SlideShare uma empresa Scribd logo
“MENSAGEM”
“O INFANTE”
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma.
E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.
Quem te sagrou criou-te português.
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!
ESTRUTURA EXTERNA
Deus/ quer,/ o /ho/mem/ so/nha/, a o/bra/ nas/ce. 10 sílabas métricas
Deus/ quis/ que/ a/ ter/ra/ fos/se/ to/da u/ma, 10 sílabas métricas
Que o/ mar/ u/nis/se/, já/ não/ se/pa/ras/se. 10 sílabas métricas
Sa/grou/-te, e/ fos/te/ des/ven/dan/do a es/pu/ma. 10 sílabas métricas
E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.
Quem te sagrou criou-te português.
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!
Rima cruzada
•Realização (2º parte);
•Regularidade estrófica (composto
por três quadras);
•Regularidade métrica (constituído
por versos decassilábicos);
•Regularidade rimática.
ESTRUTURA INTERNA
Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma.
Vontade divina e o sonho do homem
Concretização da obra
Desejo de Deus
Infante
Portugueses
Metáfora
E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.
•Ideia do divino
e espiritual
•Mistério
Passagem do
desconhecido para a luz
Metáfora
ESTRUTURA INTERNA
Quem te sagrou criou-te português.
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!
Nacionalismo e patriotismo
Vontade divina
•Império material
•Morte do Infante
Império espiritual
Apóstrofe
ESTRUTURA INTERNA
“O INFANTE”
• “O Infante”, neste poema, refere-se ao Infante D. Henrique que foi considerado o homem que contribuiu
para o impulso que levou aos Descobrimentos.
• Primeira estrofe
Na primeira estrofe está presente a vontade divida (“Deus quer”), o sonho do homem (“o homem
sonha”) e a concretização da obra (“a obra nasce”). Sem a vontade de Deus, o sonho não seria
despertado no homem e consequentemente a obra não seria criada.
Nesta estrofe, Deus desejava que os continentes se unissem e, que em vez de os separar, o mar
servisse como elemento de ligação entre eles. A sua vontade guiaria as ações dos marinheiros e faria
com que os portugueses trabalhassem na missão divina de unir e conhecer o mundo, sem que
pensassem nos seus proveitos/interesses pessoais.
Para o cumprimento deste desejo, Deus “sagrou” o Infante. Este, representava todos os
portugueses uma vez que em todos eles o sonho de desvendar o mar/desconhecido (“desvendando a
espuma”) e unir a terra surgiu, o que levou ao “nascimento” dos Descobrimentos- concretização da obra.
“O INFANTE”
• Segunda estrofe
Nesta estrofe a metáfora “orla branca” corresponde ao rasto de espuma deixado pelas naus, no
mar, e representa a pureza e a presença do espírito divino, assim como o verbo “clareou”.
Os terceiro e quarto versos, simbolizam a esperança visto que os portugueses descobriram que a
terra era redonda e que o “fim” do mar (o visível aos olhos) não era fosso profundo como pensavam.
Com isto, observa-se a descrição do crescimento do Império (“(…) foi de ilha em continente”).
“O INFANTE”
• Terceira estrofe
No primeiro verso desta estrofe, a expressão “criou-te português” representa o nacionalismo e o
patriotismo presentes no país naquela época e o Infante é considerado símbolo do herói português. No
segundo verso, está novamente presente a vontade divina em “deu sinal”, dado que Deus escolheu o
Infante para executar a sua missão.
A sentença “Cumpriu-se o mar” significa que o mar foi desvendado, ou seja, ocorreram os
Descobrimentos, mas na expressão “e o império se desfez” constata-se que as terras que conquistaram
foram perdidas, isto é, o império material desfez-se. Além disso, adianta também a morte do Infante D.
Henrique.
Nesta estrofe a exclamação “Senhor falta cumprir-se Portugal!”, relaciona-se com o Império
espiritual (Quinto Império), uma vez que é o único que não se desfaz, e simboliza a esperança que ainda
se mantém. Pode ser considerada uma nova missão espiritual.
Assim, pode concluir-se que não eram os Descobrimentos a maior glória de Portugal, mas sim a
sua língua, cultura e a alma. Apesar de terem cumprido a missão dada por Deus, o destino glorioso e
imaterial do espírito, a entidade nacional, estava ainda por cumprir.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
InsdeCastro7
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
Cristina Martins
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
JulianaCarvalho265
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
Iga Almeida
 
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
VniaRodrigues30
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Mariana Domingues
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
Mensagem, D. Filipa de Lencastre
Mensagem,  D. Filipa de Lencastre Mensagem,  D. Filipa de Lencastre
Mensagem, D. Filipa de Lencastre
Ana Cristina Matias
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
Cristina Martins
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
010693
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
lenaeira
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
nando_reis
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
ameliapadrao
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
Maria João Oliveira
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Maria Teixiera
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
Ualas Magalhães
 

Mais procurados (20)

Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
Mensagem: Análise "Escrevo meu livro à beira-mágoa"
 
A representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de CamõesA representação na amada na lírica de Camões
A representação na amada na lírica de Camões
 
Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa Mensagem - Fernando Pessoa
Mensagem - Fernando Pessoa
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
Mensagem, D. Filipa de Lencastre
Mensagem,  D. Filipa de Lencastre Mensagem,  D. Filipa de Lencastre
Mensagem, D. Filipa de Lencastre
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Antero de Quental
Antero de QuentalAntero de Quental
Antero de Quental
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
 
Valor modal das frases
Valor modal das frasesValor modal das frases
Valor modal das frases
 
Cesário verde
Cesário verdeCesário verde
Cesário verde
 
"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise"As Ilhas Afortunadas" - análise
"As Ilhas Afortunadas" - análise
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
áLvaro de campos
áLvaro de camposáLvaro de campos
áLvaro de campos
 

Semelhante a "Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"

Mensagem, Fernando Pessoa
Mensagem, Fernando PessoaMensagem, Fernando Pessoa
Mensagem, Fernando Pessoa
beatrizpereiraaa
 
Análise do poema "O Infante", de Fernando Pessoa.ppt
Análise do poema "O Infante", de Fernando Pessoa.pptAnálise do poema "O Infante", de Fernando Pessoa.ppt
Análise do poema "O Infante", de Fernando Pessoa.ppt
Sandra Pina
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
AndreiaFilipa63
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
Karyn XP
 
Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Ferna...
Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Ferna...Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Ferna...
Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Ferna...
Ana Cristina Matias
 
Mensagem
MensagemMensagem
Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'
12_A
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
EL Chenko
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
Fabiana Mourão
 
Mensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEdMensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEd
Experiências Português
 
Portuês
PortuêsPortuês
Portuês
sufia1
 
portugues
portuguesportugues
portugues
sufia1
 
Língua Portuguesa
Língua PortuguesaLíngua Portuguesa
Língua Portuguesa
sufia1
 
Fernando pessoa mensagem
Fernando pessoa   mensagemFernando pessoa   mensagem
Fernando pessoa mensagem
Maria Manuela Torres Paredes
 
Soluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptx
Soluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptxSoluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptx
Soluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptx
JMTCS
 
Cp1 hino nacional
Cp1   hino nacionalCp1   hino nacional
Cp1 hino nacional
Susana Pimentel
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
sin3stesia
 
Fernando Pessoa- Mensagens.pdf
Fernando Pessoa- Mensagens.pdfFernando Pessoa- Mensagens.pdf
Fernando Pessoa- Mensagens.pdf
JeanLima84
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
António Teixeira
 
Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1
AlessandroRubens
 

Semelhante a "Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante" (20)

Mensagem, Fernando Pessoa
Mensagem, Fernando PessoaMensagem, Fernando Pessoa
Mensagem, Fernando Pessoa
 
Análise do poema "O Infante", de Fernando Pessoa.ppt
Análise do poema "O Infante", de Fernando Pessoa.pptAnálise do poema "O Infante", de Fernando Pessoa.ppt
Análise do poema "O Infante", de Fernando Pessoa.ppt
 
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
Poemas de Mensagem ( O infante) ( Prece)
 
Português
PortuguêsPortuguês
Português
 
Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Ferna...
Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Ferna...Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Ferna...
Comemoração dos 550 anos da morte do Infante D. Henrique - Mensagem, de Ferna...
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'Estrutura de 'Mensagem'
Estrutura de 'Mensagem'
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Mensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEdMensagem-RaizEd
Mensagem-RaizEd
 
Portuês
PortuêsPortuês
Portuês
 
portugues
portuguesportugues
portugues
 
Língua Portuguesa
Língua PortuguesaLíngua Portuguesa
Língua Portuguesa
 
Fernando pessoa mensagem
Fernando pessoa   mensagemFernando pessoa   mensagem
Fernando pessoa mensagem
 
Soluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptx
Soluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptxSoluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptx
Soluções dos exercícios - páginas 124 e 125.pptx
 
Cp1 hino nacional
Cp1   hino nacionalCp1   hino nacional
Cp1 hino nacional
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
 
Fernando Pessoa- Mensagens.pdf
Fernando Pessoa- Mensagens.pdfFernando Pessoa- Mensagens.pdf
Fernando Pessoa- Mensagens.pdf
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
 
Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1Formação do território brasileiro 1
Formação do território brasileiro 1
 

Último

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
EdimaresSilvestre
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
WELTONROBERTOFREITAS
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
MarcoAurlioResende
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Nertan Dias
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 

Último (20)

UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.pptLITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
LITERATURA INDÍGENA BRASILEIRA: elementos constitutivos.ppt
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de GeografiaAula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
Aula 1 - Ordem Mundial Aula de Geografia
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
A Formação da Moral Cristã na Infância - CESB - DIJ - DIEF - G. de PAIS - 16....
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologiaPedagogia universitária em ciência e tecnologia
Pedagogia universitária em ciência e tecnologia
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 

"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"

  • 2. “O INFANTE” Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. Deus quis que a terra fosse toda uma, Que o mar unisse, já não separasse. Sagrou-te, e foste desvendando a espuma. E a orla branca foi de ilha em continente, Clareou, correndo, até ao fim do mundo, E viu-se a terra inteira, de repente, Surgir, redonda, do azul profundo. Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal. Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal!
  • 3. ESTRUTURA EXTERNA Deus/ quer,/ o /ho/mem/ so/nha/, a o/bra/ nas/ce. 10 sílabas métricas Deus/ quis/ que/ a/ ter/ra/ fos/se/ to/da u/ma, 10 sílabas métricas Que o/ mar/ u/nis/se/, já/ não/ se/pa/ras/se. 10 sílabas métricas Sa/grou/-te, e/ fos/te/ des/ven/dan/do a es/pu/ma. 10 sílabas métricas E a orla branca foi de ilha em continente, Clareou, correndo, até ao fim do mundo, E viu-se a terra inteira, de repente, Surgir, redonda, do azul profundo. Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal. Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal! Rima cruzada •Realização (2º parte); •Regularidade estrófica (composto por três quadras); •Regularidade métrica (constituído por versos decassilábicos); •Regularidade rimática.
  • 4. ESTRUTURA INTERNA Deus quer, o homem sonha, a obra nasce. Deus quis que a terra fosse toda uma, Que o mar unisse, já não separasse. Sagrou-te, e foste desvendando a espuma. Vontade divina e o sonho do homem Concretização da obra Desejo de Deus Infante Portugueses Metáfora
  • 5. E a orla branca foi de ilha em continente, Clareou, correndo, até ao fim do mundo, E viu-se a terra inteira, de repente, Surgir, redonda, do azul profundo. •Ideia do divino e espiritual •Mistério Passagem do desconhecido para a luz Metáfora ESTRUTURA INTERNA
  • 6. Quem te sagrou criou-te português. Do mar e nós em ti nos deu sinal. Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez. Senhor, falta cumprir-se Portugal! Nacionalismo e patriotismo Vontade divina •Império material •Morte do Infante Império espiritual Apóstrofe ESTRUTURA INTERNA
  • 7. “O INFANTE” • “O Infante”, neste poema, refere-se ao Infante D. Henrique que foi considerado o homem que contribuiu para o impulso que levou aos Descobrimentos. • Primeira estrofe Na primeira estrofe está presente a vontade divida (“Deus quer”), o sonho do homem (“o homem sonha”) e a concretização da obra (“a obra nasce”). Sem a vontade de Deus, o sonho não seria despertado no homem e consequentemente a obra não seria criada. Nesta estrofe, Deus desejava que os continentes se unissem e, que em vez de os separar, o mar servisse como elemento de ligação entre eles. A sua vontade guiaria as ações dos marinheiros e faria com que os portugueses trabalhassem na missão divina de unir e conhecer o mundo, sem que pensassem nos seus proveitos/interesses pessoais. Para o cumprimento deste desejo, Deus “sagrou” o Infante. Este, representava todos os portugueses uma vez que em todos eles o sonho de desvendar o mar/desconhecido (“desvendando a espuma”) e unir a terra surgiu, o que levou ao “nascimento” dos Descobrimentos- concretização da obra.
  • 8. “O INFANTE” • Segunda estrofe Nesta estrofe a metáfora “orla branca” corresponde ao rasto de espuma deixado pelas naus, no mar, e representa a pureza e a presença do espírito divino, assim como o verbo “clareou”. Os terceiro e quarto versos, simbolizam a esperança visto que os portugueses descobriram que a terra era redonda e que o “fim” do mar (o visível aos olhos) não era fosso profundo como pensavam. Com isto, observa-se a descrição do crescimento do Império (“(…) foi de ilha em continente”).
  • 9. “O INFANTE” • Terceira estrofe No primeiro verso desta estrofe, a expressão “criou-te português” representa o nacionalismo e o patriotismo presentes no país naquela época e o Infante é considerado símbolo do herói português. No segundo verso, está novamente presente a vontade divina em “deu sinal”, dado que Deus escolheu o Infante para executar a sua missão. A sentença “Cumpriu-se o mar” significa que o mar foi desvendado, ou seja, ocorreram os Descobrimentos, mas na expressão “e o império se desfez” constata-se que as terras que conquistaram foram perdidas, isto é, o império material desfez-se. Além disso, adianta também a morte do Infante D. Henrique. Nesta estrofe a exclamação “Senhor falta cumprir-se Portugal!”, relaciona-se com o Império espiritual (Quinto Império), uma vez que é o único que não se desfaz, e simboliza a esperança que ainda se mantém. Pode ser considerada uma nova missão espiritual. Assim, pode concluir-se que não eram os Descobrimentos a maior glória de Portugal, mas sim a sua língua, cultura e a alma. Apesar de terem cumprido a missão dada por Deus, o destino glorioso e imaterial do espírito, a entidade nacional, estava ainda por cumprir.