SlideShare uma empresa Scribd logo
Disciplina de Morfo-Fisiologia Humana
Seminário: Proteína G e Mensageiros intracelulares – Conceito, classificação, substâncias, aplicação e
importância funcional.
Acadêmicos: Pablo R. Gomes e Laura Lopes Módulo: 125 Apresentação: 13/04/2011
Resumo Geral
TRANSDUÇÃO DE SINAIS: Agrupam-se os receptores com o tipo de resposta quando a molécula sinalizadora
se liga ao receptor. Existem quatro processos principais de transdução, os receptores são classificados nos
seguintes grupos:
 RECEPTORES IONOTRÓPICOS: É uma resposta rápida. Determinam a abertura ou o fechamento
de canais e produzindo despolarizações (potenciais de resposta excitatória) ou hiperpolarizações
(potencial de resposta inibitória). O mecanismo de ação destes receptores pode ser de duas
formas:
o Via sinalização extracelular através da ação de um neurotransmissor, o qual se une ao
receptor e provoca a abertura do canal iônico, como é o caso, por exemplo, do receptor
de Acetilcolina, abrindo os canais de Na+;
o A sinalização também pode ser intracelular, modificando o potencial de membrana e,
assim, induzindo a abertura do canal.
 RECEPTORES METABOLOTRÓPICOS: Possuem resposta lenta. Alguns neurotransmissores ligam-
se aos receptores, os quais são proteínas sinalizadoras da membrana. Tais proteínas ligam-se as
proteínas G. Quando uma molécula de neurotransmissor liga-se a um receptor metabolotrópico,
uma subunidade da proteína G dissocia, conectando-se a um canal iônico e abrindo-o ou
estimulando a síntese de um segundo mensageiro. Ex.: Hormônios adrenérgicos e a própria
acetilcolina.
 RECEPTORES LIGADOS A TIROSINA CINASE: A ligação do neurotransmissor, usualmente um
hormônio ou um fator de crescimento estimula a fosforilação de um radical de tirosina numa
proteína intracelular, desencadeando uma seqüência de eventos que causam uma resposta
lenta.
 RECEPTORES LIGADOS AO DNA: São chamados de receptores esteróides, são proteínas
intracelulares que se ligam ao transmissor (esteróide ou hormônio tireoidiano). Essa ligação
provoca alterações conformacionais que estimulam a transcrição do DNA no núcleo.
PROCESSO DE COMUNICAÇÃO CELULAR:
 ENDÓCRINA: As moléculas sinalizadoras são chamadas hormônios e chegam à célula alvo
transportadas pelo sangue.
 PARÁCRINA: As moléculas agem apenas no local, atuando sobre as células que estão próximas,
sendo rapidamente inativada. Quando a sinalização parácrina atua sobre o mesmo tipo celular
que a sintetizou, recebe o nome de sinalização autócrina.
 SINAPTICA: Exclusivamente do tecido nervoso e muscular, onde moléculas neurotransmissoras
agem através de contatos celulares especializados denominados sinapses. As sinapses são
divididas em dois grupos:
o Sinapse química (lenta): O sinal de entrada é transmitido por um neurotransmissor na
fenda sináptica, o qual é detectado pela outra célula através da ativação de receptores
situados na fenda pós-sináptica. A ligação química do neurotransmissor aos receptores
nicotínicos causa uma série de mudanças fisiológicas na célula que recebe o sinal.
Normalmente a liberação sinalizadora do primeiro neurônio (chamado pré-sináptico) é
causada por uma série de eventos intracelulares evocados por uma despolarização de
sua membrana, quando um potencial de ação é gerado.
o Sinapse elétrica (rápida): permite a transferência direta da corrente iônica de uma
célula para a célula seguinte. As sinapses elétricas ocorrem em locais especializados
chamados junções GAP. Elas formam canais que permitem que os íons passem
diretamente do citoplasma de uma célula para o citoplasma da outra. Dessa forma,
fazendo com que todas as células trabalhem juntas, como uma única unidade. Os
exemplos mais comuns são a musculatura cardíaca e lisa.
EXEMPLOS DE SINALIZADORES EXTRACELULARES:
RECEPTORES DE MEMBRANA: São proteínas com certas características em comum: um domínio extracelular
que liga um mensageiro químico, um ou mais domínio através da membrana que são hélices (α) e um
domínio intracelular que inicia a transdução de sinal. Quando o ligante se liga ao domínio extracelular de seu
receptor, ele causa alterações conformacional que é comunicada para o domínio intracelular pela hélice α
rígida do domínio transmembrana. O domínio intracelular ativado inicia uma rota de transdução de sinal
característica que em geral envolve a ligação a uma proteína intracelular da transdução de sinal específica.
 Receptores de proteína G – Muscarinicos, adrenérgicos, dopaminérgicos, serotonérgicos,
opióides, receptores de peptídeos, purínicos, etc.
 Receptores Autônomos - Mais detalhado no livro Linda S. Custando 3 Ed. (tabela pág. 57 e 58)
PROTEÍNA G: Está ligada a porção do receptor que se projeta para dentro da célula e recebe esse nome pela
capacidade de se ligar com ao nucleotídeo guanosina. A proteína G pode ser formada de duas maneiras:
apenas por uma subunidade (Proteína G Monomérica) ou um trímero de subunidades (Proteína G
Heterotrimérica).
 PROTEÍNA G (MONOMÉRICA):
o Uma única subunidade que liga e hidrolisa o GTP;
o Estão divididas em cinco famílias: Ras, Rho, Arf, Rab e Ran;
o Em geral estão ligadas a uma membrana lipídica por uma âncora lipídica, porém pode
ser encontrada livre no citosol e no núcleo;
o Tem papeis fisiológicos na: regulação do crescimento, morfogênese, motilidade celular,
direcionamento axiomal, citocinese, tráfego através do complexo de Golgi;
o Atuações importantes da proteína G na célula:
 Regulam a associação e atividade de complexos protéicos;
 Ativa proteínas de transcrição no núcleo;
 Controla a organização do citoesqueleto e a expressão gênica
 Encontrada em formas mutantes oncogênicas em muitos tumores humanos;
 Direciona as vesículas envolvidas nas rotas secretoras e endocíticas;
o Sua atividade é regulada por proteínas acessórias (GAP, GAP, GEF e GDI);
 GAP  Aumenta a velocidade de hidrólise do GTP e, portanto, a velocidade de
dissociação do complexo Proteína G – Proteína Alvo.
 GEF  Aumenta a velocidade de troca do GDP-ligado pelo GTP.
 GDI  Se ligam ao complexo GDP-Proteína G e inibe a dissociação do GDP,
mantendo a proteína G inativada.
 PROTEÍNA G (HETEROTRIMÉRICA):
o É formada por três componentes distintos, um componente alfa (α), que é a porção
“ativadora” da proteína G, e os componentes beta (β) e gama (γ);
o Está ancorada a membrana plasmática, tendo seu deslocamento em função do mosaico
fluído da membrana;
o Representam intermediários transdutores de sinais entre um determinado receptor e
seu efetor;
o As subunidades αβγ possuem atividades enzimáticas;
o Existem variações de proteínas G, as mais conhecidas são a Gs (possui atividade
estimulatória da enzima adenilil ciclase), a Gi (possui atividade inibitória da enzima
adenilil ciclase), a Gp (ativa a fosfolipase específica do fosfoinosídeo) e a Go (regula os
canais iônicos no cérebro);
o Possui um estado de repouso αβγ+GDP e um estado ativado α+GTP;
o Papéis fisiológicos dependentes da proteína G heterotrimérica:
 Abertura de canais iônicos específicos na membrana;
 Ativação do monofosfato de adenosina cíclico (AMPc) ou monofosfato de
guanosina cíclico (GMPc);
 Ativação de uma ou mais enzimas intracelulares;
 Ativação da transcrição gênica;
Ex.: mudanças estruturais de neurônios, especialmente em processos de
memória de longa duração.
 Hidrólise do glicogênio em glicose;
 Ruptura das moléculas de triglicerídeos;
 Estímulo da síntese de estrógeno e progesterona;
 Retenção de água pelos rins;
 Batimentos cardíacos e força dos batimentos.
o Funcionamento da proteína G heteromérica:
 1°- O receptor é ocupado por uma molécula agonista (ligante que se une aos
receptores e aumenta a proporção dos que estão em forma ativa), sofrendo
alterações conformacionais, criando afinidade pela proteína G.
 2°- A associação do complexo αβγ + GDP com o receptor provoca a dissociação
do GDP e ligação com o GTP.
 3°- Esse processo desencadeia a dissociação da subunidade α-GTP das
subunidades βγ.
 4°- O α-GTP se difunde pela membrana plasmática podendo associar-se a
enzimas ou canais iônicos, provocando sua ativação ou inativação.
 5°- O processo acaba quando ocorre a hidrólise do GTP em GDP.
 6°- O α-GDP resultante dessa hidrólise se dissocia do efetor e volta a reorganizar,
junto com as subunidades βγ, o complexo αβγ, concluindo o ciclo.
o Esse mecanismo é generalizado, pois um único complexo agonista-receptor pode ativar
diversas proteínas G e cada uma dessas pode permanecer associada à enzima efetora
durante o tempo necessário para produzir muitas moléculas de produto que é
freqüentemente um segundo mensageiro;
o Cada molécula de proteína receptora pode ativar muitas proteínas G;
o Cada proteína G ativa uma molécula da enzima adenilil ciclase;
o A enzima adenilil ciclase catalisa a conversão de muitas moléculas de ATP em AMPc
criando, assim, uma resposta biológica potencializada.
 SISTEMA ADENILIL CILASE:
o Catalisa a formação do AMPc a partir do ATP;
o Atua como segundo mensageiro;
o É ativada pela proteína Gs e inativada pela proteína Gi;
o O AMPc ativa a proteína cinase, responsável pela ativação de outras enzimas através da
fosforilação;
o O AMPc encontra-se apenas na membrana plasmática;
o É ativado pela proteína Gs e inativada pela proteína Gi;
o Funções fisiológicas dependentes do AMPc:
 Metabolismo energético;
 Divisão celular;
 Diferenciação celular;
 Transporte de íons;
 Função de canais iônicos;
 Influência sobre proteínas contrateis do músculo liso.
 SISTEMA GUANILIL CICLASE:
o Catalisa a formação de GMPc a partir do GTP;
o Possui características semelhantes ao AMPc ;
o Ativa uma proteína cinase;
o O GMPc esta em menor número que o AMPc no citoplasma;
o Pode estar livre no citosol ou associado à membrana plasmática
o Pode ser sintetizada pelo aumento de Ca²+ citosolico ou por produtos de degradação
lipídica;
o Pode ser ativado pela proteína G;
o O aumento no nível de NO ativa a guanilil ciclase aumentando o nível GMPc.
o Funções fisiológicas dependentes de AMPc:
 Vasodilatação
 Secreções intestinais
 Fototransdução retiniana
 SISTEMA FOSFOLIPASE C:
o Degrada fosfoinositídeos da membrana celular;
o Traduz sinais extracelulares em intracelulares;
o Quando inativada degrada o fosfatidil inositol 4,5 bifosfato (PIP2) - fosfolipídio da
membrana plasmática;
o Essa degradação forma dois mensageiros:
 Diacil glicerol (DAG)
 Inositol 1,4,5 trifosfato (IP3)
o É ativada pela proteína Gp;
o SISTEMA FOSFOLIPASE C – IP3:
 Consiste em liberar Ca²+ dos depósitos intracelulares (reticulo endoplasmático);
 O IP3 se liga a um receptor na membrana do reticulo endoplasmático e ativa os
canais de Ca²+, promovendo o aumento da concentração desse íon no LIC;
 O Ca²+ torna-se então um terceiro mensageiro que vai interferir em outros
processos metabólicos;
 Complexo Cálcio – Calmodulina:
A calmodulina é uma proteína citosólica ligadora de Ca²+, pode ligar até
quatro íons Ca²+, formando o complexo Ca²+ - Calmodulina;
Regula atividades de proteínas (enzimas) por causar alterações
conformacionais no sítio catalítico ativo ou por bloquearem esse sítio;
Pode se ligar a diversas proteínas diferentes e regular sua função;
Ativa a proteína cinase A (regula diferentes rotas metabólicas,
participando de cascatas de fosforilação);
Quando o Ca²+ se liga a subunidade da calmodulina-glicogênio-
fosforilase cinase no músculo, sofre alterações conformacionais e ativa a
cinase, a qual fosforila o glicogênio-fosforilase, aumentando a geração
de ATP para fornecer energia a contração muscular;
O Ca²+ atua também se ligando a troponina C (um membro da família
Ca²+ - Calmodulina) e ativando a contração muscular.
 Respostas a elevação de Ca²+ intracelular:
Contração no músculo liso;
Aumento da força contrátil do miocárdio;
Secreção de glândulas exócrinas;
Liberação de neurotransmissores e de hormônios;
Regulação de canais iônicos.
o SISTEMA FOSFOLIPASE C – DAG:
 Tem função de ativar a proteína cinase C (enzima ligada à membrana plasmática
e controla a fosforilação de radicais serina e de treonina em diversas proteínas
intracelulares);
o Logo após o termino do processo, o PIP2 é reconstituído através da fosforilação do DAG
e da desfosforilação do IP3, reorganizando o fosfolipídio inicial.
o Funções dependentes da fosfolipase C:
 Liberação de hormônios;
 Aumento/redução da liberação de neurotransmissores;
 Excitabilidade neuronal;
 Contração/relaxamento do músculo liso;
 Resposta inflamatória;
 Geração de tumores;
 Dessensibilização de receptores;
 Estimulação de transportes iônicos.
 SISTEMA FOSFOLIPASE A2:
o É ativada pela proteína G;
o Degrada o acido aracdônico;
o Os metabólitos do acido aracdônico atuam como segundos mensageiros podendo sair da
célula e atuar em outra célula-alvo local;
o Também foi observado que o ácido aracdônico funciona como mensageiro intracelular
controlando os canais de potássio.
 SISTEMA DE CANAIS IÔNICOS:
o Desempenham papel fundamental no sistema de transmissão de sinais intracelulares,
através de íons sinalizadores;
o São poros existentes na bicamada lipídica das membranas plasmáticas;
o São providos de mecanismos de portão ou comporta (aberto, fechado ou estado
refratário);
o Possui seletividade iônica;
o Podem se abrir em resposta a estímulos como:
 Variação da voltagem do potencial de membrana;
 Estimulação mecânica;
 Estimulação fotoelétrica;
 Ligação de uma molécula sinalizadora (ligante) a um receptor, o ligante pode ser
um mensageiro extracelular ou intracelular.
o Dentre os mensageiros intracelulares está a proteína G, que interage diretamente com o
canal iônico, sem a participação de segundos mensageiros (AMPc, GMPc ou PIP2);
o Íons e funções dependentes:
 K+  Pode deprimir ou estimular a excitabilidade celular, controla o potencial
de repouso e o influxo de Ca²+;
 Ca²+  Transportador de carga despolarizante, segundo mensageiro que regula
a liberação de neurotransmissores, ativa vários sistemas enzimáticos e modifica
diretamente a função de outros canais iônicos;
 Cl ˉ  Hiperpolarização da membrana e controle da excitabilidade;
 Na+  Principal íon responsável pela despolarização da membrana no potencial
de ação.
Bibliografias
Guyton, A; Hall, J. Tratado de Fisiologia Médica – 11° Ed. Rio de janeiro. Elsevier. 2008.
Junqueira, L C; Carneiro, J. Histologia Básica. 10° Ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2004.
Smith, C; Mark, A, D. Bioquímica Médica Básica de Marks: Uma Abordagem Clínica. 2° Ed. São Paulo. Artes.
Costanzo, L S; Fisiologia – 3° Ed. Elsevier. 2007.
Silva, P; Farmacologia – 7° Ed. Guanabara Koogan. 2006.
Netter, F; Hansen, J. Atlas de Fisiologia Humana de Netter. São Paulo. Artmed.
Devlin, T M; Manual de Bioquímica Com Correlações Clínicas. 4° Ed. São Paulo. Edgard Blücher Ltda, 1998

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Serotonina
SerotoninaSerotonina
Serotonina
João Marcos
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Jaqueline Almeida
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
Leonardo Souza
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
Dalvânia Santos
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Mecanismo das Sinapses
Mecanismo das SinapsesMecanismo das Sinapses
Mecanismo das Sinapses
Jose Carlos
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
Leonardo Souza
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de AlmeidaLesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
José Alexandre Pires de Almeida
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Herbert Santana
 
Aula introdução
Aula introduçãoAula introdução
Aula introdução
Lucas Almeida Sá
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula antiinflamatórios
Aula  antiinflamatóriosAula  antiinflamatórios
Aula antiinflamatórios
Renato Santos
 
Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitus
Leonardo Souza
 

Mais procurados (20)

Serotonina
SerotoninaSerotonina
Serotonina
 
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre AntihistaminicosAula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
Aula de Farmacologia sobre Antihistaminicos
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
medicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovascularesmedicamentos cardiovasculares
medicamentos cardiovasculares
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Aula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - AntidepressivosAula - SNC - Antidepressivos
Aula - SNC - Antidepressivos
 
Mecanismo das Sinapses
Mecanismo das SinapsesMecanismo das Sinapses
Mecanismo das Sinapses
 
Farmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinéticaFarmacologia farmacocinética
Farmacologia farmacocinética
 
Aula - Autacoides
Aula - AutacoidesAula - Autacoides
Aula - Autacoides
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de AlmeidaLesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
Lesão Celular - Dr. José Alexandre P. de Almeida
 
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema CardiovascularFisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
Fisiologia Humana 5 - Sistema Cardiovascular
 
Aula introdução
Aula introduçãoAula introdução
Aula introdução
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Aula - SNC - Opioides
Aula  - SNC - OpioidesAula  - SNC - Opioides
Aula - SNC - Opioides
 
Aula antiinflamatórios
Aula  antiinflamatóriosAula  antiinflamatórios
Aula antiinflamatórios
 
Farmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitusFarmacologia: Diabetes mellitus
Farmacologia: Diabetes mellitus
 

Destaque

Farmacologia
Farmacologia Farmacologia
Farmacologia
kkf Ribeiro
 
Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G
Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina GPrincípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G
Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G
Regina Rafael Teixeira
 
Transdução de sinais química
Transdução de sinais químicaTransdução de sinais química
Transdução de sinais química
Vanessa Carvalho
 
Proteina G
Proteina GProteina G
Proteina G
emanuelrst
 
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato CiclaseVia de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
UEPA
 
Reprodução sexuada nas fanerógamas
Reprodução sexuada nas fanerógamasReprodução sexuada nas fanerógamas
Reprodução sexuada nas fanerógamas
Colégio Estadual Padre Fernando Gomes de Melo
 
Comunicações celulares
Comunicações celularesComunicações celulares
Comunicações celulares
danilo oliveira
 
Receptores
ReceptoresReceptores
Receptores
Jose Carlos
 
Aula 3 comunicação celular
Aula 3 comunicação celularAula 3 comunicação celular
Aula 3 comunicação celular
Adila Trubat
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
tatiany ferreira de oliveira
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
keizacristina
 
Proteina g seminario
Proteina g seminarioProteina g seminario
Proteina g seminario
Alejandra Belén
 
Sinalização celular
Sinalização celularSinalização celular
Sinalização celular
Joyce Wadna
 
1.4 proteinas g monomericas
1.4 proteinas g monomericas1.4 proteinas g monomericas
1.4 proteinas g monomericas
Thelma Irene Avitia Ramìrez
 
Comunicacao celular
Comunicacao celularComunicacao celular
Comunicacao celular
gesicerebro
 
Receptores ligados a canais iônicos
Receptores ligados a canais iônicosReceptores ligados a canais iônicos
Receptores ligados a canais iônicos
Larissa Brasileiro
 
Farmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivosFarmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivos
Rosangela Helena Sizilio
 
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e MedicinalAula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Milleno Mota
 
Regulação hormonal
Regulação hormonalRegulação hormonal
Regulação hormonal
Tânia Reis
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
Vinicius Henrique
 

Destaque (20)

Farmacologia
Farmacologia Farmacologia
Farmacologia
 
Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G
Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina GPrincípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G
Princípios da sinalização celular/ potencial em repouso/ proteina G
 
Transdução de sinais química
Transdução de sinais químicaTransdução de sinais química
Transdução de sinais química
 
Proteina G
Proteina GProteina G
Proteina G
 
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato CiclaseVia de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
Via de Sinalização da Proteína G/Adenilato Ciclase
 
Reprodução sexuada nas fanerógamas
Reprodução sexuada nas fanerógamasReprodução sexuada nas fanerógamas
Reprodução sexuada nas fanerógamas
 
Comunicações celulares
Comunicações celularesComunicações celulares
Comunicações celulares
 
Receptores
ReceptoresReceptores
Receptores
 
Aula 3 comunicação celular
Aula 3 comunicação celularAula 3 comunicação celular
Aula 3 comunicação celular
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
 
Proteina g seminario
Proteina g seminarioProteina g seminario
Proteina g seminario
 
Sinalização celular
Sinalização celularSinalização celular
Sinalização celular
 
1.4 proteinas g monomericas
1.4 proteinas g monomericas1.4 proteinas g monomericas
1.4 proteinas g monomericas
 
Comunicacao celular
Comunicacao celularComunicacao celular
Comunicacao celular
 
Receptores ligados a canais iônicos
Receptores ligados a canais iônicosReceptores ligados a canais iônicos
Receptores ligados a canais iônicos
 
Farmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivosFarmacos anti hipertensivos
Farmacos anti hipertensivos
 
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e MedicinalAula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
 
Regulação hormonal
Regulação hormonalRegulação hormonal
Regulação hormonal
 
Farmacodinâmica
FarmacodinâmicaFarmacodinâmica
Farmacodinâmica
 

Semelhante a Resumo prot g

Receptores (beta)-adrenérgicos
Receptores (beta)-adrenérgicosReceptores (beta)-adrenérgicos
Receptores (beta)-adrenérgicos
TBQ-RLORC
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Gustavo Maia
 
Aula de comunicação celular
Aula de comunicação celularAula de comunicação celular
Aula de comunicação celular
Beatriz Ramalho
 
Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08
bioc126
 
Sistema endócrino pablo
Sistema endócrino pabloSistema endócrino pablo
Sistema endócrino pablo
Vagner Pires Reis
 
receptores acoplados a Proteina G - Henning Ulrich
receptores acoplados a Proteina G - Henning Ulrichreceptores acoplados a Proteina G - Henning Ulrich
receptores acoplados a Proteina G - Henning Ulrich
SaimonDantas
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Gustavo Maia
 
CóPia De NeurôNio 4
CóPia De NeurôNio 4CóPia De NeurôNio 4
CóPia De NeurôNio 4
Antonio Luis Sanfim
 
farmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
farmacodinamia receptores y segundos mesnajerosfarmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
farmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
LEONCIOVASQUEZMARIN2
 
Receptores
ReceptoresReceptores
Receptores
Tathi Moreira
 
Aula 4 Medicina
Aula 4 MedicinaAula 4 Medicina
Aula 4 Medicina
Caio Maximino
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
Nathalia Fuga
 
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptxLOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LiaSilva92
 
Sinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdfSinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdf
ThiagoOliveira848024
 
Biossinalização
BiossinalizaçãoBiossinalização
Biossinalização
Adriana Quevedo
 
Aula Farmacodinâmica Reduzida.pdf
Aula Farmacodinâmica Reduzida.pdfAula Farmacodinâmica Reduzida.pdf
Aula Farmacodinâmica Reduzida.pdf
PAULA352683
 
Aula 1 introdução à sinalização celular
Aula 1   introdução à sinalização celularAula 1   introdução à sinalização celular
Aula 1 introdução à sinalização celular
Adriana Feltrin
 
Hormônios prova
Hormônios provaHormônios prova
Hormônios prova
deisevf
 
COMO ENTENDER OS EFEITOS PRÓ-ATIVOS E PARADOXAIS DO CORTISOL/GH E SEUS LIBERA...
COMO ENTENDER OS EFEITOS PRÓ-ATIVOS E PARADOXAIS DO CORTISOL/GH E SEUS LIBERA...COMO ENTENDER OS EFEITOS PRÓ-ATIVOS E PARADOXAIS DO CORTISOL/GH E SEUS LIBERA...
COMO ENTENDER OS EFEITOS PRÓ-ATIVOS E PARADOXAIS DO CORTISOL/GH E SEUS LIBERA...
Van Der Häägen Brazil
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
André Luiz Ferraz
 

Semelhante a Resumo prot g (20)

Receptores (beta)-adrenérgicos
Receptores (beta)-adrenérgicosReceptores (beta)-adrenérgicos
Receptores (beta)-adrenérgicos
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7Biologia Molecular e Celular - Aula 7
Biologia Molecular e Celular - Aula 7
 
Aula de comunicação celular
Aula de comunicação celularAula de comunicação celular
Aula de comunicação celular
 
Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08Hormonios 28 11 08
Hormonios 28 11 08
 
Sistema endócrino pablo
Sistema endócrino pabloSistema endócrino pablo
Sistema endócrino pablo
 
receptores acoplados a Proteina G - Henning Ulrich
receptores acoplados a Proteina G - Henning Ulrichreceptores acoplados a Proteina G - Henning Ulrich
receptores acoplados a Proteina G - Henning Ulrich
 
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8Biologia Molecular e Celular - Aula 8
Biologia Molecular e Celular - Aula 8
 
CóPia De NeurôNio 4
CóPia De NeurôNio 4CóPia De NeurôNio 4
CóPia De NeurôNio 4
 
farmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
farmacodinamia receptores y segundos mesnajerosfarmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
farmacodinamia receptores y segundos mesnajeros
 
Receptores
ReceptoresReceptores
Receptores
 
Aula 4 Medicina
Aula 4 MedicinaAula 4 Medicina
Aula 4 Medicina
 
Comunicação celular
Comunicação celularComunicação celular
Comunicação celular
 
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptxLOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
LOCALIZAÇÃO E TIPOS DE RECEPTORES.pptx
 
Sinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdfSinalização Celular.pdf
Sinalização Celular.pdf
 
Biossinalização
BiossinalizaçãoBiossinalização
Biossinalização
 
Aula Farmacodinâmica Reduzida.pdf
Aula Farmacodinâmica Reduzida.pdfAula Farmacodinâmica Reduzida.pdf
Aula Farmacodinâmica Reduzida.pdf
 
Aula 1 introdução à sinalização celular
Aula 1   introdução à sinalização celularAula 1   introdução à sinalização celular
Aula 1 introdução à sinalização celular
 
Hormônios prova
Hormônios provaHormônios prova
Hormônios prova
 
COMO ENTENDER OS EFEITOS PRÓ-ATIVOS E PARADOXAIS DO CORTISOL/GH E SEUS LIBERA...
COMO ENTENDER OS EFEITOS PRÓ-ATIVOS E PARADOXAIS DO CORTISOL/GH E SEUS LIBERA...COMO ENTENDER OS EFEITOS PRÓ-ATIVOS E PARADOXAIS DO CORTISOL/GH E SEUS LIBERA...
COMO ENTENDER OS EFEITOS PRÓ-ATIVOS E PARADOXAIS DO CORTISOL/GH E SEUS LIBERA...
 
Fisiologia
FisiologiaFisiologia
Fisiologia
 

Resumo prot g

  • 1. Disciplina de Morfo-Fisiologia Humana Seminário: Proteína G e Mensageiros intracelulares – Conceito, classificação, substâncias, aplicação e importância funcional. Acadêmicos: Pablo R. Gomes e Laura Lopes Módulo: 125 Apresentação: 13/04/2011 Resumo Geral TRANSDUÇÃO DE SINAIS: Agrupam-se os receptores com o tipo de resposta quando a molécula sinalizadora se liga ao receptor. Existem quatro processos principais de transdução, os receptores são classificados nos seguintes grupos:  RECEPTORES IONOTRÓPICOS: É uma resposta rápida. Determinam a abertura ou o fechamento de canais e produzindo despolarizações (potenciais de resposta excitatória) ou hiperpolarizações (potencial de resposta inibitória). O mecanismo de ação destes receptores pode ser de duas formas: o Via sinalização extracelular através da ação de um neurotransmissor, o qual se une ao receptor e provoca a abertura do canal iônico, como é o caso, por exemplo, do receptor de Acetilcolina, abrindo os canais de Na+; o A sinalização também pode ser intracelular, modificando o potencial de membrana e, assim, induzindo a abertura do canal.  RECEPTORES METABOLOTRÓPICOS: Possuem resposta lenta. Alguns neurotransmissores ligam- se aos receptores, os quais são proteínas sinalizadoras da membrana. Tais proteínas ligam-se as proteínas G. Quando uma molécula de neurotransmissor liga-se a um receptor metabolotrópico, uma subunidade da proteína G dissocia, conectando-se a um canal iônico e abrindo-o ou estimulando a síntese de um segundo mensageiro. Ex.: Hormônios adrenérgicos e a própria acetilcolina.  RECEPTORES LIGADOS A TIROSINA CINASE: A ligação do neurotransmissor, usualmente um hormônio ou um fator de crescimento estimula a fosforilação de um radical de tirosina numa proteína intracelular, desencadeando uma seqüência de eventos que causam uma resposta lenta.  RECEPTORES LIGADOS AO DNA: São chamados de receptores esteróides, são proteínas intracelulares que se ligam ao transmissor (esteróide ou hormônio tireoidiano). Essa ligação provoca alterações conformacionais que estimulam a transcrição do DNA no núcleo. PROCESSO DE COMUNICAÇÃO CELULAR:  ENDÓCRINA: As moléculas sinalizadoras são chamadas hormônios e chegam à célula alvo transportadas pelo sangue.  PARÁCRINA: As moléculas agem apenas no local, atuando sobre as células que estão próximas, sendo rapidamente inativada. Quando a sinalização parácrina atua sobre o mesmo tipo celular que a sintetizou, recebe o nome de sinalização autócrina.  SINAPTICA: Exclusivamente do tecido nervoso e muscular, onde moléculas neurotransmissoras agem através de contatos celulares especializados denominados sinapses. As sinapses são divididas em dois grupos:
  • 2. o Sinapse química (lenta): O sinal de entrada é transmitido por um neurotransmissor na fenda sináptica, o qual é detectado pela outra célula através da ativação de receptores situados na fenda pós-sináptica. A ligação química do neurotransmissor aos receptores nicotínicos causa uma série de mudanças fisiológicas na célula que recebe o sinal. Normalmente a liberação sinalizadora do primeiro neurônio (chamado pré-sináptico) é causada por uma série de eventos intracelulares evocados por uma despolarização de sua membrana, quando um potencial de ação é gerado. o Sinapse elétrica (rápida): permite a transferência direta da corrente iônica de uma célula para a célula seguinte. As sinapses elétricas ocorrem em locais especializados chamados junções GAP. Elas formam canais que permitem que os íons passem diretamente do citoplasma de uma célula para o citoplasma da outra. Dessa forma, fazendo com que todas as células trabalhem juntas, como uma única unidade. Os exemplos mais comuns são a musculatura cardíaca e lisa. EXEMPLOS DE SINALIZADORES EXTRACELULARES: RECEPTORES DE MEMBRANA: São proteínas com certas características em comum: um domínio extracelular que liga um mensageiro químico, um ou mais domínio através da membrana que são hélices (α) e um domínio intracelular que inicia a transdução de sinal. Quando o ligante se liga ao domínio extracelular de seu receptor, ele causa alterações conformacional que é comunicada para o domínio intracelular pela hélice α rígida do domínio transmembrana. O domínio intracelular ativado inicia uma rota de transdução de sinal característica que em geral envolve a ligação a uma proteína intracelular da transdução de sinal específica.  Receptores de proteína G – Muscarinicos, adrenérgicos, dopaminérgicos, serotonérgicos, opióides, receptores de peptídeos, purínicos, etc.  Receptores Autônomos - Mais detalhado no livro Linda S. Custando 3 Ed. (tabela pág. 57 e 58) PROTEÍNA G: Está ligada a porção do receptor que se projeta para dentro da célula e recebe esse nome pela capacidade de se ligar com ao nucleotídeo guanosina. A proteína G pode ser formada de duas maneiras: apenas por uma subunidade (Proteína G Monomérica) ou um trímero de subunidades (Proteína G Heterotrimérica).
  • 3.  PROTEÍNA G (MONOMÉRICA): o Uma única subunidade que liga e hidrolisa o GTP; o Estão divididas em cinco famílias: Ras, Rho, Arf, Rab e Ran; o Em geral estão ligadas a uma membrana lipídica por uma âncora lipídica, porém pode ser encontrada livre no citosol e no núcleo; o Tem papeis fisiológicos na: regulação do crescimento, morfogênese, motilidade celular, direcionamento axiomal, citocinese, tráfego através do complexo de Golgi; o Atuações importantes da proteína G na célula:  Regulam a associação e atividade de complexos protéicos;  Ativa proteínas de transcrição no núcleo;  Controla a organização do citoesqueleto e a expressão gênica  Encontrada em formas mutantes oncogênicas em muitos tumores humanos;  Direciona as vesículas envolvidas nas rotas secretoras e endocíticas; o Sua atividade é regulada por proteínas acessórias (GAP, GAP, GEF e GDI);  GAP  Aumenta a velocidade de hidrólise do GTP e, portanto, a velocidade de dissociação do complexo Proteína G – Proteína Alvo.  GEF  Aumenta a velocidade de troca do GDP-ligado pelo GTP.  GDI  Se ligam ao complexo GDP-Proteína G e inibe a dissociação do GDP, mantendo a proteína G inativada.  PROTEÍNA G (HETEROTRIMÉRICA): o É formada por três componentes distintos, um componente alfa (α), que é a porção “ativadora” da proteína G, e os componentes beta (β) e gama (γ); o Está ancorada a membrana plasmática, tendo seu deslocamento em função do mosaico fluído da membrana; o Representam intermediários transdutores de sinais entre um determinado receptor e seu efetor; o As subunidades αβγ possuem atividades enzimáticas; o Existem variações de proteínas G, as mais conhecidas são a Gs (possui atividade estimulatória da enzima adenilil ciclase), a Gi (possui atividade inibitória da enzima adenilil ciclase), a Gp (ativa a fosfolipase específica do fosfoinosídeo) e a Go (regula os canais iônicos no cérebro); o Possui um estado de repouso αβγ+GDP e um estado ativado α+GTP; o Papéis fisiológicos dependentes da proteína G heterotrimérica:  Abertura de canais iônicos específicos na membrana;  Ativação do monofosfato de adenosina cíclico (AMPc) ou monofosfato de guanosina cíclico (GMPc);  Ativação de uma ou mais enzimas intracelulares;  Ativação da transcrição gênica; Ex.: mudanças estruturais de neurônios, especialmente em processos de memória de longa duração.  Hidrólise do glicogênio em glicose;  Ruptura das moléculas de triglicerídeos;  Estímulo da síntese de estrógeno e progesterona;  Retenção de água pelos rins;  Batimentos cardíacos e força dos batimentos.
  • 4. o Funcionamento da proteína G heteromérica:  1°- O receptor é ocupado por uma molécula agonista (ligante que se une aos receptores e aumenta a proporção dos que estão em forma ativa), sofrendo alterações conformacionais, criando afinidade pela proteína G.  2°- A associação do complexo αβγ + GDP com o receptor provoca a dissociação do GDP e ligação com o GTP.  3°- Esse processo desencadeia a dissociação da subunidade α-GTP das subunidades βγ.  4°- O α-GTP se difunde pela membrana plasmática podendo associar-se a enzimas ou canais iônicos, provocando sua ativação ou inativação.  5°- O processo acaba quando ocorre a hidrólise do GTP em GDP.  6°- O α-GDP resultante dessa hidrólise se dissocia do efetor e volta a reorganizar, junto com as subunidades βγ, o complexo αβγ, concluindo o ciclo. o Esse mecanismo é generalizado, pois um único complexo agonista-receptor pode ativar diversas proteínas G e cada uma dessas pode permanecer associada à enzima efetora durante o tempo necessário para produzir muitas moléculas de produto que é freqüentemente um segundo mensageiro; o Cada molécula de proteína receptora pode ativar muitas proteínas G; o Cada proteína G ativa uma molécula da enzima adenilil ciclase; o A enzima adenilil ciclase catalisa a conversão de muitas moléculas de ATP em AMPc criando, assim, uma resposta biológica potencializada.  SISTEMA ADENILIL CILASE: o Catalisa a formação do AMPc a partir do ATP; o Atua como segundo mensageiro; o É ativada pela proteína Gs e inativada pela proteína Gi; o O AMPc ativa a proteína cinase, responsável pela ativação de outras enzimas através da fosforilação; o O AMPc encontra-se apenas na membrana plasmática; o É ativado pela proteína Gs e inativada pela proteína Gi; o Funções fisiológicas dependentes do AMPc:  Metabolismo energético;  Divisão celular;  Diferenciação celular;  Transporte de íons;  Função de canais iônicos;  Influência sobre proteínas contrateis do músculo liso.  SISTEMA GUANILIL CICLASE: o Catalisa a formação de GMPc a partir do GTP; o Possui características semelhantes ao AMPc ; o Ativa uma proteína cinase; o O GMPc esta em menor número que o AMPc no citoplasma; o Pode estar livre no citosol ou associado à membrana plasmática o Pode ser sintetizada pelo aumento de Ca²+ citosolico ou por produtos de degradação lipídica; o Pode ser ativado pela proteína G;
  • 5. o O aumento no nível de NO ativa a guanilil ciclase aumentando o nível GMPc. o Funções fisiológicas dependentes de AMPc:  Vasodilatação  Secreções intestinais  Fototransdução retiniana  SISTEMA FOSFOLIPASE C: o Degrada fosfoinositídeos da membrana celular; o Traduz sinais extracelulares em intracelulares; o Quando inativada degrada o fosfatidil inositol 4,5 bifosfato (PIP2) - fosfolipídio da membrana plasmática; o Essa degradação forma dois mensageiros:  Diacil glicerol (DAG)  Inositol 1,4,5 trifosfato (IP3) o É ativada pela proteína Gp; o SISTEMA FOSFOLIPASE C – IP3:  Consiste em liberar Ca²+ dos depósitos intracelulares (reticulo endoplasmático);  O IP3 se liga a um receptor na membrana do reticulo endoplasmático e ativa os canais de Ca²+, promovendo o aumento da concentração desse íon no LIC;  O Ca²+ torna-se então um terceiro mensageiro que vai interferir em outros processos metabólicos;  Complexo Cálcio – Calmodulina: A calmodulina é uma proteína citosólica ligadora de Ca²+, pode ligar até quatro íons Ca²+, formando o complexo Ca²+ - Calmodulina; Regula atividades de proteínas (enzimas) por causar alterações conformacionais no sítio catalítico ativo ou por bloquearem esse sítio; Pode se ligar a diversas proteínas diferentes e regular sua função; Ativa a proteína cinase A (regula diferentes rotas metabólicas, participando de cascatas de fosforilação); Quando o Ca²+ se liga a subunidade da calmodulina-glicogênio- fosforilase cinase no músculo, sofre alterações conformacionais e ativa a cinase, a qual fosforila o glicogênio-fosforilase, aumentando a geração de ATP para fornecer energia a contração muscular; O Ca²+ atua também se ligando a troponina C (um membro da família Ca²+ - Calmodulina) e ativando a contração muscular.  Respostas a elevação de Ca²+ intracelular: Contração no músculo liso; Aumento da força contrátil do miocárdio; Secreção de glândulas exócrinas; Liberação de neurotransmissores e de hormônios; Regulação de canais iônicos. o SISTEMA FOSFOLIPASE C – DAG:  Tem função de ativar a proteína cinase C (enzima ligada à membrana plasmática e controla a fosforilação de radicais serina e de treonina em diversas proteínas intracelulares);
  • 6. o Logo após o termino do processo, o PIP2 é reconstituído através da fosforilação do DAG e da desfosforilação do IP3, reorganizando o fosfolipídio inicial. o Funções dependentes da fosfolipase C:  Liberação de hormônios;  Aumento/redução da liberação de neurotransmissores;  Excitabilidade neuronal;  Contração/relaxamento do músculo liso;  Resposta inflamatória;  Geração de tumores;  Dessensibilização de receptores;  Estimulação de transportes iônicos.  SISTEMA FOSFOLIPASE A2: o É ativada pela proteína G; o Degrada o acido aracdônico; o Os metabólitos do acido aracdônico atuam como segundos mensageiros podendo sair da célula e atuar em outra célula-alvo local; o Também foi observado que o ácido aracdônico funciona como mensageiro intracelular controlando os canais de potássio.  SISTEMA DE CANAIS IÔNICOS: o Desempenham papel fundamental no sistema de transmissão de sinais intracelulares, através de íons sinalizadores; o São poros existentes na bicamada lipídica das membranas plasmáticas; o São providos de mecanismos de portão ou comporta (aberto, fechado ou estado refratário); o Possui seletividade iônica; o Podem se abrir em resposta a estímulos como:  Variação da voltagem do potencial de membrana;  Estimulação mecânica;  Estimulação fotoelétrica;  Ligação de uma molécula sinalizadora (ligante) a um receptor, o ligante pode ser um mensageiro extracelular ou intracelular. o Dentre os mensageiros intracelulares está a proteína G, que interage diretamente com o canal iônico, sem a participação de segundos mensageiros (AMPc, GMPc ou PIP2); o Íons e funções dependentes:  K+  Pode deprimir ou estimular a excitabilidade celular, controla o potencial de repouso e o influxo de Ca²+;  Ca²+  Transportador de carga despolarizante, segundo mensageiro que regula a liberação de neurotransmissores, ativa vários sistemas enzimáticos e modifica diretamente a função de outros canais iônicos;  Cl ˉ  Hiperpolarização da membrana e controle da excitabilidade;  Na+  Principal íon responsável pela despolarização da membrana no potencial de ação.
  • 7. Bibliografias Guyton, A; Hall, J. Tratado de Fisiologia Médica – 11° Ed. Rio de janeiro. Elsevier. 2008. Junqueira, L C; Carneiro, J. Histologia Básica. 10° Ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2004. Smith, C; Mark, A, D. Bioquímica Médica Básica de Marks: Uma Abordagem Clínica. 2° Ed. São Paulo. Artes. Costanzo, L S; Fisiologia – 3° Ed. Elsevier. 2007. Silva, P; Farmacologia – 7° Ed. Guanabara Koogan. 2006. Netter, F; Hansen, J. Atlas de Fisiologia Humana de Netter. São Paulo. Artmed. Devlin, T M; Manual de Bioquímica Com Correlações Clínicas. 4° Ed. São Paulo. Edgard Blücher Ltda, 1998