SlideShare uma empresa Scribd logo
Estado e Religião
Capítulo 2
A Primeira missa no Brasil. Painel de Cândido Portinari, de 1948
Capitanias hereditárias
• O governo português não dispunha de recursos
suficientes para investir na colonização do Brasil. A
solução encontrada no começo desse processo foi
transferir a tarefa para particulares, geralmente pessoas
da pequena nobreza lusitana.
• Assim, em 1534, o rei D. João III ordenou a divisão do
território da colônia em grandes porções de terra – 15
capitanias ou donatárias - e as entregou a pessoas que
se habilitaram ao empreendimento, chamadas capitães
ou donatários.
• Nomeado pelo rei, o donatário era a autoridade
máxima dentro da capitania. Com sua morte, em
principio, a administração passava para seus
descendentes. Por esse motivo, as terras eram
chamadas de capitanias hereditárias.
Início da administração colonial
Capitanias hereditárias
Início da administração colonial
Direitos e deveres dos
donatários
• O vínculo jurídico entre o rei de Portugal e os
donatários era estabelecido em dois documentos
básicos:
• • Carta de Doação – conferia ao donatário a
posse hereditária da capitania. Os donatários não
eram proprietários das capitanias, apenas de uma
parcela das terras. A eles era transferido,
entretanto, o direito de administrar toda a
capitania e explorá-la economicamente.
• Carta Foral - estabelecia os direitos e os deveres
dos donatários, relativos à exploração da terra.
Direitos e deveres dos
donatários
Alguns Direitos Alguns Deveres
• Criar vilas e distribuir terras
(sesmarias) a quem desejasse e
pudesse cultivá-las.
• Exercer plena autoridade judicial
e administrativa.
• Por meio da chamada “guerra
justa", escravizar os indígenas
considerados inimigos, obrigando-
os a trabalhar na lavoura.
•Receber 5% dos lucros sobre o
comércio do pau-brasil.
Assegurar ao rei de Portugal:
•10% dos lucros sobre todos os
produtos da terra;
•25% dos lucros sobre os metais e
as pedras preciosas que fossem
encontrados;
•Monopólio da exploração do pau-
brasil
Dificuldades com as capitanias
• Do ponto de vista econômico, o sistema de capitanias
não alcançou os resultados esperados pelo governo
português. Entre as poucas capitanias que progrediram e
obtiveram lucros, principalmente com a produção de
açúcar, estavam a de Pernambuco e a de São Vicente.
Como veremos a seguir, as demais capitanias não
prosperaram em decorrência de várias condições.
• As capitanias eram muito extensas, e os donatários
geralmente não tinham recursos suficientes para
explorá-las. Muitos perderam o interesse pelas
capitanias, acreditando que o retorno financeiro não
compensaria o trabalho empenhado e o capital investido
na produção. Alguns nem chegaram a tomar posse de
suas terras.
Destacaram-se apenas as Capitanias de São
Vicente e Pernambuco com atividade açucareira
• Os colonos também tinham de enfrentar a
hostilidade dos grupos indígenas que resistiam à
dominação portuguesa. Para muitos nativos, a
luta era a única forma de se defender da invasão
de suas terras e da escravidão que o conquistador
queria impor.
Dificuldades com as capitanias
• Havia também problemas de comunicação entre
as capitanias: separadas por grandes distâncias e
sob as precárias condições dos meios de
transporte da época, elas ficavam isoladas umas
das outras e em relação a Portugal. Por exemplo,
uma viagem de navio da Bahia a Lisboa levava em
média dois meses.
Dificuldades com as capitanias
• Além disso, nem todas as capitanias tinham solo propício
ao cultivo de cana-de-açúcar, produção que mais
interessava aos objetivos da Coroa e dos comerciantes
envolvidos no comércio colonial. Restava aos donatários
a exploração do pau-brasil, atividade que gerava pouco
lucro para os donatários.
Dificuldades com as capitanias
• Apesar dessas dificuldades, historiadores apontam que o
sistema de capitanias lançou as bases da colonização da
América portuguesa, estimulando a formação e o
desenvolvimento dos primeiros núcleos de povoamento,
como São Vicente (1532), Porto Seguro (1535), Ilhéus
(1536), Olinda (1537) e Santos (1545). Contribuiu,
também, em relação aos colonizadores lusos, para
preservar a posse das terras e revelar as possibilidades
de exploração econômica da colônia.
Mulheres na administração
Algumas mulheres de origem portuguesa chegaram a
participar da administração de capitanias hereditárias.
• Brites de Carvalho, por exemplo, assumiu o controle de
uma sesmaria no norte da Bahia em 1583, depois da morte
de seu marido.
• A esposa de Duarte Coelho, donatário da capitania de
Pernambuco, também se destacou. Brites Mendes de
Albuquerque assumiu o governo da capitania após a morte
do marido.
De acordo com pesquisadores:
Durante o governo de Brites, Pernambuco era a mais
desenvolvida capitania do Brasil.
Tinha mais de mil colonos e mais de mil escravos. [...] nos
anos 1570 havia na capitania cerca de 66 engenhos, que
produziam 200 mil arrobas de açúcar anuais. [...]
• Já Ana Pimentel participou da administração
da capitania de São Vicente. Ela era esposa do
donatário Martim Afonso de Souza.
• Após um breve período em terras brasileiras,
Martim Afonso retornou a Portugal para
ocupar o cargo de capitão-mor da armada da
Índia. Ana Pimentel tornou-se, então, a
responsável pelo governo da capitania. Em
sua administração, ela organizou o cultivo de
laranja, de arroz e de trigo, além de introduzir
a criação de gado naquelas terras.
Mulheres na administração
Brites Mendes de Albuquerque
Capitania de Pernambuco
Ana Pimentel
Capitania de São Vicente
Governo-geral
• Os problemas das capitanias hereditárias levaram a Coroa
portuguesa a procurar soluções diferentes para
administrar sua colônia na América. Foi assim que, ainda
no reinado de D. João III, instituiu o governo-geral,
conduzido por um funcionário do governo português,
denominado governador-geral. Este daria ajuda aos
donatários e interferiria mais diretamente no processo de
colonização do Brasil.
• Portanto, o governo-geral coexistiu com o sistema das
capitanias hereditárias. Essa coexistência perdurou até
1759, quando as últimas capitanias hereditárias foram
extintas e o território brasileiro passou a ser efetivamente
administrado pelos representantes da Coroa portuguesa,
não mais por particulares.
A busca da centralização administrativa
Governo-geral
• O governo português escolheu a capitania da Bahia como
sede do governo-geral, que, então, foi
retomada pela Coroa. A escolha foi motivada por
interesses administrativos, pois essa capitania localizava-
se em um ponto central da costa, o que facilitava a
comunicação com as demais capitanias. Ali foi erguida a
primeira capital do Brasil — Salvador -, cujas obras de
construção tiveram início no dia 1º de maio de 1549, em
um terreno elevado e de frente para o mar. Essa
localização facilitava a defesa militar da cidade.
A busca da centralização administrativa
Bahia sede do governo geral -
Salvador
Esta é uma versão colorizada, de John Ogilby, da ilustração Urbs Salvador, publicada em
1671, na obra de Arnoldus Montanus.
Embora tenham existido diferentes regimentos para
estabelecer o papel dos governadores-gerais,
quase todos possuíam itens relativos à defesa da terra
contra ataques estrangeiros, ao incentivo à busca de
metais preciosos, ao apoio à religião católica e à luta
contra a resistência indígena.
Ainda conforme esses regimentos, o governador tinha
funções:
• militares - comando e defesa militar da colônia;
•administrativas - relacionamento com os governadores
das capitanias e controle dos assuntos ligados às finanças;
• judiciárias – direito de nomear funcionários da Justiça e
alterar penas;
• eclesiásticas indicação de sacerdotes para as paróquias.
Regimento do governo-geral
Governo-geral
Para o desempenho de suas funções, o
governa- dor-geral contava com três
auxiliares principais:
• o ouvidor-mor, encarregado dos
negócios da Justiça;
• o provedor-mor, encarregado dos
assuntos da Fazenda;
•o capitão-mor, encarregado da defesa
do litoral.
Governo-geral
• Os governadores-gerais tiveram, no entanto, problemas no
cumprimento de suas funções. Além da
dificuldade de comunicação entre as capitanias, o governo-
geral muitas vezes enfrentava a oposição de poderes
locais, especificamente dos "homens-bons". Essa
expressão era aplicada aos homens de posses,
proprietários de terra, de gado e de escravos. Nas vilas e
cidades em que residiam, eram eles que formavam as
câmaras municipais.
• As câmaras municipais, encarregadas da administração
local, foram sendo estruturadas paralelamente à formação
das primeiras vilas. Sua atuação abrangia setores como o
abastecimento, a tributação e a execução das leis. Além
disso, organizavam expedições contra os indígenas,
determinavam construção de povoados e estabeleciam os
preços das mercadorias.
Os três primeiros governadores-gerais do
Brasil foram Tomé de Sousa, Duarte da
Costa e Mem de Sá.
Tomé de Souza: Construção de Salvador
Duarte da Costa: França Antártica e Confederação dos Tamoios
Mem de Sá: Combate e expulsa Franceses e dizima Tamoios
Primeiro governo-geral
• Tomé de Sousa foi o primeiro governador-geral do
Brasil. Em seu governo (1549-1553) ocorreram a
fundação de Salvador (1549), primeira cidade e capital
do Brasil; a criação do primeiro bispado brasileiro (1551);
a implantação da pecuária; o incentivo ao cultivo da
cana-de-açúcar; e a organização de expedições para
explorar o território à procura de metais preciosos.
Primeiro governo-geral:
Aculturação dos indígenas
• Com Tomé de Sousa vieram seis jesuítas, chefiados pelo
padre português Manuel da Nóbrega, com a missão de
catequizar os indígenas.
• Os jesuítas faziam parte de um mundo regulado pelas
normas e pelos costumes das sociedades
católicas européias e não aceitavam ou compreendiam
diversos aspectos das culturas indígenas como a nudez,
a poligamia, a antropofagia e as crenças próprias.
• Iniciou-se, assim, um processo de modificação da
cultura dos indígenas (aculturação). Para
transmitir-lhes os valores europeus e do
cristianismo, os jesuítas reuniram as populações
indígenas em aldeias ou aldeamentos.
Segundo governo-geral
• Duarte da Costa
foi o segundo
governador-
geral do Brasil.
Em seu governo
(1553-1558),
vieram mais
jesuítas para a
colônia, entre os
quais se
destacou José
de Anchieta.
Segundo governo-geral
• Em janeiro de 1554, Anchieta e Manuel da
Nóbrega fundaram o Colégio de São Paulo,
junto ao qual surgiu a vila que deu origem à
cidade de São Paulo, no planalto de
Piratininga.
Segundo governo-geral
• Foi também no governo de Duarte da Costa que
os franceses, contando com o apoio de grupos
indígenas (como os tupinambás), invadiram a baía
de Guanabara, no atual Rio de Janeiro, e
fundaram um povoamento que recebeu o nome
de França Antártica (1555-1567).
Terceiro governo-geral
• Mem de Sá foi o terceiro governador-geral do
Brasil. Em seu governo (1558-1572), os
franceses foram expulsos do Rio de Janeiro,
com a ajuda do chefe militar Estácio de Sá
(seu sobrinho).
• Além de expulsar os franceses (1567), o
terceiro governo-geral reuniu forças para lutar
contra os indígenas que resistiam à conquista
colonial portuguesa. As ações do governo
levaram à destruição de centenas de aldeias
do litoral brasileiro no século XVI.
Segundo governo-geral
Índios que habitavam a costa Brasileira durante a colonização
Confederação dos Tamoios
Vejamos um texto do filósofo Benedito Prezia e do
historiador Eduardo Hoornaert, em que apresentam suas
interpretações do que foi a chamada Confederação dos
Tamoio.
•
Para combater a escravização dos indígenas, feita em
grande escala pela família de João Ramalho que vivia no
planalto de Piratininga, e como protesto contra as aldeias
dos padres jesuítas, várias nações indígenas resolveram se
unir.
• Assim, os tupinambás, parte dos tupiniquins, os carijós e
os guayanás das regiões de São Paulo e Rio de Janeiro,
com o apoio dos franceses, fizeram uma grande aliança de
guerra, que recebeu o nome de Confederação dos
Tamoios.
Confederação dos Tamoios
• Tamoio ou tamuya, na língua tupi, significa nativo,
velho, do lugar. Era portanto uma guerra dos
antigos do lugar, isto é, dos donos da terra, contra
os portugueses, os invasores e inimigos dos
indígenas.
• Esta guerra durou cinco anos, de 1562 a 1567.
Vários líderes tupinambás se destacaram,
principalmente Cunhambebe e Aimberê. Os
ataques tiveram altos e baixos e o grande aliado
dos portugueses foi certamente a varíola. Por volta
de 1564 uma forte epidemia atacou todo o litoral,
de norte a sul. Centenas de indígenas morreram,
inclusive o grande Cunhambebe.
•
Confederação dos Tamoios
• Com a expulsão dos franceses do Rio de Janeiro, a
Confederação dos Tamuya foi enfraquecendo, pois já não
tinha de quem receber armas de fogo. Os portugueses
jogaram pesado, não só enviando de Portugal um grande
reforço militar como também envolvendo os jesuítas nessa
guerra violenta.
• A participação do padre Manuel da Nóbrega e do padre
José de Anchieta foi decisiva para a vitória lusitana.
Através deles aconteceu o Tratado de Paz de Iperoig, que
na realidade tornou-se um tratado de morte para os
tupinambás.
• O final da guerra foi desigual e violento. Três mil
sobreviventes desta campanha militar foram levados para
algumas aldeias dirigidas pelos jesuítas, no Rio de Janeiro
e na Bahia.
PREZIA, Benedito; HOORNAERT, Eduardo. Esta terra tinha
dono. 4. ed. São Paulo: FTD, 1995. p. 81-82.
Confederação dos Tamoios
O último tamoio, pintura criada por Rodolfo Amoedo em 1883. Nessa
obra, o indígena Aimberê, líder dos tamoios, aparece morto em uma
praia enquanto é amparado pelo padre Anchieta. Embora os dois
personagens tenham participado da Confederação dos Tamoios, essa
cena nunca aconteceu. A obra faz parte do acervo do Museu Nacional
de Belas Artes, no Rio de Janeiro
Padroado: Vínculos entre
governo e Igreja Católica
• Na época da colonização, o catolicismo era a religião oficial
de Portugal. Assim, os súditos portugueses deveriam ser
católicos obrigatoriamente, caso contrário estariam sujeitos
a perseguição.
O quadro de Victor Meirelles retrata a influência da Igreja Católica
desde o início da conquista dos territórios brasileiros
Padroado: Vínculos entre
governo e Igreja Católica
• Além disso, diversos religiosos católicos participaram do
processo de colonização, em um esforço conjunto com
representantes da Coroa portuguesa. Essa participação
ocorreu porque o governo de Portugal e a Igreja estavam
ligados pelo regime do padroado, um acordo entre o papa
e o rei que estabelecia uma série de deveres e direitos da
Coroa portuguesa em relação à Igreja. Entre os principais
deveres, estavam: garantir a expansão do catolicismo em
todas as terras conquistadas pelos portugueses; construir
igrejas e cuidar de sua conservação; e remunerar os
sacerdotes
por seu trabalho religioso. Já entre os principais direi- tos,
podem ser citados: nomear bispos e criar dioceses (regiões
eclesiásticas administradas pelos bispos); e recolher o
dízimo (a décima parte dos ganhos) ofertado pelos fiéis à
Igreja.
Padroado: Vínculos entre
governo e Igreja Católica
•
A Igreja e o Estado português atuavam em relativa
harmonia. As autoridades políticas deveriam
administrar a colônia, decidindo, por exemplo, sobre as
formas de ocupação do território, povoamento e produção
econômica. Os religiosos eram responsáveis pela tarefa de
ensinar a obediência a Deus e ao rei, defendendo o trono
por meio do altar.
• Houve, no entanto, vários momentos de conflito entre
sacerdotes católicos e autoridades da Coroa.
Nesse sentido, podemos dizer que se tornou frequente,
por exemplo, a participação de padres em
rebeliões coloniais.
Inquisição no Brasil
• Nem tudo estava sob o domínio do catolicismo oficial na
América portuguesa. No cotidiano, parte da população
colonial resistia ou escapava à obrigação de seguir a
religião católica, praticando outras formas de
religiosidade, nascidas do sincretismo de crenças e ritos
provenientes de tradições culturais indígenas, africanas e
européias. Catimbós, calundus, candomblé, benzimentos
e simpatias são exemplos dessas manifestações religiosas
que, mesmo condenadas pela Igreja, eram praticadas na
vida privada por diversos grupos sociais.
Inquisição no Brasil
• Para combater essas práticas - os chamados "crimes
contra as verdades da fé cristã" - as autoridades da Igreja
Católica e da Coroa portuguesa enviaram para o Brasil
representantes do Tribunal da Inquisição (reativado na
Europa em meados do século XVI). Eram as chamadas
visitações, em que o sacerdote representante da
Inquisição (visitador) abria processo punitivo contra as
pessoas acusadas de crime contra a fé católica. Muitos
acusados foram levados para Portugal para julgamento.
Inquisição no Brasil
• Nas visitações realizadas em Pernambuco e na Bahia
(1591, 1618 e 1627), no sul da colônia (1605 e 1627) e no
Pará (1763 a 1769), a Inquisição perseguiu grande número
de cristãos-novos que tinham vindo de Portugal para a
colônia. Eles eram acusados de praticar, em segredo, a
religião judaica. A Inquisição também perseguiu muitas
outras pessoas, acusadas, por exemplo, de feitiçaria,
blasfêmia e práticas sexuais então proibidas (prostituição,
homossexualidade).
• Cristão-novo: judeu obrigado a se
converter ao catolicismo em Portugal, em
1497. Na Espanha
aconteceu um processo semelhante; ali
os judeus convertidos à força ao
catolicismo eram conhecidos como
marranos.
• Blasfemia: palavra que ofende a
divindade ou a religião cristã.
Cotrim, Gilberto. História Global 2
/Gilberto Cotrim. -- 3. ed. – São Paulo:
Saraiva, 2016.
Referência

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
Paulo Alexandre
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
Nefer19
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
Edenilson Morais
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
Elaine Bogo Pavani
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
Patrícia Costa Grigório
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
harlissoncarvalho
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
Alex Ferreira dos Santos
 
Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
Edenilson Morais
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
Fernando Fagundes
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
ana paula santos molina
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
isameucci
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
Claudenilson da Silva
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
Janayna Lira
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
edna2
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
Fatima Freitas
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
Daniel Alves Bronstrup
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
Nefer19
 
Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
Edenilson Morais
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
Nefer19
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
Nívia Sales
 

Mais procurados (20)

Índios brasileiros
Índios brasileirosÍndios brasileiros
Índios brasileiros
 
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
A Civilização Grega - 6º Ano (2016)
 
Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)Primeiro Reinado (1822-1831)
Primeiro Reinado (1822-1831)
 
República velha
República velhaRepública velha
República velha
 
Africa - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e BantosAfrica - Iorubas e Bantos
Africa - Iorubas e Bantos
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonialA Escravidão no Brasil colonial
A Escravidão no Brasil colonial
 
Colonização da América Espanhola
Colonização da América EspanholaColonização da América Espanhola
Colonização da América Espanhola
 
A conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américaA conquista e a colonização espanhola na américa
A conquista e a colonização espanhola na américa
 
Colonização do brasil
Colonização do brasilColonização do brasil
Colonização do brasil
 
Primeira República
Primeira RepúblicaPrimeira República
Primeira República
 
Primeiro Reinado
Primeiro ReinadoPrimeiro Reinado
Primeiro Reinado
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
 
O ser humano chega a america
O ser humano chega a america O ser humano chega a america
O ser humano chega a america
 
Pré História
Pré   História Pré   História
Pré História
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2016)
 
Reinos africanos
Reinos africanosReinos africanos
Reinos africanos
 
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
As Grandes Navegações - 7º Ano (2018)
 
Brasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareiraBrasil colonial sociedade açucareira
Brasil colonial sociedade açucareira
 

Semelhante a Capitanias hereditárias governo geral

Brasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmpBrasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmp
Péricles Penuel
 
A administração do brasil colônia
A administração do brasil colôniaA administração do brasil colônia
A administração do brasil colônia
Nelia Salles Nantes
 
início da colonização
início da colonizaçãoinício da colonização
início da colonização
Nelson Silva
 
Revisão 7º ano
Revisão 7º anoRevisão 7º ano
Revisão 7º ano
Janaína Bindá
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
Patrícia Sanches
 
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
Jakson Raphael Pereira Barbosa
 
A administração do brasil colônia
A administração do brasil colôniaA administração do brasil colônia
A administração do brasil colônia
Nelia Salles Nantes
 
Colonizacao do brasil
Colonizacao do brasilColonizacao do brasil
Colonizacao do brasil
Adriana Gomes Messias
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.
Lara Lídia
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
Fatima Freitas
 
O empreendimento colonial na América portuguesa
O empreendimento colonial na América portuguesaO empreendimento colonial na América portuguesa
O empreendimento colonial na América portuguesa
jefersondutra08
 
Brasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVIBrasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVI
Bruno E Geyse Ornelas
 
Colonização Portuguesa no Brasil.pptx
Colonização Portuguesa no Brasil.pptxColonização Portuguesa no Brasil.pptx
Colonização Portuguesa no Brasil.pptx
paulosilva8100
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
eebcjn
 
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Gustavo Cuin
 
Administração portuguesa na América
Administração portuguesa na AméricaAdministração portuguesa na América
Administração portuguesa na América
Alex Ferreira dos Santos
 
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptxConquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Ulliane1
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
cursinhoembu
 
Expansão ultramarina e conquista do território
Expansão ultramarina e conquista do territórioExpansão ultramarina e conquista do território
Expansão ultramarina e conquista do território
blognetotudo
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
Carlos Glufke
 

Semelhante a Capitanias hereditárias governo geral (20)

Brasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmpBrasil colonial 1 tmp
Brasil colonial 1 tmp
 
A administração do brasil colônia
A administração do brasil colôniaA administração do brasil colônia
A administração do brasil colônia
 
início da colonização
início da colonizaçãoinício da colonização
início da colonização
 
Revisão 7º ano
Revisão 7º anoRevisão 7º ano
Revisão 7º ano
 
A américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesaA américa portuguesa e a presença holandesa
A américa portuguesa e a presença holandesa
 
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01História   brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
História brasil colônia-estrutura política_administrativa_econômica_resumo 01
 
A administração do brasil colônia
A administração do brasil colôniaA administração do brasil colônia
A administração do brasil colônia
 
Colonizacao do brasil
Colonizacao do brasilColonizacao do brasil
Colonizacao do brasil
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.
 
Brasil colonial
Brasil colonial Brasil colonial
Brasil colonial
 
O empreendimento colonial na América portuguesa
O empreendimento colonial na América portuguesaO empreendimento colonial na América portuguesa
O empreendimento colonial na América portuguesa
 
Brasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVIBrasil colônia seculo XVI
Brasil colônia seculo XVI
 
Colonização Portuguesa no Brasil.pptx
Colonização Portuguesa no Brasil.pptxColonização Portuguesa no Brasil.pptx
Colonização Portuguesa no Brasil.pptx
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
 
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesaCap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
Cap. 1 cap 12 1º ano ocupação portuguesa
 
Administração portuguesa na América
Administração portuguesa na AméricaAdministração portuguesa na América
Administração portuguesa na América
 
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptxConquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
Conquista e colonização da América portuguesa -ENS. MÉDIO.pptx
 
Tempo colonia data
Tempo colonia dataTempo colonia data
Tempo colonia data
 
Expansão ultramarina e conquista do território
Expansão ultramarina e conquista do territórioExpansão ultramarina e conquista do território
Expansão ultramarina e conquista do território
 
Brasil colonia
Brasil coloniaBrasil colonia
Brasil colonia
 

Mais de Loredana Ruffo

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
Loredana Ruffo
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
Loredana Ruffo
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Loredana Ruffo
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
Loredana Ruffo
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
Loredana Ruffo
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Loredana Ruffo
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
Loredana Ruffo
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
Loredana Ruffo
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
Loredana Ruffo
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
Loredana Ruffo
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
Loredana Ruffo
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
Loredana Ruffo
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
Loredana Ruffo
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
Loredana Ruffo
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
Loredana Ruffo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
Loredana Ruffo
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
Loredana Ruffo
 

Mais de Loredana Ruffo (20)

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
 

Último

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
Manuais Formação
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
GracinhaSantos6
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
jonny615148
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 

Último (20)

Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdfCD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
CD_B2_C_Criar e Editar Conteúdos Digitais_índice.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.Loteria - Adição,  subtração,  multiplicação e divisão.
Loteria - Adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdfMAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
MAPAS MENTAIS Conhecimentos Pedagógicos - ATUALIZADO 2024 PROF. Fernanda.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicosDNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
DNA e RNA - Estrutura dos Ácidos nucleicos
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 

Capitanias hereditárias governo geral

  • 1. Estado e Religião Capítulo 2 A Primeira missa no Brasil. Painel de Cândido Portinari, de 1948
  • 2. Capitanias hereditárias • O governo português não dispunha de recursos suficientes para investir na colonização do Brasil. A solução encontrada no começo desse processo foi transferir a tarefa para particulares, geralmente pessoas da pequena nobreza lusitana. • Assim, em 1534, o rei D. João III ordenou a divisão do território da colônia em grandes porções de terra – 15 capitanias ou donatárias - e as entregou a pessoas que se habilitaram ao empreendimento, chamadas capitães ou donatários. • Nomeado pelo rei, o donatário era a autoridade máxima dentro da capitania. Com sua morte, em principio, a administração passava para seus descendentes. Por esse motivo, as terras eram chamadas de capitanias hereditárias. Início da administração colonial
  • 3. Capitanias hereditárias Início da administração colonial
  • 4. Direitos e deveres dos donatários • O vínculo jurídico entre o rei de Portugal e os donatários era estabelecido em dois documentos básicos: • • Carta de Doação – conferia ao donatário a posse hereditária da capitania. Os donatários não eram proprietários das capitanias, apenas de uma parcela das terras. A eles era transferido, entretanto, o direito de administrar toda a capitania e explorá-la economicamente. • Carta Foral - estabelecia os direitos e os deveres dos donatários, relativos à exploração da terra.
  • 5. Direitos e deveres dos donatários Alguns Direitos Alguns Deveres • Criar vilas e distribuir terras (sesmarias) a quem desejasse e pudesse cultivá-las. • Exercer plena autoridade judicial e administrativa. • Por meio da chamada “guerra justa", escravizar os indígenas considerados inimigos, obrigando- os a trabalhar na lavoura. •Receber 5% dos lucros sobre o comércio do pau-brasil. Assegurar ao rei de Portugal: •10% dos lucros sobre todos os produtos da terra; •25% dos lucros sobre os metais e as pedras preciosas que fossem encontrados; •Monopólio da exploração do pau- brasil
  • 6. Dificuldades com as capitanias • Do ponto de vista econômico, o sistema de capitanias não alcançou os resultados esperados pelo governo português. Entre as poucas capitanias que progrediram e obtiveram lucros, principalmente com a produção de açúcar, estavam a de Pernambuco e a de São Vicente. Como veremos a seguir, as demais capitanias não prosperaram em decorrência de várias condições. • As capitanias eram muito extensas, e os donatários geralmente não tinham recursos suficientes para explorá-las. Muitos perderam o interesse pelas capitanias, acreditando que o retorno financeiro não compensaria o trabalho empenhado e o capital investido na produção. Alguns nem chegaram a tomar posse de suas terras.
  • 7. Destacaram-se apenas as Capitanias de São Vicente e Pernambuco com atividade açucareira
  • 8. • Os colonos também tinham de enfrentar a hostilidade dos grupos indígenas que resistiam à dominação portuguesa. Para muitos nativos, a luta era a única forma de se defender da invasão de suas terras e da escravidão que o conquistador queria impor. Dificuldades com as capitanias
  • 9. • Havia também problemas de comunicação entre as capitanias: separadas por grandes distâncias e sob as precárias condições dos meios de transporte da época, elas ficavam isoladas umas das outras e em relação a Portugal. Por exemplo, uma viagem de navio da Bahia a Lisboa levava em média dois meses. Dificuldades com as capitanias
  • 10. • Além disso, nem todas as capitanias tinham solo propício ao cultivo de cana-de-açúcar, produção que mais interessava aos objetivos da Coroa e dos comerciantes envolvidos no comércio colonial. Restava aos donatários a exploração do pau-brasil, atividade que gerava pouco lucro para os donatários. Dificuldades com as capitanias
  • 11. • Apesar dessas dificuldades, historiadores apontam que o sistema de capitanias lançou as bases da colonização da América portuguesa, estimulando a formação e o desenvolvimento dos primeiros núcleos de povoamento, como São Vicente (1532), Porto Seguro (1535), Ilhéus (1536), Olinda (1537) e Santos (1545). Contribuiu, também, em relação aos colonizadores lusos, para preservar a posse das terras e revelar as possibilidades de exploração econômica da colônia.
  • 12. Mulheres na administração Algumas mulheres de origem portuguesa chegaram a participar da administração de capitanias hereditárias. • Brites de Carvalho, por exemplo, assumiu o controle de uma sesmaria no norte da Bahia em 1583, depois da morte de seu marido. • A esposa de Duarte Coelho, donatário da capitania de Pernambuco, também se destacou. Brites Mendes de Albuquerque assumiu o governo da capitania após a morte do marido. De acordo com pesquisadores: Durante o governo de Brites, Pernambuco era a mais desenvolvida capitania do Brasil. Tinha mais de mil colonos e mais de mil escravos. [...] nos anos 1570 havia na capitania cerca de 66 engenhos, que produziam 200 mil arrobas de açúcar anuais. [...]
  • 13. • Já Ana Pimentel participou da administração da capitania de São Vicente. Ela era esposa do donatário Martim Afonso de Souza. • Após um breve período em terras brasileiras, Martim Afonso retornou a Portugal para ocupar o cargo de capitão-mor da armada da Índia. Ana Pimentel tornou-se, então, a responsável pelo governo da capitania. Em sua administração, ela organizou o cultivo de laranja, de arroz e de trigo, além de introduzir a criação de gado naquelas terras. Mulheres na administração
  • 14. Brites Mendes de Albuquerque Capitania de Pernambuco Ana Pimentel Capitania de São Vicente
  • 15. Governo-geral • Os problemas das capitanias hereditárias levaram a Coroa portuguesa a procurar soluções diferentes para administrar sua colônia na América. Foi assim que, ainda no reinado de D. João III, instituiu o governo-geral, conduzido por um funcionário do governo português, denominado governador-geral. Este daria ajuda aos donatários e interferiria mais diretamente no processo de colonização do Brasil. • Portanto, o governo-geral coexistiu com o sistema das capitanias hereditárias. Essa coexistência perdurou até 1759, quando as últimas capitanias hereditárias foram extintas e o território brasileiro passou a ser efetivamente administrado pelos representantes da Coroa portuguesa, não mais por particulares. A busca da centralização administrativa
  • 16. Governo-geral • O governo português escolheu a capitania da Bahia como sede do governo-geral, que, então, foi retomada pela Coroa. A escolha foi motivada por interesses administrativos, pois essa capitania localizava- se em um ponto central da costa, o que facilitava a comunicação com as demais capitanias. Ali foi erguida a primeira capital do Brasil — Salvador -, cujas obras de construção tiveram início no dia 1º de maio de 1549, em um terreno elevado e de frente para o mar. Essa localização facilitava a defesa militar da cidade. A busca da centralização administrativa
  • 17. Bahia sede do governo geral - Salvador Esta é uma versão colorizada, de John Ogilby, da ilustração Urbs Salvador, publicada em 1671, na obra de Arnoldus Montanus.
  • 18. Embora tenham existido diferentes regimentos para estabelecer o papel dos governadores-gerais, quase todos possuíam itens relativos à defesa da terra contra ataques estrangeiros, ao incentivo à busca de metais preciosos, ao apoio à religião católica e à luta contra a resistência indígena. Ainda conforme esses regimentos, o governador tinha funções: • militares - comando e defesa militar da colônia; •administrativas - relacionamento com os governadores das capitanias e controle dos assuntos ligados às finanças; • judiciárias – direito de nomear funcionários da Justiça e alterar penas; • eclesiásticas indicação de sacerdotes para as paróquias. Regimento do governo-geral
  • 19. Governo-geral Para o desempenho de suas funções, o governa- dor-geral contava com três auxiliares principais: • o ouvidor-mor, encarregado dos negócios da Justiça; • o provedor-mor, encarregado dos assuntos da Fazenda; •o capitão-mor, encarregado da defesa do litoral.
  • 20. Governo-geral • Os governadores-gerais tiveram, no entanto, problemas no cumprimento de suas funções. Além da dificuldade de comunicação entre as capitanias, o governo- geral muitas vezes enfrentava a oposição de poderes locais, especificamente dos "homens-bons". Essa expressão era aplicada aos homens de posses, proprietários de terra, de gado e de escravos. Nas vilas e cidades em que residiam, eram eles que formavam as câmaras municipais. • As câmaras municipais, encarregadas da administração local, foram sendo estruturadas paralelamente à formação das primeiras vilas. Sua atuação abrangia setores como o abastecimento, a tributação e a execução das leis. Além disso, organizavam expedições contra os indígenas, determinavam construção de povoados e estabeleciam os preços das mercadorias.
  • 21. Os três primeiros governadores-gerais do Brasil foram Tomé de Sousa, Duarte da Costa e Mem de Sá. Tomé de Souza: Construção de Salvador Duarte da Costa: França Antártica e Confederação dos Tamoios Mem de Sá: Combate e expulsa Franceses e dizima Tamoios
  • 22. Primeiro governo-geral • Tomé de Sousa foi o primeiro governador-geral do Brasil. Em seu governo (1549-1553) ocorreram a fundação de Salvador (1549), primeira cidade e capital do Brasil; a criação do primeiro bispado brasileiro (1551); a implantação da pecuária; o incentivo ao cultivo da cana-de-açúcar; e a organização de expedições para explorar o território à procura de metais preciosos.
  • 23. Primeiro governo-geral: Aculturação dos indígenas • Com Tomé de Sousa vieram seis jesuítas, chefiados pelo padre português Manuel da Nóbrega, com a missão de catequizar os indígenas.
  • 24. • Os jesuítas faziam parte de um mundo regulado pelas normas e pelos costumes das sociedades católicas européias e não aceitavam ou compreendiam diversos aspectos das culturas indígenas como a nudez, a poligamia, a antropofagia e as crenças próprias.
  • 25. • Iniciou-se, assim, um processo de modificação da cultura dos indígenas (aculturação). Para transmitir-lhes os valores europeus e do cristianismo, os jesuítas reuniram as populações indígenas em aldeias ou aldeamentos.
  • 26. Segundo governo-geral • Duarte da Costa foi o segundo governador- geral do Brasil. Em seu governo (1553-1558), vieram mais jesuítas para a colônia, entre os quais se destacou José de Anchieta.
  • 27. Segundo governo-geral • Em janeiro de 1554, Anchieta e Manuel da Nóbrega fundaram o Colégio de São Paulo, junto ao qual surgiu a vila que deu origem à cidade de São Paulo, no planalto de Piratininga.
  • 28. Segundo governo-geral • Foi também no governo de Duarte da Costa que os franceses, contando com o apoio de grupos indígenas (como os tupinambás), invadiram a baía de Guanabara, no atual Rio de Janeiro, e fundaram um povoamento que recebeu o nome de França Antártica (1555-1567).
  • 29. Terceiro governo-geral • Mem de Sá foi o terceiro governador-geral do Brasil. Em seu governo (1558-1572), os franceses foram expulsos do Rio de Janeiro, com a ajuda do chefe militar Estácio de Sá (seu sobrinho). • Além de expulsar os franceses (1567), o terceiro governo-geral reuniu forças para lutar contra os indígenas que resistiam à conquista colonial portuguesa. As ações do governo levaram à destruição de centenas de aldeias do litoral brasileiro no século XVI.
  • 30. Segundo governo-geral Índios que habitavam a costa Brasileira durante a colonização
  • 31. Confederação dos Tamoios Vejamos um texto do filósofo Benedito Prezia e do historiador Eduardo Hoornaert, em que apresentam suas interpretações do que foi a chamada Confederação dos Tamoio. • Para combater a escravização dos indígenas, feita em grande escala pela família de João Ramalho que vivia no planalto de Piratininga, e como protesto contra as aldeias dos padres jesuítas, várias nações indígenas resolveram se unir. • Assim, os tupinambás, parte dos tupiniquins, os carijós e os guayanás das regiões de São Paulo e Rio de Janeiro, com o apoio dos franceses, fizeram uma grande aliança de guerra, que recebeu o nome de Confederação dos Tamoios.
  • 32. Confederação dos Tamoios • Tamoio ou tamuya, na língua tupi, significa nativo, velho, do lugar. Era portanto uma guerra dos antigos do lugar, isto é, dos donos da terra, contra os portugueses, os invasores e inimigos dos indígenas. • Esta guerra durou cinco anos, de 1562 a 1567. Vários líderes tupinambás se destacaram, principalmente Cunhambebe e Aimberê. Os ataques tiveram altos e baixos e o grande aliado dos portugueses foi certamente a varíola. Por volta de 1564 uma forte epidemia atacou todo o litoral, de norte a sul. Centenas de indígenas morreram, inclusive o grande Cunhambebe. •
  • 33. Confederação dos Tamoios • Com a expulsão dos franceses do Rio de Janeiro, a Confederação dos Tamuya foi enfraquecendo, pois já não tinha de quem receber armas de fogo. Os portugueses jogaram pesado, não só enviando de Portugal um grande reforço militar como também envolvendo os jesuítas nessa guerra violenta. • A participação do padre Manuel da Nóbrega e do padre José de Anchieta foi decisiva para a vitória lusitana. Através deles aconteceu o Tratado de Paz de Iperoig, que na realidade tornou-se um tratado de morte para os tupinambás. • O final da guerra foi desigual e violento. Três mil sobreviventes desta campanha militar foram levados para algumas aldeias dirigidas pelos jesuítas, no Rio de Janeiro e na Bahia. PREZIA, Benedito; HOORNAERT, Eduardo. Esta terra tinha dono. 4. ed. São Paulo: FTD, 1995. p. 81-82.
  • 34. Confederação dos Tamoios O último tamoio, pintura criada por Rodolfo Amoedo em 1883. Nessa obra, o indígena Aimberê, líder dos tamoios, aparece morto em uma praia enquanto é amparado pelo padre Anchieta. Embora os dois personagens tenham participado da Confederação dos Tamoios, essa cena nunca aconteceu. A obra faz parte do acervo do Museu Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro
  • 35. Padroado: Vínculos entre governo e Igreja Católica • Na época da colonização, o catolicismo era a religião oficial de Portugal. Assim, os súditos portugueses deveriam ser católicos obrigatoriamente, caso contrário estariam sujeitos a perseguição. O quadro de Victor Meirelles retrata a influência da Igreja Católica desde o início da conquista dos territórios brasileiros
  • 36. Padroado: Vínculos entre governo e Igreja Católica • Além disso, diversos religiosos católicos participaram do processo de colonização, em um esforço conjunto com representantes da Coroa portuguesa. Essa participação ocorreu porque o governo de Portugal e a Igreja estavam ligados pelo regime do padroado, um acordo entre o papa e o rei que estabelecia uma série de deveres e direitos da Coroa portuguesa em relação à Igreja. Entre os principais deveres, estavam: garantir a expansão do catolicismo em todas as terras conquistadas pelos portugueses; construir igrejas e cuidar de sua conservação; e remunerar os sacerdotes por seu trabalho religioso. Já entre os principais direi- tos, podem ser citados: nomear bispos e criar dioceses (regiões eclesiásticas administradas pelos bispos); e recolher o dízimo (a décima parte dos ganhos) ofertado pelos fiéis à Igreja.
  • 37. Padroado: Vínculos entre governo e Igreja Católica • A Igreja e o Estado português atuavam em relativa harmonia. As autoridades políticas deveriam administrar a colônia, decidindo, por exemplo, sobre as formas de ocupação do território, povoamento e produção econômica. Os religiosos eram responsáveis pela tarefa de ensinar a obediência a Deus e ao rei, defendendo o trono por meio do altar. • Houve, no entanto, vários momentos de conflito entre sacerdotes católicos e autoridades da Coroa. Nesse sentido, podemos dizer que se tornou frequente, por exemplo, a participação de padres em rebeliões coloniais.
  • 38. Inquisição no Brasil • Nem tudo estava sob o domínio do catolicismo oficial na América portuguesa. No cotidiano, parte da população colonial resistia ou escapava à obrigação de seguir a religião católica, praticando outras formas de religiosidade, nascidas do sincretismo de crenças e ritos provenientes de tradições culturais indígenas, africanas e européias. Catimbós, calundus, candomblé, benzimentos e simpatias são exemplos dessas manifestações religiosas que, mesmo condenadas pela Igreja, eram praticadas na vida privada por diversos grupos sociais.
  • 39. Inquisição no Brasil • Para combater essas práticas - os chamados "crimes contra as verdades da fé cristã" - as autoridades da Igreja Católica e da Coroa portuguesa enviaram para o Brasil representantes do Tribunal da Inquisição (reativado na Europa em meados do século XVI). Eram as chamadas visitações, em que o sacerdote representante da Inquisição (visitador) abria processo punitivo contra as pessoas acusadas de crime contra a fé católica. Muitos acusados foram levados para Portugal para julgamento.
  • 40. Inquisição no Brasil • Nas visitações realizadas em Pernambuco e na Bahia (1591, 1618 e 1627), no sul da colônia (1605 e 1627) e no Pará (1763 a 1769), a Inquisição perseguiu grande número de cristãos-novos que tinham vindo de Portugal para a colônia. Eles eram acusados de praticar, em segredo, a religião judaica. A Inquisição também perseguiu muitas outras pessoas, acusadas, por exemplo, de feitiçaria, blasfêmia e práticas sexuais então proibidas (prostituição, homossexualidade).
  • 41. • Cristão-novo: judeu obrigado a se converter ao catolicismo em Portugal, em 1497. Na Espanha aconteceu um processo semelhante; ali os judeus convertidos à força ao catolicismo eram conhecidos como marranos. • Blasfemia: palavra que ofende a divindade ou a religião cristã.
  • 42. Cotrim, Gilberto. História Global 2 /Gilberto Cotrim. -- 3. ed. – São Paulo: Saraiva, 2016. Referência