SlideShare uma empresa Scribd logo
Princípios da sinalização celular
A sinalização celular faz parte de um complexo sistema de comunicação que governa e coordena as atividades e funções
celulares.
• A habilidade que as células possuem em perceber e corretamente responder ao seu ambiente envolvente, forma a base do
desenvolvimento, da reparação de tecidos,da imunidade e de outras funções de homeostasia em tecidos. Erros existentes no
processamento de informação celular são responsáveis por doenças como a autoimunidade e diabetes.
• Ao se entender melhor os processos de sinalização celular, muitas doenças poderão ser tratadas de maneira mais eficaz e,
em teoria, tecidos artificiais poderão ser fabricados.





Para interagir e se comunicar com o meio, as células usam receptores que captam determinados sinais, fazendo com
que a célula atue de acordo com ele.
Um mesmo sinal pode desencadear mais de uma reação, dependendo do receptor a que se associe.
Em geral, o receptor celular se une a molécula sinalizadora, e então da inicio a uma cadeia de reações no interior da
célula:

A molécula sinalizadora, pode ser recebida em locais diferentes da célula, dependendo de sua natureza:
o
o

Receptores de superfície celular:
- Quando o sinal tem natureza hidrofílica, e não atravessa a membrana plasmática por difusão.
Receptores intracelulares:
-Quando o sinal tem natureza hidrofóbica, e atravessa a membrana plasmática.
O tipo de sinalização pode ser classificado de acordo com o percurso do sinal.
o

De contato: quando a sinalização se da com o contato direto das membranas de duas células. Contato direto através
de moléculas sinalizadoras presentes na membrana. Presente no desenvolvimento embrionário-especialmente
celular.
o Paracrina: atuam sobre as células vizinhas. Em vez de entrar na corrente sanguínea, as moléculas-sinais se difundem
localmente pelo liquido extracelular permanecendo nas vizinhanças da célula que as secretou. Atuam como
mediadores locais.
o Sináptica, ou neural, quando o impulso se propaga pelo axônio provoca a liberação de neurotransmissores na fenda
sináptica. Sinais elétricos convertidos em sinal químico, o neurotransmissor.
o Endócrina: maior abrangência, sinalizadores lançados na corrente sanguine. Exemplo: hormônios.
-As células respondem de maneira diferente a um mesmo sinal: a resposta de uma célula a uma molécula-sinal, depende,
antes de tudo, do fato de a célula possuir uma proteína receptora ou um receptor, para essa molécula. Cada receptor é
geralmente ativado por apenas um tipo de sinal. Sem o receptor apropriado, a célula será insensível ao sinal e não poderá
reagir. Ao produzir somente um pequeno conjunto de receptores entre milhares possíveis, a célula restringe a gama de sinais
que pode afetá-la.

Ativação de rota sinalizadora intracelular:
Muitos sinais extracelulares atuam via receptores de superfície celular e alteram o comportamento da célula. A proteína
receptora ativa uma ou mais vias de sinalização intracelular, cada uma delas mediada por uma série de moléculas de
sinalização intracelular, que podem ser proteínas ou moléculas mensageiras pequenas.
Rota de sinalização:
Proteínas de sinalização intracelular transmitem, amplificam, integram e distribuem o sinal que chega. Uma proteína
receptora localizada na superfície da célula transforma um sinal extracelular o qual inicia uma ou mais vias de sinalização que
transmitem o sinal para o interior.

Qual a importância da comunicação celular?







Formação de tecidos;
Multiplicação celular;
Fagocitose;
Síntese de anticorpos;
Atração de leucócitos para defesa;
Coordenação do metabolismo;
Respostas das células aos estímulos:
Ligantes-receptor  Eventos intracelulares  Comportamento da célula.



Funções especializadas:
Movimento;







Apoptose;
Defesa;
Sobrevivência;
Proliferação;
Crescimento;
Diferenciação;
Tradução de sinais
É a transmissão de num sinal que é convertido de uma forma para outra.
Ex: sinal extracelular altera eventos intracelulares gerando respostas bioquímicas e fisiológicas.
Comunicação entre as células:
Ligante Receptor Resposta
Muitas vezes produzem respostas diferentes.
Principais tipos de receptores:
-receptor associado a um canal iônico
-Associado a proteína G
-Receptores associados a enzimas.
 Receptores associados a proteína G
Sinal gerado: forma ativada de uma subunidade de proteína G -> cascata de efeitos.
A proteína G é formada pela parte ( na forma inativa, ela fica ligada as 3 parte):
-Alfa
-Beta
-Gama
- Os receptores associados a proteína de ligação GTP (proteína g) formam a maior família de receptores
transmembrânicos. Se conhece mais de 100 tipos de diferentes deles nos mamíferos, e cerca de metade das drogas
medicinais atuais tem um tipo deste receptor como alvo.
- Exemplos de proteínas g: Rodopsina, receptores olfatórios, fatores de acasalamento de leveduras.
 Como é ativada /através de enzimas ligas a membrana:
-Ao receber o sinal, estas proteínas sinuosas sofrem uma mudança conformacional, separando a proteína G do GdP.
-Isso a permite se ligar a um GTP, então se torna ativa. O trimero alfa/beta/gama se separa em alfa e beta/gama. Ambos
exercem suas funções mediando outras proteínas ou enzimas.

ATIVAÇÃO:
-Ou seja, quando a proteína ( azul) recebe uma sinalização, o GDT se “desliga da proteina”, ligando em seu lugar uma GTP.
Separam das partes gama e beta, da parte alga juntamente com o gtp. Ele nesta “fase” esta ativado.
Depois de separados, vão para outras proteínas, para mandarem “mensagens” do que produzir.
Desligamento da proteína G:
Ao exercer sua função, a subunidade alfa hidrolisa o GTP, o transformando em GDP, ela se inativa e se junta novamente ao
complexo beta/gama. Ou seja, a própria proteína G que esta ativa (GTP) sofre hidrólise ficando na forma inativa (GDP).
 Lembrando que existem vários tipos de subunidade alfa, cada uma delas pode atuar de uma maneira diferente.

Cólera:
A toxina da cólera não deixa a proteína voltar ao estado normal de GDP. Essa toxina penetra nas células que revestem o
intestino e modifica a subunidade de uma proteína G de forma que ela perda a capacidade de hidrolizar GTP- perda
excessiva de eletrólitos e água pela célula, resultando em diarreia e desidratação catastróficas.
Vias de ação da proteína G:
- Quando ativada, a proteína G atua sobre alguma das varias vias de sinalização intracelulares Como por exemplo:
 Algumas proteínas G regulam canais iônicos:
 Algumas proteínas G ativam enzimas ligadas a membrana:

 Via do AMP cíclico;
Pode ativar enzimas e genes
-A regulação do AMP cíclico (CAMP):
 A proteína G s ativa a enzima adenilil-ciclase. A adenilil-ciclase rapidamente transforma o ATP em CAMP.
Pela ativação da proteína cinase A (PKA), interferindo na transcrição gênica, e outros.
 O CAMP é continuamente transformado pela fosfodiesterase em AMP, então sua concentração só esta
elevada enquanto a Adenilil- ciclase esta ativada.
 A proteína G, inibi a ação da adenilil-ciclase, diminuindo então a concentração do CAMP.
 O AMP cíclico normalmente esta ligado ao catabolismo.
 A adrenalina e o glucacon são responsáveis por produzir o AMP cíclico.
 Via do fosfolipídio de inositol desencadeia um aumento no Ca2+ intracelular;
Alguns GPRS exercem seus efeitos por meio de proteínas G que ativam a enzima fosfolipase C, em vez da adenilato-ciclase.
A fosfolipase c , uma vez ativada, propada o sinal pela degradação de uma molécula lipídica que é componente da
membrana plasmática. Em virtude do envolvimento desse composto, a via de sinalização que inicia com a ativação da
fosfolipase C é conhecida como a via do fosfolipideo de inositol.
Apresenta vários exemplo:
- A via de sinalização do inositol:
 A proteína G2 ativa a fosfolipase C (PLC).
 A PLC age sobre o PIP2, um fosfolipídio da camada interna da membrana plasmatica.
 O PIP2 é então transformado em inositol (IP3) e diacilglicerol.
 O inositol ativa canais de Ca ++ do REL, liberando no citoplasma.
 O diacilglicerol, junto com Ca ++, ativam a proteína cinase C.
 Cascatas de sinalização intracelular, podem alcançar velocidades, sensibilidades e adaptabilidades
surpreendentes:
Ex: rapidez na resposta do organismo: enxergar, salivar ao ver algum alimento, batimentos do coração.

 Receptores associados a canais iônicos.

São associados a canais iônicos – são canais ativados por neurotransmissores que se ligam a uma proteína, abrindo o canal e
permitido a passagem de íons.¹
Sinal gerado: fluxo de íons-> efeitos elétricos.

 Receptores associados a enzimas:
Tal como os receptores associados à proteína G,os receptores associados a enzimas são proteínas transmembranais com
seus domínios de interação ao ligante expostos na superfície externa da membrana plasmática. No entanto, em vez de se
associar a uma proteína G, o domínio citoplasmático so receptor atua como uma enzima- ou forma um complexo com outra
proteína com atividade enzimática.
 Função: participa da resposta que regulam crescimento, proliferação, diferenciação e sobrevivência das células nos
tecidos animais.
 Agem em concentração muito baixa, e com lenta nas respostas.
 Os distúrbios de crescimento, proliferação, diferenciação, sobrevivência e migração celular são fundamentais no
câncer, e as anormalidades na sinalização por receptores associados a enzimas tem um importante papel no
desenvolvimento dessa classe de doneça.
 A maior classe de receptores associados a enzima é formada por aqueles que teem um domínio citoplasmatico que
funciona como uma tirosina-cinase, que fosforila cadeias laterais de tirosinas de proteínas intracelulares especificas.
Tais receptores são denominados receptores tirosina-cinas.
Sinal gerado: atividade enzimática na face citoplasmática do receptor e subsequente liberação de moléculas.
Esses receptores quando ativos atuam como enzima ou associam a elas.
 Receptor da insulina:
O receptor de insulina é uma glicoproteína presente na membrana plasmática das células-alvo, sendo constituída de duas
subunidades diferentes (alfa e beta), que estão ligadas por pontes dissulfeto.
A subunidade alfa é externa à célula, enquanto que a subunidade beta comporta-se como uma proteína transmembrana. A
parte citoplasmática da subunidade beta possui atividade de tirosina quinase, contendo resíduos específicos de tirosina
passiveis de fosforilação.
A ligação do hormônio insulina ao receptor (especificamente à subunidade alfa) provoca a auto-fosforilação cruzada das
subunidades beta, e isso induz um aumento na sua atividade intrínseca de tirosina quinase, sendo que o resultado final é
uma cascata de fosforilação de proteínas sinalizadoras.
Esse evento de estimulação da atividade de proteína quinase, desencadeada pela ligação da insulina ao receptor, está
relacionado com vários processos intracelulares, como: o metabolismo de carboidratos, lipídeo e proteínas, transporte de
metabólitos, proliferação celular.
Esse é um evento comum, a partir do qual varias vias de transdução de sinal podem ser ativadas, resultando em múltiplos
efeitos da insulina sobre o metabolismo.

alfa

beta

1. A, B E Y com genótipo(XY) expressara os caracteres secundarias masculinos? Porque?
2. Como é a forma da proteína G inativa e ativa?
Potencial da membrana:
Potencial de membrana nas células excitáveis podem ser de 2 tipos:
- Potencial de repouso;
-Potencial de ação ou impulso nervoso.
A diferença entre as cargas (potencial eleétrico), chamamos ela de poliração elétrica da membrana, esse potencial pode estar
em ação ou em repouso.
A quantidade de carga presente na membrana é denominada potencial de membrana.

Potencial de repouso:
A membrana celular em repouso possui uma diferença de potencial de aproximadamente –70mV, o interior da célula é mais
negativo em relação ao exterior. Essa diferença de potencial é conhecida como Potencial de Repouso da Membrana ou PRM, e
é causado pela distribuição desigual de íons carregados (carga positiva ou negativa) na membrana celular. Quando há
diferença de cargas através da membrana, considera-se que a membrana se encontra polarizada.

As proteínas, os grupos fosfatos e outros nucleotídeos são carregados negativamente (anions) e mantidos no interior da célula,
pois não podem ultrapassar a membrana celular. Essas moléculas atraem íons carregados positivamente (cátions) do líquido
extracelular. Isso acarreta um acúmulo de carga positiva na superfície externa da membrana e uma carga negativa na superfície
interna.
O potencial de repouso da membrana é mantido por dois fatores: a permeabilidade da membrana plasmática aos diferentes íons
e a diferença de concentração iônica dos líquidos intra e extracelular. Tomamos como exemplo um neurônio, ele possui uma
alta concentração de íons de potássio (K+) no seu interior e uma alta concentração de íons de sódio (Na+) no seu exterior. A
permeabilidade da membrana neural ao potássio, sódio e outros íons é regulada pelas proteínas da membrana, que funcionam
como canais reguladores.




(Anotações do caderno): As proteínas intracelulares vão ser ajudadas pela diferença de cargas (íons).
Essas cargas negativas que se acumulam dentro das células/ são proteínas intracelulares, não saem da célula porque
são muito grandes.
As cargas positivas acumuladas fora da célula é o Na+ (o Na+ fica tentando entrar na membrana mas não cosegue
entrar muito, porque não tem muita proteína)( o potássio é muito mais permeável do que Na+).

A membrana celular é muito mais permeável ao íon potássio K+ do que ao íon sódio Na+. Como os íons tendem a se mover
para estabelecer um equilíbrio, parte dos íons de potássio movem-se para uma área onde a sua concentração é menor: fora da
célula. O sódio, move-se em menor quantidade para dentro da célula (cerca de 100 vezes menos que o potássio). Devido a essa
difusão os gradientes de concentração desses íons devem diminuir, isso acarretaria uma perda do potencial de membrana
negativo. Para impedir que isso ocorra, a membrana celular possui uma bomba de sódio/potássio que utiliza energia da ATP
para manter as concentrações intra e extracelular, bombeando três íons de sódio para fora da célula e dois íons de potássio para
seu interior. O resultado final é que mais íons carregados positivamente encontram-se fora da célula do que no seu interior,
mantendo o potencial de repouso da membrana.
Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G
O potencial de repouso é mantido por 3 formas:
-A saída do potássio por difusão facilitada.
-Entrada de sódio por mecanismo de difusão facilitada.
- Atpase através do sódio e potássio.
(Mv)

Quando ela mantém sem alteração ela
esta em potencial de repouso.

-90



A proteína canal de relacionada com a difusão Na+ e K+ durante o potencial de repouso canal de vazamento (esta
sempre aberta essa proteína).





Despolarização e Hiperpolarização

Se o interior da célula se tornar menos negativo em relação ao exterior, a diferença de potencial através da
membrana diminui: a membrana estará despolarizada. Isso ocorre em qualquer momento em que a diferença
de carga torna-se inferior ao PRM de –70mV. Isso resulta numa alteração da permeabilidade da membrana
ao sódio.
Se a diferença de carga através da membrana aumentar, passando de um PRM para um valor ainda mais
negativo a membrana estará hiperpolarizada.
 Potencial de ação:
Potencial de ação é uma despolarização rápida e substancial da membrana do neurônio. Dura aproximadamente 1ms, e é
tão forte após percorrer a extensão do axônio quanto era no ponto inicial do estímulo. O PRM de –70mV altera para um
valor de +30mV e, em seguida, retorna rapidamente ao seu valor de repouso.

o
o
o
o

(anotações do caderno) variação rápida do potencial de membrana.
Ocorreu uma inversão de polaridade da membrana.
Inicia-se com uma variação brusca a partir do potencial de repouso.
Visualização amplificadas das mudanças elétricas.

DENTA V

1

1. Fase Ascendente-despolarização.
2. Fase descendente-repolarização.
3. Hiperpolarização.

2

-90m
-110m
Acumulo de carga

3
( é importante saber como explicar cada uma das fases)


O canal de voltagem é dependente de sódio.

O que acontece em cada fase:
1. Aumento da permeabilidade ao sódio e despolarização, conseqüência da abertura das comportas que controlam o
movimento dos íons sódio. A quantidade de sódio que entra na célula excede a quantidade de potássio que sai. A diferença de
potencial da membrana altera de –70mV para +30 mV.
2. Diminuição da permeabilidade ao sódio quando as comportas se fecham. Quando o potencial de membrana passa a ser
0mV, ocorre uma resistência ao movimento de cargas positivas para o interior da célula.
3. Ira ocorrer o bloqueio da entrada de Na+ e aumentar a saída de K+.

Após o termino da repolarização, deve ocorrer um evento final antes que o neurônio retorne verdadeiramente ao seu estado de
repouso normal. Durante um potencial de ação, o sódio entra na célula. Em seguida para reverter a despolarização, o potássio
deixa a célula. A concentração intracelular de sódio é então elevada, assim como a concentração extracelular de potássio – o
oposto do estado de repouso. Para reverter isso, quando a repolarização estiver completa, a bomba de sódio-potássio é ativada
para fazer com que retornem os íons ao lado correto da membrana.
Quando um determinado segmento de um axônio gera um potencial de ação e as comportas que controlam o sódio estão
abertas, ele é incapaz de responder a outro um estímulo. Isso é denominado período refratário absoluto. Quando as comportas
de sódio estão fechadas, as de potássio estão abertas e ocorre a repolarização, o segmento do axônio pode então responder a
um novo estímulo. No entanto, este deve ser de uma magnitude substancialmente maior para desencadear um potencial de
ação. Isso é denominado período refratário relativo.
Resumo:
O Potencial de repouso é caracterizado pelo acumulo de carga –
Duas perguntas :
1. Quais são os fatores responsáveis pela manutenção do potencial de repouso?
R: DIFUSAO DE K+, DIFUSAO DE Na+ E BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO.
2. Esquematize e descreva o gráfico de potencial de ação de um neurônio.

Propagação do Potencial de Ação- transmissão sináptica:
Duas Características do neurônio tornam-se particularmente importantes ao considerarmos quão rapidamente um
impulso pode passar pelo axônio: a mielinização e o diâmetro.
Bainha de Mielina
Os axônios da maioria dos neurônios motores são mielinizados, significando que são recobertos por uma bainha
composta por mielina, uma substância gordurosa que isola a membrana celular. O sistema nervoso periférico, essa
bainha de mielina é formada por células especializadas denominadas células de Schvann.
A bainha não é contínua. Ao longo do axônio, a bainha de mielina apresenta espaços entre células de Schvann
adjacentes, deixando o axônio não isolado nesses pontos. Esses espaços são denominados nódulos de Ranvier. O
potencial de ação salta de um nódulo ao nódulo seguinte quando ele percorre uma fibra mielinizada. Esse fenômeno
é denominado condução saltatória, um tipo de condução muito mais rápido do que os das fibras não-mielinizadas.
A velocidade da transmissão do impulso nervoso nas fibras mielinizadas grandes pode ser elevada, de até 100m/s,
ou 5 a 50 vezes mais rápida do que a das fibras não-mielinizadas do mesmo tamanho.
Diâmetro do Neurônio
A velocidade da transmissão do impulso nervoso também é determinada pelo tamanho do neurônio. Os neurônios
de tamanho maior conduzem impulsos nervosos mais rapidamente do que aqueles de diâmetro menor, por
apresentarem menor resistência ao fluxo de corrente local.
1º A célula recebe um estimulo alterando a permeabilidade da membrana, ajudando na entrada de Na+ (lembrando que na
posição de repouso ela esta semipermeável ao potássio). E quando é “ativada” fica mais permeável ao NA+



Como se inicia um potencial de ação?

Recebe um estimulo promove alteração na permeabilidade da membrana ocorre a alteração na voltagem da membrana
depois a abertura de voltagem de carga Na+:

Saem 3 K+
Por isso que fica com carga negativa

Entra 1 Na+



Mas qualquer abertura pode favorecer esse canal? Não. O canal iônico somente é aberto em uma
voltagem especifica ex:
Uma célula que 90 mV. A voltagem necessária para abrir a voltagem da carga de sódio é no mínimo 70 mv,
abaixo disso não abre e se for abaixo disso ela volta para o potencial de repouso.
+15

E3

-70
E1

E2
E4

-90

Lembrando que a voltagem mínima é 70,





No estimulo 1 e 2 sao chamados de subliniares, cuja não teve um potencial de ação.
No 3 º estimulo obteve um potencial de ação porque esta acima de 70.
O primeiro estimulo que tiver o maior potencial de ação , como depois do estimulo 3 e antes do 4, é
chamado de linear.
E o maior estimulo como visto no 4 , chama-se de supralinear.





O potencial de ação é produzido quando a célula é excitável, recebem um estimulo linear ou supralinear.
Em que região do neurônio pode ser produzido estimulo? No cone do axônio.
É preciso propagar o estimulo por todo o corpo do neurônio, e o que ajuda são as bainhas de mielina. Que
servem para não “Vazar” corrente.
A bainha de mielina é constituída por fosfolipídios e funciona como um isolante elétrico , evitando o
vazamento de corrente elétrica ao longo do axônio.

Tipos de neurônios:
 Não revestidos por bainha de mielina, são amielinicos. Normalmente são fibras curtas, muitos canais de
voltagem de carga, a propagação é continua do potencial de ação.
 Revestidos por fibras mieliticas, tem fibras longas, com poucos canais de voltagem de carga e a propagação é
saltatória.
Velocidade de condução:


Comparando a mielínica com a amielinic, qual é mais rápida? A mielínica.

Entra de nódulo a nódulo.
A figura acima, comparando um axônio amielinico com um mielínico.
 No amielinico a informação elétrica demora mais.

SINAPSE
Sinapse: Basicamente, sinapse é a apenas o ponto de união entre duas células; aquele espaçozinho
que existe entre as membranas (sim, há um espaço entre as membranas de duas células, e existe
muita coisa neles). As sinapses, servem como meio de comunicação entre as células e é através
delas que o potencial de ação(impulso elétrico que leva uma informação) é transmitido.

Existem 2 tipos de sinapse:
-A química: substancia sinalizadora: neuro transmissor
-A elétrica: substancia sinalizadora: é os íons: Na+ e Ca2+
A diferença entre eles esta no tipo de substancia sinalizadora.
Sinapse elétrica:
Nesse tipo, as células estão praticamente coladas e existe uma abertura, como um canal, que une as membranas; esses
canais são chamados de junções comunicantes. O potencial de ação corre diretamente de uma membrana para outra, sem
precisar do auxílio de mediadores químicos. Essa é a sinapse utilizada pelos músculos, inclusive o próprio coração utilizase da incrível velocidade proporcionada pelas juncões, para fazer com que todas as fibras contraiam ao mesmo tempo de
modo ritmado.
As correntes iônicas passam diretamente pelas junções comunicantes até chegarem às outras células, enquanto que nas
sinapses químicas a transmissão ocorre através deneurotransmissores.
As sinapses elétricas fazem a propagação elétrica entre as células através de canais que interligam as mesmas, com um
retardo nulo na transmissão. Fisiologicamente, essas sinapses atuam na atividade sincronizada de grupos de neurônios,
células musculares lisas ou cardíacas. Esses canais têm uma condutância que varia de acordo com o tipo de proteína
constitutiva, por onde passam solutos de baixo peso molecular que irão levar os sinais de uma célula à outra.
Anotações:
Características: a informação ocorre sem retardar (sem parar). É como se todas as células funcionassem como se fosse uma
única célula.
Ela é bidirecional:

Apresenta muitas junções
Comunicantes, como canais
(permitindo o fluxo de sódio e cálcio).




Abertura do canal: ocorre a despolarização da membrana-> são ativados por despolarização, e é
desativadas por concentração Ca+ ou H+.
Ocorrem no SNC e no SNP. Comum em vias reflexas, ou seja estão relacionadas reflexos.
Sinapse química:
Oque cada um faz:
Neurônio pré sinaptico- recebe um sinal elétrico, transforma em sinal químico (neuro transmissor) e novamente
sinal elétrico já no neurônio pós sináptico, que pode ser: despolarização ou hiperpolarização.
Características da sinapse química:
- unidirecional;
-a informação ira passar com retardo; para ocorrer a liberação do neuro transmissor tenho que ter entrada de Ca+
- apresenta célula pré sinptica e pós sináptica.
no pré sináptico.
-Apresentara neurotransmissores: excitatório ou inibitório.
Um pouco mais sobre sinapse:

A excitatória é aquela que resulta em um novo impulso nervoso. A transmissão inibitória é aquela que impede a passagem
de impulsos subsequentes. Quimicamente, a diferença é que as sinapses excitatórias aumentam a permeabilidade da
membrana a todos os íons, incluindo sódio, potássio e cloreto. Já a sinapse inibitória aumenta a permeabilidade da
membrana pós-sináptica somente aos íons cloreto e potássio, ocorrendo influxo de íons sódio. Essa diferença química resulta
na atuação diferente dos neurotransmissores, controlando a condução de impulsos nervosos.
Podem ter 2 tipos de receptores para os tipos de neurotransmissores:




Receptores ionotrópicos ou dependentes de ligantes: a resposta é mais rápida, e o próprio receptor
funciona como canal iônico.
Receptor metalotrópico ou acoplados a proteína G: ela é mais lenta do que o outro, porque tem que ativar
um intermediário que é a proteína G. 1ª ira ter a ativação da proteína G quando a proteína G é
ativada ativa o canal iônico (K+ e Ca+) ou ativa a enzima, depois o segundo mensageiro e depois a
ativação do canal iônico .

SNP

receptores metalotrópicos

Somático
Para eu ter a contração da
Musculatura lisa
eu preciso ter a acetilcolina
que é o neuro transmissor

autônomo

Parasimpático

Simpatico

Músculo liso
Cardíaco
Glandulas

Atuação da acetilcolina na musculatura:
 Um potencial de ação trafega ao longo de um nervo motor até suas terminações nas fibras musculares;
2) Em cada terminação, o nervo secreta uma pequena quantidade de substância neurotransmissora, a
acetilcolina;
3) Essa acetilcolina atua sobre uma área localizada na membrana da fibra muscular, abrindo numerosos
canais acetilcolina-dependentes dentro de moléculas protéicas na membrana da fibra muscular;
4) A abertura destes canais permite que uma grande quantidade de íons sódio flua para dentro da
membrana da fibra muscular no ponto terminal neural. Isso desencadeia potencial de ação na fibra
muscular;
5) O potencial de ação cursa ao longo da membrana da fibra muscular da mesma forma como o potencial
de ação cursa pelas membranas neurais;
6) O potencial de ação despolariza a membrana da fibra muscular e também passa para profundidade da
fibra muscular, onde o faz com que o retículo sarcoplasmático libere para as miofibrilas grande quantidade
de íons cálcio, que estavam armazenados no interior do retículo sarcoplasmático;
7) Os íons cálcio provocam grandes forças atrativas entre os filamentos de actina e miosina, fazendo com
que eles deslizem entre si, o que constitui o processo contrátil;
8) Após fração de segundo, os íons cálcio são bombeados de volta para o retículo sarcoplasmático, onde
permanecem armazenados até que um novo potencial de ação chegue; essa remoção dos íons cálcio da
vizinhança das miofibrilas põe fim à contração.

O mecanismo da contração muscular será demonstrado a teoria dos filamentos deslizantes, uma série de
hipóteses é admitida para explicar como os filamentos deslizantes desenvolvem tensão e encurtam-se,
uma delas é a seguinte:
1) Com o sítio de ligação de ATP livre, a miosina se liga fortemente a actina;
2) Quando uma molécula de ATP se liga a miosina, a conformação da miosina e o sítio de ligação se
tornam instáveis liberando a actina;
3) Quando a miosina libera a actina, o ATP é parcialmente hidrolizado (transformando-se em ADP) e a
cabeça da miosina inclina-se para frente;
4) A religação com a actina provoca a liberação do ADP e a cabeça da miosina se altera novamente
voltando a posição de início, pronta para mais um ciclo.
Exemplos de substancias que atuam como neuro transmissores:










Acetilcolina-atua no snp
Noradrenalina-atuna no snp
Glutamato-atua no snc
Glicemia-neurotransmissor inibidor iônico
Gaba – neurotransmissor snc e snp
Serotonina-ativação relacionada ao prazer.
Dopamina-ativação ao núcleo da base relacionado aos movimentos.
Endorfina-neurotransmissor que inibem a informação de dor.

Termino da sinalização sináptica:
Enzimatica:
 O neuro transmissor pode ser hidrolizado por uma enzima que esta presente na célula pós ou pré
sináptica.
 A recaptação do neuro transmissor é sempre por uma célula pré sináptica, ela depende do influxo de Na+
présinaptico para a recaptação, atravez do transporte ativo secundário.
Curiosidades: os antidepressivos bloqueiam o termino da sinalização sináptica. Por exemplo a serotonina, para as
pessoas ficarem mais felizes.
Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Resumo prot g
Resumo prot gResumo prot g
Resumo prot g
Nicole Maia Fagundes
 
Digestão e absorção de lipídios
Digestão e absorção de lipídiosDigestão e absorção de lipídios
Digestão e absorção de lipídios
Emmanuel Souza
 
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Vanessa Cunha
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
Ricardo Portela
 
Anticorpos Monoclonais
Anticorpos MonoclonaisAnticorpos Monoclonais
Anticorpos Monoclonais
LABIMUNO UFBA
 
Sistema digestório - anatomia humana II
Sistema digestório - anatomia humana IISistema digestório - anatomia humana II
Sistema digestório - anatomia humana II
Marília Gomes
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
LABIMUNO UFBA
 
Sinalização celular
Sinalização celularSinalização celular
Sinalização celular
Joyce Wadna
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
UERGS
 
Plasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética BacterianaPlasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética Bacteriana
Hemilly Rayanne
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido Cartilaginoso
Natalianeto
 
Guião de correção dos exercícios de bioquímica, sobre metabolismo, cíclo cítr...
Guião de correção dos exercícios de bioquímica, sobre metabolismo, cíclo cítr...Guião de correção dos exercícios de bioquímica, sobre metabolismo, cíclo cítr...
Guião de correção dos exercícios de bioquímica, sobre metabolismo, cíclo cítr...
Inacio Mateus Assane
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
Caio Maximino
 
Transdução de sinais química
Transdução de sinais químicaTransdução de sinais química
Transdução de sinais química
Vanessa Carvalho
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Jucie Vasconcelos
 
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Safia Naser
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
Messias Miranda
 

Mais procurados (20)

Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Resumo prot g
Resumo prot gResumo prot g
Resumo prot g
 
Digestão e absorção de lipídios
Digestão e absorção de lipídiosDigestão e absorção de lipídios
Digestão e absorção de lipídios
 
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
Glicocorticoides (AIES) e Antiinflamatórios não esteroidais (AINES)
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
Anticorpos Monoclonais
Anticorpos MonoclonaisAnticorpos Monoclonais
Anticorpos Monoclonais
 
Sistema digestório - anatomia humana II
Sistema digestório - anatomia humana IISistema digestório - anatomia humana II
Sistema digestório - anatomia humana II
 
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - FarmacodinâmicaAula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
Aula - Farmacologia básica - Farmacodinâmica
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
 
Sinalização celular
Sinalização celularSinalização celular
Sinalização celular
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Plasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética BacterianaPlasmídeos- Genética Bacteriana
Plasmídeos- Genética Bacteriana
 
Tecido Cartilaginoso
Tecido CartilaginosoTecido Cartilaginoso
Tecido Cartilaginoso
 
Guião de correção dos exercícios de bioquímica, sobre metabolismo, cíclo cítr...
Guião de correção dos exercícios de bioquímica, sobre metabolismo, cíclo cítr...Guião de correção dos exercícios de bioquímica, sobre metabolismo, cíclo cítr...
Guião de correção dos exercícios de bioquímica, sobre metabolismo, cíclo cítr...
 
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidaisAula - Anti-inflamatórios não esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios não esteróidais
 
Tecido epitelial
Tecido epitelialTecido epitelial
Tecido epitelial
 
Transdução de sinais química
Transdução de sinais químicaTransdução de sinais química
Transdução de sinais química
 
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentesMedresumos 2016   neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
Medresumos 2016 neuroanatomia 20 - grandes vias aferentes
 
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
Segurança de Medicamentos Antiinflamatórios inibidores da Cox 2
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
 

Destaque

Comunicações celulares
Comunicações celularesComunicações celulares
Comunicações celulares
danilo oliveira
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
keizacristina
 
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoNeurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Vanessa Cunha
 
Resumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completoResumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completo
Tamara Garcia
 
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato CiclaseVia de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
UEPA
 
Receptores De Membrana
Receptores De MembranaReceptores De Membrana
Receptores De Membrana
farmacia2006unb
 
Farmacologia
Farmacologia Farmacologia
Farmacologia
kkf Ribeiro
 
Receptores
ReceptoresReceptores
Receptores
Jose Carlos
 
Aula 3 comunicação celular
Aula 3 comunicação celularAula 3 comunicação celular
Aula 3 comunicação celular
Adila Trubat
 
Aula Sobre Sinapse - Fisiologia
Aula Sobre Sinapse - FisiologiaAula Sobre Sinapse - Fisiologia
Aula Sobre Sinapse - Fisiologia
Fisio Unipampa
 
Potencial de ação enf
Potencial de ação enfPotencial de ação enf
Potencial de ação enf
Nathalia Fuga
 
Comunicacao celular
Comunicacao celularComunicacao celular
Comunicacao celular
gesicerebro
 
Fisiologia - Sinapse
Fisiologia - SinapseFisiologia - Sinapse
Fisiologia - Sinapse
amandaaangelina
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
emanuel
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
anafreato
 
sinalizaçao celular
sinalizaçao celularsinalizaçao celular
sinalizaçao celular
Laiane Santos
 
Mecanismo das Sinapses
Mecanismo das SinapsesMecanismo das Sinapses
Mecanismo das Sinapses
Jose Carlos
 
Sistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonalSistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonal
Cláudia Moura
 
Receptores acoplados a enzimas
Receptores acoplados a enzimasReceptores acoplados a enzimas
Receptores acoplados a enzimas
Gloria Amanda Meniconi
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Vinicius Henrique
 

Destaque (20)

Comunicações celulares
Comunicações celularesComunicações celulares
Comunicações celulares
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
 
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e açãoNeurofisiologia: potencial de repouso e ação
Neurofisiologia: potencial de repouso e ação
 
Resumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completoResumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completo
 
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato CiclaseVia de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
 
Receptores De Membrana
Receptores De MembranaReceptores De Membrana
Receptores De Membrana
 
Farmacologia
Farmacologia Farmacologia
Farmacologia
 
Receptores
ReceptoresReceptores
Receptores
 
Aula 3 comunicação celular
Aula 3 comunicação celularAula 3 comunicação celular
Aula 3 comunicação celular
 
Aula Sobre Sinapse - Fisiologia
Aula Sobre Sinapse - FisiologiaAula Sobre Sinapse - Fisiologia
Aula Sobre Sinapse - Fisiologia
 
Potencial de ação enf
Potencial de ação enfPotencial de ação enf
Potencial de ação enf
 
Comunicacao celular
Comunicacao celularComunicacao celular
Comunicacao celular
 
Fisiologia - Sinapse
Fisiologia - SinapseFisiologia - Sinapse
Fisiologia - Sinapse
 
Introdução a citologia
Introdução a citologiaIntrodução a citologia
Introdução a citologia
 
Farmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinéticaFarmacodinâmica e farmacocinética
Farmacodinâmica e farmacocinética
 
sinalizaçao celular
sinalizaçao celularsinalizaçao celular
sinalizaçao celular
 
Mecanismo das Sinapses
Mecanismo das SinapsesMecanismo das Sinapses
Mecanismo das Sinapses
 
Sistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonalSistema Neuro-hormonal
Sistema Neuro-hormonal
 
Receptores acoplados a enzimas
Receptores acoplados a enzimasReceptores acoplados a enzimas
Receptores acoplados a enzimas
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 

Semelhante a Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G

Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08
bioc126
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Gustavo Maia
 
Sinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdfSinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdf
ThiagoOliveira848024
 
Trabalho de bioquímica
Trabalho de bioquímicaTrabalho de bioquímica
Trabalho de bioquímica
Spowkein
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
Nathalia Fuga
 
CóPia De NeurôNio 4
CóPia De NeurôNio 4CóPia De NeurôNio 4
CóPia De NeurôNio 4
Antonio Luis Sanfim
 
Sistema endócrino pablo
Sistema endócrino pabloSistema endócrino pablo
Sistema endócrino pablo
Vagner Pires Reis
 
Receptores (beta)-adrenérgicos
Receptores (beta)-adrenérgicosReceptores (beta)-adrenérgicos
Receptores (beta)-adrenérgicos
TBQ-RLORC
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Gustavo Maia
 
Aula citologia 2011 2
Aula citologia 2011 2Aula citologia 2011 2
Aula citologia 2011 2
Odonto ufrj
 
Mecanismos efetores da imunidade humoral
Mecanismos efetores da imunidade humoralMecanismos efetores da imunidade humoral
Mecanismos efetores da imunidade humoral
Guilherme Schmitt de Andrade
 
Membrana e transporte
Membrana e transporteMembrana e transporte
Membrana e transporte
Daiane Costa
 
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdfMAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
hbeatrizsobral
 
Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1
Juliana Vasconcelos
 
Respostas imunes humorais
Respostas imunes humoraisRespostas imunes humorais
Respostas imunes humorais
Guilherme Schmitt de Andrade
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
LABIMUNO UFBA
 
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptxLOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LiaSilva92
 
Genética bacteriana
Genética bacterianaGenética bacteriana
Genética bacteriana
vaniaguimaraes
 
membranas 2018.2.pptx
membranas 2018.2.pptxmembranas 2018.2.pptx
membranas 2018.2.pptx
NathanRodrigues54
 
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacaoProcessos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
Alexis Lousada
 

Semelhante a Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G (20)

Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
 
Sinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdfSinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdf
 
Trabalho de bioquímica
Trabalho de bioquímicaTrabalho de bioquímica
Trabalho de bioquímica
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
 
CóPia De NeurôNio 4
CóPia De NeurôNio 4CóPia De NeurôNio 4
CóPia De NeurôNio 4
 
Sistema endócrino pablo
Sistema endócrino pabloSistema endócrino pablo
Sistema endócrino pablo
 
Receptores (beta)-adrenérgicos
Receptores (beta)-adrenérgicosReceptores (beta)-adrenérgicos
Receptores (beta)-adrenérgicos
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
 
Aula citologia 2011 2
Aula citologia 2011 2Aula citologia 2011 2
Aula citologia 2011 2
 
Mecanismos efetores da imunidade humoral
Mecanismos efetores da imunidade humoralMecanismos efetores da imunidade humoral
Mecanismos efetores da imunidade humoral
 
Membrana e transporte
Membrana e transporteMembrana e transporte
Membrana e transporte
 
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdfMAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
MAPAS Fisiologia HELENA BEATRIZ SOBRAL.pdf
 
Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1Resposta inflamatória-parte-1
Resposta inflamatória-parte-1
 
Respostas imunes humorais
Respostas imunes humoraisRespostas imunes humorais
Respostas imunes humorais
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
 
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptxLOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
 
Genética bacteriana
Genética bacterianaGenética bacteriana
Genética bacteriana
 
membranas 2018.2.pptx
membranas 2018.2.pptxmembranas 2018.2.pptx
membranas 2018.2.pptx
 
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacaoProcessos imunologicos e patologicos inflamacao
Processos imunologicos e patologicos inflamacao
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 

Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G

  • 1. Princípios da sinalização celular A sinalização celular faz parte de um complexo sistema de comunicação que governa e coordena as atividades e funções celulares. • A habilidade que as células possuem em perceber e corretamente responder ao seu ambiente envolvente, forma a base do desenvolvimento, da reparação de tecidos,da imunidade e de outras funções de homeostasia em tecidos. Erros existentes no processamento de informação celular são responsáveis por doenças como a autoimunidade e diabetes. • Ao se entender melhor os processos de sinalização celular, muitas doenças poderão ser tratadas de maneira mais eficaz e, em teoria, tecidos artificiais poderão ser fabricados.    Para interagir e se comunicar com o meio, as células usam receptores que captam determinados sinais, fazendo com que a célula atue de acordo com ele. Um mesmo sinal pode desencadear mais de uma reação, dependendo do receptor a que se associe. Em geral, o receptor celular se une a molécula sinalizadora, e então da inicio a uma cadeia de reações no interior da célula: A molécula sinalizadora, pode ser recebida em locais diferentes da célula, dependendo de sua natureza: o o Receptores de superfície celular: - Quando o sinal tem natureza hidrofílica, e não atravessa a membrana plasmática por difusão. Receptores intracelulares: -Quando o sinal tem natureza hidrofóbica, e atravessa a membrana plasmática.
  • 2. O tipo de sinalização pode ser classificado de acordo com o percurso do sinal. o De contato: quando a sinalização se da com o contato direto das membranas de duas células. Contato direto através de moléculas sinalizadoras presentes na membrana. Presente no desenvolvimento embrionário-especialmente celular. o Paracrina: atuam sobre as células vizinhas. Em vez de entrar na corrente sanguínea, as moléculas-sinais se difundem localmente pelo liquido extracelular permanecendo nas vizinhanças da célula que as secretou. Atuam como mediadores locais. o Sináptica, ou neural, quando o impulso se propaga pelo axônio provoca a liberação de neurotransmissores na fenda sináptica. Sinais elétricos convertidos em sinal químico, o neurotransmissor. o Endócrina: maior abrangência, sinalizadores lançados na corrente sanguine. Exemplo: hormônios.
  • 3. -As células respondem de maneira diferente a um mesmo sinal: a resposta de uma célula a uma molécula-sinal, depende, antes de tudo, do fato de a célula possuir uma proteína receptora ou um receptor, para essa molécula. Cada receptor é geralmente ativado por apenas um tipo de sinal. Sem o receptor apropriado, a célula será insensível ao sinal e não poderá reagir. Ao produzir somente um pequeno conjunto de receptores entre milhares possíveis, a célula restringe a gama de sinais que pode afetá-la. Ativação de rota sinalizadora intracelular: Muitos sinais extracelulares atuam via receptores de superfície celular e alteram o comportamento da célula. A proteína receptora ativa uma ou mais vias de sinalização intracelular, cada uma delas mediada por uma série de moléculas de sinalização intracelular, que podem ser proteínas ou moléculas mensageiras pequenas.
  • 4. Rota de sinalização: Proteínas de sinalização intracelular transmitem, amplificam, integram e distribuem o sinal que chega. Uma proteína receptora localizada na superfície da célula transforma um sinal extracelular o qual inicia uma ou mais vias de sinalização que transmitem o sinal para o interior. Qual a importância da comunicação celular?       Formação de tecidos; Multiplicação celular; Fagocitose; Síntese de anticorpos; Atração de leucócitos para defesa; Coordenação do metabolismo; Respostas das células aos estímulos: Ligantes-receptor  Eventos intracelulares  Comportamento da célula.  Funções especializadas: Movimento;
  • 5.       Apoptose; Defesa; Sobrevivência; Proliferação; Crescimento; Diferenciação; Tradução de sinais É a transmissão de num sinal que é convertido de uma forma para outra. Ex: sinal extracelular altera eventos intracelulares gerando respostas bioquímicas e fisiológicas. Comunicação entre as células: Ligante Receptor Resposta Muitas vezes produzem respostas diferentes. Principais tipos de receptores: -receptor associado a um canal iônico -Associado a proteína G -Receptores associados a enzimas.
  • 6.  Receptores associados a proteína G Sinal gerado: forma ativada de uma subunidade de proteína G -> cascata de efeitos. A proteína G é formada pela parte ( na forma inativa, ela fica ligada as 3 parte): -Alfa -Beta -Gama - Os receptores associados a proteína de ligação GTP (proteína g) formam a maior família de receptores transmembrânicos. Se conhece mais de 100 tipos de diferentes deles nos mamíferos, e cerca de metade das drogas medicinais atuais tem um tipo deste receptor como alvo. - Exemplos de proteínas g: Rodopsina, receptores olfatórios, fatores de acasalamento de leveduras.  Como é ativada /através de enzimas ligas a membrana: -Ao receber o sinal, estas proteínas sinuosas sofrem uma mudança conformacional, separando a proteína G do GdP. -Isso a permite se ligar a um GTP, então se torna ativa. O trimero alfa/beta/gama se separa em alfa e beta/gama. Ambos exercem suas funções mediando outras proteínas ou enzimas. ATIVAÇÃO: -Ou seja, quando a proteína ( azul) recebe uma sinalização, o GDT se “desliga da proteina”, ligando em seu lugar uma GTP. Separam das partes gama e beta, da parte alga juntamente com o gtp. Ele nesta “fase” esta ativado. Depois de separados, vão para outras proteínas, para mandarem “mensagens” do que produzir.
  • 7. Desligamento da proteína G: Ao exercer sua função, a subunidade alfa hidrolisa o GTP, o transformando em GDP, ela se inativa e se junta novamente ao complexo beta/gama. Ou seja, a própria proteína G que esta ativa (GTP) sofre hidrólise ficando na forma inativa (GDP).
  • 8.  Lembrando que existem vários tipos de subunidade alfa, cada uma delas pode atuar de uma maneira diferente. Cólera: A toxina da cólera não deixa a proteína voltar ao estado normal de GDP. Essa toxina penetra nas células que revestem o intestino e modifica a subunidade de uma proteína G de forma que ela perda a capacidade de hidrolizar GTP- perda excessiva de eletrólitos e água pela célula, resultando em diarreia e desidratação catastróficas. Vias de ação da proteína G: - Quando ativada, a proteína G atua sobre alguma das varias vias de sinalização intracelulares Como por exemplo:  Algumas proteínas G regulam canais iônicos:
  • 9.  Algumas proteínas G ativam enzimas ligadas a membrana:  Via do AMP cíclico; Pode ativar enzimas e genes -A regulação do AMP cíclico (CAMP):  A proteína G s ativa a enzima adenilil-ciclase. A adenilil-ciclase rapidamente transforma o ATP em CAMP. Pela ativação da proteína cinase A (PKA), interferindo na transcrição gênica, e outros.  O CAMP é continuamente transformado pela fosfodiesterase em AMP, então sua concentração só esta elevada enquanto a Adenilil- ciclase esta ativada.  A proteína G, inibi a ação da adenilil-ciclase, diminuindo então a concentração do CAMP.  O AMP cíclico normalmente esta ligado ao catabolismo.  A adrenalina e o glucacon são responsáveis por produzir o AMP cíclico.
  • 10.  Via do fosfolipídio de inositol desencadeia um aumento no Ca2+ intracelular; Alguns GPRS exercem seus efeitos por meio de proteínas G que ativam a enzima fosfolipase C, em vez da adenilato-ciclase. A fosfolipase c , uma vez ativada, propada o sinal pela degradação de uma molécula lipídica que é componente da membrana plasmática. Em virtude do envolvimento desse composto, a via de sinalização que inicia com a ativação da fosfolipase C é conhecida como a via do fosfolipideo de inositol. Apresenta vários exemplo: - A via de sinalização do inositol:  A proteína G2 ativa a fosfolipase C (PLC).  A PLC age sobre o PIP2, um fosfolipídio da camada interna da membrana plasmatica.  O PIP2 é então transformado em inositol (IP3) e diacilglicerol.  O inositol ativa canais de Ca ++ do REL, liberando no citoplasma.  O diacilglicerol, junto com Ca ++, ativam a proteína cinase C.
  • 11.  Cascatas de sinalização intracelular, podem alcançar velocidades, sensibilidades e adaptabilidades surpreendentes: Ex: rapidez na resposta do organismo: enxergar, salivar ao ver algum alimento, batimentos do coração.  Receptores associados a canais iônicos. São associados a canais iônicos – são canais ativados por neurotransmissores que se ligam a uma proteína, abrindo o canal e permitido a passagem de íons.¹
  • 12. Sinal gerado: fluxo de íons-> efeitos elétricos.  Receptores associados a enzimas: Tal como os receptores associados à proteína G,os receptores associados a enzimas são proteínas transmembranais com seus domínios de interação ao ligante expostos na superfície externa da membrana plasmática. No entanto, em vez de se associar a uma proteína G, o domínio citoplasmático so receptor atua como uma enzima- ou forma um complexo com outra proteína com atividade enzimática.  Função: participa da resposta que regulam crescimento, proliferação, diferenciação e sobrevivência das células nos tecidos animais.  Agem em concentração muito baixa, e com lenta nas respostas.  Os distúrbios de crescimento, proliferação, diferenciação, sobrevivência e migração celular são fundamentais no câncer, e as anormalidades na sinalização por receptores associados a enzimas tem um importante papel no desenvolvimento dessa classe de doneça.  A maior classe de receptores associados a enzima é formada por aqueles que teem um domínio citoplasmatico que funciona como uma tirosina-cinase, que fosforila cadeias laterais de tirosinas de proteínas intracelulares especificas. Tais receptores são denominados receptores tirosina-cinas. Sinal gerado: atividade enzimática na face citoplasmática do receptor e subsequente liberação de moléculas. Esses receptores quando ativos atuam como enzima ou associam a elas.  Receptor da insulina: O receptor de insulina é uma glicoproteína presente na membrana plasmática das células-alvo, sendo constituída de duas subunidades diferentes (alfa e beta), que estão ligadas por pontes dissulfeto. A subunidade alfa é externa à célula, enquanto que a subunidade beta comporta-se como uma proteína transmembrana. A parte citoplasmática da subunidade beta possui atividade de tirosina quinase, contendo resíduos específicos de tirosina passiveis de fosforilação. A ligação do hormônio insulina ao receptor (especificamente à subunidade alfa) provoca a auto-fosforilação cruzada das subunidades beta, e isso induz um aumento na sua atividade intrínseca de tirosina quinase, sendo que o resultado final é uma cascata de fosforilação de proteínas sinalizadoras. Esse evento de estimulação da atividade de proteína quinase, desencadeada pela ligação da insulina ao receptor, está relacionado com vários processos intracelulares, como: o metabolismo de carboidratos, lipídeo e proteínas, transporte de metabólitos, proliferação celular. Esse é um evento comum, a partir do qual varias vias de transdução de sinal podem ser ativadas, resultando em múltiplos efeitos da insulina sobre o metabolismo. alfa beta 1. A, B E Y com genótipo(XY) expressara os caracteres secundarias masculinos? Porque? 2. Como é a forma da proteína G inativa e ativa?
  • 13. Potencial da membrana: Potencial de membrana nas células excitáveis podem ser de 2 tipos: - Potencial de repouso; -Potencial de ação ou impulso nervoso. A diferença entre as cargas (potencial eleétrico), chamamos ela de poliração elétrica da membrana, esse potencial pode estar em ação ou em repouso. A quantidade de carga presente na membrana é denominada potencial de membrana. Potencial de repouso: A membrana celular em repouso possui uma diferença de potencial de aproximadamente –70mV, o interior da célula é mais negativo em relação ao exterior. Essa diferença de potencial é conhecida como Potencial de Repouso da Membrana ou PRM, e é causado pela distribuição desigual de íons carregados (carga positiva ou negativa) na membrana celular. Quando há diferença de cargas através da membrana, considera-se que a membrana se encontra polarizada. As proteínas, os grupos fosfatos e outros nucleotídeos são carregados negativamente (anions) e mantidos no interior da célula, pois não podem ultrapassar a membrana celular. Essas moléculas atraem íons carregados positivamente (cátions) do líquido extracelular. Isso acarreta um acúmulo de carga positiva na superfície externa da membrana e uma carga negativa na superfície interna. O potencial de repouso da membrana é mantido por dois fatores: a permeabilidade da membrana plasmática aos diferentes íons e a diferença de concentração iônica dos líquidos intra e extracelular. Tomamos como exemplo um neurônio, ele possui uma alta concentração de íons de potássio (K+) no seu interior e uma alta concentração de íons de sódio (Na+) no seu exterior. A permeabilidade da membrana neural ao potássio, sódio e outros íons é regulada pelas proteínas da membrana, que funcionam como canais reguladores.    (Anotações do caderno): As proteínas intracelulares vão ser ajudadas pela diferença de cargas (íons). Essas cargas negativas que se acumulam dentro das células/ são proteínas intracelulares, não saem da célula porque são muito grandes. As cargas positivas acumuladas fora da célula é o Na+ (o Na+ fica tentando entrar na membrana mas não cosegue entrar muito, porque não tem muita proteína)( o potássio é muito mais permeável do que Na+). A membrana celular é muito mais permeável ao íon potássio K+ do que ao íon sódio Na+. Como os íons tendem a se mover para estabelecer um equilíbrio, parte dos íons de potássio movem-se para uma área onde a sua concentração é menor: fora da célula. O sódio, move-se em menor quantidade para dentro da célula (cerca de 100 vezes menos que o potássio). Devido a essa difusão os gradientes de concentração desses íons devem diminuir, isso acarretaria uma perda do potencial de membrana negativo. Para impedir que isso ocorra, a membrana celular possui uma bomba de sódio/potássio que utiliza energia da ATP para manter as concentrações intra e extracelular, bombeando três íons de sódio para fora da célula e dois íons de potássio para seu interior. O resultado final é que mais íons carregados positivamente encontram-se fora da célula do que no seu interior, mantendo o potencial de repouso da membrana.
  • 15. O potencial de repouso é mantido por 3 formas: -A saída do potássio por difusão facilitada. -Entrada de sódio por mecanismo de difusão facilitada. - Atpase através do sódio e potássio. (Mv) Quando ela mantém sem alteração ela esta em potencial de repouso. -90  A proteína canal de relacionada com a difusão Na+ e K+ durante o potencial de repouso canal de vazamento (esta sempre aberta essa proteína).   Despolarização e Hiperpolarização Se o interior da célula se tornar menos negativo em relação ao exterior, a diferença de potencial através da membrana diminui: a membrana estará despolarizada. Isso ocorre em qualquer momento em que a diferença de carga torna-se inferior ao PRM de –70mV. Isso resulta numa alteração da permeabilidade da membrana ao sódio. Se a diferença de carga através da membrana aumentar, passando de um PRM para um valor ainda mais negativo a membrana estará hiperpolarizada.  Potencial de ação: Potencial de ação é uma despolarização rápida e substancial da membrana do neurônio. Dura aproximadamente 1ms, e é tão forte após percorrer a extensão do axônio quanto era no ponto inicial do estímulo. O PRM de –70mV altera para um valor de +30mV e, em seguida, retorna rapidamente ao seu valor de repouso. o o o o (anotações do caderno) variação rápida do potencial de membrana. Ocorreu uma inversão de polaridade da membrana. Inicia-se com uma variação brusca a partir do potencial de repouso. Visualização amplificadas das mudanças elétricas. DENTA V 1 1. Fase Ascendente-despolarização. 2. Fase descendente-repolarização. 3. Hiperpolarização. 2 -90m -110m Acumulo de carga 3
  • 16. ( é importante saber como explicar cada uma das fases)  O canal de voltagem é dependente de sódio. O que acontece em cada fase: 1. Aumento da permeabilidade ao sódio e despolarização, conseqüência da abertura das comportas que controlam o movimento dos íons sódio. A quantidade de sódio que entra na célula excede a quantidade de potássio que sai. A diferença de potencial da membrana altera de –70mV para +30 mV. 2. Diminuição da permeabilidade ao sódio quando as comportas se fecham. Quando o potencial de membrana passa a ser 0mV, ocorre uma resistência ao movimento de cargas positivas para o interior da célula. 3. Ira ocorrer o bloqueio da entrada de Na+ e aumentar a saída de K+. Após o termino da repolarização, deve ocorrer um evento final antes que o neurônio retorne verdadeiramente ao seu estado de repouso normal. Durante um potencial de ação, o sódio entra na célula. Em seguida para reverter a despolarização, o potássio deixa a célula. A concentração intracelular de sódio é então elevada, assim como a concentração extracelular de potássio – o oposto do estado de repouso. Para reverter isso, quando a repolarização estiver completa, a bomba de sódio-potássio é ativada para fazer com que retornem os íons ao lado correto da membrana. Quando um determinado segmento de um axônio gera um potencial de ação e as comportas que controlam o sódio estão abertas, ele é incapaz de responder a outro um estímulo. Isso é denominado período refratário absoluto. Quando as comportas de sódio estão fechadas, as de potássio estão abertas e ocorre a repolarização, o segmento do axônio pode então responder a um novo estímulo. No entanto, este deve ser de uma magnitude substancialmente maior para desencadear um potencial de ação. Isso é denominado período refratário relativo. Resumo: O Potencial de repouso é caracterizado pelo acumulo de carga – Duas perguntas : 1. Quais são os fatores responsáveis pela manutenção do potencial de repouso? R: DIFUSAO DE K+, DIFUSAO DE Na+ E BOMBA DE SÓDIO E POTÁSSIO. 2. Esquematize e descreva o gráfico de potencial de ação de um neurônio. Propagação do Potencial de Ação- transmissão sináptica: Duas Características do neurônio tornam-se particularmente importantes ao considerarmos quão rapidamente um impulso pode passar pelo axônio: a mielinização e o diâmetro. Bainha de Mielina Os axônios da maioria dos neurônios motores são mielinizados, significando que são recobertos por uma bainha composta por mielina, uma substância gordurosa que isola a membrana celular. O sistema nervoso periférico, essa bainha de mielina é formada por células especializadas denominadas células de Schvann. A bainha não é contínua. Ao longo do axônio, a bainha de mielina apresenta espaços entre células de Schvann adjacentes, deixando o axônio não isolado nesses pontos. Esses espaços são denominados nódulos de Ranvier. O potencial de ação salta de um nódulo ao nódulo seguinte quando ele percorre uma fibra mielinizada. Esse fenômeno é denominado condução saltatória, um tipo de condução muito mais rápido do que os das fibras não-mielinizadas. A velocidade da transmissão do impulso nervoso nas fibras mielinizadas grandes pode ser elevada, de até 100m/s,
  • 17. ou 5 a 50 vezes mais rápida do que a das fibras não-mielinizadas do mesmo tamanho. Diâmetro do Neurônio A velocidade da transmissão do impulso nervoso também é determinada pelo tamanho do neurônio. Os neurônios de tamanho maior conduzem impulsos nervosos mais rapidamente do que aqueles de diâmetro menor, por apresentarem menor resistência ao fluxo de corrente local. 1º A célula recebe um estimulo alterando a permeabilidade da membrana, ajudando na entrada de Na+ (lembrando que na posição de repouso ela esta semipermeável ao potássio). E quando é “ativada” fica mais permeável ao NA+  Como se inicia um potencial de ação? Recebe um estimulo promove alteração na permeabilidade da membrana ocorre a alteração na voltagem da membrana depois a abertura de voltagem de carga Na+: Saem 3 K+ Por isso que fica com carga negativa Entra 1 Na+   Mas qualquer abertura pode favorecer esse canal? Não. O canal iônico somente é aberto em uma voltagem especifica ex: Uma célula que 90 mV. A voltagem necessária para abrir a voltagem da carga de sódio é no mínimo 70 mv, abaixo disso não abre e se for abaixo disso ela volta para o potencial de repouso. +15 E3 -70 E1 E2 E4 -90 Lembrando que a voltagem mínima é 70,     No estimulo 1 e 2 sao chamados de subliniares, cuja não teve um potencial de ação. No 3 º estimulo obteve um potencial de ação porque esta acima de 70. O primeiro estimulo que tiver o maior potencial de ação , como depois do estimulo 3 e antes do 4, é chamado de linear. E o maior estimulo como visto no 4 , chama-se de supralinear.
  • 18.     O potencial de ação é produzido quando a célula é excitável, recebem um estimulo linear ou supralinear. Em que região do neurônio pode ser produzido estimulo? No cone do axônio. É preciso propagar o estimulo por todo o corpo do neurônio, e o que ajuda são as bainhas de mielina. Que servem para não “Vazar” corrente. A bainha de mielina é constituída por fosfolipídios e funciona como um isolante elétrico , evitando o vazamento de corrente elétrica ao longo do axônio. Tipos de neurônios:  Não revestidos por bainha de mielina, são amielinicos. Normalmente são fibras curtas, muitos canais de voltagem de carga, a propagação é continua do potencial de ação.  Revestidos por fibras mieliticas, tem fibras longas, com poucos canais de voltagem de carga e a propagação é saltatória. Velocidade de condução:  Comparando a mielínica com a amielinic, qual é mais rápida? A mielínica. Entra de nódulo a nódulo.
  • 19. A figura acima, comparando um axônio amielinico com um mielínico.  No amielinico a informação elétrica demora mais. SINAPSE Sinapse: Basicamente, sinapse é a apenas o ponto de união entre duas células; aquele espaçozinho que existe entre as membranas (sim, há um espaço entre as membranas de duas células, e existe muita coisa neles). As sinapses, servem como meio de comunicação entre as células e é através delas que o potencial de ação(impulso elétrico que leva uma informação) é transmitido. Existem 2 tipos de sinapse: -A química: substancia sinalizadora: neuro transmissor -A elétrica: substancia sinalizadora: é os íons: Na+ e Ca2+ A diferença entre eles esta no tipo de substancia sinalizadora. Sinapse elétrica: Nesse tipo, as células estão praticamente coladas e existe uma abertura, como um canal, que une as membranas; esses canais são chamados de junções comunicantes. O potencial de ação corre diretamente de uma membrana para outra, sem precisar do auxílio de mediadores químicos. Essa é a sinapse utilizada pelos músculos, inclusive o próprio coração utilizase da incrível velocidade proporcionada pelas juncões, para fazer com que todas as fibras contraiam ao mesmo tempo de modo ritmado. As correntes iônicas passam diretamente pelas junções comunicantes até chegarem às outras células, enquanto que nas sinapses químicas a transmissão ocorre através deneurotransmissores. As sinapses elétricas fazem a propagação elétrica entre as células através de canais que interligam as mesmas, com um retardo nulo na transmissão. Fisiologicamente, essas sinapses atuam na atividade sincronizada de grupos de neurônios, células musculares lisas ou cardíacas. Esses canais têm uma condutância que varia de acordo com o tipo de proteína constitutiva, por onde passam solutos de baixo peso molecular que irão levar os sinais de uma célula à outra. Anotações: Características: a informação ocorre sem retardar (sem parar). É como se todas as células funcionassem como se fosse uma única célula.
  • 20. Ela é bidirecional: Apresenta muitas junções Comunicantes, como canais (permitindo o fluxo de sódio e cálcio).   Abertura do canal: ocorre a despolarização da membrana-> são ativados por despolarização, e é desativadas por concentração Ca+ ou H+. Ocorrem no SNC e no SNP. Comum em vias reflexas, ou seja estão relacionadas reflexos.
  • 22. Oque cada um faz: Neurônio pré sinaptico- recebe um sinal elétrico, transforma em sinal químico (neuro transmissor) e novamente sinal elétrico já no neurônio pós sináptico, que pode ser: despolarização ou hiperpolarização. Características da sinapse química: - unidirecional; -a informação ira passar com retardo; para ocorrer a liberação do neuro transmissor tenho que ter entrada de Ca+ - apresenta célula pré sinptica e pós sináptica. no pré sináptico. -Apresentara neurotransmissores: excitatório ou inibitório.
  • 23. Um pouco mais sobre sinapse: A excitatória é aquela que resulta em um novo impulso nervoso. A transmissão inibitória é aquela que impede a passagem de impulsos subsequentes. Quimicamente, a diferença é que as sinapses excitatórias aumentam a permeabilidade da membrana a todos os íons, incluindo sódio, potássio e cloreto. Já a sinapse inibitória aumenta a permeabilidade da membrana pós-sináptica somente aos íons cloreto e potássio, ocorrendo influxo de íons sódio. Essa diferença química resulta na atuação diferente dos neurotransmissores, controlando a condução de impulsos nervosos. Podem ter 2 tipos de receptores para os tipos de neurotransmissores:   Receptores ionotrópicos ou dependentes de ligantes: a resposta é mais rápida, e o próprio receptor funciona como canal iônico. Receptor metalotrópico ou acoplados a proteína G: ela é mais lenta do que o outro, porque tem que ativar um intermediário que é a proteína G. 1ª ira ter a ativação da proteína G quando a proteína G é ativada ativa o canal iônico (K+ e Ca+) ou ativa a enzima, depois o segundo mensageiro e depois a ativação do canal iônico . SNP receptores metalotrópicos Somático Para eu ter a contração da Musculatura lisa eu preciso ter a acetilcolina que é o neuro transmissor autônomo Parasimpático Simpatico Músculo liso Cardíaco Glandulas Atuação da acetilcolina na musculatura:  Um potencial de ação trafega ao longo de um nervo motor até suas terminações nas fibras musculares; 2) Em cada terminação, o nervo secreta uma pequena quantidade de substância neurotransmissora, a acetilcolina; 3) Essa acetilcolina atua sobre uma área localizada na membrana da fibra muscular, abrindo numerosos canais acetilcolina-dependentes dentro de moléculas protéicas na membrana da fibra muscular; 4) A abertura destes canais permite que uma grande quantidade de íons sódio flua para dentro da
  • 24. membrana da fibra muscular no ponto terminal neural. Isso desencadeia potencial de ação na fibra muscular; 5) O potencial de ação cursa ao longo da membrana da fibra muscular da mesma forma como o potencial de ação cursa pelas membranas neurais; 6) O potencial de ação despolariza a membrana da fibra muscular e também passa para profundidade da fibra muscular, onde o faz com que o retículo sarcoplasmático libere para as miofibrilas grande quantidade de íons cálcio, que estavam armazenados no interior do retículo sarcoplasmático; 7) Os íons cálcio provocam grandes forças atrativas entre os filamentos de actina e miosina, fazendo com que eles deslizem entre si, o que constitui o processo contrátil; 8) Após fração de segundo, os íons cálcio são bombeados de volta para o retículo sarcoplasmático, onde permanecem armazenados até que um novo potencial de ação chegue; essa remoção dos íons cálcio da vizinhança das miofibrilas põe fim à contração. O mecanismo da contração muscular será demonstrado a teoria dos filamentos deslizantes, uma série de hipóteses é admitida para explicar como os filamentos deslizantes desenvolvem tensão e encurtam-se, uma delas é a seguinte: 1) Com o sítio de ligação de ATP livre, a miosina se liga fortemente a actina; 2) Quando uma molécula de ATP se liga a miosina, a conformação da miosina e o sítio de ligação se tornam instáveis liberando a actina; 3) Quando a miosina libera a actina, o ATP é parcialmente hidrolizado (transformando-se em ADP) e a cabeça da miosina inclina-se para frente; 4) A religação com a actina provoca a liberação do ADP e a cabeça da miosina se altera novamente voltando a posição de início, pronta para mais um ciclo. Exemplos de substancias que atuam como neuro transmissores:         Acetilcolina-atua no snp Noradrenalina-atuna no snp Glutamato-atua no snc Glicemia-neurotransmissor inibidor iônico Gaba – neurotransmissor snc e snp Serotonina-ativação relacionada ao prazer. Dopamina-ativação ao núcleo da base relacionado aos movimentos. Endorfina-neurotransmissor que inibem a informação de dor. Termino da sinalização sináptica: Enzimatica:  O neuro transmissor pode ser hidrolizado por uma enzima que esta presente na célula pós ou pré sináptica.  A recaptação do neuro transmissor é sempre por uma célula pré sináptica, ela depende do influxo de Na+ présinaptico para a recaptação, atravez do transporte ativo secundário. Curiosidades: os antidepressivos bloqueiam o termino da sinalização sináptica. Por exemplo a serotonina, para as pessoas ficarem mais felizes.