SlideShare uma empresa Scribd logo
Aspetos caraterísticos da obra “Mensagem”;
Atividade de pré-leitura;
Leitura do poema a abordar;
Análise da temática;
Análise estilística;
Conclusão;
Resposta a questões de compreensão.
2
Realização
Mar Português
- O sonho
- A concretização

1
Nascimento
Brasão
- O construtores
do Império

Império espiritual
emergente:
O QUINTO IMPÉRIO

3
Morte
O Encoberto
- O Império
material
moribundo
“Pax in excelsis”
I – “Os Símbolos”: figuras/conceitos que marcaram o passado e
que são essenciais à construção do novo Portugal.
II – “Os Avisos”: presença de duas personalidades – Bandarra e
António Vieira – que, aliadas à voz do poeta, são figuras que
transmitiram, nas suas épocas, uma visão profética e mística do
Portugal futuro.
III – “Os Tempos”: revelam-se os sinais que anunciam a
proximidade de “O Encoberto”, mito com que o poeta metaforiza a
regeneração cultural da nação portuguesa.
“O Império Espiritual” de Fernando Pessoa
◙ Pessoa entende que Portugal possui o tamanho
ideal para perseguir a construção de um Império
Espiritual.
◙ Considera também que o seu domínio nunca
será associado a intenções de expansão
territorial.
◙ Esta tentativa de construção de um Império
Espiritual já foi tentada na época dos
Descobrimentos e falhada por falta de “gente
para impor” (l.8).
◙ Sem
capacidades de afirmação de um
“Imperialismo de Matéria” (l.8) mas enquanto
país formado por “almas de generais do Espírito”
(ll. 11-12), Portugal conseguirá impor “uma
civilização espiritual própria” (l.9).
O Quinto Império
Triste de quem vive em casa,
Contente como seu lar,
Sem que um sonho, no erguer de asa,
Faça até mais rubra a brasa
Da lareira a abandonar!
Triste de quem é feliz!
Vive porque a vida dura.
Nada na alma lhe diz
Mais que a lição da raiz –
Ter por vida a sepultura.
Eras sobre eras se somem
No tempo que em eras vem.
Ser descontente é ser homem.
Que as forças cegas se domem
Pela visão que a alma tem!

Análise externa
◘ Quintilhas

◘ Esquema rimático: a/b/a/a/b
◘ Rima cruzada e interpolada
◘ Redondilha maior

E assim, passados os quatro
Tempos do ser que sonhou,
A terra será teatro
Do dia claro, que no atro
Da erma noite começou.

Triste de quem vive em casa, a
Contente como seu lar, b
Sem que um sonho, no erguer de asa, a
Faça até mais rubra a brasa a
Da lareira a abandonar! b

Grécia, Roma, Cristandade,
Europa – os quatro se vão
Para onde vai toda idade.
Quem vem viver a verdade
Que morreu D. Sebastião?

Rima cruzada
Rima interpolada
Análise interna
Triste de quem vive em casa,
Contente como seu lar,
Sem que um sonho, no erguer de asa,
Faça até mais rubra a brasa
Da lareira a abandonar!
Triste de quem é feliz!
Vive porque a vida dura.
Nada na alma lhe diz
Mais que a lição da raiz –
Ter por vida a sepultura.

1.ª parte
A vivência humana e a
importância do sonho

Eras sobre eras se somem
No tempo que em eras vem.
Ser descontente é ser homem.
Que as forças cegas se domem
Pela visão que a alma tem!
E assim, passados os quatro
Tempos do ser que sonhou,
A terra será teatro
Do dia claro, que no atro
Da erma noite começou.
Grécia, Roma, Cristandade,
Europa – os quatro se vão
Para onde vai toda idade.
Quem vem viver a verdade
Que morreu D. Sebastião?

2.ª parte
Anúncio de um novo império
Paradoxos
Triste de quem vive em casa,
Contente com o seu lar,
Sem que um sonho, no erguer de asa,
Faça até mais rubra a brasa
Da lareira a abandonar!
Triste de quem é feliz!
Vive porque a vida dura.
Nada na alma lhe diz
Mais que a lição da raiz –
Ter por vida a sepultura.

Eras sobre eras se somem
No tempo que em eras vem.
Ser descontente é ser homem.
Que as forças cegas se domem
Pela visão que a alma tem!

Campo lexical de «casa»: «lar», «lareira».
Uso expressivo do verbo «durar» e dos
substantivos «raiz» e «sepultura.
Primeira parte - estrofes 1, 2 e 3

Triste de quem vive em
casa,
Contente como seu lar,
Sem que um sonho, no
erguer de asa,
Faça até mais rubra a brasa
Da lareira a abandonar!
Triste de quem é feliz!
Vive porque a vida dura.
Nada na alma lhe diz
Mais que a lição da raiz –
Ter por vida a sepultura.

Eras sobre eras se somem
No tempo que em eras vem.
Ser descontente é ser
homem.
Que as forças cegas se
domem
Pela visão que a alma tem!

Apologia do sonho

Seguir o sonho é o modo
de ultrapassar a comum
dimensão humana

Curso temporal em eras
e as <<forças cegas >>
E assim, passados os quatro
Tempos do ser que sonhou,
A terra será teatro
Do dia claro, que no atro
Da erma noite começou.
Grécia, Roma, Cristandade,
Europa – os quatro se vão
Para onde vai toda idade.
Quem vem viver a verdade
Que morreu D. Sebastião?

Antítese

Interrogação retórica
Segunda parte – estrofe 5
E assim, passados os quatro
Tempos do ser que sonhou,
A terra será teatro
Do dia claro, que no atro
Da erma noite começou.
Grécia, Roma, Cristandade,
Europa – os quatro se vão
Para onde vai toda idade.
Quem vem viver a verdade
Que morreu D. Sebastião?

Referência aos quatro
impérios antigos

A chegada do Quinto
Império
O mito em “Mensagem”
 Pessoa, partindo da figura histórica de D. Sebastião,

reformula o sebastianismo passadista, caraterístico do
temperamento nacional, renovando-o;
 Serve-se das suas glórias para ultrapassar o cinzento do
presente (“Nevoeiro”) -> construção de um futuro
brilhante, o Quinto Império;
 Evocação da loucura do jovem rei como necessária à
revitalização e à criação de um novo império;
 A figura de D. Sebastião, o Encoberto, traduz a incerteza e a
hipótese de revelação de novas realidades;
 Símbolo de esperança e de regeneração que levará à
formação de um novo Portugal, de um novo império.
◘ Relação entre “Os Lusíadas” e “Mensagem”
Visão do Império

Camões
Cantou o império real, o
expansionismo material para o
oriente, a cruzada religiosa contra
os infiéis, a ultrapassagem dos
obstáculos físicos que se erguiam
aos portugueses por terra e por
mar.

Pessoa
Antevê um Portugal, no
futuro, além do material. Portugal
não será assim grande em
domínio territorial, mas em
valores espirituais e morais. O
objetivo do poeta
é, portanto, espiritualista.
1. As três primeiras estrofes constituem uma reflexão acerca da vivência humana e da
importância do sonho. As duas últimas configuram o anúncio de uma nova época, de
um novo império.
2. O paradoxo congrega na mesma entidade caraterísticas opostas, conferindo-lhes uma
natureza dúbia. Quem se diz feliz no comodismo do seu mundo é, na opinião do sujeito
poético, “triste”.
2.1. Verso 13.
3. O vocabulário do campo lexical de “casa” (v.1) (“lar”, v. 2, “lareira”, v. 5) reforça a ideia
de aconchego de quem vive acomodado e “Contente” (v. 2) com a sua vida sem “um
sonho” (v. 3).
4. O verbo remete para a existência enquanto mero passar do tempo. Assim, quem “Vive
porque a vida dura” não a aproveita e limita-se a existir.
4.1. “raiz” (v. 9) e “sepultura”(v. 10) associam-se ao imobilismo e à ausência de vida e de
sonhos.
5. A antítese coloca em confronto o “[…] atro/ Da erma noite […]” – o tempo passado e
presente – e o “dia claro” – o tempo futuro – que se anuncia sob a égide espiritual dos
portugueses. Depois dos “quatro/ Tempos” (vv. 16-17), os quatro impérios considerados
por Pessoa (grego, romano, cristão e europeu/inglês), chegará o Quinto Império.
6. A interrogação anuncia o Quinto Império que, sucedendo-se aos quatro anteriores,
deles diferirá pela sua natureza; será o império da “verdade”, nascida com a morte de
D. Sebastião.
Patrícia Pires
Filipa Fonseca
Pedro Milhano

12º A

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
António Aragão
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
Sara Guerra
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
MiguelavRodrigues
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Anabela Fernandes
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Dina Baptista
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Gijasilvelitz 2
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Samuel Neves
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
VniaRodrigues30
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
David Caçador
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
Paula Angelo
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
Iga Almeida
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
Aline Araújo
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
Ana Isabel
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
guest0f0d8
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
Ana Cristina Matias
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
Dina Baptista
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reis
natttaas
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
guest155834
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
Sofia_Afonso
 

Mais procurados (20)

Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de SousaSebastianismo - Frei Luís de Sousa
Sebastianismo - Frei Luís de Sousa
 
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
D. Dinis - A Mensagem (Fernando Pessoa)
 
"Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade""Não sei se é sonhe, se realidade"
"Não sei se é sonhe, se realidade"
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto CaeiroPrincipais Temáticas de Alberto Caeiro
Principais Temáticas de Alberto Caeiro
 
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão LopesCrónica de D. João I de Fernão Lopes
Crónica de D. João I de Fernão Lopes
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante""Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
"Mensagem" de Fernando Pessoa- "O Infante"
 
Gil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereiraGil vicente, farsa de inês pereira
Gil vicente, farsa de inês pereira
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Deíticos
DeíticosDeíticos
Deíticos
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Álvaro de Campos
Álvaro de CamposÁlvaro de Campos
Álvaro de Campos
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem   Fernando PessoaMensagem   Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa ComemD. João I in  Mensagem, de Fernando Pessoa
ComemD. João I in Mensagem, de Fernando Pessoa
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
O ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reisO ano da morte de r. reis
O ano da morte de r. reis
 
O heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto CaeiroO heteronimo Alberto Caeiro
O heteronimo Alberto Caeiro
 
Mensagem - Antemanhã
Mensagem - AntemanhãMensagem - Antemanhã
Mensagem - Antemanhã
 

Destaque

D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
aramalho340
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Inesa M
 
5.º império
5.º império5.º império
5.º império
aefcr
 
A literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaudA literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaud
Sonia Matias
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
Antónia Mancha
 
6 o sebastianismo
6  o sebastianismo6  o sebastianismo
6 o sebastianismo
António Fernandes
 
Sebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto ImperioSebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto Imperio
complementoindirecto
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
nanasimao
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Paulo Vitorino
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Rodrigues
 

Destaque (11)

D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
5.º império
5.º império5.º império
5.º império
 
A literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaudA literatura portuguesa. moises, massaud
A literatura portuguesa. moises, massaud
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
6 o sebastianismo
6  o sebastianismo6  o sebastianismo
6 o sebastianismo
 
Sebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto ImperioSebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto Imperio
 
Telmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de SousaTelmo- Frei Luís de Sousa
Telmo- Frei Luís de Sousa
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 

Semelhante a "Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa

Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
luisprista
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
António Fraga
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 138-139Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 138-139
luisprista
 
Quinto império - mensagem de Fernando pessoa
Quinto império - mensagem de Fernando pessoaQuinto império - mensagem de Fernando pessoa
Quinto império - mensagem de Fernando pessoa
Dani Malheiro
 
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado PessoaQuinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
danikj
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
MartaROQUES1
 
Hi9opoi
Hi9opoiHi9opoi
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
luisprista
 
Mensagem2
Mensagem2Mensagem2
Mensagem2
Maria Fonseca
 
Classicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisadoClassicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisado
Roberta Savana
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
EL Chenko
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
PedroAlmeida1995
 
A Mensagem
A MensagemA Mensagem
A Mensagem
leonorlllfernandes
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
luisprista
 
Lusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagemLusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagem
Paulo Moura
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Beto Martinho
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
Claudia Lazarini
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
Dai Pinheiro
 

Semelhante a "Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa (20)

Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 138-139Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 138-139
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 138-139
 
Quinto império - mensagem de Fernando pessoa
Quinto império - mensagem de Fernando pessoaQuinto império - mensagem de Fernando pessoa
Quinto império - mensagem de Fernando pessoa
 
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado PessoaQuinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
Quinto imperio: mensagem de Fernado Pessoa
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
 
Hi9opoi
Hi9opoiHi9opoi
Hi9opoi
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 111-112
 
Mensagem2
Mensagem2Mensagem2
Mensagem2
 
Classicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisadoClassicismo 2. revisado
Classicismo 2. revisado
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
A Mensagem
A MensagemA Mensagem
A Mensagem
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
Apresentação para décimo segundo ano de 2016 7, aula 141-142
 
Lusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagemLusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagem
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Realismo ok
Realismo okRealismo ok
Realismo ok
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 

Mais de FilipaFonseca

III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de SundvallIII Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
FilipaFonseca
 
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º anoTrabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
FilipaFonseca
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
FilipaFonseca
 
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
FilipaFonseca
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
FilipaFonseca
 
Chuvas ácidas fq
Chuvas ácidas fqChuvas ácidas fq
Chuvas ácidas fq
FilipaFonseca
 
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos biologia e geologia
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos  biologia e geologiaObtenção de matéria pelos seres autotróficos  biologia e geologia
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos biologia e geologia
FilipaFonseca
 
Al 1.2 química
Al 1.2   químicaAl 1.2   química
Al 1.2 química
FilipaFonseca
 
Hans christian oersted (1777-1851)
Hans christian oersted    (1777-1851)Hans christian oersted    (1777-1851)
Hans christian oersted (1777-1851)
FilipaFonseca
 
A mulher de negro (The Woman in Black) - livro
A mulher de negro (The Woman in Black) - livroA mulher de negro (The Woman in Black) - livro
A mulher de negro (The Woman in Black) - livro
FilipaFonseca
 
Queen
QueenQueen
Apresentação física e química elemento ouro
Apresentação física e química  elemento ouroApresentação física e química  elemento ouro
Apresentação física e química elemento ouro
FilipaFonseca
 
Ondas sísmicas power point
Ondas sísmicas power pointOndas sísmicas power point
Ondas sísmicas power point
FilipaFonseca
 

Mais de FilipaFonseca (13)

III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de SundvallIII Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
III Conferência Internacional de Promoção de Saúde de Sundvall
 
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º anoTrabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
Trabalho de pesquisa SIDA biologia 12º ano
 
Memorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estiloMemorial do Convento - linguagem e estilo
Memorial do Convento - linguagem e estilo
 
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
Psicologia B - As mulheres nas diferentes sociedades do Mundo
 
Karl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º anoKarl popper - Filosofia 11º ano
Karl popper - Filosofia 11º ano
 
Chuvas ácidas fq
Chuvas ácidas fqChuvas ácidas fq
Chuvas ácidas fq
 
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos biologia e geologia
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos  biologia e geologiaObtenção de matéria pelos seres autotróficos  biologia e geologia
Obtenção de matéria pelos seres autotróficos biologia e geologia
 
Al 1.2 química
Al 1.2   químicaAl 1.2   química
Al 1.2 química
 
Hans christian oersted (1777-1851)
Hans christian oersted    (1777-1851)Hans christian oersted    (1777-1851)
Hans christian oersted (1777-1851)
 
A mulher de negro (The Woman in Black) - livro
A mulher de negro (The Woman in Black) - livroA mulher de negro (The Woman in Black) - livro
A mulher de negro (The Woman in Black) - livro
 
Queen
QueenQueen
Queen
 
Apresentação física e química elemento ouro
Apresentação física e química  elemento ouroApresentação física e química  elemento ouro
Apresentação física e química elemento ouro
 
Ondas sísmicas power point
Ondas sísmicas power pointOndas sísmicas power point
Ondas sísmicas power point
 

Último

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
LEANDROSPANHOL1
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
PatriciaZanoli
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
7133lllllllllllllllllllllllllllll67.pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
2020_09_17 - Biomas Mundiais [Salvo automaticamente].pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa

  • 1.
  • 2. Aspetos caraterísticos da obra “Mensagem”; Atividade de pré-leitura; Leitura do poema a abordar; Análise da temática; Análise estilística; Conclusão; Resposta a questões de compreensão.
  • 3. 2 Realização Mar Português - O sonho - A concretização 1 Nascimento Brasão - O construtores do Império Império espiritual emergente: O QUINTO IMPÉRIO 3 Morte O Encoberto - O Império material moribundo
  • 4. “Pax in excelsis” I – “Os Símbolos”: figuras/conceitos que marcaram o passado e que são essenciais à construção do novo Portugal. II – “Os Avisos”: presença de duas personalidades – Bandarra e António Vieira – que, aliadas à voz do poeta, são figuras que transmitiram, nas suas épocas, uma visão profética e mística do Portugal futuro. III – “Os Tempos”: revelam-se os sinais que anunciam a proximidade de “O Encoberto”, mito com que o poeta metaforiza a regeneração cultural da nação portuguesa.
  • 5. “O Império Espiritual” de Fernando Pessoa ◙ Pessoa entende que Portugal possui o tamanho ideal para perseguir a construção de um Império Espiritual. ◙ Considera também que o seu domínio nunca será associado a intenções de expansão territorial. ◙ Esta tentativa de construção de um Império Espiritual já foi tentada na época dos Descobrimentos e falhada por falta de “gente para impor” (l.8). ◙ Sem capacidades de afirmação de um “Imperialismo de Matéria” (l.8) mas enquanto país formado por “almas de generais do Espírito” (ll. 11-12), Portugal conseguirá impor “uma civilização espiritual própria” (l.9).
  • 6. O Quinto Império Triste de quem vive em casa, Contente como seu lar, Sem que um sonho, no erguer de asa, Faça até mais rubra a brasa Da lareira a abandonar! Triste de quem é feliz! Vive porque a vida dura. Nada na alma lhe diz Mais que a lição da raiz – Ter por vida a sepultura. Eras sobre eras se somem No tempo que em eras vem. Ser descontente é ser homem. Que as forças cegas se domem Pela visão que a alma tem! Análise externa ◘ Quintilhas ◘ Esquema rimático: a/b/a/a/b ◘ Rima cruzada e interpolada ◘ Redondilha maior E assim, passados os quatro Tempos do ser que sonhou, A terra será teatro Do dia claro, que no atro Da erma noite começou. Triste de quem vive em casa, a Contente como seu lar, b Sem que um sonho, no erguer de asa, a Faça até mais rubra a brasa a Da lareira a abandonar! b Grécia, Roma, Cristandade, Europa – os quatro se vão Para onde vai toda idade. Quem vem viver a verdade Que morreu D. Sebastião? Rima cruzada Rima interpolada
  • 8. Triste de quem vive em casa, Contente como seu lar, Sem que um sonho, no erguer de asa, Faça até mais rubra a brasa Da lareira a abandonar! Triste de quem é feliz! Vive porque a vida dura. Nada na alma lhe diz Mais que a lição da raiz – Ter por vida a sepultura. 1.ª parte A vivência humana e a importância do sonho Eras sobre eras se somem No tempo que em eras vem. Ser descontente é ser homem. Que as forças cegas se domem Pela visão que a alma tem! E assim, passados os quatro Tempos do ser que sonhou, A terra será teatro Do dia claro, que no atro Da erma noite começou. Grécia, Roma, Cristandade, Europa – os quatro se vão Para onde vai toda idade. Quem vem viver a verdade Que morreu D. Sebastião? 2.ª parte Anúncio de um novo império
  • 9. Paradoxos Triste de quem vive em casa, Contente com o seu lar, Sem que um sonho, no erguer de asa, Faça até mais rubra a brasa Da lareira a abandonar! Triste de quem é feliz! Vive porque a vida dura. Nada na alma lhe diz Mais que a lição da raiz – Ter por vida a sepultura. Eras sobre eras se somem No tempo que em eras vem. Ser descontente é ser homem. Que as forças cegas se domem Pela visão que a alma tem! Campo lexical de «casa»: «lar», «lareira». Uso expressivo do verbo «durar» e dos substantivos «raiz» e «sepultura.
  • 10. Primeira parte - estrofes 1, 2 e 3 Triste de quem vive em casa, Contente como seu lar, Sem que um sonho, no erguer de asa, Faça até mais rubra a brasa Da lareira a abandonar! Triste de quem é feliz! Vive porque a vida dura. Nada na alma lhe diz Mais que a lição da raiz – Ter por vida a sepultura. Eras sobre eras se somem No tempo que em eras vem. Ser descontente é ser homem. Que as forças cegas se domem Pela visão que a alma tem! Apologia do sonho Seguir o sonho é o modo de ultrapassar a comum dimensão humana Curso temporal em eras e as <<forças cegas >>
  • 11. E assim, passados os quatro Tempos do ser que sonhou, A terra será teatro Do dia claro, que no atro Da erma noite começou. Grécia, Roma, Cristandade, Europa – os quatro se vão Para onde vai toda idade. Quem vem viver a verdade Que morreu D. Sebastião? Antítese Interrogação retórica
  • 12. Segunda parte – estrofe 5 E assim, passados os quatro Tempos do ser que sonhou, A terra será teatro Do dia claro, que no atro Da erma noite começou. Grécia, Roma, Cristandade, Europa – os quatro se vão Para onde vai toda idade. Quem vem viver a verdade Que morreu D. Sebastião? Referência aos quatro impérios antigos A chegada do Quinto Império
  • 13. O mito em “Mensagem”  Pessoa, partindo da figura histórica de D. Sebastião, reformula o sebastianismo passadista, caraterístico do temperamento nacional, renovando-o;  Serve-se das suas glórias para ultrapassar o cinzento do presente (“Nevoeiro”) -> construção de um futuro brilhante, o Quinto Império;  Evocação da loucura do jovem rei como necessária à revitalização e à criação de um novo império;  A figura de D. Sebastião, o Encoberto, traduz a incerteza e a hipótese de revelação de novas realidades;  Símbolo de esperança e de regeneração que levará à formação de um novo Portugal, de um novo império.
  • 14. ◘ Relação entre “Os Lusíadas” e “Mensagem” Visão do Império Camões Cantou o império real, o expansionismo material para o oriente, a cruzada religiosa contra os infiéis, a ultrapassagem dos obstáculos físicos que se erguiam aos portugueses por terra e por mar. Pessoa Antevê um Portugal, no futuro, além do material. Portugal não será assim grande em domínio territorial, mas em valores espirituais e morais. O objetivo do poeta é, portanto, espiritualista.
  • 15. 1. As três primeiras estrofes constituem uma reflexão acerca da vivência humana e da importância do sonho. As duas últimas configuram o anúncio de uma nova época, de um novo império. 2. O paradoxo congrega na mesma entidade caraterísticas opostas, conferindo-lhes uma natureza dúbia. Quem se diz feliz no comodismo do seu mundo é, na opinião do sujeito poético, “triste”. 2.1. Verso 13. 3. O vocabulário do campo lexical de “casa” (v.1) (“lar”, v. 2, “lareira”, v. 5) reforça a ideia de aconchego de quem vive acomodado e “Contente” (v. 2) com a sua vida sem “um sonho” (v. 3). 4. O verbo remete para a existência enquanto mero passar do tempo. Assim, quem “Vive porque a vida dura” não a aproveita e limita-se a existir. 4.1. “raiz” (v. 9) e “sepultura”(v. 10) associam-se ao imobilismo e à ausência de vida e de sonhos. 5. A antítese coloca em confronto o “[…] atro/ Da erma noite […]” – o tempo passado e presente – e o “dia claro” – o tempo futuro – que se anuncia sob a égide espiritual dos portugueses. Depois dos “quatro/ Tempos” (vv. 16-17), os quatro impérios considerados por Pessoa (grego, romano, cristão e europeu/inglês), chegará o Quinto Império. 6. A interrogação anuncia o Quinto Império que, sucedendo-se aos quatro anteriores, deles diferirá pela sua natureza; será o império da “verdade”, nascida com a morte de D. Sebastião.