SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 3 - COESÃO E COERÊNCIA
Signo  (Saussure) – união indissociável entre um  conceito  (significado – mesa, um móvel) e uma  imagem acústica  (significante – a palavra mesa) SIGNO =  CONCEITO  =  SIGNIFICADO IMAGEM   SIGNIFICANTE
TEXTO  – o texto é o produto concreto de uma codificação lingüística.  O texto é estático.  O texto é uma unidade semântica de significado. É a concretização da atividade discursiva.  Pode ser escrito ou falado
DISCURSO  – é aquilo que um texto produz ao se manifesta. O discurso é dinâmico É o que o texto que dizer. O texto, portanto, carece de significado. Não é apenas um amontoado de palavras.
Exemplo 1  Marina chegou a criticar o partido. O time do Corinthians venceu. João foi ao cinema. A menina usa saias.  Fomos ao show, por isso o carro não pegou. Ela então brigou com o namorado, logo a comida esquentou. No exemplo, não existe unidade, lógica, ordenação de idéias. Logo, não pode ser considerado um texto.
Exemplo 2 Após o confronto entre policiais militares e traficantes ontem em São Conrado e a invasão do Hotel Intercontinental, o policiamento foi reforçado na madrugada deste domingo nas favelas da Rocinha e do Vidigal, na zona sul do Rio  (Folha Online, 22/08/2010). No exemplo é notório o pensamento lógico, a ordenação das frases e a construção de sentido. Portanto, caracteriza-se como um texto. E para tal, o exemplo necessita de uma característica chamada de  textualidade .  
TEXTUALIDADE  –  aquilo que se converte em uma sequência lingüística de texto. O que assegura a textualidade  é a  coerência
1) intencionalidade 2) aceitabilidade  3) situacionalidade 4) intertextualidade  5) informatividade 6) coesão  7) coerência Os itens 1 a 5 concentram-se na própria situação de comunicar. Já os itens 6 e 7 estão contidos no texto.
1)  intencionalidade   – ligada às funções da linguagem 2)  aceitabilidade  – focada no receptor, busca assegurar o entendimento da mensagem 3)  situacionalidade   – refere-se ao contexto 4)  intertextualidade   – quando um texto remete a outros 5)  informatividade   – diz respeito ao grau de informação contida num texto. Quanto menos previsível o texto, maior o seu grau de informatividade
6)  C oesão  - quando os elementos estão logicamente organizados, concatenados Exemplo de texto sem coesão: Ele estava prestes a desistir,  onde   recebeu a notícia de uma promoção  Ele estava prestes a desistir,  quando  recebeu a notícia de uma promoção
Pronomes relativos  - (que, quem, o(s), a(s), qual(is), cujo(s), onde, como e quanto Pronomes possessivos  – meu, minha, seu, nosso etc. Pronomes pessoais  – ele(s), ela(s), lhe etc. Pronomes demonstrativos  – esse(a), este(s), isso, aquilo, aqueles
Artigos definidos e indefinidos  – o(s), a(s), um, uns, umas Conjunções  – se, mas, e, ou, porque, embora, logo, pois, portanto, quando etc. Preposições  – a, até, de, em , para etc. Advérbios  – ontem, amanhã, aqui, lá, tarde etc.
A coesão faz parte da estrutura superficial do texto. Ela pode ser: 1) Referencial 2) Recorrencial  3) Sequencial
1.1- Referencial por Substituição (substituição de um elemento por outro) Exemplo : Foi à Europa e  lá  foi feliz Edna comprou uma saia, mas preferiu usar a  minha
1.2 - Referencial por Reiteração  Quando ocorre a repetição de palavras) Exemplo Fernando Henrique Cardoso  não fez um bom governo e por isso  FHC  é malvisto nas pesquisas
2 - Recorrencial  – quando ocorre a repetição de termos anteriores Exemplos Ela  corria, corria, corria  ... (recorrência) Bom mesmo é ter  livros na estante, redes na varanda  e  flores no jardim  (paralelismo)
3- Sequencial  – desenvolvimento do texto com o uso de termos pertencentes ao mesmo uni- verso semântico Exemplo Se  chover, não haverá aula (condicional) Os alunos foram embora  porque  estava muito frio (casualidade)
7)  Coerência  – é o mais importante fator de textualidade. Coerência é a  ausência de contradição  num texto.  A coerência faz parte da estrutura profunda do texto. Está ligada diretamente ao ordenamento lógico das idéias.
Exemplo de texto sem coerência: Cabeça de Bagre II – Mamonas Assassinas Loucura, insensatez, estado inevitável Embalagem de iogurte inviolável Fome, miséria, incompreensão, O Brasil é Treta Campeão (...)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
Marcx Winchester
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
Ana Claudia André
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
Débora Costa
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
Lucilene Barcelos
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
GernciadeProduodeMat
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
Denise
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
Cláudia Heloísa
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
leticiararek
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
Carlos Fabiano de Souza
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxe
Edson Alves
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
Luciene Gomes
 
Regencia verbal (1)
Regencia verbal (1)Regencia verbal (1)
Regencia verbal (1)
Flávio Ferreira
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
Carolina Loçasso Pereira
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
Jaicinha
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
Luciene Gomes
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Jose Manuel Alho
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
ionasilva
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
ClaudiaAdrianaSouzaS
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
Jaciara Mota
 

Mais procurados (20)

Texto e textualidade
Texto e textualidadeTexto e textualidade
Texto e textualidade
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUALELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
ELEMENTO DE TEXTUALIDADE: COESÃO TEXTUAL
 
Concordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adrianaConcordancia verbal-slide-adriana
Concordancia verbal-slide-adriana
 
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
LÍNGUA PORTUGUESA | 2ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC - (EM13LP06)
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
MEMES EM AULAS DE PORTUGUÊS NO ENSINO MÉDIO: linguagem, produção e replicação...
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxe
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 
Regencia verbal (1)
Regencia verbal (1)Regencia verbal (1)
Regencia verbal (1)
 
Período composto por coordenação
Período composto por coordenaçãoPeríodo composto por coordenação
Período composto por coordenação
 
Tudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMASTudo sobre POEMAS
Tudo sobre POEMAS
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Poesia e poema
Poesia e poemaPoesia e poema
Poesia e poema
 
Oficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º anoOficina de descritores português 9º ano
Oficina de descritores português 9º ano
 
Figuras de linguagem slide
Figuras de linguagem   slideFiguras de linguagem   slide
Figuras de linguagem slide
 

Destaque

Coesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativosCoesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativos
Willma Frazão
 
Coesao e-coerencia
Coesao e-coerenciaCoesao e-coerencia
Coesao e-coerencia
ALINE NEUSCHRANK
 
O texto
O textoO texto
O texto
Josué Brazil
 
Princípios da textualidade 3º ano
Princípios da textualidade   3º anoPrincípios da textualidade   3º ano
Princípios da textualidade 3º ano
terceirob
 
Lei 8112 resumida
Lei 8112 resumidaLei 8112 resumida
Lei 8112 resumida
wepaulista
 
Elementos de coerência
Elementos de coerênciaElementos de coerência
Elementos de coerência
Cynthia Funchal
 
Coerência e coesão
Coerência e coesão Coerência e coesão
Coerência e coesão
DriiQuirino
 
Elementos de textualidade
Elementos de textualidadeElementos de textualidade
Elementos de textualidade
Governo do Estado do Ceará
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Curso online lei 8112 lei do servidor publico federal
Curso online lei 8112 lei do servidor publico federalCurso online lei 8112 lei do servidor publico federal
Curso online lei 8112 lei do servidor publico federal
Unichristus Centro Universitário
 
Exercícios sobre coerência e coesão
Exercícios sobre coerência e coesãoExercícios sobre coerência e coesão
Exercícios sobre coerência e coesão
ma.no.el.ne.ves
 
Pronomes Relativos
Pronomes RelativosPronomes Relativos
Pronomes Relativos
Andreia Cezar Pedreira
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Marcia Oliveira
 
V6 cap1
V6 cap1V6 cap1
Coesão textual 3º ano
Coesão textual 3º anoCoesão textual 3º ano
Coesão textual 3º ano
blogdoalunocefa
 
Processos referenciais - Texto e Ensino
Processos referenciais - Texto e EnsinoProcessos referenciais - Texto e Ensino
Processos referenciais - Texto e Ensino
Profletras2014
 
15 coesao referencial
15 coesao referencial15 coesao referencial
15 coesao referencial
Jóyce Carlos
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
ma.no.el.ne.ves
 
Coesao textual
Coesao textualCoesao textual
Coesao textual
Fatima Ali
 
Crase
CraseCrase

Destaque (20)

Coesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativosCoesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativos
 
Coesao e-coerencia
Coesao e-coerenciaCoesao e-coerencia
Coesao e-coerencia
 
O texto
O textoO texto
O texto
 
Princípios da textualidade 3º ano
Princípios da textualidade   3º anoPrincípios da textualidade   3º ano
Princípios da textualidade 3º ano
 
Lei 8112 resumida
Lei 8112 resumidaLei 8112 resumida
Lei 8112 resumida
 
Elementos de coerência
Elementos de coerênciaElementos de coerência
Elementos de coerência
 
Coerência e coesão
Coerência e coesão Coerência e coesão
Coerência e coesão
 
Elementos de textualidade
Elementos de textualidadeElementos de textualidade
Elementos de textualidade
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Curso online lei 8112 lei do servidor publico federal
Curso online lei 8112 lei do servidor publico federalCurso online lei 8112 lei do servidor publico federal
Curso online lei 8112 lei do servidor publico federal
 
Exercícios sobre coerência e coesão
Exercícios sobre coerência e coesãoExercícios sobre coerência e coesão
Exercícios sobre coerência e coesão
 
Pronomes Relativos
Pronomes RelativosPronomes Relativos
Pronomes Relativos
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
 
V6 cap1
V6 cap1V6 cap1
V6 cap1
 
Coesão textual 3º ano
Coesão textual 3º anoCoesão textual 3º ano
Coesão textual 3º ano
 
Processos referenciais - Texto e Ensino
Processos referenciais - Texto e EnsinoProcessos referenciais - Texto e Ensino
Processos referenciais - Texto e Ensino
 
15 coesao referencial
15 coesao referencial15 coesao referencial
15 coesao referencial
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Coesao textual
Coesao textualCoesao textual
Coesao textual
 
Crase
CraseCrase
Crase
 

Semelhante a AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA

Coesao e Coerencia para ser aplicada nas aulas de ensino médio
Coesao e Coerencia para ser aplicada nas aulas de ensino médioCoesao e Coerencia para ser aplicada nas aulas de ensino médio
Coesao e Coerencia para ser aplicada nas aulas de ensino médio
dasmargensaocentro
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
Sadiasoares
 
Gênese da pragmática sayonara
Gênese da pragmática sayonaraGênese da pragmática sayonara
Gênese da pragmática sayonara
Sayonara Costa
 
(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão
DaniCustodio
 
Análise do discurso anita
Análise do discurso   anitaAnálise do discurso   anita
Análise do discurso anita
Profª Mônica Soares
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
Sadiasoares
 
Formalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoFormalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismo
Daniele Silva
 
Resumo Tp5 Unid 17 18
Resumo   Tp5   Unid 17 18Resumo   Tp5   Unid 17 18
Resumo Tp5 Unid 17 18
Ramilson Saldanha
 
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
ssuser4f5e67
 
Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2
Robson Ferreira
 
Seminário t1 expressões indiciais
Seminário t1   expressões indiciaisSeminário t1   expressões indiciais
Seminário t1 expressões indiciais
Faculdade Eniac
 
semantica.pptx
semantica.pptxsemantica.pptx
semantica.pptx
carlosoliveira911401
 
Oficina 3 - Estilo
Oficina 3  - EstiloOficina 3  - Estilo
Oficina 3 - Estilo
Marystela
 
Contribuições da semântica da enunciação para análises discursivas
Contribuições da semântica da enunciação para análises discursivasContribuições da semântica da enunciação para análises discursivas
Contribuições da semântica da enunciação para análises discursivas
LinTrab
 
Guia gêneros textuais
Guia gêneros textuaisGuia gêneros textuais
Guia gêneros textuais
renan446
 
PPT Linguagem DialóGica Instrucional
PPT Linguagem DialóGica InstrucionalPPT Linguagem DialóGica Instrucional
PPT Linguagem DialóGica Instrucional
Web Rádio ABED Blog
 
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátiaEstudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Rita Gonçalves
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
cleia
 
P teca
P tecaP teca
P teca
Pedro Lima
 
Coesaocoerencia arquivo sem_audio
Coesaocoerencia arquivo sem_audioCoesaocoerencia arquivo sem_audio
Coesaocoerencia arquivo sem_audio
Sérgio de Castro
 

Semelhante a AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA (20)

Coesao e Coerencia para ser aplicada nas aulas de ensino médio
Coesao e Coerencia para ser aplicada nas aulas de ensino médioCoesao e Coerencia para ser aplicada nas aulas de ensino médio
Coesao e Coerencia para ser aplicada nas aulas de ensino médio
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Gênese da pragmática sayonara
Gênese da pragmática sayonaraGênese da pragmática sayonara
Gênese da pragmática sayonara
 
(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão(Resumo)comunicação e expressão
(Resumo)comunicação e expressão
 
Análise do discurso anita
Análise do discurso   anitaAnálise do discurso   anita
Análise do discurso anita
 
Oficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua PortuguesaOficina de Língua Portuguesa
Oficina de Língua Portuguesa
 
Formalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismoFormalismo x funcionalismo
Formalismo x funcionalismo
 
Resumo Tp5 Unid 17 18
Resumo   Tp5   Unid 17 18Resumo   Tp5   Unid 17 18
Resumo Tp5 Unid 17 18
 
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
1-1-coesao-e-coerencia_slides.ppt
 
Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2Inglês instrumental 2
Inglês instrumental 2
 
Seminário t1 expressões indiciais
Seminário t1   expressões indiciaisSeminário t1   expressões indiciais
Seminário t1 expressões indiciais
 
semantica.pptx
semantica.pptxsemantica.pptx
semantica.pptx
 
Oficina 3 - Estilo
Oficina 3  - EstiloOficina 3  - Estilo
Oficina 3 - Estilo
 
Contribuições da semântica da enunciação para análises discursivas
Contribuições da semântica da enunciação para análises discursivasContribuições da semântica da enunciação para análises discursivas
Contribuições da semântica da enunciação para análises discursivas
 
Guia gêneros textuais
Guia gêneros textuaisGuia gêneros textuais
Guia gêneros textuais
 
PPT Linguagem DialóGica Instrucional
PPT Linguagem DialóGica InstrucionalPPT Linguagem DialóGica Instrucional
PPT Linguagem DialóGica Instrucional
 
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátiaEstudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 
P teca
P tecaP teca
P teca
 
Coesaocoerencia arquivo sem_audio
Coesaocoerencia arquivo sem_audioCoesaocoerencia arquivo sem_audio
Coesaocoerencia arquivo sem_audio
 

Mais de aulasdejornalismo

Modelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratórioModelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratório
aulasdejornalismo
 
Modelo de Espelho
Modelo de EspelhoModelo de Espelho
Modelo de Espelho
aulasdejornalismo
 
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIOANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
aulasdejornalismo
 
Análise de imagem
Análise de imagemAnálise de imagem
Análise de imagem
aulasdejornalismo
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
aulasdejornalismo
 
Aula 5 ENTREVISTA
Aula 5   ENTREVISTAAula 5   ENTREVISTA
Aula 5 ENTREVISTA
aulasdejornalismo
 
Aula 4 FONTES
Aula 4  FONTESAula 4  FONTES
Aula 4 FONTES
aulasdejornalismo
 
Aula 3 PAUTA
Aula 3   PAUTAAula 3   PAUTA
Aula 3 PAUTA
aulasdejornalismo
 
Aula 2 SER REPÓRTER
Aula 2   SER REPÓRTERAula 2   SER REPÓRTER
Aula 2 SER REPÓRTER
aulasdejornalismo
 
Aula 1 GÊNEROS
Aula 1  GÊNEROSAula 1  GÊNEROS
Aula 1 GÊNEROS
aulasdejornalismo
 
Aula 4 classificação 2
Aula 4   classificação 2Aula 4   classificação 2
Aula 4 classificação 2
aulasdejornalismo
 
Infografia aula 1
Infografia   aula 1Infografia   aula 1
Infografia aula 1
aulasdejornalismo
 
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
Aula 1   Introducao, Tipologia  - AgenciasAula 1   Introducao, Tipologia  - Agencias
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
aulasdejornalismo
 
Aula 3 - Infografia
Aula 3 - InfografiaAula 3 - Infografia
Aula 3 - Infografia
aulasdejornalismo
 
Aula 2 - Infografia
Aula 2 - InfografiaAula 2 - Infografia
Aula 2 - Infografia
aulasdejornalismo
 
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICAPLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
aulasdejornalismo
 
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIASPLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
aulasdejornalismo
 
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1   Surgimento das Agências de NotíciasAula 1   Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
aulasdejornalismo
 
Eduardo campos texto
Eduardo campos   textoEduardo campos   texto
Eduardo campos texto
aulasdejornalismo
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
aulasdejornalismo
 

Mais de aulasdejornalismo (20)

Modelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratórioModelo de pauta para jornal laboratório
Modelo de pauta para jornal laboratório
 
Modelo de Espelho
Modelo de EspelhoModelo de Espelho
Modelo de Espelho
 
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIOANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
ANÁLISE DE IMAGEM - EXERCÍCIO
 
Análise de imagem
Análise de imagemAnálise de imagem
Análise de imagem
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
 
Aula 5 ENTREVISTA
Aula 5   ENTREVISTAAula 5   ENTREVISTA
Aula 5 ENTREVISTA
 
Aula 4 FONTES
Aula 4  FONTESAula 4  FONTES
Aula 4 FONTES
 
Aula 3 PAUTA
Aula 3   PAUTAAula 3   PAUTA
Aula 3 PAUTA
 
Aula 2 SER REPÓRTER
Aula 2   SER REPÓRTERAula 2   SER REPÓRTER
Aula 2 SER REPÓRTER
 
Aula 1 GÊNEROS
Aula 1  GÊNEROSAula 1  GÊNEROS
Aula 1 GÊNEROS
 
Aula 4 classificação 2
Aula 4   classificação 2Aula 4   classificação 2
Aula 4 classificação 2
 
Infografia aula 1
Infografia   aula 1Infografia   aula 1
Infografia aula 1
 
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
Aula 1   Introducao, Tipologia  - AgenciasAula 1   Introducao, Tipologia  - Agencias
Aula 1 Introducao, Tipologia - Agencias
 
Aula 3 - Infografia
Aula 3 - InfografiaAula 3 - Infografia
Aula 3 - Infografia
 
Aula 2 - Infografia
Aula 2 - InfografiaAula 2 - Infografia
Aula 2 - Infografia
 
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICAPLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
PLANO DE ENSINO - EDITORAÇÃO ELETRONICA
 
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIASPLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
PLANO DE ENSINO - AGÊNCIA DE NOTÍCIAS
 
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1   Surgimento das Agências de NotíciasAula 1   Surgimento das Agências de Notícias
Aula 1 Surgimento das Agências de Notícias
 
Eduardo campos texto
Eduardo campos   textoEduardo campos   texto
Eduardo campos texto
 
Paradigma culturológico
Paradigma culturológicoParadigma culturológico
Paradigma culturológico
 

AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA

  • 1. Aula 3 - COESÃO E COERÊNCIA
  • 2. Signo (Saussure) – união indissociável entre um conceito (significado – mesa, um móvel) e uma imagem acústica (significante – a palavra mesa) SIGNO = CONCEITO = SIGNIFICADO IMAGEM SIGNIFICANTE
  • 3. TEXTO – o texto é o produto concreto de uma codificação lingüística. O texto é estático. O texto é uma unidade semântica de significado. É a concretização da atividade discursiva. Pode ser escrito ou falado
  • 4. DISCURSO – é aquilo que um texto produz ao se manifesta. O discurso é dinâmico É o que o texto que dizer. O texto, portanto, carece de significado. Não é apenas um amontoado de palavras.
  • 5. Exemplo 1 Marina chegou a criticar o partido. O time do Corinthians venceu. João foi ao cinema. A menina usa saias. Fomos ao show, por isso o carro não pegou. Ela então brigou com o namorado, logo a comida esquentou. No exemplo, não existe unidade, lógica, ordenação de idéias. Logo, não pode ser considerado um texto.
  • 6. Exemplo 2 Após o confronto entre policiais militares e traficantes ontem em São Conrado e a invasão do Hotel Intercontinental, o policiamento foi reforçado na madrugada deste domingo nas favelas da Rocinha e do Vidigal, na zona sul do Rio (Folha Online, 22/08/2010). No exemplo é notório o pensamento lógico, a ordenação das frases e a construção de sentido. Portanto, caracteriza-se como um texto. E para tal, o exemplo necessita de uma característica chamada de textualidade .  
  • 7. TEXTUALIDADE – aquilo que se converte em uma sequência lingüística de texto. O que assegura a textualidade é a coerência
  • 8. 1) intencionalidade 2) aceitabilidade 3) situacionalidade 4) intertextualidade 5) informatividade 6) coesão 7) coerência Os itens 1 a 5 concentram-se na própria situação de comunicar. Já os itens 6 e 7 estão contidos no texto.
  • 9. 1) intencionalidade – ligada às funções da linguagem 2) aceitabilidade – focada no receptor, busca assegurar o entendimento da mensagem 3) situacionalidade – refere-se ao contexto 4) intertextualidade – quando um texto remete a outros 5) informatividade – diz respeito ao grau de informação contida num texto. Quanto menos previsível o texto, maior o seu grau de informatividade
  • 10. 6) C oesão - quando os elementos estão logicamente organizados, concatenados Exemplo de texto sem coesão: Ele estava prestes a desistir, onde recebeu a notícia de uma promoção Ele estava prestes a desistir, quando recebeu a notícia de uma promoção
  • 11. Pronomes relativos - (que, quem, o(s), a(s), qual(is), cujo(s), onde, como e quanto Pronomes possessivos – meu, minha, seu, nosso etc. Pronomes pessoais – ele(s), ela(s), lhe etc. Pronomes demonstrativos – esse(a), este(s), isso, aquilo, aqueles
  • 12. Artigos definidos e indefinidos – o(s), a(s), um, uns, umas Conjunções – se, mas, e, ou, porque, embora, logo, pois, portanto, quando etc. Preposições – a, até, de, em , para etc. Advérbios – ontem, amanhã, aqui, lá, tarde etc.
  • 13. A coesão faz parte da estrutura superficial do texto. Ela pode ser: 1) Referencial 2) Recorrencial 3) Sequencial
  • 14. 1.1- Referencial por Substituição (substituição de um elemento por outro) Exemplo : Foi à Europa e lá foi feliz Edna comprou uma saia, mas preferiu usar a minha
  • 15. 1.2 - Referencial por Reiteração Quando ocorre a repetição de palavras) Exemplo Fernando Henrique Cardoso não fez um bom governo e por isso FHC é malvisto nas pesquisas
  • 16. 2 - Recorrencial – quando ocorre a repetição de termos anteriores Exemplos Ela corria, corria, corria ... (recorrência) Bom mesmo é ter livros na estante, redes na varanda e flores no jardim (paralelismo)
  • 17. 3- Sequencial – desenvolvimento do texto com o uso de termos pertencentes ao mesmo uni- verso semântico Exemplo Se chover, não haverá aula (condicional) Os alunos foram embora porque estava muito frio (casualidade)
  • 18. 7) Coerência – é o mais importante fator de textualidade. Coerência é a ausência de contradição num texto. A coerência faz parte da estrutura profunda do texto. Está ligada diretamente ao ordenamento lógico das idéias.
  • 19. Exemplo de texto sem coerência: Cabeça de Bagre II – Mamonas Assassinas Loucura, insensatez, estado inevitável Embalagem de iogurte inviolável Fome, miséria, incompreensão, O Brasil é Treta Campeão (...)