SlideShare uma empresa Scribd logo
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM FLUXOGRAMA MANUAL FORMULÁRIO DISTRIBUIÇÃO DO TRABALHO
Fluxograma Definição São gráficos de processamento para trabalhos de análises administrativas Representam a técnica mais conhecida e mais utilizada no estudo de processos administrativos Podem ser chamados de gráficos de procedimento ou gráfico de processos De maneira geral apresenta o processo passo a passo, ação por ação.
Fluxograma Objetivo Representar o fluxo ou a seqüência normal de qualquer trabalho, produto ou documento Identificar a utilidade de cada etapa do processo Verificar as vantagens em alterar a seqüência das operações Procurar adequar as operações (passos) às pessoas que as executam Identificar a necessidade de treinamento para o trabalho específico do processo
Fluxograma Simbologia Inicio ou Fim Atividade ou ação Verificação ou decisão Conector Documento Linha do fluxo
FLUXOGRAMA DO PROCESSO PRODUTIVO - EXEMPLO INICIO RECEBER  O CLIENTE ATENDER SEUS  PEDIDOS E CRIAR  NOVOS IMPULSOS DE  COMPRA PAGAMENTO PEDIDOS  ATENDIDOS SIM EFETUAR  VENDA COLHER DADOS E INDICADORES DE  OUTROS CLIENTES PARA PROSPECÇÃO ENTRAR  EM CONTATO COM  FORNECEDORES/SOLICITAR  PRODUTO. NÃO DINHEIRO/CARTÃO CREDIÁRIO CAIXA FIM
Vantagens do Fluxograma Permitir verificar como funcionam os componente de um sistema Entendimento mais simples e objetivo Facilitar e localizar deficiências Aplicável a qualquer sistema Rápido e fácil entendimento de qualquer alteração nos sistemas
Roteiro de Elaboração Comunicação Coleta de dados Fluxogramação Análise de Fluxograma Relatório de análise Apresentação do trabalho
Tipos de Fluxograma Vertical e Horizontal Administrativo ou de Rotinas de Trabalho Fluxograma Global ou de Colunas Fluxograma Sintético  Fluxograma de Blocos Fluxograma Esqueleto Fluxograma de Procedimentos Fluxograma de Documentos Fluxograma Integrado
Recomendações Finais É importantíssimo determinar, o mais cedo possível, a técnica de fluxogramação a ser utilizada. Há fluxogramas que exigem diferentes tomadas de informações Eliminar passos é uma das alternativas na simplificação de processos. Não é a única, portanto. As demais criar são criar, alterar e combinar a seqüência de passos A observação pessoal é importante na sua elaboração Omitir o registro de um passo pode acarretar prejuízos
Recomendações Finais Não esquecer o fato de que um processo não existe de forma compartimentada, isto é, haverá sempre reflexo em outros, fora do campo de estudo Vincular estudo de processo a um estudo de arranjo físico (Lay Out).Alterações em um processo podem alterar em termos físicos A elaboração de manuais de serviço ou procedimentos é uma decorrência natural da análise e estudo de processos A análise de processos constitui-se numa das mais modernas ferramentas de gestão, e por essa razão convém ao gerente internaliza-la em toda a sua plenitude, pois sua utilização é certa, qualquer que seja a abordagem que esteja sendo dada a um determinado estudo organizacional.
Manualização DEFINIÇÃO É o conjunto de normas, instruções e documentos sobre políticas, diretrizes e sistemáticas operacionais, dentre outros. Por ser um veículo fundamental para o esclarecimento de dúvidas, o manual deve ser acessível, claro e atualizado. É o documento que aglutina informações sobre os aspectos ligados ao ambiente, à coordenação, e por via de conseqüência, a controles internos, ao treinamento e desenvolvimento de recursos humanos.
Manualização DEFINIÇÃO Os manuais constituem-se numa importante fonte bibliográfica técnica constituindo-se em fonte de pesquisa. Também criam facilidades para trabalhos de re-organização.
Manualização OBJETIVOS Resumir num único documento elaborado de forma sistemática e criteriosa, as informações que possibilitem a assimilação do todo organizacional de maneira compreensiva e integrada.
Manualização TIPOS Manual de Organização : define estruturas, níveis hierárquicos. Manual de Operação : dá instruções e define rotinas e procedimentos de serviços. Manual de Formulários : exibe os formulários em uso na empresa, definindo o seu preenchimento, finalidade, área que o utiliza e especificações físicas. Manual de Normas : reúne leis, normas disciplinares, normas éticas e morais e normas de funcionamento.(Regimento Interno)
Manualização PROPÓSITOS Define a estrutura hierárquica da empresa : organograma. Informa : os objetivos ou do departamento ou da divisão. Apresenta : os direitos e obrigações da empresa e dos empregados tanto em relação ao ambiente interno como externo(comunidade,pais, família etc...) Identifica : além das posições hierárquicas os cargos, funções, responsabilidades e autoridade, relações e inter-relações.
Manualização PROPÓSITOS Subsidia: as análises da cultura e da história da empresa, apresentando fatos como base de consulta e apoio para que todas as demais informações de interesse geral e ou particular. Serve: como base de consulta e apoio e apoio para que todas as demais informações e outras formas de comunicação sigam padrões estabelecidos e estejam de conformidade com a filosofia empresarial e as diretrizes e ou políticas organizacionais. Referencia: a avaliação e o acompanhamento de todo o planejamento estabelecido para a empresa e seus funcionários, em nível estratégico, tático e operacional.
Manualização CONCLUSÃO Os manuais organizacionais são os documentos que definem e contêm a estrutura organizacional indicando de maneira clara as fronteiras e os inter-relacionamentos dos órgãos e os limites de responsabilidade e autoridade dos empregados.
Analise e Desenho de Formulário Indicadores da Análise e Desenho de Formulários Contínua dificuldade na compreensão e preenchimento. Formação de filas. Permanência de problemas após a racionalização do trabalho. Demoras na utilização. Esses constituem-se em alguns indicadores que apontam ao profissional de O&M o caminho para análise e desenho de formulários.
Analise e Desenho de Formulário OBJETIVOS Corrigir falhas. Prover a organização de uma forma de transmissão, assimilação e armazenamento de informações. Facilitar o fluxo de informações na organização, com o mínimo custo e provendo os melhores resultados. Uniformizar procedimentos. Centralizar controles, evitando dispersões e dispêndio desnecessário de tempo. Promover a criação e desenvolvimento de formulários dando-lhe o papel de agente integrador. Fixar padrões uniformes para projetos e especificações físicas de formulários. Harmonizar o seu uso junto aos demais componentes que colocam a organização em movimento. Compatibilizar sua ação com a expectativa demonstrada pelo pessoal em termos de seu preenchimento e manipulação.
Analise e Desenho de Formulário ESTRATÉGIAS ESTRATÉGIA A SER ACIONADA É COMPOSTA DE UM CONJUNTO DE FASES OU ETAPAS.  O profissional deve buscar informações através do uso de um questionário numa fase preliminar. Que lhe servirá de subsídio para todo o estudo do formulário. O questionário deverá conter: Questões abrangentes, que são aquelas que versam sobre os formulários, todos, da organização. Questões específicas, que são aquelas a serem aplicadas ao formulário em estudo e portanto, válida apenas para o formulário em si. Questões integrativas, que são aquelas que abordam o formulário em estudo e as relações que mantém com outros formulários e demais aspectos da organização.
Analise e Desenho de Formulário ETAPAS Inventário dos formulários existentes, classificação e codificação. Levantamento do fluxo de trabalho e da presença de informações. Estudo da viabilidade do aproveitamento dos formulários existentes ou sua adaptação. Criação de novos formulários. Teste dos formulários. OBS: Temos, então, um conjunto de etapas que vai  orientar o profissional de O&M no estudo dos  formulários. É recomendável que o profissional  detenha algum conhecimento técnico de  elaboração.
Analise da Distribuição do Trabalho Etapas da análise da distribuição do trabalho Identificação das tarefas individuais; Agrupar as tarefas semelhantes em atividades ou serviços; Montagem do quadro de distribuição do trabalho; Analise de distribuição do trabalho Observação: Geralmente a análise é efetuada com base em quatro blocos:  tempo, capacidade profissional, equilíbrio no volume de trabalho e possibilidades preliminares de mudança
Analise da Distribuição do Trabalho TEMPO a) é compatível com o funcionamento global da unidade; b) o tempo justifica o resultado final da atividade ou serviço, não há relação entre tempo e importância de uma atividade ou serviço; c) é possível juntar dois serviços num só ou, então, criar dois serviços onde existe apenas um; d) convém imaginar a hipótese de eliminação ou criação de serviços; e) frações organizacionais atuam de forma sistêmica, agindo e interagindo em outras unidades de igual, maior ou menor posicionamento na escola hierárquica; f)é fundamental tentar vincular a tarefa ao serviço ou atividade e ao cargo, isto a pessoa que executa a tarefa. Tudo isso em termos do tempo despendido.
Analise da Distribuição do Trabalho Indicadores de Problemas na Distribuição do Trabalho O gerente deve estar sempre atento para poder perceber as falhas no sistema, elas podem se manifestar internamente e também externamente. Alguns tipos de falhas internas podem ocasionar falhas externas, como pôr exemplo a formação de filas. Outras falhas podem ser percebidas quando não são observadas datas, pôr exemplo a data de entrega de um relatório. Existe também e pode ser considerada como indicador, a falta de interação social entre indivíduos de um mesmo grupo de trabalho.
Analise da Distribuição do Trabalho OBJETIVOS Podemos dizer que os objetivos são mais abrangentes, dando assim maiores possibilidades de estudo. Um dos objetivos seria o de possibilitar um diagnose na qual se verifica a qualidade do trabalho, seu rendimento, sua eficiência, eficácia e produtividade em relação aos investimentos feitos. Outro objetivo é o de minimizar tensões internas, tensões motivadas, inclusive, pôr atritos relacionados a aspectos exclusivamente funcionais. Exemplos de insatisfação com a gerencia e colegas em geral são vários e justificam, muitas vezes, uma ação objetiva para tratar de assuntos subjetivos, como as reações individuais de descontentamento.
Analise da Distribuição do Trabalho CAPACIDADE PROFISSIONAL Há consonância entre habilidades individuais, formação técnica e as tarefas desenvolvidas pêlos funcionários, inclusive superiores e chefes. Essa dissonância deve ser medida, pois, geralmente atua de forma negativa. Pelo fato de esse ou aquele deter conhecimento superior a média do que é exigido, há algum desvio no uso da autoridade hierárquica interna. Essa situação pode levar a alguns extremos agradáveis e desagradáveis. É preciso ter cuidado na detecção desse desvio hierárquico. Há prejuízos em função da baixa capacitação profissional de um ou mais funcionários. É preciso estabelecer os motivos, tarefa essa que cabe ao gerente.
Analise da Distribuição do Trabalho QUILIBRIO NO VOLUME DE TRABALHO Há funcionários com carga e trabalho superior aos demais? Analisar se essa carga se deve à ineficiência, se o funcionário sente-se bem dessa maneira ou outras razões. A entrada de informações causa estrangulamentos? E a saída é feita de maneira correta? É preciso indagar-se se a entrada de dados se processa normalmente o mesmo acontecendo com as saídas. Há funcionários com carga de trabalho inferior aos demais? É possível que um funcionário tenha sua carga reduzida em função de alguns acontecimentos. A existência de picos pode ser considerada normal? É normal, principalmente em empresas que cumprem parte de suas obrigações dentro de um espaço de tempo limitado.
Analise da Distribuição do Trabalho TÉCNICAS A técnica indicada para análise de distribuição do trabalho é a do Quadro de Distribuição do Trabalho(QDT). Sua elaboração e digitação são simples, pois as fases anteriores do estudo atuam como preparadoras para a montagem do quadro. Forma para composição do quadro: Tradicional -  mais freqüentemente encontrada nas obras que tratam do assunto. Tecnológica -  Usada quando há a necessidade da não liberação das informações que apontem falhas individuais. Nesta não há atribuição de tempo. A vantagem desta forma está no fato de reduzir a possibilidade de haver conflitos internos. Custo em valores mês/semana/dia -  A base de cálculo é o salário mais encargos pagos a cada funcionário.
Analise da Distribuição do Trabalho POSSIBILIDADES PRELIMINARES DE SIMPLIFICAÇÃO Na análise da distribuição do trabalho é muito importante a abertura da unidade para a organização, isto é, dar ao estudo a característica sistêmica. As relações funcionais interpessoais da chefia podem gerar ações e reações que acabam pôr influenciar o trabalho propriamente dito. Pode-se dizer que a importância do gerente ser possuidor de conhecimento que o  credencie a desenvolver mais de uma técnica de abordagem aos problemas e demandas de frações organizacionais é muito importante.
Analise da Distribuição do Trabalho RECOMENDAÇÕES FINAIS Evitar de dar ao levantamento das tarefas o caráter de precisão, isto não questionar sobre u numero exato de horas e minutos dedicados ao trabalho; O fato de cada funcionário conduzir seu trabalho da forma que acha mais interessante não deve ser encarado como um impedimento ao sucesso do trabalho; O QDT, pôr ser aplicado em unidades de cada gerência, exigirá do profissional um conhecimento razoável sobre os usos e costumes das unidades; A inexistência de descrição de cargos, subsídio excelente para o trabalho de racionalização, não é uma necessidade imperiosa para a realização do estudo; O QDT não tem necessariamente ser desenvolvido da forma como apresentado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula organização e métodos 2013 1
Aula organização e métodos 2013 1Aula organização e métodos 2013 1
Aula organização e métodos 2013 1
Michael Batista
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
PAULO RICARDO FLORES
 
Centralização vs Descentralização / Funções Administrativas
Centralização vs Descentralização / Funções AdministrativasCentralização vs Descentralização / Funções Administrativas
Centralização vs Descentralização / Funções Administrativas
Admturmapita
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
Prof. Leonardo Rocha
 
administração da producão
administração da producãoadministração da producão
administração da producão
Melquiades Pereira
 
Planejamento empresarial p1
Planejamento empresarial p1Planejamento empresarial p1
Planejamento empresarial p1
Silvio Carlos Valentini
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
Robson Costa
 
Ferramentas de Gestão
Ferramentas de GestãoFerramentas de Gestão
Ferramentas de Gestão
Jean Israel B. Feijó
 
Slide planejamento estratégico
Slide planejamento estratégicoSlide planejamento estratégico
Slide planejamento estratégico
Larissa_cog
 
Aula10 fluxogramas
Aula10 fluxogramasAula10 fluxogramas
Aula10 fluxogramas
Kércia Silva
 
Planejamento, Organização, Direção e Controle
Planejamento, Organização, Direção e ControlePlanejamento, Organização, Direção e Controle
Planejamento, Organização, Direção e Controle
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégia
alemartins10
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
Denis Carlos Sodré
 
Aulas logística 1
Aulas logística 1Aulas logística 1
Aulas logística 1
Sebastião Nascimento
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
Milton Henrique do Couto Neto
 
Gestão por processos
Gestão por processosGestão por processos
Gestão por processos
Coelho Assessoria
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Alexandre Conte
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
Lemos1960
 
Linha Histórica da Administração
Linha Histórica da AdministraçãoLinha Histórica da Administração
Linha Histórica da Administração
Reginaldo Marcos Martins
 

Mais procurados (20)

Aula organização e métodos 2013 1
Aula organização e métodos 2013 1Aula organização e métodos 2013 1
Aula organização e métodos 2013 1
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
 
Centralização vs Descentralização / Funções Administrativas
Centralização vs Descentralização / Funções AdministrativasCentralização vs Descentralização / Funções Administrativas
Centralização vs Descentralização / Funções Administrativas
 
Aula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e OrganizaçãoAula 2 - Organizações e Organização
Aula 2 - Organizações e Organização
 
administração da producão
administração da producãoadministração da producão
administração da producão
 
Planejamento empresarial p1
Planejamento empresarial p1Planejamento empresarial p1
Planejamento empresarial p1
 
Tipos de organização
Tipos de organizaçãoTipos de organização
Tipos de organização
 
Ferramentas de Gestão
Ferramentas de GestãoFerramentas de Gestão
Ferramentas de Gestão
 
Slide planejamento estratégico
Slide planejamento estratégicoSlide planejamento estratégico
Slide planejamento estratégico
 
Aula10 fluxogramas
Aula10 fluxogramasAula10 fluxogramas
Aula10 fluxogramas
 
Planejamento, Organização, Direção e Controle
Planejamento, Organização, Direção e ControlePlanejamento, Organização, Direção e Controle
Planejamento, Organização, Direção e Controle
 
Aula 01 O que é estratégia
Aula 01   O que é estratégiaAula 01   O que é estratégia
Aula 01 O que é estratégia
 
Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01Introdução a administração 2012_01
Introdução a administração 2012_01
 
Administração de materiais
Administração de materiaisAdministração de materiais
Administração de materiais
 
Aulas logística 1
Aulas logística 1Aulas logística 1
Aulas logística 1
 
Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01Administração científica 2012_01
Administração científica 2012_01
 
Gestão por processos
Gestão por processosGestão por processos
Gestão por processos
 
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃOAula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
Aula: TEORIAS da ADMINISTRAÇÃO
 
Administração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evoluçãoAdministração - conceitos, origens e evolução
Administração - conceitos, origens e evolução
 
Linha Histórica da Administração
Linha Histórica da AdministraçãoLinha Histórica da Administração
Linha Histórica da Administração
 

Destaque

Introdução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e MetodosIntrodução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e Metodos
Adm Pub
 
Introdução a OSM
Introdução a OSMIntrodução a OSM
Osm Aula 2
Osm Aula 2Osm Aula 2
Osm Aula 2
Renan Kaltenegger
 
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Sergio Luis Seloti Jr
 
Formulário - Organização, Sistemas e Métodos
Formulário - Organização, Sistemas e MétodosFormulário - Organização, Sistemas e Métodos
Formulário - Organização, Sistemas e Métodos
Sabrina Machado
 
OSM : Formulários
OSM : FormuláriosOSM : Formulários
OSM : Formulários
Josester Teixeira de Souza
 
Aula 4 O.S.M (qualidade)
Aula 4 O.S.M (qualidade) Aula 4 O.S.M (qualidade)
Aula 4 O.S.M (qualidade)
Renan Kaltenegger
 
Formularios
FormulariosFormularios
Formularios
AAcioli
 
QDT - Quadro de Distribuição de Trabalho
QDT - Quadro de Distribuição de TrabalhoQDT - Quadro de Distribuição de Trabalho
QDT - Quadro de Distribuição de Trabalho
Tajra Assessoria Educacional Ltda
 
Manuais administrativos
Manuais administrativosManuais administrativos
Manuais administrativos
Diana Crys
 
A area de organização e métodos
A area de organização e métodosA area de organização e métodos
A area de organização e métodos
igorcmg
 
Sistema de Informações Gerenciais - OSM
Sistema de Informações Gerenciais - OSMSistema de Informações Gerenciais - OSM
Sistema de Informações Gerenciais - OSM
Tajra Assessoria Educacional Ltda
 
Analise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mAnalise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&m
tembito
 
Osm 1
Osm 1Osm 1
Aula03 conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
Aula03   conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoesAula03   conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
Aula03 conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
Grupo Tiradentes
 
Fluxograma & Layout
Fluxograma & LayoutFluxograma & Layout
Fluxograma & Layout
Marden Rodrigues
 
Osm Matriz
Osm MatrizOsm Matriz
Osm Matriz
guestb54373
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Prof. Leonardo Rocha
 
Fluxogramas
FluxogramasFluxogramas
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e TiposEstrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Matheus Inácio
 

Destaque (20)

Introdução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e MetodosIntrodução Organização Sistemas e Metodos
Introdução Organização Sistemas e Metodos
 
Introdução a OSM
Introdução a OSMIntrodução a OSM
Introdução a OSM
 
Osm Aula 2
Osm Aula 2Osm Aula 2
Osm Aula 2
 
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
Aulas - Organizações, Sistemas e Métodos - Prof. Sergio Seloti.Jr - 2010
 
Formulário - Organização, Sistemas e Métodos
Formulário - Organização, Sistemas e MétodosFormulário - Organização, Sistemas e Métodos
Formulário - Organização, Sistemas e Métodos
 
OSM : Formulários
OSM : FormuláriosOSM : Formulários
OSM : Formulários
 
Aula 4 O.S.M (qualidade)
Aula 4 O.S.M (qualidade) Aula 4 O.S.M (qualidade)
Aula 4 O.S.M (qualidade)
 
Formularios
FormulariosFormularios
Formularios
 
QDT - Quadro de Distribuição de Trabalho
QDT - Quadro de Distribuição de TrabalhoQDT - Quadro de Distribuição de Trabalho
QDT - Quadro de Distribuição de Trabalho
 
Manuais administrativos
Manuais administrativosManuais administrativos
Manuais administrativos
 
A area de organização e métodos
A area de organização e métodosA area de organização e métodos
A area de organização e métodos
 
Sistema de Informações Gerenciais - OSM
Sistema de Informações Gerenciais - OSMSistema de Informações Gerenciais - OSM
Sistema de Informações Gerenciais - OSM
 
Analise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&mAnalise da distribuicao do trabalho o&m
Analise da distribuicao do trabalho o&m
 
Osm 1
Osm 1Osm 1
Osm 1
 
Aula03 conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
Aula03   conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoesAula03   conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
Aula03 conceito de fluxogramas e seqenciamento de açoes
 
Fluxograma & Layout
Fluxograma & LayoutFluxograma & Layout
Fluxograma & Layout
 
Osm Matriz
Osm MatrizOsm Matriz
Osm Matriz
 
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e FuncionagramaAula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
Aula 4 - Organogramas, Fluxogramas e Funcionagrama
 
Fluxogramas
FluxogramasFluxogramas
Fluxogramas
 
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e TiposEstrutura Organizacional - Conceito e Tipos
Estrutura Organizacional - Conceito e Tipos
 

Semelhante a ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM

OMS UnB 01_2013 - Aula 12 - Mapeamento e Redesenho de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 12 - Mapeamento e Redesenho de ProcessosOMS UnB 01_2013 - Aula 12 - Mapeamento e Redesenho de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 12 - Mapeamento e Redesenho de Processos
Euller Barros
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - representação
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS  - representaçãoPROCESSOS ORGANIZACIONAIS  - representação
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - representação
RicardodeQueirozMach
 
Processos Organizacionais
Processos Organizacionais Processos Organizacionais
Processos Organizacionais
Pedro Luis Moraes
 
OMS UnB 02_2012 - Aula 08
OMS UnB 02_2012 - Aula 08OMS UnB 02_2012 - Aula 08
OMS UnB 02_2012 - Aula 08
Euller Barros
 
PLANO DE AULA 3 - SENAC - GESTÃO E NEGOCIOS - JAN 24.doc
PLANO DE AULA 3 - SENAC - GESTÃO E NEGOCIOS - JAN 24.docPLANO DE AULA 3 - SENAC - GESTÃO E NEGOCIOS - JAN 24.doc
PLANO DE AULA 3 - SENAC - GESTÃO E NEGOCIOS - JAN 24.doc
GivaldoBatistaMoroBo
 
Guia de mapeamento de processos
Guia de mapeamento de processosGuia de mapeamento de processos
Guia de mapeamento de processos
neliapires
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
Reinalvo Orecic
 
AULA-20-Gestão-de-Processos.pdf
AULA-20-Gestão-de-Processos.pdfAULA-20-Gestão-de-Processos.pdf
AULA-20-Gestão-de-Processos.pdf
Fabio Campos
 
Simulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das Filas
Simulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das FilasSimulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das Filas
Simulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das Filas
DIEGOALMEIDA195
 
rh direitos trabalhistas para o trabalhador
rh direitos trabalhistas para o trabalhadorrh direitos trabalhistas para o trabalhador
rh direitos trabalhistas para o trabalhador
jonasadm
 
Fluxograma seção 5
Fluxograma   seção 5Fluxograma   seção 5
Fluxograma seção 5
Alexandre Pereira
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
Faberson M.S.
 
GESTÃO DE PROCESSOS.pptx
GESTÃO DE PROCESSOS.pptxGESTÃO DE PROCESSOS.pptx
GESTÃO DE PROCESSOS.pptx
YuriCota2
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS e ADMINISTRATIVOS.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS e ADMINISTRATIVOS.pptPROCESSOS ORGANIZACIONAIS e ADMINISTRATIVOS.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS e ADMINISTRATIVOS.ppt
OzaiasCarvalho
 
Aula 1 automação de processos
Aula 1   automação de processosAula 1   automação de processos
Aula 1 automação de processos
Maurício Botelho
 
A02 Gestao por Processos (identicando e correlacionando processos)
A02   Gestao por Processos (identicando e correlacionando processos)A02   Gestao por Processos (identicando e correlacionando processos)
A02 Gestao por Processos (identicando e correlacionando processos)
Saulo Oliveira
 
Mapeamento e padronização de processos.pdf
Mapeamento e padronização de processos.pdfMapeamento e padronização de processos.pdf
Mapeamento e padronização de processos.pdf
AroldoMenezes1
 
Gestão processo BMP
Gestão processo BMPGestão processo BMP
Gestão processo BMP
Armando Ferreira Alvferreira
 
Aula 06 recursos humano
Aula 06 recursos humanoAula 06 recursos humano
Aula 06 recursos humano
Homero Alves de Lima
 
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de ProcessosOMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
Euller Barros
 

Semelhante a ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM (20)

OMS UnB 01_2013 - Aula 12 - Mapeamento e Redesenho de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 12 - Mapeamento e Redesenho de ProcessosOMS UnB 01_2013 - Aula 12 - Mapeamento e Redesenho de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 12 - Mapeamento e Redesenho de Processos
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - representação
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS  - representaçãoPROCESSOS ORGANIZACIONAIS  - representação
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - representação
 
Processos Organizacionais
Processos Organizacionais Processos Organizacionais
Processos Organizacionais
 
OMS UnB 02_2012 - Aula 08
OMS UnB 02_2012 - Aula 08OMS UnB 02_2012 - Aula 08
OMS UnB 02_2012 - Aula 08
 
PLANO DE AULA 3 - SENAC - GESTÃO E NEGOCIOS - JAN 24.doc
PLANO DE AULA 3 - SENAC - GESTÃO E NEGOCIOS - JAN 24.docPLANO DE AULA 3 - SENAC - GESTÃO E NEGOCIOS - JAN 24.doc
PLANO DE AULA 3 - SENAC - GESTÃO E NEGOCIOS - JAN 24.doc
 
Guia de mapeamento de processos
Guia de mapeamento de processosGuia de mapeamento de processos
Guia de mapeamento de processos
 
Gestao baseada processos
Gestao baseada processosGestao baseada processos
Gestao baseada processos
 
AULA-20-Gestão-de-Processos.pdf
AULA-20-Gestão-de-Processos.pdfAULA-20-Gestão-de-Processos.pdf
AULA-20-Gestão-de-Processos.pdf
 
Simulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das Filas
Simulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das FilasSimulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das Filas
Simulação Manual de Posto de Lavagem de Carros Teoria das Filas
 
rh direitos trabalhistas para o trabalhador
rh direitos trabalhistas para o trabalhadorrh direitos trabalhistas para o trabalhador
rh direitos trabalhistas para o trabalhador
 
Fluxograma seção 5
Fluxograma   seção 5Fluxograma   seção 5
Fluxograma seção 5
 
Mapeamento de Processos
Mapeamento de ProcessosMapeamento de Processos
Mapeamento de Processos
 
GESTÃO DE PROCESSOS.pptx
GESTÃO DE PROCESSOS.pptxGESTÃO DE PROCESSOS.pptx
GESTÃO DE PROCESSOS.pptx
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS e ADMINISTRATIVOS.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS e ADMINISTRATIVOS.pptPROCESSOS ORGANIZACIONAIS e ADMINISTRATIVOS.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS e ADMINISTRATIVOS.ppt
 
Aula 1 automação de processos
Aula 1   automação de processosAula 1   automação de processos
Aula 1 automação de processos
 
A02 Gestao por Processos (identicando e correlacionando processos)
A02   Gestao por Processos (identicando e correlacionando processos)A02   Gestao por Processos (identicando e correlacionando processos)
A02 Gestao por Processos (identicando e correlacionando processos)
 
Mapeamento e padronização de processos.pdf
Mapeamento e padronização de processos.pdfMapeamento e padronização de processos.pdf
Mapeamento e padronização de processos.pdf
 
Gestão processo BMP
Gestão processo BMPGestão processo BMP
Gestão processo BMP
 
Aula 06 recursos humano
Aula 06 recursos humanoAula 06 recursos humano
Aula 06 recursos humano
 
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de ProcessosOMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
OMS UnB 01_2013 - Aula 11 - Diagrama de Escopo e Interface de Processos
 

Mais de Cursos Profissionalizantes

Hiv o início
Hiv o inícioHiv o início
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova EconomiaAtendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Cursos Profissionalizantes
 
Curso de Administração Geral
Curso de Administração GeralCurso de Administração Geral
Curso de Administração Geral
Cursos Profissionalizantes
 
Marketing de Serviços
Marketing de ServiçosMarketing de Serviços
Marketing de Serviços
Cursos Profissionalizantes
 
Técnicas de Recrutamento
Técnicas de RecrutamentoTécnicas de Recrutamento
Técnicas de Recrutamento
Cursos Profissionalizantes
 
Administração Geral
Administração GeralAdministração Geral
Administração Geral
Cursos Profissionalizantes
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Marketing Pessoal
Cursos Profissionalizantes
 
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economiaAtendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Cursos Profissionalizantes
 
Então é natal
Então é natalEntão é natal
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Cursos Profissionalizantes
 
Elaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicosElaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicos
Cursos Profissionalizantes
 
Como escrever teses
Como escrever tesesComo escrever teses
Como escrever teses
Cursos Profissionalizantes
 
Como escrever dissertações
Como escrever dissertaçõesComo escrever dissertações
Como escrever dissertações
Cursos Profissionalizantes
 
Técnicas de negociação
Técnicas de negociaçãoTécnicas de negociação
Técnicas de negociação
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentaçãoComunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentação
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1
Cursos Profissionalizantes
 
Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2
Cursos Profissionalizantes
 
Aulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redaçãoAulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redação
Cursos Profissionalizantes
 
Apresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negóciosApresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negócios
Cursos Profissionalizantes
 
Marketing
MarketingMarketing

Mais de Cursos Profissionalizantes (20)

Hiv o início
Hiv o inícioHiv o início
Hiv o início
 
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova EconomiaAtendimento Ao Cliente Na Nova Economia
Atendimento Ao Cliente Na Nova Economia
 
Curso de Administração Geral
Curso de Administração GeralCurso de Administração Geral
Curso de Administração Geral
 
Marketing de Serviços
Marketing de ServiçosMarketing de Serviços
Marketing de Serviços
 
Técnicas de Recrutamento
Técnicas de RecrutamentoTécnicas de Recrutamento
Técnicas de Recrutamento
 
Administração Geral
Administração GeralAdministração Geral
Administração Geral
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Marketing Pessoal
 
Atendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economiaAtendimento ao Cliente na Nova economia
Atendimento ao Cliente na Nova economia
 
Então é natal
Então é natalEntão é natal
Então é natal
 
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
Trabalhos acadêmicos, o que são? como faze-los?
 
Elaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicosElaboração de projetos acadêmicos
Elaboração de projetos acadêmicos
 
Como escrever teses
Como escrever tesesComo escrever teses
Como escrever teses
 
Como escrever dissertações
Como escrever dissertaçõesComo escrever dissertações
Como escrever dissertações
 
Técnicas de negociação
Técnicas de negociaçãoTécnicas de negociação
Técnicas de negociação
 
Comunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentaçãoComunicação - Técnicas de apresentação
Comunicação - Técnicas de apresentação
 
Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1Comunicação empresarial parte 1
Comunicação empresarial parte 1
 
Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2Comunicação empresarial Parte 2
Comunicação empresarial Parte 2
 
Aulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redaçãoAulão de redação -Resumo de redação
Aulão de redação -Resumo de redação
 
Apresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negóciosApresentação de plano de negócios
Apresentação de plano de negócios
 
Marketing
MarketingMarketing
Marketing
 

Último

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 

Último (20)

Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 

ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM

  • 1. ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM FLUXOGRAMA MANUAL FORMULÁRIO DISTRIBUIÇÃO DO TRABALHO
  • 2. Fluxograma Definição São gráficos de processamento para trabalhos de análises administrativas Representam a técnica mais conhecida e mais utilizada no estudo de processos administrativos Podem ser chamados de gráficos de procedimento ou gráfico de processos De maneira geral apresenta o processo passo a passo, ação por ação.
  • 3. Fluxograma Objetivo Representar o fluxo ou a seqüência normal de qualquer trabalho, produto ou documento Identificar a utilidade de cada etapa do processo Verificar as vantagens em alterar a seqüência das operações Procurar adequar as operações (passos) às pessoas que as executam Identificar a necessidade de treinamento para o trabalho específico do processo
  • 4. Fluxograma Simbologia Inicio ou Fim Atividade ou ação Verificação ou decisão Conector Documento Linha do fluxo
  • 5. FLUXOGRAMA DO PROCESSO PRODUTIVO - EXEMPLO INICIO RECEBER O CLIENTE ATENDER SEUS PEDIDOS E CRIAR NOVOS IMPULSOS DE COMPRA PAGAMENTO PEDIDOS ATENDIDOS SIM EFETUAR VENDA COLHER DADOS E INDICADORES DE OUTROS CLIENTES PARA PROSPECÇÃO ENTRAR EM CONTATO COM FORNECEDORES/SOLICITAR PRODUTO. NÃO DINHEIRO/CARTÃO CREDIÁRIO CAIXA FIM
  • 6. Vantagens do Fluxograma Permitir verificar como funcionam os componente de um sistema Entendimento mais simples e objetivo Facilitar e localizar deficiências Aplicável a qualquer sistema Rápido e fácil entendimento de qualquer alteração nos sistemas
  • 7. Roteiro de Elaboração Comunicação Coleta de dados Fluxogramação Análise de Fluxograma Relatório de análise Apresentação do trabalho
  • 8. Tipos de Fluxograma Vertical e Horizontal Administrativo ou de Rotinas de Trabalho Fluxograma Global ou de Colunas Fluxograma Sintético Fluxograma de Blocos Fluxograma Esqueleto Fluxograma de Procedimentos Fluxograma de Documentos Fluxograma Integrado
  • 9. Recomendações Finais É importantíssimo determinar, o mais cedo possível, a técnica de fluxogramação a ser utilizada. Há fluxogramas que exigem diferentes tomadas de informações Eliminar passos é uma das alternativas na simplificação de processos. Não é a única, portanto. As demais criar são criar, alterar e combinar a seqüência de passos A observação pessoal é importante na sua elaboração Omitir o registro de um passo pode acarretar prejuízos
  • 10. Recomendações Finais Não esquecer o fato de que um processo não existe de forma compartimentada, isto é, haverá sempre reflexo em outros, fora do campo de estudo Vincular estudo de processo a um estudo de arranjo físico (Lay Out).Alterações em um processo podem alterar em termos físicos A elaboração de manuais de serviço ou procedimentos é uma decorrência natural da análise e estudo de processos A análise de processos constitui-se numa das mais modernas ferramentas de gestão, e por essa razão convém ao gerente internaliza-la em toda a sua plenitude, pois sua utilização é certa, qualquer que seja a abordagem que esteja sendo dada a um determinado estudo organizacional.
  • 11. Manualização DEFINIÇÃO É o conjunto de normas, instruções e documentos sobre políticas, diretrizes e sistemáticas operacionais, dentre outros. Por ser um veículo fundamental para o esclarecimento de dúvidas, o manual deve ser acessível, claro e atualizado. É o documento que aglutina informações sobre os aspectos ligados ao ambiente, à coordenação, e por via de conseqüência, a controles internos, ao treinamento e desenvolvimento de recursos humanos.
  • 12. Manualização DEFINIÇÃO Os manuais constituem-se numa importante fonte bibliográfica técnica constituindo-se em fonte de pesquisa. Também criam facilidades para trabalhos de re-organização.
  • 13. Manualização OBJETIVOS Resumir num único documento elaborado de forma sistemática e criteriosa, as informações que possibilitem a assimilação do todo organizacional de maneira compreensiva e integrada.
  • 14. Manualização TIPOS Manual de Organização : define estruturas, níveis hierárquicos. Manual de Operação : dá instruções e define rotinas e procedimentos de serviços. Manual de Formulários : exibe os formulários em uso na empresa, definindo o seu preenchimento, finalidade, área que o utiliza e especificações físicas. Manual de Normas : reúne leis, normas disciplinares, normas éticas e morais e normas de funcionamento.(Regimento Interno)
  • 15. Manualização PROPÓSITOS Define a estrutura hierárquica da empresa : organograma. Informa : os objetivos ou do departamento ou da divisão. Apresenta : os direitos e obrigações da empresa e dos empregados tanto em relação ao ambiente interno como externo(comunidade,pais, família etc...) Identifica : além das posições hierárquicas os cargos, funções, responsabilidades e autoridade, relações e inter-relações.
  • 16. Manualização PROPÓSITOS Subsidia: as análises da cultura e da história da empresa, apresentando fatos como base de consulta e apoio para que todas as demais informações de interesse geral e ou particular. Serve: como base de consulta e apoio e apoio para que todas as demais informações e outras formas de comunicação sigam padrões estabelecidos e estejam de conformidade com a filosofia empresarial e as diretrizes e ou políticas organizacionais. Referencia: a avaliação e o acompanhamento de todo o planejamento estabelecido para a empresa e seus funcionários, em nível estratégico, tático e operacional.
  • 17. Manualização CONCLUSÃO Os manuais organizacionais são os documentos que definem e contêm a estrutura organizacional indicando de maneira clara as fronteiras e os inter-relacionamentos dos órgãos e os limites de responsabilidade e autoridade dos empregados.
  • 18. Analise e Desenho de Formulário Indicadores da Análise e Desenho de Formulários Contínua dificuldade na compreensão e preenchimento. Formação de filas. Permanência de problemas após a racionalização do trabalho. Demoras na utilização. Esses constituem-se em alguns indicadores que apontam ao profissional de O&M o caminho para análise e desenho de formulários.
  • 19. Analise e Desenho de Formulário OBJETIVOS Corrigir falhas. Prover a organização de uma forma de transmissão, assimilação e armazenamento de informações. Facilitar o fluxo de informações na organização, com o mínimo custo e provendo os melhores resultados. Uniformizar procedimentos. Centralizar controles, evitando dispersões e dispêndio desnecessário de tempo. Promover a criação e desenvolvimento de formulários dando-lhe o papel de agente integrador. Fixar padrões uniformes para projetos e especificações físicas de formulários. Harmonizar o seu uso junto aos demais componentes que colocam a organização em movimento. Compatibilizar sua ação com a expectativa demonstrada pelo pessoal em termos de seu preenchimento e manipulação.
  • 20. Analise e Desenho de Formulário ESTRATÉGIAS ESTRATÉGIA A SER ACIONADA É COMPOSTA DE UM CONJUNTO DE FASES OU ETAPAS. O profissional deve buscar informações através do uso de um questionário numa fase preliminar. Que lhe servirá de subsídio para todo o estudo do formulário. O questionário deverá conter: Questões abrangentes, que são aquelas que versam sobre os formulários, todos, da organização. Questões específicas, que são aquelas a serem aplicadas ao formulário em estudo e portanto, válida apenas para o formulário em si. Questões integrativas, que são aquelas que abordam o formulário em estudo e as relações que mantém com outros formulários e demais aspectos da organização.
  • 21. Analise e Desenho de Formulário ETAPAS Inventário dos formulários existentes, classificação e codificação. Levantamento do fluxo de trabalho e da presença de informações. Estudo da viabilidade do aproveitamento dos formulários existentes ou sua adaptação. Criação de novos formulários. Teste dos formulários. OBS: Temos, então, um conjunto de etapas que vai orientar o profissional de O&M no estudo dos formulários. É recomendável que o profissional detenha algum conhecimento técnico de elaboração.
  • 22. Analise da Distribuição do Trabalho Etapas da análise da distribuição do trabalho Identificação das tarefas individuais; Agrupar as tarefas semelhantes em atividades ou serviços; Montagem do quadro de distribuição do trabalho; Analise de distribuição do trabalho Observação: Geralmente a análise é efetuada com base em quatro blocos: tempo, capacidade profissional, equilíbrio no volume de trabalho e possibilidades preliminares de mudança
  • 23. Analise da Distribuição do Trabalho TEMPO a) é compatível com o funcionamento global da unidade; b) o tempo justifica o resultado final da atividade ou serviço, não há relação entre tempo e importância de uma atividade ou serviço; c) é possível juntar dois serviços num só ou, então, criar dois serviços onde existe apenas um; d) convém imaginar a hipótese de eliminação ou criação de serviços; e) frações organizacionais atuam de forma sistêmica, agindo e interagindo em outras unidades de igual, maior ou menor posicionamento na escola hierárquica; f)é fundamental tentar vincular a tarefa ao serviço ou atividade e ao cargo, isto a pessoa que executa a tarefa. Tudo isso em termos do tempo despendido.
  • 24. Analise da Distribuição do Trabalho Indicadores de Problemas na Distribuição do Trabalho O gerente deve estar sempre atento para poder perceber as falhas no sistema, elas podem se manifestar internamente e também externamente. Alguns tipos de falhas internas podem ocasionar falhas externas, como pôr exemplo a formação de filas. Outras falhas podem ser percebidas quando não são observadas datas, pôr exemplo a data de entrega de um relatório. Existe também e pode ser considerada como indicador, a falta de interação social entre indivíduos de um mesmo grupo de trabalho.
  • 25. Analise da Distribuição do Trabalho OBJETIVOS Podemos dizer que os objetivos são mais abrangentes, dando assim maiores possibilidades de estudo. Um dos objetivos seria o de possibilitar um diagnose na qual se verifica a qualidade do trabalho, seu rendimento, sua eficiência, eficácia e produtividade em relação aos investimentos feitos. Outro objetivo é o de minimizar tensões internas, tensões motivadas, inclusive, pôr atritos relacionados a aspectos exclusivamente funcionais. Exemplos de insatisfação com a gerencia e colegas em geral são vários e justificam, muitas vezes, uma ação objetiva para tratar de assuntos subjetivos, como as reações individuais de descontentamento.
  • 26. Analise da Distribuição do Trabalho CAPACIDADE PROFISSIONAL Há consonância entre habilidades individuais, formação técnica e as tarefas desenvolvidas pêlos funcionários, inclusive superiores e chefes. Essa dissonância deve ser medida, pois, geralmente atua de forma negativa. Pelo fato de esse ou aquele deter conhecimento superior a média do que é exigido, há algum desvio no uso da autoridade hierárquica interna. Essa situação pode levar a alguns extremos agradáveis e desagradáveis. É preciso ter cuidado na detecção desse desvio hierárquico. Há prejuízos em função da baixa capacitação profissional de um ou mais funcionários. É preciso estabelecer os motivos, tarefa essa que cabe ao gerente.
  • 27. Analise da Distribuição do Trabalho QUILIBRIO NO VOLUME DE TRABALHO Há funcionários com carga e trabalho superior aos demais? Analisar se essa carga se deve à ineficiência, se o funcionário sente-se bem dessa maneira ou outras razões. A entrada de informações causa estrangulamentos? E a saída é feita de maneira correta? É preciso indagar-se se a entrada de dados se processa normalmente o mesmo acontecendo com as saídas. Há funcionários com carga de trabalho inferior aos demais? É possível que um funcionário tenha sua carga reduzida em função de alguns acontecimentos. A existência de picos pode ser considerada normal? É normal, principalmente em empresas que cumprem parte de suas obrigações dentro de um espaço de tempo limitado.
  • 28. Analise da Distribuição do Trabalho TÉCNICAS A técnica indicada para análise de distribuição do trabalho é a do Quadro de Distribuição do Trabalho(QDT). Sua elaboração e digitação são simples, pois as fases anteriores do estudo atuam como preparadoras para a montagem do quadro. Forma para composição do quadro: Tradicional - mais freqüentemente encontrada nas obras que tratam do assunto. Tecnológica - Usada quando há a necessidade da não liberação das informações que apontem falhas individuais. Nesta não há atribuição de tempo. A vantagem desta forma está no fato de reduzir a possibilidade de haver conflitos internos. Custo em valores mês/semana/dia - A base de cálculo é o salário mais encargos pagos a cada funcionário.
  • 29. Analise da Distribuição do Trabalho POSSIBILIDADES PRELIMINARES DE SIMPLIFICAÇÃO Na análise da distribuição do trabalho é muito importante a abertura da unidade para a organização, isto é, dar ao estudo a característica sistêmica. As relações funcionais interpessoais da chefia podem gerar ações e reações que acabam pôr influenciar o trabalho propriamente dito. Pode-se dizer que a importância do gerente ser possuidor de conhecimento que o credencie a desenvolver mais de uma técnica de abordagem aos problemas e demandas de frações organizacionais é muito importante.
  • 30. Analise da Distribuição do Trabalho RECOMENDAÇÕES FINAIS Evitar de dar ao levantamento das tarefas o caráter de precisão, isto não questionar sobre u numero exato de horas e minutos dedicados ao trabalho; O fato de cada funcionário conduzir seu trabalho da forma que acha mais interessante não deve ser encarado como um impedimento ao sucesso do trabalho; O QDT, pôr ser aplicado em unidades de cada gerência, exigirá do profissional um conhecimento razoável sobre os usos e costumes das unidades; A inexistência de descrição de cargos, subsídio excelente para o trabalho de racionalização, não é uma necessidade imperiosa para a realização do estudo; O QDT não tem necessariamente ser desenvolvido da forma como apresentado.