SlideShare uma empresa Scribd logo
Fluxograma & Layout

  Mapeamento de processos
             &
  Configuração de instalação
Fluxograma: o que é?

 Representação gráfica da seqüência de atividades de um
  processo.

 Além da seqüência das atividades, o fluxograma mostra o que
  é realizado em cada etapa, os materiais ou serviços que
  entram e saem do processo, as decisões que devem ser
  tomadas e as pessoas envolvidas (cadeia cliente/fornecedor).
Quais as utilidades do Fluxograma?

  O fluxograma torna mais fácil a análise de um processo,
  através da identificação:

 das entradas e de seus fornecedores;
 das saídas e de seus clientes;
 de pontos críticos do processo.
Auxilia a...

 Entender um processo e identificar oportunidades de
  melhoria (situação atual).
 Desenhar um novo processo, já incorporando as melhorias
  (situação desejada).
 Facilitara comunicação entre as pessoas envolvidas no mesmo
  processo.
 Disseminar informações sobre o processo.
Símbolos
O fluxograma utiliza um conjunto de símbolos para
representar as etapas do processo, as pessoas ou os setores
envolvidos, a seqüência das operações e a circulação dos
dados e dos documentos. Os símbolos mais comumente
utilizados são os seguintes:
Símbolos

Símbolo que indica início ou fim



                     Símbolo que indica operação, indica
                    uma etapa do processo. A etapa e quem
                    a executa são registrados no interior do
                    retângulo.
Símbolos
Decisão: Indica o ponto em que a decisão deve ser tomada.
A questão é escrita dentro do losango, duas setas, saindo do
losango mostram a direção do processo em função da
resposta (geralmente as respostas são SIM e NÃO).




                    Sentido do fluxo: Indica o sentido e a
                    Limites: Indica o início e o fim do
                    processo (seqüenciando momentos).
Como usar esta ferramenta?
 Defina o processo a ser desenhado. Escolha um processo que crie o produto ou o serviço
    mais importante, do ponto de vista do cliente. (DEFINIÇÃO DO PROCESSO, O
    QUE ELE É?)
   Elabore um macro fluxo do processo, identificando os seus grandes blocos de atividades.
    (DA FORMA AMPLA PRA MAIS ESPECÍFICA, IDENTIFICANDO QUAIS
    MOMENTOS SÃO OS MAIS IMPORTANTES)
    Monte, para a elaboração do fluxograma, um grupo, composto pelas pessoas envolvidas
    nas atividades do processo. Detalhe as etapas do processo e descreva as atividades e os
    produtos ou os serviços que compõem cada uma delas. (EXPLICAÇÃO DO
    PROCESSO ANTES DA EXECUÇÃO)
   Identifique os responsáveis pela realização de cada atividade identificada. (DEFINIÇÃO
    DOS ENCARREGADOS)
   Cheque se o fluxograma desenhado corresponde à forma como o processo é executado e
    faça correções, se necessário. (AVALIAÇÃO PARA FINS DE FEEDBACK)
INÍCIO                            Fluxograma:
                             Processo de atendimento no
     CLIENTE
Entra no restaurante                restaurante X
 e pede uma mesa


                             RECEPCIONISTA
       Mesa            Não                            CLIENTE
                             Entrega a senha e
    disponível?                                     Aguarda a mesa
                             encaminha ao bar
          Sim
     CLIENTE                 RECEPCIONISTA         RECEPCIONISTA
Analisa o cardápio e         Encaminha o cliente        Mesa é
   faz o pedido                   a mesa            disponibilizada


    MAITRE
    Registra e
encaminha o pedido
Layout: o que é?

“Layout é o posicionamento no espaço de
departamentos ou postos de trabalho, de modo a
minimizar um custo, satisfazendo um conjunto de
restrições”

O LAYOUT (ou arranjo físico) é um componente
importante na organização empresarial, permitindo que os
recursos materiais (equipamentos) e recursos humanos
(funcionários) sejam distribuídos de forma eficiente, criando
um ambiente favorável à maior produtividade.
Quais são as utilidades de um Layout
       bem planejado?
   Minimizar custos de manuseamento dos materiais.
   Utilização eficiente do espaço
   Utilização eficiente da mão-de-obra
   Eliminar o congestionamento
   Facilitar/aumentar a entrada, saída e colocação dos materiais, produtos ou pessoas
   Promover a qualidade de serviço e produto
   Providenciar um controlo visual das operações ou actividades
   Providenciar flexibilidade para a adaptação a mudanças
   Facilitar a comunicação e a interacção entre os trabalhadores, entre os trabalhadores e os
    seus supervisores, ou entre os trabalhadores e os clientes.
   Reduzir os tempos de produção e de entrega ao cliente.
   Eliminar desperdícios ou movimentações redundantes.
   Incorporar medidas de segurança.
   Encorajar actividades de manutenção adequadas
Fluxograma & Layout
Que tipos de Layout podemos
encontrar?

 Funcional ou de "processo"


 Linear ou "por produto"


 Posicional ou "fixo" 


 Celular 


 Flexível ou "por cliente"
Layout Funcional
 É mais utilizado por pequenas empresas, algumas industriais,
  estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços. Como se
  passa por processo, o arranjo é feito alienando um conjunto de
  máquinas e produtos de mesma função a um conjunto de materiais e
  serviços de mesma função.
 Por exemplo, um banco utiliza esse arranjo físico onde, os caixas
  eletrônicos são postos organizadamente com mesma função, e as
  pessoas levam seus “materiais” (cartão, dinheiro, cheque, contas,
  documentos) e obtém seu “produto” (dinheiro se for o caso,
  empréstimo, boletos).
 O Arranjo não é padronizado e adjacente como o layout linear e nem
  posicionado fixamente como o layout posicional. Há também outros
  estabelecimentos como Hospitais, supermercados, armazéns, e etc.,
  que utilizam predominantemente esse tipo de layout.
Fluxograma & Layout
Layout Linear
 É o arranjo físico que podemos identificar em fábricas da época
  antiga de produção, onde as máquinas são fixas em lugares
  estratégicos enquanto os materiais para a produção circulam pelas
  máquinas, ponto a ponto, até o produto final. É uma operação
  seguindo a outra.
 Para ter uma noção física, basta lembrar-se do filme “Tempos
  Modernos”. É bem evidenciado esse tipo de arranjo físico, só que
  com um contingente manual maior do que hoje, já que as
  máquinas não eram tão modernas.
 Não conseguiam substituir a mão de obra humana por completa.
  Se algo parasse, uma parte da produção parasse, todo o resto é
  comprometido. Por isso, o custo é alto para esse tipo de layout.
Fluxograma & Layout
Layout Posicional
 É um layout mais “complicado”, já que o material é fixo e os
  equipamentos, máquinas e pessoas é que se movimentam em sua
  volta para obtenção do produto final.
 É comumente visto em Empresas de Construção Civil e
  Mineradoras, por exemplo, onde o material de construção (no
  caso das construtoras) é de difícil movimentação, e por isso são
  alocados quase que fixamente, para que equipamentos, máquinas
  e operadores manuseiem e formem o produto, no caso edificações
  e construções. Enquanto que em mineradoras, os minerais são os
  materiais fixos manuseados por máquinas para a criação de
  diversos produtos, e por isso o arranjo físico depende muito da
  posição desses materiais, para tornar favorável a produção.
 Pode também ser um layout “misto”, com a junção de outras
  partes de outros layouts.
Fluxograma & Layout
Layout Celular
 Os recursos transformados, entrando na operação, são pré-
  selecionados (ou pré-selecionam a si próprios) para movimentarem-
  se para uma parte específica da operação (ou célula), na qual todos os
  recursos transformadores necessários a atender a suas necessidades
  imediatas de processamento se encontram.

 Célula: dois ou mais postos de trabalho distintos localizados
  proximamente, nos quais um número limitado de peças ou modelos
  é processado utilizando fluxos lineares. Pode ser arranjada como um
  arranjo físico por processo ou por produto.
Fluxograma & Layout
Fluxograma & Layout
Layout Flexível
 Neste caso, a linha de produção é rearranjada rapidamente, de
  acordo com os produtos e as quantidades produzidas;

 Os equipamentos possuem recursos de movimentação ou
  adaptação para serem rearranjados;

 A área física possui facilidades para o rearranjo
A       B   C   P1
B       D   B   P2


    A   B   C
        B
B           D   P3
Dinâmica do Layout: Sala de Aula!

Qual seria o produto em questão?

Na produtividade, o que facilita...
 na circulação?


 na atenção dos alunos?


Qual o tipo de layout?
Dinâmica do Fluxograma:
          Aula de Contabilidade!
    INÍCIO                  Está com            Não
                                                            Se
  Final da aula de          vontade                      garante
     economia              de assistir?                 na prova?

                                                             Sim
                     Sim                  Não


ASSISTIR AULA                        Não                  SE
Ir até a sala 203                                      GARANTE
                                                        MESMO?


                                                             Sim

                                                      Ir pra casa
                                                      Sair do CEFET
FIM!!!
Referências:

 http://www.ivnet.com.br/educacional/osm/fluxogramas.pdf
 http://www.oficinadanet.com.br/artigo/desenvolvimento/como_faze
     http://pt.wikipedia.org/wiki/Fluxograma
   http://www.slideshare.net/jcarlosnetto/adm-producao
   www.uff.br/sta/textos/ar022.pdf
   http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/disciplinas/385_layout_proc
   http://pt.wikipedia.org/wiki/Configura%C3%A7%C3%A3o_de_inst

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
Caio Roberto de Souza Filho
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)
Maritta Barbosa
 
Layout de estoque
Layout de estoqueLayout de estoque
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
Geovana Pires Lima
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
Raylson Rabelo
 
Apresentação sobre Logística
Apresentação sobre LogísticaApresentação sobre Logística
Apresentação sobre Logística
Isabella Menezes
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Pricila Yessayan
 
História da Logística
História da LogísticaHistória da Logística
História da Logística
Robson Costa
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
Nyedson Barbosa
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
Celso Alfaia Barbosa
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Benjamim Garcia Netto
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
Homero Alves de Lima
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
Moises Ribeiro
 
Operação em supermercados
Operação em supermercadosOperação em supermercados
Operação em supermercados
Bruno Crescente
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
Gilberto Freitas
 
Aula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoqueAula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoque
RicardoSilva562385
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
Hélio Diniz
 
Arranjo Físico e Fluxos em Operações
Arranjo Físico e Fluxos em OperaçõesArranjo Físico e Fluxos em Operações
Arranjo Físico e Fluxos em Operações
Milton Henrique do Couto Neto
 
Organização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de TrabalhoOrganização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de Trabalho
Grupo E. Fabris
 
Aula FUNDAMENTOS DA LOGISTICA
Aula FUNDAMENTOS DA LOGISTICAAula FUNDAMENTOS DA LOGISTICA
Aula FUNDAMENTOS DA LOGISTICA
Silva Jorge R Gonçalves
 

Mais procurados (20)

1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)1   slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
1 slides - diagrama de causa e efeito (ishikawa)
 
Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)Arranjo físico (layout)
Arranjo físico (layout)
 
Layout de estoque
Layout de estoqueLayout de estoque
Layout de estoque
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
Arranjo físico layout
Arranjo físico   layoutArranjo físico   layout
Arranjo físico layout
 
Apresentação sobre Logística
Apresentação sobre LogísticaApresentação sobre Logística
Apresentação sobre Logística
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
História da Logística
História da LogísticaHistória da Logística
História da Logística
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
 
Gestão de Pessoas
 Gestão de Pessoas Gestão de Pessoas
Gestão de Pessoas
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
 
03 aula armazenagem
03 aula armazenagem03 aula armazenagem
03 aula armazenagem
 
Aula de controle de estoques
Aula de controle de estoquesAula de controle de estoques
Aula de controle de estoques
 
Operação em supermercados
Operação em supermercadosOperação em supermercados
Operação em supermercados
 
Logística e distribuição
Logística e distribuiçãoLogística e distribuição
Logística e distribuição
 
Aula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoqueAula21082020 ferramentas de estoque
Aula21082020 ferramentas de estoque
 
Sistemas de producao
Sistemas de producaoSistemas de producao
Sistemas de producao
 
Arranjo Físico e Fluxos em Operações
Arranjo Físico e Fluxos em OperaçõesArranjo Físico e Fluxos em Operações
Arranjo Físico e Fluxos em Operações
 
Organização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de TrabalhoOrganização da Rotina de Trabalho
Organização da Rotina de Trabalho
 
Aula FUNDAMENTOS DA LOGISTICA
Aula FUNDAMENTOS DA LOGISTICAAula FUNDAMENTOS DA LOGISTICA
Aula FUNDAMENTOS DA LOGISTICA
 

Destaque

Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bimApostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Limafabiana
 
Fluxograma de processo Professor Danilo Pires
Fluxograma de processo  Professor Danilo PiresFluxograma de processo  Professor Danilo Pires
Fluxograma de processo Professor Danilo Pires
Danilo Pires
 
SIPOC
SIPOCSIPOC
Ferramentas da Qualidade - Fluxograma
Ferramentas da Qualidade - FluxogramaFerramentas da Qualidade - Fluxograma
Ferramentas da Qualidade - Fluxograma
cajuela
 
Fluxogramas
FluxogramasFluxogramas
SIPOC
SIPOCSIPOC
Aula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - FluxogramaAula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - Fluxograma
Caio Roberto de Souza Filho
 
Fluxograma e organograma
Fluxograma e organogramaFluxograma e organograma
Fluxograma e organograma
igorcmg
 
Empresa hotel2
Empresa hotel2Empresa hotel2
Empresa hotel2
Carlos Serra
 

Destaque (9)

Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bimApostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
Apostila introdução a tecnologia têxtil 0314 1o bim
 
Fluxograma de processo Professor Danilo Pires
Fluxograma de processo  Professor Danilo PiresFluxograma de processo  Professor Danilo Pires
Fluxograma de processo Professor Danilo Pires
 
SIPOC
SIPOCSIPOC
SIPOC
 
Ferramentas da Qualidade - Fluxograma
Ferramentas da Qualidade - FluxogramaFerramentas da Qualidade - Fluxograma
Ferramentas da Qualidade - Fluxograma
 
Fluxogramas
FluxogramasFluxogramas
Fluxogramas
 
SIPOC
SIPOCSIPOC
SIPOC
 
Aula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - FluxogramaAula Qualidade - Fluxograma
Aula Qualidade - Fluxograma
 
Fluxograma e organograma
Fluxograma e organogramaFluxograma e organograma
Fluxograma e organograma
 
Empresa hotel2
Empresa hotel2Empresa hotel2
Empresa hotel2
 

Semelhante a Fluxograma & Layout

1 - QUALIDADE-1-Apresentação do Senai.pptx
1 - QUALIDADE-1-Apresentação do Senai.pptx1 - QUALIDADE-1-Apresentação do Senai.pptx
1 - QUALIDADE-1-Apresentação do Senai.pptx
DiegoGonalves503320
 
Value Stream Map - Mapa do Fluxo de Valor
Value Stream Map - Mapa do Fluxo de ValorValue Stream Map - Mapa do Fluxo de Valor
Value Stream Map - Mapa do Fluxo de Valor
Paul John Vicente
 
Aula04
Aula04Aula04
Mapeamento SIPOC
Mapeamento SIPOCMapeamento SIPOC
Mapeamento SIPOC
CLT Valuebased Services
 
OMS UnB 02_2012 - Aula 07
OMS UnB 02_2012 - Aula 07OMS UnB 02_2012 - Aula 07
OMS UnB 02_2012 - Aula 07
Euller Barros
 
Artigo Obeya e Kamishibai
Artigo Obeya e KamishibaiArtigo Obeya e Kamishibai
Artigo Obeya e Kamishibai
CLT Valuebased Services
 
Logistica_administracao_financeiro_Gestão_de_Processos.ppt
Logistica_administracao_financeiro_Gestão_de_Processos.pptLogistica_administracao_financeiro_Gestão_de_Processos.ppt
Logistica_administracao_financeiro_Gestão_de_Processos.ppt
JackJanis3
 
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de NegóciosResumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
CompanyWeb
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Webaula 48 como evoluir sua equipe usando kanban
Webaula 48   como evoluir sua equipe usando kanbanWebaula 48   como evoluir sua equipe usando kanban
Webaula 48 como evoluir sua equipe usando kanban
Projetos e TI
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.pptPROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
Glegson souza
 
Aula engmet - parte 2
Aula   engmet - parte 2Aula   engmet - parte 2
Aula engmet - parte 2
engmetodos
 
Workflow - Porque possuir um fluxo de trabalho organizado - Deskfy
Workflow - Porque possuir um fluxo de trabalho organizado - DeskfyWorkflow - Porque possuir um fluxo de trabalho organizado - Deskfy
Workflow - Porque possuir um fluxo de trabalho organizado - Deskfy
Deskfy
 
Quando definir um processo ou iniciar um projeto? Conceitos BPMN
Quando definir um processo ou iniciar um projeto? Conceitos BPMNQuando definir um processo ou iniciar um projeto? Conceitos BPMN
Quando definir um processo ou iniciar um projeto? Conceitos BPMN
SuperClient Solutions
 
Gestao de processos
Gestao de processosGestao de processos
Gestao de processos
Gilson Souza
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - representação
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS  - representaçãoPROCESSOS ORGANIZACIONAIS  - representação
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - representação
RicardodeQueirozMach
 
Aula 03 - Qualidade
Aula 03 - QualidadeAula 03 - Qualidade
Aula 03 - Qualidade
André Guerin
 
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicasGuia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
FranciscoSAlmeida
 
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSMORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
Cursos Profissionalizantes
 
Processos Organizacionais
Processos Organizacionais Processos Organizacionais
Processos Organizacionais
Pedro Luis Moraes
 

Semelhante a Fluxograma & Layout (20)

1 - QUALIDADE-1-Apresentação do Senai.pptx
1 - QUALIDADE-1-Apresentação do Senai.pptx1 - QUALIDADE-1-Apresentação do Senai.pptx
1 - QUALIDADE-1-Apresentação do Senai.pptx
 
Value Stream Map - Mapa do Fluxo de Valor
Value Stream Map - Mapa do Fluxo de ValorValue Stream Map - Mapa do Fluxo de Valor
Value Stream Map - Mapa do Fluxo de Valor
 
Aula04
Aula04Aula04
Aula04
 
Mapeamento SIPOC
Mapeamento SIPOCMapeamento SIPOC
Mapeamento SIPOC
 
OMS UnB 02_2012 - Aula 07
OMS UnB 02_2012 - Aula 07OMS UnB 02_2012 - Aula 07
OMS UnB 02_2012 - Aula 07
 
Artigo Obeya e Kamishibai
Artigo Obeya e KamishibaiArtigo Obeya e Kamishibai
Artigo Obeya e Kamishibai
 
Logistica_administracao_financeiro_Gestão_de_Processos.ppt
Logistica_administracao_financeiro_Gestão_de_Processos.pptLogistica_administracao_financeiro_Gestão_de_Processos.ppt
Logistica_administracao_financeiro_Gestão_de_Processos.ppt
 
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de NegóciosResumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
Resumo para Modelagem/Mapeamento de Processos de Negócios
 
Adm Producao
Adm ProducaoAdm Producao
Adm Producao
 
Webaula 48 como evoluir sua equipe usando kanban
Webaula 48   como evoluir sua equipe usando kanbanWebaula 48   como evoluir sua equipe usando kanban
Webaula 48 como evoluir sua equipe usando kanban
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.pptPROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - SENAC - TÉC - LOGÍSTICA.ppt
 
Aula engmet - parte 2
Aula   engmet - parte 2Aula   engmet - parte 2
Aula engmet - parte 2
 
Workflow - Porque possuir um fluxo de trabalho organizado - Deskfy
Workflow - Porque possuir um fluxo de trabalho organizado - DeskfyWorkflow - Porque possuir um fluxo de trabalho organizado - Deskfy
Workflow - Porque possuir um fluxo de trabalho organizado - Deskfy
 
Quando definir um processo ou iniciar um projeto? Conceitos BPMN
Quando definir um processo ou iniciar um projeto? Conceitos BPMNQuando definir um processo ou iniciar um projeto? Conceitos BPMN
Quando definir um processo ou iniciar um projeto? Conceitos BPMN
 
Gestao de processos
Gestao de processosGestao de processos
Gestao de processos
 
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - representação
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS  - representaçãoPROCESSOS ORGANIZACIONAIS  - representação
PROCESSOS ORGANIZACIONAIS - representação
 
Aula 03 - Qualidade
Aula 03 - QualidadeAula 03 - Qualidade
Aula 03 - Qualidade
 
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicasGuia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
Guia para o mapeamento de processos: definição, instruções e dicas
 
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSMORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
 
Processos Organizacionais
Processos Organizacionais Processos Organizacionais
Processos Organizacionais
 

Mais de Marden Rodrigues

Estudo de Caso - Fusão Sadia e Perdigão
Estudo de Caso - Fusão Sadia e PerdigãoEstudo de Caso - Fusão Sadia e Perdigão
Estudo de Caso - Fusão Sadia e Perdigão
Marden Rodrigues
 
Educação Financeira para Jovens
Educação Financeira para JovensEducação Financeira para Jovens
Educação Financeira para Jovens
Marden Rodrigues
 
Estatística Descritiva
Estatística DescritivaEstatística Descritiva
Estatística Descritiva
Marden Rodrigues
 
Planejamento e Controle
Planejamento e ControlePlanejamento e Controle
Planejamento e Controle
Marden Rodrigues
 
Maioridade Penal
Maioridade PenalMaioridade Penal
Maioridade Penal
Marden Rodrigues
 
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano RamosVidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Marden Rodrigues
 
ECONOMIA: presidência brasileira 1995-2002
ECONOMIA: presidência brasileira 1995-2002ECONOMIA: presidência brasileira 1995-2002
ECONOMIA: presidência brasileira 1995-2002
Marden Rodrigues
 

Mais de Marden Rodrigues (7)

Estudo de Caso - Fusão Sadia e Perdigão
Estudo de Caso - Fusão Sadia e PerdigãoEstudo de Caso - Fusão Sadia e Perdigão
Estudo de Caso - Fusão Sadia e Perdigão
 
Educação Financeira para Jovens
Educação Financeira para JovensEducação Financeira para Jovens
Educação Financeira para Jovens
 
Estatística Descritiva
Estatística DescritivaEstatística Descritiva
Estatística Descritiva
 
Planejamento e Controle
Planejamento e ControlePlanejamento e Controle
Planejamento e Controle
 
Maioridade Penal
Maioridade PenalMaioridade Penal
Maioridade Penal
 
Vidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano RamosVidas Secas - Graciliano Ramos
Vidas Secas - Graciliano Ramos
 
ECONOMIA: presidência brasileira 1995-2002
ECONOMIA: presidência brasileira 1995-2002ECONOMIA: presidência brasileira 1995-2002
ECONOMIA: presidência brasileira 1995-2002
 

Fluxograma & Layout

  • 1. Fluxograma & Layout Mapeamento de processos & Configuração de instalação
  • 2. Fluxograma: o que é?  Representação gráfica da seqüência de atividades de um processo.  Além da seqüência das atividades, o fluxograma mostra o que é realizado em cada etapa, os materiais ou serviços que entram e saem do processo, as decisões que devem ser tomadas e as pessoas envolvidas (cadeia cliente/fornecedor).
  • 3. Quais as utilidades do Fluxograma? O fluxograma torna mais fácil a análise de um processo, através da identificação:  das entradas e de seus fornecedores;  das saídas e de seus clientes;  de pontos críticos do processo.
  • 4. Auxilia a...  Entender um processo e identificar oportunidades de melhoria (situação atual).  Desenhar um novo processo, já incorporando as melhorias (situação desejada).  Facilitara comunicação entre as pessoas envolvidas no mesmo processo.  Disseminar informações sobre o processo.
  • 5. Símbolos O fluxograma utiliza um conjunto de símbolos para representar as etapas do processo, as pessoas ou os setores envolvidos, a seqüência das operações e a circulação dos dados e dos documentos. Os símbolos mais comumente utilizados são os seguintes:
  • 6. Símbolos Símbolo que indica início ou fim Símbolo que indica operação, indica uma etapa do processo. A etapa e quem a executa são registrados no interior do retângulo.
  • 7. Símbolos Decisão: Indica o ponto em que a decisão deve ser tomada. A questão é escrita dentro do losango, duas setas, saindo do losango mostram a direção do processo em função da resposta (geralmente as respostas são SIM e NÃO). Sentido do fluxo: Indica o sentido e a Limites: Indica o início e o fim do processo (seqüenciando momentos).
  • 8. Como usar esta ferramenta?  Defina o processo a ser desenhado. Escolha um processo que crie o produto ou o serviço mais importante, do ponto de vista do cliente. (DEFINIÇÃO DO PROCESSO, O QUE ELE É?)  Elabore um macro fluxo do processo, identificando os seus grandes blocos de atividades. (DA FORMA AMPLA PRA MAIS ESPECÍFICA, IDENTIFICANDO QUAIS MOMENTOS SÃO OS MAIS IMPORTANTES)  Monte, para a elaboração do fluxograma, um grupo, composto pelas pessoas envolvidas nas atividades do processo. Detalhe as etapas do processo e descreva as atividades e os produtos ou os serviços que compõem cada uma delas. (EXPLICAÇÃO DO PROCESSO ANTES DA EXECUÇÃO)  Identifique os responsáveis pela realização de cada atividade identificada. (DEFINIÇÃO DOS ENCARREGADOS)  Cheque se o fluxograma desenhado corresponde à forma como o processo é executado e faça correções, se necessário. (AVALIAÇÃO PARA FINS DE FEEDBACK)
  • 9. INÍCIO Fluxograma: Processo de atendimento no CLIENTE Entra no restaurante restaurante X e pede uma mesa RECEPCIONISTA Mesa Não CLIENTE Entrega a senha e disponível? Aguarda a mesa encaminha ao bar Sim CLIENTE RECEPCIONISTA RECEPCIONISTA Analisa o cardápio e Encaminha o cliente Mesa é faz o pedido a mesa disponibilizada MAITRE Registra e encaminha o pedido
  • 10. Layout: o que é? “Layout é o posicionamento no espaço de departamentos ou postos de trabalho, de modo a minimizar um custo, satisfazendo um conjunto de restrições” O LAYOUT (ou arranjo físico) é um componente importante na organização empresarial, permitindo que os recursos materiais (equipamentos) e recursos humanos (funcionários) sejam distribuídos de forma eficiente, criando um ambiente favorável à maior produtividade.
  • 11. Quais são as utilidades de um Layout bem planejado?  Minimizar custos de manuseamento dos materiais.  Utilização eficiente do espaço  Utilização eficiente da mão-de-obra  Eliminar o congestionamento  Facilitar/aumentar a entrada, saída e colocação dos materiais, produtos ou pessoas  Promover a qualidade de serviço e produto  Providenciar um controlo visual das operações ou actividades  Providenciar flexibilidade para a adaptação a mudanças  Facilitar a comunicação e a interacção entre os trabalhadores, entre os trabalhadores e os seus supervisores, ou entre os trabalhadores e os clientes.  Reduzir os tempos de produção e de entrega ao cliente.  Eliminar desperdícios ou movimentações redundantes.  Incorporar medidas de segurança.  Encorajar actividades de manutenção adequadas
  • 13. Que tipos de Layout podemos encontrar?  Funcional ou de "processo"  Linear ou "por produto"  Posicional ou "fixo"   Celular   Flexível ou "por cliente"
  • 14. Layout Funcional  É mais utilizado por pequenas empresas, algumas industriais, estabelecimentos comerciais e prestadores de serviços. Como se passa por processo, o arranjo é feito alienando um conjunto de máquinas e produtos de mesma função a um conjunto de materiais e serviços de mesma função.  Por exemplo, um banco utiliza esse arranjo físico onde, os caixas eletrônicos são postos organizadamente com mesma função, e as pessoas levam seus “materiais” (cartão, dinheiro, cheque, contas, documentos) e obtém seu “produto” (dinheiro se for o caso, empréstimo, boletos).  O Arranjo não é padronizado e adjacente como o layout linear e nem posicionado fixamente como o layout posicional. Há também outros estabelecimentos como Hospitais, supermercados, armazéns, e etc., que utilizam predominantemente esse tipo de layout.
  • 16. Layout Linear  É o arranjo físico que podemos identificar em fábricas da época antiga de produção, onde as máquinas são fixas em lugares estratégicos enquanto os materiais para a produção circulam pelas máquinas, ponto a ponto, até o produto final. É uma operação seguindo a outra.  Para ter uma noção física, basta lembrar-se do filme “Tempos Modernos”. É bem evidenciado esse tipo de arranjo físico, só que com um contingente manual maior do que hoje, já que as máquinas não eram tão modernas.  Não conseguiam substituir a mão de obra humana por completa. Se algo parasse, uma parte da produção parasse, todo o resto é comprometido. Por isso, o custo é alto para esse tipo de layout.
  • 18. Layout Posicional  É um layout mais “complicado”, já que o material é fixo e os equipamentos, máquinas e pessoas é que se movimentam em sua volta para obtenção do produto final.  É comumente visto em Empresas de Construção Civil e Mineradoras, por exemplo, onde o material de construção (no caso das construtoras) é de difícil movimentação, e por isso são alocados quase que fixamente, para que equipamentos, máquinas e operadores manuseiem e formem o produto, no caso edificações e construções. Enquanto que em mineradoras, os minerais são os materiais fixos manuseados por máquinas para a criação de diversos produtos, e por isso o arranjo físico depende muito da posição desses materiais, para tornar favorável a produção.  Pode também ser um layout “misto”, com a junção de outras partes de outros layouts.
  • 20. Layout Celular  Os recursos transformados, entrando na operação, são pré- selecionados (ou pré-selecionam a si próprios) para movimentarem- se para uma parte específica da operação (ou célula), na qual todos os recursos transformadores necessários a atender a suas necessidades imediatas de processamento se encontram.  Célula: dois ou mais postos de trabalho distintos localizados proximamente, nos quais um número limitado de peças ou modelos é processado utilizando fluxos lineares. Pode ser arranjada como um arranjo físico por processo ou por produto.
  • 23. Layout Flexível  Neste caso, a linha de produção é rearranjada rapidamente, de acordo com os produtos e as quantidades produzidas;  Os equipamentos possuem recursos de movimentação ou adaptação para serem rearranjados;  A área física possui facilidades para o rearranjo
  • 24. A B C P1 B D B P2 A B C B B D P3
  • 25. Dinâmica do Layout: Sala de Aula! Qual seria o produto em questão? Na produtividade, o que facilita...  na circulação?  na atenção dos alunos? Qual o tipo de layout?
  • 26. Dinâmica do Fluxograma: Aula de Contabilidade! INÍCIO Está com Não Se Final da aula de vontade garante economia de assistir? na prova? Sim Sim Não ASSISTIR AULA Não SE Ir até a sala 203 GARANTE MESMO? Sim Ir pra casa Sair do CEFET
  • 27. FIM!!! Referências:  http://www.ivnet.com.br/educacional/osm/fluxogramas.pdf  http://www.oficinadanet.com.br/artigo/desenvolvimento/como_faze http://pt.wikipedia.org/wiki/Fluxograma  http://www.slideshare.net/jcarlosnetto/adm-producao  www.uff.br/sta/textos/ar022.pdf  http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/disciplinas/385_layout_proc  http://pt.wikipedia.org/wiki/Configura%C3%A7%C3%A3o_de_inst