SlideShare uma empresa Scribd logo
TEORIA DA ENUNCIAÇÃO
Ms. Silvio Luis da Silva


Tendo em vista a afirmação de Saussure (2004, p.
13) indicando que “a linguagem escapa as mais das
vezes à observação”, Benveniste (2006d, p. 225)
indica que:


Ela não se deixa dividir mas decompor; suas unidades
são elementos de base em número limitado, cada um
diferente do outro, e suas unidades se agrupam para
formar novas unidades, e estas por sua vez poderão
formar outras ainda, de um nível cada vez superior.

Essa “decomposição” possibilita ao linguista ver:
 1. no discurso o início da linguagem, que se atualiza
continuamente em frases;
 2. na linguagem a formação e configuração da
língua, que se dá necessariamente em uso.

Teoria da enunciação
ENUNCIADO E FRASE


A frase é estática e contém em si uma significação; é
uma construção do linguista para dar conta dos
enunciados.




“um inventário dos empregos de uma palavra poderia não
acabar; um inventário dos empregos de uma frase não poderia
nem mesmo começar” (BENVENISTE, 2005d, p. 139).

O enunciado é volátil e é sempre uma realização única,
um conjunto de entidades abstratas, as frases, em que
cada uma é suscetível de ser manifestada por uma
infinidade de enunciados.


A realização de um enunciado é um acontecimento único: é
uma coisa que não existia antes e não existirá após a sua
realização. (DUCROT, 1987).


Para Benveniste (2006a), em caráter simultâneo, a língua é
o único sistema semiótico tanto na estrutura formal como no
funcionamento. De fato, a língua preenche os requisitos das
três relações entre sistemas semióticos propostos pelo autor,
quais sejam:
1.° ela se manifesta pela enunciação, que contém referência a uma
situação dada; falar é sempre falar de;
 2.° ela consiste formalmente de unidades distintas, sendo que
cada uma é um signo;
 3.° ela é produzida e recebida nos mesmos valores de referência
por todos os membros de uma comunidade;
 4.° ela é a única atualização da comunicação intersubjetiva
(BENVENISTE, 2006a, p. 63).
Por conta dessas características da língua como sistema
semiótico, ela é investida de Dupla Significância. Ou seja, “a
língua combina dois modos distintos de significância, que
denominamos modo SEMIÓTICO por um lado, e modo
SEMÂNTICO, por outro” (BENVENISTE, 2006a, p. 64, grifo do
autor).









A significação semiótica da língua “consistirá em identificar
as unidades, em descrever suas marcas distintivas e em
descobrir os critérios cada vez mais sutis da distintividade
[entre os signos]” (BENVENISTE, 2006a, p. 65, grifo do
autor). Já a significação semântica envolve o discurso,
sendo que:
A mensagem não se reduz a uma sucessão de unidades
que devem ser identificadas separadamente; não é uma
adição de signos que produz o sentido, é, ao contrário, o
sentido (o “intencionado”), concebido globalmente, que se
realiza e se divide em “signos” particulares, que são
PALAVRAS (BENVENISTE, 2006a, p. 65, grifo do autor).
Todas essas considerações acerca da língua trazem à
tona a seguinte proposição: “o semiótico (o signo) deve
ser RECONHECIDO; o semântico (o discurso) deve ser
COMPREENDIDO” (BENVENISTE, 2006a, p. 66, grifo do
autor). O semiótico constitui
propriedade da língua, ao passo que o semântico implica
a atividade do locutor. Em outras palavras:









O signo semiótico existe em si, funda a realidade da língua, mas
ele não encontra aplicações particulares; a frase, expressão do
semântico, não é senão particular. Com o signo tem-se a realidade
intrínseca da língua; com a frase liga-se às coisas fora da língua; e
enquanto o signo tem por parte integrante o significado, que lhe é
inerente, o sentido da frase implica referência à situação de
discurso e à atitude do locutor (BENVENISTE, 2006d, p. 230, grifo
do autor).

A ENUNCIAÇÃO
A) designa a atividade psicofisiológica implicada pela
produção do enunciado (acrescentando-lhe o jogo de
influências sociais que a condiciona)
B) é produto da atividade do sujeito falante, ou seja, um
segmento de discurso; e
C) o acontecimento constituído pelo aparecimento de um
enunciado.




Pode-se transpor o semantismo de uma língua para o de uma
outra, “salva veritate”; é a possibilidade da tradução; mas não se
pode transpor o semioticismo de uma língua para o de uma outra;
é a impossibilidade da tradução. Atinge-se aqui a diferença entre o
semiótico e o semântico (BENVENISTE, 2006d, p. 233, grifo do
autor).

Por fim, com a “inclusão do falante em seu discurso, a
consideração pragmática [...] coloca a pessoa na sociedade
enquanto participante” (BENVENISTE, 2006c, p. 101), tornase possível indicar o sentido como elo fundamental entre a
língua (sistema semiótico cuja unidade é o signo) e a frase
(sistema semântico cuja unidade é a palavra):


O sentido da frase é de fato a ideia que ela exprime; este
sentido se realiza formalmente na língua pela escolha, pelo
agenciamento de palavras, por sua organização
sintática, pela ação que elas exercem umas sobre as outras.
[...] Uma frase participa sempre do “aqui e agora”; algumas
unidades de discurso são aí unidas para traduzir uma certa
ideia interessante, um certo presente de um certo locutor
(BENVENISTE, 2006d, p. 230, grifo do autor).


Opondo eu a não eu, e, ainda, pessoa a não
pessoa, além de não dissociar o falante do discurso que
profere, deve-se considerar na enunciação “o próprio
ato, as situações em que ele se realiza, os instrumentos
de sua realização” Benveniste (2006c, p. 101). A noção
de ato é fundamental para distinguir o enunciado
(texto, ou produto) da enunciação (mobilização da
língua por parte do locutor, ou processo). A
diferenciação entre o sujeito do enunciado e o sujeito da
enunciação pode ser apontada como outro fator que
comporta sutilezas representativas da linguagem como
um processo no qual o fim é apenas um começo.






o aparato conceitual do aparelho formal da enunciação baseiase na proposição de que a língua “assegura o duplo
funcionamento subjetivo e referencial do discurso”
(BENVENISTE, 2006c, p. 101). Duas oposições fundamentais,
a distinção entre o eu e o não eu:
Distinção eu/tu: operada por meio dos índices de pessoa eu
(que denota o indivíduo locutor da enunciação) e tu (indivíduo
alocutário da enunciação), sendo a presença do outro inerente
a toda instância de enunciação e exclusivamente interhumana.
Assim, segundo Benveniste (2006b, p. 84), temos duas
condições fundamentais à enunciação: a) “toda enunciação é,
explícita ou implicitamente, uma alocução, ela postula um
enunciatário”; e b) “a referência é parte integrante da
enunciação”.
2. Distinção pessoa/não pessoa: operada pela conjunção
entre os índices de pessoa eu/tu em oposição ao índice de não
pessoa ele, “efetua a operação da referência e fundamenta a
possibilidade do discurso sobre alguma coisa, sobre o mundo,
sobre o que não é a alocução” (BENVENISTE, 2006c, p. 101).








as situações e os instrumentos do ato de enunciação
suscitam uma série de considerações de ordem linguística e
formal:
1. Designação do objeto e instância do termo: da mesma
natureza dos índices de pessoa (eu e tu), os índices de
ostensão, como este e aqui, designam o objeto (ele, não
pessoa) ao mesmo tempo que delimitam sua condição no
discurso.
2. Indivíduos linguísticos: operados por meio dos pronomes
pessoais e demonstrativos, remetem a indivíduos, sejam eles
pessoas, momentos, lugares etc.
3. Formas temporais: relativas aos verbos, cuja forma axial,
i.e., o presente, coincide com o momento da enunciação.


4. Funções sintáticas: considerando a enunciação, as funções
sintáticas disponibilizam ao locutor uma série de recursos para
influenciar o comportamento do alocutário por meio da língua.
Temos, assim:








a) a interrogação: “enunciação construída para suscitar uma „resposta‟, por um
processo linguístico que é, ao mesmo tempo um processo de comportamento
com dupla entrada [...]” (BENVENISTE, 2006b, p. 86, grifo do autor);
b) a intimação: “ordens, apelos concebidos em categorias como o imperativo, o
vocativo, que implicam uma relação viva e imediata do enunciador ao outro numa
referência necessária ao tempo da enunciação” (BENVENISTE, 2006b, p. 86); e
c) a asserção: “em seu rodeio sintático, como em sua entonação, a asserção visa
a comunicar uma certeza, ela é a manifestação mais comum da presença do
locutor na enunciação, ela tem mesmo instrumentos específicos que a exprimem
ou que a implicam, as palavras sim e não afirmando positivamente ou
negativamente uma proposição [...]” (BENVENISTE, 2006b, p. 86-87, grifo do
autor).

5. Modalidades formais: relativas aos verbos (modos verbais que
exprimem atitudes do locutor, como expectativa, desejo, apreensão
etc.) e à denominada fraseologia, na acepção de vocábulos ou
expressões que indicam incerteza, possibilidade, indecisão e/ou
recusa de asserção, tais como talvez, sem dúvida, provavelmente
etc. (cf. BENVENISTE, 2006b, p. 87).
PARA BENVENISTE, A DUALIDADE OPOSITIVA
ENGLOBA, ENTRE OUTROS ASPECTOS:

• língua/linguagem;
 • forma/sentido;
 • signo/frase;
 • significância semiótica/significância semântica; e
 • enunciado/enunciação.

PARA ESCLARECER:
O SIGNO LINGUÍSTICO é composto por:
 SIGNIFICANTE elemento perceptível do signo e que
constitui, de certo modo, uma “imagem acústica” Situase no plano da forma/continente (isto é da sua parte
material, da linguagem); e
 SIGNIFICADO, que não é uma coisa, mas a
representação mental dessa coisa. É o conceito. Situase no plano do conteúdo (portanto da mensagem, da
interpretação).
 O Significante e o Significado formam o Signo, uma
entidade psíquica com duas faces, a combinação do
conceito (Significado) e a imagem acústica (Significante)
e essa relação, Saussure denominou de
SIGNIFICAÇÃO, isto é, o ato que une o significante ao
significado e que constitui um elemento essencial do
signo.

CONCEPÇÃO DE SIGNIFICAÇÃO EM




DUCROT

Para construir uma teoria do sentido, do que é
comunicado, é preciso um conceito de enunciação que
não encerre em si, desde o início, a noção do sujeito
falante.
O sentido do enunciado NÃO é a significação da frase
temperada por alguns ingredientes em prestados à
situação de discurso; o que exclui do processo de
produção de sentido a significação, que é, nessa
perspectiva, afeita apenas a frase, não ao enunciado.
A SIGNIFICAÇÃO






É um conjunto de instruções dadas ao ouvinte para
interpretar os enunciados da frase, instruções que
indicam que manobras realizar para efetivamente
depreender o sentido do dito.
Conhecer a significação da frase subjacente ao
enunciado “O tempo está bom” é saber o que é
necessário fazer para interpretá-lo, ou seja, saber que
se trata de um local específico, Natal, que tempo bom
em Natal significa sol.
A natureza significativa da significação (da instrução
dada ao falante) se dá com a introdução de variáveis
argumentativas.


Barthes (1991, p. 52) diz que “a significação pode ser
concebida como um processo; é o ato que une o
significante e o significado, ato cujo produto é o signo”. A
significação, como elo entre o significante e o significado,
não constitui uma teoria nova, ou seja, quando Barthes
discute o assunto embasa-se em autores que o
discutiram anteriormente, a exemplo de Hjelmslev e
Lacan, retomado por Laplanche e Laclair.
VARIÁVEIS ARGUMENTATIVAS









O tempo ainda está bom.
O tempo pode estar bom.
O tempo ainda não está bom.
O tempo está um pouco bom.
O tempo está quase bom.
Em todas as frases, as variáveis argumentativas
introduzidas na frase são de caráter do enunciado e não
podem ser descritas pela significação, mas pelo
significado que impingem ao dito.
Para Ducrot, a argumentação, com efeito, muito diferente
do esforço de persuasão, é um ato público, aberto, que
não pode realizar-se sem se denunciar como tal.
EFEITO DE VIVACIDADE
 O efeito de vivacidade é aquele dado, por exemplo,
quando um autor de uma exclamação “expressa o o que
ele sente” e é, portanto, a linguagem da vida, do
sentimento e não a do pensamento.
 Ex: Pedro é muito inteligente.
Como Pedro é inteligente!


TEMA E PROPÓSITO
 O tema é aquilo sobre o que a resposta deve incidir para
satisfazer a exigência de resposta da pergunta. No caso
exemplificado, as qualidades de Pedro.
 O propósito é o que se diz concernente ao tema. No caso,
o fato de Pedro ser inteligente.

REFERÊNCIAS



BARBISAN, Leci. 2006. O conceito de enunciação em Benveniste e Ducrot. In: GIACOMELLI,
Karina; PIRES, Vera Lúcia (Org.). Letras, Santa Maria, v. 33, p. 23-35, jul./dez.
BENVENISTE, Émile. 2005a. Saussure após meio século. In: ______. Problemas de linguística geral.
Trad. Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 34-49.



______. 2005b. Natureza do signo linguístico. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Maria



da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 53-59.
______. 2005c. Comunicação animal e linguagem humana. In: ______. Problemas de linguística geral.
Trad. Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 60-67.
______. 2005d. Os níveis de análise linguística. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Maria





















da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 127-140.
______. 2005e. Da subjetividade na linguagem. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Maria
da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 284-293.

______. 2006a. Semiologia da língua. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Marco Antônio
Escobar. 2. ed. Campinas: Pontes, v. 2, p. 43-67.
______. 2006b. O aparelho formal da enunciação. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad.
Marco Antônio Escobar. 2. ed. Campinas: Pontes, v. 2, p. 81-90.
______. 2006c. Estrutura da língua e estrutura da sociedade. In: ______. Problemas de linguística geral.
Trad. Rosa Attié Figueira. 2. ed. Campinas: Pontes, v. 2, p. 93-104.
______. 2006d. A forma e o sentido na linguagem. In: ______. Problemas de linguística.
DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Trad. Eduardo Guimarães. Campinas, SP: Pontes, 1987.
OBSERVE:
Teoria da enunciação
Teoria da enunciação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
Luciene Gomes
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
Caroline Cunha
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
Ricardo Leandro Flores Ricalde
 
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
Patrícia Rabelo Goulart
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
fabrinnem
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Karen Olivan
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
Angélica Manenti
 
Semântica
SemânticaSemântica
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Flávio Ferreira
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Benveniste e a noção de pessoa
Benveniste e a noção de pessoaBenveniste e a noção de pessoa
Benveniste e a noção de pessoa
Claudiene Diniz da Silva
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
Fábio Guimarães
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
IedaSantana
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
Myllenne Abreu
 
Fonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino MédioFonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino Médio
Prof Palmito Rocha
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEMCOMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
Cynthia Funchal
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
Abrahão Costa de Freitas
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
7 de Setembro
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
Edna Brito
 

Mais procurados (20)

Realismo e naturalismo
Realismo e naturalismoRealismo e naturalismo
Realismo e naturalismo
 
Homônimos e parônimos
Homônimos e parônimosHomônimos e parônimos
Homônimos e parônimos
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
O que é texto
O que é textoO que é texto
O que é texto
 
Slide introdução à literatura
Slide introdução à literaturaSlide introdução à literatura
Slide introdução à literatura
 
Linguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidadeLinguagem, língua, escrita e oralidade
Linguagem, língua, escrita e oralidade
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
Figuras de linguagem e efeitos de sentido.
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Benveniste e a noção de pessoa
Benveniste e a noção de pessoaBenveniste e a noção de pessoa
Benveniste e a noção de pessoa
 
Texto literário e não literário
Texto literário e não literárioTexto literário e não literário
Texto literário e não literário
 
Tipos de sujeito
Tipos de sujeitoTipos de sujeito
Tipos de sujeito
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
Fonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino MédioFonologia 1º ano Ensino Médio
Fonologia 1º ano Ensino Médio
 
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTOAULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação  - PRONTO
AULA 03 - Introdução - Diversas formas de iniciar uma redação - PRONTO
 
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEMCOMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
COMPETÊNCIA 2 - REDAÇÃO NO ENEM
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Adjetivos
AdjetivosAdjetivos
Adjetivos
 
Gêneros Textuais
Gêneros TextuaisGêneros Textuais
Gêneros Textuais
 

Semelhante a Teoria da enunciação

308
308308
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
AlexandreFerrari26
 
Análise do discurso
Análise do discursoAnálise do discurso
Análise do discurso
Cândida Castro
 
Uma linguística da enunciação
Uma linguística da enunciaçãoUma linguística da enunciação
Uma linguística da enunciação
Claudiene Diniz da Silva
 
Texto e discurso as vozes presentes no texto
Texto e discurso   as vozes presentes no textoTexto e discurso   as vozes presentes no texto
Texto e discurso as vozes presentes no texto
Roberta Scheibe
 
Resumo
Resumo Resumo
Resumo estudo
Resumo estudoResumo estudo
Resumo estudo
Patricia Cardozo
 
A concepção de sujeito da psicanalise a analise do discurso carmem e chagas
A concepção de sujeito da psicanalise a analise do discurso    carmem e chagasA concepção de sujeito da psicanalise a analise do discurso    carmem e chagas
A concepção de sujeito da psicanalise a analise do discurso carmem e chagas
Marcos Silvabh
 
Lingua em uso linguagem e lingua
Lingua em uso   linguagem e linguaLingua em uso   linguagem e lingua
Lingua em uso linguagem e lingua
Moises Ribeiro
 
E book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubE book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pub
Hilsa Mota
 
Redação
 Redação Redação
Caderno
CadernoCaderno
O caráter multifuncional dos marcadores conversacionais de opinião “Eu acho q...
O caráter multifuncional dos marcadores conversacionais de opinião “Eu acho q...O caráter multifuncional dos marcadores conversacionais de opinião “Eu acho q...
O caráter multifuncional dos marcadores conversacionais de opinião “Eu acho q...
UENP
 
Aula fala e escrita (cap. 1)
Aula   fala e escrita (cap. 1)Aula   fala e escrita (cap. 1)
Aula fala e escrita (cap. 1)
Naysa Taboada
 
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_kochIntertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
marimidlej
 
Signo Linguístico
Signo Linguístico Signo Linguístico
Signo Linguístico
Bruno Carioca
 
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptanlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
adrianomcosta3
 
95046107 cole-4293
95046107 cole-429395046107 cole-4293
95046107 cole-4293
Edilson A. Souza
 
Concepções de linguagem fundamentos dialógicos do circulo de bakhtin
Concepções de linguagem fundamentos dialógicos do circulo de bakhtinConcepções de linguagem fundamentos dialógicos do circulo de bakhtin
Concepções de linguagem fundamentos dialógicos do circulo de bakhtin
Douradoalcantara
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
Nayane Maciel
 

Semelhante a Teoria da enunciação (20)

308
308308
308
 
Aula AD.pptx
Aula AD.pptxAula AD.pptx
Aula AD.pptx
 
Análise do discurso
Análise do discursoAnálise do discurso
Análise do discurso
 
Uma linguística da enunciação
Uma linguística da enunciaçãoUma linguística da enunciação
Uma linguística da enunciação
 
Texto e discurso as vozes presentes no texto
Texto e discurso   as vozes presentes no textoTexto e discurso   as vozes presentes no texto
Texto e discurso as vozes presentes no texto
 
Resumo
Resumo Resumo
Resumo
 
Resumo estudo
Resumo estudoResumo estudo
Resumo estudo
 
A concepção de sujeito da psicanalise a analise do discurso carmem e chagas
A concepção de sujeito da psicanalise a analise do discurso    carmem e chagasA concepção de sujeito da psicanalise a analise do discurso    carmem e chagas
A concepção de sujeito da psicanalise a analise do discurso carmem e chagas
 
Lingua em uso linguagem e lingua
Lingua em uso   linguagem e linguaLingua em uso   linguagem e lingua
Lingua em uso linguagem e lingua
 
E book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pubE book - gêneros textuais - com-pub
E book - gêneros textuais - com-pub
 
Redação
 Redação Redação
Redação
 
Caderno
CadernoCaderno
Caderno
 
O caráter multifuncional dos marcadores conversacionais de opinião “Eu acho q...
O caráter multifuncional dos marcadores conversacionais de opinião “Eu acho q...O caráter multifuncional dos marcadores conversacionais de opinião “Eu acho q...
O caráter multifuncional dos marcadores conversacionais de opinião “Eu acho q...
 
Aula fala e escrita (cap. 1)
Aula   fala e escrita (cap. 1)Aula   fala e escrita (cap. 1)
Aula fala e escrita (cap. 1)
 
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_kochIntertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
Intertextualidade e polifonia cap 5 parte 1_apresentar_koch
 
Signo Linguístico
Signo Linguístico Signo Linguístico
Signo Linguístico
 
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.pptanlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
anlisededodiscurso-140409123243-phpapp02.ppt
 
95046107 cole-4293
95046107 cole-429395046107 cole-4293
95046107 cole-4293
 
Concepções de linguagem fundamentos dialógicos do circulo de bakhtin
Concepções de linguagem fundamentos dialógicos do circulo de bakhtinConcepções de linguagem fundamentos dialógicos do circulo de bakhtin
Concepções de linguagem fundamentos dialógicos do circulo de bakhtin
 
Os gêneros do discurso
Os gêneros do discursoOs gêneros do discurso
Os gêneros do discurso
 

Mais de Fernanda Câmara

As mãos dos pretos.
As mãos dos pretos.As mãos dos pretos.
As mãos dos pretos.
Fernanda Câmara
 
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
Fernanda Câmara
 
Elisabete badinter
Elisabete badinterElisabete badinter
Elisabete badinter
Fernanda Câmara
 
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulher
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulherCassandra rios e o tesão de mulher por mulher
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulher
Fernanda Câmara
 
Bourdieu
BourdieuBourdieu
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
Fernanda Câmara
 
Carlos franchi mas o que é mesmo gramática.
Carlos franchi   mas o que é mesmo gramática.Carlos franchi   mas o que é mesmo gramática.
Carlos franchi mas o que é mesmo gramática.
Fernanda Câmara
 
Gramática travaglia
Gramática   travagliaGramática   travaglia
Gramática travaglia
Fernanda Câmara
 
Prática texto 2
Prática   texto 2Prática   texto 2
Prática texto 2
Fernanda Câmara
 
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
Fernanda Câmara
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
Fernanda Câmara
 
Aspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciaçãoAspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciação
Fernanda Câmara
 
morfologia
morfologiamorfologia
morfologia
Fernanda Câmara
 
Arquivo 4
Arquivo 4Arquivo 4
Arquivo 4
Fernanda Câmara
 
Arquivo 3
Arquivo 3Arquivo 3
Arquivo 3
Fernanda Câmara
 
Arquivo 3
Arquivo 3Arquivo 3
Arquivo 3
Fernanda Câmara
 
Arquivo 1
Arquivo 1Arquivo 1
Arquivo 1
Fernanda Câmara
 
Teoria literária 2
Teoria literária 2Teoria literária 2
Teoria literária 2
Fernanda Câmara
 
Safo
SafoSafo
O gênero lírico
O gênero líricoO gênero lírico
O gênero lírico
Fernanda Câmara
 

Mais de Fernanda Câmara (20)

As mãos dos pretos.
As mãos dos pretos.As mãos dos pretos.
As mãos dos pretos.
 
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
Um amor conquistado o mito do amor materno (pdf) (rev)
 
Elisabete badinter
Elisabete badinterElisabete badinter
Elisabete badinter
 
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulher
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulherCassandra rios e o tesão de mulher por mulher
Cassandra rios e o tesão de mulher por mulher
 
Bourdieu
BourdieuBourdieu
Bourdieu
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 
Carlos franchi mas o que é mesmo gramática.
Carlos franchi   mas o que é mesmo gramática.Carlos franchi   mas o que é mesmo gramática.
Carlos franchi mas o que é mesmo gramática.
 
Gramática travaglia
Gramática   travagliaGramática   travaglia
Gramática travaglia
 
Prática texto 2
Prática   texto 2Prática   texto 2
Prática texto 2
 
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
DIAGNÓSTICO DAS CONCEPÇÕES DE LINGUAGEM E DE GRAMÁTICA NAS AULAS DE LÍNGUA PO...
 
Linguística textual
Linguística textualLinguística textual
Linguística textual
 
Aspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciaçãoAspectos constitutivos da enunciação
Aspectos constitutivos da enunciação
 
morfologia
morfologiamorfologia
morfologia
 
Arquivo 4
Arquivo 4Arquivo 4
Arquivo 4
 
Arquivo 3
Arquivo 3Arquivo 3
Arquivo 3
 
Arquivo 3
Arquivo 3Arquivo 3
Arquivo 3
 
Arquivo 1
Arquivo 1Arquivo 1
Arquivo 1
 
Teoria literária 2
Teoria literária 2Teoria literária 2
Teoria literária 2
 
Safo
SafoSafo
Safo
 
O gênero lírico
O gênero líricoO gênero lírico
O gênero lírico
 

Último

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 

Último (20)

escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 

Teoria da enunciação

  • 1. TEORIA DA ENUNCIAÇÃO Ms. Silvio Luis da Silva
  • 2.  Tendo em vista a afirmação de Saussure (2004, p. 13) indicando que “a linguagem escapa as mais das vezes à observação”, Benveniste (2006d, p. 225) indica que:  Ela não se deixa dividir mas decompor; suas unidades são elementos de base em número limitado, cada um diferente do outro, e suas unidades se agrupam para formar novas unidades, e estas por sua vez poderão formar outras ainda, de um nível cada vez superior. Essa “decomposição” possibilita ao linguista ver:  1. no discurso o início da linguagem, que se atualiza continuamente em frases;  2. na linguagem a formação e configuração da língua, que se dá necessariamente em uso. 
  • 4. ENUNCIADO E FRASE  A frase é estática e contém em si uma significação; é uma construção do linguista para dar conta dos enunciados.   “um inventário dos empregos de uma palavra poderia não acabar; um inventário dos empregos de uma frase não poderia nem mesmo começar” (BENVENISTE, 2005d, p. 139). O enunciado é volátil e é sempre uma realização única, um conjunto de entidades abstratas, as frases, em que cada uma é suscetível de ser manifestada por uma infinidade de enunciados.  A realização de um enunciado é um acontecimento único: é uma coisa que não existia antes e não existirá após a sua realização. (DUCROT, 1987).
  • 5.  Para Benveniste (2006a), em caráter simultâneo, a língua é o único sistema semiótico tanto na estrutura formal como no funcionamento. De fato, a língua preenche os requisitos das três relações entre sistemas semióticos propostos pelo autor, quais sejam: 1.° ela se manifesta pela enunciação, que contém referência a uma situação dada; falar é sempre falar de;  2.° ela consiste formalmente de unidades distintas, sendo que cada uma é um signo;  3.° ela é produzida e recebida nos mesmos valores de referência por todos os membros de uma comunidade;  4.° ela é a única atualização da comunicação intersubjetiva (BENVENISTE, 2006a, p. 63). Por conta dessas características da língua como sistema semiótico, ela é investida de Dupla Significância. Ou seja, “a língua combina dois modos distintos de significância, que denominamos modo SEMIÓTICO por um lado, e modo SEMÂNTICO, por outro” (BENVENISTE, 2006a, p. 64, grifo do autor). 
  • 6.     A significação semiótica da língua “consistirá em identificar as unidades, em descrever suas marcas distintivas e em descobrir os critérios cada vez mais sutis da distintividade [entre os signos]” (BENVENISTE, 2006a, p. 65, grifo do autor). Já a significação semântica envolve o discurso, sendo que: A mensagem não se reduz a uma sucessão de unidades que devem ser identificadas separadamente; não é uma adição de signos que produz o sentido, é, ao contrário, o sentido (o “intencionado”), concebido globalmente, que se realiza e se divide em “signos” particulares, que são PALAVRAS (BENVENISTE, 2006a, p. 65, grifo do autor). Todas essas considerações acerca da língua trazem à tona a seguinte proposição: “o semiótico (o signo) deve ser RECONHECIDO; o semântico (o discurso) deve ser COMPREENDIDO” (BENVENISTE, 2006a, p. 66, grifo do autor). O semiótico constitui propriedade da língua, ao passo que o semântico implica a atividade do locutor. Em outras palavras:
  • 7.      O signo semiótico existe em si, funda a realidade da língua, mas ele não encontra aplicações particulares; a frase, expressão do semântico, não é senão particular. Com o signo tem-se a realidade intrínseca da língua; com a frase liga-se às coisas fora da língua; e enquanto o signo tem por parte integrante o significado, que lhe é inerente, o sentido da frase implica referência à situação de discurso e à atitude do locutor (BENVENISTE, 2006d, p. 230, grifo do autor). A ENUNCIAÇÃO A) designa a atividade psicofisiológica implicada pela produção do enunciado (acrescentando-lhe o jogo de influências sociais que a condiciona) B) é produto da atividade do sujeito falante, ou seja, um segmento de discurso; e C) o acontecimento constituído pelo aparecimento de um enunciado.
  • 8.   Pode-se transpor o semantismo de uma língua para o de uma outra, “salva veritate”; é a possibilidade da tradução; mas não se pode transpor o semioticismo de uma língua para o de uma outra; é a impossibilidade da tradução. Atinge-se aqui a diferença entre o semiótico e o semântico (BENVENISTE, 2006d, p. 233, grifo do autor). Por fim, com a “inclusão do falante em seu discurso, a consideração pragmática [...] coloca a pessoa na sociedade enquanto participante” (BENVENISTE, 2006c, p. 101), tornase possível indicar o sentido como elo fundamental entre a língua (sistema semiótico cuja unidade é o signo) e a frase (sistema semântico cuja unidade é a palavra):  O sentido da frase é de fato a ideia que ela exprime; este sentido se realiza formalmente na língua pela escolha, pelo agenciamento de palavras, por sua organização sintática, pela ação que elas exercem umas sobre as outras. [...] Uma frase participa sempre do “aqui e agora”; algumas unidades de discurso são aí unidas para traduzir uma certa ideia interessante, um certo presente de um certo locutor (BENVENISTE, 2006d, p. 230, grifo do autor).
  • 9.  Opondo eu a não eu, e, ainda, pessoa a não pessoa, além de não dissociar o falante do discurso que profere, deve-se considerar na enunciação “o próprio ato, as situações em que ele se realiza, os instrumentos de sua realização” Benveniste (2006c, p. 101). A noção de ato é fundamental para distinguir o enunciado (texto, ou produto) da enunciação (mobilização da língua por parte do locutor, ou processo). A diferenciação entre o sujeito do enunciado e o sujeito da enunciação pode ser apontada como outro fator que comporta sutilezas representativas da linguagem como um processo no qual o fim é apenas um começo.
  • 10.    o aparato conceitual do aparelho formal da enunciação baseiase na proposição de que a língua “assegura o duplo funcionamento subjetivo e referencial do discurso” (BENVENISTE, 2006c, p. 101). Duas oposições fundamentais, a distinção entre o eu e o não eu: Distinção eu/tu: operada por meio dos índices de pessoa eu (que denota o indivíduo locutor da enunciação) e tu (indivíduo alocutário da enunciação), sendo a presença do outro inerente a toda instância de enunciação e exclusivamente interhumana. Assim, segundo Benveniste (2006b, p. 84), temos duas condições fundamentais à enunciação: a) “toda enunciação é, explícita ou implicitamente, uma alocução, ela postula um enunciatário”; e b) “a referência é parte integrante da enunciação”. 2. Distinção pessoa/não pessoa: operada pela conjunção entre os índices de pessoa eu/tu em oposição ao índice de não pessoa ele, “efetua a operação da referência e fundamenta a possibilidade do discurso sobre alguma coisa, sobre o mundo, sobre o que não é a alocução” (BENVENISTE, 2006c, p. 101).
  • 11.     as situações e os instrumentos do ato de enunciação suscitam uma série de considerações de ordem linguística e formal: 1. Designação do objeto e instância do termo: da mesma natureza dos índices de pessoa (eu e tu), os índices de ostensão, como este e aqui, designam o objeto (ele, não pessoa) ao mesmo tempo que delimitam sua condição no discurso. 2. Indivíduos linguísticos: operados por meio dos pronomes pessoais e demonstrativos, remetem a indivíduos, sejam eles pessoas, momentos, lugares etc. 3. Formas temporais: relativas aos verbos, cuja forma axial, i.e., o presente, coincide com o momento da enunciação.
  • 12.  4. Funções sintáticas: considerando a enunciação, as funções sintáticas disponibilizam ao locutor uma série de recursos para influenciar o comportamento do alocutário por meio da língua. Temos, assim:     a) a interrogação: “enunciação construída para suscitar uma „resposta‟, por um processo linguístico que é, ao mesmo tempo um processo de comportamento com dupla entrada [...]” (BENVENISTE, 2006b, p. 86, grifo do autor); b) a intimação: “ordens, apelos concebidos em categorias como o imperativo, o vocativo, que implicam uma relação viva e imediata do enunciador ao outro numa referência necessária ao tempo da enunciação” (BENVENISTE, 2006b, p. 86); e c) a asserção: “em seu rodeio sintático, como em sua entonação, a asserção visa a comunicar uma certeza, ela é a manifestação mais comum da presença do locutor na enunciação, ela tem mesmo instrumentos específicos que a exprimem ou que a implicam, as palavras sim e não afirmando positivamente ou negativamente uma proposição [...]” (BENVENISTE, 2006b, p. 86-87, grifo do autor). 5. Modalidades formais: relativas aos verbos (modos verbais que exprimem atitudes do locutor, como expectativa, desejo, apreensão etc.) e à denominada fraseologia, na acepção de vocábulos ou expressões que indicam incerteza, possibilidade, indecisão e/ou recusa de asserção, tais como talvez, sem dúvida, provavelmente etc. (cf. BENVENISTE, 2006b, p. 87).
  • 13. PARA BENVENISTE, A DUALIDADE OPOSITIVA ENGLOBA, ENTRE OUTROS ASPECTOS: • língua/linguagem;  • forma/sentido;  • signo/frase;  • significância semiótica/significância semântica; e  • enunciado/enunciação. 
  • 14. PARA ESCLARECER: O SIGNO LINGUÍSTICO é composto por:  SIGNIFICANTE elemento perceptível do signo e que constitui, de certo modo, uma “imagem acústica” Situase no plano da forma/continente (isto é da sua parte material, da linguagem); e  SIGNIFICADO, que não é uma coisa, mas a representação mental dessa coisa. É o conceito. Situase no plano do conteúdo (portanto da mensagem, da interpretação).  O Significante e o Significado formam o Signo, uma entidade psíquica com duas faces, a combinação do conceito (Significado) e a imagem acústica (Significante) e essa relação, Saussure denominou de SIGNIFICAÇÃO, isto é, o ato que une o significante ao significado e que constitui um elemento essencial do signo. 
  • 15. CONCEPÇÃO DE SIGNIFICAÇÃO EM   DUCROT Para construir uma teoria do sentido, do que é comunicado, é preciso um conceito de enunciação que não encerre em si, desde o início, a noção do sujeito falante. O sentido do enunciado NÃO é a significação da frase temperada por alguns ingredientes em prestados à situação de discurso; o que exclui do processo de produção de sentido a significação, que é, nessa perspectiva, afeita apenas a frase, não ao enunciado.
  • 16. A SIGNIFICAÇÃO    É um conjunto de instruções dadas ao ouvinte para interpretar os enunciados da frase, instruções que indicam que manobras realizar para efetivamente depreender o sentido do dito. Conhecer a significação da frase subjacente ao enunciado “O tempo está bom” é saber o que é necessário fazer para interpretá-lo, ou seja, saber que se trata de um local específico, Natal, que tempo bom em Natal significa sol. A natureza significativa da significação (da instrução dada ao falante) se dá com a introdução de variáveis argumentativas.
  • 17.  Barthes (1991, p. 52) diz que “a significação pode ser concebida como um processo; é o ato que une o significante e o significado, ato cujo produto é o signo”. A significação, como elo entre o significante e o significado, não constitui uma teoria nova, ou seja, quando Barthes discute o assunto embasa-se em autores que o discutiram anteriormente, a exemplo de Hjelmslev e Lacan, retomado por Laplanche e Laclair.
  • 18. VARIÁVEIS ARGUMENTATIVAS        O tempo ainda está bom. O tempo pode estar bom. O tempo ainda não está bom. O tempo está um pouco bom. O tempo está quase bom. Em todas as frases, as variáveis argumentativas introduzidas na frase são de caráter do enunciado e não podem ser descritas pela significação, mas pelo significado que impingem ao dito. Para Ducrot, a argumentação, com efeito, muito diferente do esforço de persuasão, é um ato público, aberto, que não pode realizar-se sem se denunciar como tal.
  • 19. EFEITO DE VIVACIDADE  O efeito de vivacidade é aquele dado, por exemplo, quando um autor de uma exclamação “expressa o o que ele sente” e é, portanto, a linguagem da vida, do sentimento e não a do pensamento.  Ex: Pedro é muito inteligente. Como Pedro é inteligente!  TEMA E PROPÓSITO  O tema é aquilo sobre o que a resposta deve incidir para satisfazer a exigência de resposta da pergunta. No caso exemplificado, as qualidades de Pedro.  O propósito é o que se diz concernente ao tema. No caso, o fato de Pedro ser inteligente. 
  • 20. REFERÊNCIAS  BARBISAN, Leci. 2006. O conceito de enunciação em Benveniste e Ducrot. In: GIACOMELLI, Karina; PIRES, Vera Lúcia (Org.). Letras, Santa Maria, v. 33, p. 23-35, jul./dez. BENVENISTE, Émile. 2005a. Saussure após meio século. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 34-49.  ______. 2005b. Natureza do signo linguístico. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Maria  da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 53-59. ______. 2005c. Comunicação animal e linguagem humana. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 60-67. ______. 2005d. Os níveis de análise linguística. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Maria                  da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 127-140. ______. 2005e. Da subjetividade na linguagem. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri. 5. ed. Campinas: Pontes, v. 1, p. 284-293. ______. 2006a. Semiologia da língua. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Marco Antônio Escobar. 2. ed. Campinas: Pontes, v. 2, p. 43-67. ______. 2006b. O aparelho formal da enunciação. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Marco Antônio Escobar. 2. ed. Campinas: Pontes, v. 2, p. 81-90. ______. 2006c. Estrutura da língua e estrutura da sociedade. In: ______. Problemas de linguística geral. Trad. Rosa Attié Figueira. 2. ed. Campinas: Pontes, v. 2, p. 93-104. ______. 2006d. A forma e o sentido na linguagem. In: ______. Problemas de linguística. DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Trad. Eduardo Guimarães. Campinas, SP: Pontes, 1987.