SlideShare uma empresa Scribd logo
TREINAMENTO MANUTENÇÃO
AUTÔNOMA
CONCEITOS BÁSICOS DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA NA
INDUSTRIA FARMACÊUTICA.
POR JEAN SOUZA.
“ DA MINHA MÁQUINA CUIDO EU”
MANUTENÇÃO AUTÔNOMA É QUANDO O OPERADOR TEM
AUTONOMIA PARA PEQUENAS INTERVENÇÕES DE
MANUTENÇÃO NO SEU PRÓPRIO EQUIPAMENTO.
COMPETÊNCIAS DO OPERADOR :
O OPERADOR PRECISA TER VONTADE E ESTAR
ALINHADO COM OS OBJETIVOS DA MANUTENÇÃO
PRODUTIVA PARA DESEMPENHAR UMA FUNÇÃO
EXTRA, A MAIS NOS SEUS ESCOLPO DE
ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO AUTÔNOMA.
A ORIGEM DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA
 No início dos processos industriais, isto é, após a Primeira Revolução
Industrial, o operador era responsável por todas as atividades (produzir, fazer
a manutenção da máquina, movimentar material) e, muitas vezes, ele mesmo
programava o que produzir. Após a Segunda Guerra Mundial, os processos
produtivos tiveram grande demanda e precisaram crescer e se modernizar,
gerando uma grande necessidade de produção.
Isso fez com que houvesse uma setorização, na qual cada um acabou se
tornando especialista em sua função, ou seja, o operador só operava
(produzia). Nesse momento, surgiu o setor de manutenção, uma vez que as
máquinas começaram a ficar complexas e amplamente utilizadas. Nessa época,
a manutenção estava focada na correção. A máquina era utilizada ao limite para
ter maior volume de produção; e ao quebrar, recorria-se à manutenção para
fazer a corretiva.
Com o passar dos anos, principalmente após os anos 1970, foi possível
perceber que esse modelo era ineficiente, pois havia a necessidade de evitar
falhas e perdas. Com isso, foi destacada a importância das preventivas, depois
preditivas e, por fim, a confiabilidade; enfim surgiu o cenário para a TPM.
Com a necessidade de ser ainda mais eficiente, foi possível notar que os
operadores poderiam ser os aliados perfeitos da manutenção, assim como
foram no início do processo industrial. A TPM buscou, então, resgatar essa
filosofia de que o operador não apenas produz, mas também é o dono da
máquina e do ambiente que o fazem produzir.
OS BENEFICIOS DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA
 Redução de deslocamento desnecessário por layout físico
desconforme.
 Redução de acidentes causados por riscosque podem ser
controlados no ambiente de trabalho.
 Redução de falhas potenciais do equipamento por meio do seu uso
correto.
 Redução de falhas funcionaisdo equipamento por meio da
atenção constante dos modos e efeitos de falhas.
 Redução da probabilidade de falhas da curva da banheira
 Redução de falhas devido à má condição do meio.
 Aumento da vida útil.
 Aumento da qualidade por causa de melhor condição e operação
da máquina.
 Aumento da produtividade, pois a máquinatende a operar mais
perto de sua otimização quando bem mantida.
 Aumento da produção, pois com mais disponibilidade há mais
espaço para produzir melhor.
 Aumento da segurança ao trabalhar em um ambiente mais
qualificado.
 Liberação da manutençãopara cuidar dos equipamentos de forma
perita e sofisticada.
HABILIDADES DA MANUTENÇÃO
AUTÔNOMA
1° Descobriranormalidades– Tervisãodeperitopara
descobrire identificaranomalias, tersensibilidadedosefeitosde
umafalhapotenciale nãosomenteumafalhafuncionaldo
equipamento(ruído, trepidação, etc.).
2° Trataranormalidades- Ver e Agir(tomar medidas cabíveis).
3° Estabelecercondiçõesnormais – Agir preventivamente e
Pro ativamente . Estabelecer e seguir um plano de atividades
que impedem a ocorrência de falhas(Lubrificar ,reaperto
Limpeza ,Inspeção.
CHAR – UM NOVO CONCEITO PARA
COMPETÊNCIAS.
ALÉM DA OPERAÇÃO CORRETA DO EQUIPAMENTO,
✓ uso de 5S;
✓ registro diário das ocorrências e ações tomadas;
✓ gestão visual;
✓ inspeção autônoma;
✓ monitoramento por meio dos 5 sentidos;
✓ lubrificação;
✓ elaboração de padrões ou procedimentos operacionais;
✓ execução de regulagenssimples;
✓ execução de reparos simples;
✓ execução de testes simples;
✓ aplicação de manutenção preventiva simples;
✓ preparação e setup simples.
CONCEITOS DE 5S POR ÁUREO JÚNIOR – SUPERVISOR
DE MANUTENÇÃO!
OS 7 PASSOS PARA
IMPLANTAÇÃO DE UMA
MANUTENÇÃO AUTÔNOMA.
1- PLANEJAMENTOINICIAL
Nessa primeira fase, deve haver uma preparação total
da implantação,
isto é, o que será feito, definição das atividades, prazos,
gestores envolvidos,
orçamento destinado a possíveis mudanças,
treinamento do time de
manutenção para dar suporte e motivação aos
operadores.
ESCOLHER UM EQUIPAMENTO OU SETOR PARA COMEÇAR A IMPLANTAÇÃO DA
MANUTENÇÃO AUTÔNOMA. COM OS RESULTADOS E A EXPERIÊNCIA ADQUIRIDOS NESSE
PROCESSO, BASTA REPLICAR PARA OUTROS EQUIPAMENTOS E SETORES, MELHORANDO OS
PONTOS FORTES, ANALISANDO, PREVENINDO E CORRIGINDO AS DIFICULDADES ENCONTRADAS
NA IMPLANTAÇÃO DO PILOTO.
 Como escolher o piloto? Veja alguns critérios.
✓ Setor em que o 5S já está bem consolidado.
✓ Setor no qual há pessoascomprometidascom mudanças e
melhorias.
✓ Máquina que representa um gargalopara a produção e precisa
aumentar a disponibilidade e a confiabilidade, além de necessitar
de mais produtividade.
✓ Conjuntos que apresentam muitasfalhas, paradas de produção,
ou constante perda de performance e/ou qualidade.
✓ Setores nos quais há maiorescustose despesas,seja com
manutenção, seja com perdas de produção.
✓ Máquina ou setor que possa servir como um bomexemplopara a
empresa, seja por sua relevância, seja por sua similaridade com
outras máquinas ou setores, provando assim que é possível
implantar a MA
✓ Equipamentos em que seja possívelgerardadosou indicadores
antes, durante e depois do processo de implantação, podendo
haver boas comparações. Desse modo, os resultados evidentes
vão gerando motivação e engajamento dos envolvidos, e um senso
coletivo de que “vai dar certo”.
✓ Equipamentos em que a melhoriapossaserpercebidanocurto
prazo(por exemplo, dentro de 3 meses). Ninguém gosta de
trabalharsem ver resultados durante muito tempo, isso gera
desconfiança e desânimo. Assim, um equipamento que possa
gerar resultados dentro de um período não muito longo é
recomendado. O tempo vai depender também do tipo de processo
e do tamanho da empresa.
2. LIMPEZAINICIAL
ESSA ETAPA É MARCADA POR UM GRANDE EVENTO PARA RESGATE DAS FUNÇÕES
NORMAIS DE FUNCIONAMENTO E ESTRUTURAIS DOS EQUIPAMENTOS. AQUI, DEVEM SER
FEITAS MUDANÇASREAIS E VISÍVEIS NOS EQUIPAMENTOS, IDENTIFICANDO E ANULANDO
ANOMALIAS. PARA ISSO, É FUNDAMENTAL QUE OS OPERADORES E O TIME DE
MANUTENÇÃO TRABALHEM JUNTOS, E QUE AMBOS USEM ESSE MOMENTO PARA TROCA
DE CONHECIMENTO, EXPERIÊNCIAS, ALINHEMEXPECTATIVAS E FAÇAM VÍNCULOSENTRE
MANUTENÇÃO-OPERAÇÃO E ENTRE OPERAÇÃO-MÁQUINA.
ANTES DEPOIS
TALVEZ ESSA SEJA UMA DAS POUCAS OPORTUNIDADES QUE O OPERADOR TEVE, ATÉ
ENTÃO, PARA REALMENTE IMERGIR NO EQUIPAMENTO, COM A POSSIBILIDADE DE TIRAR O
FOCO DE “PRODUZIR E PRODUZIR” PARA FOCAR NA MÁQUINA, NAS SUAS FUNCIONALIDADES,
ARQUITETURA, FUNCIONAMENTO E SISTEMAS (ELÉTRICO, MECÂNICO ETC.). MUITAS VEZES,
OS OPERADORES FICAM A MAIOR PARTE DO TEMPO MONITORANDO APENAS A PRODUÇÃO
DO EQUIPAMENTO E INTERAGINDO COM A IHM (INTERAÇÃO HOMEM-MÁQUINA, OU
DISPLAY), POR ISSO O OPERADOR DEVE ENTENDER DE ONDE VEM AS INFORMAÇÕES DO
IHM E COMO A PRODUÇÃO ACONTECEDO PONTO DE VISTA DA MÁQUINA
 Algumas atividades básicas são as apontadas a seguir :
✓ Limpeza geral feita pela manutenção junto ao operador.
✓ Uso das etiquetas TPM para identificar o que deve ser feito, não só
durante esse evento, mas também o que pode ficar pendente.
✓ Planejamento de manutenções pendentes para aquele
equipamento a serem feitas junto ao evento de limpeza geral, uma
vez que provavelmente a máquina estará parada para esse evento.
Corretivas programadas, preditivas e preventivas podem ser feitas
junto à observação e/ou participação dos operadores.
✓ Observação das fontes de sujeira decorrente da degradação do
equipamento e do processo produtivo.
✓ Identificação dos pontos de falta de segurança, trabalho
redundante, dificuldades de acesso e problemas ergonômicos .
NESSA ETAPA, PODEM SER LEVANTADAS AS INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO
CALENDÁRIO CIL-R, BEM COMO PODEM SER ELABORADOS ESQUEMAS, DESENHOS E FOTOS
PARA OS TREINAMENTOS E AS LIÇÕES.
AO REALIZAR AS ATIVIDADES QUE VÃO SER REPRODUZIDAS PELOS OPERADORES, O
RESPONSÁVEL PELA IMPLANTAÇÃO DEVE CRONOMETRAR OS TEMPOS PARA PODER PLANEJAR
E CONTROLAR AS ATIVIDADES FUTURAMENTE, E TAMBÉM PRODUZIR INDICADORES E
MÉTRICAS.
NESSE SENTIDO, OS BENEFÍCIOS PERCEBIDOS SÃO:
✓ AUMENTO NA SEGURANÇA DO TRABALHO;
✓ AUMENTO NA PRESERVAÇÃO E MELHORA DO ASPECTO DOS EQUIPAMENTOS;
✓ REDUÇÃO DAS FALHAS CAUSADAS POR CONTAMINAÇÃO, SUJEIRA, FALTA DE
CUIDADO E DESATENÇÃO.
CONCEITOS DE SEGURANÇA POR LUIZ OTAVIO – TÉCNICO
DE SEGURANÇA BELFAR.
ATÊNÇÃO QUANTO AO SE
APOIAR PARA REALIZAR
ATIVIDADES.
ATÊNÇÃO QUANTO AO
REALIZAR ATIVIDADES EM
ENGRENAGENS,ETC.
ATENÇÃO QUANTO AOS
MATERIAS UTILIZADOS NO
PROCESSO.
ATÊNÇÃO QUANTO AO
USO DE LAMINAS.
ATÊNÇÃO QUANTO AO SE
LOCOMOVER DURANTE O
PROCESSO.
3. COMBATEA FONTESDE SUJEIRA,CONTAMINAÇÃOE DIFICULDADES
DE ACESSO
O OBJETIVO DESSA ETAPA É ELIMINAR OS ELEMENTOS QUE GERAM SUJEIRA E
DIFICULDADES DE ACESSO. NÃO BASTA APENAS LIMPAR, É NECESSÁRIO EVITAR A SUJEIRA E
É PRECISO OTIMIZAR OS PROCESSOS DE LIMPEZA E INSPEÇÃO.ISSO MOTIVA UM AMBIENTE
MAIS SEGURO E ESTIMULA O OPERADOR A MANTER ESSE AMBIENTE, REDUZINDO O TEMPO
GASTO COM ATIVIDADES DESNECESSÁRIAS; SENDO MAIS EFICIENTE NA EXECUÇÃO DO
CALENDÁRIO CIL-R E MANTENDO UM BOM AMBIENTE DE TRABALHO, O QUE VAI GERAR
GANHOS DE PRODUTIVIDADE .
 Algumas atividades básicas são as apontadas a seguir.
✓ Fazer com que o operador pare de perder tempo com limpeza de
coisas que podem ser resolvidas.
✓ Evitar perda de tempo de acesso (movimentação) para fazer uma
inspeção, lubrificação, limpeza ou inspeção, facilitando o acesso, a
leitura dos IHMs e a medição de características (temperatura, por
exemplo).
✓ Envolver os setores de engenharia, melhoria contínua, qualidade e
segurança para analisar e promover mudanças estruturais
estratégicas para melhora global do sistema.
PARA ESSA ETAPA, O OPERADOR DEVE USAR AS ETIQUETAS TPM PARA IDENTIFICAR
ESSAS MELHORIAS E ABRIR SS PARA A MANUTENÇÃO SE PLANEJAR A FIM DE FAZER ESSAS
MELHORIAS. DEVE SER CONSIDERADA TAMBÉM A
ELABORAÇÃO DE UM BOM ORÇAMENTO, POIS CUSTOSESTARÃO ENVOLVIDOS.
ESPERA-SE UMA MELHORIA COMO A APONTADA NA IMAGEM A SEGUIR.
ELIMINAÇÃO DAS DIFICULDADES DE ACESSO.
O ACESSO DA PARTE SUPERIOR DA PRENSA(CABEÇOTE) É FACILITADO SUBSTITUINDO A ESCADA DE MARINHEIRO POR
UMA ESCADA DE RAMPA , REDUZINDO ASSIM O TEMPO NECESSÁRIO PARA SUBIDA E DESCIDA.
ASSIM, GARANTE-SE QUE AS MUDANÇAS FEITAS SERÃO REALMENTE BENÉFICAS
PARA A EFICIÊNCIA GLOBAL DO SISTEMA, NÃO APENAS “PARA FICAR BONITO”.
COMO VIMOS, OS PROBLEMAS A SEREM COMBATIDOS PODEMSER ESTRUTURAIS,
DE ORGANIZAÇÃO (LAYOUT), E AMBIENTAIS (TEMPERATURA, VAPORES, RUÍDOS, VIBRAÇÕES,
PÓ E LUZES). ASSIM, SE UMA MÁQUINA VIVE SUJA POR CAUSA DE UM VAZAMENTO DE
PARTÍCULAS DE DENTRO DA MÁQUINA, O IDEAL É REPARAR O VAZAMENTO.
 Nesse sentido, os benefícios sentidos são:
✓ redução de risco de erro operacional;
✓ queda na quebra do equipamento, aumentando o MTBF;
✓ redução de pequenas paradas, pois o operador pode agir mais
rápido e está mais envolvido com o equipamento;
✓ eliminação de falhas por sujeira indevida;
✓ aumento na qualidade do produto;
✓ redução no tempo gasto em atividades secundárias dos
operadores (entre 70% e 90%);
✓ aumento do OEE entre 2% e 3%.
4. PADRÕESPROVISÓRIOSDE LIMPEZA, INSPEÇÃOE LUBRIFICAÇÃO
AQUI, OS PADRÕES DEVERÃO SER REVISADOS E RESTABELECIDOS, UMA VEZ QUE AS
MUDANÇAS NO PASSO ANTERIORES FORAM MUITO GRANDES. ASSIM, FORMALIZA-SE A VALIDAÇÃO
E A CONSOLIDAÇÃO DE: CHECKLIST, POP, LUP, LPP, IT, CIL-R, KPIS, ETIQUETAS TPM,
QUADROS DE GESTÃO À VISTA, PLANOS, PADRÕES E TREINAMENTO DOS OPERADORES.
 Algumas atividades básicas são as apontadas a seguir.
✓ Padronizar os leitores, displays, IHMs, quadros, painéis, e sistemas
de segurança.
✓ Fazer um mapeamento de falhas para que o operador ajude a
evitar e identificar as falhas, além das anomalias
✓ Usar ERCS (Eliminar, Combinar, Reorganizar e Simplificar), para
otimizar as atividades como um todo, e também do ambiente.
✓ Identificar sentidos de rotação e fluxo.
✓ Utilizar padrão de cores para leitura e limites. Por exemplo, definir
uma marcação colorida e nomeada para o nível de óleo , escalas métricas das estações(Blisterflex e bpf).
ALGUNS EXEMPLOS DE LUP(LIÇÃO DE UM PONTO) OU LPP (LIÇÃO PONTO A PONTO PARA CASOS
OPERACIONAIS , SEGURANÇA ,MEIO AMBIENTE OU MELHORIA CONTINUA.
EXEMPLO DE UMA LPP DE MELHORIA E UM CHECLIST DE INSPEÇÃO.
BENEFÍCIOS SENTIDOS APÓS A IMPLANTAÇÃO DA FASE REATIVA :
 Nesse sentido, os benefícios sentidos são:
✓ senso de situação sob controle;
✓ maior independência da manutenção;
✓ aumento da confiança na TPM;
✓ diferença positiva notada por outros setores;
✓ redução no custo de operação;
✓ diminuição de estoques intermediários;
✓ mentalidade de qualidade e falha zero;
✓ maior integração entre os membros do setor;
✓ aumento da performance e da produtividade dos operadores;
✓ aumento do OEE em mais de 90%;
✓ quebra zero.
“DA MINHA MÁQUINA CUIDO EU”!!!
RESPONSABILIDADES OPERAÇÃO X MANUTENÇÃO!!!
SÚMULA DO TRIENAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTÔNOMA
LEMA
CONCEITO, APLICAÇÃO E DEFINIÇÃO
COMPETENCIAS DO OPERADOR
ORIGEM DA MANUTENÇÃO AUTONOMA
BENEFICIOS DA MA
HABILIDADES DA MA
CHAR- UM NOVO CONCEITO DE HABILIDADES
5S – ÁUREO JÚNIOR
OS 7 PASSOS PARA IMPLANTAÇÃO DA MA (FASE REATIVA).
1-PLANEJAMNETO INICIAL
2-LIMPEZA INICIAL
CONCEITOS DE SEGURANÇA –LUIS
3-COMBATE A FONTES DE SUJEIRAS, CONTAMINAÇÕES E DIFICULDADES DE ACESSO(LDA).
4-PADROES PROVISORIOS DE MA
EXEMPLOS DE LUP, LPP E CHECKLIST
BENEFÍCIOS SENTIDOS APÓS A FASE REATIVA
RESPONSABILIDADE PRODUÇÃO X MANUTENÇÃO, MANUTENÇÃO AUTONOMA (CONCEITO FINAL).
FORÇA DE VONTADE X FOCAR EM SER PRODUTIVO
AGRADECIMENTOS GERAIS.
DESPEDIDA (SPOILER SOBRE TREINAMENTO DE OPERAÇÃO BPF 5-30).
AGRADECIMENTO ESPECIAL : AOS APOIADORES DO PROJETO BELFAR
INDUSTRIA FARMACÊUTICA E AOS NOSSOS PATROCIONADORES.
A TODOS PRESENTES NO CURSO DE MANUTENÇÃO AUTÔNOMA.
NOSSA DIRETORA TÉCNINA EXCELENTISSIMA TÂNIA MARA.
NOSSO GERENTE DE MANUTÊNÇÃO ODAIR DELGADO.
NOSSA COORDENADORA DE PRODUÇÃO ANA PAULA MEDEIROS.
NOSSO SUPERVISOR DE MANUTÊNÇÃO ÁUREOJÚNIOR.
NOSSO TÉCNICO DE SEGURANÇA LUIS.
NOS VEREMOS NO PRÓXIMO TREINAMENTO!!!!!!QUE DEUS
ABENÇOE A TODOS!!!!
ESTE TREINAMENTO PODE SER ACESSADO PELA PLATAFORMA EVEN3 PELO LINK :
HTTPS://WWW.EVEN3.COM.BR/MANUTENCAO-AUTONOMA-289653

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segurança Industrial
Segurança IndustrialSegurança Industrial
Segurança Industrial
César Serradas
 
Gestão da manutençãoppt
Gestão da manutençãopptGestão da manutençãoppt
Gestão da manutençãoppt
Lee Bodini
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
Nyedson Barbosa
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Anderson Pontes
 
01. treinamento 6S final
01. treinamento 6S final01. treinamento 6S final
01. treinamento 6S final
Taysa Mattos
 
Palestra A visao do 5s
Palestra A visao do 5sPalestra A visao do 5s
Palestra A visao do 5s
Valdolirio Junior
 
Tpm apresentação
Tpm   apresentaçãoTpm   apresentação
Tpm apresentação
institutocarvalho
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
5s
5s5s
Gestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção LeanGestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção Lean
Miguel Oliveira
 
Modelo 5 pq
Modelo 5 pqModelo 5 pq
Modelo 5 pq
Daniele Pontes
 
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
Giovanna Ortiz
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Anderson Pontes
 
Nr – 22
Nr – 22Nr – 22
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Aspectos e Impactos
Aspectos e Impactos  Aspectos e Impactos
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Planejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na ManutençãoPlanejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na Manutenção
Emerson Luiz Santos
 
Exercício hst
Exercício  hstExercício  hst
Exercício hst
Gleyciana Garrido
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
Jose Donizetti Moraes
 

Mais procurados (20)

Segurança Industrial
Segurança IndustrialSegurança Industrial
Segurança Industrial
 
Gestão da manutençãoppt
Gestão da manutençãopptGestão da manutençãoppt
Gestão da manutençãoppt
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
 
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a ManutençãoGestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
Gestão da Manutenção - Introdução a Manutenção
 
01. treinamento 6S final
01. treinamento 6S final01. treinamento 6S final
01. treinamento 6S final
 
Palestra A visao do 5s
Palestra A visao do 5sPalestra A visao do 5s
Palestra A visao do 5s
 
Tpm apresentação
Tpm   apresentaçãoTpm   apresentação
Tpm apresentação
 
Programa 5S
Programa 5SPrograma 5S
Programa 5S
 
5s
5s5s
5s
 
Gestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção LeanGestão da Manutenção Lean
Gestão da Manutenção Lean
 
Modelo 5 pq
Modelo 5 pqModelo 5 pq
Modelo 5 pq
 
Aula 3 sga qualidade
Aula 3   sga qualidadeAula 3   sga qualidade
Aula 3 sga qualidade
 
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e EquipamentosIntrodução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
Introdução a Manutenção de Máquinas e Equipamentos
 
Nr – 22
Nr – 22Nr – 22
Nr – 22
 
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do TrabalhoAula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
Aula 1 - Higiene e Segurança do Trabalho
 
Aspectos e Impactos
Aspectos e Impactos  Aspectos e Impactos
Aspectos e Impactos
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Planejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na ManutençãoPlanejamento da Organização na Manutenção
Planejamento da Organização na Manutenção
 
Exercício hst
Exercício  hstExercício  hst
Exercício hst
 
Lean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova VisãoLean Manufacturing Nova Visão
Lean Manufacturing Nova Visão
 

Semelhante a TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx

Tpm apresentação
Tpm   apresentaçãoTpm   apresentação
Tpm apresentação
institutocarvalho
 
WCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem Perdas
WCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem PerdasWCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem Perdas
WCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem Perdas
EXCELLENCE CONSULTING
 
Aula 2 slides - Tipos básicos de manutenção.pptx
Aula 2 slides - Tipos básicos de manutenção.pptxAula 2 slides - Tipos básicos de manutenção.pptx
Aula 2 slides - Tipos básicos de manutenção.pptx
AllanMoises1
 
TPM2manutenao autonoma.pptx
TPM2manutenao autonoma.pptxTPM2manutenao autonoma.pptx
TPM2manutenao autonoma.pptx
ARLANFERREIRANUNES
 
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
Aula 02   manutenção preventiva total tpmAula 02   manutenção preventiva total tpm
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
Fernando Oliveira
 
Manuten mnt1
Manuten mnt1Manuten mnt1
WCM - Autonomous Maintenance (Manutenção Autônoma)
WCM - Autonomous Maintenance (Manutenção Autônoma)WCM - Autonomous Maintenance (Manutenção Autônoma)
WCM - Autonomous Maintenance (Manutenção Autônoma)
Jonanthan Damião Ferreira
 
Manutenção Industrial - Material Aula 12_fev_16_Tipos de Manutenção.pptx
Manutenção Industrial - Material Aula 12_fev_16_Tipos de Manutenção.pptxManutenção Industrial - Material Aula 12_fev_16_Tipos de Manutenção.pptx
Manutenção Industrial - Material Aula 12_fev_16_Tipos de Manutenção.pptx
VanessaJosClaudioIsa
 
Tipos de manutencao
Tipos de manutencaoTipos de manutencao
Tipos de manutencao
Michel Silva
 
RCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
RCM- Manutenção Centrada na ConfiabilidadeRCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilisticaVisao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
GabrielValle24
 
Manutenção introdução
Manutenção   introduçãoManutenção   introdução
Manutenção introdução
Fatima Araujo
 
Trabalho de manutenção corretiva.
Trabalho de manutenção corretiva.Trabalho de manutenção corretiva.
Trabalho de manutenção corretiva.
Maycon Roberto
 
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
Vilson Stollmeier
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
José Oscar Sousa
 
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitosExcelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Rodrigo Domingues
 
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
GEOVANIBENEDITODASIL
 
Programa tpm
Programa tpmPrograma tpm
Programa tpm
Alessandro
 
apresentaoprogramatpm4-160113143732.pdf
apresentaoprogramatpm4-160113143732.pdfapresentaoprogramatpm4-160113143732.pdf
apresentaoprogramatpm4-160113143732.pdf
LucianoMonteiro53
 
Apostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senaiApostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senai
Willian Ricardo dos Santos
 

Semelhante a TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx (20)

Tpm apresentação
Tpm   apresentaçãoTpm   apresentação
Tpm apresentação
 
WCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem Perdas
WCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem PerdasWCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem Perdas
WCM 2009-TT04-Rigesa Programa PPSP Produção Sem Perdas
 
Aula 2 slides - Tipos básicos de manutenção.pptx
Aula 2 slides - Tipos básicos de manutenção.pptxAula 2 slides - Tipos básicos de manutenção.pptx
Aula 2 slides - Tipos básicos de manutenção.pptx
 
TPM2manutenao autonoma.pptx
TPM2manutenao autonoma.pptxTPM2manutenao autonoma.pptx
TPM2manutenao autonoma.pptx
 
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
Aula 02   manutenção preventiva total tpmAula 02   manutenção preventiva total tpm
Aula 02 manutenção preventiva total tpm
 
Manuten mnt1
Manuten mnt1Manuten mnt1
Manuten mnt1
 
WCM - Autonomous Maintenance (Manutenção Autônoma)
WCM - Autonomous Maintenance (Manutenção Autônoma)WCM - Autonomous Maintenance (Manutenção Autônoma)
WCM - Autonomous Maintenance (Manutenção Autônoma)
 
Manutenção Industrial - Material Aula 12_fev_16_Tipos de Manutenção.pptx
Manutenção Industrial - Material Aula 12_fev_16_Tipos de Manutenção.pptxManutenção Industrial - Material Aula 12_fev_16_Tipos de Manutenção.pptx
Manutenção Industrial - Material Aula 12_fev_16_Tipos de Manutenção.pptx
 
Tipos de manutencao
Tipos de manutencaoTipos de manutencao
Tipos de manutencao
 
RCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
RCM- Manutenção Centrada na ConfiabilidadeRCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
RCM- Manutenção Centrada na Confiabilidade
 
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilisticaVisao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
Visao_Geral_Manutenção_2. na automobilistica
 
Manutenção introdução
Manutenção   introduçãoManutenção   introdução
Manutenção introdução
 
Trabalho de manutenção corretiva.
Trabalho de manutenção corretiva.Trabalho de manutenção corretiva.
Trabalho de manutenção corretiva.
 
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
11 Inspeo de Pr-Uso da Mquina Rodoviria ou Agrcola.pptx
 
1 introdução à manutenção
1  introdução à manutenção1  introdução à manutenção
1 introdução à manutenção
 
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitosExcelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
Excelencia na-gestao-da-manutencao-atraves-da-aplicacao-dos-conceitos
 
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
1_-_TIPOS_DE_MANUTENCAO.pptx
 
Programa tpm
Programa tpmPrograma tpm
Programa tpm
 
apresentaoprogramatpm4-160113143732.pdf
apresentaoprogramatpm4-160113143732.pdfapresentaoprogramatpm4-160113143732.pdf
apresentaoprogramatpm4-160113143732.pdf
 
Apostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senaiApostila manutencao industrial_senai
Apostila manutencao industrial_senai
 

Último

CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUMCERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
Fabricio Rodrigues Falcão
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
GabrielGarcia356832
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Wagner Moraes
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
Consultoria Acadêmica
 
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUMPORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
Fabricio Rodrigues Falcão
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
pereiramarcossantos0
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
MaxwellBentodeOlivei1
 
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptxAula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
RafaelRocha658505
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
Consultoria Acadêmica
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
Consultoria Acadêmica
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
WeltonAgostinhoDias1
 

Último (11)

CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUMCERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
CERTIFICADOS ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
 
Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123Apresentação concreto autodesempenho 123
Apresentação concreto autodesempenho 123
 
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.pptElementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
Elementos de Máquina aplicados na tornearia mecânica.ppt
 
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
AE03 - LOGISTICA EMPRESARIAL UNICESUMAR 52/2024
 
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUMPORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
PORTIFÓLIO ENGENHEIRO FABRICIO FALCAO - GESTÃO DE PROJETOS|BIM|SCRUM
 
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
Simbologia e Terminologia de Instrumentação da Norma ISA 5.1 - Simbologia_ISA...
 
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdfAULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
AULA LEI DOS SENOS OU COSSENOS - parte final (3) (1).pdf
 
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptxAula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
Aula 3 - Carga Elétrica e Eletrização.pptx
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL EMPREENDEDORISMO CORPORATIVO UNICES...
 
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
AE03 - ESTUDO CONTEMPORÂNEO E TRANSVERSAL COMUNICAÇÃO ASSERTIVA E INTERPESSOA...
 
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de SementesAula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
Aula Vigor de Sementes - Aula Vigor de Sementes
 

TREINAMENTO MANUTENCAO AUTONOMA.pptx

  • 1. TREINAMENTO MANUTENÇÃO AUTÔNOMA CONCEITOS BÁSICOS DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA NA INDUSTRIA FARMACÊUTICA. POR JEAN SOUZA.
  • 2. “ DA MINHA MÁQUINA CUIDO EU”
  • 3. MANUTENÇÃO AUTÔNOMA É QUANDO O OPERADOR TEM AUTONOMIA PARA PEQUENAS INTERVENÇÕES DE MANUTENÇÃO NO SEU PRÓPRIO EQUIPAMENTO.
  • 4. COMPETÊNCIAS DO OPERADOR : O OPERADOR PRECISA TER VONTADE E ESTAR ALINHADO COM OS OBJETIVOS DA MANUTENÇÃO PRODUTIVA PARA DESEMPENHAR UMA FUNÇÃO EXTRA, A MAIS NOS SEUS ESCOLPO DE ATIVIDADES DE MANUTENÇÃO AUTÔNOMA.
  • 5. A ORIGEM DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA  No início dos processos industriais, isto é, após a Primeira Revolução Industrial, o operador era responsável por todas as atividades (produzir, fazer a manutenção da máquina, movimentar material) e, muitas vezes, ele mesmo programava o que produzir. Após a Segunda Guerra Mundial, os processos produtivos tiveram grande demanda e precisaram crescer e se modernizar, gerando uma grande necessidade de produção. Isso fez com que houvesse uma setorização, na qual cada um acabou se tornando especialista em sua função, ou seja, o operador só operava (produzia). Nesse momento, surgiu o setor de manutenção, uma vez que as máquinas começaram a ficar complexas e amplamente utilizadas. Nessa época, a manutenção estava focada na correção. A máquina era utilizada ao limite para ter maior volume de produção; e ao quebrar, recorria-se à manutenção para fazer a corretiva. Com o passar dos anos, principalmente após os anos 1970, foi possível perceber que esse modelo era ineficiente, pois havia a necessidade de evitar falhas e perdas. Com isso, foi destacada a importância das preventivas, depois preditivas e, por fim, a confiabilidade; enfim surgiu o cenário para a TPM. Com a necessidade de ser ainda mais eficiente, foi possível notar que os operadores poderiam ser os aliados perfeitos da manutenção, assim como foram no início do processo industrial. A TPM buscou, então, resgatar essa filosofia de que o operador não apenas produz, mas também é o dono da máquina e do ambiente que o fazem produzir.
  • 6. OS BENEFICIOS DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA  Redução de deslocamento desnecessário por layout físico desconforme.  Redução de acidentes causados por riscosque podem ser controlados no ambiente de trabalho.  Redução de falhas potenciais do equipamento por meio do seu uso correto.  Redução de falhas funcionaisdo equipamento por meio da atenção constante dos modos e efeitos de falhas.  Redução da probabilidade de falhas da curva da banheira  Redução de falhas devido à má condição do meio.  Aumento da vida útil.  Aumento da qualidade por causa de melhor condição e operação da máquina.  Aumento da produtividade, pois a máquinatende a operar mais perto de sua otimização quando bem mantida.  Aumento da produção, pois com mais disponibilidade há mais espaço para produzir melhor.  Aumento da segurança ao trabalhar em um ambiente mais qualificado.  Liberação da manutençãopara cuidar dos equipamentos de forma perita e sofisticada.
  • 7. HABILIDADES DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA 1° Descobriranormalidades– Tervisãodeperitopara descobrire identificaranomalias, tersensibilidadedosefeitosde umafalhapotenciale nãosomenteumafalhafuncionaldo equipamento(ruído, trepidação, etc.). 2° Trataranormalidades- Ver e Agir(tomar medidas cabíveis). 3° Estabelecercondiçõesnormais – Agir preventivamente e Pro ativamente . Estabelecer e seguir um plano de atividades que impedem a ocorrência de falhas(Lubrificar ,reaperto Limpeza ,Inspeção.
  • 8. CHAR – UM NOVO CONCEITO PARA COMPETÊNCIAS. ALÉM DA OPERAÇÃO CORRETA DO EQUIPAMENTO, ✓ uso de 5S; ✓ registro diário das ocorrências e ações tomadas; ✓ gestão visual; ✓ inspeção autônoma; ✓ monitoramento por meio dos 5 sentidos; ✓ lubrificação; ✓ elaboração de padrões ou procedimentos operacionais; ✓ execução de regulagenssimples; ✓ execução de reparos simples; ✓ execução de testes simples; ✓ aplicação de manutenção preventiva simples; ✓ preparação e setup simples.
  • 9. CONCEITOS DE 5S POR ÁUREO JÚNIOR – SUPERVISOR DE MANUTENÇÃO!
  • 10. OS 7 PASSOS PARA IMPLANTAÇÃO DE UMA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA. 1- PLANEJAMENTOINICIAL Nessa primeira fase, deve haver uma preparação total da implantação, isto é, o que será feito, definição das atividades, prazos, gestores envolvidos, orçamento destinado a possíveis mudanças, treinamento do time de manutenção para dar suporte e motivação aos operadores.
  • 11. ESCOLHER UM EQUIPAMENTO OU SETOR PARA COMEÇAR A IMPLANTAÇÃO DA MANUTENÇÃO AUTÔNOMA. COM OS RESULTADOS E A EXPERIÊNCIA ADQUIRIDOS NESSE PROCESSO, BASTA REPLICAR PARA OUTROS EQUIPAMENTOS E SETORES, MELHORANDO OS PONTOS FORTES, ANALISANDO, PREVENINDO E CORRIGINDO AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA IMPLANTAÇÃO DO PILOTO.  Como escolher o piloto? Veja alguns critérios. ✓ Setor em que o 5S já está bem consolidado. ✓ Setor no qual há pessoascomprometidascom mudanças e melhorias. ✓ Máquina que representa um gargalopara a produção e precisa aumentar a disponibilidade e a confiabilidade, além de necessitar de mais produtividade. ✓ Conjuntos que apresentam muitasfalhas, paradas de produção, ou constante perda de performance e/ou qualidade. ✓ Setores nos quais há maiorescustose despesas,seja com manutenção, seja com perdas de produção. ✓ Máquina ou setor que possa servir como um bomexemplopara a empresa, seja por sua relevância, seja por sua similaridade com outras máquinas ou setores, provando assim que é possível implantar a MA ✓ Equipamentos em que seja possívelgerardadosou indicadores antes, durante e depois do processo de implantação, podendo haver boas comparações. Desse modo, os resultados evidentes vão gerando motivação e engajamento dos envolvidos, e um senso coletivo de que “vai dar certo”. ✓ Equipamentos em que a melhoriapossaserpercebidanocurto prazo(por exemplo, dentro de 3 meses). Ninguém gosta de trabalharsem ver resultados durante muito tempo, isso gera desconfiança e desânimo. Assim, um equipamento que possa gerar resultados dentro de um período não muito longo é recomendado. O tempo vai depender também do tipo de processo e do tamanho da empresa.
  • 12. 2. LIMPEZAINICIAL ESSA ETAPA É MARCADA POR UM GRANDE EVENTO PARA RESGATE DAS FUNÇÕES NORMAIS DE FUNCIONAMENTO E ESTRUTURAIS DOS EQUIPAMENTOS. AQUI, DEVEM SER FEITAS MUDANÇASREAIS E VISÍVEIS NOS EQUIPAMENTOS, IDENTIFICANDO E ANULANDO ANOMALIAS. PARA ISSO, É FUNDAMENTAL QUE OS OPERADORES E O TIME DE MANUTENÇÃO TRABALHEM JUNTOS, E QUE AMBOS USEM ESSE MOMENTO PARA TROCA DE CONHECIMENTO, EXPERIÊNCIAS, ALINHEMEXPECTATIVAS E FAÇAM VÍNCULOSENTRE MANUTENÇÃO-OPERAÇÃO E ENTRE OPERAÇÃO-MÁQUINA. ANTES DEPOIS
  • 13. TALVEZ ESSA SEJA UMA DAS POUCAS OPORTUNIDADES QUE O OPERADOR TEVE, ATÉ ENTÃO, PARA REALMENTE IMERGIR NO EQUIPAMENTO, COM A POSSIBILIDADE DE TIRAR O FOCO DE “PRODUZIR E PRODUZIR” PARA FOCAR NA MÁQUINA, NAS SUAS FUNCIONALIDADES, ARQUITETURA, FUNCIONAMENTO E SISTEMAS (ELÉTRICO, MECÂNICO ETC.). MUITAS VEZES, OS OPERADORES FICAM A MAIOR PARTE DO TEMPO MONITORANDO APENAS A PRODUÇÃO DO EQUIPAMENTO E INTERAGINDO COM A IHM (INTERAÇÃO HOMEM-MÁQUINA, OU DISPLAY), POR ISSO O OPERADOR DEVE ENTENDER DE ONDE VEM AS INFORMAÇÕES DO IHM E COMO A PRODUÇÃO ACONTECEDO PONTO DE VISTA DA MÁQUINA  Algumas atividades básicas são as apontadas a seguir : ✓ Limpeza geral feita pela manutenção junto ao operador. ✓ Uso das etiquetas TPM para identificar o que deve ser feito, não só durante esse evento, mas também o que pode ficar pendente. ✓ Planejamento de manutenções pendentes para aquele equipamento a serem feitas junto ao evento de limpeza geral, uma vez que provavelmente a máquina estará parada para esse evento. Corretivas programadas, preditivas e preventivas podem ser feitas junto à observação e/ou participação dos operadores. ✓ Observação das fontes de sujeira decorrente da degradação do equipamento e do processo produtivo. ✓ Identificação dos pontos de falta de segurança, trabalho redundante, dificuldades de acesso e problemas ergonômicos .
  • 14. NESSA ETAPA, PODEM SER LEVANTADAS AS INFORMAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO CALENDÁRIO CIL-R, BEM COMO PODEM SER ELABORADOS ESQUEMAS, DESENHOS E FOTOS PARA OS TREINAMENTOS E AS LIÇÕES. AO REALIZAR AS ATIVIDADES QUE VÃO SER REPRODUZIDAS PELOS OPERADORES, O RESPONSÁVEL PELA IMPLANTAÇÃO DEVE CRONOMETRAR OS TEMPOS PARA PODER PLANEJAR E CONTROLAR AS ATIVIDADES FUTURAMENTE, E TAMBÉM PRODUZIR INDICADORES E MÉTRICAS. NESSE SENTIDO, OS BENEFÍCIOS PERCEBIDOS SÃO: ✓ AUMENTO NA SEGURANÇA DO TRABALHO; ✓ AUMENTO NA PRESERVAÇÃO E MELHORA DO ASPECTO DOS EQUIPAMENTOS; ✓ REDUÇÃO DAS FALHAS CAUSADAS POR CONTAMINAÇÃO, SUJEIRA, FALTA DE CUIDADO E DESATENÇÃO.
  • 15. CONCEITOS DE SEGURANÇA POR LUIZ OTAVIO – TÉCNICO DE SEGURANÇA BELFAR.
  • 16. ATÊNÇÃO QUANTO AO SE APOIAR PARA REALIZAR ATIVIDADES.
  • 17. ATÊNÇÃO QUANTO AO REALIZAR ATIVIDADES EM ENGRENAGENS,ETC.
  • 18. ATENÇÃO QUANTO AOS MATERIAS UTILIZADOS NO PROCESSO.
  • 20. ATÊNÇÃO QUANTO AO SE LOCOMOVER DURANTE O PROCESSO.
  • 21. 3. COMBATEA FONTESDE SUJEIRA,CONTAMINAÇÃOE DIFICULDADES DE ACESSO O OBJETIVO DESSA ETAPA É ELIMINAR OS ELEMENTOS QUE GERAM SUJEIRA E DIFICULDADES DE ACESSO. NÃO BASTA APENAS LIMPAR, É NECESSÁRIO EVITAR A SUJEIRA E É PRECISO OTIMIZAR OS PROCESSOS DE LIMPEZA E INSPEÇÃO.ISSO MOTIVA UM AMBIENTE MAIS SEGURO E ESTIMULA O OPERADOR A MANTER ESSE AMBIENTE, REDUZINDO O TEMPO GASTO COM ATIVIDADES DESNECESSÁRIAS; SENDO MAIS EFICIENTE NA EXECUÇÃO DO CALENDÁRIO CIL-R E MANTENDO UM BOM AMBIENTE DE TRABALHO, O QUE VAI GERAR GANHOS DE PRODUTIVIDADE .  Algumas atividades básicas são as apontadas a seguir. ✓ Fazer com que o operador pare de perder tempo com limpeza de coisas que podem ser resolvidas. ✓ Evitar perda de tempo de acesso (movimentação) para fazer uma inspeção, lubrificação, limpeza ou inspeção, facilitando o acesso, a leitura dos IHMs e a medição de características (temperatura, por exemplo). ✓ Envolver os setores de engenharia, melhoria contínua, qualidade e segurança para analisar e promover mudanças estruturais estratégicas para melhora global do sistema.
  • 22. PARA ESSA ETAPA, O OPERADOR DEVE USAR AS ETIQUETAS TPM PARA IDENTIFICAR ESSAS MELHORIAS E ABRIR SS PARA A MANUTENÇÃO SE PLANEJAR A FIM DE FAZER ESSAS MELHORIAS. DEVE SER CONSIDERADA TAMBÉM A ELABORAÇÃO DE UM BOM ORÇAMENTO, POIS CUSTOSESTARÃO ENVOLVIDOS. ESPERA-SE UMA MELHORIA COMO A APONTADA NA IMAGEM A SEGUIR.
  • 24. O ACESSO DA PARTE SUPERIOR DA PRENSA(CABEÇOTE) É FACILITADO SUBSTITUINDO A ESCADA DE MARINHEIRO POR UMA ESCADA DE RAMPA , REDUZINDO ASSIM O TEMPO NECESSÁRIO PARA SUBIDA E DESCIDA.
  • 25. ASSIM, GARANTE-SE QUE AS MUDANÇAS FEITAS SERÃO REALMENTE BENÉFICAS PARA A EFICIÊNCIA GLOBAL DO SISTEMA, NÃO APENAS “PARA FICAR BONITO”. COMO VIMOS, OS PROBLEMAS A SEREM COMBATIDOS PODEMSER ESTRUTURAIS, DE ORGANIZAÇÃO (LAYOUT), E AMBIENTAIS (TEMPERATURA, VAPORES, RUÍDOS, VIBRAÇÕES, PÓ E LUZES). ASSIM, SE UMA MÁQUINA VIVE SUJA POR CAUSA DE UM VAZAMENTO DE PARTÍCULAS DE DENTRO DA MÁQUINA, O IDEAL É REPARAR O VAZAMENTO.  Nesse sentido, os benefícios sentidos são: ✓ redução de risco de erro operacional; ✓ queda na quebra do equipamento, aumentando o MTBF; ✓ redução de pequenas paradas, pois o operador pode agir mais rápido e está mais envolvido com o equipamento; ✓ eliminação de falhas por sujeira indevida; ✓ aumento na qualidade do produto; ✓ redução no tempo gasto em atividades secundárias dos operadores (entre 70% e 90%); ✓ aumento do OEE entre 2% e 3%.
  • 26. 4. PADRÕESPROVISÓRIOSDE LIMPEZA, INSPEÇÃOE LUBRIFICAÇÃO AQUI, OS PADRÕES DEVERÃO SER REVISADOS E RESTABELECIDOS, UMA VEZ QUE AS MUDANÇAS NO PASSO ANTERIORES FORAM MUITO GRANDES. ASSIM, FORMALIZA-SE A VALIDAÇÃO E A CONSOLIDAÇÃO DE: CHECKLIST, POP, LUP, LPP, IT, CIL-R, KPIS, ETIQUETAS TPM, QUADROS DE GESTÃO À VISTA, PLANOS, PADRÕES E TREINAMENTO DOS OPERADORES.  Algumas atividades básicas são as apontadas a seguir. ✓ Padronizar os leitores, displays, IHMs, quadros, painéis, e sistemas de segurança. ✓ Fazer um mapeamento de falhas para que o operador ajude a evitar e identificar as falhas, além das anomalias ✓ Usar ERCS (Eliminar, Combinar, Reorganizar e Simplificar), para otimizar as atividades como um todo, e também do ambiente. ✓ Identificar sentidos de rotação e fluxo. ✓ Utilizar padrão de cores para leitura e limites. Por exemplo, definir uma marcação colorida e nomeada para o nível de óleo , escalas métricas das estações(Blisterflex e bpf).
  • 27. ALGUNS EXEMPLOS DE LUP(LIÇÃO DE UM PONTO) OU LPP (LIÇÃO PONTO A PONTO PARA CASOS OPERACIONAIS , SEGURANÇA ,MEIO AMBIENTE OU MELHORIA CONTINUA.
  • 28. EXEMPLO DE UMA LPP DE MELHORIA E UM CHECLIST DE INSPEÇÃO.
  • 29. BENEFÍCIOS SENTIDOS APÓS A IMPLANTAÇÃO DA FASE REATIVA :  Nesse sentido, os benefícios sentidos são: ✓ senso de situação sob controle; ✓ maior independência da manutenção; ✓ aumento da confiança na TPM; ✓ diferença positiva notada por outros setores; ✓ redução no custo de operação; ✓ diminuição de estoques intermediários; ✓ mentalidade de qualidade e falha zero; ✓ maior integração entre os membros do setor; ✓ aumento da performance e da produtividade dos operadores; ✓ aumento do OEE em mais de 90%; ✓ quebra zero.
  • 30. “DA MINHA MÁQUINA CUIDO EU”!!!
  • 32. SÚMULA DO TRIENAMENTO DE MANUTENÇÃO AUTÔNOMA LEMA CONCEITO, APLICAÇÃO E DEFINIÇÃO COMPETENCIAS DO OPERADOR ORIGEM DA MANUTENÇÃO AUTONOMA BENEFICIOS DA MA HABILIDADES DA MA CHAR- UM NOVO CONCEITO DE HABILIDADES 5S – ÁUREO JÚNIOR OS 7 PASSOS PARA IMPLANTAÇÃO DA MA (FASE REATIVA). 1-PLANEJAMNETO INICIAL 2-LIMPEZA INICIAL CONCEITOS DE SEGURANÇA –LUIS 3-COMBATE A FONTES DE SUJEIRAS, CONTAMINAÇÕES E DIFICULDADES DE ACESSO(LDA). 4-PADROES PROVISORIOS DE MA EXEMPLOS DE LUP, LPP E CHECKLIST BENEFÍCIOS SENTIDOS APÓS A FASE REATIVA RESPONSABILIDADE PRODUÇÃO X MANUTENÇÃO, MANUTENÇÃO AUTONOMA (CONCEITO FINAL). FORÇA DE VONTADE X FOCAR EM SER PRODUTIVO AGRADECIMENTOS GERAIS. DESPEDIDA (SPOILER SOBRE TREINAMENTO DE OPERAÇÃO BPF 5-30).
  • 33. AGRADECIMENTO ESPECIAL : AOS APOIADORES DO PROJETO BELFAR INDUSTRIA FARMACÊUTICA E AOS NOSSOS PATROCIONADORES. A TODOS PRESENTES NO CURSO DE MANUTENÇÃO AUTÔNOMA. NOSSA DIRETORA TÉCNINA EXCELENTISSIMA TÂNIA MARA. NOSSO GERENTE DE MANUTÊNÇÃO ODAIR DELGADO. NOSSA COORDENADORA DE PRODUÇÃO ANA PAULA MEDEIROS. NOSSO SUPERVISOR DE MANUTÊNÇÃO ÁUREOJÚNIOR. NOSSO TÉCNICO DE SEGURANÇA LUIS.
  • 34. NOS VEREMOS NO PRÓXIMO TREINAMENTO!!!!!!QUE DEUS ABENÇOE A TODOS!!!!
  • 35. ESTE TREINAMENTO PODE SER ACESSADO PELA PLATAFORMA EVEN3 PELO LINK : HTTPS://WWW.EVEN3.COM.BR/MANUTENCAO-AUTONOMA-289653