SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
19º COLE “leituras sem margens” /2014 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS 
ARGUMENTATIVOS 
Hélia Coelho Mello Cunha
OBJETIVOS: 
1- Destacar a importância da Retórica para a 
leitura de textos argumentativos escritos. 
2- Abordar o uso de recursos retóricos e técnicas 
argumentativas na compreensão de textos 
argumentativos nas aulas de leitura no Ensino 
Médio nas escolas brasileiras atualmente.
JUSTIFICATIVA: 
A Retórica possibilita o conhecimento de 
estratégias argumentativas e recursos retóricos 
que tornam possível a adaptação do discurso aos 
objetivos visados por seu enunciador.
PREOCUPAÇÕES: 
1- Abordar nas aulas conceitos como tese, 
argumento, figuras, implícitos, objetivos do 
enunciador, auditório, estratégias de persuasão. 
2- Há pouca atividade de reflexão e crítica nos livros 
didáticos utilizados nas escolas. (Marcuschi).
"A compreensão é uma questão muito mal 
trabalhada em sala de aula. (...) Saber 
argumentar e raciocinar criticamente é de 
grande importância porque permite trabalhar 
com mais profundidade todos os processos 
inferenciais e a compreensão como tal". 
(Marcuschi, Luiz Ântônio. O Livro Didático de Português: Múltiplos 
Olhares - 2 Ed. - Rio de Janeiro: Lucerna, 2003,p. 48 a 61)
“No lugar dos termos que caracterizam ao 
menos a tradição greco-cristã-cartesiana como 
'hipótese', 'indução', 'dedução', 'silogismo', 
'falácia', 'sofisma', 'dialética', vemos apenas a 
paupérrima subdivisão dos modos de escrever 
em 'descrição-narração-dissertação', ao lado, é 
claro, de algumas 'orações subordinadas 
substantivas objetivas indiretas reduzidas de 
gerúndio‘”. (BERNARDO, Gustavo. Redação inquieta. 5. 
Ed. Belo Horizonte: Formato Editorial, 2000)
Reboul afirma que “a leitura retórica é um 
diálogo”. Diante de um texto, o leitor pergunta “Quem 
fala?”, "Quando?", "Por quê?" E, principalmente, 
“Como?" e “A quem?". Ao responder a quem se fala, 
define-se o auditório que se quer persuadir; e; ao 
analisar como se fala, o leitor entende o objetivo do uso 
das estratégias no texto, portanto, compreendendo a 
unidade do discurso, o seu motivo central. 
(REBOUL, Olivier. 
Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1998, p. 90).
TÉCNICAS ARGUMENTATIVAS 
Chaïm Perelman: argumentação por 
exemplos, por ilustrações, por modelo, por 
analogia, por comparação, por estatística, 
argumento de autoridade, argumento 
contra o homem, demonstração pelo 
absurdo, argumentação por causa e 
consequência, argumentação condicional.
RECURSOS RETÓRICOS 
FIGURAS RETÓRICAS 
“Se o argumento é o prego, a figura é o modo 
de pregá-lo”.(Reboul) 
Figuras de palavras (trocadilho, derivação), 
de sentido metáfora, metonímia, paradoxo, hipérbole), 
de construção (antítese, gradação, anáfora), 
de pensamento(alegoria, ironia), 
de enunciação(personificação; apóstrofe; silepse), 
de argumento (prolepse, pergunta retórica, hipotipose).
OUTROS RECURSOS RETÓRICOS 
TÍTULO 
OPERADORES ARGUMENTATIVOS 
TEMPOS VERBAIS 
INDICADORES MODAIS 
IMPLÍCITOS 
USO DE PRESSUPOSTOS 
SEGMENTAÇÃO 
SELEÇÃO LEXICAL 
AMBIGUIDADES, POLISSEMIA
REBOUL (1998, p.90) diz que “(...) é preciso 
negar-se à opção mortal entre retórica da argu-mentação 
e retórica do estilo. Uma não está sem 
a outra”. 
REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 
1998.
Mestre em Cognição e Linguagem- Universidade 
Estadual do Norte-fluminense Darcy Ribeiro (UENF). 
Professora de “Retórica nos discursos da atualidade” 
(curso de pós-graduação em Literatura, Memória 
Cultural e Sociedade) e Leitura e Produção Textual em 
curso de Licenciatura em Letras do Instituto Federal 
Fluminense,Campos dos Goytacazes, Centro, RJ. 
E-mail:heliacoelho14@gmail.com / LINGUA AFI(N)ADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos  Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos complementoindirecto
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo7 de Setembro
 
Tipologia Argumentativa
Tipologia ArgumentativaTipologia Argumentativa
Tipologia ArgumentativaRicardo Mota
 
Dissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativaDissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativatali_vini
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativoer.cabrinha
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativocomplementoindirecto
 
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Jader Windson
 
Como Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãOComo Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãOmartinsramon
 
Estrutura de texto dissertativo
Estrutura de texto dissertativoEstrutura de texto dissertativo
Estrutura de texto dissertativoMarcia Oliveira
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textoswelton santos
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO Sônia Maciel Alves
 
09 disertação argumentativa
09   disertação argumentativa09   disertação argumentativa
09 disertação argumentativamarcelocaxias
 
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativosExemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativosSeduc/AM
 
2.3.1 descrição, narração e dissertação
2.3.1 descrição, narração e dissertação2.3.1 descrição, narração e dissertação
2.3.1 descrição, narração e dissertaçãokeliviezzi
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivosCarla Souto
 

Mais procurados (19)

Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos  Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
Texto expositivo, argumentativo, reflexivo, dissertativo e tipos de argumentos
 
Dissertação
DissertaçãoDissertação
Dissertação
 
Texto Argumentativo
Texto ArgumentativoTexto Argumentativo
Texto Argumentativo
 
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativoRedação: Texto dissertivo-argumentativo
Redação: Texto dissertivo-argumentativo
 
Tipologia Argumentativa
Tipologia ArgumentativaTipologia Argumentativa
Tipologia Argumentativa
 
Dissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativaDissertação expositiva e argumentativa
Dissertação expositiva e argumentativa
 
A retórica
A retóricaA retórica
A retórica
 
A estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativoA estrutura do texto dissertativo
A estrutura do texto dissertativo
 
Texto argumentativo
Texto argumentativoTexto argumentativo
Texto argumentativo
 
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativoProdução de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
Produção de texto - Percursos da escrita - Texto argumentativo
 
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
 
Como Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãOComo Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãO
 
Estrutura de texto dissertativo
Estrutura de texto dissertativoEstrutura de texto dissertativo
Estrutura de texto dissertativo
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃOTipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
Tipologia textual: DESCRIÇÃO, NARRAÇÃO, DISSERTAÇÃO
 
09 disertação argumentativa
09   disertação argumentativa09   disertação argumentativa
09 disertação argumentativa
 
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativosExemplos de textos dissertativo argumentativos
Exemplos de textos dissertativo argumentativos
 
2.3.1 descrição, narração e dissertação
2.3.1 descrição, narração e dissertação2.3.1 descrição, narração e dissertação
2.3.1 descrição, narração e dissertação
 
Textos expositivos
Textos expositivosTextos expositivos
Textos expositivos
 

Semelhante a RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS

FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?Helia Coelho Mello
 
Construindo argumentação na sala de aula
Construindo argumentação na sala de aulaConstruindo argumentação na sala de aula
Construindo argumentação na sala de aulapibidbio
 
Planificaçao11 fil2015 2016doc
Planificaçao11 fil2015  2016docPlanificaçao11 fil2015  2016doc
Planificaçao11 fil2015 2016docj_sdias
 
Planificaçao11 fil2015 2016doc
Planificaçao11 fil2015  2016docPlanificaçao11 fil2015  2016doc
Planificaçao11 fil2015 2016docj_sdias
 
Planificaçao11 fil2015 2016doc
Planificaçao11 fil2015  2016docPlanificaçao11 fil2015  2016doc
Planificaçao11 fil2015 2016docj_sdias
 
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano Mary Alvarenga
 
Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4j_sdias
 
01 - Texto dissertativo argumentativo
01 - Texto dissertativo argumentativo01 - Texto dissertativo argumentativo
01 - Texto dissertativo argumentativoNAPNE
 
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano Mary Alvarenga
 
Diálogo como propulsor da Investigação filosófica
Diálogo como propulsor da Investigação filosóficaDiálogo como propulsor da Investigação filosófica
Diálogo como propulsor da Investigação filosóficaFelipe de Luca
 
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitaisO Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitaisJuliana da Silveira
 
Persuasão e Grice.pptx
Persuasão e Grice.pptxPersuasão e Grice.pptx
Persuasão e Grice.pptxLairtesChaves1
 
As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-2012
As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-2012As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-2012
As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-2012Diva Lea Batista da Silva
 
As histórias em quadrinhos como pretexto, pré-texto e texto na sala de aula
As histórias em quadrinhos como pretexto, pré-texto e texto na sala de aulaAs histórias em quadrinhos como pretexto, pré-texto e texto na sala de aula
As histórias em quadrinhos como pretexto, pré-texto e texto na sala de aulaDiva Lea Batista da Silva
 
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolarDebate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolarMayke Machado
 

Semelhante a RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS (20)

FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
 
Construindo argumentação na sala de aula
Construindo argumentação na sala de aulaConstruindo argumentação na sala de aula
Construindo argumentação na sala de aula
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
 
Planificaçao11 fil2015 2016doc
Planificaçao11 fil2015  2016docPlanificaçao11 fil2015  2016doc
Planificaçao11 fil2015 2016doc
 
Planificaçao11 fil2015 2016doc
Planificaçao11 fil2015  2016docPlanificaçao11 fil2015  2016doc
Planificaçao11 fil2015 2016doc
 
Planificaçao11 fil2015 2016doc
Planificaçao11 fil2015  2016docPlanificaçao11 fil2015  2016doc
Planificaçao11 fil2015 2016doc
 
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio -    2º ano
Plano de Ensino de Filosofia Ensino Médio - 2º ano
 
Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4Regência no 3 e 4
Regência no 3 e 4
 
Texto e linguagem
Texto e linguagemTexto e linguagem
Texto e linguagem
 
01 - Texto dissertativo argumentativo
01 - Texto dissertativo argumentativo01 - Texto dissertativo argumentativo
01 - Texto dissertativo argumentativo
 
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano Plano de Ensino  de Filosofia   / 1º ano
Plano de Ensino de Filosofia / 1º ano
 
Diálogo como propulsor da Investigação filosófica
Diálogo como propulsor da Investigação filosóficaDiálogo como propulsor da Investigação filosófica
Diálogo como propulsor da Investigação filosófica
 
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitaisO Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
O Discurso argumentativo nos meios de comunicação digitais
 
Texto e imagem
Texto e imagemTexto e imagem
Texto e imagem
 
AULA 04 E 05.pptx
AULA 04 E 05.pptxAULA 04 E 05.pptx
AULA 04 E 05.pptx
 
Persuasão e Grice.pptx
Persuasão e Grice.pptxPersuasão e Grice.pptx
Persuasão e Grice.pptx
 
As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-2012
As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-2012As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-2012
As h qs como pretexto, pré texto e texto-dlbsilva-salamanca-2012
 
As histórias em quadrinhos como pretexto, pré-texto e texto na sala de aula
As histórias em quadrinhos como pretexto, pré-texto e texto na sala de aulaAs histórias em quadrinhos como pretexto, pré-texto e texto na sala de aula
As histórias em quadrinhos como pretexto, pré-texto e texto na sala de aula
 
Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2Generos textuais ano 2
Generos textuais ano 2
 
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolarDebate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
Debate em sala de aula práticas de linguagem em um gênero escolar
 

Mais de Helia Coelho Mello

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregosHelia Coelho Mello
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilHelia Coelho Mello
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeHelia Coelho Mello
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoHelia Coelho Mello
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.Helia Coelho Mello
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTAHelia Coelho Mello
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOHelia Coelho Mello
 
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimosSinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimosHelia Coelho Mello
 
Erros comuns e vícios de linguagem
Erros comuns e vícios de linguagemErros comuns e vícios de linguagem
Erros comuns e vícios de linguagemHelia Coelho Mello
 

Mais de Helia Coelho Mello (20)

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregos
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
 
Sofismas
SofismasSofismas
Sofismas
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na rede
 
O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o Discurso
 
Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
Acordo Ortográfico
Acordo OrtográficoAcordo Ortográfico
Acordo Ortográfico
 
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimosSinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
 
Erros comuns e vícios de linguagem
Erros comuns e vícios de linguagemErros comuns e vícios de linguagem
Erros comuns e vícios de linguagem
 
Falácias
Falácias   Falácias
Falácias
 

Último

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASyan1305goncalves
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialDouglasVasconcelosMa
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docCarolineWaitman
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfKelly Mendes
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfManuais Formação
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitlerhabiwo1978
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasMonizeEvellin2
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdfLindinhaSilva1
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 

Último (20)

"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - materialFUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
FUNDAMENTOS DA PSICOPEDAGOGIA - material
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 

RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS

  • 1. 19º COLE “leituras sem margens” /2014 RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS Hélia Coelho Mello Cunha
  • 2. OBJETIVOS: 1- Destacar a importância da Retórica para a leitura de textos argumentativos escritos. 2- Abordar o uso de recursos retóricos e técnicas argumentativas na compreensão de textos argumentativos nas aulas de leitura no Ensino Médio nas escolas brasileiras atualmente.
  • 3. JUSTIFICATIVA: A Retórica possibilita o conhecimento de estratégias argumentativas e recursos retóricos que tornam possível a adaptação do discurso aos objetivos visados por seu enunciador.
  • 4. PREOCUPAÇÕES: 1- Abordar nas aulas conceitos como tese, argumento, figuras, implícitos, objetivos do enunciador, auditório, estratégias de persuasão. 2- Há pouca atividade de reflexão e crítica nos livros didáticos utilizados nas escolas. (Marcuschi).
  • 5. "A compreensão é uma questão muito mal trabalhada em sala de aula. (...) Saber argumentar e raciocinar criticamente é de grande importância porque permite trabalhar com mais profundidade todos os processos inferenciais e a compreensão como tal". (Marcuschi, Luiz Ântônio. O Livro Didático de Português: Múltiplos Olhares - 2 Ed. - Rio de Janeiro: Lucerna, 2003,p. 48 a 61)
  • 6. “No lugar dos termos que caracterizam ao menos a tradição greco-cristã-cartesiana como 'hipótese', 'indução', 'dedução', 'silogismo', 'falácia', 'sofisma', 'dialética', vemos apenas a paupérrima subdivisão dos modos de escrever em 'descrição-narração-dissertação', ao lado, é claro, de algumas 'orações subordinadas substantivas objetivas indiretas reduzidas de gerúndio‘”. (BERNARDO, Gustavo. Redação inquieta. 5. Ed. Belo Horizonte: Formato Editorial, 2000)
  • 7. Reboul afirma que “a leitura retórica é um diálogo”. Diante de um texto, o leitor pergunta “Quem fala?”, "Quando?", "Por quê?" E, principalmente, “Como?" e “A quem?". Ao responder a quem se fala, define-se o auditório que se quer persuadir; e; ao analisar como se fala, o leitor entende o objetivo do uso das estratégias no texto, portanto, compreendendo a unidade do discurso, o seu motivo central. (REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1998, p. 90).
  • 8. TÉCNICAS ARGUMENTATIVAS Chaïm Perelman: argumentação por exemplos, por ilustrações, por modelo, por analogia, por comparação, por estatística, argumento de autoridade, argumento contra o homem, demonstração pelo absurdo, argumentação por causa e consequência, argumentação condicional.
  • 9. RECURSOS RETÓRICOS FIGURAS RETÓRICAS “Se o argumento é o prego, a figura é o modo de pregá-lo”.(Reboul) Figuras de palavras (trocadilho, derivação), de sentido metáfora, metonímia, paradoxo, hipérbole), de construção (antítese, gradação, anáfora), de pensamento(alegoria, ironia), de enunciação(personificação; apóstrofe; silepse), de argumento (prolepse, pergunta retórica, hipotipose).
  • 10. OUTROS RECURSOS RETÓRICOS TÍTULO OPERADORES ARGUMENTATIVOS TEMPOS VERBAIS INDICADORES MODAIS IMPLÍCITOS USO DE PRESSUPOSTOS SEGMENTAÇÃO SELEÇÃO LEXICAL AMBIGUIDADES, POLISSEMIA
  • 11. REBOUL (1998, p.90) diz que “(...) é preciso negar-se à opção mortal entre retórica da argu-mentação e retórica do estilo. Uma não está sem a outra”. REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1998.
  • 12. Mestre em Cognição e Linguagem- Universidade Estadual do Norte-fluminense Darcy Ribeiro (UENF). Professora de “Retórica nos discursos da atualidade” (curso de pós-graduação em Literatura, Memória Cultural e Sociedade) e Leitura e Produção Textual em curso de Licenciatura em Letras do Instituto Federal Fluminense,Campos dos Goytacazes, Centro, RJ. E-mail:heliacoelho14@gmail.com / LINGUA AFI(N)ADA