SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Pauta Formativa e observação de Sala de Aula
O que é preciso para se construir uma pauta
formativa?
O que pode ser o ponto de partida?
Onde buscar as informações?
Desempenho dos
alunos
Mapa de sondagem
Avaliação em Processo
Caderno
Produções de Texto e outras produções
dos alunos
Feedback de aprendizagem
Registros dos Alunos
Denunciam como o professor
concebe a aprendizagem e
como ele ensina
Plataforma Foco Aprendizagem
O que é preciso para se construir uma pauta
formativa?
Desempenho dos
alunos
Denunciam como o professor
concebe a aprendizagem e
como ele ensina
É suficiente?
O que é preciso para se construir uma pauta
formativa?
Registros do Professor
Discurso do Professor
Atuação do Professor
Rotina semanal
Planejamento e preparo da aula
Anotações alusivas aos alunos
Diário de Classe
Dialogar com os professores
como eles pretendem realizar
as atividades ou como já as
realizam
Visita à Sala de Aula
A visita à sala de aula deve acontecer
“de surpresa”?
O que é preciso para se construir uma pauta
formativa?
Visita formativa Visita aleatória
Como o professor a vê?
Com mais confiança Perseguição, coação.
Onde está a diferença?
Possui foco Não possui foco
É agendada, combinada e
faz sentido para o
professor. O PC deve
explicar o motivo da
visita.
O professor se sente
avaliado e observado a
todo momento. Gera
insegurança e se perde o
vínculo.
O que é preciso para se construir uma pauta
formativa?
Como definir o foco?
Através de pistas fornecidas pelos
registros e desempenho dos alunos,
avaliações, registros e discurso do
professor.
A visita é suficiente?
O que é preciso para se construir uma pauta
formativa?
Qual caminho percorrer?
Qual movimento realizar?
ACOMPANHAMENTO OBSERVAÇÃO CONSTATAÇÃO
- Mapa de Sondagem;
- Produções dos alunos;
- Caderno dos Alunos;
- Desempenho na AAP;
- Rotina;
- Registros do Professor.
Discurso do professor em
cotejo ao
encaminhamento da
Atividade ou Produção
Visita agendada à sala de
aula com foco definido.
O que é preciso para se construir uma pauta
formativa?
Qual o olhar que o formador deve ter?
Olhar para o que o professor já sabe e pensar
sobre o que ele precisa aprender.
Por que discutir a função desses Gêneros?
CONTEXTO DE PRODUÇÃO
Gênero Contexto de Produção Como afeta os
participantes
Roteiro Elaborado antes da reunião
para que os participantes
ACOMPANHEM as
informações ventiladas
O participante se coloca na
posição de receptor
passivo de informações.
Não há encaminhamentos
que levam o sujeito a
refletir.
Ata Elaborada durante a ATPC
como registro em forma de
relato dos fatos ocorridos.
Não faz diferença na
construção de
conhecimento dos
presentes. Apenas serve
como validação do ato.
Pauta formativa Elaborada antes do
encontro com objetivos
específicos. É intencional e
traz encaminhamentos de
reflexão sobre um ou mais
conteúdos.
Coloca o participante na
posição ativa e reflexiva
levando-o a construir seus
conhecimentos, colocando
em jogo o que sabe para
buscar o que não sabe.
Como nós, formadores, concebemos a
construção do conhecimento por parte dos
professores?
Roteiro, ata, ou pauta informativa satisfazem
nossos objetivos?
Em qual parte da Pauta Formativa traz o registro
que media a construção do conhecimento por
parte dos professores?
Algumas observações para a elaboração da
Pauta Formativa:
Gestão do tempo
Quanto tempo eu tenho na ATPC para trabalhar determinado(s)
conteúdos(s)?
Posso trabalhar apenas um Conteúdo?
Posso trabalhar o mesmo conteúdo em mais dias de ATPC?
Objetivos e Conteúdos
Os conteúdos e objetivos da Pauta Formativa estão interligados?
Atingirei os objetivos de formação utilizando esses conteúdos?
Quantos objetivos preciso atingir em uma ATPC?
Os objetivos estão dispostos como VERBO no futuro do presente?
Algumas observações para a elaboração da
Pauta Formativa:
Encaminhamento das atividades
Qual ou quais atividades vou conseguir encaminhar no tempo
dedicado à ATPC?
O que registrar nos encaminhamentos?
-- No coletivo, em duplas ou individualmente;
-- Consigna (proposta de atividade, o que fazer em quais
condições);
-- Sistematização (arremate final do formador para garantir que
os objetivos sejam alcançados).
REFLEXÃO: se alguém ler a pauta futuramente, conseguirá entender
como foi encaminhada a atividade?
Dicas do Formador!
Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e
gestão de conflitos
Quando a ideia proposta não é aceita pelo grupo de professores:
(...) Diante das necessidades da escola, iniciar uma ação de recuperação contínua
bem planejada era prioridade, no entanto, o grupo apresentou resistência em
receber a proposta no primeiro momento. Nesse caso, foi utilizada a seguinte
estratégia:
FORMADOR: Gostaria que vocês colocassem, então, as ações que vêm realizando
com as crianças alusivas à recuperação contínua.
O GRUPO SE COLOCA.
Dicas do Formador!
FORMADOR: Como o nosso objetivo é construir em conjunto uma boa ação ou
melhorar a que já existe, seria interessante que vocês colocassem suas angústias ou
dificuldades encontradas nesse processo.
O GRUPO SE COLOCA.
FORMADOR: Se olharmos para os resultados, conseguimos enxergar a necessidade de
realinhar essas ações?
O GRUPO CONCORDA QUE SIM.
FORMADOR: Alguém gostaria de colocar alguma sugestão de melhoria?
O GRUPO SUGERE SUGESTÕES ALUSIVAS ÀS DIFICULDADES (NA VERDADE RETOMA
SUAS DIFICULDADES)
FORMADOR: E se fizermos assim (coloca a proposta). Vocês acreditam que desse jeito
dará certo? Alguém gostaria de enriquecer a sugestão?
O GRUPO ACEITA A PROPOSTA.
Dicas do Formador!
Esse movimento é utilizado nas situações onde o
grupo apresenta resistência. Partimos do princípio que
o professor deseja que seu aluno aprenda e como não
conhece outro caminho seguro, traça aquele que sabe.
Quando abrimos para que falem sobre suas práticas e
nos remetemos aos resultados, estamos mediando
uma reflexão, que levará ao grupo a reconhecer suas
necessidades. Depois dessa etapa, aumentamos a
possibilidade da proposta ser aceita. Foi o que
aconteceu.
Dicas do Formador!
Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e
gestão de conflitos
Reflexão sobre a Prática
No primeiro momento o formador solicita que descrevam como concebem e
encaminham a atividade ou projeto didático.
Em seguida, solicita que coloquem suas dificuldades e angústias.
No terceiro momento, o formador media a análise do desempenho dos alunos em
cotejo ao objeto de reflexão.
Logo após, propõe a leitura de um texto – subsídio teórico – como leitura
compartilhada.
Finaliza solicitando aos professores que revejam sua prática e apontem
realinhamentos (Esse texto nos ajudou a pensar como melhorar? O que é possível
melhorar?)
Dicas do Formador!
Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e
gestão de conflitos
No momento da ATPC
Faça um contrato didático: diga a hora que irá terminar, peça a atenção dos professores,
coloque a importância de todos participarem.
Leia e apresente a pauta para o grupo. Diga o que pretende com o encontro.
Imprima e entregue para todos uma cópia da pauta.
Faça a Leitura inicial utilizando o portador. Fale do autor e do motivo da escolha do texto
sem se prender à cola. A contextualização da escolha do texto não deve ser longa, mas
deverá despertar curiosidade e desejo dos professores.
Não escolha leituras que trazem mensagens indiretas. Escolha a leitura que você gosta e
utilize o momento para compartilhar seus motivos.
Dicas do Formador!
Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e
gestão de conflitos
No momento da ATPC
Incentive os professores a realizar anotações.
Peça-os que coloquem suas dúvidas ou boas práticas alusivas ao assunto. Para tanto, é
preciso planejar esse momento.
Devolva a dúvida de um dos professores para o grupo. Talvez um deles tenha a resposta. Se
surgirem partes dela, aproveite e realize intervenções a partir do que eles sabem.
Não tenha medo de não saber. Prometa retomar a discussão num próximo encontro e se
prepare para isso.
Agrupe os que sabem menos com os que sabem mais. Proponha situações-problema.
Dicas do Formador!
Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e
gestão de conflitos
Observação de Sala de Aula
Defina um foco de observação.
Agende com seu professor o dia da visita.
Realize um registro na forma de relato. Registre o maior número de informações possíveis,
inclusive ações e falas dos alunos. Deixe para refletir em outro lugar, longe do calor das
emoções.
No segundo momento, anote suas reflexões.
Aproprie-se de quantas evidências forem necessárias para suas constatações.
Nunca corrija o professor durante a aula. Intervenha sempre perguntando num outro
momento se ele sentiu alguma dificuldade ou gostaria de melhorar sua prática.
-- Registro de formação;
-- Referência para os Formadores Iniciantes;
-- Reconstrução do conhecimento;
-- Gestão do tempo;
-- Encaminhamento das atividades;
-- Acompanhamento de ações formativas;
-- Organização didática da formação;
-- Registro das intenções do trabalho.
Quais os Propósitos da Pauta Formativa?
Pauta
Formativa
Necessidades
Formativas Formação
PERRENOUD, Philippe. A prática reflexiva do oficio de
professor: profissionalização e razão pedagógicas.
Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.
SCARPA, Regina. Era assim, agora não... Uma proposta
de formação de professores leigos. São Paulo: Casa do
Psicólogo Editora, 1998.
Para saber mais...

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorges
luannagorges
 
Roteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classeRoteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classe
Elisângela Chaves
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
Gerdian Teixeira
 
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
Doralice Jacinto da Silva
 

Mais procurados (20)

Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
 
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADEPPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
PPP - SLIDES DE APRESENTAÇÃO PARA A COMUNIDADE
 
Ppt avaliação
Ppt avaliaçãoPpt avaliação
Ppt avaliação
 
Pauta 23 de maio
Pauta 23 de maioPauta 23 de maio
Pauta 23 de maio
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Pauta
PautaPauta
Pauta
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
 
PPT encontro com Professores Coordenadores
PPT encontro com Professores CoordenadoresPPT encontro com Professores Coordenadores
PPT encontro com Professores Coordenadores
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
 
Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorges
 
Gestão de Sala de Aula.pptx
Gestão de Sala de Aula.pptxGestão de Sala de Aula.pptx
Gestão de Sala de Aula.pptx
 
Slides semana pedagógica
Slides  semana pedagógicaSlides  semana pedagógica
Slides semana pedagógica
 
Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula Gestão da Sala de Aula
Gestão da Sala de Aula
 
Reunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emeiReunião com equipe_gestora_emei
Reunião com equipe_gestora_emei
 
Roteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classeRoteiro para o conselho de classe
Roteiro para o conselho de classe
 
Avaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagemAvaliação da aprendizagem
Avaliação da aprendizagem
 
Organização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógicoOrganização do trabalho pedagógico
Organização do trabalho pedagógico
 
Encontro pedagógico
Encontro pedagógicoEncontro pedagógico
Encontro pedagógico
 
Rotina escolar
Rotina escolarRotina escolar
Rotina escolar
 
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
SUGESTÔES DE TEXTOS PARA ESTUDOS COLETIVOS- 2010
 

Semelhante a Pauta formativa e observação sala de aula

Apresentação1 do 3º encontro
Apresentação1 do 3º encontroApresentação1 do 3º encontro
Apresentação1 do 3º encontro
maucandido
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
Cristiane Lahdo
 
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
Mayra de Souza
 
Workshop FacilitAção (Adaptado para 4h)
Workshop FacilitAção (Adaptado para 4h)Workshop FacilitAção (Adaptado para 4h)
Workshop FacilitAção (Adaptado para 4h)
Mayra de Souza
 
Caderno de atividades modulo i
Caderno de  atividades modulo iCaderno de  atividades modulo i
Caderno de atividades modulo i
FormacaoBaiao
 

Semelhante a Pauta formativa e observação sala de aula (20)

Observação de aula desafios
Observação de aula desafiosObservação de aula desafios
Observação de aula desafios
 
Tipos de avaliação
Tipos de avaliaçãoTipos de avaliação
Tipos de avaliação
 
ApresentaçãO Final
ApresentaçãO FinalApresentaçãO Final
ApresentaçãO Final
 
Planejamento e Práxis Pedagógica
Planejamento e Práxis PedagógicaPlanejamento e Práxis Pedagógica
Planejamento e Práxis Pedagógica
 
Feedback
FeedbackFeedback
Feedback
 
Observacao sala aula
Observacao sala aulaObservacao sala aula
Observacao sala aula
 
Apresentação1 do 3º encontro
Apresentação1 do 3º encontroApresentação1 do 3º encontro
Apresentação1 do 3º encontro
 
50 ideias para coordenação
50 ideias para coordenação50 ideias para coordenação
50 ideias para coordenação
 
Aprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliaçãoAprendizagem, autoria e avaliação
Aprendizagem, autoria e avaliação
 
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
Workshop de FacilitAção (Duração 8h)
 
Aula nota 10
Aula nota 10Aula nota 10
Aula nota 10
 
Workshop FacilitAção (Adaptado para 4h)
Workshop FacilitAção (Adaptado para 4h)Workshop FacilitAção (Adaptado para 4h)
Workshop FacilitAção (Adaptado para 4h)
 
Apresentação metacognição proposta 2
Apresentação metacognição   proposta 2Apresentação metacognição   proposta 2
Apresentação metacognição proposta 2
 
Observação de sala de aula
Observação de sala de aulaObservação de sala de aula
Observação de sala de aula
 
Caderno de atividades modulo i
Caderno de  atividades modulo iCaderno de  atividades modulo i
Caderno de atividades modulo i
 
Os nove jeitos mais comuns de avaliar
Os nove jeitos mais comuns de avaliarOs nove jeitos mais comuns de avaliar
Os nove jeitos mais comuns de avaliar
 
Atividade de intervenção
Atividade de intervençãoAtividade de intervenção
Atividade de intervenção
 
Atividade de intervenção
Atividade de intervençãoAtividade de intervenção
Atividade de intervenção
 
Design thinking - livro 5
Design thinking - livro 5Design thinking - livro 5
Design thinking - livro 5
 
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
Corrigido planejando as visitas às salas de aula -
 

Mais de Gelson Rocha

Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismoPauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
Gelson Rocha
 
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismoPauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
Gelson Rocha
 
Metodologias ativas significativas para a eja
Metodologias ativas significativas para a ejaMetodologias ativas significativas para a eja
Metodologias ativas significativas para a eja
Gelson Rocha
 
Documento concepcao e-proposta-metodologica final (1)
Documento concepcao e-proposta-metodologica final (1)Documento concepcao e-proposta-metodologica final (1)
Documento concepcao e-proposta-metodologica final (1)
Gelson Rocha
 
Reunião de Trabalho EJA
Reunião de Trabalho EJAReunião de Trabalho EJA
Reunião de Trabalho EJA
Gelson Rocha
 

Mais de Gelson Rocha (20)

Acolhimento eja
Acolhimento ejaAcolhimento eja
Acolhimento eja
 
Boletim dsg 01_maio_2020_ (2)
Boletim dsg 01_maio_2020_ (2)Boletim dsg 01_maio_2020_ (2)
Boletim dsg 01_maio_2020_ (2)
 
Boletim dsg 02.2020 julho (2)
Boletim dsg 02.2020 julho (2)Boletim dsg 02.2020 julho (2)
Boletim dsg 02.2020 julho (2)
 
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismoPauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
 
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismoPauta roteiro de estudo e o protagonismo
Pauta roteiro de estudo e o protagonismo
 
Metodologias ativas significativas para a eja
Metodologias ativas significativas para a ejaMetodologias ativas significativas para a eja
Metodologias ativas significativas para a eja
 
Documento concepcao e-proposta-metodologica final (1)
Documento concepcao e-proposta-metodologica final (1)Documento concepcao e-proposta-metodologica final (1)
Documento concepcao e-proposta-metodologica final (1)
 
COMUNICADO 24 JAN
COMUNICADO 24 JANCOMUNICADO 24 JAN
COMUNICADO 24 JAN
 
Comunicado COPED 21 janeiro
Comunicado COPED 21 janeiroComunicado COPED 21 janeiro
Comunicado COPED 21 janeiro
 
Os Indígenas Hoje
Os Indígenas HojeOs Indígenas Hoje
Os Indígenas Hoje
 
Edital proeja
Edital proejaEdital proeja
Edital proeja
 
Edital --cultura-africana (2)
Edital --cultura-africana (2)Edital --cultura-africana (2)
Edital --cultura-africana (2)
 
Primeiros dias letivos cgeb (1)
Primeiros dias letivos   cgeb (1)Primeiros dias letivos   cgeb (1)
Primeiros dias letivos cgeb (1)
 
Primeiros dias letivos cgeb
Primeiros dias letivos   cgebPrimeiros dias letivos   cgeb
Primeiros dias letivos cgeb
 
PPT Narrativas Quilombolas
PPT Narrativas QuilombolasPPT Narrativas Quilombolas
PPT Narrativas Quilombolas
 
Ensino religioso
Ensino religiosoEnsino religioso
Ensino religioso
 
Agendamento set e out
Agendamento set e outAgendamento set e out
Agendamento set e out
 
Reunião de Trabalho EJA
Reunião de Trabalho EJAReunião de Trabalho EJA
Reunião de Trabalho EJA
 
Reunião de Trabalho EJA
Reunião de Trabalho EJAReunião de Trabalho EJA
Reunião de Trabalho EJA
 
Movimento Negro
Movimento Negro Movimento Negro
Movimento Negro
 

Último

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 

Último (20)

ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdfO que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
O que é literatura - Marisa Lajolo com.pdf
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
Atividades adaptada de matemática (Adição pop )
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 

Pauta formativa e observação sala de aula

  • 1. Pauta Formativa e observação de Sala de Aula
  • 2. O que é preciso para se construir uma pauta formativa? O que pode ser o ponto de partida? Onde buscar as informações? Desempenho dos alunos Mapa de sondagem Avaliação em Processo Caderno Produções de Texto e outras produções dos alunos Feedback de aprendizagem Registros dos Alunos Denunciam como o professor concebe a aprendizagem e como ele ensina Plataforma Foco Aprendizagem
  • 3. O que é preciso para se construir uma pauta formativa? Desempenho dos alunos Denunciam como o professor concebe a aprendizagem e como ele ensina É suficiente?
  • 4. O que é preciso para se construir uma pauta formativa? Registros do Professor Discurso do Professor Atuação do Professor Rotina semanal Planejamento e preparo da aula Anotações alusivas aos alunos Diário de Classe Dialogar com os professores como eles pretendem realizar as atividades ou como já as realizam Visita à Sala de Aula A visita à sala de aula deve acontecer “de surpresa”?
  • 5. O que é preciso para se construir uma pauta formativa? Visita formativa Visita aleatória Como o professor a vê? Com mais confiança Perseguição, coação. Onde está a diferença? Possui foco Não possui foco É agendada, combinada e faz sentido para o professor. O PC deve explicar o motivo da visita. O professor se sente avaliado e observado a todo momento. Gera insegurança e se perde o vínculo.
  • 6. O que é preciso para se construir uma pauta formativa? Como definir o foco? Através de pistas fornecidas pelos registros e desempenho dos alunos, avaliações, registros e discurso do professor. A visita é suficiente?
  • 7. O que é preciso para se construir uma pauta formativa? Qual caminho percorrer? Qual movimento realizar? ACOMPANHAMENTO OBSERVAÇÃO CONSTATAÇÃO - Mapa de Sondagem; - Produções dos alunos; - Caderno dos Alunos; - Desempenho na AAP; - Rotina; - Registros do Professor. Discurso do professor em cotejo ao encaminhamento da Atividade ou Produção Visita agendada à sala de aula com foco definido.
  • 8. O que é preciso para se construir uma pauta formativa? Qual o olhar que o formador deve ter? Olhar para o que o professor já sabe e pensar sobre o que ele precisa aprender.
  • 9. Por que discutir a função desses Gêneros? CONTEXTO DE PRODUÇÃO
  • 10. Gênero Contexto de Produção Como afeta os participantes Roteiro Elaborado antes da reunião para que os participantes ACOMPANHEM as informações ventiladas O participante se coloca na posição de receptor passivo de informações. Não há encaminhamentos que levam o sujeito a refletir. Ata Elaborada durante a ATPC como registro em forma de relato dos fatos ocorridos. Não faz diferença na construção de conhecimento dos presentes. Apenas serve como validação do ato. Pauta formativa Elaborada antes do encontro com objetivos específicos. É intencional e traz encaminhamentos de reflexão sobre um ou mais conteúdos. Coloca o participante na posição ativa e reflexiva levando-o a construir seus conhecimentos, colocando em jogo o que sabe para buscar o que não sabe.
  • 11. Como nós, formadores, concebemos a construção do conhecimento por parte dos professores? Roteiro, ata, ou pauta informativa satisfazem nossos objetivos? Em qual parte da Pauta Formativa traz o registro que media a construção do conhecimento por parte dos professores?
  • 12. Algumas observações para a elaboração da Pauta Formativa: Gestão do tempo Quanto tempo eu tenho na ATPC para trabalhar determinado(s) conteúdos(s)? Posso trabalhar apenas um Conteúdo? Posso trabalhar o mesmo conteúdo em mais dias de ATPC? Objetivos e Conteúdos Os conteúdos e objetivos da Pauta Formativa estão interligados? Atingirei os objetivos de formação utilizando esses conteúdos? Quantos objetivos preciso atingir em uma ATPC? Os objetivos estão dispostos como VERBO no futuro do presente?
  • 13. Algumas observações para a elaboração da Pauta Formativa: Encaminhamento das atividades Qual ou quais atividades vou conseguir encaminhar no tempo dedicado à ATPC? O que registrar nos encaminhamentos? -- No coletivo, em duplas ou individualmente; -- Consigna (proposta de atividade, o que fazer em quais condições); -- Sistematização (arremate final do formador para garantir que os objetivos sejam alcançados). REFLEXÃO: se alguém ler a pauta futuramente, conseguirá entender como foi encaminhada a atividade?
  • 14. Dicas do Formador! Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e gestão de conflitos Quando a ideia proposta não é aceita pelo grupo de professores: (...) Diante das necessidades da escola, iniciar uma ação de recuperação contínua bem planejada era prioridade, no entanto, o grupo apresentou resistência em receber a proposta no primeiro momento. Nesse caso, foi utilizada a seguinte estratégia: FORMADOR: Gostaria que vocês colocassem, então, as ações que vêm realizando com as crianças alusivas à recuperação contínua. O GRUPO SE COLOCA.
  • 15. Dicas do Formador! FORMADOR: Como o nosso objetivo é construir em conjunto uma boa ação ou melhorar a que já existe, seria interessante que vocês colocassem suas angústias ou dificuldades encontradas nesse processo. O GRUPO SE COLOCA. FORMADOR: Se olharmos para os resultados, conseguimos enxergar a necessidade de realinhar essas ações? O GRUPO CONCORDA QUE SIM. FORMADOR: Alguém gostaria de colocar alguma sugestão de melhoria? O GRUPO SUGERE SUGESTÕES ALUSIVAS ÀS DIFICULDADES (NA VERDADE RETOMA SUAS DIFICULDADES) FORMADOR: E se fizermos assim (coloca a proposta). Vocês acreditam que desse jeito dará certo? Alguém gostaria de enriquecer a sugestão? O GRUPO ACEITA A PROPOSTA.
  • 16. Dicas do Formador! Esse movimento é utilizado nas situações onde o grupo apresenta resistência. Partimos do princípio que o professor deseja que seu aluno aprenda e como não conhece outro caminho seguro, traça aquele que sabe. Quando abrimos para que falem sobre suas práticas e nos remetemos aos resultados, estamos mediando uma reflexão, que levará ao grupo a reconhecer suas necessidades. Depois dessa etapa, aumentamos a possibilidade da proposta ser aceita. Foi o que aconteceu.
  • 17. Dicas do Formador! Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e gestão de conflitos Reflexão sobre a Prática No primeiro momento o formador solicita que descrevam como concebem e encaminham a atividade ou projeto didático. Em seguida, solicita que coloquem suas dificuldades e angústias. No terceiro momento, o formador media a análise do desempenho dos alunos em cotejo ao objeto de reflexão. Logo após, propõe a leitura de um texto – subsídio teórico – como leitura compartilhada. Finaliza solicitando aos professores que revejam sua prática e apontem realinhamentos (Esse texto nos ajudou a pensar como melhorar? O que é possível melhorar?)
  • 18. Dicas do Formador! Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e gestão de conflitos No momento da ATPC Faça um contrato didático: diga a hora que irá terminar, peça a atenção dos professores, coloque a importância de todos participarem. Leia e apresente a pauta para o grupo. Diga o que pretende com o encontro. Imprima e entregue para todos uma cópia da pauta. Faça a Leitura inicial utilizando o portador. Fale do autor e do motivo da escolha do texto sem se prender à cola. A contextualização da escolha do texto não deve ser longa, mas deverá despertar curiosidade e desejo dos professores. Não escolha leituras que trazem mensagens indiretas. Escolha a leitura que você gosta e utilize o momento para compartilhar seus motivos.
  • 19. Dicas do Formador! Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e gestão de conflitos No momento da ATPC Incentive os professores a realizar anotações. Peça-os que coloquem suas dúvidas ou boas práticas alusivas ao assunto. Para tanto, é preciso planejar esse momento. Devolva a dúvida de um dos professores para o grupo. Talvez um deles tenha a resposta. Se surgirem partes dela, aproveite e realize intervenções a partir do que eles sabem. Não tenha medo de não saber. Prometa retomar a discussão num próximo encontro e se prepare para isso. Agrupe os que sabem menos com os que sabem mais. Proponha situações-problema.
  • 20. Dicas do Formador! Compartilhando algumas experiências de estratégias de formação e gestão de conflitos Observação de Sala de Aula Defina um foco de observação. Agende com seu professor o dia da visita. Realize um registro na forma de relato. Registre o maior número de informações possíveis, inclusive ações e falas dos alunos. Deixe para refletir em outro lugar, longe do calor das emoções. No segundo momento, anote suas reflexões. Aproprie-se de quantas evidências forem necessárias para suas constatações. Nunca corrija o professor durante a aula. Intervenha sempre perguntando num outro momento se ele sentiu alguma dificuldade ou gostaria de melhorar sua prática.
  • 21. -- Registro de formação; -- Referência para os Formadores Iniciantes; -- Reconstrução do conhecimento; -- Gestão do tempo; -- Encaminhamento das atividades; -- Acompanhamento de ações formativas; -- Organização didática da formação; -- Registro das intenções do trabalho. Quais os Propósitos da Pauta Formativa? Pauta Formativa Necessidades Formativas Formação
  • 22. PERRENOUD, Philippe. A prática reflexiva do oficio de professor: profissionalização e razão pedagógicas. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002. SCARPA, Regina. Era assim, agora não... Uma proposta de formação de professores leigos. São Paulo: Casa do Psicólogo Editora, 1998. Para saber mais...