SlideShare uma empresa Scribd logo
COERÊNCIA TEXTUAL
Professora: Helia Coelho Mello Cunha
2014
COERÊNCIA TEXTUAL
• Coerência é a relação que se estabelece
entre as partes do texto, criando uma
unidade de sentido.

• A incoerência seria, pois, a violação das
articulações de conteúdo de cada um dos
níveis de organização do texto.
DIFERENTES NÍVEIS DE
INCOERÊNCIAS
• INCOERÊNCIA NARRATIVA
• INCOERÊNCIA TEMPORAL
• INCOERÊNCIA ESPACIAL
• INCOERÊNCIA FIGURATIVA
• INCOERÊNCIA NO NÍVEL DE LINGUAGEM
• INCOERÊNCIA ARGUMENTATIVA
INCOERÊNCIA NARRATIVA
• INCOERÊNCIA NARRATIVA é a que ocorre quando
não se respeitam as implicações lógicas
existentes entre as partes da narrativa.
• É incoerente narrar uma história em que alguém
está descendo uma ladeira num carro sem freio,
que para imediatamente, depois de ser brecado,
quando uma criança lhe corta a frente.
Incoerência narrativa:
• Havia um menino muito magro que vendia amendoins
numa esquina de uma das avenidas de São Paulo. Ele era
tão fraquinho, que mal podia carregar a cesta em que
estavam os pacotinhos de amendoim. Um dia, na
esquina em que ficava, um motorista, que vinha em alta
velocidade, perdeu a direção. O carro capotou de rodas
para o ar. O menino não pensou duas vezes. Correu para
o carro e tirou de lá o motorista, que era um homem
corpulento. Carregou-o até a calçada, parou um carro e
levou o homem para o hospital. Assim, salvou-lhe a vida.
INCOERÊNCIA TEMPORAL
• INCOERÊNCIA TEMPORAL é aquela que
não respeita as leis da sucessividade dos
eventos
ou
apresenta
uma
incompatibilidade entre os enunciados do
texto, do ponto de vista da localização no
tempo.
INCOERÊNCIA ESPACIAL
• INCOERÊNCIA ESPACIAL diz respeito à não
compatibilidade entre os enunciados do ponto
de vista da localização no espaço. “Lá dentro
havia uma fumaça formada pela maconha e essa
fumaça não deixava que nós víssemos qualquer
pessoa,
pois
ela
era
muito
densa.
Meu colega foi à cozinha me deixando sozinho,
fiquei encostado na parede da sala e fiquei
observando as pessoas que lá estavam. Na festa
havia pessoas de todos os tipos: ruivas, brancas,
pretas, amarelas, altas, baixas, etc.”.
INCOERÊNCIA FIGURATIVA
• INCOERÊNCIA FIGURATIVA diz respeito à não
combinatória de figuras para manifestar um
dado tema ou à incompatibilidade de figuras
entre si. Sabemos que as figuras se encadeiam
num percurso, para manifestar um determinado
tema e, para isso, têm que ser compatíveis umas
com as outras, senão o leitor não percebe o
tema que se deseja veicular.
INCOERÊNCIA FIGURATIVA
• Suponhamos que se deseje figurativizar o tema
“despreocupação.” Podem-se usar figuras como
“pessoas deitadas à beira de uma piscina”,
“drinques gelados”, “passeios pelos shoppings”.
Não caberia, no entanto, na figurativização desse
tema, a utilização de figuras como “pessoas indo
apressadas para o trabalho”, “fábricas
funcionando a pleno vapor”.
INCOERÊNCIA NO NÍVEL DE
LINGUAGEM
• INCOERÊNCIA NO NÍVEL DE LINGUAGEM é
a não compatibilidade, do ponto de vista
da variante linguística escolhida, no nível
do léxico e das estruturas sintáticas
utilizados no texto.
INCOERÊNCIA ARGUMENTATIVA
• INCOERÊNCIA
ARGUMENTATIVA
diz
respeito às relações de implicação ou de
adequação que não se estabelecem entre
certos pressupostos ou afirmações
explícitas colocadas no texto e as
conclusões que se tira deles, as
consequências que se fazem deles
decorrer.
INCOERÊNCIA ARGUMENTATIVA
• Se o texto parte da premissa de que todos
são iguais perante a lei, cai na incoerência
se defender posteriormente o privilégio de
algumas categorias profissionais não
estarem obrigadas a pagar imposto de
renda.
TIPOS DE COERÊNCIA
• Coerência intratextual - é aquela que diz
respeito à relação de compatibilidade, de
adequação, de não contradição entre os
enunciados do texto, como ocorre, por
exemplo, quando respondemos o que nos
foi perguntado, quando não desdizemos o
que acabamos de dizer , por exemplo.
.
TIPOS DE COERÊNCIA
• Coerência extratextual – é a que concerne à
adequação do texto a algo que lhe é exterior.
• Essa exterioridade pode ser:
a) o conhecimento de mundo
b) os mecanismos gramaticais e semânticos da
língua
Fatores que provocam aparentes
incoerências para o leitor/ouvinte:
1) o contexto (unidade linguística maior,
responsável pela atribuição de sentido a uma
unidade menor que está inserida nela: assim, a
frase constitui o contexto da palavra, o texto, o da
frase, etc.).
2) a situação de comunicação. Muitas vezes, um
texto parece absurdo, quando não se conhece a
situação em que foi produzido. Ela permite que se
deixem implícitos certos segmentos do texto, que,
fora dele, precisariam ser especificados, para que
houvesse coerência.
Fatores que provocam aparentes
incoerências para o leitor/ouvinte:
3) as regras do gênero a que o texto pertence
4) o intertexto. Quando um texto retoma outro,
constrói-se com base em outro, ganha coerência,
ao percebermos a relação que se estabelece entre
eles. Intertextualidade é exatamente a relação
entre dois textos. .
BIBLIOGRAFIA
• FÁVERO, Leonor Lopes (1991) Coesão e coerência
textuais. São Paulo: Ática.
• KOCH, Ingedore G. Villaça (1993) A coesão
textual. São Paulo: Ática.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coerencia e coesão
Coerencia e coesãoCoerencia e coesão
Coerencia e coesão
Rosana Mayer
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Slide implicito e explicito
Slide implicito e explicitoSlide implicito e explicito
Slide implicito e explicito
Vera Moreira Matos
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
Marcelo Cordeiro Souza
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
Ana Castro
 
Coesão Referencial
Coesão ReferencialCoesão Referencial
Coesão Referencial
Plantão da Redação
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
Marilia Teddy
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
Marcelo Cordeiro Souza
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
leticiararek
 
Interdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidadeInterdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidade
Mabel Teixeira
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
marlospg
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
Professor Rômulo Viana
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
Ana Castro
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
Andriane Cursino
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
Myllenne Abreu
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
Carla Souto
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
Luciene Gomes
 
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
Cynthia Funchal
 

Mais procurados (20)

Coerencia e coesão
Coerencia e coesãoCoerencia e coesão
Coerencia e coesão
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Slide implicito e explicito
Slide implicito e explicitoSlide implicito e explicito
Slide implicito e explicito
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
Coesão Referencial
Coesão ReferencialCoesão Referencial
Coesão Referencial
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
 
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
AULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTOAULA 02 -  FATORES DE TEXTUALIDADE  - PRONTO
AULA 02 - FATORES DE TEXTUALIDADE - PRONTO
 
Gêneros textuais
Gêneros textuaisGêneros textuais
Gêneros textuais
 
Interdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidadeInterdiscursividade e intertextualidade
Interdiscursividade e intertextualidade
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos Compreensão e Interpretação de Textos
Compreensão e Interpretação de Textos
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Gênero Textual: Conto
Gênero Textual: ContoGênero Textual: Conto
Gênero Textual: Conto
 
Coerência textual
Coerência textualCoerência textual
Coerência textual
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
ARGUMENTAÇÃO - Enem (Competência 3)
 

Destaque

Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
talitacampione
 
CoerêNcia Textual
CoerêNcia TextualCoerêNcia Textual
CoerêNcia Textual
guestafae0a
 
Elementos de coerência
Elementos de coerênciaElementos de coerência
Elementos de coerência
Cynthia Funchal
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
aulasdejornalismo
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
Alexandra Gonçalves
 
Conceito de coerência
Conceito de coerênciaConceito de coerência
Conceito de coerência
Manuel Bohn
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
nelsonalves70
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Marcia Oliveira
 
Coesão e Coerência Textual
Coesão e Coerência TextualCoesão e Coerência Textual
Coesão e Coerência Textual
Lorena Zambon
 
Elementos de coesão
Elementos de coesãoElementos de coesão
Elementos de coesão
Cynthia Funchal
 
Coesao textual
Coesao textualCoesao textual
Coesao textual
Fatima Ali
 
Coesao e-coerencia
Coesao e-coerenciaCoesao e-coerencia
Coesao e-coerencia
ALINE NEUSCHRANK
 
Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)
nelsonalves70
 
Marginal Emissions Rates in Energy System Change | Dr A.D. Hawkes
Marginal Emissions Rates in Energy System Change | Dr A.D. HawkesMarginal Emissions Rates in Energy System Change | Dr A.D. Hawkes
Marginal Emissions Rates in Energy System Change | Dr A.D. Hawkes
icarb
 
Um EspaçO, Uma EstóRia ApresentaçãO Final
Um EspaçO, Uma EstóRia   ApresentaçãO FinalUm EspaçO, Uma EstóRia   ApresentaçãO Final
Um EspaçO, Uma EstóRia ApresentaçãO Final
Maria Maló
 
101 2005-anexo i
101 2005-anexo i101 2005-anexo i
101 2005-anexo i
RodaygianeJo
 
Sofismas
SofismasSofismas
Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos seminário 2
Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos   seminário 2Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos   seminário 2
Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos seminário 2
Holon Systemic Solutions
 
Linguagem forense aula 4 direito 20122
Linguagem forense aula 4 direito 20122Linguagem forense aula 4 direito 20122
Linguagem forense aula 4 direito 20122
Agassis Rodrigues
 
43733 1322396086230
43733 132239608623043733 1322396086230
43733 1322396086230
Maria Luiza Wilker
 

Destaque (20)

Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
 
CoerêNcia Textual
CoerêNcia TextualCoerêNcia Textual
CoerêNcia Textual
 
Elementos de coerência
Elementos de coerênciaElementos de coerência
Elementos de coerência
 
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIAAULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
AULA 3 - COESÃO E COERÊNCIA
 
Coerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matiasCoerência e coesão textual,matias
Coerência e coesão textual,matias
 
Conceito de coerência
Conceito de coerênciaConceito de coerência
Conceito de coerência
 
Mecanismos de Coesão
Mecanismos de CoesãoMecanismos de Coesão
Mecanismos de Coesão
 
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuaisOs mecanismos de coesão e coerência textuais
Os mecanismos de coesão e coerência textuais
 
Coesão e Coerência Textual
Coesão e Coerência TextualCoesão e Coerência Textual
Coesão e Coerência Textual
 
Elementos de coesão
Elementos de coesãoElementos de coesão
Elementos de coesão
 
Coesao textual
Coesao textualCoesao textual
Coesao textual
 
Coesao e-coerencia
Coesao e-coerenciaCoesao e-coerencia
Coesao e-coerencia
 
Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)Mecanismos de Coesão (Esquema)
Mecanismos de Coesão (Esquema)
 
Marginal Emissions Rates in Energy System Change | Dr A.D. Hawkes
Marginal Emissions Rates in Energy System Change | Dr A.D. HawkesMarginal Emissions Rates in Energy System Change | Dr A.D. Hawkes
Marginal Emissions Rates in Energy System Change | Dr A.D. Hawkes
 
Um EspaçO, Uma EstóRia ApresentaçãO Final
Um EspaçO, Uma EstóRia   ApresentaçãO FinalUm EspaçO, Uma EstóRia   ApresentaçãO Final
Um EspaçO, Uma EstóRia ApresentaçãO Final
 
101 2005-anexo i
101 2005-anexo i101 2005-anexo i
101 2005-anexo i
 
Sofismas
SofismasSofismas
Sofismas
 
Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos seminário 2
Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos   seminário 2Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos   seminário 2
Pensamento como sistema [david bohm]grupo de estudos seminário 2
 
Linguagem forense aula 4 direito 20122
Linguagem forense aula 4 direito 20122Linguagem forense aula 4 direito 20122
Linguagem forense aula 4 direito 20122
 
43733 1322396086230
43733 132239608623043733 1322396086230
43733 1322396086230
 

Semelhante a Coerência textual

Elementos de Coesão e Coerência textual.pptx
Elementos de Coesão e Coerência textual.pptxElementos de Coesão e Coerência textual.pptx
Elementos de Coesão e Coerência textual.pptx
CarlosAndrade351357
 
Coesão e Coerência textual - material
Coesão  e Coerência  textual  - materialCoesão  e Coerência  textual  - material
Coesão e Coerência textual - material
MaiteFerreira4
 
coesão e coerência - BB.pptx
coesão e coerência - BB.pptxcoesão e coerência - BB.pptx
coesão e coerência - BB.pptx
BerlaPaiva
 
COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANO
COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANOCOERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANO
COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANO
FranciscoBatalha1
 
A coerência
A coerênciaA coerência
A coerência
Leila Brandão
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
cleia
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
Helen Cristina
 
Resumo de coerência e coesão - apresetnação para processos gerenciais
Resumo de coerência e coesão - apresetnação para processos gerenciaisResumo de coerência e coesão - apresetnação para processos gerenciais
Resumo de coerência e coesão - apresetnação para processos gerenciais
ssuserc7a2261
 
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppttipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
Roseli Gomes Martins
 
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppttipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
keilaoliveira69
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
Claudio Pessoa
 
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Fatores da textualidade   pibid 2017.2Fatores da textualidade   pibid 2017.2
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
Cleber Pereira de Sousa
 
Slide.intertextualidade (final)
Slide.intertextualidade (final)Slide.intertextualidade (final)
Slide.intertextualidade (final)
Priscila Fabiana Marques
 
50 dicas redação
50 dicas redação50 dicas redação
50 dicas redação
Paulo Cesar
 
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptxtipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
EdilmaBrando1
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
ma.no.el.ne.ves
 
Gêneros de texto
Gêneros de textoGêneros de texto
Gêneros de texto
Rosemary Batista
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Josilene Borges
 
Fatores de textualidade na redação
Fatores de textualidade na redaçãoFatores de textualidade na redação
Fatores de textualidade na redação
ma.no.el.ne.ves
 

Semelhante a Coerência textual (20)

Elementos de Coesão e Coerência textual.pptx
Elementos de Coesão e Coerência textual.pptxElementos de Coesão e Coerência textual.pptx
Elementos de Coesão e Coerência textual.pptx
 
Coesão e Coerência textual - material
Coesão  e Coerência  textual  - materialCoesão  e Coerência  textual  - material
Coesão e Coerência textual - material
 
coesão e coerência - BB.pptx
coesão e coerência - BB.pptxcoesão e coerência - BB.pptx
coesão e coerência - BB.pptx
 
COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANO
COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANOCOERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANO
COERÊNCIA E COESÃO TEXTUAL - POWER POINT AREAL - PORTUGUÊS 11ºANO
 
A coerência
A coerênciaA coerência
A coerência
 
Tp5
Tp5Tp5
Tp5
 
Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)Estudo das palavras (aula 5)
Estudo das palavras (aula 5)
 
Resumo de coerência e coesão - apresetnação para processos gerenciais
Resumo de coerência e coesão - apresetnação para processos gerenciaisResumo de coerência e coesão - apresetnação para processos gerenciais
Resumo de coerência e coesão - apresetnação para processos gerenciais
 
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppttipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
 
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppttipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
tipologia-textual-profc2aa-barbara-2017.ppt
 
Pnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritosPnaic producao textos_orais_escritos
Pnaic producao textos_orais_escritos
 
Fatores da textualidade pibid 2017.2
Fatores da textualidade   pibid 2017.2Fatores da textualidade   pibid 2017.2
Fatores da textualidade pibid 2017.2
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
Slide.intertextualidade (final)
Slide.intertextualidade (final)Slide.intertextualidade (final)
Slide.intertextualidade (final)
 
50 dicas redação
50 dicas redação50 dicas redação
50 dicas redação
 
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptxtipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
tipologiatextual-230317235329-fb91fd71 (1).pptx
 
Coesão e coerência
Coesão e coerênciaCoesão e coerência
Coesão e coerência
 
Gêneros de texto
Gêneros de textoGêneros de texto
Gêneros de texto
 
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aulaOficina de Gêneros Textuais em sala de aula
Oficina de Gêneros Textuais em sala de aula
 
Fatores de textualidade na redação
Fatores de textualidade na redaçãoFatores de textualidade na redação
Fatores de textualidade na redação
 

Mais de Helia Coelho Mello

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregos
Helia Coelho Mello
 
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaIV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
Helia Coelho Mello
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
Helia Coelho Mello
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
Helia Coelho Mello
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na rede
Helia Coelho Mello
 
O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
Helia Coelho Mello
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o Discurso
Helia Coelho Mello
 
Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015
Helia Coelho Mello
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
Helia Coelho Mello
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
Helia Coelho Mello
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
Helia Coelho Mello
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
Helia Coelho Mello
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
Helia Coelho Mello
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
Helia Coelho Mello
 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSRETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
Helia Coelho Mello
 
Falácias
FaláciasFalácias
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
Helia Coelho Mello
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
Helia Coelho Mello
 
Recursos retóricos
Recursos retóricosRecursos retóricos
Recursos retóricos
Helia Coelho Mello
 
Acordo Ortográfico
Acordo OrtográficoAcordo Ortográfico
Acordo Ortográfico
Helia Coelho Mello
 

Mais de Helia Coelho Mello (20)

Progymnasmata um presente dos gregos
Progymnasmata   um presente dos gregosProgymnasmata   um presente dos gregos
Progymnasmata um presente dos gregos
 
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de RetóricaIV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
IV Congresso da Sociedade Brasileira de Retórica
 
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom BrilA Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
A Retórica das Mil e Uma Utilidades da Bom Bril
 
Redes sociais
Redes sociaisRedes sociais
Redes sociais
 
O debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na redeO debate que balança a palavra na rede
O debate que balança a palavra na rede
 
O discurso é a estrela
O discurso é a estrelaO discurso é a estrela
O discurso é a estrela
 
A Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o DiscursoA Retórica Desmascara o Discurso
A Retórica Desmascara o Discurso
 
Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015Minicurso Enletrarte 2015
Minicurso Enletrarte 2015
 
Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015Minicurso Enletrate 2015
Minicurso Enletrate 2015
 
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
DISSERTAÇÃO NÃO É PSICOGRAFIA. É PRECISO PLANEJAR.
 
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTADIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
DIMINUTIVO: O GRAU QUE AFAGA OU AFASTA
 
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃOARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
ARGUMENTAÇÃO COM DISPOSIÇÃO
 
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
FIGURA RETÓRICA: FLOR OU ESPADA?
 
SOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADESOFISMAS DA ATUALIDADE
SOFISMAS DA ATUALIDADE
 
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOSRETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
RETÓRICA: CHAVE DA LEITURA DE TEXTOS ARGUMENTATIVOS
 
Falácias
FaláciasFalácias
Falácias
 
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Recursos retóricos
Recursos retóricosRecursos retóricos
Recursos retóricos
 
Acordo Ortográfico
Acordo OrtográficoAcordo Ortográfico
Acordo Ortográfico
 

Último

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 

Último (20)

Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 

Coerência textual

  • 1. COERÊNCIA TEXTUAL Professora: Helia Coelho Mello Cunha 2014
  • 2. COERÊNCIA TEXTUAL • Coerência é a relação que se estabelece entre as partes do texto, criando uma unidade de sentido. • A incoerência seria, pois, a violação das articulações de conteúdo de cada um dos níveis de organização do texto.
  • 3. DIFERENTES NÍVEIS DE INCOERÊNCIAS • INCOERÊNCIA NARRATIVA • INCOERÊNCIA TEMPORAL • INCOERÊNCIA ESPACIAL • INCOERÊNCIA FIGURATIVA • INCOERÊNCIA NO NÍVEL DE LINGUAGEM • INCOERÊNCIA ARGUMENTATIVA
  • 4. INCOERÊNCIA NARRATIVA • INCOERÊNCIA NARRATIVA é a que ocorre quando não se respeitam as implicações lógicas existentes entre as partes da narrativa. • É incoerente narrar uma história em que alguém está descendo uma ladeira num carro sem freio, que para imediatamente, depois de ser brecado, quando uma criança lhe corta a frente.
  • 5. Incoerência narrativa: • Havia um menino muito magro que vendia amendoins numa esquina de uma das avenidas de São Paulo. Ele era tão fraquinho, que mal podia carregar a cesta em que estavam os pacotinhos de amendoim. Um dia, na esquina em que ficava, um motorista, que vinha em alta velocidade, perdeu a direção. O carro capotou de rodas para o ar. O menino não pensou duas vezes. Correu para o carro e tirou de lá o motorista, que era um homem corpulento. Carregou-o até a calçada, parou um carro e levou o homem para o hospital. Assim, salvou-lhe a vida.
  • 6. INCOERÊNCIA TEMPORAL • INCOERÊNCIA TEMPORAL é aquela que não respeita as leis da sucessividade dos eventos ou apresenta uma incompatibilidade entre os enunciados do texto, do ponto de vista da localização no tempo.
  • 7. INCOERÊNCIA ESPACIAL • INCOERÊNCIA ESPACIAL diz respeito à não compatibilidade entre os enunciados do ponto de vista da localização no espaço. “Lá dentro havia uma fumaça formada pela maconha e essa fumaça não deixava que nós víssemos qualquer pessoa, pois ela era muito densa. Meu colega foi à cozinha me deixando sozinho, fiquei encostado na parede da sala e fiquei observando as pessoas que lá estavam. Na festa havia pessoas de todos os tipos: ruivas, brancas, pretas, amarelas, altas, baixas, etc.”.
  • 8. INCOERÊNCIA FIGURATIVA • INCOERÊNCIA FIGURATIVA diz respeito à não combinatória de figuras para manifestar um dado tema ou à incompatibilidade de figuras entre si. Sabemos que as figuras se encadeiam num percurso, para manifestar um determinado tema e, para isso, têm que ser compatíveis umas com as outras, senão o leitor não percebe o tema que se deseja veicular.
  • 9. INCOERÊNCIA FIGURATIVA • Suponhamos que se deseje figurativizar o tema “despreocupação.” Podem-se usar figuras como “pessoas deitadas à beira de uma piscina”, “drinques gelados”, “passeios pelos shoppings”. Não caberia, no entanto, na figurativização desse tema, a utilização de figuras como “pessoas indo apressadas para o trabalho”, “fábricas funcionando a pleno vapor”.
  • 10. INCOERÊNCIA NO NÍVEL DE LINGUAGEM • INCOERÊNCIA NO NÍVEL DE LINGUAGEM é a não compatibilidade, do ponto de vista da variante linguística escolhida, no nível do léxico e das estruturas sintáticas utilizados no texto.
  • 11. INCOERÊNCIA ARGUMENTATIVA • INCOERÊNCIA ARGUMENTATIVA diz respeito às relações de implicação ou de adequação que não se estabelecem entre certos pressupostos ou afirmações explícitas colocadas no texto e as conclusões que se tira deles, as consequências que se fazem deles decorrer.
  • 12. INCOERÊNCIA ARGUMENTATIVA • Se o texto parte da premissa de que todos são iguais perante a lei, cai na incoerência se defender posteriormente o privilégio de algumas categorias profissionais não estarem obrigadas a pagar imposto de renda.
  • 13. TIPOS DE COERÊNCIA • Coerência intratextual - é aquela que diz respeito à relação de compatibilidade, de adequação, de não contradição entre os enunciados do texto, como ocorre, por exemplo, quando respondemos o que nos foi perguntado, quando não desdizemos o que acabamos de dizer , por exemplo. .
  • 14. TIPOS DE COERÊNCIA • Coerência extratextual – é a que concerne à adequação do texto a algo que lhe é exterior. • Essa exterioridade pode ser: a) o conhecimento de mundo b) os mecanismos gramaticais e semânticos da língua
  • 15. Fatores que provocam aparentes incoerências para o leitor/ouvinte: 1) o contexto (unidade linguística maior, responsável pela atribuição de sentido a uma unidade menor que está inserida nela: assim, a frase constitui o contexto da palavra, o texto, o da frase, etc.). 2) a situação de comunicação. Muitas vezes, um texto parece absurdo, quando não se conhece a situação em que foi produzido. Ela permite que se deixem implícitos certos segmentos do texto, que, fora dele, precisariam ser especificados, para que houvesse coerência.
  • 16. Fatores que provocam aparentes incoerências para o leitor/ouvinte: 3) as regras do gênero a que o texto pertence 4) o intertexto. Quando um texto retoma outro, constrói-se com base em outro, ganha coerência, ao percebermos a relação que se estabelece entre eles. Intertextualidade é exatamente a relação entre dois textos. .
  • 17. BIBLIOGRAFIA • FÁVERO, Leonor Lopes (1991) Coesão e coerência textuais. São Paulo: Ática. • KOCH, Ingedore G. Villaça (1993) A coesão textual. São Paulo: Ática.