam estas ondas defender-te, que não visses quem tanto magoaste? Nem falar-te somente a dura morte me deixou, que tão cedo o negro manto em teus olhos deitado consentiste! Ó mar, ó Céu, ó minha escura sorte! Que pena sentirei, que valha tanto, que inda tenho por pouco o viver triste? Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos  Dinamene: ninfa, nereida (Nereu + Dóris); amada de Camões (Oriente);  ARCAÍSMOS: Assí (v.1) e Inda (v13)morte depressa Para o eu lírico, é como se ela tivesse “concordado” com a morte As nereidas estavam relacionadas às águas e Dinamene morreu afogada Interjeição: saudade O céu. Onde está Dinamene, aparece personificado (letra maiúscula) Luto em função da morte da amada O eu lírico pressente que seus anos serão curtos
  • 8. SONETOS Luís de Camões Alma minha gentil, que te partiste tão cedo desta vida descontente, repousa lá no Céu eternamente, e viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, memória desta vida se consente, não te esqueças daquele amor ardente que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te algua causa a dor que me ficou da mágoa, sem remédio, de perder-te, roga a Deus, que teus anos encurtou, que tão cedo de cá me leve a ver-te, quão cedo de meus olhos te levou. Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos cacófato morte ANTÍTESES: “Céu” e “Terra” / “repousa” e “viva” Uma visão cristã de “céu” ANTÍTESES: amor neoplatônico X amor erótico Éter: quinta essência (Aristóteles) arcaísmo Para o eu lírico, é como se ela tivesse “concordado” com a morte. Ele fica “sentido”, magoado. Novamente, a ideia de uma morte prematura, já expressa no outro poema Peça a Deus que eu morra também. Que sua vida seja tão breve como a da amada.
  • 9. SONETOS Luís de Camões Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos Questa anima gentil che si diparte, anzi tempo chiamata a l’altra vita, se lassuso è quanto esser dê gradita, terrà del ciel la piú beata parte. S’ella riman fra ’l terzo lume et Marte, fia la vista del sole scolorita, poi ch’a mirar sua bellezza infinita l’anime degne intorno a lei fien sparte. Se si posasse sotto al quarto nido, ciascuna de le tre saria men bella, et essa sola avria la fama e ’l grido; nel quinto giro non habitrebbe ella; ma se vola piú alto, assai mi fido che con Giove sia vinta ogni altra stella. Alma minha gentil, que te partiste tão cedo desta vida descontente, repousa lá no Céu eternamente, e viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, memória desta vida se consente, não te esqueças daquele amor ardente que já nos olhos meus tão puro viste. E se vires que pode merecer-te algua causa a dor que me ficou da mágoa, sem remédio, de perder-te, roga a Deus, que teus anos encurtou, que tão cedo de cá me leve a ver-te, quão cedo de meus olhos te levou. Essa alma genti l que partiu, antes do tempo, chamada a outra vida, terá no céu segura acolhida terá no céu a mais beata parte. Se ela ficar entre a terceira luz e Marte será a vista do sol descolorida depois virá, toda alma ao céu subida em torno dela olhar beleza infinita. Se pousar abaixo do quarto ninho, nenhuma das três será mais bela, que está só, espalhada a fama e o grito; No quinto giro não chegará ela; mas se voar alto, em muito confio ser vencido Júpiter e cada outra estrela; SONETO CAMONIANO CONGÊNERE PETRARQUIANO TRADUÇÃO LIVRE LITERATURA MIMÉTICA: A CÓPIA DOS CLÁSICOS
  • 10. SONETOS Luís de Camões Busque Amor novas artes, novo engenho, para matar me, e novas esquivanças; que não pode tirar me as esperanças, que mal me tirará o que eu não tenho. Olhai de que esperanças me mantenho! Vede que perigosas seguranças! Que não temo contrastes nem mudanças, andando em bravo mar, perdido o lenho. Mas, conquanto não pode haver desgosto onde esperança falta, lá me esconde Amor um mal, que mata e não se vê. Que dias há que n'alma me tem posto um não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei porquê. Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos O soneto estabelece sua função retórica, mesmo dialética, na exposição argumenta- tiva. Obedecendo ao modelo clássico, sua composição permite a ambientação da divisão temática e a construção de uma unidade sonora rica, a qual, ao passo que atua na familiarização de uma estrofe à outra, atua também no sentido de promover a ilustração estrutural do discurso, relacionando poeticamente proposições e argumentos. A adoção do soneto ainda é justificada tendo em vista a familiaridade de sua marcha sonora ao silogismo, explícito na primeira e terceira estrofe, notado no esquema seguinte:
  • 11. SONETOS Luís de Camões Busque Amor novas artes, novo engenho, para matar-me, e novas esquivanças; que não pode tirar me as esperanças, que mal me tirará o que eu não tenho. Olhai de que esperanças me mantenho! Vede que perigosas seguranças! Que não temo contrastes nem mudanças, andando em bravo mar, perdido o lenho. Mas, conquanto não pode haver desgosto onde esperança falta, lá me esconde Amor um mal, que mata e não se vê. Que dias há que n'alma me tem posto um não sei quê, que nasce não sei onde, vem não sei como, e dói não sei porquê. Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos Proposição 1ª estrofe: - As artes e o engenho do Amor não tirarão a esperança do eu lírico. Argumentação 1ª estrofe: - O Amor não pode tirar a esperança de onde ela não existe. O eu lírico não tem esperança. Proposição 3ª estrofe: - Eu lírico não sofrerá desgosto. Argumentação 3ª estrofe: - Onde falta esperança, não há desgosto. O eu lírico não tem esperança. Enquanto primeira e terceira estrofes tematizam a questão por meio de silogismos, o segundo quarteto e terceto o fazem através de torneios discursivos, utilizando a retórica composta por imagens, paradoxos, sínquise, que em associação à sonoridade e repetição de palavras, têm a função de acentuar a dúvida sobre o inconceituável sentimento de amar.
  • 12. SONETOS Luís de Camões Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos TEMPUS FUGIT / instabilidade das coisas / a inexorabilidade do tempo PARADOXO: No mundo, TUDO MUDA. Apenas uma coisa permanece: a MUDANÇA. Na 1ª quadra, o sujeito poético refere que as pessoas mudam e que, por isso, os interesses e os sentimentos também evoluem. A forma de ser, a personalidade alteram-se assim como a confiança em si próprio e nos outros. O advérbio Continuamente reforça esta ideia de que a mudança ininterrupta do mundo não se controla e que as mudanças são, normalmente, para pior. O eu lírico chega a questionar a felicidade ANTÍTESES na Natureza, tudo se renova mas no Homem as mudanças são irreversíveis, sem retorno. No 2º terceto, 1º verso, retoma-se a ideia desta mudança contínua e incontornável já expressa pelo advérbio da 2ª quadra, Continuamente. O sujeito revela o seu espanto pelo fato de já não se reconhecer no que vai mudando pois a própria mudança está a mudar... Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades, Muda-se o ser, muda-se a confiança; todo o mundo é composto de mudança, tomando sempre novas qualidades. Continuamente vemos novidades, diferentes em tudo da esperança; do mal ficam as mágoas na lembrança, e do bem (se algum houve), as saudades. O tempo cobre o chão de verde manto, que já coberto foi de neve fria, e, enfim, converte em choro o doce canto. E, afora este mudar-se cada dia, outra mudança faz de mor espanto, que não se muda já como soía.
  • 13. SONETOS Luís de Camões Sete anos de pastor Jacob servia Labão, pai de Raquel, serrana bela; mas não servia ao pai, servia a ela, e a ela só por prémio pretendia. Os dias, na esperança de um só dia, passava, contentando se com vê la; porém o pai, usando de cautela, em lugar de Raquel lhe dava Lia. Vendo o triste pastor que com enganos lhe fora assi negada a sua pastora, como se a não tivera merecida; começa de servir outros sete anos, dizendo: —Mais servira, se não fora para tão longo amor tão curta a vida. Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos E Labão tinha duas filhas; o nome da mais velha era Lia, e o nome da menor Raquel. Lia tinha olhos tenros, mas Raquel era de formoso semblante e formosa à vista. E Jacó amava a Raquel, e disse: Sete anos te servirei por Raquel, tua filha menor. Então disse Labão: Melhor é que eu a dê a ti, do que eu a dê a outro homem; fica comigo. Assim serviu Jacó sete anos por Raquel; e estes lhe pareceram como poucos dias, pelo muito que a amava. E disse Jacó a Labão: Dá-me minha mulher, porque meus dias são cumpridos, para que eu me case com ela. Então reuniu Labão a todos os homens daquele lugar, e fez um banquete. E aconteceu, à tarde, que tomou Lia, sua filha, e trouxe-a a Jacó que a possuiu. E Labão deu sua serva Zilpa a Lia, sua filha, por serva. E aconteceu que pela manhã, viu que era Lia; pelo que disse a Labão: Por que me fizeste isso? Não te tenho servido por Raquel? Por que então me enganaste? E disse Labão: Não se faz assim no nosso lugar, que a menor se dê antes da primogênita. Cumpre a semana desta; então te daremos também a outra, pelo serviço que ainda outros sete anos comigo servires. E Jacó fez assim, e cumpriu a semana de Lia; então lhe deu por mulher Raquel sua filha. E Labão deu sua serva Bila por serva a Raquel, sua filha. E possuiu também a Raquel, e amou também a Raquel mais do que a Lia e serviu com ele ainda outros sete anos. Gênesis 29, 16-30
  • 14. SONETOS Luís de Camões Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos A simbologia bíblica do “sete” Sete anos de pastor Jacob servia Labão, pai de Raquel, serrana bela; mas não servia ao pai, servia a ela, e a ela só por prémio pretendia. Os dias, na esperança de um só dia, passava, contentando se com vê-la; porém o pai, usando de cautela, em lugar de Raquel lhe dava Lia. Vendo o triste pastor que com enganos lhe fora assi negada a sua pastora, como se a não tivera merecida; começa de servir outros sete anos, dizendo: — Mais servira, se não fora para tão longo amor tão curta a vida. amor neoplatônico A construção de um soneto pastoril de inspiração bíblica, demonstra uma dupla filiação de Camões dentro da poesia ocidental: ele valoriza tanto o pilar greco-latino quanto o hebraico-cristão. RIMA “IMPERFEITA” As diferenças entre o soneto e o texto-matriz brevidade da vida (tempus fugit)
  • 15. SONETOS Luís de Camões Transforma-se o amador na cousa amada, por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar, pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si sòmente pode descansar, pois consigo tal alma está liada. [ligada] Mas esta linda e pura semideia, [semideusa] que, como um acidente em seu sujeito, assi co a alma minha se conforma, está no pensamento como ideia: [e] o vivo e puro amor de que sou feito, como a matéria simples busca a forma. Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos “Transforma-se o amador na cousa amada” pode ser reflexo de uma opinião de Pseudo-Dionísio, que foi um filósofo neoplatônico que afirmou que o amor é uma força unitiva e consistente. São Tomás de Aquino esclareceu que isso quer dizer que existem duas formas de união entre o amador e o amado: a primeira é a união real, e a segunda é a união intelectual e a inclinação que a pessoa tem em relação à outra, de maneira que ela passa a participar da pessoa amada de alguma forma. Como participa da pessoa amada, o amante só pode ter nele a parte desejada.
  • 16. SONETOS Luís de Camões Transforma-se o amador na cousa amada, por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar, pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si sòmente pode descansar, pois consigo tal alma está liada. Mas esta linda e pura semideia, que, como um acidente em seu sujeito, assi co a alma minha se conforma, está no pensamento como ideia: [e] o vivo e puro amor de que sou feito, como a matéria simples busca a forma. Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos Não necessitando do amor dos corpos, pois já existe uma ligação das almas, o amante contempla a “semideia” . “Como um acidente em seu sujeito” pode ser referente a afirmação de São Tomás, inspirado por Aristóteles, que “o sujeito está para o acidente como a potência para o ato; pois, em relação ao acidente, o sujeito é, de certo modo, atual”.
  • 17. SONETOS Luís de Camões Transforma-se o amador na cousa amada, por virtude do muito imaginar; não tenho, logo, mais que desejar, pois em mim tenho a parte desejada. Se nela está minha alma transformada, que mais deseja o corpo de alcançar? Em si sòmente pode descansar, pois consigo tal alma está liada. Mas esta linda e pura semideia, que, como um acidente em seu sujeito, assi co a alma minha se conforma, está no pensamento como ideia: [e] o vivo e puro amor de que sou feito, como a matéria simples busca a forma. Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br textos A amada está em seu pensamento como uma Ideia platônica que busca a forma Aristotélica no mundo da physis. O poema é uma batalha entre as duas escolas, a platônica e a aristotélica, que reflete o mundo da filosofia no Renascimento. O mundo das ideias de Platão misturado com a matéria e forma de Aristóteles fazem desse poema uma das obras-primas da poesia de todos os países em todos os tempos.
  • 18. O espelho Machado de Assis Prof. José Ricardo Lima www.literaturaeshow.com.br
  • 19. SONETOS Luís de Camões  Luís Vaz de Camões  (Lisboa[?], 1524 — Lisboa, 10 de junho de 1579 ou 1580) foi um poeta nacional de Portugal, considerado uma das maiores figuras da literatura lusófona e um dos grandes poetas da tradição ocidental. Prof. JOSÉ RICARDO LIMA – Literatura - www.literaturaeshow.com.br o autor