SlideShare uma empresa Scribd logo
Escravidão no Brasil
Imagem da África (senso comum)Imagem da África (senso comum)
 O que lhe vem a mente quando se fala deO que lhe vem a mente quando se fala de
África?África?
Visão: pobreza, miséria, escravidão,Visão: pobreza, miséria, escravidão,
paisagens exóticas(savanas, selvas,paisagens exóticas(savanas, selvas,
elefantes,girafas) etc.elefantes,girafas) etc.
 Bloco Homogêneo (uma só língua, etnia,Bloco Homogêneo (uma só língua, etnia,
religião, cultura).religião, cultura).
Breve História da ÁfricaBreve História da África
 Não era divida em países e sim em povosNão era divida em países e sim em povos
e reinos: Berberes, Bantu, Kongo, Mali ee reinos: Berberes, Bantu, Kongo, Mali e
Songai, Angola, Gana, dentre váriosSongai, Angola, Gana, dentre vários
outros. Inúmeras línguas e dialetos,outros. Inúmeras línguas e dialetos,
diferentes cultura, manifestaçõesdiferentes cultura, manifestações
artísticas, religiões, modos de vida destesartísticas, religiões, modos de vida destes
povos.povos.
História da ÁfricaHistória da África
 Chegada dos Portugueses à África:Chegada dos Portugueses à África:
exploração da terra e do povo-exploração da terra e do povo-
escravidão.escravidão.
 Africanos vendiam escravos aosAfricanos vendiam escravos aos
Portugueses, ou eram capturados pelosPortugueses, ou eram capturados pelos
mesmos. Levados às colôniasmesmos. Levados às colônias
portuguesas como escravos/mão de obra.portuguesas como escravos/mão de obra.
Escravidão na ÁfricaEscravidão na África
 Já havia escravidão na África antes daJá havia escravidão na África antes da
chegada dos europeus!!!chegada dos europeus!!!
 Motivos para ser escravizado: guerra,Motivos para ser escravizado: guerra,
pagamento de dívida, troca por comida,pagamento de dívida, troca por comida,
punição(roubo,crime,etc.), penhora, etc.punição(roubo,crime,etc.), penhora, etc.
Comércio de EscravosComércio de Escravos
 Exibidos em feiras,Exibidos em feiras,
vendidos comovendidos como
mercadoria, força demercadoria, força de
trabalho.trabalho.
Captura dos escravosCaptura dos escravos
De quais localidades vinham osDe quais localidades vinham os
escravos africanosescravos africanos
Diferentes EtniasDiferentes Etnias
 África não é país e simÁfrica não é país e sim
continente, portanto é compostacontinente, portanto é composta
por diversos povos, cada qualpor diversos povos, cada qual
com seu idioma, cultura,com seu idioma, cultura,
costumes, religião e diferençascostumes, religião e diferenças
étnicas.étnicas.
Tráfico NegreiroTráfico Negreiro
 Péssimas condições de higiene, superlotação,Péssimas condições de higiene, superlotação,
fome, doenças, mortes a bordo.fome, doenças, mortes a bordo.
Escravidão oficial no Brasil (1570-Escravidão oficial no Brasil (1570-
1888)1888)
Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil
 Trazidos para trabalhar em lavouras,Trazidos para trabalhar em lavouras,
engenhos, mineração, Casa Grandeengenhos, mineração, Casa Grande
(escravo doméstico), e trabalhos(escravo doméstico), e trabalhos
urbanos: barbeiro, doceiras,urbanos: barbeiro, doceiras,
vendedores ambulantes, etc.vendedores ambulantes, etc.
Exploração da Cana de AçucarExploração da Cana de Açucar
Trabalho escravo: cana de açucarTrabalho escravo: cana de açucar
Escravos de Ganho: urbanosEscravos de Ganho: urbanos
Trabalho Escravo: MineraçãoTrabalho Escravo: Mineração
Escravidão domésticaEscravidão doméstica
ExploraçãoExploração
Tratamento ao EscravoTratamento ao Escravo
 Tratados como mercadorias, animais,Tratados como mercadorias, animais,
mão-de-obra, “ESCRAVO NÃO ERAmão-de-obra, “ESCRAVO NÃO ERA
CONSIDERADO COMO HUMANO”!CONSIDERADO COMO HUMANO”!
 Maus tratos, castigos, morte, caça (seMaus tratos, castigos, morte, caça (se
fugisse igual a um animal), vendidos,fugisse igual a um animal), vendidos,
trocados e alugados.trocados e alugados.
Maus TratosMaus Tratos
Escravidão no Brasil
Pelourinho: exemplo para osPelourinho: exemplo para os
demaisdemais
TorturaTortura
Imposição culturalImposição cultural
 Escravos africanos no Brasil tiveram seusEscravos africanos no Brasil tiveram seus
nomes trocados, por nomes cristãos (ex.nomes trocados, por nomes cristãos (ex.
José, Maria)José, Maria)
 Imposição religiosa, só poderiam seguir aImposição religiosa, só poderiam seguir a
fé católica, foram catequizados, batizados.fé católica, foram catequizados, batizados.
 Imposição cultural: seguir a culturaImposição cultural: seguir a cultura
europeiaeuropeia
 Imposição linguística: só poderiam falar oImposição linguística: só poderiam falar o
português.português.
Cultura na SenzalaCultura na Senzala
 Mesmo assim mantiveram (mesmo que àsMesmo assim mantiveram (mesmo que às
escondidas) seus costumes,cultura,arte e rituaisescondidas) seus costumes,cultura,arte e rituais
religiosos.religiosos.
 Fusão cultural/ hibridismo da cultura africanaFusão cultural/ hibridismo da cultura africana
com a dos portugueses e indígenascom a dos portugueses e indígenas
 Influência da língua, religião, costumes, cultura,Influência da língua, religião, costumes, cultura,
música, dança, culinária, dentre outros namúsica, dança, culinária, dentre outros na
cultura brasileira.cultura brasileira.
Cultura Afro-BrasileiraCultura Afro-Brasileira
A influência exercida peloA influência exercida pelo
africanos nas culturasafricanos nas culturas
existentes no Brasil.existentes no Brasil.
Religião: Candomblé e UmbandaReligião: Candomblé e Umbanda
Orixás= Deuses= SantosOrixás= Deuses= Santos
 Sincretismo Religioso: união de elementos deSincretismo Religioso: união de elementos de
uma religião a outra.uma religião a outra.
 Iemanjá: Nossa Senhora da conceiçãoIemanjá: Nossa Senhora da conceição
 Ogum: São JorgeOgum: São Jorge
 Oxalá: JesusOxalá: Jesus
 Oxum: nossa Senhora da AparecidaOxum: nossa Senhora da Aparecida
 Exu: demônio (preconceito cristão devido àsExu: demônio (preconceito cristão devido às
características do orixá,vingativo, sensual...)características do orixá,vingativo, sensual...)
CapoeiraCapoeira
CapoeiraCapoeira
 Capoeira é uma arte marcial desenvolvidaCapoeira é uma arte marcial desenvolvida
inicialmente por escravos negros noinicialmente por escravos negros no
Brasil, a partir do período colonial.Brasil, a partir do período colonial.
 Inicialmente criado para proteção eInicialmente criado para proteção e
defesa própriadefesa própria
 Durante muitos anos foi proibida, e hoje éDurante muitos anos foi proibida, e hoje é
uma expressão artística.uma expressão artística.
Música e Dança Afro-BrasileiraMúsica e Dança Afro-Brasileira
SambaSamba
AxéAxé
 A palavra "A palavra "axéaxé" é uma saudação religiosa usada no" é uma saudação religiosa usada no
candomblécandomblé e nae na umbandaumbanda, que significa energia positiva., que significa energia positiva.
 Daniela Mercury, Olodum, Margareth Menezes, etc.Daniela Mercury, Olodum, Margareth Menezes, etc.
LambadaLambada
Plantas MedicinaisPlantas Medicinais
 ExtensoExtenso
conhecimento sobreconhecimento sobre
ervas medicinais,ervas medicinais,
para banhos e napara banhos e na
alimentação.alimentação.
JongoJongo
CulináriaCulinária
 FeijoadaFeijoada
 AcarajéAcarajé
 VatapáVatapá
 MoquecaMoqueca
 BroasBroas
 E várias outrasE várias outras
criações ecriações e
adaptações deadaptações de
elementos.elementos.
Resistência à escravidãoResistência à escravidão
 Fugas;Fugas;
 Confrontos diretos com senhores eConfrontos diretos com senhores e
capatazes;capatazes;
 Formação de Quilombos.Formação de Quilombos.
Escravidão no Brasil
Rebelião EscravaRebelião Escrava
QuilombosQuilombos
 Comunidade deComunidade de
escravos fugitivos.escravos fugitivos.
 Vivia-se de acordoVivia-se de acordo
com a culturacom a cultura
originalmenteoriginalmente
africana.africana.
 Principal Quilombo:Principal Quilombo:
dos Palmares.dos Palmares.
 Quilombos hoje.Quilombos hoje.
Zumbi dos PalmaresZumbi dos Palmares
 Zumbi representou a luta doZumbi representou a luta do
negro contra a escravidão, nonegro contra a escravidão, no
período doperíodo do Brasil Colonial.Brasil Colonial. EleEle
morreu em combate,morreu em combate,
defendendo seu povo e suadefendendo seu povo e sua
comunidade. Os quilomboscomunidade. Os quilombos
representavam uma resistênciarepresentavam uma resistência
ao sistema escravistaao sistema escravista
português e também umaportuguês e também uma
forma coletiva de manutençãoforma coletiva de manutenção
da cultura africana aqui noda cultura africana aqui no
Brasil.Brasil.
 Em Palmares também existiaEm Palmares também existia
escravidão.escravidão.
Aforria: LibertaçãoAforria: Libertação
 Negro alforriadoNegro alforriado
muitas vezes tambémmuitas vezes também
tinha escravo!tinha escravo!
Leis AbolicionistasLeis Abolicionistas
 Pressão da Inglaterra: capitalismoPressão da Inglaterra: capitalismo
 Lei Eusébio de Queiroz: 1850- proibidoLei Eusébio de Queiroz: 1850- proibido
tráfico negreirotráfico negreiro
 Lei do Ventre livre: 1871. Nascidos apósLei do Ventre livre: 1871. Nascidos após
esta data eram livres.esta data eram livres.
 Leis Sexagenários: 1885. após 60 anosLeis Sexagenários: 1885. após 60 anos
eram livres.eram livres.
 Lei Áurea: fruto da luta e resistência dosLei Áurea: fruto da luta e resistência dos
negros.negros.
Pós-aboliçãoPós-abolição
 Negros substituídos pelos imigrantesNegros substituídos pelos imigrantes
europeus alemães, italianos, espanhóis,europeus alemães, italianos, espanhóis,
etc.etc.
 Negros: Discriminação, exclusão social eNegros: Discriminação, exclusão social e
preconceitopreconceito
Miscigenação no BrasilMiscigenação no Brasil
 Negros africanos (Angola, Berberes,CongoNegros africanos (Angola, Berberes,Congo
Bantu...)Bantu...)
 PortuguesesPortugueses
 JudeusJudeus
 Indígenas (Tupi-grarani, Botocudos,Indígenas (Tupi-grarani, Botocudos,
Paiaguá,Kayapó...)Paiaguá,Kayapó...)
 Ingleses, Franceses, Holandeses, Japoneses,Ingleses, Franceses, Holandeses, Japoneses,
Alemães, Italianos, etc.Alemães, Italianos, etc.
 Existe uma RAÇA BRASILEIRA? Existe alguémExiste uma RAÇA BRASILEIRA? Existe alguém
de “raça pura” no Brasil?de “raça pura” no Brasil?
 A grande maioria tem descendência africana,A grande maioria tem descendência africana,
europeia e indígena.europeia e indígena.
 Temos que quebrar Preconceitos (deTemos que quebrar Preconceitos (de
qualquer tipo),discriminações equalquer tipo),discriminações e
Paradigmas, valorizar a cultura Afro eParadigmas, valorizar a cultura Afro e
respeitar as diferenças e ou outro.respeitar as diferenças e ou outro.
 Orgulho de ser negro, branco, índio,Orgulho de ser negro, branco, índio,
reconhecer o seu valor enquanto pessoareconhecer o seu valor enquanto pessoa
independente de COR DE PELE.independente de COR DE PELE.
 Somos diferentes, mas iguais!!!Somos diferentes, mas iguais!!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
Paulo Alexandre
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
ElvisJohnR
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
Fabiana Tonsis
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
Douglas Barraqui
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
Portal do Vestibulando
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
Dirair
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
Paulo Alexandre
 
Conjuração Baiana
Conjuração BaianaConjuração Baiana
Conjuração Baiana
Flávio Silva
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
Claudenilson da Silva
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
Daniel Alves Bronstrup
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
Fabiana Tonsis
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Fatima Freitas
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Janaína Tavares
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
Marilia Pimentel
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Portal do Vestibulando
 
Colonizacao inglesa
Colonizacao inglesaColonizacao inglesa
Colonizacao inglesa
Fabiana Tonsis
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
Isaquel Silva
 

Mais procurados (20)

A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
O ILUMINISMO
O ILUMINISMOO ILUMINISMO
O ILUMINISMO
 
REINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOSREINOS AFRICANOS
REINOS AFRICANOS
 
Grandes navegações
Grandes navegaçõesGrandes navegações
Grandes navegações
 
América portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasilAmérica portuguesa a colonização do brasil
América portuguesa a colonização do brasil
 
África - sístese histórica
África - sístese históricaÁfrica - sístese histórica
África - sístese histórica
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Idade média
Idade médiaIdade média
Idade média
 
História da África e escravidão africana
História da África e escravidão africanaHistória da África e escravidão africana
História da África e escravidão africana
 
Conjuração Baiana
Conjuração BaianaConjuração Baiana
Conjuração Baiana
 
Colonização da América
Colonização da AméricaColonização da América
Colonização da América
 
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)3º ano   Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
3º ano Segunda Guerra Mundial (1939 – 1945)
 
Período regencial
Período regencialPeríodo regencial
Período regencial
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Independência do brasil
Independência do brasilIndependência do brasil
Independência do brasil
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Colonizacao inglesa
Colonizacao inglesaColonizacao inglesa
Colonizacao inglesa
 
História Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos AfricanosHistória Cultural dos Povos Africanos
História Cultural dos Povos Africanos
 

Semelhante a Escravidão no Brasil

0001916_Escravidão-no-Brasil.ppt
0001916_Escravidão-no-Brasil.ppt0001916_Escravidão-no-Brasil.ppt
0001916_Escravidão-no-Brasil.ppt
GildetedaConceioGarc
 
Africanitude.. 2
Africanitude.. 2Africanitude.. 2
Africanitude.. 2
Onésimo Remígio
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades Diversas Cláudia
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades Diversas Cláudia
 
5.lucrativo comércio de seres humanos
5.lucrativo comércio de seres humanos5.lucrativo comércio de seres humanos
5.lucrativo comércio de seres humanos
valdeck1
 
5.lucrativo comércio de seres humanos
5.lucrativo comércio de seres humanos5.lucrativo comércio de seres humanos
5.lucrativo comércio de seres humanos
valdeck1
 
íNdios brasileiros. 1 ano a
íNdios brasileiros. 1 ano aíNdios brasileiros. 1 ano a
íNdios brasileiros. 1 ano a
samonois
 
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdfRaizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Maria Claudia F.Graca
 
Cultura negra
Cultura negraCultura negra
Cultura negra
Daniele Lino
 
Cultura afro-brasleira
 Cultura afro-brasleira  Cultura afro-brasleira
Cultura afro-brasleira
Ana Selma Sena Santos
 
Cultura afro
Cultura afroCultura afro
Cultura afro
Daniela F Almenara
 
A influê (1).pdf
A influê (1).pdfA influê (1).pdf
A influê (1).pdf
abnermaday
 
áFrica 2012
áFrica 2012áFrica 2012
áFrica 2012
Arlete Monteiro
 
Da origem do hip
Da origem do hipDa origem do hip
Da origem do hip
Luana Reverti
 
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileiraENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
PROENEM - Unicruz
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro BrasileiraCultura Afro Brasileira
Cultura Afro Brasileira
luizschinemann
 
Afro Brasileira
Afro BrasileiraAfro Brasileira
Afro Brasileira
luizschinemann
 
Capoeira rondonopolitense - vpmt
Capoeira rondonopolitense - vpmtCapoeira rondonopolitense - vpmt
Capoeira rondonopolitense - vpmt
lucavao2010
 
Salvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do BrasilSalvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do Brasil
grupo102017
 
Cultura afro-brasileira
Cultura afro-brasileiraCultura afro-brasileira
Cultura afro-brasileira
Victor Mattos
 

Semelhante a Escravidão no Brasil (20)

0001916_Escravidão-no-Brasil.ppt
0001916_Escravidão-no-Brasil.ppt0001916_Escravidão-no-Brasil.ppt
0001916_Escravidão-no-Brasil.ppt
 
Africanitude.. 2
Africanitude.. 2Africanitude.. 2
Africanitude.. 2
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
 
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fundAtividades os povos africanos topico 4 historia fund
Atividades os povos africanos topico 4 historia fund
 
5.lucrativo comércio de seres humanos
5.lucrativo comércio de seres humanos5.lucrativo comércio de seres humanos
5.lucrativo comércio de seres humanos
 
5.lucrativo comércio de seres humanos
5.lucrativo comércio de seres humanos5.lucrativo comércio de seres humanos
5.lucrativo comércio de seres humanos
 
íNdios brasileiros. 1 ano a
íNdios brasileiros. 1 ano aíNdios brasileiros. 1 ano a
íNdios brasileiros. 1 ano a
 
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdfRaizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
Raizes_Culturais_Brasileiras__Africanos__ensino_basico.pdf
 
Cultura negra
Cultura negraCultura negra
Cultura negra
 
Cultura afro-brasleira
 Cultura afro-brasleira  Cultura afro-brasleira
Cultura afro-brasleira
 
Cultura afro
Cultura afroCultura afro
Cultura afro
 
A influê (1).pdf
A influê (1).pdfA influê (1).pdf
A influê (1).pdf
 
áFrica 2012
áFrica 2012áFrica 2012
áFrica 2012
 
Da origem do hip
Da origem do hipDa origem do hip
Da origem do hip
 
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileiraENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
ENEM - HISTÓRIA - Cultura brasileira
 
Cultura Afro Brasileira
Cultura Afro BrasileiraCultura Afro Brasileira
Cultura Afro Brasileira
 
Afro Brasileira
Afro BrasileiraAfro Brasileira
Afro Brasileira
 
Capoeira rondonopolitense - vpmt
Capoeira rondonopolitense - vpmtCapoeira rondonopolitense - vpmt
Capoeira rondonopolitense - vpmt
 
Salvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do BrasilSalvador, cidade mais negra do Brasil
Salvador, cidade mais negra do Brasil
 
Cultura afro-brasileira
Cultura afro-brasileiraCultura afro-brasileira
Cultura afro-brasileira
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 

Escravidão no Brasil

  • 2. Imagem da África (senso comum)Imagem da África (senso comum)  O que lhe vem a mente quando se fala deO que lhe vem a mente quando se fala de África?África? Visão: pobreza, miséria, escravidão,Visão: pobreza, miséria, escravidão, paisagens exóticas(savanas, selvas,paisagens exóticas(savanas, selvas, elefantes,girafas) etc.elefantes,girafas) etc.  Bloco Homogêneo (uma só língua, etnia,Bloco Homogêneo (uma só língua, etnia, religião, cultura).religião, cultura).
  • 3. Breve História da ÁfricaBreve História da África  Não era divida em países e sim em povosNão era divida em países e sim em povos e reinos: Berberes, Bantu, Kongo, Mali ee reinos: Berberes, Bantu, Kongo, Mali e Songai, Angola, Gana, dentre váriosSongai, Angola, Gana, dentre vários outros. Inúmeras línguas e dialetos,outros. Inúmeras línguas e dialetos, diferentes cultura, manifestaçõesdiferentes cultura, manifestações artísticas, religiões, modos de vida destesartísticas, religiões, modos de vida destes povos.povos.
  • 4. História da ÁfricaHistória da África  Chegada dos Portugueses à África:Chegada dos Portugueses à África: exploração da terra e do povo-exploração da terra e do povo- escravidão.escravidão.  Africanos vendiam escravos aosAfricanos vendiam escravos aos Portugueses, ou eram capturados pelosPortugueses, ou eram capturados pelos mesmos. Levados às colôniasmesmos. Levados às colônias portuguesas como escravos/mão de obra.portuguesas como escravos/mão de obra.
  • 5. Escravidão na ÁfricaEscravidão na África  Já havia escravidão na África antes daJá havia escravidão na África antes da chegada dos europeus!!!chegada dos europeus!!!  Motivos para ser escravizado: guerra,Motivos para ser escravizado: guerra, pagamento de dívida, troca por comida,pagamento de dívida, troca por comida, punição(roubo,crime,etc.), penhora, etc.punição(roubo,crime,etc.), penhora, etc.
  • 6. Comércio de EscravosComércio de Escravos  Exibidos em feiras,Exibidos em feiras, vendidos comovendidos como mercadoria, força demercadoria, força de trabalho.trabalho.
  • 8. De quais localidades vinham osDe quais localidades vinham os escravos africanosescravos africanos
  • 9. Diferentes EtniasDiferentes Etnias  África não é país e simÁfrica não é país e sim continente, portanto é compostacontinente, portanto é composta por diversos povos, cada qualpor diversos povos, cada qual com seu idioma, cultura,com seu idioma, cultura, costumes, religião e diferençascostumes, religião e diferenças étnicas.étnicas.
  • 10. Tráfico NegreiroTráfico Negreiro  Péssimas condições de higiene, superlotação,Péssimas condições de higiene, superlotação, fome, doenças, mortes a bordo.fome, doenças, mortes a bordo.
  • 11. Escravidão oficial no Brasil (1570-Escravidão oficial no Brasil (1570- 1888)1888)
  • 12. Escravidão no BrasilEscravidão no Brasil  Trazidos para trabalhar em lavouras,Trazidos para trabalhar em lavouras, engenhos, mineração, Casa Grandeengenhos, mineração, Casa Grande (escravo doméstico), e trabalhos(escravo doméstico), e trabalhos urbanos: barbeiro, doceiras,urbanos: barbeiro, doceiras, vendedores ambulantes, etc.vendedores ambulantes, etc.
  • 13. Exploração da Cana de AçucarExploração da Cana de Açucar
  • 14. Trabalho escravo: cana de açucarTrabalho escravo: cana de açucar
  • 15. Escravos de Ganho: urbanosEscravos de Ganho: urbanos
  • 19. Tratamento ao EscravoTratamento ao Escravo  Tratados como mercadorias, animais,Tratados como mercadorias, animais, mão-de-obra, “ESCRAVO NÃO ERAmão-de-obra, “ESCRAVO NÃO ERA CONSIDERADO COMO HUMANO”!CONSIDERADO COMO HUMANO”!  Maus tratos, castigos, morte, caça (seMaus tratos, castigos, morte, caça (se fugisse igual a um animal), vendidos,fugisse igual a um animal), vendidos, trocados e alugados.trocados e alugados.
  • 22. Pelourinho: exemplo para osPelourinho: exemplo para os demaisdemais
  • 24. Imposição culturalImposição cultural  Escravos africanos no Brasil tiveram seusEscravos africanos no Brasil tiveram seus nomes trocados, por nomes cristãos (ex.nomes trocados, por nomes cristãos (ex. José, Maria)José, Maria)  Imposição religiosa, só poderiam seguir aImposição religiosa, só poderiam seguir a fé católica, foram catequizados, batizados.fé católica, foram catequizados, batizados.  Imposição cultural: seguir a culturaImposição cultural: seguir a cultura europeiaeuropeia  Imposição linguística: só poderiam falar oImposição linguística: só poderiam falar o português.português.
  • 25. Cultura na SenzalaCultura na Senzala  Mesmo assim mantiveram (mesmo que àsMesmo assim mantiveram (mesmo que às escondidas) seus costumes,cultura,arte e rituaisescondidas) seus costumes,cultura,arte e rituais religiosos.religiosos.  Fusão cultural/ hibridismo da cultura africanaFusão cultural/ hibridismo da cultura africana com a dos portugueses e indígenascom a dos portugueses e indígenas  Influência da língua, religião, costumes, cultura,Influência da língua, religião, costumes, cultura, música, dança, culinária, dentre outros namúsica, dança, culinária, dentre outros na cultura brasileira.cultura brasileira.
  • 26. Cultura Afro-BrasileiraCultura Afro-Brasileira A influência exercida peloA influência exercida pelo africanos nas culturasafricanos nas culturas existentes no Brasil.existentes no Brasil.
  • 27. Religião: Candomblé e UmbandaReligião: Candomblé e Umbanda
  • 28. Orixás= Deuses= SantosOrixás= Deuses= Santos  Sincretismo Religioso: união de elementos deSincretismo Religioso: união de elementos de uma religião a outra.uma religião a outra.  Iemanjá: Nossa Senhora da conceiçãoIemanjá: Nossa Senhora da conceição  Ogum: São JorgeOgum: São Jorge  Oxalá: JesusOxalá: Jesus  Oxum: nossa Senhora da AparecidaOxum: nossa Senhora da Aparecida  Exu: demônio (preconceito cristão devido àsExu: demônio (preconceito cristão devido às características do orixá,vingativo, sensual...)características do orixá,vingativo, sensual...)
  • 30. CapoeiraCapoeira  Capoeira é uma arte marcial desenvolvidaCapoeira é uma arte marcial desenvolvida inicialmente por escravos negros noinicialmente por escravos negros no Brasil, a partir do período colonial.Brasil, a partir do período colonial.  Inicialmente criado para proteção eInicialmente criado para proteção e defesa própriadefesa própria  Durante muitos anos foi proibida, e hoje éDurante muitos anos foi proibida, e hoje é uma expressão artística.uma expressão artística.
  • 31. Música e Dança Afro-BrasileiraMúsica e Dança Afro-Brasileira
  • 33. AxéAxé  A palavra "A palavra "axéaxé" é uma saudação religiosa usada no" é uma saudação religiosa usada no candomblécandomblé e nae na umbandaumbanda, que significa energia positiva., que significa energia positiva.  Daniela Mercury, Olodum, Margareth Menezes, etc.Daniela Mercury, Olodum, Margareth Menezes, etc.
  • 35. Plantas MedicinaisPlantas Medicinais  ExtensoExtenso conhecimento sobreconhecimento sobre ervas medicinais,ervas medicinais, para banhos e napara banhos e na alimentação.alimentação.
  • 37. CulináriaCulinária  FeijoadaFeijoada  AcarajéAcarajé  VatapáVatapá  MoquecaMoqueca  BroasBroas  E várias outrasE várias outras criações ecriações e adaptações deadaptações de elementos.elementos.
  • 38. Resistência à escravidãoResistência à escravidão  Fugas;Fugas;  Confrontos diretos com senhores eConfrontos diretos com senhores e capatazes;capatazes;  Formação de Quilombos.Formação de Quilombos.
  • 41. QuilombosQuilombos  Comunidade deComunidade de escravos fugitivos.escravos fugitivos.  Vivia-se de acordoVivia-se de acordo com a culturacom a cultura originalmenteoriginalmente africana.africana.  Principal Quilombo:Principal Quilombo: dos Palmares.dos Palmares.  Quilombos hoje.Quilombos hoje.
  • 42. Zumbi dos PalmaresZumbi dos Palmares  Zumbi representou a luta doZumbi representou a luta do negro contra a escravidão, nonegro contra a escravidão, no período doperíodo do Brasil Colonial.Brasil Colonial. EleEle morreu em combate,morreu em combate, defendendo seu povo e suadefendendo seu povo e sua comunidade. Os quilomboscomunidade. Os quilombos representavam uma resistênciarepresentavam uma resistência ao sistema escravistaao sistema escravista português e também umaportuguês e também uma forma coletiva de manutençãoforma coletiva de manutenção da cultura africana aqui noda cultura africana aqui no Brasil.Brasil.  Em Palmares também existiaEm Palmares também existia escravidão.escravidão.
  • 43. Aforria: LibertaçãoAforria: Libertação  Negro alforriadoNegro alforriado muitas vezes tambémmuitas vezes também tinha escravo!tinha escravo!
  • 44. Leis AbolicionistasLeis Abolicionistas  Pressão da Inglaterra: capitalismoPressão da Inglaterra: capitalismo  Lei Eusébio de Queiroz: 1850- proibidoLei Eusébio de Queiroz: 1850- proibido tráfico negreirotráfico negreiro  Lei do Ventre livre: 1871. Nascidos apósLei do Ventre livre: 1871. Nascidos após esta data eram livres.esta data eram livres.  Leis Sexagenários: 1885. após 60 anosLeis Sexagenários: 1885. após 60 anos eram livres.eram livres.  Lei Áurea: fruto da luta e resistência dosLei Áurea: fruto da luta e resistência dos negros.negros.
  • 45. Pós-aboliçãoPós-abolição  Negros substituídos pelos imigrantesNegros substituídos pelos imigrantes europeus alemães, italianos, espanhóis,europeus alemães, italianos, espanhóis, etc.etc.  Negros: Discriminação, exclusão social eNegros: Discriminação, exclusão social e preconceitopreconceito
  • 46. Miscigenação no BrasilMiscigenação no Brasil  Negros africanos (Angola, Berberes,CongoNegros africanos (Angola, Berberes,Congo Bantu...)Bantu...)  PortuguesesPortugueses  JudeusJudeus  Indígenas (Tupi-grarani, Botocudos,Indígenas (Tupi-grarani, Botocudos, Paiaguá,Kayapó...)Paiaguá,Kayapó...)  Ingleses, Franceses, Holandeses, Japoneses,Ingleses, Franceses, Holandeses, Japoneses, Alemães, Italianos, etc.Alemães, Italianos, etc.  Existe uma RAÇA BRASILEIRA? Existe alguémExiste uma RAÇA BRASILEIRA? Existe alguém de “raça pura” no Brasil?de “raça pura” no Brasil?  A grande maioria tem descendência africana,A grande maioria tem descendência africana, europeia e indígena.europeia e indígena.
  • 47.  Temos que quebrar Preconceitos (deTemos que quebrar Preconceitos (de qualquer tipo),discriminações equalquer tipo),discriminações e Paradigmas, valorizar a cultura Afro eParadigmas, valorizar a cultura Afro e respeitar as diferenças e ou outro.respeitar as diferenças e ou outro.  Orgulho de ser negro, branco, índio,Orgulho de ser negro, branco, índio, reconhecer o seu valor enquanto pessoareconhecer o seu valor enquanto pessoa independente de COR DE PELE.independente de COR DE PELE.  Somos diferentes, mas iguais!!!Somos diferentes, mas iguais!!!