SlideShare uma empresa Scribd logo
O conceito e a importância da cultura digital
Prof.ª MsC. Aline Corso - Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves
O que é cultura?
* do latim colere (cultivar)
* manifestações técnicas e artísticas da humanidade
"Todo aquele complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a
lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridos pelo
homem como membro da sociedade”. (Edward B. Tylor)
* associada ao conceito de civilização, confunde-se com desenvolvimento, bons
costumes, etiqueta, etc.
* Em um estudo aprofundado, Alfred Kroeber e Clyde Kluckhohn encontraram pelo menos 167 definições diferentes para o termo.
Cultura é todo complexo de conhecimentos e toda habilidade humana
empregada socialmente. Além disso, é também todo comportamento
aprendido, de modo independente da questão biológica.
* união de todos os aspectos sociais:
materiais: objetos, gestos
imateriais: significados
* ex.: culturas culinária, estética, economia, sistema político, etc.
* como surge? ação dos grupos em resposta ao meio físico em que estão
inseridos.
interações do homem: homem x natureza (sobrevivência), homem x sociedade
(como se relaciona com os indivíduos), homem x desconhecido (crenças, morte).
* dicotomia: cultura erudita X popular
Sociabilidade e socialização
A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. O homem necessita de
seus semelhantes para sobreviver.
A sociabilidade é a capacidade natural da espécie humana para viver em
sociedade.
Pela socialização o indivíduo se entrega ao grupo em que nasceu,
assimilando o conjunto de hábitos e costumes característicos daquele
grupo.
Quanto mais adequada a socialização do indivíduo, mais sociável ele
poderá se tornar.
O homem tem necessidade de se comunicar, e é a partir da comunicação que ele
se inseriu em uma sociedade.
O ato comunicacional é realizado com dois agentes: o produtor e o receptor, que
se relacionam para entender uma mensagem. Esta primeira relação, inicialmente
entendida como simples, passou a trilhar novas dimensões, a criar novos laços e
a ligar novas culturas, com o desenvolvimento dos meios de comunicação, em
especial a implantação das tecnologias digitais. Ao mesmo tempo em que os
meios de comunicação contribuíram de forma a facilitar a comunicação
entre os indivíduos, também alteraram as formas como as pessoas se
relacionam, criando, dessa forma, novas formas de sociabilidade.
AS PESSOAS, NOS GRUPOS, SE
SOCIALIZAM E FORMAM UMA
INTELIGÊNCIA COLETIVA
“É uma inteligência distribuída por toda parte,
incessantemente valorizada, coordenada em
tempo real, que resulta em uma mobilização
efetiva das competências.”
(LÉVY, 2007).
O que é inteligência coletiva?
“… o reconhecimento das habilidades que se
distribuem nos indivíduos, a fim de coordená-las
para serem usadas em prol da coletividade. A
coordenação dos inteligentes coletivos ocorre com
a utilização das tecnologias da informação e
comunicação” (BEMBEM; SANTOS, 2013).
“... mesmo que eu deva me informar e
dialogar, mesmo que possa aprender do
outro, jamais saberei tudo o que
ele sabe”
(LÉVY, 2007).
A inteligência coletiva não tem que ser criada, ela
já existe e está por toda parte...
A inteligência coletiva existe na natureza, nos pássaros,
abelhas, peixes, formigas, etc. Há nos seres vivos
cooperação para solucionar problemas em conjunto.
E nas pessoas?
A inteligência coletiva das pessoas é
especial porque existe a linguagem
que nos permite perguntar, dialogar,
contar histórias e a consciência, que nos
possibilita refletir sobre nós mesmos e
nossas relações.
A humanidade inventou diferentes linguagens e
tecnologias para expressar as suas formas de sentir,
pensar, compartilhar conhecimentos e aumentar a
inteligência coletiva.
Vamos refletir sobre algumas
delas?
Oralidade
Antigamente
nossas conversas
só aconteciam “de
boca”,
ou seja,
oralmente.
Escrita
Em seguida surgiram a escrita e o papel. A
escrita expandiu a nossa memória.
Imprensa
Também criamos a imprensa que
possibilitou que os saberes produzidos
pudessem ser compartilhados com um
número maior de pessoas. A partir dela
foi possível produzir (e reproduzir) livros,
jornais e revistas.
Digital
Agora manipulamos os bits e bytes* nas
plataformas digitais colaborativas. Nossa
possibilidade de compartilhar o que
pensamos, fazemos, sentimos e
produzimos é ampliada ainda mais com
as novas tecnologias.
*As capacidades de armazenamento dos suportes de memória são medidas em
bits (unidade de codificação elementar: 0 ou 1) ou em bytes (8 bits). O byte
corresponde ao espaço de memória necessário para codificar um caracter
alfabético. Um kilobyte (Kb) = 1.000 bytes. Um megabyte (Mb) = 1.000.000 bytes.
Um gigabyte (Gb) = 1.000.000.000 bytes
(LÉVY, Pierre. O Que é Virtual? Rio de Janeiro: Editora 34, 1996).
A relação com as tecnologias de
comunicação podem melhorar
nossos processos cognitivos
A escrita, a imprensa e a internet contribuem para
aumentar nossa capacidade de percepção, inteligência
e memória, por exemplo.
Percepção
Quando acessamos músicas produzidas
em todo o planeta, em jornais de todos
os países ou quando temos a
possibilidade de conversar com pessoas
de qualquer continente, temos a
oportunidade de ampliar os sentidos que
construímos para nossa realidade. Isso
amplia nossa percepção.
A cada nova tecnologia inventada para
ampliação dos processos de comunicação
a humanidade torna-se mais inteligente!
Isso porque elas possibilitam ampliação da
capacidade reflexiva e da consciência das
pessoas e das comunidades. As máquinas
são apenas um meio para
isso ocorrer.
Inteligência
Memória
O registro e o compartilhamento das ideias
e das experiências das pessoas e dos
coletivos vêm possibilitando um aumento
da memória da humana. O acesso a
produção de saberes construídos ao longo
da história possibilitou a invenção de
conhecimentos cada vez mais poderosos.
A construção da ciência é um exemplo
disso.
A inteligência coletiva é produzida nas
relações de colaboração.
Os computadores distribuem nossa
inteligência pela rede. Quando
interagimos pelas plataformas digitais,
ampliamos as possibilidades de conexão. E
nas comunidades virtuais, podemos
influenciar a prática do outro.
Redes Virtuais
Relação
O saber está na humanidade, e todos as pessoas participam
oferecendo e produzindo conhecimento; todos são autores, editores,
críticos e bibliotecários. As relações são baseadas na valorização dos
sujeitos e de suas habilidades.
“A inteligência coletiva possui um
aspecto teórico que exige pensamento
crítico e reflexivo para compreender o
todo. Em paralelo, há o aspecto prático
que exige habilidades particulares a
serem adquiridas.”
LÉVY
“Postulemos explícita, aberta e
publicamente o aprendizado
recíproco como mediação das
relações entre os homens
(...)
quem é o outro? É alguém que sabe.
E que sabe as coisas que eu não sei
(...)
Poderei associar minhas
competências às suas, de tal modo
que atuemos melhor juntos que
separados ”
Pierre Lévy (2007, p. 27).
Afinal, o que é
cibercultura/cultura
digital?
Ciberespaço
Termo empregado pela primeira vez por
Willian Gibson no conto Burning Chrome
(1982). No entanto, encontramos comumente
na Literatura que o termo ciberespaço foi
cunhado por Gibson em sua obra
Neuromancer (1984).
"O conceito criado por Gibson neste livro é uma
representação física e multidimensional do universo
abstrato da 'informação. Um lugar para onde se vai com a
mente, catapultada pela tecnologia, enquanto o corpo fica
pra trás”.
Ciberespaço é um espaço existente no mundo de comunicação em que não
é necessária a presença física do homem para constituir a comunicação
como fonte de relacionamento, dando ênfase ao ato da imaginação,
necessária para a criação de uma imagem anônima, que terá comunhão com
os demais. É o espaço virtual para a comunicação disposto pelo meio de
tecnologia.
Apesar da internet ser o principal ambiente do ciberespaço, devido a sua
popularização e sua natureza de hipertexto, o ciberespaço também pode
ocorrer na relação do homem com outras tecnologias: celular, pagers,
comunicação entre rádio-amadores e por serviços do tipo “tele-amigos”, por
exemplo (JUNGBLUT, 2004; GUIMARÃES JR., 1999).
Cibercultura
* cibernética + cultura
* cultura digital
* fenômenos relacionados ao ciberespaço
Surge a partir da comunicação através de computadores, a indústria do entretenimento e o
comércio eletrônico. É também o estudo de vários fenômenos sociais associados à internet e outras
novas formas de comunicação em rede, como as comunidades on-line, jogos de multi-usuários, jogos
sociais, mídias sociais, realidade aumentada, mensagens de texto e inclui questões relacionadas à
identidade, privacidade e formação de rede.
As redes sociais digitais ou redes sociais na
internet
O fenômeno atual que mais colabora para as novas formas de sociabilidade
e de comunicação são as redes sociais digitais.
RSD: espaço (digital) onde as pessoas se encontram para conversar sobre
assuntos de seu interesse comum, criando ou reforçando ligações e
compartilhando conteúdo.
Manuel Castells (A Sociedade em Rede)
Sociabilidade online nova forma de sociabilidade interesses
individuais, afinidades e valores questões identitárias.
Mito da solidão e do isolamento.
Quanto mais relações sociais físicas mais se utiliza a internet e mais amigos
virtuais se faz.
Sociabilidade desterritorializada.
● DEMOCRACIA
● TROCA
● EDUCAÇÃO
● IDENTIDADE
● TOLERÂNCIA
O Brasil é reconhecido como um dos
países mais sociáveis do mundo e
reflete isso sendo uma grande
potência nas redes sociais na internet.
Nossas ações podem influenciar e ser
percebidas pelo outro por meio de
palavras-chave, conhecidas como tags e
hashtags, pelos links que
compartilhamos, pelas nossas curtidas e
até mesmo pelas compras que fazemos.
Empoderamento
Toda ação que realizamos na rede
transforma o sistema de relações dessa
rede. Essa interdependência confere poder
aos usuários que têm a possibilidade de
influenciar a prática dos demais.
Propósito
Quando você faz alguma coisa online,
você faz para si, mas organiza para os
demais. Por isso, verifique as fontes de
informação antes de compartilhar e
verifique se não há plágio. Você também
é responsável pelo conteúdo
que compartilha.
Ética
Em uma rede nunca estamos sós e de
alguma forma o que fazemos pode
contribuir para construção de
conhecimentos e memória comum ou
dificultá-la. Dessa forma é muito
importante considerar o que os outros
dizem ou já disseram nos ambientes em
que você participa e promover o diálogo.
A internet como extensão do
conhecimento no processo
ensino-aprendizagem
inteligência coletiva e os espaços do saber
Lévy defende que a inteligência coletiva não se limita apenas à
exposição do conteúdo e ao retorno disso, através de um fórum ou
chat, mas num sentido mais amplo ela se representa principalmente a
capacidade de reconhecer o outro como um sujeito dotado de
inteligência, como um ser que possui um conhecimento
potencializado. A partir disso, os mais diferentes saberes buscam-se em
complementaridades, e cada indivíduo envolvido nesse processo, não deve
discriminar alguém devido a sua condição social, civil, sexual, uma vez que
admite seus conhecimentos e saberes individuais como resultado de sua
formação. Ao se reconhecerem dessa maneira, a prática da ideia de
inteligência coletiva pode levar a uma melhor comunicação entre os
indivíduos, bem como a uma maior compreensão do outro enquanto
ser inteligente, porque cada um possui o que ele chama de savoir-faire
(saber fazer): um conhecimento seu que, compartilhado, traria
benefícios às diferentes áreas da vida humana. É uma forma de
valorizar o outro e valorizar-se para juntos promoverem o crescimento
do todo.
Internet e educação https://www.youtube.com/watch?v=-pn7_bKoA_0
Bibliografia
http://www.intercom.org.br/papers/regionais/sul2012/resumo
s/R30-1239-1.pdf
http://www.slideshare.net/mldoliveira/sociabilidade?qid=d5e4
56d1-f624-4d09-a978-eeeece5a07cd&v=&b=&from_search=21
http://biblio.ual.pt/Downloads/REDE.pdf
LEVY, Pierre. A Inteligência Coletiva: por uma antropologia
do ciberespaço. São Paulo, Edições Loyola, 2007.
Comunidade de Práticas do Ministério da Saúde.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evolução da Tecnologia e seu Contexto Histórico
Evolução da Tecnologia e seu Contexto HistóricoEvolução da Tecnologia e seu Contexto Histórico
Evolução da Tecnologia e seu Contexto HistóricoAgostinho NSilva
 
Introdução a cibercultura
Introdução a ciberculturaIntrodução a cibercultura
Introdução a ciberculturaAline Corso
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoPatty Santana
 
Introdução a cultura digital
Introdução a cultura digitalIntrodução a cultura digital
Introdução a cultura digitalAline Corso
 
PROFESSORES_ALUNOS - SLIDES INTRODUÇÃO À CULTURA DIGITAL material pra estudo ...
PROFESSORES_ALUNOS - SLIDES INTRODUÇÃO À CULTURA DIGITAL material pra estudo ...PROFESSORES_ALUNOS - SLIDES INTRODUÇÃO À CULTURA DIGITAL material pra estudo ...
PROFESSORES_ALUNOS - SLIDES INTRODUÇÃO À CULTURA DIGITAL material pra estudo ...TAMARAFRANCIELLEBRIT
 
Tecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao tema
Tecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao temaTecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao tema
Tecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao temarosemaralopes
 
_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdfKele Santos
 
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e IdeologiaSociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e IdeologiaMiro Santos
 

Mais procurados (20)

Cibercultura
CiberculturaCibercultura
Cibercultura
 
Evolução da Tecnologia e seu Contexto Histórico
Evolução da Tecnologia e seu Contexto HistóricoEvolução da Tecnologia e seu Contexto Histórico
Evolução da Tecnologia e seu Contexto Histórico
 
Introdução a cibercultura
Introdução a ciberculturaIntrodução a cibercultura
Introdução a cibercultura
 
ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Uso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educaçãoUso de recursos tecnológicos na educação
Uso de recursos tecnológicos na educação
 
Introdução a cultura digital
Introdução a cultura digitalIntrodução a cultura digital
Introdução a cultura digital
 
Redes sociais
Redes sociais Redes sociais
Redes sociais
 
Evolução da Tecnologia
Evolução da TecnologiaEvolução da Tecnologia
Evolução da Tecnologia
 
PROFESSORES_ALUNOS - SLIDES INTRODUÇÃO À CULTURA DIGITAL material pra estudo ...
PROFESSORES_ALUNOS - SLIDES INTRODUÇÃO À CULTURA DIGITAL material pra estudo ...PROFESSORES_ALUNOS - SLIDES INTRODUÇÃO À CULTURA DIGITAL material pra estudo ...
PROFESSORES_ALUNOS - SLIDES INTRODUÇÃO À CULTURA DIGITAL material pra estudo ...
 
Aula 5 midias sociais
Aula 5   midias sociaisAula 5   midias sociais
Aula 5 midias sociais
 
Letramento Digital
Letramento DigitalLetramento Digital
Letramento Digital
 
Tecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao tema
Tecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao temaTecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao tema
Tecnologias digitais para a sala de aula: introdução ao tema
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Protagonismo juvenil
Protagonismo juvenilProtagonismo juvenil
Protagonismo juvenil
 
Tecnologia Da Informaçao
Tecnologia Da InformaçaoTecnologia Da Informaçao
Tecnologia Da Informaçao
 
Fake News na Web
Fake News na WebFake News na Web
Fake News na Web
 
_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf_CULTURA DIGITAL.pdf
_CULTURA DIGITAL.pdf
 
As transformações na era digital
As transformações na era digitalAs transformações na era digital
As transformações na era digital
 
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e IdeologiaSociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
Sociologia Capítulo 18 - Cultura e Ideologia
 
Tecnologia
Tecnologia Tecnologia
Tecnologia
 

Semelhante a O conceito e a importância da cultura digital

Apresentação inteligência coletiva
Apresentação inteligência coletivaApresentação inteligência coletiva
Apresentação inteligência coletivacomunidadedepraticas
 
Inteligência coletiva sob a ótica de Lévy
Inteligência coletiva sob a ótica de LévyInteligência coletiva sob a ótica de Lévy
Inteligência coletiva sob a ótica de LévyAline Corso
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasAndreia Regina Moura Mendes
 
Em busca de uma ciberantropologia
Em busca de uma ciberantropologiaEm busca de uma ciberantropologia
Em busca de uma ciberantropologiasilvadelina
 
Educomunicando novos pátios
Educomunicando novos pátiosEducomunicando novos pátios
Educomunicando novos pátiosAntonia Alves
 
Módulo1 Redes Sociais
Módulo1 Redes SociaisMódulo1 Redes Sociais
Módulo1 Redes Sociaisrenancepar
 
Formação de leitores na cultura digital
Formação de leitores na cultura digital Formação de leitores na cultura digital
Formação de leitores na cultura digital Bianca Santana
 
Comportamento do consumidor digital aula2
Comportamento do consumidor digital   aula2Comportamento do consumidor digital   aula2
Comportamento do consumidor digital aula2Keila Silva
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes SociaisprofBeth
 
Redes & Novas Mídias
Redes & Novas MídiasRedes & Novas Mídias
Redes & Novas MídiasTallita Alves
 
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014Universidade de Lisboa
 
O futuro da internet Cap. 3
O futuro da internet Cap. 3O futuro da internet Cap. 3
O futuro da internet Cap. 3Rosemary Santos
 
A mutação das Mídias*
A mutação das Mídias*A mutação das Mídias*
A mutação das Mídias*Rosemary Santos
 
A Cibercultura de Pierre Lévy
A Cibercultura de Pierre LévyA Cibercultura de Pierre Lévy
A Cibercultura de Pierre LévyHélder Pereira
 
Educação e cibercultura
Educação e cibercultura Educação e cibercultura
Educação e cibercultura dorariel04
 
Educação e cibercultura
Educação e cibercultura Educação e cibercultura
Educação e cibercultura celyassis
 
Educação e cibercultura
Educação e cibercultura Educação e cibercultura
Educação e cibercultura nessasouza
 

Semelhante a O conceito e a importância da cultura digital (20)

Apresentação inteligência coletiva
Apresentação inteligência coletivaApresentação inteligência coletiva
Apresentação inteligência coletiva
 
Inteligência coletiva sob a ótica de Lévy
Inteligência coletiva sob a ótica de LévyInteligência coletiva sob a ótica de Lévy
Inteligência coletiva sob a ótica de Lévy
 
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativasCibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
Cibercultura a sociedade em rede e as mídias interativas
 
Em busca de uma ciberantropologia
Em busca de uma ciberantropologiaEm busca de uma ciberantropologia
Em busca de uma ciberantropologia
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
 
Educomunicando novos pátios
Educomunicando novos pátiosEducomunicando novos pátios
Educomunicando novos pátios
 
Módulo1 Redes Sociais
Módulo1 Redes SociaisMódulo1 Redes Sociais
Módulo1 Redes Sociais
 
Formação de leitores na cultura digital
Formação de leitores na cultura digital Formação de leitores na cultura digital
Formação de leitores na cultura digital
 
2.3.4.
2.3.4. 2.3.4.
2.3.4.
 
Comportamento do consumidor digital aula2
Comportamento do consumidor digital   aula2Comportamento do consumidor digital   aula2
Comportamento do consumidor digital aula2
 
CCM cultura e internet
CCM cultura e internet CCM cultura e internet
CCM cultura e internet
 
Redes Sociais
Redes SociaisRedes Sociais
Redes Sociais
 
Redes & Novas Mídias
Redes & Novas MídiasRedes & Novas Mídias
Redes & Novas Mídias
 
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
Conferencia Universidade de Cabo Verde 5 novembro 2014
 
O futuro da internet Cap. 3
O futuro da internet Cap. 3O futuro da internet Cap. 3
O futuro da internet Cap. 3
 
A mutação das Mídias*
A mutação das Mídias*A mutação das Mídias*
A mutação das Mídias*
 
A Cibercultura de Pierre Lévy
A Cibercultura de Pierre LévyA Cibercultura de Pierre Lévy
A Cibercultura de Pierre Lévy
 
Educação e cibercultura
Educação e cibercultura Educação e cibercultura
Educação e cibercultura
 
Educação e cibercultura
Educação e cibercultura Educação e cibercultura
Educação e cibercultura
 
Educação e cibercultura
Educação e cibercultura Educação e cibercultura
Educação e cibercultura
 

Mais de Aline Corso

A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...Aline Corso
 
Seminário discente ufrgs 2019
Seminário discente ufrgs 2019Seminário discente ufrgs 2019
Seminário discente ufrgs 2019Aline Corso
 
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigoVII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigoAline Corso
 
Apresentação comercial
Apresentação comercialApresentação comercial
Apresentação comercialAline Corso
 
Apresentação XII Abciber
Apresentação XII AbciberApresentação XII Abciber
Apresentação XII AbciberAline Corso
 
Planejamento de marketing
Planejamento de marketingPlanejamento de marketing
Planejamento de marketingAline Corso
 
Marketing digital em 2019 - as maiores tendencias
Marketing digital em 2019 - as maiores tendenciasMarketing digital em 2019 - as maiores tendencias
Marketing digital em 2019 - as maiores tendenciasAline Corso
 
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019Aline Corso
 
Seminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da ComunicaçãoSeminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da ComunicaçãoAline Corso
 
Dia mundial da criatividade 2019
Dia mundial da criatividade 2019 Dia mundial da criatividade 2019
Dia mundial da criatividade 2019 Aline Corso
 
Atividade avaliativa - Comunicação Digital
Atividade avaliativa - Comunicação DigitalAtividade avaliativa - Comunicação Digital
Atividade avaliativa - Comunicação DigitalAline Corso
 
Atividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
Atividade avaliativa - Comportamento do ConsumidorAtividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
Atividade avaliativa - Comportamento do ConsumidorAline Corso
 
Atividade avaliativa - comunicação digital e multimeios
Atividade avaliativa  - comunicação digital e multimeiosAtividade avaliativa  - comunicação digital e multimeios
Atividade avaliativa - comunicação digital e multimeiosAline Corso
 
Atividade avaliativa - design digital
Atividade avaliativa  - design digitalAtividade avaliativa  - design digital
Atividade avaliativa - design digitalAline Corso
 
A promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociaisA promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociaisAline Corso
 
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificialO futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificialAline Corso
 
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e PropagandaQuestões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e PropagandaAline Corso
 
Videogame é arte?
Videogame é arte?Videogame é arte?
Videogame é arte?Aline Corso
 
O consumidor brasileiro
O consumidor brasileiroO consumidor brasileiro
O consumidor brasileiroAline Corso
 

Mais de Aline Corso (20)

A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
A(narqueologia) entre ruína e (re)construção: intersecções dos legados arquit...
 
Seminário discente ufrgs 2019
Seminário discente ufrgs 2019Seminário discente ufrgs 2019
Seminário discente ufrgs 2019
 
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigoVII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
VII Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG - artigo
 
Apresentação comercial
Apresentação comercialApresentação comercial
Apresentação comercial
 
Apresentação XII Abciber
Apresentação XII AbciberApresentação XII Abciber
Apresentação XII Abciber
 
Planejamento de marketing
Planejamento de marketingPlanejamento de marketing
Planejamento de marketing
 
Marketing digital em 2019 - as maiores tendencias
Marketing digital em 2019 - as maiores tendenciasMarketing digital em 2019 - as maiores tendencias
Marketing digital em 2019 - as maiores tendencias
 
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
Apresentação SDCOM PPGCCOM UNISINOS 2019
 
Seminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da ComunicaçãoSeminário discente Epistemologia da Comunicação
Seminário discente Epistemologia da Comunicação
 
Dia mundial da criatividade 2019
Dia mundial da criatividade 2019 Dia mundial da criatividade 2019
Dia mundial da criatividade 2019
 
Atividade avaliativa - Comunicação Digital
Atividade avaliativa - Comunicação DigitalAtividade avaliativa - Comunicação Digital
Atividade avaliativa - Comunicação Digital
 
Atividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
Atividade avaliativa - Comportamento do ConsumidorAtividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
Atividade avaliativa - Comportamento do Consumidor
 
Atividade avaliativa - comunicação digital e multimeios
Atividade avaliativa  - comunicação digital e multimeiosAtividade avaliativa  - comunicação digital e multimeios
Atividade avaliativa - comunicação digital e multimeios
 
Atividade avaliativa - design digital
Atividade avaliativa  - design digitalAtividade avaliativa  - design digital
Atividade avaliativa - design digital
 
A promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociaisA promoção da área da saúde nas redes sociais
A promoção da área da saúde nas redes sociais
 
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificialO futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
O futuro do passado: uma arqueologia da inteligência artificial
 
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e PropagandaQuestões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
Questões comentadas ENADE 2012 e 2015 Publicidade e Propaganda
 
Vigilância
VigilânciaVigilância
Vigilância
 
Videogame é arte?
Videogame é arte?Videogame é arte?
Videogame é arte?
 
O consumidor brasileiro
O consumidor brasileiroO consumidor brasileiro
O consumidor brasileiro
 

Último

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....LuizHenriquedeAlmeid6
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaLuanaAlves940822
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergBrenda Fritz
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfcarloseduardogonalve36
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxRaquelMartins389880
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfrarakey779
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - FalamansaMary Alvarenga
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfrarakey779
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroBrenda Fritz
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...Manuais Formação
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaCludiaRodrigues693635
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-carloseduardogonalve36
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilMariaHelena293800
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importânciaclubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
clubinho-bio-2.pdf vacinas saúde importância
 
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan AhlbergO carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
O carteiro chegou - Janet & Allan Ahlberg
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdfGRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
GRAMÁTICA NORMATIVA DA LÍNGUA PORTUGUESA UM GUIA COMPLETO DO IDIOMA.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
Atividade com a música Xote  da  Alegria    -   FalamansaAtividade com a música Xote  da  Alegria    -   Falamansa
Atividade com a música Xote da Alegria - Falamansa
 
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdfHans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
Hans Kelsen - Teoria Pura do Direito - Obra completa.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
Os Tempos Verbais em Inglês-tempos -dos-
 
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantilApresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
Apresentação sobre as etapas do desenvolvimento infantil
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 

O conceito e a importância da cultura digital

  • 1. O conceito e a importância da cultura digital Prof.ª MsC. Aline Corso - Faculdade Cenecista de Bento Gonçalves
  • 2. O que é cultura?
  • 3. * do latim colere (cultivar) * manifestações técnicas e artísticas da humanidade "Todo aquele complexo que inclui o conhecimento, as crenças, a arte, a moral, a lei, os costumes e todos os outros hábitos e capacidades adquiridos pelo homem como membro da sociedade”. (Edward B. Tylor) * associada ao conceito de civilização, confunde-se com desenvolvimento, bons costumes, etiqueta, etc. * Em um estudo aprofundado, Alfred Kroeber e Clyde Kluckhohn encontraram pelo menos 167 definições diferentes para o termo.
  • 4. Cultura é todo complexo de conhecimentos e toda habilidade humana empregada socialmente. Além disso, é também todo comportamento aprendido, de modo independente da questão biológica. * união de todos os aspectos sociais: materiais: objetos, gestos imateriais: significados * ex.: culturas culinária, estética, economia, sistema político, etc. * como surge? ação dos grupos em resposta ao meio físico em que estão inseridos. interações do homem: homem x natureza (sobrevivência), homem x sociedade (como se relaciona com os indivíduos), homem x desconhecido (crenças, morte). * dicotomia: cultura erudita X popular
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Sociabilidade e socialização A vida em grupo é uma exigência da natureza humana. O homem necessita de seus semelhantes para sobreviver. A sociabilidade é a capacidade natural da espécie humana para viver em sociedade. Pela socialização o indivíduo se entrega ao grupo em que nasceu, assimilando o conjunto de hábitos e costumes característicos daquele grupo. Quanto mais adequada a socialização do indivíduo, mais sociável ele poderá se tornar.
  • 11. O homem tem necessidade de se comunicar, e é a partir da comunicação que ele se inseriu em uma sociedade. O ato comunicacional é realizado com dois agentes: o produtor e o receptor, que se relacionam para entender uma mensagem. Esta primeira relação, inicialmente entendida como simples, passou a trilhar novas dimensões, a criar novos laços e a ligar novas culturas, com o desenvolvimento dos meios de comunicação, em especial a implantação das tecnologias digitais. Ao mesmo tempo em que os meios de comunicação contribuíram de forma a facilitar a comunicação entre os indivíduos, também alteraram as formas como as pessoas se relacionam, criando, dessa forma, novas formas de sociabilidade.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15. AS PESSOAS, NOS GRUPOS, SE SOCIALIZAM E FORMAM UMA INTELIGÊNCIA COLETIVA
  • 16. “É uma inteligência distribuída por toda parte, incessantemente valorizada, coordenada em tempo real, que resulta em uma mobilização efetiva das competências.” (LÉVY, 2007). O que é inteligência coletiva?
  • 17. “… o reconhecimento das habilidades que se distribuem nos indivíduos, a fim de coordená-las para serem usadas em prol da coletividade. A coordenação dos inteligentes coletivos ocorre com a utilização das tecnologias da informação e comunicação” (BEMBEM; SANTOS, 2013).
  • 18. “... mesmo que eu deva me informar e dialogar, mesmo que possa aprender do outro, jamais saberei tudo o que ele sabe” (LÉVY, 2007).
  • 19. A inteligência coletiva não tem que ser criada, ela já existe e está por toda parte... A inteligência coletiva existe na natureza, nos pássaros, abelhas, peixes, formigas, etc. Há nos seres vivos cooperação para solucionar problemas em conjunto.
  • 20.
  • 21. E nas pessoas? A inteligência coletiva das pessoas é especial porque existe a linguagem que nos permite perguntar, dialogar, contar histórias e a consciência, que nos possibilita refletir sobre nós mesmos e nossas relações.
  • 22. A humanidade inventou diferentes linguagens e tecnologias para expressar as suas formas de sentir, pensar, compartilhar conhecimentos e aumentar a inteligência coletiva. Vamos refletir sobre algumas delas?
  • 23. Oralidade Antigamente nossas conversas só aconteciam “de boca”, ou seja, oralmente.
  • 24. Escrita Em seguida surgiram a escrita e o papel. A escrita expandiu a nossa memória.
  • 25. Imprensa Também criamos a imprensa que possibilitou que os saberes produzidos pudessem ser compartilhados com um número maior de pessoas. A partir dela foi possível produzir (e reproduzir) livros, jornais e revistas.
  • 26. Digital Agora manipulamos os bits e bytes* nas plataformas digitais colaborativas. Nossa possibilidade de compartilhar o que pensamos, fazemos, sentimos e produzimos é ampliada ainda mais com as novas tecnologias. *As capacidades de armazenamento dos suportes de memória são medidas em bits (unidade de codificação elementar: 0 ou 1) ou em bytes (8 bits). O byte corresponde ao espaço de memória necessário para codificar um caracter alfabético. Um kilobyte (Kb) = 1.000 bytes. Um megabyte (Mb) = 1.000.000 bytes. Um gigabyte (Gb) = 1.000.000.000 bytes (LÉVY, Pierre. O Que é Virtual? Rio de Janeiro: Editora 34, 1996).
  • 27. A relação com as tecnologias de comunicação podem melhorar nossos processos cognitivos A escrita, a imprensa e a internet contribuem para aumentar nossa capacidade de percepção, inteligência e memória, por exemplo.
  • 28. Percepção Quando acessamos músicas produzidas em todo o planeta, em jornais de todos os países ou quando temos a possibilidade de conversar com pessoas de qualquer continente, temos a oportunidade de ampliar os sentidos que construímos para nossa realidade. Isso amplia nossa percepção.
  • 29. A cada nova tecnologia inventada para ampliação dos processos de comunicação a humanidade torna-se mais inteligente! Isso porque elas possibilitam ampliação da capacidade reflexiva e da consciência das pessoas e das comunidades. As máquinas são apenas um meio para isso ocorrer. Inteligência
  • 30. Memória O registro e o compartilhamento das ideias e das experiências das pessoas e dos coletivos vêm possibilitando um aumento da memória da humana. O acesso a produção de saberes construídos ao longo da história possibilitou a invenção de conhecimentos cada vez mais poderosos. A construção da ciência é um exemplo disso.
  • 31. A inteligência coletiva é produzida nas relações de colaboração.
  • 32.
  • 33. Os computadores distribuem nossa inteligência pela rede. Quando interagimos pelas plataformas digitais, ampliamos as possibilidades de conexão. E nas comunidades virtuais, podemos influenciar a prática do outro. Redes Virtuais
  • 34. Relação O saber está na humanidade, e todos as pessoas participam oferecendo e produzindo conhecimento; todos são autores, editores, críticos e bibliotecários. As relações são baseadas na valorização dos sujeitos e de suas habilidades.
  • 35. “A inteligência coletiva possui um aspecto teórico que exige pensamento crítico e reflexivo para compreender o todo. Em paralelo, há o aspecto prático que exige habilidades particulares a serem adquiridas.” LÉVY
  • 36. “Postulemos explícita, aberta e publicamente o aprendizado recíproco como mediação das relações entre os homens (...) quem é o outro? É alguém que sabe. E que sabe as coisas que eu não sei (...) Poderei associar minhas competências às suas, de tal modo que atuemos melhor juntos que separados ” Pierre Lévy (2007, p. 27).
  • 37.
  • 38.
  • 39. Afinal, o que é cibercultura/cultura digital?
  • 40. Ciberespaço Termo empregado pela primeira vez por Willian Gibson no conto Burning Chrome (1982). No entanto, encontramos comumente na Literatura que o termo ciberespaço foi cunhado por Gibson em sua obra Neuromancer (1984). "O conceito criado por Gibson neste livro é uma representação física e multidimensional do universo abstrato da 'informação. Um lugar para onde se vai com a mente, catapultada pela tecnologia, enquanto o corpo fica pra trás”.
  • 41. Ciberespaço é um espaço existente no mundo de comunicação em que não é necessária a presença física do homem para constituir a comunicação como fonte de relacionamento, dando ênfase ao ato da imaginação, necessária para a criação de uma imagem anônima, que terá comunhão com os demais. É o espaço virtual para a comunicação disposto pelo meio de tecnologia. Apesar da internet ser o principal ambiente do ciberespaço, devido a sua popularização e sua natureza de hipertexto, o ciberespaço também pode ocorrer na relação do homem com outras tecnologias: celular, pagers, comunicação entre rádio-amadores e por serviços do tipo “tele-amigos”, por exemplo (JUNGBLUT, 2004; GUIMARÃES JR., 1999).
  • 42. Cibercultura * cibernética + cultura * cultura digital * fenômenos relacionados ao ciberespaço Surge a partir da comunicação através de computadores, a indústria do entretenimento e o comércio eletrônico. É também o estudo de vários fenômenos sociais associados à internet e outras novas formas de comunicação em rede, como as comunidades on-line, jogos de multi-usuários, jogos sociais, mídias sociais, realidade aumentada, mensagens de texto e inclui questões relacionadas à identidade, privacidade e formação de rede.
  • 43. As redes sociais digitais ou redes sociais na internet O fenômeno atual que mais colabora para as novas formas de sociabilidade e de comunicação são as redes sociais digitais. RSD: espaço (digital) onde as pessoas se encontram para conversar sobre assuntos de seu interesse comum, criando ou reforçando ligações e compartilhando conteúdo.
  • 44. Manuel Castells (A Sociedade em Rede) Sociabilidade online nova forma de sociabilidade interesses individuais, afinidades e valores questões identitárias. Mito da solidão e do isolamento. Quanto mais relações sociais físicas mais se utiliza a internet e mais amigos virtuais se faz.
  • 45. Sociabilidade desterritorializada. ● DEMOCRACIA ● TROCA ● EDUCAÇÃO ● IDENTIDADE ● TOLERÂNCIA
  • 46.
  • 47. O Brasil é reconhecido como um dos países mais sociáveis do mundo e reflete isso sendo uma grande potência nas redes sociais na internet.
  • 48. Nossas ações podem influenciar e ser percebidas pelo outro por meio de palavras-chave, conhecidas como tags e hashtags, pelos links que compartilhamos, pelas nossas curtidas e até mesmo pelas compras que fazemos.
  • 49. Empoderamento Toda ação que realizamos na rede transforma o sistema de relações dessa rede. Essa interdependência confere poder aos usuários que têm a possibilidade de influenciar a prática dos demais.
  • 50. Propósito Quando você faz alguma coisa online, você faz para si, mas organiza para os demais. Por isso, verifique as fontes de informação antes de compartilhar e verifique se não há plágio. Você também é responsável pelo conteúdo que compartilha.
  • 51. Ética Em uma rede nunca estamos sós e de alguma forma o que fazemos pode contribuir para construção de conhecimentos e memória comum ou dificultá-la. Dessa forma é muito importante considerar o que os outros dizem ou já disseram nos ambientes em que você participa e promover o diálogo.
  • 52.
  • 53. A internet como extensão do conhecimento no processo ensino-aprendizagem inteligência coletiva e os espaços do saber
  • 54. Lévy defende que a inteligência coletiva não se limita apenas à exposição do conteúdo e ao retorno disso, através de um fórum ou chat, mas num sentido mais amplo ela se representa principalmente a capacidade de reconhecer o outro como um sujeito dotado de inteligência, como um ser que possui um conhecimento potencializado. A partir disso, os mais diferentes saberes buscam-se em complementaridades, e cada indivíduo envolvido nesse processo, não deve discriminar alguém devido a sua condição social, civil, sexual, uma vez que admite seus conhecimentos e saberes individuais como resultado de sua formação. Ao se reconhecerem dessa maneira, a prática da ideia de inteligência coletiva pode levar a uma melhor comunicação entre os indivíduos, bem como a uma maior compreensão do outro enquanto ser inteligente, porque cada um possui o que ele chama de savoir-faire (saber fazer): um conhecimento seu que, compartilhado, traria benefícios às diferentes áreas da vida humana. É uma forma de valorizar o outro e valorizar-se para juntos promoverem o crescimento do todo.
  • 55. Internet e educação https://www.youtube.com/watch?v=-pn7_bKoA_0