SlideShare uma empresa Scribd logo
ANTIGO
EGITO
“O Egito é uma dádiva do Nilo”. Heródoto.
CONDIÇÕES NATURAIS E A CAPACIDADE RACIONAL
DA ESPÉCIE HUMANA.
▪ O Rio Nilo possuía um regime regular de cheias que irrigava o solo
durante os meses de julho a novembro.
▪ Organização do trabalho humano: controle sobre a força das águas,
aumento na capacidade de produção e modificação da natureza
por meio do trabalho coletivo.
LOCALIZAÇÃO
GEOGRÁFICA
▪ O Egito está situado no
Nordeste da África em meio a
dois imensos desertos: o da
Líbia e o da Arábia.
▪ O Egito Antigo possuía um
território estreito e comprido
que compreendia duas
grandes regiões: o Alto Egito
(região do vale) e o Baixo
Egito região do Delta do
Nilo).
▪ Extremo nordeste da África;
▪ As margens do rio serviram para a fixação da população;
▪ Obras mais comuns:diques, canais de irrigação...
▪ No 1° momento: construções de pequeno porte (feita de forma
comunitária);
▪ No 2° Momento: obras maiores (compondo uma organização mais
complexa do trabalho).
NO PASSADO, O EGITO ERA ASSIM..
ATUALMENTE, O EGITO
CHAMA-SE REPÚBLICA ÁRABE DO
EGITO.
SUA CAPITAL É A CIDADE DO CAIRO.
HOJE O EGITO É UM PAIS BEM
DIFERENTE DO QUE FOI NO PASSADO.
CAIRO
ATUALMENTE
A LÍNGUA OFICIAL DO EGITO É O ÁRABE.
A MOEDA É A LIBRA E 80% DA POPULAÇÃO
É MUÇULMANA.
EGITO, DÁDIVA DO NILO
• O Nilo corta o Egito de sul a norte e deságua no mar
Mediterrâneo.
• Anualmente, de junho a setembro, o Nilo transborda e
rega a terra, tornando-a favorável à agricultura.A
partir de outubro, inicia-se o período de semeadura,
que se prolonga até mais ou menos fevereiro.A colheita
ocorre de abril a junho.
ECONOMIA:
▪ Agricultura:
▪ Cevada, trigo, legumes e árvores frutíferas.
▪ Pecuária:
▪ Porcos, cabras bois e cavalos (trazidos pelos Hicsos).
▪ O Estado era proprietário dos meios de produção.
▪ Os excedentes recolhidos eram depositados em grandes
armazéns do Estado, sua distribuição não era igualitária.
ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA
A agricultura era a base da economia egípcia e, como já vimos,
dependia das águas do Nilo. O trigo, a cevada, os legumes e as uvas
constituíam as principais culturas.
▪ Os egípcios dedicavam-se também à criação de bois, asnos, patos e cabritos.
Além disso, praticavam também a mineração de ouro, pedras preciosas e cobre,
este último muito usado nas trocas comerciais com outros povos. O comércio era
feito à base de trocas, mas limitava-se ao pequeno comércio e à permutação de
artigos de luxo com o exterior.
▪ O artesanato do Egito era conhecido no mundo antigo. Com a madeira, o cobre,
o ouro, o marfim, o couro, o papiro, o bronze, seus artesãos produziam móveis,
brinquedos, jóias, tecidos, barcos, armas, tijolos e uma variedade de outros
objetos.
FORMAÇÃO DO EGITO
ANTIGO
Nomos: conjuntos de aldeias governadas pelos nomarcas, nome dado
aos chefes mais poderosos.
POLÍTICA:▪ No primeiro momento surgiram os Nomos (Comunidades
autônomas).
▪ Se espalharam pelas margens do rio Nilo.
▪ A fusão entre alguns Nomos originou diversas cidades.
▪ 3500 a.C = Existem dois reinos:
▪ Alto Egito = ao Sul
▪ Baixo Egito = ao Norte.
▪ 3200 a.C. = Unificação!
▪ Menés (rei do sul) conquista o norte e torna-se o primeiro Faraó.
▪ Surge uma monarquia poderosa e teocrática.
• Por volta do ano 3200 a.C.,
o rei Menés, do Alto Egito
(no vale do Nilo),
conquistou o Baixo Egito
(no delta do Nilo),
unificando os dois reinos.
• Menés tornou-se então o
primeiro faraó (nome que
se dava ao rei entre os
egípcios) e o fundador da
primeira dinastia
(sucessão de reis
pertencentes a uma
mesma família).
A coroa era um dos principais símbolos do faraó. Antes da unificação, o soberano
do Alto Egito utilizava a coroa branca; a coroa vermelha era usada no Baixo Egito.
Quando o Egito passou a ser governado por um único soberano, o faraó, a coroa
tornou-se dupla: vermelha e branca, simbolizando a união dos dois reinos. Ao
comandar suas tropas na guerra, o faraó usava a coroa azul.
POLÍTICA:▪ ANTIGO IMPÉRIO: entre 3.200 a.C. e 2.300 a.C.
▪ Grandes construções!
▪ Pirâmides do Vale de Gizé.
▪ Maioria da população vivia na servidão coletiva trabalhando na
agricultura e nas obras públicas.
▪ Forte burocracia estatal.
▪ 2300 a.C. = Péssimas colheitas + muitos impostos: resultam em
várias rebeliões que levaram o Antigo Império ao fim.
▪ MÉDIO IMPÉRIO: entre 2.050 a.C. e 1.750 a.C.
▪ Faraós recuperam o poder dentro do Egito.
▪ Restabelecendo a organização anterior.
▪ Período de crescimento econômico e territorial.
▪ Hicsos (da Mesopotâmia) e Hebreus (da Palestina) penetram no
Estado.
▪ Essa migração traz problemas sócio-políticos.
POLÍTICA:▪ NOVO IMPÉRIO: entre 1580 a.C e 1080 a.C.
▪ Início da expulsão dos Hicsos.
▪ Período mais rico e desenvolvido dos Egípcios.
▪ Ocorreu a fuga (Êxodo) dos Hebreus, estes eram escravizados.
▪ Novas técnicas são implantadas como a utilização do cavalo e do ferro.
▪ Vão conquistar a Fenícia e a Síria ao Norte, chegando até ao rio Eufrates.
▪ Período de obras colossais, conhecidas obras faraônicas = templos
Luxor, Karnak e Abusimbel.
▪ Amenófis IV (1372 a.C.) tenta implantar o monoteísmo, mas após a sua
morte,Tutakamon permitiu o politeísmo.
▪ BAIXA ÉPOCA: a partir de 1080 a.C.
▪ Caracterizado pelo declínio do Império ocasionado pelas disputas
internas e ataques externos (invasão dos Assírios).
▪ Enfraquecimento do poder central e a independência dos
Nomarcas.
▪ RENASCÍMENTO SAÍTA: (663 a.C. – 525 a.C.)
▪ Breve recuperação: grande desenvolvimento comercial e artesanal.
▪ Intercâmbio comercial e cultural com a Grécia.
▪ 525 a.C. = foram invadidos pelos Persas (Batalha de Pelusa).
▪ depois foram dominados pelos: Macedônicos, Gregos,
Romanos, Bizantinos e Árabes.
A MONARQUIA EGÍPCIA
▪ Despótica:
autoritária.
▪ Teocrática:
centralizada
no poder
divino.
Sociedade
desigual,
estamental
ou
estratificada
A MONARQUIA EGÍPCIA.
▪ Faraó: rei, juiz, chefe militar e grande sacerdote.
▪ Funcionários reais: escribas, sacerdotes e militares.
▪ Camada média: artesãos e comerciantes.
▪ Camponeses: (ou Felás) responsáveis pela manutenção e
construção das obras do governo, além da produção agrícola.
▪ Escravos: Prestadores de serviços domésticos ou em minas e
pedreiras.
Faraó
Tutankamon
▪ Vizir: A maior autoridade depois do faraó. Cabia a ele tomar
decisões jurídicas, administrativas e financeiras em nome do
faraó.
▪ Nobres: Descendentes das famílias mais importantes dos
antigos nomos cuidavam da administração das províncias ou
ocupavam os postos mais altos do exército.
▪ Sacerdotes: Detinham muito poder, administravam todos os
bens que os fiéis e o próprio Estado ofereciam aos deuses e
tinham muita influência junto ao faraó. Enriqueciam porque
ficavam com parte das oferendas feitas pela população aos
deuses, além de serem dispensados do pagamento de
impostos.
ESCRIBAS
Os que dominavam
a difícil escrita
egípcia,
encarregavam-se da
cobrança dos
impostos, da
organização das
leis e dos decretos e
da fiscalização da
atividade
econômica em
geral.
▪ Soldados: Nunca atingiam os postos de comando, pois estes eram
reservados à nobreza.Eles viviam dos produtos recebidos como pagamento
e dos saques que podiam realizar durante as guerras de conquista.
▪ Artesãos: Exerciam as mais diversas profissões. Trabalhavam como
pedreiros, carpinteiros, desenhistas, escultores, pintores, tecelões, ourives,
etc. Muitas de suas atividades eram realizadas nas grandes obras públicas
(templos, túmulos, palácios, etc.).
▪ Camponeses: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria
da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e
tinham o direito de conservar para si apenas uma pequena parte dos
produtos colhidos. Eram também obrigados a trabalhar na construção de
obras públicas grandiosas, como abertura de estradas, limpeza de canais,
transportes de pedras necessárias às grandes obras, como túmulos, templos
e palácios.
ESCRAVOS:
CIÊNCIA NO ANTIGO EGITO.
▪ Matemática: seu desenvolvimento possibilitou a construção de
canais de irrigação, barragens para conter as cheias e as
pirâmides.
▪ Arquitetura: de proporções gigantescas, larga utilização da pedra
como matéria prima.
▪ Medicina: o processo de mumificação levou a um conhecimento
mais apurado do corpo humano, além do diagnóstico de algumas
doenças e a descoberta de remédio para curá-las.
▪ Pinturas e Esculturas.
Busto de
Nefertiti
ESCRITA HIERÓGLIFA:
▪ Do grego, escrita sagrada:
▪ Símbolos egípcios também denominados pictogramas, era um
complexo sistema de escrita, exigiu dos escribas uma
simplificação:
▪ Hierática: letra cursiva, resultante da união dos hieróglifos ;
▪ Demótica: de uso comum, abreviação dos hieróglifos.
Escribas: pequena parcela da população que sabia ler e
escrever, possuíam imenso prestígio perante a sociedade.
ESCRITA HIERÓGLIFA
O PAPIRO:
▪ Encontrado em pântanos e às margens do
rio Nilo;
▪ Material utilizado para a produção de
documentos escritos;
▪ Utilizado também em construção de casas e
de embarcações.
▪ Politeísta: vários deuses;
▪ Antropozoomórfica: deuses com formas de humanos, animais
ou os dois juntos;
▪ Alguns deuses representados pelas forças da natureza;
▪ Acreditavam na imortalidade da alma, no juízo final e no
retorno da alma ao mesmo corpo.
▪ Construíam Pirâmides, Mastabas e Hipogeus para câmaras
funerárias.
Processo de
mumificação
Templo de Abu
Simbel
Mastabas.
CULTURA:
▪ Quase a totalidade das obras de arte
tinham funções num contexto religioso
e político.
▪ Arquitetura:
▪ Destacaram-se as pirâmides gigantescas;
▪ Os Hipogeus (subterrâneos);
▪ Mastabas (trapezoidal)
▪ Esculturas:
▪ Lei da frontalidade (corpo humano
representado de frente e dividido em
duas partes iguais);
▪ Hieratismo (rigidez, contenção).
▪ Pinturas:
▪ Técnicas do Afresco.
▪ Representavam o cotidiano.
 Obras Literárias:
 Forte ideologia religiosa e
moral.
 Ex: O Livro dos Mortos.
 Ciências:
 Caráter prático pautado
nos cálculos e previsões
das cheias do Nilo.
 Destacaram-se em
algumas áreas como:
 Química;
 Matemática;
 Astronomia;
 Medicina
O deus Osíris foi assassinado e retalhado por
Set, seu irmão. Ísis, sua irmã e esposa,
auxiliada por Hórus, Totem e Anúbis, recolheu
os pedaços do corpo de seu marido e os
colou. Aros e Totem sopraram-lhe a boca,
devolvendo-lhe a vida. Este mito simboliza a
regressão das águas no outono e a volta da
inundação na primavera.
O MITO DE OSÍRIS
O tribunal de Osíris é um regulador social no mundo da civilização egipcia pois no citado livro
dos mortos estavam regras de conduta social que deveriam ser obedecidas, sob pena de
sofrimento no pós-vida.
Página do livro dos mortos que representa o morto
sendo apresentado no tribunal de Osíris.
Fora das paredes,a representação é feita em rolos de papiros denominados “O livro dos mortos”
que contêm, além de gravuras, orações, feitiços, hinos e suplicas que pretendiam afiançar a
passagem segura e curta do falecido ao outro mundo. Esses rolos de papiro eram colocados nos
túmulos junto das múmias.
O LIVRO DOS MORTOS
PIRÂMIDESHá no Egito 80 pirâmides, construídas aproximadamente 4000 a.C. distam apenas
10Km da cidade do Cairo.
A maior pirâmide, e a mais antiga é a de QUEOPS. Possui 148 metros de altura,
234 metros de base. A área que ocupa é de 54.000 m².
As pedras foram trazidas da
Arábia e transportadas em
grandes barcaças pelo Rio
Nilo. No transporte de terra
eram colocadas em enormes
pranchas que por sua vez
deslocavam sob troncos
roliços de grandes dimensões.
Trabalharam na construção
cerca de 100.000 operários
durante 20 anos
QUEÓPS
As pirâmides, grandes construções de blocos de pedras, era o túmulo dos
faraós e de seus familiares.
Seu interior era decorado, possuía móveis, armas e jóias.
Alguns deles passaram toda a vida organizando a construção
e a decoração de seus túmulos.
Ordenavam aos seus auxiliares e escravos que
colocassem alimentos, animais de estimação, roupas
e objetos pessoais – acreditando que precisariam de
tudo isso na vida após a morte.
Os egípcios acreditavam que, após a morte, teriam de passar pelo tribunal dos
deuses, que julgaria quem mereceria uma vida.
Os premiados com a vida iriam precisar do corpo bem conservado para abrigar
sua alma quando ela retornasse.
Com esse objetivo, desenvolveram técnicas de mumificação para a preservação
dos corpos.
Arte Egípcia
A arte egípcia se caracteriza pela "lei da
frontalidade", ou seja, as figuras com rostos de
perfil e os olhos de frente.
O corpo está de frente e as pernas e pés de
perfil. Isto porque eles acreditavam que, com o
corpo de frente, a figura poderia receber
inteiramente as reverências e a admiração de
quem as contemplasse.
Os egípcios acreditavam que a vida continuava
após a morte, e o morto reviveria tudo aquilo que
fosse pintado no túmulo.
Costumavam mumificar os faraós, e faziam uma
estátua igual ao morto, para que, na volta da
alma, o corpo ali estivesse para recebê-la.
Jardim de Nebamun 1400 a.C.
Mural de um túmulo em Tebas
Os principais temas das gravuras egípcias
eram
as ações dos deuses, a vida de reis e rainhas,
autoridades, vida após a morte, religião e
cotidiano.
Nas gravuras tumulares, por exemplo, os
temas
eram sempre a história do morto e a passagem
para o
mundo dos mortos. Nos templos, os temas
eram sempre
as ações dos deuses e a divindade do rei, o
faraó.
Detalhe do trono de Tutankamon que
mostra ele e sua esposa.
Trono de Tutankamon
Existe provas
arqueológicas que provam
que marcas de tatuagens
foram feitas em seres
humanos no Egito entre
4000 e 2000 a.C. Foi no
Egito, também, que a arte
da tatuagem viajou o
mundo.
A história da tatuagem é muito mais antiga do que muitos pensam. A história da tatuagem
parece estar ligada com a evolução do homem e do desenvolvimento da consciência do
"eu". Foi no Egito antigo que a tatuagem feita com perfurações introduzindo um pigmento
na pele foi praticada.
Tatuagem
Vídeo: deuses do egito.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptxFENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
Elisa Maria Gomide
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
Douglas Barraqui
 
Crescente fértil
Crescente fértilCrescente fértil
Crescente fértil
Murilo Benevides
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Janaína Bindá
 
Hebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e PersasHebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e Persas
Fabiane Santana
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
thiago2013
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
Ajudar Pessoas
 
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
Nefer19
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
Daniel Alves Bronstrup
 
O povo-hebreu
O povo-hebreuO povo-hebreu
O povo-hebreu
Fabiana Tonsis
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Valéria Shoujofan
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
Marcia Fernandes
 
O reino de cuxe
O reino de cuxeO reino de cuxe
O reino de cuxe
Álef Santos
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Nefer19
 
Civilização Grega aula 01
Civilização Grega   aula 01Civilização Grega   aula 01
Civilização Grega aula 01
Daniel Alves Bronstrup
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
Paulo Alexandre
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Espanhol Puríssimo
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Nefer19
 
Civilização da Babilônia
Civilização da Babilônia Civilização da Babilônia
Civilização da Babilônia
Marcos Mamute
 

Mais procurados (20)

FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptxFENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
FENÍCIOS, HEBREUS E PERSAS aula 30-05-2019.pptx
 
Egito Antigo
Egito AntigoEgito Antigo
Egito Antigo
 
Crescente fértil
Crescente fértilCrescente fértil
Crescente fértil
 
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações3ão -  aula 1- 1 A - primeiras civilizações
3ão - aula 1- 1 A - primeiras civilizações
 
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma AntigaRevisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
Revisão 6º ano ASSUNTO : Roma Antiga
 
Hebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e PersasHebreus, Fenícios e Persas
Hebreus, Fenícios e Persas
 
Grécia antiga
Grécia antigaGrécia antiga
Grécia antiga
 
6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas6° hebreus,fenicios e persas
6° hebreus,fenicios e persas
 
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
As origens do ser humano - 6º Ano (2017)
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
O povo-hebreu
O povo-hebreuO povo-hebreu
O povo-hebreu
 
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia  - Antiguidade OrientalEgito e Mesopotâmia  - Antiguidade Oriental
Egito e Mesopotâmia - Antiguidade Oriental
 
As primeiras civilizações
As primeiras civilizaçõesAs primeiras civilizações
As primeiras civilizações
 
O reino de cuxe
O reino de cuxeO reino de cuxe
O reino de cuxe
 
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)Egito Antigo - 6º Ano (2018)
Egito Antigo - 6º Ano (2018)
 
Civilização Grega aula 01
Civilização Grega   aula 01Civilização Grega   aula 01
Civilização Grega aula 01
 
Introdução à história
Introdução à históriaIntrodução à história
Introdução à história
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)Egito Antigo (6º Ano - 2016)
Egito Antigo (6º Ano - 2016)
 
Civilização da Babilônia
Civilização da Babilônia Civilização da Babilônia
Civilização da Babilônia
 

Semelhante a Egito antigo

O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
Ademex Martins
 
Egito
EgitoEgito
Egitoantigo 1993
Egitoantigo 1993Egitoantigo 1993
Egitoantigo 1993
luzia Camilo lopes
 
Egito apresntação dia 26 1º ano
Egito apresntação dia 26 1º anoEgito apresntação dia 26 1º ano
Egito apresntação dia 26 1º ano
hermes2974
 
Egito Antigo 2345
Egito Antigo 2345Egito Antigo 2345
Egito Antigo 2345
jssrs1313
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
dmflores21
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
Carlos Zaranza
 
Antiguidade Oriental _ Egito
Antiguidade Oriental _ EgitoAntiguidade Oriental _ Egito
Antiguidade Oriental _ Egito
Gerson Luis Lanzarini
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Aula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil HebAula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil Heb
Lucas Nunes de Souza
 
Egito antigo mui bom
Egito antigo mui bomEgito antigo mui bom
Egito antigo mui bom
Braulio Santos Pereira
 
02 egito antigo
02   egito antigo02   egito antigo
Egito 1
Egito 1Egito 1
O Egito Antigo_2015
O Egito Antigo_2015O Egito Antigo_2015
O Egito Antigo_2015
João Medeiros
 
Egito
EgitoEgito
slide sobre Egito Antigo 6 ano historia.ppsx
slide sobre Egito Antigo 6 ano historia.ppsxslide sobre Egito Antigo 6 ano historia.ppsx
slide sobre Egito Antigo 6 ano historia.ppsx
JULIA911569
 
egito-antigo-nubiaparaaulahistoria--.ppt
egito-antigo-nubiaparaaulahistoria--.pptegito-antigo-nubiaparaaulahistoria--.ppt
egito-antigo-nubiaparaaulahistoria--.ppt
LucianaAbrantesNobre
 
egito-antigo.pptx
egito-antigo.pptxegito-antigo.pptx
egito-antigo.pptx
LucyanaNobre1
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
luzia Camilo lopes
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
Escolacsm
 

Semelhante a Egito antigo (20)

O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
Egitoantigo 1993
Egitoantigo 1993Egitoantigo 1993
Egitoantigo 1993
 
Egito apresntação dia 26 1º ano
Egito apresntação dia 26 1º anoEgito apresntação dia 26 1º ano
Egito apresntação dia 26 1º ano
 
Egito Antigo 2345
Egito Antigo 2345Egito Antigo 2345
Egito Antigo 2345
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Antiguidade Oriental _ Egito
Antiguidade Oriental _ EgitoAntiguidade Oriental _ Egito
Antiguidade Oriental _ Egito
 
Egito antigo
Egito antigoEgito antigo
Egito antigo
 
Aula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil HebAula Egito Babil Heb
Aula Egito Babil Heb
 
Egito antigo mui bom
Egito antigo mui bomEgito antigo mui bom
Egito antigo mui bom
 
02 egito antigo
02   egito antigo02   egito antigo
02 egito antigo
 
Egito 1
Egito 1Egito 1
Egito 1
 
O Egito Antigo_2015
O Egito Antigo_2015O Egito Antigo_2015
O Egito Antigo_2015
 
Egito
EgitoEgito
Egito
 
slide sobre Egito Antigo 6 ano historia.ppsx
slide sobre Egito Antigo 6 ano historia.ppsxslide sobre Egito Antigo 6 ano historia.ppsx
slide sobre Egito Antigo 6 ano historia.ppsx
 
egito-antigo-nubiaparaaulahistoria--.ppt
egito-antigo-nubiaparaaulahistoria--.pptegito-antigo-nubiaparaaulahistoria--.ppt
egito-antigo-nubiaparaaulahistoria--.ppt
 
egito-antigo.pptx
egito-antigo.pptxegito-antigo.pptx
egito-antigo.pptx
 
O egito antigo
O egito antigoO egito antigo
O egito antigo
 
Egito 6 ano
Egito 6 anoEgito 6 ano
Egito 6 ano
 

Mais de Loredana Ruffo

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
Loredana Ruffo
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
Loredana Ruffo
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Loredana Ruffo
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
Loredana Ruffo
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
Loredana Ruffo
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Loredana Ruffo
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
Loredana Ruffo
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
Loredana Ruffo
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
Loredana Ruffo
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
Loredana Ruffo
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
Loredana Ruffo
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
Loredana Ruffo
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
Loredana Ruffo
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
Loredana Ruffo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
Loredana Ruffo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
Loredana Ruffo
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
Loredana Ruffo
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
Loredana Ruffo
 

Mais de Loredana Ruffo (20)

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
 
Socializacao controle social
Socializacao controle socialSocializacao controle social
Socializacao controle social
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
 
Relacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumoRelacao sociedade individuo_resumo
Relacao sociedade individuo_resumo
 
Relacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuoRelacao sociedade individuo
Relacao sociedade individuo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
 

Último

livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
soaresdesouzaamanda8
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 

Último (20)

livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdfCRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
CRONOGRAMA - PSC 2° ETAPA 2024.pptx (1).pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 

Egito antigo

  • 1. ANTIGO EGITO “O Egito é uma dádiva do Nilo”. Heródoto.
  • 2. CONDIÇÕES NATURAIS E A CAPACIDADE RACIONAL DA ESPÉCIE HUMANA. ▪ O Rio Nilo possuía um regime regular de cheias que irrigava o solo durante os meses de julho a novembro. ▪ Organização do trabalho humano: controle sobre a força das águas, aumento na capacidade de produção e modificação da natureza por meio do trabalho coletivo.
  • 3. LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA ▪ O Egito está situado no Nordeste da África em meio a dois imensos desertos: o da Líbia e o da Arábia. ▪ O Egito Antigo possuía um território estreito e comprido que compreendia duas grandes regiões: o Alto Egito (região do vale) e o Baixo Egito região do Delta do Nilo).
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7. ▪ Extremo nordeste da África; ▪ As margens do rio serviram para a fixação da população; ▪ Obras mais comuns:diques, canais de irrigação... ▪ No 1° momento: construções de pequeno porte (feita de forma comunitária); ▪ No 2° Momento: obras maiores (compondo uma organização mais complexa do trabalho).
  • 8. NO PASSADO, O EGITO ERA ASSIM..
  • 9. ATUALMENTE, O EGITO CHAMA-SE REPÚBLICA ÁRABE DO EGITO. SUA CAPITAL É A CIDADE DO CAIRO. HOJE O EGITO É UM PAIS BEM DIFERENTE DO QUE FOI NO PASSADO.
  • 11. A LÍNGUA OFICIAL DO EGITO É O ÁRABE. A MOEDA É A LIBRA E 80% DA POPULAÇÃO É MUÇULMANA.
  • 12. EGITO, DÁDIVA DO NILO • O Nilo corta o Egito de sul a norte e deságua no mar Mediterrâneo. • Anualmente, de junho a setembro, o Nilo transborda e rega a terra, tornando-a favorável à agricultura.A partir de outubro, inicia-se o período de semeadura, que se prolonga até mais ou menos fevereiro.A colheita ocorre de abril a junho.
  • 13.
  • 14.
  • 15. ECONOMIA: ▪ Agricultura: ▪ Cevada, trigo, legumes e árvores frutíferas. ▪ Pecuária: ▪ Porcos, cabras bois e cavalos (trazidos pelos Hicsos). ▪ O Estado era proprietário dos meios de produção. ▪ Os excedentes recolhidos eram depositados em grandes armazéns do Estado, sua distribuição não era igualitária.
  • 16.
  • 17. ORGANIZAÇÃO ECONÔMICA A agricultura era a base da economia egípcia e, como já vimos, dependia das águas do Nilo. O trigo, a cevada, os legumes e as uvas constituíam as principais culturas.
  • 18. ▪ Os egípcios dedicavam-se também à criação de bois, asnos, patos e cabritos. Além disso, praticavam também a mineração de ouro, pedras preciosas e cobre, este último muito usado nas trocas comerciais com outros povos. O comércio era feito à base de trocas, mas limitava-se ao pequeno comércio e à permutação de artigos de luxo com o exterior. ▪ O artesanato do Egito era conhecido no mundo antigo. Com a madeira, o cobre, o ouro, o marfim, o couro, o papiro, o bronze, seus artesãos produziam móveis, brinquedos, jóias, tecidos, barcos, armas, tijolos e uma variedade de outros objetos.
  • 19. FORMAÇÃO DO EGITO ANTIGO Nomos: conjuntos de aldeias governadas pelos nomarcas, nome dado aos chefes mais poderosos.
  • 20. POLÍTICA:▪ No primeiro momento surgiram os Nomos (Comunidades autônomas). ▪ Se espalharam pelas margens do rio Nilo. ▪ A fusão entre alguns Nomos originou diversas cidades. ▪ 3500 a.C = Existem dois reinos: ▪ Alto Egito = ao Sul ▪ Baixo Egito = ao Norte. ▪ 3200 a.C. = Unificação! ▪ Menés (rei do sul) conquista o norte e torna-se o primeiro Faraó. ▪ Surge uma monarquia poderosa e teocrática.
  • 21. • Por volta do ano 3200 a.C., o rei Menés, do Alto Egito (no vale do Nilo), conquistou o Baixo Egito (no delta do Nilo), unificando os dois reinos. • Menés tornou-se então o primeiro faraó (nome que se dava ao rei entre os egípcios) e o fundador da primeira dinastia (sucessão de reis pertencentes a uma mesma família).
  • 22. A coroa era um dos principais símbolos do faraó. Antes da unificação, o soberano do Alto Egito utilizava a coroa branca; a coroa vermelha era usada no Baixo Egito. Quando o Egito passou a ser governado por um único soberano, o faraó, a coroa tornou-se dupla: vermelha e branca, simbolizando a união dos dois reinos. Ao comandar suas tropas na guerra, o faraó usava a coroa azul.
  • 23. POLÍTICA:▪ ANTIGO IMPÉRIO: entre 3.200 a.C. e 2.300 a.C. ▪ Grandes construções! ▪ Pirâmides do Vale de Gizé. ▪ Maioria da população vivia na servidão coletiva trabalhando na agricultura e nas obras públicas. ▪ Forte burocracia estatal. ▪ 2300 a.C. = Péssimas colheitas + muitos impostos: resultam em várias rebeliões que levaram o Antigo Império ao fim. ▪ MÉDIO IMPÉRIO: entre 2.050 a.C. e 1.750 a.C. ▪ Faraós recuperam o poder dentro do Egito. ▪ Restabelecendo a organização anterior. ▪ Período de crescimento econômico e territorial. ▪ Hicsos (da Mesopotâmia) e Hebreus (da Palestina) penetram no Estado. ▪ Essa migração traz problemas sócio-políticos.
  • 24. POLÍTICA:▪ NOVO IMPÉRIO: entre 1580 a.C e 1080 a.C. ▪ Início da expulsão dos Hicsos. ▪ Período mais rico e desenvolvido dos Egípcios. ▪ Ocorreu a fuga (Êxodo) dos Hebreus, estes eram escravizados. ▪ Novas técnicas são implantadas como a utilização do cavalo e do ferro. ▪ Vão conquistar a Fenícia e a Síria ao Norte, chegando até ao rio Eufrates. ▪ Período de obras colossais, conhecidas obras faraônicas = templos Luxor, Karnak e Abusimbel. ▪ Amenófis IV (1372 a.C.) tenta implantar o monoteísmo, mas após a sua morte,Tutakamon permitiu o politeísmo.
  • 25.
  • 26. ▪ BAIXA ÉPOCA: a partir de 1080 a.C. ▪ Caracterizado pelo declínio do Império ocasionado pelas disputas internas e ataques externos (invasão dos Assírios). ▪ Enfraquecimento do poder central e a independência dos Nomarcas. ▪ RENASCÍMENTO SAÍTA: (663 a.C. – 525 a.C.) ▪ Breve recuperação: grande desenvolvimento comercial e artesanal. ▪ Intercâmbio comercial e cultural com a Grécia. ▪ 525 a.C. = foram invadidos pelos Persas (Batalha de Pelusa). ▪ depois foram dominados pelos: Macedônicos, Gregos, Romanos, Bizantinos e Árabes.
  • 27. A MONARQUIA EGÍPCIA ▪ Despótica: autoritária. ▪ Teocrática: centralizada no poder divino. Sociedade desigual, estamental ou estratificada
  • 28. A MONARQUIA EGÍPCIA. ▪ Faraó: rei, juiz, chefe militar e grande sacerdote. ▪ Funcionários reais: escribas, sacerdotes e militares. ▪ Camada média: artesãos e comerciantes. ▪ Camponeses: (ou Felás) responsáveis pela manutenção e construção das obras do governo, além da produção agrícola. ▪ Escravos: Prestadores de serviços domésticos ou em minas e pedreiras. Faraó Tutankamon
  • 29. ▪ Vizir: A maior autoridade depois do faraó. Cabia a ele tomar decisões jurídicas, administrativas e financeiras em nome do faraó. ▪ Nobres: Descendentes das famílias mais importantes dos antigos nomos cuidavam da administração das províncias ou ocupavam os postos mais altos do exército. ▪ Sacerdotes: Detinham muito poder, administravam todos os bens que os fiéis e o próprio Estado ofereciam aos deuses e tinham muita influência junto ao faraó. Enriqueciam porque ficavam com parte das oferendas feitas pela população aos deuses, além de serem dispensados do pagamento de impostos.
  • 30. ESCRIBAS Os que dominavam a difícil escrita egípcia, encarregavam-se da cobrança dos impostos, da organização das leis e dos decretos e da fiscalização da atividade econômica em geral.
  • 31. ▪ Soldados: Nunca atingiam os postos de comando, pois estes eram reservados à nobreza.Eles viviam dos produtos recebidos como pagamento e dos saques que podiam realizar durante as guerras de conquista. ▪ Artesãos: Exerciam as mais diversas profissões. Trabalhavam como pedreiros, carpinteiros, desenhistas, escultores, pintores, tecelões, ourives, etc. Muitas de suas atividades eram realizadas nas grandes obras públicas (templos, túmulos, palácios, etc.). ▪ Camponeses: Chamados no Egito de felás, constituíam a imensa maioria da população. Trabalhavam nas propriedades do faraó e dos sacerdotes e tinham o direito de conservar para si apenas uma pequena parte dos produtos colhidos. Eram também obrigados a trabalhar na construção de obras públicas grandiosas, como abertura de estradas, limpeza de canais, transportes de pedras necessárias às grandes obras, como túmulos, templos e palácios.
  • 33. CIÊNCIA NO ANTIGO EGITO. ▪ Matemática: seu desenvolvimento possibilitou a construção de canais de irrigação, barragens para conter as cheias e as pirâmides. ▪ Arquitetura: de proporções gigantescas, larga utilização da pedra como matéria prima. ▪ Medicina: o processo de mumificação levou a um conhecimento mais apurado do corpo humano, além do diagnóstico de algumas doenças e a descoberta de remédio para curá-las. ▪ Pinturas e Esculturas. Busto de Nefertiti
  • 34. ESCRITA HIERÓGLIFA: ▪ Do grego, escrita sagrada: ▪ Símbolos egípcios também denominados pictogramas, era um complexo sistema de escrita, exigiu dos escribas uma simplificação: ▪ Hierática: letra cursiva, resultante da união dos hieróglifos ; ▪ Demótica: de uso comum, abreviação dos hieróglifos. Escribas: pequena parcela da população que sabia ler e escrever, possuíam imenso prestígio perante a sociedade.
  • 36. O PAPIRO: ▪ Encontrado em pântanos e às margens do rio Nilo; ▪ Material utilizado para a produção de documentos escritos; ▪ Utilizado também em construção de casas e de embarcações.
  • 37. ▪ Politeísta: vários deuses; ▪ Antropozoomórfica: deuses com formas de humanos, animais ou os dois juntos; ▪ Alguns deuses representados pelas forças da natureza; ▪ Acreditavam na imortalidade da alma, no juízo final e no retorno da alma ao mesmo corpo. ▪ Construíam Pirâmides, Mastabas e Hipogeus para câmaras funerárias.
  • 40.
  • 41. CULTURA: ▪ Quase a totalidade das obras de arte tinham funções num contexto religioso e político. ▪ Arquitetura: ▪ Destacaram-se as pirâmides gigantescas; ▪ Os Hipogeus (subterrâneos); ▪ Mastabas (trapezoidal) ▪ Esculturas: ▪ Lei da frontalidade (corpo humano representado de frente e dividido em duas partes iguais); ▪ Hieratismo (rigidez, contenção). ▪ Pinturas: ▪ Técnicas do Afresco. ▪ Representavam o cotidiano.  Obras Literárias:  Forte ideologia religiosa e moral.  Ex: O Livro dos Mortos.  Ciências:  Caráter prático pautado nos cálculos e previsões das cheias do Nilo.  Destacaram-se em algumas áreas como:  Química;  Matemática;  Astronomia;  Medicina
  • 42. O deus Osíris foi assassinado e retalhado por Set, seu irmão. Ísis, sua irmã e esposa, auxiliada por Hórus, Totem e Anúbis, recolheu os pedaços do corpo de seu marido e os colou. Aros e Totem sopraram-lhe a boca, devolvendo-lhe a vida. Este mito simboliza a regressão das águas no outono e a volta da inundação na primavera. O MITO DE OSÍRIS
  • 43. O tribunal de Osíris é um regulador social no mundo da civilização egipcia pois no citado livro dos mortos estavam regras de conduta social que deveriam ser obedecidas, sob pena de sofrimento no pós-vida. Página do livro dos mortos que representa o morto sendo apresentado no tribunal de Osíris. Fora das paredes,a representação é feita em rolos de papiros denominados “O livro dos mortos” que contêm, além de gravuras, orações, feitiços, hinos e suplicas que pretendiam afiançar a passagem segura e curta do falecido ao outro mundo. Esses rolos de papiro eram colocados nos túmulos junto das múmias. O LIVRO DOS MORTOS
  • 44. PIRÂMIDESHá no Egito 80 pirâmides, construídas aproximadamente 4000 a.C. distam apenas 10Km da cidade do Cairo. A maior pirâmide, e a mais antiga é a de QUEOPS. Possui 148 metros de altura, 234 metros de base. A área que ocupa é de 54.000 m². As pedras foram trazidas da Arábia e transportadas em grandes barcaças pelo Rio Nilo. No transporte de terra eram colocadas em enormes pranchas que por sua vez deslocavam sob troncos roliços de grandes dimensões. Trabalharam na construção cerca de 100.000 operários durante 20 anos
  • 46. As pirâmides, grandes construções de blocos de pedras, era o túmulo dos faraós e de seus familiares. Seu interior era decorado, possuía móveis, armas e jóias. Alguns deles passaram toda a vida organizando a construção e a decoração de seus túmulos. Ordenavam aos seus auxiliares e escravos que colocassem alimentos, animais de estimação, roupas e objetos pessoais – acreditando que precisariam de tudo isso na vida após a morte. Os egípcios acreditavam que, após a morte, teriam de passar pelo tribunal dos deuses, que julgaria quem mereceria uma vida. Os premiados com a vida iriam precisar do corpo bem conservado para abrigar sua alma quando ela retornasse. Com esse objetivo, desenvolveram técnicas de mumificação para a preservação dos corpos.
  • 47. Arte Egípcia A arte egípcia se caracteriza pela "lei da frontalidade", ou seja, as figuras com rostos de perfil e os olhos de frente. O corpo está de frente e as pernas e pés de perfil. Isto porque eles acreditavam que, com o corpo de frente, a figura poderia receber inteiramente as reverências e a admiração de quem as contemplasse. Os egípcios acreditavam que a vida continuava após a morte, e o morto reviveria tudo aquilo que fosse pintado no túmulo. Costumavam mumificar os faraós, e faziam uma estátua igual ao morto, para que, na volta da alma, o corpo ali estivesse para recebê-la.
  • 48. Jardim de Nebamun 1400 a.C. Mural de um túmulo em Tebas Os principais temas das gravuras egípcias eram as ações dos deuses, a vida de reis e rainhas, autoridades, vida após a morte, religião e cotidiano. Nas gravuras tumulares, por exemplo, os temas eram sempre a história do morto e a passagem para o mundo dos mortos. Nos templos, os temas eram sempre as ações dos deuses e a divindade do rei, o faraó.
  • 49. Detalhe do trono de Tutankamon que mostra ele e sua esposa. Trono de Tutankamon
  • 50. Existe provas arqueológicas que provam que marcas de tatuagens foram feitas em seres humanos no Egito entre 4000 e 2000 a.C. Foi no Egito, também, que a arte da tatuagem viajou o mundo. A história da tatuagem é muito mais antiga do que muitos pensam. A história da tatuagem parece estar ligada com a evolução do homem e do desenvolvimento da consciência do "eu". Foi no Egito antigo que a tatuagem feita com perfurações introduzindo um pigmento na pele foi praticada. Tatuagem
  • 51.
  • 52.