SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO




       A Palavra japonesa Mizusumashi, tem o seu significado literal de aranha d´água. Para os conceitos do Lean
       Manufacturing, refere-se a um operador de abastecimento interno, que tem como função de fornecer
       materiais aos diversos postos de trabalho. Utilizando-se da sistemática designada como Milk Run, os
       alimentadores seguem rotas normatizadas e transportam pequenas quantidades e em horários definidos.




Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO

                           Os 10 mandamentos do MIZUSUMASHI:

                                            Mandamentos do MIZUSUMASHI:

                                            1 - Separar a Operação de montagem da Operação alimentação:

                                            -O operador deverá somente se preocupar com a montagem.

                                            2 - Tirar da atividade do operador a operação que não seja contemplada
                                            pelo SST:

                                            - A realimentação, e qualquer outra atividade que não seja estritamente da
                                            operação contemplada na operação e tempo padrão, não deve ser executado
                                            pelo operador do processo.

                                            3 - O papel do Mizusumashi é elevar a produtividade do montador.

                                            4 - Distribuição de Peças nas Células:

                                            - Mudar para o formato de embalagens, menor possível;

                                            - Através do tamanho das peças e ciclo, definir o kit de alimentação (30 min
                                            ou 1h de necessidade ou 1/10 da necessidade do dia por alimentação);

                                            - As peças levadas pelo Mizusumashi devem ser usadas pela produção.



Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO




    5 - Definir a operação padrão do Mizusumashi e um fluxo, rota padrão:

    - Fazer kit de realimentações (Tirar de caixas Grandes e passar para caixas pequenas);
    - Transportar o material para frente do operador;
    - Retirar as caixas vazias;
    - Retirar o lixo Complementar (de embalagens);
    - Jogar o lixo fora;
    - Começar o processo novamente.
                                                                -



Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO




     6 - Quantidade de peças e Intervalo de Alimentação:

     - Padrão: Quantidade fixa de peças e intervalo fixo de alimentação, isso somente acontece com produção otimizada;
     - Como fazer quantidade física com ciclo variável:
     - O ideal é linkar o intervalo, quantidade a saída de produtos acabados;
     - Quantidade fixa e intervalo flexível ou quantidade flexível e tempo fixo.

     7 – O Mizusumashi tem que pegar as peças no lugar de preparação do kit de materiais (loja) e a reposição entre
     a loja e o depósito é feito por meio de Kanban.

     8 - Todas as peças (da loja e da estação de trabalho), devem ter o fluxo de entrada e retirada definido:

     - Garantir o FIFO;
     - Usar prateleiras inclinadas/ lugar definido de entrada e saída.


Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO




     9 - As peças na frente do montador sempre devem estar em duas “porções”, no mínimo (a do uso atual e do
     próximo uso):

     - No início pode-se pensar em ter três caixas (porções).

     10 - Tornar o fluxo de operação e alimentação contínuo:

     - Dar ritmo a operação à pianista.


Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO




     Resultados esperados com a metodologia:

     - Aumento da produtividade, no qual o operador somente fará a atividade de montagem;

     - Ritmo contínuo da atividade (montagem, alimentação);

     - Redução dos defeitos (operadores dedicados somente para montagem);

     - Gestão visual das necessidades de materiais;

     - Redução do desperdício de materiais no processo (W.I.P);

     - Melhoria do processo de inventário;

     - Organização da área.




Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila De Acuracidade De Estoques V6
Apostila De Acuracidade De Estoques   V6Apostila De Acuracidade De Estoques   V6
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
guest3d59
 
Objetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho provaObjetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho prova
nigr0 s
 

Mais procurados (20)

Logistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e MizuLogistica Milk Run e Mizu
Logistica Milk Run e Mizu
 
Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção Planejamento e Controle da Produção
Planejamento e Controle da Produção
 
O Sistema Kanban
O Sistema KanbanO Sistema Kanban
O Sistema Kanban
 
Mapeamento de Fluxo de Valor
Mapeamento de Fluxo de ValorMapeamento de Fluxo de Valor
Mapeamento de Fluxo de Valor
 
Papel Estratégico e Objetivos da Produção
Papel Estratégico e Objetivos da ProduçãoPapel Estratégico e Objetivos da Produção
Papel Estratégico e Objetivos da Produção
 
Mizusumashi CLT 2015
Mizusumashi CLT 2015Mizusumashi CLT 2015
Mizusumashi CLT 2015
 
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organizaçãoManutenção industrial entendendo sua função e organização
Manutenção industrial entendendo sua função e organização
 
Sistema de produção
Sistema de produçãoSistema de produção
Sistema de produção
 
Apostila CRONOANÁLISE
Apostila CRONOANÁLISEApostila CRONOANÁLISE
Apostila CRONOANÁLISE
 
Capacidade de-producao
Capacidade de-producaoCapacidade de-producao
Capacidade de-producao
 
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
Apostila De Acuracidade De Estoques   V6Apostila De Acuracidade De Estoques   V6
Apostila De Acuracidade De Estoques V6
 
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de MétodosAulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
Aulas 1, 2, 3 e 4 - Engenharia de Métodos
 
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de MétodosAulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
Aulas 8 e 9 - Engenharia de Métodos
 
Arranjo Físico e Fluxos em Operações
Arranjo Físico e Fluxos em OperaçõesArranjo Físico e Fluxos em Operações
Arranjo Físico e Fluxos em Operações
 
Administração de produção 1
Administração de produção 1Administração de produção 1
Administração de produção 1
 
Quais os passos para um value stream mapping?
Quais os passos para um value stream mapping?Quais os passos para um value stream mapping?
Quais os passos para um value stream mapping?
 
Vsm
VsmVsm
Vsm
 
Objetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho provaObjetivos de desempenho prova
Objetivos de desempenho prova
 
Mapeamento de Fluxo de Valor v2
Mapeamento de Fluxo de Valor v2Mapeamento de Fluxo de Valor v2
Mapeamento de Fluxo de Valor v2
 
Balanceamento de linhas
Balanceamento de linhasBalanceamento de linhas
Balanceamento de linhas
 

Destaque

Seminário Logística Reversa e PNRS, 26/03/2014 - Apresentação Ney Maranhão
Seminário Logística Reversa e PNRS, 26/03/2014 -  Apresentação Ney MaranhãoSeminário Logística Reversa e PNRS, 26/03/2014 -  Apresentação Ney Maranhão
Seminário Logística Reversa e PNRS, 26/03/2014 - Apresentação Ney Maranhão
FecomercioSP
 

Destaque (20)

Mizusumashi
MizusumashiMizusumashi
Mizusumashi
 
Metodologia de Implementação de Projetos Lean
Metodologia de Implementação de Projetos LeanMetodologia de Implementação de Projetos Lean
Metodologia de Implementação de Projetos Lean
 
Kata mindset
Kata mindsetKata mindset
Kata mindset
 
Pull Flow Management
Pull Flow ManagementPull Flow Management
Pull Flow Management
 
Process
ProcessProcess
Process
 
Equipamento Lean Manufacturing
Equipamento Lean ManufacturingEquipamento Lean Manufacturing
Equipamento Lean Manufacturing
 
Sistema pull na hutchinson
Sistema pull na hutchinsonSistema pull na hutchinson
Sistema pull na hutchinson
 
Kaneyoshi Kusunoki
Kaneyoshi KusunokiKaneyoshi Kusunoki
Kaneyoshi Kusunoki
 
Aumento da Produtividade
Aumento da ProdutividadeAumento da Produtividade
Aumento da Produtividade
 
Milkrun e Mizu
Milkrun e MizuMilkrun e Mizu
Milkrun e Mizu
 
Mieruka
MierukaMieruka
Mieruka
 
Mapeamento dos sete desperdícios
Mapeamento dos sete desperdíciosMapeamento dos sete desperdícios
Mapeamento dos sete desperdícios
 
Zero como conceito ótimo
Zero como conceito ótimoZero como conceito ótimo
Zero como conceito ótimo
 
MilkRun e Mizusumachi
MilkRun e MizusumachiMilkRun e Mizusumachi
MilkRun e Mizusumachi
 
Muda mura muri
Muda mura muriMuda mura muri
Muda mura muri
 
Sanjutsu x Ninjutsu
Sanjutsu x NinjutsuSanjutsu x Ninjutsu
Sanjutsu x Ninjutsu
 
Minomi
MinomiMinomi
Minomi
 
5 Perguntas para 0 defeito
5 Perguntas para 0 defeito5 Perguntas para 0 defeito
5 Perguntas para 0 defeito
 
Lean Office 5S : The Next Level
Lean Office 5S : The Next LevelLean Office 5S : The Next Level
Lean Office 5S : The Next Level
 
Seminário Logística Reversa e PNRS, 26/03/2014 - Apresentação Ney Maranhão
Seminário Logística Reversa e PNRS, 26/03/2014 -  Apresentação Ney MaranhãoSeminário Logística Reversa e PNRS, 26/03/2014 -  Apresentação Ney Maranhão
Seminário Logística Reversa e PNRS, 26/03/2014 - Apresentação Ney Maranhão
 

Semelhante a Mizusumashi Conceito e Aplicação

Semelhante a Mizusumashi Conceito e Aplicação (20)

Apresentação Programa T.P.M : Manutenção Produtiva Total
Apresentação Programa T.P.M : Manutenção Produtiva TotalApresentação Programa T.P.M : Manutenção Produtiva Total
Apresentação Programa T.P.M : Manutenção Produtiva Total
 
apresentaoprogramatpm4-160113143732.pdf
apresentaoprogramatpm4-160113143732.pdfapresentaoprogramatpm4-160113143732.pdf
apresentaoprogramatpm4-160113143732.pdf
 
Smed colocando o conceito em prática
Smed colocando o conceito em práticaSmed colocando o conceito em prática
Smed colocando o conceito em prática
 
Estudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalhoEstudo de postos de trabalho
Estudo de postos de trabalho
 
Smed redução tempos setup
Smed redução tempos setupSmed redução tempos setup
Smed redução tempos setup
 
Apresentação SMED Single Minute Exchange of Die
Apresentação SMED Single Minute Exchange of DieApresentação SMED Single Minute Exchange of Die
Apresentação SMED Single Minute Exchange of Die
 
Passos para introduzir o Mizusumashi Mercado na Fabrica Toyota
Passos para introduzir o Mizusumashi  Mercado na Fabrica ToyotaPassos para introduzir o Mizusumashi  Mercado na Fabrica Toyota
Passos para introduzir o Mizusumashi Mercado na Fabrica Toyota
 
240515232 atps-de-administracao-da-producao-e-operacoes 2
240515232 atps-de-administracao-da-producao-e-operacoes 2240515232 atps-de-administracao-da-producao-e-operacoes 2
240515232 atps-de-administracao-da-producao-e-operacoes 2
 
Administração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administraçãoAdministração científica e teoria clássica da administração
Administração científica e teoria clássica da administração
 
Programa tpm
Programa tpmPrograma tpm
Programa tpm
 
Shojinka Flexibilidade no número de operadores
Shojinka Flexibilidade no número de operadoresShojinka Flexibilidade no número de operadores
Shojinka Flexibilidade no número de operadores
 
TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx
TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptxTREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx
TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx
 
Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01
Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01
Manutenoindustrial 140520120534-phpapp01
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
 
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
Curso de Cronoanálise - Tempos e Movimentos - Parte 2 de 6
 
Ergonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao TrabalhoErgonomia Aplicada Ao Trabalho
Ergonomia Aplicada Ao Trabalho
 
Aula_Semana 02.pptx
Aula_Semana 02.pptxAula_Semana 02.pptx
Aula_Semana 02.pptx
 
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínuaTPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
TPM - Manutenção Produtiva Total: implementação e melhoria contínua
 
Seiryuka
SeiryukaSeiryuka
Seiryuka
 
Operação e manutenção do SIS
Operação e manutenção do SISOperação e manutenção do SIS
Operação e manutenção do SIS
 

Mais de Jose Donizetti Moraes

Mais de Jose Donizetti Moraes (20)

Brasagem Processo de solda
Brasagem Processo de soldaBrasagem Processo de solda
Brasagem Processo de solda
 
Calculo da Produtividade
Calculo da ProdutividadeCalculo da Produtividade
Calculo da Produtividade
 
Regras báscias de gestão da produção em um ambiente lean
Regras báscias de gestão da produção em um ambiente leanRegras báscias de gestão da produção em um ambiente lean
Regras báscias de gestão da produção em um ambiente lean
 
Overall Labor Effectiveness
Overall Labor EffectivenessOverall Labor Effectiveness
Overall Labor Effectiveness
 
Hyoujun Sagyou e Ikko Nagashi
Hyoujun Sagyou e Ikko NagashiHyoujun Sagyou e Ikko Nagashi
Hyoujun Sagyou e Ikko Nagashi
 
Comparativo entre conceitos e sistemas de produção
Comparativo entre conceitos e sistemas de produçãoComparativo entre conceitos e sistemas de produção
Comparativo entre conceitos e sistemas de produção
 
TWTTP e HERCA
TWTTP e HERCATWTTP e HERCA
TWTTP e HERCA
 
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCMOriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
Oriente e Ocidente - A busca pela competitividade através do WCM
 
16 Principios Leadership
16 Principios Leadership16 Principios Leadership
16 Principios Leadership
 
Soikufu - Pensamento criativo
Soikufu - Pensamento criativoSoikufu - Pensamento criativo
Soikufu - Pensamento criativo
 
Método L.U.T.I. (Learn Use Teach Inspect)
Método L.U.T.I. (Learn Use Teach Inspect)Método L.U.T.I. (Learn Use Teach Inspect)
Método L.U.T.I. (Learn Use Teach Inspect)
 
Kata Walks Conceito e Aplicação
Kata Walks Conceito e AplicaçãoKata Walks Conceito e Aplicação
Kata Walks Conceito e Aplicação
 
5S Conceito e Aplicação
5S  Conceito e Aplicação5S  Conceito e Aplicação
5S Conceito e Aplicação
 
Novas regras do IATF para Certificação ISO/TS-16949 4º Edição
Novas regras do IATF para Certificação ISO/TS-16949 4º EdiçãoNovas regras do IATF para Certificação ISO/TS-16949 4º Edição
Novas regras do IATF para Certificação ISO/TS-16949 4º Edição
 
Kosu
KosuKosu
Kosu
 
7 passos para um bom kaizen
7 passos para um bom kaizen7 passos para um bom kaizen
7 passos para um bom kaizen
 
Hancho e Kumicho
Hancho e KumichoHancho e Kumicho
Hancho e Kumicho
 
Andon Conceito e Aplicação
Andon Conceito e AplicaçãoAndon Conceito e Aplicação
Andon Conceito e Aplicação
 
Metodologia 5G para Solução de Problemas
Metodologia 5G para Solução de ProblemasMetodologia 5G para Solução de Problemas
Metodologia 5G para Solução de Problemas
 
Bekidouritsu e kadouritsu
Bekidouritsu e kadouritsuBekidouritsu e kadouritsu
Bekidouritsu e kadouritsu
 

Mizusumashi Conceito e Aplicação

  • 1. MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO A Palavra japonesa Mizusumashi, tem o seu significado literal de aranha d´água. Para os conceitos do Lean Manufacturing, refere-se a um operador de abastecimento interno, que tem como função de fornecer materiais aos diversos postos de trabalho. Utilizando-se da sistemática designada como Milk Run, os alimentadores seguem rotas normatizadas e transportam pequenas quantidades e em horários definidos. Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
  • 2. MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO Os 10 mandamentos do MIZUSUMASHI: Mandamentos do MIZUSUMASHI: 1 - Separar a Operação de montagem da Operação alimentação: -O operador deverá somente se preocupar com a montagem. 2 - Tirar da atividade do operador a operação que não seja contemplada pelo SST: - A realimentação, e qualquer outra atividade que não seja estritamente da operação contemplada na operação e tempo padrão, não deve ser executado pelo operador do processo. 3 - O papel do Mizusumashi é elevar a produtividade do montador. 4 - Distribuição de Peças nas Células: - Mudar para o formato de embalagens, menor possível; - Através do tamanho das peças e ciclo, definir o kit de alimentação (30 min ou 1h de necessidade ou 1/10 da necessidade do dia por alimentação); - As peças levadas pelo Mizusumashi devem ser usadas pela produção. Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
  • 3. MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO 5 - Definir a operação padrão do Mizusumashi e um fluxo, rota padrão: - Fazer kit de realimentações (Tirar de caixas Grandes e passar para caixas pequenas); - Transportar o material para frente do operador; - Retirar as caixas vazias; - Retirar o lixo Complementar (de embalagens); - Jogar o lixo fora; - Começar o processo novamente. - Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
  • 4. MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO 6 - Quantidade de peças e Intervalo de Alimentação: - Padrão: Quantidade fixa de peças e intervalo fixo de alimentação, isso somente acontece com produção otimizada; - Como fazer quantidade física com ciclo variável: - O ideal é linkar o intervalo, quantidade a saída de produtos acabados; - Quantidade fixa e intervalo flexível ou quantidade flexível e tempo fixo. 7 – O Mizusumashi tem que pegar as peças no lugar de preparação do kit de materiais (loja) e a reposição entre a loja e o depósito é feito por meio de Kanban. 8 - Todas as peças (da loja e da estação de trabalho), devem ter o fluxo de entrada e retirada definido: - Garantir o FIFO; - Usar prateleiras inclinadas/ lugar definido de entrada e saída. Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
  • 5. MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO 9 - As peças na frente do montador sempre devem estar em duas “porções”, no mínimo (a do uso atual e do próximo uso): - No início pode-se pensar em ter três caixas (porções). 10 - Tornar o fluxo de operação e alimentação contínuo: - Dar ritmo a operação à pianista. Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012
  • 6. MIZUSUMASHI – CONCEITO E APLICAÇÃO Resultados esperados com a metodologia: - Aumento da produtividade, no qual o operador somente fará a atividade de montagem; - Ritmo contínuo da atividade (montagem, alimentação); - Redução dos defeitos (operadores dedicados somente para montagem); - Gestão visual das necessidades de materiais; - Redução do desperdício de materiais no processo (W.I.P); - Melhoria do processo de inventário; - Organização da área. Elaborado: Jose Donizetti Moraes - Engenharia Industrial – 16/04/2012