SlideShare uma empresa Scribd logo
História A


Pós 25 de Abril


                  Carlos Jorge Canto Vieira
                               Versão 1.0
                               Março 2013
Rosa Coutinho, Pinheiro de Azevedo, Costa Gomes, Spínola, Jaime Marques, Diogo Neto e
                                                                                  2
                                  Galvão de Melo*
I GOVERNO PROVISÓRIO


                       3
Pós-25 de Abril
• I Governo Provisório (16 de Maio)
   – Chefiado por Adelino da Palma Carlos:
      • Conservador liberal;
      • Escolhido por Spínola.
   – procura equilibrar as diferentes
     tendências partidárias
     (MDP/CDE, PCP, PS, PPD) e
     independentes.




                                             4
Pós-25 de Abril
• Tensões político-ideológicas
  – Primeiro 1º de Maio (clima de unidade)
  – Explosão reivindicativa espontânea incontrolável
  – 2 correntes:
     • Spínola
     • Comissão coordenadora do MFA


  – (jul.74) Demissão do primeiro-ministro (Adelino
    Palma Carlos)

                                                       5
Pós-25 de Abril
– (jul.74) Lei 7/74
  (descolonização)
– Spínola e a maioria silenciosa
– O 28 de setembro de 74:
  derrota dos spinolistas.
  Demissão de Spínola;
– Presidente da República: Costa
  Gomes.


                                   6
7
Pós-25 de Abril
– Inicia-se o PREC (Processo Revolucionário em
  Curso):
   • concentração de poderes num órgão
    colegial, o Conselho dos Vinte;
   • primeiro-ministro -> general Vasco
    Gonçalves:
       – Apoiado por uma das tendências
       do MFA;
       – pelo PCP;
       – procura impor uma via
       revolucionária.
                                                 8
9
Pós-25 de Abril
• Dificuldades da democracia
   – unicidade sindical;
   – Eleições;
   – modelo de Estado e de sociedade
   – Tipo de regime:




                                       10
Pós-25 de Abril
– Tipo de regime:
   • defensores do socialismo de tipo soviético (PCP, apoio
     em sectores do MFA e do PM, Vasco Gonçalves);
   • defensores da instituição de um regime de democracia
     pluralista (grupo liderado por Melo Antunes e Vítor
     Alves, conotado com o PS e PPD);
   • defensores de uma via socialista e autogestionária
     (apoiado em organizações de extrema-esquerda e em
     unidades militares revolucionárias, que tinham o apoio
     do COPCON).


                                                         11
12
13
14
15
Pós-25 de Abril
• 11 de Março 1975
  – radicalização do MFA;
  – provoca a reacção por parte de sectores de direita
    (liderado pelo general Kaúlza de Arriaga) e de extrema-
    direita;
  – Prepara-se um golpe de Estado;
  – A extrema-direita afasta-se;
  – General Spínola envolve-se;
  – O golpe falha e os principais fogem para Espanha.



                                                              16
Pós-25 de Abril
• Em resposta
  – MFA
     • cria o Conselho da Revolução, ligado
       ao PCP, que passa a funcionar como
       órgão executivo do MFA;
     • torna-se o verdadeiro centro do
       poder (concentra os poderes da
       Junta de Salvação Nacional e do
       Conselho de Estado);
     • propõe-se orientar o Processo
       Revolucionário em Curso - PREC que
       conduziria o País rumo ao socialismo.


                                               17
Pós-25 de Abril
• As eleições de 1975 e a inversão do processo revolucionário
   – eleições de 1975 -> vitória do Partido Socialista;
   – Reclamar maior intervenção na atividade governativa.


• Verão Quente de 1975
   – Iminente confronto entre os partidos conservadores e os partidos de
     esquerda.
   – O grupo dos 9 encabeçados pelo major Melo Antunes, crítica
     abertamente os sectores mais radicais do MFA e contesta:
       • o clima de anarquia instalado;
       • a desagregação económica e social;
       • a decomposição das estruturas do Estado.


                                                                           18
Pós-25 de Abril
– Consequências
   • Vasco Gonçalves é demitido;
   • fim da fase extremista do processo revolucionário;
   • a revolução regressa aos princípios democráticos e pluralistas de 25
     de Abril, que serão confirmados com a Constituição de 1976.




                                                                      19
20
Pós-25 de Abril
• Politica Económica antimonopolistas e intervenção do
  Estado a nível económico-financeiro
   – (set. 74) nacionalização dos bancos emissores (Banco de
   Portugal, Banco de Angola, Banco Nacional Ultramarino);
   – indemnizações aos acionistas
   – (nov.74) Decreto-Lei 660/74 permite a intervenção do estado
     nas empresas privadas acusadas de “sabotagem económica”
   – (jan.75) primeiras ocupações de terras que alastram
     rapidamente
   – (após 11/3/75): novas nacionalizações
      • Banca e seguros…
                                                            21
22
23
Pós-25 de Abril
• (abril-julho/75) legalização da Reforma Agrária
   – ±60.000 camponeses
   – Terra do Estado, alfaias e autogestão das comissões eleitas
   – Forte influência do PCP
• Legislação de proteção social
   –   Salário mínimo nacional
   –   Aumento das pensões sociais e de reforma
   –   Legislação laboral dificulta os despedimentos
   –   Aumento dos salários
   –   Tabelamento dos preços de primeira necessidade
                                                               24
Pós-25 de Abril
• Subida do poder de compra dos trabalhadores
• Inflação.




                                                25
OPÇÃO CONSTITUCIONAL DE 1976


                               26
27
Opção Constitucional de 1976
• Constituição de 1976
  – consagra um regime político de
    democracia pluralista assente no
    sufrágio universal, em eleições
    livres e na competição partidária;
  – reconhecia o Conselho da
    Revolução como órgão de
    soberania.




                                         28
Opção Constitucional de 1976
– reconhece o poder local:
   • constituído pelas autarquias locais com autonomia e
     órgãos democraticamente eleitos;
   • as regiões autónomas dos Açores e da Madeira.




                                                           29
Opção Constitucional de 1976
• A 25 de Abril
  – primeiras eleições legislativas;
  – o PS vence.




                                       30
31
32
Opção Constitucional de 1976
– Junho 1976
  • Eleição, por sufrágio directo e
    universal, para Presidente da
    República;
  • Eleito o general Ramalho
    Eanes;




                                      33
34
Opção Constitucional de 1976
– Julho 1976
  • tomava posse o I Governo
    Constitucional;
  • Mário Soares – Primeiro-
    ministro
  • Em Dezembro realizavam-se
    as primeiras eleições
    autárquicas (em que também
    o PS foi o partido mais
    votado).


                                 35
Opção Constitucional de 1976




                               36
PROCESSO DE DESCOLONIZAÇÃO


                             37
Processo de Descolonização
• Programa do MFA
  – programa dos três D:
    Descolonizar, Democratizar, Desenvolver.
  – Nas forças armadas havia opiniões divergentes;
  – A maior parte dos partidos e a população queria o fim da
    guerra e a independência das colónias;
  – Julho de 1974 -> promulgada a Lei que reconhecia o direito
    à autodeterminação e independência,




                                                            38
Processo de Descolonização
• A independência das colónias:
   – em 1974, Guiné-Bissau (Agosto);
   – em 1975, Moçambique (Junho), Cabo Verde e São Tomé e
     Príncipe (Julho) e Angola (Novembro)




                                                            39
40
Processo de Descolonização
• Retornados
  – situações de violência para
    com os portugueses;
  – obriga à fuga desses
    territórios;
  – deixam todos os seus bens e
    regressando a Portugal em
    condições difíceis.




                                  41
42
43
44
45
46
47
REVISÃO CONSTITUCIONAL DE 1982


                                 48
Revisão constitucional de 1982
• Mantém-se irreversibilidade das nacionalizações;
• Extinto o Conselho da Revolução;
• Cria o Conselho de Estado;
• Retirado poder ao Presidente da República, aumentado o
  poder do parlamento;
• Regime semipresidencialista;




                                                           49
Revisão constitucional de 1982
• Presidente da República
   – Sufrágio direto, universal e por maioria absoluta (2ª
     volta, se necessário)
   – Comandante supremo das forças armadas
   – Mandato por 5 anos (3x, das quais só 2 seguidas)
   – Garante da Constituição – poder de veto suspensivo
   – Designa o primeiro-ministro (partido + votado nas
     legislativas)
   – Pode demitir o governo e dissolver a Ass. da República.



                                                               50
Revisão constitucional de 1982
• Assembleia da República
  – Deputados eleitos pelos distritos, regiões
    autónomas, Europa e resto do mundo
  – Mandato por 4 anos
  – Grupos parlamentares por partidos
  – Órgão legislativo
  – Aprova Leis, Programa do governo, Orçamento de Estado
  – Pode demitir governo (moção de censura / confiança)




                                                            51
Revisão constitucional de 1982
• Governo
  – Primeiro-ministro nomeado pelo PR entre o partido +
    votado
  – Poder executivo e legislativo (aprova Decretos-
    Lei, Despachos…)




                                                          52
Revisão constitucional de 1982
• Tribunais
   – Juízes nomeados pelos conselhos superiores de
     magistratura
   – Autonomia
   – Tribunal Constitucional (verifica constitucionalidade das
     leis)




                                                                 53
Revisão constitucional de 1982
• Poder local
   – Regiões autónomas
      • Governo e assembleia legislativa regional
      • Ministro da República (nomeado pelo PR)
   – Câmara Municipal
      • Assembleia Municipal
   – Junta de Freguesia
      • Assembleia de Freguesia.




                                                    54

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunosVítor Santos
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra friaVítor Santos
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolíticoVítor Santos
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoCarlos Vieira
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunosVítor Santos
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogueVítor Santos
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaCarlos Vieira
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.home
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesacattonia
 
Crescimento do Japão
Crescimento do JapãoCrescimento do Japão
Crescimento do Japãohome
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialTeresa Maia
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novocattonia
 
A ascensão da Europa
A ascensão da EuropaA ascensão da Europa
A ascensão da Europapcsanto
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017Vítor Santos
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalistahome
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacionalVítor Santos
 
2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonizaçãoCarlos Vieira
 

Mais procurados (20)

8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria
 
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico
 
Apresentação A Primavera Marcelista
Apresentação A Primavera MarcelistaApresentação A Primavera Marcelista
Apresentação A Primavera Marcelista
 
1ª Republica
1ª Republica1ª Republica
1ª Republica
 
25 de Abril de 1974
25 de Abril de 197425 de Abril de 1974
25 de Abril de 1974
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à Democracia
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
 
Crescimento do Japão
Crescimento do JapãoCrescimento do Japão
Crescimento do Japão
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
 
A ascensão da Europa
A ascensão da EuropaA ascensão da Europa
A ascensão da Europa
 
00 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_201700 3 preparação_exame_nacional_2017
00 3 preparação_exame_nacional_2017
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização
 

Semelhante a Pós 25 de abril

Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512sergiocastroae6349
 
Portugal PóS 25 De Abril
Portugal PóS 25 De AbrilPortugal PóS 25 De Abril
Portugal PóS 25 De AbrilInês
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974Ana Paiva
 
25 de abril
25 de abril 25 de abril
25 de abril Jojo Cruz
 
Trabalho 25 de abril ana alves
Trabalho 25 de abril ana alvesTrabalho 25 de abril ana alves
Trabalho 25 de abril ana alvesAna Paiva
 
Apresentação Da revolução à estabilização da democracia
Apresentação Da revolução à estabilização da democraciaApresentação Da revolução à estabilização da democracia
Apresentação Da revolução à estabilização da democraciaLaboratório de História
 
Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Jorge Almeida
 
25 de Abril e o PREC....................
25 de Abril e o PREC....................25 de Abril e o PREC....................
25 de Abril e o PREC....................renatoalex74
 
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaApresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaLaboratório de História
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaAnaGomes40
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democráticoceufaias
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abriloalvarinho
 
Revolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilRevolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilCarla Teixeira
 

Semelhante a Pós 25 de abril (20)

Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
Apresentação do trabalho ponto 4.pptx4512
 
Portugal PóS 25 De Abril
Portugal PóS 25 De AbrilPortugal PóS 25 De Abril
Portugal PóS 25 De Abril
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 
25 de abril de 1974
25 de abril de 197425 de abril de 1974
25 de abril de 1974
 
25 de abril
25 de abril 25 de abril
25 de abril
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
 
Trabalho 25 de abril ana alves
Trabalho 25 de abril ana alvesTrabalho 25 de abril ana alves
Trabalho 25 de abril ana alves
 
Apresentação Da revolução à estabilização da democracia
Apresentação Da revolução à estabilização da democraciaApresentação Da revolução à estabilização da democracia
Apresentação Da revolução à estabilização da democracia
 
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
O golpe Milipar de 25 de Abril de 1974
 
Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974Revolução de 25 de Abril de 1974
Revolução de 25 de Abril de 1974
 
25 de Abril e o PREC....................
25 de Abril e o PREC....................25 de Abril e o PREC....................
25 de Abril e o PREC....................
 
Apresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democraciaApresentação Do autoritarismo à democracia
Apresentação Do autoritarismo à democracia
 
Revolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesaRevolução democrática portuguesa
Revolução democrática portuguesa
 
Trab1 8a grp08
Trab1 8a grp08Trab1 8a grp08
Trab1 8a grp08
 
Portugal democrático
Portugal democráticoPortugal democrático
Portugal democrático
 
25 Abril
25 Abril25 Abril
25 Abril
 
25 de Abril
25 de Abril25 de Abril
25 de Abril
 
A Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De AbrilA Descoberta Do 25 De Abril
A Descoberta Do 25 De Abril
 
Revolução 25 de abril
Revolução 25 de abrilRevolução 25 de abril
Revolução 25 de abril
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
 

Mais de Carlos Vieira

Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCarlos Vieira
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Carlos Vieira
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCarlos Vieira
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCarlos Vieira
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCarlos Vieira
 

Mais de Carlos Vieira (20)

Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
Abstracionismo
AbstracionismoAbstracionismo
Abstracionismo
 
O Patriota
O PatriotaO Patriota
O Patriota
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
Madame bovary
Madame bovaryMadame bovary
Madame bovary
 
Cavalo de guerra
Cavalo de guerraCavalo de guerra
Cavalo de guerra
 
Danton
DantonDanton
Danton
 
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalinaCultura do Salão – Lisboa pombalina
Cultura do Salão – Lisboa pombalina
 
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao NeoclassicoCultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
Cultura do Salão – Introdução ao Neoclassico
 
Cultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococóCultura do Salão – Pintura do rococó
Cultura do Salão – Pintura do rococó
 
Cultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacionalCultura do Salão – Rococo internacional
Cultura do Salão – Rococo internacional
 
Cultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococoCultura do Salão – Escultura do rococo
Cultura do Salão – Escultura do rococo
 
Cultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococoCultura do Salão - Origens do rococo
Cultura do Salão - Origens do rococo
 
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal Cultura do Palco - Barroco em Portugal
Cultura do Palco - Barroco em Portugal
 
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
Cultura do Palco - Pintura barroca internacional
 
Cultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura BarrocaCultura do Palco - Pintura Barroca
Cultura do Palco - Pintura Barroca
 
Cultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura BarrocaCultura do Palco - Escultura Barroca
Cultura do Palco - Escultura Barroca
 
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura BarrocaCultura do Palco - Arquitectura Barroca
Cultura do Palco - Arquitectura Barroca
 
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de VersalhesCultura do Barroco - Palácio de Versalhes
Cultura do Barroco - Palácio de Versalhes
 
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em PortugalCultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
Cultura do Palácio - Renascimento e Maneirismo em Portugal
 

Último

Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40vitoriaalyce2011
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaaCarolineFrancielle
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfLeandroTelesRocha2
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxGraycyelleCavalcanti
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkLisaneWerlang
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]ESCRIBA DE CRISTO
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetosLeonardoHenrique931183
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédioifbauab
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade geneticMrMartnoficial
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assisbrunocali007
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40Atividade português 7 ano página 38 a 40
Atividade português 7 ano página 38 a 40
 
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
22-modernismo-5-prosa-de-45.pptxrpnsaaaa
 
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdfmanual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
manual-de-direito-civil-flacc81vio-tartuce-2015-11.pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptxAULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
AULA Saúde e tradição-3º Bimestre tscqv.pptx
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkO QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
O QUINZE.pdf livro lidokkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
INTRODUÇÃO A ARQUEOLOGIA BÍBLICA [BIBLIOLOGIA]]
 
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos00Certificado - MBA - Gestão de projetos
00Certificado - MBA - Gestão de projetos
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco LeiteOs Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
Os Padres de Assaré - CE. Prof. Francisco Leite
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao AssédioApresentação Formação em Prevenção ao Assédio
Apresentação Formação em Prevenção ao Assédio
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
hereditariedade é variabilidade genetic
hereditariedade é variabilidade  genetichereditariedade é variabilidade  genetic
hereditariedade é variabilidade genetic
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 

Pós 25 de abril

  • 1. História A Pós 25 de Abril Carlos Jorge Canto Vieira Versão 1.0 Março 2013
  • 2. Rosa Coutinho, Pinheiro de Azevedo, Costa Gomes, Spínola, Jaime Marques, Diogo Neto e 2 Galvão de Melo*
  • 4. Pós-25 de Abril • I Governo Provisório (16 de Maio) – Chefiado por Adelino da Palma Carlos: • Conservador liberal; • Escolhido por Spínola. – procura equilibrar as diferentes tendências partidárias (MDP/CDE, PCP, PS, PPD) e independentes. 4
  • 5. Pós-25 de Abril • Tensões político-ideológicas – Primeiro 1º de Maio (clima de unidade) – Explosão reivindicativa espontânea incontrolável – 2 correntes: • Spínola • Comissão coordenadora do MFA – (jul.74) Demissão do primeiro-ministro (Adelino Palma Carlos) 5
  • 6. Pós-25 de Abril – (jul.74) Lei 7/74 (descolonização) – Spínola e a maioria silenciosa – O 28 de setembro de 74: derrota dos spinolistas. Demissão de Spínola; – Presidente da República: Costa Gomes. 6
  • 7. 7
  • 8. Pós-25 de Abril – Inicia-se o PREC (Processo Revolucionário em Curso): • concentração de poderes num órgão colegial, o Conselho dos Vinte; • primeiro-ministro -> general Vasco Gonçalves: – Apoiado por uma das tendências do MFA; – pelo PCP; – procura impor uma via revolucionária. 8
  • 9. 9
  • 10. Pós-25 de Abril • Dificuldades da democracia – unicidade sindical; – Eleições; – modelo de Estado e de sociedade – Tipo de regime: 10
  • 11. Pós-25 de Abril – Tipo de regime: • defensores do socialismo de tipo soviético (PCP, apoio em sectores do MFA e do PM, Vasco Gonçalves); • defensores da instituição de um regime de democracia pluralista (grupo liderado por Melo Antunes e Vítor Alves, conotado com o PS e PPD); • defensores de uma via socialista e autogestionária (apoiado em organizações de extrema-esquerda e em unidades militares revolucionárias, que tinham o apoio do COPCON). 11
  • 12. 12
  • 13. 13
  • 14. 14
  • 15. 15
  • 16. Pós-25 de Abril • 11 de Março 1975 – radicalização do MFA; – provoca a reacção por parte de sectores de direita (liderado pelo general Kaúlza de Arriaga) e de extrema- direita; – Prepara-se um golpe de Estado; – A extrema-direita afasta-se; – General Spínola envolve-se; – O golpe falha e os principais fogem para Espanha. 16
  • 17. Pós-25 de Abril • Em resposta – MFA • cria o Conselho da Revolução, ligado ao PCP, que passa a funcionar como órgão executivo do MFA; • torna-se o verdadeiro centro do poder (concentra os poderes da Junta de Salvação Nacional e do Conselho de Estado); • propõe-se orientar o Processo Revolucionário em Curso - PREC que conduziria o País rumo ao socialismo. 17
  • 18. Pós-25 de Abril • As eleições de 1975 e a inversão do processo revolucionário – eleições de 1975 -> vitória do Partido Socialista; – Reclamar maior intervenção na atividade governativa. • Verão Quente de 1975 – Iminente confronto entre os partidos conservadores e os partidos de esquerda. – O grupo dos 9 encabeçados pelo major Melo Antunes, crítica abertamente os sectores mais radicais do MFA e contesta: • o clima de anarquia instalado; • a desagregação económica e social; • a decomposição das estruturas do Estado. 18
  • 19. Pós-25 de Abril – Consequências • Vasco Gonçalves é demitido; • fim da fase extremista do processo revolucionário; • a revolução regressa aos princípios democráticos e pluralistas de 25 de Abril, que serão confirmados com a Constituição de 1976. 19
  • 20. 20
  • 21. Pós-25 de Abril • Politica Económica antimonopolistas e intervenção do Estado a nível económico-financeiro – (set. 74) nacionalização dos bancos emissores (Banco de Portugal, Banco de Angola, Banco Nacional Ultramarino); – indemnizações aos acionistas – (nov.74) Decreto-Lei 660/74 permite a intervenção do estado nas empresas privadas acusadas de “sabotagem económica” – (jan.75) primeiras ocupações de terras que alastram rapidamente – (após 11/3/75): novas nacionalizações • Banca e seguros… 21
  • 22. 22
  • 23. 23
  • 24. Pós-25 de Abril • (abril-julho/75) legalização da Reforma Agrária – ±60.000 camponeses – Terra do Estado, alfaias e autogestão das comissões eleitas – Forte influência do PCP • Legislação de proteção social – Salário mínimo nacional – Aumento das pensões sociais e de reforma – Legislação laboral dificulta os despedimentos – Aumento dos salários – Tabelamento dos preços de primeira necessidade 24
  • 25. Pós-25 de Abril • Subida do poder de compra dos trabalhadores • Inflação. 25
  • 27. 27
  • 28. Opção Constitucional de 1976 • Constituição de 1976 – consagra um regime político de democracia pluralista assente no sufrágio universal, em eleições livres e na competição partidária; – reconhecia o Conselho da Revolução como órgão de soberania. 28
  • 29. Opção Constitucional de 1976 – reconhece o poder local: • constituído pelas autarquias locais com autonomia e órgãos democraticamente eleitos; • as regiões autónomas dos Açores e da Madeira. 29
  • 30. Opção Constitucional de 1976 • A 25 de Abril – primeiras eleições legislativas; – o PS vence. 30
  • 31. 31
  • 32. 32
  • 33. Opção Constitucional de 1976 – Junho 1976 • Eleição, por sufrágio directo e universal, para Presidente da República; • Eleito o general Ramalho Eanes; 33
  • 34. 34
  • 35. Opção Constitucional de 1976 – Julho 1976 • tomava posse o I Governo Constitucional; • Mário Soares – Primeiro- ministro • Em Dezembro realizavam-se as primeiras eleições autárquicas (em que também o PS foi o partido mais votado). 35
  • 38. Processo de Descolonização • Programa do MFA – programa dos três D: Descolonizar, Democratizar, Desenvolver. – Nas forças armadas havia opiniões divergentes; – A maior parte dos partidos e a população queria o fim da guerra e a independência das colónias; – Julho de 1974 -> promulgada a Lei que reconhecia o direito à autodeterminação e independência, 38
  • 39. Processo de Descolonização • A independência das colónias: – em 1974, Guiné-Bissau (Agosto); – em 1975, Moçambique (Junho), Cabo Verde e São Tomé e Príncipe (Julho) e Angola (Novembro) 39
  • 40. 40
  • 41. Processo de Descolonização • Retornados – situações de violência para com os portugueses; – obriga à fuga desses territórios; – deixam todos os seus bens e regressando a Portugal em condições difíceis. 41
  • 42. 42
  • 43. 43
  • 44. 44
  • 45. 45
  • 46. 46
  • 47. 47
  • 49. Revisão constitucional de 1982 • Mantém-se irreversibilidade das nacionalizações; • Extinto o Conselho da Revolução; • Cria o Conselho de Estado; • Retirado poder ao Presidente da República, aumentado o poder do parlamento; • Regime semipresidencialista; 49
  • 50. Revisão constitucional de 1982 • Presidente da República – Sufrágio direto, universal e por maioria absoluta (2ª volta, se necessário) – Comandante supremo das forças armadas – Mandato por 5 anos (3x, das quais só 2 seguidas) – Garante da Constituição – poder de veto suspensivo – Designa o primeiro-ministro (partido + votado nas legislativas) – Pode demitir o governo e dissolver a Ass. da República. 50
  • 51. Revisão constitucional de 1982 • Assembleia da República – Deputados eleitos pelos distritos, regiões autónomas, Europa e resto do mundo – Mandato por 4 anos – Grupos parlamentares por partidos – Órgão legislativo – Aprova Leis, Programa do governo, Orçamento de Estado – Pode demitir governo (moção de censura / confiança) 51
  • 52. Revisão constitucional de 1982 • Governo – Primeiro-ministro nomeado pelo PR entre o partido + votado – Poder executivo e legislativo (aprova Decretos- Lei, Despachos…) 52
  • 53. Revisão constitucional de 1982 • Tribunais – Juízes nomeados pelos conselhos superiores de magistratura – Autonomia – Tribunal Constitucional (verifica constitucionalidade das leis) 53
  • 54. Revisão constitucional de 1982 • Poder local – Regiões autónomas • Governo e assembleia legislativa regional • Ministro da República (nomeado pelo PR) – Câmara Municipal • Assembleia Municipal – Junta de Freguesia • Assembleia de Freguesia. 54