SlideShare uma empresa Scribd logo
MESOPOTAMIA
1. MARCO GEOGRÁFICO
2. HISTÓRIA
3. ECONOMIA
4. SOCIEDADE
5. RELIGIÃO
6. CULTURA E CIÊNCIA
7. ARTE
8. DIREITO
❖Localização
1. MARCO GEOGRÁFICOMESOPOTÂMIA
Mesopotâmia em grego significa Terra fértil
Situada entre dos ríos Tigre
Eufrates
Dividida entre dois
territorios
Alta Mesopotâmia
Baja Mesopotâmia
Zona montanhosa ao norte
Zona pantanosa ao sul
Dominada por vários
povos
Sumérios ao Sul
Acádios
Asírios
Entre o vale
dos dois
rios
Ao norte
Asírios
Alta Mesopotâmia
Acádios
Sumérios
baixa
Mesopotâmia
Mesopotâmia
Perfil físico
PRIMERAS CIVILIZAÇÕES URBANAS
Mudanças econômicas e sociais
Excedentes agrícolas Gera
Mudanças políticas
Crescimiento de
los poblados
Gera
Desenvolvimento do comércio
Surgimento de novos ofícios
(Alfaiataria, cerâmica, metalurgia)
novos grupos sociais
Surgimento das cidades
Nacimiento da Administração do
Estado
Reis e sacerdotes tomam o comando e
passam a cobrar impostos
Mudanças culturais
Nascimento da escrita no
período de 3500 a.C.
Nascimento da Historia escrita, das escolas, da ciência e das bibliotecas
Egíto: Hieroglífos , símbolos em papiro ou pedra
Mesopotâmia: cuneiforme, cuneiforme, em foma
de cunha, escrita em argila macia seca ao sol
Desenvolvimento das primeiras civilizações (6.000 anos atrás) ao redor
de um rio Terra fértil Grandes colheitas Aumento da população
Nascimento da escrita
Sistema cuneiforme
Períodos históricos da Mesopotâmia
1. Sumério-Acádio (4000-2000 a. de C.)
2. Primeiro Império Babilônico (1894-1535 a.
de C.)
3. Predomínio dos Asírios (1360-612 a. de C.)
4. Segundo Império Babilônico (612-593 a. de
C.)
2. HISTÓRIA
4.000 a.C. 3.000 a.C. 2.000 a.C. 1.000 a.C. 0
IDADE
DO
BRONZE
SUMÉRIOS
3.500 a.C. 1.900 a.C.
ASÍRIOS
539 a.C.
PERSAS
331 a.C.
IDADE DO FERRO
1.200 a.C.
PRIMEIROS DOCUMENTOS ESCRITOS
INÍCIO DA HISTÓRIA
3400 a.C.
MESOPOTAMIA
Podemos estabelecer varias etapas dos povos conquistadores
-Primeiro Império Babilônico: Hamurabi une as terras sob seu domínio (capital da
Babilônia) Predominância assíria com Asurnasilpal II
-Recuperação do domínio babilônico em 625 aC. Império Neobabilônico
-Nabuconodosor II se destaca derrotou os egípcios e dominou a Síria
1900- 539 a.C.
SUMÉRIOS e ACÁDIOS
3500-1900 a.C.
-Eles enfatizam os SUMÉRIOS que construíram canais e poços para controlar as
inundações dos rios, são organizados nas cidades do estado e inventam a escrita. -
posteriormente foram s conquistados pelo rei Sargão I, rei de Akkad: ACADIUS
- Mais tarde Gudea unifica os sumérios e acadianos em um único império
ASÍRIOS E BABILÔNIOS
-Ciro II transforma Babilônia em uma província persa em 539 aC.
-Em 331 a.C. Alexandre, o Grande, subjugou os persas sob o domínio grego
539- 331 a.C.
PERSAS E GREGOS
POVOS E ETAPAS REALIZAÇÕES CARACTERÍSTICAS
Sumérios (IV mileno a.C.) Agricultura, Hidráulica
intensiva, astronomia,
sistema numérico e
calendario
Surgimento das primeiras
cidades: Ur, Uruk, Lagash y
Nippur.
Primeiro Império
babilônico- Caudeus
II Milenio a.C.
Governo de
Hammurabi.
Legislação – código de
leis
Capital: Babilnia. Centro
político, econômico e
cultural do oriente médio.
Invasões indo-europeias:
Hititas, cassitas, militanos.
1655-1595 a.C.
Chegaram com cavalos e
armas de ferro.
Provenientes da Ásia Central
Asírios
883-623 a.C.
Tecnologia de guerra.
cavalo, muita crueldade.
Grande império que alcançou
o Mediterrâneo e a
Armênia. A capital de
Nínive.
Segundo Império
Babilônico- 623-539
a.C.
Renascimento do
comércio. Centro
religioso e cultural do
oriente.
Principal governante:
Nabucodonosor.
Capital Babilnia.
Sumério-Acádio
❑ Desenvolvimento da primeira civilização histórica.
❑ Eles inventaram o calendário, a roda e a escrita.
❑ A escrita cuneiforme foi inventado na Suméria, na
cidade de Uruk, por volta de 3.500 ac. ou logo em
seguida.
❑ Por volta de 2.400 ac. os acadianos (rei Sargón),
população da língua semita, invadiram a planície e
dominaram os sumérios, mas assimilaram sua rica
cultura.
Esplendor sumério (3000 a 2400 ac.)
• O quarto milênio a. C., marca o início da evolução
em direção à alta cultura. Os primeiros
documentos escritos foram encontrados na
Suméria, que datam do início do terceiro milênio.
Graças a isso, sabemos a existência de grandes
cidades independentes: Ur, Lagash, Kish, entre
outras. Eles foram constituídos como cidades do
templo e foram organizados por um rei-sacerdote
chamado "patesi". Entre as contribuições dos
padres-rei está a do "patesi" de Lagash,
Urukagina, que foi o primeiro a promulgar leis que
favorecem a situação dos pobres.
Os Sumérios
Escrita cuneiforme Templo Branco de Uruk
O império unificado de Akkad
• Os caldeus ou acadianos eram originalmente da
região montanhosa a oeste do Eufrates. Eles se
estabeleceram nas planícies do norte da Suméria. A
proximidade com esta região fez com que os dois
povos se fundissem. Para o ano 2400 a. C., foram
colocados sob a autoridade do rei acadiano Sargón, o
Velho, conseguiu criar o primeiro estado unificado com
capital em Akkad. Em seu longo reinado, ele formou
um grande império. Foi um período de grande
atividade política e comercial com outros povos.
• Alguns anos depois, esse grande império se extinguiu
devido à invasão do povo nômade dos guteos que,
das montanhas de Zagros, desceu às planícies férteis.
Imagens dos Acadios
GoVernante acadio (Sargón)
Restauração suméria
• O declínio do Império Acadiano foi
aproveitado pelas antigas cidades
sumérias para alcançar um novo
momento de esplendor. O rei de Gudea
tomou a cidade de Lagash e a
reconstruiu e embelezou; ele promoveu
irrigação, saneamento e construiu
templos. Lagash e outros centros como
Ur sabiam resistir à devastação das
gotas e preparavam o novo
ressurgimento babilônico.
Primeiro Império Babilônico
❑Criados por outro povo semita, os amoritas.
❑Sob seu rei Hammurabi (1792-1750 a. de C.) a
cidade da Babilônia se converteu no centro do
império.
O Império Babilônico
• No início do segundo milênio, o império
Gute se enfraqueceu, e a cultura suméria-
acadiana foi restaurada. Hamurabi, rei da
Babilônia, obtém a unificação política,
administrativa e cultural de seu país (a
língua acadiana prevaleceu e se tornou
uma língua literária ao lado dos
sumérios). O tempo de Hamurabi significa
uma verdadeira unificação de sumérios e
acadianos.
As grandes invasões
• Em direção a 1700 a. C., o império de
Hamurabi não consegue subsistir à grande
onda de cidades que os invadiram; entre eles
estavam os hicsos, os hititas e os mitani (os
dois últimos indo-europeus) e os casitas
(pastores dos zagros). A violência dos
invasores colocou em risco as conquistas
culturais da Mesopotâmia. No entanto, alguns
desses grupos foram posteriormente
influenciados pela cultura babilônica. No final
do segundo milênio, ocorreu novamente uma
grande crise devido à penetração dos
chamados povos do mar ".
Predomínio assírio
❑Habitantes bélicos do norte do Tigre, que
prevaleceram na Mesopotâmia e mais tarde no
Oriente Médio.
❑Entre seus guerreiros monarcas destacaram-se
Sargão II e Assurbanipal, o último imperador do
Egito.
❑Seu vasto império incluía Síria, Palestina, parte da
Anatólia e Egito.
Um novo império: o assírio
• A pilhagem da Babilônia pelos povos do mar foi aproveitada
pelos assírios (eles eram basicamente pastores e se tornaram
cavaleiros habilidosos) para impor seu império. Uma das bases
de sua rápida expansão foi a organização de um exército
treinado.
• Arsubanipal lI, no século IX a. C., chega à Babilônia e domina
as regiões adjacentes. O pico do poder assírio está localizado
nos séculos VIII e VII aC. C. Durante esse período, Sargão II e
seus sucessores, os Sargonídeos, governaram a Mesopotâmia,
Síria, Fenícia, Palestina e Egito. Assur e Nínive foram as
capitais deste grande império.
• As vastas fronteiras das terras do norte da Assíria eram
constantemente ameaçadas pelo fervor dos povos medo-persas
e indo-europeus. Para suportar essas pressões e poder
controlar um conglomerado de pessoas, os assírios não
hesitaram em aplicar terríveis punições àqueles que se
opunham a elas. A guerra se tornou um modo de vida. No final
do século VI, Assur e Nínive caíram com os persas, destruindo
esse vasto império.
Imagens dos Assírios
Sargón II
Caça ao relevo de Assurbanipal
Império Assírio
Segundo Império Babilônico
❑Babilônia foi mais uma vez o grande centro
financeiro e artístico do Oriente Médio
❑Entre seus reis estavam Nabucodonosor e
Nabucodonosor II.
❑Durante esse período, os famosos Jardins
Suspensos da Babilônia foram construídos no
palácio do rei Nabucodonosor II.
O fim do velho mundo oriental
• Com a queda do império assírio, a Babilônia
ressurgiu e, com o governo de
Nabucodonosor, apresentou um último
século de esplendor. Isto é devido ao
embelezamento da Babilônia com os
famosos jardins suspensos. O velho mundo
semítico foi derrotado pelos invasores indo-
europeus por volta de 539.
Imagens do Segundo Império babilônico
Nabucodonosor
Jardins suspensos
Porta de Isthar Nabucodonosor II
Imagens do Segundo Império babilônico
Segundo Imperio Babilónico
3. ECONÔMIA
MESOPOTAMIA
Agricultura
Pecuária
Papel de destaque
Cerâmica
Metalurgia
Selos
Artesanato
Excedentes agrícolas e artesanais foram trocados por
grãos ou prataComércio
Caça e pesca
Rio Fonte de Vida
Principal fonte econômica graças à canalização das águas
A Administração do Estado armazenou o grão para pagar os
trabalhadores e por períodos de seca
Criação de vacas e cabras
Caçar antílopes, gazelas, lebres e outras aves, como
codornas e guindastes
Cestaria
Tecida
Esmalte
e jóias
4. SOCIEDADE
MESOPOTAMIA
CHEFE RELIGIOSO E
MILITAR
NOBRES
Vestidos com
capa e com os
pés
descalços
GUERREIROS
Inimigo derrotado
ESTANDARTE DE UR
5. RELIGIÃO
MESOPOTAMIA
Crenças Vida depois da morte
Magia, bruxaria e adivinhação
Criadores do mundo
Vários Deuses
Os homens deveriam adorá-los e
servi-los.
6. CULTURA E CIÊNCIA
MESOPOTAMIA
Desenhos com formas geométricas em argila seca ao solEscritura
cuneiforme
Coleção de conhecimentos sobre esculturas de argilaBibliotecas
Literatura
Ciência
Importância do épico
(poema heróico longo)
O poema de Gilgamesh
Importância da primeira
coleção de leis
O código de Hammurabi
Estelas de
leyes
Sistema matemático de pesos e medidas
Lista de países, montanhas,… com ânsia de coleta
geográfica
O poema de Gilgamesh Tábua de matemáticas
Estela de Hammurabi
Acorde de Hamurabi:
- Colete o código de Hamurabi.
- Primeira compilação de leis da história.
- Coluna de basalto.
-O rei é representado antes da divindade em
atitude de respeito e adoração.
- o deus Shamash ditou as leis diretamente ao
rei, para que as leis sejam sagradas
-282 leis e decretos
Estela de Hammurabi
7. ARTEMESOPOTAMIA
ARQUITETURA
Características
Uso de pequenos tijolos de barro (argila seca ao sol)
Arcos semicirculares (arco semicircular que suporta dois
suportes) e abóbada
Construções cobertas com mármore, tijolo vitrificado ou
alabastro do lado de fora e pinturas e relevos no interior
Principais
tipologías
Palácio
Templo
torre escalonada de vários andares (geralmente 7), que são acessados por
uma rampa e cada um deles foi pintado com uma das cores do arco-íris. É
coroado por uma capela real e um observatório. No fundo, ficavam as
salas e despensas de padres e sacerdotisas. A planta sempre foi
orientada para os pontos cardeais.
VáriosTerraços
vários pátios
cidade-palácio: armazéns, estábulos, casas de
empregados, pátios e dependências reais.
Eles estavam cercados por uma parede nos portões
as figuras de touros alados foram colocadas como
proteção e decoração.
Numerosas dependências
Seu elemento mais notável é o zigurat
HAMMURABI
Em 1792 a.C. Hamurabi chega ao trono,
a partir do qual ele começará uma
política de expansão; primeiro, ele se
libertou da tutela de Ur e, em 1786,
enfrentou o rei vizinho de Larsa, Rim-
Sin-Rim, arrebatando Isin e Uruk dele;
com a ajuda de Mari, em 1762, derrotou
uma coalizão de cidades às margens do
Tigre para, um ano depois, conquistar a
cidade de Larsa.
Depois disso, ele foi proclamado rei da
Suméria e Akkad, um título que surgiu na
época de Sargão de Akkad e foi usado
pelos monarcas que tiveram sucesso
após um novo confronto com uma nova
coalizão de cidades conquistadas Mari,
após o que, em 1753 , completou sua
expansão com as conquistas da Assíria e
Eshnunna no norte da Mesopotâmia,
dominando toda a região da
Mesopotâmia.
Ao longo dos séculos, a imagem do
monarca foi mitologizada, não apenas
por suas conquistas, mas também pela
elaboração de códigos de leis, como o
conhecido Código de Hamurabi.
Para o rei Hamurabi (1728 aC - 1686 aC),
parecia-lhe que o corpo da lei de seu
território tinha que ser escrito para
agradar a seus deuses: ao contrário de
muitos reis anteriores e
contemporâneos, ele não se considerava
relacionado a nenhuma divindade,
embora ele próprio é chamado "o
favorito das deusas".
O CODIGO DE
HAMMURABI
O Código de Hamurabi foi esculpido em um
bloco de diorito com cerca de 2,50 m de
altura por 1,90 m de base e colocado no
templo de Sippar; vários outros espécimes
também foram colocados ao longo do
comprimento e largura do reino.
O objetivo desta lei era homogeneizar
legalmente o reino de Hamurabi. Dessa
maneira, dando a todas as partes do reino
uma cultura comum, o todo poderia ser
controlado mais facilmente.
Hamurabi morreu em 1750 a. C
8. DIREITOMESOPOTAMIA
Codigo de
Hammurabi O Código de Hamurabi, criado no ano de 1760 a. C. (de acordo com a
cronologia média), é um dos mais antigos conjuntos de leis que foram
encontrados e uma das cópias mais bem preservadas desse tipo de
documento criado na Mesopotâmia antiga e, em termos curtos, baseia-
se na aplicação do Lei de Talion para casos específicos.
Outras coleções de leis incluem o Codex de Ur-Nammu, rei de Ur (ca.
2050 aC), o Codex de Eshnunna (ca.
1930 a. C.) e o Codit Lipit-Ishtar de Isin (ca. 1870 aC). Eles também
criaram leis como a 205, que se o escravo de um homem acertar o filho
de um homem na bochecha, cortariam sua orelha.
É frequentemente apontado como o primeiro exemplo do conceito
jurídico de que algumas leis são tão fundamentais que nem mesmo um
rei tem a capacidade de alterá-las. As leis, escritas em pedra, eram
imutáveis.
Esse conceito sobrevive na maioria dos sistemas jurídicos modernos.
Essas leis, como em quase todos os códigos da antiguidade, são
consideradas de origem divina, representadas pela imagem esculpida
no topo da estela, onde o deus Shamash, o deus da justiça, entrega as
leis ao rei. Hamurabi. De fato, anteriormente a administração da justiça
recaiu sobre os padres, que em Hamurabi perdem esse poder. Por outro
lado, conseguiu unificar critérios, evitando a subjetividade excessiva de
cada juiz.
8. DIREITOMESOPOTAMIA
Código de
Hammurabi Embora o código seja a inspiração para "olho por olho, dente por dente",
ele tem artigos muito distantes desse conceito. Os artigos que constituem
o primeiro exemplo da chamada Lei da Retaliação são os 196 (o olho), os
197 (o osso) e os 200 (o dente). O código é inspirado por um alto senso
de moralidade e ordem.
Não há privilégios de classe. As regras dos contratos ainda são as
estabelecidas pelos sumérios. A responsabilidade mútua do mestre e do
trabalhador é fixa. Ele tem que receber um salário mínimo e desfrutar de
três dias de folga por mês.
O Código é uma compilação simples de leis sumérias, feita por um rei,
Hamurabi, sexto dos reis da primeira dinastia
Babilônico, amorreita e semita, embora não seja sumério.
Existem bases para assumir um empréstimo direto dos babilônios aos
hebreus, assim como existem para ver inspirações neste código da
própria Roma. O código não deve dar a impressão negativa e simplista da
Lei de Retaliação. Entre outras coisas, porque ajuda a considerar os
sumérios e os babilônios (semitas sumérios) como verdadeiros
selvagens, quando esses são os assírios, que vieram muito mais tarde
(Nínive), segundo a história.
8. DIREITOMESOPOTAMIA
Codigo de
Hammurabi Algumas partes da Lei mosaica são semelhantes a certas leis do Código de
Hamurabi, portanto, alguns estudiosos afirmaram que os hebreus derivaram seu
direito da Babilônia. Outros especialistas diferem:
Não há base para assumir qualquer empréstimo direto dos babilônios aos hebreus.
Embora ambos os conjuntos de leis diferam pouco em letra, diferem muito em
espírito.
Thomas (1958)
Aqui estão alguns exemplos das diferenças:
.Código de Hammurabi Lei mosaica
Pena de morte por roubo de propriedade do
templo e palácio ou por receber propriedade
roubada (Lei 6)
O ladrão é punido compensando a vítima (Ex.
22.1-9)
Morte por ajudar um escravo a escapar ou por
abrigar um escravo fugitivo (Lei 15, 16)
"Não entregarás a seu senhor o servo que dele fugiu
e que vem a ti." (Dt 23.15)
Se uma casa mal feita causa a morte de um filho do
dono da casa, a falta é paga com a morte do filho do
construtor (Lei 230)
"Os pais não vão morrer por seus filhos ou filhos
por seus pais." (Deut. 24.16). "E todo aquele que
ferir o seu próximo, como ele o fez, assim será feito
a ele; quebrado por quebrantado, olho por olho e
dente por dente;
Mero exílio por incesto: "Se um homem de alto
escalão se unir à filha, eles tirarão um cavalheiro da
cidade". (Lei 154)
Pena de morte por incesto (Lev. 18.6, 29)
Distinções de classe: penalidades severas por ferir
um membro de uma casta mais alta. Penalidades
menores por ferir membros de uma casta inferior
(Lei 196–205)
Você não fará injustiça nos julgamentos, nem
favorecendo os pobres nem agradando os grandes
(Lev. 19.15). Se um homem ferir seu escravo com
um graveto e matá-lo, ele será culpado de um
crime. Mas se eles sobreviverem um ou dois dias,
ele não será culpado por pertencer a ele (Êxodo
21. 20).
8. DIREITOMESOPOTAMIA
Codigo de
Hammurabi Os crimes capitais (roubo e assassinato) eram puníveis com a pena de
morte e com a regulamentação de casamentos: estupro, maus-tratos,
divórcio e adultério. A família dos condenados à morte correu com
multas financeiras, depois o roubo não seria punido com a morte.
A aplicação da lei tem um papel fundamental, o rei que impôs a justiça
assistido por funcionários sob a supervisão da ensis.
Há também a figura do juiz que forma um grupo que age, eles não eram
profissionais. Nas comunidades menores estavam os maski que eram
comissários.
Existe uma dimensão privada que se refere à operação de leis em
pessoas pobres, como a regulamentação do casamento. Também
existem escravos com seu próprio regulamento e sua própria
personalidade jurídica, eles podem se casar com mulheres livres, ser
testemunhas etc.
De acordo com o código de Ur Namma na herança, não havia muita
diferença
com a atual, pois foi reconhecida em benefício dos filhos carnais ou
adotados do casamento. Havia uma diferença entre filhos e filhas, filhas
herdadas apenas se não houvesse meninos; se existisse, ele herdaria
toda a propriedade.
Puerta de Isthar
Zigurat del rey Ur-Urnammu
Puerta de Isthar, ladrillo vidriado
Contribuições da Mesopotâmia
para a humanidade
1. Eles inventaram o cofre, o arco e as rampas
2. Escrita cuneiforme (primeira escrita)
3. Os signos do horóscopo e do zodíaco
4. Eles dividiram a semana em 7 dias
5. Conhecimento matemático como multiplicação e
divisão
6. Sistema sexagesimal (circunferência de
360 ​​graus, 60 minutos e 60 segundos).
GRANDES
CONTRIBUIÇÕES
Outra das criações sumérias foi
a roda, que remonta a cerca de
3500 aC.
Foi entre 3500 e 3100 aC.
quando eles fizeram sua
sua invenção: a escrita
maior
cuneiforme. Esse avanço marca
o fim da pré-história e o começo
da história.
A escrita
É uma série de sinais que têm a forma de uma unha e foram
feitos com um instrumento em forma de cunha, por isso
são chamados de cuneiformes. Eles aparecem gravados em
tabletes de argila e também foram encontrados em
inscrições feitas de metais, pedras, estelas e outros
materiais. Os primeiros textos escritos em escrita
cuneiforme têm seu ponto de origem no sul da
Mesopotâmia, possivelmente em Uruk, acredita-se ter sido
inventado pelos sumérios, que escreveram com esses
sinais o procedimento em seu próprio idioma; mais tarde
foi usado para escrever em acadiano, uma língua da qual
derivam tanto assírios quanto babilônios.
GRANDES
ASTRONOMOS
Os sumérios dividiram o cofre
celestial em 360º, ordenaram as estrelas
em constelações e conheceram os
eclipses.
Eles representavam o Universo como
meia esfera na base da qual a Terra era
um disco plano cercado pelo mar.
Os sumérios sabiam distinguir entre
planetas - objetos em movimento - e
estrelas. Eles foram capazes de prever
fenômenos astronômicos com
antecedência. Eu trago a você esse
conhecimento de astronomia adotar um
precioso calendário lunar um calendário
preciso incluído um mês
suplementar que o ajustou ao lote.
TECNOLOGIA
O desenvolvimento da tecnologia na Mesopotâmia
foi condicionado em muitos aspectos ao
avanços no campo de fogo, conseguidos através da
melhoria da capacidade térmica dos fornos, com os
quais, a partir de 300 ºC é possível obter gesso e a
partir de 800 ºC, cal. Esses materiais poderiam ser
usados ​​para cobrir recipientes de madeira, o que
permitia que fossem incendiados diretamente, uma
técnica antecessora da cerâmica que foi chamada
de "louça branca".
O início dessa técnica foi encontrado em Beidha, ao
sul de Canaã, e data do nono milênio aC.
aproximadamente, a partir dos milênios posteriores,
estende-se para o norte e o resto do Oriente
Próximo, cobrindo-o completamente entre 5600 e
3600 a. C.
METALURGIA
Com o desenvolvimento de fornos mais potentes, o uso desses
materiais se generalizou com o advento da metalurgia. Essa mudança
pode ser localizada no meio do terceiro milênio aC. C.; mais objetos de
metal começam a ser encontrados; devido à sua composição, pode-se
ver que esses objetos são obtidos por fundição, e não por entalhar
metais em seu estado natural, e os experimentos estão começando com
ligas.
O nascimento da metalurgia do bronze, que diferiu em dois aspectos de
acordo com os metais com os quais a liga foi obtida; cobre e estanho ou.
Entre 1200 e 1000 aC. C. um novo avanço ocorre; o ferro, que até então
era escasso a ponto de custar tanto quanto o ouro, tornou-se popular,
provavelmente devido à descoberta de carburação, alcançada na área do
norte da Síria ou na terra dos hititas.
O cálculo floresceu na Mesopotâmia através de um
sistema decimal e sexagesimal, cuja primeira aplicação
foi no comércio. Além da adição e subtração, eles sabiam
multiplicação e divisão e, a partir do segundo milênio aC.
C. desenvolveu uma matemática que permitia resolver
equações de até terceiro grau.
Eles também sabiam o número π da raiz e da potência, e
assim puderam calcular volumes e superfícies das
principais figuras geométricas.
A MATEMÁTICA
Desenvolveram um eficaz sistema de fração que permitia
estabelecer aproximações decimais verdadeiramente
surpreendentes.
Esta evolução e simplificação do método
fracionário, permitiu o desenvolvimento de novos
algoritmos .
Eles desenvolveram o conceito de número
inverso, o que simplificou bastante a operação da
divisão.
Também encontramos neste momento os
primeiros sistemas de duas equações com duas
incógnitas; mas sem dúvida a grande
contribuição algébrica se concentra no campo do
empoderamento e na solução de equações
quadráticas.
CONCLUSÃO
A Mesopotâmia tem sido o berço não apenas
das grandes civilizações, mas de grandes
contribuições que contribuíram ao longo da
história para avançar em diferentes aspectos do
desenvolvimento que vivemos hoje.
Eles fizeram grandes avanços na agricultura,
dando lugar a estilos de vida sedentários,
criaram um sistema de escrita, mudando a
história, fizeram grandes avanços na
matemática e na literatura, na astronomia, e
também deixaram sua arte como um legado
através de suas esculturas, cerâmica,
metalurgia e toda sua arquitetura.
Eles criaram um sistema de pagamento através da
moeda, nos deixaram a grande invenção da roda, que
vem evoluindo há milhares de anos.
A construção de canais de irrigação e diques também
o sistema de leis do código de Hamurabi.
Em suma, toda a sua evolução, a conquista de grandes
cidades e o que nos deixaram como legado, fazem da
Mesopotâmia uma das grandes culturas das quais nos
beneficiamos e cujas contribuições e descobertas,
continuamos desfrutando hoje.
Zigurat
❑ Templo da antiga
Mesopotâmia em forma
de uma torre de barro
maciça e escalonada,
coberta com uma
espessa camada de
tijolos. No centro de
cada cidade suméria,
um zigurate foi erguido.
Esta palavra significa
"montanha de Deus".
Hammurabi (1792-1750 a. de C.)
❑ Filho do rei Sin-muballit (1812-
1793 a. C.). Em virtude de sua
habilidade como político
habilidoso, um bom soldado e
um excelente burocrata,
Hamurabi conseguiu unir a
Mesopotâmia territorialmente.
Ele também se destacou como
um grande legislador, pois
gravou em uma coluna diorita
um código legal, conhecido
como Código de Hamurabi, pelo
qual ele unificou as leis de
todos os povos do país.
Zigurat de zimbal
•
•
Babilônia
•
Templo de nabu
Puertas de ninive

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações MesopotâmicasAs Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações Mesopotâmicas
João Medeiros
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
Douglas Barraqui
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
Escolacsm
 
Civilizações Pré-Colombianas: Maias, Astecas e Incas
Civilizações Pré-Colombianas: Maias, Astecas e IncasCivilizações Pré-Colombianas: Maias, Astecas e Incas
Civilizações Pré-Colombianas: Maias, Astecas e Incas
Lú Carvalho
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
Dismael Sagás
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
Viviane Jordão Moro
 
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º AnoEgito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Leticia Ribeiro
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
Janayna Lira
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
Daniel Alves Bronstrup
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
historia da mesopotamia
historia da mesopotamiahistoria da mesopotamia
historia da mesopotamia
Ewerton Anacleto de Souza
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
Daniel Alves Bronstrup
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
Daniel Alves Bronstrup
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
Fábio Paiva
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
edna2
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
Isabel Aguiar
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
Nila Michele Bastos Santos
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 

Mais procurados (20)

As Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações MesopotâmicasAs Civilizações Mesopotâmicas
As Civilizações Mesopotâmicas
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Fenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persasFenícios, hebreus e persas
Fenícios, hebreus e persas
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 
Civilizações Pré-Colombianas: Maias, Astecas e Incas
Civilizações Pré-Colombianas: Maias, Astecas e IncasCivilizações Pré-Colombianas: Maias, Astecas e Incas
Civilizações Pré-Colombianas: Maias, Astecas e Incas
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
Grécia Antiga
Grécia AntigaGrécia Antiga
Grécia Antiga
 
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º AnoEgito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
Egito antigo - Colégio Piaget - 6º Ano
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
1° ano EM - Hebreus, fenícios e Persas
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
 
historia da mesopotamia
historia da mesopotamiahistoria da mesopotamia
historia da mesopotamia
 
Incas , astecas e maias
Incas , astecas e maiasIncas , astecas e maias
Incas , astecas e maias
 
1° ano império romano - completo
1° ano    império romano - completo1° ano    império romano - completo
1° ano império romano - completo
 
Civilizações da África Antiga
Civilizações da África AntigaCivilizações da África Antiga
Civilizações da África Antiga
 
Expansão marítima européia
Expansão marítima européiaExpansão marítima européia
Expansão marítima européia
 
Egito slide
Egito slideEgito slide
Egito slide
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 

Semelhante a Mesopotamia

Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
Fabio Santos
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
ProfessoresColeguium
 
02 mesopotâmia
02   mesopotâmia02   mesopotâmia
A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.
A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.
A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Mesopotamia sexto ano
Mesopotamia sexto anoMesopotamia sexto ano
Mesopotamia sexto ano
Jovania Zanotelli
 
Povos antigos
Povos antigosPovos antigos
Colégio tiradentes da brigada militar mesopotâmia
Colégio tiradentes da brigada militar   mesopotâmiaColégio tiradentes da brigada militar   mesopotâmia
Colégio tiradentes da brigada militar mesopotâmia
Leonardo Leo
 
Apostila de-historia-antiga-oriental
Apostila de-historia-antiga-orientalApostila de-historia-antiga-oriental
Apostila de-historia-antiga-oriental
Jemuel Araújo da Silva
 
Atividade3
Atividade3Atividade3
Atividade3
Delziene Jesus
 
Mesopotâmia as civilizações da antiguidade
Mesopotâmia   as civilizações da antiguidadeMesopotâmia   as civilizações da antiguidade
Mesopotâmia as civilizações da antiguidade
Elaine Santos
 
Os acadios
Os acadiosOs acadios
Os acadios
Laguat
 
Cidades, passado e presente
Cidades, passado e presenteCidades, passado e presente
Cidades, passado e presente
Juliana Zalamena
 
Revisao.mesopotamia
Revisao.mesopotamiaRevisao.mesopotamia
Revisao.mesopotamia
Scriba Digital
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
Valdemir França
 
Povos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmiaPovos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmia
Lucas Reis
 
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
RobsonCamposdeAbreu
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Valéria Shoujofan
 
03 a época histórica de daniel
03 a época histórica de daniel03 a época histórica de daniel
03 a época histórica de daniel
Diego Fortunatto
 
Sociedade Antiga
Sociedade AntigaSociedade Antiga
Sociedade Antiga
Cristiane Freitas
 

Semelhante a Mesopotamia (20)

Mesopotamia
MesopotamiaMesopotamia
Mesopotamia
 
Mesopotâmia
MesopotâmiaMesopotâmia
Mesopotâmia
 
02 mesopotâmia
02   mesopotâmia02   mesopotâmia
02 mesopotâmia
 
A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.
A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.
A Mesopotâmia - Prof.Altair Aguilar.
 
Mesopotamia sexto ano
Mesopotamia sexto anoMesopotamia sexto ano
Mesopotamia sexto ano
 
Povos antigos
Povos antigosPovos antigos
Povos antigos
 
Colégio tiradentes da brigada militar mesopotâmia
Colégio tiradentes da brigada militar   mesopotâmiaColégio tiradentes da brigada militar   mesopotâmia
Colégio tiradentes da brigada militar mesopotâmia
 
Apostila de-historia-antiga-oriental
Apostila de-historia-antiga-orientalApostila de-historia-antiga-oriental
Apostila de-historia-antiga-oriental
 
Atividade3
Atividade3Atividade3
Atividade3
 
Mesopotâmia as civilizações da antiguidade
Mesopotâmia   as civilizações da antiguidadeMesopotâmia   as civilizações da antiguidade
Mesopotâmia as civilizações da antiguidade
 
Os acadios
Os acadiosOs acadios
Os acadios
 
Cidades, passado e presente
Cidades, passado e presenteCidades, passado e presente
Cidades, passado e presente
 
Revisao.mesopotamia
Revisao.mesopotamiaRevisao.mesopotamia
Revisao.mesopotamia
 
1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia1º ano E.M. - Mesopotâmia
1º ano E.M. - Mesopotâmia
 
Antiguidade oriental
Antiguidade orientalAntiguidade oriental
Antiguidade oriental
 
Povos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmiaPovos da mesopotâmia
Povos da mesopotâmia
 
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
1ano-mesopotmia-140310223340-phpapp02.pptx
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
 
03 a época histórica de daniel
03 a época histórica de daniel03 a época histórica de daniel
03 a época histórica de daniel
 
Sociedade Antiga
Sociedade AntigaSociedade Antiga
Sociedade Antiga
 

Mais de Loredana Ruffo

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
Loredana Ruffo
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
Loredana Ruffo
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Loredana Ruffo
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
Loredana Ruffo
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
Loredana Ruffo
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Loredana Ruffo
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
Loredana Ruffo
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
Loredana Ruffo
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
Loredana Ruffo
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
Loredana Ruffo
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
Loredana Ruffo
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
Loredana Ruffo
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
Loredana Ruffo
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
Loredana Ruffo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
Loredana Ruffo
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
Loredana Ruffo
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
Loredana Ruffo
 

Mais de Loredana Ruffo (20)

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 

Mesopotamia

  • 1.
  • 2. MESOPOTAMIA 1. MARCO GEOGRÁFICO 2. HISTÓRIA 3. ECONOMIA 4. SOCIEDADE 5. RELIGIÃO 6. CULTURA E CIÊNCIA 7. ARTE 8. DIREITO
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. 1. MARCO GEOGRÁFICOMESOPOTÂMIA Mesopotâmia em grego significa Terra fértil Situada entre dos ríos Tigre Eufrates Dividida entre dois territorios Alta Mesopotâmia Baja Mesopotâmia Zona montanhosa ao norte Zona pantanosa ao sul Dominada por vários povos Sumérios ao Sul Acádios Asírios Entre o vale dos dois rios Ao norte Asírios Alta Mesopotâmia Acádios Sumérios baixa Mesopotâmia
  • 12. PRIMERAS CIVILIZAÇÕES URBANAS Mudanças econômicas e sociais Excedentes agrícolas Gera Mudanças políticas Crescimiento de los poblados Gera Desenvolvimento do comércio Surgimento de novos ofícios (Alfaiataria, cerâmica, metalurgia) novos grupos sociais Surgimento das cidades Nacimiento da Administração do Estado Reis e sacerdotes tomam o comando e passam a cobrar impostos Mudanças culturais Nascimento da escrita no período de 3500 a.C. Nascimento da Historia escrita, das escolas, da ciência e das bibliotecas Egíto: Hieroglífos , símbolos em papiro ou pedra Mesopotâmia: cuneiforme, cuneiforme, em foma de cunha, escrita em argila macia seca ao sol Desenvolvimento das primeiras civilizações (6.000 anos atrás) ao redor de um rio Terra fértil Grandes colheitas Aumento da população
  • 15. Períodos históricos da Mesopotâmia 1. Sumério-Acádio (4000-2000 a. de C.) 2. Primeiro Império Babilônico (1894-1535 a. de C.) 3. Predomínio dos Asírios (1360-612 a. de C.) 4. Segundo Império Babilônico (612-593 a. de C.) 2. HISTÓRIA
  • 16. 4.000 a.C. 3.000 a.C. 2.000 a.C. 1.000 a.C. 0 IDADE DO BRONZE SUMÉRIOS 3.500 a.C. 1.900 a.C. ASÍRIOS 539 a.C. PERSAS 331 a.C. IDADE DO FERRO 1.200 a.C. PRIMEIROS DOCUMENTOS ESCRITOS INÍCIO DA HISTÓRIA 3400 a.C.
  • 17. MESOPOTAMIA Podemos estabelecer varias etapas dos povos conquistadores -Primeiro Império Babilônico: Hamurabi une as terras sob seu domínio (capital da Babilônia) Predominância assíria com Asurnasilpal II -Recuperação do domínio babilônico em 625 aC. Império Neobabilônico -Nabuconodosor II se destaca derrotou os egípcios e dominou a Síria 1900- 539 a.C. SUMÉRIOS e ACÁDIOS 3500-1900 a.C. -Eles enfatizam os SUMÉRIOS que construíram canais e poços para controlar as inundações dos rios, são organizados nas cidades do estado e inventam a escrita. - posteriormente foram s conquistados pelo rei Sargão I, rei de Akkad: ACADIUS - Mais tarde Gudea unifica os sumérios e acadianos em um único império ASÍRIOS E BABILÔNIOS -Ciro II transforma Babilônia em uma província persa em 539 aC. -Em 331 a.C. Alexandre, o Grande, subjugou os persas sob o domínio grego 539- 331 a.C. PERSAS E GREGOS
  • 18. POVOS E ETAPAS REALIZAÇÕES CARACTERÍSTICAS Sumérios (IV mileno a.C.) Agricultura, Hidráulica intensiva, astronomia, sistema numérico e calendario Surgimento das primeiras cidades: Ur, Uruk, Lagash y Nippur. Primeiro Império babilônico- Caudeus II Milenio a.C. Governo de Hammurabi. Legislação – código de leis Capital: Babilnia. Centro político, econômico e cultural do oriente médio. Invasões indo-europeias: Hititas, cassitas, militanos. 1655-1595 a.C. Chegaram com cavalos e armas de ferro. Provenientes da Ásia Central Asírios 883-623 a.C. Tecnologia de guerra. cavalo, muita crueldade. Grande império que alcançou o Mediterrâneo e a Armênia. A capital de Nínive. Segundo Império Babilônico- 623-539 a.C. Renascimento do comércio. Centro religioso e cultural do oriente. Principal governante: Nabucodonosor. Capital Babilnia.
  • 19. Sumério-Acádio ❑ Desenvolvimento da primeira civilização histórica. ❑ Eles inventaram o calendário, a roda e a escrita. ❑ A escrita cuneiforme foi inventado na Suméria, na cidade de Uruk, por volta de 3.500 ac. ou logo em seguida. ❑ Por volta de 2.400 ac. os acadianos (rei Sargón), população da língua semita, invadiram a planície e dominaram os sumérios, mas assimilaram sua rica cultura.
  • 20. Esplendor sumério (3000 a 2400 ac.) • O quarto milênio a. C., marca o início da evolução em direção à alta cultura. Os primeiros documentos escritos foram encontrados na Suméria, que datam do início do terceiro milênio. Graças a isso, sabemos a existência de grandes cidades independentes: Ur, Lagash, Kish, entre outras. Eles foram constituídos como cidades do templo e foram organizados por um rei-sacerdote chamado "patesi". Entre as contribuições dos padres-rei está a do "patesi" de Lagash, Urukagina, que foi o primeiro a promulgar leis que favorecem a situação dos pobres.
  • 21. Os Sumérios Escrita cuneiforme Templo Branco de Uruk
  • 22. O império unificado de Akkad • Os caldeus ou acadianos eram originalmente da região montanhosa a oeste do Eufrates. Eles se estabeleceram nas planícies do norte da Suméria. A proximidade com esta região fez com que os dois povos se fundissem. Para o ano 2400 a. C., foram colocados sob a autoridade do rei acadiano Sargón, o Velho, conseguiu criar o primeiro estado unificado com capital em Akkad. Em seu longo reinado, ele formou um grande império. Foi um período de grande atividade política e comercial com outros povos. • Alguns anos depois, esse grande império se extinguiu devido à invasão do povo nômade dos guteos que, das montanhas de Zagros, desceu às planícies férteis.
  • 23. Imagens dos Acadios GoVernante acadio (Sargón)
  • 24. Restauração suméria • O declínio do Império Acadiano foi aproveitado pelas antigas cidades sumérias para alcançar um novo momento de esplendor. O rei de Gudea tomou a cidade de Lagash e a reconstruiu e embelezou; ele promoveu irrigação, saneamento e construiu templos. Lagash e outros centros como Ur sabiam resistir à devastação das gotas e preparavam o novo ressurgimento babilônico.
  • 25. Primeiro Império Babilônico ❑Criados por outro povo semita, os amoritas. ❑Sob seu rei Hammurabi (1792-1750 a. de C.) a cidade da Babilônia se converteu no centro do império.
  • 26. O Império Babilônico • No início do segundo milênio, o império Gute se enfraqueceu, e a cultura suméria- acadiana foi restaurada. Hamurabi, rei da Babilônia, obtém a unificação política, administrativa e cultural de seu país (a língua acadiana prevaleceu e se tornou uma língua literária ao lado dos sumérios). O tempo de Hamurabi significa uma verdadeira unificação de sumérios e acadianos.
  • 27. As grandes invasões • Em direção a 1700 a. C., o império de Hamurabi não consegue subsistir à grande onda de cidades que os invadiram; entre eles estavam os hicsos, os hititas e os mitani (os dois últimos indo-europeus) e os casitas (pastores dos zagros). A violência dos invasores colocou em risco as conquistas culturais da Mesopotâmia. No entanto, alguns desses grupos foram posteriormente influenciados pela cultura babilônica. No final do segundo milênio, ocorreu novamente uma grande crise devido à penetração dos chamados povos do mar ".
  • 28. Predomínio assírio ❑Habitantes bélicos do norte do Tigre, que prevaleceram na Mesopotâmia e mais tarde no Oriente Médio. ❑Entre seus guerreiros monarcas destacaram-se Sargão II e Assurbanipal, o último imperador do Egito. ❑Seu vasto império incluía Síria, Palestina, parte da Anatólia e Egito.
  • 29. Um novo império: o assírio • A pilhagem da Babilônia pelos povos do mar foi aproveitada pelos assírios (eles eram basicamente pastores e se tornaram cavaleiros habilidosos) para impor seu império. Uma das bases de sua rápida expansão foi a organização de um exército treinado. • Arsubanipal lI, no século IX a. C., chega à Babilônia e domina as regiões adjacentes. O pico do poder assírio está localizado nos séculos VIII e VII aC. C. Durante esse período, Sargão II e seus sucessores, os Sargonídeos, governaram a Mesopotâmia, Síria, Fenícia, Palestina e Egito. Assur e Nínive foram as capitais deste grande império. • As vastas fronteiras das terras do norte da Assíria eram constantemente ameaçadas pelo fervor dos povos medo-persas e indo-europeus. Para suportar essas pressões e poder controlar um conglomerado de pessoas, os assírios não hesitaram em aplicar terríveis punições àqueles que se opunham a elas. A guerra se tornou um modo de vida. No final do século VI, Assur e Nínive caíram com os persas, destruindo esse vasto império.
  • 30. Imagens dos Assírios Sargón II Caça ao relevo de Assurbanipal
  • 32. Segundo Império Babilônico ❑Babilônia foi mais uma vez o grande centro financeiro e artístico do Oriente Médio ❑Entre seus reis estavam Nabucodonosor e Nabucodonosor II. ❑Durante esse período, os famosos Jardins Suspensos da Babilônia foram construídos no palácio do rei Nabucodonosor II.
  • 33. O fim do velho mundo oriental • Com a queda do império assírio, a Babilônia ressurgiu e, com o governo de Nabucodonosor, apresentou um último século de esplendor. Isto é devido ao embelezamento da Babilônia com os famosos jardins suspensos. O velho mundo semítico foi derrotado pelos invasores indo- europeus por volta de 539.
  • 34. Imagens do Segundo Império babilônico Nabucodonosor Jardins suspensos
  • 35. Porta de Isthar Nabucodonosor II Imagens do Segundo Império babilônico
  • 37. 3. ECONÔMIA MESOPOTAMIA Agricultura Pecuária Papel de destaque Cerâmica Metalurgia Selos Artesanato Excedentes agrícolas e artesanais foram trocados por grãos ou prataComércio Caça e pesca Rio Fonte de Vida Principal fonte econômica graças à canalização das águas A Administração do Estado armazenou o grão para pagar os trabalhadores e por períodos de seca Criação de vacas e cabras Caçar antílopes, gazelas, lebres e outras aves, como codornas e guindastes Cestaria Tecida Esmalte e jóias
  • 39. CHEFE RELIGIOSO E MILITAR NOBRES Vestidos com capa e com os pés descalços GUERREIROS Inimigo derrotado ESTANDARTE DE UR
  • 40. 5. RELIGIÃO MESOPOTAMIA Crenças Vida depois da morte Magia, bruxaria e adivinhação Criadores do mundo Vários Deuses Os homens deveriam adorá-los e servi-los.
  • 41.
  • 42. 6. CULTURA E CIÊNCIA MESOPOTAMIA Desenhos com formas geométricas em argila seca ao solEscritura cuneiforme Coleção de conhecimentos sobre esculturas de argilaBibliotecas Literatura Ciência Importância do épico (poema heróico longo) O poema de Gilgamesh Importância da primeira coleção de leis O código de Hammurabi Estelas de leyes Sistema matemático de pesos e medidas Lista de países, montanhas,… com ânsia de coleta geográfica O poema de Gilgamesh Tábua de matemáticas
  • 43. Estela de Hammurabi Acorde de Hamurabi: - Colete o código de Hamurabi. - Primeira compilação de leis da história. - Coluna de basalto. -O rei é representado antes da divindade em atitude de respeito e adoração. - o deus Shamash ditou as leis diretamente ao rei, para que as leis sejam sagradas -282 leis e decretos Estela de Hammurabi
  • 44. 7. ARTEMESOPOTAMIA ARQUITETURA Características Uso de pequenos tijolos de barro (argila seca ao sol) Arcos semicirculares (arco semicircular que suporta dois suportes) e abóbada Construções cobertas com mármore, tijolo vitrificado ou alabastro do lado de fora e pinturas e relevos no interior Principais tipologías Palácio Templo torre escalonada de vários andares (geralmente 7), que são acessados por uma rampa e cada um deles foi pintado com uma das cores do arco-íris. É coroado por uma capela real e um observatório. No fundo, ficavam as salas e despensas de padres e sacerdotisas. A planta sempre foi orientada para os pontos cardeais. VáriosTerraços vários pátios cidade-palácio: armazéns, estábulos, casas de empregados, pátios e dependências reais. Eles estavam cercados por uma parede nos portões as figuras de touros alados foram colocadas como proteção e decoração. Numerosas dependências Seu elemento mais notável é o zigurat
  • 45.
  • 46.
  • 47. HAMMURABI Em 1792 a.C. Hamurabi chega ao trono, a partir do qual ele começará uma política de expansão; primeiro, ele se libertou da tutela de Ur e, em 1786, enfrentou o rei vizinho de Larsa, Rim- Sin-Rim, arrebatando Isin e Uruk dele; com a ajuda de Mari, em 1762, derrotou uma coalizão de cidades às margens do Tigre para, um ano depois, conquistar a cidade de Larsa.
  • 48. Depois disso, ele foi proclamado rei da Suméria e Akkad, um título que surgiu na época de Sargão de Akkad e foi usado pelos monarcas que tiveram sucesso após um novo confronto com uma nova coalizão de cidades conquistadas Mari, após o que, em 1753 , completou sua expansão com as conquistas da Assíria e Eshnunna no norte da Mesopotâmia, dominando toda a região da Mesopotâmia.
  • 49. Ao longo dos séculos, a imagem do monarca foi mitologizada, não apenas por suas conquistas, mas também pela elaboração de códigos de leis, como o conhecido Código de Hamurabi. Para o rei Hamurabi (1728 aC - 1686 aC), parecia-lhe que o corpo da lei de seu território tinha que ser escrito para agradar a seus deuses: ao contrário de muitos reis anteriores e contemporâneos, ele não se considerava relacionado a nenhuma divindade, embora ele próprio é chamado "o favorito das deusas".
  • 50. O CODIGO DE HAMMURABI O Código de Hamurabi foi esculpido em um bloco de diorito com cerca de 2,50 m de altura por 1,90 m de base e colocado no templo de Sippar; vários outros espécimes também foram colocados ao longo do comprimento e largura do reino. O objetivo desta lei era homogeneizar legalmente o reino de Hamurabi. Dessa maneira, dando a todas as partes do reino uma cultura comum, o todo poderia ser controlado mais facilmente. Hamurabi morreu em 1750 a. C
  • 51. 8. DIREITOMESOPOTAMIA Codigo de Hammurabi O Código de Hamurabi, criado no ano de 1760 a. C. (de acordo com a cronologia média), é um dos mais antigos conjuntos de leis que foram encontrados e uma das cópias mais bem preservadas desse tipo de documento criado na Mesopotâmia antiga e, em termos curtos, baseia- se na aplicação do Lei de Talion para casos específicos. Outras coleções de leis incluem o Codex de Ur-Nammu, rei de Ur (ca. 2050 aC), o Codex de Eshnunna (ca. 1930 a. C.) e o Codit Lipit-Ishtar de Isin (ca. 1870 aC). Eles também criaram leis como a 205, que se o escravo de um homem acertar o filho de um homem na bochecha, cortariam sua orelha. É frequentemente apontado como o primeiro exemplo do conceito jurídico de que algumas leis são tão fundamentais que nem mesmo um rei tem a capacidade de alterá-las. As leis, escritas em pedra, eram imutáveis. Esse conceito sobrevive na maioria dos sistemas jurídicos modernos. Essas leis, como em quase todos os códigos da antiguidade, são consideradas de origem divina, representadas pela imagem esculpida no topo da estela, onde o deus Shamash, o deus da justiça, entrega as leis ao rei. Hamurabi. De fato, anteriormente a administração da justiça recaiu sobre os padres, que em Hamurabi perdem esse poder. Por outro lado, conseguiu unificar critérios, evitando a subjetividade excessiva de cada juiz.
  • 52. 8. DIREITOMESOPOTAMIA Código de Hammurabi Embora o código seja a inspiração para "olho por olho, dente por dente", ele tem artigos muito distantes desse conceito. Os artigos que constituem o primeiro exemplo da chamada Lei da Retaliação são os 196 (o olho), os 197 (o osso) e os 200 (o dente). O código é inspirado por um alto senso de moralidade e ordem. Não há privilégios de classe. As regras dos contratos ainda são as estabelecidas pelos sumérios. A responsabilidade mútua do mestre e do trabalhador é fixa. Ele tem que receber um salário mínimo e desfrutar de três dias de folga por mês. O Código é uma compilação simples de leis sumérias, feita por um rei, Hamurabi, sexto dos reis da primeira dinastia Babilônico, amorreita e semita, embora não seja sumério. Existem bases para assumir um empréstimo direto dos babilônios aos hebreus, assim como existem para ver inspirações neste código da própria Roma. O código não deve dar a impressão negativa e simplista da Lei de Retaliação. Entre outras coisas, porque ajuda a considerar os sumérios e os babilônios (semitas sumérios) como verdadeiros selvagens, quando esses são os assírios, que vieram muito mais tarde (Nínive), segundo a história.
  • 53. 8. DIREITOMESOPOTAMIA Codigo de Hammurabi Algumas partes da Lei mosaica são semelhantes a certas leis do Código de Hamurabi, portanto, alguns estudiosos afirmaram que os hebreus derivaram seu direito da Babilônia. Outros especialistas diferem: Não há base para assumir qualquer empréstimo direto dos babilônios aos hebreus. Embora ambos os conjuntos de leis diferam pouco em letra, diferem muito em espírito. Thomas (1958) Aqui estão alguns exemplos das diferenças: .Código de Hammurabi Lei mosaica Pena de morte por roubo de propriedade do templo e palácio ou por receber propriedade roubada (Lei 6) O ladrão é punido compensando a vítima (Ex. 22.1-9) Morte por ajudar um escravo a escapar ou por abrigar um escravo fugitivo (Lei 15, 16) "Não entregarás a seu senhor o servo que dele fugiu e que vem a ti." (Dt 23.15) Se uma casa mal feita causa a morte de um filho do dono da casa, a falta é paga com a morte do filho do construtor (Lei 230) "Os pais não vão morrer por seus filhos ou filhos por seus pais." (Deut. 24.16). "E todo aquele que ferir o seu próximo, como ele o fez, assim será feito a ele; quebrado por quebrantado, olho por olho e dente por dente; Mero exílio por incesto: "Se um homem de alto escalão se unir à filha, eles tirarão um cavalheiro da cidade". (Lei 154) Pena de morte por incesto (Lev. 18.6, 29) Distinções de classe: penalidades severas por ferir um membro de uma casta mais alta. Penalidades menores por ferir membros de uma casta inferior (Lei 196–205) Você não fará injustiça nos julgamentos, nem favorecendo os pobres nem agradando os grandes (Lev. 19.15). Se um homem ferir seu escravo com um graveto e matá-lo, ele será culpado de um crime. Mas se eles sobreviverem um ou dois dias, ele não será culpado por pertencer a ele (Êxodo 21. 20).
  • 54. 8. DIREITOMESOPOTAMIA Codigo de Hammurabi Os crimes capitais (roubo e assassinato) eram puníveis com a pena de morte e com a regulamentação de casamentos: estupro, maus-tratos, divórcio e adultério. A família dos condenados à morte correu com multas financeiras, depois o roubo não seria punido com a morte. A aplicação da lei tem um papel fundamental, o rei que impôs a justiça assistido por funcionários sob a supervisão da ensis. Há também a figura do juiz que forma um grupo que age, eles não eram profissionais. Nas comunidades menores estavam os maski que eram comissários. Existe uma dimensão privada que se refere à operação de leis em pessoas pobres, como a regulamentação do casamento. Também existem escravos com seu próprio regulamento e sua própria personalidade jurídica, eles podem se casar com mulheres livres, ser testemunhas etc. De acordo com o código de Ur Namma na herança, não havia muita diferença com a atual, pois foi reconhecida em benefício dos filhos carnais ou adotados do casamento. Havia uma diferença entre filhos e filhas, filhas herdadas apenas se não houvesse meninos; se existisse, ele herdaria toda a propriedade.
  • 56. Zigurat del rey Ur-Urnammu Puerta de Isthar, ladrillo vidriado
  • 57.
  • 58.
  • 59. Contribuições da Mesopotâmia para a humanidade 1. Eles inventaram o cofre, o arco e as rampas 2. Escrita cuneiforme (primeira escrita) 3. Os signos do horóscopo e do zodíaco 4. Eles dividiram a semana em 7 dias 5. Conhecimento matemático como multiplicação e divisão 6. Sistema sexagesimal (circunferência de 360 ​​graus, 60 minutos e 60 segundos).
  • 60.
  • 61. GRANDES CONTRIBUIÇÕES Outra das criações sumérias foi a roda, que remonta a cerca de 3500 aC. Foi entre 3500 e 3100 aC. quando eles fizeram sua sua invenção: a escrita maior cuneiforme. Esse avanço marca o fim da pré-história e o começo da história.
  • 62. A escrita É uma série de sinais que têm a forma de uma unha e foram feitos com um instrumento em forma de cunha, por isso são chamados de cuneiformes. Eles aparecem gravados em tabletes de argila e também foram encontrados em inscrições feitas de metais, pedras, estelas e outros materiais. Os primeiros textos escritos em escrita cuneiforme têm seu ponto de origem no sul da Mesopotâmia, possivelmente em Uruk, acredita-se ter sido inventado pelos sumérios, que escreveram com esses sinais o procedimento em seu próprio idioma; mais tarde foi usado para escrever em acadiano, uma língua da qual derivam tanto assírios quanto babilônios.
  • 63. GRANDES ASTRONOMOS Os sumérios dividiram o cofre celestial em 360º, ordenaram as estrelas em constelações e conheceram os eclipses. Eles representavam o Universo como meia esfera na base da qual a Terra era um disco plano cercado pelo mar. Os sumérios sabiam distinguir entre planetas - objetos em movimento - e estrelas. Eles foram capazes de prever fenômenos astronômicos com antecedência. Eu trago a você esse conhecimento de astronomia adotar um precioso calendário lunar um calendário preciso incluído um mês suplementar que o ajustou ao lote.
  • 64. TECNOLOGIA O desenvolvimento da tecnologia na Mesopotâmia foi condicionado em muitos aspectos ao avanços no campo de fogo, conseguidos através da melhoria da capacidade térmica dos fornos, com os quais, a partir de 300 ºC é possível obter gesso e a partir de 800 ºC, cal. Esses materiais poderiam ser usados ​​para cobrir recipientes de madeira, o que permitia que fossem incendiados diretamente, uma técnica antecessora da cerâmica que foi chamada de "louça branca". O início dessa técnica foi encontrado em Beidha, ao sul de Canaã, e data do nono milênio aC. aproximadamente, a partir dos milênios posteriores, estende-se para o norte e o resto do Oriente Próximo, cobrindo-o completamente entre 5600 e 3600 a. C.
  • 65. METALURGIA Com o desenvolvimento de fornos mais potentes, o uso desses materiais se generalizou com o advento da metalurgia. Essa mudança pode ser localizada no meio do terceiro milênio aC. C.; mais objetos de metal começam a ser encontrados; devido à sua composição, pode-se ver que esses objetos são obtidos por fundição, e não por entalhar metais em seu estado natural, e os experimentos estão começando com ligas. O nascimento da metalurgia do bronze, que diferiu em dois aspectos de acordo com os metais com os quais a liga foi obtida; cobre e estanho ou. Entre 1200 e 1000 aC. C. um novo avanço ocorre; o ferro, que até então era escasso a ponto de custar tanto quanto o ouro, tornou-se popular, provavelmente devido à descoberta de carburação, alcançada na área do norte da Síria ou na terra dos hititas.
  • 66. O cálculo floresceu na Mesopotâmia através de um sistema decimal e sexagesimal, cuja primeira aplicação foi no comércio. Além da adição e subtração, eles sabiam multiplicação e divisão e, a partir do segundo milênio aC. C. desenvolveu uma matemática que permitia resolver equações de até terceiro grau. Eles também sabiam o número π da raiz e da potência, e assim puderam calcular volumes e superfícies das principais figuras geométricas. A MATEMÁTICA Desenvolveram um eficaz sistema de fração que permitia estabelecer aproximações decimais verdadeiramente surpreendentes.
  • 67. Esta evolução e simplificação do método fracionário, permitiu o desenvolvimento de novos algoritmos . Eles desenvolveram o conceito de número inverso, o que simplificou bastante a operação da divisão. Também encontramos neste momento os primeiros sistemas de duas equações com duas incógnitas; mas sem dúvida a grande contribuição algébrica se concentra no campo do empoderamento e na solução de equações quadráticas.
  • 68. CONCLUSÃO A Mesopotâmia tem sido o berço não apenas das grandes civilizações, mas de grandes contribuições que contribuíram ao longo da história para avançar em diferentes aspectos do desenvolvimento que vivemos hoje. Eles fizeram grandes avanços na agricultura, dando lugar a estilos de vida sedentários, criaram um sistema de escrita, mudando a história, fizeram grandes avanços na matemática e na literatura, na astronomia, e também deixaram sua arte como um legado através de suas esculturas, cerâmica, metalurgia e toda sua arquitetura.
  • 69. Eles criaram um sistema de pagamento através da moeda, nos deixaram a grande invenção da roda, que vem evoluindo há milhares de anos. A construção de canais de irrigação e diques também o sistema de leis do código de Hamurabi. Em suma, toda a sua evolução, a conquista de grandes cidades e o que nos deixaram como legado, fazem da Mesopotâmia uma das grandes culturas das quais nos beneficiamos e cujas contribuições e descobertas, continuamos desfrutando hoje.
  • 70.
  • 71. Zigurat ❑ Templo da antiga Mesopotâmia em forma de uma torre de barro maciça e escalonada, coberta com uma espessa camada de tijolos. No centro de cada cidade suméria, um zigurate foi erguido. Esta palavra significa "montanha de Deus".
  • 72. Hammurabi (1792-1750 a. de C.) ❑ Filho do rei Sin-muballit (1812- 1793 a. C.). Em virtude de sua habilidade como político habilidoso, um bom soldado e um excelente burocrata, Hamurabi conseguiu unir a Mesopotâmia territorialmente. Ele também se destacou como um grande legislador, pois gravou em uma coluna diorita um código legal, conhecido como Código de Hamurabi, pelo qual ele unificou as leis de todos os povos do país.
  • 73.
  • 75.
  • 76.
  • 77.
  • 78.
  • 79.
  • 80.
  • 81.
  • 82.
  • 84.
  • 85.
  • 86.
  • 87.
  • 88.
  • 89.
  • 90.
  • 91.
  • 92.
  • 93.
  • 94.
  • 95.
  • 96.
  • 97.
  • 98.
  • 99.
  • 100.
  • 102.
  • 103.
  • 104.