SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 16
Indústria Cultural
Produced by
Prof. Munis Pedro (IFTM/2017)
O que é Indústria Cultural?
É um conceito criado por Theodor
Adorno e Max Horkheimer para referir-
se à capacidade da economia
capitalista para produzir bens culturais
como mercadoria em massa (larga
escala/fordismo).
Origem do
conceito
Aparece no livro
“Dialética do
Esclarecimento”,
publicado em
1947, na
Alemanha.
Estudo faz parte de grupo de
pensadores alemães,
conhecido como “Escola de
Frankfurt” ou “Teoria Crítica”
Além de Adorno e
Horkheimer também estão
presentes Walter Benjamin e
Herbert Marcuse
Contexto histórico-social
CAPITALISMO
&
INDUSTRIALIZAÇÃO
Produção em
larga escala
Processo
contínuo de
valorização de:
• Recursos
humanos e
naturais
• Bens materiais
• Elementos
simbólicos
Ideologia e consumo de massa
Apropriação e
redefinição da
arte
Adorno
Horkheimer
Primeiras décadas do séc. XX
Sociedade de
consumo Arte Indústria Cultural
rádio
TV
cinema
música
Consequências:
Cultura
erudita perde
o rigor
Cultura popular
perde a
espontaneidade
1
Uniformização do sujeito e
manipulação de sua autonomia
+ alienação
+ despolitização
Arte sem
“magia”,
mas, pelo
menos, saiu
dos
“palácios”
2
3
Pessoas que
vestem as mesmas
roupas, usam os
mesmos sapatos,
ouvem as mesmas
músicas, assistem
aos mesmos filmes
Sair desta
lógica te torna
um outsider
Na era da indústria cultural o indivíduo já não decide autonomamente: o
conflito entre impulsos e consciência se resolve com a adesão acrítica
aos valores impostos:
“O que antes os filósofos chamavam de vida foi reduzido à
esfera do privado e logo do puro e simples consumo, que já
não é mais do que um apêndice do processo material de
produção econômica, sem autonomia e substâncias próprias”
(Adorno, 1951).
O ser humano está nas mãos de uma
sociedade que lhe manipula e ilude: “o
consumidor não é soberano, como a
indústria cultural desejaria fazê-lo crer,
não é seu sujeito e sim seu objeto”
(Adorno, 1957)
Fundamentos e aspectos da Indústria Cultural
O mercado captura a arte e
os bens simbólicos para
geração de capital. Isto é, o
objetivo principal é o lucro
É preciso ter o maior número possível de consumidores
ESTRATÉGIA
-> Criar ilusão da diversidade
No fundo são os mesmos produtos embalados de maneira diferente para públicos
distintos
O importante não é o que está dentro do produto,
mas como ele é vendido para o consumidor
Ex. Gêneros fílmicos diferentes, mas a estrutura narrativa é a mesma
Problema; complicação; conflito; crise; clímax; resolução
Surpresa faz parte do esquema
Repetição satisfaz
um desejo de
previsibilidade
Música aumenta a
tensão, a emoção
Causar efeito
desejado: choro,
riso, tensão
O final gera conforto e felicidade
• Roupas
• Carros
• Músicas
• Filmes
Mensagem é a de que você vai passar dificuldades,
porém, no final, tudo vai dar certo.ilusão
E a impressão de
assistir sempre o
mesmo filme é
recorrente para quem
se propõe a pensar
Fundamentos e aspectos da Indústria Cultural
Todos somos consumidores
e ao mesmo tempo todos
somos produtos
Televisão
Redes sociais
Publicidade e propaganda
Onde as informações sobre você
são vendidas às empresas que
compram anúncios
É o horário
comercial que
financia a TV. A
emissora vende
horários
específicos para
atingir um
determinado
público-alvo
Imagens de beleza,
sensualidade e diversão
são transmitidas e
vinculadas aos
produtos
Fundamentos e aspectos da Indústria Cultural
A indústria cultural
prescinde o expectador da
reflexão
Quanto menos esforço para a reflexão, melhor
Tudo é passado de forma rápida para que não dê tempo de
refletir ou divagar – o fluxo é constante
“Consumidores que pensam demais não compram”
O produto da
indústria cultural
não deve aborrecer
Se o filme não divertiu, não presta
Apresenta-se um ideal de vida inalcançável e distante da realidade
Não deve levar o
indivíduo a
contestar sua
situação, mas
aceitá-la
Obras de arte clássica geram
incômodo, abalam conceitos e
apresentam alternativas
perigosas (a Indústria Cultural
não quer fuga da normalidade)
Fundamentos e aspectos da Indústria Cultural
Entrega-se aos produtos da
indústria cultural para
“fugir” da realidade
Trabalha-se
40h por
semana e vai
ao cinema
para relaxar,
divertir. O
expectador
não quer
esforço ou
desconforto.
Busca
refúgio na
diversão
Fuga de
uma vida
tediosa,
monótona
e
opressiva
do
trabalho
cansativo
Fuga ou
aceitação?
Não posso
fazer nada
sobre a
minha vida,
logo,
assisto
Tento me reconhecer no herói da
obra/catarse
A alienação
através do
consumo é
uma
escolha do
próprio
expectador
A indústria cultural vende cultura. Para vendê-la,
deve seduzir e agradar o consumidor. Para seduzi-
lo e agradá-lo, não pode chocá-lo, provocá-lo,
fazê-lo pensar, fazê-lo ter informações novas que
perturbem, mas deve devolver-lhe, com nova
aparência, o que ele sabe, já viu, já fez. A ‘média’
é o senso-comum cristalizado que a indústria
cultural devolve com cara de coisa nova [...].
Dessa maneira, um conjunto de programas e
publicações que poderiam ter verdadeiro
significado cultural tornam-se o contrário da
Cultura e de sua democratização, pois se dirigem
a um público transformado em massa inculta,
infantil, desinformada e passiva.
CHAUÍ, Marilena. Filosofia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2000, p. 330-333.
Ernesto “Che” Guevara,
revolucionário e símbolo do
anticapitalismo
Sobre a frase anterior,
há controvérsias
atualmente
Sobre cooptação da Indústria CulturalESTRATÉGIA
Lançamento do Novo Uno, 2011
No anúncio publicitário da TV dizia-se que agora existia
um carro para cada individualidade. Conclui-se que
existem apenas cinco individualidades
A ilusão da diversidade
Kurt Cobain, músico, principal representante da
estética grunge, crítico da sociedade de consumo
Se é o objeto é marginal e consegue se destacar, será
assimilado pela indústria cultural
Há dois caminhos para o marginal e o diferente: ou é erradicado ou é digerido
O grunge voltou!
“Hoje, a indústria cultural assumiu a herança civilizatória da democracia de
pioneiros e empresários, que tampouco desenvolvera uma fineza de
sentido para os desvios espirituais. Todos são livres para dançar e para se
divertir do mesmo modo que, desde a neutralização histórica da religião,
são livres para entrar em qualquer uma das inúmeras seitas. Mas a
liberdade de escolha da ideologia, que reflete sempre a coerção
econômica, revela-se em todos os setores como a liberdade de escolher o
que é sempre a mesma coisa”.
ADORNO, T; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de
Janeiro; Zahar, 1985.
A liberdade de escolha na civilização ocidental, de acordo com a análise
do texto, é um(a)
a) legado social.
b) patrimônio politico.
c) produto da moralidade.
d) conquista da humanidade.
e) ilusão da contemporaneidade.
ENEM/2016
Indústria Cultural

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
Alison Nunes
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
Fabiana Tonsis
 

Mais procurados (20)

Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
O surgimento da filosofia
O surgimento da filosofiaO surgimento da filosofia
O surgimento da filosofia
 
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel FoucaultAula - O que é PODER - Michel Foucault
Aula - O que é PODER - Michel Foucault
 
Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.Poder, Política e Estado.
Poder, Política e Estado.
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
 
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
AULA SOBRE INDÚSTRIA CULTURAL - Prof. Noe Assunção - Colégio Estadual Roselân...
 
Política e poder
Política e poderPolítica e poder
Política e poder
 
Existencialismo
ExistencialismoExistencialismo
Existencialismo
 
Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Cidadania e democracia
Cidadania e democraciaCidadania e democracia
Cidadania e democracia
 
Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais Os Movimentos Sociais
Os Movimentos Sociais
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
01 historia do trabalho
01 historia do trabalho01 historia do trabalho
01 historia do trabalho
 
Proclamação da república
Proclamação da repúblicaProclamação da república
Proclamação da república
 

Semelhante a Indústria Cultural

Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptxAula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
AlineCALi
 
Indústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizandoIndústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizando
Arlindo Picoli
 
O que é indústria cultural [Coleção Primeiros Passos]
O que é indústria cultural [Coleção Primeiros Passos]O que é indústria cultural [Coleção Primeiros Passos]
O que é indústria cultural [Coleção Primeiros Passos]
Andrea Bella
 

Semelhante a Indústria Cultural (20)

Indústria cultural
Indústria culturalIndústria cultural
Indústria cultural
 
Indústria Cultural
Indústria CulturalIndústria Cultural
Indústria Cultural
 
O Tema Da MistificaçãO Das Massas Pela IndúStria Cultural
O Tema Da MistificaçãO Das Massas Pela IndúStria CulturalO Tema Da MistificaçãO Das Massas Pela IndúStria Cultural
O Tema Da MistificaçãO Das Massas Pela IndúStria Cultural
 
Apocalípticos e integrados.pptx
Apocalípticos e integrados.pptxApocalípticos e integrados.pptx
Apocalípticos e integrados.pptx
 
26142-68279-1-PB.pdf
26142-68279-1-PB.pdf26142-68279-1-PB.pdf
26142-68279-1-PB.pdf
 
Resenha do texto a industrial cultural...Adorno
Resenha do texto  a industrial cultural...AdornoResenha do texto  a industrial cultural...Adorno
Resenha do texto a industrial cultural...Adorno
 
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptxAula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
Aula 10 SOCIOLOGIA Indústria Cultural.pptx
 
Industria Cultural.pptx
Industria Cultural.pptxIndustria Cultural.pptx
Industria Cultural.pptx
 
IndúStria Cultural2
IndúStria Cultural2IndúStria Cultural2
IndúStria Cultural2
 
Industria cultural
Industria culturalIndustria cultural
Industria cultural
 
Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020
Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020
Indústria Cultural e Cultura de Massa-2020
 
Teoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola FrankfurtTeoria Crítica - Escola Frankfurt
Teoria Crítica - Escola Frankfurt
 
Indústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizandoIndústria cultural problematizando
Indústria cultural problematizando
 
Artes.pptx
Artes.pptxArtes.pptx
Artes.pptx
 
O riso e_o_trágico_na_indústria_cultural
O riso e_o_trágico_na_indústria_culturalO riso e_o_trágico_na_indústria_cultural
O riso e_o_trágico_na_indústria_cultural
 
Indústria-Cultural.pptx
Indústria-Cultural.pptxIndústria-Cultural.pptx
Indústria-Cultural.pptx
 
CCM e TC pós modernidade 2
CCM e TC pós modernidade 2CCM e TC pós modernidade 2
CCM e TC pós modernidade 2
 
Roland Barthes , Umberto Eco , Michel Foucault , Jean Baudrillard
Roland Barthes, Umberto Eco, Michel Foucault, Jean BaudrillardRoland Barthes, Umberto Eco, Michel Foucault, Jean Baudrillard
Roland Barthes , Umberto Eco , Michel Foucault , Jean Baudrillard
 
tc1_aula7_2008
tc1_aula7_2008tc1_aula7_2008
tc1_aula7_2008
 
O que é indústria cultural [Coleção Primeiros Passos]
O que é indústria cultural [Coleção Primeiros Passos]O que é indústria cultural [Coleção Primeiros Passos]
O que é indústria cultural [Coleção Primeiros Passos]
 

Mais de Munis Pedro

Mais de Munis Pedro (20)

Segunda Guerra Mundial
Segunda Guerra MundialSegunda Guerra Mundial
Segunda Guerra Mundial
 
Fascismo italiano
Fascismo italianoFascismo italiano
Fascismo italiano
 
Primeira Guerra Mundial
Primeira Guerra MundialPrimeira Guerra Mundial
Primeira Guerra Mundial
 
Crise de 1929 e a Grande Depressão
Crise de 1929 e a Grande DepressãoCrise de 1929 e a Grande Depressão
Crise de 1929 e a Grande Depressão
 
Brasil Império
Brasil ImpérioBrasil Império
Brasil Império
 
Lógica Aristotélica
Lógica AristotélicaLógica Aristotélica
Lógica Aristotélica
 
Povos na Antiguidade Oriental: persas, fenícios, hebreus e egípcios
Povos na Antiguidade Oriental: persas, fenícios, hebreus e egípciosPovos na Antiguidade Oriental: persas, fenícios, hebreus e egípcios
Povos na Antiguidade Oriental: persas, fenícios, hebreus e egípcios
 
Revolução Francesa e Era Napoleônica
Revolução Francesa e Era NapoleônicaRevolução Francesa e Era Napoleônica
Revolução Francesa e Era Napoleônica
 
África antes dos europeus
África antes dos europeusÁfrica antes dos europeus
África antes dos europeus
 
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismoNacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
Nacionalismo, neocolonialismo e imperialismo
 
África, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerras
África, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerrasÁfrica, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerras
África, Índia e Oriente Médio no século XX: independências e guerras
 
Revolução Russa
Revolução RussaRevolução Russa
Revolução Russa
 
Iluminismo: o século das luzes
Iluminismo: o século das luzesIluminismo: o século das luzes
Iluminismo: o século das luzes
 
Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)Feudalismo (476-1453)
Feudalismo (476-1453)
 
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romanoRoma Antiga - monarquia, república e império romano
Roma Antiga - monarquia, república e império romano
 
Sistema Prisional no Brasil
Sistema Prisional no BrasilSistema Prisional no Brasil
Sistema Prisional no Brasil
 
Conflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiados
Conflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiadosConflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiados
Conflitos na Síria (03): Estado Islâmico e a questão dos refugiados
 
Conflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etnias
Conflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etniasConflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etnias
Conflitos na Síria (02): grupos políticos, seitas e etnias
 
Conflitos na Síria (01): história do Império Otomano e da Síria
Conflitos na Síria (01): história do Império Otomano e da SíriaConflitos na Síria (01): história do Império Otomano e da Síria
Conflitos na Síria (01): história do Império Otomano e da Síria
 
Produção do conhecimento histórico
Produção do conhecimento históricoProdução do conhecimento histórico
Produção do conhecimento histórico
 

Último

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdfDiálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
Diálogo Crátilo de Platão sócrates daspdf
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdfPLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
PLANO DE ESTUDO TUTORADO COMPLEMENTAR 1 ANO 1 BIMESTRE.pdf
 
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e SenegalTrabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
Trabalho sobre as diferenças demograficas entre EUA e Senegal
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 

Indústria Cultural

  • 1. Indústria Cultural Produced by Prof. Munis Pedro (IFTM/2017)
  • 2. O que é Indústria Cultural? É um conceito criado por Theodor Adorno e Max Horkheimer para referir- se à capacidade da economia capitalista para produzir bens culturais como mercadoria em massa (larga escala/fordismo). Origem do conceito Aparece no livro “Dialética do Esclarecimento”, publicado em 1947, na Alemanha. Estudo faz parte de grupo de pensadores alemães, conhecido como “Escola de Frankfurt” ou “Teoria Crítica” Além de Adorno e Horkheimer também estão presentes Walter Benjamin e Herbert Marcuse
  • 3. Contexto histórico-social CAPITALISMO & INDUSTRIALIZAÇÃO Produção em larga escala Processo contínuo de valorização de: • Recursos humanos e naturais • Bens materiais • Elementos simbólicos Ideologia e consumo de massa Apropriação e redefinição da arte Adorno Horkheimer Primeiras décadas do séc. XX
  • 4. Sociedade de consumo Arte Indústria Cultural rádio TV cinema música Consequências: Cultura erudita perde o rigor Cultura popular perde a espontaneidade 1 Uniformização do sujeito e manipulação de sua autonomia + alienação + despolitização Arte sem “magia”, mas, pelo menos, saiu dos “palácios” 2 3 Pessoas que vestem as mesmas roupas, usam os mesmos sapatos, ouvem as mesmas músicas, assistem aos mesmos filmes Sair desta lógica te torna um outsider
  • 5. Na era da indústria cultural o indivíduo já não decide autonomamente: o conflito entre impulsos e consciência se resolve com a adesão acrítica aos valores impostos: “O que antes os filósofos chamavam de vida foi reduzido à esfera do privado e logo do puro e simples consumo, que já não é mais do que um apêndice do processo material de produção econômica, sem autonomia e substâncias próprias” (Adorno, 1951). O ser humano está nas mãos de uma sociedade que lhe manipula e ilude: “o consumidor não é soberano, como a indústria cultural desejaria fazê-lo crer, não é seu sujeito e sim seu objeto” (Adorno, 1957)
  • 6. Fundamentos e aspectos da Indústria Cultural O mercado captura a arte e os bens simbólicos para geração de capital. Isto é, o objetivo principal é o lucro É preciso ter o maior número possível de consumidores ESTRATÉGIA -> Criar ilusão da diversidade No fundo são os mesmos produtos embalados de maneira diferente para públicos distintos O importante não é o que está dentro do produto, mas como ele é vendido para o consumidor Ex. Gêneros fílmicos diferentes, mas a estrutura narrativa é a mesma Problema; complicação; conflito; crise; clímax; resolução Surpresa faz parte do esquema Repetição satisfaz um desejo de previsibilidade Música aumenta a tensão, a emoção Causar efeito desejado: choro, riso, tensão O final gera conforto e felicidade • Roupas • Carros • Músicas • Filmes Mensagem é a de que você vai passar dificuldades, porém, no final, tudo vai dar certo.ilusão E a impressão de assistir sempre o mesmo filme é recorrente para quem se propõe a pensar
  • 7. Fundamentos e aspectos da Indústria Cultural Todos somos consumidores e ao mesmo tempo todos somos produtos Televisão Redes sociais Publicidade e propaganda Onde as informações sobre você são vendidas às empresas que compram anúncios É o horário comercial que financia a TV. A emissora vende horários específicos para atingir um determinado público-alvo Imagens de beleza, sensualidade e diversão são transmitidas e vinculadas aos produtos
  • 8. Fundamentos e aspectos da Indústria Cultural A indústria cultural prescinde o expectador da reflexão Quanto menos esforço para a reflexão, melhor Tudo é passado de forma rápida para que não dê tempo de refletir ou divagar – o fluxo é constante “Consumidores que pensam demais não compram” O produto da indústria cultural não deve aborrecer Se o filme não divertiu, não presta Apresenta-se um ideal de vida inalcançável e distante da realidade Não deve levar o indivíduo a contestar sua situação, mas aceitá-la Obras de arte clássica geram incômodo, abalam conceitos e apresentam alternativas perigosas (a Indústria Cultural não quer fuga da normalidade)
  • 9. Fundamentos e aspectos da Indústria Cultural Entrega-se aos produtos da indústria cultural para “fugir” da realidade Trabalha-se 40h por semana e vai ao cinema para relaxar, divertir. O expectador não quer esforço ou desconforto. Busca refúgio na diversão Fuga de uma vida tediosa, monótona e opressiva do trabalho cansativo Fuga ou aceitação? Não posso fazer nada sobre a minha vida, logo, assisto Tento me reconhecer no herói da obra/catarse A alienação através do consumo é uma escolha do próprio expectador
  • 10. A indústria cultural vende cultura. Para vendê-la, deve seduzir e agradar o consumidor. Para seduzi- lo e agradá-lo, não pode chocá-lo, provocá-lo, fazê-lo pensar, fazê-lo ter informações novas que perturbem, mas deve devolver-lhe, com nova aparência, o que ele sabe, já viu, já fez. A ‘média’ é o senso-comum cristalizado que a indústria cultural devolve com cara de coisa nova [...]. Dessa maneira, um conjunto de programas e publicações que poderiam ter verdadeiro significado cultural tornam-se o contrário da Cultura e de sua democratização, pois se dirigem a um público transformado em massa inculta, infantil, desinformada e passiva. CHAUÍ, Marilena. Filosofia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2000, p. 330-333.
  • 11. Ernesto “Che” Guevara, revolucionário e símbolo do anticapitalismo Sobre a frase anterior, há controvérsias atualmente Sobre cooptação da Indústria CulturalESTRATÉGIA
  • 12. Lançamento do Novo Uno, 2011 No anúncio publicitário da TV dizia-se que agora existia um carro para cada individualidade. Conclui-se que existem apenas cinco individualidades A ilusão da diversidade
  • 13. Kurt Cobain, músico, principal representante da estética grunge, crítico da sociedade de consumo
  • 14. Se é o objeto é marginal e consegue se destacar, será assimilado pela indústria cultural Há dois caminhos para o marginal e o diferente: ou é erradicado ou é digerido O grunge voltou!
  • 15. “Hoje, a indústria cultural assumiu a herança civilizatória da democracia de pioneiros e empresários, que tampouco desenvolvera uma fineza de sentido para os desvios espirituais. Todos são livres para dançar e para se divertir do mesmo modo que, desde a neutralização histórica da religião, são livres para entrar em qualquer uma das inúmeras seitas. Mas a liberdade de escolha da ideologia, que reflete sempre a coerção econômica, revela-se em todos os setores como a liberdade de escolher o que é sempre a mesma coisa”. ADORNO, T; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro; Zahar, 1985. A liberdade de escolha na civilização ocidental, de acordo com a análise do texto, é um(a) a) legado social. b) patrimônio politico. c) produto da moralidade. d) conquista da humanidade. e) ilusão da contemporaneidade. ENEM/2016