SlideShare uma empresa Scribd logo
Miguel Torga Poemas Trabalho elaborado por: Raquel de Magalhães e Santos 10ºD Nº 14
Miguel Torga
Biografia de Miguel Torga Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha, nasceu em 1907 em S. Martinho de Anta, concelho de Sabrosa, Trás-os-Montes, e faleceu em 17 de Janeiro de 1995, em Coimbra. Emigrou para o Brasil ainda jovem e, quando regressou, em 1925, matriculou-se na Universidade de Coimbra, onde se formou em Medicina. Esteve, de início, literariamente próximo do grupo da Presença, sediado em Coimbra. Por volta de 1930, estava já afastado do grupo, fundando a revista  Sinal . Funda, pouco depois, a revista  Manifesto.  Começou a ser conhecido como poeta, tendo mais tarde ganho notoriedade com os seus contos ruralistas e os seus dezasseis volumes de  Diário , estes publicados entre 1941-1995. Várias vezes nomeado para o  Prémio Nobel da Literatura , tornou-se um dos mais conhecidos autores portugueses do século XX.
Pão Ázimo, 1931 A Terceira Voz, 1934 A Criação do Mundo, os Dois Primeiros Dias, 1937 O Terceiro Dia da Criação do Mundo, 1938 O Quarto Dia da Criação do Mundo, 1939 Bichos, 1940 Contos da Montanha, 1941 O Senhor Ventura, 1943 Um Reino Maravilhoso, 1941 Trás-os-Montes, 1941 Conferência, 1941 Rua, 1942 Portugal, 1950 Pedras Lavradas, 1951 Novos Contos da Montanha, 1944 Vindima, 1945
Romance: .Traço de União, 1955 .O Quinto Dia da Criação do Mundo, 1974 .Fogo Preso, 1976 .O Sexto Dia da Criação do Mundo, 1981
Teatro: .Terra Firme, 1941 .Mar, 1941 .O Paraíso, 1949 .Sinfonia, 1947 .Poema Dramático, 1946
Poesia e Prosa: .Diário (1º Volume), 1941 .Diário (2º Volume), 1943 .Diário, (3º Volume), 1946 .Diário, (4º Volume), 1949
Miguel Torga – Temática Analisando o pseudónimo literário que o poeta Adolfo Correia Rocha adoptou –  Miguel Torga  - constatamos que esta opção está intimamente relacionada e não se pode dissociar da íntima ligação do homem com a natureza e, por sua vez, com a poesia. Miguel  – relaciona-se com  Miguel de Cervantes  e  Miguel de Unamuno . Torga  – designação nortenha da urze, planta brava da montanha. Poderemos considerá-lo um poeta mítico que vivia na intimidade das forças elementares:  Terra, Sol, Vento e Água . Não obstante e diversidade da sua obra, (poesia, teatro, narrativa de ficção - romance, contos) existem marcas inconfundíveis em todos os seus escritos: um estilo vibrante, umas vezes de enternecimento, outras vezes de revolta; uma força telúrica que o puxa para a terra, sobretudo para a terra transmontana; uma espécie de panteísmo que o leva a ligar com grande efeito poético, o físico ao transcendente; o continuado jogo de contrastes ( bem – mal; angústia – esperança; sombra – luz) , verificados, a maior parte das vezes, no seu “eu”.
CONTINUAÇÃO A terra, a mítica da natureza, a força telúrica, é o grande pólo de atracção poética, a sua maior força de inspiração. Nas suas frequentes alusões ao povo, é sobretudo o povo da terra, o povo rústico que lhe interessa. Para ele, a terra é o homem e o homem á a terra. O psicologismo de Torga está na emanação do seu “ eu ” com este mundo físico e humano. Analisando a obra de Torga, constata-se uma incidência em certas palavras por ele usadas como:  seiva, cio, germinar ,  partir  e também  cacho, vinho, mosto  (a conotar o delírio das inovações báquicas), estão estreitamente ligadas ao pólo mais importante da sua inspiração: a terra e a vida. Por outro lado, os signos , sonho, mito, lua, estrela, astral , ligam-se ao outro pólo: o espírito, a transcendência.
Continuação Poderá, então, concluir-se que a temática de Torga se centra, ou assenta, em três grandes pilares: 1 – Desespero humanista (drama de criação poética); –  Preocupação com o ser humano, as suas limitações e a sua necessidade de transcendência. 2– Problemática religiosa; –  Esperança e desesperança surgem como uma expressão de conflito íntimo que se desenvolve no interior do poeta.
Continuação 3 – Sentimento telúrico; –  Inspiração genesíaca: a terra é o lugar de realização do ser humano e da ligação ao sagrado. –  O telurismo do poeta exprime-se no seu apego à terra, na sua fidelidade ao povo, na sua consciência de português, de ibérico, no espírito da comunidade europeia e universal.
Linguagem e estilo - Escolha das palavras: inspiração genesiana e inovações báquicas. - Estilo poético: eloquência sóbria, viril, que entusiasma ou fadiga. - Uso de estrofes irregulares. - Recurso a verbos e tempos verbais. - Figuras de estilo: antítese, metáfora e adjectivação.
Breve reflexão sobre os poemas Os poemas que seleccionei para sucinta análise, “ Regresso ” e “  Brinquedo ”, espelham algumas das características acima mencionadas da temática Torganiana. “ Sonho, brinquedo, estrela”  em “ Brinquedo ” que se ligam a um dos pólos da sua inspiração – a fantasia, o espírito e a transcendência. Por outro lado, no poema “ Regresso ”, a terra, a força telúrica é o grande pólo de atracção de Torga, em que atribui aos elementos naturais uma atitude de celebração. Quanto ao estilo, estão patentes vários recursos estilísticos, característica do autor.
Os meus poemas preferidos
Brinquedo Foi um sonho que eu tive: Era uma grande estrela de papel, um Cordel E um menino de bibe. O menino tinha lançado a estrela com ar de quem semeia uma ilusão; e a estrela ia subindo, azul e amarela, presa pelo cordel à sua mão. Mas tão alto subiu que deixou de ser estrela de papel. e o menino, ao vê-la assim, sorriu e cortou-lhe o cordel.
Poema “Brinquedo” Análise da estrutura interna Neste poema, o sujeito poético narra um sonho “ Uma grande estrela de papel/um cordel/e um menino de bibe”. Na segunda quadra estamos perante um sonho dentro de um sonho que, desde logo, se assume pelo gesto do menino de lançar a estrela de papel. Na terceira quadra a estrela transforma-se numa estrela verdadeira, visto que o sonho é capaz de operar qualquer transfiguração. A sua atitude final de cortar o cordel, implica que o menino já tinha concluído o que pretendia, a ilusão já fora semeada e o resultado conseguido. Neste poema verifica-se o regresso à infância, à idade da inocência, da ilusão, do sonho, traduzindo também um sentimento de enternecimento, de ternura pela tenra idade da personagem envolvida.
Estrutura externa Poema constituído por três quadras. Quanto ao esquema rimático, a 1ª quadra obedece a uma rima a b b a; a 2ª e 3ª a uma rima a b a b.
Regresso Regresso às fragas de onde me roubaram. Ah! Minha serra, minha dura infância! Como os rijos carvalhos me acenaram, Mal eu surgi, cansado, na distância! Cantava cada fonte à sua porta: O poeta voltou! Atrás ia ficando a terra morta Dos versos que o desterro esfarelou.  Depois o céu abriu-se num sorriso, E eu deitei-me no colo dos penedos A contar aventuras e segredos Aos deuses do meu velho paraíso.
Poema “Regresso” Análise da estrutura interna Na primeira parte do poema, nos dois primeiros versos, verificamos o regresso do poeta. Na segunda parte, “ Como os rijos carvalhos….e sorriso ”, vemos a reacção da natureza ao seu regresso. Os três últimos versos tratam da comunhão do poeta com a natureza. Neste poema, o autor deixa mais uma das suas marcas inconfundíveis dos seus escritos – a força telúrica que o puxa e atrai para a terra, sobretudo para a terra transmontana “ regresso às fragas,”  à infância, à idade de ouro, inocência. O poeta regressa à serra, à infância ao paraíso perdido. Atribui aos elementos naturais, “ rijos carvalhos”, “fontes”, “céu”, “penedos ”, uma atitude de celebração.  Na segunda parte o “eu” poético indica que deixava a vida longe da sua terra, assim como os versos escritos durante o tempo do exílio. A “terra” a que o poeta se refere, pode interpretar-se como a infância, o seu próprio ser de poeta, esse “lugar” mítico onde  tudo é eterno, contrariamente a “ desterro ”, espaço e tempo roubados à sua essência, à sua verdade.
Continuação Predomina o binómio  passado/presente  através de verbos conjugados no presente do indicativo “ regresso ” em oposição ao pretérito perfeito “ surgiu”, “voltou ” e pretérito imperfeito “ cantava ”. Os recursos estilísticos que o poeta utiliza, são essencialmente a personificação e a metáfora. São exemplos de personificação “ Como os rijos carvalhos me acenaram …”, “ Cantava cada fonte à sua porta …”, “… o céu abriu-se num sorriso…”, “…deitei-me ao colo dos penedos ”, que acentuam os sentimentos de intimidade, protecção e alegria pelo reencontro. A metáfora  ,“ a terra morta/dos versos”,  desvaloriza os versos escritos durante o tempo da ausência, evidenciando a sua efemeridade.
Estrutura externa O poema é constituído por três quadras, versos decassilábicos, excepto o 2º verso da 2ª estrofe. Nas duas primeiras estrofes, é utilizado o esquema rimático a b a b (rima cruzada) e na terceira estrofe a b b a (rima interpolada).
Opinião crítica Miguel Torga  é, sem dúvida, um dos expoentes máximos da literatura portuguesa do séc.XX. Poeta, romancista, dramaturgo, ensaísta, memorialista – longe de qualquer escola ou grupo literário, a sua obra, composta por mais de cinquenta títulos, abrange todos os géneros. Para além de nos revelar uma sociedade rural impregnada de mitologia e a luta contra o mundo industrializado, dá-nos, ainda, a precariedade da condição humana e, acima de tudo, o Homem insubmisso face à divindade. A obra de  Miguel Torga  eleva o povo, no dizer de Sophia de Mello Breyner “ mostra-nos a sua generosidade e o seu sonho, mostra-nos também o seu realismo sem ilusões e a sua forma nua e crua de encarar a bruteza da vida”. Os poemas analisados, abordando temas diferentes e particularmente interessantes, ambos espelham os princípios e marcas do autor – ligação à terra natal, à natureza e sonho, estrela, infância – convergindo, assim, para os seus dois pólos de atracção poética.
Fontes: http://www.google.pt/search?hl=pt PT&q=miguel+torga+TEMATICA&meta LOURENÇO,Eduardo,  Miguel Torga,  Percurso de vida  do lavrador das letras , in  Correio da Manhã  6 de  Agosto de 2007. TORGA, Miguel,  Poesia Completa , publicações Dom Quixota, 2ª Edição, pág 102, 446 WWW.bragancanet.pt/filustres/torga.html-20k

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Alexandra Canané
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Inesa M
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Lista obras textos educação Literária Secundário
Lista obras textos educação Literária  SecundárioLista obras textos educação Literária  Secundário
Lista obras textos educação Literária Secundário
BE123AEN
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
João Pedro Rodrigues
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
Fernanda Monteiro
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
Carla Luís
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
Dina Baptista
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
12º A Golegã
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Ricardo Santos
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
gracacruz
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
becastanheiradepera
 
Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
Célia Gonçalves
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Mariana Domingues
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
Dina Baptista
 

Mais procurados (20)

Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Lista obras textos educação Literária Secundário
Lista obras textos educação Literária  SecundárioLista obras textos educação Literária  Secundário
Lista obras textos educação Literária Secundário
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
Memorial do convento
Memorial do conventoMemorial do convento
Memorial do convento
 
O artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação críticaO artigo de apreciação crítica
O artigo de apreciação crítica
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
Memorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempoMemorial do convento - o tempo
Memorial do convento - o tempo
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimocaracterísticas temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
características temáticas de Fernando Pessoa - ortónimo
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Memorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. VMemorial do Convento - Cap. V
Memorial do Convento - Cap. V
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
 
Coesão textual
Coesão textualCoesão textual
Coesão textual
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
Recursos expressivos
Recursos expressivosRecursos expressivos
Recursos expressivos
 
Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1Analise os lusiadas 1
Analise os lusiadas 1
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Noite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário VerdeNoite Fechada, de Cesário Verde
Noite Fechada, de Cesário Verde
 

Destaque

Miguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e ObraMiguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e Obra
Dina Baptista
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
Gabriela
 
A festa - conto miguel torga
A festa - conto miguel torgaA festa - conto miguel torga
A festa - conto miguel torga
Zélia Sequeira
 
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
luisprista
 
Sísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel TorgaSísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel Torga
Leandro Fernandes
 
Vida e obra de miguel torga
Vida e obra de miguel torga Vida e obra de miguel torga
Vida e obra de miguel torga
Jose Pinto Cardoso
 
Eugenio De Andrade
Eugenio De AndradeEugenio De Andrade
Eugenio De Andrade
kally
 
Rui Belo
Rui BeloRui Belo
Rui Belo
davidaaduarte
 
Dia Mundial da Poesia
Dia Mundial da PoesiaDia Mundial da Poesia
Dia Mundial da Poesia
anabraga
 
Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andrade
liofer21
 
Poemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidadePoemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidade
BE ESGN
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
Dina Baptista
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
AnaGomes40
 
Miguel torga
Miguel torgaMiguel torga
Miguel torga
Rosário Cunha
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
Ana Clara San
 

Destaque (15)

Miguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e ObraMiguel torga: Vida e Obra
Miguel torga: Vida e Obra
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
A festa - conto miguel torga
A festa - conto miguel torgaA festa - conto miguel torga
A festa - conto miguel torga
 
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
Miguel Torga (ExposiçãO Com Poemas Com Estrofes Dos Alunos Do 10 º Ano Em 200...
 
Sísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel TorgaSísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel Torga
 
Vida e obra de miguel torga
Vida e obra de miguel torga Vida e obra de miguel torga
Vida e obra de miguel torga
 
Eugenio De Andrade
Eugenio De AndradeEugenio De Andrade
Eugenio De Andrade
 
Rui Belo
Rui BeloRui Belo
Rui Belo
 
Dia Mundial da Poesia
Dia Mundial da PoesiaDia Mundial da Poesia
Dia Mundial da Poesia
 
Eugenio de andrade
Eugenio de andradeEugenio de andrade
Eugenio de andrade
 
Poemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidadePoemas sobre biodiversidade
Poemas sobre biodiversidade
 
Eugénio de Andrade
Eugénio de AndradeEugénio de Andrade
Eugénio de Andrade
 
Poemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andradePoemas de eugénio de andrade
Poemas de eugénio de andrade
 
Miguel torga
Miguel torgaMiguel torga
Miguel torga
 
Análise de poemas
Análise de poemasAnálise de poemas
Análise de poemas
 

Semelhante a Miguel Torga - Poemas

Tiago e ruben
Tiago e rubenTiago e ruben
Tiago e ruben
TiagoLacao
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
Antónia Mancha
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Josi Motta
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Andriane Cursino
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
manuudias
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
Gladis Maia
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Jonatas Carlos
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
AlineEliasReisSantos
 
Música asa branca e livro vidas secas Intertextualidade, Antropofagia e Tropi...
Música asa branca e livro vidas secas Intertextualidade, Antropofagia e Tropi...Música asa branca e livro vidas secas Intertextualidade, Antropofagia e Tropi...
Música asa branca e livro vidas secas Intertextualidade, Antropofagia e Tropi...
Wesley Germano Otávio
 
Melhores poemas
Melhores poemasMelhores poemas
Melhores poemas
ProfaJosi
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
FACETEG - UPE
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
CAMILADELMONDES3
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
MaiteFerreira4
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
lluiscarlosdassilva
 
Simbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptxSimbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptx
Colégio Waldorf Micael
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
claudia murta
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
CiceroMarcosSantos1
 
Segunda Tarefa
Segunda TarefaSegunda Tarefa
Segunda Tarefa
Danilo Souza
 
4 exercicios barroco-literatura_portugues
4   exercicios barroco-literatura_portugues4   exercicios barroco-literatura_portugues
4 exercicios barroco-literatura_portugues
jasonrplima
 

Semelhante a Miguel Torga - Poemas (20)

Tiago e ruben
Tiago e rubenTiago e ruben
Tiago e ruben
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Lileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_saLileana moura franco_de_sa
Lileana moura franco_de_sa
 
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18   simbolismo em portugal e no brasilAula 18   simbolismo em portugal e no brasil
Aula 18 simbolismo em portugal e no brasil
 
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
18 simbolismo-em-portugal-e-no-brasil
 
Música asa branca e livro vidas secas Intertextualidade, Antropofagia e Tropi...
Música asa branca e livro vidas secas Intertextualidade, Antropofagia e Tropi...Música asa branca e livro vidas secas Intertextualidade, Antropofagia e Tropi...
Música asa branca e livro vidas secas Intertextualidade, Antropofagia e Tropi...
 
Melhores poemas
Melhores poemasMelhores poemas
Melhores poemas
 
Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)Simbolismo brasil(1)
Simbolismo brasil(1)
 
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo (1).ppt
 
Gêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercíciosGêneros Literários Completo com exercícios
Gêneros Literários Completo com exercícios
 
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
21032023085321Gêneros Literários Completo.ppt
 
Simbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptxSimbolismo(1).pptx
Simbolismo(1).pptx
 
Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)Modernismo iii fase(7)
Modernismo iii fase(7)
 
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portuguesesHerança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
Herança portuguesa - resumo dos movimentos portugueses
 
Segunda Tarefa
Segunda TarefaSegunda Tarefa
Segunda Tarefa
 
4 exercicios barroco-literatura_portugues
4   exercicios barroco-literatura_portugues4   exercicios barroco-literatura_portugues
4 exercicios barroco-literatura_portugues
 

Mais de Ana Tapadas

Otono en la_patagonia argentina
Otono en la_patagonia argentinaOtono en la_patagonia argentina
Otono en la_patagonia argentina
Ana Tapadas
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
Ana Tapadas
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
Ana Tapadas
 
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolicoFilipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
Ana Tapadas
 
Filipe e ..
Filipe e ..Filipe e ..
Filipe e ..
Ana Tapadas
 
Guimarães Rosa
Guimarães RosaGuimarães Rosa
Guimarães Rosa
Ana Tapadas
 
China lexiaguo
China   lexiaguoChina   lexiaguo
China lexiaguo
Ana Tapadas
 
Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..
Ana Tapadas
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
Ana Tapadas
 
F pessoa l..
F pessoa l..F pessoa l..
F pessoa l..
Ana Tapadas
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
Ana Tapadas
 
A Hora Do Nada
A Hora Do NadaA Hora Do Nada
A Hora Do Nada
Ana Tapadas
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
Ana Tapadas
 
Cal,+José..
Cal,+José..Cal,+José..
Cal,+José..
Ana Tapadas
 
Abandonada
AbandonadaAbandonada
Abandonada
Ana Tapadas
 
Uma Casa na Escuridão
Uma Casa na EscuridãoUma Casa na Escuridão
Uma Casa na Escuridão
Ana Tapadas
 
Os Cinco e os Gémeos Silenciosos
Os Cinco e os Gémeos SilenciososOs Cinco e os Gémeos Silenciosos
Os Cinco e os Gémeos Silenciosos
Ana Tapadas
 

Mais de Ana Tapadas (20)

Otono en la_patagonia argentina
Otono en la_patagonia argentinaOtono en la_patagonia argentina
Otono en la_patagonia argentina
 
China
ChinaChina
China
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Felizmente Há Luar
Felizmente Há LuarFelizmente Há Luar
Felizmente Há Luar
 
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolicoFilipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
Filipe luis personagem ausente gomes freire e o seu caracter simbolico
 
Filipe e ..
Filipe e ..Filipe e ..
Filipe e ..
 
Guimarães Rosa
Guimarães RosaGuimarães Rosa
Guimarães Rosa
 
China lexiaguo
China   lexiaguoChina   lexiaguo
China lexiaguo
 
Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
F pessoa l..
F pessoa l..F pessoa l..
F pessoa l..
 
Florbela Espanca
Florbela EspancaFlorbela Espanca
Florbela Espanca
 
A Hora Do Nada
A Hora Do NadaA Hora Do Nada
A Hora Do Nada
 
Padre Ant..
Padre Ant..Padre Ant..
Padre Ant..
 
Escrevi M..
Escrevi M..Escrevi M..
Escrevi M..
 
Os Lusíadas
Os LusíadasOs Lusíadas
Os Lusíadas
 
Cal,+José..
Cal,+José..Cal,+José..
Cal,+José..
 
Abandonada
AbandonadaAbandonada
Abandonada
 
Uma Casa na Escuridão
Uma Casa na EscuridãoUma Casa na Escuridão
Uma Casa na Escuridão
 
Os Cinco e os Gémeos Silenciosos
Os Cinco e os Gémeos SilenciososOs Cinco e os Gémeos Silenciosos
Os Cinco e os Gémeos Silenciosos
 

Miguel Torga - Poemas

  • 1. Miguel Torga Poemas Trabalho elaborado por: Raquel de Magalhães e Santos 10ºD Nº 14
  • 3. Biografia de Miguel Torga Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia da Rocha, nasceu em 1907 em S. Martinho de Anta, concelho de Sabrosa, Trás-os-Montes, e faleceu em 17 de Janeiro de 1995, em Coimbra. Emigrou para o Brasil ainda jovem e, quando regressou, em 1925, matriculou-se na Universidade de Coimbra, onde se formou em Medicina. Esteve, de início, literariamente próximo do grupo da Presença, sediado em Coimbra. Por volta de 1930, estava já afastado do grupo, fundando a revista Sinal . Funda, pouco depois, a revista Manifesto. Começou a ser conhecido como poeta, tendo mais tarde ganho notoriedade com os seus contos ruralistas e os seus dezasseis volumes de Diário , estes publicados entre 1941-1995. Várias vezes nomeado para o Prémio Nobel da Literatura , tornou-se um dos mais conhecidos autores portugueses do século XX.
  • 4. Pão Ázimo, 1931 A Terceira Voz, 1934 A Criação do Mundo, os Dois Primeiros Dias, 1937 O Terceiro Dia da Criação do Mundo, 1938 O Quarto Dia da Criação do Mundo, 1939 Bichos, 1940 Contos da Montanha, 1941 O Senhor Ventura, 1943 Um Reino Maravilhoso, 1941 Trás-os-Montes, 1941 Conferência, 1941 Rua, 1942 Portugal, 1950 Pedras Lavradas, 1951 Novos Contos da Montanha, 1944 Vindima, 1945
  • 5. Romance: .Traço de União, 1955 .O Quinto Dia da Criação do Mundo, 1974 .Fogo Preso, 1976 .O Sexto Dia da Criação do Mundo, 1981
  • 6. Teatro: .Terra Firme, 1941 .Mar, 1941 .O Paraíso, 1949 .Sinfonia, 1947 .Poema Dramático, 1946
  • 7. Poesia e Prosa: .Diário (1º Volume), 1941 .Diário (2º Volume), 1943 .Diário, (3º Volume), 1946 .Diário, (4º Volume), 1949
  • 8. Miguel Torga – Temática Analisando o pseudónimo literário que o poeta Adolfo Correia Rocha adoptou – Miguel Torga - constatamos que esta opção está intimamente relacionada e não se pode dissociar da íntima ligação do homem com a natureza e, por sua vez, com a poesia. Miguel – relaciona-se com Miguel de Cervantes e Miguel de Unamuno . Torga – designação nortenha da urze, planta brava da montanha. Poderemos considerá-lo um poeta mítico que vivia na intimidade das forças elementares: Terra, Sol, Vento e Água . Não obstante e diversidade da sua obra, (poesia, teatro, narrativa de ficção - romance, contos) existem marcas inconfundíveis em todos os seus escritos: um estilo vibrante, umas vezes de enternecimento, outras vezes de revolta; uma força telúrica que o puxa para a terra, sobretudo para a terra transmontana; uma espécie de panteísmo que o leva a ligar com grande efeito poético, o físico ao transcendente; o continuado jogo de contrastes ( bem – mal; angústia – esperança; sombra – luz) , verificados, a maior parte das vezes, no seu “eu”.
  • 9. CONTINUAÇÃO A terra, a mítica da natureza, a força telúrica, é o grande pólo de atracção poética, a sua maior força de inspiração. Nas suas frequentes alusões ao povo, é sobretudo o povo da terra, o povo rústico que lhe interessa. Para ele, a terra é o homem e o homem á a terra. O psicologismo de Torga está na emanação do seu “ eu ” com este mundo físico e humano. Analisando a obra de Torga, constata-se uma incidência em certas palavras por ele usadas como: seiva, cio, germinar , partir e também cacho, vinho, mosto (a conotar o delírio das inovações báquicas), estão estreitamente ligadas ao pólo mais importante da sua inspiração: a terra e a vida. Por outro lado, os signos , sonho, mito, lua, estrela, astral , ligam-se ao outro pólo: o espírito, a transcendência.
  • 10. Continuação Poderá, então, concluir-se que a temática de Torga se centra, ou assenta, em três grandes pilares: 1 – Desespero humanista (drama de criação poética); – Preocupação com o ser humano, as suas limitações e a sua necessidade de transcendência. 2– Problemática religiosa; – Esperança e desesperança surgem como uma expressão de conflito íntimo que se desenvolve no interior do poeta.
  • 11. Continuação 3 – Sentimento telúrico; – Inspiração genesíaca: a terra é o lugar de realização do ser humano e da ligação ao sagrado. – O telurismo do poeta exprime-se no seu apego à terra, na sua fidelidade ao povo, na sua consciência de português, de ibérico, no espírito da comunidade europeia e universal.
  • 12. Linguagem e estilo - Escolha das palavras: inspiração genesiana e inovações báquicas. - Estilo poético: eloquência sóbria, viril, que entusiasma ou fadiga. - Uso de estrofes irregulares. - Recurso a verbos e tempos verbais. - Figuras de estilo: antítese, metáfora e adjectivação.
  • 13. Breve reflexão sobre os poemas Os poemas que seleccionei para sucinta análise, “ Regresso ” e “ Brinquedo ”, espelham algumas das características acima mencionadas da temática Torganiana. “ Sonho, brinquedo, estrela” em “ Brinquedo ” que se ligam a um dos pólos da sua inspiração – a fantasia, o espírito e a transcendência. Por outro lado, no poema “ Regresso ”, a terra, a força telúrica é o grande pólo de atracção de Torga, em que atribui aos elementos naturais uma atitude de celebração. Quanto ao estilo, estão patentes vários recursos estilísticos, característica do autor.
  • 14. Os meus poemas preferidos
  • 15. Brinquedo Foi um sonho que eu tive: Era uma grande estrela de papel, um Cordel E um menino de bibe. O menino tinha lançado a estrela com ar de quem semeia uma ilusão; e a estrela ia subindo, azul e amarela, presa pelo cordel à sua mão. Mas tão alto subiu que deixou de ser estrela de papel. e o menino, ao vê-la assim, sorriu e cortou-lhe o cordel.
  • 16. Poema “Brinquedo” Análise da estrutura interna Neste poema, o sujeito poético narra um sonho “ Uma grande estrela de papel/um cordel/e um menino de bibe”. Na segunda quadra estamos perante um sonho dentro de um sonho que, desde logo, se assume pelo gesto do menino de lançar a estrela de papel. Na terceira quadra a estrela transforma-se numa estrela verdadeira, visto que o sonho é capaz de operar qualquer transfiguração. A sua atitude final de cortar o cordel, implica que o menino já tinha concluído o que pretendia, a ilusão já fora semeada e o resultado conseguido. Neste poema verifica-se o regresso à infância, à idade da inocência, da ilusão, do sonho, traduzindo também um sentimento de enternecimento, de ternura pela tenra idade da personagem envolvida.
  • 17. Estrutura externa Poema constituído por três quadras. Quanto ao esquema rimático, a 1ª quadra obedece a uma rima a b b a; a 2ª e 3ª a uma rima a b a b.
  • 18. Regresso Regresso às fragas de onde me roubaram. Ah! Minha serra, minha dura infância! Como os rijos carvalhos me acenaram, Mal eu surgi, cansado, na distância! Cantava cada fonte à sua porta: O poeta voltou! Atrás ia ficando a terra morta Dos versos que o desterro esfarelou. Depois o céu abriu-se num sorriso, E eu deitei-me no colo dos penedos A contar aventuras e segredos Aos deuses do meu velho paraíso.
  • 19. Poema “Regresso” Análise da estrutura interna Na primeira parte do poema, nos dois primeiros versos, verificamos o regresso do poeta. Na segunda parte, “ Como os rijos carvalhos….e sorriso ”, vemos a reacção da natureza ao seu regresso. Os três últimos versos tratam da comunhão do poeta com a natureza. Neste poema, o autor deixa mais uma das suas marcas inconfundíveis dos seus escritos – a força telúrica que o puxa e atrai para a terra, sobretudo para a terra transmontana “ regresso às fragas,” à infância, à idade de ouro, inocência. O poeta regressa à serra, à infância ao paraíso perdido. Atribui aos elementos naturais, “ rijos carvalhos”, “fontes”, “céu”, “penedos ”, uma atitude de celebração. Na segunda parte o “eu” poético indica que deixava a vida longe da sua terra, assim como os versos escritos durante o tempo do exílio. A “terra” a que o poeta se refere, pode interpretar-se como a infância, o seu próprio ser de poeta, esse “lugar” mítico onde tudo é eterno, contrariamente a “ desterro ”, espaço e tempo roubados à sua essência, à sua verdade.
  • 20. Continuação Predomina o binómio passado/presente através de verbos conjugados no presente do indicativo “ regresso ” em oposição ao pretérito perfeito “ surgiu”, “voltou ” e pretérito imperfeito “ cantava ”. Os recursos estilísticos que o poeta utiliza, são essencialmente a personificação e a metáfora. São exemplos de personificação “ Como os rijos carvalhos me acenaram …”, “ Cantava cada fonte à sua porta …”, “… o céu abriu-se num sorriso…”, “…deitei-me ao colo dos penedos ”, que acentuam os sentimentos de intimidade, protecção e alegria pelo reencontro. A metáfora ,“ a terra morta/dos versos”, desvaloriza os versos escritos durante o tempo da ausência, evidenciando a sua efemeridade.
  • 21. Estrutura externa O poema é constituído por três quadras, versos decassilábicos, excepto o 2º verso da 2ª estrofe. Nas duas primeiras estrofes, é utilizado o esquema rimático a b a b (rima cruzada) e na terceira estrofe a b b a (rima interpolada).
  • 22. Opinião crítica Miguel Torga é, sem dúvida, um dos expoentes máximos da literatura portuguesa do séc.XX. Poeta, romancista, dramaturgo, ensaísta, memorialista – longe de qualquer escola ou grupo literário, a sua obra, composta por mais de cinquenta títulos, abrange todos os géneros. Para além de nos revelar uma sociedade rural impregnada de mitologia e a luta contra o mundo industrializado, dá-nos, ainda, a precariedade da condição humana e, acima de tudo, o Homem insubmisso face à divindade. A obra de Miguel Torga eleva o povo, no dizer de Sophia de Mello Breyner “ mostra-nos a sua generosidade e o seu sonho, mostra-nos também o seu realismo sem ilusões e a sua forma nua e crua de encarar a bruteza da vida”. Os poemas analisados, abordando temas diferentes e particularmente interessantes, ambos espelham os princípios e marcas do autor – ligação à terra natal, à natureza e sonho, estrela, infância – convergindo, assim, para os seus dois pólos de atracção poética.
  • 23. Fontes: http://www.google.pt/search?hl=pt PT&q=miguel+torga+TEMATICA&meta LOURENÇO,Eduardo, Miguel Torga, Percurso de vida do lavrador das letras , in Correio da Manhã 6 de Agosto de 2007. TORGA, Miguel, Poesia Completa , publicações Dom Quixota, 2ª Edição, pág 102, 446 WWW.bragancanet.pt/filustres/torga.html-20k