SlideShare uma empresa Scribd logo
▪ Em 2015, o projeto de emenda constitucional (PEC) que propunha a redução da
maioridade penal no Brasil de 18 para 16 anos suscitou o debate em torno da
responsabilidade individual dos adolescentes por seus atos. Grupos contrários à
medida afirmavam, entre outros argumentos, que adolescentes infratores não
surgem ao acaso, mas são fruto das injustiças sociais que agravam as condições de
pobreza nas quais sobrevive grande parte da população brasileira.
▪ A vida em sociedade exige que os indivíduos se conformem aos comportamentos
e valores socialmente instituídos em cada cultura e momento histórico. Integrar
determinado grupo, morar em uma metrópole ou na zona rural são alguns dos
fatores que influenciam a formação dos diferentes valores e comportamentos
individuais. Graças a sua força e abrangência, essa influência pode ser
interpretada como restritiva da individualidade humana.
▪ Uma evidência da força com que os padrões sociais se impõem aos indivíduos se
manifesta quando alguém decide ir contra tais padrões. Quando uma regra ou lei é
transgredida, a sociedade imediatamente aciona diferentes meios de coerção
social, que podem ir de uma simples repreensão até a privação da liberdade. Se
uma instituição de ensino obriga os alunos a usar uniforme, quem não cumprir a
regra poderá ser impedido de entrar na escola. Se, em uma manifestação pública,
pessoas decidirem tirar as roupas como meio de protesto, poderão ser detidas por
contrariarem convenções sociais.
▪ Se usássemos como exemplo o padrão básico da alimentação brasileira,
poderíamos colocar a questão da seguinte forma: o arroz com feijão tornou-se a
base da alimentação no Brasil porque a maioria das pessoas gosta dessa
combinação ou, por motivos exteriores às vontades individuais, esse prato se
tornou um padrão e assim se impôs? Afinal, quem é o agente que estabelece os
padrões das relações sociais?
▪ O conceito de estrutura foi desenvolvido com base na análise da influência da
organização social sobre as maneiras individuais de agir e de pensar. Assim como
a comunicação verbal não pode acontecer sem uma estrutura mínima, a existência
da vida em sociedade exige dos indivíduos a conformidade a certos
comportamentos e valores.
▪ Como é possível que os indivíduos, com suas peculiaridades e diferenças, convivam
em sociedade de maneira organizada? Quem é o responsável pelo funcionamento e
pela maneira como se apresentam as diferentes instituições sociais, como a família, a
escola e o Estado? Serão os indivíduos capazes de rebelar-se contra as regras sociais e
transformá-las? Ou, ao contrário, as regras sociais exercem uma força que restringe a
capacidade de ação deles?
▪ Ao discutir a relação entre o indivíduo e a sociedade, a partir do final do século XIX, a
Sociologia produziu três matrizes de resposta a essa questão, as quais podem ser
simplificadas e compreendidas mediante o seguinte esquema:
▪ I) a sociedade determina os indivíduos, como evidenciam os fatos sociais,
▪ II ) a sociedade é compreendida como resultado da ação social dos indivíduos; e
▪ III) a sociedade e os indivíduos são expressão das contradições de classe e
determinam-se reciprocamente de acordo com os limites estabelecidos pelas
condições materiais de existência em dado período histórico.
FATO SOCIAL
▪ Esse princípio de objetividade na Sociologia foi estabelecido
e sistematizado em um primeiro momento pelo sociólogo
francês Émile Durkheim. Ele reconheceu na sociedade um
conjunto de fenômenos que poderiam ser compreendidos
separadamente das consciências dos indivíduos nos quais se
manifestavam e por meio dos quais eram representados.
Durkheim chamou esses fenômenos de fatos sociais.
▪ Os fatos sociais são formas de agir cuja manifestação coletiva constitui aquilo que
entendemos como sociedade, a qual surge, assim, como um dado autônomo que pode
ser descrito, interpretado e explicado pela ciência com base em uma metodologia
própria: o método sociológico.
▪ Por fatos sociais entende-se o conjunto de normas e regras coletivas que orientam e
condicionam a ação individual. Os fatos sociais são identificados por três
características principais: são exteriores aos indivíduos (existem
independentemente de sua vontade ou reflexão), coercitivos (impõem penalidades
aqueles que não cumprem suas normas) e gerais (estão presentes no conjunto de dada
sociedade).
▪ Para entendermos melhor esse conceito podemos pensar no exemplo das leis, que
são independentemente da vontade do indivíduo. Todos os membros de uma
coletividade têm de cumpri-las, mesmo que possuam opinião pessoal desfavorável
(por isso elas lhes são exteriores). O descumprimento da lei prevê punição ao
transgressor (por isso são coercitivas) Ao mesmo tempo, as leis servem de
orientação para a conduta de toda a população (por isso são gerais).
▪ O sistema formal de educação é um bom exemplo
de fato social. As disciplinas já ensinadas e
estabelecidas há gerações impõem-se
independentemente das vontades individuais (a
Educação Básica hoje, além de um direito, é uma
obrigação); essas regras exercem coerção sobre
os indivíduos (no sistema escolar, por exemplo,
aqueles que não conseguem determinada nota são
reprovados) e são gerais (ou seja, são seguidas
pela maioria dos indivíduos que participam do
sistema).
▪ Assim, em uma caixa encontramos todas as peças de um automóvel, mas cada peça
separadamente não constitui um carro. Para que de fato exista um carro (isto é,
para que ele funcione e seja reconhecido por sua forma característica e função
estabelecida), é necessário que essas peças sejam montadas da maneira
planejada, a fim de que cada uma contribua para a existência do todo; uma peça
mal colocada comprometeria o objetivo final, e então não haveria um carro
(porque não exerceria sua função de meio de transporte).
▪ A mesma ideia poderia ser utilizada para o funcionamento de um organismo vivo,
se pensarmos em órgãos em vez de peças. Cada órgão cumpre sua função para
manter o organismo funcionando, isto é, vivo e saudável Assim, mais uma vez, o
"todo" pode ser“ mais que a soma das partes"; da mesma maneira, uma sociedade,
como uma máquina ou um organismo vivo, tem primazia sobre os indivíduos, ainda
que não possa se manifestar senão por intermédio deles.
▪ Quando a sociedade é comparada a uma máquina ou a um organismo vivo, quando os
indivíduos são tomados como "peças" ou "Órgãos" que contribuem para o
funcionamento de algo maior, surge outro tema importante nesta perspectiva
sociológica: a questão da ordem e da função. A sociedade seria dotada de uma ordem
que direciona as partes de acordo com funções específicas que concorrem para sua
manutenção, sua reprodução e seu aperfeiçoamento; ou seja, existiria uma ordem na
disposição das peças para que a máquina realizasse sua função.
▪
Esse funcionamento é obtido somente quando os elementos que constituem a
sociedade estão unidos, coesos. É por isso que a questão da ordem é compreendida
com base no conceito de coesão social, quando cada elemento atua de modo que os
demais também trabalhem adequadamente e todos juntos constituam um organismo
maior, dizemos que são solidários uns aos outros e ao todo. Assim, o tema da ordem
social deve ser compreendido tendo por base a ideia de coesão social, que resulta da
ação solidária das partes, a solidariedade social.
▪ Diferentemente do conceito de estrutura social, compreendido como o conjunto
de princípios que explicam os comportamentos e as instituições sociais, reduz a
importância dos indivíduos nos processos de transformação da sociedade, outra
posição teórica e metodológica enfatizou que o único elemento da sociedade
que pode ser observado são os indivíduos, suas ações e a compreensão que
eles próprios têm de suas ações. Cabe à Sociologia descrever esses
comportamentos e compreensões e interpretá-los.
▪
As escolhas que orientam as ações individuais são motivadas por alguns fatores
que podem ser classificados pela Sociologia. Quando um cidadão obedece a
ordem de um policial, quando um pai se sacrifica em defesa de um filho ou
quando um fiel jejua por orientação religiosa, é possível encontrar princípios
racionais, afetivos e tradicionais na origem dessas ações. Quem propôs e
desenvolveu essa perspectiva de análise foi o sociólogo Max Weber. Segundo
ele, a ação dos indivíduos em sua interação com a sociedade é a unidade
mínima da análise sociológica.
▪ Na concepção de Weber a sociedade existe porque é vivenciada e compreendida
por indivíduos racionais que tomam suas decisões conforme sua história e cultura.
Uma vez que só é possível observar esses indivíduos, ou a ação consciente deles,
Weber elege como objeto de estudo da Sociologia o sentido da ação social. As
normas sociais - que Durkheim entendia como fatos sociais -, de acordo com
Weber, existem mente por causa do sentido atribuído a elas pelos indivíduos, isto
é, não têm valor em si mesmas. A sociedade é moldada pelo conjunto de decisões
de muitos indivíduos, que reconhecem essas regras, atribuem-lhes sentido e
manifestam as razões para obedecer a elas de forma consciente.
Brasil Uganda
▪ A ação social,portanto,é diferente de um simples comportamento social,pois carrega um sentido a ela
atribuído pelo indivíduo.Assim,a ação social como instrumento de análise sociológica é definida como
toda ação realizada pelos indivíduos levando em conta a expectativa de outra ação dos demais.Dessa
forma,da perspectiva da teoria da ação social,a Sociologia não é entendida como uma realidade
exterior aos indivíduos ou explicada por leis,como ocorre nas Ciências Naturais.A cientificidade da
Sociologia residiria em sua capacidade de compreender racionalmente as ações e as relações sociais
▪
Na construção de uma teoria da ação social,a observação da realidade levou à identificação de quatro
tipos fundamentais de ação social que orientam a explicação das causas dos fenômenos sociais:
▪ tradicional;
▪ afetiva;
▪ racional orientada a valores;
▪ racional orientada a fins.
A Sociologia fundamentada nessa perspectiva tem se concentrado principalmente na análise das duas
últimas.
▪ é motivada por um hábito arraigado ou por um costume. Isto é, quando se
pergunta ao ator social por que ele realiza determinada ação (como cumprimentar
alguém com um aperto de mão), ele responde que é porque sempre o fez e
também porque seus pais e antepassados sempre o fizeram. Um exemplo de ação
tradicional é o hábito de benzer-se ao passar em frente a uma igreja, como fazem
muitos católicos. Essa ação, que identifica e integra uma comunidade religiosa
específica, quando realizada de modo espontâneo, encontra explicação em um
hábito sobre o qual não se faz uma reflexão racional. Ela já se transformou em um
modo de agir consolidado.
▪ é determinada por afetos ou estados emocionais. Como exemplo, podemos
imaginar um indivíduo que reage a uma agressão ou ofensa de maneira
igualmente agressiva. Ela consiste em uma reação momentânea a uma situação
inesperada. Em outro contexto, a reação poderia ser completamente diferente.
▪ orientada a valores é determinada pela crença um
valor importante para o indivíduo, sem considerar
as consequências das ações em defesa desse valor.
Como exemplo desse tipo de ação podemos citar
alguém que aja de acordo com sua convicção
política e, ao defender suas ideias em uma
manifestação pública, desencadeie uma repressão
que, na prática, vai contra seu objetivo. Apesar de
produzir efeitos contrários aos objetivos, a ação é
racionalmente elaborada; o ator social considera
suas consequências positivas e negativas, mas a
orienta conforme seus valores, dos quais não pode
abrir mão, independentemente dos resultados
negativos que possa vir a provocar.
▪ é aquela determinada pelo cálculo racional que
estabelece fins objetivos e organiza os meios
necessários para alcançá-los. Um exemplo de ação
racional orientada a fins é a estratégia de um jovem
para ser aprovado nos exames de ingresso no
Ensino Superior. O aluno define as ações
necessárias para atingir esse objetivo, organiza-as
racionalmente, pesando prós e contras para sua
realização, e opta pela estratégia de ação mais
eficiente para atingir a meta planejada.
▪ O objeto de estudo da Sociologia, no entanto, nem sempre é definido sobre
um dos polos da relação entre indivíduo e sociedade. Se a estrutura social
se manifesta individualmente, e se a ação social consciente dos indivíduos
conforma determinada organização social, também é possível
compreender a sociedade como uma totalidade, constituída pelas ações
individuais limitadas por condições históricas específicas. Segundo essa
perspectiva, os seres humanos só podem ser pensados com relação ao que
produzem materialmente, e a sociedade, compreendida como resultado da
ação recíproca entre os indivíduos. Por exemplo, na Antiguidade, quem
vivesse em uma comunidade nômade caçadora e coletora seria incapaz de
fazer escolhas que não fossem determinadas por sua condição material de
existência. Isso quer dizer que esse indivíduo não poderia, por exemplo,
reivindicar uma casa para si ou a propriedade do que caçasse ou coletasse,
já que em sua comunidade essas possibilidades não se apresentariam.
▪
▪ Quem definiu as bases para a compreensão do
objeto da Sociologia tendo em mente os aspectos
materiais e históricos que ligam o indivíduo à
sociedade foi o filósofo Karl Marx . Segundo ele,
"os homens fazem sua própria história, mas não a
fazem como querem e, sim, limitados pelas
condições materiais e históricas de sua
existência". Por isso, não é possível afirmar que os
indivíduos têm primazia sobre a sociedade ou o
contrário, pois sua ação na vida social, assim como
a estrutura na qual estão inseridos, é resultado de
determinada situação histórico-social. Do mesmo
modo que o nômade não poderia optar por uma
residência fixa, o trabalhador moderno também
não é livre para escolher suas condições de
trabalho (quantas horas deve trabalhar ou o valor
do seu salário).Tanto as horas de trabalho quanto
o salário dependem das condições materiais de
determinado momento histórico.
▪ Nessa perspectiva, a base dessa sociedade é definida
pelo modo como é organizada a produção das condições
materiais de existência, ou seja, quem planta o alimento,
quem constrói as casas, quem fabrica as roupas. Isso não
quer dizer que a sociedade também não seja constituída
por práticas culturais e políticas, como a religião, as artes
e a organização dos governos. No entanto, tais
manifestações se constituem a partir da base material
que organiza a vida econômica.
▪
Analisando a organização da produção nas sociedades
modernas capitalistas na Europa do século XIX, Marx
chamou a atenção para o fato de que a posição social dos
indivíduos estava definida por sua relação com os meios
de produção. O fato de serem proprietários desses meios
(donos das terras, fábricas, máquinas) ou meros
trabalhadores seria o elemento fundamental para
determinar a divisão da sociedade em grupos com
interesses antagônicos, as classes sociais.
▪ Segundo Marx, podemos definir classe social como a posição que um grupo de
indivíduos ocupa no processo de produção: de um lado, os proprietários dos meios de
produção e, de outro, os produtores (trabalhadores). Nessa perspectiva, a propriedade
privada dos meios de produção seria a causa maior da dominação de uma classe
sobre a outra ao longo da história, com base na exploração do trabalho. Se o
trabalhador não dispõe de mais nada além da própria força de trabalho, está
submetido ao poder do patrão, que definira quanto e de que forma ele vai trabalhar,
assim como o valor de seu salário, de acordo com as leis existentes e a capacidade de
negociação dos trabalhadores organizados. Na sociedade capitalista que Marx
analisou, burguesia e proletariado eram as classes que protagonizaram o conflito, em
meio a uma profunda desigualdade.
▪ Marx desenvolveu uma teoria orientada pela ideia de conflito, estabelecendo a
classe social como unidade de análise sociológica que permite pensar a relação
entre indivíduo e sociedade de maneira recíproca. Ou seja, não é possível pensar
o indivíduo sem considerar sua constituição em uma classe social e as diferenças
de poder e dominação definidas a partir de sua posição nas relações de produção.
Do mesmo modo, não é possível pensar a sociedade sem compreendê-la como
resultado de um processo histórico marcado por contradições.
▪ Dois indivíduos que tenham nascido na
mesma cidade e no mesmo dia, mas que
pertençam a classes sociais diferentes, terão
sua trajetória de vida individual marcada
pelas classes das quais fazem parte. Assim,
o filho de uma família de operários terá
muito mais possibilidade de seguir a mesma
profissão dos pais do que de se tornar
empresário. Por sua vez, o filho de uma
família de empresários terá muito mais
possibilidade de tornar-se também
empresário do que de vir a ser operário.
Isso significa que a classe social na qual o
indivíduo nasce é fator determinante do
possível curso de sua vida profissional.
▪ De acordo com Marx, os homens produzem a própria vida por meio das relações de
produção. E as leis existem para garantir o controle e a continuidade dessas relações
estabelecidas em determinado momento histórico. Assim, nas sociedades
contemporâneas, a propriedade privada é defendida pela legislação como direito
inviolável. Marx postula que as leis sempre representam as ideias da classe dominante.
Quando passou de classe dominada a classe dominante, a burguesia criou novas leis
que regulavam a vida social e que refletiam as ideias da nova classe dirigente. Em
nossos dias, modificações na organização do sistema de produção geram novas
legislações que tentam dar legitimidade ao modo como as classes dominantes
pretendem interferir na realidade.
▪ A concepção sobre a relação entre o indivíduo e a sociedade na Sociologia
contemporânea está, assim como na Sociologia clássica, relacionada à experiência
social de época e articula as diferentes percepções sobre o papel e os limites da
ação individual.
▪ O sociólogo alemão Norbert Elias, recontextualizando a discussão entre ação
individual e estrutura social, afirma que não existe dicotomia entre indivíduo e
sociedade. seja, não é suficiente para a compreensão da sociedade
contemporânea uma teoria se refira aos conceitos de indivíduo e sociedade como
termos antagônicos. Essa é e proveitoso processo de influência mútua, em que o
indivíduo constrói a estrutura e é falsa questão que gera problemas na
interpretação da vida social, na qual há um constante simultaneamente formado
por ela.
▪
Nesse sentido, o indivíduo elabora estratégias para alcançar objetivos, mas
objetivos que são socialmente validados pelas estruturas sociais construídas
historicamente. Considere-se o exemplo das leis, que especificam limites para a
escolha individual mesmo tempo que protegem os indivíduos. Em muitos casos,
tais leis existem para garantir o direito individual diante da pressão coletiva ou
podem, de maneira oposta, servir como defesa da maioria contra uma minoria que
tenta impor sua vontade.
▪ Um traço comum na Sociologia contemporânea é o esforço para construir uma teoria
capaz de interpretar o indivíduo e a sociedade como partes inseparáveis da mesma
realidade. O sociólogo britânico Anthony Giddens avalia que o indivíduo na
modernidade age de modo dialético em relação às estruturas. Em uma releitura das
teorias sociológicas clássicas, Giddens defende que os agentes (indivíduos) são
influenciados pelas estruturas em seu cotidiano ao mesmo tempo que recriam essas
mesmas estruturas mediante um processo de reflexão sobre sua própria prática. Em
nosso exemplo, isso significa dizer que os indivíduos, ao cumprirem as leis, refletem
sobre sua aplicabilidade na realidade social, adaptando-a continuamente às
necessidades individuais e coletivas da sociedade em que vivem, o que pode alterar as
próprias leis que deram origem a essa reflexão.
▪ Giddens defende que o modo de vida que teve início no século XVII chegou a seu
ápice, de maneira que estaríamos experimentando um momento de radicalização
da modernidade. Essa radicalização das formas de relacionamentos e das
instituições nos traria algumas “consequências da modernidade", isto é,
viveríamos em uma época de incertezas, por um lado, e de reflexividade, por outro.
Tais incertezas seriam situações de risco às quais estão submetidos os sujeitos nas
sociedades contemporâneas, como uma epidemia global ou uma guerra. A
radicalização também daria maior reflexividade (incorporação reelaborada das
situações e informações do cotidiano) aos indivíduos, tendo em mente que estes
reexaminam constantemente as práticas sociais, o que lhes confere maior
autonomia.
▪ O debate sobre a relação entre indivíduo e sociedade - seja nos autores clássicos, seja
nos contemporâneos - evidencia uma característica central da Sociologia: a percepção
de que as experiências pessoais não se limitam às consciências individuais, mas
devem ser interpretadas como parte da experiência social.
▪ Charles Wright Mills denominou essa característica social como imaginação
sociológica. Esse conceito significa, na prática, ir além das experiências e observações
individuais para compreender temas coletivos, de maior amplitude. Sem sair do
exemplo do trânsito, podemos considerar que a pressa é um fato de importância
pessoal; entretanto, o uso da imaginação sociológica permite compreendê-la não
apenas como problema individual, mas como preocupação social.
▪
Correr no trânsito, apesar de ser uma solução imediata ao problema da urgência
que se tem em realizar algo, pode ocasionar algum tipo de acidente, envolvendo
outras pessoas. Nessa perspectiva, o autor propõe que a Sociologia deve permitir
que o indivíduo relacione seu cotidiano com a realidade histórico-social, fazendo
com que reflita acerca da implicação de suas ações.
▪
Em um contexto em que as transformações das últimas décadas têm trazido
numerosos desafios para os indivíduos em seu cotidiano, cabe à ciência da
sociedade o papel de compreender as conexões que existem entre a experiência
pessoal e a vida coletiva.
▪ Sociedade em movimento. – 2. ed. – São Paulo: Moderna, 2016.Vários autores.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
Lucas Justino
 
Política e o Poder
Política e o PoderPolítica e o Poder
Política e o Poder
Kamila Joyce
 
Poder e política
Poder e políticaPoder e política
Poder e política
Edenilson Morais
 
Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes
Edenilson Morais
 
Consciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkheinConsciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkhein
marcello magela
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
Lucio Braga
 
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Edenilson Morais
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
guest6a86aa
 
Cap. 1 a sociedade dos indivíduos
Cap. 1   a sociedade dos indivíduosCap. 1   a sociedade dos indivíduos
Cap. 1 a sociedade dos indivíduos
Tiago Lacerda
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
Paulo Alexandre
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
Luciano Carvalho
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
Fatima Freitas
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológico
Ariella Araujo
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
professorleo1989
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
Portal do Vestibulando
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
Roberto Izoton
 
Planejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologiaPlanejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologia
Sandro Lima
 
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOSSOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
Uniceuma
 
Sistemas e formas de governo
Sistemas e formas de governoSistemas e formas de governo
Sistemas e formas de governo
Politize!
 

Mais procurados (20)

Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
Política e o Poder
Política e o PoderPolítica e o Poder
Política e o Poder
 
Poder e política
Poder e políticaPoder e política
Poder e política
 
Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes Sociologia: Principais correntes
Sociologia: Principais correntes
 
Consciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkheinConsciencia coleetiva durkhein
Consciencia coleetiva durkhein
 
A divisão social do trabalho émile durkheim
A divisão social do trabalho  émile durkheimA divisão social do trabalho  émile durkheim
A divisão social do trabalho émile durkheim
 
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
Avaliação de Sociologia (P1 - Primeiro Bimestre CNDL 2012)
 
O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?O QUE É SOCIOLOGIA?
O QUE É SOCIOLOGIA?
 
Cap. 1 a sociedade dos indivíduos
Cap. 1   a sociedade dos indivíduosCap. 1   a sociedade dos indivíduos
Cap. 1 a sociedade dos indivíduos
 
Instituições sociais
Instituições sociaisInstituições sociais
Instituições sociais
 
Clássicos da sociologia
Clássicos da sociologiaClássicos da sociologia
Clássicos da sociologia
 
éMile durkheim
éMile durkheiméMile durkheim
éMile durkheim
 
A sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológicoA sociologia e o olhar sociológico
A sociologia e o olhar sociológico
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Émile durkheim
Émile durkheimÉmile durkheim
Émile durkheim
 
Emile durkheim
Emile durkheimEmile durkheim
Emile durkheim
 
O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?O que é e como surgiu a sociologia?
O que é e como surgiu a sociologia?
 
Planejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologiaPlanejamento anual de sociologia
Planejamento anual de sociologia
 
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOSSOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
 
Sistemas e formas de governo
Sistemas e formas de governoSistemas e formas de governo
Sistemas e formas de governo
 

Semelhante a Relacao sociedade individuo_resumo

Sociologia 1
Sociologia 1Sociologia 1
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Matheus Alves
 
Elementos de teoria geral do estado - 2° Aula
Elementos de teoria geral do estado - 2° AulaElementos de teoria geral do estado - 2° Aula
Elementos de teoria geral do estado - 2° Aula
Deysi Macedo
 
Elementos de teoria geral do estado - resumo
Elementos de teoria geral do estado - resumoElementos de teoria geral do estado - resumo
Elementos de teoria geral do estado - resumo
Deysi Macedo
 
2014 conceitos básicos sociologia
2014 conceitos básicos sociologia2014 conceitos básicos sociologia
2014 conceitos básicos sociologia
Felipe Hiago
 
sociologia.pdf
sociologia.pdfsociologia.pdf
sociologia.pdf
Daiani Wagner
 
Fund.filosofia e sociologia
Fund.filosofia e sociologiaFund.filosofia e sociologia
Fund.filosofia e sociologia
LucianoBrandodeCarvalho
 
Sociologia e Indivíduo
Sociologia e IndivíduoSociologia e Indivíduo
Sociologia e Indivíduo
Carlos Benjoino Bidu
 
Facto social
Facto socialFacto social
Facto social
Filipe Simão Kembo
 
Dürkheim e os fatos sociais
Dürkheim e os fatos sociaisDürkheim e os fatos sociais
Dürkheim e os fatos sociais
Aline Rodrigues
 
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de MudançasAula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Claudio Henrique Ramos Sales
 
emiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.pptemiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.ppt
RogerioTrentin2
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
turma12c1617
 
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIAINTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Durkheim
DurkheimDurkheim
Durkheim
direitounimonte
 
Cap 03 durkheim
Cap 03 durkheimCap 03 durkheim
Cap 03 durkheim
Péricles Penuel
 
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Claudio Henrique Ramos Sales
 
A relação educação e sociedade
A relação educação e sociedadeA relação educação e sociedade
A relação educação e sociedade
Manayra Monteiro Tjpe
 
RESPONSABILIDADE DE GRUPO
RESPONSABILIDADE DE GRUPORESPONSABILIDADE DE GRUPO
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
Giorgia Marrone
 

Semelhante a Relacao sociedade individuo_resumo (20)

Sociologia 1
Sociologia 1Sociologia 1
Sociologia 1
 
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
Resumo - CAP1 - As regras do método sociológico[Durkheim]
 
Elementos de teoria geral do estado - 2° Aula
Elementos de teoria geral do estado - 2° AulaElementos de teoria geral do estado - 2° Aula
Elementos de teoria geral do estado - 2° Aula
 
Elementos de teoria geral do estado - resumo
Elementos de teoria geral do estado - resumoElementos de teoria geral do estado - resumo
Elementos de teoria geral do estado - resumo
 
2014 conceitos básicos sociologia
2014 conceitos básicos sociologia2014 conceitos básicos sociologia
2014 conceitos básicos sociologia
 
sociologia.pdf
sociologia.pdfsociologia.pdf
sociologia.pdf
 
Fund.filosofia e sociologia
Fund.filosofia e sociologiaFund.filosofia e sociologia
Fund.filosofia e sociologia
 
Sociologia e Indivíduo
Sociologia e IndivíduoSociologia e Indivíduo
Sociologia e Indivíduo
 
Facto social
Facto socialFacto social
Facto social
 
Dürkheim e os fatos sociais
Dürkheim e os fatos sociaisDürkheim e os fatos sociais
Dürkheim e os fatos sociais
 
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de MudançasAula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
Aula 03 - Instituições Sociais Num Mundo de Mudanças
 
emiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.pptemiledurkheim-.ppt
emiledurkheim-.ppt
 
Trabalho de sociologia
Trabalho de sociologiaTrabalho de sociologia
Trabalho de sociologia
 
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIAINTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
INTRODUÇÃO À SOCIOLOGIA
 
Durkheim
DurkheimDurkheim
Durkheim
 
Cap 03 durkheim
Cap 03 durkheimCap 03 durkheim
Cap 03 durkheim
 
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
 
A relação educação e sociedade
A relação educação e sociedadeA relação educação e sociedade
A relação educação e sociedade
 
RESPONSABILIDADE DE GRUPO
RESPONSABILIDADE DE GRUPORESPONSABILIDADE DE GRUPO
RESPONSABILIDADE DE GRUPO
 
Sociologia
SociologiaSociologia
Sociologia
 

Mais de Loredana Ruffo

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
Loredana Ruffo
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
Loredana Ruffo
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Loredana Ruffo
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
Loredana Ruffo
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
Loredana Ruffo
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
Loredana Ruffo
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
Loredana Ruffo
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
Loredana Ruffo
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
Loredana Ruffo
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
Loredana Ruffo
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
Loredana Ruffo
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
Loredana Ruffo
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
Loredana Ruffo
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
Loredana Ruffo
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
Loredana Ruffo
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
Loredana Ruffo
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
Loredana Ruffo
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
Loredana Ruffo
 
Mercantilismo e colonização
Mercantilismo e colonização Mercantilismo e colonização
Mercantilismo e colonização
Loredana Ruffo
 
Primeira República: as instituições da República
Primeira República: as instituições da RepúblicaPrimeira República: as instituições da República
Primeira República: as instituições da República
Loredana Ruffo
 

Mais de Loredana Ruffo (20)

Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13Sociologia espaco urbano_13
Sociologia espaco urbano_13
 
Mineracao no brasil
Mineracao no brasilMineracao no brasil
Mineracao no brasil
 
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
Povos indígenas, afrodescendentes e mulheres na primeira república.
 
Estado brasileiro
Estado brasileiroEstado brasileiro
Estado brasileiro
 
Formacao estado moderno
Formacao estado modernoFormacao estado moderno
Formacao estado moderno
 
Primeira guerra mundial
Primeira guerra mundialPrimeira guerra mundial
Primeira guerra mundial
 
Globalizacao
GlobalizacaoGlobalizacao
Globalizacao
 
Sociedade açucareira
Sociedade açucareiraSociedade açucareira
Sociedade açucareira
 
Primeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegadaPrimeiros povos América / chegada
Primeiros povos América / chegada
 
Oreino de kush
Oreino de kushOreino de kush
Oreino de kush
 
Egito antigo
Egito antigo Egito antigo
Egito antigo
 
Mesopotamia
Mesopotamia Mesopotamia
Mesopotamia
 
Politica poder estado
Politica poder  estadoPolitica poder  estado
Politica poder estado
 
Republica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumidaRepublica oligárquica versão resumida
Republica oligárquica versão resumida
 
Republica oligarquica
Republica oligarquicaRepublica oligarquica
Republica oligarquica
 
Primeiros humanos
Primeiros humanosPrimeiros humanos
Primeiros humanos
 
Historia fontes historicas
Historia fontes historicasHistoria fontes historicas
Historia fontes historicas
 
Capitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geralCapitanias hereditárias governo geral
Capitanias hereditárias governo geral
 
Mercantilismo e colonização
Mercantilismo e colonização Mercantilismo e colonização
Mercantilismo e colonização
 
Primeira República: as instituições da República
Primeira República: as instituições da RepúblicaPrimeira República: as instituições da República
Primeira República: as instituições da República
 

Último

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 

Último (20)

Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 

Relacao sociedade individuo_resumo

  • 1.
  • 2. ▪ Em 2015, o projeto de emenda constitucional (PEC) que propunha a redução da maioridade penal no Brasil de 18 para 16 anos suscitou o debate em torno da responsabilidade individual dos adolescentes por seus atos. Grupos contrários à medida afirmavam, entre outros argumentos, que adolescentes infratores não surgem ao acaso, mas são fruto das injustiças sociais que agravam as condições de pobreza nas quais sobrevive grande parte da população brasileira.
  • 3. ▪ A vida em sociedade exige que os indivíduos se conformem aos comportamentos e valores socialmente instituídos em cada cultura e momento histórico. Integrar determinado grupo, morar em uma metrópole ou na zona rural são alguns dos fatores que influenciam a formação dos diferentes valores e comportamentos individuais. Graças a sua força e abrangência, essa influência pode ser interpretada como restritiva da individualidade humana.
  • 4. ▪ Uma evidência da força com que os padrões sociais se impõem aos indivíduos se manifesta quando alguém decide ir contra tais padrões. Quando uma regra ou lei é transgredida, a sociedade imediatamente aciona diferentes meios de coerção social, que podem ir de uma simples repreensão até a privação da liberdade. Se uma instituição de ensino obriga os alunos a usar uniforme, quem não cumprir a regra poderá ser impedido de entrar na escola. Se, em uma manifestação pública, pessoas decidirem tirar as roupas como meio de protesto, poderão ser detidas por contrariarem convenções sociais.
  • 5. ▪ Se usássemos como exemplo o padrão básico da alimentação brasileira, poderíamos colocar a questão da seguinte forma: o arroz com feijão tornou-se a base da alimentação no Brasil porque a maioria das pessoas gosta dessa combinação ou, por motivos exteriores às vontades individuais, esse prato se tornou um padrão e assim se impôs? Afinal, quem é o agente que estabelece os padrões das relações sociais?
  • 6. ▪ O conceito de estrutura foi desenvolvido com base na análise da influência da organização social sobre as maneiras individuais de agir e de pensar. Assim como a comunicação verbal não pode acontecer sem uma estrutura mínima, a existência da vida em sociedade exige dos indivíduos a conformidade a certos comportamentos e valores.
  • 7. ▪ Como é possível que os indivíduos, com suas peculiaridades e diferenças, convivam em sociedade de maneira organizada? Quem é o responsável pelo funcionamento e pela maneira como se apresentam as diferentes instituições sociais, como a família, a escola e o Estado? Serão os indivíduos capazes de rebelar-se contra as regras sociais e transformá-las? Ou, ao contrário, as regras sociais exercem uma força que restringe a capacidade de ação deles? ▪ Ao discutir a relação entre o indivíduo e a sociedade, a partir do final do século XIX, a Sociologia produziu três matrizes de resposta a essa questão, as quais podem ser simplificadas e compreendidas mediante o seguinte esquema: ▪ I) a sociedade determina os indivíduos, como evidenciam os fatos sociais, ▪ II ) a sociedade é compreendida como resultado da ação social dos indivíduos; e ▪ III) a sociedade e os indivíduos são expressão das contradições de classe e determinam-se reciprocamente de acordo com os limites estabelecidos pelas condições materiais de existência em dado período histórico.
  • 8. FATO SOCIAL ▪ Esse princípio de objetividade na Sociologia foi estabelecido e sistematizado em um primeiro momento pelo sociólogo francês Émile Durkheim. Ele reconheceu na sociedade um conjunto de fenômenos que poderiam ser compreendidos separadamente das consciências dos indivíduos nos quais se manifestavam e por meio dos quais eram representados. Durkheim chamou esses fenômenos de fatos sociais.
  • 9. ▪ Os fatos sociais são formas de agir cuja manifestação coletiva constitui aquilo que entendemos como sociedade, a qual surge, assim, como um dado autônomo que pode ser descrito, interpretado e explicado pela ciência com base em uma metodologia própria: o método sociológico. ▪ Por fatos sociais entende-se o conjunto de normas e regras coletivas que orientam e condicionam a ação individual. Os fatos sociais são identificados por três características principais: são exteriores aos indivíduos (existem independentemente de sua vontade ou reflexão), coercitivos (impõem penalidades aqueles que não cumprem suas normas) e gerais (estão presentes no conjunto de dada sociedade).
  • 10. ▪ Para entendermos melhor esse conceito podemos pensar no exemplo das leis, que são independentemente da vontade do indivíduo. Todos os membros de uma coletividade têm de cumpri-las, mesmo que possuam opinião pessoal desfavorável (por isso elas lhes são exteriores). O descumprimento da lei prevê punição ao transgressor (por isso são coercitivas) Ao mesmo tempo, as leis servem de orientação para a conduta de toda a população (por isso são gerais).
  • 11. ▪ O sistema formal de educação é um bom exemplo de fato social. As disciplinas já ensinadas e estabelecidas há gerações impõem-se independentemente das vontades individuais (a Educação Básica hoje, além de um direito, é uma obrigação); essas regras exercem coerção sobre os indivíduos (no sistema escolar, por exemplo, aqueles que não conseguem determinada nota são reprovados) e são gerais (ou seja, são seguidas pela maioria dos indivíduos que participam do sistema).
  • 12. ▪ Assim, em uma caixa encontramos todas as peças de um automóvel, mas cada peça separadamente não constitui um carro. Para que de fato exista um carro (isto é, para que ele funcione e seja reconhecido por sua forma característica e função estabelecida), é necessário que essas peças sejam montadas da maneira planejada, a fim de que cada uma contribua para a existência do todo; uma peça mal colocada comprometeria o objetivo final, e então não haveria um carro (porque não exerceria sua função de meio de transporte).
  • 13. ▪ A mesma ideia poderia ser utilizada para o funcionamento de um organismo vivo, se pensarmos em órgãos em vez de peças. Cada órgão cumpre sua função para manter o organismo funcionando, isto é, vivo e saudável Assim, mais uma vez, o "todo" pode ser“ mais que a soma das partes"; da mesma maneira, uma sociedade, como uma máquina ou um organismo vivo, tem primazia sobre os indivíduos, ainda que não possa se manifestar senão por intermédio deles.
  • 14. ▪ Quando a sociedade é comparada a uma máquina ou a um organismo vivo, quando os indivíduos são tomados como "peças" ou "Órgãos" que contribuem para o funcionamento de algo maior, surge outro tema importante nesta perspectiva sociológica: a questão da ordem e da função. A sociedade seria dotada de uma ordem que direciona as partes de acordo com funções específicas que concorrem para sua manutenção, sua reprodução e seu aperfeiçoamento; ou seja, existiria uma ordem na disposição das peças para que a máquina realizasse sua função. ▪ Esse funcionamento é obtido somente quando os elementos que constituem a sociedade estão unidos, coesos. É por isso que a questão da ordem é compreendida com base no conceito de coesão social, quando cada elemento atua de modo que os demais também trabalhem adequadamente e todos juntos constituam um organismo maior, dizemos que são solidários uns aos outros e ao todo. Assim, o tema da ordem social deve ser compreendido tendo por base a ideia de coesão social, que resulta da ação solidária das partes, a solidariedade social.
  • 15. ▪ Diferentemente do conceito de estrutura social, compreendido como o conjunto de princípios que explicam os comportamentos e as instituições sociais, reduz a importância dos indivíduos nos processos de transformação da sociedade, outra posição teórica e metodológica enfatizou que o único elemento da sociedade que pode ser observado são os indivíduos, suas ações e a compreensão que eles próprios têm de suas ações. Cabe à Sociologia descrever esses comportamentos e compreensões e interpretá-los. ▪ As escolhas que orientam as ações individuais são motivadas por alguns fatores que podem ser classificados pela Sociologia. Quando um cidadão obedece a ordem de um policial, quando um pai se sacrifica em defesa de um filho ou quando um fiel jejua por orientação religiosa, é possível encontrar princípios racionais, afetivos e tradicionais na origem dessas ações. Quem propôs e desenvolveu essa perspectiva de análise foi o sociólogo Max Weber. Segundo ele, a ação dos indivíduos em sua interação com a sociedade é a unidade mínima da análise sociológica.
  • 16. ▪ Na concepção de Weber a sociedade existe porque é vivenciada e compreendida por indivíduos racionais que tomam suas decisões conforme sua história e cultura. Uma vez que só é possível observar esses indivíduos, ou a ação consciente deles, Weber elege como objeto de estudo da Sociologia o sentido da ação social. As normas sociais - que Durkheim entendia como fatos sociais -, de acordo com Weber, existem mente por causa do sentido atribuído a elas pelos indivíduos, isto é, não têm valor em si mesmas. A sociedade é moldada pelo conjunto de decisões de muitos indivíduos, que reconhecem essas regras, atribuem-lhes sentido e manifestam as razões para obedecer a elas de forma consciente. Brasil Uganda
  • 17. ▪ A ação social,portanto,é diferente de um simples comportamento social,pois carrega um sentido a ela atribuído pelo indivíduo.Assim,a ação social como instrumento de análise sociológica é definida como toda ação realizada pelos indivíduos levando em conta a expectativa de outra ação dos demais.Dessa forma,da perspectiva da teoria da ação social,a Sociologia não é entendida como uma realidade exterior aos indivíduos ou explicada por leis,como ocorre nas Ciências Naturais.A cientificidade da Sociologia residiria em sua capacidade de compreender racionalmente as ações e as relações sociais ▪ Na construção de uma teoria da ação social,a observação da realidade levou à identificação de quatro tipos fundamentais de ação social que orientam a explicação das causas dos fenômenos sociais: ▪ tradicional; ▪ afetiva; ▪ racional orientada a valores; ▪ racional orientada a fins. A Sociologia fundamentada nessa perspectiva tem se concentrado principalmente na análise das duas últimas.
  • 18. ▪ é motivada por um hábito arraigado ou por um costume. Isto é, quando se pergunta ao ator social por que ele realiza determinada ação (como cumprimentar alguém com um aperto de mão), ele responde que é porque sempre o fez e também porque seus pais e antepassados sempre o fizeram. Um exemplo de ação tradicional é o hábito de benzer-se ao passar em frente a uma igreja, como fazem muitos católicos. Essa ação, que identifica e integra uma comunidade religiosa específica, quando realizada de modo espontâneo, encontra explicação em um hábito sobre o qual não se faz uma reflexão racional. Ela já se transformou em um modo de agir consolidado.
  • 19. ▪ é determinada por afetos ou estados emocionais. Como exemplo, podemos imaginar um indivíduo que reage a uma agressão ou ofensa de maneira igualmente agressiva. Ela consiste em uma reação momentânea a uma situação inesperada. Em outro contexto, a reação poderia ser completamente diferente.
  • 20. ▪ orientada a valores é determinada pela crença um valor importante para o indivíduo, sem considerar as consequências das ações em defesa desse valor. Como exemplo desse tipo de ação podemos citar alguém que aja de acordo com sua convicção política e, ao defender suas ideias em uma manifestação pública, desencadeie uma repressão que, na prática, vai contra seu objetivo. Apesar de produzir efeitos contrários aos objetivos, a ação é racionalmente elaborada; o ator social considera suas consequências positivas e negativas, mas a orienta conforme seus valores, dos quais não pode abrir mão, independentemente dos resultados negativos que possa vir a provocar.
  • 21. ▪ é aquela determinada pelo cálculo racional que estabelece fins objetivos e organiza os meios necessários para alcançá-los. Um exemplo de ação racional orientada a fins é a estratégia de um jovem para ser aprovado nos exames de ingresso no Ensino Superior. O aluno define as ações necessárias para atingir esse objetivo, organiza-as racionalmente, pesando prós e contras para sua realização, e opta pela estratégia de ação mais eficiente para atingir a meta planejada.
  • 22. ▪ O objeto de estudo da Sociologia, no entanto, nem sempre é definido sobre um dos polos da relação entre indivíduo e sociedade. Se a estrutura social se manifesta individualmente, e se a ação social consciente dos indivíduos conforma determinada organização social, também é possível compreender a sociedade como uma totalidade, constituída pelas ações individuais limitadas por condições históricas específicas. Segundo essa perspectiva, os seres humanos só podem ser pensados com relação ao que produzem materialmente, e a sociedade, compreendida como resultado da ação recíproca entre os indivíduos. Por exemplo, na Antiguidade, quem vivesse em uma comunidade nômade caçadora e coletora seria incapaz de fazer escolhas que não fossem determinadas por sua condição material de existência. Isso quer dizer que esse indivíduo não poderia, por exemplo, reivindicar uma casa para si ou a propriedade do que caçasse ou coletasse, já que em sua comunidade essas possibilidades não se apresentariam. ▪
  • 23. ▪ Quem definiu as bases para a compreensão do objeto da Sociologia tendo em mente os aspectos materiais e históricos que ligam o indivíduo à sociedade foi o filósofo Karl Marx . Segundo ele, "os homens fazem sua própria história, mas não a fazem como querem e, sim, limitados pelas condições materiais e históricas de sua existência". Por isso, não é possível afirmar que os indivíduos têm primazia sobre a sociedade ou o contrário, pois sua ação na vida social, assim como a estrutura na qual estão inseridos, é resultado de determinada situação histórico-social. Do mesmo modo que o nômade não poderia optar por uma residência fixa, o trabalhador moderno também não é livre para escolher suas condições de trabalho (quantas horas deve trabalhar ou o valor do seu salário).Tanto as horas de trabalho quanto o salário dependem das condições materiais de determinado momento histórico.
  • 24. ▪ Nessa perspectiva, a base dessa sociedade é definida pelo modo como é organizada a produção das condições materiais de existência, ou seja, quem planta o alimento, quem constrói as casas, quem fabrica as roupas. Isso não quer dizer que a sociedade também não seja constituída por práticas culturais e políticas, como a religião, as artes e a organização dos governos. No entanto, tais manifestações se constituem a partir da base material que organiza a vida econômica. ▪ Analisando a organização da produção nas sociedades modernas capitalistas na Europa do século XIX, Marx chamou a atenção para o fato de que a posição social dos indivíduos estava definida por sua relação com os meios de produção. O fato de serem proprietários desses meios (donos das terras, fábricas, máquinas) ou meros trabalhadores seria o elemento fundamental para determinar a divisão da sociedade em grupos com interesses antagônicos, as classes sociais.
  • 25. ▪ Segundo Marx, podemos definir classe social como a posição que um grupo de indivíduos ocupa no processo de produção: de um lado, os proprietários dos meios de produção e, de outro, os produtores (trabalhadores). Nessa perspectiva, a propriedade privada dos meios de produção seria a causa maior da dominação de uma classe sobre a outra ao longo da história, com base na exploração do trabalho. Se o trabalhador não dispõe de mais nada além da própria força de trabalho, está submetido ao poder do patrão, que definira quanto e de que forma ele vai trabalhar, assim como o valor de seu salário, de acordo com as leis existentes e a capacidade de negociação dos trabalhadores organizados. Na sociedade capitalista que Marx analisou, burguesia e proletariado eram as classes que protagonizaram o conflito, em meio a uma profunda desigualdade.
  • 26. ▪ Marx desenvolveu uma teoria orientada pela ideia de conflito, estabelecendo a classe social como unidade de análise sociológica que permite pensar a relação entre indivíduo e sociedade de maneira recíproca. Ou seja, não é possível pensar o indivíduo sem considerar sua constituição em uma classe social e as diferenças de poder e dominação definidas a partir de sua posição nas relações de produção. Do mesmo modo, não é possível pensar a sociedade sem compreendê-la como resultado de um processo histórico marcado por contradições.
  • 27. ▪ Dois indivíduos que tenham nascido na mesma cidade e no mesmo dia, mas que pertençam a classes sociais diferentes, terão sua trajetória de vida individual marcada pelas classes das quais fazem parte. Assim, o filho de uma família de operários terá muito mais possibilidade de seguir a mesma profissão dos pais do que de se tornar empresário. Por sua vez, o filho de uma família de empresários terá muito mais possibilidade de tornar-se também empresário do que de vir a ser operário. Isso significa que a classe social na qual o indivíduo nasce é fator determinante do possível curso de sua vida profissional.
  • 28. ▪ De acordo com Marx, os homens produzem a própria vida por meio das relações de produção. E as leis existem para garantir o controle e a continuidade dessas relações estabelecidas em determinado momento histórico. Assim, nas sociedades contemporâneas, a propriedade privada é defendida pela legislação como direito inviolável. Marx postula que as leis sempre representam as ideias da classe dominante. Quando passou de classe dominada a classe dominante, a burguesia criou novas leis que regulavam a vida social e que refletiam as ideias da nova classe dirigente. Em nossos dias, modificações na organização do sistema de produção geram novas legislações que tentam dar legitimidade ao modo como as classes dominantes pretendem interferir na realidade.
  • 29. ▪ A concepção sobre a relação entre o indivíduo e a sociedade na Sociologia contemporânea está, assim como na Sociologia clássica, relacionada à experiência social de época e articula as diferentes percepções sobre o papel e os limites da ação individual. ▪ O sociólogo alemão Norbert Elias, recontextualizando a discussão entre ação individual e estrutura social, afirma que não existe dicotomia entre indivíduo e sociedade. seja, não é suficiente para a compreensão da sociedade contemporânea uma teoria se refira aos conceitos de indivíduo e sociedade como termos antagônicos. Essa é e proveitoso processo de influência mútua, em que o indivíduo constrói a estrutura e é falsa questão que gera problemas na interpretação da vida social, na qual há um constante simultaneamente formado por ela.
  • 30. ▪ Nesse sentido, o indivíduo elabora estratégias para alcançar objetivos, mas objetivos que são socialmente validados pelas estruturas sociais construídas historicamente. Considere-se o exemplo das leis, que especificam limites para a escolha individual mesmo tempo que protegem os indivíduos. Em muitos casos, tais leis existem para garantir o direito individual diante da pressão coletiva ou podem, de maneira oposta, servir como defesa da maioria contra uma minoria que tenta impor sua vontade.
  • 31. ▪ Um traço comum na Sociologia contemporânea é o esforço para construir uma teoria capaz de interpretar o indivíduo e a sociedade como partes inseparáveis da mesma realidade. O sociólogo britânico Anthony Giddens avalia que o indivíduo na modernidade age de modo dialético em relação às estruturas. Em uma releitura das teorias sociológicas clássicas, Giddens defende que os agentes (indivíduos) são influenciados pelas estruturas em seu cotidiano ao mesmo tempo que recriam essas mesmas estruturas mediante um processo de reflexão sobre sua própria prática. Em nosso exemplo, isso significa dizer que os indivíduos, ao cumprirem as leis, refletem sobre sua aplicabilidade na realidade social, adaptando-a continuamente às necessidades individuais e coletivas da sociedade em que vivem, o que pode alterar as próprias leis que deram origem a essa reflexão.
  • 32. ▪ Giddens defende que o modo de vida que teve início no século XVII chegou a seu ápice, de maneira que estaríamos experimentando um momento de radicalização da modernidade. Essa radicalização das formas de relacionamentos e das instituições nos traria algumas “consequências da modernidade", isto é, viveríamos em uma época de incertezas, por um lado, e de reflexividade, por outro. Tais incertezas seriam situações de risco às quais estão submetidos os sujeitos nas sociedades contemporâneas, como uma epidemia global ou uma guerra. A radicalização também daria maior reflexividade (incorporação reelaborada das situações e informações do cotidiano) aos indivíduos, tendo em mente que estes reexaminam constantemente as práticas sociais, o que lhes confere maior autonomia.
  • 33. ▪ O debate sobre a relação entre indivíduo e sociedade - seja nos autores clássicos, seja nos contemporâneos - evidencia uma característica central da Sociologia: a percepção de que as experiências pessoais não se limitam às consciências individuais, mas devem ser interpretadas como parte da experiência social. ▪ Charles Wright Mills denominou essa característica social como imaginação sociológica. Esse conceito significa, na prática, ir além das experiências e observações individuais para compreender temas coletivos, de maior amplitude. Sem sair do exemplo do trânsito, podemos considerar que a pressa é um fato de importância pessoal; entretanto, o uso da imaginação sociológica permite compreendê-la não apenas como problema individual, mas como preocupação social.
  • 34. ▪ Correr no trânsito, apesar de ser uma solução imediata ao problema da urgência que se tem em realizar algo, pode ocasionar algum tipo de acidente, envolvendo outras pessoas. Nessa perspectiva, o autor propõe que a Sociologia deve permitir que o indivíduo relacione seu cotidiano com a realidade histórico-social, fazendo com que reflita acerca da implicação de suas ações. ▪ Em um contexto em que as transformações das últimas décadas têm trazido numerosos desafios para os indivíduos em seu cotidiano, cabe à ciência da sociedade o papel de compreender as conexões que existem entre a experiência pessoal e a vida coletiva.
  • 35. ▪ Sociedade em movimento. – 2. ed. – São Paulo: Moderna, 2016.Vários autores.