SlideShare uma empresa Scribd logo
escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 E a nossa grande Raça partirá em busca de uma Índia nova, que não existe no espaço, em naus que são construídas “daquilo que os sonhos são feitos”. Fernando Pessoa, in  A Águia
Figura grande do nosso  Modernismo . No entanto, e por estar atento ao mundo literário português, cedo se envolve com outras correntes, participando, por exemplo, na revista  Águia , voz principal do  Saudosismo  português. Este movimento, (contemporâneo da Implantação da República) cuja principal figura é Teixeira de Pascoaes, baseia-se essencialmente na  Saudade , entendida como  a necessidade de existir algo ou alguém que oriente a alma portuguesa. No fundo, a saudade de uma Pátria Nova, ressuscitadora de valores considerados perdidos.  É neste âmbito que se traz, de novo, D. Sebastião, não como prenúncio de desgraças e tragédias, mas como anunciador de um novo espírito lusitano. FERNANDO PESSOA escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009
Um pouco antes de tudo isto… Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 Finais do século XIX, primeiros anos do século XX: Nesta altura, influenciados pela Geração de 70, alguns autores manifestam ideias que se pretendem construtoras de uma nova Nação, forte e empreendedora. Alguns exemplos das vozes que se ouviam: A Pátria (1896) - Guerra Junqueiro Crítica violenta à dinastia de Bragança e triste lamento por ter cumprido o sonho messiânico. O Desejado (1902) – António Nobre Depósito de todos os sonhos de renascimento nacional, simbolizado no regresso do Desejado (D. Sebastião). O Encoberto (1904) – Sampaio Bruno Pondo de parte qualquer missão monárquica, adepto entusiasta do idealismo republicano, profetiza para Portugal um futuro radioso. O Encoberto (1905) – Lopes Vieira Alegoria da vinda de D. Sebastião.
Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 É, portanto, deste espírito nacionalista que surge obra inspirada por todos este ideais nacionalistas; obra emblemática, cuja divindade é a Pátria.  Cuja religião, o Patriotismo   . Mensagem Vejam-se algumas afirmações de Pessoa: “  O meu intenso sofrimento patriótico, o meu intenso desejo de melhorar a condição de Portugal provocou em mim (...) mil projectos...” “  Jamais saberei exprimir o fervor, a intensidade – terna, revoltada e ansiosa - , do meu patriotismo.” “ O sofrimento que isto produz não sei se poderá ser definido como situado aquém da loucura.” Pessoa acreditou sempre que, através do Mito, poderia orientar os portugueses neste sentido patriótico. É assim que, centrado na figura de D. Sebastião, recupera o  Mito do Encoberto.
Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 MAS...   ... O que é o mito? o mito transmite-nos as tradições culturais de um povo. Na sua essência,  é a  história da origem das coisas . É, pois, um texto respeitado, mas pouco, ou nada, verosímil à luz da ciência, e que pretende explicar um fenómeno. É como que uma  versão alternativa  da história de um povo, pois este não abdica da sua história  oficial , institucionalmente aceite. O mito é o nada que é tudo. Fernando Pessoa O mito, diz Pessoa,  é o nada , pois não é real, no entanto, pelo que representa  é tudo , já que tem a força de preencher vazios, de nos incutir o sonho. Pessoa encontrou o caminho, reavivando, como já vinha acontecendo na época, o mito português: o   Sebastianismo
Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 Origem do Mito Sebastianista As suas raízes mais profundas encontramo-las nas  Trovas  de Bandarra que, num tom profético, anunciou a vinda do Salvador, do  Encuberto . DEVER-SE-Á CONSIDERAR A EXISTÊNCIA DO ,[object Object],Que leva a um ,[object Object]
Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 E sta evolução da crença após a morte do rei chama-se também pós-sebastianismo, que é o que constitui propriamente o mito: o regresso do rei, misteriosamente desaparecido nos areais de Alcácer-Quibir, para resgatar o seu povo do marasmo e da apatia em que se encontra. Daí que se trate de UM MITO MESSIÂNICO ou seja,  uma crença que se funda na vinda de um Salvador, que virá libertar o povo e restaurar o prestígio nacional.
Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 Mas convém clarificar a diferença entre: Na sua essência, este é um mito semelhante ao do Messias Cristão ou ao do Rei Artur, senão vejamos: Na  Mensagem , Pessoa chama a D. Filipa de Lencastre a  Princesa do Santo Graal ; Nuno Álvares Pereira é o escolhido e pode empunhar a  Excalibur ,  o  Desejado  é  Galaaz  com pátria  e tem como gládio a   Excalibur  do fim , cuja luz pode revelar o   Santo Graal. D. Sebastião, rei de Portugal ,  figura histórica; este é o  ser que houve , que morreu em Alcácer-Quibir . D. Sebastião  mítico, o Encoberto, aquele que há-se regressar  no ser que há , isto é, que vive na lenda que fecunda o sonho.
Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 Como no mito arturiano, é de lá, de Avalon, que, um dia, el-rei Artur há-de voltar... ...também el-rei  Sebastião virá para fundar o  . Quinto Império São de Pessoa estas linhas: “ A divisão: Império Grego (...); Império Romano(...); Império Cristão (...); Império Inglês (...) e o  Quinto Império, que necessariamente fundirá esses quatro impérios com tudo quanto esteja fora deles, formando pois o império verdadeiramente mundial, ou universal .” “ Comecemos por nos embebedar desse sonho  (sebastianismo) , por o integrar em nós, por o incarnar. (...) então se dará na alma da Nação o fenómeno imprevisível de onde nascerão as Novas Descobertas, a Criação do Mundo Novo, o Quinto Império. Terá regressado El-rei  D. Sebastião.” Este  Quinto Império  é, pois, espiritual. Tal como espiritual é a mensagem da  Mensagem .
escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 Mas... afinal que mensagem é essa? Estes Heróis surgem como referências para um futuro glorioso que possa ultrapassar o  presente moribundo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Portugal, que já dominara o mundo, desvanece, moribundo.. É a do nacionalismo, não aquele exacerbado e perigoso, mas um nacionalismo simbólico, fazendo apelo à alma portuguesa. Em poemas curtos, carregados de sentido, pessoa vai reabilitar os heróis nacionais, sobretudo aqueles que se destacaram na construção da Nação.
escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 Comecemos pela classificação da obra, diz-se  dela que é: Porque assente no mito do Encoberto Porque toda ela plena de simbologia  e conhecimentos ocultos  Porque um conjunto de 44 pequenos poemas. ,[object Object],[object Object],[object Object],MÍTICA  SIMBÓLICA  LÍRICA     ÉPICA
escola secundária gil eanes  .  literatura portuguesa II  .  professora antónia mancha  .  ano lectivo 2008/2009 Nada na  Mensagem  foi deixado ao acaso, nem sequer a data da sua publicação: 1 de Dezembro (1934), feriado nacional em que se comemora a independência. Composta por 44 poemas, cuidadosamente construídos ao longo de 28 anos, a  Mensagem , que esteve para chamar-se  Portugal,  apresenta uma estrutura que obedece a uma ordem específica:

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Viriato
ViriatoViriato
Viriato
ElisaCosta44
 
O desejado
O desejadoO desejado
O desejado
DianaAzevedo12
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Mariana Domingues
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
Iga Almeida
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
Paula Oliveira Cruz
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
sin3stesia
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
balolas
 
Mensagem síntese
Mensagem   sínteseMensagem   síntese
Mensagem síntese
ancrispereira
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
FilipaFonseca
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
António Teixeira
 
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
VniaRodrigues30
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Ricardo Santos
 
D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugal
GonaloNuno2
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
Dina Baptista
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Marisa Ferreira
 
Noite
NoiteNoite
Funções sintáticas exercícios
Funções sintáticas   exercíciosFunções sintáticas   exercícios
Funções sintáticas exercícios
António Fernandes
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
estado
 

Mais procurados (20)

Viriato
ViriatoViriato
Viriato
 
O desejado
O desejadoO desejado
O desejado
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Ceifeira
CeifeiraCeifeira
Ceifeira
 
"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem"Mar Português" - Mensagem
"Mar Português" - Mensagem
 
Autopsicografia e Isto
Autopsicografia e IstoAutopsicografia e Isto
Autopsicografia e Isto
 
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolosMensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
Mensagem de Fernando Pessoa: interpretações e símbolos
 
A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa A mensagem de fernando pessoa
A mensagem de fernando pessoa
 
Mensagem síntese
Mensagem   sínteseMensagem   síntese
Mensagem síntese
 
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
Ricardo Reis - Análise do poema "Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio"...
 
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os LusíadasIntertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
Intertextualidade Mensagem e Os Lusíadas
 
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa "Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
"Prece"- "Mensagem" de Fernando Pessoa
 
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenhoAnálise do poema Nao sei quantas almas tenho
Análise do poema Nao sei quantas almas tenho
 
D. João, infante de portugal
D. João, infante de portugalD. João, infante de portugal
D. João, infante de portugal
 
A "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. PessoaA "Mensagem", de F. Pessoa
A "Mensagem", de F. Pessoa
 
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e AdamastorAnálise comparativa - Mostrengo e Adamastor
Análise comparativa - Mostrengo e Adamastor
 
Noite
NoiteNoite
Noite
 
Funções sintáticas exercícios
Funções sintáticas   exercíciosFunções sintáticas   exercícios
Funções sintáticas exercícios
 
Resumo do conto george
Resumo do conto georgeResumo do conto george
Resumo do conto george
 

Destaque

Sebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto ImperioSebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto Imperio
complementoindirecto
 
6 o sebastianismo
6  o sebastianismo6  o sebastianismo
6 o sebastianismo
António Fernandes
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
FilipaFonseca
 
D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
aramalho340
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Maria Teixiera
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Inesa M
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
Vitor Manuel de Carvalho
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
Margarida Rodrigues
 

Destaque (8)

Sebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto ImperioSebastianismo e Quinto Imperio
Sebastianismo e Quinto Imperio
 
6 o sebastianismo
6  o sebastianismo6  o sebastianismo
6 o sebastianismo
 
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
"Quinto Império" - Mensagem de Fernando Pessoa
 
D.Sebastião
D.SebastiãoD.Sebastião
D.Sebastião
 
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de PortugalMensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
Mensagem - D. Sebastião Rei de Portugal
 
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & MensagemSebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
Sebastianismo: Os Lusíadas & Mensagem
 
Mensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os LusíadasMensagem & Os Lusíadas
Mensagem & Os Lusíadas
 
Frei luís de sousa
Frei luís de sousaFrei luís de sousa
Frei luís de sousa
 

Semelhante a Mensagem

Lusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagemLusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagem
Paulo Moura
 
Sebastianismo e V Império
Sebastianismo e V ImpérioSebastianismo e V Império
Sebastianismo e V Império
complementoindirecto
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
MartaROQUES1
 
Portugues pessoa a mensagem
Portugues pessoa a mensagem Portugues pessoa a mensagem
Portugues pessoa a mensagem
Tiago Filipe
 
Portugues pessoa
Portugues pessoaPortugues pessoa
Portugues pessoa
balolas
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
António Fraga
 
Mensagem.ppsx
Mensagem.ppsxMensagem.ppsx
Mensagem.ppsx
Sandra Ferreira
 
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolverOs Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
complementoindirecto
 
MensagemFP
MensagemFP MensagemFP
MensagemFP
Ana Martins
 
Aspectos relevantes da_obra_mensagem
Aspectos relevantes da_obra_mensagemAspectos relevantes da_obra_mensagem
Aspectos relevantes da_obra_mensagem
becresforte
 
Análise do poema ulisses
Análise do poema ulissesAnálise do poema ulisses
Análise do poema ulisses
EL Chenko
 
Eduardo Lourenço: Portugal como destino pocket book design
Eduardo Lourenço: Portugal como destino pocket book designEduardo Lourenço: Portugal como destino pocket book design
Eduardo Lourenço: Portugal como destino pocket book design
kylebowie
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
AlexandreRodrigues232310
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
luisprista
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
luisprista
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Os Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.pptOs Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.ppt
Elisabete Freitas
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
EL Chenko
 
mensagem (1).pptx
mensagem (1).pptxmensagem (1).pptx
mensagem (1).pptx
CecliaGomes25
 
Mensagem 100110090843-phpapp01
Mensagem 100110090843-phpapp01Mensagem 100110090843-phpapp01
Mensagem 100110090843-phpapp01
Alcindo Correia
 

Semelhante a Mensagem (20)

Lusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagemLusíadas e mensagem
Lusíadas e mensagem
 
Sebastianismo e V Império
Sebastianismo e V ImpérioSebastianismo e V Império
Sebastianismo e V Império
 
Português - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptxPortuguês - Mod. Nr 8.pptx
Português - Mod. Nr 8.pptx
 
Portugues pessoa a mensagem
Portugues pessoa a mensagem Portugues pessoa a mensagem
Portugues pessoa a mensagem
 
Portugues pessoa
Portugues pessoaPortugues pessoa
Portugues pessoa
 
Mensagem
MensagemMensagem
Mensagem
 
Mensagem.ppsx
Mensagem.ppsxMensagem.ppsx
Mensagem.ppsx
 
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolverOs Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
Os Lusíadas e Mensagem - Questões para desenvolver
 
MensagemFP
MensagemFP MensagemFP
MensagemFP
 
Aspectos relevantes da_obra_mensagem
Aspectos relevantes da_obra_mensagemAspectos relevantes da_obra_mensagem
Aspectos relevantes da_obra_mensagem
 
Análise do poema ulisses
Análise do poema ulissesAnálise do poema ulisses
Análise do poema ulisses
 
Eduardo Lourenço: Portugal como destino pocket book design
Eduardo Lourenço: Portugal como destino pocket book designEduardo Lourenço: Portugal como destino pocket book design
Eduardo Lourenço: Portugal como destino pocket book design
 
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa«A Mensagem» de Fernando Pessoa
«A Mensagem» de Fernando Pessoa
 
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
ApresentaçãO Para DéCimo Segundo Ano, Aula 17
 
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
Apresentação para décimo segundo ano, aula 62
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
 
Os Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.pptOs Lusíadas.ppt
Os Lusíadas.ppt
 
Mensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando PessoaMensagem Fernando Pessoa
Mensagem Fernando Pessoa
 
mensagem (1).pptx
mensagem (1).pptxmensagem (1).pptx
mensagem (1).pptx
 
Mensagem 100110090843-phpapp01
Mensagem 100110090843-phpapp01Mensagem 100110090843-phpapp01
Mensagem 100110090843-phpapp01
 

Mais de Antónia Mancha

Formação de palavras
Formação de palavras Formação de palavras
Formação de palavras
Antónia Mancha
 
Classificação do sujeito
Classificação do sujeitoClassificação do sujeito
Classificação do sujeito
Antónia Mancha
 
Contextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrotaContextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrota
Antónia Mancha
 
Pedro e inês
Pedro e inêsPedro e inês
Pedro e inês
Antónia Mancha
 
Contextualização Lusíadas
Contextualização LusíadasContextualização Lusíadas
Contextualização Lusíadas
Antónia Mancha
 
Estatística gil 2
Estatística gil 2Estatística gil 2
Estatística gil 2
Antónia Mancha
 
Estatística 10 11 - gil - 1º período
Estatística 10 11 - gil - 1º períodoEstatística 10 11 - gil - 1º período
Estatística 10 11 - gil - 1º período
Antónia Mancha
 
Descobre os filósofos
Descobre os filósofosDescobre os filósofos
Descobre os filósofos
Antónia Mancha
 
VergíLio Ferreira
VergíLio FerreiraVergíLio Ferreira
VergíLio Ferreira
Antónia Mancha
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
Antónia Mancha
 
Brecht Em O Render Dos HeróIs
Brecht Em O Render Dos HeróIsBrecht Em O Render Dos HeróIs
Brecht Em O Render Dos HeróIs
Antónia Mancha
 
Sophia
SophiaSophia
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
Antónia Mancha
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
Antónia Mancha
 
Camilo Pessanha
Camilo PessanhaCamilo Pessanha
Camilo Pessanha
Antónia Mancha
 
Escolas Finisseculares
Escolas FinissecularesEscolas Finisseculares
Escolas Finisseculares
Antónia Mancha
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da Narrativa
Antónia Mancha
 

Mais de Antónia Mancha (18)

Formação de palavras
Formação de palavras Formação de palavras
Formação de palavras
 
Classificação do sujeito
Classificação do sujeitoClassificação do sujeito
Classificação do sujeito
 
Contextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrotaContextualização batalha de aljubarrota
Contextualização batalha de aljubarrota
 
Pedro e inês
Pedro e inêsPedro e inês
Pedro e inês
 
Contextualização Lusíadas
Contextualização LusíadasContextualização Lusíadas
Contextualização Lusíadas
 
Estatística gil 2
Estatística gil 2Estatística gil 2
Estatística gil 2
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Estatística 10 11 - gil - 1º período
Estatística 10 11 - gil - 1º períodoEstatística 10 11 - gil - 1º período
Estatística 10 11 - gil - 1º período
 
Descobre os filósofos
Descobre os filósofosDescobre os filósofos
Descobre os filósofos
 
VergíLio Ferreira
VergíLio FerreiraVergíLio Ferreira
VergíLio Ferreira
 
Cesário Verde
Cesário VerdeCesário Verde
Cesário Verde
 
Brecht Em O Render Dos HeróIs
Brecht Em O Render Dos HeróIsBrecht Em O Render Dos HeróIs
Brecht Em O Render Dos HeróIs
 
Sophia
SophiaSophia
Sophia
 
Miguel Torga
Miguel TorgaMiguel Torga
Miguel Torga
 
O Modernismo
O ModernismoO Modernismo
O Modernismo
 
Camilo Pessanha
Camilo PessanhaCamilo Pessanha
Camilo Pessanha
 
Escolas Finisseculares
Escolas FinissecularesEscolas Finisseculares
Escolas Finisseculares
 
Categorias Da Narrativa
Categorias Da NarrativaCategorias Da Narrativa
Categorias Da Narrativa
 

Último

A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
JuliaMachado73
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 

Último (20)

A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptxapresentação sobre Clarice Lispector .pptx
apresentação sobre Clarice Lispector .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 

Mensagem

  • 1. escola secundária gil eanes . literatura portuguesa II . professora antónia mancha . ano lectivo 2008/2009 E a nossa grande Raça partirá em busca de uma Índia nova, que não existe no espaço, em naus que são construídas “daquilo que os sonhos são feitos”. Fernando Pessoa, in A Águia
  • 2. Figura grande do nosso Modernismo . No entanto, e por estar atento ao mundo literário português, cedo se envolve com outras correntes, participando, por exemplo, na revista Águia , voz principal do Saudosismo português. Este movimento, (contemporâneo da Implantação da República) cuja principal figura é Teixeira de Pascoaes, baseia-se essencialmente na Saudade , entendida como a necessidade de existir algo ou alguém que oriente a alma portuguesa. No fundo, a saudade de uma Pátria Nova, ressuscitadora de valores considerados perdidos. É neste âmbito que se traz, de novo, D. Sebastião, não como prenúncio de desgraças e tragédias, mas como anunciador de um novo espírito lusitano. FERNANDO PESSOA escola secundária gil eanes . literatura portuguesa II . professora antónia mancha . ano lectivo 2008/2009
  • 3. Um pouco antes de tudo isto… Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes . literatura portuguesa II . professora antónia mancha . ano lectivo 2008/2009 Finais do século XIX, primeiros anos do século XX: Nesta altura, influenciados pela Geração de 70, alguns autores manifestam ideias que se pretendem construtoras de uma nova Nação, forte e empreendedora. Alguns exemplos das vozes que se ouviam: A Pátria (1896) - Guerra Junqueiro Crítica violenta à dinastia de Bragança e triste lamento por ter cumprido o sonho messiânico. O Desejado (1902) – António Nobre Depósito de todos os sonhos de renascimento nacional, simbolizado no regresso do Desejado (D. Sebastião). O Encoberto (1904) – Sampaio Bruno Pondo de parte qualquer missão monárquica, adepto entusiasta do idealismo republicano, profetiza para Portugal um futuro radioso. O Encoberto (1905) – Lopes Vieira Alegoria da vinda de D. Sebastião.
  • 4. Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes . literatura portuguesa II . professora antónia mancha . ano lectivo 2008/2009 É, portanto, deste espírito nacionalista que surge obra inspirada por todos este ideais nacionalistas; obra emblemática, cuja divindade é a Pátria. Cuja religião, o Patriotismo . Mensagem Vejam-se algumas afirmações de Pessoa: “ O meu intenso sofrimento patriótico, o meu intenso desejo de melhorar a condição de Portugal provocou em mim (...) mil projectos...” “ Jamais saberei exprimir o fervor, a intensidade – terna, revoltada e ansiosa - , do meu patriotismo.” “ O sofrimento que isto produz não sei se poderá ser definido como situado aquém da loucura.” Pessoa acreditou sempre que, através do Mito, poderia orientar os portugueses neste sentido patriótico. É assim que, centrado na figura de D. Sebastião, recupera o Mito do Encoberto.
  • 5. Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes . literatura portuguesa II . professora antónia mancha . ano lectivo 2008/2009 MAS... ... O que é o mito? o mito transmite-nos as tradições culturais de um povo. Na sua essência, é a história da origem das coisas . É, pois, um texto respeitado, mas pouco, ou nada, verosímil à luz da ciência, e que pretende explicar um fenómeno. É como que uma versão alternativa da história de um povo, pois este não abdica da sua história oficial , institucionalmente aceite. O mito é o nada que é tudo. Fernando Pessoa O mito, diz Pessoa, é o nada , pois não é real, no entanto, pelo que representa é tudo , já que tem a força de preencher vazios, de nos incutir o sonho. Pessoa encontrou o caminho, reavivando, como já vinha acontecendo na época, o mito português: o Sebastianismo
  • 6.
  • 7. Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes . literatura portuguesa II . professora antónia mancha . ano lectivo 2008/2009 E sta evolução da crença após a morte do rei chama-se também pós-sebastianismo, que é o que constitui propriamente o mito: o regresso do rei, misteriosamente desaparecido nos areais de Alcácer-Quibir, para resgatar o seu povo do marasmo e da apatia em que se encontra. Daí que se trate de UM MITO MESSIÂNICO ou seja, uma crença que se funda na vinda de um Salvador, que virá libertar o povo e restaurar o prestígio nacional.
  • 8. Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes . literatura portuguesa II . professora antónia mancha . ano lectivo 2008/2009 Mas convém clarificar a diferença entre: Na sua essência, este é um mito semelhante ao do Messias Cristão ou ao do Rei Artur, senão vejamos: Na Mensagem , Pessoa chama a D. Filipa de Lencastre a Princesa do Santo Graal ; Nuno Álvares Pereira é o escolhido e pode empunhar a Excalibur , o Desejado é Galaaz com pátria e tem como gládio a Excalibur do fim , cuja luz pode revelar o Santo Graal. D. Sebastião, rei de Portugal , figura histórica; este é o ser que houve , que morreu em Alcácer-Quibir . D. Sebastião mítico, o Encoberto, aquele que há-se regressar no ser que há , isto é, que vive na lenda que fecunda o sonho.
  • 9. Um pouco antes de tudo isto... escola secundária gil eanes . literatura portuguesa II . professora antónia mancha . ano lectivo 2008/2009 Como no mito arturiano, é de lá, de Avalon, que, um dia, el-rei Artur há-de voltar... ...também el-rei Sebastião virá para fundar o . Quinto Império São de Pessoa estas linhas: “ A divisão: Império Grego (...); Império Romano(...); Império Cristão (...); Império Inglês (...) e o Quinto Império, que necessariamente fundirá esses quatro impérios com tudo quanto esteja fora deles, formando pois o império verdadeiramente mundial, ou universal .” “ Comecemos por nos embebedar desse sonho (sebastianismo) , por o integrar em nós, por o incarnar. (...) então se dará na alma da Nação o fenómeno imprevisível de onde nascerão as Novas Descobertas, a Criação do Mundo Novo, o Quinto Império. Terá regressado El-rei D. Sebastião.” Este Quinto Império é, pois, espiritual. Tal como espiritual é a mensagem da Mensagem .
  • 10.
  • 11.
  • 12. escola secundária gil eanes . literatura portuguesa II . professora antónia mancha . ano lectivo 2008/2009 Nada na Mensagem foi deixado ao acaso, nem sequer a data da sua publicação: 1 de Dezembro (1934), feriado nacional em que se comemora a independência. Composta por 44 poemas, cuidadosamente construídos ao longo de 28 anos, a Mensagem , que esteve para chamar-se Portugal, apresenta uma estrutura que obedece a uma ordem específica: