SlideShare uma empresa Scribd logo
História A - Módulo 8
Portugal e o Mundo da Segunda Guerra Mundial
ao início da década de 80
Opções Internas e Contexto Internacional
Unidade 1
Nascimento e afirmação de um novo quadro
geopolítico
http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
2017_2018
Módulo 8, Hiistória A 2
1.1 A reconstrução do pós-guerra (não é de aprofundamento)
Emergem duas grandes potências no final da II Guerra Mundial, os
EUA e a URSS;
O Japão e a Alemanha são derrotados e humilhados;
A Grã-Bretanha e a França, embora vencedoras, veem-se
empobrecidas e dependentes da ajuda externa;
A União Soviética estende o seu domínio toda a Europa do Leste
que tinha sido libertada do jogo nazi pelo Exército Vermelho;
Os Estados Unidos procuram obstar ao avanço da influência
soviética;
Módulo 8, Hiistória A 3
1.1.1 A definição de áreas de influência
Módulo 8, Hiistória A 4
À medida que a guerra se aproxima do fim, os Aliados começam a
elaborar planos para o pós-guerra;
Entre 4 e 11 de fevereiro de 1945, Theodore Roosevelt (presidente
americano), Josep Estaline (secretário-geral do Partido Comunista
da URSS) e Winston Churchill (primeiro-ministro britânico)
reuniram-se nas termas de Ialta, nas margens do Mar Negro para
definirem as regras do pós-guerra;
Módulo 8, Hiistória A 5
Acordos da Conferência de Ialta:
Definiram-se as fronteiras da Polónia;
A Alemanha foi dividida em 4 áreas de ocupação (os 3 países da
conferência e a França);
Decidiu-se agendar para um futuro próximo a conferência
preparatória da Organização das Nações Unidas (ONU);
Módulo 8, Hiistória A 6
Realização de eleições livres nos países subtraídos à ocupação nazi;
Estabeleceu-se a quantia de 20 000 milhões de dólares de
reparações de guerra a pagar pela Alemanha;
Para além destas decisões tornadas públicas parece possível que se
tenha acordado, ou pelo menos estabelecido um acordo tácito, que
estabelecia as zonas de influência dos regimes capitalista e
comunista;
Módulo 8, Hiistória A 7
Em julho de 1945, decorreu a Conferência de Potsdam num clima
já muito mais tenso. Terminada a guerra, pelo menos na Europa, as
desconfianças entre o mundo comunista e o capitalista veio ao de
cima;
Neste clima a conferência praticamente limitou-se a ratificar as
decisões tomadas em Ialta:
Módulo 8, Hiistória A 8
Perda provisória da soberania da Alemanha e a sua divisão em 4
áreas de ocupação e a desnazificação da sociedade alemã;
Administração conjunta da cidade de Berlim (também dividida em
4 setores);
Julgamento dos criminosos de guerra nazis por um tribunal
internacional que seria estabelecido na cidade de Nuremberga;
Ocupação e divisão da Áustria nos mesmos moldes estabelecidos
para a Alemanha;
Módulo 8, Hiistória A 9
Módulo 8, Hiistória A 10
Módulo 8, Hiistória A 11
A guerra permitiu à União Soviética grandes ganhos territoriais e
um enorme protagonismo a nível internacional;
Depois do isolamento que tinha sido votada depois da revolução
bolchevique a URSS voltava a protagonizar a cena internacional
participando, em pé de igualdade, com as outras potência na
definição do mundo pós-guerra;
Módulo 8, Hiistória A 12
A União Soviética desempenhou um papel fulcral na guerra;
O Exército Vermelho libertou vários países do Leste da Europa do
nazismo:
Polónia, Checoslováquia, Hungria, Roménia, Bulgária, Países
Bálticos e parte da Alemanha que agora ocupavam;
Módulo 8, Hiistória A 13
Módulo 8, Hiistória A 14
A Jugoslávia tinha organizado uma guerra de guerrilha contra os
ocupantes nazis, e tinha-se libertado sobre a chefia de Josip Tito, tal
como na Albânia, liderados por Enver Hoxha;
Apesar de os acordos de Ialta e Potsdam preverem a realização de
eleições livres, a ocupação desses países pelo Exército Vermelho
levou a que todos eles, entre 1946 e 1948, adotaram regimes de
modelo comunista;
Módulo 8, Hiistória A 15
Módulo 8, Hiistória A 16
Em março de 1946, Churchill, num discurso, proferiu pela primeira
vez a expressão “cortina de ferro”, referindo à Europa de Leste
dominada pela URSS;
Este alargamento da influência da União Soviética vai levar a um
novo clima de tensão a nível mundial entre os dois mundos, o
capitalista e o comunista;
Módulo 8, Hiistória A 17
1.1.2 A Organização das Nações Unidas
Decidido já na Conferência de Teerão em 1943, foi ratificado na
Conferência de Ialta e concretizado na Conferência de São
Francisco, em abril de 1945;
A Organização das Nações Unidas (ONU ou UN), teve o seu início
oficial no dia 24 de outubro de 1945, com a assinatura da Carta das
Nações Unidas por 51 países membros;
A primeira reunião decorreu na cidade de Londres mas a sede irá
fixar-se na cidade de Nova Iorque;
Módulo 8, Hiistória A 18
A Carta das Nações Unidas tem os seguintes objetivos
fundamentais:
Manter a paz e reprimir os atos de agressão, utilizando, tanto
quanto possível meios pacíficos, de acordo com os princípios da lei
internacional;
Desenvolver as relações de amizade entre os países do Mundo,
baseadas na igualdade entre povos e o direito à sua
autodeterminação;
Desenvolver a cooperação internacional no âmbito económico,
social e cultural e promover a defesa dos Direitos Humanos;
Funcionar como centro harmonizador das ações levadas a cabo
para atingir os anteriores propósitos;
Módulo 8, Hiistória A 19
Em 1948, a ONU aprovou a Declaração Universal dos Direitos do
Homem;
Esta declaração é mais avançada que a sua antecessora, a
Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (aprovada pela
Assembleia Nacional Constituinte Francesa em 1789) pois não se
limita a definir os direitos e liberdades fundamentais (liberdade,
direito à vida) mas introduz na noção de Direitos Humanos
questões de ordem económica e social (direito ao trabalho, ao
descanso, ao ensino, etc.);
Módulo 8, Hiistória A 20
Organização das Nações Unidas
Módulo 8, Hiistória A 21
Assembleia-Geral – cada país tem um voto, um tipo de parlamento
mundial, atualmente conta com 192 países membros;
Conselho de Segurança – 15 membros, 5 permanentes (EUA, URSS
(agora Federação Russa), Reino Unido, França e República Popular
da China) e 1º membros eleitos por um período de 2 anos. Os
membros permanentes têm direito de veto. Este órgão é o
responsável pela manutenção da paz e segurança;
Módulo 8, Hiistória A 22
Secretariado – Um secretário-geral eleito por 5 anos. É o
representante da ONU; Na atualidade o secretário-geral da ONU é
António Guterres.
Conselho Económico e Social – promover a cooperação a nível
económico e social;
Tribunal Internacional de Justiça – Órgão máximo da justiça
internacional. Sediado em Haia;
Conselho de Tutela – administrar territórios sob a tutela da ONU.
Encerrado em 1994;
Módulo 8, Hiistória A 23
Apesar de alguns êxitos a ONU não conseguiu, ao longo da sua
história, resolver muitos dos conflitos que foram surgindo devido:
À complexidade de muitos conflitos (interesses diferentes dos
diversos países);
Cada um dos 5 membros permanentes do Conselho de Segurança
pode vetar uma resolução;
Módulo 8, Hiistória A 24
1.1.3 As novas regras da economia internacional (apesar de não ser um
conteúdo de aprofundamento é relevante para o estudo do ponto 2.1 da Unidade 2 do Módulo 9)
Um grupo de economistas reuniu-se em Bretton Woods, EUA, para
estruturar a situação financeira do pós-guerra;
Pertenciam a 44 países e desempenhou um papel fundamental o
economista inglês John Maynard Keynes (1883-1946), cujas teses
económicas tinham inspirado o New Deal americano;
Módulo 8, Hiistória A 25
O principal objetivo desta conferência era criar uma nova ordem
económica e financeira internacional, num quadro de cooperação
e de estabilidade das moedas nacionais e dos câmbios;
Pretendia-se evitar que novas crises económicas precipitassem o
eclodir de novos nacionalismos como tinha acontecido nos anos 20
e 30;
Módulo 8, Hiistória A 26
Foi criado um sistema monetário internacional (Sistema Bretton-
Woods), que assentava no dólar como moeda-padrão;
Os EUA detinham dois terços das reservas de ouro garantiam a
convertibilidade do dólar em ouro;
Fixou-se um valor para o dólar (35 dólares=1 onça (28,350 gramas))
e todas as moedas tinham uma determinada paridade em relação à
moeda americana;
Foi fixado um determinado valor em dólares para todas as moedas e
os países não podiam desvalorizar ou valorizar mais do que 1%;
Negociar em qualquer moeda era como negociar em dólares que
poderiam ser convertidos em ouro;
Módulo 8, Hiistória A 27
A conferência de Bretton Woods, definiu o Sistema Bretton
Woods de gestão da economia internacional, estabeleceram as
regras para as relações comerciais e financeiras entre os países mais
industrializados do mundo.
O sistema Bretton Woods foi o primeiro exemplo, na história
mundial, de uma ordem monetária totalmente negociada, tendo
como objetivo governar as relações monetárias entre Nações-
Estado independentes.
Módulo 8, Hiistória A 28
O Acordo de Bretton Woods durou até 15 de agosto de 1971,
quando os Estados Unidos, unilateralmente, acabou com
a conversibilidade do dólar em ouro, o que efetivamente levou o
sistema de Bretton Woods ao colapso.
Módulo 8, Hiistória A 29
Bretton Woods estabeleceu o Banco Internacional para a
Reconstrução e Desenvolvimento (International Bank for
Reconstruction and Development, ou BIRD) (mais tarde dividido
entre o Banco Mundial e o “Banco para Investimentos
Internacionais") e o Fundo Monetário Internacional (FMI).
Módulo 8, Hiistória A 30
As principais disposições do sistema Bretton Woods foram:
Obrigação de cada país adotar uma política monetária que
mantivesse a taxa de câmbio de suas moedas dentro de um
determinado valor indexado ao dólar —mais ou menos um por
cento— cujo valor, por sua vez, estaria ligado ao ouro numa
base fixa de 35 dólares por onça ;
A provisão, pelo FMI, de financiamento para suportar
dificuldades temporárias de pagamento.
Wikipédia (adaptado) https://pt.wikipedia.org/wiki/Acordos_de_Bretton_Woods
Módulo 8, Hiistória A 31
Na conferência de Bretton-Woods foram criadas duas importantes
organizações:
Fundo Monetário Internacional (FMI) – ao qual poderiam recorrer
os bancos dos países com dificuldades em manter a paridade da
sua moeda com o dólar ou em equilibrar a balança comercial;
Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento
(BIRD) – (Banco Mundial) – Destinado a apoiar projetos de
reconstrução das economias destruídas pela guerra e fomentar o
desenvolvimento económico;
Módulo 8, Hiistória A 32
A redução dos obstáculos à circulação de mercadorias levou, após
várias tentativas falhadas, á assinatura do Acordo Geral de Tarifas
e Comércio (GATT), em 1947, na cidade de Genebra;
Neste acordo, 23 países, comprometeram-se a reduzir as barreiras
alfandegárias de modo a promover um sistema de comércio
internacional livre;
Em 1994 este acordo originou a Organização Mundial do Comércio
(OMC);
Módulo 8, Hiistória A 33
1.1.4 A primeira vaga de descolonizações
Uma das consequências da Segunda Guerra Mundial foi i inicio do
processo de descolonização;
A guerra contribuiu para disseminar nos povos a ideia da injustiça
do domínio estrangeiro;
Módulo 8, Hiistória A 34
Módulo 8, Hiistória A 35
A conjuntura é favorável à descolonização:
Nos países colonizados surgem elites nacionalistas, muitas vezes
formadas nas universidades europeias e soviéticas, que organizam
movimentos que lutam pela independência;
Enfraquecimento das potências coloniais europeias durante a
Segunda Guerra Colonial que originou um sentimento de
“orfandade” nas colónias;
Participação nos exércitos europeus de muitos soldados de origem
colonial. No exércitos europeus lutaram contra a tirania nazi, pela
democracia. Naturalmente surgiu a ideia de nos seus próprios
países lutarem pela liberdade;
Módulo 8, Hiistória A 36
Apoio das superpotências (EUA e URSS) aos movimentos de
libertação de modo a alargarem a sua área de influência e
controlarem as matérias-primas das antigas colónias europeias,
dentro do clima de guerra fria;
Ascensão dos partidos de esquerda na Europa muitas vezes
favoráveis à emancipação das suas colónias;
A aprovação na ONU da Declaração Universal dos Direitos do
Homem, onde se defendia o direito de todos os povos à
autodeterminação;
Muitos governos europeus reconheceram ser preferível negociar
processos de independência graduais de modo a preservar as
ligações económicas com as ex-colónias;
Módulo 8, Hiistória A 37
A primeira vaga de descolonização
A primeira vaga independentista iniciou-se no continente asiático,
onde surgem fortes movimentos nacionalistas, muitas vezes de
inspiração marxista:
Em 1945 o Vietname proclama uniteralmente a independência;
A França não reconhece a independência e inicia-se uma guerra
contra os nacionalista, chefiados pelo marxista, Ho Chi Minh.
Em 1954 os franceses retiram-se, e o Vietname fica divido em dois
países, Vietname do Sul e Vietname do Norte (comunista), surge
também o Laos e o Camboja;
Módulo 8, Hiistória A 38
Em 1946 os EUA concedem a independência às Filipinas;
Na Índia, Mahatma Gandhi (1869-1948), organiza um processo de
contestação da colonização britânica, através de um movimento de
não violência e de resistência pacífica;
Módulo 8, Hiistória A 39
Em 1947 o Reino Unido concede a independência à antiga colónia
dividida em dois países, Índia (maioria hindu) e Paquistão (maioria
muçulmana);
Em 1948 o Ceilão (Sri Lanka) e a Birmânia (Mianmar) proclamam a
independência;
Na Indonésia, os holandeses, não reconhecem o governo de
Sukarno, os indonésios iniciam um movimento de resistência, não
violenta. A Holanda reconhece a independência em 1949;
Na Malásia após uma luta de vários anos, os britânicos retiram-se
em 1957. No poder ficam nacionalistas marxistas;
Módulo 8, Hiistória A 40
Este movimento anticolonial estende-se ao Médio Oriente, após a
Segunda Guerra Mundial:
Líbano, Síria, Jordânia tornam-se independentes;
Em 1948, após uma guerra contra os árabes surge o Estado de
Israel, contrariando uma decisão da ONU que tinha recomendado a
formação de dois estados, um judeu e outro árabe;
Módulo 8, Hiistória A 41
Na África do Norte também se iniciam vários movimentos de
independência contra a potência colonial, França:
Argélia (independência em 1962);
Marrocos (1956);
Tunísia (1956);
Durante os anos 60 este movimento de luta pela independência vai-
se estender à África Negra
Módulo 8, Hiistória A 42
1.2 O tempo da guerra fria – a consolidação de um mundo bipolar
1.2.1 Um mundo dividido
Guerra Fria foi a época entre 1945 e 1991 caracterizada pelas
tensões entre as duas superpotências, EUA e URSS;
Módulo 8, Hiistória A 43
O nome “guerra fria” advém do facto de a URSS e os EUA não
combaterem entre eles mas de forma indireta:
Através da propaganda ideológica;
Intensificação da corridas aos armamentos, onde procuravam
superar o adversário, o arsenal de armas nucleares multiplica-se;
Módulo 8, Hiistória A 44
Desencadeiam ações de espionagem;
Organizam alianças estratégicas de carácter político, económico e
militar;
Apoiam um dos beligerantes nos diversos conflitos que se vão
desencadeando a nível global;
Módulo 8, Hiistória A 45
Após a derrota da Alemanha surge a luta entre os EUA e a URSS;
Os EUA defendem um regime político democrático e liberal e um
modelo económico capitalista;
A URSS defende um regime socialista de centralismo democrático e
uma economia centralizada e planificada;
Na Europa de Leste, ocupada pelo Exército Vermelho, os partidos
comunistas acabam por tomar o poder;
Módulo 8, Hiistória A 46
A URSS cria, em 1943, o Kominform (Secretariado de Informação
Comunista), organismo que controla os países da Europa de Leste;
Acabada a guerra o primeiro momento de tensão surge logo em
1945 quando Estaline se recusa a organizar eleições livres na
Polónia;
Churchill declara que a ameaça soviética veio substituir o perigo nazi
e que deixavam de haver condições para um entendimento pacífico;
Em 1946, Churchill acusa a URSS de descer sobre a Europa de Leste
uma “cortina de ferro”;
Módulo 8, Hiistória A 47
Em março de 1947 o presidente norte-americano Truman afirma a
necessidade de adotar uma política de contenção do avanço
comunista, apelou ao ocidente para lutar contra o “perigo
soviético” e comprometeu-se a ajudar todos os países onde a
liberdade fosse ameaçada por forças externas.
Era o enunciar da chamada Doutrina Truman que transformava os
EUA no garante das democracias ocidentais;
Módulo 8, Hiistória A 48
No âmbito da Doutrina Truman, o secretário de Estado americano
George Marshall anuncia, em junho de 1947, um colossal plano de
ajuda económica à Europa;
Ficou conhecido por Plano Marshall, a generalidade dos países
europeus aderiram;
O plano também foi oferecido aos países de leste, mas Moscovo
denunciou a ajuda americana como uma “manobra imperialista” e
impediu os países de leste de aderirem;
Módulo 8, Hiistória A 49
Módulo 8, Hiistória A 50
Em setembro de 1947, o dirigente soviético, Andrei Jdanov,
defende a divisão do mundo em dois sistemas opostos:
Um é imperialista e antidemocrático, liderado pelos EUA;
Outro é democrático e anti-imperialista e é liderado pela União
Soviética, é a chamada Doutrina Jdanov;
Módulo 8, Hiistória A 51
Era o início da guerra fria que irá perdurar até aos inícios dos anos
90;
Em janeiro de 1949, surge a resposta soviética ao Plano Marshall, é
lançado o Plano Molotov (Ministro dos Negócios Estrangeiros
Soviético), estabelece as estruturas de cooperação entre os países
de leste. É criado o Conselho de Assistência Económica Mútua
(COMECON)
Módulo 8, Hiistória A 52
O Mundo está dividido em dois blocos antagónicos, liderados
pelas duas superpotências;
De um lado os países do COMECON;
Do outro os países que aderiram ao Plano Marshall que vão
formar a Organização Europeia de Cooperação Económica (OECE)
que em 1960 irá transformar-se na Organização para a
Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE);
Módulo 8, Hiistória A 53
Em 1950 é formada a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço
(CECA);
Em 1957 a Comunidade Económica Europeia (CEE), com a
assinatura do Tratado de Roma;
Em 1958 é criado o BENELUX, uma união aduaneira entre a Bélgica,
Holanda e Luxemburgo;
Em 1960, um grupo de países europeus que não puderam aderir à
CEE criaram a EFTA (European Free Trade Associaton);
Módulo 8, Hiistória A 54
As alianças militares:
Em 1949 é criada, no mundo ocidental, a Organização do Tratado do
Atlântico Norte (OTAN, NATO em inglês);
Em 1955 a União Soviética cria o Pacto de Varsóvia que agrupa os
países do leste europeu;
Os EUA criaram, a nível mundial uma séria de alianças:
Em 1948 a Organização dos Estados Americanos (OEA);
Em 1951 a ANZUS (Austrália e Nova Zelândia);
Em 1954 a OTASE, SEATO, em inglês) que agrupa vários países do
sudeste asiático;
Módulo 8, Hiistória A 55
O primeiro conflito – a questão alemã
O primeiro problema surgiu com a gestão conjunta das 4 potências
da Alemanha;
Com o escalar da tensão os EUA veem a recuperação alemã como
uma prioridade e como mais um aliado contra o avanço soviético;
Módulo 8, Hiistória A 56
Em 1949, os setores ocupados pelas potências ocidentais foram
a República Federal Alemã (RFA), cuja capital será a cidade de
Bona;
A URSS protestou e considerou-a uma violação dos tratados;
Mas criou na sua zona de ocupação a República Democrática
Alemã (RDA), com a capital em Berlim;
Módulo 8, Hiistória A 57
Módulo 8, Hiistória A 58
Esta discórdia criou um problema
pois Berlim que também tinha
sido dividida em 4 setores estava
no interior da área soviética mas
ocupada por forças francesas,
inglesas e americanas;
Na tentativa de obrigar à retirada
dessas forças a União Soviética
impôs um bloqueio à cidade, isto
é, impediu que chegassem
qualquer produto à cidade por
via terrestre;
Módulo 8, Hiistória A 59
Os aliados organizaram uma ponte aérea que em 11 meses
organizou cerca de 200 mil viagens e conseguiu abastecer todos os
habitantes da cidade;
Em 1961, os soviéticos erguem um muro que irá separar os dois
setores da cidade, o Muro de Berlim;
Módulo 8, Hiistória A 60
In, FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José,
Linhas da História 12, Areal Editores, 2015
Módulo 8, Hiistória A 61
1.2.2 O Mundo Capitalista
A Doutrina Truman determinou
a política americana de
contenção do comunismo, para
isso utilizaram vários meios:
Plano Marshall;
Criação do Tratado do Atlântico
Norte (OTAN, em inglês NATO);
Seguiram-se numerosas alianças
militares patrocinadas pelos
EUA;
Módulo 8, Hiistória A 62
Em 1959, existiam numerosas alianças militares antissoviéticas
espalhadas pelos Mundo, todas patrocinadas pelos norte-
americanos, uma verdadeira “pactomania”;
Construíam-se bases por todo o globo na tentativa de isolar o bloco
comunista;
As tensões político-militares subiam de forma alarmante;
Módulo 8, Hiistória A 63
A política económica e social das democracias ocidentais
No final da Segunda Guerra Mundial o conceito de democracia, no
Ocidente, evoluiu no seu significado – para além da garantia das
liberdades individuais, do multipartidarismo e do sufrágio universal,
era agora consensual que a democracia deveria garantir o bem-
estar dos cidadãos e a justiça social;
A Grande Depressão demonstrara a necessidade de um Estado
forte e interventivo na economia;
As duas ideologias prevalecentes na Europa pós-guerra, o
socialismo reformista e a democracia-cristã, demonstravam
preocupações sociais;
Módulo 8, Hiistória A 64
Socialistas e democratas cristãos saíram reforçados da guerra.
Tinha-se oposto às ditaduras, e apareciam como uma alternativa
credível aos partidos liberais tradicionais conotados e
responsabilizados pela Depressão dos Anos 30;
Logo em 1945, Winston Churchill, do partido Conservador, foi
derrotado pelo Partido Trabalhista, liderado por Clement Atlee, nas
eleições inglesas;
Vários partidos de tendência social-democrata ganharam as eleições
em países europeus;
Social-democracia – Corrente do socialismo que rejeita a via
revolucionária e defende as eleições como forma de chegar ao
poder e promover reformas sociais;
Módulo 8, Hiistória A 65
A social-democracia defendia o sistema democrático e a liberdade
económica mas advogava uma intervenção do Estado nos setores
chave da economia, bem como uma elevada carga fiscal para os
rendimentos mais elevados e uma segurança social ativa;
A democracia cristã triunfou noutros países europeus e em muitos
outros, entre os anos 50 a 70, estabeleceu uma rotatividade no
poder com a social-democracia;
Democracia cristã – inspiração na política social da Igreja. Defende a
aplicação dos valores de justiça e dignidade humana que fazem
parte do cristianismo. São conservadores mas defendem uma
intervenção social do Estado;
Módulo 8, Hiistória A 66
Em 1942, na Grã-Bretanha, é publicado o relatório Beveridge que
propõe várias medias para combater os “cinco grandes males da
sociedade”: miséria, ignorância, carência, doença e ociosidade;
Clement Attlee, líder do Partido Trabalhista e primeiro-ministro
britânico ente 1945 e 1951 irá aplicar estas ideias;
Nesse contexto, na Grã-Bretanha, é criado de um sistema de
segurança social e um serviço nacional de saúde;
Nascia o Welfare State;
Módulo 8, Hiistória A 67
O Estado-providência (Welfare state) desenvolveu-se, ainda
durante a guerra, no Reino Unido;
Criaram um sistema nacional de saúde que irá servir de modelo a
muitos outros países;
O estado-providência desenvolveu-se rapidamente na Europa
Ocidental, abrangendo a maioria dos países;
Contribuiu para as três décadas de prosperidade que se seguiram à
Segunda Guerra Mundial;
Módulo 8, Hiistória A 68
Sociais-democratas e democratas cristãos convergiram, na Europa
do pós-guerra, na ideia de implantarem reformas económicas e
sociais;
Diversos governos lançaram um vasto programa de nacionalizações
que abrangeram os setores chave da economia (bancos, seguros,
energia, transportes, etc.;
O Estado torna-se o principal agente económico e pode
desempenhar um papel regulador da economia, garante emprego e
define uma política salarial;
Nos impostos reforçaram o carácter progressivo das taxas para
assegurar uma repartição mais justa da riqueza nacional;
Módulo 8, Hiistória A 69
Estas medidas modificaram a conceção de estado. Nascia o Estado-
Providência;
Características essenciais:
Aplicação das conceções keynesianas na economia;
Estado passa a ser um grande empregador e tem um papel de
regulador da economia;
Promove e financia obras públicas;
Nacionalização dos setores vitais da economia;
Controlo da produção privada;
Módulo 8, Hiistória A 70
Fixação de níveis salariais;
Definição das políticas fiscais de modo a garantir uma justa
repartição da riqueza;
Garantir as necessidades básicas dos cidadãos;
Promover a qualidade de vida dos cidadãos;
Garantir serviços públicos na educação, saúde e habitação;
Estabelecer subsídios de desemprego, doença, velhice;
Módulo 8, Hiistória A 71
A prosperidade económica – os Trinta gloriosos
O período entre 1945 e 1973 foi de crescimento económico e um
aumento da prosperidade a um nível que não tinha precedentes na
História, o economista, Jean Fourastié, chamou a esse período os
“trinta gloriosos”;
Esta prosperidade teve origem nos EUA mas estendeu-se a muitos
países da Europa Ocidental e Japão;
O acelerado e contínuo crescimento de países como o Reino Unido,
a França, a República Federal Alemã (RFA) e Japão, foi apelidado de
“milagre económico”;
Módulo 8, Hiistória A 72
Nesse período deu-se um forte crescimento da produção de
energia, decuplicou (10 vezes mais);
Desenvolvimentos dos transportes aéreos, marítimos e terrestres;
A produção agrícola quadruplicou;
Aumento da produção de bens e serviços;
Em média o Produto Interno Bruto (PIB) mundial triplicou;
Módulo 8, Hiistória A 73
As causas do crescimento:
O “baby-boom”. O fim da guerra favoreceu um forte crescimento
demográfico que originou um aumento do mercado consumidor;
Subida generalizada dos salários promove o consumo;
Liberalização das trocas comerciais internacionais favoreceu a
circulação de mercadorias;
A intervenção do Estado na promoção da qualidade de vida dos
cidadãos contribuiu para aumentar o seu poder de compra;
Módulo 8, Hiistória A 74
Aceleração do progresso científico e tecnológico. Alguns falam da
“Terceira Revolução Industrial”;
Mais e mais bem preparada mão de obra;
Disponibilidade de capitais investidos na produção;
Aumento da concentração empresarial e do número de
multinacionais disponibilizam novos produtos para consumo;
Modernização da agricultura leva a um grande aumento da
produtividade;
Crescimento do setor terciários (serviços) que tende a concentrar
um maior número de pessoas. A classe média é cada vez mais
numerosa;
Módulo 8, Hiistória A 75
A sociedade de consumo
Escultura, Hanson, Mulher no supermercado
Módulo 8, Hiistória A 76
Nesta época desenvolveu-se a sociedade de consumo. Sociedade de
abundância. O consumo abrange os bens supérfluos, muitas vezes
confundidos como essenciais à vida. É também uma sociedade de
desperdício;
Módulo 8, Hiistória A 77
Na sociedade de consumo as pessoas são levada a consumir mais
do que o necessário;
A publicidade e as vendas a crédito desempenham um papel
fundamental nesta sociedade;
A sociedade de consumo tinha existido no período entre as duas
guerras nos EUA estende-se agora ao mundo ocidental;
Torna-se um objetivo essencial das economias capitalistas na
segunda metade do século XX;
Módulo 8, Hiistória A 78
1.2.3 O Mundo Comunista
Em 1945 existiam dois países comunistas: URSS e Mongólia;
Nos finais dos anos 40 e até aos anos 60, o comunismo é
implantado na Europa de Leste, China, Coreia do Norte, Camboja,
Vietname do Norte, Cuba e alguns países da África Negra;
O final da Segunda Guerra Mundial, a ascensão da União Soviética
e o desencadear das revoltas nacionalistas e do processo de
descolonização criou as condições favoráveis à expansão do
comunismo e ao estreitar de relações entre a URSS e o novos
países saídos da descolonização;
Módulo 8, Hiistória A 79
A primeira vaga de extensão do comunismo verificou-se na Europa
de Leste libertada do nazismo pelo Exército Vermelho;
Nesses países os partidos comunistas instituíram um regime,
denominado de democracia popular, decalcado do sistema
soviético;
Módulo 8, Hiistória A 80
A influência soviética manifestava-se através de alguns organismos:
COMINFORM – organização internacional de partidos comunistas
da Europa de Leste;
COMECON – Conselho de Assistência Mútua Económica;
Pacto de Varsóvia – Organização militar oposta à NATO que
agrupava as democracias populares;
Módulo 8, Hiistória A 81
A URSS tutelava todos estes organismos e os próprios países não
admitindo alterações ao modelos marxista, ou pelo menos, á
interpretação que a “nomenklatura” soviética fazia do marxismo;
Quando surgiram rebeliões na Hungria (1956) e Checoslováquia
(1968) o Exército Vermelho impôs a ordem;
Brejnev, o líder soviético em 1968, perante a revolta chamada
“Primavera de Praga”, declarou que a soberania dos países do Pacto
de Varsóvia estava limitada pelos superiores interesses do
socialismo;
Em 1961, a construção do “Muro de Berlim”, criou um dos símbolos
da guerra fria;
Módulo 8, Hiistória A 82
Entre 1950 e 1953 dá-se a guerra entre a Coreia do Norte e a Coreia
do Sul;
Em 1949 é proclamada a República Popular da China e é instaurado
um regime liderado por Mao Tsé-Tung, que primeiro é apoiado pelo
regime soviético mas que a partir dos anos 60 se afasta da influência
da URSS;
Na Indochina desencadeia-se o processo de libertação do Vietname,
primeiro contra a potência colonial, a França, que levou à formação
do Vietname do Norte (comunista) e Vietname do Sul (capitalista) e
mais tarde uma guerra entre os dois Vietname, o do Sul apoiado
diretamente pelos Estados Unidos;
Módulo 8, Hiistória A 83
Na América Latina, em Cuba, um grupo de guerrilheiros chefiados
por Che Guevara e Fidel Castro derruba o governo do ditador
Fulgêncio Baptista que era apoiado pelos EUA;
As ideias socializantes deste grupo leva a uma hostilização do novo
regime por parte do EUA, que organizam uma tentativa para
derrubar Fidel, isso vai levá-los a procurar a ajuda soviética;
Módulo 8, Hiistória A 84
Em 1962 são instalados mísseis soviéticos na ilha o que lhes
permitia alcançar facilmente território americano;
Os EUA exigem a retirada dos mísseis, e desencadeou-se a “crise
dos mísseis de Cuba” e o mundo esteve à beira de uma guerra
nuclear;
Os soviéticos acabam por aceitar a retirada dos mísseis de território
cubano;
Módulo 8, Hiistória A 85
Oh, where have you been, my blue-eyed son?
Oh, where have you been, my darling young one?
I’ve stumbled on the side of twelve misty mountains
I’ve walked and I’ve crawled on six crooked highways
I’ve stepped in the middle of seven sad forests
I’ve been out in front of a dozen dead oceans
I’ve been ten thousand miles in the mouth of a graveyard
And it’s a hard, and it’s a hard, it’s a hard, and it’s a hard
And it’s a hard rain’s a-gonna fall
Oh, what did you see, my blue-eyed son?
Oh, what did you see, my darling young one?
I saw a newborn baby with wild wolves all around it
I saw a highway of diamonds with nobody on it
I saw a black branch with blood that kept drippin’
I saw a room full of men with their hammers a-bleedin’
I saw a white ladder all covered with water
I saw ten thousand talkers whose tongues were all broken
I saw guns and sharp swords in the hands of young children
And it’s a hard, and it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard
And it’s a hard rain’s a-gonna fall
And what did you hear, my blue-eyed son?
And what did you hear, my darling young one?
I heard the sound of a thunder, it roared out a warnin’
Heard the roar of a wave that could drown the whole world
Heard one hundred drummers whose hands were a-blazin’
Heard ten thousand whisperin’ and nobody listenin’
Heard one person starve, I heard many people laughin’
Heard the song of a poet who died in the gutter
Heard the sound of a clown who cried in the alley
And it’s a hard, and it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard
And it’s a hard rain’s a-gonna fall
Oh, who did you meet, my blue-eyed son?
Who did you meet, my darling young one?
I met a young child beside a dead pony
I met a white man who walked a black dog
I met a young woman whose body was burning
I met a young girl, she gave me a rainbow
I met one man who was wounded in love
I met another man who was wounded with hatred
And it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard
It’s a hard rain’s a-gonna fall
Oh, what’ll you do now, my blue-eyed son?
Oh, what’ll you do now, my darling young one?
I’m a-goin’ back out ’fore the rain starts a-fallin’
I’ll walk to the depths of the deepest black forest
Where the people are many and their hands are all empty
Where the pellets of poison are flooding their waters
Where the home in the valley meets the damp dirty prison
Where the executioner’s face is always well hidden
Where hunger is ugly, where souls are forgotten
Where black is the color, where none is the number
And I’ll tell it and think it and speak it and breathe it
And reflect it from the mountain so all souls can see it
Then I’ll stand on the ocean until I start sinkin’
But I’ll know my song well before I start singin’
And it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard
It’s a hard rain’s a-gonna fall
Read more: http://www.bobdylan.com/us/songs/hard-rains-gonna-
fall#ixzz3ANuPpFP8
hard rain’s a-gonna fall
https://www.youtube.com/watch?v=7lLMansJbFY
Módulo 8, Hiistória A 86
Cuba desempenhou um papel ativo na disseminação do comunismo,
apoiando guerrilhas marxistas em vários países da América Latina (El
Salvador, Nicarágua, Colômbia, Bolívia, Guatemala) e apoiando
alguns regimes africanos, sobretudo em Angola;
No início da década de 80, a URSS possuía bases e conselheiros
militares em 17 países;
Módulo 8, Hiistória A 87
Opções e realizações da economia de direção central
A Segunda Guerra Mundial veio interromper os Planos Quinquenais
e reduziu a produção soviética;
O balanço da guerra foi bastante pesado para a URSS, 20 milhões
de mortos, milhares de cidades destruídas, fábricas, indústrias, vias
de comunicação, etc.;
Módulo 8, Hiistória A 88
A reconstrução da URSS e dos restantes países comunistas foi
realizada rapidamente, e nos anos que se seguiram à guerra o
crescimento económico dos países comunista ultrapassou o dos
países capitalistas;
Em 1949 a URSS construía a bomba atómica e em 1957 lançava o
primeiro satélite artificial;
Módulo 8, Hiistória A 89
Em 1945, na URSS, é lançado o IV Plano Quinquenal, centrado nos
setores hidroelétrico, siderúrgico e da investigação científica;
Nas democracias populares são implantados modelos económicos
inspirados no modelo soviético;
Os novos países industrializaram-se rapidamente;
Módulo 8, Hiistória A 90
Módulo 8, Hiistória A 91
No entanto o nível de vida das populações não acompanhou esse
desenvolvimento económico;
Os horários de trabalho são muito extensos, os salários baixos e
existe uma carência de bens de consumo essenciais porque a
agricultura, a construção de habitação, a indústria de produção de
bens de consumo e o setor terciário foram negligenciados;
A falta de habitação condigna e as longas filas para conseguir
comprar bens de consumo faziam parte do quotidiano dessas
sociedades;
Módulo 8, Hiistória A 92
A partir dos anos 60, a economia planificada começa a demonstrar
grandes debilidades e começa a estagnar:
Planificação centralizada;
Direção burocratizada e ineficiente;
Perante esta situação é lançado um vasto programa de reformas
económicas nos países de leste;
Módulo 8, Hiistória A 93
Nikita Kruchtchev (líder da URSS
entre 1953-1964, após a morte de
Estaline) procura combater o
excesso de centralismo e burocracia;
Deu prioridade à produção de bens
de consumo, na construção de
habitação e na produção agrícola;
Propôs ao Ocidente a política de
“coexistência pacífica entre os dois
blocos”;
Módulo 8, Hiistória A 94
Aos planos quinquenais rigorosos opôs planos anualmente
ajustáveis, prolongados por 7 anos;
Descentralizou a fomentou a autonomia dos gestores nas fábricas;
Iniciou um sistema de prémios para os trabalhadores mais
produtivos;
Módulo 8, Hiistória A 95
Os efeitos destas medidas ficaram aquém das expetativas e as
economias do bloco socialista continuaram a estagnar;
Leonidas Brejnev (líder da URSS entre 1964-1982) regressou aos
processos de centralismo burocrático;
Os planos quinquenais vão dar prioridade à industria militar
envolvida na corrida armamentistas com o Ocidente;
Módulo 8, Hiistória A 96
As dificuldades económicas continuam a alastrar;
A burocracia e a corrupção sofrem um aumento descontrolado;
Era o início do fim do regime soviético;
Módulo 8, Hiistória A 97
1.2.4 A Escalada Armamentista e o Início da Era Espacial
O ambiente de guerra fria que se seguiu ao fim da Segunda Guerra
Mundial desenvolve-se numa época da grande desenvolvimento
tecnológico que é colocado ao serviço do aparelho militar;
Em 1949 os soviéticos faziam explodir experimentalmente uma
bomba atómica;
Perdendo a sua superioridade, os americanos investem na pesquisa
militar e em 1952 testam a primeira bomba de hidrogénio, mil
vezes mais potente que a bomba de Hiroxima;
Estava lançada a “corrida aos armamentos”;
Módulo 8, Hiistória A 98
Em 1953 a URSS também testa a sua bomba de hidrogénio;
Inicia-se a produção maciça de armamento nuclear e de
misseis de longo alcance pata lançar as bombas;
A corrida ao armamento estendeu-se a todo o tipo de armas;
Os dois rivais faziam crescer as suas forças navais, aéreas e
terrestres;
Módulo 8, Hiistória A 99
Módulo 8, Hiistória A 100
Os EUA triplicaram o seu orçamento para o exército, em 1952, 80%
da orçamento da URSS estava destinado a despesas militares;
Estava em andamento a política de dissuasão. Cada um dos blocos
fazia crer que retaliaria contra qualquer violação por parte do
adversário;
Churchill afirmou que “o mundo vivia no equilíbrio instável do
terror”;
Módulo 8, Hiistória A 101
As relações internacional passam a ser determinadas pelo
equilíbrio do terror nuclear;
Às bombas nucleares seguem-se as bombas de neutrões, os
submarinos nucleares, os mísseis intercontinentais;
O mundo vive sobre o equilíbrio do terror nuclear;
O equilíbrio entre a capacidade destrutiva das duas superpotências
era o garante da paz;
No entanto, o mundo esteve várias vezes, como no caso dos
mísseis de Cuba, à beira de uma guerra nuclear;
Módulo 8, Hiistória A 102
A Era Espacial
Durante a Segunda Guerra Mundial os cientistas alemães tinham
desenvolvido a tecnologia de foguetes em Peenamunde tinham
desenvolvido os primeiros mísseis da história no final da guerra, os
V1 e V2;
Módulo 8, Hiistória A 103
A maior parte destes cientistas foram para os EUA e URSS onde vão
liderar os projetos espaciais;
Em outubro de 1957, a URSS, colocou em órbita o primeiro satélite
artificial da História da Humanidade, o Sputnik 1;
Em novembro de 1957, lançou o Sputnik 2, a bordo ia uma cadela
(Laika), o primeiro ser a viajar no espaço;
Módulo 8, Hiistória A 104
A proeza soviética levou os EUA a intensificarem os seu programa
espacial e no início de 1958, lançavam o seu primeiro satélite, o
Explorer 1;
No entanto nos primeiros anos os soviéticos mantêm a liderança, e
em 1961, Yuri Gagarin é o primeiro ser humano a viajar no espaço;
Módulo 8, Hiistória A 105
No entanto no final da década de 60, os americanos conseguem
recuperar o atraso e Neil Armstrong é o primeiro humano a pisar a
Lua;
A corrida ao espaço era uma forma de cada uma das
superpotências demonstrar a sua superioridade tecnológica sobre
o adversário;
A luta verificava-se também ao nível da espionagem;
Primeira alunagem
Módulo 8, Hiistória A 106
1.3 A Afirmação de Novas Potências (não é de aprofundamento)
1.3 O Rápido Crescimento
do Japão
No final da Segunda Guerra
Mundial, o Japão era um
país militarmente
derrotado, ocupado por
uma potência estrangeira
(EUA), tinha perdido o seu
império colonial e a sua
economia estava
completamente arrasada;
Módulo 8, Hiistória A 107
A ocupação americana levou à modernização das estruturas
políticas e sociais;
Os EUA criaram um espécie de “Plano Marshall”, o “Plano Dodge”,
para o Japão que continuou mesmo depois de 1952, quando a
ocupação americana terminou;
A vitória dos comunistas na China em 1949 transformou o Japão
num precioso aliado para os EUA;
Os japoneses souberam aproveitar as condições e no inicio dos
anos 70 eram a terceira potência económica mundial;
Módulo 8, Hiistória A 108
Os americanos durante a ocupação do Japão:
Lançaram o “Plano Dodge”;
Promoveram a democratização do país, a nova Constituição
aprovada instituía um regime parlamentar;
Desenvolveram uma reforma agrária que levou á expropriação de
terras dos grandes proprietários distribuídas pelos camponeses;
Destruíram as indústrias bélicas o que levou a que todo o potencial
económico e intelectual fosse transferido para os setores
produtivos;
A guerra da Coreia em 1950-53 reforçou a importância do japão;
Módulo 8, Hiistória A 109
O governo japonês interveio ativamente na economia japonesa,
regulando o mercado, protegendo as empresas, concedendo
créditos, etc.;
Os acordos políticos de 1952 exigiam que o Japão não poderia
gastar mais do que 1% do PIB em despesas militares, o que
favoreceu a canalização de recursos financeiros para o
desenvolvimento económico;
A mentalidade japonesa também contribuiu para o
desenvolvimento económico: cooperação entre empresários e
trabalhadores, reinvestimento dos lucros na renovação
tecnológica;
Módulo 8, Hiistória A 110
A tradição empresarial japonesa ia no sentido de o emprego ser
vitalício;
Os empregados retribuíam com uma lealdade incondicional á
empresa;
A produtividade japonesa é muito superior ao do resto do Mundo,
nos anos 60 trabalham mais 400 horas anualmente se comparados
com os trabalhadores europeus e auferiam salários mais baixos;
Um outro ponto importante que favoreceu o desenvolvimento
japonês foi o sistema de ensino altamente competitivo;
Módulo 8, Hiistória A 111
Estes fatores vão permitir que o Japão se transforme na primeira
sociedade de consumo asiática;
O desenvolvimento económico é considerado por muitos um
“milagre japonês” pois o país é superpovoado e praticamente
importa todas as suas matérias-primas;
O primeiro surto de desenvolvimento japonês ocorreu entre 1955 e
1961, a produção industrial triplicou, os setores que mais se
desenvolveram foram a indústria pesada (construção naval,
química) e de bens de consumo duradouros (televisores,
frigoríficos, rádios, etc.);
Módulo 8, Hiistória A 112
Após uma estagnação no início dos anos 60, dá-se um segundo
surto de crescimento entre 1966 e 1971, a produção industrial
duplica;
Para além dos setores tradicionais surgem novos como a indústria
automóvel;
No início dos anos 70, o Japão é a terceira potência económica,
apenas atrás dos EUA e da URSS;
Módulo 8, Hiistória A 113
1.3.2 O Afastamento da China do Bloco Soviético
A revolução comunista chinesa foi liderada por Mao Tsé-Tung (1893-
1976);
Mao elevou-se ao nível de teórico marxista e postulou que, ao
contrário do marxismo tradicional, não era o operariado que
representava o papel revolucionário mas o campesinato (a China
era um país atrasado, agrícola);
Essa nova interpretação do marxismo foi designada de maoísmo;
A revolução chinesa foi desencadeada pela classe camponesa
maioritária na China;
Módulo 8, Hiistória A 114
Ao contrário da Rússia, onde a revolução tinha sido desencadeada
pelo Partido Bolchevique, na China, a revolução foi liderada pelas
massas (camponesas) e não por um partido;
Isso levou ao nascimento de um modelo diferente do soviético
para alcançar o comunismo;
Após a morte de Estaline, em 1953, a divergência entre o Partido
Comunista Chinês e o soviético acelerou;
Módulo 8, Hiistória A 115
Em 1957, Mao, lançou uma campanha de retificação dos erros, a
crítica foi estimulada, mas perante a magnitude dessas criticas, a
campanha foi suspensa, e os críticos enviados para campos de
reeducação (eufemismo para campos de concentração);
Nos finais dos anos 50, Partido Comunista Chinês, lança uma nova
política económica que ficou conhecida por o “Grande Salto em
Frente”;
Módulo 8, Hiistória A 116
O objetivo central era que a China alcançasse os níveis de
produtividade ocidentais;
A meta era alcançar, em 15 anos, a Inglaterra;
Foi abandonada a prioridade dada à indústria pesada e
privilegiaram a produção agrícola e a criação de pequenas
indústrias locais, baseadas na tecnologia tradicional;
Foram criadas comunas populares (agrupavam cerca de 5 mil
famílias), estabeleceu-se um modo de vida comunitário dirigido
pelos funcionários do Partido Comunista Chinês;
Módulo 8, Hiistória A 117
Foi desenvolvida uma massiva campanha publicitária e ideológica
para mobilizar a população;
Mao crítica a política de coexistência pacífica de Kruchtchev, apoia a
política de Estaline e acusa os soviéticos de se afastarem dos ideais
do marxismo;
A União Soviética acusa a China de aventureirismo;
Estava consumada a rutura com a URSS, a China considerava-se o
“único país verdadeiramente socialista”;
Módulo 8, Hiistória A 118
A política do “Grande Salto em Frente” era absolutamente contrária
à política que Estaline tinha levado a cabo na URSS;
Esta política económica saldou-se por um enorme desastre, a
diminuição da produção de cereais causou a morte a cerca de 30
milhões de chineses;
Foi abandonada em 1960, e levou ao afastamento temporário do
poder de Mao;
Módulo 8, Hiistória A 119
Para recuperar o poder, Mao Tsé-Tung lançou uma nova grande
campanha de massas, a “Revolução Cultural”;
O objetivo era criar um “novo homem” através da transformação
das mentalidades;
Os apoiantes de Mao, sobretudo jovens estudantes, são
organizados em unidades de “Guardas Vermelhos” que são
enviados por toda a China para levarem a cabo uma campanha de
politização da população;
Em 1964, Mao publica o “Livro Vermelho” que organiza as suas
ideias e se torna a “bíblia” da Revolução Cultural;
Módulo 8, Hiistória A 120
Todos os suspeitos de serem opositores ao maoísmo são
violentamente perseguidos;
Este movimento levou a uma onda de excessos e de violência que
causou 2 milhões de mortos, 100 milhões de pessoas perseguidas e
20 milhões enviados para “campos de reeducação”;
No entanto Mao, transformado no “Grande Timoneiro” recuperou o
poder;
Módulo 8, Hiistória A 121
Nos anos 70, a China iniciou um processo de aproximação com o
Ocidente e os EUA;
Em 1971, o presidente americano, Richard Nixon, visitou a China;
A República Popular da China foi admitida na ONU e substituiu a
China Nacionalista (Formosa) no Conselho de Segurança da ONU;
Módulo 8, Hiistória A 122
Os dirigentes chineses acusam a URSS de “social-imperialismo” e
consideram-na o principal inimigo da paz;
Com a morte, em 1976, de Mao, os dirigentes chineses abrem a
economia à iniciativa privada e ao investimento estrangeiro, embora
o PCC mantenha a liderança política;
Os territórios de Hong Kong e Macau são integrados na China, mas
mantêm a sua economia capitalista, surge o lema, “Um país, dois
sistemas”;
Módulo 8, Hiistória A 123
1.3.3 A Ascensão da Europa
Na primeira metade do século XX a Europa quase se autodestruiu
com duas guerras devastadoras;
Depois da Segunda Guerra Mundial desenvolve-se a ideia que era
necessário construir uma Europa unida e com identidade e dinâmica
própria;
Já em 1946, Churchill apelou “ao renascimento da Europa” e a
constituição dos Estados Unidos da Europa;
Mas é sobretudo o francês Jean Monnet (1888-1979), por muitos
considerado o “pai da Europa”, que advogou a união dos países do
continente europeu;
Módulo 8, Hiistória A 124
Os principais objetivos da união
de países europeus seriam:
Ajudar à reconstrução
europeia do pós-guerra, e a sua
integração no bloco das
potências ocidentais;
Criar uma entidade económica
capaz de competir com os EUA
e a URSS;
Em 1947 surge o Benelux
(Bélgica, Holanda e
Luxemburgo) uma união
aduaneira.
Módulo 8, Hiistória A 125
Logo após o fim da guerra surgiram várias organizações com o
objetivo de implementar a união mas que fracassaram;
Monnet propõe a união europeia e foi um dos arquitetos da
Declaração Schuman (1950), o primeiro passo consistente para o
desenvolvimento da cooperação entre países europeus. Esta
documento previa a cooperação entre a França e a Alemanha nos
domínios da produção do aço e do carvão;
Em 1951 aderem a esta declaração a Itália, Bélgica, Holanda e
Luxemburgo, é criada a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço
(CECA);
Módulo 8, Hiistória A 126
Em 1957, é criada pelo Tratado de Roma, a Comunidade Económica
Europeia (CEE), integrada pelos mesmos 6 países que integravam a
CECA;
A CEE foi o ponto de partida da atual União Europeia;
Pelo Tratado de Roma, os países signatários, comprometiam-se a
implementar progressivamente a livre circulação de mercadorias,
capitais e pessoas. Também previa uma política comum na área da
agricultura, dos transportes e da produção energética;
Módulo 8, Hiistória A 127
Foi criada a Comunidade da Energia Atómica Europeia (Euratom);
A livre circulação de mercadorias (união aduaneira) foi
concretizada em 1968;
Em 25 de março de 1957, França, Alemanha, Bélgica, Holanda,
Itália e Luxemburgo assinam o Tratado de Roma que criou a
Comunidade Económica Europeia.
Módulo 8, Hiistória A 128
A em 1970, a CEE era a primeira potência comercial do Mundo e
crescia a uma taxa média de 5%;
Em 1973 aderem à CEE, a Grã-Bretanha, a Irlanda e a Dinamarca;
A Europa dos Seis passava a ser denominada Europa dos Nove;
Módulo 8, Hiistória A 129
1.3.4 A Segunda Vaga de Descolonizações. A Política de Não
Alinhamento
A descolonização africana iniciou-se no Norte do continente, na
África arabizada;
A Líbia depois de ter estado sobre a tutela da ONU acedeu à
independência em 1951;
Em 1956 seguem-se Marrocos e a Tunísia;
A Argélia só conseguiu a independência em 1962 depois de uma
guerra com a potência colonizadora, a França;
Módulo 8, Hiistória A 130
As ideias de autodeterminação e independência propaga-se à África
subsariana;
Surgem movimentos nacionalistas que lutam pela independência
dos seus países contra as potências colonizadoras;
Muitas vezes é difícil criar a união destes povos pois o colonialismo
juntou e dividiu etnias de acordo com os seus interesses
económicos;
Muitos dos líderes independentistas estudaram nas metrópoles e aí
contactaram com as ideias de liberdade e justiça social;
Os movimentos de libertação muitas vezes são conotadas com as
ideias de socialismo;
Módulo 8, Hiistória A 131
Em 1960, a Assembleia-Geral da ONU aprovou a Resolução 1514
que consagra o direito à autodeterminação dos territórios sob
administração estrangeira e condena as tentativas bélicas das
metrópoles para manterem as suas colónias;
Em 1960, 17 países africanos acedem à independência;
Surgem vários líderes carismáticos que impulsionam a
descolonização;
Em 1970 em África só existiam as colónias portuguesas e a Namíbia
como territórios não independentes e a Rodésia do Sul (atual
Zimbabué) e a África do Sul, países onde as minorias brancas
detinham o poder;
Módulo 8, Hiistória A 132
O Terceiro Mundo
Terceiro Mundo – Expressão criada em 1952, por A Sauvy e G.
Balandier para designar os países excluídos do desenvolvimento
económico;
Módulo 8, Hiistória A 133
Na década de 70 cerca de 70 países da África e a Ásia
compartilhavam o atraso económico, constituem o Terceiro Mundo;
São países recentemente descolonizados, alcançaram a
independência política mas continuaram dependentes
economicamente;
Na maior parte desses países as grandes companhias internacionais
continuavam a explorar as matérias-primas e a fornecer os produtos
manufaturados aos novos países;
Criou-se uma situação de neocolonialismo;
Neocolonialismo – Forma de colonialismo que se exerce pelo
domínio económico;
Módulo 8, Hiistória A 134
Perante um Mundo divido entre a luta das superpotência e dos seus
aliados, um grupo de países propõe uma alternativa à luta entre os
blocos comunista e capitalista, a terceira via;
Em 1955, um grupo de países asiáticos (Índia, Indonésia, Birmânia
(Myanmar), Ceilão (Sri Lanka), e o Paquistão) convocam uma
conferência para discutir estes assuntos;
A Conferência de Bandung (Indonésia) reuniu 29 países da África e
da Ásia que no seu comunicado Final aprovaram a condenação do
colonialismo, a rejeição da política de blocos e apelavam à resolução
pacífica dos conflitos;
Módulo 8, Hiistória A 135
A ideia nascida em Bandung foi-se desenvolvendo em diversos
encontros internacionais e vieram a dar corpo ao Movimento dos
Não Alinhados, criado oficialmente na Conferência de Belgrado
(Jugoslávia, em 1961;
Os grandes promotores foram os chefes de Estado da Índia, Nehru,
do Egito, Nasser e da Jugoslávia, Tito;
Procuram desenvolver uma alternativa à bipolarização do Mundo;
O movimento começou a atrair um número cada vez maior de
países (25 em 1961 e 113 em 1995);
Módulo 8, Hiistória A 136
Este movimento denunciava a injustiça da ordem económica
internacional que favorecia os países ricos em detrimento dos mais
pobres;
Denunciou as atuações da França na Argélia, dos EUA no Vietname
e de Portugal em Angola, Moçambique e Guiné;
Reivindicam a criação de uma nova ordem económica
internacional;
No entanto o facto de existirem situações muito diferentes entre
estes países (económica, social, religiosa, cultural) fragilizou o
Movimento que hoje se encontra muito dividido;
Módulo 8, Hiistória A 137
1.4 O Termo da prosperidade económica: origens e efeitos (não é de
aprofundamento)
O crescimento económico iniciado após a Segunda Guerra
Mundial começa a revelar dificuldades que se tornam visíveis em
1973: quebra na produção industrial, falências de empresas e
aumento do desemprego;
As crises do capitalismo eram previsíveis e cíclicas;
Mas a crise de 1973 apresentava uma novidade, ao contrário do
que aconteceu anteriormente, os preços continuaram a subir e a
inflação tornou-se incontrolável;
Este fenómeno recebeu o nome de estagflação (estagnação (da
produção) + inflação);
Módulo 8, Hiistória A 138
A crise dos Anos 70 deveu-se à conjugação de dois fatores: a crise
energética e a instabilidade monetária;
O mundo industrializado dependia do petróleo;
Até 1973 o preço do crude manteve-se baixo, mas nesse ano os
países produtores de petróleo, em grande parte localizados no
Médio Oriente, utilizam o preço como arma política, como
retaliação pelo apoio dos países ocidentais a Israel;
O preço quadruplicou e a produção petrolífera foi reduzida em
25%;
Módulo 8, Hiistória A 139
Foi agendada um calendário de reduções mensais de 5% da
produção até que o apoio a Israel terminasse;
Os EUA, a Holanda e a Dinamarca foram considerados inimigos da
causa árabe e foi imposto um boicote total ao fornecimento de
petróleo;
Em 1979 surgem novos aumentos do preço do petróleo fruto da
crise política no Irão e à guerra Irão-Iraque;
O choque petrolífero levou a que o preço do petróleo, em menos
de 10 anos, foi multiplicado por 12;
O aumento do preço do petróleo vai provocar o aumento do preço
de todos os produtos criando uma aumento da inflação;
Módulo 8, Hiistória A 140
Outro fator que provocou a crise económica foi a instabilidade
monetária;
Os EUA, devido ao aumento da sua despesa com gastos sociais e
sobretudo com a Guerra no Vietname, aumentou excessivamente a
quantidade de moeda em circulação;
Em agosto de 1971, o presidente americano, Richard Nixon,
suspendeu a convertibilidade do dólar em ouro (era um dos
principais fundamentos do sistema monetário internacional, que
tinha sido instituído em Bretton Woods);
Esta medida tomada pelos EUA desregulou o sistema financeiro
mundial;
Módulo 8, Hiistória A 141
A instabilidade económica, conjuntamente com o choque
petrolífero, foram os responsáveis pela crise económica dos Anos
70;
Outras causas que contribuíram para a crise foram a falência do
sistema de trabalho conhecido por fordismo e a saturação dos
mercados;
A crise dos Anos 70 provocou o aumento da taxa de desemprego,
ainda não foi resolvida, pelo contrário, foi agravada nos últimos
anos;
Módulo 8, Hiistória A 142
A crise não atingiu a proporções da dos Anos 30 foi caracterizada
por uma baixa do crescimento económico;
As despesas dos Estados aumentaram com o as prestações sociais a
subirem;
A existência do Estado-Providência permitiu que no aspeto social a
crise não tivesse consequências mais graves;
No entanto a diminuição das receitas e o aumento das despesas do
Estado levaram a que surgissem as primeiras críticas às políticas
keynesianas (fundadoras do Estado-Providência) e a defesa de
políticas neoliberais;
Módulo 8, Hiistória A 143
Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte
bibliografia:
FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas da
História 12, Areal Editores, 2015
COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo da
História 12, Porto Editora, 2013
Antão, António, Preparação para o Exame Nacional 2014, História A,
Porto Editora 2015
Catarino, António Luís, Preparar o Exame Nacional de História A,
Areal Editores, 2015
2017/2018

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
Carlos Vieira
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
home
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
Carlos Vieira
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
Vítor Santos
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
home
 
A reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerraA reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerra
Patrícia Alves
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
CludiaBelluschiCosta
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
Vítor Santos
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
Vítor Santos
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
Vítor Santos
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
Sérgio Machado
 
Guerra fria ppt49
Guerra fria ppt49Guerra fria ppt49
Guerra fria ppt49
Ilda Bicacro
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
gofontoura
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
home
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
home
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
Carlos Vieira
 
8 03 as transformações sociais e culturais do terceiro quartel do século xx a...
8 03 as transformações sociais e culturais do terceiro quartel do século xx a...8 03 as transformações sociais e culturais do terceiro quartel do século xx a...
8 03 as transformações sociais e culturais do terceiro quartel do século xx a...
Vítor Santos
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
Teresa Maia
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
Carlos Vieira
 

Mais procurados (20)

As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
 
A questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abrilA questão colonial e o 25 de abril
A questão colonial e o 25 de abril
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.Portugal no primeiro pós-guerra.
Portugal no primeiro pós-guerra.
 
A reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerraA reconstrucao posguerra
A reconstrucao posguerra
 
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºanoModulo 8 e 9 historia A 12ºano
Modulo 8 e 9 historia A 12ºano
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
Guerra fria ppt49
Guerra fria ppt49Guerra fria ppt49
Guerra fria ppt49
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
 
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da DemocraciaPortugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
Portugal. Da Revolução de 25 de Abril à estabilização da Democracia
 
Mundo capitalista
Mundo capitalistaMundo capitalista
Mundo capitalista
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
8 03 as transformações sociais e culturais do terceiro quartel do século xx a...
8 03 as transformações sociais e culturais do terceiro quartel do século xx a...8 03 as transformações sociais e culturais do terceiro quartel do século xx a...
8 03 as transformações sociais e culturais do terceiro quartel do século xx a...
 
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra MundialAs transformações provocadas pela I Guerra Mundial
As transformações provocadas pela I Guerra Mundial
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
Pós 25 de abril
Pós 25 de abrilPós 25 de abril
Pós 25 de abril
 

Semelhante a 8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico

Guerra Fria
Guerra Fria Guerra Fria
Guerra Fria
Magda Silva
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
O mundo após a 2ª guerra mundial
O mundo após a 2ª guerra mundialO mundo após a 2ª guerra mundial
O mundo após a 2ª guerra mundial
Daniel Coelho
 
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
Vítor Santos
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
Ana Catarina Borges
 
Ordem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOrdem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômica
Oberlania Alves
 
Os acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & aOs acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & a
ana paula santos molina
 
Os acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & aOs acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & a
ana paula santos molina
 
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
Nivea Neves
 
Geopolítica do mundo contemporâneo
Geopolítica do mundo contemporâneoGeopolítica do mundo contemporâneo
Geopolítica do mundo contemporâneo
Roberto Costa
 
Pós 2 guerra
Pós   2 guerraPós   2 guerra
Pós 2 guerra
Luciano Pessanha
 
História 9 ª ano segunda guerra mundial
História 9 ª ano  segunda guerra  mundialHistória 9 ª ano  segunda guerra  mundial
História 9 ª ano segunda guerra mundial
jaquelinedourado6
 
Aula - Segunda Guerra Mundial
Aula - Segunda Guerra MundialAula - Segunda Guerra Mundial
Aula - Segunda Guerra Mundial
gleisonfvilela
 
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptx
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptxGuerra Fria e seus impactos políticos.pptx
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptx
RafaelWilianDaSilva
 
As ordens mundiais
As ordens mundiaisAs ordens mundiais
As ordens mundiais
Colégio Nova Geração COC
 
QUIZ PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.pptx
QUIZ PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.pptxQUIZ PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.pptx
QUIZ PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.pptx
MariaAparecidaFerrei84
 
Antecedentes da 2ª guerra
Antecedentes da 2ª guerraAntecedentes da 2ª guerra
Antecedentes da 2ª guerra
Euna Machado
 
Antecedentes da 2ª guerra
Antecedentes da 2ª guerraAntecedentes da 2ª guerra
Antecedentes da 2ª guerra
Euna Machado
 
Bárbara
BárbaraBárbara
Bárbara
Élida Maia
 
Segunda Guerra Antecedentes
Segunda Guerra AntecedentesSegunda Guerra Antecedentes
Segunda Guerra Antecedentes
Leopoldo Galvão
 

Semelhante a 8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico (20)

Guerra Fria
Guerra Fria Guerra Fria
Guerra Fria
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
O mundo após a 2ª guerra mundial
O mundo após a 2ª guerra mundialO mundo após a 2ª guerra mundial
O mundo após a 2ª guerra mundial
 
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
10 2 a _2_guerra_mundial_violência_reconstrução
 
Guerra fria
Guerra friaGuerra fria
Guerra fria
 
Ordem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômicaOrdem geopolítica e econômica
Ordem geopolítica e econômica
 
Os acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & aOs acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & a
 
Os acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & aOs acordos do final da guerra & a
Os acordos do final da guerra & a
 
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
9º-HIS-4ª-quinzena-2º-corte-pdf-1.pdf
 
Geopolítica do mundo contemporâneo
Geopolítica do mundo contemporâneoGeopolítica do mundo contemporâneo
Geopolítica do mundo contemporâneo
 
Pós 2 guerra
Pós   2 guerraPós   2 guerra
Pós 2 guerra
 
História 9 ª ano segunda guerra mundial
História 9 ª ano  segunda guerra  mundialHistória 9 ª ano  segunda guerra  mundial
História 9 ª ano segunda guerra mundial
 
Aula - Segunda Guerra Mundial
Aula - Segunda Guerra MundialAula - Segunda Guerra Mundial
Aula - Segunda Guerra Mundial
 
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptx
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptxGuerra Fria e seus impactos políticos.pptx
Guerra Fria e seus impactos políticos.pptx
 
As ordens mundiais
As ordens mundiaisAs ordens mundiais
As ordens mundiais
 
QUIZ PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.pptx
QUIZ PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.pptxQUIZ PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.pptx
QUIZ PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL.pptx
 
Antecedentes da 2ª guerra
Antecedentes da 2ª guerraAntecedentes da 2ª guerra
Antecedentes da 2ª guerra
 
Antecedentes da 2ª guerra
Antecedentes da 2ª guerraAntecedentes da 2ª guerra
Antecedentes da 2ª guerra
 
Bárbara
BárbaraBárbara
Bárbara
 
Segunda Guerra Antecedentes
Segunda Guerra AntecedentesSegunda Guerra Antecedentes
Segunda Guerra Antecedentes
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 
Cronologia prec
Cronologia precCronologia prec
Cronologia prec
 

Último

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 

Último (20)

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 

8 01 nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico

  • 1. História A - Módulo 8 Portugal e o Mundo da Segunda Guerra Mundial ao início da década de 80 Opções Internas e Contexto Internacional Unidade 1 Nascimento e afirmação de um novo quadro geopolítico http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ 2017_2018
  • 2. Módulo 8, Hiistória A 2 1.1 A reconstrução do pós-guerra (não é de aprofundamento) Emergem duas grandes potências no final da II Guerra Mundial, os EUA e a URSS; O Japão e a Alemanha são derrotados e humilhados; A Grã-Bretanha e a França, embora vencedoras, veem-se empobrecidas e dependentes da ajuda externa; A União Soviética estende o seu domínio toda a Europa do Leste que tinha sido libertada do jogo nazi pelo Exército Vermelho; Os Estados Unidos procuram obstar ao avanço da influência soviética;
  • 3. Módulo 8, Hiistória A 3 1.1.1 A definição de áreas de influência
  • 4. Módulo 8, Hiistória A 4 À medida que a guerra se aproxima do fim, os Aliados começam a elaborar planos para o pós-guerra; Entre 4 e 11 de fevereiro de 1945, Theodore Roosevelt (presidente americano), Josep Estaline (secretário-geral do Partido Comunista da URSS) e Winston Churchill (primeiro-ministro britânico) reuniram-se nas termas de Ialta, nas margens do Mar Negro para definirem as regras do pós-guerra;
  • 5. Módulo 8, Hiistória A 5 Acordos da Conferência de Ialta: Definiram-se as fronteiras da Polónia; A Alemanha foi dividida em 4 áreas de ocupação (os 3 países da conferência e a França); Decidiu-se agendar para um futuro próximo a conferência preparatória da Organização das Nações Unidas (ONU);
  • 6. Módulo 8, Hiistória A 6 Realização de eleições livres nos países subtraídos à ocupação nazi; Estabeleceu-se a quantia de 20 000 milhões de dólares de reparações de guerra a pagar pela Alemanha; Para além destas decisões tornadas públicas parece possível que se tenha acordado, ou pelo menos estabelecido um acordo tácito, que estabelecia as zonas de influência dos regimes capitalista e comunista;
  • 7. Módulo 8, Hiistória A 7 Em julho de 1945, decorreu a Conferência de Potsdam num clima já muito mais tenso. Terminada a guerra, pelo menos na Europa, as desconfianças entre o mundo comunista e o capitalista veio ao de cima; Neste clima a conferência praticamente limitou-se a ratificar as decisões tomadas em Ialta:
  • 8. Módulo 8, Hiistória A 8 Perda provisória da soberania da Alemanha e a sua divisão em 4 áreas de ocupação e a desnazificação da sociedade alemã; Administração conjunta da cidade de Berlim (também dividida em 4 setores); Julgamento dos criminosos de guerra nazis por um tribunal internacional que seria estabelecido na cidade de Nuremberga; Ocupação e divisão da Áustria nos mesmos moldes estabelecidos para a Alemanha;
  • 11. Módulo 8, Hiistória A 11 A guerra permitiu à União Soviética grandes ganhos territoriais e um enorme protagonismo a nível internacional; Depois do isolamento que tinha sido votada depois da revolução bolchevique a URSS voltava a protagonizar a cena internacional participando, em pé de igualdade, com as outras potência na definição do mundo pós-guerra;
  • 12. Módulo 8, Hiistória A 12 A União Soviética desempenhou um papel fulcral na guerra; O Exército Vermelho libertou vários países do Leste da Europa do nazismo: Polónia, Checoslováquia, Hungria, Roménia, Bulgária, Países Bálticos e parte da Alemanha que agora ocupavam;
  • 14. Módulo 8, Hiistória A 14 A Jugoslávia tinha organizado uma guerra de guerrilha contra os ocupantes nazis, e tinha-se libertado sobre a chefia de Josip Tito, tal como na Albânia, liderados por Enver Hoxha; Apesar de os acordos de Ialta e Potsdam preverem a realização de eleições livres, a ocupação desses países pelo Exército Vermelho levou a que todos eles, entre 1946 e 1948, adotaram regimes de modelo comunista;
  • 16. Módulo 8, Hiistória A 16 Em março de 1946, Churchill, num discurso, proferiu pela primeira vez a expressão “cortina de ferro”, referindo à Europa de Leste dominada pela URSS; Este alargamento da influência da União Soviética vai levar a um novo clima de tensão a nível mundial entre os dois mundos, o capitalista e o comunista;
  • 17. Módulo 8, Hiistória A 17 1.1.2 A Organização das Nações Unidas Decidido já na Conferência de Teerão em 1943, foi ratificado na Conferência de Ialta e concretizado na Conferência de São Francisco, em abril de 1945; A Organização das Nações Unidas (ONU ou UN), teve o seu início oficial no dia 24 de outubro de 1945, com a assinatura da Carta das Nações Unidas por 51 países membros; A primeira reunião decorreu na cidade de Londres mas a sede irá fixar-se na cidade de Nova Iorque;
  • 18. Módulo 8, Hiistória A 18 A Carta das Nações Unidas tem os seguintes objetivos fundamentais: Manter a paz e reprimir os atos de agressão, utilizando, tanto quanto possível meios pacíficos, de acordo com os princípios da lei internacional; Desenvolver as relações de amizade entre os países do Mundo, baseadas na igualdade entre povos e o direito à sua autodeterminação; Desenvolver a cooperação internacional no âmbito económico, social e cultural e promover a defesa dos Direitos Humanos; Funcionar como centro harmonizador das ações levadas a cabo para atingir os anteriores propósitos;
  • 19. Módulo 8, Hiistória A 19 Em 1948, a ONU aprovou a Declaração Universal dos Direitos do Homem; Esta declaração é mais avançada que a sua antecessora, a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão (aprovada pela Assembleia Nacional Constituinte Francesa em 1789) pois não se limita a definir os direitos e liberdades fundamentais (liberdade, direito à vida) mas introduz na noção de Direitos Humanos questões de ordem económica e social (direito ao trabalho, ao descanso, ao ensino, etc.);
  • 20. Módulo 8, Hiistória A 20 Organização das Nações Unidas
  • 21. Módulo 8, Hiistória A 21 Assembleia-Geral – cada país tem um voto, um tipo de parlamento mundial, atualmente conta com 192 países membros; Conselho de Segurança – 15 membros, 5 permanentes (EUA, URSS (agora Federação Russa), Reino Unido, França e República Popular da China) e 1º membros eleitos por um período de 2 anos. Os membros permanentes têm direito de veto. Este órgão é o responsável pela manutenção da paz e segurança;
  • 22. Módulo 8, Hiistória A 22 Secretariado – Um secretário-geral eleito por 5 anos. É o representante da ONU; Na atualidade o secretário-geral da ONU é António Guterres. Conselho Económico e Social – promover a cooperação a nível económico e social; Tribunal Internacional de Justiça – Órgão máximo da justiça internacional. Sediado em Haia; Conselho de Tutela – administrar territórios sob a tutela da ONU. Encerrado em 1994;
  • 23. Módulo 8, Hiistória A 23 Apesar de alguns êxitos a ONU não conseguiu, ao longo da sua história, resolver muitos dos conflitos que foram surgindo devido: À complexidade de muitos conflitos (interesses diferentes dos diversos países); Cada um dos 5 membros permanentes do Conselho de Segurança pode vetar uma resolução;
  • 24. Módulo 8, Hiistória A 24 1.1.3 As novas regras da economia internacional (apesar de não ser um conteúdo de aprofundamento é relevante para o estudo do ponto 2.1 da Unidade 2 do Módulo 9) Um grupo de economistas reuniu-se em Bretton Woods, EUA, para estruturar a situação financeira do pós-guerra; Pertenciam a 44 países e desempenhou um papel fundamental o economista inglês John Maynard Keynes (1883-1946), cujas teses económicas tinham inspirado o New Deal americano;
  • 25. Módulo 8, Hiistória A 25 O principal objetivo desta conferência era criar uma nova ordem económica e financeira internacional, num quadro de cooperação e de estabilidade das moedas nacionais e dos câmbios; Pretendia-se evitar que novas crises económicas precipitassem o eclodir de novos nacionalismos como tinha acontecido nos anos 20 e 30;
  • 26. Módulo 8, Hiistória A 26 Foi criado um sistema monetário internacional (Sistema Bretton- Woods), que assentava no dólar como moeda-padrão; Os EUA detinham dois terços das reservas de ouro garantiam a convertibilidade do dólar em ouro; Fixou-se um valor para o dólar (35 dólares=1 onça (28,350 gramas)) e todas as moedas tinham uma determinada paridade em relação à moeda americana; Foi fixado um determinado valor em dólares para todas as moedas e os países não podiam desvalorizar ou valorizar mais do que 1%; Negociar em qualquer moeda era como negociar em dólares que poderiam ser convertidos em ouro;
  • 27. Módulo 8, Hiistória A 27 A conferência de Bretton Woods, definiu o Sistema Bretton Woods de gestão da economia internacional, estabeleceram as regras para as relações comerciais e financeiras entre os países mais industrializados do mundo. O sistema Bretton Woods foi o primeiro exemplo, na história mundial, de uma ordem monetária totalmente negociada, tendo como objetivo governar as relações monetárias entre Nações- Estado independentes.
  • 28. Módulo 8, Hiistória A 28 O Acordo de Bretton Woods durou até 15 de agosto de 1971, quando os Estados Unidos, unilateralmente, acabou com a conversibilidade do dólar em ouro, o que efetivamente levou o sistema de Bretton Woods ao colapso.
  • 29. Módulo 8, Hiistória A 29 Bretton Woods estabeleceu o Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (International Bank for Reconstruction and Development, ou BIRD) (mais tarde dividido entre o Banco Mundial e o “Banco para Investimentos Internacionais") e o Fundo Monetário Internacional (FMI).
  • 30. Módulo 8, Hiistória A 30 As principais disposições do sistema Bretton Woods foram: Obrigação de cada país adotar uma política monetária que mantivesse a taxa de câmbio de suas moedas dentro de um determinado valor indexado ao dólar —mais ou menos um por cento— cujo valor, por sua vez, estaria ligado ao ouro numa base fixa de 35 dólares por onça ; A provisão, pelo FMI, de financiamento para suportar dificuldades temporárias de pagamento. Wikipédia (adaptado) https://pt.wikipedia.org/wiki/Acordos_de_Bretton_Woods
  • 31. Módulo 8, Hiistória A 31 Na conferência de Bretton-Woods foram criadas duas importantes organizações: Fundo Monetário Internacional (FMI) – ao qual poderiam recorrer os bancos dos países com dificuldades em manter a paridade da sua moeda com o dólar ou em equilibrar a balança comercial; Banco Internacional para a Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD) – (Banco Mundial) – Destinado a apoiar projetos de reconstrução das economias destruídas pela guerra e fomentar o desenvolvimento económico;
  • 32. Módulo 8, Hiistória A 32 A redução dos obstáculos à circulação de mercadorias levou, após várias tentativas falhadas, á assinatura do Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT), em 1947, na cidade de Genebra; Neste acordo, 23 países, comprometeram-se a reduzir as barreiras alfandegárias de modo a promover um sistema de comércio internacional livre; Em 1994 este acordo originou a Organização Mundial do Comércio (OMC);
  • 33. Módulo 8, Hiistória A 33 1.1.4 A primeira vaga de descolonizações Uma das consequências da Segunda Guerra Mundial foi i inicio do processo de descolonização; A guerra contribuiu para disseminar nos povos a ideia da injustiça do domínio estrangeiro;
  • 35. Módulo 8, Hiistória A 35 A conjuntura é favorável à descolonização: Nos países colonizados surgem elites nacionalistas, muitas vezes formadas nas universidades europeias e soviéticas, que organizam movimentos que lutam pela independência; Enfraquecimento das potências coloniais europeias durante a Segunda Guerra Colonial que originou um sentimento de “orfandade” nas colónias; Participação nos exércitos europeus de muitos soldados de origem colonial. No exércitos europeus lutaram contra a tirania nazi, pela democracia. Naturalmente surgiu a ideia de nos seus próprios países lutarem pela liberdade;
  • 36. Módulo 8, Hiistória A 36 Apoio das superpotências (EUA e URSS) aos movimentos de libertação de modo a alargarem a sua área de influência e controlarem as matérias-primas das antigas colónias europeias, dentro do clima de guerra fria; Ascensão dos partidos de esquerda na Europa muitas vezes favoráveis à emancipação das suas colónias; A aprovação na ONU da Declaração Universal dos Direitos do Homem, onde se defendia o direito de todos os povos à autodeterminação; Muitos governos europeus reconheceram ser preferível negociar processos de independência graduais de modo a preservar as ligações económicas com as ex-colónias;
  • 37. Módulo 8, Hiistória A 37 A primeira vaga de descolonização A primeira vaga independentista iniciou-se no continente asiático, onde surgem fortes movimentos nacionalistas, muitas vezes de inspiração marxista: Em 1945 o Vietname proclama uniteralmente a independência; A França não reconhece a independência e inicia-se uma guerra contra os nacionalista, chefiados pelo marxista, Ho Chi Minh. Em 1954 os franceses retiram-se, e o Vietname fica divido em dois países, Vietname do Sul e Vietname do Norte (comunista), surge também o Laos e o Camboja;
  • 38. Módulo 8, Hiistória A 38 Em 1946 os EUA concedem a independência às Filipinas; Na Índia, Mahatma Gandhi (1869-1948), organiza um processo de contestação da colonização britânica, através de um movimento de não violência e de resistência pacífica;
  • 39. Módulo 8, Hiistória A 39 Em 1947 o Reino Unido concede a independência à antiga colónia dividida em dois países, Índia (maioria hindu) e Paquistão (maioria muçulmana); Em 1948 o Ceilão (Sri Lanka) e a Birmânia (Mianmar) proclamam a independência; Na Indonésia, os holandeses, não reconhecem o governo de Sukarno, os indonésios iniciam um movimento de resistência, não violenta. A Holanda reconhece a independência em 1949; Na Malásia após uma luta de vários anos, os britânicos retiram-se em 1957. No poder ficam nacionalistas marxistas;
  • 40. Módulo 8, Hiistória A 40 Este movimento anticolonial estende-se ao Médio Oriente, após a Segunda Guerra Mundial: Líbano, Síria, Jordânia tornam-se independentes; Em 1948, após uma guerra contra os árabes surge o Estado de Israel, contrariando uma decisão da ONU que tinha recomendado a formação de dois estados, um judeu e outro árabe;
  • 41. Módulo 8, Hiistória A 41 Na África do Norte também se iniciam vários movimentos de independência contra a potência colonial, França: Argélia (independência em 1962); Marrocos (1956); Tunísia (1956); Durante os anos 60 este movimento de luta pela independência vai- se estender à África Negra
  • 42. Módulo 8, Hiistória A 42 1.2 O tempo da guerra fria – a consolidação de um mundo bipolar 1.2.1 Um mundo dividido Guerra Fria foi a época entre 1945 e 1991 caracterizada pelas tensões entre as duas superpotências, EUA e URSS;
  • 43. Módulo 8, Hiistória A 43 O nome “guerra fria” advém do facto de a URSS e os EUA não combaterem entre eles mas de forma indireta: Através da propaganda ideológica; Intensificação da corridas aos armamentos, onde procuravam superar o adversário, o arsenal de armas nucleares multiplica-se;
  • 44. Módulo 8, Hiistória A 44 Desencadeiam ações de espionagem; Organizam alianças estratégicas de carácter político, económico e militar; Apoiam um dos beligerantes nos diversos conflitos que se vão desencadeando a nível global;
  • 45. Módulo 8, Hiistória A 45 Após a derrota da Alemanha surge a luta entre os EUA e a URSS; Os EUA defendem um regime político democrático e liberal e um modelo económico capitalista; A URSS defende um regime socialista de centralismo democrático e uma economia centralizada e planificada; Na Europa de Leste, ocupada pelo Exército Vermelho, os partidos comunistas acabam por tomar o poder;
  • 46. Módulo 8, Hiistória A 46 A URSS cria, em 1943, o Kominform (Secretariado de Informação Comunista), organismo que controla os países da Europa de Leste; Acabada a guerra o primeiro momento de tensão surge logo em 1945 quando Estaline se recusa a organizar eleições livres na Polónia; Churchill declara que a ameaça soviética veio substituir o perigo nazi e que deixavam de haver condições para um entendimento pacífico; Em 1946, Churchill acusa a URSS de descer sobre a Europa de Leste uma “cortina de ferro”;
  • 47. Módulo 8, Hiistória A 47 Em março de 1947 o presidente norte-americano Truman afirma a necessidade de adotar uma política de contenção do avanço comunista, apelou ao ocidente para lutar contra o “perigo soviético” e comprometeu-se a ajudar todos os países onde a liberdade fosse ameaçada por forças externas. Era o enunciar da chamada Doutrina Truman que transformava os EUA no garante das democracias ocidentais;
  • 48. Módulo 8, Hiistória A 48 No âmbito da Doutrina Truman, o secretário de Estado americano George Marshall anuncia, em junho de 1947, um colossal plano de ajuda económica à Europa; Ficou conhecido por Plano Marshall, a generalidade dos países europeus aderiram; O plano também foi oferecido aos países de leste, mas Moscovo denunciou a ajuda americana como uma “manobra imperialista” e impediu os países de leste de aderirem;
  • 50. Módulo 8, Hiistória A 50 Em setembro de 1947, o dirigente soviético, Andrei Jdanov, defende a divisão do mundo em dois sistemas opostos: Um é imperialista e antidemocrático, liderado pelos EUA; Outro é democrático e anti-imperialista e é liderado pela União Soviética, é a chamada Doutrina Jdanov;
  • 51. Módulo 8, Hiistória A 51 Era o início da guerra fria que irá perdurar até aos inícios dos anos 90; Em janeiro de 1949, surge a resposta soviética ao Plano Marshall, é lançado o Plano Molotov (Ministro dos Negócios Estrangeiros Soviético), estabelece as estruturas de cooperação entre os países de leste. É criado o Conselho de Assistência Económica Mútua (COMECON)
  • 52. Módulo 8, Hiistória A 52 O Mundo está dividido em dois blocos antagónicos, liderados pelas duas superpotências; De um lado os países do COMECON; Do outro os países que aderiram ao Plano Marshall que vão formar a Organização Europeia de Cooperação Económica (OECE) que em 1960 irá transformar-se na Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE);
  • 53. Módulo 8, Hiistória A 53 Em 1950 é formada a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA); Em 1957 a Comunidade Económica Europeia (CEE), com a assinatura do Tratado de Roma; Em 1958 é criado o BENELUX, uma união aduaneira entre a Bélgica, Holanda e Luxemburgo; Em 1960, um grupo de países europeus que não puderam aderir à CEE criaram a EFTA (European Free Trade Associaton);
  • 54. Módulo 8, Hiistória A 54 As alianças militares: Em 1949 é criada, no mundo ocidental, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN, NATO em inglês); Em 1955 a União Soviética cria o Pacto de Varsóvia que agrupa os países do leste europeu; Os EUA criaram, a nível mundial uma séria de alianças: Em 1948 a Organização dos Estados Americanos (OEA); Em 1951 a ANZUS (Austrália e Nova Zelândia); Em 1954 a OTASE, SEATO, em inglês) que agrupa vários países do sudeste asiático;
  • 55. Módulo 8, Hiistória A 55 O primeiro conflito – a questão alemã O primeiro problema surgiu com a gestão conjunta das 4 potências da Alemanha; Com o escalar da tensão os EUA veem a recuperação alemã como uma prioridade e como mais um aliado contra o avanço soviético;
  • 56. Módulo 8, Hiistória A 56 Em 1949, os setores ocupados pelas potências ocidentais foram a República Federal Alemã (RFA), cuja capital será a cidade de Bona; A URSS protestou e considerou-a uma violação dos tratados; Mas criou na sua zona de ocupação a República Democrática Alemã (RDA), com a capital em Berlim;
  • 58. Módulo 8, Hiistória A 58 Esta discórdia criou um problema pois Berlim que também tinha sido dividida em 4 setores estava no interior da área soviética mas ocupada por forças francesas, inglesas e americanas; Na tentativa de obrigar à retirada dessas forças a União Soviética impôs um bloqueio à cidade, isto é, impediu que chegassem qualquer produto à cidade por via terrestre;
  • 59. Módulo 8, Hiistória A 59 Os aliados organizaram uma ponte aérea que em 11 meses organizou cerca de 200 mil viagens e conseguiu abastecer todos os habitantes da cidade; Em 1961, os soviéticos erguem um muro que irá separar os dois setores da cidade, o Muro de Berlim;
  • 60. Módulo 8, Hiistória A 60 In, FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas da História 12, Areal Editores, 2015
  • 61. Módulo 8, Hiistória A 61 1.2.2 O Mundo Capitalista A Doutrina Truman determinou a política americana de contenção do comunismo, para isso utilizaram vários meios: Plano Marshall; Criação do Tratado do Atlântico Norte (OTAN, em inglês NATO); Seguiram-se numerosas alianças militares patrocinadas pelos EUA;
  • 62. Módulo 8, Hiistória A 62 Em 1959, existiam numerosas alianças militares antissoviéticas espalhadas pelos Mundo, todas patrocinadas pelos norte- americanos, uma verdadeira “pactomania”; Construíam-se bases por todo o globo na tentativa de isolar o bloco comunista; As tensões político-militares subiam de forma alarmante;
  • 63. Módulo 8, Hiistória A 63 A política económica e social das democracias ocidentais No final da Segunda Guerra Mundial o conceito de democracia, no Ocidente, evoluiu no seu significado – para além da garantia das liberdades individuais, do multipartidarismo e do sufrágio universal, era agora consensual que a democracia deveria garantir o bem- estar dos cidadãos e a justiça social; A Grande Depressão demonstrara a necessidade de um Estado forte e interventivo na economia; As duas ideologias prevalecentes na Europa pós-guerra, o socialismo reformista e a democracia-cristã, demonstravam preocupações sociais;
  • 64. Módulo 8, Hiistória A 64 Socialistas e democratas cristãos saíram reforçados da guerra. Tinha-se oposto às ditaduras, e apareciam como uma alternativa credível aos partidos liberais tradicionais conotados e responsabilizados pela Depressão dos Anos 30; Logo em 1945, Winston Churchill, do partido Conservador, foi derrotado pelo Partido Trabalhista, liderado por Clement Atlee, nas eleições inglesas; Vários partidos de tendência social-democrata ganharam as eleições em países europeus; Social-democracia – Corrente do socialismo que rejeita a via revolucionária e defende as eleições como forma de chegar ao poder e promover reformas sociais;
  • 65. Módulo 8, Hiistória A 65 A social-democracia defendia o sistema democrático e a liberdade económica mas advogava uma intervenção do Estado nos setores chave da economia, bem como uma elevada carga fiscal para os rendimentos mais elevados e uma segurança social ativa; A democracia cristã triunfou noutros países europeus e em muitos outros, entre os anos 50 a 70, estabeleceu uma rotatividade no poder com a social-democracia; Democracia cristã – inspiração na política social da Igreja. Defende a aplicação dos valores de justiça e dignidade humana que fazem parte do cristianismo. São conservadores mas defendem uma intervenção social do Estado;
  • 66. Módulo 8, Hiistória A 66 Em 1942, na Grã-Bretanha, é publicado o relatório Beveridge que propõe várias medias para combater os “cinco grandes males da sociedade”: miséria, ignorância, carência, doença e ociosidade; Clement Attlee, líder do Partido Trabalhista e primeiro-ministro britânico ente 1945 e 1951 irá aplicar estas ideias; Nesse contexto, na Grã-Bretanha, é criado de um sistema de segurança social e um serviço nacional de saúde; Nascia o Welfare State;
  • 67. Módulo 8, Hiistória A 67 O Estado-providência (Welfare state) desenvolveu-se, ainda durante a guerra, no Reino Unido; Criaram um sistema nacional de saúde que irá servir de modelo a muitos outros países; O estado-providência desenvolveu-se rapidamente na Europa Ocidental, abrangendo a maioria dos países; Contribuiu para as três décadas de prosperidade que se seguiram à Segunda Guerra Mundial;
  • 68. Módulo 8, Hiistória A 68 Sociais-democratas e democratas cristãos convergiram, na Europa do pós-guerra, na ideia de implantarem reformas económicas e sociais; Diversos governos lançaram um vasto programa de nacionalizações que abrangeram os setores chave da economia (bancos, seguros, energia, transportes, etc.; O Estado torna-se o principal agente económico e pode desempenhar um papel regulador da economia, garante emprego e define uma política salarial; Nos impostos reforçaram o carácter progressivo das taxas para assegurar uma repartição mais justa da riqueza nacional;
  • 69. Módulo 8, Hiistória A 69 Estas medidas modificaram a conceção de estado. Nascia o Estado- Providência; Características essenciais: Aplicação das conceções keynesianas na economia; Estado passa a ser um grande empregador e tem um papel de regulador da economia; Promove e financia obras públicas; Nacionalização dos setores vitais da economia; Controlo da produção privada;
  • 70. Módulo 8, Hiistória A 70 Fixação de níveis salariais; Definição das políticas fiscais de modo a garantir uma justa repartição da riqueza; Garantir as necessidades básicas dos cidadãos; Promover a qualidade de vida dos cidadãos; Garantir serviços públicos na educação, saúde e habitação; Estabelecer subsídios de desemprego, doença, velhice;
  • 71. Módulo 8, Hiistória A 71 A prosperidade económica – os Trinta gloriosos O período entre 1945 e 1973 foi de crescimento económico e um aumento da prosperidade a um nível que não tinha precedentes na História, o economista, Jean Fourastié, chamou a esse período os “trinta gloriosos”; Esta prosperidade teve origem nos EUA mas estendeu-se a muitos países da Europa Ocidental e Japão; O acelerado e contínuo crescimento de países como o Reino Unido, a França, a República Federal Alemã (RFA) e Japão, foi apelidado de “milagre económico”;
  • 72. Módulo 8, Hiistória A 72 Nesse período deu-se um forte crescimento da produção de energia, decuplicou (10 vezes mais); Desenvolvimentos dos transportes aéreos, marítimos e terrestres; A produção agrícola quadruplicou; Aumento da produção de bens e serviços; Em média o Produto Interno Bruto (PIB) mundial triplicou;
  • 73. Módulo 8, Hiistória A 73 As causas do crescimento: O “baby-boom”. O fim da guerra favoreceu um forte crescimento demográfico que originou um aumento do mercado consumidor; Subida generalizada dos salários promove o consumo; Liberalização das trocas comerciais internacionais favoreceu a circulação de mercadorias; A intervenção do Estado na promoção da qualidade de vida dos cidadãos contribuiu para aumentar o seu poder de compra;
  • 74. Módulo 8, Hiistória A 74 Aceleração do progresso científico e tecnológico. Alguns falam da “Terceira Revolução Industrial”; Mais e mais bem preparada mão de obra; Disponibilidade de capitais investidos na produção; Aumento da concentração empresarial e do número de multinacionais disponibilizam novos produtos para consumo; Modernização da agricultura leva a um grande aumento da produtividade; Crescimento do setor terciários (serviços) que tende a concentrar um maior número de pessoas. A classe média é cada vez mais numerosa;
  • 75. Módulo 8, Hiistória A 75 A sociedade de consumo Escultura, Hanson, Mulher no supermercado
  • 76. Módulo 8, Hiistória A 76 Nesta época desenvolveu-se a sociedade de consumo. Sociedade de abundância. O consumo abrange os bens supérfluos, muitas vezes confundidos como essenciais à vida. É também uma sociedade de desperdício;
  • 77. Módulo 8, Hiistória A 77 Na sociedade de consumo as pessoas são levada a consumir mais do que o necessário; A publicidade e as vendas a crédito desempenham um papel fundamental nesta sociedade; A sociedade de consumo tinha existido no período entre as duas guerras nos EUA estende-se agora ao mundo ocidental; Torna-se um objetivo essencial das economias capitalistas na segunda metade do século XX;
  • 78. Módulo 8, Hiistória A 78 1.2.3 O Mundo Comunista Em 1945 existiam dois países comunistas: URSS e Mongólia; Nos finais dos anos 40 e até aos anos 60, o comunismo é implantado na Europa de Leste, China, Coreia do Norte, Camboja, Vietname do Norte, Cuba e alguns países da África Negra; O final da Segunda Guerra Mundial, a ascensão da União Soviética e o desencadear das revoltas nacionalistas e do processo de descolonização criou as condições favoráveis à expansão do comunismo e ao estreitar de relações entre a URSS e o novos países saídos da descolonização;
  • 79. Módulo 8, Hiistória A 79 A primeira vaga de extensão do comunismo verificou-se na Europa de Leste libertada do nazismo pelo Exército Vermelho; Nesses países os partidos comunistas instituíram um regime, denominado de democracia popular, decalcado do sistema soviético;
  • 80. Módulo 8, Hiistória A 80 A influência soviética manifestava-se através de alguns organismos: COMINFORM – organização internacional de partidos comunistas da Europa de Leste; COMECON – Conselho de Assistência Mútua Económica; Pacto de Varsóvia – Organização militar oposta à NATO que agrupava as democracias populares;
  • 81. Módulo 8, Hiistória A 81 A URSS tutelava todos estes organismos e os próprios países não admitindo alterações ao modelos marxista, ou pelo menos, á interpretação que a “nomenklatura” soviética fazia do marxismo; Quando surgiram rebeliões na Hungria (1956) e Checoslováquia (1968) o Exército Vermelho impôs a ordem; Brejnev, o líder soviético em 1968, perante a revolta chamada “Primavera de Praga”, declarou que a soberania dos países do Pacto de Varsóvia estava limitada pelos superiores interesses do socialismo; Em 1961, a construção do “Muro de Berlim”, criou um dos símbolos da guerra fria;
  • 82. Módulo 8, Hiistória A 82 Entre 1950 e 1953 dá-se a guerra entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul; Em 1949 é proclamada a República Popular da China e é instaurado um regime liderado por Mao Tsé-Tung, que primeiro é apoiado pelo regime soviético mas que a partir dos anos 60 se afasta da influência da URSS; Na Indochina desencadeia-se o processo de libertação do Vietname, primeiro contra a potência colonial, a França, que levou à formação do Vietname do Norte (comunista) e Vietname do Sul (capitalista) e mais tarde uma guerra entre os dois Vietname, o do Sul apoiado diretamente pelos Estados Unidos;
  • 83. Módulo 8, Hiistória A 83 Na América Latina, em Cuba, um grupo de guerrilheiros chefiados por Che Guevara e Fidel Castro derruba o governo do ditador Fulgêncio Baptista que era apoiado pelos EUA; As ideias socializantes deste grupo leva a uma hostilização do novo regime por parte do EUA, que organizam uma tentativa para derrubar Fidel, isso vai levá-los a procurar a ajuda soviética;
  • 84. Módulo 8, Hiistória A 84 Em 1962 são instalados mísseis soviéticos na ilha o que lhes permitia alcançar facilmente território americano; Os EUA exigem a retirada dos mísseis, e desencadeou-se a “crise dos mísseis de Cuba” e o mundo esteve à beira de uma guerra nuclear; Os soviéticos acabam por aceitar a retirada dos mísseis de território cubano;
  • 85. Módulo 8, Hiistória A 85 Oh, where have you been, my blue-eyed son? Oh, where have you been, my darling young one? I’ve stumbled on the side of twelve misty mountains I’ve walked and I’ve crawled on six crooked highways I’ve stepped in the middle of seven sad forests I’ve been out in front of a dozen dead oceans I’ve been ten thousand miles in the mouth of a graveyard And it’s a hard, and it’s a hard, it’s a hard, and it’s a hard And it’s a hard rain’s a-gonna fall Oh, what did you see, my blue-eyed son? Oh, what did you see, my darling young one? I saw a newborn baby with wild wolves all around it I saw a highway of diamonds with nobody on it I saw a black branch with blood that kept drippin’ I saw a room full of men with their hammers a-bleedin’ I saw a white ladder all covered with water I saw ten thousand talkers whose tongues were all broken I saw guns and sharp swords in the hands of young children And it’s a hard, and it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard And it’s a hard rain’s a-gonna fall And what did you hear, my blue-eyed son? And what did you hear, my darling young one? I heard the sound of a thunder, it roared out a warnin’ Heard the roar of a wave that could drown the whole world Heard one hundred drummers whose hands were a-blazin’ Heard ten thousand whisperin’ and nobody listenin’ Heard one person starve, I heard many people laughin’ Heard the song of a poet who died in the gutter Heard the sound of a clown who cried in the alley And it’s a hard, and it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard And it’s a hard rain’s a-gonna fall Oh, who did you meet, my blue-eyed son? Who did you meet, my darling young one? I met a young child beside a dead pony I met a white man who walked a black dog I met a young woman whose body was burning I met a young girl, she gave me a rainbow I met one man who was wounded in love I met another man who was wounded with hatred And it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard It’s a hard rain’s a-gonna fall Oh, what’ll you do now, my blue-eyed son? Oh, what’ll you do now, my darling young one? I’m a-goin’ back out ’fore the rain starts a-fallin’ I’ll walk to the depths of the deepest black forest Where the people are many and their hands are all empty Where the pellets of poison are flooding their waters Where the home in the valley meets the damp dirty prison Where the executioner’s face is always well hidden Where hunger is ugly, where souls are forgotten Where black is the color, where none is the number And I’ll tell it and think it and speak it and breathe it And reflect it from the mountain so all souls can see it Then I’ll stand on the ocean until I start sinkin’ But I’ll know my song well before I start singin’ And it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard, it’s a hard It’s a hard rain’s a-gonna fall Read more: http://www.bobdylan.com/us/songs/hard-rains-gonna- fall#ixzz3ANuPpFP8 hard rain’s a-gonna fall https://www.youtube.com/watch?v=7lLMansJbFY
  • 86. Módulo 8, Hiistória A 86 Cuba desempenhou um papel ativo na disseminação do comunismo, apoiando guerrilhas marxistas em vários países da América Latina (El Salvador, Nicarágua, Colômbia, Bolívia, Guatemala) e apoiando alguns regimes africanos, sobretudo em Angola; No início da década de 80, a URSS possuía bases e conselheiros militares em 17 países;
  • 87. Módulo 8, Hiistória A 87 Opções e realizações da economia de direção central A Segunda Guerra Mundial veio interromper os Planos Quinquenais e reduziu a produção soviética; O balanço da guerra foi bastante pesado para a URSS, 20 milhões de mortos, milhares de cidades destruídas, fábricas, indústrias, vias de comunicação, etc.;
  • 88. Módulo 8, Hiistória A 88 A reconstrução da URSS e dos restantes países comunistas foi realizada rapidamente, e nos anos que se seguiram à guerra o crescimento económico dos países comunista ultrapassou o dos países capitalistas; Em 1949 a URSS construía a bomba atómica e em 1957 lançava o primeiro satélite artificial;
  • 89. Módulo 8, Hiistória A 89 Em 1945, na URSS, é lançado o IV Plano Quinquenal, centrado nos setores hidroelétrico, siderúrgico e da investigação científica; Nas democracias populares são implantados modelos económicos inspirados no modelo soviético; Os novos países industrializaram-se rapidamente;
  • 91. Módulo 8, Hiistória A 91 No entanto o nível de vida das populações não acompanhou esse desenvolvimento económico; Os horários de trabalho são muito extensos, os salários baixos e existe uma carência de bens de consumo essenciais porque a agricultura, a construção de habitação, a indústria de produção de bens de consumo e o setor terciário foram negligenciados; A falta de habitação condigna e as longas filas para conseguir comprar bens de consumo faziam parte do quotidiano dessas sociedades;
  • 92. Módulo 8, Hiistória A 92 A partir dos anos 60, a economia planificada começa a demonstrar grandes debilidades e começa a estagnar: Planificação centralizada; Direção burocratizada e ineficiente; Perante esta situação é lançado um vasto programa de reformas económicas nos países de leste;
  • 93. Módulo 8, Hiistória A 93 Nikita Kruchtchev (líder da URSS entre 1953-1964, após a morte de Estaline) procura combater o excesso de centralismo e burocracia; Deu prioridade à produção de bens de consumo, na construção de habitação e na produção agrícola; Propôs ao Ocidente a política de “coexistência pacífica entre os dois blocos”;
  • 94. Módulo 8, Hiistória A 94 Aos planos quinquenais rigorosos opôs planos anualmente ajustáveis, prolongados por 7 anos; Descentralizou a fomentou a autonomia dos gestores nas fábricas; Iniciou um sistema de prémios para os trabalhadores mais produtivos;
  • 95. Módulo 8, Hiistória A 95 Os efeitos destas medidas ficaram aquém das expetativas e as economias do bloco socialista continuaram a estagnar; Leonidas Brejnev (líder da URSS entre 1964-1982) regressou aos processos de centralismo burocrático; Os planos quinquenais vão dar prioridade à industria militar envolvida na corrida armamentistas com o Ocidente;
  • 96. Módulo 8, Hiistória A 96 As dificuldades económicas continuam a alastrar; A burocracia e a corrupção sofrem um aumento descontrolado; Era o início do fim do regime soviético;
  • 97. Módulo 8, Hiistória A 97 1.2.4 A Escalada Armamentista e o Início da Era Espacial O ambiente de guerra fria que se seguiu ao fim da Segunda Guerra Mundial desenvolve-se numa época da grande desenvolvimento tecnológico que é colocado ao serviço do aparelho militar; Em 1949 os soviéticos faziam explodir experimentalmente uma bomba atómica; Perdendo a sua superioridade, os americanos investem na pesquisa militar e em 1952 testam a primeira bomba de hidrogénio, mil vezes mais potente que a bomba de Hiroxima; Estava lançada a “corrida aos armamentos”;
  • 98. Módulo 8, Hiistória A 98 Em 1953 a URSS também testa a sua bomba de hidrogénio; Inicia-se a produção maciça de armamento nuclear e de misseis de longo alcance pata lançar as bombas; A corrida ao armamento estendeu-se a todo o tipo de armas; Os dois rivais faziam crescer as suas forças navais, aéreas e terrestres;
  • 100. Módulo 8, Hiistória A 100 Os EUA triplicaram o seu orçamento para o exército, em 1952, 80% da orçamento da URSS estava destinado a despesas militares; Estava em andamento a política de dissuasão. Cada um dos blocos fazia crer que retaliaria contra qualquer violação por parte do adversário; Churchill afirmou que “o mundo vivia no equilíbrio instável do terror”;
  • 101. Módulo 8, Hiistória A 101 As relações internacional passam a ser determinadas pelo equilíbrio do terror nuclear; Às bombas nucleares seguem-se as bombas de neutrões, os submarinos nucleares, os mísseis intercontinentais; O mundo vive sobre o equilíbrio do terror nuclear; O equilíbrio entre a capacidade destrutiva das duas superpotências era o garante da paz; No entanto, o mundo esteve várias vezes, como no caso dos mísseis de Cuba, à beira de uma guerra nuclear;
  • 102. Módulo 8, Hiistória A 102 A Era Espacial Durante a Segunda Guerra Mundial os cientistas alemães tinham desenvolvido a tecnologia de foguetes em Peenamunde tinham desenvolvido os primeiros mísseis da história no final da guerra, os V1 e V2;
  • 103. Módulo 8, Hiistória A 103 A maior parte destes cientistas foram para os EUA e URSS onde vão liderar os projetos espaciais; Em outubro de 1957, a URSS, colocou em órbita o primeiro satélite artificial da História da Humanidade, o Sputnik 1; Em novembro de 1957, lançou o Sputnik 2, a bordo ia uma cadela (Laika), o primeiro ser a viajar no espaço;
  • 104. Módulo 8, Hiistória A 104 A proeza soviética levou os EUA a intensificarem os seu programa espacial e no início de 1958, lançavam o seu primeiro satélite, o Explorer 1; No entanto nos primeiros anos os soviéticos mantêm a liderança, e em 1961, Yuri Gagarin é o primeiro ser humano a viajar no espaço;
  • 105. Módulo 8, Hiistória A 105 No entanto no final da década de 60, os americanos conseguem recuperar o atraso e Neil Armstrong é o primeiro humano a pisar a Lua; A corrida ao espaço era uma forma de cada uma das superpotências demonstrar a sua superioridade tecnológica sobre o adversário; A luta verificava-se também ao nível da espionagem; Primeira alunagem
  • 106. Módulo 8, Hiistória A 106 1.3 A Afirmação de Novas Potências (não é de aprofundamento) 1.3 O Rápido Crescimento do Japão No final da Segunda Guerra Mundial, o Japão era um país militarmente derrotado, ocupado por uma potência estrangeira (EUA), tinha perdido o seu império colonial e a sua economia estava completamente arrasada;
  • 107. Módulo 8, Hiistória A 107 A ocupação americana levou à modernização das estruturas políticas e sociais; Os EUA criaram um espécie de “Plano Marshall”, o “Plano Dodge”, para o Japão que continuou mesmo depois de 1952, quando a ocupação americana terminou; A vitória dos comunistas na China em 1949 transformou o Japão num precioso aliado para os EUA; Os japoneses souberam aproveitar as condições e no inicio dos anos 70 eram a terceira potência económica mundial;
  • 108. Módulo 8, Hiistória A 108 Os americanos durante a ocupação do Japão: Lançaram o “Plano Dodge”; Promoveram a democratização do país, a nova Constituição aprovada instituía um regime parlamentar; Desenvolveram uma reforma agrária que levou á expropriação de terras dos grandes proprietários distribuídas pelos camponeses; Destruíram as indústrias bélicas o que levou a que todo o potencial económico e intelectual fosse transferido para os setores produtivos; A guerra da Coreia em 1950-53 reforçou a importância do japão;
  • 109. Módulo 8, Hiistória A 109 O governo japonês interveio ativamente na economia japonesa, regulando o mercado, protegendo as empresas, concedendo créditos, etc.; Os acordos políticos de 1952 exigiam que o Japão não poderia gastar mais do que 1% do PIB em despesas militares, o que favoreceu a canalização de recursos financeiros para o desenvolvimento económico; A mentalidade japonesa também contribuiu para o desenvolvimento económico: cooperação entre empresários e trabalhadores, reinvestimento dos lucros na renovação tecnológica;
  • 110. Módulo 8, Hiistória A 110 A tradição empresarial japonesa ia no sentido de o emprego ser vitalício; Os empregados retribuíam com uma lealdade incondicional á empresa; A produtividade japonesa é muito superior ao do resto do Mundo, nos anos 60 trabalham mais 400 horas anualmente se comparados com os trabalhadores europeus e auferiam salários mais baixos; Um outro ponto importante que favoreceu o desenvolvimento japonês foi o sistema de ensino altamente competitivo;
  • 111. Módulo 8, Hiistória A 111 Estes fatores vão permitir que o Japão se transforme na primeira sociedade de consumo asiática; O desenvolvimento económico é considerado por muitos um “milagre japonês” pois o país é superpovoado e praticamente importa todas as suas matérias-primas; O primeiro surto de desenvolvimento japonês ocorreu entre 1955 e 1961, a produção industrial triplicou, os setores que mais se desenvolveram foram a indústria pesada (construção naval, química) e de bens de consumo duradouros (televisores, frigoríficos, rádios, etc.);
  • 112. Módulo 8, Hiistória A 112 Após uma estagnação no início dos anos 60, dá-se um segundo surto de crescimento entre 1966 e 1971, a produção industrial duplica; Para além dos setores tradicionais surgem novos como a indústria automóvel; No início dos anos 70, o Japão é a terceira potência económica, apenas atrás dos EUA e da URSS;
  • 113. Módulo 8, Hiistória A 113 1.3.2 O Afastamento da China do Bloco Soviético A revolução comunista chinesa foi liderada por Mao Tsé-Tung (1893- 1976); Mao elevou-se ao nível de teórico marxista e postulou que, ao contrário do marxismo tradicional, não era o operariado que representava o papel revolucionário mas o campesinato (a China era um país atrasado, agrícola); Essa nova interpretação do marxismo foi designada de maoísmo; A revolução chinesa foi desencadeada pela classe camponesa maioritária na China;
  • 114. Módulo 8, Hiistória A 114 Ao contrário da Rússia, onde a revolução tinha sido desencadeada pelo Partido Bolchevique, na China, a revolução foi liderada pelas massas (camponesas) e não por um partido; Isso levou ao nascimento de um modelo diferente do soviético para alcançar o comunismo; Após a morte de Estaline, em 1953, a divergência entre o Partido Comunista Chinês e o soviético acelerou;
  • 115. Módulo 8, Hiistória A 115 Em 1957, Mao, lançou uma campanha de retificação dos erros, a crítica foi estimulada, mas perante a magnitude dessas criticas, a campanha foi suspensa, e os críticos enviados para campos de reeducação (eufemismo para campos de concentração); Nos finais dos anos 50, Partido Comunista Chinês, lança uma nova política económica que ficou conhecida por o “Grande Salto em Frente”;
  • 116. Módulo 8, Hiistória A 116 O objetivo central era que a China alcançasse os níveis de produtividade ocidentais; A meta era alcançar, em 15 anos, a Inglaterra; Foi abandonada a prioridade dada à indústria pesada e privilegiaram a produção agrícola e a criação de pequenas indústrias locais, baseadas na tecnologia tradicional; Foram criadas comunas populares (agrupavam cerca de 5 mil famílias), estabeleceu-se um modo de vida comunitário dirigido pelos funcionários do Partido Comunista Chinês;
  • 117. Módulo 8, Hiistória A 117 Foi desenvolvida uma massiva campanha publicitária e ideológica para mobilizar a população; Mao crítica a política de coexistência pacífica de Kruchtchev, apoia a política de Estaline e acusa os soviéticos de se afastarem dos ideais do marxismo; A União Soviética acusa a China de aventureirismo; Estava consumada a rutura com a URSS, a China considerava-se o “único país verdadeiramente socialista”;
  • 118. Módulo 8, Hiistória A 118 A política do “Grande Salto em Frente” era absolutamente contrária à política que Estaline tinha levado a cabo na URSS; Esta política económica saldou-se por um enorme desastre, a diminuição da produção de cereais causou a morte a cerca de 30 milhões de chineses; Foi abandonada em 1960, e levou ao afastamento temporário do poder de Mao;
  • 119. Módulo 8, Hiistória A 119 Para recuperar o poder, Mao Tsé-Tung lançou uma nova grande campanha de massas, a “Revolução Cultural”; O objetivo era criar um “novo homem” através da transformação das mentalidades; Os apoiantes de Mao, sobretudo jovens estudantes, são organizados em unidades de “Guardas Vermelhos” que são enviados por toda a China para levarem a cabo uma campanha de politização da população; Em 1964, Mao publica o “Livro Vermelho” que organiza as suas ideias e se torna a “bíblia” da Revolução Cultural;
  • 120. Módulo 8, Hiistória A 120 Todos os suspeitos de serem opositores ao maoísmo são violentamente perseguidos; Este movimento levou a uma onda de excessos e de violência que causou 2 milhões de mortos, 100 milhões de pessoas perseguidas e 20 milhões enviados para “campos de reeducação”; No entanto Mao, transformado no “Grande Timoneiro” recuperou o poder;
  • 121. Módulo 8, Hiistória A 121 Nos anos 70, a China iniciou um processo de aproximação com o Ocidente e os EUA; Em 1971, o presidente americano, Richard Nixon, visitou a China; A República Popular da China foi admitida na ONU e substituiu a China Nacionalista (Formosa) no Conselho de Segurança da ONU;
  • 122. Módulo 8, Hiistória A 122 Os dirigentes chineses acusam a URSS de “social-imperialismo” e consideram-na o principal inimigo da paz; Com a morte, em 1976, de Mao, os dirigentes chineses abrem a economia à iniciativa privada e ao investimento estrangeiro, embora o PCC mantenha a liderança política; Os territórios de Hong Kong e Macau são integrados na China, mas mantêm a sua economia capitalista, surge o lema, “Um país, dois sistemas”;
  • 123. Módulo 8, Hiistória A 123 1.3.3 A Ascensão da Europa Na primeira metade do século XX a Europa quase se autodestruiu com duas guerras devastadoras; Depois da Segunda Guerra Mundial desenvolve-se a ideia que era necessário construir uma Europa unida e com identidade e dinâmica própria; Já em 1946, Churchill apelou “ao renascimento da Europa” e a constituição dos Estados Unidos da Europa; Mas é sobretudo o francês Jean Monnet (1888-1979), por muitos considerado o “pai da Europa”, que advogou a união dos países do continente europeu;
  • 124. Módulo 8, Hiistória A 124 Os principais objetivos da união de países europeus seriam: Ajudar à reconstrução europeia do pós-guerra, e a sua integração no bloco das potências ocidentais; Criar uma entidade económica capaz de competir com os EUA e a URSS; Em 1947 surge o Benelux (Bélgica, Holanda e Luxemburgo) uma união aduaneira.
  • 125. Módulo 8, Hiistória A 125 Logo após o fim da guerra surgiram várias organizações com o objetivo de implementar a união mas que fracassaram; Monnet propõe a união europeia e foi um dos arquitetos da Declaração Schuman (1950), o primeiro passo consistente para o desenvolvimento da cooperação entre países europeus. Esta documento previa a cooperação entre a França e a Alemanha nos domínios da produção do aço e do carvão; Em 1951 aderem a esta declaração a Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo, é criada a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA);
  • 126. Módulo 8, Hiistória A 126 Em 1957, é criada pelo Tratado de Roma, a Comunidade Económica Europeia (CEE), integrada pelos mesmos 6 países que integravam a CECA; A CEE foi o ponto de partida da atual União Europeia; Pelo Tratado de Roma, os países signatários, comprometiam-se a implementar progressivamente a livre circulação de mercadorias, capitais e pessoas. Também previa uma política comum na área da agricultura, dos transportes e da produção energética;
  • 127. Módulo 8, Hiistória A 127 Foi criada a Comunidade da Energia Atómica Europeia (Euratom); A livre circulação de mercadorias (união aduaneira) foi concretizada em 1968; Em 25 de março de 1957, França, Alemanha, Bélgica, Holanda, Itália e Luxemburgo assinam o Tratado de Roma que criou a Comunidade Económica Europeia.
  • 128. Módulo 8, Hiistória A 128 A em 1970, a CEE era a primeira potência comercial do Mundo e crescia a uma taxa média de 5%; Em 1973 aderem à CEE, a Grã-Bretanha, a Irlanda e a Dinamarca; A Europa dos Seis passava a ser denominada Europa dos Nove;
  • 129. Módulo 8, Hiistória A 129 1.3.4 A Segunda Vaga de Descolonizações. A Política de Não Alinhamento A descolonização africana iniciou-se no Norte do continente, na África arabizada; A Líbia depois de ter estado sobre a tutela da ONU acedeu à independência em 1951; Em 1956 seguem-se Marrocos e a Tunísia; A Argélia só conseguiu a independência em 1962 depois de uma guerra com a potência colonizadora, a França;
  • 130. Módulo 8, Hiistória A 130 As ideias de autodeterminação e independência propaga-se à África subsariana; Surgem movimentos nacionalistas que lutam pela independência dos seus países contra as potências colonizadoras; Muitas vezes é difícil criar a união destes povos pois o colonialismo juntou e dividiu etnias de acordo com os seus interesses económicos; Muitos dos líderes independentistas estudaram nas metrópoles e aí contactaram com as ideias de liberdade e justiça social; Os movimentos de libertação muitas vezes são conotadas com as ideias de socialismo;
  • 131. Módulo 8, Hiistória A 131 Em 1960, a Assembleia-Geral da ONU aprovou a Resolução 1514 que consagra o direito à autodeterminação dos territórios sob administração estrangeira e condena as tentativas bélicas das metrópoles para manterem as suas colónias; Em 1960, 17 países africanos acedem à independência; Surgem vários líderes carismáticos que impulsionam a descolonização; Em 1970 em África só existiam as colónias portuguesas e a Namíbia como territórios não independentes e a Rodésia do Sul (atual Zimbabué) e a África do Sul, países onde as minorias brancas detinham o poder;
  • 132. Módulo 8, Hiistória A 132 O Terceiro Mundo Terceiro Mundo – Expressão criada em 1952, por A Sauvy e G. Balandier para designar os países excluídos do desenvolvimento económico;
  • 133. Módulo 8, Hiistória A 133 Na década de 70 cerca de 70 países da África e a Ásia compartilhavam o atraso económico, constituem o Terceiro Mundo; São países recentemente descolonizados, alcançaram a independência política mas continuaram dependentes economicamente; Na maior parte desses países as grandes companhias internacionais continuavam a explorar as matérias-primas e a fornecer os produtos manufaturados aos novos países; Criou-se uma situação de neocolonialismo; Neocolonialismo – Forma de colonialismo que se exerce pelo domínio económico;
  • 134. Módulo 8, Hiistória A 134 Perante um Mundo divido entre a luta das superpotência e dos seus aliados, um grupo de países propõe uma alternativa à luta entre os blocos comunista e capitalista, a terceira via; Em 1955, um grupo de países asiáticos (Índia, Indonésia, Birmânia (Myanmar), Ceilão (Sri Lanka), e o Paquistão) convocam uma conferência para discutir estes assuntos; A Conferência de Bandung (Indonésia) reuniu 29 países da África e da Ásia que no seu comunicado Final aprovaram a condenação do colonialismo, a rejeição da política de blocos e apelavam à resolução pacífica dos conflitos;
  • 135. Módulo 8, Hiistória A 135 A ideia nascida em Bandung foi-se desenvolvendo em diversos encontros internacionais e vieram a dar corpo ao Movimento dos Não Alinhados, criado oficialmente na Conferência de Belgrado (Jugoslávia, em 1961; Os grandes promotores foram os chefes de Estado da Índia, Nehru, do Egito, Nasser e da Jugoslávia, Tito; Procuram desenvolver uma alternativa à bipolarização do Mundo; O movimento começou a atrair um número cada vez maior de países (25 em 1961 e 113 em 1995);
  • 136. Módulo 8, Hiistória A 136 Este movimento denunciava a injustiça da ordem económica internacional que favorecia os países ricos em detrimento dos mais pobres; Denunciou as atuações da França na Argélia, dos EUA no Vietname e de Portugal em Angola, Moçambique e Guiné; Reivindicam a criação de uma nova ordem económica internacional; No entanto o facto de existirem situações muito diferentes entre estes países (económica, social, religiosa, cultural) fragilizou o Movimento que hoje se encontra muito dividido;
  • 137. Módulo 8, Hiistória A 137 1.4 O Termo da prosperidade económica: origens e efeitos (não é de aprofundamento) O crescimento económico iniciado após a Segunda Guerra Mundial começa a revelar dificuldades que se tornam visíveis em 1973: quebra na produção industrial, falências de empresas e aumento do desemprego; As crises do capitalismo eram previsíveis e cíclicas; Mas a crise de 1973 apresentava uma novidade, ao contrário do que aconteceu anteriormente, os preços continuaram a subir e a inflação tornou-se incontrolável; Este fenómeno recebeu o nome de estagflação (estagnação (da produção) + inflação);
  • 138. Módulo 8, Hiistória A 138 A crise dos Anos 70 deveu-se à conjugação de dois fatores: a crise energética e a instabilidade monetária; O mundo industrializado dependia do petróleo; Até 1973 o preço do crude manteve-se baixo, mas nesse ano os países produtores de petróleo, em grande parte localizados no Médio Oriente, utilizam o preço como arma política, como retaliação pelo apoio dos países ocidentais a Israel; O preço quadruplicou e a produção petrolífera foi reduzida em 25%;
  • 139. Módulo 8, Hiistória A 139 Foi agendada um calendário de reduções mensais de 5% da produção até que o apoio a Israel terminasse; Os EUA, a Holanda e a Dinamarca foram considerados inimigos da causa árabe e foi imposto um boicote total ao fornecimento de petróleo; Em 1979 surgem novos aumentos do preço do petróleo fruto da crise política no Irão e à guerra Irão-Iraque; O choque petrolífero levou a que o preço do petróleo, em menos de 10 anos, foi multiplicado por 12; O aumento do preço do petróleo vai provocar o aumento do preço de todos os produtos criando uma aumento da inflação;
  • 140. Módulo 8, Hiistória A 140 Outro fator que provocou a crise económica foi a instabilidade monetária; Os EUA, devido ao aumento da sua despesa com gastos sociais e sobretudo com a Guerra no Vietname, aumentou excessivamente a quantidade de moeda em circulação; Em agosto de 1971, o presidente americano, Richard Nixon, suspendeu a convertibilidade do dólar em ouro (era um dos principais fundamentos do sistema monetário internacional, que tinha sido instituído em Bretton Woods); Esta medida tomada pelos EUA desregulou o sistema financeiro mundial;
  • 141. Módulo 8, Hiistória A 141 A instabilidade económica, conjuntamente com o choque petrolífero, foram os responsáveis pela crise económica dos Anos 70; Outras causas que contribuíram para a crise foram a falência do sistema de trabalho conhecido por fordismo e a saturação dos mercados; A crise dos Anos 70 provocou o aumento da taxa de desemprego, ainda não foi resolvida, pelo contrário, foi agravada nos últimos anos;
  • 142. Módulo 8, Hiistória A 142 A crise não atingiu a proporções da dos Anos 30 foi caracterizada por uma baixa do crescimento económico; As despesas dos Estados aumentaram com o as prestações sociais a subirem; A existência do Estado-Providência permitiu que no aspeto social a crise não tivesse consequências mais graves; No entanto a diminuição das receitas e o aumento das despesas do Estado levaram a que surgissem as primeiras críticas às políticas keynesianas (fundadoras do Estado-Providência) e a defesa de políticas neoliberais;
  • 143. Módulo 8, Hiistória A 143 Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte bibliografia: FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas da História 12, Areal Editores, 2015 COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo da História 12, Porto Editora, 2013 Antão, António, Preparação para o Exame Nacional 2014, História A, Porto Editora 2015 Catarino, António Luís, Preparar o Exame Nacional de História A, Areal Editores, 2015 2017/2018