SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
PORTUGAL:
O ESTADO
NOVO
A Grande Depressão, nos anos 30 do século passado, fragilizou o capitalismo
e a democracia. A Itália e a Alemanha seguiram o caminho do fascismo. Em
Portugal, o autoritarismo concretizou-se no Estado Novo, implantado em
1933 e personificado na figura de Oliveira Salazar.
Contexto
António de Oliveira Salazar chegou ao poder em
1928, assumindo a Pasta das Finanças, num
contexto de profunda crise económica.
• Salazar impôs condições para assumir o cargo que
equivalia a uma “ditadura financeira” (doc. 1, p.188)
procurando controlar os orçamentos dos
ministérios e vetar qualquer aumento de despesa.
Salazar conseguiu um saldo orçamental positivo em
Portugal, o que lhe deu prestígio e valeu-lhe, em
1932, a nomeação para chefe do Governo.
Foi considerado o “salvador da pátria” e obteve o
apoio de todos os que tinham hostilizado a Primeira
República:
“Salazar, salvador da Pátria”,
postal anónimo de 1935
Hierarquia religiosa e devotos
católicos
Monárquicos integralistas
Burgueses (alta burguesia ligada ao
comercio colonial e externo; pequena e
média burguesias pauperizadas)
Ato Colonial (1930)
Define o quadro jurídico-institucional
de uma nova política para os
territórios sob dominação portuguesa.
O conjunto dos territórios possuídos
pelos portugueses passou a
denominar-se Império Colonial
Português.
Organização da União Nacional (1930)
Entre 1930 e 1933, Salazar lançou os alicerces de uma nova politica:
Estatuto do Trabalho Nacional (1933)
Define a organização corporativa do
Estado e baseia-se na Carta del Lavoro
italiana.
Constituição (1933)
Secretariado de Propaganda
Nacional (1936)
Para divulgação do ideário
nacionalista e padronização da
cultura e das artes do regime.
Estava criado o Estado Novo, um Estado autoritário, cujas fórmulas político-
institucionais foram decalcadas dos modelos fascistas (apesar de Salazar
condenar o seu caráter violento e pagão), particularmente do italiano.
Cartaz de propaganda do SPN que destaca 10 ideias fundamentais defendidas pelo
Estado Novo.
PRINCÍPIOS IDEOLÓGICOS DO ESTADO NOVO
Antipartidarismo
Conservadorismo
Colonialismo
Autoritarismo
Antidemocrático e Repressivo
Antiliberalismo
Antiparlamentarismo
Nacionalismo
Corporativismo
1. ESTADO ANTIPARTIDÁRIO, ANTILIBERAL, ANTIPARLAMENTAR E
ANTIDEMOCRÁTICO
• Recusava a soberania popular
• Impedia a realização de eleições livres
• Não respeitava os direitos individuais
• Rejeitava o pluripartidarismo (a União Nacional era o único partido)
• Subordinava as liberdade individuais aos interesses do estado
2. ESTADO AUTORITÁRIO
Apelo ao Estado Forte na propaganda
A Constituição de 1933 consagrou o
regime do Estado Novo, os seus princípios
e estrutura organizativa.
Doc, 3, pág.189
3. ESTADO CONSERVADOR E TRADICIONALISTA
“Não discutimos Deus […],
não discutimos a Pátria […],
não discutimos a autoridade […],
não discutimos a Família”
OS VALORES FUNDAMENTAIS
NÃO ERAM DISCUTIDOS
Trilogia: Deus, Pátria e Família;
(Uma sociedade educada segundo o modelo cristão - Deus, nacionalista – Pátria,
e corporativa - Família;)
• Exaltou as tradições nacionais.
• Rejeitou as vanguardas culturais.
• Promoveu a defesa de tudo o que fosse genuinamente português.
• Valorizava o mundo rural.
• Apoiava-se na hierarquia e na religião católica.
• A base da nação era a família com papéis rigidamente atribuídos à
mulher e ao homem.
4. ESTADO NACIONALISTA
Portugueses - um Povo de Heróis
(D. Afonso Henriques, D. Nuno Álvares Pereira,
Camões e Gil Vicente)
O Estado Novo mitificou a História de
Portugal para fazer a apologia da nação
Evocação do passado histórico
grandioso (Infante D. Henrique, Vasco da Gama
e os indígenas – alusão ao colonialismo)
Doc.4 e 5, pág. 191
Evocação da expansão do
cristianismo (missionários)
Nacionalismo (a presença do Escudo central)
A família (Infante D. Henrique, Vasco da Gama e
os indígenas – alusão ao colonialismo)
Defesa da ruralidade (o trabalho no campo)
5. ESTADO REPRESSIVO
Reprime a oposição através:
• Da censura
• Da polícia política (PVDE - PIDE - DGS)
• Do uso de tortura nos interrogatórios
• Da proibição dos sindicatos livres
e da corporativização dos
trabalhadores
• Da criação de prisões (Caxias e
Peniche)
• De campos de concentração
(Tarrafal e S. Nicolau, em Cabo Verde;
Machava, em Moçambique).
Cela da prisão de Caxias
Doc.8, pág. 193
Torturas
Parlatório da prisão de Peniche
ENQUADRAMENTO DAS MASSAS
6. ESTADO DOUTRINADOR
• Da Fundação para a Alegria no Trabalho (FNAT)
• Do Ensino através do livro único
• Do Secretariado de Propaganda Nacional (SPN)
• Do partido único (União Nacional)
• Das Organizações paramilitares de enquadramento das massas
(Mocidade Portuguesa; Legião Portuguesa)
• Das organizações femininas de enquadramento
(Mocidade Portuguesa Feminina; Obra das Mães para a Educação
Nacional)
• Da obrigatoriedade do juramento dos funcionários públicos
• Dos sindicatos nacionais
Salazar enquadrou a população em organizações
para controlar e obter a sua adesão ao regime
Controlou a cultura e o ensino através:
Em 1936 surgiram duas organizações de carater fascista:
A Legião Portuguesa: organização
paramilitar destinada à população adulta,
doutrinada e treinada para repelir a
“ameaça bolchevista”;
Cartão de identificação da Legião Portuguesa
Legionários em Lisboa
Bivaque da Legião Portuguesa
Doc.9, pág. 195
A Mocidade Portuguesa:
organização juvenil destinada a
ideologizar a juventude,
incutindo-lhe o patriotismo, o
respeito pela ordem, o culto do
chefe e o espírito militar. Tinha
como destinatários a juventude
em idade escolar (entre os 7 e os
14 anos era obrigatória).
Cartão de identificação da Mocidade Portuguesa
O Ministro da Educação Nacional, Carneiro Pacheco, num evento da Mocidade
Portuguesa.
Em dezembro de 1937 formou-se
a Mocidade Portuguesa Feminina, cujos
objetivos, de acordo com a ideologia do
Estado Novo, eram formar uma nova
mulher, boa católica, futura mãe e esposa
obediente.
A mulher desempenhou um papel passivo na economia, na sociedade, na
política e na vida cultural, realçada apenas como dona de casa exemplar, mãe
virtuosa e esposa submissa.
7. ESTADO CORPORATIVO
Objetivos:
• Impor a supremacia do Estado.
• Garantir a colaboração entre as
classes para anular a luta de
classes, conciliando interesses
divergentes.
• Defender o “Interesse Nacional”
e o “Bem Comum” para promover
a Unidade Nacional.
• Garantir a Ordem, a Disciplina e a
Autoridade Social e Económica.
Doc.18, pág. 204
A vida económica e social do país deveria estar organizada em corporações.
Os trabalhadores portugueses (comércio, indústria e serviços) deveriam
organizar-se em Sindicatos Nacionais e os patrões em Grémios de acordo
com os ramos de atividade profissional.
Grémios e Sindicatos Nacionais
agrupavam-se, num segundo nível, em
federações e uniões , e, por fim, em
corporações económicas. Deveriam então
entender-se na negociação das matérias
laborais, negociando entre si os contratos
coletivos de trabalho, as normas e cotas
de produção, fixariam preços e salários.
O Estado superintendia as
negociações, evitando a
concorrência desleal,
assegurando o direito ao
trabalho e ao salário,
proibindo o lockout e a
greve.
CASA DOS PESCADORES (associações de
gentes do mar e seus empresários)
SINDICATOS NACIONAIS GRÉMIOS
FEDERAÇÕES E UNIÕES
CORPORAÇÕES
podiam ser económicas, morais, de assistência, culturais
Salazar enquadrou os indivíduos em organizações
(meios de controlo da sociedade, da economia e das relações laborais)
REPRESENTANTES DOS VÁRIOS ORGANISMOS CORPORATIVOS FORMAM
Estrutura Corporativa
CASA DO POVO
(onde se faziam representar todos os que
trabalhavam na agricultura)
• A melhor administração
dos dinheiros públicos
A economia durante o Estado Novo: a submissão aos imperativos políticos.
Criar novos impostos:
• Imposto complementar sobre o
rendimento
• Imposto profissional
• Imposto de salvação pública
sobre funcionários públicos
• Diminuir as despesas
• Aumentar as receitas
A intervenção protecionista do Estado visava promover o nacionalismo
económico e a estabilidade financeira, pelo que Salazar procurou:.
As contas públicas, nos anos 30, adquiriram uma maior solidez e o Estado
avança no sentido da autarcia.
A agricultura era o principal setor de atividade e a imagem da simplicidade, do
trabalho, da humildade e da família.
A DEFESA DA RURALIDADE
Salazar defendeu a agricultura a fim de assegurar a autarcia, reduzir a
dependência exterior e aumentar as exportações.
Para promover esta atividade foram tomadas as seguintes medidas:
• Promoção das Campanhas de Produção (para desenvolver a vinha, a produção de azeite, de
cortiça…)
• Implementação de uma Política Económica fortemente Protecionista e
Autárcica
• Estimulo à Produção Agrícola
• Aumento da área arável - Plano de Florestação e aproveitamento dos
recursos hidráulicos
Doc.14, pág. 199
O CONDICIONAMENTO INDUSTRIAL
O condicionamento industrial foi uma política centralista e dirigista que,
embora transitória, marcou a política económica do Estado Novo
durante os anos 30 e 40.
As iniciativas empresariais deviam enquadrar-se num modelo económico
definido e dirigido pelo Estado – tudo dependia da autorização do Estado
que se afirmava fortemente dirigista e intervencionista.
Objetivos:
• Promover a intervenção do Estado na economia;
• Impor regras para evitar a superprodução, o desemprego e a consequente
agitação social (que marcou a 1ª República);
• Conter o crescimento do operariado urbano;
• Defender o nacionalismo económico ( são criadas barreiras alfandegárias que dificultavam as
importações);
• Regular a atividade produtiva e a concorrência ( os salários são reduzidos para manter os preços
competitivos);
Impediu a concorrência
Aumentou a burocracia
Protegeu empresas e favoreceu a concentração
industrial (a burguesia industrial era o suporte social do regime)
Limitou a modernização do país
Consequências:
Docs.16 e 17, pág. 202
O PROGRAMA DE OBRAS PÚBLICAS
O Estado Novo, com o ministro Duarte Pacheco, investiu nas obras públicas
para criar infraestruturas que permitissem:
Modernizar o país
Impulsionar o desenvolvimento
económico
Reduzir o desemprego
Criação de Infraestruturas
•Construção de estradas (autoestrada Lisboa Vila Franca de Xira)
•Construção de pontes (Ponte 25 de Abril)
•Melhoramentos na rede ferroviária
•Criação do metropolitano
•Melhoramento dos portos
•Construção de barragens e de centrais para aproveitamento
hidroelétrico
Medidas:
Doc.15, pág. 201
Expansão dos Meios de Comunicação
•Telefone
•Telégrafo
Medidas:
Construção de Equipamentos
Públicos
•Construção de hospitais, escolas,
tribunais, prisões, estádios, quartéis,
bairros para os trabalhadores
Restauro de Monumentos Nacionais
(Palácio de Queluz, Museu Nacional de Arte Antiga)
A POLÍTICA COLONIAL
As colónias foram fundamentais
para a política do nacionalismo
económico: eram importantes
fontes de matérias-primas (café,
sisal, algodão, minérios) e
excelentes mercados para escoar os
produtos agrícolas e industriais.
Ato colonial (1930)
Estabelece a subordinação das
colónias aos interesses da
metrópole.
Doc.22, pág. 206
Política colonial :
• Proclama a vocação colonial de Portugal
• Promove a missão civilizadora dos portugueses
• Incute no povo português a mística colonial
• Promove congressos, conferências e exposições que
servem de propaganda:
I Exposição Colonial Portuguesa
(Porto, 1934)
Exposição do Mundo Português
(Lisboa, 1940)
Ao Secretariado da Propaganda Nacional (SPN) criado em 1933, dirigido por
António Ferro, coube a tarefa de mediatizar e glorificar o regime.
SUBORDINAÇÃO IDEOLÓGICA (formas de ação)
Instituição de prémios literários e artísticos
Concessão de patrocínios
Realização de exposições, festivais, concursos
Apoio e controlo das artes, dos espetáculos e de todas
as formas de expressão
O PROJETO CULTURAL DO REGIME – “A política do Espírito”
As exposições, os cortejos históricos, as campanhas (agrícolas e pecuárias ou a divulgação das obras
públicas) contribuíram para a propaganda e consolidação do Estado Novo.
Exposição “O MUNDO PORTUGUÊS”, 1940
comemorativa do duplo centenário da fundação e da restauração
da independência de Portugal.
• Procurou criar um “estilo português”
• Padronizou a cultura
• Restringiu a livre produção cultural
• Procurou conciliar a tradição e a vanguarda
Objetivos da “Política do espírito”:
• Elevar a mente dos portugueses.
• Valorizar o espírito nacional e a cultura popular.
• Promover o regime.
Subordinação ideológica da Cultura
Doc. 23, pág.
208
Estado Novo
Foi o regime político instituído por António de Oliveira Salazar, inspirado nos regimes
instituídos por Benito Mussolini na Itália e por Adolf Hitler na Alemanha, que vigorou em Portugal sem
interrupção, embora com alterações de forma e conteúdo, desde 1933 até 1974.
Durante este período:
- as eleições, além de não serem livres eram acompanhadas de diversas
ilegalidades;
- as liberdades e direitos dos cidadãos dependiam de "leis especiais" que, na
prática, os anulavam;
- a Assembleia Nacional, que devia ser o órgão legislativo por excelência,
dispunha de um poder muito limitado (e meramente consultivo), pois era o
presidente do Conselho através do governo que tomava a iniciativa de
propor as leis que teriam a aprovação imediata;
- a autoridade do Presidente da República era legalmente superior à do
presidente do Conselho mas, na prática, este teve sempre maior poder e
notoriedade do que o primeiro.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziRui Neto
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunosVítor Santos
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novocattonia
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacionalVítor Santos
 
A Ditadura Salazarista
A Ditadura SalazaristaA Ditadura Salazarista
A Ditadura SalazaristaCarlos Vieira
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoJorge Almeida
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaDina Baptista
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.home
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesacattonia
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismohome
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogueVítor Santos
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novobandeirolas
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoCarlos Vieira
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era EstalinistaRainha Maga
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democraciahome
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30Vítor Santos
 

Mais procurados (20)

Os Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e NaziOs Regimes Fascista e Nazi
Os Regimes Fascista e Nazi
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
Estado novo
Estado novoEstado novo
Estado novo
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
 
A Ditadura Salazarista
A Ditadura SalazaristaA Ditadura Salazarista
A Ditadura Salazarista
 
Salazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado NovoSalazar e o Estado Novo
Salazar e o Estado Novo
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
A queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª repúblicaA queda da monarquia e a 1ª república
A queda da monarquia e a 1ª república
 
A primeira república portuguesa
A primeira república portuguesaA primeira república portuguesa
A primeira república portuguesa
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
 
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
7 01 as transformações das primeiras décadas do século xx blogue
 
Estado Novo 1
Estado Novo 1Estado Novo 1
Estado Novo 1
 
Salazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- NovoSalazar e o Estado- Novo
Salazar e o Estado- Novo
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
A Era Estalinista
A Era EstalinistaA Era Estalinista
A Era Estalinista
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
 
Milagre japones
Milagre japonesMilagre japones
Milagre japones
 
Frentes populares
Frentes popularesFrentes populares
Frentes populares
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 

Semelhante a O Estado Novo (20)

A Construção do Estado Novo
A Construção do Estado NovoA Construção do Estado Novo
A Construção do Estado Novo
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo
Caderno Diário Portugal e o Estado NovoCaderno Diário Portugal e o Estado Novo
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo
 
Caderno 8 Estado Novo
Caderno 8   Estado NovoCaderno 8   Estado Novo
Caderno 8 Estado Novo
 
Caderno 01 estado novo
Caderno 01   estado novoCaderno 01   estado novo
Caderno 01 estado novo
 
Ditaduras
DitadurasDitaduras
Ditaduras
 
Apresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado NovoApresentação O Estado Novo
Apresentação O Estado Novo
 
O estado novo versao simplificada
O estado novo versao simplificadaO estado novo versao simplificada
O estado novo versao simplificada
 
Do autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democraciaDo autoritarismo à democracia
Do autoritarismo à democracia
 
3º ano era vargas
3º ano   era vargas3º ano   era vargas
3º ano era vargas
 
Fascismos
FascismosFascismos
Fascismos
 
3º ano - Era Vargas 1930-1945
3º ano  - Era Vargas 1930-19453º ano  - Era Vargas 1930-1945
3º ano - Era Vargas 1930-1945
 
Ditadura salazarista e estado novo
Ditadura salazarista e estado novo Ditadura salazarista e estado novo
Ditadura salazarista e estado novo
 
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
Caderno Diário Portugal e o Estado Novo n.º 20 1415
 
A ditadura salazarista
A ditadura salazaristaA ditadura salazarista
A ditadura salazarista
 
História do Brasil
História do BrasilHistória do Brasil
História do Brasil
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
 
Era vargas1
Era vargas1Era vargas1
Era vargas1
 
REVISÃO 3º ANO ENSINO MÉDIO
REVISÃO 3º ANO ENSINO MÉDIOREVISÃO 3º ANO ENSINO MÉDIO
REVISÃO 3º ANO ENSINO MÉDIO
 
Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021
Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021
Brasil era vargas (1930 - 1945) 2021
 
1007
10071007
1007
 

Mais de Susana Simões

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do OrienteSusana Simões
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasSusana Simões
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Susana Simões
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalSusana Simões
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaSusana Simões
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaSusana Simões
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaSusana Simões
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaSusana Simões
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraSusana Simões
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialSusana Simões
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaSusana Simões
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesSusana Simões
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosSusana Simões
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoSusana Simões
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Susana Simões
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasSusana Simões
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIISusana Simões
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoSusana Simões
 

Mais de Susana Simões (20)

O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
A administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios PeninularesA administração dos Impérios Peninulares
A administração dos Impérios Peninulares
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 

Último

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptxlucioalmeida2702
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfPastor Robson Colaço
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfLeandroTelesRocha2
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorCasa Ciências
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfemeio123
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxSolangeWaltre
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfssuserbb4ac2
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 

Último (20)

"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/AcumuladorRecurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
Recurso da Casa das Ciências: Bateria/Acumulador
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdfLabor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
Labor e Trabalho em A Condição Humana de Hannah Arendt .pdf
 
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docxAtividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
Atividades-Sobre-o-Conto-Venha-Ver-o-Por-Do-Sol.docx
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Poema - Reciclar é preciso
Poema            -        Reciclar é precisoPoema            -        Reciclar é preciso
Poema - Reciclar é preciso
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 

O Estado Novo

  • 2. A Grande Depressão, nos anos 30 do século passado, fragilizou o capitalismo e a democracia. A Itália e a Alemanha seguiram o caminho do fascismo. Em Portugal, o autoritarismo concretizou-se no Estado Novo, implantado em 1933 e personificado na figura de Oliveira Salazar. Contexto António de Oliveira Salazar chegou ao poder em 1928, assumindo a Pasta das Finanças, num contexto de profunda crise económica. • Salazar impôs condições para assumir o cargo que equivalia a uma “ditadura financeira” (doc. 1, p.188) procurando controlar os orçamentos dos ministérios e vetar qualquer aumento de despesa.
  • 3. Salazar conseguiu um saldo orçamental positivo em Portugal, o que lhe deu prestígio e valeu-lhe, em 1932, a nomeação para chefe do Governo. Foi considerado o “salvador da pátria” e obteve o apoio de todos os que tinham hostilizado a Primeira República: “Salazar, salvador da Pátria”, postal anónimo de 1935 Hierarquia religiosa e devotos católicos Monárquicos integralistas Burgueses (alta burguesia ligada ao comercio colonial e externo; pequena e média burguesias pauperizadas)
  • 4. Ato Colonial (1930) Define o quadro jurídico-institucional de uma nova política para os territórios sob dominação portuguesa. O conjunto dos territórios possuídos pelos portugueses passou a denominar-se Império Colonial Português. Organização da União Nacional (1930) Entre 1930 e 1933, Salazar lançou os alicerces de uma nova politica:
  • 5. Estatuto do Trabalho Nacional (1933) Define a organização corporativa do Estado e baseia-se na Carta del Lavoro italiana. Constituição (1933) Secretariado de Propaganda Nacional (1936) Para divulgação do ideário nacionalista e padronização da cultura e das artes do regime. Estava criado o Estado Novo, um Estado autoritário, cujas fórmulas político- institucionais foram decalcadas dos modelos fascistas (apesar de Salazar condenar o seu caráter violento e pagão), particularmente do italiano.
  • 6. Cartaz de propaganda do SPN que destaca 10 ideias fundamentais defendidas pelo Estado Novo. PRINCÍPIOS IDEOLÓGICOS DO ESTADO NOVO Antipartidarismo Conservadorismo Colonialismo Autoritarismo Antidemocrático e Repressivo Antiliberalismo Antiparlamentarismo Nacionalismo Corporativismo
  • 7. 1. ESTADO ANTIPARTIDÁRIO, ANTILIBERAL, ANTIPARLAMENTAR E ANTIDEMOCRÁTICO • Recusava a soberania popular • Impedia a realização de eleições livres • Não respeitava os direitos individuais • Rejeitava o pluripartidarismo (a União Nacional era o único partido) • Subordinava as liberdade individuais aos interesses do estado 2. ESTADO AUTORITÁRIO Apelo ao Estado Forte na propaganda A Constituição de 1933 consagrou o regime do Estado Novo, os seus princípios e estrutura organizativa. Doc, 3, pág.189
  • 8. 3. ESTADO CONSERVADOR E TRADICIONALISTA “Não discutimos Deus […], não discutimos a Pátria […], não discutimos a autoridade […], não discutimos a Família” OS VALORES FUNDAMENTAIS NÃO ERAM DISCUTIDOS Trilogia: Deus, Pátria e Família; (Uma sociedade educada segundo o modelo cristão - Deus, nacionalista – Pátria, e corporativa - Família;)
  • 9. • Exaltou as tradições nacionais. • Rejeitou as vanguardas culturais. • Promoveu a defesa de tudo o que fosse genuinamente português. • Valorizava o mundo rural. • Apoiava-se na hierarquia e na religião católica. • A base da nação era a família com papéis rigidamente atribuídos à mulher e ao homem.
  • 10.
  • 11. 4. ESTADO NACIONALISTA Portugueses - um Povo de Heróis (D. Afonso Henriques, D. Nuno Álvares Pereira, Camões e Gil Vicente) O Estado Novo mitificou a História de Portugal para fazer a apologia da nação Evocação do passado histórico grandioso (Infante D. Henrique, Vasco da Gama e os indígenas – alusão ao colonialismo) Doc.4 e 5, pág. 191 Evocação da expansão do cristianismo (missionários) Nacionalismo (a presença do Escudo central) A família (Infante D. Henrique, Vasco da Gama e os indígenas – alusão ao colonialismo) Defesa da ruralidade (o trabalho no campo)
  • 12. 5. ESTADO REPRESSIVO Reprime a oposição através: • Da censura • Da polícia política (PVDE - PIDE - DGS) • Do uso de tortura nos interrogatórios • Da proibição dos sindicatos livres e da corporativização dos trabalhadores • Da criação de prisões (Caxias e Peniche) • De campos de concentração (Tarrafal e S. Nicolau, em Cabo Verde; Machava, em Moçambique). Cela da prisão de Caxias Doc.8, pág. 193
  • 14. ENQUADRAMENTO DAS MASSAS 6. ESTADO DOUTRINADOR • Da Fundação para a Alegria no Trabalho (FNAT) • Do Ensino através do livro único • Do Secretariado de Propaganda Nacional (SPN) • Do partido único (União Nacional) • Das Organizações paramilitares de enquadramento das massas (Mocidade Portuguesa; Legião Portuguesa) • Das organizações femininas de enquadramento (Mocidade Portuguesa Feminina; Obra das Mães para a Educação Nacional) • Da obrigatoriedade do juramento dos funcionários públicos • Dos sindicatos nacionais Salazar enquadrou a população em organizações para controlar e obter a sua adesão ao regime Controlou a cultura e o ensino através:
  • 15. Em 1936 surgiram duas organizações de carater fascista: A Legião Portuguesa: organização paramilitar destinada à população adulta, doutrinada e treinada para repelir a “ameaça bolchevista”; Cartão de identificação da Legião Portuguesa Legionários em Lisboa Bivaque da Legião Portuguesa Doc.9, pág. 195
  • 16. A Mocidade Portuguesa: organização juvenil destinada a ideologizar a juventude, incutindo-lhe o patriotismo, o respeito pela ordem, o culto do chefe e o espírito militar. Tinha como destinatários a juventude em idade escolar (entre os 7 e os 14 anos era obrigatória). Cartão de identificação da Mocidade Portuguesa O Ministro da Educação Nacional, Carneiro Pacheco, num evento da Mocidade Portuguesa.
  • 17. Em dezembro de 1937 formou-se a Mocidade Portuguesa Feminina, cujos objetivos, de acordo com a ideologia do Estado Novo, eram formar uma nova mulher, boa católica, futura mãe e esposa obediente. A mulher desempenhou um papel passivo na economia, na sociedade, na política e na vida cultural, realçada apenas como dona de casa exemplar, mãe virtuosa e esposa submissa.
  • 18.
  • 19. 7. ESTADO CORPORATIVO Objetivos: • Impor a supremacia do Estado. • Garantir a colaboração entre as classes para anular a luta de classes, conciliando interesses divergentes. • Defender o “Interesse Nacional” e o “Bem Comum” para promover a Unidade Nacional. • Garantir a Ordem, a Disciplina e a Autoridade Social e Económica. Doc.18, pág. 204
  • 20. A vida económica e social do país deveria estar organizada em corporações. Os trabalhadores portugueses (comércio, indústria e serviços) deveriam organizar-se em Sindicatos Nacionais e os patrões em Grémios de acordo com os ramos de atividade profissional. Grémios e Sindicatos Nacionais agrupavam-se, num segundo nível, em federações e uniões , e, por fim, em corporações económicas. Deveriam então entender-se na negociação das matérias laborais, negociando entre si os contratos coletivos de trabalho, as normas e cotas de produção, fixariam preços e salários. O Estado superintendia as negociações, evitando a concorrência desleal, assegurando o direito ao trabalho e ao salário, proibindo o lockout e a greve.
  • 21. CASA DOS PESCADORES (associações de gentes do mar e seus empresários) SINDICATOS NACIONAIS GRÉMIOS FEDERAÇÕES E UNIÕES CORPORAÇÕES podiam ser económicas, morais, de assistência, culturais Salazar enquadrou os indivíduos em organizações (meios de controlo da sociedade, da economia e das relações laborais) REPRESENTANTES DOS VÁRIOS ORGANISMOS CORPORATIVOS FORMAM Estrutura Corporativa CASA DO POVO (onde se faziam representar todos os que trabalhavam na agricultura)
  • 22.
  • 23. • A melhor administração dos dinheiros públicos A economia durante o Estado Novo: a submissão aos imperativos políticos. Criar novos impostos: • Imposto complementar sobre o rendimento • Imposto profissional • Imposto de salvação pública sobre funcionários públicos • Diminuir as despesas • Aumentar as receitas A intervenção protecionista do Estado visava promover o nacionalismo económico e a estabilidade financeira, pelo que Salazar procurou:. As contas públicas, nos anos 30, adquiriram uma maior solidez e o Estado avança no sentido da autarcia.
  • 24.
  • 25. A agricultura era o principal setor de atividade e a imagem da simplicidade, do trabalho, da humildade e da família. A DEFESA DA RURALIDADE Salazar defendeu a agricultura a fim de assegurar a autarcia, reduzir a dependência exterior e aumentar as exportações. Para promover esta atividade foram tomadas as seguintes medidas:
  • 26. • Promoção das Campanhas de Produção (para desenvolver a vinha, a produção de azeite, de cortiça…) • Implementação de uma Política Económica fortemente Protecionista e Autárcica • Estimulo à Produção Agrícola • Aumento da área arável - Plano de Florestação e aproveitamento dos recursos hidráulicos Doc.14, pág. 199
  • 27. O CONDICIONAMENTO INDUSTRIAL O condicionamento industrial foi uma política centralista e dirigista que, embora transitória, marcou a política económica do Estado Novo durante os anos 30 e 40. As iniciativas empresariais deviam enquadrar-se num modelo económico definido e dirigido pelo Estado – tudo dependia da autorização do Estado que se afirmava fortemente dirigista e intervencionista. Objetivos: • Promover a intervenção do Estado na economia; • Impor regras para evitar a superprodução, o desemprego e a consequente agitação social (que marcou a 1ª República);
  • 28. • Conter o crescimento do operariado urbano; • Defender o nacionalismo económico ( são criadas barreiras alfandegárias que dificultavam as importações); • Regular a atividade produtiva e a concorrência ( os salários são reduzidos para manter os preços competitivos);
  • 29. Impediu a concorrência Aumentou a burocracia Protegeu empresas e favoreceu a concentração industrial (a burguesia industrial era o suporte social do regime) Limitou a modernização do país Consequências: Docs.16 e 17, pág. 202
  • 30. O PROGRAMA DE OBRAS PÚBLICAS O Estado Novo, com o ministro Duarte Pacheco, investiu nas obras públicas para criar infraestruturas que permitissem: Modernizar o país Impulsionar o desenvolvimento económico Reduzir o desemprego
  • 31. Criação de Infraestruturas •Construção de estradas (autoestrada Lisboa Vila Franca de Xira) •Construção de pontes (Ponte 25 de Abril) •Melhoramentos na rede ferroviária •Criação do metropolitano •Melhoramento dos portos •Construção de barragens e de centrais para aproveitamento hidroelétrico Medidas: Doc.15, pág. 201
  • 32.
  • 33. Expansão dos Meios de Comunicação •Telefone •Telégrafo Medidas: Construção de Equipamentos Públicos •Construção de hospitais, escolas, tribunais, prisões, estádios, quartéis, bairros para os trabalhadores Restauro de Monumentos Nacionais (Palácio de Queluz, Museu Nacional de Arte Antiga)
  • 34. A POLÍTICA COLONIAL As colónias foram fundamentais para a política do nacionalismo económico: eram importantes fontes de matérias-primas (café, sisal, algodão, minérios) e excelentes mercados para escoar os produtos agrícolas e industriais. Ato colonial (1930) Estabelece a subordinação das colónias aos interesses da metrópole.
  • 36. Política colonial : • Proclama a vocação colonial de Portugal • Promove a missão civilizadora dos portugueses • Incute no povo português a mística colonial • Promove congressos, conferências e exposições que servem de propaganda: I Exposição Colonial Portuguesa (Porto, 1934) Exposição do Mundo Português (Lisboa, 1940)
  • 37. Ao Secretariado da Propaganda Nacional (SPN) criado em 1933, dirigido por António Ferro, coube a tarefa de mediatizar e glorificar o regime. SUBORDINAÇÃO IDEOLÓGICA (formas de ação) Instituição de prémios literários e artísticos Concessão de patrocínios Realização de exposições, festivais, concursos Apoio e controlo das artes, dos espetáculos e de todas as formas de expressão O PROJETO CULTURAL DO REGIME – “A política do Espírito” As exposições, os cortejos históricos, as campanhas (agrícolas e pecuárias ou a divulgação das obras públicas) contribuíram para a propaganda e consolidação do Estado Novo.
  • 38. Exposição “O MUNDO PORTUGUÊS”, 1940 comemorativa do duplo centenário da fundação e da restauração da independência de Portugal.
  • 39. • Procurou criar um “estilo português” • Padronizou a cultura • Restringiu a livre produção cultural • Procurou conciliar a tradição e a vanguarda Objetivos da “Política do espírito”: • Elevar a mente dos portugueses. • Valorizar o espírito nacional e a cultura popular. • Promover o regime. Subordinação ideológica da Cultura Doc. 23, pág. 208
  • 40. Estado Novo Foi o regime político instituído por António de Oliveira Salazar, inspirado nos regimes instituídos por Benito Mussolini na Itália e por Adolf Hitler na Alemanha, que vigorou em Portugal sem interrupção, embora com alterações de forma e conteúdo, desde 1933 até 1974. Durante este período: - as eleições, além de não serem livres eram acompanhadas de diversas ilegalidades; - as liberdades e direitos dos cidadãos dependiam de "leis especiais" que, na prática, os anulavam; - a Assembleia Nacional, que devia ser o órgão legislativo por excelência, dispunha de um poder muito limitado (e meramente consultivo), pois era o presidente do Conselho através do governo que tomava a iniciativa de propor as leis que teriam a aprovação imediata; - a autoridade do Presidente da República era legalmente superior à do presidente do Conselho mas, na prática, este teve sempre maior poder e notoriedade do que o primeiro.