SlideShare uma empresa Scribd logo
MINERAÇÃO NO BRASIL
• O início da mineração no Brasil;
• Mudanças sociais e econômicas;
• Atuação da Coroa portuguesa na região
mineira;
• Revoltas ocorridas pela exploração
aurífera;
• Declínio da exploração do ouro;
• As consequências da descoberta do ouro.
Cidade de Ouro Preto, em Minas
Gerais (antiga Vila Rica). Foi a cidade
mais populosa da América Latina, no
século XVIII.
- Quais os impactos da exploração do
ouro no Brasil?
Busca pelo ouro
Após 1640 (contexto do fim da União
Ibérica, da crise açucareira com as
invasões holandesas), Portugal
mergulhou em crise econômica.
O governo português passou a incentivar
a busca de novas fontes de riqueza,
resgatando o sonho do eldorado.
Os bandeirantes tiveram papel
fundamental.
MINERAÇÃO NO BRASIL
• Crise do açúcar (“ouro branco”)devido à
concorrência com as Antilhas (de
exploração holandesa) no final do século
XVII.
MINERAÇÃO NO BRASIL
Como resolver essa crise financeira?
• Incentivo às bandeiras;
Tinham como objetivo: a captura de escravos
fugitivos, o aprisionamento de indígenas e a
busca por metais preciosos;
MINERAÇÃO NO BRASIL
• No final do século XVII e início do século
XVIII... os bandeirantes encontram metais
preciosos no Brasil!
BUSCA PELO OURO
* Por volta de 1648, primeiras descobertas de
ouro, na região de Paranaguá. Pouco
significativas.
* A partir de 1693, muitas descobertas de ouro
de aluvião, nos vales dos rios das Mortes e
Doce, na região chamada de Minas Gerais.
* Ouro de aluvião: nos depósitos de areia,
argila e cascalho que se formam nos leitos
ou margens dos rios.
A bandeira que teria descoberto ouro
em Sabará, em 1693, foi liderada pelo
paulista Antônio Rodrigues Arzão.
Depois do ouro de aluvião, passou-se a
explorar o ouro de grupiara (encravado
nas pedras das montanhas) e o ouro de
minas (perfuração das montanhas).
MINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASIL
Formas de exploração do ouro:
LAVRA
FAISCAÇÃO
MINERAÇÃO NO BRASIL
• LAVRA: grande extração em jazidas;
exigiam técnicas, ferramentas e muitos
escravos para esse trabalho.
• FAISCAÇÃO: exploração simples feita nos
leitos dos rios, com auxílio da bateia (
bacia rasa, cônica, feita de madeira ou
metal). Praticada por pequeno número
de escravos.
CORRIDA PELO OURO
* As notícias da descoberta do ouro em boa
quantidade atraíram grande número de
pessoas.
* Além da população da colônia, muitos
portugueses emigraram do reino para a colônia.
* Decreto de Portugal, de março de 1720,
restringindo a emigração para o Brasil.
* Ocupação desordenada.
* Surgimento de muitas vilas e cidades.
MINERAÇÃO NO BRASIL
Mudanças
• Intensa migração e imigração;
• Aumento na compra de escravos;
• Urbanização;
• Surgiu uma camada social entre os
escravos e os senhores: comerciantes e
profissionais liberais
MINERAÇÃO NO BRASIL
Acima, as
cidades de
Mariana e
Sabará. Ao
lado, Vila Rica.
MINERAÇÃO NO BRASIL
O caminho percorrido
pela busca do ouro,
originou estradas e
ligações importantes
para a ampliação do
território da colônia.
CAMINHO DO OURO ATÉ O
PORTO DO RIO DE JANEIRO
MINERAÇÃO NO BRASIL
• A extração dos metais preciosos como
principal atividade econômica mineira
gerou grande dependência com o
comércio externo (entre capitanias e
importação).
MINERAÇÃO NO BRASIL
Então, o comércio
entre a região
mineradora e o
restante da
capitania foi
intensificado,
promovendo uma
Integração, antes
limitada.
MINERAÇÃO NO BRASIL
Uma das comidas típicas de
Minas Gerais é o Feijão Tropeiro, você sabe
como é feito e porque tem esse nome?
Abastecimento das cidades
• Tropeiros (carregavam alimentos e
outros produtos);
MINERAÇÃO NO BRASIL
Abastecimento das cidades
• Boiadeiros (gado para o transporte do
ouro);
MINERAÇÃO NO BRASIL
• Comboieiros (transporte de escravos);
• A Coroa Portuguesa possuía uma política
rigorosa na fiscalização e exploração do
ouro. Exercendo seu controle por meio
de impostos e órgãos específicos;
• A idéia era explorar ao máximo e investir
pouco;
MINERAÇÃO NO BRASIL
Principais impostos
• Quinto*: um quinto, ou seja, 20% das
riquezas extraídas;
• Capitação: imposto sobre o número de
escravos;
• Derrama: não um imposto, mas a
cobrança através da força do Quinto
atrasado.
MINERAÇÃO NO BRASIL
*Novo valor do Quinto: posteriormente foi estabelecida a
quantidade de 1.500 quilos deouro.
Órgãos de controle:
• Intendência das Minas: fiscalizava o
controle e distribuição de terras para
exploração e cobrança dos impostos;
• Casa de fundição: para evitar
contrabando, todo o ouro encontrado
era fundido em barras, com o selo da
Coroa. Também era retirado o Quinto.
MINERAÇÃO NO BRASIL
MINERAÇÃO NO BRASIL
Antiga Intendência e Casa de
fundição (Museu do
Ouro), Sabará.
Casa de fundição de Ouro Preto
(MG)
Para não pagar os impostos, uma alternativa
era o contrabando...
• Você já deve ter ouvido falar..
Mas sabe o que significa
“Santo do Pau Oco”?
MINERAÇÃO NO BRASIL
• Provavelmente você já ouviu falar que se
refere a uma pessoa falsa, que não
parece ser o que aparenta..
Mas sabe o seu significado histórico?
MINERAÇÃO NO BRASIL
Pois bem! Uma das maneiras de transportar o
ouro sem passar pelo selo da Coroa na época, era
utilizando imagens de santos ocos.
MINERAÇÃO NO BRASIL
• Após a descoberta das minas no sudeste e centro-
oeste da colônia, a capital transferiu-se de Salvador
para o Rio de Janeiro, essa medida foi para aumentar o
controle administrativo.
• O ouro era transportado através de cavalos e escravos
até o porto da nova capital.
MINERAÇÃO NO BRASIL
Revoltas ocorridas em decorrência da
exploração aurífera e das medidas da
Coroa portuguesa:
• Guerra dos Emboabas – 1708/09
• Revolta de Vila Rica – 1710
• Inconfidência Mineira - 1789
MINERAÇÃO NO BRASIL
Guerra dos Emboabas
MINERAÇÃO NO BRASIL
A Guerra dos
Emboabas foi a
insatisfação dos
paulistas,
que encontraram as
jazidas e acreditavam
ter o
monopólio da
extração, com as
pessoas vindas de
outros
lugares.
Resultados: Portugal interferiu e as consequências foram a criação da
capitania de Minas Gerais e a saída dos paulistas para Goiás
e Mato Grosso, onde também encontraram ouro.
Revolta de Vila Rica
MINERAÇÃO NO BRASIL
A Revolta de Vila Rica,
foi a reação contra a
criação
das Casas de
Fundição, liderados
por Felipe dos
Santos.
Resultados: o movimento foi sufocado pelas tropas reais e seu
líder condenado, executado e esquartejado.
• A exploração contínua levou o ouro a entrar
em crise e ficou difícil pagar as tributações
da Coroa, o risco de sofrer a derrama era
constante.
• Além dessas questões, a proibição de
manufaturas e a crescente dívida com
Portugal motivaram a elite e pensadores a
organizarem o movimento contra essa
política e a favor da independência, a
Inconfidência Mineira.
MINERAÇÃO NO BRASIL
Inconfidência Mineira
MINERAÇÃO NO BRASIL
A insatisfação dos
mineiros com a
exploração da
metrópole fez brotar o
sentimento de
liberdade e
independência.
MINERAÇÃO NO BRASIL
Inconfidência Mineira
O movimento foi realizado por
elementos da elite intelectual e
econômica de Vila Rica, movidos
pelas idéias de liberdade e
autonomia.
Resultados: o movimento foi reprimido violentamente, sendo
os principais líderes presos e degredados, enquanto Tiradentes foi
enforcado para servir de exemplo.
Consequências da mineração no Brasil
• Expansão territorial;
• Crescimento populacional;
• Desenvolvimento do comércio interno;
• Transferência do pólo econômico e social
para o interior;
• Transferência da capital para o Rio de
Janeiro, em 1763;
• Surgimento de cidades;
• Criação da capitania de Minas Gerais.
MINERAÇÃO NO BRASIL
DISTRITO DIAMANTINO
* A partir de 1729 foram encontradas jazidas de
diamantes no Arraial do Tijuco, atual
Diamantina.
* Em 1734 a área foi demarcada e declarada
propriedade real. Os mineradores foram
expulsos.
* A exploração foi entregue a contratadores
(particulares que possuíssem escravos), que
deveriam extrair os diamantes e entregar parte
ao governo.
* A entrada e saída de pessoas era rigidamente
controlada.
SOCIEDADE MINERADORA
* Sociedade urbana, com pessoas de
diferentes situações econômicas. Ao
contrário da sociedade açucareira do
Nordeste (que era rural dominada
pelos senhores de engenho).
* Mineradores, comerciantes, quituteiras,
ferreiros, carpinteiros, pedreiros, padres,
militares, funcionários da Coroa, pequenos
agricultores
e escravos, entre outros.
SOCIEDADE MINERADORA
* Ascensão social era possível.
* Exigia menor quantidade de
equipamentos, instalações e mão de obra.
* Maior número de pessoas que “tentavam
a sorte”.
*Grande concentração de riqueza.
*O que predominava era a pobreza e não
a riqueza.
ESTRADA REAL
* Caminho Velho: primeira estrada
oficial, ligando Vila Rica (atual Ouro
Preto) a Paraty. 710 km, dos quais 320
de subidas e descidas. A viagem durava
até 60 dias.
* Caminho Novo: a partir de 1725, para
facilitar a comunicação e transporte com
as Minas. 515 km.
*Registros: postos de fiscalização e de
cobrança de taxas sobre os produtos
vendidos na região.
COMÉRCIO NAS ÁREAS DE MINERAÇÃO
* Nas primeiras décadas, faltavam
produtos básicos para a sobrevivência da
população.
*Com o tempo, os tropeiros passaram a
levar os mais variados produtos.
*A procura era maior que a oferta dos
produtos e os preços eram mais
elevados que em
outras partes da colônia.
* Do sul: gado, principalmente. Depois
charque.
* Do nordeste: alimentos, açúcar, couro,
jegues, tabaco, aguardente e escravos.
*Do Rio de Janeiro: escravos, armas,
tecidos e produtos de origem europeia.
*De São Paulo: aguardente, rapadura e
outros alimentos.
COMÉRCIO NAS ÁREAS DE MINERAÇÃO
COMÉRCIO
NAS ÁREAS
DE
MINERAÇÃO
No período açucareiro, havia pouca
integração entre as capitanias.
RIO DE JANEIRO, CAPITAL DA COLÔNIA
* Salvador era a capital da colônia.
* A exploração de ouro e diamantes
mudou o cenário. Os caminhos para as
Minas passavam pelo Rio de Janeiro.
* Era no porto do Rio de Janeiro que
se faziam as relações comerciais e o
envio do ouro.
* 27 de junho de 1763: Rio de Janeiro,
capital da colônia.
METRÓPOLE E O OURO
* Tratado de Methuen, 1703 (tratado
dos panos e vinhos). Tecidos ingleses
eram vendidos sem imposto em *
Portugal e o contrário com os vinhos
portugueses na Inglaterra.
Portugal precisava mais de tecidos
que a Inglaterra dos vinhos.
* Aumento da dívida portuguesa com
a Inglaterra.
METRÓPOLE E O OURO
* Boa parte do ouro saído da colônia ia
para comerciantes ingleses.
* Reinado de D. João V (1706-1750),
conhecido pelas extravagâncias.
* Convento de Mafra, bibliotecas e
palácios.
* D. João V terminou seu governo com
Portugal atolado em dívidas. Não houve
desenvolvimento industrial.
ARTES EM MINAS
* A música fazia parte do dia a dia das cidades
mineiras. Além da música sacra, havia música
de baile, concerto e ópera. No final do século
XVIII havia mais de mil músicos ativos na
região mineradora.
* Literatura: muito ligada ao Arcadismo,
caracterizado pelo culto à natureza, virtudes
humanas e à sabedoria.
*Nomes como: Cláudio Manuel da Costa e
Tomás Antônio Gonzaga.
Detalhe da fachada e do
teto da Igreja de São
Francisco de Assis, em Ouro
Preto/MG. Escultura de
Aleijadinho e pintura de
Mestre Ataíde.
ARTES NAS MINAS
* A música fazia parte do dia a dia das cidades
mineiras. Além da música sacra, havia música
de baile, concerto e ópera. No final do século
XVIII havia mais de mil músicos ativos na região
mineradora.
* Literatura: muito ligada ao Arcadismo,
caracterizado pelo culto à natureza, virtudes
humanas e à sabedoria.
*Nomes como: Cláudio Manuel da Costa e
Tomás Antônio Gonzaga.
Tropeiro, ComboieiroBoiadeiroDescoberta
de ouro
Política
Economia
Sociedade
Migraçãoe
imigração
Escravos
Aumentodemográfico Urbanização
Comércio
Profissionaisliberais
interna
Externa
Exploração demetais
Importação
Comércio
Fiscalizaçãorigorosa
Impostos
Órgãos
Quinto
Capitação
Novo valor do Quinto
Derrama
Intendência das Minas
Casa de Fundição
MINERAÇÃO NO BRASIL
ESQUEMA FINAL
MINERAÇÃO NO BRASIL
Agora, convidamos você a fazer uma
pequena reflexão sobre essa ambição
desmedida de alguns homens, em especial
por ouro e dinheiro, que costuma se
justificar pelo ganho fácil e rápido...
Tantos sofrimentos...
...tantas mortes...
...tantas confusões...
Vale a pena?
MINERAÇÃO NO BRASIL
• Lembrem da moral da “História da galinha
dos ovos de ouro”...
MINERAÇÃO NO BRASIL
“Quem tudo quer, tudo perde” (Esopo)
Bibliografia:
APOLINÁRIO, Maria Raquel. Projeto Araribá: história.
(8º ano). 2 ed. São Paulo: Moderna, 2007
www.historianet.com
www.sohistoria.com
http://www.historiadobrasil.net
http://www.google.com.br/imghp?hl=pt-BR&tab=wi
http://www.slideshare.net/lucisantana/minerao-no-
brasil
http://www.youtube.com/
http://letras.mus.br/
MINERAÇÃO NO BRASIL
ADAPTAÇÃO DOS SLIDES DE: Profaº. Andressa
Fontenele e Profº Marcelo Marques
OBRIGADO PELA SUA ATENÇÃO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
Edenilson Morais
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
Rodrigo Luiz
 
A Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do BrasilA Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do Brasil
Alex Ferreira dos Santos
 
Governo Collor
Governo Collor Governo Collor
Governo Collor
Valéria Shoujofan
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
Elaine Bogo Pavani
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
José Augusto Fiorin
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
Joao Victor Soares Gusmão
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
Isaquel Silva
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
Edenilson Morais
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
Laércio Góes
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
Evanilde Chuva
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
Edenilson Morais
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
eiprofessor
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
Fatima Freitas
 
Aula 09 republica populista 1
Aula 09  republica populista 1Aula 09  republica populista 1
Aula 09 republica populista 1
Fabiana Tonsis
 
Brasil Contemporâneo - Prof. Medeiros
Brasil Contemporâneo - Prof. MedeirosBrasil Contemporâneo - Prof. Medeiros
Brasil Contemporâneo - Prof. Medeiros
João Medeiros
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
Daniel Alves Bronstrup
 
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASILBRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
Diego Bian Filo Moreira
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
Edenilson Morais
 

Mais procurados (20)

Revoltas na República Velha
Revoltas na República VelhaRevoltas na República Velha
Revoltas na República Velha
 
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulãoA Era Vargas (1930 1945)-aulão
A Era Vargas (1930 1945)-aulão
 
A Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do BrasilA Redemocratização do Brasil
A Redemocratização do Brasil
 
Governo Collor
Governo Collor Governo Collor
Governo Collor
 
Nova República
Nova RepúblicaNova República
Nova República
 
8 2º reinado
8  2º reinado8  2º reinado
8 2º reinado
 
Ditadura Militar
Ditadura MilitarDitadura Militar
Ditadura Militar
 
A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)A República Velha (1889-1930)
A República Velha (1889-1930)
 
Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)Ditadura Militar (1964-1985)
Ditadura Militar (1964-1985)
 
Revolução de 1930
Revolução de 1930Revolução de 1930
Revolução de 1930
 
Primeira república
Primeira repúblicaPrimeira república
Primeira república
 
Revoltas Coloniais
Revoltas ColoniaisRevoltas Coloniais
Revoltas Coloniais
 
Governos Populistas
Governos PopulistasGovernos Populistas
Governos Populistas
 
A ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasilA ditadura militar no brasil
A ditadura militar no brasil
 
Aula 09 republica populista 1
Aula 09  republica populista 1Aula 09  republica populista 1
Aula 09 republica populista 1
 
Brasil Contemporâneo - Prof. Medeiros
Brasil Contemporâneo - Prof. MedeirosBrasil Contemporâneo - Prof. Medeiros
Brasil Contemporâneo - Prof. Medeiros
 
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
3º ano - Ditadura Militar e Redemocratização
 
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASILBRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
BRASIL 07- DITADURA MILITAR NO BRASIL
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Crise do sistema colonial
Crise do sistema colonialCrise do sistema colonial
Crise do sistema colonial
 

Semelhante a Mineracao no brasil

Mineração 8º ano
Mineração 8º anoMineração 8º ano
Mineração 8º ano
Cristine Becker
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
Andressa Fontenele
 
Brasil na época do Ouro
Brasil na época do OuroBrasil na época do Ouro
Brasil na época do Ouro
JESSICAFRONTELLIRIBE
 
Mineração no Brasil Colonial..ppt
Mineração no Brasil Colonial..pptMineração no Brasil Colonial..ppt
Mineração no Brasil Colonial..ppt
JosWilliam14
 
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
DenisBrito16
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
Lucas Reis
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
Lúcia Santana
 
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradoraO controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
jessica Nogueira
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
Marcelo Ferreira Boia
 
Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2
Eliphas Rodrigues
 
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
marlete andrade
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
LeandroDiniz36
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
Alinnie Moreira
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIII
Gabriel da Silva
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
Stephani Coelho
 
Mineração
MineraçãoMineração
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
Lara Lídia
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
Pérysson Nogueira
 
Sociedade mineradora
Sociedade mineradoraSociedade mineradora
Sociedade mineradora
Carlos Zaranza
 
Ouro em minas gerais
Ouro em minas geraisOuro em minas gerais
Ouro em minas gerais
Marcia Dias da Silva
 

Semelhante a Mineracao no brasil (20)

Mineração 8º ano
Mineração 8º anoMineração 8º ano
Mineração 8º ano
 
A época do ouro no brasil
A época do ouro no brasilA época do ouro no brasil
A época do ouro no brasil
 
Brasil na época do Ouro
Brasil na época do OuroBrasil na época do Ouro
Brasil na época do Ouro
 
Mineração no Brasil Colonial..ppt
Mineração no Brasil Colonial..pptMineração no Brasil Colonial..ppt
Mineração no Brasil Colonial..ppt
 
ciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdfciculo do ouro.pdf
ciculo do ouro.pdf
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Mineração no brasil
Mineração no brasilMineração no brasil
Mineração no brasil
 
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradoraO controle sobre ouro- Sociedade mineradora
O controle sobre ouro- Sociedade mineradora
 
Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)Sistema colonial portugues (mineração)
Sistema colonial portugues (mineração)
 
Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2Sistema e economia colonial parte 2
Sistema e economia colonial parte 2
 
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
Amineraonobrasilcolonial 140308144938-phpapp02
 
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil ColonialCiclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
Ciclo do Ouro - A mineração no Brasil Colonial
 
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino FundamentalA Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
A Mineração no Brasil Colonial - Ensino Fundamental
 
Goiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIIIGoiás para concursos: século XVIII
Goiás para concursos: século XVIII
 
A exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasilA exploração do ouro no brasil
A exploração do ouro no brasil
 
Mineração
MineraçãoMineração
Mineração
 
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
A mineração no período colonial e as atividades subsidiárias.
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 
Sociedade mineradora
Sociedade mineradoraSociedade mineradora
Sociedade mineradora
 
Ouro em minas gerais
Ouro em minas geraisOuro em minas gerais
Ouro em minas gerais
 

Mais de Loredana Ruffo

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
Loredana Ruffo
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Loredana Ruffo
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
Loredana Ruffo
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
Loredana Ruffo
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Loredana Ruffo
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
Loredana Ruffo
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
Loredana Ruffo
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
Loredana Ruffo
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
Loredana Ruffo
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
Loredana Ruffo
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
Loredana Ruffo
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
Loredana Ruffo
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
Loredana Ruffo
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
Loredana Ruffo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
Loredana Ruffo
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
Loredana Ruffo
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
Loredana Ruffo
 

Mais de Loredana Ruffo (20)

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 

Mineracao no brasil

  • 1.
  • 2. MINERAÇÃO NO BRASIL • O início da mineração no Brasil; • Mudanças sociais e econômicas; • Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; • Revoltas ocorridas pela exploração aurífera; • Declínio da exploração do ouro; • As consequências da descoberta do ouro.
  • 3. Cidade de Ouro Preto, em Minas Gerais (antiga Vila Rica). Foi a cidade mais populosa da América Latina, no século XVIII. - Quais os impactos da exploração do ouro no Brasil?
  • 4.
  • 5. Busca pelo ouro Após 1640 (contexto do fim da União Ibérica, da crise açucareira com as invasões holandesas), Portugal mergulhou em crise econômica. O governo português passou a incentivar a busca de novas fontes de riqueza, resgatando o sonho do eldorado. Os bandeirantes tiveram papel fundamental.
  • 6. MINERAÇÃO NO BRASIL • Crise do açúcar (“ouro branco”)devido à concorrência com as Antilhas (de exploração holandesa) no final do século XVII.
  • 7. MINERAÇÃO NO BRASIL Como resolver essa crise financeira? • Incentivo às bandeiras; Tinham como objetivo: a captura de escravos fugitivos, o aprisionamento de indígenas e a busca por metais preciosos;
  • 8. MINERAÇÃO NO BRASIL • No final do século XVII e início do século XVIII... os bandeirantes encontram metais preciosos no Brasil!
  • 9. BUSCA PELO OURO * Por volta de 1648, primeiras descobertas de ouro, na região de Paranaguá. Pouco significativas. * A partir de 1693, muitas descobertas de ouro de aluvião, nos vales dos rios das Mortes e Doce, na região chamada de Minas Gerais. * Ouro de aluvião: nos depósitos de areia, argila e cascalho que se formam nos leitos ou margens dos rios.
  • 10. A bandeira que teria descoberto ouro em Sabará, em 1693, foi liderada pelo paulista Antônio Rodrigues Arzão.
  • 11. Depois do ouro de aluvião, passou-se a explorar o ouro de grupiara (encravado nas pedras das montanhas) e o ouro de minas (perfuração das montanhas).
  • 13. MINERAÇÃO NO BRASIL Formas de exploração do ouro: LAVRA FAISCAÇÃO
  • 14. MINERAÇÃO NO BRASIL • LAVRA: grande extração em jazidas; exigiam técnicas, ferramentas e muitos escravos para esse trabalho. • FAISCAÇÃO: exploração simples feita nos leitos dos rios, com auxílio da bateia ( bacia rasa, cônica, feita de madeira ou metal). Praticada por pequeno número de escravos.
  • 15. CORRIDA PELO OURO * As notícias da descoberta do ouro em boa quantidade atraíram grande número de pessoas. * Além da população da colônia, muitos portugueses emigraram do reino para a colônia. * Decreto de Portugal, de março de 1720, restringindo a emigração para o Brasil. * Ocupação desordenada. * Surgimento de muitas vilas e cidades.
  • 16. MINERAÇÃO NO BRASIL Mudanças • Intensa migração e imigração; • Aumento na compra de escravos; • Urbanização; • Surgiu uma camada social entre os escravos e os senhores: comerciantes e profissionais liberais
  • 17. MINERAÇÃO NO BRASIL Acima, as cidades de Mariana e Sabará. Ao lado, Vila Rica.
  • 18. MINERAÇÃO NO BRASIL O caminho percorrido pela busca do ouro, originou estradas e ligações importantes para a ampliação do território da colônia. CAMINHO DO OURO ATÉ O PORTO DO RIO DE JANEIRO
  • 19. MINERAÇÃO NO BRASIL • A extração dos metais preciosos como principal atividade econômica mineira gerou grande dependência com o comércio externo (entre capitanias e importação).
  • 20. MINERAÇÃO NO BRASIL Então, o comércio entre a região mineradora e o restante da capitania foi intensificado, promovendo uma Integração, antes limitada.
  • 21. MINERAÇÃO NO BRASIL Uma das comidas típicas de Minas Gerais é o Feijão Tropeiro, você sabe como é feito e porque tem esse nome?
  • 22. Abastecimento das cidades • Tropeiros (carregavam alimentos e outros produtos); MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 23. Abastecimento das cidades • Boiadeiros (gado para o transporte do ouro); MINERAÇÃO NO BRASIL • Comboieiros (transporte de escravos);
  • 24. • A Coroa Portuguesa possuía uma política rigorosa na fiscalização e exploração do ouro. Exercendo seu controle por meio de impostos e órgãos específicos; • A idéia era explorar ao máximo e investir pouco; MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 25. Principais impostos • Quinto*: um quinto, ou seja, 20% das riquezas extraídas; • Capitação: imposto sobre o número de escravos; • Derrama: não um imposto, mas a cobrança através da força do Quinto atrasado. MINERAÇÃO NO BRASIL *Novo valor do Quinto: posteriormente foi estabelecida a quantidade de 1.500 quilos deouro.
  • 26. Órgãos de controle: • Intendência das Minas: fiscalizava o controle e distribuição de terras para exploração e cobrança dos impostos; • Casa de fundição: para evitar contrabando, todo o ouro encontrado era fundido em barras, com o selo da Coroa. Também era retirado o Quinto. MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 27. MINERAÇÃO NO BRASIL Antiga Intendência e Casa de fundição (Museu do Ouro), Sabará. Casa de fundição de Ouro Preto (MG)
  • 28.
  • 29. Para não pagar os impostos, uma alternativa era o contrabando... • Você já deve ter ouvido falar.. Mas sabe o que significa “Santo do Pau Oco”? MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 30. • Provavelmente você já ouviu falar que se refere a uma pessoa falsa, que não parece ser o que aparenta.. Mas sabe o seu significado histórico? MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 31. Pois bem! Uma das maneiras de transportar o ouro sem passar pelo selo da Coroa na época, era utilizando imagens de santos ocos. MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 32. • Após a descoberta das minas no sudeste e centro- oeste da colônia, a capital transferiu-se de Salvador para o Rio de Janeiro, essa medida foi para aumentar o controle administrativo. • O ouro era transportado através de cavalos e escravos até o porto da nova capital. MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 33. Revoltas ocorridas em decorrência da exploração aurífera e das medidas da Coroa portuguesa: • Guerra dos Emboabas – 1708/09 • Revolta de Vila Rica – 1710 • Inconfidência Mineira - 1789 MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 34. Guerra dos Emboabas MINERAÇÃO NO BRASIL A Guerra dos Emboabas foi a insatisfação dos paulistas, que encontraram as jazidas e acreditavam ter o monopólio da extração, com as pessoas vindas de outros lugares. Resultados: Portugal interferiu e as consequências foram a criação da capitania de Minas Gerais e a saída dos paulistas para Goiás e Mato Grosso, onde também encontraram ouro.
  • 35. Revolta de Vila Rica MINERAÇÃO NO BRASIL A Revolta de Vila Rica, foi a reação contra a criação das Casas de Fundição, liderados por Felipe dos Santos. Resultados: o movimento foi sufocado pelas tropas reais e seu líder condenado, executado e esquartejado.
  • 36. • A exploração contínua levou o ouro a entrar em crise e ficou difícil pagar as tributações da Coroa, o risco de sofrer a derrama era constante. • Além dessas questões, a proibição de manufaturas e a crescente dívida com Portugal motivaram a elite e pensadores a organizarem o movimento contra essa política e a favor da independência, a Inconfidência Mineira. MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 37. Inconfidência Mineira MINERAÇÃO NO BRASIL A insatisfação dos mineiros com a exploração da metrópole fez brotar o sentimento de liberdade e independência.
  • 38. MINERAÇÃO NO BRASIL Inconfidência Mineira O movimento foi realizado por elementos da elite intelectual e econômica de Vila Rica, movidos pelas idéias de liberdade e autonomia. Resultados: o movimento foi reprimido violentamente, sendo os principais líderes presos e degredados, enquanto Tiradentes foi enforcado para servir de exemplo.
  • 39. Consequências da mineração no Brasil • Expansão territorial; • Crescimento populacional; • Desenvolvimento do comércio interno; • Transferência do pólo econômico e social para o interior; • Transferência da capital para o Rio de Janeiro, em 1763; • Surgimento de cidades; • Criação da capitania de Minas Gerais. MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 40. DISTRITO DIAMANTINO * A partir de 1729 foram encontradas jazidas de diamantes no Arraial do Tijuco, atual Diamantina. * Em 1734 a área foi demarcada e declarada propriedade real. Os mineradores foram expulsos. * A exploração foi entregue a contratadores (particulares que possuíssem escravos), que deveriam extrair os diamantes e entregar parte ao governo. * A entrada e saída de pessoas era rigidamente controlada.
  • 41.
  • 42. SOCIEDADE MINERADORA * Sociedade urbana, com pessoas de diferentes situações econômicas. Ao contrário da sociedade açucareira do Nordeste (que era rural dominada pelos senhores de engenho). * Mineradores, comerciantes, quituteiras, ferreiros, carpinteiros, pedreiros, padres, militares, funcionários da Coroa, pequenos agricultores e escravos, entre outros.
  • 43.
  • 44. SOCIEDADE MINERADORA * Ascensão social era possível. * Exigia menor quantidade de equipamentos, instalações e mão de obra. * Maior número de pessoas que “tentavam a sorte”. *Grande concentração de riqueza. *O que predominava era a pobreza e não a riqueza.
  • 45. ESTRADA REAL * Caminho Velho: primeira estrada oficial, ligando Vila Rica (atual Ouro Preto) a Paraty. 710 km, dos quais 320 de subidas e descidas. A viagem durava até 60 dias. * Caminho Novo: a partir de 1725, para facilitar a comunicação e transporte com as Minas. 515 km. *Registros: postos de fiscalização e de cobrança de taxas sobre os produtos vendidos na região.
  • 46.
  • 47. COMÉRCIO NAS ÁREAS DE MINERAÇÃO * Nas primeiras décadas, faltavam produtos básicos para a sobrevivência da população. *Com o tempo, os tropeiros passaram a levar os mais variados produtos. *A procura era maior que a oferta dos produtos e os preços eram mais elevados que em outras partes da colônia.
  • 48. * Do sul: gado, principalmente. Depois charque. * Do nordeste: alimentos, açúcar, couro, jegues, tabaco, aguardente e escravos. *Do Rio de Janeiro: escravos, armas, tecidos e produtos de origem europeia. *De São Paulo: aguardente, rapadura e outros alimentos. COMÉRCIO NAS ÁREAS DE MINERAÇÃO
  • 49. COMÉRCIO NAS ÁREAS DE MINERAÇÃO No período açucareiro, havia pouca integração entre as capitanias.
  • 50. RIO DE JANEIRO, CAPITAL DA COLÔNIA * Salvador era a capital da colônia. * A exploração de ouro e diamantes mudou o cenário. Os caminhos para as Minas passavam pelo Rio de Janeiro. * Era no porto do Rio de Janeiro que se faziam as relações comerciais e o envio do ouro. * 27 de junho de 1763: Rio de Janeiro, capital da colônia.
  • 51. METRÓPOLE E O OURO * Tratado de Methuen, 1703 (tratado dos panos e vinhos). Tecidos ingleses eram vendidos sem imposto em * Portugal e o contrário com os vinhos portugueses na Inglaterra. Portugal precisava mais de tecidos que a Inglaterra dos vinhos. * Aumento da dívida portuguesa com a Inglaterra.
  • 52. METRÓPOLE E O OURO * Boa parte do ouro saído da colônia ia para comerciantes ingleses. * Reinado de D. João V (1706-1750), conhecido pelas extravagâncias. * Convento de Mafra, bibliotecas e palácios. * D. João V terminou seu governo com Portugal atolado em dívidas. Não houve desenvolvimento industrial.
  • 53. ARTES EM MINAS * A música fazia parte do dia a dia das cidades mineiras. Além da música sacra, havia música de baile, concerto e ópera. No final do século XVIII havia mais de mil músicos ativos na região mineradora. * Literatura: muito ligada ao Arcadismo, caracterizado pelo culto à natureza, virtudes humanas e à sabedoria. *Nomes como: Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga.
  • 54. Detalhe da fachada e do teto da Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto/MG. Escultura de Aleijadinho e pintura de Mestre Ataíde.
  • 55. ARTES NAS MINAS * A música fazia parte do dia a dia das cidades mineiras. Além da música sacra, havia música de baile, concerto e ópera. No final do século XVIII havia mais de mil músicos ativos na região mineradora. * Literatura: muito ligada ao Arcadismo, caracterizado pelo culto à natureza, virtudes humanas e à sabedoria. *Nomes como: Cláudio Manuel da Costa e Tomás Antônio Gonzaga.
  • 56. Tropeiro, ComboieiroBoiadeiroDescoberta de ouro Política Economia Sociedade Migraçãoe imigração Escravos Aumentodemográfico Urbanização Comércio Profissionaisliberais interna Externa Exploração demetais Importação Comércio Fiscalizaçãorigorosa Impostos Órgãos Quinto Capitação Novo valor do Quinto Derrama Intendência das Minas Casa de Fundição MINERAÇÃO NO BRASIL ESQUEMA FINAL
  • 57. MINERAÇÃO NO BRASIL Agora, convidamos você a fazer uma pequena reflexão sobre essa ambição desmedida de alguns homens, em especial por ouro e dinheiro, que costuma se justificar pelo ganho fácil e rápido...
  • 58. Tantos sofrimentos... ...tantas mortes... ...tantas confusões... Vale a pena? MINERAÇÃO NO BRASIL
  • 59. • Lembrem da moral da “História da galinha dos ovos de ouro”... MINERAÇÃO NO BRASIL “Quem tudo quer, tudo perde” (Esopo)
  • 60. Bibliografia: APOLINÁRIO, Maria Raquel. Projeto Araribá: história. (8º ano). 2 ed. São Paulo: Moderna, 2007 www.historianet.com www.sohistoria.com http://www.historiadobrasil.net http://www.google.com.br/imghp?hl=pt-BR&tab=wi http://www.slideshare.net/lucisantana/minerao-no- brasil http://www.youtube.com/ http://letras.mus.br/ MINERAÇÃO NO BRASIL ADAPTAÇÃO DOS SLIDES DE: Profaº. Andressa Fontenele e Profº Marcelo Marques
  • 61. OBRIGADO PELA SUA ATENÇÃO!