SlideShare uma empresa Scribd logo
Povos indígenas, populações
afrodescendentes e as
mulheres na República
Os povos indígenas
Índios
Botocudos –
foto de Walter
Garbe, 1909.
Os povos indígenas
• Retrato de uma das
tribos encontradas
pelo SPI (Serviço de
Proteção ao
Indígenas) na
década de 1910.
• O contato com
homem branco levou
a dizimação deste
grupo.
Os povos indígenas
• Contato do homem branco com os grupos indígenas
(isolamento) Desaparecimento (doenças que eles
contraíram).
• Também devemos considerar o processo de aculturação
sofrido pelos indígenas: com o passar dos anos deixaram
suas crenças e cultura, para viver de acordo com o
homem branco.
Aculturação – povos indígenas
• Esforços para a “civilização” do índio foram empreendidos, por
exemplo, pelo Serviço de Proteção ao Índio (SPI), formado em 1910,
e pelas missões cristãs, sejam católicas ou protestantes. É certo
que essas instituições foram muito importantes na proteção dos
índios contra o ataque de grupos que defendiam o extermínio
desses povos. Entretanto, levou muito tempo até que surgisse o
entendimento da importância da diversidade cultural.
• A ideia de que os índios seriam extintos parte do princípio de que
mudanças culturais progressivas os conduziriam à perda de
identidade étnica. A esse modelo de interpretação chamamos de
aculturação, que entendia ser o índio verdadeiro aquele
considerado “puro”, isto é, que recebera pouca influência dos não
índios. Os processos históricos de contato entre culturas levariam à
formação de “caboclos”, que deixariam de ser índios.
Povos indígenas
Marechal Rondon
Aculturação dos povos indígenas
• Uma grande referência para o SPI foi o marechal Cândido Rondon, que
realizou viagens pelo Brasil, promovendo o contato com povos indígenas.
Movido pelos ideais do Positivismo, defendia a integridade física do
“silvícola”, e acreditava que a integração deveria acontecer de maneira
controlada. Aos índios deveriam ser ensinados valores cívicos que os
identificassem com a nacionalidade brasileira. Por isso, os agentes do SPI
orgulhavam-se de apresentar imagens de índios ao lado da Bandeira
Nacional.
• Missionários de diferentes denominações cristãs compartilhavam de
pensamentos semelhantes. Embora sua proposta fosse religiosa,
defendiam também a necessidade de incorporar o índio aos valores
nacionais, incluindo os modelos de trabalho, ensino e civismo ocidentais.
Era, de certo modo, uma forma de anular as diferenças.
• Essas perspectivas de integração precisaram ser repensadas. Mudanças
teóricas e movimentos conduzidos pelos próprios índios chamaram a
atenção para a necessidade de valorizar as diferenças e garantir a
reafirmação da identidade indígena.
Aculturação
• Família indígena após
contato com homem
branco.
Aculturação
• Indígenas trabalhando
na produção de
farinha.
Povos indígenas
• O contato direto com a cultura do homem branco deixou
marcas profundas nos hábitos e costumes indígenas.
• Afetando diretamente a cultura, sociedade, religião e
economia indígenas.
• Na constituição de 1891, não percebemos uma
preocupação com o indígena, já em 1910 temos a criação
do SPI (Serviço de proteção ao Indígenas). Essa falta de
preocupação com o indígena no território brasileiro teve
um alto custo, a dizimação destas populações e perda
gradual de sua identidade.
Populações afrodescendentes
• Fim da escravidão (1888): marca o início de uma nova
vida para as populações afrodescendentes.
•
Fim da monarquia (1889): Brasil republicano, pautado por
uma constituição republicana, que no princípio se
pensava que traria mais benefícios para negros, no fim foi
dominada por uma elite latifundiária e com resquícios de
escravismo.
Populações afrodescendentes
• Nada foi fácil para os pobres e
principalmente para os negros
na Primeira República, o sistema
desigual e excludente se
manteve por muitos anos.
• Os negros se organizaram e
criaram redutos para discutir
política e lutar por igualdade
Populações afrodescendentes
• Reunião da Frente
Negra Brasileira
década de 1930.
Populações afrodescendentes
• Na Primeira República os cultos
africanos eram proibidos, os
negros eram perseguidos e
presos se fossem pegos
praticando o Candomblé,
capoeira e outros ritos
africanos.
•
Capa da primeira constituição
pós monarquia 1891.
Constituição de 1891
• Algumas características da Constituição de 1891:
•
Tripartição dos poderes: executivo, legislativo e judiciário;
• Voto aberto;
• Sufrágio masculino, ou seja, voto masculino universal para
maiores de 21 anos;
• Não votavam analfabetos (maioria dos ex-escravizados),
mulheres, mendigos e soldados;
• Estado laico;
• Fim da pena de morte.
• Promulgação da Constituição de 1891.
Constituição de 1891
• A situação dos afrodescendentes no Brasil da Primeira
República não era nada fácil, e os ex-escravizados, agora
homens livres tiveram que lutar muito por um lugar nesta
sociedade que ainda apresentava traços de escravismos e
muito racista que se formava no século XX.
• A constituição de 1891, trouxe desvantagens para a
população afro-brasileira com limitações no seus cultos e
na suas práticas culturais.
Populações afrodescendentes
• Muitos negros fugiram após a
abolição do campo para as
cidades e formaram as
favelas, sem opção de
emprego, sem acesso as
escolas.
Populações afrodescendentes
• O voto aberto, os colocava em situação de risco, já que
eram obrigados a votar nas elites em troca de favores no
trabalho e na própria vida em sociedade.
•
Essa forma de votação aberta, irá levar ao chamado voto
de cabresto, muito comum na Primeira República.
Populações afrodescendentes
• Desde o início da República no Brasil, as mulheres foram
excluídas de qualquer direito político.
• Mas isso, não significa que as mulheres não lutaram pelo
seu direito a voto, participação política, direitos iguais,
educação e ensino superior.
• A constituição de 1891, não concedeu o voto a mulher e
nem o direito de ser votada.
• As mulheres brancas e negras nada possuíam de direito, o
machismo imperava.
As mulheres na Primeira República
• Professora
Leolinda Daltro
foi uma das
mulheres que
lutou pelos
direitos
femininos, ou
seja, uma das
muitas feministas
do século XX.
As mulheres na Primeira República
• Bertha Lutz,
juntamente com
Leonilda fundam o
Partido Republicano
Feminista, que dá
início ao movimento
feminista no Brasil.
As mulheres na Primeira República
• As mulheres resistiram em atividades autônomas, como
domésticas, lavadeiras, vendedoras de doces e quitutes
entre outros produtos, costureiras.
• Mulheres pobres e sua maioria negras, que sobreviviam
com precárias condições de vida, mau garantiam o
necessário para sustentar seus filhos.
• Com a industrialização e urbanização foram relegadas a
margem da sociedade republicana e machista.
As mulheres na Primeira República
• Mesmo com todas essas
adversidades as mulheres
lutaram e conquistaram seu
lugar na sociedade brasileira
ao longo das décadas pós
escravidão.
As mulheres na Primeira República
• Retrato das
mulheres da elite
na Primeira
República.
As mulheres na Primeira República
• Percebemos que ao longo da Primeira República, os
excluídos buscam a todo o momento serem incluídos:
indígenas, afrodescendentes, mulheres.
• Todos esses grupos buscam sua inserção social nesta
nova sociedade republicana e democrática.
• Mas nós sabemos, que estão longe de ver seus direitos
plenos estabelecidos e principalmente reconhecidos.
• Cabe a cada membro da sociedade contemporânea, lutar
para que toda a forma de preconceito e exclusão sejam
extirpados da nossa sociedade e a história nos possibilita
evitarmos cometermos novamente os erros do passado.
• Os indígenas devem ter seu direito a propriedade
reconhecido e o Estado dar o suporte para manutenção
deste direito.
• Os povos afrodescendentes direitos plenos a sua cultura e
o mesmo acesso a bens e serviços das classes
dominantes.
• As mulheres não serem mais coagidas, reprimidas e
violentadas (socialmente e politicamente) pelo machismo
ainda existente em nossa sociedade.
E a luta continua todos os dias!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
Paulo Alexandre
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
Aulas de História
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
Daniel Alves Bronstrup
 
A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817
Fabiana Tonsis
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
Simone P Baldissera
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
Fatima Freitas
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Frederico Marques Sodré
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
Fatima Freitas
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.
Jose Ribamar Santos
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
Rodrigo Luiz
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
Daniel Alves Bronstrup
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
Paulo Alexandre
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
Fatima Freitas
 
atividades sobre a Primeira Guerra Mundial
atividades sobre a Primeira Guerra Mundialatividades sobre a Primeira Guerra Mundial
atividades sobre a Primeira Guerra Mundial
Jean Carlos Nunes Paixão
 

Mais procurados (20)

Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
Brasil Colônia
Brasil ColôniaBrasil Colônia
Brasil Colônia
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
3º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 19173º ano - Revolução Russa 1917
3º ano - Revolução Russa 1917
 
A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817A revolta pernambucana de 1817
A revolta pernambucana de 1817
 
O brasil na primeira republica
O brasil na primeira republicaO brasil na primeira republica
O brasil na primeira republica
 
Era vargas
Era vargasEra vargas
Era vargas
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais  Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
Mapa Conceitual Revoltas Regenciais
 
Revolução russa
Revolução russaRevolução russa
Revolução russa
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Descolonizaçao da África e da Ásia
Descolonizaçao da  África e da ÁsiaDescolonizaçao da  África e da Ásia
Descolonizaçao da África e da Ásia
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
Escravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasilEscravidão africana no brasil
Escravidão africana no brasil
 
atividades sobre a Primeira Guerra Mundial
atividades sobre a Primeira Guerra Mundialatividades sobre a Primeira Guerra Mundial
atividades sobre a Primeira Guerra Mundial
 

Semelhante a Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.

A LUTA DOS NEGROS E DOS POVOS INDIGENAS NO BRASIL (1).pptx
A LUTA DOS NEGROS E DOS POVOS INDIGENAS NO BRASIL (1).pptxA LUTA DOS NEGROS E DOS POVOS INDIGENAS NO BRASIL (1).pptx
A LUTA DOS NEGROS E DOS POVOS INDIGENAS NO BRASIL (1).pptx
drialvesmelo
 
Aula 8 [1-2022] - Migrantes
Aula 8 [1-2022] - MigrantesAula 8 [1-2022] - Migrantes
Aula 8 [1-2022] - Migrantes
Gerson Coppes
 
Indígenas na américa
Indígenas na américaIndígenas na américa
Indígenas na américa
harlissoncarvalho
 
Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades Brasileiras
Helio Fagundes
 
Tópico 24 cidadania no mundo atual
Tópico 24 cidadania no mundo atualTópico 24 cidadania no mundo atual
Tópico 24 cidadania no mundo atual
Atividades Diversas Cláudia
 
Movimento negro
Movimento negro Movimento negro
Movimento negro
Eduardo Borges
 
Movimento negro brasil
Movimento negro  brasilMovimento negro  brasil
Movimento negro brasil
Rômulo Fernando
 
Minorias etnicas
Minorias etnicasMinorias etnicas
Minorias etnicas
Kerol Brombal
 
íNdios
íNdiosíNdios
íNdios
guest991a823b
 
História e cultura dos povos indígenas no brasil
História e cultura dos povos indígenas no brasilHistória e cultura dos povos indígenas no brasil
História e cultura dos povos indígenas no brasil
dayvid
 
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
Bruce Portes
 
Projeto de vida.docx
Projeto de vida.docxProjeto de vida.docx
Projeto de vida.docx
VivianyLocatelli
 
Grupo da Any 2ºC
Grupo da Any 2ºCGrupo da Any 2ºC
Grupo da Any 2ºC
João Víctor
 
Segunda Guerra Mundial.pptx
Segunda Guerra Mundial.pptxSegunda Guerra Mundial.pptx
Segunda Guerra Mundial.pptx
Brai11
 
História.pptx
História.pptxHistória.pptx
História.pptx
RogerioTrentin2
 
Influências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Influências indígenas e africanas na cidade de UberlãndiaInfluências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Influências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Larissa Silva
 
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Maísa Fernandes
 
O Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdioO Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdio
bloghist
 
Povos indigenas brasil
Povos indigenas brasilPovos indigenas brasil
Povos indigenas brasil
Profgalao
 
Capítulo4_Carla Osório&Leonor Araujo
Capítulo4_Carla Osório&Leonor AraujoCapítulo4_Carla Osório&Leonor Araujo
Capítulo4_Carla Osório&Leonor Araujo
marinathebaldi
 

Semelhante a Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república. (20)

A LUTA DOS NEGROS E DOS POVOS INDIGENAS NO BRASIL (1).pptx
A LUTA DOS NEGROS E DOS POVOS INDIGENAS NO BRASIL (1).pptxA LUTA DOS NEGROS E DOS POVOS INDIGENAS NO BRASIL (1).pptx
A LUTA DOS NEGROS E DOS POVOS INDIGENAS NO BRASIL (1).pptx
 
Aula 8 [1-2022] - Migrantes
Aula 8 [1-2022] - MigrantesAula 8 [1-2022] - Migrantes
Aula 8 [1-2022] - Migrantes
 
Indígenas na américa
Indígenas na américaIndígenas na américa
Indígenas na américa
 
Identidades Brasileiras
Identidades BrasileirasIdentidades Brasileiras
Identidades Brasileiras
 
Tópico 24 cidadania no mundo atual
Tópico 24 cidadania no mundo atualTópico 24 cidadania no mundo atual
Tópico 24 cidadania no mundo atual
 
Movimento negro
Movimento negro Movimento negro
Movimento negro
 
Movimento negro brasil
Movimento negro  brasilMovimento negro  brasil
Movimento negro brasil
 
Minorias etnicas
Minorias etnicasMinorias etnicas
Minorias etnicas
 
íNdios
íNdiosíNdios
íNdios
 
História e cultura dos povos indígenas no brasil
História e cultura dos povos indígenas no brasilHistória e cultura dos povos indígenas no brasil
História e cultura dos povos indígenas no brasil
 
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
As Irmandades Leigas nas Minas Gerais
 
Projeto de vida.docx
Projeto de vida.docxProjeto de vida.docx
Projeto de vida.docx
 
Grupo da Any 2ºC
Grupo da Any 2ºCGrupo da Any 2ºC
Grupo da Any 2ºC
 
Segunda Guerra Mundial.pptx
Segunda Guerra Mundial.pptxSegunda Guerra Mundial.pptx
Segunda Guerra Mundial.pptx
 
História.pptx
História.pptxHistória.pptx
História.pptx
 
Influências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Influências indígenas e africanas na cidade de UberlãndiaInfluências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
Influências indígenas e africanas na cidade de Uberlãndia
 
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
Diálogos do Turismo: Uma viagem de Inclusão - IGUALDADE RACIAL E TURISMO (P. ...
 
O Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdioO Choque Cultural Branco íNdio
O Choque Cultural Branco íNdio
 
Povos indigenas brasil
Povos indigenas brasilPovos indigenas brasil
Povos indigenas brasil
 
Capítulo4_Carla Osório&Leonor Araujo
Capítulo4_Carla Osório&Leonor AraujoCapítulo4_Carla Osório&Leonor Araujo
Capítulo4_Carla Osório&Leonor Araujo
 

Mais de Loredana Ruffo

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
Loredana Ruffo
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
Loredana Ruffo
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
Loredana Ruffo
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
Loredana Ruffo
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Loredana Ruffo
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
Loredana Ruffo
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
Loredana Ruffo
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
Loredana Ruffo
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
Loredana Ruffo
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
Loredana Ruffo
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
Loredana Ruffo
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
Loredana Ruffo
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
Loredana Ruffo
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
Loredana Ruffo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
Loredana Ruffo
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
Loredana Ruffo
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
Loredana Ruffo
 

Mais de Loredana Ruffo (20)

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 

Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.

  • 2. Os povos indígenas Índios Botocudos – foto de Walter Garbe, 1909.
  • 3. Os povos indígenas • Retrato de uma das tribos encontradas pelo SPI (Serviço de Proteção ao Indígenas) na década de 1910. • O contato com homem branco levou a dizimação deste grupo.
  • 4. Os povos indígenas • Contato do homem branco com os grupos indígenas (isolamento) Desaparecimento (doenças que eles contraíram). • Também devemos considerar o processo de aculturação sofrido pelos indígenas: com o passar dos anos deixaram suas crenças e cultura, para viver de acordo com o homem branco.
  • 5. Aculturação – povos indígenas • Esforços para a “civilização” do índio foram empreendidos, por exemplo, pelo Serviço de Proteção ao Índio (SPI), formado em 1910, e pelas missões cristãs, sejam católicas ou protestantes. É certo que essas instituições foram muito importantes na proteção dos índios contra o ataque de grupos que defendiam o extermínio desses povos. Entretanto, levou muito tempo até que surgisse o entendimento da importância da diversidade cultural. • A ideia de que os índios seriam extintos parte do princípio de que mudanças culturais progressivas os conduziriam à perda de identidade étnica. A esse modelo de interpretação chamamos de aculturação, que entendia ser o índio verdadeiro aquele considerado “puro”, isto é, que recebera pouca influência dos não índios. Os processos históricos de contato entre culturas levariam à formação de “caboclos”, que deixariam de ser índios.
  • 7. Aculturação dos povos indígenas • Uma grande referência para o SPI foi o marechal Cândido Rondon, que realizou viagens pelo Brasil, promovendo o contato com povos indígenas. Movido pelos ideais do Positivismo, defendia a integridade física do “silvícola”, e acreditava que a integração deveria acontecer de maneira controlada. Aos índios deveriam ser ensinados valores cívicos que os identificassem com a nacionalidade brasileira. Por isso, os agentes do SPI orgulhavam-se de apresentar imagens de índios ao lado da Bandeira Nacional. • Missionários de diferentes denominações cristãs compartilhavam de pensamentos semelhantes. Embora sua proposta fosse religiosa, defendiam também a necessidade de incorporar o índio aos valores nacionais, incluindo os modelos de trabalho, ensino e civismo ocidentais. Era, de certo modo, uma forma de anular as diferenças. • Essas perspectivas de integração precisaram ser repensadas. Mudanças teóricas e movimentos conduzidos pelos próprios índios chamaram a atenção para a necessidade de valorizar as diferenças e garantir a reafirmação da identidade indígena.
  • 8. Aculturação • Família indígena após contato com homem branco.
  • 10. Povos indígenas • O contato direto com a cultura do homem branco deixou marcas profundas nos hábitos e costumes indígenas. • Afetando diretamente a cultura, sociedade, religião e economia indígenas. • Na constituição de 1891, não percebemos uma preocupação com o indígena, já em 1910 temos a criação do SPI (Serviço de proteção ao Indígenas). Essa falta de preocupação com o indígena no território brasileiro teve um alto custo, a dizimação destas populações e perda gradual de sua identidade.
  • 11. Populações afrodescendentes • Fim da escravidão (1888): marca o início de uma nova vida para as populações afrodescendentes. • Fim da monarquia (1889): Brasil republicano, pautado por uma constituição republicana, que no princípio se pensava que traria mais benefícios para negros, no fim foi dominada por uma elite latifundiária e com resquícios de escravismo.
  • 12. Populações afrodescendentes • Nada foi fácil para os pobres e principalmente para os negros na Primeira República, o sistema desigual e excludente se manteve por muitos anos. • Os negros se organizaram e criaram redutos para discutir política e lutar por igualdade
  • 13. Populações afrodescendentes • Reunião da Frente Negra Brasileira década de 1930.
  • 14. Populações afrodescendentes • Na Primeira República os cultos africanos eram proibidos, os negros eram perseguidos e presos se fossem pegos praticando o Candomblé, capoeira e outros ritos africanos. • Capa da primeira constituição pós monarquia 1891.
  • 15. Constituição de 1891 • Algumas características da Constituição de 1891: • Tripartição dos poderes: executivo, legislativo e judiciário; • Voto aberto; • Sufrágio masculino, ou seja, voto masculino universal para maiores de 21 anos; • Não votavam analfabetos (maioria dos ex-escravizados), mulheres, mendigos e soldados; • Estado laico; • Fim da pena de morte.
  • 16. • Promulgação da Constituição de 1891. Constituição de 1891
  • 17. • A situação dos afrodescendentes no Brasil da Primeira República não era nada fácil, e os ex-escravizados, agora homens livres tiveram que lutar muito por um lugar nesta sociedade que ainda apresentava traços de escravismos e muito racista que se formava no século XX. • A constituição de 1891, trouxe desvantagens para a população afro-brasileira com limitações no seus cultos e na suas práticas culturais. Populações afrodescendentes
  • 18. • Muitos negros fugiram após a abolição do campo para as cidades e formaram as favelas, sem opção de emprego, sem acesso as escolas. Populações afrodescendentes
  • 19. • O voto aberto, os colocava em situação de risco, já que eram obrigados a votar nas elites em troca de favores no trabalho e na própria vida em sociedade. • Essa forma de votação aberta, irá levar ao chamado voto de cabresto, muito comum na Primeira República. Populações afrodescendentes
  • 20. • Desde o início da República no Brasil, as mulheres foram excluídas de qualquer direito político. • Mas isso, não significa que as mulheres não lutaram pelo seu direito a voto, participação política, direitos iguais, educação e ensino superior. • A constituição de 1891, não concedeu o voto a mulher e nem o direito de ser votada. • As mulheres brancas e negras nada possuíam de direito, o machismo imperava. As mulheres na Primeira República
  • 21. • Professora Leolinda Daltro foi uma das mulheres que lutou pelos direitos femininos, ou seja, uma das muitas feministas do século XX. As mulheres na Primeira República
  • 22. • Bertha Lutz, juntamente com Leonilda fundam o Partido Republicano Feminista, que dá início ao movimento feminista no Brasil. As mulheres na Primeira República
  • 23. • As mulheres resistiram em atividades autônomas, como domésticas, lavadeiras, vendedoras de doces e quitutes entre outros produtos, costureiras. • Mulheres pobres e sua maioria negras, que sobreviviam com precárias condições de vida, mau garantiam o necessário para sustentar seus filhos. • Com a industrialização e urbanização foram relegadas a margem da sociedade republicana e machista. As mulheres na Primeira República
  • 24. • Mesmo com todas essas adversidades as mulheres lutaram e conquistaram seu lugar na sociedade brasileira ao longo das décadas pós escravidão. As mulheres na Primeira República
  • 25. • Retrato das mulheres da elite na Primeira República. As mulheres na Primeira República
  • 26. • Percebemos que ao longo da Primeira República, os excluídos buscam a todo o momento serem incluídos: indígenas, afrodescendentes, mulheres. • Todos esses grupos buscam sua inserção social nesta nova sociedade republicana e democrática. • Mas nós sabemos, que estão longe de ver seus direitos plenos estabelecidos e principalmente reconhecidos.
  • 27. • Cabe a cada membro da sociedade contemporânea, lutar para que toda a forma de preconceito e exclusão sejam extirpados da nossa sociedade e a história nos possibilita evitarmos cometermos novamente os erros do passado. • Os indígenas devem ter seu direito a propriedade reconhecido e o Estado dar o suporte para manutenção deste direito. • Os povos afrodescendentes direitos plenos a sua cultura e o mesmo acesso a bens e serviços das classes dominantes. • As mulheres não serem mais coagidas, reprimidas e violentadas (socialmente e politicamente) pelo machismo ainda existente em nossa sociedade.
  • 28. E a luta continua todos os dias!