SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
O DISCURSO É A ESTRELA
INTERTEXTUALIDADE EM ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS.
Hélia Coelho Mello Cunha
Rosângela Azevedo Caldas
INTERTEXTUALIDADE E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS
 O objetivo deste trabalho é demostrar a necessidade de o
pesquisador das ciências da linguagem , formador de
leitores competentes, ter conhecimento da importância
do contexto situacional, contexto linguístico, processos de
alusão e estilização, gêneros discursivos e de informações
anteriores à enunciação para que se compreendam bem
textos que dialogam com outros.
 A análise de anúncios publicitários será um exemplo da
intertextualidade implícita e intergenérica que se
evidencia em muitos textos da atualidade.
“Aqui a natureza é a estrela”
 Constata-se a intertextualidade implícita e intergenérica
em muitos anúncios publicitários da atualidade; fato que
será demonstrado, neste trabalho, por meio da análise de
um deles, extraído da campanha “Hollywood” da rede
Hortifruti, veiculada em 2008, que apresentou 21
anúncios impressos que faziam referência a filmes
famosos cujo mote foi “Aqui a natureza é a estrela”.
 Os cartazes dos filmes em questão foram refeitos,
ganhando novos nomes (similares aos originais) e
colocando as frutas, verduras e legumes como as
“estrelas” principais desses filmes.
INTERTEXTUALIDADE IMPLÍCITA E INTERGENÉRICA
 Implícita - o intertexto alheio é introduzido na própria fala
sem qualquer indicação de fonte.
 Intergenérica - o produtor do texto, contando com o
conhecimento prévio dos interlocutores a respeito dos
gêneros textuais possíveis na nossa sociedade, apresenta,
no lugar próprio de determinada prática social, um
gênero pertencente a uma outra, com o objetivo de
produzir determinados efeitos de sentido.
KOCH, BENTES e CAVALCANTE (2008: 28-43)
MAINGUENEAU- CONTEXTO
 Compreender um enunciado significa “mobilizar saberes
muito diversos, fazer hipóteses, raciocinar, construindo
um contexto que não é um dado preestabelecido e
estável” (2001: 20).
 CONTEXTOS:
O ambiente físico da enunciação, ou contexto situacional.
O “cotexto”, isto é, o contexto linguístico, as sequências
verbais encontradas antes ou depois das unidades a
interpretar.
Os saberes anteriores à enunciação.
MAINGUENEAU-COMPETÊNCIA COMUNICATIVA
Para o estabelecimento efetivo da competência
comunicativa (2001: 41), no caso específico da
intertextualidade, é preciso ter:
 Competência enciclopédica – referente a um repertório,
conhecimento de mundo.
 Competência linguística – domínio da língua em questão.
 Competência genérica -- referente ao domínio dos
diversos gêneros discursivos.
Koch e Travaglia (1997)
 A diversidade de modos marcados pela intertextualidade
envolve fatores atinentes a três esferas :
Esfera do conteúdo - vincula-se ao conhecimento de
mundo, que permite ao interlocutor o acesso a
informações que dependem de um conhecimento prévio.
Esfera da forma - repetição de expressões, enunciados
ou trechos de outros textos, ou então, o estilo de um
determinado autor ou obra.
Esfera da tipologia textual- pode estar vinculada tanto à
estrutura típica de cada tipo de texto quanto aos aspectos
formais de caráter linguístico.
PROCESSOS DE INTERTEXTUALIDADE:
 CITAÇÃO - mostra a relação discursiva explicitamente, mas não
há o comprometimento de se manter o sentido do texto citado,
podendo-se, assim, confirmá-lo ou transformá-lo.
 ALUSÃO - construção que reproduz a ideia central de algo já
discursado e que alude a um discurso já conhecido do público
em geral. Não são citadas as palavras do outro texto, mas
reproduzem-se construções sintáticas em que certas figuras são
substituídas por outras.
 ESTILIZAÇÃO - forma de reproduzir os elementos de um discurso
já existente, como uma reprodução estilística do conteúdo
formal ou textual. É reprodução do conjunto dos procedimentos
do estilo do outro.
Fiorin (2003)
O QUIABO VESTE PRADA
INTERTEXTUALIDADE IMPLÍCITA E INTERGENÉRICA
 O anúncio publicitário intertextualiza com o título do
filme “O diabo veste Prada”, lançado em 2006. Nele
ocorre uma intertextualidade intergenérica e implícita.
 Apela para o conhecimento de mundo do leitor/
consumidor, que precisa ativar seu repertório, seus
saberes anteriores à enunciação para compreender a
alusão feita ao anúncio do filme (competência
enciclopédica, Maingueneau).
MAINGUENEAU, KOCH E TRAVAGLIA
 Reforça o intertexto a referência à entrada do quiabo no
“seleto mundo da Hotifruti”, alusão inequívoca ao “seleto
mundo da moda”, ambientação do filme, referência à
grife Prada (competência linguística / ambiente físico da
enunciação / contexto - Maingueneau).
 Em Koch eTravaglia a repetição dessa expressão insere-se
na esfera da forma.
MAINGUENEAU, KOCH E TRAVAGLIA
 Reconhecer o logotipo do Hortifruti no canto direito do
texto em questão remete ao gênero anúncio publicitário
(competência genérica - Maingueneau).
 Koch e Travaglia (1997) falam em esfera da tipologia
textual- vinculada tanto à estrutura típica de cada tipo de
texto quanto aos aspectos formais de caráter linguístico.
ESTILIZAÇÃO E JOGO DE PALAVRAS
 Sem o conhecimento prévio do anúncio do filme, não é
possível perceber algumas sutilezas do texto publicitário
em questão: o quiabo se transforma em um sapato de
salto bem alto, de cuja extremidade surge um tridente,
marca visual do filme, símbolo do ambiente focalizado e
da associação com o diabo. (competência enciclopédica /
esfera do conteúdo).
ESTILIZAÇÃO E JOGO DE PALAVRAS
 Como nos anúncios de publicidade, o jogo de palavras
acontece. Há semelhança fonética entre o nome da
hortaliça (“quiabo”) e o signo linguístico que entra na
composição do título do filme (“diabo”), motivo da
escolha: altera-se apenas um fonema: /d/ é substituído
por /k/, situação que confirma o valor distintivo dos
fonemas (competência linguística / esfera da forma).
COUVE-FLOR E SEUS DOIS MARIDOS
E O COENTRO LEVOU
CONSIDERAÇÕES FINAIS
O pesquisador das ciências da linguagem que tem
conhecimento desses conceitos pode levar leitores a
compreenderem melhor como a intertextualidade se
realiza a fim de que percebam como ela se manifesta no
discurso que, materializado pela linguagem e reflexo de
valores culturais mais amplos que aqueles inerentes ao
sujeito produtor do texto, torna-se, portanto, a “estrela” de
qualquer processo de compreensão.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Assim como “A Natureza é a estrela” na
campanha da Hortifruti, consideramos que
o discurso seja a estrela para os
pesquisadores das ciências da linguagem .
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 FIORIN, J. L. “Polifonia Textual e Discursiva”. In: BARROS, D. L.
P. de; FIORIN, J. L. (Orgs.). Dialogismo, Polifonia,
Intertextualidade: Em torno de Bakhtin. 2ª ed. São Paulo:
Editora da Universidade de São Paulo, 2003.
 KOCH, Ingedore Grunfeld; BENTES, A.C.;CAVALCANTE, M.M.
Intertextualidade: diálogos possíveis. 2. Ed. São Paulo: Cortez,
2008.
 MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de
comunicação. Trad. De Cecília P. de Souza-e-Silva e Décio
Rocha. São Paulo: Cortez, 2001.
 PINTO, A. G. Publicidade: um discurso de sedução. Porto:
Porto Editora, 1997.
 Hélia Coelho Mello Cunha (heliacoelho14@gmail.com)
(LINGUA AFI(N)ADA) : professora aposentada do Instituto
Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense,
Campus Campos dos Goytacazes - Centro. Doutoranda
em Cognição e Linguagem-Universidade Estadual do
Norte-Fluminense Darcy Ribeiro (UENF).
 Rosângela Azevedo Caldas (rorocaldas@hotmail.com):
professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia Fluminense, Campus Campos dos Goytacazes-
Centro.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORESLINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORESPEDAGOGIADILA
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidadeAFMO35
 
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiGeneros e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiofpedagogica
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade Denise
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaJirede Abisai
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADESLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADESJhonatanCesar6
 
05. produção, circulação e recepção de textos
05. produção, circulação e recepção de textos05. produção, circulação e recepção de textos
05. produção, circulação e recepção de textosma.no.el.ne.ves
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo7 de Setembro
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxeEdson Alves
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguisticaMarcia Simone
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Cláudia Heloísa
 

Mais procurados (20)

Conectivos
ConectivosConectivos
Conectivos
 
Slides cartas
Slides  cartasSlides  cartas
Slides cartas
 
Charge e Cartum
Charge e CartumCharge e Cartum
Charge e Cartum
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORESLINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
LINGUA PORTUGUESA- DESCRITORES
 
Fatores de textualidade
Fatores de textualidadeFatores de textualidade
Fatores de textualidade
 
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushiGeneros e tipos textuais considerações necessárias marcushi
Generos e tipos textuais considerações necessárias marcushi
 
Intertextualidade
Intertextualidade Intertextualidade
Intertextualidade
 
Linguagem, língua e fala
Linguagem, língua e falaLinguagem, língua e fala
Linguagem, língua e fala
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADESLÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
LÍNGUA PORTUGUESA | SEMANA 33 | 3ª SÉRIE | GÊNEROS TEXTUAIS E SUAS FINALIDADES
 
05. produção, circulação e recepção de textos
05. produção, circulação e recepção de textos05. produção, circulação e recepção de textos
05. produção, circulação e recepção de textos
 
Anúncio publicitário
Anúncio publicitárioAnúncio publicitário
Anúncio publicitário
 
Humor e ironia
Humor e ironiaHumor e ironia
Humor e ironia
 
Texto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-ArgumentativoTexto Dissertativo-Argumentativo
Texto Dissertativo-Argumentativo
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Estrutura dissertativa da redação
Estrutura dissertativa da redação  Estrutura dissertativa da redação
Estrutura dissertativa da redação
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxe
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto Interpretação e Compreensão de Texto
Interpretação e Compreensão de Texto
 

Destaque

Ricardo intertextualidade profletras
Ricardo intertextualidade profletrasRicardo intertextualidade profletras
Ricardo intertextualidade profletrasVal Valença
 
Interatividade no ciberespaço
Interatividade no ciberespaçoInteratividade no ciberespaço
Interatividade no ciberespaçoLucila Pesce
 
A intertextualidade e suas origens
A intertextualidade e suas origensA intertextualidade e suas origens
A intertextualidade e suas origensEdilson A. Souza
 
Em busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivosEm busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivosMarcelo Ramiro
 
Introduao lingusica_fiorin
Introduao  lingusica_fiorinIntroduao  lingusica_fiorin
Introduao lingusica_fiorinUNIPLETRAS
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeFrancione Brito
 
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_kochIntertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_kochmarimidlej
 
Pressuposto, subentendido e ironia
Pressuposto, subentendido e ironiaPressuposto, subentendido e ironia
Pressuposto, subentendido e ironiaJosué Brazil
 
Dialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e IntertextualidadeDialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e IntertextualidadeEntreter Ong
 
Interdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidadeInterdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidadeMabel Teixeira
 
Competencia comunicativa
Competencia comunicativaCompetencia comunicativa
Competencia comunicativajulizaporta
 

Destaque (16)

Competencia comunicativa
Competencia comunicativaCompetencia comunicativa
Competencia comunicativa
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Ricardo intertextualidade profletras
Ricardo intertextualidade profletrasRicardo intertextualidade profletras
Ricardo intertextualidade profletras
 
Interatividade no ciberespaço
Interatividade no ciberespaçoInteratividade no ciberespaço
Interatividade no ciberespaço
 
A intertextualidade e suas origens
A intertextualidade e suas origensA intertextualidade e suas origens
A intertextualidade e suas origens
 
Em busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivosEm busca do sentido – estudos discursivos
Em busca do sentido – estudos discursivos
 
Introduao lingusica_fiorin
Introduao  lingusica_fiorinIntroduao  lingusica_fiorin
Introduao lingusica_fiorin
 
AS NOÇÕES DE RETEXTUALIZAÇÃO E DIALOGISMO: ONDE UMA TERMINA E A OUTRA COMEÇA?
AS NOÇÕES DE RETEXTUALIZAÇÃO E DIALOGISMO: ONDE UMA TERMINA E A OUTRA COMEÇA? AS NOÇÕES DE RETEXTUALIZAÇÃO E DIALOGISMO: ONDE UMA TERMINA E A OUTRA COMEÇA?
AS NOÇÕES DE RETEXTUALIZAÇÃO E DIALOGISMO: ONDE UMA TERMINA E A OUTRA COMEÇA?
 
Aula iv introdução ao pensamento de bakhtin
Aula iv   introdução ao pensamento de bakhtinAula iv   introdução ao pensamento de bakhtin
Aula iv introdução ao pensamento de bakhtin
 
Intertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividadeIntertextualidade interdiscursividade
Intertextualidade interdiscursividade
 
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_kochIntertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
 
Pressuposto, subentendido e ironia
Pressuposto, subentendido e ironiaPressuposto, subentendido e ironia
Pressuposto, subentendido e ironia
 
Dialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e IntertextualidadeDialogismo e Intertextualidade
Dialogismo e Intertextualidade
 
Interdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidadeInterdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidade
 
Pressuposto e subentendido
Pressuposto e subentendidoPressuposto e subentendido
Pressuposto e subentendido
 
Competencia comunicativa
Competencia comunicativaCompetencia comunicativa
Competencia comunicativa
 

Semelhante a O discurso é a estrela

AULA- Análises de Discurso em Ciências Sociais
AULA- Análises de Discurso em Ciências SociaisAULA- Análises de Discurso em Ciências Sociais
AULA- Análises de Discurso em Ciências SociaisCleide Magáli dos Santos
 
Intertextualidade a construcao_de_sentido_na_stefania
Intertextualidade a construcao_de_sentido_na_stefaniaIntertextualidade a construcao_de_sentido_na_stefania
Intertextualidade a construcao_de_sentido_na_stefaniaEdilson A. Souza
 
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da campa...
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da  campa...Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da  campa...
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da campa...Atitude Digital
 
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)Francis Paula
 
Um estudo sobre a publicidade do wwf sob a ótica da teoria dos gêneros do dis...
Um estudo sobre a publicidade do wwf sob a ótica da teoria dos gêneros do dis...Um estudo sobre a publicidade do wwf sob a ótica da teoria dos gêneros do dis...
Um estudo sobre a publicidade do wwf sob a ótica da teoria dos gêneros do dis...Atitude Digital
 
Análise crítica do discurso
Análise crítica do discursoAnálise crítica do discurso
Análise crítica do discursoAlessandra Rufino
 
6-bourdieu-a-economia-das-trocas-lingsitcas.pdf
6-bourdieu-a-economia-das-trocas-lingsitcas.pdf6-bourdieu-a-economia-das-trocas-lingsitcas.pdf
6-bourdieu-a-economia-das-trocas-lingsitcas.pdfwallesonloureno
 
AULA 2- ANALISE DO DISCURSO.taquidirvasconhar
AULA 2- ANALISE DO DISCURSO.taquidirvasconharAULA 2- ANALISE DO DISCURSO.taquidirvasconhar
AULA 2- ANALISE DO DISCURSO.taquidirvasconharswizzydejesus
 
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitaisO Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitaisJuliana da Silveira
 
Descritores de Língua Portuguesa 5º Ano
Descritores de Língua Portuguesa 5º AnoDescritores de Língua Portuguesa 5º Ano
Descritores de Língua Portuguesa 5º AnoProf Barbosa
 
Mundos distópico e corpos pós humanos final
Mundos distópico e corpos pós humanos finalMundos distópico e corpos pós humanos final
Mundos distópico e corpos pós humanos finalSandra Mina
 
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptanlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptadrianomcosta3
 
Linguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeLinguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeclaudia murta
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesãonelsonalves70
 

Semelhante a O discurso é a estrela (20)

AULA- Análises de Discurso em Ciências Sociais
AULA- Análises de Discurso em Ciências SociaisAULA- Análises de Discurso em Ciências Sociais
AULA- Análises de Discurso em Ciências Sociais
 
Intertextualidade a construcao_de_sentido_na_stefania
Intertextualidade a construcao_de_sentido_na_stefaniaIntertextualidade a construcao_de_sentido_na_stefania
Intertextualidade a construcao_de_sentido_na_stefania
 
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da campa...
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da  campa...Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da  campa...
Intertextualidade nos anúncios de revista: uma análise dos anúncios da campa...
 
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
A teoria da_enunciacao_no_filme_estamos_juntos_(1)
 
Um estudo sobre a publicidade do wwf sob a ótica da teoria dos gêneros do dis...
Um estudo sobre a publicidade do wwf sob a ótica da teoria dos gêneros do dis...Um estudo sobre a publicidade do wwf sob a ótica da teoria dos gêneros do dis...
Um estudo sobre a publicidade do wwf sob a ótica da teoria dos gêneros do dis...
 
Análise crítica do discurso
Análise crítica do discursoAnálise crítica do discurso
Análise crítica do discurso
 
6-bourdieu-a-economia-das-trocas-lingsitcas.pdf
6-bourdieu-a-economia-das-trocas-lingsitcas.pdf6-bourdieu-a-economia-das-trocas-lingsitcas.pdf
6-bourdieu-a-economia-das-trocas-lingsitcas.pdf
 
AULA 2- ANALISE DO DISCURSO.taquidirvasconhar
AULA 2- ANALISE DO DISCURSO.taquidirvasconharAULA 2- ANALISE DO DISCURSO.taquidirvasconhar
AULA 2- ANALISE DO DISCURSO.taquidirvasconhar
 
35 69-1-pb
35 69-1-pb35 69-1-pb
35 69-1-pb
 
Generos Textuais
Generos TextuaisGeneros Textuais
Generos Textuais
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitaisO Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
 
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
 
TP5- Unidades 17 e 18
TP5- Unidades 17  e  18TP5- Unidades 17  e  18
TP5- Unidades 17 e 18
 
308
308308
308
 
Descritores de Língua Portuguesa 5º Ano
Descritores de Língua Portuguesa 5º AnoDescritores de Língua Portuguesa 5º Ano
Descritores de Língua Portuguesa 5º Ano
 
Mundos distópico e corpos pós humanos final
Mundos distópico e corpos pós humanos finalMundos distópico e corpos pós humanos final
Mundos distópico e corpos pós humanos final
 
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptanlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
 
Linguagem de especialidade
Linguagem de especialidadeLinguagem de especialidade
Linguagem de especialidade
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 

Mais de Helia Coelho Mello

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregosHelia Coelho Mello
 
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaIV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaHelia Coelho Mello
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilHelia Coelho Mello
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeHelia Coelho Mello
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoHelia Coelho Mello
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.Helia Coelho Mello
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTAHelia Coelho Mello
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOHelia Coelho Mello
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?Helia Coelho Mello
 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSRETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSHelia Coelho Mello
 

Mais de Helia Coelho Mello (20)

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregos
 
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaIV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
 
Sofismas
SofismasSofismas
Sofismas
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na rede
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o Discurso
 
Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSRETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
Recursos retóricos
Recursos retóricosRecursos retóricos
Recursos retóricos
 

Último

Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................mariagrave
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024azulassessoria9
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMary Alvarenga
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptorlando dias da silva
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja Mary Alvarenga
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguaKelly Mendes
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 

Último (20)

Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................Histogramas.pptx...............................
Histogramas.pptx...............................
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 

O discurso é a estrela

  • 1. O DISCURSO É A ESTRELA INTERTEXTUALIDADE EM ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS. Hélia Coelho Mello Cunha Rosângela Azevedo Caldas
  • 2. INTERTEXTUALIDADE E ANÚNCIOS PUBLICITÁRIOS  O objetivo deste trabalho é demostrar a necessidade de o pesquisador das ciências da linguagem , formador de leitores competentes, ter conhecimento da importância do contexto situacional, contexto linguístico, processos de alusão e estilização, gêneros discursivos e de informações anteriores à enunciação para que se compreendam bem textos que dialogam com outros.  A análise de anúncios publicitários será um exemplo da intertextualidade implícita e intergenérica que se evidencia em muitos textos da atualidade.
  • 3. “Aqui a natureza é a estrela”  Constata-se a intertextualidade implícita e intergenérica em muitos anúncios publicitários da atualidade; fato que será demonstrado, neste trabalho, por meio da análise de um deles, extraído da campanha “Hollywood” da rede Hortifruti, veiculada em 2008, que apresentou 21 anúncios impressos que faziam referência a filmes famosos cujo mote foi “Aqui a natureza é a estrela”.  Os cartazes dos filmes em questão foram refeitos, ganhando novos nomes (similares aos originais) e colocando as frutas, verduras e legumes como as “estrelas” principais desses filmes.
  • 4. INTERTEXTUALIDADE IMPLÍCITA E INTERGENÉRICA  Implícita - o intertexto alheio é introduzido na própria fala sem qualquer indicação de fonte.  Intergenérica - o produtor do texto, contando com o conhecimento prévio dos interlocutores a respeito dos gêneros textuais possíveis na nossa sociedade, apresenta, no lugar próprio de determinada prática social, um gênero pertencente a uma outra, com o objetivo de produzir determinados efeitos de sentido. KOCH, BENTES e CAVALCANTE (2008: 28-43)
  • 5. MAINGUENEAU- CONTEXTO  Compreender um enunciado significa “mobilizar saberes muito diversos, fazer hipóteses, raciocinar, construindo um contexto que não é um dado preestabelecido e estável” (2001: 20).  CONTEXTOS: O ambiente físico da enunciação, ou contexto situacional. O “cotexto”, isto é, o contexto linguístico, as sequências verbais encontradas antes ou depois das unidades a interpretar. Os saberes anteriores à enunciação.
  • 6. MAINGUENEAU-COMPETÊNCIA COMUNICATIVA Para o estabelecimento efetivo da competência comunicativa (2001: 41), no caso específico da intertextualidade, é preciso ter:  Competência enciclopédica – referente a um repertório, conhecimento de mundo.  Competência linguística – domínio da língua em questão.  Competência genérica -- referente ao domínio dos diversos gêneros discursivos.
  • 7. Koch e Travaglia (1997)  A diversidade de modos marcados pela intertextualidade envolve fatores atinentes a três esferas : Esfera do conteúdo - vincula-se ao conhecimento de mundo, que permite ao interlocutor o acesso a informações que dependem de um conhecimento prévio. Esfera da forma - repetição de expressões, enunciados ou trechos de outros textos, ou então, o estilo de um determinado autor ou obra. Esfera da tipologia textual- pode estar vinculada tanto à estrutura típica de cada tipo de texto quanto aos aspectos formais de caráter linguístico.
  • 8. PROCESSOS DE INTERTEXTUALIDADE:  CITAÇÃO - mostra a relação discursiva explicitamente, mas não há o comprometimento de se manter o sentido do texto citado, podendo-se, assim, confirmá-lo ou transformá-lo.  ALUSÃO - construção que reproduz a ideia central de algo já discursado e que alude a um discurso já conhecido do público em geral. Não são citadas as palavras do outro texto, mas reproduzem-se construções sintáticas em que certas figuras são substituídas por outras.  ESTILIZAÇÃO - forma de reproduzir os elementos de um discurso já existente, como uma reprodução estilística do conteúdo formal ou textual. É reprodução do conjunto dos procedimentos do estilo do outro. Fiorin (2003)
  • 10. INTERTEXTUALIDADE IMPLÍCITA E INTERGENÉRICA  O anúncio publicitário intertextualiza com o título do filme “O diabo veste Prada”, lançado em 2006. Nele ocorre uma intertextualidade intergenérica e implícita.  Apela para o conhecimento de mundo do leitor/ consumidor, que precisa ativar seu repertório, seus saberes anteriores à enunciação para compreender a alusão feita ao anúncio do filme (competência enciclopédica, Maingueneau).
  • 11. MAINGUENEAU, KOCH E TRAVAGLIA  Reforça o intertexto a referência à entrada do quiabo no “seleto mundo da Hotifruti”, alusão inequívoca ao “seleto mundo da moda”, ambientação do filme, referência à grife Prada (competência linguística / ambiente físico da enunciação / contexto - Maingueneau).  Em Koch eTravaglia a repetição dessa expressão insere-se na esfera da forma.
  • 12. MAINGUENEAU, KOCH E TRAVAGLIA  Reconhecer o logotipo do Hortifruti no canto direito do texto em questão remete ao gênero anúncio publicitário (competência genérica - Maingueneau).  Koch e Travaglia (1997) falam em esfera da tipologia textual- vinculada tanto à estrutura típica de cada tipo de texto quanto aos aspectos formais de caráter linguístico.
  • 13. ESTILIZAÇÃO E JOGO DE PALAVRAS  Sem o conhecimento prévio do anúncio do filme, não é possível perceber algumas sutilezas do texto publicitário em questão: o quiabo se transforma em um sapato de salto bem alto, de cuja extremidade surge um tridente, marca visual do filme, símbolo do ambiente focalizado e da associação com o diabo. (competência enciclopédica / esfera do conteúdo).
  • 14. ESTILIZAÇÃO E JOGO DE PALAVRAS  Como nos anúncios de publicidade, o jogo de palavras acontece. Há semelhança fonética entre o nome da hortaliça (“quiabo”) e o signo linguístico que entra na composição do título do filme (“diabo”), motivo da escolha: altera-se apenas um fonema: /d/ é substituído por /k/, situação que confirma o valor distintivo dos fonemas (competência linguística / esfera da forma).
  • 15. COUVE-FLOR E SEUS DOIS MARIDOS
  • 16. E O COENTRO LEVOU
  • 17. CONSIDERAÇÕES FINAIS O pesquisador das ciências da linguagem que tem conhecimento desses conceitos pode levar leitores a compreenderem melhor como a intertextualidade se realiza a fim de que percebam como ela se manifesta no discurso que, materializado pela linguagem e reflexo de valores culturais mais amplos que aqueles inerentes ao sujeito produtor do texto, torna-se, portanto, a “estrela” de qualquer processo de compreensão.
  • 18. CONSIDERAÇÕES FINAIS Assim como “A Natureza é a estrela” na campanha da Hortifruti, consideramos que o discurso seja a estrela para os pesquisadores das ciências da linguagem .
  • 19. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  FIORIN, J. L. “Polifonia Textual e Discursiva”. In: BARROS, D. L. P. de; FIORIN, J. L. (Orgs.). Dialogismo, Polifonia, Intertextualidade: Em torno de Bakhtin. 2ª ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.  KOCH, Ingedore Grunfeld; BENTES, A.C.;CAVALCANTE, M.M. Intertextualidade: diálogos possíveis. 2. Ed. São Paulo: Cortez, 2008.  MAINGUENEAU, Dominique. Análise de textos de comunicação. Trad. De Cecília P. de Souza-e-Silva e Décio Rocha. São Paulo: Cortez, 2001.  PINTO, A. G. Publicidade: um discurso de sedução. Porto: Porto Editora, 1997.
  • 20.  Hélia Coelho Mello Cunha (heliacoelho14@gmail.com) (LINGUA AFI(N)ADA) : professora aposentada do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense, Campus Campos dos Goytacazes - Centro. Doutoranda em Cognição e Linguagem-Universidade Estadual do Norte-Fluminense Darcy Ribeiro (UENF).  Rosângela Azevedo Caldas (rorocaldas@hotmail.com): professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense, Campus Campos dos Goytacazes- Centro.