SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
FIGURA RETÓRICA:
A FLOR NO CAMPO DA ARGUMENTAÇÃO
Hélia Coelho Mello-2016
IV CONGRESSO DA
SOCIEDADE BRASILEIRA DE RETÓRICA:
Retórica e Alteridade
Destacar a importância da Retórica para as aulas de
leitura de textos argumentativos em turmas do
Ensino Médio por possibilitar o conhecimento de
recursos que tornam possível a adaptação do
discurso aos objetivos visados por seu enunciador.
NOSSO OBJETIVO:
“É preciso negar-se a opção mortal entre
retórica da argumentação e retórica do estilo.
Uma não está sem a outra”.
Reboul (1998:90)
RETÓRICA DO ESTILO
Enquanto os argumentos correspondem ao
logos da argumentação, os recursos retóricos
seduzem o leitor pelo prazer da leitura
(pathos), servindo para tornar o argumento
aceito.
RETÓRICA DO ESTILO
Recursos linguísticos que podem ser utilizados a
serviço da persuasão já que seduzem o leitor
pelo prazer da leitura (pathos), servindo para
tornar o argumento mais bem aceito por criar
presença e estabelecer comunhão.
FIGURAS RETÓRICAS
“
A figura só é de retórica quando desempenha
papel persuasivo” e “se o argumento é o
prego, a figura é o modo de pregá-lo”.
Reboul (1998:114))
FIGURA RETÓRICA
 Matéria sonora do discurso.
 Força persuasiva : facilitam a atenção e a lembrança, além
de instaurarem uma harmonia prazerosa.
 Figuras de ritmo (acento tônico e extensão das sílabas),
de som ( implicam fonemas, sílabas ou palavras).
 Antanáclase (polissemia), paranomásia (trocadilho),
aliteração (repetição de fonemas consonantais), cláusula
(sequência rítmica que termina um período), derivação.
FIGURAS DE PALAVRAS
 Dizem respeito à significação das palavras ou
dos grupos de palavras.
 Consistem no emprego de um termo (ou vários)
com um sentido que não lhe é habitual.
 Segundo Reboul (1998:120), “a figura de sentido
(...) enriquece o sentido das palavras.”
 Metonímia,metáfora,hipérbole,lítotes, paradoxo,
sinestesia.
FIGURAS DE SENTIDO
 Dizem respeito à estrutura da frase, do discurso.
 Algumas procedem por:
• Subtração - elipse, assíndeto, aposiopese(reticência);
• Permutação –quiasmo(oposição baseada na inversão).
• Repetição-antítese, epanalepse (repetição da mesma
palavra no meio de frases seguidas), epanástrofe
(repetição de palavras invertidas),anáfora, pleonasmo,
gradação.
FIGURAS DE CONSTRUÇÃO
 Dizem respeito à relação do discurso com seu
sujeito (o orador) ou com seu objeto.
 Alegoria, ironia, apóstrofe, personificação,
silepse, hipotipose, prolepse, figura retórica.
FIGURAS DO PENSAMENTO,
ENUNCIAÇÃO E ARGUMENTO
PARADOXO: título.
METÁFORAS- “viagem longa”, “bilhete”,
“ferrovia”, “bando de maritacas”, “alavanca de
emergência”, “mochila nas costas”.
"VIAGEM LONGA,
DESTINO INCERTO...”
Rubem Alves
 PROLEPSE - “Alguns me contestam: afirmam saber
muito bem o lugar para onde estão indo. Assim são os
adolescentes: sempre têm os bolsos cheios de
certezas.”(par.1)
 PERGUNTAS RETÓRICAS - “E se depois de chegar
lá vocês não gostarem? E se quiserem voltar? /
“Poderá haver imagem mais bela de um herói?”(par. 7)
"VIAGEM LONGA,
DESTINO INCERTO...”
 HIPÉRBOLE - “comer um saco de sal com ela”(par.
4), “sem ela eu morro...”(par. 4).
 PROSOPOPEIA - “febre da paixão” (par. 4).
 SINESTESIA e ANTÍTESE - “quem é acometido da
febre da paixão desaprende a astúcia do pensamento”
(par. 4).
"VIAGEM LONGA,
DESTINO INCERTO...”
 ALEGORIA - “por fora, bela viola; por dentro, pão
bolorento” (par. 4)/ “Pensei então na bela imagem do
engenheiro — régua de cálculo, compasso e prumo
nas mãos, em busca do ponto de apoio onde a
alavanca levantaria o mundo!”(par. 9).
"VIAGEM LONGA,
DESTINO INCERTO...”
 HIPOTIPOSE - "Ah, mãe, ele é diferente...” (par. 4)/
"Eu sei que o meu amor por ela é eterno. Sem ela eu
morro...” (par. 4)/ “Como São Jorge. O médico, em
suas vestes sacerdotais verdes, apenas os olhos se
mostrando atrás da máscara, a mão segurando a arma,
o bisturi, o sangue escorrendo do corpo do inocente,
em luta solitária contra a morte”. (par. 7).
"VIAGEM LONGA,
DESTINO INCERTO...”
APOSIOPESE (reticência) – “O dia-a-dia da maioria
dos engenheiros é tomar conta de peão em canteiro de
obra...” (par. 10)/ “Não podem suportar a ideia de ver o
‘bando’ partindo, enquanto ele não embarca, e fica
sozinho na plataforma da estação...” (par. 12)/ “ ‘A coisa
não está nem na partida e nem na chegada, mas na
travessia.’...” (par. 15)
"VIAGEM LONGA,
DESTINO INCERTO...”
ARISTÓTELES. Retórica. 2ª edição, revista, Lisboa: Imprensa
Nacional Casa da Moeda, 2005.
GIRAUD, Pierre. A Estilística. 2.ed. trad. Miguel Maillet. São Paulo:
Mestre Jou, 1978.
PERELMAN, Chaïm & OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da
Argumentação - A Nova Retórica. trad .Maria Ermantina Galvão São
Paulo: Martins Fontes, 1999
REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes,
1998.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Hélia Coelho Mello
heliacoelho14@gmail.com
Facebook: LINGUA AFI(N)ADA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
Helia Coelho Mello
 
Técnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para DissertaçãoTécnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para Dissertação
Tati Borlote Varanda
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
welton santos
 
Tipologia textual – noções básicas descrição,
Tipologia textual – noções básicas   descrição,Tipologia textual – noções básicas   descrição,
Tipologia textual – noções básicas descrição,
marcusunitau
 
Como Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãOComo Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãO
martinsramon
 
Compreensão de textos
Compreensão de textosCompreensão de textos
Compreensão de textos
Lindiomar Rios
 
Slides dissertação
Slides dissertaçãoSlides dissertação
Slides dissertação
Eloy Souza
 
Sequencia textual
Sequencia textualSequencia textual
Sequencia textual
elygallas
 
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora DiasO que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
Universidade de Sorocaba
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
littlevic4
 

Mais procurados (20)

FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
 
Técnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para DissertaçãoTécnicas Básicas para Dissertação
Técnicas Básicas para Dissertação
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
A Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de Textos
A Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de TextosA Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de Textos
A Origem da Nossa Língua e os Vários Estilos de Textos
 
Apostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajoApostila texto vnia_arajo
Apostila texto vnia_arajo
 
Tipologia textual – noções básicas descrição,
Tipologia textual – noções básicas   descrição,Tipologia textual – noções básicas   descrição,
Tipologia textual – noções básicas descrição,
 
Tipos de texto
Tipos de textoTipos de texto
Tipos de texto
 
Livro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corpora
Livro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corporaLivro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corpora
Livro (e-book): Análise de Discurso: estudos de estados de corpora
 
Como Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãOComo Fazer Uma DissertaçãO
Como Fazer Uma DissertaçãO
 
Compreensão de textos
Compreensão de textosCompreensão de textos
Compreensão de textos
 
Produção de Texto
Produção de TextoProdução de Texto
Produção de Texto
 
Slides dissertação
Slides dissertaçãoSlides dissertação
Slides dissertação
 
Sequencia textual
Sequencia textualSequencia textual
Sequencia textual
 
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora DiasO que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
O que é linguagem e tipologia textual - Profª Ma. Gláuci H Mora Dias
 
Tipos de textos slides thiago
Tipos de textos slides thiagoTipos de textos slides thiago
Tipos de textos slides thiago
 
Estetica fisio to_25_02_dissertativo
Estetica fisio to_25_02_dissertativoEstetica fisio to_25_02_dissertativo
Estetica fisio to_25_02_dissertativo
 
Planejamento do texto
Planejamento do textoPlanejamento do texto
Planejamento do texto
 
Tipologia Textual
Tipologia TextualTipologia Textual
Tipologia Textual
 
Análise textual
Análise textualAnálise textual
Análise textual
 
Noção de Texto
Noção de TextoNoção de Texto
Noção de Texto
 

Semelhante a IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica

Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
Regis Regina
 
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23 figuras de linguagem
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23  figuras de linguagemCefet/Coltec - Extensivo - Aula 23  figuras de linguagem
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23 figuras de linguagem
ProfFernandaBraga
 
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptxrecursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
MarluceBrum1
 

Semelhante a IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica (20)

Produção textual
Produção textualProdução textual
Produção textual
 
Aula intertextualidade.pptx
Aula intertextualidade.pptxAula intertextualidade.pptx
Aula intertextualidade.pptx
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Introdução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literaturaIntrodução ao estudo da literatura
Introdução ao estudo da literatura
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticosRecursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
Recursos morfossintáticos, lexicais,semânticos
 
A ficção nas mídias
A ficção nas mídiasA ficção nas mídias
A ficção nas mídias
 
Texto e linguagem
Texto e linguagemTexto e linguagem
Texto e linguagem
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
 
AULA6.pptx
AULA6.pptxAULA6.pptx
AULA6.pptx
 
AULA 04 E 05.pptx
AULA 04 E 05.pptxAULA 04 E 05.pptx
AULA 04 E 05.pptx
 
Plano de aula agosto 2014 Olga Savary
Plano de aula agosto 2014 Olga SavaryPlano de aula agosto 2014 Olga Savary
Plano de aula agosto 2014 Olga Savary
 
Artigo
 Artigo Artigo
Artigo
 
O texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasO texto e suas tessituras
O texto e suas tessituras
 
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23 figuras de linguagem
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23  figuras de linguagemCefet/Coltec - Extensivo - Aula 23  figuras de linguagem
Cefet/Coltec - Extensivo - Aula 23 figuras de linguagem
 
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptxrecursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
 
27207.pptx
27207.pptx27207.pptx
27207.pptx
 
27207.pptx
27207.pptx27207.pptx
27207.pptx
 
Português.pdf
Português.pdfPortuguês.pdf
Português.pdf
 

Mais de Helia Coelho Mello

O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
Helia Coelho Mello
 
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimosSinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
Helia Coelho Mello
 
Erros comuns e vícios de linguagem
Erros comuns e vícios de linguagemErros comuns e vícios de linguagem
Erros comuns e vícios de linguagem
Helia Coelho Mello
 

Mais de Helia Coelho Mello (20)

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregos
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
 
Sofismas
SofismasSofismas
Sofismas
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na rede
 
O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o Discurso
 
Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
Acordo Ortográfico
Acordo OrtográficoAcordo Ortográfico
Acordo Ortográfico
 
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimosSinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
Sinônimos, antônimos, parônimos, homônimos
 
Erros comuns e vícios de linguagem
Erros comuns e vícios de linguagemErros comuns e vícios de linguagem
Erros comuns e vícios de linguagem
 

Último

4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.docProjeto envolvendo as borboletas - poema.doc
Projeto envolvendo as borboletas - poema.doc
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 

IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica

  • 1. FIGURA RETÓRICA: A FLOR NO CAMPO DA ARGUMENTAÇÃO Hélia Coelho Mello-2016 IV CONGRESSO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE RETÓRICA: Retórica e Alteridade
  • 2. Destacar a importância da Retórica para as aulas de leitura de textos argumentativos em turmas do Ensino Médio por possibilitar o conhecimento de recursos que tornam possível a adaptação do discurso aos objetivos visados por seu enunciador. NOSSO OBJETIVO:
  • 3. “É preciso negar-se a opção mortal entre retórica da argumentação e retórica do estilo. Uma não está sem a outra”. Reboul (1998:90) RETÓRICA DO ESTILO
  • 4. Enquanto os argumentos correspondem ao logos da argumentação, os recursos retóricos seduzem o leitor pelo prazer da leitura (pathos), servindo para tornar o argumento aceito. RETÓRICA DO ESTILO
  • 5. Recursos linguísticos que podem ser utilizados a serviço da persuasão já que seduzem o leitor pelo prazer da leitura (pathos), servindo para tornar o argumento mais bem aceito por criar presença e estabelecer comunhão. FIGURAS RETÓRICAS
  • 6. “ A figura só é de retórica quando desempenha papel persuasivo” e “se o argumento é o prego, a figura é o modo de pregá-lo”. Reboul (1998:114)) FIGURA RETÓRICA
  • 7.  Matéria sonora do discurso.  Força persuasiva : facilitam a atenção e a lembrança, além de instaurarem uma harmonia prazerosa.  Figuras de ritmo (acento tônico e extensão das sílabas), de som ( implicam fonemas, sílabas ou palavras).  Antanáclase (polissemia), paranomásia (trocadilho), aliteração (repetição de fonemas consonantais), cláusula (sequência rítmica que termina um período), derivação. FIGURAS DE PALAVRAS
  • 8.  Dizem respeito à significação das palavras ou dos grupos de palavras.  Consistem no emprego de um termo (ou vários) com um sentido que não lhe é habitual.  Segundo Reboul (1998:120), “a figura de sentido (...) enriquece o sentido das palavras.”  Metonímia,metáfora,hipérbole,lítotes, paradoxo, sinestesia. FIGURAS DE SENTIDO
  • 9.  Dizem respeito à estrutura da frase, do discurso.  Algumas procedem por: • Subtração - elipse, assíndeto, aposiopese(reticência); • Permutação –quiasmo(oposição baseada na inversão). • Repetição-antítese, epanalepse (repetição da mesma palavra no meio de frases seguidas), epanástrofe (repetição de palavras invertidas),anáfora, pleonasmo, gradação. FIGURAS DE CONSTRUÇÃO
  • 10.  Dizem respeito à relação do discurso com seu sujeito (o orador) ou com seu objeto.  Alegoria, ironia, apóstrofe, personificação, silepse, hipotipose, prolepse, figura retórica. FIGURAS DO PENSAMENTO, ENUNCIAÇÃO E ARGUMENTO
  • 11. PARADOXO: título. METÁFORAS- “viagem longa”, “bilhete”, “ferrovia”, “bando de maritacas”, “alavanca de emergência”, “mochila nas costas”. "VIAGEM LONGA, DESTINO INCERTO...” Rubem Alves
  • 12.  PROLEPSE - “Alguns me contestam: afirmam saber muito bem o lugar para onde estão indo. Assim são os adolescentes: sempre têm os bolsos cheios de certezas.”(par.1)  PERGUNTAS RETÓRICAS - “E se depois de chegar lá vocês não gostarem? E se quiserem voltar? / “Poderá haver imagem mais bela de um herói?”(par. 7) "VIAGEM LONGA, DESTINO INCERTO...”
  • 13.  HIPÉRBOLE - “comer um saco de sal com ela”(par. 4), “sem ela eu morro...”(par. 4).  PROSOPOPEIA - “febre da paixão” (par. 4).  SINESTESIA e ANTÍTESE - “quem é acometido da febre da paixão desaprende a astúcia do pensamento” (par. 4). "VIAGEM LONGA, DESTINO INCERTO...”
  • 14.  ALEGORIA - “por fora, bela viola; por dentro, pão bolorento” (par. 4)/ “Pensei então na bela imagem do engenheiro — régua de cálculo, compasso e prumo nas mãos, em busca do ponto de apoio onde a alavanca levantaria o mundo!”(par. 9). "VIAGEM LONGA, DESTINO INCERTO...”
  • 15.  HIPOTIPOSE - "Ah, mãe, ele é diferente...” (par. 4)/ "Eu sei que o meu amor por ela é eterno. Sem ela eu morro...” (par. 4)/ “Como São Jorge. O médico, em suas vestes sacerdotais verdes, apenas os olhos se mostrando atrás da máscara, a mão segurando a arma, o bisturi, o sangue escorrendo do corpo do inocente, em luta solitária contra a morte”. (par. 7). "VIAGEM LONGA, DESTINO INCERTO...”
  • 16. APOSIOPESE (reticência) – “O dia-a-dia da maioria dos engenheiros é tomar conta de peão em canteiro de obra...” (par. 10)/ “Não podem suportar a ideia de ver o ‘bando’ partindo, enquanto ele não embarca, e fica sozinho na plataforma da estação...” (par. 12)/ “ ‘A coisa não está nem na partida e nem na chegada, mas na travessia.’...” (par. 15) "VIAGEM LONGA, DESTINO INCERTO...”
  • 17. ARISTÓTELES. Retórica. 2ª edição, revista, Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2005. GIRAUD, Pierre. A Estilística. 2.ed. trad. Miguel Maillet. São Paulo: Mestre Jou, 1978. PERELMAN, Chaïm & OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da Argumentação - A Nova Retórica. trad .Maria Ermantina Galvão São Paulo: Martins Fontes, 1999 REBOUL, Olivier. Introdução à Retórica. São Paulo: Martins Fontes, 1998. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS