SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
Baixar para ler offline
TUTORIA
ORGANIZAÇÃO: Núcleo Gestor de Educação em Tempo Integral - NGETI
*Os textos contidos nesta cartilha são uma versão preliminar com as primeiras orientações
sobre as metodologias a serem aplicadas advindas do Novo Ensino Médio das Escolas em
Tempo Integral. Tais textos serão melhorados e desenvolvidos coletivamente a partir das
experiências dos professores do programa conforme prática em sala de aula.
ELIANE AQUINO CUSTÓDIO
TUTORIA
O QUE É?
ü Situação de interação, de presença na vida do outro, em que uma pessoa dá apoio para
tornar possível que ela desenvolva e/ou ponha em ação algum direito, dever,
conhecimento,competênciaouhabilidade;
ü Enquanto componente curricular, é o acompanhamento das aprendizagens e
desenvolvimentodecompetênciasacadêmicasesocioemocionais.
OBJETIVOS
ü Mostrar os caminhos para o melhor aproveitamento dos estudos com
acompanhamentodasaprendizagensdeformaindividualizadaoucoletiva;
ü acompanhar mais de perto o percurso do tutorando na escola com um olhar
individualizado;
ü oferecer um lugar de reflexão, escuta e acolhimento das dificuldades apresentadas
pelotutorandoetambémapoiá-lonodesenvolvimentodeestratégiasdesuperação;
ü observar as dificuldades e avanços dos estudantes e, a partir do Plano Pessoal de
Estudos de cada um, direcionar a recuperação das habilidades nas quais não tiveram
umdesempenhosatisfatório;
ü apoiar a elaboração de estratégias que ajudem os tutorandos no seu percurso
acadêmico,desenvolvimentosocioemocionaleimplementaçãodoseuprojetodevida.
ü Enxerga o estudante em sua totalidade e singularidade e percebe, de forma
empática,osdesafiosadvindosdoseucontexto;
ü está disposto a estabelecer uma relação mais próxima com o tutorando,
construindo um vínculo que gere segurança, estimule o desenvolvimento da
aprendizagemeimpulsioneaconcretizaçãodosseusobjetivos.
QUALIDADES COMPETÊNCIAS E HABILIDADES
Qualidades
humanas
(o ser do tutor)
Empatia, maturidade intelectual e afetiva, sociabilidade,
responsabilidade e capacidade de aceitação.
Qualidades
científicas
(o saber do tutor)
Conhecimento da maneira de ser doestudante e dos
elementos pedagógicos que tornam possível conhecê
-lo e
ajudá-lo.
Qualidades técnicas
(o saber fazer do
tutor)
Capacidade de trabalhar com eficácia e em equipe,
participando de projetos e programas estabelecidos de
comum acordo para aformação dos estudantes.
Não possuir essas características não inviabiliza um docente de ser tutor.
Perfis e habilidades diferentes sempre podem contribuir com a prática e
encontrar terreno fértil em diferentes perfis de alunos.
O PERFIL DO(A) TUTOR(A)
ü No primeiro mês de aulas, os tutores devem realizar um rodízio para
apresentação às turmas de como acontecerá a Tutoria nesse novo formato,
aproveitandoparaqueosestudantesosconheçam;
ü a escola organiza um evento para mobilização e orientação sobre a Tutoria a fim
de dar conhecimento aos estudantes para que essa decisão seja tomada com mais
consciência;
ü estudantes decidem livremente sobre o tutor que desejam dentre as opções de
educadoresdisponibilizadospelaescola;
ü estudantes escolhem três opções de pessoas que gostariam de ter como tutor,
emordemdepreferência;
ü a equipe gestora observa as primeiras opções dos estudantes e, caso um tutor
tenha mais indicações do que vagas, ocorre uma redistribuição seguindo a
preferênciadosestudantesatéquetodosestejamcontemplados;
ü nos casos em que há a designação de um tutor para cada turma, não sendo
possível que o estudante individualmente escolha o seu tutor, é fundamental deixar
claro como este caminho foi construído pela gestão escolar e corpo técnico e, mais
importante, cuidar para que os estudantes se sintam participando de todo o percurso
que virá após a escolha: definição de temas, cronograma de encontros, pactuação de
compromissos etc. Dessa forma, será possível resguardar o protagonismo dos jovens
nesteprocesso;
ü renovaçãoanual,podendohavercontinuidadeousubstituiçãodotutor.
COMO PODE SER FEITA A ESCOLHA
DO TUTOR PELO ESTUDANTE?
1ª SÉRIE
1 aula/semana*
DISTRIBUIÇÃO DE CARGA HORÁRIA
2ª SÉRIE
1 aula/semana*
3ª SÉRIE
2 aula/semana**
*Simultânea na escola
**Apenas a 1ª aula deve ser simultânea.
O DIA A DIA DO TUTOR
ü Apresentaramatrizsocioemocionalaosseustutorandosnoiníciodoanoletivo;
ü planejar e realizar encontros regulares de acompanhamento dos seus tutorandos
(individuaise/ouemgrupo);
ü criar um ambiente acolhedor e organizado, que possibilite que a aprendizagem
aconteça;
ü acompanhar o desempenho do tutorando no estudo, identificando potencialidades
edificuldades;
ü estimular a reflexão sobre temas relacionados ao projeto de vida do tutorando e
demaisatividadesescolhidasporele;
ü mobilizar o tutorando para participar de diversas atividades esportivas, científicas,
culturais e outras propostas pela escola, assim como de eventos externos que o
auxiliem em sua formação integral, como exposições, olimpíadas do conhecimento,
showsculturais,teatro,feirascientíficaseculturaiseoutros;
ü fazer registros dos encontros e apresentar relatório individual de acompanhamento
dotutorandoàequipegestoraaofinaldecadasemestre;
ü comunicar à equipe gestora qualquer intercorrência (atitudes ou comentários do
tutorando) que gere estranheza ou mereça atenção, para que sejam tomadas as
providênciasadequadas;
ü articular-se com educadores responsáveis pelos outros elementos da educação
integral(ProjetodeVida,Protagonismoetc)ecomafamíliaquandonecessário;
ü consolidar,noConselhodeClasse,aAvaliaçãoSocioemocional.
ü Envolvimentoeparticipaçãoativa;
ü conhecimento sobre o que cabe a ele se comprometer para que o
processogereosaprendizadosesperados.
ü postura de bom convívio com o tutor, estabelecendo vínculos de diálogo
erespeito;
ü participação de todos os encontros da Tutoria, sejam eles individuais ou
coletivos,erealizartodasasatividadescombinadascomotutor;
ü disponibilidade para refletir sobre seu percurso de aprendizado e mudar
posturaserumosparasuperarseusdesafios.
O QUE É ESPERADO DO TUTORANDO?
Tutoria Individual Tutoria Coletiva
Encontros entre tutor e tutorando Encontros entre tutor e turma
Socioemocional com foco em: autoestima,
percepção sobre si próprio e autonomia.
Socioemocional com foco em:
diversidade, respeito, comunicação e
participação na vida escolar.
Ações da tutoria Competências desenvolvidas no tutorando
Apoio: ajudar os estudantes a lidarem
com questões não relacionadas ao
conteúdo, que possam afetar a sua
aprendizagem. Por exemplo, auxiliar com
uma dificuldade de trabalhar em grupo,
com uma timidez para falar em público.
Pessoal: conhecer a si próprio, identificar
habilidades e preferências, saber lidar com
as emoções de modo positivo, desenvolver
perseverança e espírito colaborativo.
Capacitação: ajudar os estudantes a
desenvolverem e aplicarem processos de
aprendizagem com eficiência. Por
exemplo, ensinando-o a organizar uma
rotina de estudo e a identificar
estratégias para lidar com dificuldades
para implementá-la.
Acadêmica: identificar potencialidades e
limites em relação ao aprendizado ,
organizar rotina de estudo adequada e
produtiva, desenvolver autonomia nos
estudos.
Orientação: ajudar os estudantes a
compreenderem os conteúdos e a sua
relação com os seus objetivos de
aprendizagem. Por exemplo, trabalhando
alguns temas que ajudem os estudantes
a fazer escolhas de caminhos possíveis
para a implementação do seu projeto de
vida.
Projeto de Vida: ter clareza das
possibilidades de trajetórias, saber fazer
escolhas conscientes, optar por percursos
coerentes com seu projeto de vida.
TUTORIA INDIVIDUAL X TUTORIA COLETIVA
DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS
8
OUTROS ATORES DO PROCESSO DE TUTORIA
Gestãoescolar
Sãoresponsabilidadesdagestãoescolar:
ü organizar a estrutura necessária para a realização da Tutoria, em diálogo com a
SecretariadeEducação;
ü acompanharoprocessojuntoàcoordenaçãopedagógica;
ü dar suporte na resolução de questões que ultrapassem os limites da Tutoria ou da
escola.
CoordenaçãoPedagógica
SãoresponsabilidadesdaCoordenaçãoPedagógica:
ü Planejamento,mobilizaçãodosestudantes,acompanhamentoeavaliaçãodopercurso;
ü organização dos registros das atividades elaborados pelos tutores e redigir relatórios e
outrascomunicaçõesquedevemsercompartilhadascomagestãodaescola;
ü dar suporte ao trabalho dos tutores e promover a articulação da Tutoria com as demais
práticas e elementos da educação integral, como o Acolhimento, Projeto de Vida,
ProtagonismoeEstudoOrientado;
ü coordenar a articulação entre o trabalho desenvolvido na tutoria e nos demais
componentes;
ü estimularaintegraçãocomacomunidadeescolar,incluindoasfamíliasdostutorandos.
CorpoDocente
Éresponsabilidadedetodososdocentes:
ü dialogar e articular ações em conjunto com tutor para que todos possam ter um olhar
maisintegraleintegradodecadaestudanteepossíveisintervenções.
CRONOGRAMA
10
ü A Tutoria ganha carga horária de componente curricular passando a ter um horário
específicoparaacontecer;
ü passaatermaiorarticulaçãocomEstudoOrientado.
ArticulaçãoentreTutoriaeEstudoOrientado
ü Relaciona-se às aulas de Estudo Orientado, e o professor tutor poderá realizar
curadoria de conteúdos indicados pelos professores de cada área que auxiliem na
recuperaçãoeaprofundamentodosestudos;
ü todas as orientações devem ser realizadas a partir do acompanhamento do
RoteirodeEstudosdecadaestudante.
O papeldoTutor naAvaliaçãoSocioemocional
Ostutoresterãotambémduasatribuiçõesimportantes:
ü o Acompanhamento da Aprendizagem Integral dos estudantes, ou seja, o
desenvolvimento das habilidades que não foram desenvolvidas, observando
tambémosobjetosselecionadospelodocenteparadesenvolvê-las;
ü o desenvolvimento socioemocional dos tutorandos, por meio da consolidação da
avaliação socioemocional, em articulação com os demais professores das áreas
doconhecimento.
O QUE MUDA NA TUTORIA?
O desenvolvimento da Pedagogia da Presença é elemento
crucial da tutoria, pois garante o sentimento de pertencimento,
propósito e permanência na escola, uma vez que o tutor é
referência para os contatos de pais e estudantes.
11
PROPOSTAS DE INSTRUMENTAIS
12
13
14
15
16
PLANOS DE AULA
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Você tem alguma sugestão para melhoria
do texto desta cartilha ou do componente
Tutoria?
CLIQUE AQUI

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Arivaldom
 
Apostila Tutoria Coletiva ok (1).pdf
Apostila Tutoria Coletiva ok (1).pdfApostila Tutoria Coletiva ok (1).pdf
Apostila Tutoria Coletiva ok (1).pdfSILVIAELAINEFERREIRA
 
Formação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
Formação para os professores Premissa Protagonismo JuvenilFormação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
Formação para os professores Premissa Protagonismo JuvenilSandraRombi
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaKarlla Costa
 
Líder em sala de aula
Líder em sala de aulaLíder em sala de aula
Líder em sala de aulaDulcelenacosta
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Magda Marques
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaDenise
 
Plano de Ação Matemática
Plano de Ação MatemáticaPlano de Ação Matemática
Plano de Ação MatemáticaManuel de Abreu
 
Os Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da EducaçãoOs Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da EducaçãoLuziete Leite
 
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da EducaçãoFormação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da EducaçãoSandraRombi
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observaçãoArte Tecnologia
 
Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorgesluannagorges
 
TUTORIA - NOVO ENSINO MÉDIO
TUTORIA - NOVO ENSINO MÉDIOTUTORIA - NOVO ENSINO MÉDIO
TUTORIA - NOVO ENSINO MÉDIODellon Sousa
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxProfLeandrodosSantos
 

Mais procurados (20)

ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA EDUCAÇÃO INFANTIL
 
Apostila Tutoria Coletiva ok (1).pdf
Apostila Tutoria Coletiva ok (1).pdfApostila Tutoria Coletiva ok (1).pdf
Apostila Tutoria Coletiva ok (1).pdf
 
Projeto de vida
Projeto de vidaProjeto de vida
Projeto de vida
 
Plano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógicaPlano de ação para coordenação pedagógica
Plano de ação para coordenação pedagógica
 
Formação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
Formação para os professores Premissa Protagonismo JuvenilFormação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
Formação para os professores Premissa Protagonismo Juvenil
 
Aula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aulaAula 9. modelo de plano de aula
Aula 9. modelo de plano de aula
 
Líder em sala de aula
Líder em sala de aulaLíder em sala de aula
Líder em sala de aula
 
Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.Formação continuada de professores.
Formação continuada de professores.
 
Modelo de plano de aula
Modelo de plano de aulaModelo de plano de aula
Modelo de plano de aula
 
Plano de Ação Matemática
Plano de Ação MatemáticaPlano de Ação Matemática
Plano de Ação Matemática
 
Observacao sala aula
Observacao sala aulaObservacao sala aula
Observacao sala aula
 
Os Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da EducaçãoOs Quatro Pilares da Educação
Os Quatro Pilares da Educação
 
NOVO MODELO PIAF (1).docx
NOVO MODELO PIAF (1).docxNOVO MODELO PIAF (1).docx
NOVO MODELO PIAF (1).docx
 
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da EducaçãoFormação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
Formação para os Professores Pedagogia da Presença e Quatro Pilares da Educação
 
Relatório de observação
Relatório de observaçãoRelatório de observação
Relatório de observação
 
Reunião pedagógica rosane gorges
Reunião pedagógica   rosane gorgesReunião pedagógica   rosane gorges
Reunião pedagógica rosane gorges
 
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
Plano de ação pedagógica 2009   anandreiaPlano de ação pedagógica 2009   anandreia
Plano de ação pedagógica 2009 anandreia
 
Projeto gincana cultural interdisciplinar
Projeto gincana cultural interdisciplinarProjeto gincana cultural interdisciplinar
Projeto gincana cultural interdisciplinar
 
TUTORIA - NOVO ENSINO MÉDIO
TUTORIA - NOVO ENSINO MÉDIOTUTORIA - NOVO ENSINO MÉDIO
TUTORIA - NOVO ENSINO MÉDIO
 
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docxCópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
Cópia de Plano de Ação_EE Coronel 2023.docx
 

Semelhante a CARTILHA TUTORIA.pdf

Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisrenatalguterres
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisRosinara Azeredo
 
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...ProfCibellePires
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptTati Borlote Varanda
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaProfª Fabi Sobrenome
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxMaxLuisEspinosa
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfNatalia384006
 
Métodos e técnicas de ensino
Métodos e técnicas de ensinoMétodos e técnicas de ensino
Métodos e técnicas de ensinoMekinho20
 
Apresentação rosane virlene orientação
Apresentação rosane virlene orientaçãoApresentação rosane virlene orientação
Apresentação rosane virlene orientaçãoVirlene Amarante
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoIvaneide B S
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aulaLeandro Pereira
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela Silva
 
Como enfatizar o processo de aprendizagem.pdf
Como enfatizar o processo de aprendizagem.pdfComo enfatizar o processo de aprendizagem.pdf
Como enfatizar o processo de aprendizagem.pdfAlessandraRodrigues800177
 
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAgostinho NSilva
 

Semelhante a CARTILHA TUTORIA.pdf (20)

2.a função da tutoria na ead
2.a função da tutoria na ead2.a função da tutoria na ead
2.a função da tutoria na ead
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
TutorPDFonline
TutorPDFonlineTutorPDFonline
TutorPDFonline
 
Heterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciaisHeterogeneidade nos anos iniciais
Heterogeneidade nos anos iniciais
 
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
A didática tem grande relevância no processo educativo de ensino e aprendizag...
 
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.pptPPT_Orientação da diversificada 01.ppt
PPT_Orientação da diversificada 01.ppt
 
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma todaSugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
Sugestões de como trabalhar (ensinar) a turma toda
 
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docxPrograma-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
Programa-de-Acao-PEI 2022_MARIA EUGENIA_atualizado.docx
 
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdfEO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
EO - 8 Estudos_1ºBimestre - 6º ANOS.pdf
 
PCN
PCNPCN
PCN
 
Métodos e técnicas de ensino
Métodos e técnicas de ensinoMétodos e técnicas de ensino
Métodos e técnicas de ensino
 
Estudo Orientado
Estudo OrientadoEstudo Orientado
Estudo Orientado
 
Apresentação rosane virlene orientação
Apresentação rosane virlene orientaçãoApresentação rosane virlene orientação
Apresentação rosane virlene orientação
 
A atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógicoA atuação do coordenador pedagógico
A atuação do coordenador pedagógico
 
DIDATICA Didática i aula
DIDATICA Didática i   aulaDIDATICA Didática i   aula
DIDATICA Didática i aula
 
Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012Angela proposta coordenação 2012
Angela proposta coordenação 2012
 
Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013Proposta Pedagogica 2013
Proposta Pedagogica 2013
 
Supervisor Escolar
Supervisor EscolarSupervisor Escolar
Supervisor Escolar
 
Como enfatizar o processo de aprendizagem.pdf
Como enfatizar o processo de aprendizagem.pdfComo enfatizar o processo de aprendizagem.pdf
Como enfatizar o processo de aprendizagem.pdf
 
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao PedagogicaAvaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
Avaliacao do Desempenho Docente e Supervisao Pedagogica
 

Último

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfFbioFerreira207918
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxLucasFCapistrano
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfGisellySobral
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanomarla71199
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioWyngDaFelyzitahLamba
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdfMissa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
Missa catequese para o dia da mãe 2025.pdf
 
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptxProva nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
Prova nivel 3 da XXII OBA DE 2019 - GABARITO POWER POINT.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºanoCATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
CATEQUESE primeiro ano . CATEQUESE 1ºano
 
Teatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundarioTeatro como estrategias de ensino secundario
Teatro como estrategias de ensino secundario
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 

CARTILHA TUTORIA.pdf

  • 2. ORGANIZAÇÃO: Núcleo Gestor de Educação em Tempo Integral - NGETI *Os textos contidos nesta cartilha são uma versão preliminar com as primeiras orientações sobre as metodologias a serem aplicadas advindas do Novo Ensino Médio das Escolas em Tempo Integral. Tais textos serão melhorados e desenvolvidos coletivamente a partir das experiências dos professores do programa conforme prática em sala de aula. ELIANE AQUINO CUSTÓDIO
  • 3. TUTORIA O QUE É? ü Situação de interação, de presença na vida do outro, em que uma pessoa dá apoio para tornar possível que ela desenvolva e/ou ponha em ação algum direito, dever, conhecimento,competênciaouhabilidade; ü Enquanto componente curricular, é o acompanhamento das aprendizagens e desenvolvimentodecompetênciasacadêmicasesocioemocionais. OBJETIVOS ü Mostrar os caminhos para o melhor aproveitamento dos estudos com acompanhamentodasaprendizagensdeformaindividualizadaoucoletiva; ü acompanhar mais de perto o percurso do tutorando na escola com um olhar individualizado; ü oferecer um lugar de reflexão, escuta e acolhimento das dificuldades apresentadas pelotutorandoetambémapoiá-lonodesenvolvimentodeestratégiasdesuperação; ü observar as dificuldades e avanços dos estudantes e, a partir do Plano Pessoal de Estudos de cada um, direcionar a recuperação das habilidades nas quais não tiveram umdesempenhosatisfatório; ü apoiar a elaboração de estratégias que ajudem os tutorandos no seu percurso acadêmico,desenvolvimentosocioemocionaleimplementaçãodoseuprojetodevida.
  • 4. ü Enxerga o estudante em sua totalidade e singularidade e percebe, de forma empática,osdesafiosadvindosdoseucontexto; ü está disposto a estabelecer uma relação mais próxima com o tutorando, construindo um vínculo que gere segurança, estimule o desenvolvimento da aprendizagemeimpulsioneaconcretizaçãodosseusobjetivos. QUALIDADES COMPETÊNCIAS E HABILIDADES Qualidades humanas (o ser do tutor) Empatia, maturidade intelectual e afetiva, sociabilidade, responsabilidade e capacidade de aceitação. Qualidades científicas (o saber do tutor) Conhecimento da maneira de ser doestudante e dos elementos pedagógicos que tornam possível conhecê -lo e ajudá-lo. Qualidades técnicas (o saber fazer do tutor) Capacidade de trabalhar com eficácia e em equipe, participando de projetos e programas estabelecidos de comum acordo para aformação dos estudantes. Não possuir essas características não inviabiliza um docente de ser tutor. Perfis e habilidades diferentes sempre podem contribuir com a prática e encontrar terreno fértil em diferentes perfis de alunos. O PERFIL DO(A) TUTOR(A)
  • 5. ü No primeiro mês de aulas, os tutores devem realizar um rodízio para apresentação às turmas de como acontecerá a Tutoria nesse novo formato, aproveitandoparaqueosestudantesosconheçam; ü a escola organiza um evento para mobilização e orientação sobre a Tutoria a fim de dar conhecimento aos estudantes para que essa decisão seja tomada com mais consciência; ü estudantes decidem livremente sobre o tutor que desejam dentre as opções de educadoresdisponibilizadospelaescola; ü estudantes escolhem três opções de pessoas que gostariam de ter como tutor, emordemdepreferência; ü a equipe gestora observa as primeiras opções dos estudantes e, caso um tutor tenha mais indicações do que vagas, ocorre uma redistribuição seguindo a preferênciadosestudantesatéquetodosestejamcontemplados; ü nos casos em que há a designação de um tutor para cada turma, não sendo possível que o estudante individualmente escolha o seu tutor, é fundamental deixar claro como este caminho foi construído pela gestão escolar e corpo técnico e, mais importante, cuidar para que os estudantes se sintam participando de todo o percurso que virá após a escolha: definição de temas, cronograma de encontros, pactuação de compromissos etc. Dessa forma, será possível resguardar o protagonismo dos jovens nesteprocesso; ü renovaçãoanual,podendohavercontinuidadeousubstituiçãodotutor. COMO PODE SER FEITA A ESCOLHA DO TUTOR PELO ESTUDANTE? 1ª SÉRIE 1 aula/semana* DISTRIBUIÇÃO DE CARGA HORÁRIA 2ª SÉRIE 1 aula/semana* 3ª SÉRIE 2 aula/semana** *Simultânea na escola **Apenas a 1ª aula deve ser simultânea.
  • 6. O DIA A DIA DO TUTOR ü Apresentaramatrizsocioemocionalaosseustutorandosnoiníciodoanoletivo; ü planejar e realizar encontros regulares de acompanhamento dos seus tutorandos (individuaise/ouemgrupo); ü criar um ambiente acolhedor e organizado, que possibilite que a aprendizagem aconteça; ü acompanhar o desempenho do tutorando no estudo, identificando potencialidades edificuldades; ü estimular a reflexão sobre temas relacionados ao projeto de vida do tutorando e demaisatividadesescolhidasporele; ü mobilizar o tutorando para participar de diversas atividades esportivas, científicas, culturais e outras propostas pela escola, assim como de eventos externos que o auxiliem em sua formação integral, como exposições, olimpíadas do conhecimento, showsculturais,teatro,feirascientíficaseculturaiseoutros; ü fazer registros dos encontros e apresentar relatório individual de acompanhamento dotutorandoàequipegestoraaofinaldecadasemestre; ü comunicar à equipe gestora qualquer intercorrência (atitudes ou comentários do tutorando) que gere estranheza ou mereça atenção, para que sejam tomadas as providênciasadequadas; ü articular-se com educadores responsáveis pelos outros elementos da educação integral(ProjetodeVida,Protagonismoetc)ecomafamíliaquandonecessário; ü consolidar,noConselhodeClasse,aAvaliaçãoSocioemocional.
  • 7. ü Envolvimentoeparticipaçãoativa; ü conhecimento sobre o que cabe a ele se comprometer para que o processogereosaprendizadosesperados. ü postura de bom convívio com o tutor, estabelecendo vínculos de diálogo erespeito; ü participação de todos os encontros da Tutoria, sejam eles individuais ou coletivos,erealizartodasasatividadescombinadascomotutor; ü disponibilidade para refletir sobre seu percurso de aprendizado e mudar posturaserumosparasuperarseusdesafios. O QUE É ESPERADO DO TUTORANDO? Tutoria Individual Tutoria Coletiva Encontros entre tutor e tutorando Encontros entre tutor e turma Socioemocional com foco em: autoestima, percepção sobre si próprio e autonomia. Socioemocional com foco em: diversidade, respeito, comunicação e participação na vida escolar. Ações da tutoria Competências desenvolvidas no tutorando Apoio: ajudar os estudantes a lidarem com questões não relacionadas ao conteúdo, que possam afetar a sua aprendizagem. Por exemplo, auxiliar com uma dificuldade de trabalhar em grupo, com uma timidez para falar em público. Pessoal: conhecer a si próprio, identificar habilidades e preferências, saber lidar com as emoções de modo positivo, desenvolver perseverança e espírito colaborativo. Capacitação: ajudar os estudantes a desenvolverem e aplicarem processos de aprendizagem com eficiência. Por exemplo, ensinando-o a organizar uma rotina de estudo e a identificar estratégias para lidar com dificuldades para implementá-la. Acadêmica: identificar potencialidades e limites em relação ao aprendizado , organizar rotina de estudo adequada e produtiva, desenvolver autonomia nos estudos. Orientação: ajudar os estudantes a compreenderem os conteúdos e a sua relação com os seus objetivos de aprendizagem. Por exemplo, trabalhando alguns temas que ajudem os estudantes a fazer escolhas de caminhos possíveis para a implementação do seu projeto de vida. Projeto de Vida: ter clareza das possibilidades de trajetórias, saber fazer escolhas conscientes, optar por percursos coerentes com seu projeto de vida. TUTORIA INDIVIDUAL X TUTORIA COLETIVA DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS
  • 8. 8 OUTROS ATORES DO PROCESSO DE TUTORIA Gestãoescolar Sãoresponsabilidadesdagestãoescolar: ü organizar a estrutura necessária para a realização da Tutoria, em diálogo com a SecretariadeEducação; ü acompanharoprocessojuntoàcoordenaçãopedagógica; ü dar suporte na resolução de questões que ultrapassem os limites da Tutoria ou da escola. CoordenaçãoPedagógica SãoresponsabilidadesdaCoordenaçãoPedagógica: ü Planejamento,mobilizaçãodosestudantes,acompanhamentoeavaliaçãodopercurso; ü organização dos registros das atividades elaborados pelos tutores e redigir relatórios e outrascomunicaçõesquedevemsercompartilhadascomagestãodaescola; ü dar suporte ao trabalho dos tutores e promover a articulação da Tutoria com as demais práticas e elementos da educação integral, como o Acolhimento, Projeto de Vida, ProtagonismoeEstudoOrientado; ü coordenar a articulação entre o trabalho desenvolvido na tutoria e nos demais componentes; ü estimularaintegraçãocomacomunidadeescolar,incluindoasfamíliasdostutorandos. CorpoDocente Éresponsabilidadedetodososdocentes: ü dialogar e articular ações em conjunto com tutor para que todos possam ter um olhar maisintegraleintegradodecadaestudanteepossíveisintervenções.
  • 10. 10 ü A Tutoria ganha carga horária de componente curricular passando a ter um horário específicoparaacontecer; ü passaatermaiorarticulaçãocomEstudoOrientado. ArticulaçãoentreTutoriaeEstudoOrientado ü Relaciona-se às aulas de Estudo Orientado, e o professor tutor poderá realizar curadoria de conteúdos indicados pelos professores de cada área que auxiliem na recuperaçãoeaprofundamentodosestudos; ü todas as orientações devem ser realizadas a partir do acompanhamento do RoteirodeEstudosdecadaestudante. O papeldoTutor naAvaliaçãoSocioemocional Ostutoresterãotambémduasatribuiçõesimportantes: ü o Acompanhamento da Aprendizagem Integral dos estudantes, ou seja, o desenvolvimento das habilidades que não foram desenvolvidas, observando tambémosobjetosselecionadospelodocenteparadesenvolvê-las; ü o desenvolvimento socioemocional dos tutorandos, por meio da consolidação da avaliação socioemocional, em articulação com os demais professores das áreas doconhecimento. O QUE MUDA NA TUTORIA? O desenvolvimento da Pedagogia da Presença é elemento crucial da tutoria, pois garante o sentimento de pertencimento, propósito e permanência na escola, uma vez que o tutor é referência para os contatos de pais e estudantes.
  • 12. 12
  • 13. 13
  • 14. 14
  • 15. 15
  • 17. 17
  • 18. 18
  • 19. 19
  • 20. 20
  • 21. 21
  • 22. 22
  • 23. 23
  • 24. 24
  • 25. 25
  • 26. 26
  • 27. 27
  • 28. 28
  • 29. 29
  • 30. 30
  • 31. 31
  • 32. Você tem alguma sugestão para melhoria do texto desta cartilha ou do componente Tutoria? CLIQUE AQUI